O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder!

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder!"

Transcrição

1 Estado moderno! Europa e Estados Unidos! Centralização crescente e politização do poder! Na estrutura feudal da Idade Média, o poder ainda era uma relação de direito privado no sentido de dependência pessoal em relação ao proprietário de bens ou ao mestre de uma corporação!

2 Dependência privada Os servos pertenciam ao proprietário das terras, que zelava por eles! O aprendiz dependia largamente de seu mestre! Relação semelhante àquela que os proprietários mantinham com condes ou duques aos quais deviam fidelidade, em troca de proteção!

3 Evolução! Centralização constante do poder nas mãos de príncipes e condes do Santo Império romano-germânico, sobretudo dos reis da França e do czar na Rússia, resulta numa dissolução paulatina destas dependências! Poder real desloca-se das dependências pessoais decorrentes da propriedade, dos casamentos, da compra e venda, em direção do poder militar e da polícia!

4 O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder! paralelamente à dependência privada, afirma-se uma relação de direito público entre o rei e seu povo! mais complexa do que apenas o poder militar ou a tradição!

5 Stefano Ussi, Niccolò Machiavelli (nello studio), 1894! Galleria nazionale d'arte moderna e contemporanea, Rome!

6 Maquiavel ( ) Diretivas sobre o bom uso do poder e as formas de mantê-lo! lo stato : novas relações entre o povo e o soberano, referindo-se às cidades gregas e o status rei publicae romanae! a unidade que nasce progressivamente entre o rei e o povo foi chamada de estado! a atividade que é ligada ao Estado tomou o nome de política sobretudo a partir do século XV, por analogia à polis dos gregos!

7 Fundamentos variam cf. diferentes percepções: contrato social, soberania, etc.! O Estado é a nova entidade racional, querida pelo povo e seu rei! No interior, monopólio da autoridade pública! quanto ao exterior, independente!

8 Elementos Como as relações de poder não são mais de dependências pessoais, os limites passam a depender de uma certa extensão geográfica, ou seja, um território! Estado moderno: entidade constituída por um povo e um território, no seio da qual o poder político se exerce de forma racional e centralizada por meio da soberania interna e da independência externa!

9 Produto da história europeia dos Estados e das ideias cujas principais condições foram:! 1. Supressão da dependência dos monarcas em relação à Igreja! 2. Fortalecimento da autoridade real sobre um território determinado! 3. Surgimento do Estado nacional no século XIX!

10 Logo, povo, território e soberania são os principais elementos do Estado! longe de ser noções bem estabelecidas e universalmente reconhecidas, gerando grandes antagonismos!

11 Positivismo: redução do Estado ao direito... o que se denomina de elementos do Estado, a soberania, o território e o povo, não é senão a validade do ordenamento estatal em si, e âmbito da validade espacial e pessoal desse ordenamento...! Hans Kelsen, ! Teoria Pura do Direito!

12 Mas o nascimento, a desaparição ou a divisão de um Estado é um processo tão doloroso e revolucionário que não se resolve por disposições constitucionais!

13 Honoré Daumier 1831!

14

15 E os demais Estados? Em grande parte, dominação colonial! Territórios repartidos artificialmente! Povos diferentes: bascos, canadenses franceses, curdos, tibetanos, etc.!

16 Povo, nação e Estado na Carta da ONU Uso indiscriminado (nações unidas, estados-membros, povos)! Artigo 1! Os propósitos das Nações unidas são:! 2. Desenvolver relações amistosas entre as nações, baseadas no respeito ao princípio de igualdade de direitos e de autodeterminação dos povos, e tomar outras medidas apropriadas ao fortalecimento da paz universal!

17 Georg Jellineck ( ) Nação, entidade sociológica histórica e social anterior ao Estado, que não se determina por um só elemento, como o idioma! Identidade!

18 François Borella! A Constituição dos Estados Unidos foi supostamente feita por nós, o povo dos Estados Unidos, mas ninguém sabe quem é o povo. O que se sabe na época é que não é, como os índios e os escravos! A Revolução Francesa distingue os direitos do homem, universais, e os direitos do cidadão, que formam a nação como corpo político supremo; só os nacionais-cidadãos formam o povo e expressam a vontade geral! Não há mais nada entre o indivíduo e o Estado. A nação é uma realidade puramente política e não sociológica!

19 Artigo 2! A Organização e seus Membros, para a realização dos propósitos mencionados no Artigo 1, agirão de acordo com os seguintes Princípios:! 4. Todos os Membros deverão evitar em suas relações internacionais a ameaça ou o uso da força contra a integridade territorial, ou a dependência política de qualquer Estado, ou qualquer outra ação incompatível com os Propósitos das Nações Unidas!

