Diadema (São Paulo), Brazil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diadema (São Paulo), Brazil"

Transcrição

1 Diadema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo ( ) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal: José Peres dos Santos Organização: Prefeitura Municipal de Diadema Título/Posição: Coordenador de Defesa Civil address: Telefone: (11) Período do relatório: Atualizado pela última vez em: 14 December 2014 Imprima a data: 14 December 2014 Idioma do relatório: Português A Local HFA Monitor update published by PreventionWeb Local Progress Report /26

2 Prioridade de Ação 1 Certifique-se de que a redução de desastres seja uma prioridade nacional e local com uma forte base institucional para implantação. Indicador central 1.1 Política nacional e quadro jurídico para a redução de risco de desastres existem com responsabilidades descentralizadas e capacidades em todos os níveis. Até que ponto as organizações locais (incluindo o governo local) estão capacitadas (conhecimento, experiência, mandato oficial) para a redução de risco de desastres e adaptação à mudança climática? O municipio dispõe de Coordenaria Municipal de Defesa Civil que atua de forma integrada com as Secretarias afins. São instrumentos para a ação de prevenção e atendimento ao risco:- - Lei municipal 354/2007; - Plano Municipal de Redução de Risco; - Plano de Contingência. A ação é feita pelos setores da municipalidade e no estimulo à participação dos Núcleo de Defesa Civil organizados em alguns pontos mapeados como risco. Documentos de referência > Coordenador da Defesa Civil Municipal (2014) > Coordenador da Defesa Civil Municipal (2014) > Coordenador da Defesa Civil Municipal (2014) > Coordenador da Defesa Civil Municipal (2014) > Coordenador da Defesa Civil Municipal (2014) Até que ponto existem parcerias entre as comunidades, setor privado e autoridades locais para reduzir o risco? Local Progress Report /26

3 A defesa civil tem organizado reuniões para consolidar a formação de Nucleos de Defesa Civil. Porém, atualmente somente dois núcleos funcionam efetivamente. Existe parceria com Ong denominada: GRATE (Grupo de Resgate Aquático e Terrestre). Há um grupo de voluntários que participam em ações da Defesa Civil. Indicador central 1.2 Recursos específiicos e adequados estão disponíveis para implantar planos de redução de risco de desastres e atividades em todos os níveis administrativos. Até que ponto o governo local tem acesso a recursos financeiros adequados para realizar as atividades de redução de risco? - O municipio recebeu financiamento para mapeamento de risco e elaboração do Plano Municipal de Redução de Risco- PMRR. - Há financiamento para contratação de obras de risco pontuada no PMRR; - Há arrecadação via Imposto Municipal de taxa de sinistro para uso do corpo de bombeiros e da Defesa Civil. Até que ponto o governo local aloca recursos financeiros suficientes para realizar atividades de Redução de Risco de Desastres incluindo resposta efetiva a desastres e recuperação? Local Progress Report /26

4 - A defesa Civi encontra-se equipada através do uso da taxa de sinistro; - As obras de risco são priorizadas no plano de obras e no plano local de habitação de interesse social.l Indicador central 1.3 A participação da comunidade e a descentralização são asseguradas por meio da delegação de autoridade e de recursos aos níveis locais. Quanto o governo local??apoia comunidades vulneráveis locais (especialmente as mulheres, idosos, enfermos, crianças) a participarem ativamente na tomada de decisão sobre redução de risco, formulação de políticas, planejamento e processos de implantação? São realizadas atividades educativas via comissões de favelas e de núcleos de defesa civil. Também é realizada sensibilização junto ao conselho regional do idoso. Até que ponto o governo local oferece treinamento em redução de risco para as autoridades locais e líderes comunitários? Nível de progresso alcançado: 3 - Através de ação conjunta consorciada o governo tem participado de simulado que Local Progress Report /26

