Modernidade Construção do Estado Moderno Estado-Nação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modernidade Construção do Estado Moderno Estado-Nação"

Transcrição

1 Modernidade Construção do Estado Moderno Estado-Nação

2 Thomas Hobbes ( ), Leviathan or The Matter, Form and Power of a Common Wealth Ecclesiastical and Civil,1651 Poder secular Poder espiritual Castelo Coroa Canhão Armas Campo de batalha Igreja Mitra Excomunhão Lógica Tribunal religioso

3 Para Weber, o Estado compõe-se de quatro elementos fundamentais: 1. Um conjunto diferenciado de instituições e de funcionários, incorporando 2. Centralidade, no sentido que as relações políticas irradiam a partir de um centro para cobrir 3. Uma área territorial demarcada, sobre a qual exerce 4. Um monopólio da autoridade normativa vinculável, sustentada por um monopólio dos meios de violência física.

4 Coordenação infra-estrutural Baixo Alto Poder despótico Baixo Alto Feudal Imperial Burocrático Autoritário

5 Poder infra-estrutural do Estado: 1. Uma divisão do trabalho entre as diferentes actividades do Estado, coordenadas centralmente. A analogia com a organização dos exércitos (infantaria, artilharia, cavalaria). 2. Literacia, permitindo a circulação e eficácia das mensagens transmitidas e distribuídas no território pelos seus agentes. O papel do arquivo enquanto codificação, continuidade e doutrina. 3. Cunhagem de moeda e uniformização dos pesos e medidas, como garantia de mobilidade dos bens no mesmo território. 4. Velocidade de comunicação das mensagens e ordens, bem como da mobilidade de pessoas e bens, através de uma rede de transportes e comunicações.

6 Os Estados têm sido as maiores e mais poderosas organizações do mundo desde há mais de cinco mil anos. Vamos definir os Estados como organizações apetrechadas com instrumentos de coerção, distintas das famílias e dos grupos de parentesco e que exercem uma clara primazia em alguns aspectos, em relação a outras organizações com territórios substanciais. O termo inclui, portanto, cidades-estados, impérios, teocracias e muitas outras formas de governo, mas exclui tribos, linhagens, empresas e igrejas como tal. Através da maior parte da história, os estados nacionais - estados que dominam várias regiões e as suas cidades por meio de estruturas centralizadas, diferenciadas e autónomas muito raramente apareceram. A maioria dos estados tem sido de carácter não-nacional: impérios, cidades-estados, ou qualquer outra coisa. O termo estado nacional, lamentavelmente, não significa necessariamente Estado-nação, um estado cujo povo compartilha uma forte identidade, linguística, religiosa e simbólica. Charles Tilly, Coercion, capital, and European states, AD , pp. 2-3

7 Uma gama surpreendente de combinações entre coerção e capital apareceu em um ponto ou outro da história européia. Impérios, cidades-estados, federações de cidades, redes de senhorios, igrejas, ordens religiosas, ligas de piratas, bandos de guerreiros, e muitas outras formas de governo prevaleceram em algumas partes da Europa em vários momentos ao longo dos últimos mil anos. A maioria deles foram qualificados como estados de um tipo ou outro, pois eles eram as organizações que controlavam os principais meios concentrados de coerção dentro de territórios delimitados, e exerceram prioridade em alguns aspectos, sobre a maior parte as outras organizações que actuam dentro dos territórios. Mas só mais tarde e lentamente o Estado nacional se tornou a forma predominante. Daí a crítica dupla questão: O que explica a grande variação ao longo do tempo e do espaço no tipo de estados que têm prevalecido na Europa desde 990 dc, e por que é que os Estados europeus acabarão por convergir em variantes distintas do Estado nacional?

8

9

10 1. A transição do estado absoluto para o estado moderno e o efeito das revoluções, especialmente as inglesas ( ) e a francesa (1789). 2. Todos os estados modernos são estados-nação, definidos pela infra-estrutura política, assente na distinção entre governantes e governados, com jurisdição suprema sobre um determinado território, tendendo à monopolização da força coerciva e beneficiando de um nível mínimo de apoio e lealdade dos seus cidadãos. 3. Territorialidade fixação de fronteiras. 4. Controlo e monopólio dos meios legítimos de violência. 5. Estrutura impessoal do poder uma ordem política impessoal e soberana independente dos direitos de propriedade, religião e de privilégios de linhagem. 6. Legitimidade Contrato e direito salvaguardando os direitos individuais e a soberania do povo.

O ESTADO COMO FORMA ESPECÍFICA DE SOCIEDADE POLÍTICA. Profa. Dra. Nina Ranieri TGE I 2017

O ESTADO COMO FORMA ESPECÍFICA DE SOCIEDADE POLÍTICA. Profa. Dra. Nina Ranieri TGE I 2017 O ESTADO COMO FORMA ESPECÍFICA DE SOCIEDADE POLÍTICA Profa. Dra. Nina Ranieri TGE I 2017 Estado sociedade política que controla a população de um território definido SE diferenciada de outra organizações

Leia mais

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder!

