VII SIMPÓSIO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DA UNESP PRESIDENTE PRUDENTE - 26/09/2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VII SIMPÓSIO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DA UNESP PRESIDENTE PRUDENTE - 26/09/2011"

Transcrição

1 LOGÍSTICA REVERSA Patrícia Guarnieri VII SIMPÓSIO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DA UNESP PRESIDENTE PRUDENTE - 26/09/2011

2 Mudanças no ambiente de negócios Globalização dos mercados Tecnologia Marketing Logística Descartabilidade de produtos

3 Consequências TECNOLOGIA REDUÇÃO DO CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS MARKETING LOGÍSTICA MERCADOLÓGICO NOVOS PRODUTOS NOVOS MODELOS OBSOLESCÊNCIA ÚTIL DIFICULDADE CONSERTO DURABILIDADE MATERIAIS DESCARTABILIDADE EXAUSTÃO DOS SISTEMAS DE DISPOSIÇÃO FINAL

4 Resultados Crescente sensibilidade ecológica sociedade; na Esgotam-se os recursos naturais e as capacidades dos sistemas de disposição final tradicionais dos bens de pósconsumo e pós-venda; Surgem legislações específicas; ambientais Oportunidade de retorno econômico.

5 Relação Consumidor Logística Reversa CULTURA AMBIENTALISTA CULTURA DO CONSUMO COMPRAR USAR DISPOR RECICLAR LEGISLAÇÕES AMBIENTAIS CADEIA PRODUTIVA REUSAR REDUZIR NOVO CLIENTE CONSUMIDOR GOVERNOS SOCIEDADE Fonte: Hernández (2006).

6 O que é e para que serve a logística reversa??????

7 Logística Reversa Processo de planejar, implementar e controlar a eficiência do custo efetivo do fluxo de matérias-primas, estoques de processo, produtos acabados e as respectivas informações, desde o ponto de consumo até o ponto de origem com o propósito de recaptura valor ou disposição final adequada.

8 Processo Logístico Direto X Reverso Fonte: Guarnieri (2006).

9 Cadeia de Suprimentos verde Fonte: Guarnieri (2011).

10 Estatísticas Logística reversa movimenta cerca de R$18,5 bilhões/ano; 50 a 60% deste valor atividades de transporte; corresponde às Cerca de 10% do faturamento das empresas são gastos com retorno de produtos; 80% dos produtos retornados podem ser reaproveitados e revalorizados;

11 Bens de póspós-consumo e póspós-venda Bens de pós-consumo Bens de pós-venda destinos finais tradicionais (incineração, aterros sanitários) Ou ciclo produtivo e de negócios (desmanche, reciclagem, reuso, remanufatura, upcycling, downcycling, doação.

12 Sub--áreas da logística reversa Sub Logística reversa de pós-consumo Logística reversa de pós-venda Tipo de bem

13 Exemplos de logística reversa de póspósconsumo Eletrodomésticos; Eletrônicos obsoletos; Veículos; Pneus; Pilhas e baterias; Resíduos industriais, etc.

14 Exemplos de logística reversa de pósvenda Medicamentos; Indústria fonográfica; Recall de produtos (indústria de veículos); Eletrodomésticos e eletrônicos com defeito (garantia), etc.

15 Canais reversos para recuperação de produtos Fonte: Adaptado de Rogers & Tibben-Lembke (1999)

16 Estratégia para gestão de resíduos Não Ideal Ideal NÃO GERAÇÃO *REDUÇÃO *REUTILIZAÇÃO P+L *RECICLAGEM *RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA TRATAMENTO FÍSICO Fonte: SCHALCH, CÓRDOBA, CASTRO (2011) QUÍMICO DISPOSIÇÃO FINAL BIOLÓGICO (*) Devem ser praticadas até os seus limites

17 Divisão dosdivisão resíduosdos sólidos quanto à origem resíduos RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RESÍDUOS DE ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E PRESTADORES DE SERVIÇOS RESÍDUOS DOMICILIARES RESÍDUOS INDUSTRIAIS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS DE LIMPEZA URBANA RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE RESÍDUOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE SANEAMENTO BÁSICO RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS Resíduos de Estabelecimentos Comerciais e Prestadores de Serviços podem ser considerados Resíduos Domiciliares pelo poder público municipal, desde que não sejam caracterizados como Não Perigosos. RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE TRANSPORTES RESÍDUOS DE MINERAÇÃO

18 Objetivos da logística reversa Legais: Controle dos excessos de lixo urbano destinados a aterros sanitários ou incineração, tendo em vista legislações vigentes; Econômico ou de recuperação: agregação de valor monetário e diminuição das perdas pela recuperação do valor empregado no processo produtivo. Imagem corporativa: pode ser alcançado através do cumprimento de objetivos ecológicos que demonstram a preocupação com os problemas ambientais. Competitividade: por diferenciação do nível de serviços aos clientes, os ganhos evidenciam-se na fidelização de clientes e competitividade de custos pelas economias na confecção dos produtos.

19 Objetivos Legais Primeiras legislações de 70: responsabilizavam os governos locais pelo impacto ambiental dos resíduos sólidos; Legislações atuais: filosofia EPR Responsability); tem suas origens na (Extended Product A EPR apóia a extensão à toda a cadeia industrial direta a responsabilidade de reduzir impactos de seus processos e produtos no meio ambiente.