20 Artigo 4! 1. A admissão como Membro das Nações Unidas fica aberta a todos os Estados amantes da paz que aceitarem as obrigações contidas na presente Carta e que, a juízo da Organização, estiverem aptos e dispostos a cumprir tais obrigações! 2. A admissão de qualquer desses Estados como Membros das Nações Unidas será efetuada por decisão da Assembleia Geral, mediante recomendação do Conselho de Segurança!

21 Sentimento comunitário Gênese da comunidade tribal: sangue, história comum! Comunidade guerreira e defensiva: afirmar-se diante de outra e delimitar seu território! Comunidade linguística e cultural! Comunidade de destino: história vivida, modo de vida, religião comum! Solidariedade: serviço militar, impostos!

22

III Estado Romano de um pequeno grupamento humano ao primeiro império mundial. Características: a) Base familiar de organização; b) Cristianismo.

III Estado Romano de um pequeno grupamento humano ao primeiro império mundial. Características: a) Base familiar de organização; b) Cristianismo. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ESTADO I Estado Antigo, Oriental ou Teocrático não se distingue o pensamento político da religião, da moral, da filosofia, ou das doutrinas econômicas. Características: a) Natureza

Leia mais

O ESTADO COMO FORMA ESPECÍFICA DE SOCIEDADE POLÍTICA. Profa. Dra. Nina Ranieri TGE I 2017

O ESTADO COMO FORMA ESPECÍFICA DE SOCIEDADE POLÍTICA. Profa. Dra. Nina Ranieri TGE I 2017 O ESTADO COMO FORMA ESPECÍFICA DE SOCIEDADE POLÍTICA Profa. Dra. Nina Ranieri TGE I 2017 Estado sociedade política que controla a população de um território definido SE diferenciada de outra organizações

Leia mais

Modernidade Construção do Estado Moderno Estado-Nação

Modernidade Construção do Estado Moderno Estado-Nação Modernidade Construção do Estado Moderno Estado-Nação Thomas Hobbes (1588-1679), Leviathan or The Matter, Form and Power of a Common Wealth Ecclesiastical and Civil,1651 Poder secular Poder espiritual

Leia mais

Aula 3 O Estado. Objetivos:

Aula 3 O Estado. Objetivos: Aula 3 O Estado Objetivos: a) Conhecer a estrutura política e jurídica de um Estado; b) Conhecer a estrutura política e jurídica do Estado brasileiro; c) Relacionar o conhecimento da estrutura política

Leia mais

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento Estado: conceito e evolução do Estado moderno Santana do Livramento Objetivos da Aula Objetivo Geral Estudar o significado do Estado, sua concepção e evolução para os modelos do Estado Moderno, para a

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS DISSERTATIVOS. História Prof. Guilherme

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS DISSERTATIVOS. História Prof. Guilherme RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS DISSERTATIVOS História Prof. Guilherme Questão 7 Fuvest 2012 Leia este texto, que se refere à dominação europeia sobre povos e terras africanas. "Desde o século XVI, os portugueses

Leia mais

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA CONCEPÇÕES DA ORIGEM DO ESTADO Existem cinco principais correntes que teorizam a este respeito: A corrente teológica; A corrente familiar ou patriarcal;

Leia mais

THOMAS FLEINER-GERSTER Professor da Universidade de Freiburg, Suíça, é especialista em direito internacional, constitucional e administrativo.

THOMAS FLEINER-GERSTER Professor da Universidade de Freiburg, Suíça, é especialista em direito internacional, constitucional e administrativo. THOMAS FLEINER-GERSTER Professor da Universidade de Freiburg, Suíça, é especialista em direito internacional, constitucional e administrativo. TEORIA GERAL DO ESTADO Martins Fontes Editora São Paulo, 2006

Leia mais

Periodização Oficial 476.dC último Imperador Império Romano do Ocidente Odoacro, Hérulos d.c - Tomada de Constantinopla pelos Turcos

Periodização Oficial 476.dC último Imperador Império Romano do Ocidente Odoacro, Hérulos d.c - Tomada de Constantinopla pelos Turcos A IDADE MÉDIA Periodização Oficial 476.dC último Imperador Império Romano do Ocidente Odoacro, Hérulos. 1453 d.c - Tomada de Constantinopla pelos Turcos Idade Média Idade das Trevas Duração +/- 1000 anos.

Leia mais

ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS 1. A Antecessora da ONU Sociedade das Nações A Sociedade das Nações era também conhecida como Liga das Nações Foi idealizada a partir dos 14 Pontos de Wilson Foi criada na

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: Ciência Política NOME DO CURSO: Ciências Econômicas.