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder! Estado moderno! Europa e Estados Unidos! Centralização crescente e politização do poder! Na estrutura feudal da Idade Média, o poder ainda era uma relação de direito privado no sentido de dependência pessoal

Leia mais

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento Estado: conceito e evolução do Estado moderno Santana do Livramento Objetivos da Aula Objetivo Geral Estudar o significado do Estado, sua concepção e evolução para os modelos do Estado Moderno, para a

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 1 TEORIA DO ESTADO E CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 1 TEORIA DO ESTADO E CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 1 TEORIA DO ESTADO E CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO Índice 1. Teoria do estado e conceitos básicos de economia do setor público...3 1.1. Estado,

Leia mais

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA. Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA. Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017 ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017 CONCEPÇÕES DA ORIGEM DO ESTADO Existem cinco principais correntes que teorizam a este respeito:

Leia mais

III Estado Romano de um pequeno grupamento humano ao primeiro império mundial. Características: a) Base familiar de organização; b) Cristianismo.

III Estado Romano de um pequeno grupamento humano ao primeiro império mundial. Características: a) Base familiar de organização; b) Cristianismo. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ESTADO I Estado Antigo, Oriental ou Teocrático não se distingue o pensamento político da religião, da moral, da filosofia, ou das doutrinas econômicas. Características: a) Natureza

Leia mais

ESTADOS NACIONAIS SOBERANOS

ESTADOS NACIONAIS SOBERANOS ESTADOS NACIONAIS SOBERANOS e uma breve história de sua formação Material elaborado pelo prof. Nilton Aguilar DeCosta, da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Reprodução integral ou parcial

Leia mais

ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO

ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO O ABSOLUTISMO ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO Regime político em que o poder está concentrado nas mãos do Rei. Rei: chefe militar, economia, chefe administrativo, controle da Igreja, poder político -> Poder

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS

A FORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS A FORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS O REI FOI O ELEMENTO UNIFICADOR DE UMA NOBREZA EM CRISE, CONCILIANDO, QUANDO POSSÍVELCOM A RICA BURGUESIA, CONDIÇÕES MATERIAIS PARA O FINANCIAMENTO DO PRÓPRIO ESTADO NACIONAL.

Leia mais

Por uma definição de estado sob a ótica de norberto bobbio

Por uma definição de estado sob a ótica de norberto bobbio ISSN 1127-8579 Pubblicato dal 07/03/2013 All'indirizzo http://xn--leggedistabilit2013-kub.diritto.it/docs/34733-por-uma-defini-o-deestado-sob-a-tica-de-norberto-bobbio Autore: Rodrigo Janoni Carvalho Por

Leia mais

ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO

ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO O Absolutismo ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO Regime político em que o poder está concentrado nas mãos do Rei. Rei: chefe militar, economia, chefe administrativo, controle da Igreja, poder político -> Poder

Leia mais

1. Um Estado é caracterizado por quatro elementos: povo, território, governo e independência. ANOTAÇÕES

1. Um Estado é caracterizado por quatro elementos: povo, território, governo e independência. ANOTAÇÕES 1º BLOCO... 2 I. Estado... 2 II. Governo... 2 III. Estado Contemporâneo... 4 IV. Aspectos Fundamentais na Formação do Estado brasileiro... 6 Derivado... 6 V. Decreto-lei nº 200/1967... 8 Programa Nacional

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL D1 Identificar a constituição de identidades culturais em diferentes contextos Identificar as diferentes representações sociais e culturais no espaço paranaense no contexto brasileiro. Identificar a produção

Leia mais

INTRODUÇÃO. Fonte: http: //www.buscatematica.net/historia.htm

INTRODUÇÃO. Fonte: http: //www.buscatematica.net/historia.htm 3 INTRODUÇÃO A Formação do Grande Exército Napoleônico, a primeira força militar multinacional deu-se com Napoleão Bonaparte, general e imperador dos Franceses, que após derrubar o governo do Diretório

Leia mais

O império foi criado no norte da África, no deserto do Saara Com as cheias do rio nilo que deixava o solo fértil, era possível o cultivo de: cereais

O império foi criado no norte da África, no deserto do Saara Com as cheias do rio nilo que deixava o solo fértil, era possível o cultivo de: cereais Antigo Egito O império foi criado no norte da África, no deserto do Saara Com as cheias do rio nilo que deixava o solo fértil, era possível o cultivo de: cereais (trigo e cevada), frutas e legumes, linho

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Professor Marcelo Pitana

REVOLUÇÃO FRANCESA. Professor Marcelo Pitana REVOLUÇÃO FRANCESA Professor Marcelo Pitana REVOLUÇÃO FRANCESA (1789 Queda da Bastilha) Antecedentes: - Ideais iluministas (liberais); - Abuso de poder da nobreza; - Pompa das cortes; - Déficit orçamentário;

Leia mais

A Formação dos Estados Nacionais. Prof. André Vinícius

A Formação dos Estados Nacionais. Prof. André Vinícius A Formação dos Estados Nacionais Prof. André Vinícius Você sabe o que é um Estado? Sabia que na Idade Média não existiam país? Ninguém afirmava ser inglês ou ter nascido em Portugal, por exemplo. Os Reis

Leia mais

Periodização Oficial 476.dC último Imperador Império Romano do Ocidente Odoacro, Hérulos d.c - Tomada de Constantinopla pelos Turcos

Periodização Oficial 476.dC último Imperador Império Romano do Ocidente Odoacro, Hérulos d.c - Tomada de Constantinopla pelos Turcos A IDADE MÉDIA Periodização Oficial 476.dC último Imperador Império Romano do Ocidente Odoacro, Hérulos. 1453 d.c - Tomada de Constantinopla pelos Turcos Idade Média Idade das Trevas Duração +/- 1000 anos.

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO. Profª Viviane Jordão

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO. Profª Viviane Jordão ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO Profª Viviane Jordão INTRODUÇÃO As características básicas do sistema econômico e político dominante na Europa ocidental nos séculos XVI e XVII foram: o capitalismo comercial

Leia mais

Origem na palavra Politéia, que se refere a tudo relacionado a Pólis grega e à vida em coletividade.

Origem na palavra Politéia, que se refere a tudo relacionado a Pólis grega e à vida em coletividade. O homem é um animal político por natureza; Política visa (ou deveria visar) um fim útil e bom para sociedade; Característica do ser humano é a vida em comunidade. Origem na palavra Politéia, que se refere

Leia mais

NOVA HISTÓRIA DE PORTUGAL. Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL EM DEFINIÇAO DE FRONTEIRAS DO CONDADO PORTUCALENSE

NOVA HISTÓRIA DE PORTUGAL. Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL EM DEFINIÇAO DE FRONTEIRAS DO CONDADO PORTUCALENSE NOVA HISTÓRIA DE PORTUGAL Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL - EM DEFINIÇAO DE FRONTEIRAS DO CONDADO PORTUCALENSE À CRISE DO SÉCULO XIV MARIA e ARMANDO Coordenação de HELENA da

Leia mais

A formação dos Estados Modernos

A formação dos Estados Modernos A formação dos Estados Modernos Onde: Europa Período: fim da Idade Média e início da Idade Moderna Dividido em dois momentos: Estados Monárquicos (centralização do poder econômico e político) e Estados

Leia mais

A alta Idade Média e a formação do Feudalismo (Séc. V Séc. X) Prof. Rafael Duarte 7 Ano

A alta Idade Média e a formação do Feudalismo (Séc. V Séc. X) Prof. Rafael Duarte 7 Ano A alta Idade Média e a formação do Feudalismo (Séc. V Séc. X) Prof. Rafael Duarte 7 Ano 1) As tribos Germânicas (p. 12 e 13): Francos, Anglos, Saxões, Ostrogodos, Hunos e etc... Bárbaros: povos fora das

Leia mais

Unidade: Afinal o que é o Estado? Unidade I:

Unidade: Afinal o que é o Estado? Unidade I: Unidade: Afinal o que é o Estado? Unidade I: 0 Unidade: Afinal o que é o Estado? Você tem alguma ideia? Com toda a certeza...vamos ver que perspectiva utilizaremos. Observe que faremos uma discussão teórica

Leia mais

A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade.

A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade. 1- INTRODUÇÃO A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade. A existência da NAÇÃO moderna pressupõe três conceitos básicos: - FRONTEIRAS

Leia mais

O feudalismo foi um sistema econômico, social político e cultural predominantemente na Idade Média.

O feudalismo foi um sistema econômico, social político e cultural predominantemente na Idade Média. O feudalismo foi um sistema econômico, social político e cultural predominantemente na Idade Média. ORIGEM e CARACTERÍSTICAS: O processo de decadência do Império Romano, a partir do século III, está na

Leia mais

Teoria das Formas de Governo

Teoria das Formas de Governo Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas Disciplina: Governo Eletrônico Teoria das Formas de Governo Equipe 2 Biancca Nardelli Schenatz Nair

Leia mais

ÍNDICE. Compêndio da Arte da Guerra. Da política e da guerra. Estudo Introdutório

ÍNDICE. Compêndio da Arte da Guerra. Da política e da guerra. Estudo Introdutório ÍNDICE Estudo Introdutório Notas biográficas 15 A obra e o seu estilo 18 A questão dos princípios 20 Jomini e Clausewitz 23 Repercussões 28 Tradução e terminologia 31 Compêndio da Arte da Guerra Advertência

Leia mais

Sociologia Jurídica. Apresentação 2.1.b Capitalismo, Estado e Direito

Sociologia Jurídica. Apresentação 2.1.b Capitalismo, Estado e Direito Sociologia Jurídica Apresentação 2.1.b Capitalismo, Estado e Direito O direito na sociedade moderna Fonte: UNGER, Roberto Mangabeira. O Direito na Sociedade Moderna contribuição à crítica da teoria social.