20 Legislações relativas à coleta e disposição final Legislações sobre proibições de aterros sanitários e incineradores; Legislações sobre coleta seletiva; Legislações relativas à responsabilidade do fabricante sobre o canal reverso de seus produtos (product take back); Legislações sobre proibição de disposição em aterros sanitários de certos produtos; Legislações sobre valor monetário depositado na compra de certos tipos de embalagens; Legislações sobre índices mínimos de reciclagem; Resoluções do CONAMA sobre alguns tipos de resíduos

21 Legislações relativas ao marketing Legislações de incentivo ao conteúdo de reciclados nos produtos; Legislações sobre proibição de venda ou uso de certos produtos; Legislações sobre proibição de embalagens descartáveis; Legislação sobre rótulos ambientais ; Legislações sobre incentivos fiscais; Legislações relativas à redução na fonte;

22 Regulamentações em outros países USA: responsabiliza os governos locais; JAPÃO: maior consciência e menos leis; ALEMANHA: ênfase na recuperação, devido ao alto custo e responsabilidade ambiental da disposição, responsabilidade compartilhada, criação do Ponto Verde; FRANÇA Responsabilidade compartilhada e gestão terceirizada; PADRÕES INTERNACIONAIS: ISO ;

23 BRASIL - Lei /10 - PNRS Institui a PNRS e dispõe sobre princípios, objetivos, instrumentos, diretrizes da gestão integrada dos resíduos sólidos; Regulamentada em 12/2010 pelo decreto federal 7.404/10; Institui a responsabilidade compartilhada (art. 5 ) Estabelece a obrigatoriedade da coleta seletiva; Define a inclusão dos catadores de materiais recicláveis no processo de coleta seletiva;

24 BRASIL - Lei /10 - PNRS Determina a obrigatoriedade da logística reversa para os resíduos: Pilhas e baterias; pneus; óleos lubrificantes (resíduos e embalagens); lâmpadas fluorescentes, de vapor sódio e mercúrio e de luz mista; produtos eletroeletrônicos e componentes; embalagens diversas; Determina a criação de acordos setoriais; Descreve o papel de cada ator no processo de gestão de resíduos; Insere a prestação de contas de todas as ações sob responsabilidade de cada ator no processo, exceto consumidores,

25 Outras regulações CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR: Garante direitos após a aquisição de bens e serviços, seja de troca, reparo ou devolução. POLÍTICAS LIBERAIS DE RETORNO DE PRODUTOS APÓS A VENDA ESTRUTURAS MÍNIMAS PARA ATENDER O FLUXO DE RETORNO SISTEMAS DE LOGÍSTICA REVERSA PÓS-VENDA

26 Objetivos econômicos Motivação para obtenção de resultados financeiros por meio de economias obtidas nas operações industriais; Preços menores de matérias-primas secundárias provenientes dos canais reversos de reciclagem ou de revalorização mercadológicas (em torno de 25%, ex. HP); Exemplos: plástico. ferro, aço, alumínio, papelão,

27 Objetivos econômicos A substituição de matérias-primas virgens por recicladas permite também a economia na quantidade de energia elétrica e térmica utilizadas na fabricação; Economia de componentes que entram na composição da matéria-prima virgem; Economias obtidas pela diferença entre os investimentos em fábricas de matérias-primas primárias e de matérias-primas recicladas. Ex: Veículos, computadores, copiadoras e seus componentes;reutilização de embalagens.

28 Objetivos ecológicos Escassez de recursos naturais; Visibilidade dos efeitos nocivos ao meio ambiente (desastres ecológicos); Exaustão de aterros sanitários e incineradores; Críticas ambientalistas. Cobrança da sociedade Maior sensibilidade ecológica Impacto negativo na imagem corporativa das empresas Compromisso com o meio ambiente em missões empresariais

29 Marketing verde ou ambiental As empresas buscam o desenvolvimento de uma nova visão de marketing voltada para o desenvolvimento sustentável Ex: embalagens em recipientes recicláveis, embalagens fabricadas com materiais recicláveis, programas de reciclagem, abandono da obsolescência planejada, modificações ambientais por meio de inovações. COMPETITIVIDADE

30 Estatísticas de reciclagem no Brasil Latas de alumínio 98,2% Embalagens de agrotóxicos 95,8% Papel ondulado 80% Pneus inservíveis 73% PET 55,6% Latas de aço 49% Vidro 47% Papel de escritório 46% Embalagens longa vida 22,2% Plásticos 21,2% Fonte: CEMPRE

31 PROGRAMAS DE LOGÍSTICA REVERSA DE SUCESSO

32 EMBALAGENS DE AGROTÓXICOS

33 Gestão do Processo Reverso Fonte: INPEV

34 Educação Ambiental - Campanhas Fonte: INPEV

35 APROVEITAMENTO DE TRANSPORTE Fonte: INPEV

36 Total de Embalagens destinadas corretamente Julho/ ,8% Fonte: INPEV

37 Produtos feitos a partir das embalagens de agrotóxicos Fonte: INPEV

38 PNEUS INSERVÍVEIS

39 Gestão do Processo Reverso Fonte: Arebop

40 Ciclo da destinação de pneus Fonte: Reciclanip

41 Destinação dos pneus

42 Produtos gerados a partir dos pneus Granulado de borracha Tapetes Pisos Solados Vasos para plantas Asfalto borracha

43 Estatísticas Janeiro-abril/2011, mais de 107 mil toneladas foram coletadas e destinadas corretamente, o equivalente a 21,4 milhões de unidades de pneus de carro de passeio; 702 pontos de coleta distribuídos por todo país; Desde 1999, 1,65 milhão de pneus inservíveis foram coletados e destinados adequadamente, o equivalente a 330 milhões de pneus de passeio; Índice de reciclagem de 73% (84% - indústria de cimento e 16% - outras destinações).

