ISOLAMENTO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS CORRENTES COM POLIESTIRENO EXTRUDIDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISOLAMENTO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS CORRENTES COM POLIESTIRENO EXTRUDIDO"

Transcrição

1 GUIA PARA A REABILITAÇÃO ISOLAMENTO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS CORRENTES COM POLIESTIRENO EXTRUDIDO PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus

2 Autoria do Relatório Vera Silva Consultoria Iberfibran Poliestireno Extrudido, SA Colaboração Laboratório de Física e Tecnologia das Construções do Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho

3 Índice 0. Preâmbulo 7 1. Anomalias em Coberturas Inclinadas Envelhecimento dos materiais: Deterioração do revestimento cerâmico Envelhecimento dos materiais: Degradação do sistema estrutural da cobertura (madeira) Manchas de bolor na face interior da laje esteira, sob o desvão ventilado Anomalias em Coberturas Planas Não Acessíveis Degradação do teto falso em gesso cartonado Empolamento do revestimento em tela auto-protegida Anomalias em Coberturas Planas Acessíveis Manifestações de humidade/infiltrações no revestimento interior das paredes exteriores Manchas de bolor e humidade na face interior da cobertura plana (ponte térmica plana) Anomalias em Paredes Exteriores Manchas de bolor em paredes de zonas húmidas (instalações sanitárias e cozinhas) Manchas de bolor em paredes de zonas não húmidas Manchas de humidade na ligação da parede exterior com duplo paramento e o pavimento Manchas de humidade na face interior da parede exterior (ponte térmica plana) Anomalias em Paredes Interiores Fissuração em paredes interiores junto da laje de teto Anomalias em Pavimentos Deterioração do revestimento de madeira de um pavimento térreo Deterioração do revestimento de madeira de um pavimento sobre o exterior 73 Acrónimos 76

4 Glossário 77 Bibliografia 83 Anexo Checklist 84

5

6

7 0. PREÂMBULO Em Portugal, para além da degradação física e estrutural das construções, consequência de variados fatores, o edificado apresenta também um fraco desempenho térmico, baixos níveis de conforto e salubridade e elevados consumos energéticos. Este fraco desempenho, que muitas vezes se reflete em vários tipos de anomalias, deve-se à baixa qualidade de construção, às fracas exigências regulamentares à altura da construção, à ineficiência dos equipamentos (eletrodomésticos, iluminação e outros) e, muitas vezes, é agravado pela má utilização do edifício. Até à década de 1990 não havia em Portugal imposição legal para construir com preocupações de eficiência energética, térmicas ou de conforto. Assim, as construções anteriores à década de 1990, cerca de 70% do parque edificado [1], não cumprem as exigências atuais, não só do ponto de vista regulamentar, mas também do ponto de vista da sustentabilidade energética, conforto, salubridade e saúde do utilizador. Segundo a ADENE [2], 63% dos edifícios existentes com certificado energético pertencem a classes energéticas abaixo de B- (ou seja são edifícios que consomem mais 100% comparativamente ao consumo de referência). Contudo, o conhecimento técnico atual já identifica e aponta medidas que permitem, numa reabilitação, reduzir os consumos energéticos, otimizar balanços energéticos e melhorar de forma muito significativa as condições de conforto dos utilizadores e de salubridade dos espaços. A reabilitação de um edifício pode abranger várias especialidades, zonas e elementos construtivos e poderá englobar ações de reabilitação estrutural, construtiva, funcional e energética. A reabilitação energética agrega medidas de três grandes grupos: medidas a aplicar na envolvente dos edifícios; nos equipamentos (sistemas de climatização e aquecimento de águas quentes sanitárias) e na produção local de energia renovável. A aplicação de medidas de reabilitação energética, nomeadamente através da aplicação de isolamento térmico pode reduzir as necessidades energéticas até 40% [2]. Assim, a reabilitação de edifícios não é apenas intervir no edifício para corrigir anomalias, é também uma excelente oportunidade para melhorar a eficiência energética dos edifícios e o conforto térmico dos seus ocupantes. A informação contida neste Guia tem como base medidas a considerar numa reabilitação energética, nomeadamente medidas a aplicar na envolvente opaca dos edifícios existentes e tem em consideração as estratégias a aplicar para eliminar as anomalias e as suas causas, para proteção contra os agentes agressivos e para reforço das características funcionais. São aqui apresentadas anomalias associadas à inexistência, má aplicação/uso ou deficiente isolamento térmico na envolvente opaca do edifício. 7

8 As estratégias e soluções apresentadas e descritas neste guia utilizam o poliestireno extrudido (XPS) como material de eleição para o isolamento térmico, devendo ser sempre acompanhadas e executadas por profissionais qualificados. 8

9 1. ANOMALIAS EM COBERTURAS INCLINADAS 1.1 Envelhecimento dos materiais: Deterioração do revestimento cerâmico Descrição/formas de manifestação Degradação do revestimento cerâmico (telha), independentemente do tipo de telha (lusa, canudo, marselha, romana ou plana), comprometendo a estanquidade da cobertura inclinada/telhado; Acumulação de detritos, descasque, escamação, esfoliação, desagregação e envelhecimento global da telha (Figura 1); Desenvolvimento de vegetação parasitária e colonização biológica; Alterações de cor e diferenças de tonalidade; Existência de fissuração e/ou fraturas. Figura 1 Deterioração do revestimento cerâmico de uma cobertura inclinada Causas comuns Ventilação insuficiente do sistema global da cobertura: Conduz à degradação da telha e, consequentemente, da cobertura, reduzindo as suas características de isolamento térmico (devido à existência de água), aumentando o risco de corrosão de elementos metálicos de fixação da telha (caso existam) e deteriorando as telhas e os seus elementos de suporte; Pode identificar-se pela inexistência de telhas de ventilação, altura insufi- 9

10 ciente entre o revestimento cerâmico e o suporte e pelas formas de manifestação como descasque, fissuração, aparecimento de vegetação e colonização biológica e até infiltrações. Condensações: Ocorrem principalmente no Inverno devido à existência de sistemas de ventilação e isolamento térmico deficientes e ainda à inexistência de barreiras para-vapor ou à existência de descontinuidades na barreira para-vapor; Assume maior importância em coberturas localizadas em regiões climáticas com temperaturas do ar baixas, pois pode ocorrer o congelamento da água o que agrava o processo de deterioração (fissuras/fraturas), ou em locais interiores com elevada produção de vapor de água (como piscinas interiores, cozinhas, instalações sanitárias e balneários). Também a orientação geográfica a norte influencia negativamente este fenómeno; Em conjugação com a ventilação insuficiente, levam à não secagem completa da telha permitindo o desenvolvimento de vegetação parasitária e colonização biológica (Figura 2). A existência de fungos e vegetação pode pôr em causa a funcionalidade da cobertura e levar à existência de infiltrações. Figura 2 Desenvolvimento de vegetação parasitária no revestimento cerâmico de uma cobertura inclinada com pendente insuficiente e com inversão de pendente. Utilização excessiva de argamassas fortes: contribui para potenciar o aparecimento de descasques, sobretudo junto à zona de cumes (Figura 3). O processo de libertação da humidade da argamassa é muito mais lento que o do elemento cerâmico. Desta forma, o elemento cerâmico em contacto com a argamassa fica mais tempo sujeito aos ciclos de gelo-degelo e é correntemente o primeiro a apresentar problemas. Para evitar este problema devem utilizar-se técnicas de execução, nomeadamente de linhas de cumeeira, sem uso de argamassas, utilizando materiais que permitam uma ventilação eficaz e contribuindo para o bom funcionamento e durabilidade da cobertura. 10

