São Caetano do Sul (São Paulo), Brazil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "São Caetano do Sul (São Paulo), Brazil"

Transcrição

1 São Caetano do Sul (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes ( ) Prefeito: Paulo Nunes Pinheiro (Prefeito Municipal) Nome do ponto focal: Marco Antonio Alvares Barreiras Organização: Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul Título/Posição: Secretario Municipal de Segurança Pública address: Telefone: Período do relatório: Atualizado pela última vez em: 10 December 2014 Imprima a data: 10 December 2014 Idioma do relatório: Português A Local HFA Monitor update published by PreventionWeb Local Progress Report /29

2 Fundamento 1 Coloque em prática ações de organização e coordenação para compreender e aplicar ferramentas de redução de riscos de desastres, com base na participação de grupos de cidadãos e da sociedade civil. Construa alianças locais. Assegure que todos os departamentos compreendam o seu papel naredução de risco de desastres e preparação. Até que ponto as organizações locais (incluindo o governo local) estão capacitadas (conhecimento, experiência, mandato oficial) para a redução de risco de desastres e adaptação à mudança climática? Alcançamos o objetivo de nos reorganizarmos legalmente alem de criarmos uma estrutura de Proteção e Defesa Civil solidificada que não haverá descontinuidade das ações pois estão dentro de um contexto legal. Criamos a Semana Municipal de Prevenção de Acidentes e Desastres e incerimos no calendário oficial de eventos do municipio. Realizamos o mapeamento dos riscos e a carta de sescetibilidade. Insatituimos uma estrutura operacional e técnica que contemplara as necessidades do municipio. Quanto as organizações locais mantemos parcerias com o setor privado através de empresas pertencentes ao Plano de Auxílio Mútuo do qual a Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil é participante. Estamos elaborando planos de abondono e mapas de risco nas escolas alem de levar o tema Defesa Civil para a sala de aula. Desenvolvemos ações com os NUPDECs com o objetivo de terem conhecimento dos riscos existentes em suas regiões e saber como conviver seguramente, diminuindo vulnerabilidade. Documentos de referência > ulado de emergência (2014) > ulado de emergência (2014) > ulado de emergência (2014) Local Progress Report /29

3 Até que ponto existem parcerias entre as comunidades, setor privado e autoridades locais para reduzir o risco? Criamos uma rede de parcerias tanto na esfera da administração publica municipal através de uma comissão de emergências, através do Consórcio Intermunicipal Grande ABC com o Plano Regional de Aucílio Mutuo entre Municipios do ABCDMRR, e parceria com empresas pertencentes ao Plano de Auxílio Mútuo de São Caetano do Sul. Também contamos com parcerias com grupos de escoteiros, sociedade amigos de Bairros, Igrejas Católicas e Evangélicas entre outros. Também destacamos os NUPDECS que são 5 e estão inceridos nas áreas suscetíveis a inundação. Quanto o governo local??apoia comunidades vulneráveis locais (especialmente as mulheres, idosos, enfermos, crianças) a participarem ativamente na tomada de decisão sobre redução de risco, formulação de políticas, planejamento e processos de implantação? Nível de progresso alcançado: 3 A COMPDEC, através dos NUPDECs desenvolvem um trabalho conjunto com as comunidades inceridas nas áreas de risco para inundação e neste caso a abordagem é unificada, não há uma abordagem diferenciada, porém, temos uma parceria com o Programa Saúde da Família e a Secretária da Pessoa com Mobilidade Diminuida, que também fazem parte do sistema municipal de proteção e defesa civil, onde cadastram os moradores idosos, enfermos e acamados que residem nas áreas de risco, os deficientes e ou portadores de mobilidade diminuida e mapeiam estes endereços e informa a Defesa Civil. Local Progress Report /29

4 Também fazemos palestras em Escolas de Educação Infantil e em Centros de 3ª Idade, levando orientaçãoes e incerido-os na participação da gestão de risco. Até que ponto o governo local participa do planejamento nacional da Redução de Risco de Desastres? Nível de progresso alcançado: 5 O municipio adequou a legislação municipal a federal (12608), reorganizando o Sistema Municipal de Proteção e Defesa Civil, Foi realizado o mapeamento das áreas de risco e incerido no cemadem, fizemos o cadstro no sistema S2ID. Abrimos a conta do Cartão de Pagamento de Defesa Civil. Elaboramos planos de emergências e de contingenciamento para o periodo Chuvoso e de estiagem entre outras ações. Documentos de referência > Coordenadoria Municipal de4 Proteção e Defesa Civil (2014) Local Progress Report /29

5 Fundamento 2 Atribua um orçamento para a redução de risco de desastres e forneça incentivos para proprietários em áreas de risco, famílias de baixa renda, comunidades, empresas e setor público para investir na redução dos riscos que enfrentam. Até que ponto o governo local tem acesso a recursos financeiros adequados para realizar as atividades de redução de risco? Nível de progresso alcançado: 3 Sabemos das necessidades principalmente de ações estruturais para a redução de riscos, mas apesar de se ter uma gama de recursos não contempla a todos. O município é bem estruturado e não possui áreas de ocupação irregular, nosso risco principal é a inundação. Obras foram e estão sendo executadas desde 2005 onde, somente de recursos próprios (municipais) já foram emplenhados na ordem de R$50 milhões, na contrução e ampliação de novas galerias da rede de drenagem, estações de combate a enchentes entre outras. Estamos finalizando o Plano Diretor de Drenagem Urbana para que possamos elencar prioridades e elaborar projetos executivos para captação de recursos federais. Quanto as ações de resposta, possuimos estoque estratégico e o cartão de pagamento de defesa civil. Até que ponto o governo local aloca recursos financeiros suficientes para realizar atividades de Redução de Risco de Desastres incluindo resposta efetiva a desastres e recuperação? Nível de progresso alcançado: 3 Local Progress Report /29

6 Ao longo dos anos, o governo local vem trabalhando para a redução da incidência de elagamentos e inundações com a realização de obras que visem estas reduções. Podemos destacar entre outras a construção dos Piscinões no trecho do Ribeirão dos Meninos dentro de nosso território, a contrução e reforma de galerias da rede pluvial, construção de estações de combate a enchentes. Manutenção anual do estoque estratégico para ações de resposta as vítimas de desastres. Documentos de referência > Coordenador Municipal de Proteção e Defesa Civil (2013) Qual é a extensão dos serviços financeiros (por exemplo, esquemas de poupança e crédito, macro e microsseguro) disponíveis para as famílias vulneráveis??e marginalizadas instaladas em áreas de risco? Nível de progresso alcançado: 2 Não existe no municipio uma linha de crédito específico para este fim. O que o municipio possui são programas de transferencia de renda e sociais que abrange a toda a população em situação social vulnerável. Até que ponto o micro financiamento, auxílio em dinheiro, empréstimos facilitados, garantias de empréstimos, etc. estão disponíveis para que as famílias afetadas possam reiniciar os meios de subsistência após desastres? Nível de progresso alcançado: 3 Não há auxílio financeiro, o que há são ações assitenciais no sentido de garantir as Local Progress Report /29

7 necessidades básicas desta famílias atingidas por desastres, como água, alimentação, abrigamento, colchoes, cobertores, kits limpeza e higiene pessoal entro outros produtos. Como os incentivos econômicos para investir na redução de risco de desastres para as famílias e empresas (prêmios de seguro reduzidos para as famílias, isenções fiscais para as empresas) são estabelecidos? Nível de progresso alcançado: 3 A Prefeitura apenas isenta ou bonifica os imóveis inceridos nas áreas de riscos para inundação do IPTU e quando são afetadas o municipio isenta também a conta de água do mês em que ocorreu o evento, desde que comprovado. Até que ponto as associações empresariais locais, como câmaras de comércio e similares, apoiam empenhos às pequenas empresas para a continuidade dos negócios durante e após os desastres? Nível de progresso alcançado: 1 Não temos informações ofíciais da Associação Comercial e Indiustrial sobre estes apoios. Local Progress Report /29

8 Fundamento 3 Mantenha os dados sobre os riscos e vulnerabilidades atualizados, prepare as avaliações de risco e utilize-as como base para planos de desenvolvimento urbano e tomdas de decisão. Certifique-se de que esta informação e os planos para a resiliência da sua cidade estão prontamente disponíveis ao público e totalmente discutido com eles. Até que ponto o governo local realizou avaliações de risco de desastres completos para os principais setores de desenvolvimento vulneráveis??em sua autoridade local? Nível de progresso alcançado: 5 O municipio realizou, através de parceria com o Consórcio Intermunicipal Grande ABC e o Governo do Estado de São Paulo, o mapeamento das áreas suscetíveis a alagamento e inundações em toda a bacia do Ribeirão do Meninos e do Rio Tamanduatei que cortam a cidade, elencando as áreas de maior risco e sugerindo intervenções. Quanto a vulnerabilidade, realizamos um trabalho integrado e multiprofissional com todos os setores da administração municipal e estadual e sociedade civil para reduzirmos estas vulnerabilidades, com o objetivo de levar informações sobre os risco e quais as medidas a serem adotadas para a prevenção e preparação quanto a percepção das ameaças que possam provocar desastres. Documentos de referência > Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (2010) > Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (2010) Até que ponto essas avaliações de risco são regularmente atualizadas, por exemplo, anualmente, ou em uma base bi-anual? Nível de progresso alcançado: 5 Local Progress Report /29

9 São atualizadas anualmente, sempre antecedendo a reedição do Plano Municipal de Contingenciamento para o periodo de Chuvas Intensas. As atualização são baseadas na redução dos riscos por intervenção estruturais como por exemplo obras de microdrenagens nas áreas de incidência de inundação. Com que regularidade o governo local transmite para a comunidade informações sobre as tendências locais de ameaças e medidas de redução de risco (utilizando um Plano de Comunicação de Risco, por exemplo), incluindo avisos prévios de provável impacto de risco? Nível de progresso alcançado: 5 Durante o periodo caracteriados por chuvas intensas, informamos através de boletim informativo e em caso de probabilidade lançamos um boletim extra que enviamos por emais para todos os contatos eletronicos cadastrados na Defesa Civil, alem de solicitarmos que multipliques estas informações. Também publicamos nos sites da administração municipal e informamos rádios, e os meios de comunicação local. Documentos de referência Até que ponto as avaliações de risco locais, estão associadas e apoiadas nos conhecimentos e avaliações comunitárias e nos planos de gestão nacionais e estaduais? Local Progress Report /29

10 Na região do Grande ABC tratamos esta questão como regional pois, uma ameaça em um municipio afeta os demais. Neste sentido elaboramos um PRRR (Plano Regional de Redução de Riscos), equipamos e estruturamos as Defesa Civis de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra para que possam minimamente atender as suas demandas e Instutuimos através de Termo de Compromisso entre os Prefeitos dos sete municipios o PRAM (Plano Regional de Auxílio Mútuo) para que em caso de necessidade um municipio possa apoiar o outro. Também estamos trabalhando para implantarmos um Centro de Monitoramento de Riscos Regional. Documentos de referência De que maneira as avaliações de risco de desastres estão incorporadas em todos os planos de desenvolvimento local relevante de uma forma consistente? Estas avaliações estão incorporadas em vários programas: Na lei de Zoneamento, no Plano Municipal de Saneamento, Resíduos e Drenagem Urbana, nas ações educacionais e esportivas. Local Progress Report /29

11 Fundamento 4 Invest in and maintain critical infrastructure that reduces risk, such as flood drainage, adjusted where needed to cope with climate change. Até que ponto as políticas de uso do solo e os regulamentos de planejamento para habitação e infra-estrutura de desenvolvimento levam o risco de desastre atual e o projetado (incluindo os riscos relacionados com o clima) em conta? Habitação Comunicação Transporte Energia A lei de Zoneamento e de Uso do Solo regulamento o crescimento urbanistico da cidade e define que tipo de instalações podem ser erguidas ou instaladas nas zonos principalmente naquelas inceridas em áreas de risco para inundação. Exemplo: Não aprovação de projetos arquitetonicos de predios ou edificações com subsolos em áreas de sescetibilidade para alagamentos e inundações. Quão adequadamente equipamentos públicos críticos e infraestruturas localizados em áreas de alto risco recebem avaliações de risco para todos os tipos de ameaça e de segurança? Local Progress Report /29

12 As edificações públicas inceridas nas áreas de risco são periodicamento avaliadas pela Secretaria Municipal de Obras, revisados os planos de emergência local e capacitação dos agentes públicos e da população que frequente estes estabelecimentos públicos. Exemplos: Realização de simulados de emergência Quão adequadas são as medidas que estão sendo tomadas para proteger instalações públicas e de infra-estrutura críticas aos danos provocados por desastres? Nível de progresso alcançado: 3 No caso dos equipamentos públicas instalados em áreas de risco para inundação, existem projeto técnicos para minimizá-los ou extingui-los com a execução de obras estruturais nas edificações e de obras de drenagem, nos seus arredores. Local Progress Report /29

13 Fundamento 5 Avalie a segurança de todas as escolas e centros de saúde e atualize tais avaliações conforme necessário. Até que ponto as escolas, hospitais e unidades de saúde recebem atenção especial para avaliações de risco para "todos as ameaças" em sua autoridade local? Escolas Hospitais / centros de saúde Levamos o conceito de Defesa Civil para dentro das escolas, de Ensino Infantil e Fundamental, onde realizamos palestras, mapeamento dos riscos e planos de emergência e abandono de área, aumento o nível de segurança dos unidades escolares. Também realizamos um trabalho de percepção de risco nas unidades hospitalares e de serviços básicos de saúde, onde formamos brigadas de incêndio em hospitais e capacitamos os integrantes da CIPA. Quão seguras são todas as principais escolas, hospitais e unidades de saúde em relação a desastres de forma que tenham capacidade de se manter operacionais durante emergências? Escolas Hospitais / centros de saúde Local Progress Report /29

14 Algumas escolas contam com planos de emergência onde, possuem capacidade de gestão de desastres dentro de suas unidades, alem de possirem capacidade de evacuar rapidamente e com segurança o prédio caso seja necessário, e quando isso ocorre os órgão de segurança se deslocam para o proprio municipal para apoio. Os hospitais possuem sistema de geradores e também um plano de emergência local onde, dependendo do sinistro ou da área sinistrada é desencadeada determinada ação. Até que ponto o governo local ou outros níveis de governo têm programas especiais para avaliar regularmente escolas, hospitais e unidades de saúde acerca da manutenção, cumprimento dos códigos de construção, segurança geral, riscos relacionados ao clima, etc? Nível de progresso alcançado: 5 Escolas Hospitais / centros de saúde Periodicamente a Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil realiza vistorias nos equipamentos de segurança e combate a princípios de incêndios, vistoria estruturais nas edificações e treinamentos e palestras sobre os riscos existentes em cada unidade. Até que ponto os simulados e exercícios regulares de preparação para desastres são realizados em escolas, hospitais e centros de saúde? Nível de progresso alcançado: 5 Local Progress Report /29

