2ª Reunião Ordinária da Comissão Estadual de Florestas Públicas do Amapá (COMEF/AP)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2ª Reunião Ordinária da Comissão Estadual de Florestas Públicas do Amapá (COMEF/AP)"

Transcrição

1 2ª Reunião Ordinária da Comissão Estadual de Florestas Públicas do Amapá (COMEF/AP) Ana Euler (Diretora-Presidente - IEF) Marcos Almeida (Coordenador - CARF/IEF) Euryandro R. Costa (Gerente de Núcleo NCRFO/CARF/IEF) MACAPÁ - AP 24 de junho de 2014

2 PAUTAS DA REUNIÃO Aprovação da ata da 1ª Reunião Ordinária da COMEF/AP; Apresentação sobre a implementação das Concessões Florestais; Apresentação e aprovação do conteúdo e áreas que comporão o PAOF 2015; Outros informes.

3 IMPLEMENTAÇÃO DAS CONCESSÕES FLORESTAIS

4 FLUXOGRAMA DE FASES E ETAPAS DAS CONCESSÕES FLORESTAIS (LEI /06) Fase-3 Execução do Contrato 2014/2015 Fase-2 Edital / Licitação 2014 Fase-1 Préedital 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS IMPLEMENTAÇÃO DAS CONCESSÕES FLORESTAIS Criação e Análise do Cadastro Estadual de Florestas Públicas Elaboração do Plano Anual de Outorga Florestal - PAOF Licença Prévia Plano de Manejo das UC`s RAP Lançamento do Pré-edital; realização de reuniões técnicas e audiências públicas Publicação do edital Habilitação dos concorrentes Julgamento das propostas Assinatura do contrato Elaboração do PMFS Análise do PMFS pelo órgão licenciador Aprovação do PMFS e emissão da AUTEX Monitoramento, fiscalização, auditorias independentes

5 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS CADASTRO ESTADUAL DE FLORESTAS PÚBLICAS

6 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS CADASTRO ESTADUAL DE FLORESTAS PÚBLICAS

7 FLUXOGRAMA DE FASES E ETAPAS DAS CONCESSÕES FLORESTAIS (LEI /06) Fase-3 Execução do Contrato 2014/2015 Fase-2 Edital / Licitação 2014 Fase-1 Préedital 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS IMPLEMENTAÇÃO DAS CONCESSÕES FLORESTAIS Criação e Análise do Cadastro Estadual de Florestas Públicas Elaboração do Plano Anual de Outorga Florestal - PAOF Licença Prévia Plano de Manejo das UC`s RAP Lançamento do Pré-edital; realização de reuniões técnicas e audiências públicas Publicação do edital Habilitação dos concorrentes Julgamento das propostas Assinatura do contrato Elaboração do PMFS Análise do PMFS pelo órgão licenciador Aprovação do PMFS e emissão da AUTEX Monitoramento, fiscalização, auditorias independentes

8 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PLANO ANUAL DE OUTORGA FLORESTAL 2014

9 FLUXOGRAMA DE FASES E ETAPAS DAS CONCESSÕES FLORESTAIS (LEI /06) Fase-3 Execução do Contrato 2014/2015 Fase-2 Edital / Licitação 2014 Fase-1 Préedital 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS IMPLEMENTAÇÃO DAS CONCESSÕES FLORESTAIS Criação e Análise do Cadastro Estadual de Florestas Públicas Elaboração do Plano Anual de Outorga Florestal - PAOF Licença Prévia Plano de Manejo das UC`s RAP Lançamento do Pré-edital; realização de reuniões técnicas e audiências públicas Publicação do edital Habilitação dos concorrentes Julgamento das propostas Assinatura do contrato Elaboração do PMFS Análise do PMFS pelo órgão licenciador Aprovação do PMFS e emissão da AUTEX Monitoramento, fiscalização, auditorias independentes

10 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PLANO DE MANEJO DA FLOTA/AP Floresta Estadual do Amapá (FLOTA/AP) - Unidade de Conservação de Uso Sustentável com 2,3 milhões de hectares correspondendo a 16% do território e abrangendo 10 municípios do Estado do Amapá. Plano de Manejo elaborado e aprovado - Recurso da Câmara Técnica de Compensação Ambiental (R$ ,00).