11 Figura 3 Uso excessivo de argamassa no cume de uma cobertura inclinada com revestimento cerâmico. Erros de projeto: Nomeadamente a inclinação insuficiente da cobertura ou a inversão de pendente (Figura 2), que conduzem ao escoamento inadequado das águas pluviais, agravando o risco de ocorrência de infiltrações (Figura 4). A inclinação da cobertura conduz à necessidade, ou não, de haver uma impermeabilização da estrutura da cobertura complementando a estanquidade da telha (tela ou subtelha dependendo se a estrutura é contínua ou descontínua). É sempre recomendável colocar o sistema complementar de impermeabilização sob o isolamento térmico sendo este imprescindível para inclinações inferiores a 20º. A não consideração destas questões na fase de projeto (de construção ou de reabilitação) pode implicar o mau escoamento das águas pluviais, facilitando a acumulação de lixo e o desenvolvimento de vegetação, danificando o revestimento e a própria estrutura, podendo até induzir a outras anomalias, nomeadamente à ocorrência de infiltrações; A inclinação insuficiente pode ser identificada pela medição do ângulo da pendente e identificação, por observação visual, da acumulação de água no revestimento, nomeadamente junto ao beiral e do aparecimento de vegetação parasitária. 11

12 1 - Telha deslocada; 2 - Subtelha; 3 - Ripado de madeira; 4 - Suporte; 5 - Revestimento interior. Figura 4 Infiltrações na cobertura devido à inclinação insuficiente. Erros de aplicação: Assentamento incorreto dos elementos unitários do revestimento cerâmico (Figura 4), fixação, encaixe, e sobreposição incorretas ou insuficientes, o desalinhamento ou deslocamento dos elementos cerâmicos, utilização de telhas com formatos ou dimensões não compatíveis podem levar ao aparecimento de fissuras e destacamentos do revestimento; A ocorrência de erros de aplicação em pontos singulares, como beiras, bordos, remates, cumeeiras e larós, ligações com chaminés e outros elementos salientes na cobertura, ligações com platibandas ou paredes pode permitir infiltrações que prejudicam não só o revestimento, mas toda a cobertura. Falta de manutenção: não existindo limpeza nem reparação/substituição dos elementos degradados, conduzindo à acumulação de poeiras e lixo, desenvolvimento de líquenes e de vegetação, dificultando o escoamento das águas pluviais, podendo agravar a degradação do revestimento e potenciando a ocorrência de infiltrações. As poeiras, lixo e folhagem acumuladas na cobertura podem ainda conduzir ao entupimento dos elementos da rede de drenagem de águas pluviais (Figura 5), agravando ainda mais a degradação da cobertura (elementos de revestimentos e de suporte) (ver 1.2). Figura 5 Entupimento da rede de drenagem de coberturas inclinadas e formação de líquenes. Impactos mecânicos e choques devidos a agentes externos, naturais ou humanos: podem afetar a qualidade e funcionalidade do revestimento cerâmico. 12

13 As telhas podem sofrer impactos que levam à abertura de fendas, fissuras ou à quebra dos elementos cerâmicos (Figura 6). A aplicação direta de estruturas ou apoios, movimentação de cargas e pessoas ou queda de pequenos ramos de árvores, instalação de antenas ou mesmo a ocorrência de assentamentos do elemento de suporte podem provocar danos ou a rotura dos elementos cerâmicos. Este tipo de anomalia é facilmente identificado por uma observação visual cuidada. Figura 6 Degradação do com revestimento cerâmico de uma cobertura inclinada devido a impactos mecânicos. Deformação excessiva dos elementos estruturais: constrangimentos que impossibilitem a deformação térmica, desnivelamento ou afastamento excessivo dos apoios podem conduzir também à fendilhação dos elementos de revestimento Soluções de reabilitação A solução de reabilitação mais premente do revestimento cerâmico de uma cobertura é a que diminui ou elimina as condensações. Para tal a intervenção deve incidir na melhoria da ventilação e aplicação ou reforço do isolamento térmico da cobertura. A presença do isolamento térmico e sua correta aplicação é essencial para o sucesso da solução de reabilitação já que este irá diminuir significativamente o risco de existência de condensações. Complementarmente, numa cobertura inclinada, garantir a ventilação é essencial, pois para além de possibilitar a troca de ar húmido por ar seco, permitindo a secagem do revestimento cerâmico e reduzindo o risco de ocorrência de condensações, permite também, do ponto de vista térmico, criar um arrefecimento (essencialmente no verão) na estrutura da cobertura. Estas duas ações são indissociáveis. Deverá prever-se a substituição de elementos de revestimento cerâmico caso se verifique a fissuração ou fracturação pontual sem que visualmente se constatem outras anomalias. Esta ação é simples e não acarreta custos elevados Correção do sistema de ventilação da cobertura e aplicação de isolamento térmico A solução consiste na correção do sistema de ventilação da cobertura e aplicação de 13

14 isolamento térmico com o objetivo de evitar a ocorrência de condensações e permitir uma secagem eficaz do revestimento cerâmico. Deve ser aplicada em todas as situações onde se manifestem as anomalias de descasque, fissuração, existência de condensações e microrganismos. Aplicação Deve iniciar-se pela inspeção ao revestimento cerâmico para avaliar a boa qualidade e funcionalidade do revestimento, para eventual posterior utilização de parte deste. Caso estes sejam validados, o procedimento a seguir é: 1. Inspeção do revestimento cerâmico para avaliar a sua boa funcionalidade e eventual posterior utilização; 2. Levantamento do revestimento cerâmico; 3. Aplicação do isolamento térmico XPS sobre a estrutura da cobertura, por fixação mecânica com buchas de plástico. A espessura do isolamento deve respeitar o estabelecido no Regulamento das Características do Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE) - Decreto-Lei nº 80/2006 [3]; Se a ripa de assentamento da telha for pré-fabricada (em madeira, plástico ou PVC) o isolamento térmico XPS deve ser aplicado com o ranhurado perpendicular à cumeeira. Caso se utilizem ripas de argamassa o ranhurado deve ser paralelo à cumeeira. A fixação mecânica deve ser realizada através da aplicação de 4 buchas afastadas 15 cm do bordo da placa, em todas as placas colocadas no perímetro da cobertura. São apenas necessárias 2 buchas de fixação por placa nas placas do interior da área da cobertura. Deve ainda ser realizado um dente de apoio e travamento no perímetro que se destina a receber as placas periféricas, bem como nas zonas de beirados; Em coberturas com inclinação superior a 45º localizadas em zonas muito ventosas, a fixação mecânica deve ser realizada em 6 pontos (aplicando 6 buchas); 4. Aplicação do ripado pré-fabricado, em madeira, PVC ou outro perfil com altura suficiente para garantir a ventilação (normalmente retangular com a dimensão aproximada de 4 cm x 2 cm), por parafuso auto-roscante ou prego galvanizado, dependendo do material. No caso de a ripa ser executada in situ (argamassa) esta deve ter aproximadamente 10 cm por 3 a 4 cm de altura, de forma a facilitar a ventilação. A ripa deve ser interrompida, permitindo desta forma a ventilação da telha na face inferior, evitando a criação de câmaras-de-ar entre cada fiada; 14

