EDUCAÇÃO PARA TRÂNSITO: ESTRATÉGIA DE ENSINO NO NÍVEL SUPERIOR.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO PARA TRÂNSITO: ESTRATÉGIA DE ENSINO NO NÍVEL SUPERIOR."

Transcrição

1 EDUCAÇÃO PARA TRÂNSITO: ESTRATÉGIA DE ENSINO NO NÍVEL SUPERIOR. Tatiane Paula Moraes * Maria Izabel da Silva ** RESUMO Este artigo busca contribuir com a relevante discussão sobre a trágica questão do trânsito atual, evidenciada através dos inúmeros acidentes com vítimas fatais e/ou graves seqüelas, com profundos reflexos na vida das pessoas e respectivas famílias, além dos altos custos aos cofres públicos. Diante da inegável violência no trânsito, este trabalho sugere a educação para o Trânsito desde a educação infantil até o ensino superior, como forma de reverter este quadro crítico e prevenção de tantas mortes inaceitáveis e desnecessárias. Percebe-se a necessidade da formação contínua com o tema trânsito através da realização de projetos dentro dos ambientes educativos que contribuam na construção de um Trânsito consciente e seguro para todos. Nesta perspectiva, o tema do trabalho educação para o trânsito: estratégia de ensino no nível superior é um dos meios de educar para o trânsito e para a vida, possibilitando a construção de gerações de futuros condutores de veículos e pedestres mais conscientes e responsáveis por sua cidadania e do valor da Vida Humana. Essa educação continuada poderá iniciar-se nas escolas em níveis pré-escolar, fundamental, médio e superior, entretanto, é necessário um trabalho coletivo, com a participação de toda a sociedade, para que possamos obter expressivos resultados com a construção de um trânsito mais seguro, humano e solidário e, conseqüentemente vislumbrar uma sociedade melhor para se viver. Palavras-chave: Trânsito. Educação. Ensino Superior. I. INTRODUÇÃO Atualmente, a violência manifestada em suas múltiplas dimensões, está entre os temas mais discutidos em âmbito global, inclusive é fico privilegiado de destaque entre as redes televisivas, jornais, revistas, rádios e outros meios de comunicação massiva. Além das constantes notícias diárias sobre a violência em diferentes espaços, entre os quais: o doméstico (familiar), o trabalho (assédio sexual e moral), as comunidades menos abastadas (agravado pelo tráfico de drogas e o pauperismo), evidenciado sobretudo nas grandes capitais. Além de tudo isso, note-se também o grave problema da violência no * Graduada em Pedagogia e aluna do curso de Pós-graduação em Docência em Ensino Superior da Faculdade Católica de Uberlândia. Sob a orientação da Profª Ms. Maria Izabel da Silva. ** Professora orientadora, Graduada e Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, e Doutoranda em Serviço Social pela Universidade Estadual Paulista UNESP-Franca. É professora e Coordenadora do Curso de Serviço Social da Faculdade Católica de Uberlândia.

2 trânsito, revelando cotidianamente, uma realidade trágica e cruel, com altíssimos índices de acidentes e mortes. Segundo a Organização Mundial de Saúde OMS, no mundo, cerca de pessoas morrem por ano vítimas dos acidentes de trânsito, representando mais de óbitos por dia. Além disso, cerca de ficam com lesões, seqüelas e traumas. Essas mortes estão concentradas, principalmente, nos países de média e baixa renda e envolve os usuários mais vulneráveis pedestres, ciclistas, motociclistas e usuários de transporte coletivo. (OMS) Dez países Índia, China, Estados Unidos, Rússia, Brasil, Irã, México, Indonésia, África do Sul e Egito concentram 62% dessas mortes. A magnitude desse problema vem sendo tema de resoluções da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização das Nações Unidas ONU. Na região das Américas, o trânsito representa a principal causa de morte na faixa etária de 5 a 14 anos e a segunda causa na faixa etária de 15 a 44 anos, resultando em mortes anuais e cerca de de lesionados (Opas, 2010). Nas seis regiões das Américas, a situação da mortalidade no trânsito é preocupante, com taxa média regional ajustada de 15,8 mortes por cada grupo de 100 mil habitantes. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmam que o Trânsito é um sério problema global de saúde pública. Quase 1,2 milhões de pessoas morrem como resultado de colisões de Trânsito a cada ano, representando mais de 2,1% da mortalidade do planeta, comparável ao número de mortes provocadas por causas como a malária e a tuberculose. Outros milhões de vítimas são lesionados e, freqüentemente, tornam-se deficientes pelo resto da vida, sem a tomada de medidas, o número de mortes, de lesionados e incapacitados por acidentes de Trânsito continuará a aumentar nas próximas três décadas, transformando-os na oitava causa de mortes até A situação alerta sobre a cidadania do país, pois as relações no Trânsito envolvem valores e princípios fundamentais para um convívio social pacífico: respeito ao próximo, obediência às leis, solidariedade, prudência. A tragédia pelos dados da Organização Mundial de Saúde no Brasil indica a fragilidade de valores, revelando uma sociedade em crise, marcada pela agressividade, o individualismo e o desrespeito. Basta observar, nas ruas das grandes metrópoles, o comportamento tenso, competitivo e ameaçador dos motoristas. Os exemplos em noticiários nacionais são cotidianos, estão na mídia e na

