MAPA DIGITAL DE PRESSÕES ESTÁTICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPA DIGITAL DE PRESSÕES ESTÁTICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 MAPA DIGITAL DE PRESSÕES ESTÁTICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Guaraci Loureiro Sarzedas (1) Formado em Engenharia Civil, pela Universidade Mackenzie, São Paulo - SP, em 1984 e em Administração, pela Universidade Ibirapuera, em Gerente da Divisão de Planejamento Técnico de FOTOGRAFIA Água e Esgotos da Distribuição, vice-presidência Metropolitana de NÃO Distribuição - SABESP. Arnaldo Nobrega Ramos DISPONÍVEL Formado em Engenharia Civil, pela UNIP, São Paulo - SP, em Engenheiro da Divisão de Planejamento Técnico de Água e Esgotos da Distribuição, vice-presidência Metropolitana de Distribuição - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP. Suely Matsuguma Formada em Engenharia Civil, pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e especialização em Engenharia de Controle da Poluição Ambiental, pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Engenheira da Divisão de Planejamento Técnico de Água e Esgotos da Distribuição, vice-presidência Metropolitana de Distribuição - SABESP. Endereço (1) : Rua Vieira de Moraes, Bloco 4 - apto Campo Belo - São Paulo - SP - CEP: Brasil - Tel: (011) Fax: (011) RESUMO Este trabalho apresenta os passos e ferramentas de Sistemas de Informações Geográficas GIS, utilizados para a elaboração de um Mapa de Pressões Estáticas, em formato digital, abrangendo todos os setores de abastecimento operados pela vice-presidência Metropolitana de Distribuição M, da SABESP, cuja área de atuação é de cerca de Km 2. PALAVRAS-CHAVE: Água, Sistema de Distribuição, Pressão, GIS. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1443

2 INTRODUÇÃO O crescente desenvolvimento de novas tecnologias digitais, que estamos vivendo atualmente, permite que os sistemas para gerenciamento e planejamento operacional, como em outras áreas, estejam contidos num cenário de infinitas possibilidades. Os recursos de mapeamento digital associados a sistemas automatizados, telemetrizados e simulados em modelos matemáticos, permitem o acompanhamento em tempo real do comportamento dos sistemas de distribuição nos seus mais diversos aspectos. Há um grande interesse na aquisição de tecnologia que possa fazer uma integração total de sistemas de origens diferentes, tais como comercial, cadastral e operacional. Como primeiro passo para absorver conhecimentos dessa tecnologia, buscamos obter, utilizando-se de ferramentas de Sistemas de Informações Geográficas (GIS), em ambiente desktop, um mapa digital que pudesse permitir uma análise prévia das áreas críticas de níveis de pressão, visando auxiliar em estudos de perdas físicas, setorização e instalação de válvulas redutoras de pressão, entre outros. A realização deste trabalho foi feita através da contratação de empresa especializada em sistemas de informações geográficas, onde, além da execução dos serviços necessários para a elaboração do mapa de pressões estáticas, descritos abaixo, contou com o fornecimento de cópia dos softwares necessários para elaboração dos mesmos e treinamento abordando todos os passos efetuados pela contatada para a elaboração do mapa, para seis técnicos da companhia. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Para a obtenção desse produto foram executadas as seguintes atividades: Rasterização de mapas em escala 1: do Sistema Cartográfico Metropolitano - Emplasa (cerca de 350 desenhos em formato A1), representando toda a área da Região Metropolitana de São Paulo - RMSP e, na mesma escala, mapas do Instituto de Geografia e Cartografia da USP IGC (cerca de 80 desenhos em formato A1), representando os municípios ao norte da RMSP, que são operados pela vicepresidência Metropolitana de Distribuição M. Estes mapas são considerados os mais precisos existentes atualmente e, rasterizados, servem como base de fundo de temas digitalizados em base vetorial. A figura 1 mostra uma parte de uma planta Emplasa rasterizada; Articulação e georreferenciamento, através de coordenadas U.T.M., das imagens raster, acima descritas. Já através de um aplicativo de GIS desktop as imagens foram georreferenciadas, formando um mosaico articulado das plantas; 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1444

3 Figura 1: Parte de Planta Emplasa Rasterizada. Digitalização em formato vetorial (CAD), georreferenciados, de limites de Municípios, de Unidades de Negócio e de Zonas de Pressão. Como fonte, foram utilizadas plantas EMPLASA, em escala 1: (originárias das 1:10.000), onde foram traçados os limites acima descritos. A digitalização foi feita através de mesa digitalizadora. Os limites digitalizados são mostrados na Figura 2; Digitalização em formato vetorial, tridimensional (longitude, latitude e cota), georreferenciadas, de curvas de nível, de 20 em 20 metros, obtidas de cartas 1: do IBGE; Elaboração do DTM (Modelo Digital de Terreno), ou seja, partindo do arquivo de curvas de nível acima mencionado e com a utilização de software específico, foi criada uma malha de triângulos irregulares, possibilitando a consulta de níveis de terreno, ponto a ponto. Na Figura 3 temos uma pequena parte do modelo digital do terreno; Conversão dos temas digitalizados (CAD) em GIS, com associação a banco de dados, permitindo, num primeiro momento, incrementar o valor da área de cada uma das entidades: Municípios, Unidades de Negócio e Zonas de Pressão nos respectivos arquivos de banco de dados; 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1445