15 (1) inspeção do revestimento cerâmico; (2) levantamento do revestimento cerâmico; (3) aplicação do isolamento térmico FIBRANxps; (4) aplicação do ripado; (5) aplicação do revestimento cerâmico. Figura 7 Correção do sistema de ventilação e isolamento térmico de uma cobertura inclinada (ripado em madeira) [9]. (1) inspeção do revestimento cerâmico; (2) levantamento do revestimento cerâmico; (3) aplicação do isolamento térmico FIBRANxps; (4) execução do ripado em argamassa; (5) aplicação do revestimento cerâmico. Figura 8 Correção do sistema de ventilação e isolamento térmico de uma cobertura inclinada (ripado em argamassa) [9]. 5. Assentamento da telha (Figura 7, Figura 8 e Figura 9), dependente do tipo de telha que se irá aplicar. Devem garantir-se o alinhamento correto das fiadas, a sobreposição e encaixe da telha, bem como os remates adequados. Devem também prever-se elementos cerâmicos de ventilação em quincôncio numa proporção de 3 por cada 10m2 (Figura 10 e Figura 11). 15

16 1 - Revestimento cerâmico; 2 - Subtelha; 3 - Caixa-de-ar; 4 - Ripado de madeira ou argamassa; 5 - Isolamento térmico FIBRANxps; 6 - Tela de impermeabilização; 7 - Suporte; 8 - Revestimento interior. 1 - Revestimento cerâmico; 2 - Subtelha; 3 - Caixa-de-ar; 4 - Ripado de madeira ou argamassa; 5 - Suporte; 6 - Isolamento térmico FIBRANxps; 7 - Revestimento interior. Figura 9 Solução de correção do sistema de ventilação e isolamento térmico de uma cobertura inclinada com desvão habitável [9]. Figura 10 Elementos cerâmicos de ventilação. 16

17 1 - Revestimento cerâmico; 2 - Subtelha; 3 - Caixa-de-ar; 4 - Ripado de madeira; 5 - Isolamento térmico FIBRANxps; 6 - Tela de impermeabilização; 7 - Suporte; 8 - Revestimento interior; 9 - Telha de ventilação. Figura 11 Exemplo de aplicação de elementos cerâmicos de ventilação numa cobertura inclinada [9]. Observações: O isolamento térmico pelo interior (Figura 9) é também uma solução contudo não tão eficiente termicamente e como tal não abordada neste guia Correção de pendente O objetivo da correção da inclinação da cobertura é facilitar o escoamento normal das águas pluviais e evitar a sua acumulação. A correção da inclinação é mais simples quando a estrutura de suporte é contínua, contudo é necessário averiguar a capacidade resistente da estrutura. Aplicação Caso a estrutura de suporte da cobertura seja contínua poderá regularizar-se a pendente com uma camada de betão de forma e proceder-se à aplicação do isolamento térmico, ripado e telha de acordo com o descrito em Se a estrutura de suporte for descontínua deverão utilizar-se placas de isolamento de espessura não constante XPS de forma a garantir a inclinação mínima pretendida. A espessura de isolamento aplicada deve cumprir os requisitos regulamentares (RCCTE [3]). 17

18 1.2 Envelhecimento dos materiais: Degradação do sistema estrutural da cobertura (madeira) Descrição/Formas de Manifestação Apodrecimento de pontos críticos (apoios, ligações, intersecções); Manchas, alterações de cor e/ou textura, bolores e esfarelamentos; Alterações dimensionais, deformações e empenamentos; Fendas. Figura 12 Degradação de uma cobertura em madeira (vista pelo interior e pelo exterior) Causas comuns A degradação de elementos de madeira surge como resultado da ação de agentes atmosféricos, físicos, químicos, mecânicos ou biológicos aos quais este material é sujeito ao longo da sua vida. A degradação é agravada se existirem desajustamentos face às exigências a que a cobertura está sujeita. Agentes atmosféricos e mecânicos: Os agentes atmosféricos (sobretudo a conjugação da luz solar e da chuva) provocam alterações de cor e textura, no 18

19 entanto trata-se de uma deterioração, em geral, apenas superficial, sem outras consequências além das estéticas; Humidade de condensação: O contacto com a água ou humidade ambiente elevada é em geral um facto crítico para a degradação dos elementos em madeira, em especial durante o inverno, pois potencia o aparecimento de agentes biológicos que atacam a madeira quando esta tem teores de humidade acima de determinados valores (em geral 20%); As variações de humidade ambiente, e a consequente alteração do teor em água da madeira, provocam variações dimensionais e de resistência mecânica das peças. Este fenómeno tem, no entanto, um efeito reversível, podendo a madeira recuperar as dimensões e a resistência inicial quando o seu teor em água voltar ao inicial. A humidade elevada também amplia os fenómenos de fluência da madeira, provocando grandes deformações sob a ação de cargas. A não proteção térmica da estrutura de madeira também implica um aumento da sua exposição às variações de temperatura exterior e de humidade, contribuindo para a sua degradação potenciando a formação de manchas de humidade, o aparecimento de fungos e bolores, a deterioração dos materiais, e reduzindo o isolamento térmico da cobertura, em especial se o isolamento térmico é humedecido. Este fenómeno ocorre também quando a cobertura confina com zonas onde ocorre uma produção elevada de vapor de água (casas de banho e cozinhas) e espaços com ventilação deficiente; Agentes biológicos: São, em geral, a causa mais frequente de deterioração das estruturas de madeira, sendo os responsáveis pela maioria das situações de rotura parcial ou total das estruturas. Destacam-se, pela sua importância (em meio terrestre), os seguintes: fungos de podridão, térmitas e carunchos (sobretudo o caruncho grande). O aparecimento de esfarelamento, podridão e manchas são em geral fenómenos identificadores destes agentes; Agentes físicos (cargas excessivas e sobrecargas): Os elementos estruturais de madeira que tenham estado sujeitos a esforços muito elevados (próximos da respetiva tensão de rotura) poderão ter sofrido danos internos capazes de reduzir a sua capacidade de carga. A deformação excessiva dos elementos de madeira devidos a sobrecargas ou cargas excessivas pode conduzir à perda de estanquidade da cobertura, conduzindo à existência de infiltrações que conduzem à degradação da madeira e agravam ainda mais a deformação da cobertura; Funcionamento incorreto dos dispositivos de recolha e drenagem de águas pluviais: pode conduzir à existência de infiltrações e consequentemente à degradação dos elementos em madeira. O mau funcionamento pode ser devido a deficiências de projeto, instalação ou manutenção, que podem dar origem a entupimentos e ao desenvolvimento de vegetação parasitária, afetando os materiais e a drenagem da água das chuvas; Infiltrações devido a quebra dos elementos de revestimento e ao crescimento 19

20 de vegetação ou ao insuficiente comprimento de sobreposição de elementos de revestimento descontínuos; Infiltrações devidas ao assentamento incorreto dos elementos unitários do revestimento cerâmico, fixação, encaixe, e sobreposição incorreta ou insuficiente, ao desalinhamento ou deslocamento dos elementos cerâmicos, utilização de telhas com formatos ou dimensões não compatíveis e má execução das ligações em pontos singulares (beirais, bordos, remates, cumeeira, larós, chaminés, platibandas, paredes ou outros elementos salientes), podem permitir infiltrações (Figura 13, Figura 14 e Figura 15). 1 - Reboco (camada protetora); 2 - Caleira/algeroz; 3 - Telha; 4 - Subtelha; 5 - Ripado; 6 - Isolamento FIBRANxps; 7 - Tela de impermeabilização; 8 - Suporte; 9 - Revestimento interior. Figura 13 Cuidados a ter na ligação de uma cobertura inclinada com revestimento cerâmico e a chaminé [9]. 1 - Telhão de cumeeira; 2 - Fixação mecânica; 3 - Telha; 4 - Subtelha; 5 - Ripado; 6 - Isolamento FIBRANxps; 7 - Tela de impermeabilização; 8 - Suporte; 9 - Revestimento interior. Figura 14 Cuidados a ter na cumeeira de uma cobertura inclinada com revestimento cerâmico [9]. 20

21 1 - Telha; 2 - Subtelha; 3 - Ripado; 4 - Isolamento FIBRANxps; 5 - Tela de impermeabilização; 6 - Suporte; 7 - Revestimento interior; 8 - Caleira. Figura 15 Cuidados a ter no isolamento térmico de uma cobertura inclinada com revestimento cerâmico na ligação com a parede [9] Soluções de reabilitação Independentemente da solução adotada, em primeiro lugar é sempre necessário avaliar a capacidade resistente da estrutura de madeira não só numa perspetiva global, mas também numa perspetiva pontual/localizada e nos elementos de apoio. Deve medir-se a secção útil da peça de madeira, o seu teor de humidade, avaliar a existência de ocos e estimar o módulo de elasticidade. Existem vários equipamentos e técnicas não intrusivas para avaliar estas características Substituição da estrutura da cobertura Caso se conclua que a degradação é generalizada, podendo estar em causa a segurança estrutural da cobertura, é aconselhada a demolição de todo o sistema estrutural e colocação de um sistema em madeira ou em estrutura metálica. Esta solução permitirá garantir as condições de segurança e funcionalidade pretendidas numa cobertura (Figura 16). Implica um custo elevado e uma intervenção global. 21

22 1 - Fileira / Cumeeira; 4 - Madre; 7 - Ripa; 10 - Braçadeira; 13- Pé de galinha. 2 - Pendural; 5 - Calço; 8 - Telha; 11 - Linha; 3 - Perna; 6 - Vara; 9 - Frechal; 12 - Escora; Figura 16 Cobertura inclinada. Aplicação A demolição deverá ser faseada e recorrendo a processos simples, utilizando martelos e cinzel, marretas, serrotes, etc.. O procedimento a realizar é (Figura 17): 1. Remoção dos elementos de revestimento; 2. Desmantelamento de elementos secundários (vigotas) e sua remoção; 3. Desmantelamento de elementos principais (asnas) e sua remoção; 4. Execução de nova cobertura. Ver pontos 3 a 5 da secção Figura 17 Vista exterior de uma cobertura com estrutura em madeira, antes e após a reabilitação. 22

23 Substituição, tratamento e/ou reforço de elementos pontuais da cobertura Esta solução deve ser implementada nos casos em que se verifiquem anomalias em elementos pontuais e em secções limitadas. Se o elemento de madeira anómalo apresentar alguma capacidade mecânica resistente está em condições de ser tratado e/ou reforçado. Se o elemento já não for capaz de desempenhar funções estruturais deve ser substituído. O objetivo desta solução é garantir as características de funcionalidade e segurança da cobertura. Aplicação A aplicação desta solução passa pela secagem da madeira, limpeza, tratamento e eventual reforço. 1. Secagem da madeira, melhorando a ventilação e, se necessário, recorrendo a secadores e ventoinhas. O teor em água dos elementos de madeira deverá descer para valores abaixo dos 20%; 2. Limpeza da madeira podre ou seriamente atacada por insetos/fungos, que se encontre pulverulenta ou facilmente desagregável; 3. Tratamento da madeira, através de: tratamentos curativos e preventivos de preservação; tratamentos antifogo; e tratamentos de proteção contra o envelhecimento. Aquando da realização destes tratamentos, deve ter-se em consideração a compatibilidade entre os produtos a utilizar nestes tratamentos, a madeira existente e aquela que venha a ser introduzida na obra; 4. Reforço dos elementos anómalos, que pode ocorrer em secções, elementos de ligação ou apoios, sendo a forma de realização do reforço definida em função, entre outros, da sua localização e função estrutural. As principais soluções de reforço passam pela introdução de elementos em madeira (cunhas, empalmes e talas), metálicos (parafusos, cintas, chapas, varões e perfis), resinas (epóxidos, adesivos), elementos mistos ou outros (elementos CFR) (Figura 18); 23

24 1 - Zona de corte e remoção da viga; 2 - Viga do pavimento; 3 - Zona afetada da viga; 4 - Zona destruída da viga; 5 - Soalho a repor; 6 - Zona substituída da viga; 7 - Chapa de ligação; 8 - Forro do teto a repor; A - Elementos metálicos para reforço de perna de asna de madeira; B - Aplicação de tirante e chapa metálica para reforço de ligação de perna com linha de asna (direita). Figura 18 Reforço de estrutura de cobertura em madeira e substituição de extremidade de viga de madeira e ligação com chapas metálicas aparafusadas (esquerda). 5. Construção dos restantes elementos uma vez assegurada a resistência estrutural da cobertura. Deve aplicar-se uma barreira para-vapor e, posteriormente, o isolamento térmico XPS em placas ou em painel sandwich sobre o elemento de suporte ou resistente. A espessura de isolamento aplicada deve cumprir os requisitos regulamentares (RCCTE [3]). Deve assegurar-se a ventilação entre o isolamento térmico e o revestimento da cobertura. Dependendo da inclinação da cobertura pode ser necessário um sistema adicional de impermeabilização. Observações: Há situações em coberturas de madeira antigas em que existem elementos que podem ser retirados pois, apesar de existirem e se integrarem na estrutura de madeira da cobertura, não têm funções estruturais. Por outro lado em certas situações é necessário introduzir elemento(s) para reforçar a estrutura, nomeadamente para situações de Estado Limite de Utilização (deformação). 24

25 1.3 Manchas de bolor na face interior da laje esteira, sob o desvão ventilado Descrição/formas de manifestação As condensações superficiais manifestam-se através do aparecimento de manchas de bolor visíveis na face inferior da laje de esteira (Figura 19), imediatamente abaixo do desvão ventilado da cobertura inclinada. Figura 19 Manchas de bolor em tetos sob desvão devido a fenómenos de condensação Causas comuns As manchas de bolor resultam da ocorrência de condensações superficiais nos tetos sob o desvão, as quais são frequentemente devidas à inexistência de isolamento ou isolamento térmico insuficiente e à ventilação deficiente do compartimento: Deficiente ou inexistente isolamento térmico na envolvente, nomeadamente na cobertura; Ventilação insuficiente, detetada através da existência de odor a mofo e quando ocorrer a sensação de ar pesado ; Ausência ou insuficiência de aquecimento do espaço interior; Higroscopicidade inadequada dos revestimentos interiores. Caso os materiais não tenham a capacidade de absorver humidade a anomalia manifesta-se de forma mais visível; Produção de vapor de água significativa no(s) espaço(s) abaixo do desvão, especialmente nas instalações sanitárias e cozinha devido à sua utilização ou noutros compartimentos devido a ocupação excessiva dos espaços e deficiente ventilação dos mesmos. A fraca ventilação pode agravar estas manifestações, pois os esporos que existem no ar desenvolvem-se sempre que se verifique uma temperatura e humidade adequadas. 25

26 1.3.3 Soluções de reabilitação As soluções de reabilitação desta anomalia passam pela limpeza, pintura do teto e introdução de isolamento térmico na cobertura, garantia de temperaturas interiores adequadas e caudais de ventilação suficientes, de modo a garantir boas condições de utilização do espaço interior. Estas soluções são complementares, mas indissociáveis, sendo até contraproducente aplicá-las separadamente Introdução de isolamento térmico sobre a laje esteira Aplicação 1. Limpeza do teto através da lavagem com uma solução a 10% de hipoclorito de sódio, seguida da lavagem com esterilizante e depois com água simples. Depois da secagem completa deve ser aplicado um produto fungicida, que deve ser extraído por escovagem cerca de três dias após a sua aplicação. Por fim procede-se à pintura geral do paramento ou aplicação de outro acabamento equivalente. Esta ação deve ser associada ao reforço de isolamento e da garantia das condições de ventilação do espaço, caso contrário a anomalia volta a surgir; 2. Introdução de isolamento térmico sobre a laje esteira. A aplicação, de forma contínua, de isolamento térmico XPS sobre a laje esteira (minimizando as pontes térmicas) permitirá diminuir significativamente o risco de ocorrência de condensações. Isto porque permite que a temperatura superficial da face interior do teto não seja tão próxima da temperatura do ponto de orvalho para a concentração de vapor de água existente no ar. A aplicação das placas de isolamento térmico (Figura 20) devem ter encaixe meia-madeira para minorar as pontes térmicas e devem ter uma espessura definida de acordo com as exigências regulamentares (RCCTE [3]). Deve anteriormente à aplicação do XPS limpar-se de pó e sujidade a superfície da laje. Supõe-se nesta situação que o desvão é não utilizável. Observações: Caso não seja possível aplicar o isolamento sobre a laje esteira poder-se-á colocar sob a laje, associado a um teto falso em gesso cartonado. Contudo esta solução não é a mais eficiente do ponto de vista térmico e pode criar constrangimentos arquitetónicos devido ao limite do pé-direito. 26

As coberturas planas podem ser classificadas, segundo vários aspectos: - acessíveis a veículos (ligeiros ou pesados);

As coberturas planas podem ser classificadas, segundo vários aspectos: - acessíveis a veículos (ligeiros ou pesados); 9. COBERTURAS DE EDIFÍCIOS 9.1. CLASSIFICAÇÃO DAS COBERTURAS EM TERRAÇO As coberturas planas podem ser classificadas, segundo vários aspectos: quanto à acessibilidade - não acessíveis (à excepção de trabalhos

Leia mais

DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS

DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS As soluções para melhorar o desempenho energético dos edifícios têm benefícios para os proprietários e utilizadores dos edifícios. Conforto: o comportamento térmico

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

REABILITAÇÃO DE COBERTURA INCLINADA, COM TELHA CERÂMICA ESTRUTURA EM MADEIRA. CONDIÇÕES TÉCNICAS D A T A Página 1 de 12 REVESTIMENTO EXTERIOR

REABILITAÇÃO DE COBERTURA INCLINADA, COM TELHA CERÂMICA ESTRUTURA EM MADEIRA. CONDIÇÕES TÉCNICAS D A T A Página 1 de 12 REVESTIMENTO EXTERIOR CONDIÇÕES TÉCNICAS D A T A Página 1 de 12 LOCAL INTERVENÇÃO Envolvente exterior cobertura Reparação e reabilitação da cobertura RESUMO: Reabilitação da cobertura existente, com intervenção na estrutura,

Leia mais

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FUNÇÕES E EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS Como especificar revestimentos

Leia mais

Manual de aplicação de Painel Ondutherm

Manual de aplicação de Painel Ondutherm 1. Painel Sandwich Ondutherm O isolamento térmico de uma cobertura é fundamental para a correcta performance térmica do edifício. Este tem sido um aspecto muito menosprezado ao longo dos últimos anos.

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

Isolamento Térmico Protecção Solar Ventilação Natural QUALIDADE TÉRMICA DOS EDIFÍCIOS...E QUALIDADE DE VIDA

Isolamento Térmico Protecção Solar Ventilação Natural QUALIDADE TÉRMICA DOS EDIFÍCIOS...E QUALIDADE DE VIDA Isolamento Térmico Protecção Solar Ventilação Natural QUALIDADE TÉRMICA DOS EDIFÍCIOS...E QUALIDADE DE VIDA Qualidade térmica dos edifícios... e qualidade de vida O quadro legislativo sobre o comportamento

Leia mais

Isolamento térmico de coberturas inclinadas. Dow - Soluções para a Construção ROOFMATE PT-A ROOFMATE TG-A

Isolamento térmico de coberturas inclinadas. Dow - Soluções para a Construção ROOFMATE PT-A ROOFMATE TG-A Dow - Soluções para a Construção Isolamento térmico de coberturas inclinadas ROOFMATE PT-A ROOFMATE TG-A Produto conforme as novas disposições meio ambientais Europeias (EC 2037/2000) 39 Introdução Esta

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 PATOLOGIAS EM OBRAS DE MADEIRA . A degradação de elementos de madeira surge como resultado da ação de agentes físicos, químicos, mecânicos ou biológicos aos quais

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Coberturas Inclinadas de Telhado 1 de 10 1.Objectivos 1.1 A presente especificação estabelece as condições técnicas a satisfazer em coberturas inclinadas de telhado LightCob

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS GUIA PARA A REABILITAÇÃO INSTALAÇÕES SANITÁRIAS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Oliveira & Irmão, S.A. Índice 0. Preâmbulo 5 1. Anomalias no Autoclismo da

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

PROJECTO DE IMPERMEABILIZAÇÃO E ISOLAMENTO TÉRMICO MEMÓRIA DESCRITIVA CONDIÇÕES TÉCNICAS

PROJECTO DE IMPERMEABILIZAÇÃO E ISOLAMENTO TÉRMICO MEMÓRIA DESCRITIVA CONDIÇÕES TÉCNICAS PROJECTO DE IMPERMEABILIZAÇÃO E ISOLAMENTO TÉRMICO MEMÓRIA DESCRITIVA CONDIÇÕES TÉCNICAS 1. Objetivo A presente especificação tem como objetivo estabelecer as normas de boa execução dos trabalhos de impermeabilização

Leia mais

DRENAGEM E APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS PLUVIAIS

DRENAGEM E APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS PLUVIAIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO DRENAGEM E APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS PLUVIAIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Oliveira & Irmão S.A. Índice 1. Anomalias no Sistema

Leia mais

REVESTIMENTOS & IMPERMEABILIZAÇÃO DE COBERTURAS CERÂMICAS INCLINADAS

REVESTIMENTOS & IMPERMEABILIZAÇÃO DE COBERTURAS CERÂMICAS INCLINADAS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REVESTIMENTOS & IMPERMEABILIZAÇÃO DE COBERTURAS CERÂMICAS INCLINADAS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Pedro Lourenço Consultoria Umbelino Monteiro

Leia mais

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo.

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. 85.(STM/CESPE/2011) A taipa de mão é, tradicionalmente, fabricada por meio de processos artesanais ou com forte

Leia mais

Manual do Impermabilizador

Manual do Impermabilizador Rev.05 Manual do Impermabilizador Esta especificação técnica tem por objetivo fornecer subsídios na metodologia adequada de impermeabilização com mantas asfálticas. Em cada caso, deverão ser analisadas

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO Estado de Conservação Exterior FICHA N.º: 01 ID EDIFÍCIO: 42904 1. LOCALIZAÇÃO Zona em estudo: Vila do Olival Freguesia: Gondemaria e Olival Rua / Av. / Pc.: Rua Cimo

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

Painel Sandwich em Madeira

Painel Sandwich em Madeira Painel Sandwich em Madeira Dossier Técnico Soluções para Coberturas www.jular.pt Lisboa: Norte: Centro: Sul: Sede e Fábrica: Quinta de Santa Rosa Apartado 1042 P-2681-855 Camarate (Lisboa) Rua Oriental,

Leia mais

Isolamento térmico de coberturas planas invertidas

Isolamento térmico de coberturas planas invertidas Dow - Soluções para a Construção Isolamento térmico de coberturas planas invertidas ROOFMATE SL-A ROOFMATE LG-X Produto conforme as novas disposições meio ambientais Europeias (EC 2037/2000) 23 Introdução

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Fachadas energeticamente eficientes: contribuição dos ETICS/Argamassas Térmicas Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Oradora: Vera Silva Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas

Leia mais

Descrição Geral...2. Aplicação em Obra...2. Pontos Singulares... 3. Manutenção... 4. Ambiente... 4. Segurança... 4. Sistemas de Impermeabilização...

Descrição Geral...2. Aplicação em Obra...2. Pontos Singulares... 3. Manutenção... 4. Ambiente... 4. Segurança... 4. Sistemas de Impermeabilização... ÍNDICE Descrição Geral...2 Aplicação em Obra...2 Pontos Singulares... 3 Manutenção... 4 Ambiente... 4 Segurança... 4 Sistemas de Impermeabilização... 5 Coberturas Acessíveis... 5 Coberturas de Acessibilidade

Leia mais

As membranas ECOPLAS PY 40, são fabricadas de acordo com as normas Europeias e são abrangidas

As membranas ECOPLAS PY 40, são fabricadas de acordo com as normas Europeias e são abrangidas DOCUMENTO TÉCNICO DE APLICAÇÃO SISTEMA SOTECNISOL PY40 LAJES DE PAVIMENTO EM CONTATO DIRECTO COM O SOLO DTA 01 Impermeabilização de lajes de pavimento FEVEREIRO DE 2012 1. - DESCRIÇÃO As membranas ECOPLAS

Leia mais

03.1 DTA SISTEMA. com base. de fibra de. coberturas. Massa nominal: kg/ m2. Armadura 3,0. PY 150g/m2 4,0. Delegação Coimbra: Lugar do Brejo

03.1 DTA SISTEMA. com base. de fibra de. coberturas. Massa nominal: kg/ m2. Armadura 3,0. PY 150g/m2 4,0. Delegação Coimbra: Lugar do Brejo DOCUMENTO TÉCNICO DE APLICAÇÃO DTA 03.1 SISTEMA SOTECNISOL FV30 + PY40G COBERTURAS DE ACESSÍBILIDADE LIMITADA Impermeabilização de coberturas ABRIL DE 2011 1. DESCRIÇÃO As membranas ECOPLAS 30, ECOPLAS

Leia mais

Isolamento Térmico EZ

Isolamento Térmico EZ Catálogo de produtos Grazimac Isolamento Térmico EZ www.grazimac.pt 2 GRAZIMAC O isolamento térmico EZ é a solução indicada para uma cobertura inclinada. Permite aumentar o conforto térmico e diminuir

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 10CB.11.--.--.

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 10CB.11.--.--. 10CB.11.-- TÍTULO10CB REVESTIMENTO DE COBERTURAS CAPÍTULO.1-. BASES PARA COBERTURAS INCLINADAS SUB.CAPº.11. MADEIRAMENTO DO TELHADO I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por metro quadrado (m2) das

Leia mais

6.4. Reabilitação de Materiais de Revestimento

6.4. Reabilitação de Materiais de Revestimento O reforço estrutural de vigas de madeira poderá ser efectuado através da introdução de barras de aço ou de fibra de vidro. Deverá executar-se a furação para introdução das barras, aspirar-se o pó da madeira

Leia mais

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2015 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura III - Telhados, Rufos, III.1 TELHADOS Principais Patologias Com o passar do tempo e muitas vezes também pela falta de manutenção anual, acumulam-se nos telhados de telha de barro,

Leia mais

PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS

PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FEUP/APFAC Porto 2015-1 ESTRUTURAÇÃO 1. Introdução Eficiência energética

Leia mais

Cobertura com telhas asfálticas. Cobertura com telhas asfálticas

Cobertura com telhas asfálticas. Cobertura com telhas asfálticas Cobertura com telhas asfálticas Cobertura com telhas asfálticas A cobertura conhecida como shingle é uma manta asfáltica composta por elementos descontínuos. A telha possui, na composição, camadas à base

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto COBERTURAS Madeira Tirantes Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial Concreto Em telhas de barro/metálicas/fibrocimento Proteções: Em lajes Concreto Tijolos Domos, etc. Shed Terça Pestana

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 09IS.11.--.--. TÍTULO 09IS.--. IMPERMEABILIZAÇÕES E ISOLAMENTOS SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO POR EMULSÃO BETUMINOSA

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 09IS.11.--.--. TÍTULO 09IS.--. IMPERMEABILIZAÇÕES E ISOLAMENTOS SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO POR EMULSÃO BETUMINOSA 09IS.11.-- TÍTULO 09IS IMPERMEABILIZAÇÕES E ISOLAMENTOS CAPÍTULO.1-. IMPERMEABILIZAÇÕES SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO POR EMULSÃO BETUMINOSA I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por metro quadrado de superfície

Leia mais

EM UM PROJETO DE COBERTURA, DEVEM SER CONSIDERADOS:

EM UM PROJETO DE COBERTURA, DEVEM SER CONSIDERADOS: COBERTURA Funciona como elemento essencial de abrigo para os espaços internos de uma edificação. Sua forma e construção devem controlar a passagem de água, ar e calor. Deve ser estruturado de forma a vencer

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

CONDOMÍNIO CASAS DA BAFUREIRA

CONDOMÍNIO CASAS DA BAFUREIRA CONDOMÍNIO CASAS DA BAFUREIRA 26.FEV.2011 05.MAR.2011 12.MAR.2011 VISTORIAS ÀS ZONAS DE USO COMUM DO CONDOMÍNIO PARA REGISTO DE ANOMALIAS ENCONTRADOS NA CONSTRUÇÃO: 1. INTERIOR DOS BLOCOS 1.1. BLOCO A:

Leia mais

Aglomerado de cortiça expandida - ICB

Aglomerado de cortiça expandida - ICB Aglomerado de cortiça expandida - ICB Características Técnicas Características essenciais Massa Volúmica / Densidade Coeficiente de Condutibilidade Térmica Tensão de Ruptura à Flexão Tensão de Compressão

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CONSTRUTIVA E DE ANOMALIAS CORRENTES NOS EDIFÍCIOS DE ALVENARIA DE ADOBE O Caso de Estudo de Aveiro

CARACTERIZAÇÃO CONSTRUTIVA E DE ANOMALIAS CORRENTES NOS EDIFÍCIOS DE ALVENARIA DE ADOBE O Caso de Estudo de Aveiro CARACTERIZAÇÃO CONSTRUTIVA E DE ANOMALIAS CORRENTES NOS EDIFÍCIOS DE ALVENARIA DE ADOBE O Caso de Estudo de Aveiro Carina Fonseca Ferreira * carinafferreira@ua.pt Aníbal Costa agc@ua.pt Romeu Vicente romvic@ua.pt

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

P812 BAVIERA EXPO. Projecto de Execução da Reparação da impermeabilização da cobertura

P812 BAVIERA EXPO. Projecto de Execução da Reparação da impermeabilização da cobertura P812 BAVIERA EXPO Projecto de Execução da Reparação da Abril 2014 MEMÓRIA DESCRITIVA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MEDIÇÕES ANEXOS ÍNDICE DE PEÇAS DESENHADAS ÍNDICE Memória Descritiva... 6 1 Introdução...

Leia mais

O Sistema FLEXGARDEN é constituído pelo primário de aderência TECSOL 1 e pela emulsão impermeabilizante TECSOL ANTI-RAIZES.

O Sistema FLEXGARDEN é constituído pelo primário de aderência TECSOL 1 e pela emulsão impermeabilizante TECSOL ANTI-RAIZES. DOCUMENTO TÉCNICO DE APLICAÇÃO SISTEMA SOTECNISOL FLEXGARDEN IMPERMEABILIZAÇÃO LÍQUIDA ANTI-RAÍZES DTA 09 Impermeabilização de floreiras FEVEREIRO DE 2012 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA O Sistema FLEXGARDEN é

Leia mais

PRESENÇA SIKA NO MERCADO GLOBAL

PRESENÇA SIKA NO MERCADO GLOBAL WE ARE SIKA PRESENÇA SIKA NO MERCADO GLOBAL A SIKA é uma empresa especialista em produtos químicos, com uma posição de liderança no desenvolvimento e produção de sistemas e produtos para colagem, selagem,

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS Impermeabilização adequada das fundações de estruturas da obra. Todas as fundações e estruturas da obra com infiltração ou impermeabilização inadequada, principalmente no

Leia mais

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 RUBIN, Ariane P. 2 ; CERVO, Fernanda 3 ; PALMA, Cleomar 4 ; ALMEIDA, Leonardo 5 ; QUERUZ, Francisco 6 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Arquitetura

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

Soluções Recomendadas

Soluções Recomendadas Cement Wood Board Soluções Recomendadas Fachadas Fichas de Aplicação Fachadas Ventiladas Sistema de s Fachadas Aplicação: Exterior Estrutura de suporte: Madeira ou metal Fixação: s de cabeça externa Espessura:

Leia mais

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS PORTO, ABRIL 2015 ÁREAS DE ACTUAÇÃO: SOLUÇÕES DE ENGENHARIA CERTIFICAÇÃO VERTENTES PRINCIPAIS:

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO Válido até 30/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO Freguesia PADORNELO Concelho PAREDES DE COURA GPS 41.927754, -8.540848 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO VASCO PEIXOTO DE FREITAS Faculdade Engenharia Universidade do Porto Laboratório de Física das Construções /FEUP - AdePorto SUMÁRIO 1. Introdução 2. Tipificação

Leia mais

COBERTURA DAS INSTALAÇÕES

COBERTURA DAS INSTALAÇÕES COBERTURA DAS INSTALAÇÕES OBJETIVO: Identificar para as coberturas as suas funções básicas, formas elementares e especiais, composição, dimensionamento simplificado e processo de cobertura. A cobertura,

Leia mais

Fachadas Fichas de Aplicação

Fachadas Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Ventiladas - Sistema de s Ventiladas - Viroclin Ventiladas - Virocnail Ventiladas - Sistema Misto Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads.

Leia mais

Estruturas de Madeira. Telhados. É a parte superior das construções, destina-se a dar-lhes proteção.

Estruturas de Madeira. Telhados. É a parte superior das construções, destina-se a dar-lhes proteção. Estruturas de Madeira Telhados É a parte superior das construções, destina-se a dar-lhes proteção. Funções básicas: Proteção das partes internas da instalação, contra o sol excessivo, chuva, neve, etc.

Leia mais

Paulo A. M. Moradias. Pedro D. Silva. João Castro Gomes

Paulo A. M. Moradias. Pedro D. Silva. João Castro Gomes Paulo A. M. Moradias Pedro D. Silva João Castro Gomes C-MADE, Centro de Materiais e Tecnologias da Construção, Universidade da Beira Interior stomas@ipcb.pt Neste trabalho foi efetuado um estudo experimental

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

politech Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes

politech Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Ficha técnica politech politech é um adesivo à base de poliuretano, bicomponente, do tipo R2 T, segundo a norma EN 12004, adequado para colocações sobre suportes deformáveis. Especialmente recomendado

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Soluções para reabilitação energética em coberturas inclinadas

Soluções para reabilitação energética em coberturas inclinadas Inverno Verão Menor perda de calor Menor ganho de calor Óptima temperatura interior COBERTURAS INCLINADAS Janeiro 2010 Soluções para reabilitação energética em coberturas inclinadas Lã Mineral Natural

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas

Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas A. Jorge Sousa Mestrando IST Portugal a.jorge.sousa@clix.pt Jorge de Brito ICIST/IST Portugal jb@civil.ist.utl.pt Fernando Branco

Leia mais

TRATAMENTO DE ZONAS AFETADAS POR HUMIDADES, EFLORESCÊNCIAS CRIPTOFLORESCÊNCIAS E FUNGOS

TRATAMENTO DE ZONAS AFETADAS POR HUMIDADES, EFLORESCÊNCIAS CRIPTOFLORESCÊNCIAS E FUNGOS GUIA PARA A REABILITAÇÃO TRATAMENTO DE ZONAS AFETADAS POR HUMIDADES, EFLORESCÊNCIAS CRIPTOFLORESCÊNCIAS E FUNGOS paredes, tetos e pavimentos PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

200888 Técnicas das Construções I COBERTURA. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 9

200888 Técnicas das Construções I COBERTURA. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 9 200888 Técnicas das Construções I COBERTURA Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 9 Objetivos: Escolher a estrutura de telhado adequada para cada tipo de telha;

Leia mais

COBERTURAS. Prof. Amison de Santana

COBERTURAS. Prof. Amison de Santana COBERTURAS Prof. Amison de Santana Cobertura Funções Básicas: Proteção das partes internas das construções; Dar inclinação adequada, de acordo com o tipo de telha utilizada, para drenar águas pluviais;

Leia mais

ifoam ifoam ifoam coberturas ifoam ranhurado ifoam paredes ifoam parking ifoam pavimentos ifoam eco SOLUÇÕES DE ISOLAMENTO TÉRMICO ifoam

ifoam ifoam ifoam coberturas ifoam ranhurado ifoam paredes ifoam parking ifoam pavimentos ifoam eco SOLUÇÕES DE ISOLAMENTO TÉRMICO ifoam ifoam SOLUÇÕS D ISOLAMNTO TÉRMICO ifoam A Imperalum é há muito uma referência em Portugal, quer na produção de sistemas de impermeabilização, quer no fornecimento de soluções de isolamento térmico, nomeadamente

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes O SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO DA VIERO O sistema de isolamento térmico da VIERO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III. SERVIÇOS

Leia mais

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS MÔNICA DANTAS

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

Ambientes de banho. piscinas. chuveiros cerâmicas

Ambientes de banho. piscinas. chuveiros cerâmicas imperbox Ambientes de imperbox é um impermeabilizante em pasta pronto a utilizar, especialmente recomendado para a impremeabilização em interiores de gesso cartonado. Compatível com adesivos à base de

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

Autor: Prof. Inês Flores-Colen; Prof. João Ramôa Correia; Eng.º Nuno Almeida; Eng.ª Adelaide Gonçalves

Autor: Prof. Inês Flores-Colen; Prof. João Ramôa Correia; Eng.º Nuno Almeida; Eng.ª Adelaide Gonçalves PROCESSO CONSTRUTIVO DE PAREDES DE ALVENARIA Autor: Prof. Inês Flores-Colen; Prof. João Ramôa Correia; Eng.º Nuno Almeida; Eng.ª Adelaide Gonçalves Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito,

Leia mais

Enketop Varandas e terraços com um pavimento seguro. O sistema de revestimento monocomponente. www.enke-werk.de

Enketop Varandas e terraços com um pavimento seguro. O sistema de revestimento monocomponente. www.enke-werk.de Enketop Varandas e terraços com um pavimento seguro O sistema de revestimento monocomponente www.enke-werk.de Enketop Varandas e terraços com um pavimento seguro Varandas e terraços não só estão permanentemente

Leia mais

HUMIDADE EM CONSTRUÇÕES ANTIGAS DO CENTRO HISTÓRICO DE BRAGANÇA

HUMIDADE EM CONSTRUÇÕES ANTIGAS DO CENTRO HISTÓRICO DE BRAGANÇA HUMIDADE EM CONSTRUÇÕES ANTIGAS DO CENTRO HISTÓRICO DE BRAGANÇA Eduarda Luso * Correio electrónico: eduarda@ipb.pt Manuela Almeida Correio electrónico: malmeida@civil.uminho.pt Paulo B. Lourenço Correio

Leia mais

DTA 11 SISTEMA. com base. de fibra de. O sistema. caleiras. Massa nominal: kg/ m2. Armadura 4,0 4,0. PY 150g/m2. Delegação Coimbra: Lugar do Brejo

DTA 11 SISTEMA. com base. de fibra de. O sistema. caleiras. Massa nominal: kg/ m2. Armadura 4,0 4,0. PY 150g/m2. Delegação Coimbra: Lugar do Brejo DOCUMENTO TÉCNICO DE APLICAÇÃO SISTEMA SOTECNISOL FV40 + PY40G IMRMEABILIZAÇÃO DE CALEIRAS DTA 11 Impermeabilização de caleiras ABRIL DE 2011 1. DESCRIÇÃO As membranas ECOPLAS 40, ECOPLAS PY 40G são fabricadas

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta A base universal para a aplicação de cerâmica No ponto! Seja no caso de mosaicos ou cerâmicas de grande formato, o que é decisivo para

Leia mais

2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014. Passive House com Cross Laminated Timber - CLT

2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014. Passive House com Cross Laminated Timber - CLT 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 Passive House com Cross Laminated Timber - CLT AVEIRO, NOVEMBRO 2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DA TISEM, LDA 2. SISTEMA CONSTRUTIVO CLT (CROSS LAMINATED TIMBER) 3.

Leia mais

MUITO MAIS QUE UM TELHADO. É EUROTOP!

MUITO MAIS QUE UM TELHADO. É EUROTOP! MUITO MAIS QUE UM TELHADO. É EUROTOP! CATÁLOGO DE PRODUTOS A Empresa EUROTOP - Uma empresa do Grupo Estrutural. Localizada em Itu - SP, possui duas unidades de produção, contando com a mais alta tecnologia

Leia mais

Elementos de montagem concept xps. concept xps. un./palete 150 150 120 100 68 40 24

Elementos de montagem concept xps. concept xps. un./palete 150 150 120 100 68 40 24 Painéis Painéis Painel Os painéis são painéis de poliestireno extrudido preparados para a colocação de revestimentos cerâmicos, mosaicos ou pedra natural com adesivos de base cimentícia. A leveza e a facilidade

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE INSTALAÇÃO PARA TELHAS SHINGLE

ORIENTAÇÕES DE INSTALAÇÃO PARA TELHAS SHINGLE ORIENTAÇÕES DE INSTALAÇÃO PARA TELHAS SHINGLE 1 ÍNDICE 1 ESTRUTURA DE SUPORTE... 3 2 INSTALAÇÃO DOS PAINÉIS (CHAPAS)... 4 3 VENTILAÇÃO DO TELHADO... 5 4 INSTALAÇÃO DA SUBCOBERTURA... 7 5 INSTALAÇÃO DOS

Leia mais

Em vigor desde 19/08/2015 Máquinas e Ferramentas - 1 / 7 TABELA DE PREÇOS CÓDIGO DESCRIÇÃO UN. PVP

Em vigor desde 19/08/2015 Máquinas e Ferramentas - 1 / 7 TABELA DE PREÇOS CÓDIGO DESCRIÇÃO UN. PVP Em vigor desde 19/08/2015 Máquinas e Ferramentas - 1 / 7 1625202 LENA1BASIC CIMENTO COLA BR(S25K)$ UN 6,50 Ligantes hidráulicos, inertes calcáricos e silicioso e aditivos Peças de pequenas dimensões (15x15cm),

Leia mais

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Concurso Público para a Empreitada de Forte da Graça Obras de 1ª Intervenção Câmara Municipal de Elvas Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Não

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

Sistema weber.therm keramic

Sistema weber.therm keramic weber.therm keramic Pág 1/12 Sistema weber.therm keramic Sistema de isolamento térmico exterior em fachadas (do tipo ETICS), preparado para receber acabamento em revestimentos cerâmicos. Mecanicamente

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT SOLUÇÕES EFICIENTES PARA A ARQUITECTURA E CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT PORTO, JUNHO 2015 ÁREAS DE ACTUAÇÃO: SOLUÇÕES DE ENGENHARIA CERTIFICAÇÃO VERTENTES PRINCIPAIS: INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PARCERIA

Leia mais

DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ESTRUTURAL EM COBERTURAS DE MADEIRA O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas

DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ESTRUTURAL EM COBERTURAS DE MADEIRA O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ESTRUTURAL EM COBERTURAS DE MADEIRA O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas Tiago Ilharco * tiagoid@fe.up.pt Luís Martins Luís.martins@parque-escolar.min-edu.pt Esmeralda

Leia mais

GUIA PARA A REABILITAÇÃO VÃOS & CAIXILHARIAS. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus

GUIA PARA A REABILITAÇÃO VÃOS & CAIXILHARIAS. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus GUIA PARA A REABILITAÇÃO VÃOS & CAIXILHARIAS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria EXTRUSAL, S.A Índice 0. Preâmbulo 5 1. Anomalias em Portas ou Janelas 6 1.1

Leia mais

REABILITAÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA 2ª FASE

REABILITAÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA 2ª FASE REABILITAÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA 2ª FASE REABILITAÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA 2ª FASE A ASSOCIAÇÃO COMERCIAL INICIOU EM 1842 A CONSTRUÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA, UM DOS MAIS NOTÁVEIS MONUMENTOS PORTUENSES DA

Leia mais