5 são transmitidos aos voluntário e ONG Grate. Com que regularidade o governo local conduz programas de conscientização e educação sobre Redução de Risco de Desastres e prevenção de catástrofes para as comunidades locais? Nível de progresso alcançado: 3 Programas incluem questões de diversidade cultural Programas são sensíveis às perspectivas de gênero Não Não São feitas atividades de concientização em todos os grandes eventos municipais. As atividades educativas são programadas próximo ao período de ocorrencia das chuvas. Indicador central 1.4 Uma plataforma nacional multissetorial para a redução de risco de desastres está funcionando. Até que ponto o governo local participa do planejamento nacional da Redução de Risco de Desastres? Nível de progresso alcançado: 5 O governo participa intensamente - tendo representação do governo e da Local Progress Report /26

6 comunidade nos espaços e encontros de decisão, além de ter elaborado seu plano de contingência a partir da orientação nacional. Local Progress Report /26

7 Prioridade de Ação 2 Identifique, avalie e monitore os riscos de desastres e reforce o sistema de alerta e alarme Indicador central 2.1 Avaliações de risco locais e nacionais baseadas em base de dados sobre ameaças e informações sobre vulnerabilidades estão disponíveis e incluem níveis de risco. Até que ponto o governo local realizou avaliações de risco de desastres completos para os principais setores de desenvolvimento vulneráveis??em sua autoridade local? Nível de progresso alcançado: 5 O município possui mapeamento de risco atualizado em Este mapeamento é monitorado e orienta o Plano Municipal de Proteção e redução de risco. Documentos de referência > Coordenador da Defesa Civil (2014) Até que ponto essas avaliações de risco são regularmente atualizadas, por exemplo, anualmente, ou em uma base bi-anual? Nível de progresso alcançado: 5 O mapeamento geotécnico contratado que inclui vôo é atualização, geralmente, a cada 4 anos. Porém, as equipes da Secretaria de Habitação e Desenvolvimento Urbano e a Defesa Civil fazem visitas técnicas de monitoramento. Local Progress Report /26

8 De que maneira as avaliações de risco de desastres estão incorporadas em todos os planos de desenvolvimento local relevante de uma forma consistente? Nível de progresso alcançado: 5 O Plano de Obras e o Plano Local de Habitação de Interesse Social Priorizam o atendimento ao risco. Documentos de referência > Coordenador da Defesa Civil (2014) Até que ponto as escolas, hospitais e unidades de saúde recebem atenção especial para avaliações de risco para "todos as ameaças" em sua autoridade local? Escolas Hospitais / centros de saúde Não Não Trata-se de uma responsabilidade da Fiscalização de Obras e Posturas Municipais em conjunto com a Defesa Civil. Quão seguras são todas as principais escolas, hospitais e unidades de saúde em relação a desastres de forma que tenham Local Progress Report /26

9 capacidade de se manter operacionais durante emergências? Escolas Hospitais / centros de saúde Sim Sim O município apresenta pouca ocorrências em equipamentos públicos. As poucas situações que se apresentam são de baixo risco. Indicador central 2.2 Os sistemas existem para monitorar, arquivar e difundir dados sobre riscos chave e vulnerabilidades. -- Não há questões relacionadas ao contexto local -- Indicador central 2.3 Os sistemas de alerta estão em vigor para todos os grandes riscos, com divulgação às comunidades. Até que ponto os centros de alerta estão estabelecidos, com pessoal adequado (ou pessoal de plantão) e com recursos suficientes (back ups de energia, redundância de equipamentos etc ) o tempo todo? Local Progress Report /26

10 Há plantão 24 horas das equipes da Defesa Civil. Há central de atendimento para recepção e distribuição das ocorrências. As comunidades dos setores de risco estão orientadas para a percepção e informação das situações de risco ao setor de Defesa Civil. Quanto que os sistemas de alerta e alarme permitem a participação adequada da comunidade? As comunidades informam ocorrência via 199. Há pluviômetros instalados em setores de maior risco, sobre responsabilidade de monitoramento conjunto da Defesa Civil e das lideranças locais. Indicador central 2.4 Avaliações de risco locais e nacionais levam em conta riscos regionais / transfronteiriços, tendo em vista a cooperação regional sobre redução de risco. Até que ponto as avaliações de risco locais, estão associadas e apoiadas nos conhecimentos e avaliações comunitárias e nos planos de gestão nacionais e estaduais? Nível de progresso alcançado: 5 O último mapeamento de risco foi elaborado a partir do financiamento repassado pelo Ministério das Cidades e seguiu orientações emitidas por este Ministério para o Plano Municipal de Redução de Risco. Local Progress Report /26

11 Local Progress Report /26

12 Prioridade de Ação 3 Utilize conhecimento, inovação e educação para criar uma cultura de segurança e resistência em todos os níveis Indicador central 3.1 Informações relevantes sobre desastres estão disponíveis e acessíveis em todos os níveis, a todos os interessados??(por meio de redes, desenvolvimento de sistemas de compartilhamento de informação, etc.) Com que regularidade o governo local transmite para a comunidade informações sobre as tendências locais de ameaças e medidas de redução de risco (utilizando um Plano de Comunicação de Risco, por exemplo), incluindo avisos prévios de provável impacto de risco? O Plano de Redução de Risco foi amplamente divulgado em audiências públicas. A Secretaria de Habitação e a defesa Civil regularmente monitoram as área e efetuam reuniões juntos às comunidades constante no mapeamento de risco. Indicador central 3.2 Currículos escolares, material de educação e treinamentos relevantes incluem a redução de risco de desastres e os conceitos de recuperação e práticas. Até que ponto as escolas e faculdades locais incluem cursos, educação ou treinamento na redução do risco de desastres (incluindo os riscos relacionados com o clima), como parte do currículo de educação? Nível de progresso alcançado: 3 Local Progress Report /26

13 Há planejamento local de incluir no curriculum das escolas municipais u projeto de orientação e educação para proteção e prevenção ao risco. Na Universidade Federal existente em Diadema já existe um orientação de estudo. Indicador central 3.3 Métodos de pesquisa e ferramentas para multi-avaliações de risco e análise de custobenefício são desenvolvidos e fortalecidos. -- Não há questões relacionadas ao contexto local -- Indicador central 3.4 Estratégia de consciência pública nacional existe para estimular uma cultura de resistência ao desastre, com extensão às comunidades urbanas e rurais. -- Não há questões relacionadas ao contexto local -- Local Progress Report /26

14 Reduza os fatores de risco subjacentes Prioridade de Ação 4 Indicador central 4.1 A redução de risco de desastres é um objetivo essencial das políticas e planos ambientais correlatos, inclusive para uso do solo, manejo de recursos naturais e adaptação à mudança climática. Até que ponto as políticas de Redução de Risco de Desastre de governo locais, estratégias e planos de implantação são integrados com o desenvolvimento ambiental e planos de gestão dos recursos naturais existentes? O Plano Diretor da cidade objetiva a integração das ações. O Plano de Saneamento é base para a discussão do plano de Habitação. A cultura de realização das conferências das cidades aproximou o debate integrado. Até que ponto as políticas de uso do solo e os regulamentos de planejamento para habitação e infra-estrutura de desenvolvimento levam o risco de desastre atual e o projetado (incluindo os riscos relacionados com o clima) em conta? Habitação Comunicação Transporte Sim Sim Não Local Progress Report /26

15 Energia Não A prioridade de intervenção por obra é para a erradicação de risco. Até que ponto os regulamentos de uso e ocupação do solo para áreas de risco, e os códigos de construção, de segurança e de saúde são aplicados em todas as zonas de desenvolvimento e tipos de construção? Há dificuldade de fiscalização integrada entre Estado e Prefeitura principalmente nos trechos de Proteção aos mananciais, deveria existir normativa conjunta de monitoramento da ocupação. Quão fortes são os regulamentos existentes (planos de uso e ocupação do solo, códigos de construção, etc) para apoiar a redução de risco de desastres locais? Nível de progresso alcançado: 5 O município dispõe de todos os instrumentos atualizados recentemente considerada a realidade do município. Local Progress Report /26