44 LATAS DE ALUMÍNIO

45 Evolução da reciclagem de latas de alumínio 1991 até 2009 Fonte: ABRELPE

46 Ciclo da reciclagem de latas de alumínio

47 Coleta das latas de alumínio

48 Barreiras à efetiva utilização da logística reversa Falta de planejamento o que gera tensões entre os diversos elos da cadeia de suprimentos; Falta de sistemas de gestão e de informação, de políticas internas, de recursos humanos e financeiros; Baixa importância dada à atividade assim como as políticas tributárias que diminuem o interesse dos empresários em reaproveitar materiais descartados; Falta de infra-estrutura logística; Falta de conscientização e de responsabilidade social.

49 Logística Reversa Reversa:: em busca do equilíbrio econômico e ambiental

50 Conheçam meu blog:

51 Obrigada pela atenção atenção!! Perguntas?? Perguntas??

52 Contato:

53 Referências ABRELPE Disponível em: BOWERSOX, D. J. & CLOSS, D. J. Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, CEMPRE. Disponível em: GOMES, C. F. S.; RIBEIRO, P. C. C. Gestão da Cadeia de Suprimentos integrada à Tecnologia da Informação.São Paulo: Pioneira Thomson Learning, GUARNIERI, P. Logística Reversa: em busca do equilíbrio econômico e ambiental. Recife: Ed. Clube de Autores, INPEV. Disponível em: LEITE, Paulo Roberto. Logística Reversa. São Paulo: Prentice Hall, ROGERS, Dale S. & TIBBEN-LEMBKE, Ronald S. Going backwards: reverse logistics trends and practices. Reno, Universidade de Nevada, RECICLANIP. Disponível em:

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305 de 2 de agosto de 2010 - dispõe sobre: - princípios, objetivos e instrumentos; - diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos

Leia mais

RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E LOGÍSTICA REVERSA: IMPLEMENTAÇÃO NO CONTEXTO BRASILEIRO

RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E LOGÍSTICA REVERSA: IMPLEMENTAÇÃO NO CONTEXTO BRASILEIRO Patrícia Iglecias SETEMBRO, 2013 RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E LOGÍSTICA REVERSA: IMPLEMENTAÇÃO NO CONTEXTO BRASILEIRO GESTÃO DE RESÍDUOS NA PNRS Não geração Redução Reutilização Reciclagem Tratamento

Leia mais

Responsabilidade do Produtor na Política Nacional de Resíduos Sólidos do Brasil

Responsabilidade do Produtor na Política Nacional de Resíduos Sólidos do Brasil 1 Responsabilidade do Produtor na Política Nacional de Resíduos Sólidos do Brasil Carlos RV Silva Filho Abril 2017 APNRS e seus Avanços... Geração Total de RSU(t/dia) 225.000 220.000 215.000 210.000 205.000

Leia mais

A LO L GÍS Í T S I T C I A R EV E E V R E SA

A LO L GÍS Í T S I T C I A R EV E E V R E SA A LOGÍSTICA REVERSA NOS DIAS ATUAIS 21/11/2016 APRESENTAÇÃO Quais são os motivos que tornam a logística reversa um assunto tão relevante nos dias atuais? - a redução do ciclo de vida mercadológica dos

Leia mais

PNRS e a Logística Reversa. Free Powerpoint Templates Page 1

PNRS e a Logística Reversa. Free Powerpoint Templates Page 1 PNRS e a Logística Reversa Page 1 História Roma de Júlio Cesar e Augusto Page 2 História Geena Fogo eterno Page 3 História Cambridge 1338 São Paulo 1722 Rio de Janeiro 1850 Page 4 Novidades da PNRS Bloco

Leia mais

Logística e Distribuição. Conceito

Logística e Distribuição. Conceito Logística e Distribuição Logística Reversa 1 Logística e Distribuição 2 Logística e Distribuição Conceito É uma nova área da logística empresarial que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno

Leia mais

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Humberto Minéu IFTM/Câmpus Ituiutaba Doutorando em Geografia/UFU hmineu@gmail.com Ituiutaba, 08 de maio de 2014. EMMAV CAIC 2 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)

Leia mais

PRODUTOS INSERVÍVEIS DO PÓS CONSUMO Encaminhamento para os produtos que no final da vida útil tornam-se resíduos sólidos, devendo retornar a cadeia pr

PRODUTOS INSERVÍVEIS DO PÓS CONSUMO Encaminhamento para os produtos que no final da vida útil tornam-se resíduos sólidos, devendo retornar a cadeia pr POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: principais avanços e gargalos Eng. Quím. Mário Kolberg Soares Junho/2016 PRODUTOS INSERVÍVEIS DO PÓS CONSUMO Encaminhamento para os produtos que no final da vida

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Já falamos da evolução do conceito de produção; Já falamos dos modelos de sistemas produtivos; Já falamos dos conceitos

Leia mais

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP Hsa 109 - GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Resíduos Sólidos PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP E-mail: wgunther@usp.br Resíduos Sólidos Interrelação: Ambiente Saúde HOMEM MEIO AMBIENTE

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 22/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 22/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Identificar a crescente importância da logística reversa (LR) no cenário empresarial moderno; 2. Distinguir as diferentes etapas e o campo de atuação

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : PNRS - A Visão da Indústria no Estado de São Paulo

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : PNRS - A Visão da Indústria no Estado de São Paulo POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : PNRS - A Visão da Indústria no Estado de São Paulo 15.10.2013 Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Base Legal: Lei Federal nº 12305, de 02.08.2010

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos Responsabilidades Fabricantes, Importadores e Comerciantes (Lei /2010 e Decreto 7.

