UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA VIVIANE MARCHI ALENCAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA VIVIANE MARCHI ALENCAR"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA VIVIANE MARCHI ALENCAR ESTUDO SOBRE A EFICÁCIA DA VISITA DOMICILIAR ASSOCIADA AO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA PACIENTES ASMÁTICOS JOVENS, VERIFICADA ATRAVÉS DA ESCALA MODIFICADA DE BORG, DO PICO DE FLUXO EXPIRATÓRIO E DO VOLUME EXPIRATÓRIO FORÇADO NO PRIMEIRO SEGUNDO. CASCAVEL- PR 2004

2 2 VIVIANE MARCHI ALENCAR ESTUDO SOBRE A EFICÁCIA DA VISITA DOMICILIAR ASSOCIADA AO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA PACIENTES ASMÁTICOS JOVENS, VERIFICADA ATRAVÉS DA ESCALA MODIFICADA DE BORG, DO PICO DE FLUXO EXPIRATÓRIO E DO VOLUME EXPIRATÓRIO FORÇADO NO PRIMEIRO SEGUNDO. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Fisioterapia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná Campus Cascavel como requisito parcial para obtenção do título de Graduação em Fisioterapia. Orientador (a): Prof a. Juliana Hering Genske. CASCAVEL-PR 2004

3 3 TERMO DE APROVAÇÃO VIVIANE MARCHI ALENCAR ESTUDO SOBRE A EFICÁCIA DA VISITA DOMICILIAR ASSOCIADA AO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA PACIENTES ASMÁTICOS JOVENS, VERIFICADA ATRAVÉS DA ESCALA MODIFICADA DE BORG, DO PICO DE FLUXO EXPIRATÓRIO E DO VOLUME EXPIRATÓRIO FORÇADO NO PRIMEIRO SEGUNDO. Trabalho de Conclusão de Curso aprovado como requisito parcial para obtenção do título de Graduado em Fisioterapia, na Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Profª. Josiane Rodrigues da Silva Coordenadora do Curso BANCA EXAMINADORA... Orientador (a): Prof a. Juliana Hering Genske Colegiado de Fisioterapia - UNIOESTE... Prof a. Keila Okuda Tavares Colegiado de Fisioterapia - UNIOESTE... Prof. José Luis C. Machado Colegiado de Medicina - UNIOESTE Cascavel, 11 novembro de 2004.

4 4 Dedico este trabalho a Deus e aos meus pais, Valdir e Iliani, por todos estes anos de apoio e incentivo para que eu alcançasse esta vitória. E para todas aquelas pessoas que estiveram me apoiando durante esta jornada.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço......á Deus, por ter me guiado, dado sabedoria, paciência, persistência, saúde e proteção para que eu conseguisse alcançar os meus ideais e esta vitória. Obrigada Jesus....aos meus pais, Valdir e Iliani, por muitas vezes terem deixado seus sonhos de lado para que eu pudesse realizar os meus. Agradeço por todas as palavras de amor e carinho durante os momentos em que eu achei que não fosse conseguir. Dedico esta vitória à vocês, pois sei que durante estes quatro anos, vocês esperaram ansiosamente por este momento. Amo vocês....ao meu namorado, Guilherme, por ter tido paciência de me escutar e me compreender durante os momentos de desânimo e nervosismo, e por ter me dado incentivo durante todo este ano. Te amo....a minha irmã e ao meu irmão, por terem me ajudado durante este período. Amo vocês....a minha professora Keila, pelo incentivo, ensinamento, confiança, amizade e competência durante toda a realização do trabalho....a minha orientadora, por ter me ajudado durante a realização deste trabalho....ao Dr. José Luis C. Machado e a Dr. Damaris Buosi, por gentilmente terem contribuído para realização deste trabalho, encaminhando pacientes e cedendo o espaço físico para execução do mesmo....a todos os companheiros de turma, agora colegas de profissão, dos quais vou lembrar com carinho e saudade....a todos aqueles que não citei, mas que contribuíram para execução deste trabalho e durante a realização desta etapa da minha vida.

6 6 RESUMO Orientações e visitas domiciliares constituem variáveis importantes nos Programas de Educação em Asma, pois cuidados com a higiene ambiental e a eliminação dos fatores desencadeantes reduzem o número de crises. O presente estudo propõe uma nova forma de complementação do tratamento da asma. Apresenta como objetivos: comprovar a eficácia do Programa de Educação na Asma associado a visitas domiciliares, proporcionar ao asmático e seus familiares conhecimento da patologia e fatores desencadeantes, conscientizar sobre a importância da manutenção de uma adequada higiene ambiental, melhorar a função pulmonar e reduzir a intensidade da dispnéia. O estudo foi realizado com uma amostra de oito indivíduos, com idade entre 6-14 anos, subdivididos em dois grupos. Os grupos foram submetidos a uma avaliação inicial, antes da aplicação do protocolo proposto e a uma reavaliação, após o término do mesmo, nas quais verificou-se o PFE, o VEF 1 e a Escala Modificada de Borg. Os valores médios, iniciais e finais obtidos, em relação ao VEF 1 e PFE, e aos resultados da Escala Modificada de Borg, não foram significativos, para os grupos I e II. Conclui-se que a eficácia de visitas domiciliares em Programas de Educação em Asma sobre a função pulmonar e a dispnéia não pode ser comprovada estatisticamente. Palavras chaves: Asma, Programa de Educação em Asma, Visitas Domiciliares.