16 Até que ponto o governo local apoia a restauração, proteção e gestão sustentável dos serviços ambientais? Florestas Zonas costeiras Zonas húmidas Recursos hídricos Bacias fluviais Pesca Não Não Não Sim Não Não O município possui instrumentos e serviços de controle à ocupação. Quanto que as organizações da sociedade civil e os cidadãos participam na proteção, restauração e gestão sustentável dos serviços dos ecossistemas? O município possui conselho de Meio Ambiente bastante ativo. A discussão das obras que envolvem a gestão sustentável privilegia a discussão com a população beneficiária. Local Progress Report /26

17 Quanto o setor privado participa na implantação de planos de gestão ambientais e de ecossistemas em seu município? Nível de progresso alcançado: 3 De maneira insipiente. Indicador central 4.2 Políticas e planos de desenvolvimento social estão sendo implantados para reduzir a vulnerabilidade das populações de maior risco. Qual é a extensão dos serviços financeiros (por exemplo, esquemas de poupança e crédito, macro e microsseguro) disponíveis para as famílias vulneráveis??e marginalizadas instaladas em áreas de risco? O município dispõe de fundo municipal de Habitação de interesse Social cujo recurso deve ser destinado às situações de prioridade habitacional, no caso as situações de risco. Dispõe também de taxa de sinistro cobrada junto ao Imposto territorial, cujo valor arrecadado anualmente deve ser destinado aos bombeiros e Defesa Civil para atendimento ao risco. Até que ponto o micro financiamento, auxílio em dinheiro, empréstimos facilitados, garantias de empréstimos, etc. estão disponíveis para que as famílias afetadas possam reiniciar os Local Progress Report /26

18 meios de subsistência após desastres? Os programas habitacionais utilizados pelo município para remoção e eliminação de risco são financiados pelo Governo Federal, Estadual e Municipal privilegiam o atendimento ao risco. Nas emergências as famílias que são removidas por interdição motivada pelo risco são atendidas no Programa Auxílio Moradia com aluguel até o atendimento definitivo com habitação. Indicador central 4.3 Planos e políticas setoriais econômicas e produtivas foram implantados para reduzir a vulnerabilidade das atividades econômicas. Como os incentivos econômicos para investir na redução de risco de desastres para as famílias e empresas (prêmios de seguro reduzidos para as famílias, isenções fiscais para as empresas) são estabelecidos? Há legislação que permite redução do Imposto Territorial Urbano e do Imposto sobre transmissão para empresas ou entidades que investem em habitação de interesse social, isto, beneficia diretamente o atendimento às situações de risco. Até que ponto as associações empresariais locais, como câmaras de comércio e similares, apoiam empenhos às pequenas empresas Local Progress Report /26

19 para a continuidade dos negócios durante e após os desastres? Nível de progresso alcançado: 2 Não há registro sobre esta situação. Indicador central 4.4 Planejamento e gestão dos assentamentos humanos incorporam elementos de redução de risco de desastres, incluindo o cumprimento de códigos de construção. Quão adequadamente equipamentos públicos críticos e infraestruturas localizados em áreas de alto risco recebem avaliações de risco para todos os tipos de ameaça e de segurança? O plano de Contingência do município levanta os recursos disponíveis. Quão adequadas são as medidas que estão sendo tomadas para proteger instalações públicas e de infra-estrutura críticas aos danos provocados por desastres? Local Progress Report /26

20 A Secretaria de Obras provê regularmente manutenção nos seus equipamentos e o setor de fiscalização e Defesa Civil quando notificados procedem vistorias e notificações necessárias. Indicador central 4.5 Medidas de redução de riscos são integradas nos processos de recuperação pósdesastre e de reabilitação. Até que ponto as medidas para redução de risco de desastres estão integradas a ações de recuperação pós-desastre e atividades de reabilitação (ou seja, reconstruir melhor, subsistência de reabilitação )? O Plano de Obras e o Plano Local de Habitação de Interesse Social priorizam o atendimento às situações de prevenção e atendimento ao risco. Indicador central 4.6 Procedimentos existem para avaliar os impactos de riscos de desastres de grandes projetos de desenvolvimento, especialmente de infraestrutura. Até que ponto o governo local ou outros níveis de governo têm programas especiais para avaliar regularmente escolas, hospitais e unidades de saúde acerca da manutenção, cumprimento dos códigos de construção, segurança geral, riscos relacionados ao clima, etc? Local Progress Report /26