Política Nacional de Resíduos Sólidos Responsabilidades Fabricantes, Importadores e Comerciantes (Lei /2010 e Decreto 7. Política Nacional de Resíduos Sólidos Responsabilidades Fabricantes, Importadores e Comerciantes (Lei 12.305/2010 e Decreto 7.404/2010) 3 Esferas de Responsabilidade: Plano de Gerenciamento Fabricação

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos O GPA NASCEU EM 1948. É A MAIOR EMPRESA VAREJISTA DO BRASIL E PERTENCE AO GRUPO CASINO, UM DOS LÍDERES MUNDIAIS NO VAREJO DE ALIMENTOS. Com 2.113 pontos de venda,

Leia mais

Lima, J. C. F a ; Avoleta, A. b ;Lima, O. F. c ; and Rutkowski, E. W. d

Lima, J. C. F a ; Avoleta, A. b ;Lima, O. F. c ; and Rutkowski, E. W. d Ecologia Industrial : contribuições tib iõ para a Logística Reversa de Pós Consumo Lima, J. C. F a ; Avoleta, A. b ;Lima, O. F. c ; and Rutkowski, E. W. d Universidade d Estadual lde Campinas, São Paulo,

Leia mais

Descarte de Medicament os. Responsabilidade compartilhada

Descarte de Medicament os. Responsabilidade compartilhada Descarte de Medicament os Responsabilidade compartilhada Descarte de Medicamentos Aspectos gerais Situação atual... No Brasil ainda não se tem uma regulamentação específica no âmbito nacional relacionada

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Coleta seletiva e inclusão social dos catadores, situação atual, perspectivas e desafios Zilda Maria Faria Veloso Diretora de Ambiente Urbano Senado Federal Brasilia, 23de abril

Leia mais

III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL

III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel II: Resíduos Sólidos Urbanos Política Nacional, Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos. José Valverde Machado Filho 20.04.2012 Cenários e Evolução

Leia mais

Logística Reversa no Brasil Cenário atual e futuro

Logística Reversa no Brasil Cenário atual e futuro Logística Reversa no Brasil Cenário atual e futuro M.Sc. Elcio Herbst SENAI - IST em Meio Ambiente e Química Política Nacional de Resíduos Sólidos Art. 33º - São obrigados a estruturar e implementar sistemas

Leia mais

O papel da lata de alumínio para bebidas na Economia Circular

O papel da lata de alumínio para bebidas na Economia Circular O papel da lata de alumínio para bebidas na Economia Circular Renault de Freitas Castro Presidente Executivo Abralatas Fórum Internacional Waste Expo Brasil 22 Novembro de 2016 São Paulo- SP - Brasil A

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Zilda Maria Faria Veloso

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Zilda Maria Faria Veloso MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Zilda Maria Faria Veloso Diretora de Ambiente Urbano Secretaria de Recursos Hídricos e Meio Urbano POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS

Leia mais

0 7 / F a b r i c i o D o r a d o S o l e r f a b r i c i o s o l e f e l s b e r g. c o m. b r

0 7 / F a b r i c i o D o r a d o S o l e r f a b r i c i o s o l e f e l s b e r g. c o m. b r 0 7 / 2 0 1 7 F a b r i c i o D o r a d o S o l e r f a b r i c i o s o l e r @ f e l s b e r g. c o m. b r Responsabilidade Compartilhada pelo Ciclo de Vida dos Produtos Responsabilidade compartilhada

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

Logística Reversa de Embalagens. Gabriel Pedreira de Lima

Logística Reversa de Embalagens. Gabriel Pedreira de Lima Logística Reversa de Embalagens Gabriel Pedreira de Lima QUALIFICAÇÃO E EXPERIÊNCIA A Empresa A CGA geo é uma empresa de consultoria ambiental com sólida experiência em projetos voltados ao Gerenciamento

Leia mais

Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas Edivandro Seron

Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas Edivandro Seron Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas Edivandro Seron Foz do Iguaçu, 20 de junho de 2017 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS Lei nº 12.305/10 e Decreto nº 7.404/10 De acordo

Leia mais

A PNRS e o Acordo Setorial de Embalagens

A PNRS e o Acordo Setorial de Embalagens A PNRS e o Acordo Setorial de Embalagens Jacques Demajorovic Professor Programa de Pós-Graduação em Administração/FEI EPR no ciclo de vida de um produto (MASSOTE, 2014) Evolução da destinação dos resíduos

Leia mais

Resíduos eletro-eletrônicos. Identificação de Gargalos e Oportunidades na Gestão Adequada

Resíduos eletro-eletrônicos. Identificação de Gargalos e Oportunidades na Gestão Adequada Resíduos eletro-eletrônicos Identificação de Gargalos e Oportunidades na Gestão Adequada Junho de 2009 Alguns Modelos utilizados no mundo: Modelo Responsabilidade ampliada do Produtor - responsabiliza

Leia mais

Questões Ambientais e Aspectos Legais

Questões Ambientais e Aspectos Legais 1 Questões Ambientais e Aspectos Legais 2 Questões Ambientais Constituição Federal Brasileira Art. 225: "Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Humberto Minéu IFTM/Câmpus Ituiutaba Doutorando em Geografia/UFU hmineu@gmail.com Ituiutaba, 30 de abril de 2014. Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) - Lei 12.305/2010

Leia mais

XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES

XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES Mesa Redonda 2 LEI Nº 12.305/2010, DESAFIOS E PERSPECTIVAS: Logística Reversa e Responsabilidade Compartilhada 30 DE OUTUBRO DE 2011 SÉRGIO LUIS DA SILVA COTRIM ESPECIALISTA

Leia mais

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR!

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! 2016 EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! RICARDO LOPES É graduado em química industrial. Atua há mais de 30 anos na área de meio ambiente em empresas do ramo químico, petroquímico, farmacêutico, alimentício,

Leia mais

Brasil terá que investir R$15,59 bi em tratamento de resíduos

Brasil terá que investir R$15,59 bi em tratamento de resíduos Brasil terá que investir R$15,59 bi em tratamento de resíduos Comunicação Ietec A sustentabilidade ambiental é um desafio mundial e, por isso, a produção, coleta e destinação dos resíduos tornaram-se tema

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO 1. CARACTERÍSTICAS NACIONAIS Brasil - um país de dimensões continentais

Leia mais

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS]

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] ATERROS SANITÁRIOS [DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] 2013 O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? É O LIXO QUE PRODUZIMOS. NOSSO LIXO DE TODOS OS DIAS. E ESSES RESÍDUOS OU LIXO PODEM SER CLASSIFICADOS COMO:

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Responsabilidade Compartilhada. Seguro Ambiental. José Valverde Machado Filho

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Responsabilidade Compartilhada. Seguro Ambiental. José Valverde Machado Filho Política Nacional de Resíduos Sólidos. Responsabilidade Compartilhada. Seguro Ambiental. José Valverde Machado Filho 27.05.2013 Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, com foco em: I -

Leia mais

Logística Reversa de Eletroeletrônicos e Tributação na Cadeia de Reciclagem

Logística Reversa de Eletroeletrônicos e Tributação na Cadeia de Reciclagem Logística Reversa de Eletroeletrônicos e Tributação na Cadeia de Reciclagem Acordos Setoriais Embalagens de óleo lubrificantes assinado 2012. Lâmpadas e Embalagens em Geral consulta pública. Medicamentos.

Leia mais

Influência dos Fertilizantes Organominerais sobre os organismos do solo. João Cezar M. Rando 05/04/2017

Influência dos Fertilizantes Organominerais sobre os organismos do solo. João Cezar M. Rando 05/04/2017 Influência dos Fertilizantes Organominerais sobre os organismos do solo João Cezar M. Rando 05/04/2017 VII FORUM E EXPOSIÇÃO ABISOLO APRESENTAÇÃO inpev I. inpev II. POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS BASE LEGAL - AÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS AÇOES DE GESTÃO DE RESÍDUOS - BASE LEGAL Lei nº 11.107/2005 Consórcios Públicos Decreto nº 6017/2007

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Lei Nº / Decreto Nº 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Lei Nº / Decreto Nº 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei Nº 12.305/2010 - Decreto Nº 7.404/2010 OS DOIS COMITÊS COMITÊ INTERMINISTERIAL C I (DECRETO Nº 7.404/2010) COMITÊ INTERMINISTERIAL

Leia mais

Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos

Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Cláudia Lins Consultora Ambiental Foi instituída pela Lei 12.305/10 e regulamentada pelo Decreto 7.404/10 A PNRS fixou obrigações para União, Estados e

Leia mais

INFORMATIVO AMBIENTAL

INFORMATIVO AMBIENTAL INFORMATIVO AMBIENTAL Julho, 2016. CETESB publica Decisão de Diretoria que estabelece os procedimentos para licenciamento ambiental dos empreendimentos envolvidos no sistema de logística reversa e hipóteses

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. A.C.V & L.R ANÁLISE DO CICLO DE VIDA e LOGÍSTICA REVERSA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. A.C.V & L.R ANÁLISE DO CICLO DE VIDA e LOGÍSTICA REVERSA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A.C.V & L.R ANÁLISE DO CICLO DE VIDA e LOGÍSTICA REVERSA CONCEITO: A Análise de Ciclo de Vida ACV é uma importante ferramenta para tomada de decisões, concebida com o objetivo de viabilizar

Leia mais

Logística Reversa no Brasil: Cenário Atual e Futuro

Logística Reversa no Brasil: Cenário Atual e Futuro Logística Reversa no Brasil: Cenário Atual e Futuro Proporções descomunais: Panorama histórico RMSP São Paulo 2000 18 milhões hab. 10,5 milhões hab. 2010 20 milhões hab. 11,5 milhões hab. 2017 22 milhões

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA: FATOR ESTRATÉGICO NA REDUÇÃO DE RESÍDUOS NO BIOMA PAMPA

A LOGÍSTICA REVERSA: FATOR ESTRATÉGICO NA REDUÇÃO DE RESÍDUOS NO BIOMA PAMPA A LOGÍSTICA REVERSA: FATOR ESTRATÉGICO NA REDUÇÃO DE RESÍDUOS NO BIOMA PAMPA Tais Couto de Jesus¹, Ana Cláudia Caldeira Couto², Christian Guimarães Severo³ RESUMO A crescente importância da preservação

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria 1 Há duas décadas, a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92) adotou um programa de

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos Breves Considerações Núcleo de Meio Ambiente CIESP Regional Jaú/SP

