A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional"

Transcrição

1 A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Comunicação Institucional

2 A Petrobras já integra o grupo das grandes companhias que adotam as melhores práticas de governança corporativa. Com um processo iniciado com a instituição de um novo Estatuto Social seguido da aprovação, pelo Conselho de Administração, do Código de Boas Práticas e das Diretrizes de Governança Corporativa, a Petrobras está plenamente capacitada para utilizar os mais avançados instrumentos de gestão empresarial. Com esses novos mecanismos, a Petrobras aprimora o processo decisório na alta administração e, conseqüentemente, a própria gestão dos negócios. Torna-se, assim, mais atraente para o mercado, pois a governança moderna e transparente protege os interesses de todos os acionistas e demais públicos envolvidos com a corporação. A GOVERNANÇA MODERNA E TRANSPARENTE PROTEGE OS INTERESSES DE TODOS OS ACIONISTAS E DEMAIS PÚBLICOS Esta publicação traz até você os conceitos básicos da boa governança, os benefícios que a Petrobras obtém ao adotar seus princípios e os instrumentos que agora orientam a administração da Companhia: o novo Estatuto Social e seus regimentos internos; o Código de Boas Práticas; as Diretrizes de Governança Corporativa e o Código de Ética.

3 Governança corporativa: o que é? Governança Corporativa se refere às regras, procedimentos, contratos e à administração da Companhia com seus empregados, acionistas, clientes, fornecedores, credores, sociedade e governo. Também pode ser descrita como o sistema que garante aos acionistas o controle estratégico da empresa e o efetivo acompanhamento das ações dos gestores da Companhia, regulando as relações entre acionistas, Conselho de Administração, Conselho Fiscal e altos executivos, de forma a alinhar os objetivos de todas as partes. Nas empresas com boas práticas de governança, o Conselho de Administração tem postura ativa e independente, e suas decisões refletem o interesse, não apenas do acionista controlador. Por apresentarem maior segurança para todos os públicos de interesse, essas empresas têm mais facilidade para vender seus títulos, diminuir o custo de captação de recursos, valorizar seus produtos, aumentando, portanto, seu valor de mercado. SISTEMA QUE GARANTE AOS ACIONISTAS O CONTROLE ESTRATÉGICO DA EMPRESA E O EFETIVO ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DOS GESTORES DA COMPANHIA

4 A Governança e os benefícios para a Petrobras A busca pelo aprimoramento do sistema de governança corporativa na Petrobras foi uma evolução natural do processo de desregulamentação do setor de petróleo, e abertura do capital da Companhia no Brasil. A venda de ações no exterior, ocorrida em 2000, levou à adoção de padrões internacionais de transparência e contabilidade. Ao estruturar seu novo estatuto social, a Petrobras adequou-se à Nova Lei das Sociedades Anônimas, incluiu requisitos necessários para inserção no nível 2 de governança corporativa da Bovespa. e redefiniu as atribuições do Conselho de Administração e da Diretoria Executiva, aproximando-se às melhores práticas de governança corporativa. Desta forma, a Petrobras reforça sua credibilidade junto ao mercado, tornando-se uma empresa melhor para todos os seus públicos de interesse: empregados, acionistas, clientes, fornecedores, credores, sociedade e governo, preparando-se para um cenário de crescente competitividade interna e busca de novos mercados. A adoção pela Petrobras de melhores práticas de governança corporativa e a possibilidade de sua inserção no nível 2 da Bovespa causam um impacto positivo no mercado de capitais brasileiro, contribuindo para seu fortalecimento e, consequentemente, para o desenvolvimento econômico do País. A PETROBRAS REFORÇA SUA CREDIBILIDADE JUNTO AO MERCADO, TORNANDO-SE UMA EMPRESA MELHOR PARA TODOS OS SEUS PÚBLICOS DE INTERESSE

5 . ESTATUTO SOCIAL O Estatuto Social regulamenta o objeto da Petrobras, seu funcionamento, sua administração e o relacionamento entre os acionistas; Veja a seguir quais foram as principais modificações no Estatuto: O ESTATUTO SOCIAL REGULAMENTA O OBJETO DA PETROBRAS, SEU FUNCIONAMENTO, SUA ADMINISTRAÇÃO E O RELACIONAMENTO ENTRE OS ACIONISTAS Governança e Petrobras:. Restrição de serviços simultâneos de auditoria e consultoria pela mesma empresa. Criação do Comitê de Negócios pelo Conselho de Administração. Criação de Comitês de Gestão vinculados ao Comitê de Negócios pela Diretoria Executiva. Criação de um Código de Boas Práticas e de um Regimento Interno do CA. Garantia de defesa em processos judiciais, através de contrato de seguro permanente, a todos os administradores e empregados que atuem por delegação dos Administradores. Explicitação da obrigatoriedade das subsidiárias seguirem as diretrizes da Companhia

6 Governança e Conselho de Administração:. Aprovação pelo Conselho do valor acima do qual algumas matérias, embora de competência da Diretoria, devem ser submetidas ao órgão. Possibilidade de criação de Comitês do Conselho e indicação de relatores pelo Conselho de Administração. Atribuição de fixar as políticas globais da Companhia, incluindo a de gestão estratégica comercial, financeira, de investimentos, de meio ambiente e de recursos humanos Governança e Diretoria Executiva:. Definição de qualificação dos candidatos à Diretoria. Mudança de competência do Conselho para a Diretoria, até um determinado limite de valor, na autorização para captação de recursos, contratação de empréstimos e financiamentos no País ou no exterior, inclusive mediante a emissão de títulos, bem como na prestação de garantias. Definição, por parte da Diretoria Executiva, da possibilidade de fixação de limites para celebração de convênios ou contratos pelo Presidente ou Diretores. Definição do processo de substituição do Presidente ou Diretores, incluindo a possibilidade de indicação de subordinado. Possibilidade de, além do Presidente, a Diretoria Executiva representar a Companhia, em conjunto com dois Diretores Adequação à Nova Lei das SAs. Eleição de um membro do CA pelos preferencialistas. Mudança no dividendo prioritário mínimo para preferencialistas Requisitos necessários para inserção no nível 2 de governança da Bovespa. Mandato de um ano para os membros do Conselho. Obrigatoriedade de assinatura de termo de anuência pelos administradores com a Bovespa. Garantia de valor econômico das ações a todos ordinaristas no caso de cancelamento de registro de companhia aberta ou de registro no Novo Mercado. Adesão às regras previstas pela Câmara de Arbitragem para resolução de conflitos societários

7 . INSTRUMENTOS DE GOVERNANÇA DA COMPANHIA Além da modificação do Estatuto Social, outros instrumentos fundamentais para o aprimoramento do sistema de governança corporativa na Petrobras foram criados: Regimentos Internos, Código de Boas Práticas e Diretrizes de Governança Corporativa. O Código de Ética também é outro instrumento de governança da Petrobras. A seguir, apresentamos uma breve descrição destes instrumentos:. DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS. REGIMENTOS INTERNOS. CÓDIGO DE ÉTICA

8 Diretrizes de Governança Corporativa As Diretrizes de Governança Corporativa são um conjunto de recomendações para a estrutura e funcionamento do Conselho de Administração, bem como sua relação com os acionistas e executivos da Companhia. Os principais temas presentes no documento são:. Missão do Conselho de Administração Define o Conselho como órgão ativo e independente na defesa dos interesses de todos os acionistas;. Composição e qualificação do Conselho Sugere recomendações relacionadas a temas como tamanho, composição, qualificações e experiência desejadas dos Conselheiros, e limite de participações em outros Conselhos;. Comitês do Conselho Possibilita a criação de comitês do Conselho de Administração, compostos por alguns de seus membros, com atribuições específicas de análise e recomendações sobre determinadas matérias;. Avaliação de desempenho Sugere a realização de avaliações periódicas do Conselho como órgão, bem como da Diretoria Executiva da Companhia;. Introdução de novos Conselheiros Recomenda a adoção de um programa de introdução dos novos conselheiros, incluindo reuniões individuais com executivos da Companhia, recebimento de documentos corporativos e visita a algumas instalações; e. Consulta aos preferencialistas Deixa claro que a Companhia levará permanentemente em consideração a opinião dos acionistas minoritários, especialmente os preferencialistas, na discussão de algumas matérias relevantes. Código de Boas Práticas O Código de Boas Práticas trata das políticas internas de divulgação de informações sobre ato ou fato relevante, negociação com valores mobiliários, conduta dos administradores e funcionários da administração superior, indicação para cargos de administração de subsidiárias, controladas e coligadas e relacionamento com investidores. Descrevemos a seguir um resumo dos tópicos mencionados.. Política de divulgação de informações sobre ato ou fato relevante Define os procedimentos para comunicação de ato ou fato relevante ainda não divulgado ao mercado e

9 O CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS TRATA DAS POLÍTICAS INTERNA E EXTERNA DA COMPANHIA a necessidade da divulgação de informações sobre negociações efetuadas pelos administradores e pessoas relacionadas;. Política de negociação com valores mobiliários Define as restrições para comercialização de valores mobiliários, incluindo os períodos e critérios de vedação de negociação a serem adotados por todos os envolvidos com a Companhia;. Política de conduta dos administradores e funcionários integrantes da administração superior da Petrobras Estabelece regras de comportamento para o desempenho de suas funções e relacionamento com o público externo;. Política de indicação para cargos de administração de subsidiárias, controladas e coligadas Estabelece os critérios e procedimentos para designação de executivos da Petrobras para exercício de cargos em subsidiárias, controladas e coligadas; e. Política de relacionamento com investidores Define os princípios e procedimentos da relação da Petrobras com o mercado, incluindo responsáveis, meios de comunicação, forma e critérios para divulgação das informações e relacionamento com analistas.

10 Regimentos Internos Regimento interno do Conselho de Administração Regimento Interno do Conselho de Administração define as atribuições do Conselho de Administração e de seus membros, além da operacionalização das reuniões do órgão. Os principais temas presentes no documento são:. Composição Define o número de membros do Conselho de Administração e o procedimento de substituição de seus membros;. Atribuições Define as atribuições do órgão, do seu Presidente e dos Conselheiros individualmente;. Suporte ao Conselho Detalha as atribuições dos órgãos de apoio ao Conselho (Secretaria Geral e Assistentes do Conselho) para o desempenho de suas funções;. Procedimentos das reuniões Define a periodicidade, programação anual de pautas, forma de convocação, agenda, material prévio a ser distribuído, quorum de instalação e deliberação, elaboração de atas e participação de convidados;. Participação do Relator Define a figura do Relator, que será designado pelo Conselho para aprofundamento em determinados assuntos que o órgão necessite de mais informações, através da elaboração de pareceres para melhor tomada de decisão. Poderá ser um Conselheiro, um Diretor ou alguém externo à Companhia; Regimento do Comitê de Negócios Regimento Interno do Comitê de Negócios define as atribuições, composição e funcionamento do Comitê de Negócios, bem como seu relacionamento com os Comitês de Gestão, abrangendo:. Finalidade do Comitê de Negócios Define o Comitê de Negócios como mecanismo de suporte ao processo decisório da alta administração, sem caráter deliberativo;. Atribuições do Comitê de Negócios Detalha as atividades do Comitê, estabelecendo o seu escopo;. Composição do Comitê de Negócios Define critérios para indicação de membros constituintes, substituição de membros e participação de convidados;. Funcionamento das reuniões Define a freqüência, pauta, elaboração de atas e sigilo das informações relacionadas aos assuntos tratados no Comitê;

11 O CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS TRATA DAS POLÍTICAS INTERNA E EXTERNA DA COMPANHIA a necessidade da divulgação de informações sobre negociações efetuadas pelos administradores e pessoas relacionadas;. Política de negociação com valores mobiliários Define as restrições para comercialização de valores mobiliários, incluindo os períodos e critérios de vedação de negociação a serem adotados por todos os envolvidos com a Companhia;. Política de conduta dos administradores e funcionários integrantes da administração superior da Petrobras Estabelece regras de comportamento para o desempenho de suas funções e relacionamento com o público externo;. Política de indicação para cargos de administração de subsidiárias, controladas e coligadas Estabelece os critérios e procedimentos para designação de executivos da Petrobras para exercício de cargos em subsidiárias, controladas e coligadas; e. Política de relacionamento com investidores Define os princípios e procedimentos da relação da Petrobras com o mercado, incluindo responsáveis, meios de comunicação, forma e critérios para divulgação das informações e relacionamento com analistas.

12 Ideal de conduta humana, a ética nos relacionamentos não deve se distinguir da ética empresarial. O código adotado pela Petrobras reafirma valores fundamentais da civilização, como respeito ao próximo, transparência nos negócios e todos os princípios desenvolvidos a partir de uma visão ética da vida em sociedade. Assim, na Petrobras, as decisões devem ser pautadas pela justiça, legalidade, competência e honestidade. O Código de Ética da Petrobras também considera um Código de Conduta que deve ser conhecido pelos empregados e por todos aqueles que mantêm qualquer espécie de relacionamento com a Companhia e seus representantes. NA PETROBRAS, AS DECISÕES DEVEM SER PAUTADAS PELA JUSTIÇA, LEGALIDADE, COMPETÊNCIA E HONESTIDADE.

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS O objetivo deste documento é estabelecer diretrizes para o modelo de governança corporativa da Petrobras, visando à atuação ativa do Conselho de Administração

Leia mais

Glossário Acordo entre sócios/acionistas Administração Agenda de reunião

Glossário Acordo entre sócios/acionistas Administração Agenda de reunião Glossário Acordo entre sócios/acionistas Regula os direitos e obrigações entre sócios/acionistas, as condições que regem as transferências de ações de emissão da organização, o exercício dos direitos políticos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

Melhores Práticas de Governança Corporativa

Melhores Práticas de Governança Corporativa Melhores Práticas de Governança Corporativa 27.11.2014 Melhores Práticas de Governança Corporativa A. Propriedade B. Conselho de Administração C. Gestão D. Auditoria Independente E. Conselho Fiscal F.

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 08.09.2016 1 Objetivo 1.1 A presente da BB Seguridade Participações S.A. ( Política ), aprovada na Reunião do Conselho de

Leia mais

DIMENSÃO GOVERNANÇA CORPORATIVA CRITÉRIO I - PROPRIEDADE

DIMENSÃO GOVERNANÇA CORPORATIVA CRITÉRIO I - PROPRIEDADE CRITÉRIO I - PROPRIEDADE INDICADOR 1. PROTEÇÃO AOS MINORITÁRIOS PERGUNTA 1 - A companhia tem ações preferenciais? 1.1 - Se SIM, a razão dada pelo número de ações preferenciais da companhia sobre o total

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 23.1.2015 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A. (

Leia mais

Lei /2016 Lei das Estatais

Lei /2016 Lei das Estatais Lei 13.303/2016 Lei das Estatais Impactos na Governança Corporativa SUORG 10 NOV 2016 Lei nº 13.303/2016 Estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA CELESC S.A.

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA CELESC S.A. 1. OBJETIVO Art. 1º O Conselho de Administração da Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. CELESC será assessorado por quatro comitês: Comitê Jurídico e de Auditoria, Comitê Financeiro, Comitê Estratégico

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO Capítulo I - Objeto Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento do Comitê de Remuneração, observadas as disposições do Estatuto Social, as

Leia mais

Audiência Pública Regulamento do Novo mercado e do nível 2

Audiência Pública Regulamento do Novo mercado e do nível 2 Audiência Pública Regulamento do Novo mercado e do nível 2 Audiência Pública Proposta de alteração do Art.36 do regulamento do Novo Mercado e do nível 2. Art. 36 A política de transações com partes relacionadas

Leia mais

INTRODUÇÃO. Definição e Objetivo. Princípios Básicos METODOLOGIA DE RATING DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

INTRODUÇÃO. Definição e Objetivo. Princípios Básicos METODOLOGIA DE RATING DE GOVERNANÇA CORPORATIVA INTRODUÇÃO A Governança Corporativa é o conjunto de relações entre a administração de uma instituição, seu conselho, seus acionistas e outras partes interessadas. Adicionalmente, pode ser entendida como

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário Financeiro e de Relacionamento com Investidores ( Comitê ) é um

Leia mais

Preparação para as Assembleias Gerais Ordinárias 25/02/2016

Preparação para as Assembleias Gerais Ordinárias 25/02/2016 Preparação para as Assembleias Gerais Ordinárias 25/02/2016 Índice: Atualizações Normativas Principais Obrigações Periódicas Proposta da Administração Voto Múltiplo Formulário de Referência Atualizações

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Governança e Conformidade ( Comitê ) é um órgão estatutário de caráter permanente,

Leia mais

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A. Acordo de Acionistas Regimento da Interno CPFL dos Energia Comitês S.A. de Assessoramento do Atual Denominação Social Conselho da de Draft Administração II Participações S.A. da CPFL Energia S.A. 1 Sumário

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ FINANCEIRO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ FINANCEIRO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ FINANCEIRO 1. Finalidade e Escopo O Conselho de Administração da Petróleo Brasileiro S.A. ("Petrobras" ou "Companhia"), no uso de suas atribuições, aprovou o Regimento Interno

Leia mais

Conselhos de Administração que Criam Valor

Conselhos de Administração que Criam Valor Conselhos de Administração que Criam Valor Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC Pedro P. Parente Presidente do Conselho de Administração da BM&FBOVESPA CONSELHOS 30/01/2014 DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº , DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016.

DECRETO Nº , DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016. DECRETO Nº 19.634, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016. Aplica às empresas públicas e às sociedades de economia mistas municipais o disposto na Lei Federal nº 13.303, de 30 de junho de 2016 que dispõe sobre o estatuto

Leia mais

Boas Práticas de Governança Corporativa. Treinamento Palestra para a ANS 06/02/2013. Gilberto Mifano

Boas Práticas de Governança Corporativa. Treinamento Palestra para a ANS 06/02/2013. Gilberto Mifano Boas Práticas de Governança Corporativa Subtítulo Agregam Valor ou Módulo de Treinamento Palestra para a ANS 06/02/2013 Gilberto Mifano O que é Governança Corporativa? Conflitos entre sócios? A defesa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA PETROBRAS

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA PETROBRAS REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA PETROBRAS CONSIDERANDO QUE: A) Cabe à Diretoria Executiva exercer a gestão dos negócios da Companhia, de acordo com a missão, os objetivos, as estratégias e

Leia mais

Política institucional de governança corporativa. 1. Esta Política institucional de governança corporativa:

Política institucional de governança corporativa. 1. Esta Política institucional de governança corporativa: 1. Esta Política institucional de governança corporativa: a) é elaborada por proposta da área de Normas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob (Sicoob Confederação), entidade definida como

Leia mais

Questões relevantes no processo de M&A envolvendo companhias abertas

Questões relevantes no processo de M&A envolvendo companhias abertas Questões relevantes no processo de M&A envolvendo companhias abertas 12.11.2015 Timeline Usual para Operações de M&A envolvendo Companhias Abertas Início das Tratativas 2 Divulgação da Operação Celebração

Leia mais

2.1. Esta Política aplica-se a todas as entidades do grupo SOMOS Educação.

2.1. Esta Política aplica-se a todas as entidades do grupo SOMOS Educação. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS 1. Objetivo 1.1. A presente Política de Transações com Partes Relacionadas ("Política") tem por objetivo estabelecer as regras e os procedimentos a serem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS APROVADO EM RCA DE 27/07/2016 CAPÍTULO I DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS Art. 1º. O Comitê de Gestão de Pessoas ( Comitê ) é um órgão não estatutário, subordinado

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E SISTEMA DE GESTÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E SISTEMA DE GESTÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E SISTEMA DE GESTÃO 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Estratégia, Organização e Sistema de Gestão ( Comitê ) é um

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. Finalidade e Escopo O Conselho de Administração da Petróleo Brasileiro S.A. ("Petrobras" ou "Companhia"), no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO 1. O Comitê de Pessoas e Remuneração (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução,

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS Vigência 20/12/ /12/2018

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS Vigência 20/12/ /12/2018 Página 1/7 TÍTULO: VALORES MOBILIÁRIOS CLASSIFICAÇÃO: FINALIDADE: ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: NORMA ESTRATÉGICA Estabelecer a conduta dos administradores sobre a negociação com valores mobiliários do BRB Banco

Leia mais

ESTRUTURA DE GOVERNANÇA NA LIGHT

ESTRUTURA DE GOVERNANÇA NA LIGHT ESTRUTURA DE GOVERNANÇA NA LIGHT Na estrutura de governança da companhia, o Fórum de Acionistas é o órgão responsável por consolidar o alinhamento das decisões dentro do grupo controlador. Ele é formado

Leia mais

MONTEIRO ARANHA S.A. Política de Divulgação e Uso de Informações de Ato ou Fato Relevante e Negociação de Valores Mobiliários

MONTEIRO ARANHA S.A. Política de Divulgação e Uso de Informações de Ato ou Fato Relevante e Negociação de Valores Mobiliários (Aprovada na RCA realizada em 31.07.2002) MONTEIRO ARANHA S.A Política de Divulgação e Uso de Informações de Ato ou Fato Relevante e Negociação de Valores Mobiliários 1. Ato ou Fato Relevante, nos termos

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE GOVERNANÇA E ÉTICA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Artigo 1 : O Comitê de Gestão de Pessoas e Governança Corporativa ( Comitê ) é um órgão de apoio ao Conselho de Administração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO E SUCESSÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO E SUCESSÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO E SUCESSÃO 1. Finalidade e Escopo O Conselho de Administração ( Conselho ou CA ) da Petróleo Brasileiro S.A. ("Petrobras" ou "Companhia"), no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SUSTENTABILIDADE ( Regimento )

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SUSTENTABILIDADE ( Regimento ) REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SUSTENTABILIDADE ( Regimento ) 1. DEFINIÇÃO 1.1. Este Regimento estabelece procedimentos a serem observados pelo Comitê de Sustentabilidade ( Comitê ), órgão de assessoramento

Leia mais

#pública BB SEGURIDADE Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro, ao Financiamento do Terrorismo e à Corrupção

#pública BB SEGURIDADE Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro, ao Financiamento do Terrorismo e à Corrupção 1 Área responsável 1.1 Superintendência de Riscos e Controles. 2 Abrangência 2.1 Esta Política orienta o comportamento da BB Seguridade e suas sociedades controladas. Espera-se que as empresas coligadas

Leia mais

CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS

CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS - 2012 INFORMAÇÕES SOBRE A COMPANHIA Denominação Social Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica - CEEE-D Endereço da Sede Av. Joaquim Porto Villanova,

Leia mais

Política de Alçadas. a) Acionistas Controladores: grupo composto pela Votorantim Industrial S.A. e BNDES Participações S.A. BNDESPAR.

Política de Alçadas. a) Acionistas Controladores: grupo composto pela Votorantim Industrial S.A. e BNDES Participações S.A. BNDESPAR. Fibria Celulose S.A. Política de Alçadas 1. OBJETIVO Esta Política de Alçadas ( Política ) tem como objetivo fixar os limites de alçadas para aprovação pela Diretoria e pelo Conselho de Administração da

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº CNPJ/MF nº / REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GENTE

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº CNPJ/MF nº / REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GENTE DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GENTE Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos necessários ao funcionamento

Leia mais

Regimento Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regimento Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regimento Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria

Leia mais

ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO AGE Em, 06 de agosto de 2015. ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. - INFORMAÇÕES

Leia mais

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO SUMÁRIO 1. OBJETIVOS... 3 2. CONCEITOS... 3 3. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (CA/VGI)... 5 4. COMITÊS DO CA/VGI... 8 5. FUNCIONAMENTO

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA AULA 2 Prof. Wellington www.maestrocarreira.com.br A Sociedade Anônima regida pela Lei 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das SA) possui o capital dividido em partes iguais chamadas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA BR TOWERS SPE1 S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA BR TOWERS SPE1 S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA BR TOWERS SPE1 S.A. A presente Política de Divulgação tem como princípio geral estabelecer o dever da BR TOWERS SPE1 S.A ( Companhia ) de divulgar, de

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ / Companhia Aberta NIRE

DURATEX S.A. CNPJ / Companhia Aberta NIRE ANEXO 2 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS (aprovada na RCA de 28.05.2012 e alterada nas RCAs de 11.09.2013, 28.10.2013,

Leia mais

Relatório sobre a alteração proposta ao Estatuto Social da Vale S.A.

Relatório sobre a alteração proposta ao Estatuto Social da Vale S.A. Relatório sobre a alteração proposta ao da Vale S.A. Segue, abaixo, relatório em forma de tabela, detalhando a origem e justificativa da alteração proposta ao da Companhia e analisando os seus eventuais

Leia mais

CÓDIGO DE GOVERNANÇA BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

CÓDIGO DE GOVERNANÇA BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. CÓDIGO DE GOVERNANÇA BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. Abril de 2013 1. INTRODUÇÃO 1.1 Governança corporativa é um conceito de gestão das organizações que abrange assuntos relativos ao poder de controle

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TI DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE TI

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TI DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE TI REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TI DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE TI Artigo 1º. O Comitê de TI ( Comitê ) é órgão de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho

Leia mais

Eleição, destituição ou renúncia de ocupante de cargo estatutário.

Eleição, destituição ou renúncia de ocupante de cargo estatutário. Eleição, destituição ou renúncia de ocupante de cargo estatutário. Legislação: Lei 6.404, de 1976, Resolução CNSP 330, de 2015, Circular Susep 526, de 2016 e Portaria MTE 132, de 2002 Eleição de Membros

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. Finalidade e Escopo O Conselho de Administração da Petróleo Brasileiro S.A. ("Petrobras" ou "Companhia"), no uso de suas atribuições,

Leia mais

ANEXO A POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES DA VIX LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO

ANEXO A POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES DA VIX LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO ANEXO A POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES DA VIX LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO 2. PESSOAS SUJEITAS À POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E FORMA DE ADESÃO 3. DEVERES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA ÍNDICE: 1. Introdução...3 2. Valores e Princípios...3 3. Composição Acionária...4 4. Estatuto Social...4 5. Diretoria......5 6. Auditoria Externa e Auditoria Interna...5 7. Controles

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa FACULDADES DE CAMPINAS Administração Gestão de Responsabilidade Social II Governança Corporativa Testes para revisão Prof. Luciel H. de Oliveira luciel@uol.com.br INSTRUÇÕES Avalie o seu aprendizado na

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS 1. Objetivo O Comitê de Governança Corporativa e Gestão de Pessoas é um órgão acessório ao Conselho de Administração (CAD) da VIX

Leia mais

#pública BB SEGURIDADE Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro, ao Financiamento do Terrorismo e à Corrupção

#pública BB SEGURIDADE Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro, ao Financiamento do Terrorismo e à Corrupção 1 Área responsável pelo assunto 1.1 Diretoria de Governança, Risco e Compliance. 2 Abrangência 2.1 Esta Política aplica-se à BB Seguridade Participações S.A. ( BB Seguridade ou Companhia ) e suas subsidiárias

Leia mais

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro do Grupo NEOENERGIA constituído por decisão do Conselho de Administração da NEOENERGIA S.A O presente Regimento foi aprovado

Leia mais

POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES ENVOLVENDO CONFLITO DE INTERESSES

POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES ENVOLVENDO CONFLITO DE INTERESSES POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES ENVOLVENDO CONFLITO DE INTERESSES Cielo S.A. 1. Objetivo: 1.1. A presente Política de Transações com Partes Relacionadas e Demais Situações

Leia mais

POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES DE POTENCIAL CONFLITO DE INTERESSES

POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES DE POTENCIAL CONFLITO DE INTERESSES POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES DE POTENCIAL CONFLITO DE INTERESSES 11/8/2017 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 DEFINIÇÕES... 4 5 REGRAS...

Leia mais

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor 2016

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor 2016 O que é o Padrão de Gestão e Transparência Padrão de Gestão e Transparência O Padrão de Gestão e Transparência (PGT) 2013-2014 é um conjunto de práticas e ações recomendadas para as organizações sem fins

Leia mais

Manual de Governança Corporativa

Manual de Governança Corporativa Documento: Área Emitente: Manual de Governança Corporativa Assessoria de Planejamento, Orçamento, Controle e Regulatório HISTÓRICO DAS REVISÕES Rev. nº. Data Descrição 01 19/12/2012 Segregação do Manual

Leia mais

Superintendência de Riscos e Controles 15/03/2017

Superintendência de Riscos e Controles 15/03/2017 1 Área responsável pelo assunto 1.1 Superintendência de Riscos e Controles. 2 Abrangência 2.1 Esta Política orienta o comportamento da BB Seguridade e suas sociedades controladas. Espera-se que as empresas

Leia mais

Diretoria de Governança, Riscos e Compliance 23/9/2016

Diretoria de Governança, Riscos e Compliance 23/9/2016 1 Área responsável pelo Assunto 1.1 Diretoria de Governança, Riscos e Compliance. 2 Abrangência 2.1 Esta Política aplica-se à BB Seguridade ( BB Seguridade ou Companhia ) e suas Subsidiárias Integrais

Leia mais

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA Senhores Acionistas, O Conselho de Administração da Metalfrio

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ / Companhia Aberta NIRE

DURATEX S.A. CNPJ / Companhia Aberta NIRE DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS (aprovada na RCA de 28.05.2012 e alterada nas RCAs de 11.09.2013, 28.10.2013, 02.06.2014,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PETROBRAS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PETROBRAS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PETROBRAS CONSIDERANDO QUE: A) O Conselho de Administração é um foro de discussão e deliberação colegiada. B) Os membros do Conselho de Administração devem

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL 0 8 0 0 7 2 9 1 1 1 2 w w w. b b p r e v i d e n c i a. c o m. b r Código de Ética da BB Previdência Fundo de Pensão Banco do Brasil Introdução

Leia mais

guia do Conselho fiscal da CPfL energia

guia do Conselho fiscal da CPfL energia guia do Conselho fiscal da CPfL energia 1 Sumário I Objetivo 3 II Atividades e Responsabilidades 4 a. Principais atividades e responsabilidades do Conselho Fiscal no papel de Comitê de Auditoria 4 b. Relacionamento

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES

POLÍTICA DE GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES POLÍTICA DE GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES SUMÁRIO 1- OBJETIVO -------------------------------------------------------------- 4 2- PÚBLICO-ALVO -------------------------------------------------------

Leia mais

ANEXO III. ECORODOVIAS INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA S/A Comitê de Investimentos, Finanças e Riscos

ANEXO III. ECORODOVIAS INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA S/A Comitê de Investimentos, Finanças e Riscos ANEXO III ECORODOVIAS INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA S/A Comitê de Investimentos, Finanças e Riscos 01.07.13 1 Finalidade A função básica do Comitê de Investimentos, Finanças e Riscos ( Comitê ) é assessorar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) 1. A Comissão de Controlo do Governo Societário (CCGS) é designada pelo Conselho de Administração

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

Petrobras Natureza Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras uma sociedade de economia mista, sob controle da União com prazo

Petrobras Natureza Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras uma sociedade de economia mista, sob controle da União com prazo Petrobras Natureza A Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras é uma sociedade de economia mista, sob controle da União com prazo de duração indeterminado, regida pelas normas da Lei das Sociedades por Ações

Leia mais

PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO PARA A REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL DA TIM PARTICIPAÇÕES S.A.

PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO PARA A REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL DA TIM PARTICIPAÇÕES S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO PARA A REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL DA TIM PARTICIPAÇÕES S.A. A TIM Participações S.A. ( TPART ou a Companhia ) vem apresentar a Proposta da Administração para a Assembleia Geral

Leia mais

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética P. 1 de 6 Procedimento para a Aprovado em reunião do Conselho Fiscal de 3.12. P. 2 de 6 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia, SGPS, S.A. (doravante Galp ) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

VALE: A CAMINHO DA TRUE CORPORATION

VALE: A CAMINHO DA TRUE CORPORATION VALE: A CAMINHO DA TRUE CORPORATION Teleconferência com investidores 20 de fevereiro de 2017 2 Vale: A Caminho da True Corporation Proposta dos Acionistas Controladores de Operação Societária para Viabilizar

Leia mais

BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. (subsidiária integral do Banco do Brasil S.A.)

BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. (subsidiária integral do Banco do Brasil S.A.) BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. (subsidiária integral do Banco do Brasil S.A.) ATA DAS ASSEMBLEIAS GERAIS EXTRAORDINÁRIA E ORDINÁRIA REALIZADA EM 22 DE FEVEREIRO DE 2013 I. DATA, HORA E LOCAL: Em 22 de

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 PRINCÍPIOS... 3 4 REFERÊNCIAS... 4 5 CONCEITOS... 4 6 PRERROGATIVAS... 4 7 DIRETRIZES... 5 8 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE PRODUTOS E DE PRECIFICAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO DO COMITÊ DE PRODUTOS E DE PRECIFICAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO DO COMITÊ DE PRODUTOS E DE PRECIFICAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO INFORMAÇÃO INTERNA SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO COMITÊ DE PRODUTOS E DE PRECIFICAÇÃO... 3 CAPÍTULO II - DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS DA GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A.

MANUAL DE POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS DA GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. MANUAL DE POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS DA GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. 1 CAPÍTULO I OBJETIVO E APLICAÇÃO ARTIGO 1º - A presente Política de Transações com Partes Relacionadas (

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

POLÍTICA PARA TRANSAÇÃO COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES ENVOLVENDO CONFLITO DE INTERESSES

POLÍTICA PARA TRANSAÇÃO COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES ENVOLVENDO CONFLITO DE INTERESSES POLÍTICA PARA TRANSAÇÃO COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES ENVOLVENDO CONFLITO DE INTERESSES 1. OBJETIVO A presente política para a transação com Partes Relacionadas[1] e demais situações envolvendo

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS 1. OBJETIVOS Estabelecer os critérios básicos para gestão e administração de Clubes de Investimento, abordando os seguintes tópicos: - Atuação; - Regulamento e Prospecto; - Ficha Cadastral e Habilitação

Leia mais

Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA

Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA Minuta de 18.04.2004 Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão do GRUPO NEOENERGIA, o qual é constituído pela NEOENERGIA S.A. e por suas

Leia mais

Apresentação Assembleias Instrução CVM 571/2015 FII. Outubro 2016

Apresentação Assembleias Instrução CVM 571/2015 FII. Outubro 2016 Apresentação Assembleias Instrução CVM 571/2015 FII Outubro 2016 REGULAMENTO Exclusão (i) dos fatores de risco; (ii) das remunerações de terceiros; (iii) despesas e encargos; (iv) informações periódicas.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ CONSULTIVO DA BEMTEVI INVESTIMENTO SOCIAL LTDA.

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ CONSULTIVO DA BEMTEVI INVESTIMENTO SOCIAL LTDA. REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ CONSULTIVO DA BEMTEVI INVESTIMENTO SOCIAL LTDA. Revisão: JANEIRO de 2015 Regimento Interno do Comitê Consultivo 1. DEFINIÇÃO Os seguintes termos e expressões, no singular ou

Leia mais

Política de Partes Relacionadas

Política de Partes Relacionadas Política de Partes Relacionadas SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 A QUEM SE APLICA... 3 3 DEFINIÇÃO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS... 3 4 DEFINIÇÃO DE PARTES RELACIONADAS... 4 5 DEFINIÇÃO DE SITUAÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) 1 - A Comissão de Controlo do Governo Societário (CCGS) é designada

Leia mais

VAZ, BARRETO, SHINGAKI E OIOLI ADVOGADOS

VAZ, BARRETO, SHINGAKI E OIOLI ADVOGADOS São Paulo, 9 de setembro de 2016 BM&FBOVESPA Rua XV de Novembro, 275, Centro 01010-901 São Paulo - SP Ref.: Evolução dos Segmentos Especiais de Listagem Novo Mercado e Nível 2 Prezados Senhores, VAZ, BARRETO,

Leia mais

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONTRATO DE SOCIEDADE 1 Elementos contratuais 2 Sociedades simples e empresárias 3 Sociedades não personificadas 4 Sociedade em comum 4.1 Patrimônio social e responsabilidade

Leia mais

SONAE SIERRA BRASIL S.A. NIRE CNPJ/MF n / / Código CVM Companhia Aberta

SONAE SIERRA BRASIL S.A. NIRE CNPJ/MF n / / Código CVM Companhia Aberta SONAE SIERRA BRASIL S.A. NIRE 35.300.358.325 CNPJ/MF n 05.878.397/0001-32 / Código CVM 02235-7 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS INSTALAÇÃO DE CONSELHO FISCAL E INDICAÇÃO DE CANDIDATOS PARA O CONSELHO

Leia mais

NPC 0106 POLÍTICA DE TRANSAÇÃO COM PARTES RELACIONADAS E CONFLITOS DE INTERESSES ECONÔMICO/FINANCEIRO/CONTÁBIL - REGULATÓRIO

NPC 0106 POLÍTICA DE TRANSAÇÃO COM PARTES RELACIONADAS E CONFLITOS DE INTERESSES ECONÔMICO/FINANCEIRO/CONTÁBIL - REGULATÓRIO 1/5 1. FINALIDADE Estabelecer diretrizes para assegurar que as decisões envolvendo partes relacionadas e situações com potencial conflito de interesses sejam tomadas tendo em vista os interesses da Companhia

Leia mais

POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS DA VIA VAREJO S.A.

POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS DA VIA VAREJO S.A. POLÍTICA PARA TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS DA VIA VAREJO S.A. Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 27 de julho de 2015. 1 Política para Transações com Partes

Leia mais

Comissão de Valores Mobiliários

Comissão de Valores Mobiliários Comissão de Valores Mobiliários A informação nas Companhias Abertas Sigilo e Divulgação Maio/2015 Ressalto que as opiniões que expressarei aqui hoje refletem exclusivamente a minha visão e não necessariamente

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL DECISÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL DECISÃO DECISÃO Cuida-se de ação ordinária ajuizada pela ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANQUIAS POSTAIS em face da EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS ECT, com pedido de tutela de urgência para que se abstenha

Leia mais

NORMAS SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DA COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO - CEG

NORMAS SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DA COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO - CEG NORMAS SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DA COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO - CEG I. DO OBJETIVO 1.1. O objetivo destas normas é estabelecer uma política de divulgação de ato ou fato relevante

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO I - DEFINIÇÕES E ADESÃO 1.1 - As definições utilizadas na presente Política de Divulgação têm os significados que lhes são

Leia mais