MAPA DIGITAL DE PRESSÕES ESTÁTICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPA DIGITAL DE PRESSÕES ESTÁTICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 MAPA DIGITAL DE PRESSÕES ESTÁTICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Guaraci Loureiro Sarzedas (1) Formado em Engenharia Civil, pela Universidade Mackenzie, São Paulo - SP, em 1984 e em Administração, pela Universidade Ibirapuera, em Gerente da Divisão de Planejamento Técnico de FOTOGRAFIA Água e Esgotos da Distribuição, vice-presidência Metropolitana de NÃO Distribuição - SABESP. Arnaldo Nobrega Ramos DISPONÍVEL Formado em Engenharia Civil, pela UNIP, São Paulo - SP, em Engenheiro da Divisão de Planejamento Técnico de Água e Esgotos da Distribuição, vice-presidência Metropolitana de Distribuição - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP. Suely Matsuguma Formada em Engenharia Civil, pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e especialização em Engenharia de Controle da Poluição Ambiental, pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Engenheira da Divisão de Planejamento Técnico de Água e Esgotos da Distribuição, vice-presidência Metropolitana de Distribuição - SABESP. Endereço (1) : Rua Vieira de Moraes, Bloco 4 - apto Campo Belo - São Paulo - SP - CEP: Brasil - Tel: (011) Fax: (011) RESUMO Este trabalho apresenta os passos e ferramentas de Sistemas de Informações Geográficas GIS, utilizados para a elaboração de um Mapa de Pressões Estáticas, em formato digital, abrangendo todos os setores de abastecimento operados pela vice-presidência Metropolitana de Distribuição M, da SABESP, cuja área de atuação é de cerca de Km 2. PALAVRAS-CHAVE: Água, Sistema de Distribuição, Pressão, GIS. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1443

2 INTRODUÇÃO O crescente desenvolvimento de novas tecnologias digitais, que estamos vivendo atualmente, permite que os sistemas para gerenciamento e planejamento operacional, como em outras áreas, estejam contidos num cenário de infinitas possibilidades. Os recursos de mapeamento digital associados a sistemas automatizados, telemetrizados e simulados em modelos matemáticos, permitem o acompanhamento em tempo real do comportamento dos sistemas de distribuição nos seus mais diversos aspectos. Há um grande interesse na aquisição de tecnologia que possa fazer uma integração total de sistemas de origens diferentes, tais como comercial, cadastral e operacional. Como primeiro passo para absorver conhecimentos dessa tecnologia, buscamos obter, utilizando-se de ferramentas de Sistemas de Informações Geográficas (GIS), em ambiente desktop, um mapa digital que pudesse permitir uma análise prévia das áreas críticas de níveis de pressão, visando auxiliar em estudos de perdas físicas, setorização e instalação de válvulas redutoras de pressão, entre outros. A realização deste trabalho foi feita através da contratação de empresa especializada em sistemas de informações geográficas, onde, além da execução dos serviços necessários para a elaboração do mapa de pressões estáticas, descritos abaixo, contou com o fornecimento de cópia dos softwares necessários para elaboração dos mesmos e treinamento abordando todos os passos efetuados pela contatada para a elaboração do mapa, para seis técnicos da companhia. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Para a obtenção desse produto foram executadas as seguintes atividades: Rasterização de mapas em escala 1: do Sistema Cartográfico Metropolitano - Emplasa (cerca de 350 desenhos em formato A1), representando toda a área da Região Metropolitana de São Paulo - RMSP e, na mesma escala, mapas do Instituto de Geografia e Cartografia da USP IGC (cerca de 80 desenhos em formato A1), representando os municípios ao norte da RMSP, que são operados pela vicepresidência Metropolitana de Distribuição M. Estes mapas são considerados os mais precisos existentes atualmente e, rasterizados, servem como base de fundo de temas digitalizados em base vetorial. A figura 1 mostra uma parte de uma planta Emplasa rasterizada; Articulação e georreferenciamento, através de coordenadas U.T.M., das imagens raster, acima descritas. Já através de um aplicativo de GIS desktop as imagens foram georreferenciadas, formando um mosaico articulado das plantas; 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1444

3 Figura 1: Parte de Planta Emplasa Rasterizada. Digitalização em formato vetorial (CAD), georreferenciados, de limites de Municípios, de Unidades de Negócio e de Zonas de Pressão. Como fonte, foram utilizadas plantas EMPLASA, em escala 1: (originárias das 1:10.000), onde foram traçados os limites acima descritos. A digitalização foi feita através de mesa digitalizadora. Os limites digitalizados são mostrados na Figura 2; Digitalização em formato vetorial, tridimensional (longitude, latitude e cota), georreferenciadas, de curvas de nível, de 20 em 20 metros, obtidas de cartas 1: do IBGE; Elaboração do DTM (Modelo Digital de Terreno), ou seja, partindo do arquivo de curvas de nível acima mencionado e com a utilização de software específico, foi criada uma malha de triângulos irregulares, possibilitando a consulta de níveis de terreno, ponto a ponto. Na Figura 3 temos uma pequena parte do modelo digital do terreno; Conversão dos temas digitalizados (CAD) em GIS, com associação a banco de dados, permitindo, num primeiro momento, incrementar o valor da área de cada uma das entidades: Municípios, Unidades de Negócio e Zonas de Pressão nos respectivos arquivos de banco de dados; 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1445