Política Nacional de Resíduos Sólidos Breves Considerações Núcleo de Meio Ambiente CIESP Regional Jaú/SP Política Nacional de Resíduos Sólidos Breves Considerações Pedro Paulo Grizzo Serignolli Advogado Especializado em Direito Ambiental Coordenador Adjunto do Núcleo de Meio Ambiente pedropaulo@serignolli.com.br

Leia mais

Recuperação Energética de Resíduos Sólidos na Indústria de Cimento

Recuperação Energética de Resíduos Sólidos na Indústria de Cimento Avanços na Implementação na Política Nacional de Resíduos Recuperação Energética de Resíduos Sólidos na Indústria de Cimento Engº Mario William Esper O QUE É A ABCP? 1936-2011 n Entidade privada sem fins

Leia mais

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE 283 RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE Sandro Patrício S. Pereira¹, Fernando Filho¹, André Bitencourt¹, Marcelo Libaneo² Resumo: Este trabalho teve como objetivo avaliar

Leia mais

Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa. Zilda M. F. Veloso 08abril2014

Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa. Zilda M. F. Veloso 08abril2014 Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa Zilda M. F. Veloso 08abril2014 I- CONSIDERAÇÕES GERAIS Objetivos POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERAÇÃO DE RESÍDUOS PANO DE FUNDO: Sem a PNRS, a geração

Leia mais

Criando valor através de resíduos sólidos. Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos

Criando valor através de resíduos sólidos. Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos Criando valor através de resíduos sólidos Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos 2 Promon Intelligens Promon Intelligens 2013 A preocupação com a destinação adequada dos resíduos sólidos urbanos

Leia mais

Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições.

Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições. Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições. (Fonte: Panorama de Resíduos Sólidos no Brasil, 2011/Abrelpe-

Leia mais

RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA. Profa. Margarita María Dueñas Orozco

RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA. Profa. Margarita María Dueñas Orozco RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com INTRODUÇÃO Semelhança entre processos de geração de RS num organismo vivo e numa sociedade Fonte: Barros,

Leia mais

Resolução SMA 45/2015 Logística reversa estadual. Câmara Ambiental da Indústria Paulista (CAIP/Fiesp) Julho de 2015

Resolução SMA 45/2015 Logística reversa estadual. Câmara Ambiental da Indústria Paulista (CAIP/Fiesp) Julho de 2015 Resolução SMA 45/2015 Logística reversa estadual Câmara Ambiental da Indústria Paulista (CAIP/Fiesp) Julho de 2015 RESOLUÇÃO SMA Nº 45, DE 23 DE JUNHO DE 2015 Define as diretrizes para implementação e

Leia mais

Colaboração em logística reversa e reciclagem na indústria elétrica e eletrônica Carlos Ohde Country Manager

Colaboração em logística reversa e reciclagem na indústria elétrica e eletrônica Carlos Ohde Country Manager Colaboração em logística reversa e reciclagem na indústria elétrica e eletrônica Carlos Ohde Country Manager The information contained herein is subject to change without notice. Temos as condições de

Leia mais

Quadro político, jurídico e técnico da gestão de resíduos no Brasil

Quadro político, jurídico e técnico da gestão de resíduos no Brasil Quadro político, jurídico e técnico da gestão de resíduos no Brasil Introdução ao Brazil ~ 205 milhões de habitantes 5.565 municípios Área: 8.502.728,27 Km² ~15% da Água Potável do Planeta A maior biodiversidade

Leia mais

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo A Lei nº 15.374 de 2011 proíbe a disponibilização de sacolas plásticas descartáveis nos estabelecimentos comerciais do município de São Paulo.

Leia mais

Compras Sustentáveis

Compras Sustentáveis OBJETIVO ESTRATÉGICO DO SGAC Alcançar o Nível de Maturidade de uma Empresa de Classe Mundial Evento com Fornecedores dos Correios AÇÃO ESTRATÉGICA Implantar o modelo de gestão ambiental da empresa de acordo

Leia mais

ANÁLISE DO CICLO DE VIDA

ANÁLISE DO CICLO DE VIDA ESTÁGIOS DO CICLO DE VIDA: ANÁLISE DO CICLO DE VIDA Introdução: Os processos industriais não geram somente resíduos, como também, consomem recursos naturais, requerem infraestrutura de transporte, utilizam

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil. CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil. CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil Objetivos

Leia mais

Decisão de Diretoria CETESB nº 120/2016/C, de 01 de junho de 2016

Decisão de Diretoria CETESB nº 120/2016/C, de 01 de junho de 2016 Decisão de Diretoria CETESB nº 120/2016/C, de 01 de junho de 2016 Estabelece os Procedimentos para o licenciamento ambiental de estabelecimentos envolvidos no sistema de logística reversa, para a dispensa

Leia mais

Implantação da Logística Reversa no Estado de São Paulo

Implantação da Logística Reversa no Estado de São Paulo Logística Reversa: Tudo o que você precisa saber 06 de junho de 2017 Implantação da Logística Reversa no Estado de São Paulo Os Termos de Compromisso e a importância da destinação adequada Flávio de Miranda

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS A VISÃO DO SETOR DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS A VISÃO DO SETOR DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS A VISÃO DO SETOR DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS Diógenes Del Bel Diretor Presidente Seminário Hospitais Saudáveis 19 / Novembro / 2010 PNRS - A Visão do Setor de Tratamento

Leia mais

Responsabilidade das Empresas na Cadeia do Gerenciamento de Resíduos e na implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Responsabilidade das Empresas na Cadeia do Gerenciamento de Resíduos e na implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos REALIZAÇÃO: Responsabilidade das Empresas na Cadeia do Gerenciamento de Resíduos e na implantação da Política Nacional de