Leia mais

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA CONCEPÇÕES DA ORIGEM DO ESTADO Existem cinco principais correntes que teorizam a este respeito: A corrente teológica; A corrente familiar ou patriarcal;

Leia mais

Território e gove go r ve n r o

Território e gove go r ve n r o Território e governo As monarquias europeias Entre os séculos XI e XV teve início o processo histórico de formação dos Estados europeus como conhecemos hoje. Os primeiros Estados são chamados de Monarquias

Leia mais

Índice ÍNDICE. Pág. Prefácio... 7 Plano da obra Abreviaturas Bibliografia Geral Parte I CONCEITO DE DIREITO

Índice ÍNDICE. Pág. Prefácio... 7 Plano da obra Abreviaturas Bibliografia Geral Parte I CONCEITO DE DIREITO Índice 609 ÍNDICE Pág. Prefácio... 7 Plano da obra... 11 Abreviaturas... 13 Bibliografia Geral... 15 Parte I CONCEITO DE DIREITO Capítulo 1 A vida do Homem em sociedade 1. Observações preliminares... 23

Leia mais

THOMAS FLEINER-GERSTER Professor da Universidade de Freiburg, Suíça, é especialista em direito internacional, constitucional e administrativo.

THOMAS FLEINER-GERSTER Professor da Universidade de Freiburg, Suíça, é especialista em direito internacional, constitucional e administrativo. THOMAS FLEINER-GERSTER Professor da Universidade de Freiburg, Suíça, é especialista em direito internacional, constitucional e administrativo. TEORIA GERAL DO ESTADO Martins Fontes Editora São Paulo, 2006

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS GERAIS CARACTERÍSTICAS GERAIS 1.1 CONTEXTO TRANSIÇÃO FEUDO-CAPITALISTA CRISE DO FEUDALISMO 1.2 CAUSAS EXPANSÃO DA ATIVIDADE COMERCIAL ALIANÇA REI-BURGUESIA ENFRAQUECIMENTO DO PODER CENTRAL CARACTERÍSTICAS GERAIS

Leia mais

PLANO DE CURSO FUND. HISTÓRICO-SISTEMÁTICOS DO DIREITO (CÓD.: ENEX 60103) ETAPA: 1ª TOTAL DE ENCONTROS:

PLANO DE CURSO FUND. HISTÓRICO-SISTEMÁTICOS DO DIREITO (CÓD.: ENEX 60103) ETAPA: 1ª TOTAL DE ENCONTROS: PLANO DE CURSO DISCIPLINA: FUND. HISTÓRICO-SISTEMÁTICOS DO DIREITO (CÓD.: ENEX 60103) ETAPA: 1ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA DO ESTADO

1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA DO ESTADO 1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Em O Federalista, artigos assinados por Publius (Alexander Hamilton, James Madison e John Jay; várias edições), os autores defendem a nova

Leia mais

Teoria Realista das Relações Internacionais (I)

Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Janina Onuki janonuki@usp.br BRI 009 Teorias Clássicas das Relações Internacionais 25 de agosto de 2016 Realismo nas RI Pressuposto central visão pessimista

Leia mais

Evolução do Pensamento Administrativo

Evolução do Pensamento Administrativo Evolução do Pensamento Administrativo Rosely Gaeta Abordagem Estruturalista (Weber) E Neoclássica (APO Peter Drucker) Slides de Aula Fonte: Chiavenatto e diversos autores 22/11/2014 Abordagem Estruturalista

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.1 Debate Contemporâneo da Gestão Pública (16h)

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.1 Debate Contemporâneo da Gestão Pública (16h) EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA D 3.1 Debate Contemporâneo da Gestão Pública (16h) Professor : Fernando Luiz Abrucio Aula 1 03, 04 e 06 de outubro de 2011 AS BASES DA BUROCRACIA PÚBLICA CONTEMPORÂNEA 1) Origens:

Leia mais

1. O CONCEITO DE SOBERANIA

1. O CONCEITO DE SOBERANIA Conceito Soberania e Legitimidade do Poder 1. O CONCEITO DE SOBERANIA 1.1. ORIGEM DO CONCEITO - O conceito de soberania teve origem na França (souveraineté) e seu primeiro teórico foi Jean Bodin. O Estado

Leia mais

Aula 3 O Estado. Objetivos:

Aula 3 O Estado. Objetivos: Aula 3 O Estado Objetivos: a) Conhecer a estrutura política e jurídica de um Estado; b) Conhecer a estrutura política e jurídica do Estado brasileiro; c) Relacionar o conhecimento da estrutura política

Leia mais

IDADE MODERNA O ABSOLUTISMO. Absolutismo ANA CRISTINA.

IDADE MODERNA O ABSOLUTISMO. Absolutismo ANA CRISTINA. Absolutismo DEFINIÇÃO: Regime político em que os reis possuem o poder absoluto sobre suas nações (concentração de poderes nas mãos dos reis. Transição entre o feudalismo e o capitalismo. Nova adequação

Leia mais

TEORIA GERAL DO ESTADO ELEMENTOS DO ESTADO. Prof. Thiago Gomes. Teoria Geral do Estado 1. CONTEXTUALIZAÇÃO. O que é necessário para formar um Estado?

