SISTEMA DE AUXÍLIO NA AVALIAÇÃO DE CALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS POR PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE AUXÍLIO NA AVALIAÇÃO DE CALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS POR PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL"

Transcrição

1 UnB - UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FGA - FACULDADE GAMA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA SISTEMA DE AUXÍLIO NA AVALIAÇÃO DE CALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS POR PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL FÁTIMA GISELE GOMES ELPÍDIO ORIENTADORA: Dra. LOURDES MATTOS BRASIL CO-ORIENTADORA: Dra. JANICE MAGALHÃES LAMAS DISSERTAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA BIOMÉDICA PUBLICAÇÃO: 003/2012 BRASÍLIA/DF: AGOSTO 2012

2 UnB - UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FGA - FACULDADE GAMA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA SISTEMA DE AUXÍLIO NA AVALIAÇÃO DE CALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS POR PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL FÁTIMA GISELE GOMES ELPÍDIO DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE GAMA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA, COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA BIOMÉDICA. APROVADA POR: Profa. Dra. Lourdes Mattos Brasil (Orientadora) Dra. Janice Magalhães Lamas (Co-orientadora) Prof. Dr. Cristiano Jacques Miosso (Examinador Interno) Prof. Dr. Renato da Veiga Guadagnin (Examinador Externo) ii

3 BRASÍLIA/DF, 31 DE AGOSTO DE FICHA CATALOGRÁFICA ELPÍDIO, FÁTIMA GISELE GOMES Sistema de auxílio na avaliação de calcificações mamárias por processamento digital de imagens e inteligência artificial, [Distrito Federal] p., 210 x 297 mm (FGA/UnB Gama, Pós-Graduação Stricto Sensu, Engenharia Biomédica, 2012). Dissertação de Pós-Graduação Stricto Sensu em Engenharia Biomédica, Faculdade Gama, Programa de Pós-Graduação. 1. Calcificações mamárias 2. BI-RADS 3. Raciocínio Baseado em Casos 4. Rede Neural Artificial 5. Processamento Digital de Imagens I. FGA UnB Gama/ UnB. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ELPÍDIO, F. G. G. (2012). Sistema de auxílio na avaliação de calcificações mamárias por processamento digital de imagens e inteligência artificial. Dissertação de Mestrado em Engenharia Biomédica, Publicação, Publicação 003/2012, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Biomédica, Faculdade Gama, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 156p. CESSÃO DE DIREITOS AUTOR: Fátima Gisele Gomes Elpídio. TÍTULO: Sistema de auxílio na avaliação de calcificações mamárias por processamento digital de imagens e inteligência artificial. GRAU: Pós-Graduação Stricto Sensu em Engenharia Biomédica. ANO: É concedida à Universidade de Brasília permissão para reproduzir cópias desta dissertação de pós-graduação e para emprestar ou vender tais cópias somente para propósitos acadêmicos e científicos. O autor reserva outros direitos de publicação e nenhuma parte desta dissertação pode ser reproduzida sem a autorização por escrito do autor. Fátima Gisele Gomes Elpídio Quadra 05, Lote 3, Casa 2 COND. RESID. Athos I, Jardim dos Ipês CEP Valparaíso de Goiás, GO Brasil. iii

4 "Se enxerguei longe, foi porque me apoiei nos ombros de gigantes." Isaac Newton iv

5 AGRADECIMENTOS Inicialmente agradeço a Deus e a minha família por serem minha base e motivação para realizar meus ideais. À Dra. Lourdes Mattos Brasil, minha orientadora, por seu apoio e amizade incondicional, por acreditar e investir no meu potencial, guiando-me e fornecendo-me os subsídios necessários para concretização desse trabalho. À Dra. Janice Lamas, minha co-orientadora, pela gentileza de compartilhar comigo seu conhecimento, experiência, material e momentos preciosos do seu tempo. Sua participação foi fundamental para a concretização dessa pesquisa. Nesse mesmo contexto, agradeço também aos profissionais da Clínica Janice Lamas, em especial à Tâmara Almeida de Morais, técnica em mamografia, pelo apoio na realização das reuniões com a Dra. Janice e auxílio na disponibilização dos materiais empregados nessa pesquisa. Ao Prof. Cristiano Miosso, cujo apoio e orientações foram essenciais no decorrer das pesquisas realizadas no âmbito desse trabalho. À CAPES pelo apoio financeiro concedido para a realização dessa pesquisa. Por fim, agradeço a todos que contribuíram direta ou indiretamente na concretização desse trabalho. v