4 Figura 2: Limites de Municípios, UN s e Zonas de Pressão Digitalizados. Elaboração de mapa altimétrico, partindo do DTM, chegando-se a uma grade raster definida por células de 300 X 300 m, cujo valor de cada uma delas é a cota do terreno. Este mapa é realizado por um software específico, que cria essa malha e atribui a cada célula da malha o valor do DTM referente ao centro da célula. Com a determinação de faixas de cotas geométricas, com graduação de cores, chega-se ao mapa altimétrico, conforme Figura 4; Elaboração de mapa de zonas de pressão, com a mesma grade definida para o mapa altimétrico, onde o valor da célula corresponde à cota do nível do reservatório que determina a zona de pressão (zona baixa, reservatório apoiado ou zona alta, reservatório elevado) onde a mesma está contida (o valor da cota do reservatório é originário do campo cota de referencia do banco de dados de zonas de pressão); e Geração de mapa de pressões estáticas. A partir dos dois mapas descritos acima: altimetria e zonas de pressão e da aplicação em software específico, que faz a subtração do valor da cota do nível do reservatório pelo valor da cota do terreno de cada célula da grade, chega-se num novo mapa, que é o de pressões estáticas. Definindo-se faixas de pressões com cores para cada uma delas, temos como resultante o mapa de pressões estáticas, conforme mostra a Figura 5 (os locais com pressões inferiores a 15 mca são abastecidos por boosters de rede). 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1446

5 Figura 3: Exemplo de Modelo Digital de Terreno. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1447

6 Figura 4: Mapa Altimétrico. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1448

7 Figura 5: Mapa de Pressões Estáticas. SOFTWARES UTILIZADOS Para o desenvolvimento do mapa de pressões estáticas em formato digital foram utilizados dois aplicativos desenvolvidos pela AUTODESK, o ReGIS e o AutoDesk World. O ReGIS foi utilizado para o desenvolvimento do mapa temático, sendo dividido em módulos, onde destacamos o ReTIN, responsável pela criação do DTM e o ReSPAN, que realiza a criação de mapas temáticos, como o de altimetria e o de pressões estáticas, através de operações matemáticas. O AutoDesk World, mais recente e sucessor do ReGIS, é utilizado para a manipulação dos dados, tendo grande facilidade em trabalhar com arquivos originais de outros softwares de GIS, como MapInfo e ArcView e total compatibilidade com o AutoCad. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1449

8 CONCLUSÃO O mapa de pressões estáticas apontou um elevado potencial para redução de pressão, pois, como pode ser observado no gráfico da Figura 6, acima de 30 % da RMSP apresenta pressões acima de 60 mca e mais de 80% com pressões acima de 30 mca. O cruzamento deste mapa com informações espacializadas de ocorrências de vazamentos, número de ligações, vazões micro e macromedidas, entre outras irá subsidiar planos de investimentos em ações de pesquisa de vazamentos e instalação de válvulas redutoras de pressão, num primeiro momento. Posteriormente, vislumbram-se um leque muito amplo de utilização dessa ferramenta, tanto no âmbito de abastecimento de água como no de coleta de esgoto. Figura 6: Distribuição das Pressões Estáticas por Faixas de Pressão na RMSP. 30,90 2,08 3,89 10,73 52,41 < 0 mca 0 a 15 mca 15 a 30 mca 30 a 60 mca > 60 mca REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. MARCOS UBIRAJARA DE CARVALHO E CAMARGO. Sistema de Informações Geográficas como Instrumento de Gestão e Saneamento. ABES, o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1450

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO Ilka Soares Cintra (1) Professora Assistente do Departamento de Cartografia do Instituto de Geo- Ciências

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios para elaboração de Simulação Hidráulica para Sistemas de Abastecimento de Água de Pequeno Porte (até 12.500 ligações), Médio Porte (até 62.500 ligações)

Leia mais

O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Conjunto de tecnologias de coleta, tratamento e desenvolvimento de informações espaciais.

O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Conjunto de tecnologias de coleta, tratamento e desenvolvimento de informações espaciais. O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Conjunto de tecnologias de coleta, tratamento e desenvolvimento de informações espaciais. GEOPROCESSAMENTO O QUE É SIG? Sistema de Informações Geográficas Sistema de informações

Leia mais

22 al 27 de agosto de 2004 Hotel Caribe Hilton - San Juan, Puerto Rico

22 al 27 de agosto de 2004 Hotel Caribe Hilton - San Juan, Puerto Rico SISTEMA ADUTOR METROPOLITANO DA RMSP MODELAGEM MATEMÁTICA COM A UTILIZAÇÃO DO PIPE 2000 Alexandre Miguel López* O Engº. Alexandre M. López é Diretor de Expansão da Encibra S.A. Estudos e Projetos de Engenharia.

Leia mais

1/27. Copyright LTG 2016 LTG/PTR/EPUSP

1/27. Copyright LTG 2016 LTG/PTR/EPUSP 1/27 2/27 ESCALA é a relação entre o valor de uma distância medida no desenho e sua correspondente no terreno. Representa-se na forma: 1:M ou 1/M ou como escala gráfica M é o módulo da escala e deve ser

Leia mais

Infraestrutura de Dados Espaciais para a Administração Pública Estadual de Minas Gerais

Infraestrutura de Dados Espaciais para a Administração Pública Estadual de Minas Gerais Infraestrutura de Dados Espaciais para a Administração Pública Estadual de Minas Gerais Cláudia Werneck Diretora Geral Instituto de Geociências Aplicadas Autarquia do Estado de Minas Gerais Quem somos?