11 ETAPA 5 - APROVAÇÃO DO PM (SEMA) ETAPA 4 - VERSÃO FINAL DO PM ETAPA-3 CONTRUÇÃO PARTICIPATIVA DO PM ETAPA-2 DIAGNÓSTIC O ESTAPA-1 PLANEJAME NTO/MOBIL IZAÇÃO APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PLANO DE MANEJO DA FLOTA/AP METAS 1.1 Constituição da equipe de planejamento 1.2 Elaboração do plano de trabalho 1.3 Levantamento de informações prévias e mobilização 2.1 Elaboração da proposta metodológica 2.2 Caracterização do meio físico, biótico e abiótico 2.3 Caracterização socioeconômica 3.1 Contratação de consultoria para escrever a proposta de plano de manejo 3.2 Análise dos dados primários dos diagnósticos meio físico, biótico e socioeconômica 3.3 Oficina de pesquisadores 3.4 Oficinas de planejamento participativo 3.5 Consolidação e Avaliação dos produtos da etapa 4.1 Submissão da versão completa do Plano de Manejo 4.2 Entrega da versão final do Plano de Manejo 5.1 Criação do Conselho Gestor da FLOTA/AP 5.2 Apresentação do Plano para Conselho Gestor 5.3 Publicação da Plano Portaria conjunta 001/2014 (SEMA/IEF) DOE /04/2014

12 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PLANO DE MANEJO DA FLOTA/AP

13 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PLANO DE MANEJO DA FLOTA/AP Conclusão do Plano de Manejo em fevereiro de APROVAÇÃO e PUBLICAÇÃO - Portaria conjunta 001/2014 (SEMA/IEF) DOE /04/2014

14 FLUXOGRAMA DE FASES E ETAPAS DAS CONCESSÕES FLORESTAIS (LEI /06) Fase-3 Execução do Contrato 2014/2015 Fase-2 Edital / Licitação 2014 Fase-1 Préedital 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS IMPLEMENTAÇÃO DAS CONCESSÕES FLORESTAIS Criação e Análise do Cadastro Estadual de Florestas Públicas Elaboração do Plano Anual de Outorga Florestal - PAOF Licença Prévia Plano de Manejo das UC`s RAP Lançamento do Pré-edital; realização de reuniões técnicas e audiências públicas Publicação do edital Habilitação dos concorrentes Julgamento das propostas Assinatura do contrato Elaboração do PMFS Análise do PMFS pelo órgão licenciador Aprovação do PMFS e emissão da AUTEX Monitoramento, fiscalização, auditorias independentes

15 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PRÉ-EDITAL DE LICITAÇÃO PARA CONCESSÃO FLORESTAL ETAPAS INTERMEDIÁRIAS FASE 1 Estudo de precificação do m3 da madeira em pé Criação da COMEF/AP e regimento interno Submissão e aprovação do PAOF Lançamento do pré-edital Estudo de Antropismo

16 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PRÉ-EDITAL DE LICITAÇÃO PARA CONCESSÃO FLORESTAL LANÇADO EM: DEZEMBRO/2013 COMPOSTO POR: - PRÉ-EDITAL; - ANEXOS (22 anexos); - MEMÓRIA DE CÁLCULO.

17 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PRÉ-EDITAL DE LICITAÇÃO PARA CONCESSÃO FLORESTAL REUNIÕES TÉCNICAS: - Câmaras de Vereadores (03 municípios) com atores estratégicos; - Conselho Gestor da FLOTA/AP. AUDIÊNCIAS PÚBLICAS: - Pedra Branca do Amapari: 22/03/2014; - Porto Grande: 26/03/2014; - Mazagão: 29/03/2014.

18 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS Audiências Públicas

19 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PRÉ-EDITAL DE LICITAÇÃO PARA CONCESSÃO FLORESTAL TREINAMENTO CEL/IEF: Treinamento realizado pelo César Lima (SFB) para a Comissão Especial de Licitação (CEL/IEF) para Concessão Florestal. INTERCÂMBIO DA CEL/IEF COM A CEL/IDEFLOR: Intercâmbio entre a Comissão Especial de Licitação (CEL/IEF) com a Comissão Especial Licitação do Instituto de Desenvolvimento Florestal do Pará (CEL/IDEFLOR) para troca de experiências de elaboração dos editais de concessão florestal, estrutura administrativa, tramitação processual e análise de propostas técnicas e preço.

20 FLUXOGRAMA DE FASES E ETAPAS DAS CONCESSÕES FLORESTAIS (LEI /06) Fase-3 Execução do Contrato 2014/2015 Fase-2 Edital / Licitação 2014 Fase-1 Préedital 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS IMPLEMENTAÇÃO DAS CONCESSÕES FLORESTAIS Criação e Análise do Cadastro Estadual de Florestas Públicas Elaboração do Plano Anual de Outorga Florestal - PAOF Licença Prévia Plano de Manejo das UC`s RAP Lançamento do Pré-edital; realização de reuniões técnicas e audiências públicas Publicação do edital Habilitação dos concorrentes Julgamento das propostas Assinatura do contrato Elaboração do PMFS Análise do PMFS pelo órgão licenciador Aprovação do PMFS e emissão da AUTEX Monitoramento, fiscalização, auditorias independentes

21 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS IEF/AP Elabora e publica o 1º Edital de Concessão Florestal: 2014 Lote 1 Floresta Estadual do Amapá (FLOTA/AP)

22 PAOF 2015

23 Marcos Regulatórios PAOF 2015 LEI FEDERAL nº /06 Lei de Gestão de Florestas Públicas (LGFP); DECRETO COMPLEMENTAR nº 6.063/07; DECRETO ESTADUAL nº 5.762/2013 Gestão de Florestas Públicas Estaduais.