6 RESUMO SISTEMA DE AUXÍLIO NA AVALIAÇÃO DE CALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS POR PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Autor: Fátima Gisele Gomes Elpídio Orientadora: Profa. Dra. Lourdes Mattos Brasil Co-orientadora: Dra. Janice Magalhães Lamas Programa de Pós-Graduação em Engenharia Biomédica Brasília, Agosto de A melhor forma de prevenção e controle do câncer de mama, o segundo tipo de câncer com maior incidência mundial, continua sendo o diagnóstico precoce. A mamografia é considerada o principal método de detecção precoce do câncer de mama. As calcificações (acúmulo de cálcio em regiões da mama) são freqüentemente encontradas em exames de rastreio da mama. A distinção entre calcificações tipicamente benignas e calcificações suspeitas de malignidade é uma tarefa complexa. O sistema Breast Image Reporting and Data System (BI-RADS) normatiza a descrição e o manejo dos achados mamográficos entre os especialistas da área médica. Este trabalho fundamenta-se em técnicas de Processamento Digital de Imagens para realizar a extração de informações morfológicas das calcificações e uma Rede Neural Artificial (RNA) Perceptron Múltiplas Camadas (PMC) para classificar as calcificações analisadas de acordo com a classificação morfológica definida pelo BI-RADS. O desempenho da RNA PMC foi avaliado em um teste controlado com calcificações sintéticas, geradas para simular calcificações reais, e validado com calcificações reais, extraídas de mamografias cedidas pela clínica de estudo. Adicionalmente foi desenvolvido um sistema de Raciocínio Baseado em Casos para indicar a classificação BI-RADS final da mamografia conforme análise das calcificações mamárias. A RNA PMC adotada foi testada usando o algoritmo Backpropagation cujos melhores resultados demonstraram uma convergência rápida da RNA e uma boa generalização do conhecimento, permitindo uma classificação com até 98% de acerto. A avaliação da técnica de RBC foi realizada com testes com a especialista da área e técnicas de validação preditiva. Os resultados obtidos validam que a presente proposta disponibiliza um processo consistente de análise das calcificações mamárias através do uso das técnicas de IA e PDI. Palavras-chaves: Calcificações mamárias, BI-RADS, Rede Neural Artificial, Raciocínio Baseado em Casos, Processamento Digital de Imagens. vi

7 ABSTRACT AID SYSTEM TO EVALUATION OF BREAST CALCIFICATION BY DIGITAL PROCESSING OF IMAGES AND ARTIFICIAL INTELLIGENCE Author: Fátima Gisele Gomes Elpídio Supervisor: Dra. Lourdes Mattos Brasil Co-supervisor: Dra. Janice Magalhães Lamas Post-Graduation Program in Biomedical Engineering Brasília, August of Early diagnosis still represents the best approach to prevent and control breast cancer, the second most frequent form of cancer worldwide. In this context, mamography has been largely used as major method for early disease detection. Calcifications (calcium buildups) in breast regions are frequently found in breast screening examinations. The distinction between clusters of benign and malignant calcification is a complex task. The BI-RADS system (Breast Image Reporting and Data System) standardizes the description and management of mammographic findings among medical experts. This work is based on techniques Digital Image Processing (DIP) to perform the extraction of morphological information of calcifications and an Artificial Neural Network (ANN) Multi-Layer Perceptron (MLP) to classify calcifications analyzed according to the morphological classification defined by BI-RADS. The performance of MLP ANN was evaluated in a controlled test with synthetic calcifications, generated to simulate real calcifications and validated with real calcifications, extracted from mammograms provided by associated clinical. Additionally it was developed a system of Case Based Reasoning (CBR) to indicate the BI-RADS mammography of breast calcifications according to BI-RADS category most applicable. The ANN MPL adopted was tested using the Backpropagation algorithm whose best results demonstrated a rapid convergence of ANN and a good generalization of knowledge, allowing a rating up to 98% accuracy. The evaluation of CBR technique was performed with tests of medical expert and techniques for predictive validity. The results validate that this proposal provides a consistent process for analyzing breast calcifications through the use of AI techniques and DIP. Key-words: Breast Calcification, BI-RADS, Artificial Neural Network, Case-Based Reasoning, Processing Digital Images. vii

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Contextualização e Formulação do Problema Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Revisão da Literatura Organização do Trabalho FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Análise da mama Calcificações Fatores pré-dispositivos do câncer de mama A mamografia e a classificação BI-RADS dos achados Processamento digital de imagens - PDI Segmentação Morfologia Matemática na extração de características Transformada de Wavelet O uso de RBC como Sistema de Apoio à Decisão Etapas de desenvolvimento do sistema RBC Vantagens e aplicações dos sistemas RBC Validação do sistema RBC na área médica Reconhecimento de padrões em imagens com RNA PMC A aquisição do conhecimento das RNAs Algoritmo de aprendizagem Backpropagation METODOLOGIA Definição da pesquisa Delimitação do estudo Coleta de dados para RNA Formação e Aquisição de ROIS Extração de atributos de ROIs (pré-processamento da RNA PMC) Geração de base de treinamento e teste da RNA Modelo de RNA proposto Aquisição de conhecimento e modelagem do sistema RBC viii

9 3.4.1 Levantamento de requisitos Definição do problema e representação dos casos com RBC Atribuição dos pesos às características dos casos Modelagem da solução proposta RESULTADOS Pré-processamento de ROIs Análise de atributos morfológicos extraídos das ROIs Treinamento de RNA PMC para classificar calcificações mamárias Funcionamento do sistema RBC DISCUSSÃO E CONCLUSÃO TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS MODELOS DE DOCUMENTOS ANEXO 1: Artigo publicado no anais do CBEB XXII ANEXO 2: Artigo publicado no anais do ECT ANEXO 3: Artigo publicado no anais do PAHCE ANEXO 4: Artigo publicado no anais do ISEM ANEXO 5: Artigo publicado no anais do WC ANEXO 6: Artigo publicado no anais do PAHCE ANEXO 7: Artigo publicado no anais do CBEB ANEXO 8: Modelo de questionário para aquisição de conhecimento do RBC ANEXO 9: Modelo de proposição de heurísticas para aquisição e modelagem do conhecimento no sistema de RBC ix

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Padrões de densidade mamária estabelecidos pelo BI-RADS (ACR, 2005) Tabela 2 Comparação de caso de consulta com casos da base do SACM x