TEORIA GERAL DO ESTADO ELEMENTOS DO ESTADO. Prof. Thiago Gomes. Teoria Geral do Estado 1. CONTEXTUALIZAÇÃO. O que é necessário para formar um Estado? TEORIA GERAL DO ESTADO Prof. Thiago Gomes 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O que é necessário para formar um Estado? 1 1. A IDEIA DE ESTADO Primeira definição apresentada Estado é uma forma específica de sociedade

Leia mais

Teoria do Estado 1! 2º semestre 2013! Aula 7 Federalismo! Deisy Ventura! Monitoras: Nathalie Sato (diurno)! e Raísa Ortiz Cetra (noturno)!

Teoria do Estado 1! 2º semestre 2013! Aula 7 Federalismo! Deisy Ventura! Monitoras: Nathalie Sato (diurno)! e Raísa Ortiz Cetra (noturno)! Teoria do Estado 1! 2º semestre 2013! Aula 7 Federalismo! Deisy Ventura! Monitoras: Nathalie Sato (diurno)! e Raísa Ortiz Cetra (noturno)! Unidade na diversidade! h"p://www.youtube.com/watch?v=u8f- kipg_li

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

H14 - A FORMAÇÃO DO FEUDALISMO

H14 - A FORMAÇÃO DO FEUDALISMO H14 - A FORMAÇÃO DO FEUDALISMO Desagregação do Império Romano do Ocidente Povos germânicos habitavam da região além do Rio Reno até o sul da Escandinávia hábitos seminômades viviam do pastoreio e agricultura

Leia mais

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder 1- Unificação dos Estados Nacionais Centralização do poder 1.1- Nobreza classe dominante Isenção de impostos; Ocupação de cargos públicos; Altos cargos no exército. 1- Conceito: Sistema de governo que

Leia mais

O ANTIGO REGIME AS RAÍZES DO MUNDO CONTEMPORÂNEO

O ANTIGO REGIME AS RAÍZES DO MUNDO CONTEMPORÂNEO O ANTIGO REGIME AS RAÍZES DO MUNDO CONTEMPORÂNEO ANTIGO REGIME Escreva no seu caderno o que você entende por Antigo Regime. Para auxiliá-lo, abaixo está a definição do dicionário Michaelis para a palavra

Leia mais

EUROPA. o velho continente. Professora: Rilvania Flôr.

EUROPA. o velho continente. Professora: Rilvania Flôr. EUROPA o velho continente. Professora: Rilvania Flôr. http://noticias.universia.com.br/carreira/noticia/2015/04/30/1124394/profissionais-iberoamericanos-preferem-trabalhareuropa-aponta-pesquisa.html Ocupação

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA ARTIGOS 18 E 19 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA ARTIGOS 18 E 19 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA ARTIGOS 18 E 19 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL A organização político administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal,

Leia mais

Weber e a Burocracia 3/18/2014 UM CONJUNTO DE PRECEITOS QUE RESOLVESSE AS LIMITAÇÕES DAS TEORIAS CLÁSSICAS E DAS ESCOLAS DE RELAÇÕES HUMANAS.

Weber e a Burocracia 3/18/2014 UM CONJUNTO DE PRECEITOS QUE RESOLVESSE AS LIMITAÇÕES DAS TEORIAS CLÁSSICAS E DAS ESCOLAS DE RELAÇÕES HUMANAS. Weber e a Burocracia O MODELO DA BUROCRACIA UM CONJUNTO DE PRECEITOS QUE RESOLVESSE AS LIMITAÇÕES DAS TEORIAS CLÁSSICAS E DAS ESCOLAS DE RELAÇÕES HUMANAS. COM AS TRANSFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES EM FUNÇÃO

Leia mais

Plano de Estudos. HIS11633 Seminário Temático em História I História 10 Semestral 260

Plano de Estudos. HIS11633 Seminário Temático em História I História 10 Semestral 260 Plano de Estudos Escola: Escola de Ciências Sociais Grau: Mestrado Curso: História (cód. 545) HIS11639 Seminário Temático em História II-História da Arte História 10 Semestral 260 HIS11634 Seminário Temático

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 56 A NOVA COMPOSIÇÃO DOS BÁLCÃS

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 56 A NOVA COMPOSIÇÃO DOS BÁLCÃS GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 56 A NOVA COMPOSIÇÃO DOS BÁLCÃS Como pode cair no enem (ENEM) Do ponto de vista geopolítico, a Guerra Fria dividiu a Europa em dois blocos. Essa divisão propiciou a formação

Leia mais

Ordenação dos ramos de Direito (tradicional):

Ordenação dos ramos de Direito (tradicional): Ramos do Direito 1 - Ordem jurídica una / demarcação de sectores) - Ramos de Direito objectivo corpos de regras gerais e abstractas que organizam aspectos da vida em sociedade - Critério de delimitação

Leia mais

PROGRAMA. DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor José Melo Alexandrino. (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2014/2015

PROGRAMA. DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor José Melo Alexandrino. (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2014/2015 PROGRAMA DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor José Melo Alexandrino (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2014/2015 INTRODUÇÃO 1. O objecto e o método do Direito constitucional

Leia mais

Rede global de interações

Rede global de interações ECONOMIA INFORMACIONAL E GLOBAL ou Rede global de interações Sociedade em rede ( Manuel Castells ) Informacional: a produtividade e a competitividade ( de empresas, regiões e nações ) dependerão basicamente

Leia mais

Kant e a Razão Crítica

Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica 1. Leia o texto a seguir. Kant, mesmo que restrito à cidade de Königsberg, acompanhou os desdobramentos das Revoluções Americana e Francesa e foi levado a

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. Walace Vinente GEOGRAFIA CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL I

DIREITO CONSTITUCIONAL I DIREITO CONSTITUCIONAL I De acordo com Uadi Bulos, a Constituicao de 1988 qualificou a organizacao do Estado brasileiro como politico-administrativa. A ORGANIZACAO ESPACIAL E TERRITORIAL DO PODER DO ESTADO,

Leia mais

Transição da Idade Média

Transição da Idade Média Transição da Idade Média para a Idade Moderna I Monarquias Nacionais (Absolutismo) Início da Idade Moderna Expansão Marítima Européia Renascimento Cultural Reforma Protestante Monarquias Nacionais Absolutismo

Leia mais

Revolução Francesa

Revolução Francesa Revolução Francesa 1789-1799 Contexto Mundial Circulação de ideias iluministas pela sociedade Crescimento econômico e comercial da Inglaterra graças a revolução industrial. Desde o final das Revoluções

Leia mais

Objetivos: Dar ao aluno noções gerais sobre o Estado e a ordem social e oferecer-lhe o pleno conhecimento da organização constitucional brasileira.

Objetivos: Dar ao aluno noções gerais sobre o Estado e a ordem social e oferecer-lhe o pleno conhecimento da organização constitucional brasileira. DISCIPLINA: CONSTITUCIONAL I CARGA HORÁRIA TOTAL: 60 CRÉDITOS: 04 CÓDIGO: DIR 02-07411 Dar ao aluno noções gerais sobre o Estado e a ordem social e oferecer-lhe o pleno conhecimento da organização constitucional

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Aula 02 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Religião e Sociedade

Religião e Sociedade Religião e Sociedade A Religião, Crença e Ciência A secularização das sociedades modernas: passagem do regime religioso para o laico O conceito de religião e crença Religião, Filosofia e Ciência Objetivos

Leia mais

BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO. económico geral. das instituições

BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO. económico geral. das instituições ANEXO III BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO 1 Artigo 14.º Base jurídica Descrição Elementos processuais 1 Artigo 15.º, n. 3 Artigo 16.º, n. 2 Artigo 18.º Artigo 19.º, n. 2 Artigo 21.º,

Leia mais

Formação do Sistema Internacional DBBHO SB (4-0-4)

Formação do Sistema Internacional DBBHO SB (4-0-4) Formação do Sistema Internacional DBBHO1335-16SB (4-0-4) Professor Dr. Demétrio G. C. de Toledo BRI demetrio.toledo@ufabc.edu.br UFABC - 2016.III Aula 5 3ª-feira, 4 de outubro A consolidação dos Estados

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) Prof. João Gabriel da Fonseca joaogabriel_fonseca@hotmail.com 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja

Leia mais

Correção da Ficha Formativa

Correção da Ficha Formativa Correção da Ficha Formativa 1. Identifica em que continentes se situava o império romano. O Império romano estendeu-se pela Europa, Ásia (próximo oriente) e África (norte de África) 2. Indica as causas

Leia mais

Territórios e Regionalização. Professor Diego Alves de Oliveira

Territórios e Regionalização. Professor Diego Alves de Oliveira Territórios e Regionalização Professor Diego Alves de Oliveira Conceitos de território Pode ser associado a vários elementos: Biológicos: área dominada por uma espécie animal; Sociais: área vivida por

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 45/XIII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 45/XIII. Exposição de Motivos Exposição de Motivos A livre circulação de trabalhadores é uma liberdade fundamental dos cidadãos da União Europeia (UE) e assume um relevo determinante para o desenvolvimento de um verdadeiro mercado

Leia mais

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS A correção de uma questão será restrita somente ao que estiver apresentado no espaço correspondente,

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL JORGE MIRANDA CURSO DE ESTRUTURA DO ESTADO. SISTEMAS POLÍTICOS. ATIVIDADE CONSTITUCIONAL DO ESTADO. FISCALIZAÇÃO DE CONSTITUCIONALIDADE VOL. 2 UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2016 ÍNDICE PARTE I ESTRUTURA

Leia mais

Aula 00. Administração Geral Aula 00 - Aula Demonstrativa Prof. Marcelo Camacho

Aula 00. Administração Geral Aula 00 - Aula Demonstrativa Prof. Marcelo Camacho Aula 00 Estado, Políticas Públicas e Direitos Sociais no Brasil Conceito de Estado Professor: Marcelo Camacho www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 Aula Demonstrativa Olá, pessoal! Estou aqui para estudar

Leia mais

O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS

O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS A CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 210 DETERMINA O ENSINO RELIGIOSO, MESMO FACULTATIVO PARA O ALUNO, DEVE ESTAR PRESENTE COMO DISCIPLINA DOS HORÁRIOS NORMAIS DA

Leia mais

SUMÁRIO. PREFÁCIO - MÁRCIO PUGLlESI... 7 NOTA DOS AUTORES À 4." EDIÇÃO... 9 NOTA DOS AUTORES À 3." EDIÇÃO NOTA DOS AUTORES À 2." EDIÇÃO...

SUMÁRIO. PREFÁCIO - MÁRCIO PUGLlESI... 7 NOTA DOS AUTORES À 4. EDIÇÃO... 9 NOTA DOS AUTORES À 3. EDIÇÃO NOTA DOS AUTORES À 2. EDIÇÃO... SUMÁRIO PREFÁCIO - MÁRCIO PUGLlESI... 7 NOTA DOS AUTORES À 4." EDIÇÃO... 9 NOTA DOS AUTORES À 3." EDIÇÃO... 11 NOTA DOS AUTORES À 2." EDIÇÃO... 13 INTRODUÇÃO... 25 PARTE I TEORIA GERAL DO ESTADO 1. DIVISÃO

Leia mais

Indivíduos, sociedade e instituições sociais SOCIOLOGIA PROF. ROBSON VIEIRA 1ª SÉRIE/ UP

Indivíduos, sociedade e instituições sociais SOCIOLOGIA PROF. ROBSON VIEIRA 1ª SÉRIE/ UP Indivíduos, sociedade e instituições sociais SOCIOLOGIA PROF. ROBSON VIEIRA 1ª SÉRIE/ UP INDIVÍDUO E SOCIEDADE Indivíduo e sociedade são diretamente associados. A sociedade é justamente o fruto da relação

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San.

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. GEOGRAFIA Prof. Daniel San daniel.san@lasalle.org.br ESTADO-NAÇÃO ORIGEM TEM NO LIVRO, pág. 7 a 12 O mundo nem sempre esteve organizado da forma em que o mapa-múndi apresenta atualmente. Alguns países

Leia mais

Planificação Anual Área de Integração 12º Ano de Escolaridade Turma C Curso Profissional de Técnico de Secretariado. Ano Letivo 2016/2017

Planificação Anual Área de Integração 12º Ano de Escolaridade Turma C Curso Profissional de Técnico de Secretariado. Ano Letivo 2016/2017 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual Área de Integração 12º Ano de Escolaridade Turma C Curso Profissional de Técnico de Secretariado Ano Letivo 2016/2017 Professor

Leia mais

A IGREJA MEDIEVAL. História 1 Aula 13 Prof. Thiago

A IGREJA MEDIEVAL. História 1 Aula 13 Prof. Thiago A IGREJA MEDIEVAL História 1 Aula 13 Prof. Thiago A IGREJA MEDIEVAL Instituição centralizada, poderosa, hierárquica, supranacional e autoritária Única instituição coesa com o fim do Império Romano Controle

Leia mais

CAPÍTULO 6 O TERRITÓRIO BRASILEIRO EM CONSTRUÇÃO. Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira

CAPÍTULO 6 O TERRITÓRIO BRASILEIRO EM CONSTRUÇÃO. Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira CAPÍTULO 6 O TERRITÓRIO BRASILEIRO EM CONSTRUÇÃO Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira 1- O país dos contrastes Imensas riquezas naturais, culturais e econômicas.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO. ASPECTOS FUNDAMENTAIS NA FORMAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO.

ORGANIZAÇÃO DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO. ASPECTOS FUNDAMENTAIS NA FORMAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO. ORGANIZAÇÃO DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO. ASPECTOS FUNDAMENTAIS NA FORMAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO.. DEFINIÇÕES DE ESTADO: Hegel: realidade da idéia moral, a substância ética consciente de si mesma, a manifestação

Leia mais

O ILUMINISMO SÉCULO XVII - XVIII

O ILUMINISMO SÉCULO XVII - XVIII O ILUMINISMO SÉCULO XVII - XVIII ILUMINISMO: A BUSCA PELA RACIONALIDADE Somente pela razão os homens atingiriam o progresso, em todos os sentidos. A razão permitiria instaurar no mundo uma nova ordem,

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMERCIAL E TRIBUTÁRIA AULA V

LEGISLAÇÃO COMERCIAL E TRIBUTÁRIA AULA V LEGISLAÇÃO COMERCIAL E TRIBUTÁRIA AULA V IV DIREITO CONSTITUCIONAL (continuação) 1. Poder Constituinte Poder Constituinte é o poder que o povo atribui aos Constituintes, pessoas eleitas com o poder-obrigação

Leia mais

O poder e a política SOCIOLOGIA EM MOVIMENTO

O poder e a política SOCIOLOGIA EM MOVIMENTO Capítulo 6 Poder, política e Estado 1 O poder e a política Poder se refere à capacidade de agir ou de determinar o comportamento dos outros. As relações de poder perpassam todas as relações sociais. As

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: Ano: 8º - Ensino Fundamental Professores: Joyce de Lima e Carlos Afonso Atividades para Estudos Autônomos Data: 8 / 5 / 2017 VERIFIQUE A PUBLICAÇÃO

Leia mais

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA 01) Não se enquadra na subdivisão de "Público" o direito: a) Constitucional b) Administrativo. c) Judiciário / processual. d) Penal. e) Comercial. 02) Não

Leia mais

Formação do Sistema Internacional DABHO SB (4-0-4)

Formação do Sistema Internacional DABHO SB (4-0-4) Formação do Sistema Internacional DABHO1335-15SB (4-0-4) Professor Dr. Demétrio G. C. de Toledo BRI demetrio.toledo@ufabc.edu.br UFABC - 2017.I (Ano 2 do Golpe) Aula 5 3ª-feira, 21 de fevereiro Módulo

Leia mais

Os direitos Humanos são direitos fundamentais da pessoa humana. Esses direitos são considerados fundamentais porque, sem eles, a pessoa não é capaz

Os direitos Humanos são direitos fundamentais da pessoa humana. Esses direitos são considerados fundamentais porque, sem eles, a pessoa não é capaz Os direitos Humanos são direitos fundamentais da pessoa humana. Esses direitos são considerados fundamentais porque, sem eles, a pessoa não é capaz de se desenvolver e de participar plenamente da vida.

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL Aula Inaugural -Teoria Geral da Constituição Profº.. Francisco De Poli de Oliveira OBJETIVOS 1. Conhecer a Teoria Geral da Constituição; 2. Aplicar os conhecimentos aprendidos na

Leia mais

Filosofia e Política

Filosofia e Política Filosofia e Política Aristóteles e Platão Aristóteles Política deve evitar a injustiça e permitir aos cidadãos serem virtuosos e felizes. Não há cidadania quando o povo não pode acessar as instituições

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: Ciência Política NOME DO CURSO: Ciências Econômicas.

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: Ciência Política NOME DO CURSO: Ciências Econômicas. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: III CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: Ciência Política NOME DO CURSO: Ciências Econômicas. 2. EMENTA

Leia mais

I SÉRIE ÍNDICE SUPLEMENTO

I SÉRIE ÍNDICE SUPLEMENTO I SÉRIE Terça-feira, 13 de maio de 2014 Número 91 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministérios da Defesa Nacional e do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia Portaria n.º 101-A/2014: Procede à identificação das

Leia mais

Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações?

Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações? Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações? Priscila Queirolo Susin Psicóloga; Técnica Social Responsável PMCMV-E; Pesquisadora do CAES Mestre em Ciências Sociais (PUCRS) Doutoranda

Leia mais

2- Conhecendo os Direitos da Pessoa 3 - Classificação dos Direitos Humanos em Gerações / Dimensões 4 - História dos Direitos Humanos e da Humanidade

2- Conhecendo os Direitos da Pessoa 3 - Classificação dos Direitos Humanos em Gerações / Dimensões 4 - História dos Direitos Humanos e da Humanidade SUMÁRIO 2- Conhecendo os Direitos da Pessoa 3 - Classificação dos Direitos Humanos em Gerações / Dimensões 4 - História dos Direitos Humanos e da Humanidade 12 - Declaração dos Direitos Humanos 21 - Constituição

Leia mais

Origens Medievais do Estado Moderno e seus Teóricos

Origens Medievais do Estado Moderno e seus Teóricos Origens Medievais do Estado Moderno e seus Teóricos Deus faz o rei, o Rei faz a lei Prof. Alan Carlos Ghedini A Crise do Sistema Feudal Na Baixa Idade Média o feudalismo entra em sua mais séria crise.

Leia mais

TEORIA BUROCRACIA. Profa. Dra. Rosângela F. Caldas

TEORIA BUROCRACIA. Profa. Dra. Rosângela F. Caldas TEORIA BUROCRACIA CONCEITO Trabalho baseado em papéis e documentos, movimentados em seqüência contínua entre as várias unidades componentes da estrutura organizacional DESENVOLVIMENTO Europa - Sec. XX

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Sobre a noção de poder em Michel Foucault é incorreto afirmar que: a) Há uma separação entre o poder soberano (que provém do

Leia mais

O PATRIMÔNIO IMOBILIÁRIO DESTINADO ÀS FORÇAS ARMADAS E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A SOBERANIA NACIONAL

O PATRIMÔNIO IMOBILIÁRIO DESTINADO ÀS FORÇAS ARMADAS E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A SOBERANIA NACIONAL O PATRIMÔNIO IMOBILIÁRIO DESTINADO ÀS FORÇAS ARMADAS E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A SOBERANIA NACIONAL Apresentar a importância dos imóveis destinados às Forças Armadas, especialmente ao Exército Brasileiro,

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD CANOAS, JULHO DE 2015 DISCIPLINA PRÉ-HISTÓRIA Código: 103500 EMENTA: Estudo da trajetória e do comportamento do Homem desde a sua origem até o surgimento do Estado.

Leia mais