24 PAOF 2015 Lei nº , de 02 de março de 2006 A Lei define três formas para produção sustentável: 1. Criação de Florestas Nacionais (FLONAS), Estaduais (FLOTAS) e Municipais; 2. Destinação de florestas públicas às comunidades locais (assentamentos florestais, reservas extrativistas e áreas quilombolas); 3. Concessão Florestal (concessões onerosas).

25 PAOF 2015 Lei nº , de 02 de março de 2006 PARA OS FINS DO DISPOSTO NESTA LEI, CONSIDERAM-SE: VII Concessão Florestal: delegação onerosa, feita pelo poder concedente, do direito de praticar manejo florestal sustentável para exploração de produtos e serviços numa unidade de manejo, mediante licitação, à pessoa jurídica, em consórcio ou não, que atenda às exigências do respectivo edital de licitação e demonstre capacidade para seu desempenho, por sua conta e risco e por prazo determinado;

26 FLUXOGRAMA DE FASES E ETAPAS DAS CONCESSÕES FLORESTAIS (LEI /2014) Fase-3 Execução do Contrato Fase-2 Edital / Licitação Fase-1 Préedital OPORTUNIDADES A PARTIR DAS CONCESSÕES PAOF 2015 Criação e Análise do Cadastro Estadual de Florestas Públicas Controle, fiscalização, proteção e monitoramento florestal Elaboração do Plano Anual de Outorga Florestal - PAOF Licença Prévia Plano de Manejo das UC`s RAP Lançamento do Pré-edital; realização de reuniões técnicas e audiências públicas Madeira legal Empregos diretos Publicação do edital Habilitação dos concorrentes Desenvolvimento local para os municípios Julgamento das propostas Assinatura do contrato Fortalecimento da indústria madeireira Elaboração do PMFS Análise do PMFS pelo órgão licenciador Aprovação do PMFS e emissão da AUTEX Monitoramento, fiscalização, auditorias independentes Desenvolvimento econômico sustentável Controle social

27 Plano Anual de Outorga Florestal Instrumento criado para apresentar e descrever as Florestas Públicas estaduais passíveis de concessão florestal no período de janeiro a dezembro do ano vigente considerando a convergência e o alinhamento com outras políticas públicas. São elegíveis para fins de concessão florestal as unidades de manejo previstas no Plano Anual de Outorga Florestal (art. 9 - lei nº /06). O Plano Anual de Outorga Florestal PAOF, proposto pelo órgão gestor e definido pelo poder concedente, conterá a descrição de todas as florestas públicas a serem submetidas a processos de concessão no ano em que vigorar (art lei nº /06). O PAOF será submetido pelo órgão gestor à manifestação do órgão consultivo da respectiva esfera de governo (art º).

28 Estrutura Institucional (Decreto Estadual nº 5.762/2013 art. 19): I Poder concedente: Estado do Amapá; II Órgão Consultivo: Comissão Estadual de Florestas Públicas do Amapá COMEF/AP; III Órgão Ambiental: IMAP; IV Órgão Gestor: IEF/AP.

29 Florestas Públicas Estaduais

30 UCs Lei de criação Área (ha) RDS IRATAPURU lei 0392 de 11/12/ ,00 APA DO RIO CURIAÚ lei 0431 de 15/09/ ,00 APA DA FAZENDINHA lei 0873 de 31/12/ ,59 FLOTA AMAPÁ lei de 12/07/ ,00 REBIO Parazinho D.E. 005 de 21/01/ ,32 Total ,91 Projetos de Assentamentos Agroextrativistas Estaduais Lei de criação Área (ha) PAE ILHA CURUÁ ,00 PAE ILHA DO MARINHEIRO ,00 PAE ILHA DO FRANCO ,00 PAE ILHA DO BRIQUE ,00 Total ,00 Total de FPE destinadas (ha) ,91 Total de FPE não destinadas (ha) ,35 TOTAL DE FLORESTAS PÚBLICAS ,26

31 Metodologia de seleção das Florestas Públicas Estaduais Passíveis de Concessão Florestal 1ª FASE - Seleção das Florestas Públicas Estaduais Legalmente Aptas para Concessão Florestal; 2ª FASE - Seleção das Florestas Públicas Estaduais Passíveis de Concessão Florestal no Ano de Vigência deste PAOF.