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim SEMINÁRIO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes Deputado Arnaldo Jardim 21.07.11 Política Nacional de Resíduos SólidosS Diretrizes Internalizar

Leia mais

Logística Reversa para Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados

Logística Reversa para Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Logística Reversa para Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Superintendência de Fiscalização do Abastecimento (SFI) São Paulo, 18/05/2017

Leia mais

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os Termos de Compromisso da Logística Reversa

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os Termos de Compromisso da Logística Reversa A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os Termos de Compromisso da Logística Reversa Fundação Estadual do Meio Ambiente Zuleika Stela Chiacchio Torquetti Presidente Novembro, 2014 Logística Reversa

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PROCESSAMENTO DE EMBALAGENS VAZIAS

INSTITUTO NACIONAL DE PROCESSAMENTO DE EMBALAGENS VAZIAS SISTEMA CAMPO LIMPO INSTITUTO NACIONAL DE PROCESSAMENTO DE EMBALAGENS VAZIAS LEI 9.974/00 Criada em dezembro de 2001, o inpev é uma entidade sem fins lucrativos com sede em São Paulo Promove a correta

Leia mais

PALESTRA DE SENSIBILIZAÇÃO E FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES

PALESTRA DE SENSIBILIZAÇÃO E FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES PALESTRA DE SENSIBILIZAÇÃO E FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES Tema: Logística Reversa Lei 12.305/10 Local: CEIER - Centro Estadual Integrado de Educação Rural. Data do Evento: 08/10/2014 Horário: 19:00h às

Leia mais

Profª. Klícia Regateiro. O lixo

Profª. Klícia Regateiro. O lixo Profª. Klícia Regateiro O lixo Tipos de lixo O Definem-se resíduos sólidos como o conjunto dos produtos não aproveitados das atividades humanas: O domésticas, comerciais, industriais, de serviços de saúde

Leia mais

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02.

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02. LEGISLAÇÃO VIGENTE PGRS LEI FEDERAL n o 9.795, de 27/04/99. A definição oficial de Educação Ambiental no Brasil. LEI ESTADUAL n o 12.493, de 22/01/99. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES

Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES Seminário Soluções Ambientais para Resíduos Sólidos Industriais DESAFIOS PARA SUSTENTABILIDADE RESÍDUOS

Leia mais

Separação de Resíduos

Separação de Resíduos Separação de Resíduos Tipos de Resíduos Orgânicos Rejeitos Papéis Recicláveis Plásticos Metais Isopor Plástico Existem 7 tipos de resinas plásticas: - PET: polietileno tereftalato: Frascos de refrigerantes

Leia mais

Subjetividade no processo decisório - Aplicação em Logística Reversa. Carlos Francisco Simões Gomes, D.Sc

Subjetividade no processo decisório - Aplicação em Logística Reversa. Carlos Francisco Simões Gomes, D.Sc Subjetividade no processo decisório - Aplicação em Logística Reversa Carlos Francisco Simões Gomes, D.Sc Carlos Francisco Simões Gomes Doutor e Mestre em Engenharia de Produção (UFRJ & UFF) Pos-Doutorado

Leia mais

Práticas Socioambientais na Copel Distribuição

Práticas Socioambientais na Copel Distribuição Práticas Socioambientais na Copel Distribuição Ramo de atuação da empresa: Distribuição de Energia Elétrica Certificações da empresa: Não possui sistema de gestão ambiental certificado (ISO 14000). Sustentabilidade

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

- TERMO DE REFERÊNCIA - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

- TERMO DE REFERÊNCIA - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - TERMO DE REFERÊNCIA - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência tem como finalidade orientar os geradores, assim definidos como pessoas físicas ou jurídicas,

Leia mais

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil.

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de 2002. Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos: a responsabilidade é coletiva. Entrevista especial com Elisabeth Grimberg

Política Nacional de Resíduos Sólidos: a responsabilidade é coletiva. Entrevista especial com Elisabeth Grimberg Site Instituto Humanitas Unisinos, 28 de maio de 2012 Política Nacional de Resíduos Sólidos: a responsabilidade é coletiva. Entrevista especial com Elisabeth Grimberg Já se têm acúmulos, instrumentos,

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA LOGÍSTICA REVERSA DOS PNEUS INSERVÍVEIS NO BRASIL APÓS A APROVAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONAMA N o 416/09

A EVOLUÇÃO DA LOGÍSTICA REVERSA DOS PNEUS INSERVÍVEIS NO BRASIL APÓS A APROVAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONAMA N o 416/09 A EVOLUÇÃO DA LOGÍSTICA REVERSA DOS PNEUS INSERVÍVEIS NO BRASIL APÓS A APROVAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONAMA N o 416/09 Resumo Carlos A. F. Lagarinhos *, Jorge A. S. Tenório, Denise C. R. Espinosa Departamento

Leia mais

O PACTO PELO SANEAMENTO LIXÃO ZERO + RECICLA-RIO REGIONALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS PARA A RECICLAGEM

O PACTO PELO SANEAMENTO LIXÃO ZERO + RECICLA-RIO REGIONALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS PARA A RECICLAGEM O PACTO PELO SANEAMENTO LIXÃO ZERO + RECICLA-RIO REGIONALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS PARA A RECICLAGEM CENÁRIO/TENDÊNCIAS Erradicação de Lixões Implantação de Aterros Sanitários / Centrais de Tratamento de Resíduos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 183/2013

PROJETO DE LEI Nº 183/2013 PROJETO DE LEI Nº 183/2013 Dispõe sobre diretrizes para instituição do Programa de Coleta Seletiva Contínua de Resíduos Eletrônicos e Tecnológicos e dá outras providências. Art. 1º Esta lei dispõe sobre

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

Implantação da Logística Reversa no Estado de São Paulo

Implantação da Logística Reversa no Estado de São Paulo 19ª Semana do Meio Ambiente FIESP, 07 de junho de 2017 Implantação da Logística Reversa no Estado de São Paulo Flávio de Miranda Ribeiro CETESB Companhia Ambiental de São Paulo Logística Reversa em SP:

Leia mais

Palestra Magna : Gestão de Resíduos Sólidos. José Valverde Machado Filho

Palestra Magna : Gestão de Resíduos Sólidos. José Valverde Machado Filho Palestra Magna : Gestão de Resíduos Sólidos José Valverde Machado Filho 22.08.2012 ONU-HABITAT afirma que população urbana da América Latina chegará a 89% em 2050. De acordo com o Estado das Cidades da

Leia mais

Material Teórico. Programas e Legislação - PNRS. Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Enrico D Onofro. Revisão Textual: Prof. Ms.

Material Teórico. Programas e Legislação - PNRS. Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Enrico D Onofro. Revisão Textual: Prof. Ms. Logística Reversa Material Teórico Programas e Legislação - PNRS Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Enrico D Onofro Revisão Textual: Prof. Ms. Claudio Brites Programas e Legislação - PNRS Introdução

Leia mais

Situação Atual da... Maioria. Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha

Situação Atual da... Maioria. Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha RESÍDUOS NO BRASIL Situação Atual da... Maioria Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CARROCEIROS E CATADORES DE MATERIAIS RECICLAVEIS ANCAT

Leia mais

COMO SÃO CLASSIFICADOS OS RESÍDUOS EM GERAL?

COMO SÃO CLASSIFICADOS OS RESÍDUOS EM GERAL? RESÍDUOS SÓLIDOS COMO SÃO CLASSIFICADOS OS RESÍDUOS EM GERAL? RESÍDUO CLASSE I: São aqueles que apresentam periculosidade ou uma das seguintes características, inflamabilidade, corrosividade, reatividade,

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. Hewerton Bartoli Presidente

LOGÍSTICA REVERSA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. Hewerton Bartoli Presidente LOGÍSTICA REVERSA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação e normas evolução Cenário atual

Leia mais

PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS

PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS Prefeitura do Município de Piracicaba Estado de São Paulo Brasil Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS Celise

Leia mais

Unidade IV FUNDAMENTOS E IMPORTÂNCIA. Profa. Marinalva Barboza

Unidade IV FUNDAMENTOS E IMPORTÂNCIA. Profa. Marinalva Barboza Unidade IV FUNDAMENTOS E IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Profa. Marinalva Barboza Objetivo da unidade Objetivos desta unidade: Facilidades logística. Logística reversa. Custos logísticos. Oportunidades de melhoria.

Leia mais

SÍNTESE DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI , DE 02 DE AGOSTO DE 2010) NA PERSPECTIVA DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO BRASILEIRAS

SÍNTESE DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI , DE 02 DE AGOSTO DE 2010) NA PERSPECTIVA DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO BRASILEIRAS SÍNTESE DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI 12.305, DE 02 DE AGOSTO DE 2010) NA PERSPECTIVA DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO BRASILEIRAS O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? Art. 3º, item XVI - material,

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos Urbanos CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO Seminário Preparatório à XII Conferência das Cidades - Região Norte - Resíduos Sólidos Urbanos Profa. M.Sc. Maria de Valdivia Costa Norat Gomes FAESA/ITEC/UFPA

Leia mais

Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos

Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos REALIZAÇÃO: Implantação da Responsabilidade Pós-Consumo em São Paulo Ações, Resultados e Desafios Flávio de Miranda Ribeiro

Leia mais

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA RECICLAGEM: UM ESTUDO PARA O RIO DE JANEIRO LUIZ CARLOS S. RIBEIRO (DEE/UFS)

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA RECICLAGEM: UM ESTUDO PARA O RIO DE JANEIRO LUIZ CARLOS S. RIBEIRO (DEE/UFS) I Encontro de Gestão de Resíduos: mecanismo para alcance do Desenvolvimento Sustentável e empresarial no Campus da Universidade Estadual do Ceará ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA RECICLAGEM: UM

Leia mais

Fórum Setorial Lâmpadas, Pilhas e Baterias

Fórum Setorial Lâmpadas, Pilhas e Baterias PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Fórum Setorial Lâmpadas, Pilhas e Baterias Documento Síntese Humberto Ferreira Silva Minéu Prof. IFTM/Campus Ituiutaba Plataforma Ituiutaba Lixo Zero hmineu@gmail.com Ituiutaba,

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014 1 XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014 A ADOÇÃO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS COMO CAMINHO PARA O DESCARTE DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS Evandra Campos Castro Mauro José Kummer 2 RESUMO

Leia mais

Material Teórico. Canal de Distribuição Reverso. Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Enrico D Onofro

Material Teórico. Canal de Distribuição Reverso. Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Enrico D Onofro Logística Reversa Material Teórico Canal de Distribuição Reverso Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Enrico D Onofro Revisão Textual: Prof. Ms. Selma Aparecida Cesarin Canal de Distribuição Reverso

Leia mais