SLADB: Acordo de Nível de Serviço para Banco de Dados em Nuvem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SLADB: Acordo de Nível de Serviço para Banco de Dados em Nuvem"

Transcrição

1 SLADB: Acordo de Nível de Serviço para Banco de Dados em Nuvem Flávio R. C. Sousa, Leonardo O. Moreira, Javam C. Machado Universidade Federal do Ceará - Brasil Abstract. Computação em nuvem é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços sob demanda com pagamento baseado no uso. Neste ambiente, a qualidade do serviço é uma característica fundamental que deve ser fornecida pelos provedores. Existem muitos modelos para acordo de nível de serviço em nuvem. Entretanto, estes modelos são muito gerais e não abordam características do gerenciamento de dados em nuvem. Este artigo propõe o SLADB, uma abordagem de SLA para serviços de banco de dados em nuvem. Esta abordagem auxilia os provedores na implementação da qualidade do serviço de banco de dados e contempla diferentes aspectos, tais como tempo de resposta, vazão, disponibilidade e consistência. Visando avaliar o SLADB, alguns experimentos que medem a qualidade do serviço são apresentados. Categories and Subject Descriptors: H.Information Systems [H.m. Miscellaneous]: Databases Keywords: Banco de Dados, SLA, Qualidade do serviço 1. INTRODUÇÃO Computação em nuvem é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação (TI) sob demanda com pagamento baseado no uso. Sistemas de gerenciamento de banco de dados (SGBDs) 1 são candidatos potenciais para a implantação em nuvem. Isso ocorre porque, em geral, as instalações destes sistemas são complexas e envolvem uma grande quantidade de dados, ocasionando um custo elevado, tanto em hardware quanto em software. Para muitas empresas, especialmente para startups e médias empresas, o pagamento baseado no uso do modelo de computação em nuvem, juntamente com o suporte para manutenção do hardware é muito atraente [Abadi 2009]. Na nuvem, o usuário do serviço tem algumas garantias, tais como desempenho e disponibilidade. Essas garantias de qualidade do serviço (QoS) são denidas entre o provedor do serviço e o usuário e expressas por meio de um acordo de nível de serviço (SLA) [Chi et al. 2011]. Este acordo consiste de contratos que especicam um nível de qualidade que deve ser atendido e penalidades em caso de falha. Muitas empresas dependem de SLA, por exemplo, para exibir uma página web dentro de um determinado intervalo de tempo. Essas empresas esperam que os provedores de nuvem forneçam garantias de qualidade utilizando SLAs com base em características de desempenho. Contudo, em geral, os provedores baseiam seus SLAs apenas na disponibilidade dos serviços oferecidos, ao passo que os serviços em nuvem apresentam uma variabilidade de desempenho bastante elevada. Portanto, é essencial que os provedores ofereçam SLAs baseados em desempenho para os usuários [Schad et al. 2010]. Para muitos sistemas, a maior parte do tempo de processamento das requisições está associada ao SGBD (em vez do servidor web ou servidor de aplicação). Dessa forma, é importante que a qualidade seja aplicada no SGBD para controlar o tempo de processamento [Schroeder et al. 2006]. 1 SGBD refere-se um uma classe geral de armazenamento de dados, incluindo sistemas não-relacionais. 155