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Anatomia da mama (NETTER, 2008) Figura 2: Classificação de calcificações mamárias em tipos morfológicos (LE GAL, 1984) Figura 3: Calcificações cutâneas (Imagem concedida pela CJLR) Figura 4: Calcificações vasculares (Imagem concedida pela CJLR) Figura 5: Calcificações em forma de pipoca (Imagem concedida pela CJLR) Figura 6: Calcificações em forma de bastonetes (Imagem concedida pela CJLR) Figura 7: Calcificações redondas (Imagem concedida pela CJLR) Figura 8: Calcificações em forma de ovo (Imagem concedida pela CJLR) Figura 9: Calcificações centro radiotransparente (Imagem concedida pela CJLR) Figura 10: Calcificações em leite de cálcio (Imagem concedida pela CJLR) Figura 11: Calcificação distrófica (Imagem concedida pela CJLR) Figura 12: Calcificações em fio de sutura (Imagem concedida pela CJLR) Figura 13: Calcificações puntiformes (Imagem concedida pela CJLR) Figura 14: Calcificações heterogêneas (Imagem concedida pela CJLR) Figura 15: Conjunto de calcificações ramificadas (Imagem concedida pela CJLR) Figura 16: Características morfológicas e de distribuição das calcificações mamárias. (CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS) Figura 17: Etapas do PDI (Adaptado de GOMES, 2001) Figura 18: Etapas do processamento frequencial de imagens (GONZALEZ E WOODS, 2008) Figura 19: Fundamentos de atuação dos operadores morfológicos (GONZALEZ E WOODS, 2008) Figura 20: Árvore de decomposição Wavelet, contendo 3 níveis. Em cada nível são utilizados filtros passa-baixas obtendo as Aproximações (gn) e filtros passa-altas obtendo os Detalhes (hn) (PEREIRA, 2003) Figura 21 Ciclo RBC (AAMODT e PLAZA, 1994) Figura 22: Exemplo de uma RNA PMC típica com uma camada oculta (AZEVEDO et al., 2000). 56 Figura 23: Etapas aplicadas na metodologia Figura 24: Diagrama de atividades para extração de informações morfológicas de ROIs Figura 25: Arquitetura da RNA PMC adotada Figura 26: Método VORD utilizado na etapa de levantamento de requisitos do RBC (SOMMERVILLE, 2003) Figura 27: Estrutura de representação dos casos Figura 28: Estrutura de raciocínio empregada na pesquisa (Adaptado de SILVA, 2005) Figura 29: Procedimento para extração de ROIs (Adaptado de imagem original concedida pela CJLR) Figura 30: Exemplo de ROIs de calcificações reais adotadas no estudo em comparação com calcificações fictícias geradas para simular as reais (Adaptado de imagens originais concedidas pela CJLR) Figura 31: Exemplo de ROIs de calcificações extraídas de mamografias em paralelo com as calcificações fictícias geradas Figura 32: Distribuição de classes por parâmetros extraídos das ROIs de calcificações sintéticas.. 79 xi

12 Figura 33: Distribuição de classes por parâmetros extraídos das ROIs de calcificações reais Figura 34: Distribuição de classes calcificação em função dos parâmetros área e perímetro Figura 35: Arquitetura da RNA PMC adotada Figura 36: Distribuição dos parâmetros extraídos de ROIs sintéticas utilizadas no treinamento da RNA Figura 37: Variação do EMQ da RNA PMC empregada para distinguir calcificações redondas de puntiformes Figura 38: Disposição das classes no arquivo de treinamento utilizado como teste da RNA PMC treinada Figura 39: Desempenho da RNA PMC testada durante a classificação de um arquivo teste com as ROIs reais Figura 40: Diagrama Entidade Relacionamento da aplicação Figura 41: Tela de acesso a consulta de casos no SACM Figura 42: Tela de consulta de caso na base do sistema SACM Figura 43: Tela apresentando sugestão de classificação BI-RADS conforme consulta por similaridade entre as características do caso de consulta e os casos presentes na base do SACM Figura 44: Teste para detectar automaticamente as regiões de calcificação em imagem de mamografia Figura 45: Processo de segmentação de imagem por histograma xii

13 LISTA DE SÍMBOLOS, NOMENCLATURAS E ABREVIAÇÕES ACM Association for Computing Machinery ACR American College of Radiology ANS - Agência Nacional de Saúde Suplementar BI-RADS Breast Imaging Reporting and Data System CADe Computer-Aided Detection CADx Computer-Aided Diagnosis CC - Crânio Caudal CJLR Clínica Janice Lamas Radiologia CBEB Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica EMQ Erro Médio Quadrático FDA Food and Drug Administration IBICT Instituto Brasileiro de Informações em Ciência e Tecnologia IEEE Institute of Electrical and Electronics Engineers INCA - Instituto Nacional de Câncer ISEM - International Symposium on Applied Electromagnetics and Mechanics LNCC/RJ - Laboratório Nacional de Computação Científica (unidade do Rio de Janeiro) MLO - Médio Laterial Oblíqua MRI - Magnetic Resonance Imaging MVS - Máquina de Vetores de Suporte NCBI National Center for Biotechnology Information NLM - National Library of Medicine PAHCE - Pan American Health Care Exchanges xiii

14 PDI - Processamento Digital de Imagens PMC - Perceptron Múltiplas Camadas RBC Raciocínio Baseado em Casos RBF - Radial Basis Function RNA - Rede Neural Artificial ROI - Region of Interest SACM - Sistema de Avaliação de Calcificações Mamárias TW - Transformada de Wavelet TDF - Transformada Discreta de Fourier UnB-GAMA Universidade de Brasília Faculdade Gama USP Universidade de São Paulo xiv