32 1ª FASE Filtro de exclusão em áreas de FPE

33 2ª FASE Filtro de exclusão em áreas de FPE

34 LOTE 1 PRÉ-EDITAL 2014

35 MÓDULO I FLOTA-AP

36 MÓDULO I Zona de Manejo Florestal Sustentável Área aprox.: ,98 ha

37 Gleba Iratapuru 2ª Área Devoluta Apurada

38 Mecanismos de acessibilidade ao processo de Concessão Florestal Concessões Para Produtos Madeireiros Pequena Média Grande Categoria de UMF Até ha De ha a ha Igual ou superior a ha A oportunidade de acesso às concessões implica na inclusão obrigatória de pelo menos duas das categorias de unidades de manejo, em cada lote de concessão presente nos editais.

39 CAPAS PARA O PAOF 2015 CAPA 01 CAPA 02

40 OBRIGADO! Coordenação Técnica do PAOF Euryandro Ribeiro Costa Equipe de Elaboração Alinny da Silva Lima Sarmento Euryandro Ribeiro Costa Eden Quaresma Barbosa Jaqueline Homobono Nobre Marcos Renato Dantas de Almeida Elaboração de mapas Francinete da Silva Facundes Luís Henrique Moreira Lopes Revisão Técnica Ana Margarida Castro Euler Marcos Renato Dantas de Almeida Arte Gráfica e Diagramação Amaury Pereira dos Santos Para mais informações: Programa Vozes da Floresta, todos os sábados de 06:30h às 08:00 h na rádio Difusora de Macapá AM

PLANO ANUAL DE OUTORGA FLORESTAL DO ESTADO DO AMAPÁ PAOF 2014. Euryandro Ribeiro (Gerente de Núcleo NCRFO IEF/AP)

PLANO ANUAL DE OUTORGA FLORESTAL DO ESTADO DO AMAPÁ PAOF 2014. Euryandro Ribeiro (Gerente de Núcleo NCRFO IEF/AP) PLANO ANUAL DE OUTORGA FLORESTAL DO ESTADO DO AMAPÁ PAOF 2014 Euryandro Ribeiro (Gerente de Núcleo NCRFO IEF/AP) 1ª Reunião da COMEF/AP Macapá-AP / NOVEMBRO DE 2013 Marcos Regulatórios LEI FEDERAL DE OUTORGA

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli LEI 11.284/2006 LEI DA CONCESSÃO DE FLORESTAS SUMÁRIO 1 Introdução 2 Serviço

Leia mais

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável José Humberto Chaves Gerência de Planejamento Florestal Setembro, 2010-1 - Sumário 1. As florestas no Brasil. 2. O Setor Florestal

Leia mais

Licitação do 1º Lote de Concessões Florestais - Floresta Nacional do Jamari (RO) Caderno de Introdução

Licitação do 1º Lote de Concessões Florestais - Floresta Nacional do Jamari (RO) Caderno de Introdução Licitação do 1º Lote de Concessões Florestais - Floresta Nacional do Jamari (RO) Caderno de Introdução Setembro, 2007 Sumário 1. Antecedentes 3. PAOF 2007-2008 5. Processo de Concessão 7. Floresta Nacional

Leia mais

<<< Assembléia Legislativa do Estado do Amazonas >>> Lei Ordinária nº 3527/2010 de 28/07/2010

<<< Assembléia Legislativa do Estado do Amazonas >>> Lei Ordinária nº 3527/2010 de 28/07/2010 Assembléia Legislativa do Estado do Amazonas Imprimir Voltar Lei Ordinária nº 3527/2010 de 28/07/2010 Ementa DISPÕE sobre as concessões florestais nas unidades de conservação de uso sustentável denominadas

Leia mais

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Caracterização geral da Flota Amapá... 2 3. Lote de Unidades de Manejo Florestal... 2 4. Ferramentas utilizadas para caracterização das UMFs... 3 4.1. Cálculo da área efetiva

Leia mais

GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS O IBAMA E AS CONCESSÕES FLORESTAIS NO BRASIL

GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS O IBAMA E AS CONCESSÕES FLORESTAIS NO BRASIL GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS O IBAMA E AS CONCESSÕES FLORESTAIS NO BRASIL Paulo José Prudente de Fontes Engº. Florestal / Analista Ambiental IBAMA / ASIBAMA O RECURSO FLORESTAL BRASILEIRO O Brasil é detentor