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: Ciência Política NOME DO CURSO: Ciências Econômicas. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: III CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: Ciência Política NOME DO CURSO: Ciências Econômicas. 2. EMENTA

Leia mais

O poder e a política SOCIOLOGIA EM MOVIMENTO

O poder e a política SOCIOLOGIA EM MOVIMENTO Capítulo 6 Poder, política e Estado 1 O poder e a política Poder se refere à capacidade de agir ou de determinar o comportamento dos outros. As relações de poder perpassam todas as relações sociais. As

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Aula 02 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE RONDÔNIA

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE RONDÔNIA PATRULHA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE RONDÔNIA A palavra república é derivada de RES PUBLICA, expressão latina que significa COISA DO POVO, COISA PÚBLICA, O QUE É DE TODOS. Forma de governo

Leia mais

1. Formação do Feudalismo

1. Formação do Feudalismo 1. Formação do Feudalismo 1.1. Herança Romana O COLONATO foi uma instituição de fins do Império Romano, em que trabalhadores (colonos) recebiam um lote de terra para seu sustento, em grandes propriedades

Leia mais

TEORIA GERAL DOS DIREITOS HUMANOS

TEORIA GERAL DOS DIREITOS HUMANOS TEORIA GERAL DOS DIREITOS HUMANOS Aula 01 Apontar bases tecnológicas relacionadas VOCÊ CONCORDA COM ISSO? 1 CONTEXTUALIZAÇÃO O homem como ser social. O papel das organizações na vida em sociedade. As relações

Leia mais

A Europa Feudal. Professor Ulisses Mauro Lima historiaula.wordpress.com

A Europa Feudal. Professor Ulisses Mauro Lima historiaula.wordpress.com A Europa Feudal Professor Ulisses Mauro Lima historiaula.wordpress.com Em nome de Deus, dos Homens e do Lucro O feudalismo pode ser definido a partir da estrutura Política, social, econômica e cultural

Leia mais

ILUMINISMO. Prof.ª Maria Auxiliadora

ILUMINISMO. Prof.ª Maria Auxiliadora ILUMINISMO Prof.ª Maria Auxiliadora A CRISE DO ANTIGO REGIME O ILUMINISMO O Antigo Regime vigorou entre os séculos XVI a XVIII na maioria dos países europeus. Este período caracterizou-se pelo: poder absoluto

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2006-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51

Processo Seletivo/UFU - julho 2006-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 Quanto ao contexto do surgimento da Sociologia, marque a alternativa correta. A) A Sociologia nasceu como ciência a partir da consolidação da sociedade burguesa urbana-industrial

Leia mais

A formação dos Estados Modernos

A formação dos Estados Modernos A formação dos Estados Modernos Onde: Europa Período: fim da Idade Média e início da Idade Moderna Dividido em dois momentos: Estados Monárquicos (centralização do poder econômico e político) e Estados

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

História MARCOS ROBERTO

História MARCOS ROBERTO História MARCOS ROBERTO Persas, fenícios e hebreus Objetivos - Identificar aspectos políticos, sociais e culturais dos povos: - persas - fenícios - hebreus 1. O império persa - Localização: planalto do

Leia mais

DO CONSTITUCIONALISMO LIBERAL A EVOLUÇÃO PARA O ESTADO SOCIAL E O NEOCONSTITUCIONALISMO DIREITO CONSTITUCIONAL III

DO CONSTITUCIONALISMO LIBERAL A EVOLUÇÃO PARA O ESTADO SOCIAL E O NEOCONSTITUCIONALISMO DIREITO CONSTITUCIONAL III DO CONSTITUCIONALISMO LIBERAL A EVOLUÇÃO PARA O ESTADO SOCIAL E O NEOCONSTITUCIONALISMO DIREITO CONSTITUCIONAL III Constitucionalismo: aspectos históricos. Quando e como surgiu o Constitucionalismo? Final

Leia mais

Idade Média (século V ao XV)

Idade Média (século V ao XV) Idade Média (século V ao XV) Alta Idade Média (séculos V ao X): formação e consolidação do feudalismo Baixa Idade Média (séculos XI ao XV): apogeu e crise do sistema feudal. 1 Povos Romanos e germanos,

Leia mais

UD II - ASSUNTO 6 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA 02 TEMPOS

UD II - ASSUNTO 6 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA 02 TEMPOS UD II - ASSUNTO 6 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA 02 TEMPOS OBJETIVOS: -IDENTIFICAR OS OBJETIVOS E OS PRINCÍPIOS DO CONGRESSO. - DEFINIR OS OBJETIVOS E A ATUAÇÃO DA SANTA ALIANÇA. SUMÁRIO: 1.CONCEITUAÇÃO.

Leia mais

Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações?

Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações? Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações? Priscila Queirolo Susin Psicóloga; Técnica Social Responsável PMCMV-E; Pesquisadora do CAES Mestre em Ciências Sociais (PUCRS) Doutoranda

Leia mais

UD II - ASSUNTO 6 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA 02 TEMPOS OBJETIVOS:

UD II - ASSUNTO 6 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA 02 TEMPOS OBJETIVOS: UD II - ASSUNTO 6 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA 02 TEMPOS OBJETIVOS: -IDENTIFICAR OS OBJETIVOS E OS PRINCÍPIOS DO CONGRESSO. - DEFINIR OS OBJETIVOS E A ATUAÇÃO DA SANTA ALIANÇA. SUMÁRIO: 1.CONCEITUAÇÃO.

