O Instituto ABRADEE da Energia a serviço da sociedade para aprimoramento do Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Brasília 014 de outubro de 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Instituto ABRADEE da Energia a serviço da sociedade para aprimoramento do Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Brasília 014 de outubro de 2015"

Transcrição

1 O Instituto ABRADEE da Energia a serviço da sociedade para aprimoramento do Modelo do Setor Elétrico Brasileiro 1 Brasília 014 de outubro de 2015

2 Pauta 1) Por que propor um Projeto de P&D Estratégico para aprimoramento do modelo do SEB? 2) Por que desenvolver o projeto de forma cooperada e integrada? 3) Principais características do projeto (Cronograma, Escopo, Governança) 4) Próximos Passos 2

3 O que são Projetos de P&D Estratégicos? (definições da ANEEL) São aqueles cujo desenvolvimento é de interesse nacional e de grande relevância para o setor elétrico, envolvendo elevada complexidade em termos científicos e/ou tecnológicos e baixa atratividade para investimento como estratégia empresarial isolada ou individual. Além disso, necessitam esforços conjuntos e coordenados de várias empresas e entidades executoras e grande aporte de recursos financeiros. São definidos por meio de Chamadas de Projetos de P&D Estratégicos propostas pela ANEEL. 3

4 Vantagens e desvantagens de realização via P&D Vantagens: Facilita a relação entre os agentes e entes de Governo para efetivar avanços na regulamentação atual. Os investimentos e os custeios necessários são patrocinados com o orçamento de P&D dos agentes. Dada a característica de um projeto de P&D, há a possibilidade de abarcar linhas de pesquisa distintas para verificar desempenhos relativos. As desvantagens: Prazo de mobilização relevante (aproximadamente 3 6 meses, conforme o escopo). 4

5 Pauta 1) Por que propor um Projeto de P&D Estratégico para aprimoramento do modelo do SEB? 2) Por que desenvolver o projeto de forma cooperada e integrada? 3) Principais características do projeto (Cronograma, Escopo, Governança) 4) Próximos Passos 5

6 Modo de Gestão Cooperado: Benefícios e Malefícios (1/2) Linha P&D 1 Linha P&D 2 Linha P&D 3 Executora 1 Executora 2 Executora 3 Executora 4 6 6

7 Modo de Gestão Cooperado: Benefícios e Malefícios (2/2) Validação 5... n + Participação Linha P&D 1 Linha P&D 2 Integradora Linha P&D 3 + Difusão do Conhecimento Executora 1 Executora 2 Executora 3 Executora Interação

8 Modo de Gestão A experiência do Instituto ABRADEE da Energia* em Projetos de P&D *Organização da Sociedade Civil de Interesse Público 8

9 Acesso público à produção científica consolidada do projeto de P&D Foi criado link de projetos de P&D no site, onde foram disponibilizados os relatórios executivos 9

10 Sistema de Gestão do Projeto Permite o acesso à biblioteca de documentos técnicos produzidos no projeto (fichas de acompanhamento, relatórios parciais, relatórios de etapa etc), bem como aos administrativos vinculados à operação dos projetos (contratos, documentos fiscais, acompanhamento da realização financeira etc). 10

11 Pauta 1) Por que propor um Projeto de P&D Estratégico para aprimoramento do modelo do SEB? 2) Por que desenvolver o projeto de forma cooperada e integrada? 3) Principais características do projeto (Cronograma, Escopo, Governança) 4) Próximos Passos 11

12 Um primeiro croqui da concepção (1/3) Macro cronograma e principais produtos 1º produto público (2º mês) INÍCIO 2º produto público (8º mês) ETAPA 3º produto público (18º mês) RESULTADO Chamada do Projeto de P&D 2 meses 2 meses Mobilização e contratações Consulta à sociedade: principais demandas Diagnóstico setorial 4 meses 2 meses Fórum setorial: especificação de escopo dos estudos Pesquisadores participarão Pesquisa e simulações Relatório Técnico 4 meses 2 meses Validações das propostas Os juristas participarão dessa fase Aparato jurídico e minutas de regulamenta ções 2 meses 6 meses Difusão do projeto de P&D Fase de Preparação 4 meses Fase de Produção 10 meses Fase de consolidação 4 meses Fase de divulgação 6 meses 12

13 Um primeiro croqui da concepção (2/3) Marco-temas Desenvolvimento e operação da matriz eletroenergética Ambiente de negócios e governança setorial Arquitetura de mercado Financiabilidade e gestão de riscos Inovação e impactos de novas tecnologias Política tarifária, encargos e tributos 13

14 Um primeiro croqui da concepção (3/3) Modo de Gestão e Governança Associações e Agentes Setoriais Entidades civis colaborativas Conselho Consultivo Instituições convidadas Proposta alternativa para equilibrar a condição de gestão do projeto (Comitê Gestor) com a participação mais ativa de agentes e da sociedade (ampliar o rol de representantes do Conselho Consultivo e aumentar a freqüência dos encontros) Representação de consumidores + Validação 1... Coord. (MME) + Difusão do Conhecimento n + Atuação Comitê Gestor Executora 1 Executora 2 Executora 3 Executora Interação