21 Escolas Hospitais / centros de saúde Sim Sim O governo municipal é responsável pelos equipamentos municipal para o qual destina e efetua regularmente manutenções. Local Progress Report /26

22 Prioridade de Ação 5 Reforce a preparação de desastres para uma resposta eficaz em todos os níveis Indicador central 5.1 Capacidade diretiva, técnica e institucional forte, e mecanismos de administração do risco de desastres, com uma perspectiva de redução de risco de desastres estão em andamento. -- Não há questões relacionadas ao contexto local -- Indicador central 5.2 Planos de preparação para desastres e planos de contingência estão em vigor em todos os níveis administrativos, e exercícios regulares de treinamento e simulados são realizados para testar e desenvolver programas de resposta a desastres. Com que regularidade os exercícios simulados são realizados com a participação de organizações governamentais, não governamentais, líderes locais e voluntários relevantes? Nível de progresso alcançado: 3 As entidades voluntárias e os funcionários de Defesa Civil participam de simulados regularmente oferecidos pelo Consórcio, Governo Estadual e Governo Federal. Quão disponíveis são os recursos-chave para uma resposta eficaz, tais como suprimentos de emergência, abrigos de emergência, rotas de abandono dentificadas e planos de contingência permanentes? Local Progress Report /26

23 Estoques de suprimentos de emergência Abrigos de emergência Rotas seguras de evacuação identificadas Plano de contingência ou plano de preparação da comunidade para desastres para todos os grandes riscos. Sim Sim Não Sim O município efetua previsão orçamentaria todo ano para a compra de provisões equipamentos e suprimentos para defesa civil. O município possui a conta emergencial para atendimento a ocorrência do Governo Federal. Até que ponto o governo local tem um centro de operações de emergência (COE) e / ou um sistema de comunicação de emergência? A estrutura administrativa municipal conta com uma sede de Defesa Civil. Há também um Centro de Video Monitoramento que auxilia os atendimentos e comunicação de situações emergenciais. Quão conscientes estão os cidadãos dos planos de abandono ou Local Progress Report /26

24 exercícios para evacuações, quando necessários? Há reuniões sistemáticos com moradores dos trechos de risco. Até que ponto o Plano de Contingência (ou plano similar) inclui um esquema para a recuperação pós-catástrofe e reconstrução, incluindo avaliação das necessidades de reabilitação e meios de subsistência? O plano de contingência prevê ação integrada com as Secretarias fins que efetuam as obras preventivas e também curativas. Até que ponto os simulados e exercícios regulares de preparação para desastres são realizados em escolas, hospitais e centros de saúde? Nível de progresso alcançado: 3 Escolas Hospitais / centros de saúde Sim Não Local Progress Report /26

25 Em escolas são realizados quando solicitados e atualmente está sendo elaborado um programa para incluir o debate no curriculum. Indicador central 5.3 Reservas financeiras e mecanismos de contingência estão em vigor para apoiar uma resposta eficaz e ações de recuperação quando necessárias. Até que ponto as instituições locais têm acesso às reservas financeiras para providenciar resposta efetiva a desastres e recuperação rápida? O orçamento municipal e o repasse via conta federal para atendimento a emergência estão disponíveis para atendimento e resposta a desastres. As contratações e compras podem ser efetuadas rapidamente sem os prazos de licitação, a depender do estado de risco decretado pelas autoridades competentes. Qual o investimento que o governo local faz em recursos e conhecimentos para ajudar as vítimas de impactos psico-sociais (psicológico, emocional) dos desastres? A Secretaria de Saúde e de Ação Social e Cidadania dão parceiras efetivas na Comissão de Proteção e Prevenção de Defesa Civil e também possuem tais responsabilidades no Plano de Contingência. Local Progress Report /26

26 Powered by TCPDF ( Indicador central 5.4 Procedimentos existem para trocar informações relevantes durante os eventos de risco e desastres, e para realizar avaliações pós-evento. -- Não há questões relacionadas ao contexto local -- Local Progress Report /26

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

Recife (Pernambuco), Brazil

Recife (Pernambuco), Brazil Recife (Pernambuco), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Geraldo Julio de Melo Filho Nome do ponto focal: Adalberto Freitas Ferreira

Leia mais

Louveira ( São Paulo), Brazil

Louveira ( São Paulo), Brazil Louveira ( São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nicolau Finamore Junior Nome do ponto focal:

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal:

Leia mais

Tubarão (Santa Catarina), Brazil

Tubarão (Santa Catarina), Brazil Tubarão (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: João Olavio Falchetti Nome do ponto focal: João Olavio Falchetti Organização:

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do ponto focal: Elton Cesar Cunha

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do ponto focal: Alexander Anthony

Leia mais

Ibirarema (São Paulo), Brazil

Ibirarema (São Paulo), Brazil Ibirarema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: THIAGO ANTONIO BRIGANÓ Nome do ponto focal: ALLAN TÁCITO Organização: Prefeitura

Leia mais

Bom Jesus dos Perdões (São Paulo), Brazil

Bom Jesus dos Perdões (São Paulo), Brazil Bom Jesus dos Perdões (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Eduardo Henrique Massei Nome

Leia mais

Pedreira (São Paulo), Brazil

Pedreira (São Paulo), Brazil Pedreira (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Carlos Evandro Pollo Nome do ponto focal: EDUARDO PAZINI Organização: PREFEITURA

Leia mais

Sairé (Pernambuco), Brazil

Sairé (Pernambuco), Brazil Sairé (Pernambuco), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Jose Fernando Pergentino de Barros (Prefeito)

Leia mais

Potirendaba (São Paulo), Brazil

Potirendaba (São Paulo), Brazil Potirendaba (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: GISLAINE MONTANARI FRANZOTTI Nome do ponto focal: OSIAS CORREIA DE OLIVEIRA

Leia mais

São Vicente (São Paulo), Brazil

São Vicente (São Paulo), Brazil São Vicente (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Luis Cláudio Bili Lins da Silva Nome do ponto focal: Maria Rita Barros

Leia mais

Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil

Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Ivar de almeida Cerqueira

Leia mais

Araraquara (São Paulo), Brazil

Araraquara (São Paulo), Brazil Araraquara (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Marcelo Fortes Barbieri Nome do ponto focal:

Leia mais

Sertãozinho (São Paulo), Brazil

Sertãozinho (São Paulo), Brazil Sertãozinho (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição: E-mail address: José

Leia mais

Santa Clara D Oeste (São Paulo), Brazil

Santa Clara D Oeste (São Paulo), Brazil Santa Clara D Oeste (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização:

Leia mais

Valinhos (São Paulo), Brazil

Valinhos (São Paulo), Brazil Valinhos (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Clayton Roberto Machado Nome do ponto focal:

Leia mais

Manaus (Amazonas), Brazil

Manaus (Amazonas), Brazil Manaus (Amazonas), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Arthur Virgílio do Carmo Ribeiro Neto Nome do ponto focal: Mário Aníbal Gomes

Leia mais

Fernandópolis (São Paulo), Brazil

Fernandópolis (São Paulo), Brazil Fernandópolis (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: ANA MARIA MATOSO BIM Nome do ponto focal:

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do

Leia mais

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição: E-mail address: Sílvio

Leia mais

Ibirarema (São Paulo), Brazil

Ibirarema (São Paulo), Brazil Ibirarema (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: THIAGO ANTONIO BRIGANÓ Nome do ponto focal:

Leia mais

Londrina (Paraná), Brazil

Londrina (Paraná), Brazil Londrina (Paraná), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Alexandre Lopes Kireeff. Nome do ponto focal:

Leia mais

Serra Negra (São Paulo), Brazil

Serra Negra (São Paulo), Brazil Serra Negra (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Antônio Luigi Ítalo Franchi Nome do ponto

Leia mais

Jundiaí (São Paulo), Brazil

Jundiaí (São Paulo), Brazil Jundiaí (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Pedro Bigardi Nome do ponto focal: Eduardo

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do

Leia mais

Registro (São Paulo), Brazil

Registro (São Paulo), Brazil Registro (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Gilson Wagner Fantin Nome do ponto focal: Luciano Miyashita Organização:

Leia mais

Franco da Rocha (São Paulo), Brazil

Franco da Rocha (São Paulo), Brazil Franco da Rocha (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Kiko Celeguim Nome do ponto focal: Norival Rodrigues Filho Organização:

Leia mais

Capivari (São Paulo), Brazil

Capivari (São Paulo), Brazil Capivari (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição:

Leia mais

Limeira (São Paulo), Brazil

Limeira (São Paulo), Brazil Limeira (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Paulo Cezar Junqueira Hadich Nome do ponto focal: APARECIDO SEVERO XAVIER

Leia mais

Potirendaba (São Paulo), Brazil

Potirendaba (São Paulo), Brazil Potirendaba (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: GISLAINE MONTANARI FRANZOTTI Nome do ponto

Leia mais

Paulinia (São Paulo), Brazil

Paulinia (São Paulo), Brazil Paulinia (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Edson Moura Junior Nome do ponto focal: JOSÉ RODRIGO MIRANDA SILVA Organização:

Leia mais

Nazaré Paulista (São Paulo), Brazil

Nazaré Paulista (São Paulo), Brazil Nazaré Paulista (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Joaquim da Cruz Junior Nome do ponto

Leia mais

São Vicente (São Paulo), Brazil

São Vicente (São Paulo), Brazil São Vicente (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Luis Cláudio Bili Lins da Silva Nome do

Leia mais

Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) 02 September 2014

Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) 02 September 2014 Mesquita, Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição: E-mail

Leia mais

Campo Limpo Paulista (São Paulo), Brazil

Campo Limpo Paulista (São Paulo), Brazil Campo Limpo Paulista (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: José Roberto de Assis Nome do ponto focal: SONIA MARIA CHEQUIN

Leia mais

Birigui (São Paulo), Brazil

Birigui (São Paulo), Brazil Birigui (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição:

Leia mais

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição:

Leia mais

Paulinia (São Paulo), Brazil

Paulinia (São Paulo), Brazil Paulinia (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Edson Moura Junior Nome do ponto focal: JOSÉ

Leia mais

Hortolândia (São Paulo), Brazil

Hortolândia (São Paulo), Brazil Hortolândia (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Antonio Meira Nome do ponto focal: Iluide

Leia mais

Americana (São Paulo), Brazil

Americana (São Paulo), Brazil Americana (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Diego De Nadai Nome do ponto focal: Fred

Leia mais

Limeira (São Paulo), Brazil

Limeira (São Paulo), Brazil Limeira (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Paulo Cezar Junqueira Hadich Nome do ponto

Leia mais

Valentim Gentil (São Paulo), Brazil

Valentim Gentil (São Paulo), Brazil Valentim Gentil (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Rosa Luchi Caldeira Nome do ponto

Leia mais

Bragança Paulista (São Paulo), Brazil

Bragança Paulista (São Paulo), Brazil Bragança Paulista (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Fernão Dias da Silva Leme Nome do

Leia mais

São Caetano do Sul (São Paulo), Brazil

São Caetano do Sul (São Paulo), Brazil São Caetano do Sul (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Paulo Nunes Pinheiro (Prefeito Municipal) Nome do ponto focal:

Leia mais

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Eduardo da Costa Paes Nome do ponto focal: Márcio Motta Organização:

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Guarujá (São Paulo), Brazil

Guarujá (São Paulo), Brazil Guarujá (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Maria Antonieta de Brito Nome do ponto focal: Ademir de Araújo Altmann Organização:

Leia mais

Campos do Jordão (São Paulo), Brazil

Campos do Jordão (São Paulo), Brazil Campos do Jordão (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Frederico Guidoni Scaranello Nome do ponto focal: Wander Firmino

Leia mais

Caçapava (São Paulo), Brazil

Caçapava (São Paulo), Brazil Caçapava (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Henrique Lourivaldo Rinco de Oliveira Nome do ponto focal: José Carlos Marcondes

Leia mais

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Eduardo da Costa Paes Nome do

Leia mais

Santos (São Paulo), Brazil

Santos (São Paulo), Brazil Santos (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Paulo Alexandre Barbosa Nome do ponto focal:

Leia mais

São Caetano do Sul (São Paulo), Brazil

São Caetano do Sul (São Paulo), Brazil São Caetano do Sul (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Paulo Nunes Pinheiro (Prefeito

Leia mais

Contagem (Minas Gerais), Brazil

Contagem (Minas Gerais), Brazil Contagem (Minas Gerais), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Carlos Magno de Moura Soares Nome do ponto

Leia mais

Monte Mor (São Paulo), Brazil

Monte Mor (São Paulo), Brazil Monte Mor (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: THIAGO GIATTI ASSIS Nome do ponto focal:

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Campos do Jordão (São Paulo), Brazil

Campos do Jordão (São Paulo), Brazil Campos do Jordão (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Frederico Guidoni Scaranello Nome

Leia mais

Caçapava (São Paulo), Brazil

Caçapava (São Paulo), Brazil Caçapava (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Henrique Lourivaldo Rinco de Oliveira Nome

Leia mais

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos GABINETE DO GOVERNADOR CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Dezembro / 2007 POLÍTICA E PROGRAMAS PARA A DEFESA CIVIL DO ESTADO

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Síntese e Resultados III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Resultados & Avanços Resultados Implementaçao de Hyogo revista e avaliada*

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13

LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13 LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13 CRIA ORGÃOS E AMPLIA CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSÃO NA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE CAMPOS NOVOS, ACRESCENTA DISPOSITIVOS NA LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança PREFEITURA DUQUE DE CAXIAS Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança Uma Estratégia de Ação para Capacitar e Treinar Servidores, Líderes Comunitários e Voluntários

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Academia Brasileira de Ciências Simpósio sobre Desastres Naturais

Academia Brasileira de Ciências Simpósio sobre Desastres Naturais Academia Brasileira de Ciências Simpósio sobre Desastres Naturais Brasil CAMPINAS Fundação: 14 de julho de 1774 População: 1.144.862 Área: 796 km² Altitude: 654 m Hospitais: 32 Agências bancárias: 229

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE DADOS DA CIDADE Data de fundação: 12 de dezembro de 1897 Área: 331 km 2 Latitude y Longitude 19 55'S, 43 56'W Minas Gerais BH INDICADORES DEMOGRÁFICOS População: 2.375.151

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL Luís Carvalho Promotor Nacional da UNISDR Cidades Resilientes Making Cities Resilient Campaign Advocate ÍNDICE 1. EVOLUÇÃO DA

Leia mais

Taubaté (São Paulo), Brazil

Taubaté (São Paulo), Brazil Taubaté (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: José Bernardo Ortiz Monteiro Júnior Nome do

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs?

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? QUATRO BARRAS 09/07/2007 Horário: das 13h às 17h30 Local: Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? Grupo 01:

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

Implantação de Rede de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos

Implantação de Rede de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos Programa úmero de Ações 12 0153 Promoção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Objetivo Indicador(es) Promover a ampla defesa jurídico-social de crianças e adolescentes Taxa de Municípios com

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí O que é? O Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí é uma associação de direito privado, sem

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais