Produção e Renda Bruta de Cebolinha e de Almeirão, em Cultivo Solteiro e Consorciado 1.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção e Renda Bruta de Cebolinha e de Almeirão, em Cultivo Solteiro e Consorciado 1."

Transcrição

1 Produção e Renda Bruta de Cebolinha e de Almeirão, em Cultivo Solteiro e Consorciado 1. 1 Danielli Josefina Salvador; Néstor A. Heredia Z. 2 ;Maria do Carmo Vieira 2 UFMS-DCA, Caixa Postal 533, Dourados-MS. 1 Monografia do Curso de Ciências Biológicas, do Campus de Dourados/UFMS 2 Bolsistas de Produtividade em Pesquisa do CNPq. RESUMO O objetivo do trabalho foi estudar a produtividade e conhecer a renda bruta da cebolinha (C) Todo Ano e do almeirão (Al) Folha Larga, em cultivo solteiro e consorciado, com três ou quatro linhas por canteiro. A propagação da cebolinha foi por mudas e a do almeirão por sementes. A colheita foi feita aos 90 dias, cortando-se as plantas rente ao solo. As médias de altura das plantas da cebolinha (28,43 cm) e do almeirão (32,06 cm), o número médio de perfilhos da cebolinha (0,49 milhões ha -1 ) e as produções médias de massa fresca e massa seca da cebolinha (2,46 t ha -1 e 0,22 t ha -1, respectivamente) e do almeirão (10,21 t ha -1 e 0,96 t ha -1, respectivamente) não foram influenciadas significativamente pelo número de linhas de plantas por canteiro. O consórcio induziu aumento de 9,79 cm, em relação ao cultivo solteiro, na altura da cebolinha. O número de folhas do almeirão foi maior com três linhas no cultivo solteiro e com quatro linhas no consórcio. As RAE, considerando as produtividades de massa fresca das espécies cultivadas sob os respectivos números de fileiras foram de 1,93 para C 3 Al 4 e de 1,59 para C 4 Al 3. A maior renda bruta para o produtor foi com o consórcio C 3 Al 4, por ter resultado em incrementos monetários de R$13.919,70 e de R$5.561,75 ha -1, em relação à cebolinha e ao almeirão, respectivamente, sob cultivo solteiro com três linhas. Palavras-chave: Allium fistulosum, Cichorium intybus, associação de culturas, produtividade, retorno econômico. ABSTRACT Bunching onion and chicory yield and gross income in mono-cropping and intercropping system. The objective of this work was to study yield and to know gross income of Todo Ano bunching onion and Folha Larga chicory in mono-cropping and inter-cropping system, with three or four rows per plot. Propagation of bunching onion was by cuttings and of chicory by seeds. Harvest was done at 90 days, which plants were cut very near to the soil. Average heights of bunching onion plants (28.43 cm) and of chicory (32.06 cm), average number of shoots of bunching onion (0.49 millions ha -1 ) and average yield of fresh and dried mass of bunching onion (2.46 t ha -1 and 0.22 t ha -1, respectively) and of chicory (10.21 t ha -1 and

2 t ha -1, respectively) were not influenced significantly by number of plant rows by plot. Intercrop system induced increase of 9.79 cm, in relation to mono-cropping system, in bunching onion height. Number of chicory leaves was greatest with three rows in monocropping system and with four rows in inter-cropping system. Land Equivalent Ratio (LER), considering yields of fresh mass of those species cultivated under respective number of rows were of 1.93 for C 3 Al 4 and of 1.59 for C 4 Al 3. The greatest gross income to producer was with C 3 Al 4 inter-cropping system because it had resulted in monetary increases of R$ 13, and of R$ 5, ha -1 in relation to bunching onion and chicory, respectively, under monocropping system with three rows. Keywords: Allium fistulosum, Cichorium intybus, association of cultures, productivity, gross income. O aumento da produtividade por unidade de área é uma das razões para se cultivar duas ou mais culturas no sistema de consorciação, pois permite melhor aproveitamento da terra e de outros recursos disponíveis, resultando em maior rendimento econômico. O consórcio de hortaliças, apesar de muito praticado, é ainda pouco pesquisado (Tolentino Júnior, 2001). Na literatura consultada, não foram encontrados relatos sobre o consórcio cebolinha e almeirão. A cebolinha comum (Allium fistulosum L.), originária da Sibéria, é condimento muito apreciado pela população e cultivada em quase todos os lares brasileiros. A colheita iniciase entre 55 e 60 dias após o plantio ou entre 85 e 100 dias após a semeadura, quando as folhas atingem de 20 a 40 cm de altura (Makishima, 1993; Filgueira, 2000). O almeirão (Cichorium intybus), apresenta folhas lanceoladas e de sabor amargo acentuado, muito utilizadas como salada, ou, em alguns casos, refogadas. A produção se inicia aos dias após a semeadura direta. A colheita efetua-se o corte das folhas externas, obtendo-se até seis colheitas parceladas. As folhas são comercializadas na forma de maços (Filgueira, 2000). Na cebolinha e no almeirão, o rebrotamento é aproveitado para novos cortes, podendo um cultivo ser explorado por dois a três anos para a cebolinha e seis cortes para o almeirão, principalmente quando são conduzidos em condições de clima ameno. Nos últimos anos, a cebolinha tem sido cultivada para o abastecimento de agroindústrias de conserva (Ferreira et al., 1993; Filgueira, 2000). O objetivo do trabalho foi estudar a produtividade da cebolinha e do almeirão, conduzidos em cultivo solteiro e consorciados, visando oferecer, aos agricultores, espécies vegetais alternativas e sustentáveis.