Leia mais

Cartografia Temática

Cartografia Temática Cartografia Temática Os mapas temáticos podem ser gerados por intituições públicas e privadas, especializadas em mapeamento. Servem para auxiliar o poder público e empresas privadas na tomada de decisões,

Leia mais

Apresentar a importação de linhas e pontos cotados, em formato.dxf, afim de formarem um PI;

Apresentar a importação de linhas e pontos cotados, em formato.dxf, afim de formarem um PI; Adalberto Koiti Miura Silvia Cristina de Jesus Sumaia Resegue Aboud Thais Maria Sperandio Introdução ao Geoprocessamento (SER 300) Relatório do Laboratório 3 Modelagem Numérica do Terreno Objetivo O objetivo

Leia mais

Aplicação do modelo de simulação hidráulica EPANET integrado com Sistemas de Informação Geográfica.

Aplicação do modelo de simulação hidráulica EPANET integrado com Sistemas de Informação Geográfica. Aplicação do modelo de simulação hidráulica EPANET integrado com Sistemas de Informação Geográfica. Estudo de caso: Sub-bloco do Aproveitamento Hidroagrícola da Cova da Beira Luísa Vaz - Paulo Fernandez

Leia mais

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CAMPO LARGO, 15 DE ABRIL DE 2013 Cartografia Cartografia é o conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas, baseado

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios e procedimentos para elaboração da Simulação Hidráulica dos Sistemas de Abastecimento de Água, visando: Simulação e Calibração do Sistema Existente;

Leia mais

Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS

Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS EMENTAS Níveis Básico e Avançado CURSOS DE GEOPROCESSAMENTO COM O SOFTWARE LIVRE QGIS O QGIS é um dos mais robustos softwares gratuitos para Sistemas

Leia mais

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I 1-Em um mapa cuja escala é 1:2.500.000, duas cidades estão separadas, em linha reta, por 5 centímetros. A distância real (no terreno) entre essas duas cidades é a) 50

Leia mais

Softwares de geoprocessamento e implantação de SIG s. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Softwares de geoprocessamento e implantação de SIG s. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Softwares de geoprocessamento e implantação de SIG s Prof. Dr. Cristiano Zerbato O que são? Programa computacional capaz de processar as coordenadas Softwares CAD: sistemas voltados para desenho técnico

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0800: Cartografia e GPS aplicados a A. P. (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0800: Cartografia e GPS aplicados a A. P. (Prof. Dr. Elódio Sebem) Escalas: Razão de semelhança entre a representação e o mundo real. Relação entre a medida de um objeto ou lugar representado no papel e sua medida real. Relação entre a distância no mapa e a correspondente

Leia mais

COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ. Setembro/2004

COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ. Setembro/2004 COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ DIRETORIA ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA - DF GERÊNCIA DE CONTRATAÇÕES E COMPRAS - GCP Setembro/2004 Apresentação do tema Objetivo Exposição de planejamento

Leia mais

Professora: Jordana Costa

Professora: Jordana Costa Professora: Jordana Costa Cartografia Cartografia, segundo a ABNT é definida como: A arte de levantamento, construção e edição de mapas e cartas de qualquer natureza. Função principal: Representar a realidade

Leia mais

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG Maria Itaiana Ferreira de Moraes 1 ; Thiago César Frediani Sant Ana 2 RESUMO: A vida social do homem está vinculada a ação de interação

Leia mais

Geoprocessamento na Agricultura de Precisão

Geoprocessamento na Agricultura de Precisão 1 a Semana Acadêmica de Engenharia de Agrimensura 29 de novembro a 03 de dezembro de 2004 UFRRJ IT Departamento de Engenharia MINICURSO Geoprocessamento na Agricultura de Precisão UFRRJ NOVEMBRO 2004 CONTEÚDO

Leia mais

XI-123 Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia SAGE: Uma Ferramenta para Operação e Gestão Eficientes

XI-123 Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia SAGE: Uma Ferramenta para Operação e Gestão Eficientes XI-123 Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia SAGE: Uma Ferramenta para Operação e Gestão Eficientes Belo Horizonte/MG Setembro 2007 Paulo da Silva Capella G E R E N T E D E P R O J E T O Autores Paulo

Leia mais

Gênesis Soluções / Gênesis Sistema de cadastros e Desenvolvimento de Software Rua dos Tupinambás, 179 sl 153 Centro Belo Horizonte MG Tel:

Gênesis Soluções / Gênesis Sistema de cadastros e Desenvolvimento de Software Rua dos Tupinambás, 179 sl 153 Centro Belo Horizonte MG Tel: Gênesis Soluções / Gênesis Sistema de cadastros e Desenvolvimento de Software Rua dos Tupinambás, 179 sl 153 Centro 30120-070 Belo Horizonte MG Tel: (031)3275-3428 / 2535-3428 / 8718-5694 email: genesis-sci@genesis-sci.com.br

Leia mais

Cálculo de áreas no Google Earth utilizando arquivo de GPS

Cálculo de áreas no Google Earth utilizando arquivo de GPS Cálculo de áreas no Google Earth utilizando arquivo de GPS A utilização de aparelhos de GPS permite a aquisição de coordenadas geográficas (latitude, longitude e altitude) em áreas de trabalho visando

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Apresentação da disciplina. Prof. Luiz Henrique S. Rotta

GEOPROCESSAMENTO. Apresentação da disciplina. Prof. Luiz Henrique S. Rotta 1 GEOPROCESSAMENTO Apresentação da disciplina Prof. Luiz Henrique S. Rotta POR QUE UTILIZAR GEOPROCESSAMENTO? A informação ambiental é espacial por natureza. O padrão de distribuição: de um poluente sobre

Leia mais

introdução ao marketing - gestão do design

introdução ao marketing - gestão do design introdução ao marketing - gestão do design Universidade Presbiteriana Mackenzie curso desenho industrial 3 pp e pv profa. dra. teresa riccetti Fevereiro 2009 A gestão de design, o management design, é

Leia mais

TRATAMENTO E ACOMPANHAMENTO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES

TRATAMENTO E ACOMPANHAMENTO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES TRATAMENTO E ACOMPANHAMENTO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES José Luis Costa (1) Administrador formado pela faculdade IPEP e Graduado em Tecnólogo em Gestão Pública, ingressou na Sanasa em 1994,

Leia mais

CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016

CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016 CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016 NAVEGAR É PRECISO 2500 A.C. uma das primeiras representações de mapa, produzido na região da mesopotâmia. NAVEGAR É PRECISO Mapa do Salmo (1260) e Mappe-Monde (1707),

Leia mais

SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS

SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS NOTA EXPLICATIVA Vale do Cuiabá Petrópolis/RJ Jan 2011 Outubro de

Leia mais

Planejamento integrado em 4D. Metodologia BIM de planejamento e controle de obras, com integração através do REVIT, PRIMAVERA e NAVISWORKS

Planejamento integrado em 4D. Metodologia BIM de planejamento e controle de obras, com integração através do REVIT, PRIMAVERA e NAVISWORKS Planejamento integrado em 4D Metodologia BIM de planejamento e controle de obras, com integração através do REVIT, PRIMAVERA e NAVISWORKS A GDP Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos nasceu da convicção

Leia mais

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.210-469-2 Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE Janisson B. de Jesus 1, Dráuzio C.

Leia mais

TOPOGRAFIA II CÁLCULO DE VOLUMES

TOPOGRAFIA II CÁLCULO DE VOLUMES TOPOGRAFIA II CÁLCULO DE VOLUMES 2 Cálculo de volume de prismas e sólidos Volume de Prismas Alguns dos cálculos que serão vistos estarão baseados no conceito de volumes de prisma. Considerando dois planos

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia

DIGIMAN. WTB Tecnologia DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Equipamentos WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Equipamentos da Solução CANETA DIGITAL e APARELHO CELULAR A integração do DIGIMAN com a Caneta Digital Anoto e um aparelho

Leia mais

Aplicativos do site do IBGE.

Aplicativos do site do IBGE. Aplicativos do site do IBGE. Thayse Cristiane Severo do Prado O intuito deste tutorial será mostrar aos usuários do site do IBGE, as facilidades e informações que este disponibiliza para a sociedade em

Leia mais

Sistemas de Informações Geográficas

Sistemas de Informações Geográficas Sistemas de Informações Geográficas Aula 3 Assuntos: # Revisão em geodésia # Georreferenciamento # Representação do mundo real no computador # Formatos vetorial e matricial # Modelo conceitual de banco

Leia mais

Cartografia Digital e Geoprocessamento

Cartografia Digital e Geoprocessamento Cartografia Digital e Geoprocessamento Processo/ Fenômeno Dado Espacial/ Geodado Espaço Geográfico Redução de Dimensionalidade Espaço (Representado) Mapas Representações Computacionais De ALGUMAS Dimensões

Leia mais

Conceitos Básicos mapa

Conceitos Básicos mapa Cartografia Conceitos Básicos Entende-se por mapa a representação gráfica convencional, geralmente plana e em pequena escala, de áreas relativamente extensas, como acontece nos mapas dos atlas. Para tal,

Leia mais

A EVOLUÇÃO. 1. Se não faltar Água Tudo Bem. 2. Pesquisa de Vazamentos e Macromedição. 3. Controle de Pressão

A EVOLUÇÃO. 1. Se não faltar Água Tudo Bem. 2. Pesquisa de Vazamentos e Macromedição. 3. Controle de Pressão REDUÇÃO DE PERDAS: Resultados práticos na redução de perdas reais e aparentes, suas correlações com a recuperação de receita e utilização de geoprocessamento neste processo A EVOLUÇÃO 1. Se não faltar

Leia mais

CADASTRAMENTO DO CAIS DO PORTO DE PARANAGUÁ EMPREGANDO O SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS)

CADASTRAMENTO DO CAIS DO PORTO DE PARANAGUÁ EMPREGANDO O SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS) CONVÊNIO ADMINISTRAÇÃO DOS PORTOS DE PARANAGUÁ E ANTONINA CENTRO DE ESTUDOS DO MAR - UFPR CADASTRAMENTO DO CAIS DO PORTO DE PARANAGUÁ EMPREGANDO O SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS) Responsáveis: Cláudia

Leia mais

O Geprocessamento O nascimento da Geomática: a geografia informática. funções, programas e tecnologias de representação espacial; Unificação contínua de técnicas e instrumentos; Generalização do termo

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO LINEAR

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO LINEAR MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO LINEAR META Demonstrar a localização e a extensão dos fenômenos geográficos que se diferenciam pela sua natureza

Leia mais

ANEXO I PLANO DE TRABALHO 1/3 GOVERNADOR DO ESTADO FRANCISCO SÁ CAVALCANTE

ANEXO I PLANO DE TRABALHO 1/3 GOVERNADOR DO ESTADO FRANCISCO SÁ CAVALCANTE ANEXO I PLANO DE TRABALHO 1/3 1-DADOS CADASTRAIS ÓRGÃO/ENTIDADEPROPONENTE GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS ENDEREÇO RODOVIA VITAL DE MENDONÇA KM 09 FLORES CIDADE UF CEP DDD/TELEFONE E.A MANAUS AMAZONAS 69048-660

Leia mais

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Segurança do Trabalho

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Segurança do Trabalho Habilitação: Segurança do Trabalho Aviso: Este catálogo pode ter sofrido alterações. A versão oficial encontra-se para consulta na Unidade Escolar. Gerado em 24/06/2016 Pág. 2/6 Segurança do Trabalho Análise

Leia mais

Introdução à Computação Gráfica

Introdução à Computação Gráfica Computação Gráfica - Aula 1 (atualizada em 21/10/2015) glaucius@pelotas.ifsul.edu.br Introdução à Computação Gráfica Computação Gráfica Conceito É a área da Ciência da Computação que estuda a geração,

Leia mais

Geodesia Física e Espacial <<>> Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação

Geodesia Física e Espacial <<>> Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação Geodesia Física e Espacial Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação Professores: Cursos: Ano Lectivo: 11/12 Gil Gonçalves e João Fernandes Mestrado em Engenharia Geográfica Mestrado em Tecnologias

Leia mais

Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais

Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Seminário Nacional com as Instituições Responsáveis por Limites Político-Administrativos Brasília - DF, 1 de Julho de 2008 Sumário Gestão Pública e

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINAS

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINAS Ministério da Educação e do Desporto Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINAS 1 2 Curso Geografia Código: 35 3 4 Modalidade(s):Bacharelado/Licenciatura

Leia mais

Cidade UF CEP DDD/Telefone DDD/FAX. Município UF DDD/Celular

Cidade UF CEP DDD/Telefone DDD/FAX. Município UF DDD/Celular PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADES DIGITAIS (PAC2) 1 DADOS CADASTRAIS Nome da prefeitura CNPJ Endereço da sede da prefeitura Cidade UF CEP DDD/Telefone DDD/FAX E-mail da prefeitura Nome do prefeito C.I./Órgão

Leia mais

NOVA RESTITUIÇÃO CARTOGRÁFICA ESCALA 1:2.000

NOVA RESTITUIÇÃO CARTOGRÁFICA ESCALA 1:2.000 P R E F E I T U R A D A C I D A D E D O R I O D E J A N E I R O I N S T I T U T O P E R E I R A P A S S O S NOVA RESTITUIÇÃO CARTOGRÁFICA ESCALA 1:2.000 Abril de 2014. BASE CARTOGRÁFICA MUNICIPAL Base

Leia mais

Cartografia I. BRITALDO SILVEIRA SOARES FILHO Departamento de Cartografia Centro de Sensoriamento Remoto

Cartografia I. BRITALDO SILVEIRA SOARES FILHO  Departamento de Cartografia Centro de Sensoriamento Remoto Cartografia I BRITALDO SILVEIRA SOARES FILHO britaldo@csr.ufmg.br www.csr.ufmg.br Departamento de Cartografia Centro de Sensoriamento Remoto Introdução Histórico da Cartografia definição, história e evolução.

Leia mais

METODOLOGIA PARA A VETORIZAÇÃO TOPOLÓGICA E ANÁLISE ESPACIAL DAS ZONAS DE USO PERMITIDO PROPOSTAS NA NOVA LEI DE ZONEAMENTO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

METODOLOGIA PARA A VETORIZAÇÃO TOPOLÓGICA E ANÁLISE ESPACIAL DAS ZONAS DE USO PERMITIDO PROPOSTAS NA NOVA LEI DE ZONEAMENTO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. METODOLOGIA PARA A VETORIZAÇÃO TOPOLÓGICA E ANÁLISE ESPACIAL DAS ZONAS DE USO PERMITIDO PROPOSTAS NA NOVA LEI DE ZONEAMENTO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Reinaldo Paul Pérez Machado 1 RESUMO Em julho de 2004,

Leia mais

CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DELIMITADA DA DENOMINAÇÃO DE ORIGEM VALE DOS VINHEDOS: CARTAS IMAGEM

CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DELIMITADA DA DENOMINAÇÃO DE ORIGEM VALE DOS VINHEDOS: CARTAS IMAGEM CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DELIMITADA DA DENOMINAÇÃO DE ORIGEM VALE DOS VINHEDOS: CARTAS IMAGEM Loiva Maria Ribeiro de Mello Carlos Alberto Ely Machado André Rodrigo Farias Sonia Marliza

Leia mais

CAPÍTULO 5 LINGUAGEM LEGAL E EXTENSÕES PROPOSTAS

CAPÍTULO 5 LINGUAGEM LEGAL E EXTENSÕES PROPOSTAS CAPÍTULO 5 LINGUAGEM LEGAL E EXTENSÕES PROPOSTAS Os operadores de manipulação de campos geográficos implementados neste trabalho tiveram como ambiente de desenvolvimento a Linguagem Espacial para Geoprocessamento

Leia mais

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar profissionais com conhecimentos teóricos e práticos, críticos e reflexivos capazes de desenvolver e implementar projetos de

Leia mais

Tratamento de esgotos na Região Metropolitana de São Paulo. Seminário Saneamento na Rede Rio de Janeiro 19/05/2010

Tratamento de esgotos na Região Metropolitana de São Paulo. Seminário Saneamento na Rede Rio de Janeiro 19/05/2010 Tratamento de esgotos na Região Metropolitana de São Paulo Seminário Saneamento na Rede Rio de Janeiro 19/05/2010 Índice de Atendimento Sabesp Abastecimento de Água 1994 95% 2001 100% 2010 Final de 2010

Leia mais

Definição: representação matemática computacional da distribuição de um fenômeno espacial que ocorre dentro de uma região da superfície terrestre.

Definição: representação matemática computacional da distribuição de um fenômeno espacial que ocorre dentro de uma região da superfície terrestre. MODELO DIGITAL DE ELEVAÇÃO Modelagem Digital de Elevação Definição: UmModeloDigitaldeElevação (MDE) é uma representação matemática computacional da distribuição de um fenômeno espacial que ocorre dentro

Leia mais

II Empresa responsável pela operação da instalação

II Empresa responsável pela operação da instalação 1/7 II.1 - IDENTIFICAÇÃO DA INSTALAÇÃO II.1.1 - Esta informação está disponível no PEI de cada uma das Unidades Marítimas utilizadas nas atividades da Bacia de Santos, contempladas neste documento. II.1.2

Leia mais

I - Introdução à Simulação

I - Introdução à Simulação 1 I - Introdução à Simulação Simulação é, entendida como a imitação de uma operação ou de um processo do mundo real. A simulação envolve a geração de uma história artificial de um sistema para a análise

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 20, de 2012. Canoas, 29 de março de 2012. A Sua Excelência o Senhor Vereador Dario Francisco da Silveira Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas - RS Senhor Presidente, Na forma da

Leia mais

Desenho Técnico e CAD CAD e Sistemas de Coordenadas. Computação Gráfica. Computação Gráfica

Desenho Técnico e CAD CAD e Sistemas de Coordenadas. Computação Gráfica. Computação Gráfica Desenho Técnico e CAD CAD e Prof. Luiz Antonio do Nascimento Engenharia Ambiental 3º Semestre Computação Gráfica Ramo da computação dedicado à geração, tratamento, apresentação e armazenamento de imagens

Leia mais

LIZANE SOARES FERREIRA. MBA em Gestão Empresarial - Fundação Getúlio Vargas (FGV)

LIZANE SOARES FERREIRA. MBA em Gestão Empresarial - Fundação Getúlio Vargas (FGV) Brasileira, solteira, 39 anos E-mail: lizaneferreira@hotmail.com LIZANE SOARES FERREIRA Formação: MBA em Gestão Empresarial - Fundação Getúlio Vargas (FGV) Especialista em Comércio Exterior com Ênfase

Leia mais

Planejamento Hídrico para Habitação, Abastecimento e Saneamento

Planejamento Hídrico para Habitação, Abastecimento e Saneamento Planejamento Hídrico para Habitação, Abastecimento e Saneamento ENCOB 2015 Caldas Novas - GO 08.10.2015 BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIRACICABA Fonte: Agência PCJ BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIVARI Fonte:

Leia mais

V-070 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN

V-070 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN V-7 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN André Luís Calado de Araújo (1) Engenheiro Civil pela UFPA (199). Mestre em Engenharia Civil pela UFPB (1993). PhD em

Leia mais

REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARTE 2

REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARTE 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARTE 2 Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

Dam It! 2012_v.1.0. Programa para identificação de reservatórios e levantamento de relações cota-area-volume MANUAL DO USUÁRIO

Dam It! 2012_v.1.0. Programa para identificação de reservatórios e levantamento de relações cota-area-volume MANUAL DO USUÁRIO Dam It! 2012_v.1.0 Programa para identificação de reservatórios e levantamento de relações cota-area-volume MANUAL DO USUÁRIO Eng. Dante Gama Larentis Porto Alegre, julho de 2013. 1 ÍNDICE 1. Introdução...3

Leia mais

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLIC O. Escalão único 2,1335

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLIC O. Escalão único 2,1335 ÁGUA* CONSUMO DE ÁGUA CONSUMO DOMÉSTICO 1º Escalão (0 5 m 3 /mês) 0,4628 2º Escalão (6 15 m 3 /mês) 0,8421 3º Escalão (16 a 25 m 3 /mês) 1,3993 4º Escalão (superior a 25 m 3 /mês) 2,2546 COMÉRCIO, INDÚSTRIA,

Leia mais

Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido

Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Construção do Mapa de Solos do Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido Use of GIS

Leia mais

DOCENTE: MICAEL ALVES

DOCENTE: MICAEL ALVES Planificação anual Curso Vocacional de Ensino Básico Ano letivo 2015 / 2016 CURSO VOCACIONAL DE INFORMÁTICA E MULTIMÉDIA ANO: 9.º DISCIPLINA: APLICAÇÕES DE ESCRITÓRIO DOCENTE: MICAEL ALVES COMPETÊNCIAS

Leia mais

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO ÁGUA * CONSUMO DE ÁGUA DOMÉSTICO 1º Escalão (0 5 m 3 /mês) 0,4966 2º Escalão (6 15 m 3 /mês) 0,7378 3º Escalão (16 a 25 m 3 /mês) 1,2258 4º Escalão (superior a 25 m 3 /mês) 1,9752 COMÉRCIO, INDÚSTRIA E

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Diretoria de Licenciamento Ambiental DILIC

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Diretoria de Licenciamento Ambiental DILIC Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Diretoria de Licenciamento Ambiental DILIC ACESSO À INFORMAÇÃO DO LICENCIAEMENTO AMBIENTAL FEDERAL LAF

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB /09/2009

Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB /09/2009 Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB 2008 09/09/2009 HISTÓRICO 1974: o primeiro levantamento estatístico sobre saneamento básico foi realizado, num convênio firmado com o Ministério da Saúde, no

Leia mais

PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS

PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CAMPO LARGO, 15 DE ABRIL DE 2013 SISTEMA METROPOLITANO DE INFORMAÇÕES GEORREFERENCIADAS METROGEO Conceitos de Cartografia Anna Carolina

Leia mais

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE ARACAJU: geotecnologias aplicadas à gestão e análise regional

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE ARACAJU: geotecnologias aplicadas à gestão e análise regional UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE -UFS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA - POSGRAP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA - NPGEO 30 ANOS DE CONTRIBUIÇÃO À GEOGRAFIA São Cristóvão, 29 e 30 de Agosto

Leia mais

1 - Aplicativos de Design (Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio);

1 - Aplicativos de Design (Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio); 1 - Aplicativos de Design (Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio); Análise de e Tecnologia da Informação e Tecnologia da Informação - Bacharel com habilitação em e Tecnologias e Tecnologia

Leia mais

Geoprocessamento GEOMÁTICA SIG SIG

Geoprocessamento GEOMÁTICA SIG SIG GEOMÁTICA Geomática - Ciência e tecnologia para obtenção, análise, interpretação, distribuição e uso da informação espacial. Abrangência: Geoprocessamento SIG Sensoriamento Remoto GPS Cartografia Automatizada

Leia mais

A Sharewater. Planeta Água. Prêmios

A Sharewater. Planeta Água. Prêmios A Sharewater A Sharewater tem o objetivo de oferecer soluções completas para a conservação da água, através de projetos, consultoria e desenvolvimento de tecnologia própria. Foi fundada em 8 de maio de

Leia mais

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza 1 BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS BD convencional Repositório de fatos do mundo real que possuem atributos

Leia mais

10 - Matemática (Base Nacional Comum Ensino Médio) 11 - Química (Base Nacional Comum Ensino Médio) 12 - Sociologia (Base Nacional Comum Ensino Médio)

10 - Matemática (Base Nacional Comum Ensino Médio) 11 - Química (Base Nacional Comum Ensino Médio) 12 - Sociologia (Base Nacional Comum Ensino Médio) Escola Técnica Estadual Lauro Gomes - São Bernardo do Campo AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA E RECURSOS HÍDRICOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA E RECURSOS HÍDRICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA E RECURSOS HÍDRICOS Manual do usuário Planilha HIDRO Operação de reservatórios

Leia mais

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ DER-RJ Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ O uso inapropriado do meio ambiente aceleram e ampliam alguns processos. Por exemplo, as inundações são agravadas pelo desmatamento

Leia mais

I-027 REDUÇÃO DE FRAUDES NA MICROMEDIÇÃO ATRAVÉS DE DISPOSITIVO OBSTRUTOR METÁLICO

I-027 REDUÇÃO DE FRAUDES NA MICROMEDIÇÃO ATRAVÉS DE DISPOSITIVO OBSTRUTOR METÁLICO I-027 REDUÇÃO DE FRAUDES NA MICROMEDIÇÃO ATRAVÉS DE DISPOSITIVO OBSTRUTOR METÁLICO Gilberto Ribeiro de Jesus (1) Encarregado do Posto de Operação de Avaí Sabesp Divisão Novo Horizonte. Kleber Castilho

Leia mais

TUTORIAL. Aprenda a exportar um arquivo Shapefile para DWG do AutoCAD. ArcGIS.

TUTORIAL. Aprenda a exportar um arquivo Shapefile para DWG do AutoCAD. ArcGIS. TUTORIAL Aprenda a exportar um arquivo Shapefile para DWG do AutoCAD ArcGIS www.processamentodigital.com.br O Processamento Digital é um Canal de Conteúdo GEO oferecido pela HEX Tecnologias Geoespaciais

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços A Marumbi, especializada em Consultoria no ramo de Engenharia Consultoria completa para processos ambientais. que resulta em economia a curto e longo prazo. Ambiental e de Segurança

Leia mais

Os vários tipos de Mapas

Os vários tipos de Mapas MAPAS TEMÁTICOS Os vários tipos de Mapas Os mapas temáticos existem em uma variedade considerável. Cada tipo representa melhor algum tipo de dado. A informação no nível do endereço demanda um tipo de mapa

Leia mais

A Experiência da CEMAR na Digitalização de Subestações e a Utilização da Tecnologia GPRS e Canal Redundante

A Experiência da CEMAR na Digitalização de Subestações e a Utilização da Tecnologia GPRS e Canal Redundante A Experiência da CEMAR na Digitalização de Subestações e a Utilização da Tecnologia GPRS e Canal Redundante 1.0 - APRESENTAÇÃO 2.0 - OBJETIVOS DA DIGITALIZAÇÃO 3.0 - HISTÓRICO AUTOMAÇÃO CEMAR 4.0 - DIGITALIZAÇÃO

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO TOPOCART TOPOGRAFIA ENGENHARIA E AEROLEVANTAMENTOS S/S LTDA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO TOPOCART TOPOGRAFIA ENGENHARIA E AEROLEVANTAMENTOS S/S LTDA MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO TOPOCART TOPOGRAFIA ENGENHARIA E AEROLEVANTAMENTOS S/S LTDA RELATÓRIO TÉCNICO LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMETRICO Brasília-DF, Setembro de 2012. ÍNDICE 1. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA BASE DE DADOS DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) EM SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG)

UTILIZAÇÃO DA BASE DE DADOS DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) EM SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG) UTILIZAÇÃO DA BASE DE DADOS DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) EM SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS (SIG) 1. INTRODUÇÃO Desde os primórdios, a informação sempre foi algo de grande

Leia mais

Aula 2 Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas. Flávia F. Feitosa

Aula 2 Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas. Flávia F. Feitosa Aula 2 Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas Flávia F. Feitosa Disciplina PGT 035 Geoprocessamento Aplicado ao Planejamento e Gestão do Território Junho de 2015 Dados Espaciais são Especiais!

Leia mais

Curso de Geomática Aula 2. Prof. Dr. Irineu da Silva EESC-USP

Curso de Geomática Aula 2. Prof. Dr. Irineu da Silva EESC-USP Curso de Geomática Aula Prof. Dr. Irineu da Silva EESC-USP Sistemas de Coordenadas Determinar a posição de um ponto, em Geomática, significa calcular as suas coordenadas. Calcular as coordenadas de um

Leia mais

Guia para obras em vias públicas nos m unicípios com gás canalizado

Guia para obras em vias públicas nos m unicípios com gás canalizado Guia para obras em vias públicas nos m unicípios com gás canalizado Índice O que é o gás natural? 4 Como as tubulações de gás são instaladas? 5 O que deve ser feito para evitar danos à rede de gás? 7 O

Leia mais

Aplicação da Tecnologia GI 2 S para diagnóstico de Rodovias, Sistemas Metro-Ferroviários e Sítios Urbanos

Aplicação da Tecnologia GI 2 S para diagnóstico de Rodovias, Sistemas Metro-Ferroviários e Sítios Urbanos Aplicação da Tecnologia GI 2 S para diagnóstico de Rodovias, Sistemas Metro-Ferroviários e Sítios Urbanos Por Paulo Benites 9ª Semana de Tecnologia Metroviária APRESENTAÇÃO Ferramenta gerencial de controle

Leia mais

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre Porquê é importante saber redigir bem tais documentos e correspondências? Porque falhas na comunicação têm

Leia mais

SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR)

SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR) Nº Comité de Estudio: 11 Nº IV SESEP: CE.11.08e SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR) Irineu J. V. Finato ITAIPU BINACIONAL Ricardo Gonzalez Jacques ITAIPU BINACIONAL Edeltraut Eyng Thiel ITAIPU BINACIONAL

Leia mais

PREND Programa de Recebimento de Efluentes Não Domésticos

PREND Programa de Recebimento de Efluentes Não Domésticos SEUS ESGOTOS TRATADOS POR QUEM MAIS ENTENDE DO ASSUNTO Uma das grandes preocupações das empresas hoje em dia é o tratamento e a destinação de seus esgotos. A Sabesp está preparada para receber e tratar

Leia mais

PROJETISTA DE ARQUITETURA

PROJETISTA DE ARQUITETURA PROJETISTA DE ARQUITETURA Autocad 2D e 3D: Descrição: AutoCAD é um software do tipo CAD - computer aided design (projeto com ajuda de computador) - criado e comercializado pela Autodesk. É utilizado principalmente

Leia mais

Geografia. Aula 02. Projeções Cartográficas A arte na construção de mapas. 2. Projeções cartográficas

Geografia. Aula 02. Projeções Cartográficas A arte na construção de mapas. 2. Projeções cartográficas Geografia. Aula 02 Projeções Cartográficas A arte na construção de mapas 2. Projeções cartográficas 2.1. Como representar figuras tridimensionais em um plano sem que ocorra deformidades? É possível eliminar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: INTRODUÇÃO A ECONOMIA Código da Disciplina: EPD003 Curso: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Semestre de oferta da disciplina:

Leia mais

DIRETRIZES PARA PROJETO

DIRETRIZES PARA PROJETO ELABORAÇÃO EQUIPE TÉCNICA USHI: Ely Carlos de Alvarenga Josete de Fátima de Sá Nicolás Lopardo 1 INTRODUÇÃO Esta Diretriz tem como função principal indicar critérios técnicos necessários para permitir

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTÁGIO

EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTÁGIO EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTÁGIO 2016.1 A BIOCORE A Biocore Tecnologia e Soluções Ambientais é uma empresa movida pelo desafio de assessorar projetos em meio ambiente através de serviços e ações que promovam

Leia mais

Processo de gerenciamento de capacidade

Processo de gerenciamento de capacidade Processo de gerenciamento de capacidade O fornecimento da capacidade exigida para processamento e armazenamento de dados é tarefa do gerenciamento de capacidade. Isso é feito para que o provimento desta

Leia mais