3 experiência de cada indivíduo. Não raro, um simples desentendimento no Trânsito acaba em assassinato. Para os profissionais de Educação, também os números são preocupantes, indicando investimentos insuficientes governamentais, em ações de educação para o Trânsito. Salientando que quase todos os jovens que estão morrendo no Trânsito passaram pela escola nos últimos dez anos ou ainda são estudantes, mas sua formação não incorporou noções de segurança, respeito e cuidados com a própria saúde e com a do próximo. Os conhecidos índices de acidentalidade no país decorrem de uma conjunção de fatores associados às condições do espaço de circulação, à conduta irresponsável de uma parcela da população e históricas fragilidades institucionais. A precariedade do ambiente de circulação brasileiro é resultante, entre outros fatores, do crescimento desordenado das cidades e das contradições advindas da opção por um modelo de desenvolvimento centrado no transporte motorizado individual, cuja manutenção é incompatível com a capacidade do Estado em países em desenvolvimento. Tal ambiente induz, muitas vezes, à ocupação irregular das vias públicas existentes. Os conhecidos índices de acidentalidade no país decorrem de uma conjunção de fatores associados às condições do espaço de circulação, à conduta irresponsável de uma parcela da população e históricas fragilidades institucionais. A precariedade do ambiente de circulação brasileiro é resultante, entre outros fatores, do crescimento desordenado das cidades e das contradições advindas da opção por um modelo de desenvolvimento centrado no transporte motorizado individual, cuja manutenção é incompatível com a capacidade do Estado em países em desenvolvimento. Tal ambiente induz, muitas vezes, à ocupação irregular das vias públicas existentes. Usando como fonte a base de dados de mortes por acidentes de transportes terrestres do Ministério da Saúde, estudo da Confederação Nacional dos Municípios apresenta a situação e a evolução da mortalidade no trânsito nos diversos locais do Brasil. As rodovias federais registraram no ano de 2009 o maior número de mortes dos últimos 12 anos. Por dia, 20 pessoas, em média, perderam a vida em acidentes nas estradas. Durante todo o ano, foram A média continua em alta em Até junho, pessoas já morreram e muitas pessoas ficaram com graves seqüelas devido aos acidentes de trânsito.

4 Os dados dos últimos anos mostram que as mudanças inseridas com o código de trânsito de 1998, como melhora da segurança dos veículos e o incremento da fiscalização eletrônica, não fizeram com que a mortalidade por acidentes de trânsito apresentasse uma redução importante. Ao contrário dos países desenvolvidos, no Brasil, a quantidade de fatalidades em acidentes de trânsito cresceu de 2000 a De acordo com a base do SUS, houve um aumento de 30% nas mortes nesse período. Entre 1997 e 1999, as mortes em acidentes terrestres estavam caindo, mas voltaram a crescer a partir de 2000, atingindo um pico histórico em 2007, com mortes segundo os seguros DPVAT. Por outro lado, os dados indicam que a partir de 2008 começou a haver uma leve queda nos acidentes fatais, o que pode indicar os efeitos positivos da Lei Seca. Mas, ao mesmo tempo, deve-se considerar um fato que veio de encontro a essa política de segurança no trânsito a exoneração do IPI para carros que aumentou consideravelmente a frota de veículos nas ruas do país, o que eleva os índices de acidentes. Nos países desenvolvidos vem sendo aplicada uma política contrária, que busca reduzir, a cada ano, a frota de veículos nas ruas. Essa comparação com os países desenvolvidos mostrou que, proporcionalmente à população, o trânsito brasileiro mata 2,5 vezes mais do que nos Estados Unidos, e 3,7 vezes mais do que na União Européia. Em 2008, enquanto os Estados Unidos obtiveram uma taxa de 12,5 mortes a cada habitantes, o Brasil obteve uma taxa de 30,1, sendo que a frota de carros norte americana é o triplo da brasileira. O mapeamento das mortes por acidentes de trânsito dentro do Brasil mostrou que capitais de menor porte populacional são as que possuem as maiores taxas segundo a população. Boa Vista (Roraima) vem em primeiro lugar (34,2), seguida por Palmas (31,4) e Campo Grande/MS (29,6). Capitais de estados mais desenvolvidos apresentam taxas mais reduzidas, como São Paulo (14,6), Porto Alegre (13,3) e Rio de Janeiro (14,4). No entanto, capitais do Nordeste lideram com as menores taxas, como é o caso de Natal (8,5) e Salvador (10,6). Por outro lado, quando o cálculo da razão é feito segundo a frota de veículos locais, muitos estados do nordeste passam para os primeiros lugares do ranking de maior quantidade de fatalidades a cada veículos. A comparação entre os estados mostra

5 que Santa Catarina tem a maior taxa média de mortes por habitantes (33,1) do país. Também foi constatado que a maior parte dos municípios com as maiores taxas do país é de Santa Catarina. Mato Grosso do Sul (30,4), Paraná (29,8), Mato Grosso (29,6) e Roraima (29,6) são também estados com altos coeficientes, o que indica um número significativamente alto de mortes em acidentes segundo suas respectivas populações. O estudo também elenca os 100 municípios do país com as maiores taxas de mortes por AT, tomando sempre como base a quantidade de mortes dos anos de 2005, 2006 e Constata-se que são municípios de pequeno e médio porte, com população que varia de a habitantes. É possível se depreender desse quadro que os acidentes de trânsito não são um problema concentrado nas grandes cidades e não tem relação direta com o porte, como acontece no caso dos homicídios. As análises também mostram que a maioria das vítimas fatais do trânsito no Brasil continua sendo homens jovens de cidades de pequeno e médio porte. O estudo mostra também que a insuficiência de dados estatísticos fiéis à realidade é um obstáculo ao desenvolvimento de estratégias de intervenção adequadas e concretas. A Educação de Trânsito torna-se uma ferramenta eficaz na busca da conscientização e na atuação segura de cada indivíduo. Assim, a pesquisadora, que propôs o presente artigo, optou pelo tema a partir da observação do grande número de acidentes ocorridos, da imprudência dos indivíduos no Trânsito e da falta de respeito ao próximo. Considerando estes aspectos percebeu-se a necessidade de se fazer algo para tentar minimizar este triste quadro, que é a violência no trânsito. Apoiando-se na idéia de que o homem está inserido no trânsito desde bebê, é preciso educá-lo desde a primeira infância ate o ensino superior. Diante do cenário trágico exposto, o presente artigo tem o objetivo de propor a educação para o trânsito no ensino superior de forma continuada e contextualizada. II. Breves considerações conceituais sobre o Trânsito. A escola, de maneira geral deve ter o papel de auxiliar na formação de indivíduos, que possam refletir sobre suas ações, e construir uma consciência crítica que possibilite perceber a importância da mais simples ação e sua repercussão no meio em que vive.