3 3 MATERIAL E MÉTODOS O trabalho foi desenvolvido na horta da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS em Dourados-MS. O município de Dourados situa-se em latitude de 22º13 16 S, longitude de 54º17 01 W e altitude de 430 m. O clima da região é Mesotérmico Úmido; do tipo Cwa, com temperaturas e precipitações médias anuais variando de 20 o a 24 o C e 1250 a 1500 mm, respectivamente. O solo é do tipo Latossolo Vermelho distroférrico, de textura argilosa, com as seguintes características químicas: 5,5 de ph em CaCl 2 ; 34,0 g dm -3 de M.O; 36,0 mg dm -3 de P; 6,6; 56,0 e 22,6 mol c dm -3 de K, Ca e Mg, respectivamente. A cebolinha Todo Ano e o almeirão Folha Larga foram estudados em cultivos solteiros e consorciados, com três ou quatro linhas por canteiro, totalizando seis tratamentos (Figura 1), arranjados no delineamento experimental de blocos casualizados, com quatro repetições. As parcelas tiveram área total de 3,0 m 2 (1,5 m de largura x 2,0 m de comprimento) e área útil de 2,16 m 2 (1,08 m de largura x 2,0 m de comprimento). As parcelas da cebolinha e do almeirão, em cultivo solteiro e no consorciado, foram formadas por um canteiro contendo três linhas (36 cm entre linhas) ou quatro linhas (27 cm), com vinte plantas por linha (10 cm entre plantas). A A A A Cebolinha solteira (C 4 ) Almeirão solteiro (Al 4 ) Consórcio C 4 Al 3 A A A CCCCCCCCCCCCCCC Cebolinha solteira (C 3 ) Almeirão solteiro (Al 3 ) Consórcio Al 4 C 3 Figura 1. Arranjo de plantas da cebolinha e do almeirão, como culturas solteiras, com três ou quatro linhas de plantas por canteiro, e consorciadas. Dourados, UFMS, 2003

4 4 O almeirão foi semeado diretamente no local definitivo, colocando-se três sementes por cova. Quinze dias após a emergência das plantas foi efetuado um desbaste, para deixar uma planta por cova. A propagação da cebolinha foi por mudas. O preparo das mudas foi efetuado no dia anterior ao do plantio, mediante a colheita das plantas, separação e toilette dos perfilhos, com eliminação das raízes e bainhas secas. Também foram realizados cortes na parte foliar, para deixar aproximadamente 5 cm de pseudocaule. O plantio consistiu no enterrio vertical das mudas, aproximadamente 2 cm de profundidade no solo, ficando sobre o solo o restante do pseudocaule. As irrigações foram feitas por aspersão, com turnos de rega diários. O controle das plantas infestantes foi com auxílio de enxadas nas entrelinhas e com o arranquio manual dentro das linhas. As colheitas da cebolinha e do almeirão foram feitas aos 90 dias após o início da propagação, cortando-se as touceiras das plantas rente ao solo. Avaliaram-se as alturas e produções de massas frescas e secas das plantas; além do número de folhas para o almeirão e o número de perfilhos para a cebolinha e as produções de massas frescas e secas das plantas. Os dados foram submetidos à análise de variância e quando detectaramse diferenças pelo teste F, as médias foram testadas por Tukey, até 5% de probabilidade. O consórcio foi avaliado utilizando a expressão da razão de área equivalente (RAE) proposta por Caetano (1999), a saber: RAE = Cc. Cs -1 + Ac. As -1, onde, respectivamente, Cc e Ac = produções da cebolinha e do almeirão em consorciação e Cs e As = produções da cebolinha e do almeirão em cultivo solteiro. A validação do consórcio foi realizada pela determinação da renda bruta. Para isso, foram comprados cinco maços de cebolinha e cinco de almeirão, em dois locais de venda no varejo, e determinadas as massas frescas. Posteriormente, efetuaram-se as conversões por hectare, para número de maços e para a renda bruta, por cultivo e no total, para o produtor. RESULTADOS E DISCUSSÃO As alturas médias das plantas da cebolinha (28,43 cm) e do almeirão (32,06 cm), o número médio de perfilhos da cebolinha (0,49 milhões ha -1 ) e as produções médias de massa fresca e massa seca da cebolinha (2,46 t. ha -1 e 0,22 t ha -1, respectivamente) e do almeirão (10,21 t ha -1 e 0,96 t. ha -1, respectivamente) não foram influenciadas significativamente pelo número de linhas de plantas por canteiros (Tabelas 1 e 2). Também, a consorciação não influenciou as características avaliadas, exceto a altura média da cebolinha onde houve influência da consorciação, e do número de folhas de almeirão que teve influência da interação número de linhas e consorciação. O fato das plantas de cebolinha sob consórcio ter apresentado diferença significativa de 9,79 cm a mais de altura das plantas que aquelas

5 5 sob cultivo solteiro mostra que deve ter existido envolvimento da luz, com seus efeitos sobre o crescimento geral das folhas e dos pseudocaules. No almeirão houve aumento de apenas folhas entre o uso de quatro linhas e consórcio (população de plantas ha -1 ) em relação ao uso de três linhas e cultivo solteiro (população de plantas ha -1 ), indicando que as plantas solteiras tiveram melhor adaptação. Tabela 1. Altura, número de perfilhos e produção de massa, fresca e seca, de plantas de cebolinha, em função de três e quatro linhas por canteiro. Dourados, UFMS, Linhas por canteiro Altura (cm) 3 linhas 29,00 4 linhas 27,85 Média 28,43 C.V. 16,23 Número perfilhos Produção de massa (t ha -1 ) (milhão ha -1 ) Fresca Seca 0,43 2,52 0,21 0,54 2,40 0,22 0,49 2,46 0,22 10,19 40,04 28,69 Tabela 2. Altura, número de folhas e produção de massa, fresca e seca, de plantas de almeirão, em função de três e quatro linhas por canteiro. Dourados, UFMS, Linhas por canteiro Altura (cm) 3 linhas 33,15 4 linhas 30,96 Média 32,06 C.V. 15,30 Número de folhas Produção de massa (t ha -1 ) (milhão ha -1 ) Fresca Seca 1,72 b 10,70 0,84 1,79 a 9,71 1,07 1,76 10,21 0,96 55,57 35,03 20,25 Médias seguidas por letras diferentes, nas colunas, diferem pelo teste F, a 5% de probabilidade Considerando as produtividades de massa fresca das culturas, a razão de área equivalente (RAE) para o consórcio de cebolinha sob três linhas e de almeirão sob quatro linhas (C 3 Al 4 ), foi de 1,93 (RAE C 3 Al 4 = (2,48 2,52) + (9,23 9,71) = 0,98 + 0,95 = 1,93), enquanto para o consórcio cebolinha sob quatro linhas e de almeirão sob três linhas (C 4 Al 3 ) foi de 1,59 (RAE C 4 Al 3 = (1,57 2,40) + (10,09 10,70) = 0,65 + 0,94 = 1,59). Ao relacionar a renda bruta, observou-se que para o produtor o consórcio cebolinha com três linhas e o almeirão com quatro linhas foi o melhor, já que poderia ter induzido incrementos monetários por hectare de R$ ,70 e de R$ 5.561,75 em relação à cebolinha e ao almeirão, sob cultivo solteiro com três linhas (Tabela 3). Tabela 3. Renda bruta da cebolinha e do almeirão, em cultivo solteiro e consorciado, sob três ou quatro linhas. Dourados, UFMS, 2003.

6 Forma de cultivo Espécie Número Massa fresca Número Maços* linhas (t ha -1 ) 3 2, , Cebolinha 10, Solteiro 9, Almeirão 2, Consórcio 9, Almeirão 4 1, C 3 Al 4 10, Consórcio Cebolinha 4 C 4 Al 3 Almeirão 3 * O maço de cebolinha = média de 63,6 gramas * O maço de almeirão = média de 230,0 gramas ** Preço pago ao produtor: maço de cebolinha R$ 0,20 e R$ 0,35 por maço de almeirão. Renda bruta (R$)** Cultivo Total , , , , , , , , , , , , , ,15 Pelos resultados obtidos concluiu-se que é recomendável o consórcio cebolinha com almeirão e que para o produtor o consórcio cebolinha com três linhas e o almeirão com quatro linhas é o melhor. AGRADECIMENTOS Ao CNPq, pelas bolsas concedidas, e à FUNDECT-MS, pelos recursos financeiros. LITERATURA CITADA CAETANO, L. C. S.; FERREIRA, J. M.; ARAÚJO, M. de. Produtividade da alface e cenoura em sistema de consorciação. Horticultura Brasileira, Brasília, v.17, n.2, p , FERREIRA, M. E.; CASTELLANE, P. D.; CRUZ, M. C. P. da. Nutrição e adubação de hortaliças. In: ANAIS DO SIMPÓSIO SOBRE NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE HORTALIÇAS, Jaboticabal, Anais... Piracicaba: POTAFOS, p FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. Viçosa: UFV, p. MAKISHIMA, N. O cultivo de hortaliças. Brasília: EMBRAPA-CNPH: EMBRAPA-SPI, p. (Coleção plantar, 4). TOLENTINO JÚNIOR, C. F. Produção da mandioquinha-salsa sob competição da alface e beterraba. Dourados, f. (Mestrado em Agronomia) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Produção de almeirão em cultivo solteiro e consorciado com cenoura

Produção de almeirão em cultivo solteiro e consorciado com cenoura Produção de almeirão em cultivo solteiro e consorciado com cenoura Néstor Antonio Heredia Zárate 1 *, Maria do Carmo Vieira 1, João Dimas Graciano 2 e José Carlos Pezzoni Filho 1 1 Departamento de Ciências

Leia mais

DESEMPENHO DO CONSÓRCIO CEBOLINHA-RABANETE, SOB MANEJO ORGÂNICO PERFORMANCE OF BUNCHING ONION-RADISH INTERCROPPING UNDER ORGANIC MANAGEMENT

DESEMPENHO DO CONSÓRCIO CEBOLINHA-RABANETE, SOB MANEJO ORGÂNICO PERFORMANCE OF BUNCHING ONION-RADISH INTERCROPPING UNDER ORGANIC MANAGEMENT Original Article 539 DESEMPENHO DO CONSÓRCIO CEBOLINHA-RABANETE, SOB MANEJO ORGÂNICO PERFORMANCE OF BUNCHING ONION-RADISH INTERCROPPING UNDER ORGANIC MANAGEMENT Marília Dutra MASSAD 1 ; Fábio Luiz de OLIVEIRA

Leia mais

Produtividade de Cebolinha e Rabanete Cultivados Solteiros e Consorciados sob Manejo Orgânico

Produtividade de Cebolinha e Rabanete Cultivados Solteiros e Consorciados sob Manejo Orgânico Produtividade de Cebolinha e Rabanete Cultivados Solteiros e Consorciados sob Manejo Orgânico Productivity of bunching onion and radish single and intercropped under organic management MASSAD, Marília

Leia mais

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Gabriel Avelar LAGE 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO²; Iul Brinner Expedito de SOUZA³; Marcus Vinicius SANTOS 3 ; Guilherme

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

Produtividade de fáfia e almeirão em cultivo solteiro e consorciado

Produtividade de fáfia e almeirão em cultivo solteiro e consorciado 17 Workshop de Plantas Medicinais do Mato Grosso do Sul/7º Empório da Agricultura Familiar PM Produtividade de fáfia e almeirão em cultivo solteiro e consorciado Lais de Lima Luqui 1* ; Mayara S. Horbach

Leia mais

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO Rodrigo de Rezende Borges Rosa 1 ; Delvio Sandri 2 1 Eng. Agrícola, Discente do Mestrando Engenharia

Leia mais

UFGD FORMA HORTA CASEIRA COMO TERAPIA OCUPACIONAL PARA IDOSOS. Universidade Federal da Grande Dourados, Caixa Postal 533, CEP 79804 970, Dourados

UFGD FORMA HORTA CASEIRA COMO TERAPIA OCUPACIONAL PARA IDOSOS. Universidade Federal da Grande Dourados, Caixa Postal 533, CEP 79804 970, Dourados UFGD FORMA HORTA CASEIRA COMO TERAPIA OCUPACIONAL PARA IDOSOS Cedrick Brito Chaim Jardim Rosa 1 ; Néstor Antonio Heredia Zárate 2 ; João Dimas Graciano 3 ; Ítalo Massambone 1 1 Universidade Federal da

Leia mais

Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais.

Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais. Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais. RESUMO O trabalho foi conduzido na Área de Pesquisa

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MANDIOQUINHA-SALSA SOB DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO E TAMANHO DAS MUDAS

PRODUTIVIDADE DE MANDIOQUINHA-SALSA SOB DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO E TAMANHO DAS MUDAS PRODUTIVIDADE DE MANDIOQUINHA-SALSA SOB DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO E TAMANHO DAS MUDAS Produtividade de mandioquinha-salsa... 139 Productivity of peruvian carrot (Arracacia xanthorrhiza Bancroft)

Leia mais

USO DO BIOSSÓLIDO COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AROEIRA (Schinus terenbinthifolius Raddi)

USO DO BIOSSÓLIDO COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AROEIRA (Schinus terenbinthifolius Raddi) USO DO BIOSSÓLIDO COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AROEIRA (Schinus terenbinthifolius Raddi) Kelly Dayana Benedet Maas 1 ; Greyce Charllyne Benedet Maas 1 ; Cristiane Ramos Vieira 1, Oscarlina Lucia

Leia mais

A presença de Outliers interfere no Teste f e no teste de comparações múltiplas de médias

A presença de Outliers interfere no Teste f e no teste de comparações múltiplas de médias A presença de Outliers interfere no Teste f e no teste de comparações múltiplas de médias CHICARELI, L.S 1 ; OLIVEIRA, M.C.N. de 2 ; POLIZEL, A 3 ; NEPOMUCENO, A.L. 2 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

ABSTRACT Density of planting system on direct sowing in onions, cultivar Serrana and hybrid Mercedes.

ABSTRACT Density of planting system on direct sowing in onions, cultivar Serrana and hybrid Mercedes. Densidade de plantio na semeadura direta em cebolas, cultivar Serrana e híbrido Mercedes. Lázaro Gonçalves Siqueira 1 ; Tiyoko Nair Hojo Rebouças 2 ; Anselmo Eloy Silveira Viana 2 ; Fernanda Almeida Grisi

Leia mais

EFEITOS DA CAMA-DE-FRANGOS E DA ÉPOCA DE COLHEITA SOBRE A PRODUÇÃO E A RENDA BRUTA DA CEBOLINHA TODO ANO 1

EFEITOS DA CAMA-DE-FRANGOS E DA ÉPOCA DE COLHEITA SOBRE A PRODUÇÃO E A RENDA BRUTA DA CEBOLINHA TODO ANO 1 Pesquisa Agropecuária Tropical, 33 (2): 73-78, 2003 73 EFEITOS DA CAMA-DE-FRANGOS E DA ÉPOCA DE COLHEITA SOBRE A PRODUÇÃO E A RENDA BRUTA DA CEBOLINHA TODO ANO Néstor Antonio Heredia Zárate 2, Maria do

Leia mais

PRODUTIVIDADE AGROECONÔMICA DE PLANTAS DE TARO SOLTEIRAS E CONSORCIADAS COM PLANTAS DE ALFACE

PRODUTIVIDADE AGROECONÔMICA DE PLANTAS DE TARO SOLTEIRAS E CONSORCIADAS COM PLANTAS DE ALFACE UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRODUTIVIDADE AGROECONÔMICA DE PLANTAS DE TARO SOLTEIRAS E CONSORCIADAS COM PLANTAS DE ALFACE MAICON JORGE GONÇALVES DOS SANTOS DOURADOS MATO GROSSO DO SUL 2014

Leia mais

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal.

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Nuno R. Madeira 1 ; Francisco V. Resende 1 ; Dejoel B. Lima 1 ; Hugo C. Grillo 1 1 Embrapa Hortaliças,

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA I N D I C A D A S P A R A

CULTIVARES DE SOJA I N D I C A D A S P A R A D E S E M P E N H O D E CULTIVARES DE SOJA I N D I C A D A S P A R A O R I O G R A N D E D O S U L Julho, 2013 RESULTADOS DE 2012 2013 Rendimento e características agronômicas das cultivares, indicadas

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Luiz Fernando Ghetti PEREIRA ¹ ; Raul Magalhães FERRAZ¹; Raiy Magalhães FERRAZ²; Luciano Donizete GONÇALVES³ 1 Estudante de Agronomia.

Leia mais

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal.

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Flávia M. V. Teixeira Clemente, Francisco V. Resende, Jairo V. Vieira Embrapa Hortaliças, C. Postal 218, 70.359-970,

Leia mais

Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG

Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG Cândido Alves da Costa; Sílvio Júnio Ramos; Simone Nassau Zuba; Wagner Fabian. UFMG-Núcleo de Ciências Agrárias, C. Postal

Leia mais

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins.

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Luciano Marcelo Fallé Saboya 1 ; Rita de Cassia Cunha Saboya 2 ; Valdeci Pinheiro Júnior 3 ; Jacinto Pereira da Silva

Leia mais

ESPAÇAMENTOS ENTRE FILEIRAS GRACIANO, E J. ENTRE D. et al. PLANTAS NA PRODUÇÃO DA MANDIOQUINHA-SALSA BRANCA

ESPAÇAMENTOS ENTRE FILEIRAS GRACIANO, E J. ENTRE D. et al. PLANTAS NA PRODUÇÃO DA MANDIOQUINHA-SALSA BRANCA 1688 ESPAÇAMENTOS ENTRE FILEIRAS GRACIANO, E J. ENTRE D. et al. PLANTAS NA PRODUÇÃO DA MANDIOQUINHA-SALSA BRANCA Spaces between rows and plants on yield of Branca Peruvian carrot João Dimas Graciano 1,

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

Desempenho de cultivares de alface lisa em casa de vegetação, com e sem cobertura de solo.

Desempenho de cultivares de alface lisa em casa de vegetação, com e sem cobertura de solo. Desempenho de cultivares de alface lisa em casa de vegetação, com e sem cobertura de solo. Hamilton César de Oliveira Charlo 1 ; Renata Castoldi; Leila Trevizan Braz 1 Depto. de Produção Vegetal, Via de

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Adriana U. Alves ; Ademar P. de Oliveira 2 ; Carina S. M. Dornelas ; Anarlete U. Alves 3 ; Edna U.

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PRODUÇÃO DE PEPINO TIPO CONSERVA EM FUNÇÃO DE DOSES DE FÓSFORO ELONHA RODRIGUES DOS SANTOS 1 ; ANTONIA PINTO DE CERQUEIRA 2 ; PAULO ROGÉRIO SIRIANO BORGES 3 ; PAULO ROBERTO PEREIRA 4 ; ARISTÓTELES CAPONE

Leia mais

EFEITOS DO REUSO DE ÁGUA RESIDUÁRIA NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO

EFEITOS DO REUSO DE ÁGUA RESIDUÁRIA NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO EFEITOS DO REUSO DE ÁGUA RESIDUÁRIA NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO DA Moreira 1, JAR Souza 2, WB Carvalho 3 e CVM e Carvalho 4 RESUMO: Neste trabalho objetivou-se analisar os efeitos do reuso de água

Leia mais

Cultivando o Saber. Resposta de rúcula Folha Larga à aplicação de potássio sob diferentes parcelamentos

Cultivando o Saber. Resposta de rúcula Folha Larga à aplicação de potássio sob diferentes parcelamentos 96 Resposta de rúcula Folha Larga à aplicação de potássio sob diferentes parcelamentos Paulo Afonso Pires 1, Franciele Moreira Gonçalves 2 Jessica da Silva Santos 2 e Rerison Catarino da Hora 2 1 Faculdade

Leia mais

Produção e renda bruta de dois cultivares de taro, em cultivo solteiro e consorciado com alface

Produção e renda bruta de dois cultivares de taro, em cultivo solteiro e consorciado com alface Produção e renda bruta de dois cultivares de taro, em cultivo solteiro e consorciado com alface Produção e renda bruta de dois cultivares de taro, em cultivo solteiro e consorciado com alface Yield and

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Produção de mudas e avaliação de características Agronômicas e químicas de mangarito (Xanthossoma

Leia mais

Produção de raízes de batata-doce (Ipomoea batatas L.) em Jataí-GO

Produção de raízes de batata-doce (Ipomoea batatas L.) em Jataí-GO Produção de raízes de batata-doce (Ipomoea batatas L.) em Jataí-GO Jeander Franco de Oliveira 1, Renan Augusto Miranda Matias 2, José Hortêncio Mota 3 PALAVRAS-CHAVE: Ipomoea batatas L., cultivo, produção.

Leia mais

EFEITO DO PRODUTO DIFLY S3 NO CONTROLE DO CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS EM BOVINOS DA RAÇA GIR, MESTIÇA E HOLANDESA

EFEITO DO PRODUTO DIFLY S3 NO CONTROLE DO CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS EM BOVINOS DA RAÇA GIR, MESTIÇA E HOLANDESA EFEITO DO PRODUTO DIFLY S3 NO CONTROLE DO CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS EM BOVINOS DA RAÇA GIR, MESTIÇA E HOLANDESA Cláudia Santos Silva (1), Américo Iorio Ciociola Júnor (2), José Mauro Valente Paes (2),

Leia mais

Formas de Adição ao Solo de Cama-de-Frango de Corte na Produção de Cinco Clones de Inhame.

Formas de Adição ao Solo de Cama-de-Frango de Corte na Produção de Cinco Clones de Inhame. Formas de Adição ao Solo de Cama-de-Frango de Corte na Produção de Cinco Clones de Inhame. Néstor A. Heredia Zárate 1 ; Maria do Carmo Vieira 1 ; Juliana Ferreira Simões 2 DCA-UFMS, C. Postal 533, 79804-970

Leia mais

Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Suporte no Crescimento e Produção de Alface em Cultivo Protegido e Hidroponia.

Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Suporte no Crescimento e Produção de Alface em Cultivo Protegido e Hidroponia. Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Suporte no Crescimento e Produção de Alface em Cultivo Protegido e Hidroponia. Francisco José Alves Fernandes Távora 1 ; Pedro Renato Aguiar de Melo 1 Universidade

Leia mais

Substratos para Produção de Mudas de Tomateiro

Substratos para Produção de Mudas de Tomateiro Substratos para Produção de Mudas de Tomateiro Substrates for Tomato Seedlings Production PEREIRA, Dercio Ceri. UNIOESTE, dcpereirasp@hotmail.com; COSTA, Luiz Antonio de Mendonça. UNIOESTE, lmendo@ig.com.br;

Leia mais

Enraizamento de estacas de oliveira (Olea europaea L.) utilizando diferentes substratos e ácido indolbutírico

Enraizamento de estacas de oliveira (Olea europaea L.) utilizando diferentes substratos e ácido indolbutírico Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Enraizamento de estacas de oliveira (Olea europaea L.) utilizando diferentes substratos e ácido indolbutírico Paula Nogueira Curi

Leia mais

1111111111111 Ilfi 111111

1111111111111 Ilfi 111111 07000 CPATU 1998 FL-07000 trnpa ISSNO101-5673 'e Empnza 8,nibk. de FUqWsa Agropecuáde Cento de Pnqidn Apto florestal de Amazónia Odantal MinistJ,'lo da Ap,icufture e do Abastecimento Trav. Dr. Enóes Pinheiro

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Algodão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Algodão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Algodão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento VII CONGRESSO BRASILEIRO DO ALGODÃO Sustentabilidade da Cotonicultura

Leia mais

Consorciação de hortaliças: alternativa para a diversificação da produção e da renda em pequenas propriedades

Consorciação de hortaliças: alternativa para a diversificação da produção e da renda em pequenas propriedades Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Consorciação de hortaliças: alternativa para a diversificação da produção e da renda em pequenas propriedades Suelen Francisca

Leia mais

Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola.

Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola. Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola. Marie Yamamoto Reghin; Rosana Fernandes Otto; Carlos Felipe Stülp Jacoby; Jean Ricardo Olinik; Rafael Pagano

Leia mais

PESQUISA EM ANDAMENTO

PESQUISA EM ANDAMENTO ISSN 1413-0157 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agropecuária do Oeste Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR 163, km 253,6 - Trecho Dourados-Caarapó km 5 Caixa Postal

Leia mais

Feijão-vagem cultivado sob adubação orgânica em ambiente protegido.

Feijão-vagem cultivado sob adubação orgânica em ambiente protegido. Feijão-vagem cultivado sob adubação orgânica em ambiente protegido. Krolow, I.R.C. ( ;; Filho, L.O. ( ; Vitória, D. R. (2 ; Morselli, T. B (3 ( UFPEL- FAEM Estagiário em Minhocultura - Ivanrk.rk@pop.com.br,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO

INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO Francisco Rodrigues Leal 1 ; Jopson Carlos Borges de Moraes 2. 1 Universidade Federal do

Leia mais

Manual Groasis Waterboxx para legumes

Manual Groasis Waterboxx para legumes Manual Groasis Waterboxx para legumes 1. Use uma estufa de acordo com o desenho como se mostra na figura abaixo, com a possibilidade de ventilar os lados e com uma tela/sombra dupla de cor branca no topo

Leia mais

Eficiência Produtiva da Batata-Doce em Função de Doses de Fósforo e do Sistema de Plantio Sem Uso de Defensivos.

Eficiência Produtiva da Batata-Doce em Função de Doses de Fósforo e do Sistema de Plantio Sem Uso de Defensivos. Eficiência Produtiva da Batata-Doce em Função de Doses de Fósforo e do Sistema de Plantio Sem Uso de Defensivos. Ademar P. de Oliveira 1 ; José Elenilson L. da Silva 2 ; Walter Esfraim Pereira 1 ; Genildo

Leia mais

PRODUÇÃO DE RABANETE EM DIFERENTES DISPONIBILIDADES DE ÁGUA NO SOLO

PRODUÇÃO DE RABANETE EM DIFERENTES DISPONIBILIDADES DE ÁGUA NO SOLO PRODUÇÃO DE RABANETE EM DIFERENTES DISPONIBILIDADES DE ÁGUA NO SOLO Rogério Rangel Rodrigues¹, Samuel Cola Pizetta², Ariany das Graças Teixeira 3 ; Edvaldo Fialho dos Reis 4, Marlla de Oliveira Hott 5

Leia mais

Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais

Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais Pablo Forlan Vargas 1 ; Leila Trevizan Braz 2 ; Juliano Tadeu Vilela de Resende 3 ; André May 2 ; Elaine Maria dos Santos 3. 1 UNESP FCAV

Leia mais

Produtividade de tomate, cv. Débora Pto, em função de adubação organomineral via foliar e gotejamento.

Produtividade de tomate, cv. Débora Pto, em função de adubação organomineral via foliar e gotejamento. CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos Produtividade

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

PLANILHA ELETRÔNICA PARA PREDIÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM CONJUNTO TRATOR-ENLEIRADOR NO RECOLHIMENTO DO PALHIÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR

PLANILHA ELETRÔNICA PARA PREDIÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM CONJUNTO TRATOR-ENLEIRADOR NO RECOLHIMENTO DO PALHIÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR PLANILHA ELETRÔNICA PARA PREDIÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM CONJUNTO TRATOR-ENLEIRADOR NO RECOLHIMENTO DO PALHIÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR GILMAR MARTINELLI JUNIOR 1 ; CRISTIANO MARCIO ALVES DE SOUZA 2

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Distância Entre as Linhas da Cultura e o Renque de Eucalipto Sobre o Rendimento de Grãos e Forragem do

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

Cadeia da Olericultura

Cadeia da Olericultura Cadeia da Olericultura Olericultura A olericultura é a área da horticultura que abrange a exploração de hortaliças e que engloba culturas folhosas, raízes, bulbos, tubérculos, frutos diversos e partes

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS COMO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE ALFACE

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS COMO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE ALFACE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS COMO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE ALFACE Fred Carvalho Bezerra 1 ; Fernando Vasconcellos Meyer Ferreira 2 ;Tiago da Costa Silva 2, Daniel Barbosa Araújo

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

PARCELAMENTO DE ADUBAÇÃO COM A FORMULAÇÃO 20-05-20 (N-P-K) EM PUPUNHEIRA (Bactris gasipaes Kunth,).

PARCELAMENTO DE ADUBAÇÃO COM A FORMULAÇÃO 20-05-20 (N-P-K) EM PUPUNHEIRA (Bactris gasipaes Kunth,). PARCELAMENTO DE ADUBAÇÃO COM A FORMULAÇÃO 20-05-20 (N-P-K) EM PUPUNHEIRA (Bactris gasipaes Kunth,). LEANDRO RODRIGO SPATTI 1 ; ANTONIO LÚCIO M. MARTINS 2 ; VALÉRIA A, MODOLO 3 N o 0803151 RESUMO O objetivo

Leia mais

Competição inicial entre plantas de soja e Chloris polydactyla.

Competição inicial entre plantas de soja e Chloris polydactyla. Competição inicial entre plantas de soja e Chloris polydactyla. Arthur Arrobas Martins Barroso 1 ; Alfredo Junior Paiola Albrecht 2. 1 Doutorando do curso de Agronomia (Produção Vegetal), UNESP, Jaboticabal,

Leia mais

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Leite de Lima, Grace Kelly; Liberalino Filho, João; Ferreira Linhares, Paulo César; Borges Maracajá,

Leia mais

UNIPAC- CAMPUS TEÓFILO OTONI CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FÍSICA I PERÍODO: 2 VALOR: 5 PONTOS. PROFESSOR: ARNON RIHS.

UNIPAC- CAMPUS TEÓFILO OTONI CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FÍSICA I PERÍODO: 2 VALOR: 5 PONTOS. PROFESSOR: ARNON RIHS. UNIPAC- CAMPUS TEÓFILO OTONI CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FÍSICA I PERÍODO: 2 VALOR: 5 PONTOS. PROFESSOR: ARNON RIHS. DATA: 16 /02 /16 TRABALHO AVALIATIVO DE FÍSICA I NOME: O sucesso é um professor

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Área: Genética e Melhoramento RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Sonia Maria Botelho 1 ; João Elias Lopes Rodrigues 2 ; Raimundo Nonato Teixeira

Leia mais

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima.

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Kátia de Lima Nechet (1) ; Bernardo de Almeida Halfeld-Vieira (1) ; Paulo Roberto Valle da Silva

Leia mais

EFEITO DO INTERVALO DE CORTE NA CONCENTRAÇÃO DE MACRO E MICRONUTRIENTES DA BRACHIARIA BRIZANTHA cv. MG5

EFEITO DO INTERVALO DE CORTE NA CONCENTRAÇÃO DE MACRO E MICRONUTRIENTES DA BRACHIARIA BRIZANTHA cv. MG5 EFEITO DO INTERVALO DE CORTE NA CONCENTRAÇÃO DE MACRO E MICRONUTRIENTES DA BRACHIARIA BRIZANTHA cv. MG5 MAURÍCIO AUGUSTO DE OLIVEIRA 1, KÁTIA APARECIDA DE PINHO COSTA 2, RODRIGO BASÍLIO RODRIGUES 3, MARCOS

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES >ATO Nº. 3, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005.

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES >ATO Nº. 3, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS - Edifício BARACAT Sala 0 Brasília DF CEP 0.0-00 Fones/Fax: (0) -0 / -880 / -0 e-mail: abrasem@abrasem.com.br TEMÁRIO: Ato nº., de 8 de Novembro 00.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1.

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1. AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1. Mauto de Souza DINIZ 2 ; Arlene Maria Gomes OLIVEIRA 2 ; Nelson Luz PEREIRA 3 ; Jackson Lopes de OLIVEIRA 4 RESUMO:

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS CULTURAIS DE MILHO E SOJA SOBRE DIFERENTES COBERTURAS DE SOLO NUMA ÁREA SOB SEMEADURA NO CERRADO

DECOMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS CULTURAIS DE MILHO E SOJA SOBRE DIFERENTES COBERTURAS DE SOLO NUMA ÁREA SOB SEMEADURA NO CERRADO DECOMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS CULTURAIS DE MILHO E SOJA SOBRE DIFERENTES COBERTURAS DE SOLO NUMA ÁREA SOB SEMEADURA NO CERRADO FERNANDEZ 1, A.T.; TORRES 2, J.L.R.; PEREIRA 3, M.G.; FABIAN 4 ; A.J. 1 Graduando

Leia mais

NOVO MAPA NO BRASIL?

NOVO MAPA NO BRASIL? NOVO MAPA NO BRASIL? Como pode acontecer A reconfiguração do mapa do Brasil com os novos Estados e Territórios só será possível após a aprovação em plebiscitos, pelos poderes constituídos dos respectivos

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: RESUMO

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: RESUMO TÍTULO: HORTA COMUNITÁRIA NOS ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO PITIMBU/PB. AUTORES: Wedja S.da Silva; Marcelo R.da Silva; Macilene S.da Silva; Analice M. da Silva; Francisco B. Silva; Jaidenilson V.de

Leia mais

Produção orgânica de alface e rabanete em cultivo solteiro e consorciado. Organic production of lettuce and radish in monocrop and intercropped

Produção orgânica de alface e rabanete em cultivo solteiro e consorciado. Organic production of lettuce and radish in monocrop and intercropped Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável Artigo Científico http://revista.gvaa.com.br ISSN 1981-8203 Produção orgânica de alface e rabanete em cultivo solteiro e consorciado Organic

Leia mais

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL ISBN 978-85-609-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 0 de outubro de 009 EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL Ricardo Gava ;

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF.

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF. ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF. Sidney Figueiredo de Abreu¹; Arsênio Carlos Andrés Flores Becker² ¹Meteorologista, mestrando

Leia mais

DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO

DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO GOMES, Onélio Marcos Teston Acadêmico do curso de Engenharia Agronômica da FAEF-Garça-SP nelio_agro@ibest.com.br

Leia mais

Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.).

Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.). Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.). Guilherme Ebelem Guimarães Moreira MALUF 1 ; Ana Cardoso Clemente Filha Ferreira de PAULA

Leia mais

HORTAS E HORTOS DE PLANTAS MEDICINAIS EM DUAS CRECHES DE DOURADOS

HORTAS E HORTOS DE PLANTAS MEDICINAIS EM DUAS CRECHES DE DOURADOS HORTAS E HORTOS DE PLANTAS MEDICINAIS EM DUAS CRECHES DE DOURADOS Sarah Ribas Fleitas 1 ; Néstor Antonio Heredia Zárate 2 ; Maria do Carmo Vieira 2 ; Elissandra Pacito Torales 3 ; Luciana de Camargo Silva

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica 385 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO E DO MÓDULO DE ELASTICIDADE DO CONCRETO QUANDO SUBMETIDO A CARREGAMENTO PERMANENTE DE LONGA DURAÇÃO (Dt = 9 dias) Wilson Ferreira Cândido 1,5 ;Reynaldo Machado

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO ENTRE FILEIRAS NA CULTURA DO FEIJÃO CAUPI SOB CONDIÇÕES IRRIGADAS NO CARIRI CEARENSE

INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO ENTRE FILEIRAS NA CULTURA DO FEIJÃO CAUPI SOB CONDIÇÕES IRRIGADAS NO CARIRI CEARENSE Área: Fitotecnia INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO ENTRE FILEIRAS NA CULTURA DO FEIJÃO CAUPI SOB CONDIÇÕES IRRIGADAS NO CARIRI CEARENSE Josefa Maria Francieli da Silva 1 ; Paulo José de Moraes Máximo 1 ; Wesley

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Absorção de Macronutrientes pela Cultura do Milho sobre Diferentes Wander Luis Barbosa Borges 1,7, Rogério Soares

Leia mais

Produção de alface lisa cultivada em diferentes telados de sombreamento e campo aberto

Produção de alface lisa cultivada em diferentes telados de sombreamento e campo aberto Produção de alface lisa cultivada em diferentes telados de sombreamento e campo aberto Marla Silvia Diamante 1 ; Santino Seabra Junior 2 ; Adriano Mitio Inagaki 1 ; Ediberto S C Pinto 1 ; Joab Vinícius

Leia mais

Cálculo da Reserva de Benefícios Concedidos da Previdência Social

Cálculo da Reserva de Benefícios Concedidos da Previdência Social Mariana Marques Lima Cálculo da Reserva de Benefícios Concedidos da Previdência Social Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa

Leia mais

Patologia, Tamanho de Grão, Poder Germinativo e Teor de Micotoxina em Genótipos de Cevada Produzidos em Ambiente Favorável a Doenças de Espigas

Patologia, Tamanho de Grão, Poder Germinativo e Teor de Micotoxina em Genótipos de Cevada Produzidos em Ambiente Favorável a Doenças de Espigas Patologia, Tamanho de Grão, Poder Germinativo e Teor de Micotoxina em s de Cevada Produzidos em Ambiente Favorável a Doenças de Espigas Maria Imaculada Pontes Moreira Lima 1 ; Euclydes Minella 1 ; Martha

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO COM MISTURA DE SUBSTRATOS ALTERNATIVOS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO COM MISTURA DE SUBSTRATOS ALTERNATIVOS PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO COM MISTURA DE SUBSTRATOS ALTERNATIVOS TEIXEIRA 1, Soraia Olivastro; TEIXEIRA 2, Elisabeth Emilia Ribeiro; SANTOS 3, Vanessa Bezerra dos Santos; CARDOSO 1, Maialu Antunes;

Leia mais

TELAS DE SOMBREAMENTO NO CULTIVO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS

TELAS DE SOMBREAMENTO NO CULTIVO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS TELAS DE SOMBREAMENTO NO CULTIVO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS Andréia Cristina Silva Hirata Eng. Agr., Doutora, Pesquisadora científica do Polo Regional Alta Sorocabana/APTA andreiacs@apta.sp.gov.br Edson Kiyoharu

Leia mais

Crescimento da alface americana em função da retirada do nitrogênio da solução

Crescimento da alface americana em função da retirada do nitrogênio da solução MARTINS, AD; COELHO FS; FONTES, PCR; BRAUN H. Crescimento da alface americana com a retirada de Crescimento da alface americana em função da retirada do nitrogênio da solução nutritiva. nitrogênio da solução

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

Área de Atuação 2010/2011:

Área de Atuação 2010/2011: Área de Atuação 2010/2011: Área de Atuação 2012: Culturas mais Importantes: Norte do ES e Sul da Bahia: Café Conillon, Mamão, Melancia, Banana, Cana de Açúcar, Maracujá e Cacau Região Central do ES: Café

Leia mais

Cultivo de mandioca e feijão em sistemas consorciados realizado em Coimbra, Minas Gerais, Brasil 1

Cultivo de mandioca e feijão em sistemas consorciados realizado em Coimbra, Minas Gerais, Brasil 1 Revista Ciência Agronômica, v. 43, n. 3, p. 532-538, jul-set, 2012 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE Artigo Científico www.ccarevista.ufc.br ISSN 1806-6690 Cultivo

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO. Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF).

EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO. Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF). EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF). 1 Orientadora professora do CEM S. J. Ribamar/FAPEMA, acadêmica química/ufma. 2 Orientadora

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO J. R. G. de Paiva 1 ; L. F. de Figueredo 2 ; T. H. da Silva 3 ; R. Andrade 4 ; J. G. R. dos Santos 4 RESUMO: O manejo

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=359>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Desempenho agronômico de cultivares de Leucena nos cerrados de Rondônia Newton de Lucena

Leia mais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais César Ferreira Santos¹; Antônio Augusto Rocha Athayde²; Geann Costa Dias 1 ; Patrícia Fernades Lourenço¹

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

DIFERENTES COMPONENTES DO SUBSTRATO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TOMATE (Lycopersicon esculentum)

DIFERENTES COMPONENTES DO SUBSTRATO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TOMATE (Lycopersicon esculentum) DIFERENTES COMPONENTES DO SUBSTRATO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TOMATE (Lycopersicon esculentum) GOMES, Maraíne Corrêa 1 ALMEIDA, Ingridi Carla 2 NOGUEIRA, Luiz Cláudio A. 3 ¹ Aluna do curso de Agronomia

Leia mais

Implantação e manutenção de uma horta comunitária na APAE de Bambuí MG

Implantação e manutenção de uma horta comunitária na APAE de Bambuí MG VIII SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFMG-CAMPUS BAMBUÍ II MOSTRA DE EXTENSÃO Implantação e manutenção de uma horta comunitária na APAE de Bambuí MG Bruno Dorneles de Oliveira¹; Eduardo Castelar Silva

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 Sérgio Delmar dos Anjos e Silva 1, Rogério Ferreira Aires 2, João Guilherme Casagrande Junior 3, Claudia Fernanda Lemons e Silva 4 1 Embrapa

Leia mais

13759 - Influência do Ciclo Lunar no Desenvolvimento e Rendimento de Coentro Coriandrum sativum L. Porto Alegre, RS, 2013.

13759 - Influência do Ciclo Lunar no Desenvolvimento e Rendimento de Coentro Coriandrum sativum L. Porto Alegre, RS, 2013. 13759 - Influência do Ciclo Lunar no Desenvolvimento e Rendimento de Coentro Coriandrum sativum L. Porto Alegre, RS, 2013. Influence of the lunar cycle of the moon in the development and yield of coriander

Leia mais