2 132-2 F.R.C Sousa, L. O. Moreira e J. C. Machado Existem muitos modelos para SLA e qualidade de serviço em nuvem [Fito et al. 2010], [Malkowski et al. 2010] [Schnjakin et al. 2010]. Entretanto, estes modelos são muito gerais e não tratam características do gerenciamento de dados em nuvem. Modelos para SLAs e qualidade especícos para serviços de banco de dados propõem soluções neste contexto [LSCR 2011] [Yang et al. 2009] [Xiong et al. 2011] [Chi et al. 2011]. Contudo, estes modelos não contemplam alguns aspectos do gerenciamento de dados em nuvem, tais como métricas especícas para serviços de banco de dados em nuvem e propõem apenas parte de uma solução para qualidade, por exemplo, a denição de um SLA ou abordagens para penalidades. Além disso, estes trabalhos não utilizam técnicas ecazes de monitoramento especícas para SGBDs, fundamentais para tratar a elasticidade do ambiente de computação em nuvem. De acordo com nosso estudo, não existem soluções que abordem este problema, enquanto trabalhos anteriores se concentram apenas em alguns aspectos deste problema. Para solucionar este problema, este trabalho propõe o SLADB, uma abordagem de SLA para serviços de banco de dados em nuvem. Esta abordagem auxilia os provedores na implementação da qualidade do serviço de banco de dados e contempla diferentes aspectos, tais como tempo de resposta, vazão, disponibilidade e consistência. Visando avaliar o SLADB, alguns experimentos que medem a qualidade do serviço são apresentados. Este artigo está organizado da seguinte forma. Na seção 2, o SLADB é apresentado e suas características são discutidas. A implementação da solução é descrita na seção 3. Alguns experimentos que avaliam a qualidade do serviço são apresentados na seção 4. A seção 5 comenta sobre os trabalhos relacionados e, nalmente, a seção 6 contém as conclusões. 2. SLADB O SLADB é uma abordagem de SLA para serviços de banco de dados em nuvem. Esta abordagem contempla diferentes aspectos do gerenciamento de dados e é orientada ao lucro, o que faz o provedor fornecer um serviço com qualidade. O SLADB é uma solução completa para auxiliar a qualidade do serviço, pois aborda diferentes questões, tais como denição do SLA, técnicas de monitoramento e penalidades. O SLADB combina diferentes técnicas de monitoramento, permitindo a melhoria dos serviços de banco de dados em nuvem. 2.1 Especicação SLAs devem reetir o valor econômico, as exigências de serviço do usuário, descrever as condições comuns de negócios, tais como métricas de avaliação, contabilidade e questões jurídicas, prazos de contrato, bem como aspectos técnicos de desempenho e disponibilidade [Malkowski et al. 2010]. Este trabalho trata apenas de aspectos técnicos relacionados a estas métricas e sua avaliação. As propostas para SLAs apresentam muitas diferenças, mas é possível identicar uma estrutura geral para o SLA: informações sobre as partes envolvidas, parâmetros do SLA, métricas utilizadas para calcular os parâmetros do SLA, algoritmo para calcular os parâmetros do SLA, objetivo de nível de serviço (SLO) e ações a serem tomadas em caso de violação do acordo [Schnjakin et al. 2010]. Este trabalho propõe a seguinte denição: Denição 1.1: Um SLA para Serviço de Banco de Dados em Nuvem é composto por informações das partes envolvidas, métricas do SLA, SLOs, algoritmos para calcular as métricas do SLA e penalidades. Informações sobre as partes envolvidas referem-se ao contrato entre o provedor e o cliente. As métricas do SLA estão relacionadas aos itens a serem monitorados (ex. tempo de resposta e vazão) e o SLO contém os limites pré-denidos para o parâmetro (ex. tempo de reposta menor do que 5 ms). Para cada parâmetro é denido uma forma de calculá-lo (ex. tempo médio) e penalidades referentes a ações em caso de não conformidade dos SLOs (ex. multa). De acordo com [Chi et al. 2011], as métricas de SLA para serviços de banco de dados em nuvem devem otimizar o sistema, tratar aspectos relevantes para o gerenciamento de dados e contemplar 156

3 SLADB: Acordo de Nível de Serviço para Banco de Dados em Nuvem as características do modelo de computação em nuvem. O SLADB utiliza as métricas de tempo de resposta, vazão, disponibilidade e consistência O SLADB dene estas métricas como fundamentais para o gerenciamento de serviços de banco de dados em nuvem. Entretanto, é importante ressaltar que o provedor de serviço pode optar por fornecer apenas algumas destas métricas no seu SLA, visto que existem métricas relacionadas, por exemplo, tempo de resposta e vazão. Para cada métrica, está associado um SLO, conforme destacado abaixo. Tempo de reposta: o tempo de resposta máximo, em segundos, para cada consulta, durante um período de tempo t. Vazão: o rendimento mínimo, em transações por segundo, durante um período de tempo t. Disponibilidade: a fração máxima de consultas rejeitadas ao longo de um período de tempo t. Consistência: o acesso a dados atualizados de acordo com o tipo de consistência: forte ou fraca. No SLADB, o SLA é orientado ao lucro. O SLA orientado ao lucro apresenta um funcionamento conável dos sistemas, pois o provedor está motivado para prestar o serviço com uma qualidade elevada. Nos casos onde o provedor não é capaz de atender o SLA, este é incentivado a continuar a prestar o serviço até obter o lucro. Para denir o lucro, o SLA considera três parâmetros: receita, custo e penalidades. A receita ou preço é o valor pago pelo cliente ao provedor para cumprir um SLA S i de um determinado serviço. O custo operacional são os gastos do provedor para a execução de um serviço com um SLA S i especicado, por exemplo, o custo com a infraestrutura. Dessa forma, o lucro consiste na receita obtida menos o custo mais as somas de todas as penalidades, conforme mostra a fórmula a seguir. Lucro = Receita (Custo + P enalidades) (1) A penalidade ou multa é o valor pago pelo provedor ao cliente, se o SLA S i não é cumprido. Por exemplo, no Google AppEngine 2, Microsoft Azure 3 ou Amazon S3 4, se a disponibilidade car abaixo de 99,9%, em seguida, os clientes recebem um crédito no serviço de acordo com a qualidade do serviço e proporcional a receita. Da mesma forma, o tempo de resposta é fundamental para garantir a qualidade do serviço e pode incorrer em penalidades em alguns modelos de serviços [Xiong et al. 2011]. No SLADB, a penalidade é a razão entre a soma de todas as consultas violadas pelo total de consultas multiplicado pela receita do sistema, de acordo com a fórmula abaixo. P enalidades = consultas_violadas consulta Receita (2) Com isso, pode-se denir uma função de satisfação para o SLA, conforme apresentado abaixo. A função é atendida, caso o SLA S i seja satisfeito, ou seja, todos os SLOs do SLA S i sejam satisfeitos e, não é atendida, caso contrário. { 1 se SLA Si é satisfeito F SS(Si) = (3) 0 se SLA Si é violado 2.2 Monitoramento das métricas do SLA Do ponto de vista do usuário, um serviço de banco de dados executa bem se os requisitos de desempenho e disponibilidade que o usuário se preocupa são cumpridos. Um primeiro ponto é traduzir os

4 132-4 F.R.C Sousa, L. O. Moreira e J. C. Machado requisitos de desempenho denidos pelo usuário em um conjunto comum de métricas que podem ser obtidos por meio do monitoramento. Exemplos de tais métricas incluem o tempo de resposta e vazão. O tempo de resposta médio é uma das formas mais comuns para vericar a qualidade do serviço. Contudo, em muitos contextos, é importante estabelecer metas mais gerais para o QoS [Schroeder et al. 2006], tais como o percentil, onde x% dos tempos de resposta são inferiores a um valor y. O percentil é solicitado pelos usuários como componente de um SLA, por exemplo, para garantir que pelo menos 90% das transações dos clientes tenha um tempo de resposta abaixo de um limite especi- cado [Entrialgo et al. 2011]. Para cada métrica do SLA, pode-se utilizar um algoritmo para calcular as métricas do SLA. O SLADB utiliza a seguinte estratégia: Tempo de reposta: percentil x% dos tempos de resposta inferiores a um valor y durante um período de tempo t. Vazão: percentil z% de vazão maiores a um valor k durante um período de tempo t. Disponibilidade: função atendido/não-atendido de acordo com a fórmula MTTF/(MTTF + MTTR), onde MTTF - Mean Time Between Fail e MTTR - Mean Time To Repair. Consistência: função atendido/não-atendido. O SLADB utiliza o intervalo de tempo de uma hora para vericar as penalidades do SLA, visto que este valor é utilizado pela maioria dos provedores para a tarifação de recursos. Para denir os limites de monitoramento, o SLADB adota estados para o SLA, conforme mostra a Figura 1. Fig. 1. Estados do SLA. Baixo: O SLA é menor do que o denido pelo cliente. Neste estado, recursos podem ser removidos do sistema. Denido: O nível denido é dividido em ideal e tolerável. Na faixa ideal, o SLA é mantido dentro um intervalo aceitável. Na faixa tolerável, o sistema intensica o monitoramento de forma a denir a adição de recursos. Falha: Neste nível, ocorreu uma falha em relação ao SLA. Neste caso, o provedor é penalizado de acordo com a quantidade de consultas no nível de falha e novos recursos devem ser adicionadas rapidamente para retornar ao nível denido. Devido à sua representatividade, o tempo de resposta e a vazão são métricas de desempenho de alto nível que precisam ser obtidas e analisadas. Os valores dessas métricas são dependentes do estado do SGBD. Quando este não está sobrecarregado, os valores são quase constantes. Entretanto, quando o SGBD está sobrecarregado, os valores crescem linearmente e depois, exponencialmente. Assim sendo, é necessário ter mecanismos ecazes para detectar a aumento ou diminuição destes valores [Malkowski et al. 2010]. Existem vários métodos para avaliar o desempenho de serviços em nuvem. Contudo, a natureza aleatória da demanda do usuário e as mudanças constantes na carga de trabalho ao longo do tempo tornam muito difíceis o planejamento de capacidade em um curto período de tempo. Isso ocasiona alguns problemas: (i) a carga de trabalho muda constantemente, implicando na atualização contínua da conguração do sistema e este cará sobrecarregado devido à execução dos procedimentos de adição e remoção de recursos; (ii) a quantidade e a precisão de dados coletados deve reetir o estado 158

5 SLADB: Acordo de Nível de Serviço para Banco de Dados em Nuvem atual do sistema. O tempo de resposta e vazão do serviço podem variar muito em curtos períodos de tempo e é necessário ltrar essa variabilidade para obter um padrão regular e evitar adição ou remoção de recursos. O SLADB combina diferentes técnicas de monitoramento para tratar essa variabilidade. O monitoramento não pode ser realizado com intervalos muito curtos ou grandes de tempo. Dessa forma, a coleta é realizada seis vezes com o intervalo de 10 segundos. Para cada coleta, o SLADB calcula a mediana e desvio-padrão. As três medianas com menor desvio são selecionadas para obter os valores nais a serem armazenados. Com estes valores, aplica-se uma média ponderada exponencial X t = α X t + (1 - α) X t 1, onde α é o fator de ponderação (0 α 1). Nesta média, os valores mais recentes têm maior peso, como peso declinando exponencialmente à medida que esses valores se tornam ultrapassados. O fator de ponderação pode ser determinado experimentalmente, utilizando uma combinação de benchmarks com cargas articiais e aplicações com cargas reais. 3. ARQUITETURA DO SISTEMA E IMPLEMENTAÇÃO Para fornecer qualidade do serviço m-a-m para serviços web, é essencial incorporar todos os componentes da arquitetura web, ou seja, servidor web, servidor de aplicação e camada de banco de dados. O SLADB foi projetado para facilitar futuras extensões de qualidade do serviço para toda a arquitetura web. Por isso, todas as características do SLA e monitoramento estão agrupados em um coordenador. Assim, este coordenador pode ser facilmente estendido para monitorar a execução global de serviço web e não apenas na camada de banco de dados. A arquitetura do SLADB é dividida em duas partes: Agente e Coordenador. O Coordenador é composto por dois serviços: Monitoramento e SLA. O Agente é um componente presente em cada VM e é responsável por interagir com a VM e o SGBD. Especicamente, este agente coleta, monitora e interage com o SGBD, bem como verica o estado dos itens monitorados, por exemplo, se os mesmos estão operacionais ou indisponíveis. Uma visão geral da arquitetura do SLADB pode ser observada na Figura 2. Fig. 2. Arquitetura do SLADB. O Serviço de Monitoramento gerencia as informações coletadas pelo Agente. Este serviço monitora informações sobre cada VM e SGBD. Essas informações são armazenadas em um catálogo e utilizadas para denir a adição ou remoção de recursos e ajustes no SGBD de forma a garantir a qualidade do serviço. Para cada SGBD são monitorados as informações sobre os recursos de CPU, memória e tamanho das bases de dados utilizadas, assim como as métricas do SLA. O Serviço de SLA contém informações sobre o acordo de nível de serviço acertado entre o usuário e o provedor do serviço. Este serviço fornece métricas para o Serviço de Monitoramento vericar os valores denidos. As métricas do SLA são calculadas diretamente no provedor de serviço, pois seria complexo realizar medições no cliente em virtude das variações na qualidade da conexão. Contudo, muitos provedores de Internet fornecem soluções para melhorar a qualidade da conexão, por exemplo, Virtual Private Network(VPN), que podem ajudar na qualidade geral do serviço. 159

6 132-6 F.R.C Sousa, L. O. Moreira e J. C. Machado Em relação a denição dos SLAs, estes são normalmente escritos em uma linguagem natural e de forma simples. Entretanto, para permitir processamento e automação é necessária a utilização de uma linguagem formal que seja exível para expressar as necessidades dos clientes e informações dos provedores. Existem algumas linguagens para denir SLA, principalmente para serviços web, tais como WSLA, WSOL ou SLAang [Schnjakin et al. 2010]. O SLADB utiliza uma versão simplicada da linguagem WSLA para lidar com a gestão dos SLAs. A linguagem WSLA consiste de uma linguagem extensível baseada em XML Schema e permite SLAs individuais e personalizados. 4. AVALIAÇÃO A avaliação de serviços de banco de dados em nuvem apresenta diferenças signicativas em relação aos sistemas atuais que utilizam provisionamento estático. Sistemas com provisionamento estático pressupõem a existência de congurações xas de recursos e tem como objetivo maximizarem o desempenho ou disponibilidade. Essa visão não considera os custos operacionais do sistema. Entretanto, o modelo de pagamento baseado no uso da computação em nuvem requer que custos operacionais sejam considerados juntamente com o desempenho. No ambiente em nuvem, o objetivo é minimizar ou ajustar a quantidade de recursos necessários para garantir a qualidade do serviço. A diversidade de sistemas em nuvem e a forma como estes sistemas são construídos (ex. modelo de dados, níveis de consistência, linguagem de acesso) diculta o desenvolvimento de um benchmark padrão. Existem alguns benchmarks para avaliar SGBDs executados em nuvem. Contudo, cada benchmark elenca um conjunto de pressupostos próprios, o que diculta sua utilização. Mais detalhes sobre a avaliação de serviços de banco de dados em nuvem podem ser obtidos em [Sousa et al. 2010]. 4.1 Ambiente Para estes experimentos foi utilizado o provedor Amazon [Amazon 2011] com três máquinas virtuais do tipo small. Cada máquina possui o sistema operacional Ubuntu e duas máquinas possuem o SGBD MySQL 5.5. A outra máquina possui um benchmark com o objetivo de gerar a carga de trabalho a ser executada pelo SLADB. Este benchmark foi desenvolvido baseado no BenchmarkSQL [BSQL 2011], uma implementação em Java do TPC-C [TPC 2011]. Este benchmark diferencia-se do TPC-C em dois aspectos: (a) adição e remoção de clientes em tempo de execução, o que permite avaliar a elasticidade e qualidade do serviço e (b) distribuição da carga de trabalho entre as máquinas, possibilitando a avaliação de um ambiente distribuído. O benchmark permite gerar as transações de acordo com os parâmetros denidos, enviar para o SLADB e coletar os resultados ao nal da cada execução. A concorrência de transações é simulada usando múltiplos clientes. 4.2 Experimentos Para avaliar o SLADB, foram executados experimentos para vericar a conformidade da abordagem proposta, incluindo questões de penalidades. Os seguintes valores dos parâmetros do SLA foram denidos: tempo de reposta menor que 0.5 segundos, disponibilidade 99,9%, consistência forte e percentil do tempo de resposta em 90%. Como o tempo de resposta foi utilizado como métrica de desempenho, optou-se por não utilizar a vazão neste experimento. De acordo com o benchmark TPC- C, foi gerada uma base de dados com aproximadamente 500 MB e 6 numwarehouses, que permite conectar até 60 clientes. Para implementar a qualidade do serviço, nos casos de falha do SLA, foi realizada a adição de novos recursos ao sistema. Neste caso, utilizou-se uma máquina virtual com uma réplica total do banco de dados. Com isso, é possível dividir a carga de trabalho entre as máquinas e garantir a qualidade. Para analisar a execução do SLADB, foi realizado um experimento variando o número de clientes ao longo de um intervalo de tempo. O experimento consistiu em executar o sistema com 30 clientes por um período de 20 minutos, depois com 60 clientes por 20 minutos. Por m, o sistema é executado 160

7 SLADB: Acordo de Nível de Serviço para Banco de Dados em Nuvem novamente com 30 clientes pelo mesmo período, totalizando 60 minutos. A Figura 3 apresenta a variação da métrica de tempo de resposta do SLA. Fig. 3. Gráco da Métrica de Tempo de Resposta do SLA. A Figura 3 (a) mostra o resultado da avaliação com provisionamento estático. Inicialmente, o SLA ca no estado denido. O tempo de resposta do SLA aumenta após os 20 primeiros minutos, pois foram adicionados novos clientes neste momento. Isso altera o tempo de resposta e o SLA passa para o estado de falha, ocasionando em penalidades para o provedor do serviço até a diminuição da quantidade de clientes, que ocorre após os 20 minutos seguintes. A Figura 3 (b) mostra o resultado com o provisionamento dinâmico utilizando o SLADB. De forma similar a Figura 3 (a), o SLA ca no estado denido. Com a adição de clientes, o tempo do SLA aumenta e o SLA passa para o estado de falha. Entretanto, o SLADB identica essa alteração e adiciona uma nova máquina com uma réplica do banco de dados, que pode receber parte das requisições dos clientes. Com isso, o sistema retornar para o estado denido, evitando novas penalidades. As métricas de disponibilidade e consistência foram atendidos. Considere um exemplo com custos reais de um provedor de um serviço de banco de dados em nuvem, neste caso, o Xeround 5. O Xeround tem um custo aproximado de k dólares por hora de utilização da infraestrutura da Amazon e recebe dos seus clientes uma receita de 4*k dólares por hora de utilização. No experimento apresentado, supondo que o provedor Xeround adotasse a abordagem do SLADB para garantir a qualidade do serviço, seria melhor adicionar uma nova máquina com um banco de dados, aumentando o custo em k dólares. Considerando que a abordagem do SLADB não fosse adotada, o Xeround deveria pagar a penalidade de (2/3) *4*k (i.e. corresponde a 2/3 das consultas que violaram o SLA multiplicado pela receita). 5. TRABALHOS RELACIONADOS Em [Yang et al. 2009] é apresentado uma plataforma que utiliza a denição de SLA para banco de dados considerando vazão e disponibilidade. Contudo, este trabalho não mostra como calcular as métricas do SLA nem as penalidades em caso de falhas. [Balazinska et al. 2011] discutem diferentes modelos de preço para serviços de dados em nuvem, mas não apresentam denições de SLA. Em [Zhu et al. 2011] é apresentada uma abordagem para escalonamento com o objetivo de fornecer qualidade do serviço. São apresentados um modelo de qualidade e SLA para sistemas de banco de dados que utilizam o modelo chave/valor, incluindo penalidades. Este trabalho foca em políticas de escalonamento, não trata questões de lucro e pode ser utilizado apenas em abordagens que utilizam a abordagem chave/valor. [Chi et al. 2011] propõem um framework para apoiar a tomada de decisão orientada ao lucro. Este framework utiliza uma nova estrutura de dados denominada SLA-tree com o objetivo de apoiar as

8 132-8 F.R.C Sousa, L. O. Moreira e J. C. Machado decisões em serviços de banco de dados em nuvem, tais como escalonamento e planejamento de capacidade. O SLA é denido para cada consulta do sistema. A utilização de SLA por consulta torna sua utilização complexa, pois o usuário necessita conhecer previamente todas as consultas para denir o SLA. Além disso, essa abordagem utiliza como métrica apenas o tempo de reposta e não considera penalidades. Em [Xiong et al. 2011] é apresentado o SmartSLA, um sistema de gerenciamento inteligente de recursos, que considera fatores de custo, carga de trabalho e custo da infraestrutura. Este trabalho dene um SLA por consulta e penalidades em caso de falhas. De forma similar ao trabalho [Chi et al. 2011], a utilização do SLA por consulta torna sua utilização complexa e apenas a métrica de tempo de reposta é considerada. 6. CONCLUSÃO Este trabalho apresentou o SLADB, uma abordagem de SLA para serviços de banco de dados em nuvem. Esta abordagem é orientada ao lucro e contempla diferentes aspectos, tais como tempo de resposta, vazão, disponibilidade e consistência. Avaliou-se o SLADB considerando características de qualidade do serviço. Pela análise dos resultados obtidos, foi possível vericar que o SLADB contempla as características de um serviço de banco de dados em nuvem e pode ser utilizado por provedores para melhor a qualidade dos serviços. Como trabalhos futuros pretende-se realizar novos experimentos considerando novos cenários para avaliar melhor o SLADB. Em seguida, pretende-se estudar novas estratégias de monitoramento, penalidades e modelos de custo a serem adicionados a este trabalho. Agradecimentos Este trabalho é suportado parcialmente pela Amazon Web Services Research Grant. REFERENCES Abadi, D. J. Data management in the cloud: Limitations and opportunities. IEEE Data Eng. Bull. vol. 32, pp. 312, Amazon. Amazon AWS, Balazinska, M., Howe, B.,, and Suciu, D. Data markets in the cloud: An opportunity for the database community. PVLDB, BSQL. BenchmarkSQL, Chi, Y., Moon, H. J., Hacigümü³, H., and Tatemura, J. Sla-tree: a framework for eciently supporting sla-based decisions in cloud computing. In EDBT '11. ACM, New York, NY, USA, pp , Entrialgo, J., García, D. F., García, J., García, M., Valledor, P., and Obaidat, M. S. Dynamic adaptation of response-time models for qos management in autonomic systems. J. Syst. Softw. vol. 84, pp , May, Fito, J. O., Presa, I. G., and Guitart, J. Sla-driven elastic cloud hosting provider. PDP, Euromicro'10 vol. 0, pp , LSCR. SLA for database projects, Malkowski, S., Hedwig, M., Jayasinghe, D., Pu, C., and Neumann, D. Cloudxplor: a tool for conguration planning in clouds based on empirical data. In SAC '10. ACM, New York, NY, USA, pp , Schad, J., Dittrich, J., and Quiané-Ruiz, J.-A. Runtime measurements in the cloud: Observing, analyzing, and reducing variance. PVLDB 3 (1): , Schnjakin, M., Alnemr, R., and Meinel, C. Contract-based cloud architecture. In CloudDB '10. ACM, New York, NY, USA, pp. 3340, Schroeder, B., Harchol-Balter, M., Iyengar, A., and Nahum, E. Achieving class-based qos for transactional workloads. In ICDE '06. IEEE Computer Society, Washington, DC, USA, pp. 153, Sousa, F. R. C., Moreira, L. O., Macêdo, J. A. F., and Machado, J. C. Gerenciamento de dados em nuvem: Conceitos, sistemas e desaos. In SBBD'10. SBC, Belo Horizonte, pp , TPC. Transaction Processing Performance Council, Xiong, P., Chi, Y., Zhu, S., Moon, H. J., Pu, C., and Hacigümüs, H. Intelligent management of virtualized resources for database systems in cloud environment. In ICDE'11. pp. 8798, Yang, F., Shanmugasundaram, J., and Yerneni, R. A scalable data platform for a large number of small applications. In CIDR pp. 110, Zhu, Y., Sharaf, M., and ZhouWelsh, X. Scheduling with freshness and performance guarantees for web applications in the cloud. In ADC,

Analisando o Desempenho de Banco de Dados Multi-Inquilino em Nuvem

Analisando o Desempenho de Banco de Dados Multi-Inquilino em Nuvem Simpósio Brasileiro de Bancos de Dados - SBBD 212 Analisando o Desempenho de Banco de Dados Multi-Inquilino em Nuvem Leonardo O. Moreira, Flávio R. C. Sousa e Javam C. Machado Universidade Federal do Ceará

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

CloudSimDB: Um Simulador para o Provisionamento de Máquinas Virtuais para o Processamento de Aplicações Centradas em Banco de Dados *

CloudSimDB: Um Simulador para o Provisionamento de Máquinas Virtuais para o Processamento de Aplicações Centradas em Banco de Dados * CloudSimDB: Um Simulador para o Provisionamento de Máquinas Virtuais para o Processamento de Aplicações Centradas em Banco de Dados * Humberto Lima, Felipe Aragão, Jonas Lima, Flávio R.C. Sousa, José Maria

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço Service Level Management SLM Gerenciamento de Níveis de Serviço 1 É o balanço o entre... Qualidade dos serviços entregues Expectativa do cliente 2 Processo: Definições Service Level Management (SLM) Têm

Leia mais

AN EVALUATION OF ALTERNATIVE ARCHITECTURE FOR TRANSACTION PROCESSING IN THE CLOUD (SIGMOD)

AN EVALUATION OF ALTERNATIVE ARCHITECTURE FOR TRANSACTION PROCESSING IN THE CLOUD (SIGMOD) AN EVALUATION OF ALTERNATIVE ARCHITECTURE FOR TRANSACTION PROCESSING IN THE CLOUD (SIGMOD) Donal Krossman, Tim Kraska and Simon Loesing João Lucas Chiquito Universidade Federal do Paraná Departamento de

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Junho de 2013 Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos Jacob Ukelson Entrega de aplicativos Sumário Resumo executivo 3 Seção 1: 4 Mudando o cenário de automação

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Introdução Cloud Computing Computação Móvel SaaS, PaaS e IaaS CloudBees Diariamente arquivos são acessados, informações dos mais variados tipos são armazenadas e ferramentas

Leia mais

Estudo de Caso 22. Figura 4 Console da TEC*. *Alguns dados foram removidos atendendo a política de segurança da informação da empresa.

Estudo de Caso 22. Figura 4 Console da TEC*. *Alguns dados foram removidos atendendo a política de segurança da informação da empresa. 2 Estudo de Caso O gerenciamento de serviços é um fator crítico para a organização em análise, os processos devem garantir os acordos de níveis de serviços estabelecidos com os clientes. Destarte, a atividade

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 12 Computação em Nuvem Sumário Introdução Arquitetura Provedores

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI e Site Backup

Gerenciamento de Serviços de TI e Site Backup Gerenciamento de Serviços de TI e Site Backup ATIVAS encerra o ano como a empresa que mais cresceu no mercado brasileiro de serviços de TI ATIVAS é formalmente apresentada ao mercado CEMIG Telecom adquire

Leia mais

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Data de publicação: 1 de Dezembro de 2011 Visão Geral do Produto SQL Server 2012 é uma versão significativa do produto, provendo Tranquilidade em ambientes

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Alex D. Camargo, Érico M. H. Amaral, Leonardo B. Pinho

Alex D. Camargo, Érico M. H. Amaral, Leonardo B. Pinho COMISSÃO REGIONAL DE ALTO DESEMPENHO / RS ESCOLA REGIONAL DE ALTO DESEMPENHO / RS 15ª Edição - Abril / 2015 Framework open source simplificado para Cloud Computing Alex D. Camargo, Érico M. H. Amaral,

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

Nuvem UFRGS: IaaS como ferramenta de apoio à pesquisa

Nuvem UFRGS: IaaS como ferramenta de apoio à pesquisa Nuvem UFRGS: IaaS como ferramenta de apoio à pesquisa Éverton Didoné Foscarini, Rui de Quadros Ribeiro Universidade Federal do Rio Grande do Sul Centro de Processamento de Dados Rua Ramiro Barcelos, 2574

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

10 Dicas para uma implantação

10 Dicas para uma implantação 10 Dicas para uma implantação de Cloud Computing bem-sucedida. Um guia simples para quem está avaliando mudar para A Computação em Nuvem. Confira 10 dicas de como adotar a Cloud Computing com sucesso.

Leia mais

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos Básicos e Implementação Pref. Mun. Vitória 2007 Analista de Suporte 120 A ITIL (information technology infrastructure library) visa documentar as melhores práticas na gerência, no suporte e na

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Jonathan Brilhante(jlgapb@cin.ufpe), Bruno Silva(bs@cin.ufpe) e Paulo Maciel(prmm@cin.ufpe) Agenda 1. 2. 3. 4. 5.

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. A Union IT... 3 2. A importância de gerenciar dinamicamente infra-estrutura,

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Convergência TIC e Projetos TIC

Convergência TIC e Projetos TIC TLCne-051027-P1 Convergência TIC e Projetos TIC 1 Introdução Você responde essas perguntas com facilidade? Quais os Projetos TIC mais frequentes? Qual a importância de BI para a venda de soluções TIC (TI

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

O que é Cloud Computing?

O que é Cloud Computing? O que é Cloud Computing? Referência The Economics Of The Cloud, Microsoft, Nov. 2010 Virtualização, Brasport, Manoel Veras, Fev. 2011. 2 Arquitetura de TI A arquitetura de TI é um mapa ou plano de alto

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic CUSTOMER SUCCESS STORY Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: Globalweb Outsourcing Empregados: 600 EMPRESA A Globalweb

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO 1 / 5 ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS 1. CARGOS DE NÍVEL MÉDIO Cargo 01 Técnico em Administração Realizar atividades que envolvam a aplicação das

Leia mais

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI AGENDA Gerenciamento da Demanda Processos de Negócio Desafios e KPIs Papel do Gerenciamento da Demanda Gerenciamento

Leia mais

CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES

CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES A inteligência... é a capacidade de criar objetos artificiais, especialmente ferramentas para fazer ferramentas. ( Henri Bergson) O serviço dos agentes surge como uma prestação

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Como usar a nuvem para continuidade dos negócios e recuperação de desastres

Como usar a nuvem para continuidade dos negócios e recuperação de desastres Como usar a nuvem para continuidade dos negócios e recuperação de desastres Há diversos motivos para as empresas de hoje enxergarem o valor de um serviço de nuvem, seja uma nuvem privada oferecida por

Leia mais

Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP

Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP Parceria: Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. Parceria Union e Quest Software... 3 2. Foglight Gerenciando

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

2 Computação na Nuvem

2 Computação na Nuvem 18 2 Computação na Nuvem 2.1 Definição A ideia essencial da computação na nuvem é permitir um novo modelo onde o consumo de recursos computacionais, e.g., armazenamento, processamento, banda entrada e

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes MARACATU A component search tool Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes Vinicius Cardoso Garcia July 29, 2005 Agenda Introdução Especificação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist 05 De onde vem o termo nuvem? Business Servidores SAN WAN SAN LANs Roteador NAS Switch

Leia mais

Modelagem e Análise de Dependabilidade de Infraestruturas de Mobile Cloud Computing

Modelagem e Análise de Dependabilidade de Infraestruturas de Mobile Cloud Computing Modelagem e Análise de Dependabilidade de Infraestruturas de Mobile Cloud Computing Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br Orientador: Paulo Romero Martins Maciel 1 Agenda Objetivos Mobile cloud

Leia mais

Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli

Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli Conceitos principais Nuvem Local Dados (informações) Profissional Pessoal Procedimento padrão (modelo) Produzir Armazenar Como era... Como

Leia mais

Aluno: Tiago Castro da Silva

Aluno: Tiago Castro da Silva Faculdade Tecnodohms I Mostra de Ciência e Tecnologia Tecnologias de Virtualização para CLOUD COMPUTING Aluno: Tiago Castro da Silva CURSO: REDES DE COMPUTADORES A Computação evoluiu e Cloud Computing

Leia mais

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Este artigo introduz os conceitos de computação em nuvem, Cloud Computing, e a insere no contexto de mercado de serviços ao apresenta-la como uma

Leia mais

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL - Livros Estratégia de Serviços (Service Strategy): Esse livro

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Avaliando Imóveis Urbanos em 2 minutos Antônio Pelli Neto Eng. Civil e Mecânico INTRODUÇÃO Agenda: Conceitos básicos sobre Avaliando nas Nuvens Porque somente

Leia mais

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02 tendências CLOUD EDIÇÃO 02 Agosto/2012 CLOUD O conceito de nuvem é nebuloso Como uma organização pode contratar assertivamente Serviços em Cloud? Quais são os principais riscos de um contrato de Cloud

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO Importância da definição da Arquitetura

Leia mais

Uma Proposta de Framework de Comparação de Provedores de Computação em Nuvem

Uma Proposta de Framework de Comparação de Provedores de Computação em Nuvem Uma Proposta de Framework de Comparação de Provedores de Computação em Nuvem Igor G. Haugg Bolsista PIBITI/CNPq Orientador: Dr. Rafael Z. Frantz Área de Pesquisa Integração de Aplicações Empresariais Computação

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

Pollyanna Gonçalves. Seminário da disciplina Banco de Dados II

Pollyanna Gonçalves. Seminário da disciplina Banco de Dados II Pollyanna Gonçalves Seminário da disciplina Banco de Dados II Web 2.0 vem gerando grande volume de dados Conteúdo gerado por redes sociais, sensores inteligentes, tecnologias de colaboração, etc. Novas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

AMBIENTES DE MISSÃO CRÍTICA ORACLE COM VMAX 3

AMBIENTES DE MISSÃO CRÍTICA ORACLE COM VMAX 3 AMBIENTES DE MISSÃO CRÍTICA ORACLE COM VMAX 3 PRINCÍPIOS BÁSICOS DE MISSÃO CRÍTICA Avançado Armazenamento híbrido com níveis de serviço com desempenho otimizado por flash em escala para cargas de trabalho

Leia mais