6 Trata-se de um processo em que a criança poderá criar hábitos em respeitar regras e ser um agente de mudança. Sabe-se que este tema é importante para todos os níveis de ensino: desde a educação básica até o ensino superior. Nesta perspectiva, é oportuno abordar conceitualmente a categoria Trânsito: Segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), logo no seu Artigo 1º, 1º "Considera-se trânsito a utilização das vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação, parada, estacionamento e operação de carga e descarga." Segundo Nereide Tolentino (1998, p.94): Trânsito é o conjunto de deslocamentos diários de pessoas pelas calçadas e vias; é a movimentação geral de pedestres e de diferentes tipos de veículos. O Trânsito ocorre em espaço público e reflete o movimento de múltiplos atendendo às necessidades de trabalho, saúde, lazer e outros, muitas vezes conflitantes. Para garantir o equilíbrio entre esses interesses coletivos é que se estabelecem acordos sociais, sob formas de regras, normas e sinais que, sistematizados, formam as leis. Uma das leis que existe e deve ser considerada em todos os seus aspectos está à disposição no Código de Trânsito Brasileiro: 1º Considera Trânsito a utilização das vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação, parada, estacionamento e operação de carga e descarga. 2º O Trânsito, em condições seguras, é direito de todos e deve dos órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito, a estes, cabendo, no âmbito das respectivas competências, adotar medidas destinadas a assegurar este direito. Art.74. A Educação para o Trânsito é direito de todos e dever prioritário para os componentes do Sistema Nacional de Trânsito. É obrigatória a existência de coordenação educacional em cada órgão ou entidade componente do sistema Nacional de Trânsito. A municipalização do Trânsito, um dos maiores eixos do novo código, trouxe ao Município a autoridade para cuidar dos problemas da cidade, possibilitando maior agilidade e soluções mais adequadas.

7 A introdução da educação para o Trânsito como item obrigatório amplia radicalmente o entendimento do significado conceitual de Trânsito, de modo a dar ao vértice Educação a capacidade alavancadora de reversão dos índices de mortes ou gravidade dos acidentes. Isto porque o foco de intervenção é o homem, único elemento que tem a capacidade de decisão no momento da ação, portanto de modificar o seu comportamento. É importante considerar também que não se pode pensar em Trânsito apenas como ato de ir e vir, mas como um processo de ocupação de espaço pelo indivíduo. O sujeito desrespeita os seus próprios limites comprometendo a organização do espaço, sendo assim, imprescindível a necessidade de se oferecer a educação para o Trânsito. Portanto, o estímulo, a valorização e a capacitação do professor possibilitarão o desenvolvimento dos conceitos de segurança, cidadania e de vida, atingindo de forma eficaz o adulto, que estando amparada por profissionais conscientes e sensibilizados com a questão, irá mostrar-se atuante multiplicador junto à família e à comunidade. III A educação para o trânsito como uma possibilidade de transformação. Conforme esclarecido e fundamentado anteriormente, é oportuno ressaltar que os objetivos desta pesquisa consistem em analisar a importância de se educar para o Trânsito desde a educação infantil até o Ensino Superior e a forma como deve ser oferecida esta educação, pois é uma oportunidade de desenvolver a cidadania nas crianças e nos adultos. Quanto aos adultos, a pesquisadora percebe a importância em ter um curso de educação para o trânsito no ensino superior, com vistas a conscientizá-los sobre a importância de se educar pra o trânsito de forma continuada. Assim sendo, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, comparando as visões de AUSUBEL (1980) e FREIRE (1986). Na visão de AUSUBEL (1980), a construção do conhecimento acontece de maneira significativa, quanto mais o aluno está envolvido em um processo que adota uma abordagem integradora, a qual inclua, além dos conteúdos do tema em si, os problemas contemporâneos, os interesses do aluno e sua vivência. Trabalhar o tema Trânsito, nessa concepção permitirá que os alunos analisem os problemas, as situações e os

8 acontecimentos em sua globalidade, utilizando, para isso, os conteúdos e a experiência do cotidiano. Nesta perspectiva, é necessário trabalhar o tema Trânsito desde as escolas da infância até a educação superior. Sabe-se que as crianças na maioria das vezes não apresentam medo da mudança, assimilam melhor os conhecimentos do que os próprios adultos. Estes são menos flexíveis a mudança. Por isso este trabalho tem como objetivo sensibilizá-los sobre a importância da educação para o trânsito e mostrar que os professores podem ser multiplicadores deste assunto que é importante para toda a sociedade. Os multiplicadores podem realizar palestras ou cursos nas instituições de ensino superior para alertar os adultos sobre a importância de ser educar gradativamente para o trânsito. Na Educação para o Trânsito atualmente aplicada, é comum os adultos não darem importância aos conteúdos a partir de conceitos abstratos, de modo teórico e muitas vezes desvinculados de sua realidade, isto ocorre nas aulas teórica para se retirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). É necessário propor a Educação para o Trânsito como uma nova abordagem de repensar a prática pedagógica atual. Construir um caminho para transformar o espaço universitário em um espaço aberto à construção de aprendizagens significativas para todos que dele participem. E esta educação no Trânsito deve ser iniciada desde a infância, pois desde cedo, todos os seres estão inseridos no ambiente: Trânsito, e é de suma importância ter indivíduos que saibam respeitar e conviver com as regras em sociedade. Esta educação deve ser de forma contínua perpassando por todos os níveis de ensino. Segundo FREIRE (1986, p.123) ao comunicar com os alunos não podemos utilizar o diálogo como uma tática para fazer dos alunos nossos amigos. Isto faria do diálogo uma técnica para a manipulação, em vez de iluminação. Não se deve manipular as idéias dos alunos e sim fazer com que eles as formulem, utilizando a criatividade e a criticidade. O desenvolvimento de uma consciência crítica, que permite ao homem transformar a realidade, é primordial na educação. É necessário que o educador desperte e encante o educando de maneira única e especial, assim despertará nos indivíduos a vontade de criar, criticar e transformar a realidade. O educador auxilia o aluno no processo de ensinoaprendizagem, é um mediador e possibilita a interação e a troca de informações com os alunos.

9 Tais pré-concepções enfatizam que o aluno deve deixar de ser apenas um memorizador das regras, pois é um ser em desenvolvimento, se apropriando, ao mesmo tempo, de um determinado objeto de conhecimento, o Trânsito, e se formando como sujeito (cidadão). Uma forma de como esta educação deve ser oferecida, é não domesticação das ações dos educandos, um educador que restringe estar a um plano pessoal impede-os de criar. O processo de educação não significa a repetição robotizada dos conteúdos, os alunos devem interpretar e até criticar o que o professor diz. Deve-se ressaltar que um educador sempre irá aprender com os educandos, pois ele é um ser também inacabado e estará em busca de enriquecer as informações que já possui. Segundo Paulo Freire (1986), a educação se torna um momento de experiência dialética total da humanização dos homens, com igual participação dialógica de educador e do educando. Logo o educador irá trabalhar o tema de Educação para o Trânsito, desenvolvendo a consciência crítica do aluno e fazendo com que este crie situações e saiba como comportar no Trânsito de maneira harmônica. Percebendo a necessidade de formar indivíduos reflexivos e críticos para viver em sociedade, pode-se notar que ambas as visões, a de AUSUBEL E FREIRE defendem a importância da educação que traga significado para a vida do individuo e que este saiba relacionar com os acontecimentos cotidianos de sua vida. É importante que o professor saiba utilizar estratégias que mova o pensamento do aluno, que faça este refletir e saber se comportar no Trânsito de maneira responsável e civilizada. A partir do momento em que a Educação para o Trânsito for trabalhada de forma contínua nas escolas haverá a conscientização que não se pode ser violento no Trânsito, pois a violência não leva o indivíduo a lugar nenhum e todos juntos são capazes de viver em um Trânsito com muita paz, harmonia, respeito ao próximo e solidariedade. Acredita-se que certamente haverá uma mudança no comportamento dos adultos que poderão incentivar outras pessoas para um Trânsito mais seguro. Esta atitude trará resultados independentes do prazo, pois mesmo se os adultos não influenciarem o comportamento dos outros adultos estarão conscientes das atitudes corretas no Trânsito, podendo assim construir um espaço de cidadania e respeito ao próximo, por eles próprios hoje e no futuro. Para trabalhar o tema trânsito no ensino superior é importante saber utilizar algumas estratégias de ensino.

10 Sabe-se que com a eclosão de novas tecnologias e a imensa possibilidade de informação colocam as crianças, os adolescentes e os adultos em um mundo totalmente informatizado, exigindo que estejam preparados para uma nova era: a tecnologia. O professor, neste contexto, deverá utilizar a tecnologia em busca de informações e recursos que permitam a integração entres os indivíduos. Os recursos tecnológicos como data-show, retro-projetor e outros recursos possibilitam uma aula diferente, movimentada, ilustrada, as vezes até musicada para as pessoas e estas se sentem mais interessadas pelo assunto, pelo fato de ser algo novo. Quando se fala de tecnologias, muitas pessoas pensam apenas no uso do computador. Sabe se que tecnologia é o uso de técnicas diferenciadas utilizadas como recursos para enriquecer o conhecimento. A utilização da criatividade na Educação para o Trânsito é uma estratégia que possibilita o aprimoramento do conhecimento dos adultos, por isso as novas mídias também são consideradas recursos para aprimorar o conhecimento. Aliar a utilização de novas tecnologias e as experiências sócio-culturais dos alunos tem sido revelador de um processo de ensino-aprendizagem bastante satisfatório. Utilizando-se da tecnologia, o tema Trânsito poderá ser desenvolvido no ensino superior através de recursos diferenciados. É necessário lembrar que o professor deve apresentar domínio sobre o assunto, para isto é fundamental que ocorra a capacitação deste profissional na área. A formação continuada dos professores é tema de vários trabalhos publicados, porém não é objeto de estudo deste artigo. Os recursos tecnológicos podem ser utilizados de forma muito proveitosa se forem organizados em dois níveis: individual e grupal. Por meio do convívio em grupo, o adulto vai percebendo a necessidade de existirem regras para que possa viver harmoniosamente. É neste espaço que vai tomando consciência que precisa também respeitar cada integrante do grupo, e assim interagir com os outros. O aluno precisa tentar elaborar um conceito de Trânsito com as informações que já possui, pois estará exercitando suas potencialidades de aprendizagem, já que este assunto está inserido na vida de todas as pessoas. O trabalho em grupo também é muito importante, pois possibilita ao aprendiz compartilhar as informações e interagir com as pessoas que estão ao seu redor. Este ajuda na comunicação e na organização de melhores relações humanas, contribuindo para a compreensão da representação social da realidade. Os trabalhos grupais requerem preparação em função dos objetivos pretendidos. Exemplos: debate, previamente

11 preparado por pequenos grupos, que escolhem os temas de discussão e o material que pode servir de suporte, tais como: notícias sobre temas de desrespeito à ética e cidadania dos usuários nas vias públicas, dados de mortalidade por acidentes, na qual os alunos analisam as situações e utilizam o próprio comportamento para julgar se a atitude realizada no Trânsito está adequada ou não. A partir destas experiências, percebe-se que os próprios alunos utilizam-se a Educação visando assim a um Trânsito mais seguro e civilizado para todos. Jogos também podem ser utilizados para abordar este tema tão importante. Nestes jogos podem ser distribuídos papéis e representadas as várias situações inerentes à circulação humana, como por exemplo: normas de Trânsito, os diversos usuários das vias e suas percepções. Nas escolas de um modo geral, existe um ambiente de trânsito: o pátio, onde existe a circulação de indivíduos o tempo todo. A partir desta observação, o pátio pode ser considerado um cenário de jogo, onde os alunos representam os diversos aspectos da circulação humana, os direitos e deveres que o pedestre possui. Focar o pedestre é muito importante, pois todos são pedestres e devem saber as obrigações que este possui. Deve-se ressaltar que através do jogo, os traços de agressividade podem ser eliminados, pois as bases para um convívio social são: solidariedade, respeito ao próximo, negociação e tolerância. É assim que deve ser o Trânsito, um espaço onde a paz esteja sempre presente, por isso é necessário começar a Educação para o Trânsito cedo e continuar este trabalho até o ensino superior, pois assim haverá um trabalho contínuo sobre o tema trânsito. Além de jogos, que permitem uma variabilidade imaginativa de situações, a simulação de papéis sociais ajuda a compreender e valorizar as funções sociais dos agentes de trânsito, estimulando a empatia, o respeito e a estimativa de trabalho para a comunidade. Em todos os tipos de jogos que envolvam a palavra Trânsito cabem múltiplos tratamentos a partir da criatividade e da imaginação. É conveniente que o professor preestabeleça os instrumentos para avaliar, ao término da técnica, se os objetivos foram ou não alcançados. Deve-se ressaltar que em diversas atividades, os jovens e os professores devem participar. Uma atividade grupal faz com que os participantes troquem as informações uns com os outros, e que o professor seja o mediador do processo de ensino-aprendizagem.