7 7 ABSTRACT Orientations and home visits constitute important variables in the Programs of Education in Asthma, because cares with the environmental hygiene and the elimination of the triggering factors reduce the number of crises. The present study proposes a new form of complementation of the treatment of the asthma. It presents as objectives: to prove the effectiveness of the Program of Education in the Asthma associated the home visits, to provide to the asthmatic and their relatives knowledge of the pathology and triggering factors, to become aware on the importance of the maintenance of an appropriate environmental hygiene, to improve the lung function and to reduce the intensity of the dyspnea. The study was accomplished with a sample of eight individuals, with age among 6-14 years, subdivided in two groups. The groups were submitted to an initial evaluation, before the application of the proposed protocol and to a revaluation, after the end of the same, in which it was verified PFE, VEF 1 and the Modified Scale of Borg. The medium values, initials and final obtained, in relation to VEF 1 and PFE, and to the results of the Modified Scale of Borg, they were not significant, for the groups I and II. It is ended that the effectiveness of home visits in Programs of Education in Asthma on the lung function and the dyspnea cannot be proven in a statistical way. Key words: Asthma, Program of Education in Asthma, Home Visits.

8 8 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE GRÁFICOS INTRODUÇÃO Justificativa Objetivos Geral Específicos REFERENCIAL TEÓRICO Sistema Respiratório Anatomia do Sistema Respiratório Trato Respiratório Canais Intercomunicantes das Vias Aéreas Gerações das Vias Aéreas Músculos Respiratórios Músculos Respiratórios Principais Diafragma Músculos Intercostais Músculos Acessórios da Respiração Ventilação Pulmonar Complacência do Sistema Respiratório Trabalho Respiratório Ventilação Alveolar e Espaço Morto Movimentos Respiratórios Epidemiologia da Asma Fisiopatologia de Asma Inflamação das Vias Aéreas na Asma Função das Principais Células e Citoquinas na Inflamação das Vias Aérea Hiper-responsividade das Vias Aéreas Remodelamento das Vias Aéreas Classificação da Asma Diagnóstico da Asma Diagnóstico Clínico Exame Físico Diagnóstico Alérgico Diagnóstico Laboratorial Hemograma Exame do Escarro Dosagem de IgE Exame Radiológico...49

9 Diagnóstico Diferencial Espirometria Classificação da Espirometria Espirometria por Análise dos Gases Espirometria Convencional Tratamento da Asma Tratamento Medicamentoso Glicocorticóides Cromoglicato de Sódio Antileucotrienos Tratamento Medicamentoso nos Períodos de Crise Agonistas dos Receptores Beta-2-adrenérgicos Xantinas Antagonistas dos Receptores Muscarínicos Programa de Educação na Asma METODOLOGIA ANÁLISE DOS RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...79 ANEXO A - TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO ANEXO B ESCALA MODIFICADA DE BORG ANEXO C - APROVAÇÃO DO COMITÊ DE ÉTICA APÊNDICE A FOLHETO ILUSTRATIVO E EXPLICATIVO...68 APÊNDICE C - DADOS ESPIROMÉTRICOS...94

10 10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1: Gerações das Vias Aéreas FIGURA 2: Músculos Respiratórios FIGURA 3: Exemplo de teste espirométrico... 55

11 11 LISTA DE TABELAS TABELA 1: Correlação entre a Escala Modificada de Borg, VEF 1 e PFE para os grupos I e II TABELA 2: Resultados, média e desvio padrão dos valores da Escala Modificada de 74 Borg, VEF 1 e PFE para os grupos I e II...

12 12 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1: Comparação ente o VEF 1 para os grupos I e II GRAFICO 2: Comparação entre PFE para os grupos I e II GRÁFICO 3: Comparação entre a Escala Modificada de Borg para os grupos II e II... 73

13 13 1 INTRODUÇÃO Segundo a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (2002), a asma é definida como uma doença inflamatória crônica, que se caracteriza pela limitação do fluxo aéreo em resposta ao processo inflamatório e a hiper-responsividade das vias aéreas inferiores, reversível espontaneamente ou com tratamento. O quadro clínico é manifestado por crises episódicas de dispnéia, tosse e sibilância, acompanhados, em algumas pessoas, de sensação de opressão torácica; sendo que estes sinais e sintomas ocorrem, com mais freqüência, pela manhã ou à noite. A hiper-responsividade presente na asma constitui um aspecto de grande importância, e consiste em uma resposta exagerada de contração das vias aéreas a vários estímulos de natureza química, física e farmacológica, encontrada em todas as formas da patologia. O processo inflamatório crônico, que ocorre em resposta a inalação de um antígeno, é o principal fator fisiopatogênico da asma, que resulta da interação entre células inflamatórias, mediadores e células estruturais das vias aéreas. Na resposta inflamatória, há infiltração eosinófila, degranulação de mastócitos, lesão intersticial das paredes das vias aéreas e ativação de linfócitos Th2, os quais produzem as interleucinas (IL) responsáveis pelo início e manutenção do processo inflamatório. A IL-4 é a principal responsável pela manutenção deste processo, uma vez que aumenta a produção de imunoglobulina E (IgE) específica, bem com a afinidade de seus receptores. Os mediadores inflamatórios liberados pelos mastócitos, linfócitos, macrófagos, eosinófilos e neutrófilos são responsáveis pelas lesões e alterações epiteliais, alterações na permeabilidade vascular, hipersecreção de muco, mudança na função mucociliar e aumento na

14 14 reatividade do músculo liso da via aérea. As alterações citadas anteriormente, juntamente com a característica crônica da doença, levam ao processo de remodelamento das vias aéreas, que consiste em alterações estruturais persistentes, como espessamento da membrana basal, hipertrofia e hiperplasia do músculo liso, aumento do número de células caliciformes e alteração no depósito e degradação dos componentes da matriz extracelular, resultando clinicamente em limitação irreversível ao fluxo aéreo. A atopia constitui o fator predisponente ao desenvolvimento da asma, e resulta da interação entre características genéticas e exposição ambiental a substâncias alérgicas, que ocasiona a produção de anticorpos da classe IgE. As substâncias alérgicas quando em contato com as vias aéreas de pacientes atópicos desencadeiam uma resposta imune alérgica. A asma pode ser desencadeada quando o indivíduo asmático entra em contato com substâncias alérgenas como, por exemplo: poeira doméstica, ácaro, pêlos de animais, penas, pólen e insetos; ou com substâncias irritantes, como por exemplo: fumaça de cigarros e semelhantes, poluição ou produtos com odores fortes. Outros fatores desencadeantes envolvem infecções respiratórias, exercício físico demasiado e prolongado, certos medicamentos e alterações emocionais. Atualmente, a asma vem sendo classificada de acordo com a sua gravidade, a qual é avaliada através da intensidade e freqüência das crises e pela função pulmonar do paciente asmático. Segundo a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (2002), a asma é classificada quanto a sua gravidade em intermitente, persistente leve, persistente moderada e persistente grave. Exames físico e laboratorial compreendem alguns dos métodos para o diagnóstico da asma. O exame físico do paciente asmático pode ser normal e durante as crises episódicas ele pode apresentar dispnéia, uso de musculatura acessória da respiração, tiragens intercostais,

15 15 tosse e sibilos difusos; sendo que estes sinais e sintomas podem sofrer alterações devido à variação da intensidade da patologia. Laboratorialmente, o diagnóstico é realizado pelo teste de IgE, o qual comprova a presença exagerada deste mediador no organismo do paciente asmático. Como complemento para o diagnóstico, as provas de função pulmonar são realizadas com o objetivo de avaliar o grau de obstrução das vias aéreas. Na espirometria, técnica de medida da entrada e saída de ar dos pulmões, observa-se os seguintes parâmetros: capacidade vital forçada (CVF), volume expiratório forçado no primeiro segundo (VEF 1 ), pico de fluxo expiratório (PFE), fluxo expiratório forçado entre 25 e 75% da CVF (FEF 25-75%), e a relação VEF 1 /CVF (índice de Tiffeneau). Na asma todos esses parâmetros apresentam-se reduzidos caracterizando a limitação ao fluxo aéreo (SILVA, 2001; TARANTINO, 1997). A asma influencia a qualidade de vida do indivíduo devido a sua repercussão no sistema respiratório, pois diminui a capacidade pulmonar, levando o paciente a apresentar dispnéia, fadiga da musculatura respiratória, intolerância aos exercícios físicos e cansaço. Atualmente, a maioria dos tratamentos da patologia visa obter uma melhora dos fatores citados acima para que o indivíduo tenha uma melhor qualidade de vida. A avaliação da evolução do tratamento da asma pode ser realizada através da Escala Modificada de Borg, da verificação do PFE e do VEF 1. A Escala Modificada de Borg avalia o grau de dispnéia do indivíduo através de uma escala visual graduada de 0 a 10, sendo que o 0 representa ausência de dispnéia e o 10 máxima dispnéia. Segundo Costa, Ozeki e Velloso (2002), a avaliação da dispnéia deve ser realizada uma vez que a mesma representa um dos sintomas mais comuns e incapacitantes para pacientes com doença pulmonar crônica, como a asma.

16 16 As alterações funcionais pulmonares da asma, verificadas através do PFE e do VEF 1, ajudam na orientação e evolução do tratamento. O VEF 1 verifica a presença e o grau de obstrução das vias aéreas. A relação entre o VEF 1 obtido e o previsto permite a mensuração da obstrução brônquica; valores superiores a 80% significam obstrução normal, entre 60-80% obstrução leve, entre 40-60% obstrução moderada, e inferior a 40% obstrução severa (SILVA, 2001). O PFE permite monitorar o fluxo máximo expiratório, verificando a obstrução das vias aéreas e a ventilação pulmonar. A assistência ao paciente asmático baseia-se na organização e na higiene do ambiente domiciliar, nas orientações sobre a doença e no tratamento clínico. O tratamento dos episódios agudos ocorre através da administração de fármacos de alívio imediato, e o tratamento de manutenção é realizado, principalmente, pelo uso contínuo de antiinflamatórios, considerando a cronicidade da patologia. Dados epidemiológicos mostram que cerca de dez por cento da população mundial sofre de asma, e mais precisamente, dezesseis milhões de brasileiros (AIDÉ, et al; 2001; SILVA, 2001). Os números citados revelam que uma grande parte da população brasileira é acometida pela asma, que por sua vez é responsável por elevado índice de internações hospitalares e atendimentos de emergência. Os Programas Educacionais em Saúde que estão sendo desenvolvidos pelo Ministério da Saúde visam o controle, a prevenção e a orientação das patologias de maior incidência em nosso país. Esses Programas são estruturados na forma de palestras e apresentação de vídeos educativos nas UBS (Unidades Básicas de Saúde), folhetos ilustrativos e informativos distribuídos para a população, consultas regulares ao médico, visitas domiciliares realizadas pelos ACS (Agentes Comunitários de Saúde) e propagandas através de diversos meios de comunicação.

17 17 Dentre os Programas Educacionais em Saúde, o Programa de Educação Ambiental para Pacientes Asmáticos transmite informações aos pacientes e seus familiares através dos meios citados anteriormente, promovendo conscientização e aprendizado sobre conceitos da doença, fatores desencadeantes e eliminação dos mesmos, formas de prevenção das crises episódicas, e esclarecimentos sobre o uso correto dos medicamentos. Desta forma, este tipo de abordagem proporciona mudanças no comportamento e no estilo de vida do paciente e pessoas de seu convívio. A elaboração e aplicação dos Programas de Educação Ambiental na Asma visam proporcionar aos pacientes asmáticos, maior controle da doença, melhor qualidade de vida, diminuição da morbidade e mortalidade, redução do número de visitas ao pronto-socorro e hospitalizações, bem como, melhora dos sintomas e da função pulmonar. 1.1 Justificativa O estudo sobre o efeito das visitas domiciliares associadas ao Programa de Educação Ambiental para Pacientes Asmáticos é realizado com o intuito de elaborar e propor nova forma de abordagem de tratamento da asma pelo profissional da área da saúde. 1.2 Objetivos

18 Geral. O estudo em questão tem como objetivo principal comprovar a eficácia do Programa de Educação Ambiental associado a visitas domiciliares para pacientes asmáticos jovens, verificada através da Escala Modificada de Borg, do Pico de Fluxo Expiratório e do Volume Expiratório Forçado no Primeiro Segundo Específicos. O presente trabalho apresenta os seguintes objetivos específicos: proporcionar conhecimento ao paciente e familiares quanto a sua patologia e fatores desencadeantes; conscientizar o paciente e familiares quanto à importância da manutenção de uma adequada higiene ambiental; melhorar a função pulmonar dos pacientes asmáticos; reduzir a freqüência e intensidade da dispnéia.

19 19 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Sistema Respiratório A função básica do sistema respiratório é promover uma eficaz absorção de oxigênio pelos tecidos e a eliminação de gás carbônico, que consiste no produto gasoso do metabolismo celular (PAULA, 1984). Os órgãos responsáveis pela absorção de oxigênio e pela eliminação de gás carbônico são os pulmões e para que eles realizem sua função básica possuem uma área de troca gasosa de 70 a 100 m 2, situados no interior do tórax, e apresentando 300 milhões de alvéolos pulmonares. Porém, os pulmões também participam de outras funções no organismo, como: equilíbrio térmico; auxílio na manutenção do ph plasmático dentro da faixa fisiológica; produção, metabolização ou modificação de substâncias vasoativas e, finalmente apresentam um papel importante na defesa do organismo contra agentes agressores (ZIN e ROCCO, 1999).

20 Anatomia do Sistema Respiratório O tórax é formado pela caixa torácica, pelas vértebras torácicas e pelo esterno; e é constituído pelo mediastino e pelas cavidades pleurais direita e esquerda. O mediastino, localizado centralmente, contém a traquéia, o esôfago, o coração e os grandes vasos do sistema circulatório, como também divide o tórax verticalmente em cavidade pleural direita e esquerda. Já as cavidades pleurais contêm os pulmões (MOORE, 1994). A estrutura óssea da caixa torácica protege os órgãos vitais no seu interior, e juntamente com os músculos auxiliam no aumento e diminuição do volume torácico, fazendo com que seja gerado um gradiente de pressão que permite a entrada e saída de ar dos pulmões (SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000). Os pulmões são dois órgãos cônicos localizados nas cavidades pleurais, separados pelo mediastino. O peso do pulmão de um adulto é cerca de 800 gramas e possui seu volume constituído de 90% de ar e 10% de tecido. O pulmão esquerdo apresenta-se mais estreito que o direito devido a localização protraída do coração e do mediastino, e o pulmão direito é menor que o esquerdo devido a elevação do hemidiafragma direito pelo fígado (MOORE, 1994; LEMLE et al, 2000). Cada pulmão é separado em lobos pulmonares, por fissuras. O pulmão direito apresenta o lobo superior, o lobo médio e o lobo inferior e o pulmão esquerdo possui somente o lobo superior e o lobo inferior. Por sua vez, os lobos dividem-se em segmentos lobares, os quais se subdividem em lóbulos secundários (MOORE, 1994; SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000).

21 21 O interior da parede torácica e a superfície dos pulmões são revestidos por uma membrana serosa disposta na forma de um saco invaginado, denominada pleura. A pleura é dividida em pleura visceral e pleura parietal. A primeira recobre e é unida a superfície pulmonar, chegando até os brônquios e vasos hilares e também reveste as fissuras entre os lobos, sendo que os septos entre os lobos contêm veias e vasos linfáticos. O restante da membrana reveste parte da superfície interna da parede torácica, recobrindo porção do diafragma e órgãos que ocupam a parte média do tórax (LEMLE et al, 2000). As pleuras parietal e visceral são separadas por um espaço denominado cavidade pleural, cujo interior é preenchido por uma película líquida serosa, chamada de líquido pleural. O líquido pleural permite o deslizamento entre as pleuras e faz com que as forças da parede torácica sejam transmitidas aos pulmões (SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000) Trato Respiratório O trato respiratório é formado por uma porção condutora, que conduz ar até o interior dos pulmões e por uma porção respiratória, região de trocas gasosas entre o ar e o sangue. A parte condutora compõe-se da cavidade nasal, faringe, laringe, traquéia, brônquios, bronquíolos e bronquíolos terminais (LEMLE et al, 2000). Na porção condutora o ar é aquecido e umidificado devido a presença de uma rica vascularização e glândulas secretoras de muco. O batimento ciliar das células que revestem o trato respiratório desta região promove a remoção de muco, retendo partículas inaladas que se encontravam em suspensão (LEMLE et al, 2000).

22 22 Os bronquíolos respiratórios têm a função de conduzir ar e também permitir o intercâmbio gasoso através de seus sacos alveolares, representando a zona transicional, situada entre a zona de condução e a zona de intercâmbio gasoso (SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000). O intercâmbio gasoso ocorre na unidade respiratória terminal que possui os bronquíolos respiratórios, os ductos alveolares e por fim os alvéolos. Entre o alvéolo e o sangue existe a membrana alvéolo-capilar, que contém uma densa rede capilar (SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000; LEMLE et al, 2000). Os alvéolos possuem em sua estrutura dois tipos principais de células. O pneumócitos tipo I são células achatadas e finas de revestimento, a comunicação entre elas é denominada de poros de Kohn, os quais permitem a comunicação entre alvéolos adjacentes. Já, os pneumócitos tipo II são responsáveis pela produção de surfactante, substância responsável por diminuir a tensão superficial do líquido alveolar. Nos alvéolos são encontrados os macrófagos alveolares, que representam as células fagocíticas responsáveis pela eliminação de microorganismos estranhos que os invadem (SILVA, 2001; LEMLE et al, 2000) Canais Intercomunicantes das Vias Aéreas Nos pulmões existem unidades de comunicação gasosa, as quais estão presentes entre os alvéolos, entre bronquíolos e alvéolos e entre bronquíolos. As unidades de intercâmbio gasoso presente entre os alvéolos, já citadas anteriormente, são os poros de Kohn,

23 23 os quais permitem a ventilação colateral entre alvéolos adjacentes e explicam o fato de que em um lóbulo, um alvéolo pode apresentar-se obstruído e ao mesmo tempo parcialmente com ar (GUYTON e HALL, 2002). A troca de ar através dos bronquíolos terminais é realizada pelos canais de Lambert, os quais unem um bronquíolo terminal ao outro, e permanecem abertos mesmo quando a musculatura lisa bronquiolar se contrai. Há ainda outra via colateral, a qual é realizada entre bronquíolos respiratórios intersegmentares. Estes bronquíolos estão presentes principalmente nos lobos inferiores e promovem uma ventilação equilibrada durante a respiração (SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000) Gerações das Vias Aéreas As vias aéreas dividem-se ao longo do trato respiratório em unidades cada vez menores, estas divisões são denominadas gerações das vias aéreas, as quais totalizam 23 gerações (Figura 1). As vias aéreas condutoras, a partir dos brônquios principais, representam aproximadamente as 17 primeiras gerações da árvore traqueobrônquica; as gerações restantes são representadas pela porção respiratória das vias aéreas (SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000).

24 24 Figura.1: Gerações das Vias Aéreas. Fonte: SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000,174. Cada brônquio principal de divide em ramos menores que suprem os lobos pulmonares. O brônquio principal direito dá origem ao brônquio lobar superior, que se subdividem em brônquios lobares médios e inferior. O brônquio principal esquerdo se divide em brônquios lobares superior e inferior. Estas vias continuam se dividindo em vias aéreas de menor calibre, dando origem as gerações inferiores. Os brônquios lobares se dividem em brônquios segmentares, os quais se dividem em brônquios subsegmentares, a divisão continua até o surgimento dos bronquíolos, os quais começam 5 a 14 gerações abaixo dos brônquios segmentares. Os bronquíolos são as menores vias aéreas condutoras (SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000). Com as divisões o número de vias aéreas aumenta consideravelmente. Os bronquíolos terminais começam cerca de 17 gerações além da traquéia; as divisões abaixo dos bronquíolos terminais compreendem os bronquíolos respiratórios.

25 Músculos Respiratórios Figura 2: Músculos Respiratórios Fonte: SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000, 158. Os músculos respiratórios são músculos estriados esqueléticos, com alta resistência à fadiga, fluxo sanguíneo elevado, grande capacidade oxidativa e densidade capilar (Figura 2). Contribuem para o movimento de entrada e saída de ar dos pulmões, sendo divididos em músculos respiratórios principais e acessórios (ZIN e ROCCO, 1999; SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000). A contração dos músculos respiratórios depende de impulsos nervosos gerados nos centros respiratórios, localizados no tronco cerebral. O ritmo respiratório é controlado de forma automática pelo centro respiratório, e por estímulos como: alterações químicas do sangue e/ou do líquido cefalorraquidiano (LEMLE et al, 2000).

26 Músculos Respiratórios Principais O diafragma e os músculos intercostais compreendem os músculos respiratórios principais, os quais estão ativos durante a respiração calma e durante o exercício Diafragma O diafragma é o principal músculo respiratório; origina-se a partir das vértebras lombares, das margens costais e do processo xifóide; e forma o assoalho da cavidade torácica e o teto da cavidade abdominal. As fibras do diafragma convergem formando uma bainha conjuntiva denominada tendão central, a qual combina-se com o pericárdio e divide a cúpula diafragmática em hemidiafragmas direito e esquerdo (MOORE, 1994; SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000). Em indivíduos saudáveis, os movimentos dos hemidiafragmas são sincrônicos. Porém, como a inervação do diafragma é feita por nervos frênicos separados, há situações clínicas que os movimentos ocorrem de forma assincrônica (MOORE, 1994). Durante a respiração normal, o diafragma é responsável por mais ou menos 75% da alteração do volume torácico; move-se na direção vertical aproximadamente 1,5 cm durante a inspiração profunda, sendo que o diafragma direito desce mais que o esquerdo. Já em doenças pulmonares obstrutivas ou restritivas, este volume torácico é alterado e em casos de

27 27 hiperventilação o diafragma pode mover-se de 6 a 10cm (SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000). A contração deste músculo força o conteúdo abdominal para baixo e para frente, aumentando o diâmetro cefalocaudal do tórax, como também aumenta o diâmetro anteroposterior e látero-lateral pela elevação das margens das costelas para cima e para fora (ZIN e ROCCO, 1999). A contração do diafragma puxa seu tendão central para baixo, achatando-o, o que faz aumentar o volume torácico e diminuir a pressão intra-abdominal. À medida que ocorre a descida do diafragma, a pressão intra-abdominal aumenta e os músculos da parede abdominal relaxam, possibilitando que o abdômen distenda para o exterior (SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000). Durante a expiração calma, o diafragma permanece relaxado em sua posição de repouso. No entanto, em expiração forçada ou contra a resistência, ele elimina ar dos pulmões quando é empurrado para cima com o auxílio da contração dos músculos abdominais (GUYTON e HALL, 2002) Músculos Intercostais Os músculos intercostais externos, localizados superficialmente aos músculos intercostais internos, originam-se na borda inferior de cada costela,e se inserem na borda superior de costela subjacente. A camada média é constituída pelos músculos intercostais

28 28 internos, localizados sob os intercostais externos; os quais originam-se na borda inferior de cada costela, e se inserem na borda superior da costela suprajacente (MOORE, 1994). Estudos mostram que os músculos intercostais externos e uma porção dos intercostais internos estão ativos durante a respiração normal; sua contração durante a inspiração eleva as costelas e aumenta o volume torácico (SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000) Músculos Acessórios da Respiração Os músculos acessórios ajudam a diafragma e os intercostais quando há um aumento na demanda ventilatória; sendo que os principais músculos acessórios da respiração são os escalenos, os esternocleidomastóideos, os peitorais maiores e os abdominais (ZIN e ROCCO, 1999). Os músculos escalenos têm a função de auxiliar na inspiração quando o diafragma e os intercostais não são suficientes para suprir as demandas ventilatórias, como ocorre durante o exercício físico e em indivíduos com doenças pulmonares. Estes músculos são ativados quando a pressão alveolar chega a 10 cm H 2 O e permanecem inativos durante a expiração, até a pressão alveolar atingir + 40 cm H 2 O. Na expiração, os escalenos fixam as costelas quando os abdominais contraem-se (SCANLAN, WILKINS e STOLLER, 2000). Os músculos esternocleidomastóideos elevam o esterno e o gradil costal superior, aumentando o diâmetro antero-posterior; são ativados durante a inspiração quando a pressão alveolar chega a 10 cm H2O em situações de volumes pulmonares elevados ou demandas

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar I - INTRODUÇÃO O que é respiração? Respiração celular Ocorre no interior das mitocôndrias subs orgânicas + O2 energia + CO2 + H2O Respiração pulmonar Trocas gasosas entre o ar atmosférico e o sangue Hemerson

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ INTRODUCÃO Nossas células necessitam, para exercerem suas funções, de um suprimento contínuo de oxigênio para que, num processo químico de respiração celular, possam gerar a energia necessária para seu

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Aula 01 Organização

Leia mais

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO As nossas células necessitam de: Oxigénio; Nutrientes; Eliminar Dióxido de Carbono; Entre outros. O nosso organismo

Leia mais

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Propriedades Estáticas do Sistema A ventilação pulmonar consiste no fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões a cada ciclo

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO Primeira Edição Novembro de 2014 Fundação Portuguesa do Pulmão Edição: TDA Consulting,

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Função Permite que o oxigénio do ar entre para o sangue nos pulmões; Permite a passagem do dióxido de carbono do sangue para o ar. Associação Trabalha em conjunto com o Sistema Cardiovascular Fornecer

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório Sistema respiratório Aparelho respiratório Divisão do aparelho respiratório: Porção condutora Constituído de dois pulmões e de estruturas ocas com a função de proporcionar a troca gasosa. Fossas nasais,

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 12 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Fisiologia

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Fisiologia V e t e r i n a r i a n D o c s Fisiologia Fisiologia do Sistema Respiratório Respiração nos Mamíferos -Respiração: inclui todos os processos químicos e físicos pelos quais o organismo efetua trocas gasosas

Leia mais

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA 1 FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO INTRODUÇÃO Compreende a absorção de O 2 e a eliminação de CO 2 pelos pulmões (respiração externa), o transporte de

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Níveis de. Organização do. Corpo Humano

Níveis de. Organização do. Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano No corpo humano existem vários grupos de células semelhantes entre si. Cada grupo constitui um TECIDO Semelhança de forma: todas destinam-se a uma função específica.

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri. Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo.

Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri. Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo. Adelina Feitosa. Barbalha, 17 de abril de 2008. Mecânica da ventilação

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Identificação das Limitações do Organismo Humano

Identificação das Limitações do Organismo Humano Disciplina: Ergonomia Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO 03 Noções Básicas de Anatomia e Fisiologia Identificação das Limitações do Organismo Humano SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR É o responsável pela movimentação

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

Compreender a Doença Pulmonar

Compreender a Doença Pulmonar Compreender a Doença Pulmonar INTRODUÇÃO Para compreendermos o funcionamento do organismo, muitas vezes descrevemo-lo como sendo formado por várias partes ou sistemas. Assim, por exemplo, temos o sistema

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA 01. O transporte de CO 2 no sangue dos vertebrados é feito, principalmente, sob a forma de: a) carboxi-hemoglobina b) íons bicarbonato pela ação da anidrase

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA RESPIRATÓRIA Marcos Barrouin Melo, MSc CURSO DE EMERGÊNCIAS EV UFBA 2008 INTRODUÇÃO Funções do sistema respiratório Suprir O 2 e remover CO 2 Equilíbrio térmico > ventilação > perda de água e calor Manutenção

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI ANATOMIA HUMANA Sistema Respiratório Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote AGORA, NÃO! 3 Organização e Funções

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

Fisiologia Respiratória

Fisiologia Respiratória Fisiologia Respiratória Prof. Vinicius Coca Fisioterapeuta Especialista em Pneumofuncional Mestre em Terapia Intensiva - SOBRATI Mestre em Ensino na Saúde - UGF Anatomia Funcional Respiratória Pulmão Anatomia:

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial PROTEÍNAS PLASMÁTICAS Albumina pressão coloidosmótica Globulinas transporte e substrato imunidade, anticorpos Fibrinogênio

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 4 OBJETIVOS DE APRENDIZADO... 5

APRESENTAÇÃO... 4 OBJETIVOS DE APRENDIZADO... 5 Índice APRESENTAÇÃO... 4 OBJETIVOS DE APRENDIZADO... 5 CAPÍTULO 1 - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO TRATO RESPIRATÓRIO... 6 1. O trato respiratório superior... 7 2. Trato respiratório inferior... 7 2.1. Sistema

Leia mais

Discussão para Prova ENADE/2007

Discussão para Prova ENADE/2007 Discussão para Prova ENADE/2007 Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva Erikson Custódio Alcântara Resposta correta: letra c 1 Comentários letra a Não é apenas após uma inspiração

Leia mais

Corpo Humano. A Menor Unidade Viva do Corpo Humano: Célula

Corpo Humano. A Menor Unidade Viva do Corpo Humano: Célula : Estuda a Estrutura Estática do Corpo Humano É Utilizada para Classificar e Descrever as Lesões de acordo com Sua Localização Prever Lesões de Órgãos Internos, baseando-se na Localização Externa da Lesão

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES Introdução É possível que o nível de doenças ocupacionais provocadas pelo pó se encontre em declínio, embora isso não signifique que esteja desaparecendo. Na atualidade, os

Leia mais

OBJETIVO DA AULA. PULMÕES sistema respiratório RESUMO. PULMÕES sistema respiratório Fluxo laminar. PULMÕES sistema respiratório

OBJETIVO DA AULA. PULMÕES sistema respiratório RESUMO. PULMÕES sistema respiratório Fluxo laminar. PULMÕES sistema respiratório PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA E SAÚDE OBJETIVO DA AULA - Definir DPOC; DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC) PROF. DRD. CLÓVIS ARLINDO DE SOUSA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL Respiração das Aves Monitor: André Fernandes de Azevedo Revisão: Nos mamíferos http://veterinerara.com/wp-content/uploads/2009/08/liver-feline-anatomy.gif

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Sistema cardiovascular transporte sangue - Circuitos pulmonar pulmões sistêmico tecidos do corpo constituídos

Leia mais

RESPIRAÇÃO. Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos.

RESPIRAÇÃO. Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos. RESPIRAÇÃO Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos. A respiração intracelular pode ser: Aeróbica: Ser vivo que depende do gás carbônico para obter energia

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO BIOLOGIA Prof. Helder SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO 1. Anatomia do Sistema Respiratório O oxigênio do ar deve chegar aos alvéolos e passar para o sangue, fazendo o gás carbônico o caminho inverso. O caminho

Leia mais

Embriogênese do Aparelho. as Adaptações. Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA

Embriogênese do Aparelho. as Adaptações. Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA Embriogênese do Aparelho Respiratório rio e sua relação com as Adaptações à Vida Pós-NatalP Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA PERÍODOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO 1)

Leia mais

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA CONTEÚDO FUNDAMENTOS DE FISIOTERAPIA MÉTODOS & TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO, TRATAMENTO & PROCEDIMENTOS EM FISIOTERAPIA PROVAS DE FUNÇÃO MUSCULAR, CINESIOLOGIA & BIOMECÂNICA

Leia mais

b) Qual a pressão arterial de uma pessoa jovem, normal, e quantos batimentos cardíacos por minuto tem em média? R.:

b) Qual a pressão arterial de uma pessoa jovem, normal, e quantos batimentos cardíacos por minuto tem em média? R.: PROFESSOR: Mônica Narciso BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Questões Discursivas 01-

Leia mais

Estudo Morfofuncional do Sistema Respiratório Unidade II Material de Apoio

Estudo Morfofuncional do Sistema Respiratório Unidade II Material de Apoio Estudo Morfofuncional do Sistema Respiratório Unidade II Material de Apoio 1 Generalidades Quase todas as células utilizam continuamente o O 2 para as reações metabólicas: Que liberam energia a partir

Leia mais

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Especialização em Fisioterapia Intensiva Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Fisioterapia Intensiva Neonatal e pediátrica Conteúdo programático Anatomia e fisiologia cardiorrespiratória

Leia mais

Histologia animal. Equipe de Biologia

Histologia animal. Equipe de Biologia Histologia animal Equipe de Biologia Tipos de tecidos animais Tecidos epiteliais Tecidos conjuntivos Tecidos musculares http://www.simbiotica.org/tecidosanimal.htm Tecido nervoso Tecidos epiteliais Apresenta

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO É uma reação dos tecidos a uma agente agressor caracterizada morfologicamente

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Doenças Obstrutivas DPOC. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Epidemiologia. DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações:

Doenças Obstrutivas DPOC. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Epidemiologia. DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações: DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: secreções, líquido, corpo estranho. Doenças Obstrutivas B- Na parede da via aérea: contração do músculo liso (asma),

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Por que os peixes não se afogam?

Por que os peixes não se afogam? Por que os peixes não se afogam? A UU L AL A Dia de pescaria! Juntar os amigos para pescar num rio limpinho é bom demais! Você já reparou quanto tempo a gente demora para fisgar um peixe? Como eles conseguem

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca DOENÇAS RESPIRATÓRIAS Professora: Sabrina Cunha da Fonseca Os locais de trabalho têm oferecido, cada vez mais, ambientes poluídos por diversos elementos, gasosos e sólidos, presentes no ar como gases e

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Como prevenir? Como evitar? Como tratar? PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO (cont.) Anatomia das vias aéreas superiores e dos seios paranasais Seio frontal Cavidade nasal

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Características Gerais Funções: Condução e troca de gases Funções protetoras - ar seco umidificado por secreções glandulares e material particulado Fonação Olfação Regulação da temperatura

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório A função do sistema respiratório é facultar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO Funções e anatomia O sistema respiratório humano possui a função de realizar as trocas gasosas (HEMATOSE). Esse sistema é composto pelas seguintes

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Gabriela

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

Unidade 4 Funções da nutrição

Unidade 4 Funções da nutrição Sugestões de atividades Unidade 4 Funções da nutrição 8 CIÊNCIAS Nutrição. As proteínas, encontradas em alimentos como leite, ovos, carne, soja e feijão, são fundamentais para nossa saúde. Justifique essa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36. INTRODUÇÃO Autora: Gláucia Golono Salvador G INESUL FISIOTERAPIA LONDRINA PR Orientadora:

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

Sistema Respiratório Introdução

Sistema Respiratório Introdução Introdução Nesse caso, o termo respiração é empregado incluindo as trocas gasosas através do corpo e as trocas gasosas nas células dos diferentes tecidos. As trocas gasosas são realizadas através da superfície

Leia mais

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA Processos Imunológicos e Patológicos INFLAMAÇÃO Prof.: Hermínio M. da R.Sobrinho PROCESSO INFLAMATÓRIO A inflamação constitui uma resposta imune

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL Regeneração, cicatrização e fibrose http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Reparação Tecidual "Processo de reposição do tecido

Leia mais

VOLUMES E CAPACIDADES PULMONARES: O AR CONTIDO NOS PULMÕES

VOLUMES E CAPACIDADES PULMONARES: O AR CONTIDO NOS PULMÕES I.-I ESPIROMETRJA INTRODUÇÃO o ar que está alojado dentro dos pulmões é constantemente renovado, permitindo, desta forma, que a hematose se concretize. Mas, para tanto, é necessário que os pulmões mantenham

Leia mais

Mecanismos de Defesa Respiratória. Ft. Daniella Vento Prof. Dr. Paulo Roberto Barbosa Evora

Mecanismos de Defesa Respiratória. Ft. Daniella Vento Prof. Dr. Paulo Roberto Barbosa Evora Mecanismos de Defesa Respiratória Ft. Daniella Vento Prof. Dr. Paulo Roberto Barbosa Evora Sistema Respiratório Vias Aéreas Superiores Nariz e Boca Faringe Nasofaringe; Orofaringe; Laringofaringe. Laringe

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais