Inteligência Artificial e Automação de Estratégias de Investimentos. Artificial Intelligence and Automation of Trading Systems

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inteligência Artificial e Automação de Estratégias de Investimentos. Artificial Intelligence and Automation of Trading Systems"

Transcrição

1 Inteligência Artificial e Automação de Estratégias de Investimentos Artificial Intelligence and Automation of Trading Systems Hindemburg Melão Jr. é autodidata, detentor do recorde mundial de mate anunciado mais longo em simultâneas de Xadrez às cegas (Guinness Book 1998, pag ); membro honorário em Pars Society (para pessoas com QI acima de 180); trabalha com desenvolvimento de sistemas automáticos de investimentos desde 2006 e é autor do Saturno V. Resumo: este artigo consiste numa breve análise dos aspectos positivos e negativos de se automatizar estratégias para investimentos em ações, commodities, divisas e outros instrumentos financeiros. São comparadas diferentes etapas do desenvolvimento de uma estratégia, com e sem recursos de automação, e são avaliados os resultados em cada etapa. Na fase de otimização, destacam-se as vantagens proporcionadas pelo uso de algoritmos genéticos, que possibilitam lidar com problemas envolvendo 9,22 quintilhões de configurações. Na etapa de validação é apresentada uma pequena inovação, comparando dois ou mais backtests em condições levemente diferentes, em lugar da tradicional comparação entre backtest e situação real, que implica que algumas vantagens. Palavras-chave: sistemas automáticos, investimentos, ações, backtest, Forex Abstract: This article consists in a brief analysis of the positive and negative aspects to automate trading systems for stocks, commodities, currencies and other financial instruments. Different stages of development of a strategy are compared with and without automation resources, and the results are evaluated at each step. In the phase of optimization, we highlight the advantages of the use of genetic algorithms, which allow solving problems involving 9.22 quintillion of setups. In the validation phase is shown a little innovation, comparing two or more backtests in slightly different conditions, instead of the traditional comparison between backtest and real account, that implies some improvements. Keywords: automated trading systems, investments, stocks, backtest, Forex

2 1. PIONEIROS EM AUTOMAÇÃO Em 1960, Richard Donchian, B.A. em Economia pela Universidade de Yale, sugeriu a utilização das tecnologias emergentes na época para mecanizar a testagem de estratégias, tornando este processo mais rápido, preciso e objetivo. Em 1970, Edward Seykota, B.Sc. em Engenharia pelo MIT, ao ler uma carta de Donchian sobre este assunto, entusiasmou-se com as ideias de Donchian e implementou o primeiro sistema automático de que se tem registro. De acordo com Jack Schwager (Market Wizards, 1988), o sistema de Seykota teria transformado US$ 5.000,00, aplicados em 1972, em US$ ,00 até meados de 1988, porém os resultados alegados no livro de Schwager não são acompanhados de documentos nem de evidências. A julgar pela tecnologia disponível na época e pela evolução da história de Seykota, é provável que a modelagem matemática feita por Seykota apresentasse inexatidões que geravam resultados nos backtests acima do que seria realmente possível obter em situação real. Em 1982, James Simons, Ph.D. em Matemática pela Universidade da Califórnia e distinguido com alguns prêmios internacionais, criou o fundo Renaissance Technologies e passou a utilizar um sistema que desenvolveu para administrar este fundo. Ao longo dos últimos 32 anos, Simons obteve um retorno anual médio acima de 60% (35% líquido, após descontar 44% de taxa de performance e 5% de taxa de administração). Atualmente, Simons é citado na Forbes como tendo patrimônio pessoal líquido de 12,5 bilhões de dólares e é reconhecido como o melhor gestor do mundo nas últimas décadas, à frente de Soros e Buffett. Simons foi provavelmente o primeiro a obter resultados consistentes, homogêneos e estáveis a longo prazo, com o uso de sistemas automáticos, e continua sendo o melhor na gestão de volumes no nível de dezenas de bilhões de dólares, embora já exista pelo menos um sistema superior ao dele para gestão de volumes menores. 2. ANÁLISE TÉCNICA E ANÁLISE FUNAMDENTALISTA É habitual estratificar as metodologias de investimentos em dois grandes grupos: Análise Quantitativa (ou Análise Técnica) e Análise Fundamentalista. Particularmente, considero mais apropriado segmentar em três grupos: Análise Científica, Analise Filosófica e Análise Esotérica.

3 1. No grupo de analistas científicos estão James Simons, Ed. Seykota, Robert Pardo, Edward Thorp e outros que adotam protocolos rigorosos, em conformidade com a Metodologia Científica contemporânea e com a Lógica Formal. Um analista científico se distingue pelo uso de ferramentas estatísticas para investigar as propriedades quantitativas e morfológicas nos históricos de cotações, reconhecendo fragmentos de padrões que se repetem e utilizando estes dados para calcular as probabilidades de que as cotações sigam em determinada direção. 2. No grupo de analistas filosóficos estão George Soros, Warren Buffett, Jimmy Rogers, Paul Tudor Jones e outros que, embora norteiem suas decisões com base em avaliações subjetivas, também fazem bom uso da Lógica e da Metodologia Científica e alcançam resultados práticos que corroboram a eficiência de seus métodos. Um analista filosófico se distingue pela habilidade para identificar fatores relevantes na Macroeconomia, na Política, no clima, na Cultura e outros que determinam o movimento dos preços, empregando seus conhecimentos e seu feeling para ponderar sobre a importância relativa destes fatores, visando compreender a estrutura das inter-relações entre eles e interpretar efeitos que produzem sobre as cotações no Mercado Financeiro. 3. O grupo dos analistas esotéricos é muito heterogêneo e abrangente, cobrindo uma larga variedade de perfis. Tratam-se de pessoas que perdem dinheiro de forma sistemática e sua participação introduz ruído nos movimentos dos preços, porque os métodos que utilizam são ineficazes e equivalem a operar aleatoriamente. Constituem a grande maioria dos agentes do Mercado, englobando vendedores de livros de Análise Técnica, de cursos de Análise Gráfica, seus alunos e seguidores. Suas decisões não se apoiam na Lógica nem na Ciência, mas em superstições e dogmas. Os métodos que adotam carecem de fundamento e nunca passaram por algum experimento meticuloso que visasse a validação de suas estratégias. Pela classificação habitual, os integrantes do primeiro e do terceiro grupos seriam mesclados num só: analistas técnicos. Mas há fortes razões para que sejam segregados em grupos distintos, não apenas porque adotam métodos essencialmente diferentes, mas também porque os efeitos que produzem ao atuar no Mercado são praticamente opostos: o primeiro grupo contribui para organizar as

4 cotações do Mercado em estruturas menos caóticas, isto é, reduz a entropia, enquanto o segundo grupo aumenta a entropia. Outrossim, sob os pontos de vista etimológico e semântico, os termos analista científico, analista filosófico e analista esotérico são mais pertinentes e descrevem com mais exatidão as características observadas no perfil típico dos integrantes de cada um destes grupos. Feita esta distinção, pode-se avaliar o impacto dos avanços tecnológicos nos últimos anos sobre os diferentes perfis de investidores: Para os analistas fundamentalistas, os recursos de automação ainda não atingiram um patamar que lhes permita desfrutar as novas tecnologias tanto quanto estão sendo desfrutadas pelos analistas científicos. Mesmo com o uso de Lógica Difusa e Redes Neurais, é muito difícil ensinar a uma máquina os critérios recomendados por Benjamin Graham para tomar decisões de compra e venda. A seleção das informações que devem ser usadas para abastecer o sistema também acaba sendo muito subjetiva e com grandes riscos de ser enviesada. Isso inviabiliza a automação de estratégias filosóficas, em nosso atual estágio de desenvolvimento tecnológico. Para os analistas esotéricos, os novos avanços representam uma ameaça, porque os desmascaram e colocam em evidência a fragilidade das crendices que eles tentam disseminar. Para os analistas científicos, a possibilidade de automatizar uma estratégia constitui um salto evolutivo extraordinário, permitindo a emergência de nomes como James Simons, acima de expoentes mundiais que dominavam o cenário há décadas, com Buffett e Soros. Se Simons tivesse vivido 50 anos antes, provavelmente não teria qualquer destaque como investidor. A grande revolução provocada pela automação de estratégias se dá entre os analistas científicos, por isso, neste artigo, este será nosso foco. 3. FORMULAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA Para compreender melhor alguns dos efeitos produzidos pelas tecnologias que permitem a automação de estratégicas, faremos um estudo de caso com uma estratégia simples, desde sua concepção, passando pela otimização de seus parâmetros, sua validação e sua execução em situação real.

5 A primeira etapa a ser seguida para formular uma estratégia de investimentos consiste em investigar as propriedades do Mercado. É a partir da análise de padrões morfológicos, que se repetem com maior regularidade e maior frequência no histórico de cotações, que se consegue determinar os instantes em que ocorrem picos de assimetria nas probabilidades de o movimento dos preços seguir em determinada direção. Se estes estudos forem feitos manualmente isto é, de forma não automatizada haverá dois problemas fundamentais e altamente restritivos: Subjetividade na classificação e no agrupamento de padrões semelhantes; Tempo necessário para análise e testagem. A utilização de ferramentas estatísticas como Análise Hierárquica de Conglomerados, Nuvens Dinâmicas, Wavelets ou Redes Neurais possibilita agrupar padrões semelhantes conforme critérios objetivos, o que representa uma vantagem importante em comparação ao reconhecimento idiossincrático de padrões. Para que se possa testar a eficiência de uma estratégia, antes de tudo ela precisa ser representada com exatidão e univocidade, por meio de critérios claros e bem definidos. Esta é uma das vantagens da automação. Quando se testa manualmente, corre-se o risco de mudar ligeiramente os critérios em cada operação, de sorte que, ao final, não é possível saber se o resultado alcançado indica com fidelidade a eficiência da estratégia ou se está fortemente enviesado pela vontade da pessoa de que a estratégia seja vitoriosa. O nível de sofisticação e de complexidade de uma estratégia analisada manualmente também fica muito limitado, ao passo que uma estratégia automatizada pode atingir níveis altíssimos, tão altos quanto a imaginação do autor e a tecnologia de 64 bits permitirem. A proporção entre o tempo necessário para analisar, manualmente ou automaticamente, o histórico de um ativo em busca de padrões, também é uma das vantagens mais importantes em favor da automação. 4. OS BENEFÍCIOS DA OTIMIZAÇÃO Em geral, uma estratégia simples pode levar dezenas de horas para ser testada manualmente numa série histórica de 20 anos de cotações, com risco de que ocorram vários erros na aplicação dos critérios de compra e venda e na especificação dos pontos exatos de entrada e saída. Se a mesma estratégia for

6 automatizada, ela pode ser testada numa fração de segundo, praticamente sem risco de erros na aplicação dos critérios. Esta vantagem em tempo implica a possibilidade de re-testar a estratégia milhares ou milhões de vezes, utilizando em cada re-teste uma configuração diferente para os parâmetros que determinam os critérios de entrada e saída. Essa superioridade em poder de processamento possibilita algo que não costuma ser feito manualmente, que é a otimização. Suponhamos uma estratégia do tipo: Indicador: IFR de 14 períodos. Critério de entrada: Quando IFR < 25 compra usando 100% da carteira. Critério de saída: Quando IFR > 75, vende 100% da carteira. Se atingir um lucro de 5%, fecha com take profit. Se atingir um prejuízo de 5%, fecha com stop loss. Depois que o lucro ultrapassar 2%, move o trailing stop para 1% e vai acompanhando as cotações à metade da distância entre o ponto de entrada e o preço no momento. Ao testar esta estratégia com timeframe de 15 minutos em EURUSD, entre 1986 e 2014, podemos constatar que ela rapidamente leva a carteira à ruína. Mas e se modificar os valores de alguns parâmetros, ela poderia funcionar? Se a estratégia não for automatizada, cada nova mudança no valor de um ou mais parâmetros exigirá 20 ou 50 horas de testagem, e ao longo da testagem a pessoa será induzida a fazer alterações na estratégia antes de concluir o teste, por cansaço, por ansiedade, por economia de tempo e outros motivos, de modo que o resultado do teste não refletirá corretamente a eficiência da estratégia. Aliás, os resultados de estratégias testadas manualmente costumam ser tão destoantes da realidade que chega a ser assustador. É muito frequente que a pessoa teste manualmente uma estratégia e fique convencida de que ela é boa, porque no backtest se mostrou lucrativa ao longo de 10 anos, 20 anos ou mais, porém basta fazer um backtest automático para acabar com a ilusão e constatar que a estratégia conduz à ruína em menos de 1 ano, não importando qual seja a data do início do teste. Os gráficos abaixo mostram os resultados de 4 configurações para a estratégia com IFR 25/75, 20/80, 15/85 e 10/90, respectivamente:

7 A linha azul na parte superior de cada gráfico representa a evolução do balanço da carteira. As barras verdes na parte inferior de cada gráfico representam o volume negociado em cada operação. Os números no eixo das abscissas são os IDs das operações. No eixo das ordenadas está o balanço em dólares. Podemos observar que a longo prazo (27,5 anos) todas as configurações testadas perdem, embora algumas configurações possam se manter lucrativas durante alguns meses. Também podemos observar que com IFR 25/75 perde-se muito mais rápido do que com IFR 10/90. Isso não acontece porque a última configuração seja melhor, mas sim porque se o critério for IFR<10 ou IFR>90, este critério é atendido mais raramente e são gerados menos sinais para operar, logo, com menos operações, perde mais lentamente. Quando a estratégia é automatizada, além de produzir resultados confiáveis, altamente representativos de como aquela estratégia teria performado se tivesse sido utilizada em situação real no mesmo período dos dados históricos, existe a possibilidade de refazer o teste sucessivas vezes, modificando os valores dos parâmetros a cada vez. Fazendo 1 backtest por segundo, pode-se testar mais de configurações diferentes em 3 horas. Isso pode parecer muito, mas quando se calcula o número total de configurações possíveis, percebe-se que na verdade é pouco. Para testar todos os períodos de IFR entre 3 e 32, todos os valores de IFR de compra e IFR de venda entre 0 e 100, variando de 1 em 1; todos os valores de stop loss entre 0,1% e 10% variando de 0,1% em 0,1%; todos os valores de take profit entre 0,1% e 10% variando de 0,1% em 0,1; todos os valores de trailing stop entre 0,1% e 8% variando

8 de 0,1% em 0,1%, teremos 30 x 101 x 101 x 100 x 100 x 80 combinações diferentes ou 2,4 x possibilidades. Se fizer 1 backtest a cada segundo, levaria anos para testar todas estas possibilidades. Se a estratégia fosse um pouco mais complexa, com 10 parâmetros em vez de 6, facilmente excederia a idade teórica do Universo observável (no modelo cosmológico de Friedmann-Lamaître). 5. ALGORITMOS GENÉTICOS NO PROCESSO DE OTIMIZAÇÃO Felizmente, para encontrar configurações que tenham alta probabilidade de estarem próximas de serem as melhores configurações possíveis, não é necessário testar a maior parte das combinações possíveis. O uso de Algoritmos Genéticos possibilita que a atribuição de valores aos parâmetros da estratégia seja feita criteriosamente, com base nos resultados obtidos pelas configurações testadas anteriormente, e isso acelera muitíssimo o processo de busca pela melhor configuração. O Metatrader 4 é uma plataforma para otimizações, backtests e operações que tem um algoritmo genético simples, por meio do qual se pode testar cerca de configurações selecionadas entre até genótipos diferentes, isto é, entre 9,22 quintilhões (9,22 x ) de combinações diferentes, de modo que nesta pequenina amostra de haja probabilidades razoáveis de que estejam presentes alguns dos melhores genótipos do conjunto inteiro de 9,22 quintilhões. O uso de algoritmos genéticos permite encontrar configurações promissoras para estratégias complexas, que de outro modo levariam muito mais do que bilhões de anos para serem descobertas. De maneira resumida e simplificada, um algoritmo genético combina as configurações de pares de genótipos de cada geração para definir as configurações dos genótipos na geração seguinte, atribuindo ao genótipo de cada geração uma probabilidade de cruzamento proporcional ao seu escore de adaptação, e introduzindo diferentes níveis de mutação com diferentes níveis de probabilidade. Para um conjunto de 9,22 quintilhões de possibilidades, este mecanismo produz resultados trilhões de vezes superior ao que seria possível obter por meio de escolhas aleatórias. O gráfico a seguir mostra os resultados de uma otimização da versão 9.01a do Saturno V:

9 Cada ponto azul representa um genótipo. O eixo das abscissas representa o ID de cada genótipo, que neste caso coincide também com o número da geração, porque cada geração tem população de apenas 1 indivíduo. O eixo das ordenadas indica o balanço final alcançado. Nas primeiras gerações, a performance média dos genótipos vai aumentando exponencialmente, mas o ritmo de evolução vai se tornando cada vez mais lento. Se o gráfico incluísse mais alguns milhares de gerações, logo haveria uma assíntota e esbarraria num teto de performance que representaria um valor bastante próximo ao máximo possível para esta estratégia. Isso poderia indicar um máximo local, que não foi desviado por uma função tabu, ou poderia acontecer porque realmente foi possível encontrar configurações com performances próximas ao máximo que se pode conseguir com esta estratégia. É muito interessante que entre um total de de configurações, um algoritmo genético relativamente simples consegue selecionar apenas configurações a serem testadas e ter boas chances de que entre estas esteja incluída a melhor ou uma das melhores configurações possíveis. Os benefícios que se pode obter com este gênero de ferramenta são excepcionais, não apenas pela economia de tempo, mas principalmente por permitir encontrar soluções muito razoáveis para problemas cuja solução exata seria impossível num horizonte de tempo de uma vida. 6. A IMPORTÂNCIA DA VALIDAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA Depois que as propriedades de um ativo financeiro foram escrutinadas até descobrir alguns padrões que prenunciam assimetrias nas probabilidades dos

10 movimentos dos preços, depois que este conhecimento foi utilizado para formular uma estratégia, depois que esta estratégia teve seus parâmetros quantitativos e qualitativos otimizados, e as melhores configurações se mostraram promissoras, chega-se perto da fase final, que consiste na confirmação dos resultados obtidos e validação da estratégia. Há 3 perguntas importantes que precisam ser respondidas antes de se usar uma estratégia em situação real: 1) Como esta estratégia teria se saído se tivesse sido usada nos últimos anos ou nas últimas décadas? 2) Que motivos se pode ter para acreditar que os resultados obtidos nos últimos anos ou últimas décadas serão mantidos nos próximos anos ou décadas? 3) Que motivos se pode ter para supor que os resultados obtidos nos backtests sejam representativos dos resultados que seriam obtidos em situação real? Uma das maneiras adequadas de se buscar as respostas para as duas primeiras perguntas consiste em dividir os dados históricos em duas partes. A primeira parte servirá para fornecer ao sistema automático um grande volume de dados sobre as propriedades do Mercado, e estes dados serão usados para otimizar os parâmetros da estratégia. A segunda parte servirá para conferir se a configuração obtida para o genótipo campeão na primeira parte continua funcionando em cenários diferentes daqueles no qual a otimização foi realizada. Por exemplo: se temos dados históricos de 1986 a 2014, podemos utilizar o intervalo de 1986 a 1990 para otimizar os parâmetros da estratégia, com o auxílio do algoritmo genético. Depois usamos o genótipo campeão neste período para operar no período seguinte, de 1991 a 2014, e verificamos se ele continua gerando lucros de forma consistente. Se a qualidade da série histórica for boa e o backtest for bem conduzido em todos os pormenores técnicos, este resultado equivale a estar vivendo no ano de 1990, dispondo de dados históricos de 1986 a 1990, e usar estes dados para otimizar a estratégia, para depois colocar o sistema operando em situação real a partir de Se funcionar, é o primeiro forte indício de que a estratégia é eficiente. Não se deve esperar que um genótipo resultante de uma otimização em determinado período atinja mesmo nível de rentabilidade num período diferente, porque quando a estratégia é otimizada num período específico, cada genótipo treinado neste período teve que se adaptar a algumas propriedades particulares

11 dos cenários inerentes a este período e outras propriedades que estão presentes em qualquer momento histórico, ou seja, propriedades gerais, universais, atemporais. Quando este genótipo é colocado para operar num período diferente, não vai encontrar as propriedades exclusivas do período de otimização, mas vai encontrar as propriedades universais e atemporais, por isso o genótipo reconhecerá uma porcentagem menor de padrões e sua performance tende a ficar um pouco abaixo da que havia sido obtida no período em que foi otimizado. Por isso não se deve descartar como ruim um genótipo que tenha 25% de lucro ao ano entre 1986 e 1990 e 15% ao ano entre 1991 e Apenas convém fazer alguns testes de homogeneidade, heteroscedasticidade e anisotropia para verificar se a diferença observada é estatisticamente esperada ou se sinaliza algum perigo de overfitting. O Saturno V é uma exceção, por ser um sistema adaptativo capaz de deduzir como lidar com padrões inéditos, com base na interpolação ou extrapolação de padrões conhecidos. Interpolar e extrapolar dados numa função suave e contínua, definida por uma métrica Minkowskiana, é bastante simples, mas interpolar dados de maneira fundamentalmente correta numa série temporal fractal é muito mais difícil. Um bom sistema adaptativo também pode modificar-se e refinar seus critérios conforme o nível de erros e acertos nas tentativas de reconhecimento dos novos padrões. Isso permite que os resultados obtidos em qualquer período sejam muito mais semelhantes aos resultados do período de otimização, e assegura maior homogeneidade na performance. Não obstante, quando ocorre uma abundância anormal de padrões inéditos, como na crise da Grécia, em 2010, isso pode afetar a performance um pouco mais. Dependendo das anomalias, elas podem ter efeito positivo, como o estouro da bolha do subprime, em 2008, a crise.com em , ou a quebra da Bolsa de Nova Iorque, em 1929, porque estes eventos estão associados a fortes tendências e contribuem para aumentar os lucros de estratégias baseadas em movimentos de tendência. A pergunta número 3 pode ser respondida mediante a comparação dos resultados de uma conta real com os resultados de um backtest no mesmo período. Esta comparação permite diferentes tipos de análise sobre a similaridade ponto a ponto, similaridade local e similaridade global.