15 Escolas Hospitais / centros de saúde Anualmente Local Progress Report /29

16 Fundamento 6 Aplique e imponha regulamentos realistas, compatíveis com o risco de construção e princípios de planejamento do uso do solo. Identifique áreas seguras para cidadãos de baixa renda e desenvolva a urbanização dos assentamentos informais, sempre que possível. Até que ponto os regulamentos de uso e ocupação do solo para áreas de risco, e os códigos de construção, de segurança e de saúde são aplicados em todas as zonas de desenvolvimento e tipos de construção? O municipio possui 100% de sua área urbanizada, não temos áreas de ocupação irregular e nem moradias em encostas como encostas e morros. A regramento da ocupação e do uso do solo, bem como o código municipal de obras é aplicado em sua plenitude. Quão fortes são os regulamentos existentes (planos de uso e ocupação do solo, códigos de construção, etc) para apoiar a redução de risco de desastres locais? Exisate uma fiscalização bastante eficaz por parate da Secretaria Municipal de Obras no que se refere ao regramento para a execução das obras de acordo com os projetos aprovados. Local Progress Report /29

17 Local Progress Report /29

18 Fundamento 7 Certifique-se de que programas de educação e treinamento sobre a redução de risco de desastres estejam em vigor nas escolas e comunidades. Com que regularidade o governo local conduz programas de conscientização e educação sobre Redução de Risco de Desastres e prevenção de catástrofes para as comunidades locais? Programas incluem questões de diversidade cultural Programas são sensíveis às perspectivas de gênero O Poder Legislativo aprovou projeto do Executivo que institui a Semana Municipal de Prevenção de Acidentes e Redução de Riscos de Desastres, que e comemorado anualmente durante a 2ª semana do mês de Agosto onde sção realizadas palestras nas escolas, nas comunidades, em empresas e também a realização de um grande simulado de emergência. Documentos de referência Até que ponto o governo local oferece treinamento em redução de risco para as autoridades locais e líderes comunitários? Local Progress Report /29

19 Anualmente as equipes de emergência fazem cursos de capacitação e qualificação profissional nas ações de resposta e na gestão de riscos e desastres. Também estendemos estes treinamentos as comunidades e aos nossos voluntários. Até que ponto as escolas e faculdades locais incluem cursos, educação ou treinamento na redução do risco de desastres (incluindo os riscos relacionados com o clima), como parte do currículo de educação? Nível de progresso alcançado: 2 Não há, pelo mesmo por enquanto a proposta de inclusão do conceito de Defesa Civil na grade curricular das escolar. O que fazemos são palestras e algum trabalho relacionado a gestão de riscos com toda a população escolar. Documentos de referência Quão conscientes estão os cidadãos dos planos de abandono ou exercícios para evacuações, quando necessários? Nível de progresso alcançado: 5 Anualmente realizamos a reciclagem dos Planos de Abandono nas Escolas, alem de expandi-los. Antes do simulado realizamos vários exercícios para mensurarmos o quanto é eficiente e tem se demosntrado muito bom. Local Progress Report /29

20 Local Progress Report /29

21 Fundamento 8 Proteja os ecossistemas e barreiras naturais para mitigar inundações, tempestades e outros perigos a que sua cidade seja vulnerável. Adapte-se à mudança climática por meio da construção de boas práticas de redução de risco. Até que ponto as políticas de Redução de Risco de Desastre de governo locais, estratégias e planos de implantação são integrados com o desenvolvimento ambiental e planos de gestão dos recursos naturais existentes? Estão interligadas e são transversais, por exemplo, temos o plano de contingencia para o periodo de estiagem que visa preservar as áreas de cobertura vegetal. Preservamos as várzeas dos rios para que não ocupados irregularmente e realizamso vistoria em árvore para identificação de riscos e da fitosanidade das árvores. Até que ponto o governo local apoia a restauração, proteção e gestão sustentável dos serviços ambientais? Florestas Zonas costeiras Zonas húmidas Recursos hídricos Bacias fluviais Não Não Não Não Local Progress Report /29

22 Pesca Não O municipio através da autarquia do Departamento de Águas e Esgoto desenvolve um trabalho de coscientização do uso racional da água. Trabalha preventivamente para identificar vazamentos na rede e reduzir perdas, alem de bonificar os municipes que reduzem o consumo mensal. Link relacionados > Departamento de Água e Esgoto de São Caetano do Sul Quanto que as organizações da sociedade civil e os cidadãos participam na proteção, restauração e gestão sustentável dos serviços dos ecossistemas? Nível de progresso alcançado: 3 O Departamento de água e esgoto leva estes conceitos a comunidade, as escolas e as associações para que haja o envolvimento de todos nas ações de sustentabilidade como por exemplo a coleta seletiva e o uso racional da água. Quanto o setor privado participa na implantação de planos de gestão ambientais e de ecossistemas em seu município? Nível de progresso alcançado: 3 O Municipio realiza parcerias com as empresas instaladas no municipio, implementando planos locais para ações sustentáveis como ulilização dos recirsos Local Progress Report /29

23 naturais e coletas seletivas de lixo dentro das unidades. Local Progress Report /29

24 Fundamento 9 Instale sistemas de alerta e alarme, e capacidades de gestão de emergências em seu município, e realize regularmente exercícios públicos de preparação. Até que ponto as instituições locais têm acesso às reservas financeiras para providenciar resposta efetiva a desastres e recuperação rápida? Nível de progresso alcançado: 5 Possuimos em caso de situação de emergência ou estado de calamidade pública o Cartão de Pagamento de Defesa Civil Até que ponto os centros de alerta estão estabelecidos, com pessoal adequado (ou pessoal de plantão) e com recursos suficientes (back ups de energia, redundância de equipamentos etc ) o tempo todo? Nível de progresso alcançado: 5 Possuimos um Centro de Gerenciamento de Emergências denominado SAME 199 (Serviço de Atendimento ao Munícioe em Emergência) que atende pelo nº 199 para telefones fixos convencionais e para telefônes celulares. Este serviço atende 24 horas todos os dias e integra vários órgãos como Defesa Civil, Guarda Civil Municipal, Departamento de Trânsito, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, SAMU 192 e serviços essenciais como Limpeza Pública e Departamento de Água e Esgoto. Possui um sistema informatizado e de monitoramento por câmeras num total de 60, possui gerador e nobreaks. Local Progress Report /29

25 Quanto que os sistemas de alerta e alarme permitem a participação adequada da comunidade? Implementamos um sistema de comunicação efetivo com a comunidade inserida nas áreas de risco. As informações sobre alertas são encaminhados diariamente por e nas redes sociais. Não possuimos um sistema sonoro fixo de alarme e alerta, neste caso utilizamos as viaturas para orientar a populãção sobre a iminencia de qualquer evento adverso que possa ocorrer e orientamos sobre as providências que devem ser adotadas. Até que ponto o governo local tem um centro de operações de emergência (COE) e / ou um sistema de comunicação de emergência? Nível de progresso alcançado: 5 O Municipio possui um departamento denominado Centro de Gerenciamento de Emergências que atua na comunicação e gestão integrada de emergência. Este departamento comprofissionais de diversas áreas como Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Policia Militar, Samu, Departamento de Trânsito, Guarda Civil Municipal, Secretaria de Comunicação Social. Com que regularidade os exercícios simulados são realizados com a participação de organizações governamentais, não Local Progress Report /29

26 governamentais, líderes locais e voluntários relevantes? Nível de progresso alcançado: 5 Os simulados são realizados bimestralmente entre empresas pertencentes ao Plano de Auxílio Mútuo de São Caetano do Sul. A Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil realiza vários simulados e treinamentos nas escolas onde são instituidos os planos de emergência e durante a Semana Municipal de Prevenção de Acidentes e Desastres é realizdo um grande simulado de emergência que envolve toda a rede de órgãos que atuem em emergências, mais as empresas do PAM, as COMPDECS da Região e a população. Documentos de referência > Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (2009/2010/2011/2014) > Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (2011) Quão disponíveis são os recursos-chave para uma resposta eficaz, tais como suprimentos de emergência, abrigos de emergência, rotas de abandono dentificadas e planos de contingência permanentes? Nível de progresso alcançado: 5 Estoques de suprimentos de emergência Abrigos de emergência Rotas seguras de evacuação identificadas Plano de contingência ou plano de preparação da comunidade para desastres para todos os grandes riscos. Não Local Progress Report /29

27 Instituimos o Plano Municipal de Contingenciamento para Alagamentos, Inundações Graduais e Bruscas e eventos associados as chuvas intensas onde, esta pré estabelecido o abrigo provisório bem como os integrantes que o coordenarão. Possuimos um estoque estratégico com colchões, cobertores, materiais de limpeza e higiene pessoal, alem de ata de registro de preços para aquisição de água mimeral, alimentação (marmitex), cestas básicas. Documentos de referência Local Progress Report /29

28 Fundamento 10 Após qualquer desastre, assegure que as necessidades dos sobreviventes estejam no centro da reconstrução, por meio do apoio direto e por suas organizações comunitárias de modo a projetar e ajudar a implementar ações de resposta e recuperação, incluindo a reconstrução de casas e de meios de subsistência. Qual o investimento que o governo local faz em recursos e conhecimentos para ajudar as vítimas de impactos psico-sociais (psicológico, emocional) dos desastres? Nível de progresso alcançado: 3 As vítimas são assistidas pelo CRAS, CREAS e CAPS Até que ponto as medidas para redução de risco de desastres estão integradas a ações de recuperação pós-desastre e atividades de reabilitação (ou seja, reconstruir melhor, subsistência de reabilitação )? Nível de progresso alcançado: 3 Se tem como critério, a avaliação dos danos se é possível recuperar e de uma forma que minimize ou elimine o risco é recuperado. Se após avaliação enterder-se que não seja mais viavel mantê-lo nesta área de risco é reconstruido em outro local. Até que ponto o Plano de Contingência (ou plano similar) inclui um Local Progress Report /29

29 Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) esquema para a recuperação pós-catástrofe e reconstrução, incluindo avaliação das necessidades de reabilitação e meios de subsistência? Nível de progresso alcançado: 5 O Plano de Contingência para Inundações contempla as ações pós desastre no que se refere a recuperação. Os órgão responsáveis pelas ações e avaliações desenvolvem o planejamento e se preparam estruturalmente para o enfrentamento. Local Progress Report /29

Louveira ( São Paulo), Brazil

Louveira ( São Paulo), Brazil Louveira ( São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nicolau Finamore Junior Nome do ponto focal:

Leia mais

Bom Jesus dos Perdões (São Paulo), Brazil

Bom Jesus dos Perdões (São Paulo), Brazil Bom Jesus dos Perdões (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Eduardo Henrique Massei Nome

Leia mais

São Caetano do Sul (São Paulo), Brazil

São Caetano do Sul (São Paulo), Brazil São Caetano do Sul (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Paulo Nunes Pinheiro (Prefeito Municipal) Nome do ponto focal:

Leia mais

Santa Clara D Oeste (São Paulo), Brazil

Santa Clara D Oeste (São Paulo), Brazil Santa Clara D Oeste (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização:

Leia mais

Araraquara (São Paulo), Brazil

Araraquara (São Paulo), Brazil Araraquara (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Marcelo Fortes Barbieri Nome do ponto focal:

Leia mais

Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil

Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Ivar de almeida Cerqueira

Leia mais

Valinhos (São Paulo), Brazil

Valinhos (São Paulo), Brazil Valinhos (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Clayton Roberto Machado Nome do ponto focal:

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do

Leia mais

Serra Negra (São Paulo), Brazil

Serra Negra (São Paulo), Brazil Serra Negra (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Antônio Luigi Ítalo Franchi Nome do ponto

Leia mais

Ibirarema (São Paulo), Brazil

Ibirarema (São Paulo), Brazil Ibirarema (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: THIAGO ANTONIO BRIGANÓ Nome do ponto focal:

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal:

Leia mais

Potirendaba (São Paulo), Brazil

Potirendaba (São Paulo), Brazil Potirendaba (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: GISLAINE MONTANARI FRANZOTTI Nome do ponto

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

Sairé (Pernambuco), Brazil

Sairé (Pernambuco), Brazil Sairé (Pernambuco), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Jose Fernando Pergentino de Barros (Prefeito)

Leia mais

Jundiaí (São Paulo), Brazil

Jundiaí (São Paulo), Brazil Jundiaí (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Pedro Bigardi Nome do ponto focal: Eduardo

Leia mais

Recife (Pernambuco), Brazil

Recife (Pernambuco), Brazil Recife (Pernambuco), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Geraldo Julio de Melo Filho Nome do ponto focal: Adalberto Freitas Ferreira

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do

Leia mais

Capivari (São Paulo), Brazil

Capivari (São Paulo), Brazil Capivari (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição:

Leia mais

Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) 02 September 2014

Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) 02 September 2014 Mesquita, Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição: E-mail

Leia mais

Londrina (Paraná), Brazil

Londrina (Paraná), Brazil Londrina (Paraná), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Alexandre Lopes Kireeff. Nome do ponto focal:

Leia mais

Fernandópolis (São Paulo), Brazil

Fernandópolis (São Paulo), Brazil Fernandópolis (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: ANA MARIA MATOSO BIM Nome do ponto focal:

Leia mais

São Vicente (São Paulo), Brazil

São Vicente (São Paulo), Brazil São Vicente (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Luis Cláudio Bili Lins da Silva Nome do

Leia mais

Nazaré Paulista (São Paulo), Brazil

Nazaré Paulista (São Paulo), Brazil Nazaré Paulista (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Joaquim da Cruz Junior Nome do ponto

Leia mais

Ibirarema (São Paulo), Brazil

Ibirarema (São Paulo), Brazil Ibirarema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: THIAGO ANTONIO BRIGANÓ Nome do ponto focal: ALLAN TÁCITO Organização: Prefeitura

Leia mais

Pedreira (São Paulo), Brazil

Pedreira (São Paulo), Brazil Pedreira (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Carlos Evandro Pollo Nome do ponto focal: EDUARDO PAZINI Organização: PREFEITURA

Leia mais

Bragança Paulista (São Paulo), Brazil

Bragança Paulista (São Paulo), Brazil Bragança Paulista (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Fernão Dias da Silva Leme Nome do

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal: José Peres dos Santos Organização:

Leia mais

Potirendaba (São Paulo), Brazil

Potirendaba (São Paulo), Brazil Potirendaba (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: GISLAINE MONTANARI FRANZOTTI Nome do ponto focal: OSIAS CORREIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição:

Leia mais

Paulinia (São Paulo), Brazil

Paulinia (São Paulo), Brazil Paulinia (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Edson Moura Junior Nome do ponto focal: JOSÉ

Leia mais

Birigui (São Paulo), Brazil

Birigui (São Paulo), Brazil Birigui (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição:

Leia mais

São Vicente (São Paulo), Brazil

São Vicente (São Paulo), Brazil São Vicente (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Luis Cláudio Bili Lins da Silva Nome do ponto focal: Maria Rita Barros

Leia mais

Valentim Gentil (São Paulo), Brazil

Valentim Gentil (São Paulo), Brazil Valentim Gentil (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Rosa Luchi Caldeira Nome do ponto

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do ponto focal: Alexander Anthony

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do ponto focal: Elton Cesar Cunha

Leia mais

Tubarão (Santa Catarina), Brazil

Tubarão (Santa Catarina), Brazil Tubarão (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: João Olavio Falchetti Nome do ponto focal: João Olavio Falchetti Organização:

Leia mais

Americana (São Paulo), Brazil

Americana (São Paulo), Brazil Americana (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Diego De Nadai Nome do ponto focal: Fred

Leia mais

Hortolândia (São Paulo), Brazil

Hortolândia (São Paulo), Brazil Hortolândia (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Antonio Meira Nome do ponto focal: Iluide

Leia mais

Sertãozinho (São Paulo), Brazil

Sertãozinho (São Paulo), Brazil Sertãozinho (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição: E-mail address: José

Leia mais

Limeira (São Paulo), Brazil

Limeira (São Paulo), Brazil Limeira (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Paulo Cezar Junqueira Hadich Nome do ponto

Leia mais

Registro (São Paulo), Brazil

Registro (São Paulo), Brazil Registro (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Gilson Wagner Fantin Nome do ponto focal: Luciano Miyashita Organização:

Leia mais

Manaus (Amazonas), Brazil

Manaus (Amazonas), Brazil Manaus (Amazonas), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Arthur Virgílio do Carmo Ribeiro Neto Nome do ponto focal: Mário Aníbal Gomes

Leia mais

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil

Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Caraá (Rio Grande do Sul), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Nome do ponto focal: Organização: Título/Posição: E-mail address: Sílvio

Leia mais

Franco da Rocha (São Paulo), Brazil

Franco da Rocha (São Paulo), Brazil Franco da Rocha (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Kiko Celeguim Nome do ponto focal: Norival Rodrigues Filho Organização:

Leia mais

Paulinia (São Paulo), Brazil

Paulinia (São Paulo), Brazil Paulinia (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Edson Moura Junior Nome do ponto focal: JOSÉ RODRIGO MIRANDA SILVA Organização:

Leia mais

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Eduardo da Costa Paes Nome do

Leia mais

Limeira (São Paulo), Brazil

Limeira (São Paulo), Brazil Limeira (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Paulo Cezar Junqueira Hadich Nome do ponto focal: APARECIDO SEVERO XAVIER

Leia mais

Campo Limpo Paulista (São Paulo), Brazil

Campo Limpo Paulista (São Paulo), Brazil Campo Limpo Paulista (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: José Roberto de Assis Nome do ponto focal: SONIA MARIA CHEQUIN

Leia mais

Campos do Jordão (São Paulo), Brazil

Campos do Jordão (São Paulo), Brazil Campos do Jordão (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Frederico Guidoni Scaranello Nome

Leia mais

Contagem (Minas Gerais), Brazil

Contagem (Minas Gerais), Brazil Contagem (Minas Gerais), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Carlos Magno de Moura Soares Nome do ponto

Leia mais

Caçapava (São Paulo), Brazil

Caçapava (São Paulo), Brazil Caçapava (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Henrique Lourivaldo Rinco de Oliveira Nome do ponto focal: José Carlos Marcondes

Leia mais

Taubaté (São Paulo), Brazil

Taubaté (São Paulo), Brazil Taubaté (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: José Bernardo Ortiz Monteiro Júnior Nome do

Leia mais

Caçapava (São Paulo), Brazil

Caçapava (São Paulo), Brazil Caçapava (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Henrique Lourivaldo Rinco de Oliveira Nome

Leia mais

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Eduardo da Costa Paes Nome do ponto focal: Márcio Motta Organização:

Leia mais

Campos do Jordão (São Paulo), Brazil

Campos do Jordão (São Paulo), Brazil Campos do Jordão (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Frederico Guidoni Scaranello Nome do ponto focal: Wander Firmino

Leia mais

Monte Mor (São Paulo), Brazil

Monte Mor (São Paulo), Brazil Monte Mor (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: THIAGO GIATTI ASSIS Nome do ponto focal:

Leia mais

Santos (São Paulo), Brazil

Santos (São Paulo), Brazil Santos (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Paulo Alexandre Barbosa Nome do ponto focal:

Leia mais

Guarujá (São Paulo), Brazil

Guarujá (São Paulo), Brazil Guarujá (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Maria Antonieta de Brito Nome do ponto focal: Ademir de Araújo Altmann Organização:

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

Academia Brasileira de Ciências Simpósio sobre Desastres Naturais

Academia Brasileira de Ciências Simpósio sobre Desastres Naturais Academia Brasileira de Ciências Simpósio sobre Desastres Naturais Brasil CAMPINAS Fundação: 14 de julho de 1774 População: 1.144.862 Área: 796 km² Altitude: 654 m Hospitais: 32 Agências bancárias: 229

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança PREFEITURA DUQUE DE CAXIAS Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança Uma Estratégia de Ação para Capacitar e Treinar Servidores, Líderes Comunitários e Voluntários

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

DIRETRIZES S NA PLENÁRIA FINAL DA 1 A CNDC Grupo 01 - Tema: Capacitação 1) Qualificação profissional e formação educacional nos cursos BR.1D.CVF.2376 médios e superiores, nas suas respectivas áreas de

Leia mais

PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR

PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR CASA MILITAR Chefe da Casa Militar e Coordenadoria Estadual de Defesa Civil Gabinete Operações Defesa Civil Administrativo DEFESA CIVIL Coordenadoria Estadual de Defesa Civil

Leia mais

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos GABINETE DO GOVERNADOR CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Dezembro / 2007 POLÍTICA E PROGRAMAS PARA A DEFESA CIVIL DO ESTADO

Leia mais

Região Serrana do Rio de Janeiro CARE Brasil Novembro/ 2011 a Janeiro/2012

Região Serrana do Rio de Janeiro CARE Brasil Novembro/ 2011 a Janeiro/2012 Região Serrana do Rio de Janeiro CARE Brasil Novembro/ 2011 a Janeiro/2012 MOBILIZAÇÃO, RESULTADOS E PERSPECTIVAS FUTURAS Há um ano a CARE Brasil vem atuado na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

A Experiência de Santa Catarina frente aos Desastres Naturais

A Experiência de Santa Catarina frente aos Desastres Naturais A Experiência de Santa Catarina frente aos Desastres Naturais Carlos Alberto de Araújo Gomes Júnior Santa Catarina O QUE É DESASTRE? O BÁSICO: REFERÊNCIAS MULTILATERAIS ESTRATÉGIA INTERNACIONAL DE REDUÇÃO

Leia mais

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZ DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL TÍTULO PRODUTO TIPO DE META 2013 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados ORÇAMENTÁRIA 95% 0001 GESTÃO

Leia mais

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED Universidade Federal de Santa Catarina UFSC As características do CEPED Visão multidisciplinar; Interação com os problemas

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC Dezembro/ 2007 + 1º trimestre 2008 ENCHENTES (Inund. Graduais) ENXURRADAS (Inund. Bruscas) ALAGAMENTOS e DESLIZAMENTOS Dez/2007 A atuação em Defesa Civil está

Leia mais

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010.

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010. 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados Percentual 95% 0001 GESTÃO LEGISLATIVA E CIDADANIA 2002 Processamento Legislativo Ações Realizadas Percentual 95% 2003 Modernização Administrativa Gestão

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes.

Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes. Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até o dia 10 de setembro de 2014 www.100resilientcities.org/challenge Perguntas Frequentes Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes. Qual é a

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 031 Ação Legislativa 0001 - Execução da Ação Legislativa Manutenção das Atividades Legislativas FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006 - Defesa Jurídica do Município

Leia mais

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Seminário Estadual Sobre Emergência Ambiental Belo Horizonte, 02 e 03 de

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013.

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013. A Atuação Secretaria Nacional de Defesa Civil - SEDEC na Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais e o Projeto Mapeamento de Áreas de Risco Rafael Schadeck Diretor Cenad/Sedec/MI Seminário Internacional

Leia mais

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Implantar o Plano Diretor. Implantar o Orçamento participativo. Valorização pessoal do funcionário público municipal. Implantação

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do Trabalho DEFESA CIVIL QUALIDADE DE VIDA Nome do Autor Cel. Res. PM Marco Antonio Archangelo CURRÍCULO DO AUTOR Cargo Atual Diretor

Leia mais

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato Programa Mínimo de Governo de João Pavinato João Pavinato e Cidinha Pascueto, candidatos a prefeito e vice-prefeita, respectivamente, da coligação A Vitória do Povo, formada pela união dos partidos PSDB,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 31 Ação Legislativa 0001- Execução da Ação Legislativa 2001 - Manutenção das Atividades Legislativas da Câmara Municipal FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006- Defesa

Leia mais

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente p Relatório Consulta Bico do Papagaio Oficinas 279 pessoas se credenciaram para participar das oficinas na cidade de Tocantinópolis. Foi solicitado à elas que elencassem as demandas e problemas regionais.

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL Luís Carvalho Promotor Nacional da UNISDR Cidades Resilientes Making Cities Resilient Campaign Advocate ÍNDICE 1. EVOLUÇÃO DA

Leia mais

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL - SMPDC. Administração: SECRETARIA MUNICIPAL DA INFRAESTRUTURA E DEFESA CIVIL - SINDEC

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL - SMPDC. Administração: SECRETARIA MUNICIPAL DA INFRAESTRUTURA E DEFESA CIVIL - SINDEC SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL - SMPDC Natureza Jurídica: SISTEMA Administração: SECRETARIA MUNICIPAL DA INFRAESTRUTURA E DEFESA

Leia mais

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer?

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? PREFEITO GILBERTO KASSAB SECRETARIA DAS SUBPREFEITURAS 11.500 funcionários zelando pela cidade 31 subprefeituras ATUAÇÃO: Uso e ocupação do solo Obras

Leia mais

DEFESA DEFESA CIVIL CIVIL

DEFESA DEFESA CIVIL CIVIL DEFESA CIVIL Dicas de Segurança Governo do Estado do Rio Grande do Sul Gabinete de Governo - Casa Militar Prefeitura Municipal de Balneário Pinhal Coordenadoria Estadual de Defesa Civil Coordenadoria Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO Cria e regulamenta a Brigada de Incêndio e Emergência do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE CONSERVAÇÃO E SERVIÇOS PÚBLICOS SUBSECRETARIA

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

LEI Nº 2004 DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015

LEI Nº 2004 DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015 LEI Nº 2004 DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre benefícios eventuais concedidos pela Assistência Social do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo e dá outras providências. O povo do Município de São

Leia mais