A Common Law Importância do direito inglês Elaborado na Inglaterra pela ação dos Tribunais Reais de Justiça, compreende, o direito da maioria dos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Common Law Importância do direito inglês Elaborado na Inglaterra pela ação dos Tribunais Reais de Justiça, compreende, o direito da maioria dos"

Transcrição

1 A Common Law Importância do direito inglês Elaborado na Inglaterra pela ação dos Tribunais Reais de Justiça, compreende, o direito da maioria dos países de língua inglesa e influenciou a maior parte dos associados à Inglaterra. Domínio geográfico- O direito inglês está limitado, no seu domínio de aplicação, à Inglaterra e ao País de Gales e ocupa um lugar proeminente na família da common Law. Caráter histórico do direito inglês- Desenvolve-se de forma autônoma. Surge-lhe como produto de uma longa evolução que não foi perturbada por nenhuma revolução. As leis bárbaras Anterior à conquista da Inglaterra pelos normandos. As leis bárbaras apenas regulam aspectos limitados das relações sociais às quais se estende a nossa concepção do direito. A conquista normanda (1066) - Traz para a Inglaterra um poder forte, centralizado, rico de uma experiência administrativa posta à prova no ducado de Normandia. O feudalismo na Inglaterra- O caráter militar, organizado do feudalismo inglês é um dos elementos que vai permitir o desenvolvimento da common law. Definição da Common Law Direito comum a toda Inglaterra. Competência dos Tribunais Reais- Não estão aptos para administrar a justiça. A sua intervenção limita-se: questões relacionadas com as finanças reais, propriedade imobiliária e a posse de imóveis e graves questões criminais que se relacionem com a paz do reino. 271-Extensão da competência dos Tribunais Reais- No final da Idade Média os Tribunais Reais são os únicos a administrar a justiça. 272-Maneira de pôr em funcionamento os Tribunais Reais- Utilizou-se da técnica: o autor, num ato introdutório de instância (declaration), expunha os fatos da causa (case) e pedia aos juízes reais que aceitassem o litígio. As novas ações chamaram-se ações super casum (actions on the case). 273-Remedies precede right- em primeiro lugar o processo. 274-Interesse atual da sua evolução histórica. A common law marcou o direito inglês nos aspectos: levaram os juristas ingleses a concentrar no processo; fixação de categorias e elaboração de conceitos; rejeição da distinção entre direito público e privado; e criação de obstáculos a uma recepção, na Inglaterra, das categorias e dos conceitos do direito romano. 275-Concentração do interesse sobre o processo-a common law não visa justiça e é um conglomerado de processos para assegurar solução de litígios. 276-Ilustração pelo direito dos contratos- A história do direito dos contratos ilustra o desenvolvimento artificial do direito inglês.

2 277-Categorias e conceitos do direito inglês- As regras e categorias do direito inglês têm a marca dos obstáculos que se opuseram a um desenvolvimento racional das instituições Enfraquecimento do direito privado- Jurisdições reais ampliaram sua competência. Algumas eram competentes apenas em interesses privados, no entanto, essas desapareceram e com elas o direito privado na Inglaterra. 279-Impossibilidade de recepção do direito romano- A obrigação de se submeterem a quadros processuais rígidos foi a principal razão de a Inglaterra impedir uma recepção de conceitos do direito romano. 280-Esclerose da common law- A common law por depender de processos formalistas ficou exposta a uma esclerose resultante da rotina dos homens de leis e correu o risco de ser substituída pelo sistema equity. 281-Recurso à autoridade real.os Tribunais Reais autorizavam a apelação para o rei em casos excepcionais para obter justiça. 282-A equity na época dos Tudors. Nessa época a jurisdição de equidade do Chanceler alcançou sua extensão com o apoio dos soberanos ingleses. 283-Compromisso entre a common law e a equity.a revolução que conduziria a Inglaterra para a família dos direitos romano-germânicos não realizou-se; a common law e a Chanceler passaram a subsistirem lado a lado 284-A estrutura dualista do direito inglês. Estrutura dualista: Ao lado das regras da common law para o aperfeiçoamento apresenta soluções de equity. 285-A absorção do direito comercial pela common law. No séc.xviii houve a absorção do direito comercial pela common law integrando-se a ela. 286-Obras de doutrina e compilações de jurisprudência : Obras e compilações marcantes: obras de Littleton e a de Coke; decisões judiciárias 287-As reformas do séc.xix. Foi marcante na época o desenvolvimento sem precedentes da legislação, sendo uma reforma realizada no séc. XIX. 288-O séc.xx: a common law na época do welfar-estate. Com a criação do welfare-state, as leis e regulamentos tomaram maior importância no sistema jurídico inglês. A criação de regulamentos administrativos também modificou em parte a visão do direito inglês. 289-Importância da Matéria. Sistemas romano-germânicos são relativamente racionais e lógicos, sendo ordenados em consideração com regras substantivas. Já o direito inglês, foi ordenado sem preocupações lógicas. Mesmo com as modificações ocorridas no sistema processual, as noções e classificações clássicas permanecem.

3 290- Categorias e conceitos. Distinção fundamental do Direito Inglês e da família romano-germânica: direito público e privado. A equity surgiu para equilibrar o formalismo da common law, aproximando-se de um ideal de justiça Regra do Direito. No direito inglês a regra de direito situa-se ao nível de generalidade menor com a distinção das regras imperativas e supletivas. 292-Importância das categorias jurídicas. Os especialistas conhecem bem o seu ramo do direito, os demais possuem conhecimentos gerais do mesmo. 293-Originalidade das categorias e conceitos do direito inglês,

4

5

Sumário PARTE 1 PARTE 2. A Estrutura do Sistema de Patentes

Sumário PARTE 1 PARTE 2. A Estrutura do Sistema de Patentes Sumário Prefácio... XIU PARTE 1 Uma Introdução à Propriedade Industrial: Seu Conceito, Seu Papel na Organização da Sociedade e sua Natureza Essencialmente Pró-Competitiva Capítulo 1 - Uma Definição Sistemática

Leia mais

índice GERAL DO VOLUME I

índice GERAL DO VOLUME I Cód. barras: STJ00095058 (2012) índice GERAL DO VOLUME I INTRODUÇÃO 1 Q A pluralidade e a diversidade dos sistemas jurídicos contemporâneos 2 Q Primeira noção de Direito Comparado 3 Q Modalidades da comparação

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMMON LAW NO DIREITO BRASILEIRO

A INFLUÊNCIA DA COMMON LAW NO DIREITO BRASILEIRO Faculdade Estácio Ceut Coordenação do curso de Bacharelado em Direito Disciplina: História do Direito Turma: 1º C Turno: Tarde Professor: Eduardo Albuquerque Rodrigues Diniz A INFLUÊNCIA DA COMMON LAW

Leia mais

Estatuto da Corte Interamericana de Direitos Humanos UNISIM 2015

Estatuto da Corte Interamericana de Direitos Humanos UNISIM 2015 Estatuto da Corte Interamericana de Direitos Humanos UNISIM 2015 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1. Natureza e regime jurídico A Corte Interamericana de Direitos humanos é uma instituição judiciária

Leia mais

ICI AMPLIA INCLUSÃO DIGITAL E PROMOVE AVANÇOS NA ROTINA DOS ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA COM APLICAÇÃO DE WI-FI NAS ESCOLAS

ICI AMPLIA INCLUSÃO DIGITAL E PROMOVE AVANÇOS NA ROTINA DOS ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA COM APLICAÇÃO DE WI-FI NAS ESCOLAS Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. ICI AMPLIA INCLUSÃO DIGITAL E PROMOVE AVANÇOS NA ROTINA DOS ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA COM APLICAÇÃO DE WI-FI NAS ESCOLAS Perfil O Instituto Curitiba

Leia mais

Sistemas Jurídicos Comparados. Programa e bibliografia principal

Sistemas Jurídicos Comparados. Programa e bibliografia principal Sistemas Jurídicos Comparados Programa e bibliografia principal Rui Pinto Duarte 2000/2001 PROGRAMA 1. Introdução ao Direito Comparado 1.1. Primeira aproximação à ideia de Direito Comparado 1.1.1. Observação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 60/09-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 60/09-CEPE RESOLUÇÃO Nº 60/09-CEPE Estabelece o Currículo Pleno do Curso de Direito, do Setor de Ciências Jurídicas, O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

Faculdade recredenciada pela Portaria MEC 1.437 de 07/10/2011. Curso de Direito autorizado pela Portaria MEC 1.215/2006 PLANO DE ENSINO

Faculdade recredenciada pela Portaria MEC 1.437 de 07/10/2011. Curso de Direito autorizado pela Portaria MEC 1.215/2006 PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL CÓDIGO: 702070 CURSO: DIREITO SEMESTRE: NONO CARGA HORÁRIA SEMANAL: 2 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 PROFESSOR RESPONSÁVEL: PROFª. MS. DÉBORA CAMARGO DE VASCONCELOS

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 9. OFF SHORES, TRUSTS E FUNDAÇÕES INTERNACIONAIS

Marcos Puglisi de Assumpção 9. OFF SHORES, TRUSTS E FUNDAÇÕES INTERNACIONAIS Marcos Puglisi de Assumpção 9. OFF SHORES, TRUSTS E FUNDAÇÕES INTERNACIONAIS 2010 OFF SHORE, TRUSTS E FUNDAÇÕES INTERNACIONAIS 1 EMPRESAS OFF SHORE A globalização do comércio mundial; a integração política,

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONSTRUÇÃO DA GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICIPIOS BRASILEIROS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE COLINAS DO TOCANTINS

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) LLM em Direito Empresarial Coordenação Acadêmica: Escola de Direito/FGV Direito Rio

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) LLM em Direito Empresarial Coordenação Acadêmica: Escola de Direito/FGV Direito Rio CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) LLM em Direito Empresarial Coordenação Acadêmica: Escola de Direito/FGV Direito Rio APRESENTAÇÃO DA FGV A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos,

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO 1 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome Curso HISTÓRIA DO DIREITO DIREITO Código DIR

Leia mais

ANO CONGRESSO PAÍS TEMAS TÉCNICOS 1953 I Cuba Tema 1 O sistema de contabilidade do Estado, fundamento da intervenção e fiscalização dos Tribunais de

ANO CONGRESSO PAÍS TEMAS TÉCNICOS 1953 I Cuba Tema 1 O sistema de contabilidade do Estado, fundamento da intervenção e fiscalização dos Tribunais de ANO CONGRESSO PAÍS TEMAS TÉCNICOS 1953 I Cuba Tema 1 O sistema de contabilidade do Estado, fundamento da intervenção e fiscalização dos Tribunais de Contas. Alcance da fiscalização preventiva na execução

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI DIREITO INGLÊS E O COMMUN LAW

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI DIREITO INGLÊS E O COMMUN LAW FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI DIREITO INGLÊS E O COMMUN LAW LINHARES-ES 2011 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI Atividade Avaliativa Apresentado À Disciplina História E Institutos

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2006-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51

Processo Seletivo/UFU - julho 2006-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 Quanto ao contexto do surgimento da Sociologia, marque a alternativa correta. A) A Sociologia nasceu como ciência a partir da consolidação da sociedade burguesa urbana-industrial

Leia mais

O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal.

O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal. O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal. 2. O Quadro de Pessoal da Polícia Judiciária é constituído por: - Pessoal de Investigação Criminal - Pessoal de Apoio à Investigação Criminal - Pessoal

Leia mais

Edital Verticalizado Polícia Civil de Pernambuco

Edital Verticalizado Polícia Civil de Pernambuco Edital Verticalizado Polícia Civil de Pernambuco 2016 Edital Verticalizado Polícia Civil de Pernambuco O Focus Concursos Online oferece aos que desejam se preparar, um curso teórico, atualizado, com todas

Leia mais

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes 4ª FASE Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes Unidade II Natureza-Sociedade: questões ambientais 2 Aula 8.1 Conteúdo Hebreus, Fenícios e Persas. 3 Habilidade Identificar as principais características físicas,

Leia mais

Contabilidade Pública e Governamental

Contabilidade Pública e Governamental Contabilidade Pública e Governamental Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Conceito Estrutura e critérios de classificação das contas. Sistemas de contas Sistema Orçamentário

Leia mais

A distância entre o sonho e a conquista chama-se ATITUDE!

A distância entre o sonho e a conquista chama-se ATITUDE! A distância entre o sonho e a conquista chama-se ATITUDE! PLANO DE AULA Nº 6 DIRIETOS POLÍTICOS 1. NOÇÕES TEÓRICAS DIREITOS POLÍTICOS No capítulo IV do título II, a CF dispôs de um conjunto de normas para

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES Art. 1º - A FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES, FDDHMMA, instituída pela Arquidiocese da Paraíba,

Leia mais

APRESENTAÇÃO...3. Crime de Racismo...4. Crime de Injúria Racial...6. Crimes de Ódio na Internet...8 DIFERENÇAS ENTRE RACISMO E INJÚRIA RACIAL...

APRESENTAÇÃO...3. Crime de Racismo...4. Crime de Injúria Racial...6. Crimes de Ódio na Internet...8 DIFERENÇAS ENTRE RACISMO E INJÚRIA RACIAL... 1 Sumário APRESENTAÇÃO...3 COMO DENUNCIAR? Crime de Racismo...4 Crime de Injúria Racial...6 Crimes de Ódio na Internet...8 DIFERENÇAS ENTRE RACISMO E INJÚRIA RACIAL...10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...12

Leia mais

NEWSLETTER nº1 FEVEREIRO 2008. PROPOSTA REGIME JURÍDICO DA PROMOÇÃO IMOBILIÁRIA Novas Regras em 2008

NEWSLETTER nº1 FEVEREIRO 2008. PROPOSTA REGIME JURÍDICO DA PROMOÇÃO IMOBILIÁRIA Novas Regras em 2008 VEJA NESTA EDIÇÃO: NEWSLETTER nº1 FEVEREIRO 2008 www.haag.pt pág. 01 EDITORIAL A nova HAAG-NEWS pág. 01 PROPOSTA REGIME JURÍDICO DA PROMOÇÃO IMOBILIÁRIA Novas Regras em 2008 pág. 03 EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.380. Dispõe sobre o Adicional de Qualificação no âmbito da Justiça Eleitoral.

RESOLUÇÃO Nº 23.380. Dispõe sobre o Adicional de Qualificação no âmbito da Justiça Eleitoral. Publicada no DJE/TSE nº 142, de 27/7/2012, p. 9/11 RESOLUÇÃO Nº 23.380 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 19.823 (29839-23.2007.6.00.0000) CLASSE 19 BRASÍLIA DF Relatora: Ministra Cármen Lúcia Interessado: Tribunal

Leia mais

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA IE13255 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5182402 Fax: (251-11) 5182400 Website: www.au.int CONFERÊNCIA DA CUA/AFCAC/AFRAA DE TRANSPORTES

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO RECANTO TRANQUILO DE ATIBAIA "AMART"

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO RECANTO TRANQUILO DE ATIBAIA AMART ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO RECANTO TRANQUILO DE ATIBAIA "AMART" PROJETO DE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - OBJETO Art. 1º. Este Regimento tem por objeto disciplinar o funcionamento da Associação dos Amigos do

Leia mais

ÍNDICE VOLUME 1. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos; campos semânticos; emprego de tempos e modos dos verbos em português...

ÍNDICE VOLUME 1. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos; campos semânticos; emprego de tempos e modos dos verbos em português... Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia TJ/RO Técnico Judiciário ÍNDICE VOLUME 1 CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário e não

Leia mais

MONARQUIA INGLESA PROCESSO DE FORMAÇÃO. http://historiaonline.com.br

MONARQUIA INGLESA PROCESSO DE FORMAÇÃO. http://historiaonline.com.br MONARQUIA INGLESA PROCESSO DE FORMAÇÃO Guilherme l, o Conquistador 1066: batalha de Hastings Guilherme, o Conquistador (duque da Normandia) derrota o último rei anglo-saxônico, Haroldo II Início da dinastia

Leia mais

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza Gustavo Noronha Silva José Nailton Silveira de Pinho Juliana Gusmão Veloso Kátia Geralda Pascoal Fonseca Walison Vasconcelos Pascoal Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado

Leia mais

TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA

TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA No relatório Science, Technology and Industry Outlook, publicado em dezembro de 2002, a OCDE afirma que os investimentos em ciência, tecnologia e inovação

Leia mais

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009.

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestrante: Profa. Dra. Gisele Mascarelli Salgado. GISELLE MASCARELLI SALGADO:

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL, ÉTICA E CIDADANIA

RESPONSABILIDADE SOCIAL, ÉTICA E CIDADANIA ESAF PR Seminário Paranaense de Educação Fiscal RESPONSABILIDADE SOCIAL, ÉTICA E CIDADANIA Fabiane L.B.N.Bessa Papel do Estado e suas relações com a sociedade civil e o mercado -> apoio recíproco Reformas

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Forças policiais e ordem pública. Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* Capítulo 1 Forças policiais e ordem pública. 1.1.Ordem pública e seu alcance O cidadão possui direitos e garantias fundamentais

Leia mais

paulinhaven@hotmail.com Introdução

paulinhaven@hotmail.com Introdução DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NO ENSINO DE BIOLOGIA: REFLEXÃO A PARTIR DE SUBSTRATOS TEÓRICOS E PESQUISAS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE PARNAÍBA/PI 1 Ana Paula Costa do Nascimento 1 Nailton de Souza

Leia mais

I Olimpíadas da Economia

I Olimpíadas da Economia I Olimpíadas da Economia Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O presente regulamento estabelece um conjunto de normas e orientações gerais sobre as I Olimpíadas da Economia (doravante

Leia mais

Grandes Santos de Deus. Jovens

Grandes Santos de Deus. Jovens Grandes Santos de Deus Jovens Eu desejo não manter meu lugar neste governo uma hora sequer a mais do que para preservar a Inglaterra nos seus justos direitos e proteger o povo de Deus em justa liberdade

Leia mais

PROCESSO N. 543/09 PROTOCOLO N.º 7.580.139-4 PARECER CEE/CP N.º 03/10 APROVADO EM 01/03/10. RELATORES: OSCAR ALVES e ROMEU GOMES DE MIRANDA

PROCESSO N. 543/09 PROTOCOLO N.º 7.580.139-4 PARECER CEE/CP N.º 03/10 APROVADO EM 01/03/10. RELATORES: OSCAR ALVES e ROMEU GOMES DE MIRANDA PROTOCOLO N.º 7.580.139-4 PARECER CEE/CP N.º 03/10 APROVADO EM 01/03/10 PLENÁRIO DO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: TUI-NÁ SYSTEM MASSAGE MUNICÍPIO: CURITIBA ASSUNTO: Recurso contra o Parecer

Leia mais

AS INSTITUIÇÕES EUROPEIAS

AS INSTITUIÇÕES EUROPEIAS AS INSTITUIÇÕES EUROPEIAS Para atingir os seus objectivos, a União dispõe de uma série de instituições, visando cada uma prosseguir determinados fins específicos, de acordo com o seu carácter próprio.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte em Espaço Público. Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A

Leia mais

COMUNICADO SOBRE CADASTRO DE AÇÕES NO PROJUDI 08/06/2016

COMUNICADO SOBRE CADASTRO DE AÇÕES NO PROJUDI 08/06/2016 COMUNICADO SOBRE CADASTRO DE AÇÕES NO PROJUDI 08/06/2016 A Coordenação dos Juizados COMUNICA aos Senhores ADVOGADOS e ATENDENTES JUDICIÁRIOS dos Juizados Especiais que já é possível, quando do cadastramento

Leia mais

CAPÍTULO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

CAPÍTULO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES, que dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica - NUPRAJUR

Leia mais

IDADE MODERNA O ABSOLUTISMO

IDADE MODERNA O ABSOLUTISMO ABSOLUTISMO Prof. Tácius Fernandes DEFINIÇÃO: Regime político em que os reis possuem o poder absoluto sobre suas nações (concentração de poderes nas mãos dos reis. Transição entre o feudalismo e o capitalismo.

Leia mais

DIOGO COSTA GONÇALVES

DIOGO COSTA GONÇALVES UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE DIREITO DIOGO COSTA GONÇALVES CURRICULUM VITÆ LISBOA OUTUBRO 2015 CURRICULUM VITÆ DIOGO MANUEL COSTA GONÇALVES, que usa também DIOGO COSTA GONÇALVES, nasceu em Lisboa,

Leia mais

Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08)

Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08) Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08) Dispõe sobre a organização e as atribuições da Assessoria Policial Militar no Ministério Público do Estado de São Paulo O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

Identidade e trabalho do coordenador pedagógico no cotidiano escolar

Identidade e trabalho do coordenador pedagógico no cotidiano escolar 9 Considerações finais A partir da análise dos dados coletados nessa pesquisa algumas considerações finais se fazem pertinentes em relação às questões iniciais levantadas nesta pesquisa. 9.1 Identidade

Leia mais

Título do Case: O impacto do layout na agilidade dos processos

Título do Case: O impacto do layout na agilidade dos processos Título do Case: O impacto do layout na agilidade dos processos Categoria: Projetos Externos Temática: Segundo Setor Resumo: O presente case expõe a aplicabilidade de um projeto externo que desafia as acomodações

Leia mais

COMMON LAW E CIVIL LAW: UMA ANÁLISE DOS SISTEMAS JURÍDICOS BRASILEIRO E NORTE-AMERICANO E SUAS INFLUÊNCIAS MÚTUAS

COMMON LAW E CIVIL LAW: UMA ANÁLISE DOS SISTEMAS JURÍDICOS BRASILEIRO E NORTE-AMERICANO E SUAS INFLUÊNCIAS MÚTUAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 COMMON LAW E CIVIL LAW: UMA ANÁLISE DOS SISTEMAS JURÍDICOS BRASILEIRO E NORTE-AMERICANO E SUAS INFLUÊNCIAS MÚTUAS Ramon Alberto dos Santos 1, Renê José

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno NOTIFICAÇÃO UCCI N 002/06 ÓRGÃO: GABINETE DO PREFEITO ASSUNTO: PRESTAÇÃO

Leia mais

Comissão de Ética do Mapa. ÉTICA e VOCÊ 20/06/2013 1

Comissão de Ética do Mapa. ÉTICA e VOCÊ 20/06/2013 1 Comissão de Ética do Mapa ÉTICA e VOCÊ 20/06/2013 1 Ética O termo ética deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MATO GROSSO PORTARIA Nº 276/2012

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MATO GROSSO PORTARIA Nº 276/2012 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MATO GROSSO PORTARIA Nº 276/2012 Dispõe sobre a requisição de técnicos para realização do exame das prestações de contas de candidatos e de comitês financeiros nas campanhas

Leia mais

DEZEMBRO DE 2012 Revista de Bioética. v. 21, n. 1, 2013

DEZEMBRO DE 2012 Revista de Bioética. v. 21, n. 1, 2013 Emancipação CONSELHO na NACIONAL luta pela DE equidade SAÚDE/ em pesquisas RESOLUÇÃO com Nº seres 466, humanos DE 12 DE Dirceu B. Greco Revista de Bioética. v. 21, n. 1, 2013 Para que o progresso científico

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq Introdução a análise Histórica Feudalismo Fernando Del pozzo hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxc

Leia mais

19.º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência do IBRAC

19.º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência do IBRAC 19.º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência do IBRAC Data: 31/10/2013 e 01/11/2013 Local: Hotel Resort Mabu, Foz do Iguaçu/Paraná Painel 3 - Uma Abordagem sobre Fixação de Preço de Revenda à

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SÃO PAULO CREA-SP ATO NORMATIVO Nº, DE DE DE.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SÃO PAULO CREA-SP ATO NORMATIVO Nº, DE DE DE. ATO NORMATIVO Nº, DE DE DE. Dispõe sobre celebração de convênios com entidades de classe para maior eficiência da fiscalização profissional, através da expansão das Anotações de Responsabilidade Técnica

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DANNIELE VARELLA RIOS DEBORAH DONATO DE SOUZA FELIPE PENIDO PORTELA PÂMELLA ÀGATA TÚLIO ESCOLA INGLESA CURITIBA 2009 DANNIELE

Leia mais

Elaboração de relatório técnico e/ou científico, segundo a ABNT

Elaboração de relatório técnico e/ou científico, segundo a ABNT FURG UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Sistema de Bibliotecas - SiB Elaboração de relatório técnico e/ou científico, segundo a ABNT Clériston Ramos Bibliotecário

Leia mais

PARECER COREN-SP 041 /2013 CT PRCI n 101.064 Tickets nº 291.263, 300.088

PARECER COREN-SP 041 /2013 CT PRCI n 101.064 Tickets nº 291.263, 300.088 PARECER COREN-SP 041 /2013 CT PRCI n 101.064 Tickets nº 291.263, 300.088 Ementa: Passagem de plantão ao turno seguinte. Quando caracteriza-se abandono de plantão. 1. Do fato Enfermeiro solicita parecer

Leia mais

I - Crimes contra a Humanidade

I - Crimes contra a Humanidade I - Crimes contra a Humanidade Os crimes contra a humanidade denominados também de delitos de lesa- humanidade surgem como extensão aos crimes de guerra, e, com o passar do tempo, acabam ganhando autonomia

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Representação nº 140/98 RECOMENDAÇÃO Nº 23/99 Trata o procedimento de representação formulada por Paulo Murilo Castilho Barone em face da recusa da Polícia Federal em São Paulo em lhe conceder passaporte

Leia mais

GOVERNANÇA E AS MUDANÇAS NA LEI 13.019/14 JOSÉ ALBERTO TOZZI

GOVERNANÇA E AS MUDANÇAS NA LEI 13.019/14 JOSÉ ALBERTO TOZZI GOVERNANÇA E AS MUDANÇAS NA LEI 13.019/14 JOSÉ ALBERTO TOZZI Empresa especializada na prestação de serviços ao Terceiro Setor Consultoria Auditoria Cursos Presenciais e à Banco de Dados sobre o Terceiro

Leia mais

Entrevista do Prof. Hugo Nigro Mazzilli à Rádio Justiça sobre o CPC de 2015 e o processo coletivo (30-07-2015) 1

Entrevista do Prof. Hugo Nigro Mazzilli à Rádio Justiça sobre o CPC de 2015 e o processo coletivo (30-07-2015) 1 Entrevista do Prof. Hugo Nigro Mazzilli à Rádio Justiça sobre o CPC de 2015 e o processo coletivo (30-07-2015) 1 https://www.youtube.com/watch?v=h-bique8was&feature=youtu.be Acesso em 31-07-15 Jornalista

Leia mais

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura António Firmino da Costa Elsa Pegado Patrícia Ávila CIES-ISCTE 2008 BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes

Leia mais

2ª fase Lei Eloy Chaves e Caixas de Aposentadorias e Pensões:

2ª fase Lei Eloy Chaves e Caixas de Aposentadorias e Pensões: Aula 13 Origem e Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil Faremos a seguir uma análise histórica para entendermos como surgiu a Previdência Social no Brasil. Dividiremos o assunto em 7 fases

Leia mais

1º Concurso - Universidades Jornalismo e Publicidade - Maio Amarelo 2016

1º Concurso - Universidades Jornalismo e Publicidade - Maio Amarelo 2016 1º Concurso - Universidades Jornalismo e Publicidade - Maio Amarelo 2016 Justificativa O Movimento Maio Amarelo nasceu com uma só proposta: chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO

MANUAL DO VOLUNTÁRIO MANUAL DO VOLUNTÁRIO Só é voluntário quem se põe ao serviço do OUTRO ÍNDICE 1. Introdução 2. O movimento Pais-em-Rede. 3. Ser voluntário Pais-em-Rede: 3.1 O nosso conceito de voluntariado 3.2 Direitos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2014 Reconhece a essencialidade do serviço de acesso à internet em banda larga e altera a Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, para prever sua prestação em regime público.

Leia mais

mercados e liberalização Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa

mercados e liberalização Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Regulação económica, mercados e liberalização Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Princípio geral para a actividade económica - funcionamento do mercado (trocas livres e

Leia mais

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional Por que Nos últimos anos, um número crescente

Leia mais

ACORDO ENTRE O REINO DA BÉLGICA E A REPÚBLICA PORTUGUESA SOBRE A SEGURANÇA SOCIAL DOS EMPREGADOS DO CONGO E DO RUANDA-URUNDI.

ACORDO ENTRE O REINO DA BÉLGICA E A REPÚBLICA PORTUGUESA SOBRE A SEGURANÇA SOCIAL DOS EMPREGADOS DO CONGO E DO RUANDA-URUNDI. Decreto-Lei n.º 46279 Acordo entre Portugal e a Bélgica sobre a segurança social dos empregados do Congo e do Ruanda-Urundi, assinado em Bruxelas a 13 de Janeiro de 1965 Usando da faculdade conferida pela

Leia mais

A Orientação Educacional no novo milênio

A Orientação Educacional no novo milênio 15 1 A Orientação Educacional no novo milênio O presente estudo consiste na descrição e análise da experiência do Curso de Especialização em Orientação Educacional e Supervisão Escolar, realizado na Faculdade

Leia mais

!" # ) ) * +,-+ #.! 0..1(

! # ) ) * +,-+ #.! 0..1( !" # $%&'( ) ) * +,-+ #. #.! / 0..1( 234 3 5 67 8 09 7 ):+;

Leia mais

ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS Artigo 1.º até artigo 6.º da PARTE I

ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS Artigo 1.º até artigo 6.º da PARTE I ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS Artigo 1.º até artigo 6.º da PARTE I INTRODUÇÃO 1. O Código dos Contratos Públicos, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 18/2008, de 29 de Janeiro e republicado

Leia mais

Meeting Natação Masters 2015

Meeting Natação Masters 2015 ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO ART. 1º - O Meeting Natação é uma competição do calendário oficial da MG ESPORTES, de acordo com o presente regulamento e com as regras da FINA e ABMN. ART. 2º - O Meeting Natação

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL - CADE

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL - CADE 1 ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL - CADE PARECER ProCADE Nº 264/2004 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 08012.011690/99-08 REPRESENTANTE: ANDRE FRELLER REPRESENTADA: EMBRATEL,

Leia mais

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 ESTRUTURA FINANCEIRA CONCEPTUAL IDEIAS CHAVE FLEXIBILIDADE na estruturação jurídica Fundos de Participação e

Leia mais

Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária.

Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária. Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária. - Planejar, programar, executar, avaliar, capacitar, orientar e fiscalizar as atividades relacionadas à análise, avaliação e aprovação

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 8 Accounting Policies, Changes in Accounting Estimates and Errors

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 8 Accounting Policies, Changes in Accounting Estimates and Errors Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 8 Accounting Policies, Changes in Accounting Estimates and Errors Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução deve ser aplicado: O IAS 8 Accounting

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 8 - Data 2 de fevereiro de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO - CIDE CIDE-REMESSAS.

Leia mais

O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 42 Discurso na reunião da Academia

Leia mais

XI ENCONTRO NACIONAL POR MORADIA POPULAR PRODUÇÃO SOCIAL DA MORADIA UM DESAFIO PARA A POLÍTICA DE HABITAÇÃO

XI ENCONTRO NACIONAL POR MORADIA POPULAR PRODUÇÃO SOCIAL DA MORADIA UM DESAFIO PARA A POLÍTICA DE HABITAÇÃO XI ENCONTRO NACIONAL POR MORADIA POPULAR PRODUÇÃO SOCIAL DA MORADIA UM DESAFIO PARA A POLÍTICA DE HABITAÇÃO Janice Mendonça Fernandes Gerente Nacional de Habitação Social 1 - Goiânia, 06/06/2008 CRÉDITO

Leia mais

Formação Judiciária e Especialização dos Juízes 1º/11/2011

Formação Judiciária e Especialização dos Juízes 1º/11/2011 PALESTRA NA ESCOLA NACIONAL DE MAGISTRATURA DA FRANÇA Formação Judiciária e Especialização dos Juízes 1º/11/2011 Estou extremamente honrado de participar, na qualidade de Diretor da Escola Nacional de

Leia mais

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23 Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Capítulo 1 Fundamentos do Direito Internacional Público... 13 1. Introdução... 13 2. A sociedade internacional... 14 3. Conceito... 16 4. Objeto... 16 5. Fundamentos

Leia mais

Segurança e Preservação de Dados

Segurança e Preservação de Dados Segurança e Preservação de Dados Computação Forense Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.6T Segurança e Preservação de Dados Conteúdo Programático :: 1a Unidade Conceitos

Leia mais

Marco regulatório da Educação a Distância

Marco regulatório da Educação a Distância Marco regulatório da Educação a Distância João Roberto Moreira Alves CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO Marco principal Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes

Leia mais

- PARA CRIMES CUJA PENA MÁXIMA SEJA IGUAL OU SUPERIOR A QUATRO ANOS: PROCEDIMENTO ORDINÁRIO;

- PARA CRIMES CUJA PENA MÁXIMA SEJA IGUAL OU SUPERIOR A QUATRO ANOS: PROCEDIMENTO ORDINÁRIO; ESQUEMA DE ESTUDO PROCEDIMENTOS PENAIS PROFESSOR: PIETRO CHIDICHIMO JUNIOR NOVA FORMA DE ESCOLHA DOS PROCEDIMENTOS COMUNS COM O ADVENTO DA LEI N.º 11.719/08. EXCEÇÕES: PROCEDIMENTO DE FUNCIONÁRIO E HONRA

Leia mais

PARECER. Assunto: Impugnação ao Edital Carta Convite 002/2015 Sescoop/PE (prazo de convocação)

PARECER. Assunto: Impugnação ao Edital Carta Convite 002/2015 Sescoop/PE (prazo de convocação) PARECER Interessado: Sescoop/PE Assunto: Impugnação ao Edital Carta Convite 002/2015 Sescoop/PE (prazo de convocação) Trata-se de Impugnação formulada pela Sociedade de Advogados Ewerton Kleber e Advogados

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Relações Internacionais 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO YALE LAW SCHOOL E FACULDADE DE DIREITO DA USP. Nome Completo: Endereço:

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO YALE LAW SCHOOL E FACULDADE DE DIREITO DA USP. Nome Completo: Endereço: PROGRAMA DE INTERCÂMBIO YALE LAW SCHOOL E FACULDADE DE DIREITO DA USP Nome Completo: Endereço: Telefone (com. e/ou cel.): Telefone (res): Endereço eletrônico: INSTRUÇÕES: 1. Este formulário preenchido,

Leia mais

PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.

PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013. REVOGADA PELA PORTARIA N.º 465, DE 03 DE MARÇO DE 2016 PUBLICADA NO DJE DE 03.03.2016 EDIÇÃO 5694 PÁG. 76. http://diario.tjrr.jus.br/dpj/dpj-20160303.pdf PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.

Leia mais

O BANCO DE DADOS. QUADRO I- Formas de acesso às informações disponíveis no Banco de Dados

O BANCO DE DADOS. QUADRO I- Formas de acesso às informações disponíveis no Banco de Dados Esta publicação é um produto do Banco de Dados que o Programa Gestão Pública e Cidadania vem construindo desde 1996 a fim de reunir informações sobre os programas inscritos em todos os ciclos de premiação.

Leia mais

AUTOS N. : 2003. 61.00. 025646-0

AUTOS N. : 2003. 61.00. 025646-0 3a VARA CIVEL FEDERAL DA CAPITAL AUTOS N. : 2003. 61.00. 025646-0 ACAO CIVIL PUBLICA AUTOR: MINISTERIO PUBLICO FEDERAL REU: UNIAO FEDERAL JUIZA FEDERAL : MARIA LUCIA LENCASTRE URSAIA SENTENCA TIPO A (

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Regente: Professora Doutora Maria Luísa Duarte Colaboradores: Professora Doutora Ana Gouveia Martins; Mestre Ana Soares Pinto;

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS (TJAM) COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO (CPL)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS (TJAM) COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO (CPL) REFERÊNCIA Pedido de Impugnação ao edital do Pregão Eletrônico nº. 018/2016, processo administrativo nº 2015/20602, cujo objeto é a contratação de empresa especializada para o fornecimento e instalação

Leia mais

O Centro de Estudos promove a realização de acções de formação essencialmente dirigidas a

O Centro de Estudos promove a realização de acções de formação essencialmente dirigidas a Centro de Estudos O Centro de Estudos promove a realização de acções de formação essencialmente dirigidas a Advogados, no âmbito da formação contínua. No decorrer de, teve lugar a realização de 4 acções

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Empowering People MANUAL DO VOLUNTÁRIO

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Empowering People MANUAL DO VOLUNTÁRIO MANUAL DO VOLUNTÁRIO 1 Índice 1. Identidade do Voluntário... 3 2. Voluntariado... 3 3. Áreas de intervenção... 3 4. Valores Princípios do Voluntariado... 4 5. Direitos do Voluntário... 4 6. Deveres do

Leia mais

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através de concurso, vai conceder apoio à organização

Leia mais

PROPOSTA DE MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO ESPANHA-PORTUGAL

PROPOSTA DE MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO ESPANHA-PORTUGAL CMVM PROPOSTA DE MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO ESPANHA-PORTUGAL 1...Descrição geral do método e fases da sua implementação... 2 2...Mecanismo de leilões explícitos de capacidade... 2 3...Mecanismo

Leia mais

Curso de Extensão Inteligência Teoria e Prática 2010

Curso de Extensão Inteligência Teoria e Prática 2010 1 Apresentação O INSTITUTO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO promove o curso ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA, com o objetivo de apresentar aspectos essenciais sobre a inteligência, função de natureza permanente,

Leia mais