15 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO E FORMULAÇÃO DO PROBLEMA O câncer de mama é um tipo de neoplasia heterogênea, com variações histopatológicas, variável agressividade tumoral e potencial metastático, cuja ocorrência é mais freqüente na fase pré e pós menopáusica feminina apresentando diferentes respostas clínicas (FREITAS et al., 2006). Considerado o segundo tipo de câncer com maior incidência mundial, o câncer de mama é uma enfermidade que atinge primordialmente a população feminina. Entretanto, pode afetar, embora em menor percentual, a população masculina, com resultados igualmente preocupantes (INCA, 2012). De acordo com estimativas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), nas décadas de 60 e 70 houve um aumento de 10 vezes nas taxas de incidência de registros de câncer por faixa etária da base populacional de diversos continentes. Esse número tem aumentado nas últimas décadas. Estima-se que as incidências aumentem de 10 milhões para 15 milhões em 2020 (WHO, 2012). No Brasil, conforme registros do Instituto Nacional de Câncer (INCA), a quantidade de registros de mortes resultantes de câncer de mama continua elevada, principalmente porque o diagnóstico da doença é feito em estágio avançado. A melhor forma de prevenção e controle do câncer de mama continua sendo o diagnóstico precoce (WHO, 2012). A mamografia é considerada o principal método de detecção precoce do câncer de mama (MAJID A. et al., 2003; CHAKRABARTI et al., 2006). A eficácia do exame foi comprovada por ensaios aleatórios controlados nos quais foi possível atingir uma redução da mortalidade absoluta, graças a capacidade da mamografia de achar carcinomas ductais in situ e cânceres infiltrantes de um tamanho menor e em estágio mais precoce do que em grupos de controle que não passaram pelo exame (MORRISON, 1992; ACR, 2005). As calcificações (acúmulo de cálcio em regiões da mama) (NAPPI et al., 1999) são freqüentemente encontradas em exames de rastreio da mama, apesar da maioria caracterizar alterações benignas (LEUNG e SICKLES, 2007), existe uma grande parcela de carcinomas que iniciam-se com aglomerados de calcificações (LIBERTMAN et al., 1998). Estima-se que 90% dos cânceres intraductais não palpáveis sejam detectados 15

16 morfologicamente pela presença de calcificações, as quais podem estar associadas a aproximadamente 40% de todos os tumores (LAMAS, 1998). A distinção entre calcificações tipicamente benignas e calcificações suspeitas de malignidade é uma tarefa complexa (DINKEL, GASSEL e TSCHAMMLER 2000; PODHOLA e URMISKA, 2004), muitas vezes exigindo uma biópsia (retirada de um fragmento do tecido para análise microscópica) para uma conclusão efetiva. Segundo Kouskos et al. (2006) metade das biopsias são realizadas para investigar calcificações mamárias suspeitas. Apesar da alta probabilidade de detecção de câncer nas regiões com calcificações suspeitas de malignidade, as pacientes que são submetidas a biopsia sem necessidade enfrentam uma série de problemas (BIFFI, 2003) (psicológicos, financeiros, familiar, social, etc.) que poderiam ser evitados caso houvesse uma maior precisão na análise do exame antes da intervenção cirúrgica (MARTINS, BARRA e LUCENA, 2010). O acompanhamento mamográfico em menor espaço de tempo (6 meses) das calcificações provavelmente benignas, seguido de controles mamográficos anuais, bilaterais, por pelo menos 2 anos é uma alternativa á biópsia (SICKLES, 1995; LAMAS e SICKLES, 2004). Todavia atualmente existe uma alta taxa de exames falso-positivos, com aumento do custo total do rastreamento em virtude da necessidade de investigações histopatológicas e, conseqüentemente, cirurgias desnecessárias, as quais poderiam ser minimizadas através de técnicas menos invasivas para ampliar a eficiência da análise precoce das calcificações antes da submissão do paciente a biópsias (MARTINS, BARRA e LUCENA, 2010). O sistema de Laudos e Registros de Dados de Imagens da Mama BI-RADS (em inglês, Breast Imaging Reporting and Data System) foi desenvolvido em 1993 para padronizar os relatórios mamográficos, visando diminuir divergências na interpretação subjetiva das imagens mamográficas, além de facilitar o controle dos resultados (ACR, 2005). A detecção precoce e o diagnóstico correto do câncer mamário são um processo complexo, que depende dentre outros fatores, do raciocínio e experiência do profissional da área médica. Nesse contexto, o uso de técnicas computacionais no diagnóstico auxiliado por computador (do inglês CAD - Computer-Aided Diagnosis) na área médica é largamente difundido na literatura (TURGAY et al., 2010; CHENG et al., 2009). Por se tratar de uma ferramenta computacional os CADs não recebem a influência da fadiga e 16

17 pré-conceito, fatores intrínsecos ao ser humano que podem interferir no resultado (ZHENG et al., 2004; MAJID et al., 2003; PAQUERAULT et al., 2009). A Inteligência Artificial (IA) destaca-se como um paradigma computacional, vastamente defendido e empregado na literatura (PATROCINIO e SCHIABEL, 2001; SAMPAIO, 2009; JASMINE et al., 2009; LASHKARI, 2010; etc.), em soluções computacionais onde a programação convencional não é suficiente (HAYKIN, 1999). Nesse âmbito, entre as técnicas computacionais utilizadas na retenção, recuperação e reutilização de conhecimento para auxílio à decisão destacam-se, as Redes Neurais e o Raciocínio Baseado em Casos (RBC). As Redes Neurais Artificiais (RNA) têm sido freqüentemente utilizadas em problemas de reconhecimento e classificação de padrões devido a sua capacidade de aprender por meio de exemplos (HAYKIN, 1999; BRAGA, CARVALHO e LUDERMIR; AZEVEDO, LIMÃO e BRASIL, 2000). Já o RBC é uma técnica útil na resolução de problemas baseado na absorção e utilização do conhecimento tácito, armazenado previamente (WANGENHEIM, 2003; SILVA, 2005). A proposta dessa pesquisa consiste no emprego de técnicas de Processamento Digital de Imagens (PDI) (GONZALEZ e WOODS, 2008) para reconhecer, destacar e extrair informações de regiões de interesse (ROI - Region of Interest) de imagens mamográficas relacionadas a calcificações e classificá-las com a categoria BI-RADS mais aplicável utilizando um sistema RBC vinculado a uma RNA Perceptron Múltiplas Camadas (PMC) (HAYKIN, 1999; AZEVEDO, LIMÃO e BRASIL, 2000). Esse trabalho é fruto da parceria da UnB-GAMA com a Clínica Janice Lamas Radiologia (CJLR) e integra o projeto intitulado Atlas Anatômico 3D Aplicado à Mama desenvolvido com o Laboratório Nacional de Computação Científica do Ministério de Ciência e Tecnologia (LNCC/MCT) e Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Medicina Assistida por Computação Científica (MACC), contribuindo no desenvolvimento de um ambiente educacional web para o aprendizado prático-morfológico das estruturas da mama. 17

18 1.2 OBJETIVOS Objetivo geral Este trabalho visa disponibilizar um sistema de auxílio ao diagnóstico por imagem para classificar calcificações mamárias, segundo categorias de risco da classificação BI-RADS Objetivos específicos Especificamente são objetivos da pesquisa: Implementar, treinar e avaliar uma RNA para classificação de calcificações mamárias em concordância com a nomenclatura e os critérios adotados pelo BI- RADS; Desenvolver um sistema de um RBC para auxiliar na classificação BI-RADS final de mamografias, considerando as características morfológicas das calcificações detectadas na mamografia, segundo os critérios adotados pela classificação BI- RADS. 1.3 REVISÃO DA LITERATURA A pesquisa bibliográfica realizada neste trabalho adotou livros, monografias, teses, e artigos de fontes especializadas tais como: Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE), PubMed-ACM (Association for Computing Machinery), National Center for Biotechnology Information (NCBI), Universidade de São Paulo (USP), e Instituto Brasileiro de Informações em Ciência e Tecnologia (IBICT). O IEEE, uma organização profissional sem fins lucrativos, mantém uma série de materiais com o intuito de difundir conhecimento no ramo da engenharia, elétrica, eletrônica, computação e afins. Na base do IEEE foram localizados 10 resultados para a pesquisa por trabalhos relacionados ao tema: Digital Image Processing and Artificial Neural Networks for detection Calcifications in Mammography. Um dos trabalhos de maior correlação com o tema foi (PATROCINIO e SCHIABEL, 2001) o qual aborda o uso de uma RNA supervisionada com algoritmo de aprendizagem Backpropagation (HAYKIN, 1999; AZEVEDO, LIMÃO e BRASIL, 2000) para classificar agrupamentos de calcificações e nódulos mamários em suspeitos e não-suspeitos. A pesquisa utiliza

19 ROIs previamente segmentadas e recortadas de mamogramas digitalizados. Para treinar a RNA na classificação foram empregadas informações extraídas da ROI tais como: momentos de primeira, segunda e terceira ordens (MASTERS, 1994), invariantes momentos de Hu (HU, 1962), compacidade, irregularidade, raio de giração 1, perímetro 2 e área, além de características do histórico da paciente (idade e densidade da mama). No estudo realizado por (REZAI-RAD et al.,2005; JASMINE et al., 2009) foi constatado que as microcalcificações estavam presentes nas componentes das altas freqüências da imagem. Partindo dessa premissa, realizou-se a decomposição da imagem mamográfica em diferentes bandas de freqüência, suprimindo as baixas freqüências. A imagem final é reconstruída empregando-se apenas as altas freqüências, nas quais as calcificações estão presentes. A detecção das calcificações é realizada através da associação de RNA e a transformada de Wavelet. De forma similar (LASHKARI, 2010), aborda o uso de uma RNA associada a Gabor wavelets 3 (SHEN e BAI, 2006), momento geométrico invariante, energia, entropia, contraste e outras características estatísticas (média, mediana, variância, correlação e valores máximos e mínimo de intensidade) para analisar e classificar anormalidades do tecido mamário. O PubMed, criado pelo NCBI e mantido pela National Library of Medicine (NLM), disponibiliza material publicado em revistas de grande circulação da área médica. Foram localizados 9 registros para a busca por Digital Image Processing and Artificial Neural Networks for detection Calcifications in Mammography e 20 alterando o argumento de pesquisa para Digital Image Processing and Artificial Neural Networks in Mammography. Na pesquisa merecem destaque os trabalhos (HALKIOTIS, TAXIARCHIS e RANGOUSSI, 2007; RANGAYYAN, BANIK, e DESAUTELS, 2010; NUNES, SCHIABEL e GOES, 2006). O estudo de (HALKIOTIS, TAXIARCHIS e RANGOUSSI, 2007) emprega morfologia matemática para detectar e evidenciar aglomerados de calcificações mamárias e duas RNA PMC associadas a duas RNAs de funções de base radiais (do inglês RBF - Radial Basis Function) (HAYKIN, 1999) como 1 Raio de giração representa a distribuição espacial de pixels significantes da imagem (MASTERS, 1994). 2 Perímetro é medido pelo somatório das distâncias entre pontos consecutivos (CHENG, H. D. et al.,2009). 3 Transformada de Gabor - similar a transformada de Fourier, a transformada de Wavelet analisa variações espectrais em resoluções tempo-freqüência diversas. A transformada de Gabor difere, introduzindo um parâmetro que é inversamente proporcional à freqüência fazendo que a distribuição de freqüência situe-se em um intervalo positivo (COX, 2004). 19

20 classificador de ROIs. Os trabalhos de (TURGAY, 2010; HALKIOTIS, TAXIARCHIS e RANGOUSSI, 2007; RANGAYYAN, BANIK, e DESAUTELS, 2010; NUNES, SCHIABEL e GOES, 2006) versam sobre o uso de CADs no apoio à decisão médica sobre ROIs. (TURGAY, 2010) realiza uma análise dos modelos de CADs no apoio ao diagnóstico médico em mamografias, ultrassonografia 4 e interpretação Magnetic Resonance Imaging (MRI). O estudo sumariza os tipos de modelos computacionais, tamanho dos dados de entrada, características dos métodos de seleção, características dos tipos de entrada, padrão de referência e medição de desempenho para cada estudo. Os trabalhos desenvolvidos por (HALKIOTIS, TAXIARCHIS e RANGOUSSI, 2007; RANGAYYAN, BANIK, e DESAUTELS, 2010) são abordagens práticas, onde no primeiro caso é desenvolvido um CAD para detecção e classificação de imagens resultantes de ultra-sonografia da mama e o segundo propõe um CAD para analisar distorções arquiteturais 5. Em (NUNES, SCHIABEL e GOES, 2006) foram combinadas três técnicas (aumento de contraste através da transformação dos níveis de cinza do histograma, realce de contraste pela atenuação de coeficientes e realce por disposição das características da curva do filme radiográfico) para detectar aglomerados de microcalcificações em mamografias de mamas densas, com pouco contraste. Nas bases bibliográficas nacionais consultadas foram localizados 30 resultados na USP para o tema Calcificações mamárias via processamento digital de imagens e redes neurais artificiais e no IBICT 2 trabalhos relacionados ao tema mamografia e 99 sobre Processamento Digital de Imagens e RNA. A maioria dos trabalhos localizados na base do IBICT é direcionada a área da saúde ou não apresentam grande relevância com o tema deste documento, sendo Sampaio (2009) o trabalho mais próximo do tema abordado pela presente pesquisa, o qual utiliza RNA Celulares (do inglês Cellular Neural Network - CNN) para segmentar e extrair informações de ROIs, em seguida emprega descritores de geometria (excentricidade, circularidade, densidade, desproporção circular e densidade circular) para analisar a textura da ROI e Máquina de Vetores de Suporte para classificá- 4 Ultra-sonografia mamária - é um método auxiliar da mamografia, com maior aplicação na distinção de lesão cística de sólida e no estudo de mama radiologicamente densa (TURGAY, 2010). 5 Distorção arquitetural estrutura que apresenta linhas finas ou espiculadas irradiando-se de um ponto e retração ou distorção focal da margem do parênquima. Pode estar relacionada a nódulo, assimetria ou calcificações (ACR, 2005). 20

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA NEYSA APARECIDA TINOCO REGATTIERI 1 Diferentes alterações no tecido mamário podem produzir achados de imagem semelhantes, porém, em alguns casos, esses

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica Mapeamento não-linear Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital 1 Professor Paulo Christakis 1 2 Sistema CAD Diagnóstico auxiliado por computador ( computer-aided

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM.

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. 1 O Novo BI-RADS MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. Introdução No Congresso Americano de Radiologia em dezembro de 2003 (RSNA) em Chicago foi divulgado a 4ª edição do BI-RADS (Breast

Leia mais

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014 I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria 1st International Breast Imaging Pre-conference Course 15 de maio de 2014 Declaração de conflitos de interesse Resolução RDC n.º 96/08 Nunca

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

REALCE DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS DE MAMOGRAFIA UTILIZANDO FILTROS PASSA-ALTA

REALCE DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS DE MAMOGRAFIA UTILIZANDO FILTROS PASSA-ALTA REALCE DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS DE MAMOGRAFIA UTILIZANDO FILTROS PASSA-ALTA Caio Cesar Amorim Borges e Danilo Rodrigues de Carvalho Universidade Federal de Goiás, Escola de Engenharia Elétrica

Leia mais

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIOPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS LINFONODOS NORMAIS OU TÍPICOS DE NÍVEL 1 FACILMENTE RECONHECIDOS AO ESTUDO ECOGRÁFICO FORMA ELÍPTICA CORTEX HIPOECÓICA

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012)

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Prezados Colegas No final de 1992, voltávamos de curso de imagenologia mamária ministrado

Leia mais

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a 18 1 INTRODUÇÃO Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a população dos países industrializados. Essas doenças são responsáveis por mais de cinco milhões de pessoas hospitalizadas

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

Calcificações Mamárias em Mamografia. Reunião Temática

Calcificações Mamárias em Mamografia. Reunião Temática Calcificações Mamárias em Mamografia Reunião Temática Mafalda Magalhães 20/05/2013 Anatomia da Mama Pele Estroma tecido adiposo + tecido conjuntivo Tecido glandular Anatomia da Mama Mama 15-18 lobos; 1

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados O desenvolvimento de técnicas de aquisição de imagens médicas, em particular a tomografia computadorizada (TC), que fornecem informações mais detalhadas do corpo humano, tem aumentado

Leia mais

W. R. Silva Classificação de Mamografias pela densidade do tecido mamário

W. R. Silva Classificação de Mamografias pela densidade do tecido mamário Classificação de Mamografias pela densidade do tecido mamário Welber Ribeiro da Silva Universidade Federal de Ouro Preto Campus Universitário, Ouro Preto MG Brazil 19 de Abril de 2012 Definição Câncer

Leia mais

Andrea Canelas 23/09/2009

Andrea Canelas 23/09/2009 BI-RADS Andrea Canelas Moderador: d Dra Manuela Gonçalo 23/09/2009 BI-RADS Introdução BI-RADS Organização do Relatório Léxico Mamografia, Ecografia e RM Categorias BI-RADS Conclusão Introdução Cancro da

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias

UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias Departamento de Sistemas e Computação FURB Curso de Ciência da Computação Trabalho de Conclusão de Curso 2013/2 UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias Acadêmico: Jackson Krause

Leia mais

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA?

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA? SISMAMA Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil Este informe apresenta os primeiros dados do SISMAMA - Sistema de Informação do Câncer de Mama, implantado nacionalmente

Leia mais

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário VIII Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Ciências Médicas Hospital Universitário

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Rastreamento Populacional de Câncer Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Roteiro de aula Aspectos relacionados ao rastreamento de câncer Exercícios introdutórios Desenvolvimento

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

Um sistema computacional para registrar e recuperar imagens mamográficas via Internet

Um sistema computacional para registrar e recuperar imagens mamográficas via Internet Um sistema computacional para registrar e recuperar imagens mamográficas via Internet Fátima L. S. Nunes 1, Homero Schiabel 2, José Alaor de Oliveira Jr 1, Claudio Tuccilli Gonçalves 1, Rodrigo H. Benatti

Leia mais

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA.

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA. UTVIG/NUVIG/ANVISA Em 31 de janeiro de 2011. Assunto: Nota de esclarecimento sobre notícia veiculada na mídia que trata de comunicado de segurança da FDA Food and Drug Administration sobre possível associação

Leia mais

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Mamografia Overview Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Introdução O que é a mamografia? A mamografia é um exame que tem como objectivo o estudo do tecido mamário, realizado

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. 88) O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE torna pública, nos termos do artigo

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA Luciene Resende Gonçalves 1, Verônica kataoka 2, Mário Javier Ferrua Vivanco 3, Thelma Sáfadi 4 INTRODUÇÃO O câncer de mama é o tipo de câncer que se manifesta

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW WITH RADIOLOGIC- PATHOLOGIC CORRELATION 1 CHERI NGUYEN, MD MARK D. KETTLER, MD MICHAEL E. SWIRSKY, MD VIVIAN I. MILLER, MD CALEB SCOTT, MD RHETT KRAUSE, MD JENNIFER

Leia mais

Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja

Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja Fábio R. R. Padilha Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ Rua São Francisco, 5 - Sede Acadêmica, 987-,

Leia mais

Agradecimentos. Os autores

Agradecimentos. Os autores MAMOGRAFIA Aldecy Teixeira Dantas (T.C.B.R.) José Cerqueira Dantas (T.C.B.R.) José Ozanan Vilarinho (T.C.B.R.) Henrique Andrade Júnior (T.C.B.R.) Lysia Ribeiro Formiga Matos (T.C.B.R.) Adriana Sandra Martins

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Computacional Não existe um consenso entre os autores sobre o correto escopo do processamento de imagens, a

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais

Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais Geraldo Henrique Neto 1, Gilmar Cação Ribeiro 1, Fabio Valiengo Valeri 2 1 Bacharelado em Ciência da Computação, Centro Universitário Moura Lacerda, Brasil

Leia mais

Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo

Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo H. E. R. Gato 1,3, F. L. S. Nunes 2 e H. Schiabel 1 1 USP- Depto. de Engenharia Elétrica, São Carlos, Brasil 2 Centro Universitário

Leia mais

Um protótipo de ambiente virtual para simular objetos 2D e 3D referentes a imagens mamográficas

Um protótipo de ambiente virtual para simular objetos 2D e 3D referentes a imagens mamográficas Um protótipo de ambiente virtual para simular objetos 2D e 3D referentes a imagens mamográficas Michele Sayuri Noda 1, Fátima L. S. Nunes 2, Adriano Bezerra 1 msayuri@gmail.com, adrianobezerra1@yahoo.com.br,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos Prof.ª Esp. Natália Ficagna ANATOMIA DA MAMA Tecido Glandular + Tecido Conjuntivo +Tecido Adiposo Alvéolo Lóbulo Lobo Ducto Lactífero Seio Lactífero - Mamilo As

Leia mais

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia VII Encontro Nacional para o Controle do Câncer de Colo do Útero e de Mama QUALIDADE DA MAMOGRAFIA A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia Objetivo - Roteiro Descrever as

Leia mais

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Roberto Esmeraldo R3 CCP SENSIBILIDADE capacidade de um teste diagnóstico identificar os verdadeiros positivos, nos indivíduos verdadeiramente doentes. sujeito a falso-positivos

Leia mais

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Definição Nódulo pulmonar é uma estrutura circular de margens definidas, de 2 a 30 mm de diâmetro. Micronódulo menos de

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA José Luís Esteves Francisco Comissão Nacional de Mamografia SBM CBR FEBRASGO Ruffo de Freitas Júnior Presidente Nacional da Soc. Bras. De Mastologia Rede Goiana de Pesquisa

Leia mais

Radiografias: Aplicações

Radiografias: Aplicações Radiografias: Aplicações Prof. Emery Lins Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC E como ocorre uma radiografia? Fundamentos físicos para imagens Filtragem dos Raios-X O feixe é atenuado

Leia mais

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS S. C. M. Rodrigues 1, A. F. Frère 1, e E. L. L. Rodrigues 1 1 Universidade de São Paulo/ Depto. Engenharia

Leia mais

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório.

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório. OUTUBRO ROSA 25 de outubro Mais detalhes sobre o câncer de mama no Brasil 1. Exames clínicos de mama são tão importantes quanto as mamografias. Mamografias a partir de 40 anos de idade são cruciais (Deve

Leia mais

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui O Desenvolvimento e o funcionamento da glândula mamária são presididos pelo lobo anterior da hipófise, com o ovário na função

Leia mais

Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM).

Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Legislações - GM Ter, 27 de Março de 2012 00:00 PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). O MINISTRO

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA PARA SIMULAÇÃO DE EXAME DE PUNÇÃO DE MAMA CANINA UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA PARA SIMULAÇÃO DE EXAME DE PUNÇÃO DE MAMA CANINA UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA PARA SIMULAÇÃO DE EXAME DE PUNÇÃO DE MAMA CANINA UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciencias Jurídicas e Gerenciais FAEG Rua das

Leia mais

DETECÇÃO DE AGRUPAMENTOS DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS DIGITAIS

DETECÇÃO DE AGRUPAMENTOS DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS DIGITAIS PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA DETECÇÃO DE AGRUPAMENTOS DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS DIGITAIS

Leia mais

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Sumário 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais; 2- Processos de Treinamento; 2COP229 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais -Arquitetura:

Leia mais

IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais

IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais Universidade Federal do Rio de Janeiro PÓS-GRADUAÇÃO / 2008-2 IC Inteligência Computacional Redes Neurais www.labic.nce.ufrj.br Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Redes Neurais São modelos computacionais

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS UMA ARQUITETURA DE SISTEMAS ESPECIALISTAS NEBULOSOS PARA CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UTILIZANDO OPERADORES DA MORFOLOGIA MATEMÁTICA

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0531_26_03_2012.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0531_26_03_2012.html Page 1 of 6 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Institui o Programa Nacional de

Leia mais

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária como Fator de Risco SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária na Mamografia RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de primeiro grau com CA de mama

Leia mais

Aprendizagem de Máquina

Aprendizagem de Máquina Aprendizagem de Máquina Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Disciplina: Inteligência Artificial Tópicos 1. Definições 2. Tipos de aprendizagem 3. Paradigmas de aprendizagem 4. Modos de aprendizagem

Leia mais

Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR

Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR ADRIANA DE SANT ANA GASQUEZ (UNINGÁ)¹ EVERTON FERNANDO ALVES (G-UNINGÁ)² RESUMO Este

Leia mais

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores 1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores A crescente dependência das empresas e organizações modernas a sistemas computacionais interligados em redes e a Internet tornou a proteção adequada

Leia mais

1 Introdução maligno metástase

1 Introdução maligno metástase 1 Introdução Câncer é o nome dado a um conjunto de doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D?

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D? TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL O que é? Qual a diferença para a mamografia 2 D? Quais são suas indicações? TOMOSSINTESE EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DA MAMOGRAFIA Maior detalhe da estrutura mamária Grande promessa

Leia mais

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR)

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) XXX CONGRESSO PARAIBANO DE GINECOLOGIA VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) Norma Maranhão norma@truenet.com.br EVOLUÇÃO

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

UMA FERRAMENTA PARA TREINAMENTO NA AVALIAÇÃO DE IMAGENS MAMOGRÁFICAS VIA INTERNET*

UMA FERRAMENTA PARA TREINAMENTO NA AVALIAÇÃO DE IMAGENS MAMOGRÁFICAS VIA INTERNET* Artigo Original Ângelo MF, Schiabel H UMA FERRAMENTA PARA TREINAMENTO NA AVALIAÇÃO DE IMAGENS MAMOGRÁFICAS VIA INTERNET* Michele Fúlvia Ângelo 1, Homero Schiabel Resumo Abstract Este trabalho consiste

Leia mais

TÉCNICAS DE COMPUTAÇÃO PARALELA PARA MELHORAR O TEMPO DA MINERAÇÃO DE DADOS: Uma análise de Tipos de Coberturas Florestais

TÉCNICAS DE COMPUTAÇÃO PARALELA PARA MELHORAR O TEMPO DA MINERAÇÃO DE DADOS: Uma análise de Tipos de Coberturas Florestais UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA CRISTIAN COSMOSKI RANGEL DE ABREU TÉCNICAS DE COMPUTAÇÃO PARALELA PARA MELHORAR

Leia mais

PET- SAÚDE NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA.

PET- SAÚDE NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens Israel Andrade Esquef a Márcio Portes de Albuquerque b Marcelo Portes de Albuquerque b a Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF b Centro Brasileiro de Pesquisas

Leia mais