12 Embora não exista um ponto de corte que define se a similaridade é boa o suficiente, pode-se adotar como critério uma proporção de 9 para 10 no lucro anual médio, ou 0,9 T para a proporção no balanço histórico, onde T é o tempo em anos. Se as respostas para as 3 perguntas forem positivas, no sentido de que os backtests se mostraram representações fidedignas do que se pode esperar na situação real e que as otimizações num período específico são capazes de determinar configurações que permanecem lucrativas por longos períodos diferentes daquele no qual a otimização foi realizada, então se tem uma nítida corroboração formal de que a estratégia é adequada para uso em situação real. Este procedimento tem a vantagem de ser altamente fidedigno, porque compara diretamente a situação real com o backtest, mas tem algumas desvantagens, uma das quais é que demora no mínimo alguns meses para reunir um período razoável de resultados reais para esta comparação. Pode-se também estimar a dissimilaridade entre backtest e situação real em períodos longos, de vários anos, sem precisar aguardar vários anos. Uma maneira simples e eficiente de se fazer isso consiste em comparar os resultados de um backtest numa série histórica tick-by-tick com o backtest numa série histórica removendo os ticks internos de cada candle de 1 minuto ou de 5 minutos. Este tipo de comparação confere maior controle sobre diversas variáveis, possibilitando conhecer a magnitude das diferenças produzidas no balanço em função das diferenças de latência na execução, de slippages, de variações no spread etc. Também se pode comparar backtests em séries tick-by-tick de duas ou mais fontes diferentes, ou em séries com ticks reais e com ticks artificiais, entre outras possibilidades, para atingir diferentes propósitos. Se a finalidade é conhecer a provável dissimilaridade máxima esperada entre backtest e situação real, então o método de comparar backtests em séries tick-by-tick com backtests em series com candles vazios cumpre bem esta função, já que a diferença entre o backtest com candles vazios em comparação ao backtest com todos os ticks e atraso médio de 5 segundos em cada operação, será presumivelmente maior do que a diferença entre situação real e o backtest com todos os ticks. Os dois gráficos abaixo permitem uma comparação de backtests com o Saturno V entre 4/5/2007 e 30/4/2014, numa série histórica de EURUSD da

13 Dukascopy. No primeiro gráfico, foi usada a série tick-by-tick e no segundo foram usados candles vazios de 15 minutos: Podemos notar que a similaridade entre os dois gráficos é muito alta, não apenas de modo geral, mas também considerando cada pequeno trecho. A diferença no número total de operações também é pequena (menos de 1%), e podemos notar que o balanço final, além de ser bastante semelhante, é menor na série histórica de candles vazios do que na série tick-by-tick, fazendo com que as projeções sejam subestimadas, ou seja, se interpretar que o resultado na série histórica com candles vazios está para o resultado na série histórica tick-by-tick assim como o resultado na série histórica tick-by-tick está para o resultado na situação real, então é esperado que os lucros reais devem ser um pouco maiores do que as projeções baseadas nos resultados dos backtests.

14 Há outras providências que podem ser tomadas para deixar os backtests mais difíceis do que na situação real, de modo a forçar para que os resultados reais tenham boas probabilidades de serem melhores do que os prognósticos. Por exemplo: pode-se usar spreads maiores que os reais, ou corretagens maiores que as reais, ou uma combinação de ambas. Neste exemplo, a comparação confirmou as expectativas e a estratégia foi validada com sucesso (na verdade, havia sido validada em 2010, com base em outros testes). Mas na grande maioria das vezes, o resultado na etapa de validação é negativo e são necessários muitos aprimoramentos na metodologia de testagem e na filtragem de ruídos da série histórica, até que se atinja um nível razoável de similaridade entre backtest e situação real. Para atingir um bom nível de similaridade, os backtests precisam levar em conta os seguintes fatos: Spread (diferença entre preço de compra e de venda). Taxas de corretagem, emolumentos, custódia, liquidação, swaps. Latência nas execuções e slippages. Penetração no livro de ofertas. Os atrasos nas execuções podem resultar em preços um pouco melhores, algumas vezes, e um pouco piores, outras vezes, mas a penetração no livro de ofertas sempre resulta em preços piores do que as cotações exibidas no topo do livro de ofertas. Por isso, para estratégias que envolvem operações curtas (algo como 1% de lucro ou de prejuízo em cada operação), é fundamental que os backtests sejam acurados na reprodução de todos os detalhes da situação real. Para estratégias que envolvem operações mais longas, e os volumes administrados são relativamente pequenos em comparação ao nível de liquidez do Mercado, a importância relativa de detalhes como a penetração no livro de ofertas acaba sendo menor. Por outro lado, se os volumes negociados forem grandes a ponto de influenciarem nas cotações e penetrarem profundamente no livro de ofertas, as simulações nos backtests precisam representar também estes fatos, com tanta exatidão quanto possível. Com séries históricas de boa qualidade e backtests realizados adequadamente, pode-se testar a qualidade de uma estratégia com bastante rigor, e saber de antemão os níveis de risco e rentabilidade que se pode esperar dela

15 quando for usada em situação real. Pode-se ter controle sobre muitas variáveis envolvidas e verificar como a estratégia se comporta em diferentes condições. Contudo, a automação não faz milagres e não transforma uma estratégia perdedora em lucrativa. A automação permite extrair o melhor de cada estratégia e conhecer suas reais possibilidades de sucesso, antes de executá-la em situação real, enquanto a imaginação humana continua desempenhando o papel central em todas as etapas, especialmente na etapa mais importante, que é a criação da estratégia. Em 2006, analisei mais de 500 estratégias divulgadas em sites sobre investimentos e cerca de variantes das estratégias originais. Foram testadas milhares de configurações para cada uma delas, mas nenhuma se mostrou lucrativa a longo prazo e apenas duas apresentaram indícios de que poderiam se tornar lucrativas se fossem exaustivamente otimizadas. Em 2010 e 2014, fiz novos testes com as estratégias que receberam reviews mais favoráveis dos usuários, em sites especializados, e os resultados não foram melhores do que em Estes fatos revelam que apesar do imenso poder de processamento proporcionado pelo uso de computadores, multiplicado pelas vantagens de se usar algoritmos genéticos nas otimizações, ainda assim é muito difícil e muito raro uma estratégia realmente eficiente, consistente e estável a longo prazo. Por isso, para a grande maioria das pessoas, a automação de suas estratégias favoritas acaba não atingindo o objetivo de lucrar com o uso delas, e os testes acabam apenas revelando que suas estratégias mais queridas não funcionam. Apesar desta realidade parecer amarga para muita gente, seus efeitos são benéficos, porque ajudam a evitar que se perca grandes somas em dinheiro usando estratégias perdedoras. Por mais decepcionante que seja assistir à sua estratégia favorita zerando a carteira em backtests, é muito melhor do que esta mesma cena em sua conta real. Referências bibliográficas: https://www.statsoft.com/textbook

16 Séries históricas de cotações: https://www.globalfinancialdata.com

Similaridade entre back tests e operações em tempo real Por Hindemburg Melão Jr.

Similaridade entre back tests e operações em tempo real Por Hindemburg Melão Jr. Similaridade entre back tests e operações em tempo real Por Hindemburg Melão Jr. Logo que comecei a desenvolver sistemas automáticos, em outubro de 2006, percebi a necessidade de se usar bases de dados

Leia mais

COMO FUNCIONA UM ALGORITMO GENÉTICO? Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com

COMO FUNCIONA UM ALGORITMO GENÉTICO? Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com COMO FUNCIONA UM ALGORITMO GENÉTICO? Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com Algoritmos genéticos são ferramentas estatísticas com numerosas aplicações em muitas áreas, para lidar com situações nas

Leia mais

COMO CALCULAR PROBABILIDADES DE SUCESSO

COMO CALCULAR PROBABILIDADES DE SUCESSO COMO CALCULAR PROBABILIDADES DE SUCESSO Por Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com Há alguns dias foi feita uma otimização do Saturno V 6.1 usando dados do último ano, apenas, e foi constatado que

Leia mais

Back-Test no MetaStock

Back-Test no MetaStock Back-Test no MetaStock Visão Geral Tela principal do System Tester O System Tester visa testar sistemas (trading systems) para determinar seu histórico de rentabilidade. Ele ajuda a responder a pergunta

Leia mais

SATURNO V 6.11. Por Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com

SATURNO V 6.11. Por Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com SATURNO V 6. Por Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com A versão 6. (ou 3.4926c83) foi analisada sob diversos aspectos, a fim de verificar a uniformidade do comportamento ao longo do tempo. Primeiramente

Leia mais

UM MEGA MERCADO DE INVESTIMENTOS, AGORA AO SEU ALCANCE

UM MEGA MERCADO DE INVESTIMENTOS, AGORA AO SEU ALCANCE UM MEGA MERCADO DE INVESTIMENTOS, AGORA AO SEU ALCANCE Por Hindemburg Melão Jr. Uma situação típica: você chega ao banco e pede ao seu gerente de investimentos que lhe apresente as melhores opções para

Leia mais

Saturno V 6.1, performance de 1971 a 2010

Saturno V 6.1, performance de 1971 a 2010 Saturno V 6.1, performance de 1971 a 2010 Por Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com Ampliamos e aprimoramos novamente nossa base de dados EURUSD, agora cobrindo todo o período desde 4/1/1971 até

Leia mais

4 Estratégias para Implementação de Agentes

4 Estratégias para Implementação de Agentes Estratégias para Implementação de Agentes 40 4 Estratégias para Implementação de Agentes As principais dúvidas do investidor humano nos dias de hoje são: quando comprar ações, quando vendê-las, quanto

Leia mais

UM POUCO SOBRE GESTÃO DE RISCO

UM POUCO SOBRE GESTÃO DE RISCO UM POUCO SOBRE GESTÃO DE RISCO Por Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com Certa vez o maior trader de todos os tempos, Jesse Livermore, disse que a longo prazo ninguém poderia bater o Mercado. Ele

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes

Leia mais

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

ebook - Forex para Iniciantes

ebook - Forex para Iniciantes Mercado financeiro Na economia, o mercado financeiro é um mecanismo que permite a compra e venda (comércio) de valores mobiliários (por exemplo ações e obrigações), mercadorias (como pedras preciosas ou

Leia mais

Saturno V T 100 tem o maior coeficiente de homogeneidade Por Hindemburg Melão Jr.

Saturno V T 100 tem o maior coeficiente de homogeneidade Por Hindemburg Melão Jr. Saturno V T 100 tem o maior coeficiente de homogeneidade Por Hindemburg Melão Jr. No artigo anterior, tratamos da similaridade entre back test e situação real, da similaridade entre back tests em séries

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análise Fundamentalista Origem remonta do final do século XIX e princípio do século XX, quando as corretoras de bolsa tinham seus departamentos de análise

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 04 Algoritmos Genéticos Introdução Algoritmos genéticos são bons para abordar espaços de buscas muito grandes e navegálos

Leia mais

INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO. Leonardo Brissant leo@brissant.com

INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO. Leonardo Brissant leo@brissant.com INTRODUÇÃO Este texto contém alguns trechos da monografia Sistema de negociação de ações utilizando indicadores de análise técnica otimizados por algoritmos genéticos apresentado por Leonardo Brissant,

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT

APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT SUMÁRIO 1. Histórico XP 2. Apresentação XPG 3. Organograma XPG 4. Equipe de Gestão Quant 5. XP Unique Quant. Metodologia de Análise. Conceitos Quantitativos. Estratégia. Exemplos

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

TRAJECTA NEURO LABS G5

TRAJECTA NEURO LABS G5 Trajecta :: Robôs Investidores TRAJECTA NEURO LABS G5 Guia Rápido de configuração e operação 22/05/2015 Autor: Rogério Figurelli CEO Trajecta Sumário 1) Neuro Labs a Versão Labs do Neuro Robô... 3 2) Módulos

Leia mais

LISTA DE EXEMPLOS - PROBABILIDADE

LISTA DE EXEMPLOS - PROBABILIDADE LISTA DE EXEMPLOS - PROBABILIDADE EXEMPLO 1 CONVERTENDO UM ARREMESSO LIVRE Ache a probabilidade de que o jogador de basquete da NBA, Reggie Miller, converta um arremesso livre depois de sofrer uma falta.

Leia mais

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1 1-Estratégia Global 1.1-Visão Global de Estratégias Para Teste A estratégia

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Qual é o risco real do Private Equity?

Qual é o risco real do Private Equity? Opinião Qual é o risco real do Private Equity? POR IVAN HERGER, PH.D.* O debate nos mercados financeiros vem sendo dominado pela crise de crédito e alta volatilidade nos mercados acionários. Embora as

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

... enquanto isso, especialista treina robôs investidores. p o r F R A N C I S C O T R A M U J A S E N T R E V I S T A O U T 1 1

... enquanto isso, especialista treina robôs investidores. p o r F R A N C I S C O T R A M U J A S E N T R E V I S T A O U T 1 1 Foto: Jefferson Bernardes... enquanto isso, especialista treina robôs investidores p o r F R A N C I S C O T R A M U J A S O U T 1 1 7 Rogério Figurelli é engenheiro eletrônico e cientista da computação,

Leia mais

A Curva Normal Luiz Pasquali

A Curva Normal Luiz Pasquali Capítulo 3 A Curva Normal Luiz Pasquali 1 A História da Curva Normal A curva normal, também conhecida como a curva em forma de sino, tem uma história bastante longa e está ligada à história da descoberta

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa A definição do tipo de pesquisa é fundamental para a escolha da metodologia adequada, só assim será possível atingir os objetivos propostos. Esta pesquisa usará a classificação

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Análise de Dados e Data Mining Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining Inscrições Abertas Início das Aulas: 24/03/2015 Dias e horários das aulas: Terça-Feira 19h00 às 22h45 Semanal Quinta-Feira 19h00

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

5 Viés de Sobrevivência (Survival Bias)

5 Viés de Sobrevivência (Survival Bias) 5 Viés de Sobrevivência (Survival Bias) A análise até agora tem se baseado na hipótese aparentemente inócua de que é apropriado utilizar dados históricos dos Estados Unidos para se estimar o equity risk

Leia mais

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Metodologia de Pesquisa Cientifica e Tecnológica I Profa. Dra. Eloize Seno Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização Rodolfo Pereira

Leia mais

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO A FÓRMULA DO SUCESSO PODE SER SIMPLES. A maioria dos corretores da bolsa sente dificuldade em atuar permanentemente com sucesso nos mercados financeiros.

Leia mais

SIS 0011 Sistema de Visão com Perceptron Lento

SIS 0011 Sistema de Visão com Perceptron Lento SIS 0011 Sistema de Visão com Perceptron Lento Guia Rápido de estratégia, configuração e operação Robôs Investidores Sumário 1) Sobre o Trajecta Open... 4 2) Estratégia: Sistema de Visão com Perceptron

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

4.1. Introdução. 4.2. Layout do DNS

4.1. Introdução. 4.2. Layout do DNS MIT 18.996 Tópico da Teoria da Ciência da Computação: Problemas de Pesquisa na Internet Segundo Trimestre 2002 Aula 4 27de fevereiro de 2002 Palestrantes: T. Leighton, D. Shaw, R. Sudaran Redatores: K.

Leia mais

Doutorando de Ciências Ambientais, Sustentabilidade e Inovação da Universidade católica. Docente da UNOESTE e Fatec

Doutorando de Ciências Ambientais, Sustentabilidade e Inovação da Universidade católica. Docente da UNOESTE e Fatec Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 126 MODELAGEM PARA NEGÓCIOS SUSTENTAVEIS. Moisés da Silva Martins Doutorando de Ciências Ambientais, Sustentabilidade

Leia mais

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS*

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* * Release elaborado pela BM&FBOVESPA baseado nos dados informados pelo Banco Mundial para o 2º Workshop de Divulgação

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque São José dos Campos Novembro/2005 Relatório de estágio

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Como os Modelos Atuais Podem Combater Novas Formas de Fraude?

Como os Modelos Atuais Podem Combater Novas Formas de Fraude? Como os Modelos Atuais Podem Combater Novas Formas de Fraude? Uma camada adaptativa, que aprende novos padrões de fraude, pode ser adicionada ao modelo para melhorar a sua capacidade de detecção Número

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO RESUMO DESCRITIVO Princípios, Diretrizes e Instrumentos de Gerenciamento de Risco de Mercado. 1) Objetivo 2) Abrangência 3)

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

3 Concurso de Rentabilidade

3 Concurso de Rentabilidade 3 Concurso de Rentabilidade 3.1.Motivação O capítulo anterior mostra que a motivação dos fundos de investimento é a maximização da expectativa que a população tem a respeito da rentabilidade de suas carteiras.

Leia mais

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi MINICURSO SEMAT Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities Lucas Guilherme Rigo Canevazzi Matheus Furtado de Souza Popp Prof. Dr. Geraldo Nunes Silva Prof. Dr. Maurílio

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

The Warren Buffett Way

The Warren Buffett Way The Warren Buffett Way Investment Strategies of the World s Greatest Quando Buffett investe, ele vê uma empresa. A maioria dos investidores vê apenas um preço de ação. Eles gastam horas e esforço olhando,

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Introdução 12. 1 Introdução

Introdução 12. 1 Introdução Introdução 12 1 Introdução O crescente avanço no acesso à informação, principalmente através da rede mundial de computadores, aumentou o ritmo de mudanças, impondo uma diminuição no tempo necessário para

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

O modelo inovador do CorretorVIP tem como base duas plataformas tecnológicas complementares, explicadas a seguir:

O modelo inovador do CorretorVIP tem como base duas plataformas tecnológicas complementares, explicadas a seguir: Apresentação 2014 Idealizado em 2007 por experientes profissionais dos setores imobiliário e de tecnologia da informação, o CorretorVIP oferece uma grande variedade de serviços gratuitos a você corretor

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS

ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br 1 AULA 04 ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS 2 Dificuldades das avaliações imobiliárias características especiais dos imóveis, que

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA EMPRESA DE CAPITAL FECHADO

COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA EMPRESA DE CAPITAL FECHADO COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA Como dimensionar o Custo de Capital de uma empresa de capital fechado? Como solucionar a apuração de custo de capital no Brasil? A determinação do coeficiente Beta

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011 Revisão da NBR 14.653-2 Imóveis Urbanos: Inovações da Versão 2011 Sérgio Antão Paiva Porto Alegre 20 de maio de 2011 Principais alterações na NBR 14.653-2 Especificação de características qualitativas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas

Leia mais

S E M A N A D O COACHING

S E M A N A D O COACHING Para que você perceba todas as possibilidades que o mercado oferece, precisa conhecer as 3 leis fundamentais para o sucesso no mercado de coaching: 1 É muito mais fácil vender para empresas do que pra

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

DESVENDANDO O TERMÔMETRO DE INSOLVÊNCIA DE KANITZ. Autores: José Roberto Kassai e Silvia Kassai RESUMO

DESVENDANDO O TERMÔMETRO DE INSOLVÊNCIA DE KANITZ. Autores: José Roberto Kassai e Silvia Kassai RESUMO 1 DESVENDANDO O TERMÔMETRO DE INSOLVÊNCIA DE KANITZ Autores: José Roberto Kassai e Silvia Kassai RESUMO A análise de balanço através de indicadores contábeis é enriquecida pela existência de modelos preditivos,

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO Em quase todas as nossas atividades diárias precisamos enfrentar filas para atender as nossas necessidades. Aguardamos em fila na padaria, nos bancos, quando trafegamos

Leia mais

A Genética Mendeliana

A Genética Mendeliana MATERIAL DE APOIO A Genética Mendeliana O conceito de um fator hereditário como determinante das características de um indivíduo foi introduzido primeiramente por Gregor Mendel em 1865, embora ele não

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

O que é a estatística?

O que é a estatística? Elementos de Estatística Prof. Dr. Clécio da Silva Ferreira Departamento de Estatística - UFJF O que é a estatística? Para muitos, a estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os

Leia mais

Solitaire Interglobal

Solitaire Interglobal Solitaire Interglobal POWERLINUX OU WINDOWS PARA IMPLANTAÇÃO SAP Escolher entre as plataformas concorrentes de sistema operacional Linux e Windows para SAP pode ser uma tarefa confusa para as organizações.

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

O valor da performance. Capex investido em qualidade de rede melhora desempenho financeiro das operadoras

O valor da performance. Capex investido em qualidade de rede melhora desempenho financeiro das operadoras O valor da performance Capex investido em qualidade de rede melhora desempenho financeiro das operadoras Abril de 2014 CONTEÚDO RESUMO INTRODUÇÃO 3 MELHOR PERFORMANCE DE REDE 4 IMPLICAÇÕES ESTRATÉGICAS

Leia mais

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS A TENDÊNCIA É SUA AMIGA O Ibovtrend se baseia

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Neide de Oliveira Gomes, M. Sc., nog@inpi.gov.br Prof. Marco Aurélio C. Pacheco, PhD Programa de Doutorado na área de Métodos de Apoio

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

Um estudo amostral dos seguros de automóveis no Brasil

Um estudo amostral dos seguros de automóveis no Brasil Um estudo amostral dos seguros de automóveis no Brasil Francisco Galiza Autor do livro Economia e Seguro: Uma Introdução, publicado pela Funenseg 1) Introdução: Uma configuração atual do ramo O objetivo

Leia mais