15 Pauta 1) Por que propor um Projeto de P&D Estratégico para aprimoramento do modelo do SEB? 2) Por que desenvolver o projeto de forma cooperada e integrada? 3) Principais características do projeto (Cronograma, Escopo, Governança) 4) Próximos Passos 15

16 Próximos passos Atividade Data Prazo Reunião de Lançamento do Grupo de Trabalho 18/09/2015 D-0 Primeira Minuta de Edital Chamada Estratégica 25/09/2015 D+7 Envio ao MME/ANEEL da primeira minuta 28/09/2015 D+10 Reunião de nivelamento primeira avaliação pelo MME/ANEEL 01/10/2015 D+13 Retorno do MME/ANEEL com as sugestões de ajuste de Escopo 09/10/2015 D+21 Consolidação dos ajustes solicitados pelo MME/ANEEL 16/10/2015 D+28 Reunião para apresentação do escopo com MME, ANEEL, FASE, iabradee, CPFL 19/10/2015 D+31 Ajustes finais no escopo pós reunião 23/10/2015 D+35 Envio para ANEEL e MME versão final 26/10/2015 D+38 Sorteio do Diretor Relator do P&D Estratégico 31/10/2015 D+46 Consolidação do Edital Final da Chamada do P&D Estratégico 06/11/2015 D+49 Reunião de Fechamento do Edital 10/11/2015 D+53 Pauta para Reunião de Diretoria da ANEEL para Deliberação da Diretoria da ANEEL 12/11/2015 D+55 Data Aprovação Reunião Pública Diretoria ANEEL 17/11/2015 D+60 21/09-25/09 28/09-02/10 05/10-09/10 12/10-16/10 19/10-23/10 26/10-30/10 02/11-06/11 09/11-16/11-13/11 20/11 16

17 Obrigado! SCN - Quadra 02 -Bloco D -Torre A Sala Edifício Liberty Mall CEP Brasilia DF Brasil Tel Fax

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 3/2007 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1. Objeto 3 2. Justificativa 3 3. Diretrizes 4 3.1.

Leia mais

A Visão das Distribuidoras para a Implantação das Redes Inteligentes

A Visão das Distribuidoras para a Implantação das Redes Inteligentes 1 A Visão das Distribuidoras para a Implantação das Redes Inteligentes 2 Panorama do setor de distribuição de Energia Elétrica 63 concessionárias - dados de 2012 Consumidores 72,1 milhões Nº de novas ligações/ano

Leia mais

FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA. Instituído pela Lei N.º , de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001

FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA. Instituído pela Lei N.º , de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001 FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA Instituído pela Lei N.º 10.197, de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001 Recursos: 20% dos recursos dos Fundos Setoriais, sendo pelo menos 30% destinados

Leia mais

GOVERNANÇA NO SETOR ELÉTRICO

GOVERNANÇA NO SETOR ELÉTRICO GOVERNANÇA NO SETOR ELÉTRICO Governança no Setor Elétrico Condições necessárias para suportar o desenvolvimento do país sistema elétrico eficiente custos adequados às necessidades dos consumidores e que

Leia mais

Workshop sobre Mercado Livre. Perspectivas de Médio e Longo Prazo para o Mercado Livre de Energia

Workshop sobre Mercado Livre. Perspectivas de Médio e Longo Prazo para o Mercado Livre de Energia Workshop sobre Mercado Livre Perspectivas de Médio e Longo Prazo para o Mercado Livre de Energia 1 São Paulo, 29 de junho de 2016 Pauta 1. Contexto do atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro: motivações

Leia mais

Estratégias da FINEP e seus Instrumentos de Apoio à Inovação. Prof. Oswaldo Massambani Titular da Superintendência Regional de São Paulo

Estratégias da FINEP e seus Instrumentos de Apoio à Inovação. Prof. Oswaldo Massambani Titular da Superintendência Regional de São Paulo Estratégias da FINEP e seus Instrumentos de Apoio à Inovação Prof. Oswaldo Massambani Titular da Superintendência Regional de São Paulo A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada ao MCTIC (Ministério

Leia mais

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A. Acordo de Acionistas Regimento da Interno CPFL dos Energia Comitês S.A. de Assessoramento do Atual Denominação Social Conselho da de Draft Administração II Participações S.A. da CPFL Energia S.A. 1 Sumário

Leia mais

Peculiaridades do setor elétrico brasileiro

Peculiaridades do setor elétrico brasileiro Peculiaridades do setor elétrico brasileiro Dependência Hidráulica: o setor elétrico é extremamente dependente da disponibilidade de água para geração de energia Longas linhas de transmissão Sistema Interligado

Leia mais

Chamada de Apoio a Eventos Científicos em Saúde

Chamada de Apoio a Eventos Científicos em Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Ciência e Tecnologia Chamada de Apoio a Eventos Científicos em Saúde - 2014 1) TÍTULO DO TERMO DE REFERÊNCIA:

Leia mais

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000.

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Estabelece que as concessionárias de Serviços públicos de Distribuição, Transmissão ou Geração de energia elétrica, devem aplicar, anualmente, um percentual mínimo

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Conjuntura e Perspectivas

Setor Elétrico Brasileiro: Conjuntura e Perspectivas 3 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Setor Elétrico Brasileiro: Conjuntura e Perspectivas Roberto Brandão Nivalde de Castro 14 de Abril

Leia mais

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil Ivan Camargo Assessor da Diretoria Sumário 1. Marco Regulatório Brasileiro. Resultados. 2. Atuação da Agência Nacional de Energia Elétrica. 3. Principais Desafios.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO CONCESSIONÁRIO E SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AOS CONTRATOS ORDINÁRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

INTRODUÇÃO AO MODELO CONCESSIONÁRIO E SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AOS CONTRATOS ORDINÁRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA INTRODUÇÃO AO MODELO CONCESSIONÁRIO E SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AOS CONTRATOS ORDINÁRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA AUTOSSUSTENTABILIDADE FINANCEIRA AUTONOMIA DE GESTÃO FOCO EM OBRIGAÇÕES DE RESULTADO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO DE ESTUDOS DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CEPAC

Leia mais

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras Política de Regulação das Empresas Eletrobras Versão 1.0 08/12/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Princípios... 3 4. Diretrizes... 4 5. Responsabilidades... 5 6. Disposições Gerais...

Leia mais

SGD Sistema de Gestão do Desempenho II Simpósio de Boas Práticas de Governança e Gestão de Pessoas

SGD Sistema de Gestão do Desempenho II Simpósio de Boas Práticas de Governança e Gestão de Pessoas Diretoria de Administração DA Departamento de Gestão de Pessoas DAG Divisão de Carreira e Remuneração DAGR SGD Sistema de Gestão do Desempenho II Simpósio de Boas Práticas de Governança e Gestão de Pessoas

Leia mais

Workshop de Energia da FIESP Setor Elétrico e Mecanismos de Resposta pela Demanda

Workshop de Energia da FIESP Setor Elétrico e Mecanismos de Resposta pela Demanda Workshop de Energia da FIESP Setor Elétrico e Mecanismos de Resposta pela Demanda Nelson Fonseca Leite- Presidente 1 São Paulo, 21 de junho de 2017 PAUTA. Panorama do Setor de Distribuição de Energia Elétrica

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL OUTUBRO/2009 Experiências de Conselhos e Planos Locais de Habitação

Leia mais

ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO COLÉGIO POLITÉCNICO DA UFSM

ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO COLÉGIO POLITÉCNICO DA UFSM ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO COLÉGIO POLITÉCNICO DA UFSM EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação 1 Publicização dos resultados no sítio

Leia mais

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Comunicação Institucional A Petrobras já integra o grupo das grandes companhias que adotam as melhores práticas de governança

Leia mais

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 PRINCIPAIS INDICADORES DO SETOR DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Indústria 4.0 A nova fronteira da competitividade

Indústria 4.0 A nova fronteira da competitividade Indústria 4.0 A nova fronteira da competitividade João Emilio Gonçalves Gerente Executivo - Unidade de Política Industrial Diretoria de Desenvolvimento Industrial - DDI CNI - Confederação Nacional da Indústria

Leia mais

Participação das Fontes Alternativas no PAC

Participação das Fontes Alternativas no PAC Fórum PAC Perspectivas, Impactos e Desafios na Visão dos Agentes do Setor Elétrico Participação das Fontes Alternativas no PAC Ricardo Pigatto Presidente Brasília, 22 de maio de 2007 Resumo PAC Análise

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde

Registro Eletrônico de Saúde Registro Eletrônico de Saúde Marizélia Leão Moreira GERPI - Gerência de Padronização e Interoperabilidade GGISE Gerência Geral de Integração Setoria DIDES Diretoria de Desenvolvimento Setorial ANS Agência

Leia mais

POLÍTICA DE PATROCÍNIOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Patrocínios das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE PATROCÍNIOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Patrocínios das Empresas Eletrobras Política de Patrocínios das Empresas Eletrobras Versão 2.0 19/05/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceito de Patrocínio... 3 3. Princípios... 3 4. Diretrizes... 4 4.1. Áreas de atuação... 4 4.2. Restrições...

Leia mais

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade.

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. O Baobá é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. Especializada em gestão e sociedade, com foco em sustentabilidade para os setores público e privado.

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2016 SENADO FEDERAL

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2016 SENADO FEDERAL PRESTAÇÃO DE CONTAS 2016 SENADO FEDERAL Prestação de Contas ANEEL Comissão de Infraestrutura do Senado Federação (CI) 2016 Brasília - DF 15 de junho de 2016 Diretoria Colegiada da ANEEL ESTRUTURA INSTITUCIONAL

Leia mais

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 A Abragel Possui 16 anos de atuação Congrega 252 empresas associadas Consolidadas em 70 grupos econômicos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO REDE SIBRATEC DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS PARA PRODUTOS PARA A SAÚDE. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO

REGIMENTO INTERNO REDE SIBRATEC DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS PARA PRODUTOS PARA A SAÚDE. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO Página: 1 de 5 REGIMENTO INTERNO REDE SIBRATEC DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS PARA PRODUTOS PARA A SAÚDE Capítulo I DA DENOMINAÇÃO Art. 1º A REDE DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS PARA PRODUTOS PARA A SAÚDE, também referida

Leia mais

Impactos da transferência de tecnologia como resultado da atuação dos NIT SEBRAE NACIONAL/UAITS. Adriana Dantas Gonçalves Maio de 2017

Impactos da transferência de tecnologia como resultado da atuação dos NIT SEBRAE NACIONAL/UAITS. Adriana Dantas Gonçalves Maio de 2017 Impactos da transferência de tecnologia como resultado da atuação dos NIT SEBRAE NACIONAL/UAITS Adriana Dantas Gonçalves Maio de 2017 Desafios e eixos de atuação Transversalidade no atendimento Intervenção

Leia mais

Linhas de Financiamentos voltadas à Inovação

Linhas de Financiamentos voltadas à Inovação Linhas de Financiamentos voltadas à Inovação Novo Modelo Operacional Comitê de Enquadramento e Priorização Agosto 2012 Financiamento a empresas SINDIPEÇAS Agosto 2012 Orientação estratégica Público : -

Leia mais

BREVIÁRIO DO EDITAL MCTI/FINEP/FNDCT 03/2016 Ação Transversal APOIO INSTITUCIONAL

BREVIÁRIO DO EDITAL MCTI/FINEP/FNDCT 03/2016 Ação Transversal APOIO INSTITUCIONAL BREVIÁRIO DO EDITAL MCTI/FINEP/FNDCT 03/2016 Ação Transversal APOIO INSTITUCIONAL Junho/2016 CHAMADA PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT 03/2016 Ação Transversal - APOIO INSTITUCIONAL APOIO FINANCEIRO A INSTITUIÇÕES

Leia mais

Acordo de Acionistas Política da de CPFL Sustentabilidade do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas Política da de CPFL Sustentabilidade do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Política da de CPFL Sustentabilidade Energia S.A. do Grupo CPFL Energia Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 4 3. Âmbito de

Leia mais

4 5 AÇÃO LOCAL PERÍODO Reuniões periódicas da Diretoria Executiva Durante todo o ano No mínimo, 2 reuniões do Conselho de Administração Durante todo o ano No mínimo, 2 reuniões do Conselho Fiscal Durante

Leia mais

A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição

A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico Coimbra, 15 de novembro de 2016 GRUPO ENERGISA Visão Geral GRUPO ENERGISA

Leia mais

CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS

CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS - 2012 INFORMAÇÕES SOBRE A COMPANHIA Denominação Social Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica - CEEE-D Endereço da Sede Av. Joaquim Porto Villanova,

Leia mais

Fórum de Concessões Viex Américas

Fórum de Concessões Viex Américas Fórum de Concessões Viex Américas Isadora Chansky Cohen Responsável pela Unidade de PPP e Secretária Executiva do Programa de Desestatização 22/03/2017 Principais questões para o desenvolvimento de parcerias

Leia mais

POLÍTICA DE PATROCÍNIOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE PATROCÍNIOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE PATROCÍNIOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 3.0 06/02/2017 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceito... 3 3 Princípios... 3 4 Diretrizes... 4 4.1 Áreas de atuação... 4 4.2 Restrições... 5 4.3 Modalidades

Leia mais

VII FÓRUM CATARINENSE DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA

VII FÓRUM CATARINENSE DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA VII FÓRUM CATARINENSE DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA RODOLFO JOAQUIM PINTO DA LUZ PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA Treze Tílias, 10 a 12 de maio de 2017. PAPEL DO ESTADO NA GESTÃO PÚBLICA

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA FIEMG LAB ACELERA MESTRADO E DOUTORADO

EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA FIEMG LAB ACELERA MESTRADO E DOUTORADO EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA FIEMG LAB ACELERA MESTRADO E DOUTORADO O Sistema FIEMG em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

ESTRUTURA DE GOVERNANÇA NA LIGHT

ESTRUTURA DE GOVERNANÇA NA LIGHT ESTRUTURA DE GOVERNANÇA NA LIGHT Na estrutura de governança da companhia, o Fórum de Acionistas é o órgão responsável por consolidar o alinhamento das decisões dentro do grupo controlador. Ele é formado

Leia mais

Orçamento Pró Reitoria de Avaliação Institucional e Planejamento Data: Maio/2017

Orçamento Pró Reitoria de Avaliação Institucional e Planejamento Data: Maio/2017 Orçamento 2018 Pró Reitoria de Avaliação Institucional e Planejamento Data: Maio/2017 Princípio norteador Possibilitar maior inclusão da comunidade acadêmica na construção doorçamentodaufgd. 2 Captações

Leia mais

Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda

Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda Heriberto Henrique Vilela do Nascimento Analista de Finanças e Controle Coordenador de Análise Contábil Secretaria-Executiva/Ministério

Leia mais

SELEÇÃO DE PARTICIPANTES PARA SIMULAÇÃO DE REVISÃO DO BRASIL NA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

SELEÇÃO DE PARTICIPANTES PARA SIMULAÇÃO DE REVISÃO DO BRASIL NA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SELEÇÃO DE PARTICIPANTES PARA SIMULAÇÃO DE REVISÃO DO BRASIL NA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS A Clínica de Direitos Humanos da Amazônia (CIDHA), em parceria com a organização não governamental internacional

Leia mais

COELBA COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA REGULAMENTO DE PATROCÍNIO DOS PROJETOS CULTURAIS

COELBA COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA REGULAMENTO DE PATROCÍNIO DOS PROJETOS CULTURAIS COELBA COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA REGULAMENTO DE PATROCÍNIO DOS PROJETOS CULTURAIS A Coelba, uma empresa do Grupo Neoenergia, tem consciência do seu importante papel na melhoria da qualidade

Leia mais

Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência

Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução Normativa

Leia mais

Estratégia e governança [G4-34]

Estratégia e governança [G4-34] 19 Estratégia e governança [G4-34] Aos 45 anos, a Unimed-BH é uma cooperativa médica que responde por um amplo sistema de saúde. São dois focos de negócio: a operação de planos de saúde e a Rede Própria

Leia mais

Estratégias e desafios de implementação dos ODS: o olhar da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Estratégias e desafios de implementação dos ODS: o olhar da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Presidência da República Secretaria de Governo Secretaria Nacional de Articulação Social Estratégias e desafios de implementação dos ODS: o olhar da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS (JULHO à DEZEMBRO DE 2017) I. Histórico e Contexto Em 2012, associações indígenas

Leia mais

RESUMO DA CHAMADA MCTI/FINEP/FNDCT AÇÃO TRANSVERSAL APOIO INSTITUCIONAL 03/2016 APOIO A INSTITUIÇÕES DE PESQUISA NAS DIVERSAS ÁREAS DE CONHECIMENTO

RESUMO DA CHAMADA MCTI/FINEP/FNDCT AÇÃO TRANSVERSAL APOIO INSTITUCIONAL 03/2016 APOIO A INSTITUIÇÕES DE PESQUISA NAS DIVERSAS ÁREAS DE CONHECIMENTO RESUMO DA CHAMADA MCTI/FINEP/FNDCT AÇÃO TRANSVERSAL APOIO INSTITUCIONAL 03/2016 APOIO A INSTITUIÇÕES DE PESQUISA NAS DIVERSAS ÁREAS DE CONHECIMENTO EM TERRITÓRIO NACIONAL Salvador Jun/2016 1. OBJETIVO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 1ª 1 / 6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. DIRETRIZES... 2 5. GOVERNANÇA... 3 5.1 De Gerenciamento do Risco Socioambiental... 3 5.2 Das Atividades Internas... 4 5.3 Das

Leia mais

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLU ÇÃO N 0212005 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL 1)0 SESI - APROVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS - O PRESIDENTE DO DO SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL POLO NAVAL E OFFSHORE DE RIO GRANDE E ENTORNO. Rio Grande, 29 de outubro de 2013

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL POLO NAVAL E OFFSHORE DE RIO GRANDE E ENTORNO. Rio Grande, 29 de outubro de 2013 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL POLO NAVAL E OFFSHORE DE RIO GRANDE E ENTORNO Rio Grande, 29 de outubro de 2013 SUMÁRIO 1) Histórico do APL, Modelo de Governança e Projetos Prioritários 2) Plano de Desenvolvimento

Leia mais

guia do Conselho fiscal da CPfL energia

guia do Conselho fiscal da CPfL energia guia do Conselho fiscal da CPfL energia 1 Sumário I Objetivo 3 II Atividades e Responsabilidades 4 a. Principais atividades e responsabilidades do Conselho Fiscal no papel de Comitê de Auditoria 4 b. Relacionamento

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS 1. Objetivo O Comitê de Governança Corporativa e Gestão de Pessoas é um órgão acessório ao Conselho de Administração (CAD) da VIX

Leia mais

Estratégia de Governança Digital do Governo Federal

Estratégia de Governança Digital do Governo Federal Estratégia de Governança Digital do Governo Federal São Paulo, 24 de fevereiro de 2016 Agenda Contexto da TI na APF Estratégia de Governança Digital - Histórico - Conceito - Elaboração - Monitoramento

Leia mais

Smart Grid Fórum 2013

Smart Grid Fórum 2013 Smart Grid Fórum 2013 28.Novembro São Paulo Máximo Pompermayer (ANEEL) Alexandre Siciliano Esposito (BNDES) Caio Torres Mazzi (FINEP) Agenda Formulação Resultados Parciais Etapa de Carta de Manifestação

Leia mais

MODELOS DE LIDERANÇA QUE IMPACTAM NOS RESULTADOS. Nadine Clausell Presidente do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

MODELOS DE LIDERANÇA QUE IMPACTAM NOS RESULTADOS. Nadine Clausell Presidente do Hospital de Clínicas de Porto Alegre MODELOS DE LIDERANÇA QUE IMPACTAM NOS RESULTADOS Nadine Clausell Presidente do Hospital de Clínicas de Porto Alegre História do Hospital 17 de Junho de 1943: lançada pedra fundamental História do Hospital

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

TARIFA BRANCA. O qué é? Quando entra em vigor? Quem pode aderir? Quais as vantagens e as desvantagenspara o consumidor?

TARIFA BRANCA. O qué é? Quando entra em vigor? Quem pode aderir? Quais as vantagens e as desvantagenspara o consumidor? TARIFA BRANCA TARIFA BRANCA O qué é? Quando entra em vigor? Quem pode aderir? Quais as vantagens e as desvantagenspara o consumidor? Disponibilizamos aqui informações importantes sobre a Tarifa Branca,

Leia mais

TERRAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: DA AUSÊNCIA DE POLÍTICA À POLÍTICA DE PRIVATIZAÇÕES DÉBORA UNGARETTI

TERRAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: DA AUSÊNCIA DE POLÍTICA À POLÍTICA DE PRIVATIZAÇÕES DÉBORA UNGARETTI III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE GOVERNANÇA DE TERRAS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA TERRAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: DA AUSÊNCIA DE POLÍTICA À POLÍTICA DE PRIVATIZAÇÕES DÉBORA

Leia mais

Mesa Redonda da Madeira Tropical Sustentável

Mesa Redonda da Madeira Tropical Sustentável Mesa Redonda da Madeira Tropical Sustentável Rede Amigos da Amazônia Quem somos nós? 2000 Influenciar o setor público a adotar políticas responsáveis de consumo de madeira tropical Estados Amigos da Amazônia

Leia mais

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura;

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura; DECRETO Nº 24.720 DE 3 DE NOVEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a composição e o funcionamento do Conselho Estadual de Cultura - CONSEC, de que trata a Lei nº 8.319, de 12 de dezembro de 2005, e dá outras providências.

Leia mais

MEDALHA DE HONRA AO MÉRITO EM INOVAÇÃO AGROPECUÁRIA REGULAMENTO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

MEDALHA DE HONRA AO MÉRITO EM INOVAÇÃO AGROPECUÁRIA REGULAMENTO CAPÍTULO I DA FINALIDADE MEDALHA DE HONRA AO MÉRITO EM INOVAÇÃO AGROPECUÁRIA REGULAMENTO CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º A Medalha de Honra ao Mérito em Inovação Agropecuária, instituída pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia,

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS APAES E APLUB CAP

PROJETO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS APAES E APLUB CAP PROJETO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS APAES E APLUB CAP 2014 CONTROLADORIA FENAPAES-RS Projeto APLUB e Federação Nacional das APAES- Nome do projeto Projeto de apoio as Federações Estaduais dos recursos provenientes

Leia mais

Assembleia Geral Extraordinária Fundo de Investimento Imobiliário Shopping Pátio Higienópolis - FII INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS 21 / 09 / 2016

Assembleia Geral Extraordinária Fundo de Investimento Imobiliário Shopping Pátio Higienópolis - FII INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS 21 / 09 / 2016 Assembleia Geral Extraordinária Fundo de Investimento Imobiliário Shopping Pátio Higienópolis - FII INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS 21 / 09 / 2016 Edital de Convocação 2 Edital de Convocação 3 Edital de Convocação

Leia mais

Pró-reitoria de Extensão. Edital IDEIAIS 001/2016

Pró-reitoria de Extensão. Edital IDEIAIS 001/2016 Edital IDEIAIS 001/2016 PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA INTEGRAR O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE NEGÓCIOS DA INCUBADORA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO COM INOVAÇÃO AMBIENTAL E SOCIAL DA PUC MINAS - IDEIAS

Leia mais

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Abrimos nossas portas para a sociedade... Antes de expedições de atos administrativos (resolução normativa,

Leia mais

RIPSA. Documento Básico

RIPSA. Documento Básico Governo do Estado da Bahia Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Rede Interagencial de Informação em Saúde no Estado da Bahia Ripsa- Bahia Oficina de Trabalho Interagencial (OTI) Documento Básico I. Introdução

Leia mais

POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. 2ª Versão

POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. 2ª Versão POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS 2ª Versão Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Princípios... 4 4 Diretrizes... 5 5 Responsabilidades... 5

Leia mais

Relatório Realizações Conselho de Consumidores da Cemig

Relatório Realizações Conselho de Consumidores da Cemig Relatório Realizações Conselho de Consumidores da Cemig - 2015 1 - Reuniões do Conselho de Consumidores Reuniões Total Reuniões Ordinárias 5 Reuniões Ordinárias na Regional 1 Treinamento/Capacitação 1

Leia mais

bservatório dos Editais

bservatório dos Editais O bservatório dos Editais Política de fortalecimento das seleções públicas no Ministério da Cultura e na vida cultural brasileira Março de 2008 O que é uma Seleção Pública? É um instrumento de política

Leia mais

Rede Brasileira de Pesquisa em Energia Eólica (RBPEE)

Rede Brasileira de Pesquisa em Energia Eólica (RBPEE) Rede Brasileira de Pesquisa em Energia Eólica (RBPEE) Autores: Dra. Elbia Melo (ABEEólica) - elbia.melo@abeeolica.org.br; Prof. Alexandre Street (PUC-Rio) - street@ele.puc-rio.br; Prof. Delberis A. Lima

Leia mais

Comissão Permanente de Pesquisa CPP/DP/PROPEG EDITAL N 06/2014- FLUXO CONTÍNUO PARA INSTITUCIONALIZAÇÃO DE PROJETOS - DP/PROPEG/UERN

Comissão Permanente de Pesquisa CPP/DP/PROPEG EDITAL N 06/2014- FLUXO CONTÍNUO PARA INSTITUCIONALIZAÇÃO DE PROJETOS - DP/PROPEG/UERN Governo do Estado do Rio Grande de Norte Universidade do Estado do Rio Grande do Norte UERN Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEG Diretoria de Pesquisa DP Comissão Permanente de Pesquisa CPP

Leia mais

INSTITUTO EUVALDO LODI

INSTITUTO EUVALDO LODI INSTITUTO EUVALDO LODI Integra o Sistema Indústria juntamente com CNI, SESI, SENAI e Federações Tem o compromisso com o aumento da competitividade da indústria brasileira Atua na Gestão Empresarial e capacitação

Leia mais

AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos

AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos Vitória ES Março/2010 1.Apresentação A elaboração do

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES E METAS

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES E METAS PLANO ANUAL DE ATIVIDADES E METAS PERÍODO DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 2015 1 APRESENTAÇÃO O presente Plano Anual de Atividades e Metas tem como objetivo, apresentar um panorama das atividades e metas a serem

Leia mais

Eliana Sá 10/04/2014

Eliana Sá 10/04/2014 Eliana Sá 10/04/2014 Sistema Indústria Federal CNI SESI DN Estadual Federações de Indústrias SESI DR SENAI DN SENAI DR IEL NC IEL NR Desenvolvimento Empresarial Fonte imagem: http://miyashita.com.br/?id=119&m=387.

Leia mais

TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil Coordenação: Profa. Tatiana Jucá

TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil Coordenação: Profa. Tatiana Jucá TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil 2016-1 Coordenação: Profa. Tatiana Jucá 2/54 Pauta de hoje Apresentação da equipe de coordenação de TCC Datas importantes e documentação válida para

Leia mais

Semana do Conhecimento - 16 a 20 de outubro de Orientações para o XX Encontro de Extensão

Semana do Conhecimento - 16 a 20 de outubro de Orientações para o XX Encontro de Extensão Semana do Conhecimento - 16 a 20 de outubro de 2017 Orientações para o XX Encontro de Extensão O XX Encontro de Extensão objetiva promover a divulgação dos trabalhos de extensão desenvolvidos na Universidade

Leia mais

BENEFÍCIOS DA ADOÇÃO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS E PMO EXPERIÊNCIAS E CASOS GUGP SUCESU/RS. Abril/2017

BENEFÍCIOS DA ADOÇÃO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS E PMO EXPERIÊNCIAS E CASOS GUGP SUCESU/RS. Abril/2017 BENEFÍCIOS DA ADOÇÃO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS E PMO EXPERIÊNCIAS E CASOS GUGP SUCESU/RS Abril/2017 OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS TRAZEM NOVOS DESAFIOS AOS CIOS... Internet das Coisas Mobilidade Analytics

Leia mais

PARTICIPAÇÃO SOCIAL DANIELY VOTTO, GERENTE DE GOVERNANÇA URBANA

PARTICIPAÇÃO SOCIAL DANIELY VOTTO, GERENTE DE GOVERNANÇA URBANA PARTICIPAÇÃO SOCIAL DANIELY VOTTO, GERENTE DE GOVERNANÇA URBANA Um produto do WRI Ross Centro para Cidades Sustentáveis Um produto do WRI Ross Centro para Cidades Sustentáveis PARTICIPAÇÃO SOCIAL Definição:

Leia mais

Carta de esclarecimento da Comissão de espaço físico, infraestrutura e acessibilidade e inclusão

Carta de esclarecimento da Comissão de espaço físico, infraestrutura e acessibilidade e inclusão Carta de esclarecimento da Comissão de espaço físico, infraestrutura e acessibilidade e inclusão Guarulhos, 10 de abril de 2011 Ao Diretor Acadêmico e aos membros da Congregação da Escolha de Filosofia,

Leia mais

Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos

Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos Patrícia Ferrari Andreotti Gerência Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos GGMED/DIARE/ANVISA Brasília,

Leia mais

PRÊMIO SERGIO AROUCA DE GESTÃO PARTICIPATIVA. 4ª. Edição

PRÊMIO SERGIO AROUCA DE GESTÃO PARTICIPATIVA. 4ª. Edição PRÊMIO SERGIO AROUCA DE GESTÃO PARTICIPATIVA 4ª. Edição Brasília / 2011 CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art.1º O Prêmio Sérgio Arouca de Gestão Participativa no SUS tem por objetivo incentivar a gestão participativa

Leia mais

Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de governança da Internet no Brasil, e dá outras providências.

Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de governança da Internet no Brasil, e dá outras providências. Decreto Nº 4.829, de 3 de setembro de 2003 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de

Leia mais

EDITAL 01/ PROEPE - Semana Universitária UNIFIMES 2017 TEMA: A Matemática está em Tudo

EDITAL 01/ PROEPE - Semana Universitária UNIFIMES 2017 TEMA: A Matemática está em Tudo EDITAL 01/2017 - PROEPE - Semana Universitária UNIFIMES 2017 TEMA: A Matemática está em Tudo A Pró-Reitora de Ensino, de Pesquisa e de Extensão do Centro Universitário de Mineiros - UNIFIMES torna pública

Leia mais

A Visão do Empreendedor sobre Competitividade e Expansão da Oferta de PCH

A Visão do Empreendedor sobre Competitividade e Expansão da Oferta de PCH PCH Investimentos, Comercialização e Viabilidade A Visão do Empreendedor sobre Competitividade e Expansão da Oferta de PCH Ricardo Pigatto Presidente Rio de Janeiro, 16 de maio de 2007 Resumo Marco Regulatório

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 2/2016 ATUALIZA A POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DA LOJA ESCOTEIRA DA UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL

RESOLUÇÃO N.º 2/2016 ATUALIZA A POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DA LOJA ESCOTEIRA DA UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL RESOLUÇÃO N.º 2/2016 ATUALIZA A POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DA LOJA ESCOTEIRA DA UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL a) Considerando a necessidade da União dos Escoteiros do Brasil ter uma Política Comercial

Leia mais

Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS.

Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS. Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS. Novas demandas de mercado exigem que modelos técnicos consagrados sejam incorporadas a novas tecnologias, novos conhecimentos

Leia mais

ABNT/CB-02 Comitê Brasileiro da Construção Civil. Paulo Eduardo Fonseca de Campos Superintendente Professor Doutor da Universidade de São Paulo (USP)

ABNT/CB-02 Comitê Brasileiro da Construção Civil. Paulo Eduardo Fonseca de Campos Superintendente Professor Doutor da Universidade de São Paulo (USP) ABNT/CB-02 Comitê Brasileiro da Construção Civil Paulo Eduardo Fonseca de Campos Superintendente Professor Doutor da Universidade de São Paulo (USP) Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO COMUNICADO AO MERCADO ESCLARECIMENTOS SOBRE CONSULTAS CVM/BOVESPA A COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA S.A. ( CEB ou Companhia ), informa aos seus acionistas e ao mercado em geral que recebeu, em 22.04.2016,

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Diretoria de Governo. RELATÓRIO DE GESTÃO Período de 27/01 a 31/08/2006

Banco do Brasil S.A. Diretoria de Governo. RELATÓRIO DE GESTÃO Período de 27/01 a 31/08/2006 Banco do Brasil S.A. Diretoria de Governo RELATÓRIO DE GESTÃO Período de 27/01 a 31/08/2006 FGP Fundo Garantidor de Parcerias Público-Privadas FGP BRASÍLIA DF Novembro/2006 BANCO DO BRASIL S.A. PRESIDENTE:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE EM DEFESA DO EMPREENDEDOR

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE EM DEFESA DO EMPREENDEDOR REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE EM DEFESA DO EMPREENDEDOR 1 CAPÍTULO I Objetivos e Forma de Atuação Art. 1º O Fórum Permanente em Defesa do Empreendedor, constituído por entidades da sociedade civil

Leia mais

Agência de Água: Base legal, alternativas jurídicas e forma de escolha Rosana Evangelista

Agência de Água: Base legal, alternativas jurídicas e forma de escolha Rosana Evangelista Agência de Água: Base legal, alternativas jurídicas e forma de escolha Rosana Evangelista 3ª Oficina do Grupo de Trabalho Agência e Cobrança GTAC do CBH-Paranaíba Uberlândia-MG, 21/03/2014 SUBPROGRAMA

Leia mais

Fiocruz Informação em Ciência, Tecnologia e Inovação na área da Saúde

Fiocruz Informação em Ciência, Tecnologia e Inovação na área da Saúde Fiocruz Informação em Ciência, Tecnologia e Inovação na área da Saúde Ana Maranhão Coordenadora do Arca Repositório Institucional Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Leia mais

Task Force on Climate Related Financial Disclosures

Task Force on Climate Related Financial Disclosures Task Force on Climate Related Financial Disclosures Agenda 1. Estratégia de Sustentabilidade 2. Gestão de Riscos e Oportunidades 3. Facilidades e Desafios do Task Force Agenda 1. Estratégia de Sustentabilidade

Leia mais

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A.

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. 1. Da Natureza e Objetivo 1.1. O Conselho de Consumidores da área de concessão da Bandeirante Energia S.A. é um órgão sem personalidade

Leia mais