Leia mais

Eduardo Ferro Rodrigues Presidente da Assembleia da República SUMÁRIO. Nota introdutória do Presidente da Assembleia da República;

Eduardo Ferro Rodrigues Presidente da Assembleia da República SUMÁRIO. Nota introdutória do Presidente da Assembleia da República; SUMÁRIO Nota introdutória do Presidente da Assembleia da República; Texto do Presidente da Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação; Texto do Presidente

Leia mais

Idade Média (século V ao XV)

Idade Média (século V ao XV) Idade Média (século V ao XV) Alta Idade Média (séculos V ao X): formação e consolidação do feudalismo Baixa Idade Média (séculos XI ao XV): apogeu e crise do sistema feudal. 1 Povos Romanos e germanos,

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. Walace Vinente GEOGRAFIA CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

Professora Edna Ferraresi. Aula 2

Professora Edna Ferraresi. Aula 2 Aula 2 Escolas e Teorias Jus filosóficas Modernas: a Escola da Exegese: positivismo jurídico ideológico; redução do Direito à lei; "In Claris NON cessat interpretatio"; aplicação mecânica do Direito. Escolas

Leia mais

O Nacionalismo e as Unificações Conceituação

O Nacionalismo e as Unificações Conceituação O Nacionalismo e as Unificações Conceituação O indivíduo deve lealdade e devoção ao Estado nacional compreendido como um conjunto de pessoas unidas num mesmo território por tradições, língua, cultura,

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA ARTIGOS 18 E 19 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA ARTIGOS 18 E 19 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA ARTIGOS 18 E 19 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL A organização político administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal,

Leia mais

(Uepg 2010) O liberalismo é uma corrente de pensamento econômico e político que se originou no século XVIII. A seu respeito, assinale o que for

(Uepg 2010) O liberalismo é uma corrente de pensamento econômico e político que se originou no século XVIII. A seu respeito, assinale o que for (Uepg 2010) O liberalismo é uma corrente de pensamento econômico e político que se originou no século XVIII. A seu respeito, assinale o que for correto. 01) A Riqueza das Nações, livro escrito pelo inglês

Leia mais

EUROPA SÉCULO XIX. Revoluções Liberais e Nacionalismos

EUROPA SÉCULO XIX. Revoluções Liberais e Nacionalismos EUROPA SÉCULO XIX Revoluções Liberais e Nacionalismos Contexto Congresso de Viena (1815) Restauração do Absolutismo Princípio da Legitimidade Santa Aliança Equilíbrio Europeu -> Fim Sacro I. Romano Germânico

Leia mais

DIREITO. 08. URCA/ Não é um dos caracteres da Norma Jurídica: a) Unilateralidade; b) Bilateralidade; c) Generalidade; d) Coercitividade.

DIREITO. 08. URCA/ Não é um dos caracteres da Norma Jurídica: a) Unilateralidade; b) Bilateralidade; c) Generalidade; d) Coercitividade. DIREITO 01. URCA/2011.2 Sobre os Valores Jurídicos, indique a assertiva incorreta: a) Os valores jurídicos se apresentam em escala hierárquica dotada de rigidez, sendo, pois, impossível que se sacrifique

Leia mais

Capacete de um chefe saxão

Capacete de um chefe saxão Capacete de um chefe saxão Fivela de ouro (séc. VI, Museu Britânico, A Europa no início do século VI Londres, Inglaterra). 2 Fim do Império Romano do Ocidente Guerras civis. Descrédito do Imperador. Fixação

Leia mais

Direito Internacional Público

Direito Internacional Público Direito Internacional Público Atores de DIP, sujeitos das RI Prof. Dr. José Antônio Tietzmann e Silva jates@uol.com.br DIP Atores e sujeitos Estados OI's intergovernamentais Indivíduos Coletividades não-estatais

Leia mais

Bíblia: A Sociedade no tempo de Jesus e sua Proposta. A Dominação Interna. Quarta Parte

Bíblia: A Sociedade no tempo de Jesus e sua Proposta. A Dominação Interna. Quarta Parte Bíblia: A Sociedade no tempo de Jesus e sua Proposta A Dominação Interna Quarta Parte De fato, era submissão demais. E a Judéia, especialmente,era dominada por ricos proprietários de terras que faziam

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL D1 Identificar a constituição de identidades culturais em diferentes contextos Identificar as diferentes representações sociais e culturais no espaço paranaense no contexto brasileiro. Identificar a produção

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra. Ter, 11 de Maio de :24

Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra. Ter, 11 de Maio de :24 Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra. Ter, 11 de Maio de 2010 19:24 Projeto de Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra Elaborado na Conferência Mundial dos Povos sobre Mudança Climática

Leia mais

PRIMEIRO REINADO ( )

PRIMEIRO REINADO ( ) PRIMEIRO REINADO (1822 1831) 7 de setembro de 1822 Independência ou morte? O grito do Ipiranga. Pedro Américo. 1888. A proclamação da Independência. François- René Moreaux. 1844. Os desafios após a independência

Leia mais

DISCIPLINA DE HISTÓRIA

DISCIPLINA DE HISTÓRIA DISCIPLINA DE HISTÓRIA OBJETIVOS: 6º ano Estabelecer relações entre presente e passado permitindo que os estudantes percebam permanências e mudanças nessas temporalidades. Desenvolver o raciocínio crítico

Leia mais

Origem na palavra Politéia, que se refere a tudo relacionado a Pólis grega e à vida em coletividade.