12 A Educação para o Trânsito é, em seu conjunto, uma tarefa de todos, posto que a criança está imersa numa família desde que nasce. Seu primeiro modelo são os pais, passando posteriormente a um sistema educativo, no qual a unidade mínima é a sala de aula. Por isso é necessário que a Educação para o Trânsito esteja presente desde cedo nas salas de aula, pois sabe-se que o Trânsito está presente em todo momento de nossas vidas, tanto como pedestres, passageiros como, mais tarde, como condutores. Além disso, a Educação para o Trânsito deve e poderá abranger a todos os cidadãos em todas as faixas etárias, desde a educação infantil até a educação superior. IV. Considerações finais: Diante do exposto e considerando-se o levantamento teórico realizado sobre os expressivos e inaceitáveis dados estatísticos de acidentes graves e/ou fatais de trânsito, que produz milhares de vítimas mutiladas ou mortas, revelando um cenário trágico no mundo e, sobretudo no Brasil, torna-se imprescindível uma mobilização coletiva consciente de toda a sociedade e ações imediatas efetivas de nossos governantes, com vistas a redução deste cenário desumano e insano, um verdadeiro genocídio coletivo, onde a vida humana é brutalmente banalizada. Nesta perspectiva, apresenta-se como sugestão, a necessidade urgente da implementação imediata de estratégias de educação para o trânsito, buscando humaniza-lo, com vistas a reverter este trágico cenário, como um mecanismo de conscientização e prevenção de acidentes de trânsito. Salientando que as estatísticas mostram que o número de acidentes e mortes no trânsito não para de aumentar, anunciando um futuro tenebroso e inaceitável, impondo-nos ações efetivas urgentes. Diante deste grave cenário, evidenciado pelos já apresentados números elevadíssimos de acidentes fatais no trânsito, torna-se indispensável conscientizar os adultos e as crianças, desde a educação infantil até o ensino superior, visando a conscientização social e mobilização coletiva sobre este grave problema social, objetivando reverter este quadro, evitar situações de perigo, além de despertar o sentido de auto-preservação. Essa necessidade é reforçada pelo artigo 76 do Código de Trânsito Brasileiro quando determina como obrigatória à educação de trânsito nas escolas, da educação infantil ao ensino superior.

13 Com este entendimento, a partir dos estudos realizados sobre os fatores determinantes do comportamento humano no trânsito, pode-se verificar a possibilidade de sua alteração a partir de estratégias educacionais. Considerando o papel do ensino superior no preparo para o exercício da cidadania de seus educandos, como prevê a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, o estabelecido no Código de Trânsito Brasileiro em relação à educação para o trânsito nas escolas de terceiro grau, infere-se a necessidade da inclusão desta temática nos programas curriculares do ensino superior. Acreditando que a vontade política de educar para o trânsito e para a vida, de modo a construir gerações de futuros condutores de veículos mais conscientes de sua cidadania e do valor do ser humano, considera-se que o momento é oportuno para que se inicie um planejamento específico em todos os níveis de ensino sobre a importância de se educar continuamente para a educação no trânsito. REFÊRENCIAS AUSUBEL, David P; NOVAK, Joseph D; HANESIAN, Helen. Psicologia educacional. 2. ed. Rio de Janeiro: Interamericana, p. BRASIL, Código Nacional de Trânsito. Código de Trânsito Brasileiro instituído pela Lei nº 9503 de 23/09/1997. Brasília: DENATRAN, DENATRAN. Trânsito: um novo olhar-ações educativas para a transformação e aquisição de valores e atitudes. UNESCO, FILIPOUSKI, A. M. R. Trânsito e Educação: Itinerários Pedagógicos. Porto Alegre: UFRGS, 2002 FREIRE, Paulo. Educação e mudança. A Educação e o Processo de Mudança Social. Rio de Janeiro: Paz e Terra p FREIRE, Paulo. SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Trad: Adriana Lopez.10ed Rio de Janeiro: Paz e Terra,1986. NEVES, José Luiz Rodrigues. Síndrome de Ícaro: a educação infantil e a segurança no trânsito brasileiro. Rio de Janeiro: Funenseg, p. TOLENTINO, Nereide E. B. Trânsito: qualidade de vida do condutor e o código de trânsito brasileiro. 2. ed. São Paulo: EDICON, p.

14 TRUJILLO, F. Alfonso. Metodologia da pesquisa científica. São Paulo: McGraw-Hill, Sites consultados: Violência no trânsito. Disponível em: Acesso em 01 de dezembro de 2010 Estatísticas. Disponível em: Acesso em 22 de dezembro de ANEXO I - DA EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO Art. 74. A educação para o Trânsito é direito de todos e constitui dever prioritário para os componentes do Sistema Nacional de Trânsito. 1º É obrigatória a existência de coordenação educacional em cada órgão ou entidade componente do Sistema Nacional de Trânsito. 2º Os órgãos ou entidades executivos de Trânsito deverão promover, dentro de sua estrutura organizacional ou mediante convênio, o funcionamento de Escolas Públicas de Trânsito, nos moldes e padrões estabelecidos pelo Contran. Art. 75. O Contran estabelecerá, anualmente, os temas e os cronogramas das campanhas de âmbito nacional que deverão ser promovidas por todos os órgãos ou entidades do Sistema Nacional de Trânsito, em especial nos períodos referentes às férias escolares, feriados prolongados e à Semana Nacional de Trânsito. 1º Os órgãos ou entidades do Sistema Nacional de Trânsito deverão promover outras

15 campanhas no âmbito de sua circunscrição e de acordo com as peculiaridades locais. 2º As campanhas de que trata este artigo são de caráter permanente, e os serviços de rádio e difusão sonora de sons e imagens explorados pelo poder público são obrigados a difundi-las gratuitamente, com a freqüência recomendada pelos órgãos competentes do Sistema Nacional de Trânsito. Art. 76. A educação para o Trânsito será promovida na pré-escola e nas escolas de 1º, 2º e 3º graus, por meio de planejamento e ações coordenadas entre os órgãos e entidades do Sistema Nacional de Trânsito e de Educação, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, nas respectivas áreas de atuação. Para a finalidade prevista neste artigo, o Ministério da Educação e do Desporto, mediante proposta do Contran e do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras, diretamente ou mediante convênio, promoverá: I - a adoção, em todos os níveis de ensino, de um currículo interdisciplinar com conteúdo programático sobre segurança de Trânsito; II - a adoção de conteúdos relativos à educação para o Trânsito nas escolas de formação para o magistério e o treinamento de professores e multiplicadores; III - a criação de corpos técnicos interprofissionais para levantamento e análise de dados estatísticos relativos ao Trânsito; IV - a elaboração de planos de redução de acidentes de Trânsito junto aos núcleos interdisciplinares universitários de trânsito, com vistas à integração universidadessociedade na área de Trânsito. Art. 77. No âmbito da educação para o trânsito caberá ao Ministério da Saúde, mediante proposta do Contran, estabelecer campanha nacional esclarecendo condutas a serem seguidas nos primeiros socorros em caso de acidente de Trânsito. As campanhas terão caráter permanente por intermédio do Sistema Único de Saúde - SUS, sendo intensificadas

16 nos períodos e na forma estabelecidos no art. 76. Art. 78. Os Ministérios da Saúde, da Educação e do Desporto, do Trabalho, dos Transportes e da Justiça, por intermédio do Contran, desenvolverão e implementarão programas destinados à prevenção de acidentes. O percentual de dez por cento do total dos valores arrecadados destinados à Previdência Social, do Prêmio do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por veículos automotores de Via Terrestre - DPVAT, de que trata a Lei nº 6.194, de 19 de dezembro de 1974, serão repassados mensalmente ao Coordenador do Sistema Nacional de Trânsito para aplicação exclusiva em programas de que trata este artigo. Art. 79. Os órgãos e entidades executivos de Trânsito poderão firmar convênio com os órgãos de educação da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, objetivando o cumprimento das obrigações estabelecidas neste capítulo.

PROJETO DE LEI N o 5.080, de 2013 (Apensados: PL nº 6.879, de 2013 e PL nº 7.345, de 2014)

PROJETO DE LEI N o 5.080, de 2013 (Apensados: PL nº 6.879, de 2013 e PL nº 7.345, de 2014) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 5.080, de 2013 (Apensados: PL nº 6.879, de 2013 e PL nº 7.345, de 2014) Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Marta Maria Alves da Silva CGDANT/DASIS/SVS/MS Brasília/DF, 13 de setembro de 2012 2009:

Leia mais

PROGRAMAS EDUCATIVOS DE TRÂNSITO DESENVOLVIDOS PELO DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DE MINAS GERAIS - DER/MG

PROGRAMAS EDUCATIVOS DE TRÂNSITO DESENVOLVIDOS PELO DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DE MINAS GERAIS - DER/MG 1 PROGRAMAS EDUCATIVOS DE TRÂNSITO DESENVOLVIDOS PELO DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DE MINAS GERAIS - DER/MG Elenice Fernandes de Abreu 1 Orientador Leandro Pinheiro Cintra RESUMO Diante

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO E CIDADANIA: UMA INTEGRAÇÃO ENTRE A ESCOLA E OUTRAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO E CIDADANIA: UMA INTEGRAÇÃO ENTRE A ESCOLA E OUTRAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO E CIDADANIA: UMA INTEGRAÇÃO ENTRE A ESCOLA E OUTRAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS Resumo NICKEL, Êrica Elisa 1 - ANAMOB Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência

Leia mais

Í N D I C E PRÓLOGO 5

Í N D I C E PRÓLOGO 5 Í N D I C E PRÓLOGO 5 CAPÍTULO I - EDUCAÇÃO E SEGURANÇA NO TRÂNSITO Trânsito e transporte II) EDUCAÇÃO E SEGURANÇA NO TRÂNSITO Objetivos da educação e segurança para o trânsito A educação para o trânsito

Leia mais

Educação para o trânsito

Educação para o trânsito Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino Fundamental Publicado em 2011 Projetos temáticos 5 o ANO Data: / / Nível: Escola: Nome: Educação para o trânsito JUSTIFICATIVA O estudo do tema: Educação

Leia mais

PROGRAMA TÉMATICO: 6215 TRÂNSITO SEGURO

PROGRAMA TÉMATICO: 6215 TRÂNSITO SEGURO PROGRAMA TÉMATICO: 6215 TRÂNSITO SEGURO OBJETIVO GERAL: Reduzir os índices de acidentes com vítimas fatais em todo o Distrito Federal, aperfeiçoando a educação para o trânsito, a fiscalização, a engenharia

Leia mais

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Nota Técnica 232 2014 Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Max Ernani Borges De Paula Banco de dados de vítimas dos acidentes de trânsito fatais A Companhia de Engenharia de Tráfego realiza

Leia mais

CARTILHA DE TRÂNSITO. Dicas para você viver mais e melhor!

CARTILHA DE TRÂNSITO. Dicas para você viver mais e melhor! CARTILHA DE TRÂNSITO Dicas para você viver mais e melhor! Este material foi concebido pela SBOT Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia com o intuito de ser um agente expressivo na prevenção

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa) PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa) Altera a Lei nº LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997, tornando obrigatória por parte dos fabricantes, importadores e montadores de veículos, a inclusão

Leia mais

1. Acidentes de trânsito: estatísticas

1. Acidentes de trânsito: estatísticas 1. Acidentes de trânsito: estatísticas Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Mais de 50.000 mortos por ano e de 500.000 feridos. Este é o resultado da violência do trânsito

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro 1 Em apoio às campanhas Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro A Universidade Federal de Santa Catarina e a Rede

Leia mais

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL ISSN 2177-9139 UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL Daniellen Thaianne de Oliveira Severo - daniii_severo@hotmail.com

Leia mais

Documento base do MNDT

Documento base do MNDT DOCUMENTO-BASE Documento base do MNDT CONTEXTUALIZAÇÃO Todos sabemos que nossa sociedade vive atualmente uma realidade de crise, não somente uma crise socioambiental, que se instala com uma grande contribuição

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL P á g i n a 123 A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Fábio de Melo BANDEIRA (Esp./UEG) (fabiobandeira@ueg.br) Ludimilla Ribeiro de ALMEIDA (UEG/G) (lu_dimilla22@hotmail.com)

Leia mais

ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES

ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 RESUMO Glaidson de Souza Pezavento Tatiani Nascimento Santos Miriam Nascimento Santos Ashley da Silva Costa 2 Com a finalidade

Leia mais

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades.

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. III Seminário DENATRAN de Educação e Segurança no Trânsito Brasília 24/11 Vale a pena ser ensinado tudo o que une e tudo o que liberta.

Leia mais

Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo?

Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo? Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo? A Coleção Verdeamarelo é composta por material institucional de apoio pedagógico, elaborado na forma de HQ Histórias em Quadrinhos coloridos, para serem

Leia mais

A Década de Ações para Segurança no Trânsito: 2011-2020

A Década de Ações para Segurança no Trânsito: 2011-2020 Seminário Viver Seguro no Trânsito A Década de Ações para Segurança no Trânsito: 2011-2020 Otaliba Libânio de Morais Neto Departamento de Análise de Situação de Saúde Curitiba/PR, 08/03/2010 Trânsito como

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

EDUCAÇÃO E TRÂNSITO: UMA MISTURA QUE DÁ CERTO.

EDUCAÇÃO E TRÂNSITO: UMA MISTURA QUE DÁ CERTO. INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO E TRÂNSITO: UMA MISTURA QUE DÁ CERTO. SIMIONI, VIVIANE. 1 Com freqüência se lê sobre trânsito nas primeiras páginas dos jornais, nos noticiários da televisão e rádio. De maneira especial,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a Política Nacional de Trânsito, seus fins e aplicação, e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando da competência

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

PROJETO VIDA NO TRÂNSITO. Maria Audea de Lima e Sousa. Teresina Piaui RESUMO. Palavras chave. Introdução. Diagnóstico. Proposições.

PROJETO VIDA NO TRÂNSITO. Maria Audea de Lima e Sousa. Teresina Piaui RESUMO. Palavras chave. Introdução. Diagnóstico. Proposições. PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Maria Audea de Lima e Sousa Teresina Piaui RESUMO Palavras chave Introdução Diagnóstico Proposições Resultados Introdução O projeto Vida no Trânsito está relacionado a instituições

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

TRÂNSITO É VIDA: TRANSITANDO NA ESCOLA

TRÂNSITO É VIDA: TRANSITANDO NA ESCOLA 1 TRÂNSITO É VIDA: TRANSITANDO NA ESCOLA Sonner Arfux de Figueiredo Prof. Me. da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Unidade de Nova Andradina sarfux@uems.br Resumo: Constituído através de uma

Leia mais

XIV PRÊMIO DENATRAN DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO PROJETO ESCOLAR AUTONOMIA NA MOBILIDADE URBANA

XIV PRÊMIO DENATRAN DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO PROJETO ESCOLAR AUTONOMIA NA MOBILIDADE URBANA XIV PRÊMIO DENATRAN DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO PROJETO ESCOLAR AUTONOMIA NA MOBILIDADE URBANA CATEGORIA EDUCADOR (1º, 2º, 3º, 4º e 5º anos) 1. APRESENTAÇÃO A inclusão do tema transversal de Educação para

Leia mais

A Década da Ação para Segurânça no Trânsito. Dr. Diego González Machín OPAS/Brasil

A Década da Ação para Segurânça no Trânsito. Dr. Diego González Machín OPAS/Brasil A Década da Ação para Segurânça no Trânsito Dr. Diego González Machín OPAS/Brasil Por que uma Década da Ação? O problema está crescendo. Diagnóstico da Situação: Informe Mundial sobre a situação de Segurança

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial 8. EDUCAÇÃO ESPECIAL 8.1 Diagnóstico A Constituição Federal estabelece o direito de as pessoas com necessidades especiais receberem educação preferencialmente

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 1 Art. 3º. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: [...] Art. 3 O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO DE INSTRUTORES E EXAMINADORES DE TRÂNSITO

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO DE INSTRUTORES E EXAMINADORES DE TRÂNSITO PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO DE INSTRUTORES E EXAMINADORES DE TRÂNSITO PROCESSO N.º 23106.008726/2014-11 PROJETO PEDAGÓGICO 1. CONTEXTO Com o aumento progressivo da violência no trânsito, as Nações Unidas se

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

Curta Saneamento Básico

Curta Saneamento Básico Curta Saneamento Básico Justificativa: As temáticas propostas pela Campanha da Fraternidade (CF) têm como objetivo conscientizar a sociedade em relação a problemas sociais que afetam a população brasileira,

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Mobilidade Urbana. Regras de trânsito também se aprendem na escola

Mobilidade Urbana. Regras de trânsito também se aprendem na escola Mobilidade Urbana Regras de trânsito também se aprendem na escola Apresentação da Instituição Educacional O Marista Sant Ana pertence aos Colégios da Rede Marista, que possuem atuação no Rio Grande do

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A GEOGRAFIA DAS MOTOCICLETAS NO PARANÁ: APONTAMENTOS PRELIMINARES 1

A GEOGRAFIA DAS MOTOCICLETAS NO PARANÁ: APONTAMENTOS PRELIMINARES 1 A GEOGRAFIA DAS MOTOCICLETAS NO PARANÁ: APONTAMENTOS PRELIMINARES 1 Priscila Aparecida Olivette Licencianda do Curso de Geografia pela Unicentro e Bolsista Fundação Araucária (PR) pri_xd93@hotmail.com

Leia mais

O panorama do Brasil anterior à Década de Ação pela Segurança Viária 2011-2020.

O panorama do Brasil anterior à Década de Ação pela Segurança Viária 2011-2020. O panorama do Brasil anterior à Década de Ação pela Segurança Viária 2011-2020. Cintia Isabel de Campos¹; Talita Fernanda Feltrin²; Nivaldo Gerôncio da Silva Filho³; Archimedes Azevedo Raia Junior 4. ¹Universidade

Leia mais

PROJETO EDUCAR PARA O TRÂNSITO

PROJETO EDUCAR PARA O TRÂNSITO PROJETO EDUCAR PARA O TRÂNSITO Sara Priscila Ramos Becker 1 Este Projeto foi desenvolvido pela Educadora de Trânsito Sara Priscila Ramos Becker, para ser apresentado às escolas públicas municipais, estaduais,

Leia mais

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Heloisa Côrtes Gallotti Peixoto Introdução Os acidentes e violências passaram a figurar, no início da década

Leia mais

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Carta Política Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Brasil - 2014 Nós, mulheres de diversas localidades e comunidades de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo, que há muito

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO ASSESSORIA DE EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE MULTIPLICADORES DA EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO

EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO ASSESSORIA DE EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE MULTIPLICADORES DA EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO ASSESSORIA DE EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE MULTIPLICADORES DA EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO 1. Apresentação A EPTC, por meio de sua Equipe de Educação