4 Figura 2: Limites de Municípios, UN s e Zonas de Pressão Digitalizados. Elaboração de mapa altimétrico, partindo do DTM, chegando-se a uma grade raster definida por células de 300 X 300 m, cujo valor de cada uma delas é a cota do terreno. Este mapa é realizado por um software específico, que cria essa malha e atribui a cada célula da malha o valor do DTM referente ao centro da célula. Com a determinação de faixas de cotas geométricas, com graduação de cores, chega-se ao mapa altimétrico, conforme Figura 4; Elaboração de mapa de zonas de pressão, com a mesma grade definida para o mapa altimétrico, onde o valor da célula corresponde à cota do nível do reservatório que determina a zona de pressão (zona baixa, reservatório apoiado ou zona alta, reservatório elevado) onde a mesma está contida (o valor da cota do reservatório é originário do campo cota de referencia do banco de dados de zonas de pressão); e Geração de mapa de pressões estáticas. A partir dos dois mapas descritos acima: altimetria e zonas de pressão e da aplicação em software específico, que faz a subtração do valor da cota do nível do reservatório pelo valor da cota do terreno de cada célula da grade, chega-se num novo mapa, que é o de pressões estáticas. Definindo-se faixas de pressões com cores para cada uma delas, temos como resultante o mapa de pressões estáticas, conforme mostra a Figura 5 (os locais com pressões inferiores a 15 mca são abastecidos por boosters de rede). 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1446

5 Figura 3: Exemplo de Modelo Digital de Terreno. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1447

6 Figura 4: Mapa Altimétrico. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1448

7 Figura 5: Mapa de Pressões Estáticas. SOFTWARES UTILIZADOS Para o desenvolvimento do mapa de pressões estáticas em formato digital foram utilizados dois aplicativos desenvolvidos pela AUTODESK, o ReGIS e o AutoDesk World. O ReGIS foi utilizado para o desenvolvimento do mapa temático, sendo dividido em módulos, onde destacamos o ReTIN, responsável pela criação do DTM e o ReSPAN, que realiza a criação de mapas temáticos, como o de altimetria e o de pressões estáticas, através de operações matemáticas. O AutoDesk World, mais recente e sucessor do ReGIS, é utilizado para a manipulação dos dados, tendo grande facilidade em trabalhar com arquivos originais de outros softwares de GIS, como MapInfo e ArcView e total compatibilidade com o AutoCad. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1449

8 CONCLUSÃO O mapa de pressões estáticas apontou um elevado potencial para redução de pressão, pois, como pode ser observado no gráfico da Figura 6, acima de 30 % da RMSP apresenta pressões acima de 60 mca e mais de 80% com pressões acima de 30 mca. O cruzamento deste mapa com informações espacializadas de ocorrências de vazamentos, número de ligações, vazões micro e macromedidas, entre outras irá subsidiar planos de investimentos em ações de pesquisa de vazamentos e instalação de válvulas redutoras de pressão, num primeiro momento. Posteriormente, vislumbram-se um leque muito amplo de utilização dessa ferramenta, tanto no âmbito de abastecimento de água como no de coleta de esgoto. Figura 6: Distribuição das Pressões Estáticas por Faixas de Pressão na RMSP. 30,90 2,08 3,89 10,73 52,41 < 0 mca 0 a 15 mca 15 a 30 mca 30 a 60 mca > 60 mca REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. MARCOS UBIRAJARA DE CARVALHO E CAMARGO. Sistema de Informações Geográficas como Instrumento de Gestão e Saneamento. ABES, o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1450

O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Conjunto de tecnologias de coleta, tratamento e desenvolvimento de informações espaciais.

O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Conjunto de tecnologias de coleta, tratamento e desenvolvimento de informações espaciais. O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Conjunto de tecnologias de coleta, tratamento e desenvolvimento de informações espaciais. GEOPROCESSAMENTO O QUE É SIG? Sistema de Informações Geográficas Sistema de informações

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO MUNDO AO MILIONÉSIMO. ACH 1056 Fundamento de Cartografia Profª. Mariana Soares Domingues

CARTA INTERNACIONAL DO MUNDO AO MILIONÉSIMO. ACH 1056 Fundamento de Cartografia Profª. Mariana Soares Domingues CARTA INTERNACIONAL DO MUNDO AO MILIONÉSIMO ACH 1056 Fundamento de Cartografia Profª. Mariana Soares Domingues Séries cartográficas O que é uma série cartográfica? É a sistematização de um conjunto de

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios para elaboração de Simulação Hidráulica para Sistemas de Abastecimento de Água de Pequeno Porte (até 12.500 ligações), Médio Porte (até 62.500 ligações)

Leia mais

22 al 27 de agosto de 2004 Hotel Caribe Hilton - San Juan, Puerto Rico

22 al 27 de agosto de 2004 Hotel Caribe Hilton - San Juan, Puerto Rico SISTEMA ADUTOR METROPOLITANO DA RMSP MODELAGEM MATEMÁTICA COM A UTILIZAÇÃO DO PIPE 2000 Alexandre Miguel López* O Engº. Alexandre M. López é Diretor de Expansão da Encibra S.A. Estudos e Projetos de Engenharia.

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios e procedimentos para elaboração da Simulação Hidráulica dos Sistemas de Abastecimento de Água, visando: Simulação e Calibração do Sistema Existente;

Leia mais

Banco de Dados Geográficos

Banco de Dados Geográficos Banco de Dados Geográficos Valéria Gonçalves Soares Professora DIMAp/UFRN Conteúdo Bancos de Dados Geográficos 1. Conceitos e Definições Características Gerais 2. Modelos de Dados Geográficos Modelos de

Leia mais

Mapas e suas representações computacionais

Mapas e suas representações computacionais Mapas e suas representações computacionais Tipos de dados: diversos tipos de dados são utilizados em SIG e suas representações computacionais. Mapas temáticos Descrevem de forma qualitativa, a distribuição

Leia mais

3 Sistema de Informação geográfica

3 Sistema de Informação geográfica 3 Sistema de Informação geográfica 3.1 Introdução Também conhecidas como "geoprocessamento", as geotecnologias são o conjunto de técnicas computacionais para coleta, processamento, análise e compartilhamento

Leia mais

PESQUISA DE VAZAMENTOS OU REDUÇÃO DE PRESSÃO? COMO INVESTIR NA REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS

PESQUISA DE VAZAMENTOS OU REDUÇÃO DE PRESSÃO? COMO INVESTIR NA REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS PESQUISA DE VAZAMENTOS OU REDUÇÃO DE PRESSÃO? COMO INVESTIR NA REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS Guaraci Loureiro Sarzedas (1) Formado em Engenharia Civil, pela Universidade Mackenzie, São Paulo - SP, em 1984

Leia mais

DIMINUIÇÃO DE VAZÃO MÍNIMA NOTURNA POR REDUÇÃO DE PRESSÃO

DIMINUIÇÃO DE VAZÃO MÍNIMA NOTURNA POR REDUÇÃO DE PRESSÃO DIMINUIÇÃO DE VAZÃO MÍNIMA NOTURNA POR REDUÇÃO DE PRESSÃO Márcio Bittencourt (1) Formado em Gestão Pública, especialização em Gerenciamento de Cidades Glauto Magnus Emanuel Formado em Gestão Pública Endereço

Leia mais

Aplicações da Cartografia Digital e das Geotecnologias para o Saneamento. Geóg. Thomas Ficarelli

Aplicações da Cartografia Digital e das Geotecnologias para o Saneamento. Geóg. Thomas Ficarelli Aplicações da Cartografia Digital e das Geotecnologias para o Saneamento Geóg. Thomas Ficarelli A realidade e a representação 2. 1. Antes da representação, vem a referência A natureza e a mente humana

Leia mais

I-048 PERIODICIDADE PARA CALIBRAÇÃO E AJUSTE DE MEDIDORES DEPRIMOGÊNEOS

I-048 PERIODICIDADE PARA CALIBRAÇÃO E AJUSTE DE MEDIDORES DEPRIMOGÊNEOS I-048 PERIODICIDADE PARA CALIBRAÇÃO E AJUSTE DE MEDIDORES DEPRIMOGÊNEOS Viviana Marli Nogueira de Aquino Borges (1) Engenheira Civil pela Escola de Engenharia da Universidade Mackenzie e mestranda em Engenharia

Leia mais

CARTOGRAFIA 1 - SISTEMA CARTOGRÁFICO BRASILEIRO 2 - ARTICULAÇÃO DE CARTAS. Sistema Cartográfico Nacional

CARTOGRAFIA 1 - SISTEMA CARTOGRÁFICO BRASILEIRO 2 - ARTICULAÇÃO DE CARTAS. Sistema Cartográfico Nacional CARTOGRAFIA 1 - SISTEMA CARTOGRÁFICO BRASILEIRO 2 - ARTICULAÇÃO DE CARTAS Sistema Cartográfico Nacional IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Mapeamento do território nacional a pequena

Leia mais

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO Ilka Soares Cintra (1) Professora Assistente do Departamento de Cartografia do Instituto de Geo- Ciências

Leia mais

1/27. Copyright LTG 2016 LTG/PTR/EPUSP

1/27. Copyright LTG 2016 LTG/PTR/EPUSP 1/27 2/27 ESCALA é a relação entre o valor de uma distância medida no desenho e sua correspondente no terreno. Representa-se na forma: 1:M ou 1/M ou como escala gráfica M é o módulo da escala e deve ser

Leia mais

O que é Cartografia?

O que é Cartografia? O que é Cartografia? Nações Unidas As Nações Unidas, definiu em 1949, através de comissão especializada, cartografia como sendo A ciência que se ocupa da elaboração de mapas de toda espécie. Abrange todas

Leia mais

I-159 A MELHORIA DA INFRAESTRUTURA E O IMPACTO NA REDUÇÃO DAS RECLAMAÇÕES DE FALTA D AGUA NA UNIDADE DE NEGÓCIO SUL - SABESP

I-159 A MELHORIA DA INFRAESTRUTURA E O IMPACTO NA REDUÇÃO DAS RECLAMAÇÕES DE FALTA D AGUA NA UNIDADE DE NEGÓCIO SUL - SABESP I-159 A MELHORIA DA INFRAESTRUTURA E O IMPACTO NA REDUÇÃO DAS RECLAMAÇÕES DE FALTA D AGUA NA UNIDADE DE NEGÓCIO SUL - SABESP Felipe Magno da Silva Neto Engenheiro Civil e Tecnólogo em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL - Abertura e aprovação do projeto do curso:

Leia mais

24ª Audiência de Sustentabilidade Redução de Perdas 21 de julho de Redução de Perdas de Água: Avanços Trazidos pelo Projeto Eficaz

24ª Audiência de Sustentabilidade Redução de Perdas 21 de julho de Redução de Perdas de Água: Avanços Trazidos pelo Projeto Eficaz 24ª Audiência de Sustentabilidade Redução de Perdas 21 de julho de 2010 Redução de Perdas de Água: Avanços Trazidos pelo Projeto Eficaz Visão Geral das Perdas na Sabesp Quantificação das Perdas na Sabesp

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0800: Cartografia e GPS aplicados a A. P. (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0800: Cartografia e GPS aplicados a A. P. (Prof. Dr. Elódio Sebem) Escalas: Razão de semelhança entre a representação e o mundo real. Relação entre a medida de um objeto ou lugar representado no papel e sua medida real. Relação entre a distância no mapa e a correspondente

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO. SER-300 Introdução ao Geoprocessamento. Relatório do Laboratório 3 ANA CAROLINA MOREIRA PESSÔA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO. SER-300 Introdução ao Geoprocessamento. Relatório do Laboratório 3 ANA CAROLINA MOREIRA PESSÔA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO SER-300 Introdução ao Geoprocessamento Relatório do Laboratório 3 ANA CAROLINA MOREIRA PESSÔA INPE São José dos Campos 2014 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 2 2 DESENVOLVIMENTO...

Leia mais

Mapa topográfico do Sara Brasil (1930) sobreposto às imagens atuais de satélite do Google Earth

Mapa topográfico do Sara Brasil (1930) sobreposto às imagens atuais de satélite do Google Earth Mapa topográfico do Sara Brasil (1930) sobreposto às imagens atuais de satélite do Google Earth FFLCH-USP p. 156 159 revista Disponível em: http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/97395 Como citar:

Leia mais

Cartografia Temática

Cartografia Temática Cartografia Temática Os mapas temáticos podem ser gerados por intituições públicas e privadas, especializadas em mapeamento. Servem para auxiliar o poder público e empresas privadas na tomada de decisões,

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS DO DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE SÃO CAETANO DO SUL

A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS DO DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE SÃO CAETANO DO SUL A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS DO DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE SÃO CAETANO DO SUL Dênis Striani (1) Mestre em engenharia Naval pela Escola Politécnica da USP, Engenheiro Naval

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS GEORREFERENCIADOS PARA ESTUDOS URBANOS NO PLANO PILOTO DE BRASÍLIA

MODELAGEM DE DADOS GEORREFERENCIADOS PARA ESTUDOS URBANOS NO PLANO PILOTO DE BRASÍLIA MODELAGEM DE DADOS GEORREFERENCIADOS PARA ESTUDOS URBANOS NO PLANO PILOTO DE BRASÍLIA Rafael Damiati Ferreira SER 300 Introdução ao Geoprocessamento Laboratório 1 Modelagem da Base de Dados Docentes: Dr.

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO DO REBAIXAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TRAMANDAÍ, RS 1

ESPACIALIZAÇÃO DO REBAIXAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TRAMANDAÍ, RS 1 ESPACIALIZAÇÃO DO REBAIXAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TRAMANDAÍ, RS 1 BERNARDI, Ewerthon Cezar Schiavo 2 ; PANZIERA, André Gonçalves 2 ; AUZANI, Gislaine Mocelin

Leia mais

O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP

O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP Marcelo Marconato Prates Josiane Lourencetti Orientador: Prof. Dr. Jefferson Nascimento de Oliveira Bonito, M.S Outubro,

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Controle de Perdas

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Controle de Perdas TÍTULO: Gestão do Volume Total de Água Utilizado por Grandes Consumidores Comerciais e Industriais em Imóveis com mais de uma ligação de água. Nome do Autor: Engº Renan Moraes Sampaio, engenheiro civil

Leia mais

Plano de Formação. Curso de Formação SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA INTRODUÇÃO

Plano de Formação. Curso de Formação SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA INTRODUÇÃO Plano de Formação Curso de Formação SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA INTRODUÇÃO 1. Enquadramento Os Sistemas de Informação Geográfica são ferramentas cada vez mais imprescindíveis para diferentes áreas

Leia mais

O USO DO SENSORIAMENTO REMOTO NA COMPREENSÃO DOS PROBLEMAS SÓCIO AMBIENTAIS LOCAIS ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O EXEMPLO DE SANTO ANDRÉ - SP

O USO DO SENSORIAMENTO REMOTO NA COMPREENSÃO DOS PROBLEMAS SÓCIO AMBIENTAIS LOCAIS ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O EXEMPLO DE SANTO ANDRÉ - SP O USO DO SENSORIAMENTO REMOTO NA COMPREENSÃO DOS PROBLEMAS SÓCIO AMBIENTAIS LOCAIS ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O EXEMPLO DE SANTO ANDRÉ - SP Vânia Maria Nunes dos Santos (1) Socióloga. Pós-graduada

Leia mais

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM A PARTIR DE IMAGENS DE SENSORES ORBITAIS DE ALTA RESOLUÇÃO

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM A PARTIR DE IMAGENS DE SENSORES ORBITAIS DE ALTA RESOLUÇÃO GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM A PARTIR DE IMAGENS DE SENSORES ORBITAIS DE ALTA RESOLUÇÃO Francisco José Silva Soares Mendes Graduando em Geografia pela Universidade Federal do Ceará- UFC/Fortaleza-CE. mendesfjss@yahoo.com.br.

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof: Helano Abreu hasantos@sfiec.org.br www.profhelanoabreu.wordpress.com 1 PROJETO TOPOGRÁFICO 2 O que é Topografia? ETIMOLOGIA: A palavra TOPOGRAFIA

Leia mais

Softwares de geoprocessamento e implantação de SIG s. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Softwares de geoprocessamento e implantação de SIG s. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Softwares de geoprocessamento e implantação de SIG s Prof. Dr. Cristiano Zerbato O que são? Programa computacional capaz de processar as coordenadas Softwares CAD: sistemas voltados para desenho técnico

Leia mais

Infraestrutura de Dados Espaciais para a Administração Pública Estadual de Minas Gerais

Infraestrutura de Dados Espaciais para a Administração Pública Estadual de Minas Gerais Infraestrutura de Dados Espaciais para a Administração Pública Estadual de Minas Gerais Cláudia Werneck Diretora Geral Instituto de Geociências Aplicadas Autarquia do Estado de Minas Gerais Quem somos?

Leia mais

8 Reservatórios de distribuição de água. TH028 - Saneamento Ambiental I 1

8 Reservatórios de distribuição de água. TH028 - Saneamento Ambiental I 1 8 Reservatórios de distribuição de água TH028 - Saneamento Ambiental I 1 8.1 - Introdução Finalidades Regularizar a vazão de adução com a de distribuição Condicionar pressões na rede de distribuição Reservar

Leia mais

PREFEITURA DE UBERLÂNDIA. Sistema de Informação Geográfica SIG

PREFEITURA DE UBERLÂNDIA. Sistema de Informação Geográfica SIG Faculdade de Engenharia de Minas Gerais Campus Gameleira INSTITUTO EDUCACIONAL CÂNDIDA DE SOUZA Graduação em Engenharia de Agrimensura PREFEITURA DE UBERLÂNDIA Sistema de Informação Geográfica SIG Dayana

Leia mais

RESERVATÓRIO DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

RESERVATÓRIO DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA RESERVATÓRIO DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

Avaliação de Áreas. As áreas topográficas são projeções horizontais das obras projetadas e executadas pela engenharia.

Avaliação de Áreas. As áreas topográficas são projeções horizontais das obras projetadas e executadas pela engenharia. 1 Avaliação de Áreas 2 A avaliação de áreas é fundamental para planejamentos de engenharia, agricultura, loteamentos, limites de preservação ambiental, levantamentos cadastrais para compra e venda, partilha,

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental I-92 - TEMPO DE RESTABELECIMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA JUCU E AUTONOMIA DOS RESERVATÓRIOS APÓS PARALISAÇÃO PROGRAMADA DA COMPANHIA ESPÍRITO SANTENSE DE SANEAMENTO (CESAN) Luciana Callegari

Leia mais

Ministrantes: Alex Lemos e Marco Malagodi

Ministrantes: Alex Lemos e Marco Malagodi Ministrantes: Alex Lemos e Marco Malagodi O que é Geotecnologia? Base vetorial: ponto, linha e polígono Atividade I Apresentação: Google Earth > Ferramentas Atividade II Atividade III Atividade IV Agenda

Leia mais

CARTOGRAFIA: ELEMENTOS E TÉCNICAS MÓDULO 01 GEOGRAFIA 01

CARTOGRAFIA: ELEMENTOS E TÉCNICAS MÓDULO 01 GEOGRAFIA 01 CARTOGRAFIA: ELEMENTOS E TÉCNICAS MÓDULO 01 GEOGRAFIA 01 Cartografia ciência responsável pela elaboração de representações da superfície da Terra. Com a ajuda da matemática, evoluiu e aprimorou mapas e

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ECV310 Fundamentos de Cartografia e Topografia

Programa Analítico de Disciplina ECV310 Fundamentos de Cartografia e Topografia 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 5 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 3 2 5 Períodos - oferecimento:

Leia mais

Gênesis Soluções / Gênesis Sistema de cadastros e Desenvolvimento de Software Rua dos Tupinambás, 179 sl 153 Centro Belo Horizonte MG Tel:

Gênesis Soluções / Gênesis Sistema de cadastros e Desenvolvimento de Software Rua dos Tupinambás, 179 sl 153 Centro Belo Horizonte MG Tel: Gênesis Soluções / Gênesis Sistema de cadastros e Desenvolvimento de Software Rua dos Tupinambás, 179 sl 153 Centro 30120-070 Belo Horizonte MG Tel: (031)3275-3428 / 2535-3428 / 8718-5694 email: genesis-sci@genesis-sci.com.br

Leia mais

ANÁLISE GEOESPACIAL DAS DINÂMICAS AMBIENTAIS DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO MONTEIRO-PB

ANÁLISE GEOESPACIAL DAS DINÂMICAS AMBIENTAIS DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO MONTEIRO-PB ANÁLISE GEOESPACIAL DAS DINÂMICAS AMBIENTAIS DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO MONTEIRO-PB Éder Geovani da Paz Oliveira Hermes Alves de Almeida Francilaine Nóbrega de Lima Luciano Guimarães de Andrade

Leia mais

INTRODUÇÃO A TOPOGRAFIA ARQUITETURA E URBANISMO / AGRONOMIA / ENGENHARIA CIVIL PROF. LUIZ MIGUEL DE BARROS

INTRODUÇÃO A TOPOGRAFIA ARQUITETURA E URBANISMO / AGRONOMIA / ENGENHARIA CIVIL PROF. LUIZ MIGUEL DE BARROS INTRODUÇÃO A TOPOGRAFIA ARQUITETURA E URBANISMO / AGRONOMIA / ENGENHARIA CIVIL PROF. LUIZ MIGUEL DE BARROS LUIZMIGUEL.BARROS@YAHOO.COM.BR O QUE É TOPOGRAFIA??? Grego Português Topos Lugar, ambiente Graphen

Leia mais

Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS

Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS EMENTAS Níveis Básico e Avançado CURSOS DE GEOPROCESSAMENTO COM O SOFTWARE LIVRE QGIS O QGIS é um dos mais robustos softwares gratuitos para Sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SIG FORMATOS DE REPRESENTAÇÃO DE DADOS FORMATO VETORIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SIG FORMATOS DE REPRESENTAÇÃO DE DADOS FORMATO VETORIAL FORMATO VETORIAL 1 FORMATO VETORIAL Formato que utiliza como primitivas Pontos, Linhas e Polígonos, baseadas em equações matemáticas para representar imagens na computação gráfica Primitivas: elementos

Leia mais

Sistema de esgotamento sanitário de Maceió-AL: abrangência do serviço em relação à sua quantidade populacional.

Sistema de esgotamento sanitário de Maceió-AL: abrangência do serviço em relação à sua quantidade populacional. Sistema de esgotamento sanitário de Maceió-AL: abrangência do serviço em relação à sua quantidade populacional. Bruno Timóteo Rodrigues 1, Adelmo Lima Bastos 2, Benício Emanoel Omena Monte 3 1 Graduando

Leia mais

Mapas e suas representações computacionais

Mapas e suas representações computacionais Mapas e suas representações computacionais Atributos não espaciais É qualquer informação descritiva relacionada a um único objeto ou um conjunto deles. Os SIGs armazenam estes dados em um Sistema de

Leia mais

Tutorial QGIS Modelagem Numérica de Terreno

Tutorial QGIS Modelagem Numérica de Terreno Tutorial QGIS Modelagem Numérica de Terreno Sistemas de Informações Geográficas Engenharia de Agrimensura e Cartográfica 7º Período Alunos: Valter Antônio da Silva Thomas Lucas Ricardo Professor: Ângelo

Leia mais

Copyright LTG 2011 LTG/PTR/EPUSP

Copyright LTG 2011 LTG/PTR/EPUSP 1 Avaliação de Áreas 2 Fundamental para planejamentos de engenharia, agricultura, loteamentos, limites de preservação ambiental, levantamentos cadastrais para compra e venda, partilha, escrituras, etc.

Leia mais

USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANALISE GEOMORFOLÓGICA USANDO O USO E COBERTURA DE TERRA NO MUNICÍPIO DE NITERÓI-RJ.

USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANALISE GEOMORFOLÓGICA USANDO O USO E COBERTURA DE TERRA NO MUNICÍPIO DE NITERÓI-RJ. USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANALISE GEOMORFOLÓGICA USANDO O USO E COBERTURA DE TERRA NO MUNICÍPIO DE NITERÓI- RJ. Costa, B.L. 1 ; Marins, L.S. 2 ; Neto, D.S. 3 ; 1 UERJ - FFP Email:brunolopescosta@gmail.com;

Leia mais

Laboratório 01 Modelagem e Criação de Bancos de Dados

Laboratório 01 Modelagem e Criação de Bancos de Dados INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO (SER - 300) Laboratório 01 Modelagem e Criação de Bancos de Dados Docente: Antonio Miguel Vieira Monteiro Discente: Andeise Cerqueira Dutra São José dos Campos Maio, 2017

Leia mais

Alguns Clientes Agroindustrial Santa Juliana

Alguns Clientes Agroindustrial Santa Juliana Em que consiste? AgroCAD é uma solução completa em projetos para Agricultura de Precisão, que busca integrar e direcionar as ferramentas de CAD, topografia e geoprocessamento disponíveis no software AutoCAD

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINAS

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINAS Ministério da Educação e do Desporto Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINAS 1 2 Curso Geografia Código: 35 3 4 Modalidade(s):Bacharelado/Licenciatura

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (II)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (II) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal do Triângulo Mineiro Laboratório de Cartografia e Geoprocessamento CARTOGEO/DEGEO/UFTM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal do Triângulo Mineiro Laboratório de Cartografia e Geoprocessamento CARTOGEO/DEGEO/UFTM ESCALA CARTOGRÁFICA Parte 1: questões para resolução na aula 1) Para obter, em um mapa, informação mais detalhada, qual das escalas a seguir é utilizada? a) 1/100. b) 1/1.000. c) 1/10.000. d) 1/100.000.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SIG. Programa. Referências Bibliográficas. Prof. Luciene Delazari

INTRODUÇÃO AO SIG. Programa. Referências Bibliográficas. Prof. Luciene Delazari INTRODUÇÃO AO SIG Prof. Luciene Delazari Programa 1. Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Geográfica 1.1. Conceitos 1.2 Geoprocessamento x SIG 1.3 Componentes de um SIG 1.4 Aplicações em Agronomia

Leia mais

PMI 3331 GEOMÁTICA APLICADA À ENGENHARIA DE PETRÓLEO

PMI 3331 GEOMÁTICA APLICADA À ENGENHARIA DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Politécnica Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo PMI Graduação em Engenharia de Petróleo PMI 3331 GEOMÁTICA APLICADA À ENGENHARIA DE PETRÓLEO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

Leia mais

Redução de Perdas através de contratos de remuneração por desempenho. Carlos Jose Teixeira Berenhauser

Redução de Perdas através de contratos de remuneração por desempenho. Carlos Jose Teixeira Berenhauser Redução de Perdas através de contratos de remuneração por desempenho Carlos Jose Teixeira Berenhauser Atuação desde 1992 em redução e controle de perdas em sistemas de abastecimento de agua Presença nacional

Leia mais

Palavras Chave: Mapeamento, GIS, cartografia digital, tratamento de esgotos. RESUMO

Palavras Chave: Mapeamento, GIS, cartografia digital, tratamento de esgotos. RESUMO DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA PARA O GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE INFLUÊNCIA DAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Maria Carolina Gonçalves

Leia mais

Censo sem papel: A experiência do Brasil

Censo sem papel: A experiência do Brasil Censo sem papel: A experiência do Brasil Luciano Tavares Duarte IBGE / Diretoria de Pesquisas Gerência Técnica do Censo Demográfico VII Congreso de la Asociación Latinoamericana de Población e XX Encontro

Leia mais

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CAMPO LARGO, 15 DE ABRIL DE 2013 Cartografia Cartografia é o conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas, baseado

Leia mais

Topografia. Definição: Derivada das palavras gregas: Topos (lugar) Graphen (descrever) É a descrição de um lugar. Sheila R. Santos

Topografia. Definição: Derivada das palavras gregas: Topos (lugar) Graphen (descrever) É a descrição de um lugar. Sheila R. Santos Topografia Definição: Derivada das palavras gregas: Topos (lugar) Graphen (descrever) É a descrição de um lugar. 1 Topografia Definição: É o conjunto de princípios, métodos, aparelhos e convenções utilizados

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; PALAVRAS CHAVES: Planejamento ambiental; Geoprocessamento; Geomorfologia

Costa, B.L. 1 ; PALAVRAS CHAVES: Planejamento ambiental; Geoprocessamento; Geomorfologia USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANALISE GEOMORFOLÓGICA USANDO O MAPA DE LOCALIZAÇÃO DE PONTOS DE MOVIMENTOS DE MASSAS NA. Costa, B.L. 1 ; 1 UERJ - FFP Email:brunolopescosta@gmail.com; RESUMO: O objetivo deste

Leia mais

EAD CR CAMPEIRO 7. Visão Geral do Sistema

EAD CR CAMPEIRO 7. Visão Geral do Sistema EAD CR CAMPEIRO 7 Visão Geral do Sistema Prof. Dr. Enio Giotto Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Rurais Universidade Federal de Santa Maria O Projeto CR Campeiro O Projeto de Ciência

Leia mais

Declaramos estarmos de pleno acordo com as condições estabelecidas pelo regulamento para apresentação de Trabalhos Técnicos, submetendo-nos às mesmas.

Declaramos estarmos de pleno acordo com as condições estabelecidas pelo regulamento para apresentação de Trabalhos Técnicos, submetendo-nos às mesmas. A IMPORTÂNCIA DA SETORIZAÇÃO DENTRO DE ÁREAS SUJEITAS A RODÍZIOS DE ABASTECIMENTO A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP Luciana Menezes Ruivo Nascimento Andrade * Engenheira Civil pela FESP 2001 e Tecnóloga

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE PRESSÃO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. Município de Cerquilho - SP

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE PRESSÃO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. Município de Cerquilho - SP RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE PRESSÃO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Município de Cerquilho - SP Novembro de 2014 Sumario CAPITULO I AV. JARDIM, 170... 1 1. OBJETIVO... 3 2. EQUIPAMENTO INSTALADO... 3

Leia mais

PARAIBUNA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

PARAIBUNA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE PARAIBUNA PRESTADOR: COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTO DE PARAIBUNA CAEPA Relatório R2 Não Conformidades Americana, junho de 2016

Leia mais

Modelagem Numérica de Terreno: Teoria & Prática

Modelagem Numérica de Terreno: Teoria & Prática Modelagem Numérica de Terreno: Teoria & Prática Flávia F. Feitosa Disciplina PGT 035 Geoprocessamento Aplicado ao Planejamento e Gestão do Território Aula disponível em: https://flaviafeitosa.wordpress.com/talksteaching/geopgt/

Leia mais

Orientador Prof. Marcel Hugo

Orientador Prof. Marcel Hugo A visualização de consultas de um Sistema de Informação Gerencial em um Sistema de Informação Geográfica avançando a Inteligência de Negócios Rodrigo Alves Orientador Prof. Marcel Hugo 1 Roteiro da Apresentação

Leia mais

Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes

Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes MÁRCIO MARTINEZ KUTSCHER mkutscher@comusa.com.br Responsável pela automação e manutenção de sistemas eletromecânicos.

Leia mais

Normas de instrução de processos em formato digital

Normas de instrução de processos em formato digital Normas de instrução de processos em formato digital 1. Formato e caraterização dos ficheiros a apresentar 2. Projeto de arquitetura 3. Projeto de especialidades 4. Levantamento Topográficos e Plantas de

Leia mais

Geoprocessamento na Agricultura de Precisão

Geoprocessamento na Agricultura de Precisão 1 a Semana Acadêmica de Engenharia de Agrimensura 29 de novembro a 03 de dezembro de 2004 UFRRJ IT Departamento de Engenharia MINICURSO Geoprocessamento na Agricultura de Precisão UFRRJ NOVEMBRO 2004 CONTEÚDO

Leia mais

I BALANÇO HÍDRICO DAS MICROBACIAS DA REGIÃO DOS LAGOS ÁGUA PRETA E BOLONHA

I BALANÇO HÍDRICO DAS MICROBACIAS DA REGIÃO DOS LAGOS ÁGUA PRETA E BOLONHA I-178 - BALANÇO HÍDRICO DAS MICROBACIAS DA REGIÃO DOS LAGOS ÁGUA PRETA E BOLONHA Carlos Roberto Palmeira Greidinger (1) Engenheiro Civil pela UFPA. Engenheiro da Companhia de Saneamento do Pará COSANPA

Leia mais

ORÇAMENTO E CALCULO DO CUSTO DE OBRAS

ORÇAMENTO E CALCULO DO CUSTO DE OBRAS ORÇAMENTO E CALCULO DO CUSTO DE OBRAS Realização 27 e 28 de Março de 2015 Este curso tem por objetivo tornar o aluno apto a elaborar orçamentos e calculo do custo de obras de: Edificações,Estruturas, Terraplanagem,

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GLT 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO III GRUPO DE ESTUDO DE LINHA DE TRANSMISSÃO NOVAS TECNOLOGIAS PARA ESTUDO

Leia mais

35ª ASSEMAE IX EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título do Trabalho. Planejamento de Obras de Drenagem Urbana Santo André - SP

35ª ASSEMAE IX EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título do Trabalho. Planejamento de Obras de Drenagem Urbana Santo André - SP 35ª ASSEMAE IX EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do Trabalho Planejamento de Obras de Drenagem Urbana Santo André - SP Autor Engº Flávio Souto Casarini Junior Currículo do Autor

Leia mais

Mapeamento Temático. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Mapeamento Temático. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Mapeamento Temático Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Como se classificam os mapas/cartas? A classificação mais comum é a que agrupa de acordo com a finalidade para a qual

Leia mais

MAPEAMENTO URBANO E SOCIOECONÔMICO DA ZONA LESTE PLANO DE TRABALHO

MAPEAMENTO URBANO E SOCIOECONÔMICO DA ZONA LESTE PLANO DE TRABALHO MAPEAMENTO URBANO E SOCIOECONÔMICO DA ZONA LESTE PLANO DE TRABALHO Fonte: Emplasa 2007/ SMDU 2013 Base Cartográfica: MDC/SMDU; Emplasa, 2007 Elaboração: SMDU/SPurbanismo, 2013 Plano de Trabalho MAPEAMENTO

Leia mais

Geoprocessamento em Cadastro Imobiliário

Geoprocessamento em Cadastro Imobiliário 1 / 13 Geoprocessamento em Cadastro Imobiliário FERRAMENTA: EM AMBIENTE DE CAD INTELLICAD - GIS O Sistema de Cadastro Inteligente - SCI 2017 é uma ferramenta desenvolvida para ambiente de CAD, e venho

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO. Organização e Elaboração: Profa. Dra. Andréia Medinilha Pancher Profa. Dra. Maria Isabel Castreghini de Freitas

GEORREFERENCIAMENTO. Organização e Elaboração: Profa. Dra. Andréia Medinilha Pancher Profa. Dra. Maria Isabel Castreghini de Freitas GEORREFERENCIAMENTO Organização e Elaboração: Profa. Dra. Andréia Medinilha Pancher Profa. Dra. Maria Isabel Castreghini de Freitas CONHECIMENTO DA INCERTEZA = ERRO Tudo o que se mede ou se modela está

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GEOGRAFIA CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA I SiRAC - SIMPÓSIO REGIONAL DE AGRIMENSURA E CARTOGRAFIA: A GEODÉSIA E A TOPOGRAFIA NO CENÁRIO

Leia mais

U.E.F.S DEPARTAMENTO: TECNOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

U.E.F.S DEPARTAMENTO: TECNOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA U.E.F.S DEPARTAMENTO: TECNOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA ------------- ------------------------------------------------------- TEC 201 CARTOGRAFIA GERAL CARGA HORÁRIA CRÉDITOS REQUISITOS

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE LIMEIRA PRESTADOR: ODEBRECHT AMBIENTAL LIMEIRA S/A

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE LIMEIRA PRESTADOR: ODEBRECHT AMBIENTAL LIMEIRA S/A RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE LIMEIRA PRESTADOR: ODEBRECHT AMBIENTAL LIMEIRA S/A Relatório R7 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades Americana,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA BIOTA DO AÇUDE ITANS EM CAICÓ/RN: ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA BIOTA DO AÇUDE ITANS EM CAICÓ/RN: ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA BIOTA DO AÇUDE ITANS EM CAICÓ/RN: ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Renato de Medeiros Rocha¹; João Paulo de Oliveira Medeiros¹; Diógenes Félix da Silva Costa¹; Ibsen Pereira

Leia mais

DESAFIOS ENVOLVIDOS NA OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA. ESTUDO DE CASO: SETOR DE ABASTECIMENTO BONSUCESSO, GUARULHOS-SP

DESAFIOS ENVOLVIDOS NA OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA. ESTUDO DE CASO: SETOR DE ABASTECIMENTO BONSUCESSO, GUARULHOS-SP 26 o Encontro Técnico AESABESP DESAFIOS ENVOLVIDOS NA OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA. ESTUDO DE CASO: SETOR DE ABASTECIMENTO BONSUCESSO, GUARULHOS-SP Juliana Caroline de Alencar da Silva

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Ufrn 2013) Um estudante australiano, ao realizar pesquisas sobre o Brasil, considerou importante saber a localização exata de sua capital, a cidade de Brasília. Para isso, consultou o mapa a seguir:

Leia mais

Experiências do Saneamento Rural Espírito Santo PROGRAMA PRÓ-RURAL / CESAN. PAINEL II Modelos de Gestão em Saneamento Rural

Experiências do Saneamento Rural Espírito Santo PROGRAMA PRÓ-RURAL / CESAN. PAINEL II Modelos de Gestão em Saneamento Rural Experiências do Saneamento Rural Espírito Santo PROGRAMA PRÓ-RURAL / CESAN PAINEL II Modelos de Gestão em Saneamento Rural Estado do Espírito Santo Localização: Região sudeste, entre o RJ, MG e a BA Área:

Leia mais

ESCALAS. Uma carta ou mapa, só estará completa se trouxer seus elementos devidamente representados. Esta representação gera dois problemas:

ESCALAS. Uma carta ou mapa, só estará completa se trouxer seus elementos devidamente representados. Esta representação gera dois problemas: ESCALAS Uma carta ou mapa, só estará completa se trouxer seus elementos devidamente representados. Esta representação gera dois problemas: 1. A necessidade de reduzir as proporções dos acidentes à representar,

Leia mais

SOLUÇÃO EM TELECOMUNICAÇÃO

SOLUÇÃO EM TELECOMUNICAÇÃO SOLUÇÃO EM TELECOMUNICAÇÃO UMA SOLUÇÃO DE: www.digicade.com.br 2 of 16 SOBRE NÓS A Digicade Tecnologia desenvolve soluções integradas a informações geográficas customizadas para cada modelo de negócio.

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

TOPOGRAFIA. Prof. Michel Andraus

TOPOGRAFIA. Prof. Michel Andraus TOPOGRAFIA Prof. Michel Andraus 2017 O homem sempre necessitou conhecer o meio em que vive, por questões de sobrevivência, orientação, segurança, guerras, navegação, construção, etc. O homem já fazia mapas

Leia mais

TOPOGRAFIA MEDIDAS E REFERÊNCIAS: FORMA DA TERRA

TOPOGRAFIA MEDIDAS E REFERÊNCIAS: FORMA DA TERRA TOPOGRAFIA MEDIDAS E REFERÊNCIAS: FORMA DA TERRA Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-2 Objetivos Conhecer as formas de representar a Terra Conhecer algumas das referências e medidas usadas na topografia Conhecer

Leia mais

O Geprocessamento O nascimento da Geomática: a geografia informática. funções, programas e tecnologias de representação espacial; Unificação contínua de técnicas e instrumentos; Generalização do termo

Leia mais

Delimitação da mancha de inundação com o gvsig/sextante no município de Sete Barras/SP/Brasil

Delimitação da mancha de inundação com o gvsig/sextante no município de Sete Barras/SP/Brasil Delimitação da mancha de inundação com o gvsig/sextante no município de Sete Barras/SP/Brasil Alex Joci dos Santos1 1 Arlei Benedito Macedo1, 2 Iguape e Litoral Sul www.sigrb.com.br Fabio Rodrigo de Oliveira1,

Leia mais

4 METODOLOGIA. 4.1 MATERIAIS

4 METODOLOGIA. 4.1 MATERIAIS 23 4 METODOLOGIA. Para atingir os objetivos propostos deste estudo, várias fontes de dados e materiais foram utilizadas. A descrição foi dividida em duas partes para melhor compreensão, uma de materiais

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO COM O

CURSO DE INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO COM O CURSO DE INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO COM O Manual para iniciantes em Geotecnologias 1 CURSO DE INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO COM O Manual para iniciantes em Geotecnologias Introdução Primeiros passos

Leia mais

Aplicativos do site do IBGE.

Aplicativos do site do IBGE. Aplicativos do site do IBGE. Thayse Cristiane Severo do Prado O intuito deste tutorial será mostrar aos usuários do site do IBGE, as facilidades e informações que este disponibiliza para a sociedade em

Leia mais

O USO DO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DAS EMPRESAS DE SANEAMENTO

O USO DO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DAS EMPRESAS DE SANEAMENTO 1 O USO DO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DAS EMPRESAS DE SANEAMENTO Tema V: Institucionalização do setor. Organização e gestão dos Serviços Autônomos de Saneamento. Formulação

Leia mais