Origem na palavra Politéia, que se refere a tudo relacionado a Pólis grega e à vida em coletividade. O homem é um animal político por natureza; Política visa (ou deveria visar) um fim útil e bom para sociedade; Característica do ser humano é a vida em comunidade. Origem na palavra Politéia, que se refere

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO E DIREITOS HUMANOS. Um estudo sobre o papel do Ministério Público na defesa e na promoção dos direitos humanos

MINISTÉRIO PÚBLICO E DIREITOS HUMANOS. Um estudo sobre o papel do Ministério Público na defesa e na promoção dos direitos humanos JORGE ALBERTO DE OLIVEIRA MARUM Promotor de Justiça no Estado de São Paulo, mestre em Direito do Estado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Largo São Francisco) e professor titular

Leia mais

Classes sociais e Estratificação

Classes sociais e Estratificação Classes sociais e Estratificação Nunca existiu na história da humanidade uma sociedade igualitária. A desigualdade social constitui um dos fatos mais inquietantes da sociedade humana, principalmente aquele

Leia mais

FAMÍLIA AS SOCIEDADES. Sociedade primeira e fundamental

FAMÍLIA AS SOCIEDADES. Sociedade primeira e fundamental AS SOCIEDADES Sociedade primeira e fundamental FAMÍLIA A família é a sociedade da natureza humana, é a primeira e principal escola, onde o ser humano recebe formação e educação EMPRESA Atividade que várias

Leia mais

A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO. Aula n.º 02

A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO. Aula n.º 02 A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO Aula n.º 02 A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO Correntes de pensamento que tem o objetivo de explicar a origem do direito; Cada uma afirma que o direito provém de uma fonte

Leia mais

Direitos Humanos Noções

Direitos Humanos Noções Professor: Rodrigo Belmonte Matéria DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos Noções Teoria Geral Pacto de São José da Costa Rica Divisão didática necessária para melhor aproveitamento e-mail: rodrigoabelmonte@terra.com.br

Leia mais

O ensino de Historia no Ensino Médio tem por finalidade o desenvolvimento e. a construção do saber histórico, procurando promover o resgate e o

O ensino de Historia no Ensino Médio tem por finalidade o desenvolvimento e. a construção do saber histórico, procurando promover o resgate e o DISCIPLINA: História A - EMENTA O ensino de Historia no Ensino Médio tem por finalidade o desenvolvimento e a construção do saber histórico, procurando promover o resgate e o conhecimento de saberes construídos

Leia mais

Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO. Prof. Me. Edson Guedes

Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO. Prof. Me. Edson Guedes Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO Prof. Me. Edson Guedes 1. Introdução ao Direito 1.1 Origem do Direito: Conflitos humanos; Evitar a luta de todos contra todos; 1. Introdução ao Direito 1.2 Conceito de

Leia mais

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa.

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa. O ESPAÇO GEOGRÁFICO As sociedades humanas desenvolvem, durante sua história, modos próprios de vida. Estes decorreram da combinação de formas de subsistência material - com culturas diversas -, de diferentes

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) Prof. João Gabriel da Fonseca joaogabriel_fonseca@hotmail.com 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja

Leia mais

Assinale a resposta mais adequada de acordo com os nossos estudos nesta Unidade de Ensino:

Assinale a resposta mais adequada de acordo com os nossos estudos nesta Unidade de Ensino: Questão 1 Se as inovações tecnológicas modificam o ritmo de vida das pessoas, pode-se dizer que alterações no ritmo das jornadas de trabalho também têm relação com as novas tecnologias? Assinale a resposta

Leia mais

PLANO DE CURSO ANO 2012

PLANO DE CURSO ANO 2012 I- IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO ANO 2012 ESCOLA ESTADUAL CONTEÚDO: TURMA: 8º ano N DE AULAS SEMANAIS: PROFESSOR (ES): II- OBJETIVOS GERAIS * Propiciar o desenvolvimento de atitudes de respeito e de compreensão

Leia mais

Os Impérios e o Poder Terrestre. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

Os Impérios e o Poder Terrestre. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Os Impérios e o Poder Terrestre Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila A opção terrestre do poder militar Ao estudarmos a história dos impérios, percebe-se

Leia mais

UDESC 2017/1 HISTÓRIA. Comentário

UDESC 2017/1 HISTÓRIA. Comentário HISTÓRIA Apesar da grande manifestação em São Paulo, no ano de 1984, com a presença de políticos como Ulisses Guimarães, a emenda Dante de Oliveira, que restabelecia as eleições presidenciais diretas,

Leia mais

Filosofia e Política

Filosofia e Política Filosofia e Política Aristóteles e Platão Aristóteles Política deve evitar a injustiça e permitir aos cidadãos serem virtuosos e felizes. Não há cidadania quando o povo não pode acessar as instituições

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 1 TEORIA DO ESTADO E CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 1 TEORIA DO ESTADO E CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 1 TEORIA DO ESTADO E CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO Índice 1. Teoria do estado e conceitos básicos de economia do setor público...3 1.1. Estado,

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMERCIAL E TRIBUTÁRIA AULA V

LEGISLAÇÃO COMERCIAL E TRIBUTÁRIA AULA V LEGISLAÇÃO COMERCIAL E TRIBUTÁRIA AULA V IV DIREITO CONSTITUCIONAL (continuação) 1. Poder Constituinte Poder Constituinte é o poder que o povo atribui aos Constituintes, pessoas eleitas com o poder-obrigação

Leia mais

C A N A D Á. CANADÁ DIVISÃO POLÍTICA E REGIONAL O país é dividido em 10 províncias e 3 territórios, sendo o de NUNAVUT O mais recente

C A N A D Á. CANADÁ DIVISÃO POLÍTICA E REGIONAL O país é dividido em 10 províncias e 3 territórios, sendo o de NUNAVUT O mais recente C A N A D Á CANADÁ DIVISÃO POLÍTICA E REGIONAL O país é dividido em 10 províncias e 3 territórios, sendo o de NUNAVUT O mais recente 1 GRUPOS ÉTNICOS DO CANADÁ BRITÂNICOS (ingleses, escoceses, irlandeses)

Leia mais

AULA DE HISTÓRIA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL. El Sal /02/2014

AULA DE HISTÓRIA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL. El Sal /02/2014 AULA DE HISTÓRIA PRIMEIRA MUNDIAL El Sal 2014 PRIMEIRA MUNDIAL Inicialmente, os conflitos se deram na Europa. Embora várias nações tenham declarado neutralidade, no decorrer da guerra várias nações não-européias

Leia mais

Ética, Educação e cidadania. Prof. Amauri Carlos Ferreira

Ética, Educação e cidadania. Prof. Amauri Carlos Ferreira Ética, Educação e cidadania Prof. Amauri Carlos Ferreira Saber Mundo Cultura SUJEITO Ele Mesmo Identidade Autonomia Heteronomia Outro Ética Sujeito Outro Quando o outro entra em cena nasce a ética Umberto

Leia mais

HANS KELSEN ( )

HANS KELSEN ( ) HANS KELSEN (1881-1973) TEORIA PURA DO DIREITO Contextualização: O Movimento para o Direito Livre estava em plena ascensão na Alemanha e parecia que o formalismo jurídico havia sido superado. A diversidade

Leia mais

Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 1

Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 1 Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 1 NOÇÕES GERAIS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA Introdução: O Direito do Trabalho tem por tendência histórica a busca da paz social, ou seja, dar soluções

Leia mais

pondo o direito no seu devido lugar

pondo o direito no seu devido lugar pondo o direito no seu devido lugar cidade pra quem: (re)produção do espaço urbano e o âmbito jurídico o direito vai além do que se vê (voz ativa CATB/UNIT) giro espacial no direito o que é o direito como

Leia mais

História e Geografia de Portugal

História e Geografia de Portugal 6.º Ano História e Geografia de Portugal Joana Simas Consequências das invasões francesas Motivos do descontentamento português: Permanência dos ingleses em Portugal. Os ingleses ocupavam cargos no exército.

Leia mais

Orientação de estudo 3º bimestre

Orientação de estudo 3º bimestre Nome: Ano: 8 ano Disciplina: História Professor: Eder Nº: Data: Orientação de estudo 3º bimestre Para a realização da regulação o aluno deverá: - Estudar a Unidade 4 sobre As lutas pela independência na

Leia mais

Dimensão Política e Jurídica

Dimensão Política e Jurídica Dimensão Política e Jurídica B1 B2 B3 B4 Organização do Estado Democrático: A Nossa Democracia Participação na Democracia I: Para que servem os Partidos Participação na Democracia II: Todos somos Fregueses

Leia mais

1. O CONCEITO DE SOBERANIA

1. O CONCEITO DE SOBERANIA Conceito Soberania e Legitimidade do Poder 1. O CONCEITO DE SOBERANIA 1.1. ORIGEM DO CONCEITO - O conceito de soberania teve origem na França (souveraineté) e seu primeiro teórico foi Jean Bodin. O Estado

Leia mais

OS CONFLITOS MUNDIAIS NA ATUALIDADE

OS CONFLITOS MUNDIAIS NA ATUALIDADE OS CONFLITOS MUNDIAIS NA ATUALIDADE Hoje existem cerca de 30 regiões no mundo onde ocorrem conflitos armados. - Os principais motivos dos conflitos são: Étnicos ETNIA grupo de identidade unido por fatores

Leia mais

A POLÍTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A POLÍTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO PLATÃO (428-347 a.c.) Foi o primeiro grande filósofo que elaborou teorias políticas. Na sua obra A República ele explica que o indivíduo possui três almas que correspondem aos princípios: racional, irascível

Leia mais

A ERA NAPOLEÔNICA

A ERA NAPOLEÔNICA A ERA NAPOLEÔNICA 1799-1815 O golpe de 18 Brumário teria representado o assassinato da revolução? Durante a década revolucionária, a maior parte dos grupos sociais que compunham o antigo Terceiro Estado

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol 1 Os exercícios deverão ser feitos no livro. Predicado Verbal Leitura: págs. 91 e 92 do livro

Leia mais

REVISÃO I Prof. Fernando.

REVISÃO I Prof. Fernando. REVISÃO I Prof. Fernando Brasil Colônia 1500: Descobrimento ou Conquista? Comunidades indígenas do Brasil Características: heterogeneidade e subsistência. Contato: a partir da colonização efetiva, ocorreu

Leia mais

5 O LIBERALISMO IDEOLOGIA E REVOLUÇÃO, MODELOS E PRÁTICAS NOS SÉCULOS XVIII E XIX 4. O LEGADO DO LIBERALISMO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XIX

5 O LIBERALISMO IDEOLOGIA E REVOLUÇÃO, MODELOS E PRÁTICAS NOS SÉCULOS XVIII E XIX 4. O LEGADO DO LIBERALISMO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XIX 1. O liberalismo, uma ideologia centrada na defesa dos direitos humanos Liberalismo - opõe-se ao absolutismo e às tiranias - defende liberdade de iniciativa económica - promove a burguesia - defende os

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia. Lista de atividades 6º ano

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia. Lista de atividades 6º ano 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 6º ano Apostila 1 Tempo histórico, periodização da História, ocupação da América. Apostila 2 Egito, Mesopotâmia,

Leia mais

Direitos das Minorias

Direitos das Minorias Direitos das Minorias Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Direitos das Minorias Nos Estados em que existam minorias étnicas, religiosas ou linguísticas, as pessoas pertencentes a essas minorias

Leia mais

Direito Constitucional. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º

Direito Constitucional. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º Direito Constitucional TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º Constituição A constituição determina a organização e funcionamento do Estado, estabelecendo sua estrutura, a organização de

Leia mais

A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade.

A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade. 1- INTRODUÇÃO A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade. A existência da NAÇÃO moderna pressupõe três conceitos básicos: - FRONTEIRAS

Leia mais

Pedro Bandeira Simões Professor

Pedro Bandeira Simões Professor Ano Lectivo 2010/2011 ÁREA DE INTEGRAÇÃO Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 12º Ano Apresentação nº 10 Os fins e os meios: que ética para a vida humana? Pedro

Leia mais

A Formação dos Estados Nacionais. Prof. André Vinícius

A Formação dos Estados Nacionais. Prof. André Vinícius A Formação dos Estados Nacionais Prof. André Vinícius Você sabe o que é um Estado? Sabia que na Idade Média não existiam país? Ninguém afirmava ser inglês ou ter nascido em Portugal, por exemplo. Os Reis

Leia mais

CARTA ABERTA DA DELEGAÇÃO DO ACRE E SUDOESTE DO AMAZONAS

CARTA ABERTA DA DELEGAÇÃO DO ACRE E SUDOESTE DO AMAZONAS CARTA ABERTA DA DELEGAÇÃO DO ACRE E SUDOESTE DO AMAZONAS Carta Aberta nº 001/2016/Delegação De: Delegação do Acre e Sudoeste do Amazonas Para: Poder Legislativo, Executivo e Judiciário Brasília-DF, 21

Leia mais

FEUDALISMO P R O F E S S O R R O D R I G O AL C A N T A R A G AS P A R

FEUDALISMO P R O F E S S O R R O D R I G O AL C A N T A R A G AS P A R FEUDALISMO P R O F E S S O R R O D R I G O AL C A N T A R A G AS P A R FEUDALISMO Este curso têm por objetivo trazer noções básicos sobre o Feudalismo. De forma que para maiores detalhes e aprofundamento

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

IMPERIALISMO E NEOCOLONIALISMO

IMPERIALISMO E NEOCOLONIALISMO IMPERIALISMO E NEOCOLONIALISMO Resultado da 2ª Revolução Industrial CONTEXTO: 2ª Revolução Industrial; Necessidade de novos mercados; Nacionalismo; Produção de armas; O CAPITALISMO MONOPOLISTA Setor industrial

Leia mais

França e as Guerras Napoleônicas. Conteúdo cedido, organizado e editado pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

França e as Guerras Napoleônicas. Conteúdo cedido, organizado e editado pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila França e as Guerras Napoleônicas Conteúdo cedido, organizado e editado pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila A França do Século XVIII 3 a. maior economia europeia; problemas econômicos domésticos

Leia mais

A REVOLUÇÃO RUSSA. Professor: TÁCIUS FERNANDES Blog:

A REVOLUÇÃO RUSSA. Professor: TÁCIUS FERNANDES Blog: A REVOLUÇÃO RUSSA Professor: TÁCIUS FERNANDES Blog: www.proftaciusfernandes.wordpress.com RÚSSIA CZARISTA Final do século XIX 170 milhões de pessoas Economia agrária 85% da população vivia no campo camponeses

Leia mais

FUNDAMENTOS TEÓRICOS DA HERMENÊUTICA

FUNDAMENTOS TEÓRICOS DA HERMENÊUTICA FUNDAMENTOS TEÓRICOS DA HERMENÊUTICA Hermenêutica faz parte das teorias do conhecimento humano. Interpretar é uma das funções produtoras do conhecimento: pensar é interpretar. O conceito da hermenêutica

Leia mais

As fronteiras na atualidade. Allmaps

As fronteiras na atualidade. Allmaps As fronteiras na atualidade Allmaps Chateau de Chantilly, França Biblioteca Nacional, Paris, França O Surgimento dos estados nacionais Iniciou-se na Baixa Idade Média (a partir do século XV) Do século

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 01. Considere as seguintes normas constitucionais: I. A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando

Leia mais

1º bimestre 2010_3ª série Contemporânea Unificações tardias (Alemanha e Itália). Cap39, p. 374 até 378. Roberson de Oliveira

1º bimestre 2010_3ª série Contemporânea Unificações tardias (Alemanha e Itália). Cap39, p. 374 até 378. Roberson de Oliveira 1º bimestre 2010_3ª série Contemporânea Unificações tardias (Alemanha e Itália). Cap39, p. 374 até 378. Roberson de Oliveira Expansão capitalista e nacionalismo As transições tardias: Alemanha e Itália

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade,

Leia mais

Sociológico Político Jurídico

Sociológico Político Jurídico A CONSTITUIÇÃO Sociológico Político Jurídico Ferdinand Lassalle; Soma dos fatores reais de poder; A Essência da Constituição / O Que é Constituição? Constituição escrita é uma simples folha de papel. Carl

Leia mais

A FORMAÇÃO DO CAPITALISMO E SUAS FASES MÓDULO 02

A FORMAÇÃO DO CAPITALISMO E SUAS FASES MÓDULO 02 A FORMAÇÃO DO CAPITALISMO E SUAS FASES MÓDULO 02 Sistema político econômico que tem como principal foco a acumulação de capitais, ou seja, moedas, recursos ou produtos que de alguma forma representem o

Leia mais

O ANTIGO REGIME AS RAÍZES DO MUNDO CONTEMPORÂNEO

O ANTIGO REGIME AS RAÍZES DO MUNDO CONTEMPORÂNEO O ANTIGO REGIME AS RAÍZES DO MUNDO CONTEMPORÂNEO ANTIGO REGIME Escreva no seu caderno o que você entende por Antigo Regime. Para auxiliá-lo, abaixo está a definição do dicionário Michaelis para a palavra

Leia mais

Os direitos Humanos são direitos fundamentais da pessoa humana. Esses direitos são considerados fundamentais porque, sem eles, a pessoa não é capaz

Os direitos Humanos são direitos fundamentais da pessoa humana. Esses direitos são considerados fundamentais porque, sem eles, a pessoa não é capaz Os direitos Humanos são direitos fundamentais da pessoa humana. Esses direitos são considerados fundamentais porque, sem eles, a pessoa não é capaz de se desenvolver e de participar plenamente da vida.

Leia mais

A EUROPA FEUDAL PROFESSOR OTÁ

A EUROPA FEUDAL PROFESSOR OTÁ A EUROPA FEUDAL PROFESSOR OTÁ REINOS GERMÂNICOS OS GERMÂNICOS ERAM POVOS GUERREIROS. OS GUERREIROS JURAVAM PRESTAVAM JURAMENTO DE FIDELIDADE AO CHEFE, ESSE GRUPO DE GUERREIROS RECEBIA O NOME DE COMITATUS.

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

Classificação das Regras Jurídicas

Classificação das Regras Jurídicas Classificação das Regras Jurídicas Classificações das Regras Jurídicas interesse teórico (+ caráter prático) 1- Quanto ao Território (critério espacial, poder soberano) RJ de Direito Interno Federal Estadual

Leia mais