Leia mais

ISSN 2176-6797. Anual de. Florestal. Brasília DF Julho de 2014

ISSN 2176-6797. Anual de. Florestal. Brasília DF Julho de 2014 ISSN 2176-6797 Plano Anual de Outorga Florestal 2015 s í n t e s e Brasília DF Julho de 2014 1 Dossel na FLONA de Saracá-Taquera Arquivo de imagens GEMAF/SFB ISSN 2176-6797 Plano Anual de Outorga Florestal

Leia mais

Gestão Florestal para a Produção Sustentável de Bens e Serviços no Brasil

Gestão Florestal para a Produção Sustentável de Bens e Serviços no Brasil Gestão Florestal para a Produção Sustentável de Bens e Serviços no Brasil Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente da República José Alencar Gomes da Silva Ministro do Meio Ambiente

Leia mais

TÍTULO: ANOTAÇÕES SOBRE A LEI DE GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS E AS LICITAÇÕES PARA CONCESSÃO FLORESTAL

TÍTULO: ANOTAÇÕES SOBRE A LEI DE GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS E AS LICITAÇÕES PARA CONCESSÃO FLORESTAL Página112 TÍTULO: AS LICITAÇÕES PARA CONCESSÃO FLORESTAL Vanderson Roberto Vieira 1 SUMÁRIO: 1- INTRODUÇÃO; 2- FNDF; 3- PLANO ANUAL DE OUTORGA FLORESTAL - PAOF; 4- CONCESSÃO FLORESTAL ONEROSA; 5- A LICITAÇÃO

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 APOIO FINANCEIRO AO PROCESSO DE

Leia mais

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária CONSOLIDAÇÃO TERRITORIAL Implantação e gestão territorial das UCs REGULARIZAÇÃO DA SITUAÇÃO

Leia mais

As Concessões de Florestas Públicas na Amazônia Brasileira

As Concessões de Florestas Públicas na Amazônia Brasileira As Concessões de Florestas Públicas na Amazônia Brasileira Um manual para pequenos e médios produtores florestais Edição 2010 As Concessões de Florestas Públicas na Amazônia Brasileira Um manual para

Leia mais

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO PROJETO BRA/11/021 - PROGRAMA DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COM INCLUSÃO SOCIAL (PSA)

Leia mais

Lei de Gestão de Florestas Públicas como Instrumento para a Conservação

Lei de Gestão de Florestas Públicas como Instrumento para a Conservação Lei de Gestão de Florestas Públicas como Instrumento para a Conservação Mauricio Sacramento Unidade Regional Purus Madeira Serviço Florestal Brasileiro Ministério do Meio Ambiente Roteiro 1. Lei de Gestão

Leia mais

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA.

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 379, de 19/10/2006 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal

Leia mais

Instrumentos econômicos da nova proposta para a gestão de florestas públicas no Brasil

Instrumentos econômicos da nova proposta para a gestão de florestas públicas no Brasil Instrumentos econômicos da nova proposta para a gestão de florestas públicas no Brasil TASSO REZENDE DE AZEVEDO 1* MARIA ALICE CORRÊA TOCANTINS 2 1 Serviço Florestal Brasileiro, Ministério do Meio Ambiente,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ INDICADORES Fronteira: Pará, Guiana Francesa e Suriname Municípios: 16 Área: 143.453,71 km 98% de cobertura florestal conservada População: 613.164

Leia mais

Plano Anual de Aplicação Regionalizada

Plano Anual de Aplicação Regionalizada Plano Anual de Aplicação Regionalizada PAAR - 2015 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL Introdução PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO REGIONALIZADA

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FÍSICA DA PRIMEIRA ETAPA DO PLANO DE MANEJO DA FLOTA/AP

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FÍSICA DA PRIMEIRA ETAPA DO PLANO DE MANEJO DA FLOTA/AP RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FÍSICA DA PRIMEIRA ETAPA DO PLANO DE MANEJO DA FLOTA/AP Macapá/AP Fevereiro/2012 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FÍSICA DA PRIMEIRA ETAPA DO PLANO DE MANEJO DA FLOTA/AP Relatório apresentado

Leia mais

O Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC) do Amazonas: momento atual e perspectivas futuras

O Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC) do Amazonas: momento atual e perspectivas futuras O Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC) do Amazonas: momento atual e perspectivas futuras Centro Estadual de Unidades de Conservação Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Visita para levantamento de dados para consolidação do marco zero. Oficina inicial de apresentação da entidade

Visita para levantamento de dados para consolidação do marco zero. Oficina inicial de apresentação da entidade SOCIO CULTURAL AMBIENTAL PRODUTIVO PLANEJAMENTO DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES POR META - MATA NORTE EIXO Nº SERVIÇO CÓDIGO ATIVIDADE QUANTIDADE TEMPO GASTO % DAS HORAS SALDO A1 Visita indivual as famílias

Leia mais

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios 30 anos da FLONA do Jamari História e desafios Porto Velho- RO Outubro/2014 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio Autarquia Federal vinculada ao MMA Missão: Proteger o patrimônio

Leia mais

Abordagens metodológicas na Elaboração de Planos Municipais de Saneamento Básico.

Abordagens metodológicas na Elaboração de Planos Municipais de Saneamento Básico. Seminário Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia: Desafios e Perspectivas da Implementação Abordagens metodológicas na Elaboração de Planos Municipais de Saneamento Básico. Danilo Gonçalves

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LINHA DO TEMPO - PRINCIPAIS MARCOS 1992 ECO-92, RIO DE JANEIRO, BRASIL. INSTITUIÇÃO DE CONVENÇÕES, NO ÂMBITO DA ONU: CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA CDB; CONVENÇÃO DE MUDANÇAS

Leia mais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas Projeto de Compras Governamentais 2º Seminário Internacional sobre Compras e Contratações Sustentáveis Agosto/2014 Maria Aparecida Rosa Vital Brasil

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais. Clayton F. Lino - Maio/ 2009

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais. Clayton F. Lino - Maio/ 2009 Mosaicos de Áreas Protegidas na Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais Clayton F. Lino - Maio/ 2009 SNUC MOSAICOS LEI FEDERAL Nº 9.985-00 Art. 26. Quando existir um conjunto

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

COMITÊ DA CONTA TFCA

COMITÊ DA CONTA TFCA COMITÊ DA CONTA TFCA REGIMENTO Título Das disposições INTERNO I preliminares Art. 1 - O Comitê da Conta TFCA é um órgão colegiado de caráter deliberativo, instituído pela Portaria 398, de 21 de outubro

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará Belém PA / 2014

Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará Belém PA / 2014 PLANO ANUAL DE OUTORGA FLORESTAL DO ESTADO DO PARÁ 2014 Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará Belém PA / 2014 0 PLANO ANUAL DE OUTORGA FLORESTAL DO ESTADO DO PARÁ 2014 Instituto de Desenvolvimento

Leia mais

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011 DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS Junho/2011 CONTEXTO Das 310 Ucs Federais, 251 são domínio público DOMÍNIO TERRAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS DOMÍNIO TERRAS PÚBLICAS

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 11ª Reunião da Câmara Técnica de Unidades de Conservação e 36ª Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 27 e 28 de agosto

Leia mais

Seminário Internacional sobre. Estatísticas Ambientais e Contas Econômicoambientais

Seminário Internacional sobre. Estatísticas Ambientais e Contas Econômicoambientais Seminário Internacional sobre Estatísticas Ambientais e Contas Econômicoambientais Tatiana Mahalem do Amaral 21 a 25 de setembro de 2009 RJ MISSÃO Conciliar uso e conservação das florestas, valorizando-as

Leia mais

Seminário Áreas Protegidas Escudo das Guianas

Seminário Áreas Protegidas Escudo das Guianas I SAPEG Seminário Áreas Protegidas Escudo das Guianas O Objetivo do I SAPEG é dar início a um processo de Gestão Territorial para a região do Escudo das Guianas. Esta CARTA ABERTA é um dos produtos do

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO E DIVERSIDADE COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

Leia mais

ambientais e sociedade em geral dos municípios, e entre estes e a realidade da gestão ambiental local e regional.

ambientais e sociedade em geral dos municípios, e entre estes e a realidade da gestão ambiental local e regional. TR Nº TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE PESSOA JURÍDICA PARA CRIAÇÃO E PRODUÇÃO DE VÍDEO INSTITUCIONAL EDUCATIVO SOBRE OS CONCEITOS, A LEGISLAÇÃO, OS PROCEDIMENTOS E AS METODOLOGIAS

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.284, DE 2 DE MARÇO DE 2006. Mensagem de veto Regulamento Regulamento Dispõe sobre a gestão de florestas públicas para a produção

Leia mais

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica Documento de referência RBMA: Subsídios para Marco Regulatório de Mosaicos de Áreas Protegidas versão 1.0 agosto 2009 I Definição e base conceitual: 1 Os mosaicos foram definidos no SNUC a partir de: LEI

Leia mais

COLEÇÃO AMBIENTAL VOLUME VI. Atmosfera, Desmatamento, Poluição e Camada de Ozônio

COLEÇÃO AMBIENTAL VOLUME VI. Atmosfera, Desmatamento, Poluição e Camada de Ozônio COLEÇÃO AMBIENTAL VOLUME VI Atmosfera, Desmatamento, Poluição e Camada de Ozônio Senado Federal Secretaria Especial de Editoração e Publicações Subsecretaria de Edições Técnicas COLEÇÃO AMBIENTAL VOLUME

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 31-03-2010 SEÇÃO I PÁG 105-106 RESOLUÇÃO SMA- 029 DE 30 DE MARÇO DE 2010 Dispõe sobre estudos técnicos para subsidiar alteração de limites e mudança de categorias

Leia mais

EDITAL 1. APRESENTAÇÃO

EDITAL 1. APRESENTAÇÃO 1 EDITAL MONITORAMENTO INDEPENDENTE DA COBERTURA VEGETAL DO TERRITÓRIO DE IDENTIDADE EXTREMO SUL / COSTA DAS BALEIAS, ÁREA DE ATUAÇÃO DA FIBRIA E DA SUZANO NO EXTREMO SUL DA BAHIA 1. APRESENTAÇÃO A Fibria

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

Planos Municipais de Educação

Planos Municipais de Educação Planos Municipais de Educação Ciclo de Seminários da UNDIME Florianópolis, 10 de setembro de 2014 Oficina PME/UNDIME HISTÓRICO 1932 Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, foi marco inaugural do projeto

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE.

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE. Impresso por: ANGELO LUIS MEDEIROS MORAIS Data da impressão: 07/10/2013-10:07:01 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2703 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO

Leia mais

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Programa 0502 Amazônia Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da Amazônia, mediante o uso sustentável de seus recursos naturais. Indicador(es) Número de Ações 9 Taxa de participação de produtos

Leia mais

Capítulo I Da Assembléia Geral

Capítulo I Da Assembléia Geral 1 Regimento Interno do Núcleo de Gestão do Porto Digital Título I Do Regimento Interno Art. 1º O presente Regimento Interno tem como objetivo estabelecer as normas que regerão internamente o Núcleo de

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA 1. Título: Coordenador do Projeto CMRV - Acre Local: Rio Branco, Acre 2. Introdução: TERMOS DE REFERÊNCIA Um sistema de monitoramento, relatoria e verificação (MRV) é um componente essencial para o desenvolvimento

Leia mais

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Assessoria de Planejamento de Modernização do Poder - APMP Divisão de Estatística do Tribunal de Justiça - DETJ Assessoria de Planejamento

Leia mais

MARCELO DE SIQUEIRA FREITAS Procurador-Geral Federal

MARCELO DE SIQUEIRA FREITAS Procurador-Geral Federal ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA E PROVIMENTO DE CARGOS DE PROCURADOR FEDERAL DE 2ª CATEGORIA EDITAL Nº 24, DE 16 DE MAIO DE 2014

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 2014.0425.00020-0

TERMO DE REFERÊNCIA nº 2014.0425.00020-0 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS (SBF) DIRETORIA DE ÁREAS PROTEGIDAS (DAP) PROGRAMA ÁREAS PROTEGIDAS DA AMAZÔNIA (ARPA) TERMO DE REFERÊNCIA nº 2014.0425.00020-0 OBJETIVO:

Leia mais

Plano Anual de Outorga Florestal 2011

Plano Anual de Outorga Florestal 2011 Plano Anual de Outorga Florestal 2011 Brasília-DF 30/07/2010 PLANO ANUAL DE OUTORGA FLORESTAL 2011 Equipe Técnica Responsável Ana Fanzeres Antonio Dantas Alencar Carolina Fernada de Souza Mendes Dulce

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO DO SISP 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO DO SISP 2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS DE REDE GRUPO DE GESTÃO DE PESSOAS DO SISP PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO DO SISP

Leia mais

SOLUÇÕES PARA A SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA

SOLUÇÕES PARA A SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA SOLUÇÕES PARA A SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA Resultados da Fundação Amazonas Sustentável (FAS) Por Virgílio Viana, João Tezza, Valcléia Solidade, Luiz Villares, Edvaldo Correa, Fernanda Martins e Marcelo

Leia mais

Produção Assessoria de Comunicação do Serviço Florestal Brasileiro

Produção Assessoria de Comunicação do Serviço Florestal Brasileiro (Perguntas e (Respostas sobre (Concessões (Florestais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente da República José Alencar Gomes da Silva Ministro do Meio Ambiente Carlos Minc Secretário-Executivo

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Conectando pessoas e florestas Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica ti Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Objetivos PCE 1. Objetivo Geral: Demonstrar a viabilidade

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

d) Programa de Formação na Área da Cultura. ( ) Sim ( ) Não

d) Programa de Formação na Área da Cultura. ( ) Sim ( ) Não Componentes do Sistema Municipal de Cultura constituídos no Município: I - Coordenação: a) Secretaria Municipal de Cultura (ou órgão equivalente) ( ) Sim ( ) Não II - Instâncias de Articulação, Pactuação

Leia mais

Os Conselhos de Saúde na arena de debate e na formulação da política de saúde: desafios e novas exigências

Os Conselhos de Saúde na arena de debate e na formulação da política de saúde: desafios e novas exigências Os Conselhos de Saúde na arena de debate e na formulação da política de saúde: desafios e novas exigências Conselho Estadual de Saúde do Amazonas Rui Guilherme Neves de Souza 1º Secretário do Conselho

Leia mais

A ANTAQ na promoção das boas práticas ambientais pelo transporte aquaviário

A ANTAQ na promoção das boas práticas ambientais pelo transporte aquaviário A ANTAQ na promoção das boas práticas ambientais pelo transporte aquaviário Marcos Maia Porto Gerente de Meio Ambiente da Superintendência de Portos - SPO A ANTAQ o transporte aquaviário sustentável Constituição

Leia mais

Apoio a Programas de Conservação

Apoio a Programas de Conservação Apoio a Programas de Conservação OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação em médio e longo prazo, na forma de programa, que resultem em medidas efetivas de conservação. As

Leia mais

SISPROF SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PRODUTOS FLORESTAIS Histórico

SISPROF SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PRODUTOS FLORESTAIS Histórico Seminário de Informação em Biodiversidade MMA e Instituições Vinculadas Brasília, 14 e 15 de outubro de 2009 SISPROF SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PRODUTOS FLORESTAIS Histórico Implantação em

Leia mais

Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA)

Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) Trajano Quinhões Coordenador do Programa Departmento de Áreas Protegidas - DAP Secretaria de Biodiversidade e Florestas - SBF Outubro/ 2012 Programa Áreas Protegidas

Leia mais

1. Manejo Florestal Sustentável

1. Manejo Florestal Sustentável Plano de Manejo Florestal Sustentável - PMFS - Serviços - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente 1. Manejo Florestal Sustentável 1.1. Introdução 1.2. Conceitos O inciso IX do Art. 2º da {phocadownload

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.572, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta dispositivos da Medida Provisória n o 535, de 2 de junho de 2011, que tratam

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 2014.0721.00016-3

TERMO DE REFERÊNCIA nº 2014.0721.00016-3 TERMO DE REFERÊNCIA nº 2014.0721.00016-3 Ref.: Contratação de consultoria pessoa jurídica para elaboração e realização de capacitação em gestão institucional e gestão de projetos voltada para instituições

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 2.795, DE 2003 (Apenso PL nº 5.398, de 2005) Dispõe sobre a concessão de terras públicas da Bacia Amazônica para a exploração

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS NA SERRA DO MAR Contrato: IA-RBMA /CEPF 2005/2006 O MaB e as Reservas da Biosfera no Brasil 1991 (1992, 1993, 2000, 2002) RB

Leia mais

Privadas O Projeto de Lei em tramitação

Privadas O Projeto de Lei em tramitação BNDES BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Parcerias Público-Privadas Privadas O Projeto de Lei em tramitação MAURÍCIO PORTUGAL RIBEIRO CONSULTOR JURÍDICO DA UNIDADE DE PPP DO MINISTÉRIO

Leia mais

Estratégia Nacional de Biodiversidade BRASIL. Braulio Dias DCBio/MMA

Estratégia Nacional de Biodiversidade BRASIL. Braulio Dias DCBio/MMA Estratégia Nacional de Biodiversidade BRASIL Braulio Dias DCBio/MMA 1. Realização de estudos estratégicos; 2. Definição de áreas e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade brasileira; 3.

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE POLÍTICA INDIGENISTA DELIBERAÇÕES, ENCAMINHAMENTOS E PENDÊNCIAS

COMISSÃO NACIONAL DE POLÍTICA INDIGENISTA DELIBERAÇÕES, ENCAMINHAMENTOS E PENDÊNCIAS COMISSÃO NACIONAL DE POLÍTICA INDIGENISTA DELIBERAÇÕES, ENCAMINHAMENTOS E PENDÊNCIAS Siglas utilizadas CNPI SC SE-CNPI Comissão Nacional de Política Indigenista Subcomissão Secretaria Executiva da CNPI

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011 Regula, no âmbito do Instituto Chico Mendes, as diretrizes,

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 040/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ARRANJO INSTITUCIONAL O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 51.307, DE 20 DE MARÇO DE 2014. (publicado no DOE n.º 055, de 21 de março de 2014) Estabelece o Sistema

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Um portal de promoção dos PMFSPE

Um portal de promoção dos PMFSPE Um portal de promoção dos PMFSPE Prestações de serviço n 4 Termos de Referência JF Kibler Floresta Viva / GRET Outubro de 2006 1. UM PORTAL DE PROMOCÃO DOS PMFSPE... 3 1.1. Objetivos do portal... 3 1.2.

Leia mais