Leia mais

Projetos 2013. Turmas: Maternal e Mini Maternal PROJETO AMIZADE. Justificativa

Projetos 2013. Turmas: Maternal e Mini Maternal PROJETO AMIZADE. Justificativa Projetos 2013 Turmas: Maternal e Mini Maternal Justificativa PROJETO AMIZADE Devido aos constantes conflitos e preconceitos que se encontram e que presencia-se no dia a dia das crianças no seu meio social,

Leia mais

I P E S Q U I S A E D U C A Ç Ã O D I G I T A L N A S E S C O L A S B R A S I L E I R A S

I P E S Q U I S A E D U C A Ç Ã O D I G I T A L N A S E S C O L A S B R A S I L E I R A S a I P E S Q U I S A E D U C A Ç Ã O D I G I T A L N A S E S C O L A S B R A S I L E I R A S U N I V E R S O P E S Q U I S A D O 400 instituições de ensinos primário e médio Abril/2015 Estado de São Paulo

Leia mais

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO INFANTIL I - META 1 DO PNE: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: COMPARTILHANDO RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: COMPARTILHANDO RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: COMPARTILHANDO RESPONSABILIDADES MARIA, Selma 1 ; SILVA, Marisleila Júlia; GARCIA, Alessandra Brandão Silva; ALVES, Aline Aparecida Rocha; SILVA, Ana Paula Costa; RODRIGUES, Tályta

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto?

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto? Projetos Sociais da Faculdade Campo Real A promoção da cidadania é qualidade de toda instituição de ensino consciente de sua relevância e capacidade de atuação social. Considerando a importância da Faculdade

Leia mais

SP 08/95 NT 191/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Psicº Mauro Yoshio Ito Psicª Ilana Berezovsky Psicª Susana Nunes Penna

SP 08/95 NT 191/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Psicº Mauro Yoshio Ito Psicª Ilana Berezovsky Psicª Susana Nunes Penna SP 08/95 NT 191/95 Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal Psicº Mauro Yoshio Ito Psicª Ilana Berezovsky Psicª Susana Nunes Penna 1. Introdução A realidade do trânsito da cidade de SP, 6 mortes

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

NOTA PÚBLICA SOBRE A SEGURANÇA NO TRANSPORTE ESCOLAR

NOTA PÚBLICA SOBRE A SEGURANÇA NO TRANSPORTE ESCOLAR NOTA PÚBLICA SOBRE A SEGURANÇA NO TRANSPORTE ESCOLAR As instituições abaixo assinadas manifestam a sua indignação com a qualidade e a segurança no transporte escolar das crianças brasileiras. Inúmeros

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Projetos para redução da morbimortalidade por acidentes de trânsito em Belo Horizonte : Vida no Trânsito e TCC BH/BA/Montevideo

Projetos para redução da morbimortalidade por acidentes de trânsito em Belo Horizonte : Vida no Trânsito e TCC BH/BA/Montevideo Projetos para redução da morbimortalidade por acidentes de trânsito em Belo Horizonte : Vida no Trânsito e TCC BH/BA/Montevideo O Município de Belo Horizonte População de Belo Horizonte 2.375.444 hab.

Leia mais

A VIDA SOBRE DUAS RODAS: REDUZINDO RISCOS E DANOS UMA AÇÃO INTERSETORIAL

A VIDA SOBRE DUAS RODAS: REDUZINDO RISCOS E DANOS UMA AÇÃO INTERSETORIAL A VIDA SOBRE DUAS RODAS: REDUZINDO RISCOS E DANOS UMA AÇÃO INTERSETORIAL Olga Lopes Salomão 1 ; Marineide de Jesus Nunes 1, Rodolfo C. Villa do Miu 1, Brigina Kemp 2, Carlos Eduardo Abrahão 2, William

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

14. Comportamento no trânsito

14. Comportamento no trânsito 14. Comportamento no trânsito Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Os usuários não devem somente observar as regras do Código de Trânsito, mas devem também ser solidários.

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Maio Amarelo. Paulo Roberto Guimarães Junior

Maio Amarelo. Paulo Roberto Guimarães Junior Maio Amarelo Paulo Roberto Guimarães Junior Observatório Nacional de Segurança Viária. Rua 9 de Julho, 1953 - Vila Georgina - Cep: 13.333-070 - Indaiatuba SP Telefone: (19) 3801.4500 E-mail: onsv@onsv.org.br

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

TECNOLOGIA DE GESTÃO DE RH

TECNOLOGIA DE GESTÃO DE RH MANTENEDORA INSTITUTO AFROBRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR Presidente Prof. Dr. José Vicente FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES Diretor Geral Prof. Dr. José Vicente Diretora Acadêmica Prof. Ms. Francisca Rodrigues

Leia mais

semana nacional do trânsito educando nossos condutores e pedestres, visto que o trânsito da cidade é precário.

semana nacional do trânsito educando nossos condutores e pedestres, visto que o trânsito da cidade é precário. SEJA VOCÊ A MUDANÇA NO TRÂNSITO PROJETO: Leticia Garroni Felix Martins Justificativa: O projeto está na sua 3 edição e foi criado para apoiar a semana nacional do trânsito educando nossos condutores e

Leia mais

8º SIMPÓSIO I TER ACIO AL PROCESSO CIVILIZADOR, HISTÓRIA E EDUCAÇÃO

8º SIMPÓSIO I TER ACIO AL PROCESSO CIVILIZADOR, HISTÓRIA E EDUCAÇÃO 8º SIMPÓSIO I TER ACIO AL PROCESSO CIVILIZADOR, HISTÓRIA E EDUCAÇÃO OVAS EXIGÊ CIAS DO PROCESSO CIVILIZADOR A CO TEMPORA EIDADE SEMI ÁRIO EDUCAÇÃO E TRÂ SITO: CAMI HA DO JU TOS A BUSCA DA EMA CIPAÇÃO HUMA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos:

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos: EXERCÍCIO ANTECIPADO PARA O ESTUDO DIRIGIDO Módulo IV Aspectos Contemporâneos do Marco legal Profa. Maria José Lacerda Xavier Prezado (a) Aluno (a), É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades

Leia mais

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP

Leia mais

Segurança Comunitária

Segurança Comunitária Segurança Comunitária Ciclos de Palestras Secretaria da Segurança Pública e Justiça Gerência Executiva de Direitos Humanos Gerência Executiva dos CIOpS CICLO I PALESTRAS DE SENSIBILIZAÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais