X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MANOBRA ENCADEADA PARA RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA CPFL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MANOBRA ENCADEADA PARA RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA CPFL"

Transcrição

1 X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MANOBRA ENCADEADA PARA RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA CPFL Fredner Leandro Cardoso CPFL Paulista Campinas SP RESUMO Manobra Encadeada é um sistema de manobras seqüenciais, ativado a partir de um determinado evento, que analisa automaticamente a configuração do sistema entre cada instrução e modifica o encadeamento das ações com o objetivo de sanar um determinado problema no sistema elétrico no menor tempo possível. PALAVRAS-CHAVE Manobra Condicionada, Manobra Encadeada; Controle de Carregamento 1.0 INTRODUÇÃO A manobra encadeada pode ser considerada como uma evolução das manobras condicionadas. As manobras condicionadas dependiam de apenas uma condição para acionamento. Para que a manobra condicionada fosse iniciada, todos os sensores devem ser ativados na lógica prevista, não permitindo a alteração da seqüência prevista, caso alguma condição adversa da planejada ocorra em tempo real. Já nas manobras encadeadas, podem ser previstas situações adversas na fase de implantação da seqüência lógica, de forma que lógicas condicionais podem ser adicionadas, ou seja, se um determinado equipamento estiver indisponível, pode ser previsto na lógica esta condição e outro equipamento pode ser comandado em substituição a esse, fornecendo confiabilidade e agilidade às manobras a serem executadas. Essas verificações incluem também a análise da configuração da LT, avaliando a existência de disjuntores baipassados e também se a LT está radial ou seccionada. Como exemplo, para abrir a LT 138kV Trevo - Paineiras, o caso avalia a situação das SEs Paineiras, Trevo e Andorinha, verificando onde está no momento a abertura (ou radialização) do sistema, permitindo a atuação correta no equipamento que está aberto no momento. É importante esclarecer que após o início do caso ( Evento "INRESA" ) a intervenção do operador do COS nas linhas envolvidas, somente será possível após o evento de fim de manobra ( "FIRESA" ), o que ocorre se ao analisar a configuração do sistema elétrico, a lógica identifica a impossibilidade da execução de uma das ações (situação não prevista na fase de planejamento da lógica ou indisponibilidade de algum equipamento essencial na seqüência prevista), então caso é encerrado e as manobras subseqüentes serão canceladas e um aviso informará ao Operador do COS o diagnóstico do problema. Nesse caso, o operador do COS analisará o problema e a sua intervenção será necessária. A seqüência das instruções de um caso é definida em um roteiro (script) que define como o caso vai atuar. Um ou mais casos poderão usar o mesmo roteiro, mas com referências a elementos diferentes da base de dados. Os principais eventos e diagnósticos gerados pelo Manobra Encadeada são: EVENTOS: DGRESA: Diagnóstico de Manobra RESA, ALRESA: Alarme de Manobra RESA, OPEMAE: Operação em Caso de Manobra Encadeada, FIRESA : Fim de Manobra RESA, INRESA: Início de Manobra RESA, COMAE: Comando de Caso de Manobra Encadeada. 2.0 HISTÓRICO DE RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA DA CPFL A malha de sub-transmissão da CPFL Paulista sempre foi totalmente interligada (sistema em anel), tendo como supridoras (fonte) desse sistema, a Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (ISA CTEEP) e Furnas Centrais Elétricas (FCE). Como estes sistemas são influenciados pelo despacho das usinas conectadas ao sistema de 345 e 500 kv e ao sistema de 440 kv, dependendo da programação energética do sistema interligado nacional (SIN), pode ocorrer um elevado fluxo no sentido do kv para o 440 kv através da interligação em 138 kv do sistema da CPFL, provocando sobrecarga nos transformadores da SE

2 2.1 Manobras com Sistema da CPFL em Anel Neste caso o sistema da CPFL está interligando os sistemas de 345 e 500 kv de Furnas com o sistema de 440 kv da ISA CTEEP, através de seu sistema de 138 e 69 kv. FIGURA 1 Sistema Interligado Nacional (SIN) Região Sul-Sudeste. Para solucionar tal problema, foi desenvolvida a radialização do sistema da CPFL para eliminação de sobrecarga em regime normal de operação nos transformadores de Campinas, o qual consiste na abertura seqüencial de sete circuitos em 138 kv e um em 69 kv: FIGURA 2 Sub-Sistema de 138kV CPFL da Grande Campinas Radializado. FIGURA 3 - Sub-Sistema de 138kV CPFL da Grande Campinas em Anel. Nessa configuração, a ISA CTEEP deve controlar a tensão na semi-barra de 138 kv da SE Santa Bárbara voltada para a região da Grande Campinas, a partir da atuação nos tapes dos ATRs- 2 e 3 ligados a essa semi-barra e ajustar o mesmo valor do tape do ATR-1 ligado à outra semibarra; A ISA CTEEP deve também controlar a tensão no barramento de 138 kv da SE Sumaré ISA CTEEP, a partir da atuação nos tapes da transformação desta subestação; Atuar nos tapes das transformações das SEs Santa Bárbara e Sumaré no sentido de explorar o fluxo de potência reativa pela transformação de Sumaré e minimizar o fluxo de potência reativa na transformação de Santa Bárbara. Caso a sobrecarga não seja eliminada, o COSR-SE deve comunicar ao COS-SP e solicitar que o mesmo coordene a radialização do sistema da CPFL, de forma seqüencial, até a eliminação da sobrecarga; Medidas da CPFL Após a radialização do sistema CPFL, a CTEEP efetua o fechamento das barras de 138 kv da SE Santa Bárbara, de modo que todos os transformadores desta SE operem em paralelo. No caso de desligamento de 1 ATR 345/138 kv de Campinas FCE (150 MVA), para eliminação de sobrecarga nos transformadores de Campinas e/ou Santa Bárbara, na emergência de um transformador de Campinas, deve-se adotar as seguintes medidas operativas: A radialização do sistema CPFL na emergência de um ATR 345/138 kv da SE Campinas consiste na abertura de sete circuitos em 138kV e um em 69 kv. 2.2 Manoras com Sistema da CPFL Radializado: Nesta configuração o sistema da CPFL está radializado e o barramento de 138 kv da SE Santa Bárbara está operando fechado. O COSR-SE deve solicitar ao COS-SP que coordene a alteração na radialização do sistema da 2/5

3 CPFL, a partir da alteração nos pontos de radialização, devendo a CPFL atuar em 4 linhas de transmissão, remanejando carga para o subsistema atendido pelas fontes de Sumaré e Santa Bárbara da ISA CTEEP. 3.0 OBJETIVO DA MANOBRA ENCADEADA Atualmente o sub-sistema de transmissão da grande Campinas permanece constantemente radializado (vide figura 2), equilibrando as cargas de FCE e CTEEP. Porém se ocorrer o desligamento de um dos quatro auto-trafos existentes em Furnas, os demais automaticamente entrarão em sobrecarga. Para evitar que o carregamento máximo permitido nos transformadores de Campinas seja ultrapassado, a CPFL implantou a lógica de Manobra Encadeada para essa condição operativa, alterando os pontos de radialização de forma automática e imediata, compatibilizando a carga atendida por essa fonte com a capacidade dos autotransformadores remanescentes. FIGURA 4 - Sub-Sistema 138 kv CPFL da Grande A utilização da Manobra Encadeada permite definir previamente as medidas operativas para eliminação de sobrecargas nas transformações 345/138 kv de Campinas (FCE). Considerando o sistema da grande Campinas previamente radializado, para o controle do carregamento desta transformação em condições normais de operação ou em condições de operação sob contingência, deverão ser adotadas medidas de fechamentos e abertura de disjutores nas LTs envolvidas, de forma seqüencial, preservando a segurança operativa, a qualidade de atendimento aos clientes e os limites operativos dos equipamentos envolvidos. Através dessa manobras, a CPFL transfere aproximadamente 120 MW de carga para o lado da ISA CTEEP (vide figura 6), aliviando o carregamento dos auto-trafos de Furnas e mantendo a carga compatível com os limites estabelecidos por Furnas. FIGURA 5 - Divisão das Cargas no Sub-Sistema 138 kv CPFL da Grande 4.0 ATUAÇÃO DA MANOBRA ENCADEADA Manobra Encadeada é uma evolução da manobra condicionada, pois ela analisa vários aspectos do sistema que pode influenciar nas manobras previstas (disjuntores e chaves); verifica a configuração da Linha de Transmissão (se a LT esta radial ou seccionada, existência de disjuntores baipassados); seqüência alternativa ( IF, GO TO, END ) e possível interrupção (que deve ter a continuidade executada pelo operador). O raciocínio envolvido na manobra encadeada é justamente ajudar o operador a vencer o fator tempo executando as manobras pré-determinadas, restabelecendo o sistema elétrico de forma célebre e segura. As figuras 4, 5, 6,7 e 8 apresentam de forma simplificada o funcionamento das manobras encadeadas: FIGURA 6 - Atuação da Manobra Encadeada devido a perda de um ATR 345/138 KV em FCE. 3/5

4 também se preocupa em preservar a continuidade /confiabilidade do sistema elétrico das companhias ISA CTEEP e FCE. A sobrecarga nos auto-trafos 345/138kV de FCE ocorre devido ao forte intercâmbio entre os sistemas sul e sudeste, no sentido do sudeste para o sul, e com o aumento da geração no sistema de 500 e 345kV de Furnas Centrais Elétricas (FCE) e da CEMIG, interligados à SE Campinas, forçando o fluxo de potência para o sistema de 138kV. Esse comportamento do fluxo de potência no sistema interligado nacional (SIN) ocorre no período de seca na região sul e período de chuvas na região sudeste, quando as usinas do sul reduzem a geração e as usinas da região sudeste aumentam a sua geração devido ao alto nível dos seus reservatórios FIGURA 7 Transferência de 120 MW para os ATRs da ISA CTEEP, aliviando o carregamento dos demais ATRs 345/138kv de FCE. 7.0 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Este trabalho foi desenvolvido com base nos projetos de Pesquisa e Desenvolvimento da CPFL Energia. [1] GED (Gestão Eletrônica de Documentos) da intranet da CPFL Energia [2] Orientação Técnica: Radialização do Subsistema Sudeste, numero do documento: , aplicação: Operação do Sistema. [3] P&D (Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento) da CPFL Energia. [4] IO-ON.SE.3SP FIGURA 8 Conclusão da Manobra Encadeada. [5] IO-ON.SE.4SP 5.0 TEMPO DE ATUAÇÃO DA MANOBRA ENCADEADA A utilização da Manobra Encadeada reduz o tempo para realização de manobras em até 90% comparadas com a utilização de comandos manuais. A operação de todos os disjuntores envolvidos leva apenas alguns segundos. 6.0 CONCLUSÃO Com a implantação da manobra encadeada em seu sub-sistema de transmissão, a CPFL sinaliza para o seu público interno e externo, que além de monitorar, controlar e operar o seu sistema elétrico, 8.0 BIOGRAFIA Fredner Leandro Cardoso, Nascido em 1976, natural da cidade de Itatiba-SP, é formado Técnico em Eletrotécnica e Eletrônica pela E.T.E Rosa Perrone Scavone, e estará concluindo seu curso de nível superior em Dezembro de 2008, recebendo o título de Engenheiro Eletricista pela Universidade São Francisco (USF) no campus da cidade de Itatiba-SP. Foi admitido na CPFL em 1998, exercendo a função de eletricista de distribuição por um período de 02 anos, em 2000 foi promovido a Programador de equipes (também conhecido como Despachante) e posteriormente através de recrutamento interno, foi promovido a Técnico de Operação do Sistema Elétrico, onde atuou 05 anos no COD (Centro de Operação da Distribuição) e atualmente (02 anos) atua no COS (Centro de Operação do Sistema 4/5

5 Elétrico) na operação em tempo real, na cidade de Telefone: (0xx19) / /5

Permanente Programável Rotina Computacional

Permanente Programável Rotina Computacional Número do SEP 1.13.01 Categoria do esquema Alívio de carga. Empresa responsável CPFL Status Habilitado Nome Emissão: 06/07/2004 Esquemas de Alívio de Carregamento da Transformação 345/138 kv 5x150 MVA

Leia mais

Submódulo Controle da transmissão em operação normal

Submódulo Controle da transmissão em operação normal Submódulo 10.7 Controle da transmissão em operação normal Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovaçã o pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.1 0.2 0.3 1.0 1.1 Este documento foi motivado

Leia mais

Submódulo Operação das instalações da Rede de Operação

Submódulo Operação das instalações da Rede de Operação Submódulo 10.12 Operação das instalações da Rede de Operação Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Adequação ao artigo nº 20 da Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente

Leia mais

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é modificar os níveis

Leia mais

A REESTRUTURAÇÃO DA OPERAÇÃO NA COMPANHIA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PAULISTA CTEEP. VANDERLEI SOARES DA COSTA

A REESTRUTURAÇÃO DA OPERAÇÃO NA COMPANHIA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PAULISTA CTEEP. VANDERLEI SOARES DA COSTA TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PAULISTA CTEEP VANDERLEI SOARES DA COSTA vscosta@cteep.com.br EDSON BUENO ebueno@cteep.com.br JOÃO CARLOS BOLLINI jbollini@cteep.com.br CTEEP COMPANHIA DE TRANSMISSÃO DE

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO ATRIBUIÇÕES DO CENTRO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO ATRIBUIÇÕES DO CENTRO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 1/9 1. Objetivo O objetivo desta orientação técnica é definir as atribuições do Centro de Operação da Distribuição COD para realizar o atendimento das ocorrências programadas e não programadas no sistema

Leia mais

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga:

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga: A diversidade de comportamento dos consumidores de energia elétrica é uma característica que ameniza variações bruscas na curva de carga do sistema. Mas o que pode acontecer se, em todo o país, todos os

Leia mais

COS-ABENGOA EXPERIÊNCIA DA ABENGOA NA IMPLANTAÇÃO DE UM CENTRO DE OPERAÇÃO DE SISTEMA

COS-ABENGOA EXPERIÊNCIA DA ABENGOA NA IMPLANTAÇÃO DE UM CENTRO DE OPERAÇÃO DE SISTEMA 1 Abílio José da Rocha Cardoso Alex de Lima e Silva Francisco de Assis Pereira Marcelo Vargas Rêdes Ricardo Pereira Grumbach Vanessa Alves dos Santos M. Maria ATE Transmissora de Energia S.A. 2 Concessionárias

Leia mais

2 Linhas de Transmissão na Região da Bacia do Prata

2 Linhas de Transmissão na Região da Bacia do Prata 2 Linhas de Transmissão na Região da Bacia do Prata O procedimento inicial para a metodização proposta consiste no levantamento das linhas de transmissão existentes e das expansões previstas para a rede

Leia mais

A Experiência da CTEEP na Utilização de Simuladores de Operação de Sistemas de Energia Elétrica IRAN PEREIRA DE ABREU

A Experiência da CTEEP na Utilização de Simuladores de Operação de Sistemas de Energia Elétrica IRAN PEREIRA DE ABREU A Experiência da CTEEP na Utilização de Simuladores de Operação de Sistemas de Energia Elétrica IRAN PEREIRA DE ABREU O Simulador de Treinamento de Operadores da CTEEP 2 O Simulador de Treinamento de Operadores

Leia mais

Adriano Caetano da Silva Rogerio Marques Marcio da Costa Jardim. Empresa Bandeirante de Energia S/A

Adriano Caetano da Silva Rogerio Marques Marcio da Costa Jardim. Empresa Bandeirante de Energia S/A XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Adriano Caetano da Silva Rogerio Marques Marcio da Costa Jardim EDP Bandeirante Empresa Bandeirante

Leia mais

4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 6. DESCRIÇÃO DA LÓGICA DE FUNCIONAMENTO:

4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 6. DESCRIÇÃO DA LÓGICA DE FUNCIONAMENTO: 1. ECE Nº 5.34.01 2. Esquema de Corte de Carga por sobrecarga nos Transformadores 230/69 kv 2X100MVA da SE Pici II. 3. EMPRESA RESPONSÁVEL. 4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 5. FINALIDADE: Para

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO USO DOS RECURSOS DE GERAÇÃO DISPONÍVEIS PARA O CAG CONTROLE AUTOMÁTICO DE GERAÇÃO

OTIMIZAÇÃO DO USO DOS RECURSOS DE GERAÇÃO DISPONÍVEIS PARA O CAG CONTROLE AUTOMÁTICO DE GERAÇÃO O CAG CONTROLE AUTOMÁTICO DE GERAÇÃO Autores: Roberto Gomes Peres Junior ONS Sérgio Luiz de Azevedo Sardinha ONS Ailton Andrade ONS 2 CONCEITUAÇÃO BÁSICA Margem de regulação: módulo da diferença entre

Leia mais

2. Introdução a Sistemas Elétricos de Potência

2. Introdução a Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Elétricos de Potência 2. Introdução a Sistemas Elétricos de Potência Professor: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br disponível em: http://paginapessoal.utfpr.edu.br/raphaelbenedito

Leia mais

15 a 19 de setembro. Inscrições abertas

15 a 19 de setembro. Inscrições abertas 15 a 19 de setembro Inscrições abertas 15/09 (manhã) Instrutor: Carlos Ribeiro Módulo 1: Conceito das Grandezas Unidades de Medida de Tensão, Corrente, Potência e Energia Corrente Contínua e Alternada

Leia mais

TREINAMENTO DE DESPACHANTES UTILIZANDO SIMULADOR NOS CENTROS DE OPERAÇÃO DA LIGHT. Light Serviços de Eletricidade INTRODUÇÃO

TREINAMENTO DE DESPACHANTES UTILIZANDO SIMULADOR NOS CENTROS DE OPERAÇÃO DA LIGHT. Light Serviços de Eletricidade INTRODUÇÃO GOP/003 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS TREINAMENTO DE DESPACHANTES UTILIZANDO SIMULADOR NOS CENTROS DE OPERAÇÃO DA LIGHT

Leia mais

TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE. Aula 4 Subestações

TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE. Aula 4 Subestações TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE Aula 4 Subestações Definição de Subestação (SE) Uma subestação é o conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é controlar os níveis de tensão

Leia mais

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 2009/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT- 016/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA

AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA 1 Introdução/recordação Sistemas de Potência Os sistemas de potência são divididos em três zonas funcionais para fins de planejamento, operação e análise: geração,

Leia mais

Permanente Fixa Eletromecânica

Permanente Fixa Eletromecânica Número do SEP 6.16.01 Categoria do esquema Alívio de carga Empresa responsável Status Habilitado Nome Emissão: Janeiro/2004 Esquema de preservação de carga das áreas Goiás e Brasília para perda das 2 LT's

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS. Mário Daher

O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS. Mário Daher O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS Mário Daher 1 O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO

Leia mais

XVI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI Código da Contribuição Técnica: 287 Brasília, Dezembro de 2004

XVI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI Código da Contribuição Técnica: 287 Brasília, Dezembro de 2004 XVI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI - 2004 Código da Contribuição Técnica: 287 Brasília, Dezembro de 2004 TÍTULO DO TRABALHO: CHAVE REVERSORA ESPECIAL 5.100. Porto Alegre,

Leia mais

NR-10. Rotinas de trabalho PROCEDIMENTOS. Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr.

NR-10. Rotinas de trabalho PROCEDIMENTOS. Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. NR-10 Rotinas de trabalho PROCEDIMENTOS Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br Objetivo Definir procedimentos básicos para execução de atividades/trabalhos

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG-GT. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão SRT

VOTO. INTERESSADO: Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG-GT. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão SRT VOTO PROCESSO: 48500.003437/2013-13 INTERESSADO: Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG-GT. RELATOR: Diretor Edvaldo Alves de Santana. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão

Leia mais

10ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA 21 a 24 de setembro de 2004

10ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA 21 a 24 de setembro de 2004 10ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA 21 a 24 de setembro de 2004 AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES: PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CARGA EM SUBESTAÇÕES RETIFICADORAS DE SISTEMAS DE TRANSPORTE

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA OPERAÇÃO DO COD

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA OPERAÇÃO DO COD 1/6 1. Objetivo O objetivo desta orientação técnica é estabelecer planos de contingência a serem aplicados nos casos de alteração das condições normais de operação do COD, seja por motivo de concentração

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março Semana Operativa de 05/03/2016 11/03/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 27/02 a 04/03 ocorreu chuva fraca a moderada nas bacias da região Sul

Leia mais

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Sumário Panorama Mundial da Geração Eólica Dados Gerais da Geração Eólica no Brasil Características da

Leia mais

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc REVISÃO 1 2003/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 156/2003 REVISÃO 1 P:\Meus documentos\nota Técnica\NT 156-2004 REVISÃO 1.doc !"# $%!#&'(# #$)*+,-+-)#-$&.',-+

Leia mais

EXPLORAÇÃO DE RECURSOS DE AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES

EXPLORAÇÃO DE RECURSOS DE AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES EXPLORAÇÃO DE RECURSOS DE AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES COELBA SÉRGIO EDUARDO LESSA E SILVA INTRODUÇÃO A automação de subestações tem permitido a Coelba operação mais adequada do sistema elétrico, sem aporte

Leia mais

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Junho 2016 Agenda 1. CPFL Renováveis 2 Energia renovável Potencial a ser explorado

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil. Chave Fusi-lâmina. Luiz Antônio de Magalhães Rodrigues

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil. Chave Fusi-lâmina. Luiz Antônio de Magalhães Rodrigues XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Chave Fusi-lâmina Ailton Fernandes Quintão Erto Cezário de Lima Rosenildo Ramos de

Leia mais

INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN

INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN MICROPROCESSADO SAÍDA SENOIDAL ISOLADA OPÇÃO EM RACK 19 Modelos de gabinetes auto-sustentados, tipo torre e rack 19. Disponíveis também em gabinete para fixação em parede.

Leia mais

16 a 20 de maio de 2016 Inscrições abertas Vagas limitadas

16 a 20 de maio de 2016 Inscrições abertas Vagas limitadas 16 a 20 de maio de 2016 Inscrições abertas Vagas limitadas 9h 16/05 Abertura Boas-vindas Carlos Ribeiro, presidente do Conselho de Administração da ABCE 9:15 16/05 (manhã) Instrutor: Carlos Ribeiro Módulo

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

6LVWHPDGH6LPXODomRSDUD2EWHQomRGH'DGRV

6LVWHPDGH6LPXODomRSDUD2EWHQomRGH'DGRV 38 6LVWHPDGH6LPXODomRSDUD2EWHQomRGH'DGRV O sistema de identificação e localização de faltas utilizando RNAs necessita de um conjunto de registros de curto-circuito em diversas situações diferentes, para

Leia mais

Submódulo Estudos pré-operacionais de integração de instalações da Rede de Operação

Submódulo Estudos pré-operacionais de integração de instalações da Rede de Operação Submódulo 21.2 Estudos pré-operacionais de integração de instalações da Rede de Operação Rev. Nº. 1.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 049/2008, submetida para aprovação

Leia mais

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONVERSÃO DE UM COS E VÁRIOS CODs EM UM CENTRO ÚNICO DE OPERAÇÃO NA COSERN AUTORES JOSÉ MIGUEL MELGAR BACHLLER LUIZ JOSÉ QUEIROZ E SILVA EMPRESA:

Leia mais

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI SNPTEE MINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI - 09 16 a 1 Outubro de 005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS No início da semana de ocorreu chuva fraca isolada nas bacias dos rios Grande e São Francisco. No final da semana ocorreu chuva

Leia mais

Olinda - Pernambuco - Brasil. Influência de Bancos de Capacitores na Subestação para Regular a Tensão de Distribuição e Reativo

Olinda - Pernambuco - Brasil. Influência de Bancos de Capacitores na Subestação para Regular a Tensão de Distribuição e Reativo XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Influência de Bancos de Capacitores na Subestação para Regular a Tensão de Distribuição

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 1 Estrutura da apresentação O SIN - Sistema Interligado Nacional Robustez do SIN Ações em curso para aprimorar

Leia mais

DATA DATA PADRÃO SUBESTAÇÕES DE 500 kv PROJ: DEEC/SETEM 08/2007 ROTEIRO DE CÁLCULO - DIMENSIONAMENTO CONFERIDO:

DATA DATA PADRÃO SUBESTAÇÕES DE 500 kv PROJ: DEEC/SETEM 08/2007 ROTEIRO DE CÁLCULO - DIMENSIONAMENTO CONFERIDO: N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO APROVAÇÃO D ES DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DO SISTEMA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. DATA DATA PADRÃO SUBESTAÇÕES DE 500 kv PROJ: DEEC/SETEM

Leia mais

ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016

ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016 ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016 Revisões do relatório Minuta emitida em 22/09/2016 Seção páginas descrição Versão Final

Leia mais

SOLUÇÃO SELF-HEALING DA ELIPSE SOFTWARE AGILIZA A RECOMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DA CEMAR

SOLUÇÃO SELF-HEALING DA ELIPSE SOFTWARE AGILIZA A RECOMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DA CEMAR SOLUÇÃO SELF-HEALING DA ELIPSE SOFTWARE AGILIZA A RECOMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DA CEMAR Em fevereiro deste ano (2015), a tecnologia permitiu recuperar, em apenas 10 segundos, 9.463 clientes de um

Leia mais

LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT

LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 - Cidade Nova

Leia mais

Esquema de Corte de Geração na Usina de São Simão.

Esquema de Corte de Geração na Usina de São Simão. Número do SEP Categoria do esquema Corte de geração Empresa responsável Status DESATIVADO Nome Emissão: 02/10/2003 1.08.01 Esquema de Corte de Geração na Usina de São Simão. Região principal Sudeste Finalidade

Leia mais

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL DURANTE O ANO NOVO

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL DURANTE O ANO NOVO OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL DURANTE O ANO NOVO - 2010 Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Operação Setor Ind e Abast Sul, Área Serv Públicos, Lote A 71215-000 Brasília DF tel

Leia mais

V SBQEE CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO SISTEMA SUPRIDOR A CONSUMIDORES INDUSTRIAIS

V SBQEE CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO SISTEMA SUPRIDOR A CONSUMIDORES INDUSTRIAIS V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 04 173 Tópico: Análise, Diagnósticos e Soluções CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO

Leia mais

Requisitos das concessionárias de energia para a conexão de GMG Sistema de Transferência Automática

Requisitos das concessionárias de energia para a conexão de GMG Sistema de Transferência Automática Requisitos das concessionárias de energia para a conexão de GMG Sistema de Transferência Automática Marcio Eli M Souza Eng. Tecnologia e Normalização 19/11/2015 Sumário Institucional Grupos Geradores Tipos

Leia mais

GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT

GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT GAT-011 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT UMA ABORDAGEM AC/DC PARA DETERMINAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS E

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 022/2014 FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 022/2014 FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 022/2014 FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência Pública 022/2014 EMENTA: Obter subsídios para Obter subsídios à proposta

Leia mais

Alerta de Perda de Carga

Alerta de Perda de Carga Junho de 2015 Alerta de Perda de Carga Presented by Marcelo Palácio Coelce - Operação em Tempo Real cel: 85-999939606 email: marcelo.palacio@enel.com BT MT AT O Sistema Elétrico da Coelce para atender

Leia mais

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Aspectos institucionais e a expansão da transmissão Desafios conjunturais Desafios estruturais em São Paulo Aspectos

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução. cap. 7

Partida de Motores Elétricos de Indução. cap. 7 Partida de Motores Elétricos de Indução cap. 7 1 Introdução Corrente de partida da ordem de 6 a 10x o valor da corrente nominal; 2 Influência da Partida de um Motor Consumo de Energia Demanda de Energia

Leia mais

Atendimento ao Estado do Pará

Atendimento ao Estado do Pará Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Atendimento ao Estado do Pará Câmara dos Deputados - CINDRA Brasília, abril de 2015. 1 Ambiente Institucional 2 Universalização Modicidade Tarifária Segurança

Leia mais

Supervisão e Proteção de Diodos Retificador de Tração

Supervisão e Proteção de Diodos Retificador de Tração Resumo O retificador de tração é um equipamento de vital importância para o sistema de suprimento de energia elétrica utilizados por metrôs e trens metropolitanos. Em sua construção são utilizados dezenas

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 1. APRESENTAÇÃO Findo o primeiro bimestre do período chuvoso nas regiões Norte, Nordeste

Leia mais

PRÁTICA 2 - PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO

PRÁTICA 2 - PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO Comandos Industriais Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Introdução PÁTICA - PATIDA ETELA-TIÂNGULO DO MOTO DE INDUÇÃO TIFÁICO A chave estrela-triângulo é um dispositivo auxiliar de partida de motores

Leia mais

ESTABILIZADOR DE TENSÃO GUARDIAN

ESTABILIZADOR DE TENSÃO GUARDIAN DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA ESTABILIZADOR DE TENSÃO GUARDIAN linha VGT Cor do gabinete Padrão : grafite Sob pedido : Gelo ou preto Totalmente Estático com 14 estágios de regulação, alarme visual e sonoro,

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 4: Transformadores de potência Exercícios 4.1 Um transformador monofásico de dois enrolamentos apresenta os seguintes valores nominais: 20 kva, 480/120 V,

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS CENTRALIZAÇÕES DOS CENTROS DE OPERAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DA CPFL. Paulo Roberto dos Santos Cleber Renan de Marco CPFL Paulista

CONSOLIDAÇÃO DAS CENTRALIZAÇÕES DOS CENTROS DE OPERAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DA CPFL. Paulo Roberto dos Santos Cleber Renan de Marco CPFL Paulista 1 OPERAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DA CPFL. Paulo Roberto dos Santos Cleber Renan de Marco CPFL Paulista 2 2 A importância dos Centros de Operação Atividades Controle do Sistema Elétrico Manobras Redes ligadas

Leia mais

SISTEMAS DE SEGURANÇA PERIMETRAL ELÉTRICOS

SISTEMAS DE SEGURANÇA PERIMETRAL ELÉTRICOS SISTEMAS DE SEGURANÇA PERIMETRAL ELÉTRICOS LANÇAMENTO 2016 EVENTOS PARA O LANÇAMENTO Estande C101 Estande 324 EVOLUINDO. EMX 5JX WTX EMX 4J2S EMX NOVIDADES 2016 Os novos modelos EMX 5JX e 4J2S foram desenvolvidos

Leia mais

Capítulo 2. Metodologia

Capítulo 2. Metodologia Metodologia 35 2 METODOLOGIA ADOTADA No Sistema Interligado Nacional (SIN), utilizam-se diversos níveis de tensão para alimentar a malha de transmissão de energia elétrica, através de linhas de transmissão

Leia mais

ELIPSE POWER CONFERE MAIOR CONFIANÇA E SEGURANÇA AO CENTRO DE OPERAÇÃO INTEGRADO DA DISTRIBUIÇÃO NA CEMAR

ELIPSE POWER CONFERE MAIOR CONFIANÇA E SEGURANÇA AO CENTRO DE OPERAÇÃO INTEGRADO DA DISTRIBUIÇÃO NA CEMAR ELIPSE POWER CONFERE MAIOR CONFIANÇA E SEGURANÇA AO CENTRO DE OPERAÇÃO INTEGRADO DA DISTRIBUIÇÃO NA CEMAR Este case apresenta a aplicação da plataforma Elipse Power para automatizar a distribuição de energia

Leia mais

1/9. XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil

1/9. XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Olivio Cesário dos Santos Alexandre Gonçalves Anderson Pires da Silva EDP Bandeirante EDP

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL AVALIAÇÃO DO SISTEMA

Leia mais

AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas

AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas QUAL O SIGNIFICADO DO TERMO UNIFILAR? AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas UNIFILAR SIGNIFICA DIZER QUE, EMBORA O SISTEMA ELÉTRICO POSSA INCORPORAR CIRCUITOS A DOIS OU

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

A seguir são apresentadas as informações básicas referentes às características técnicas e de operação das UHEs integrantes do Lote C.

A seguir são apresentadas as informações básicas referentes às características técnicas e de operação das UHEs integrantes do Lote C. ANEXO II CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DAS USINAS HIDRELÉTRICAS INTEGRANTES DO LOTE C O Lote C é composto pelas Usinas Hidrelétricas Garcia, Bracinho, Cedros, Salto e

Leia mais

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN DURANTE O PERÍODO DO CARNAVAL 2010

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN DURANTE O PERÍODO DO CARNAVAL 2010 OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN DURANTE O PERÍODO DO CARNAVAL 2010 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax

Leia mais

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Aluno: Turma: 6 Período Professor(a): Geraldo Leão Lana ENSAIOS DE TRANSFORMADORES 1) Por que o ensaio a vazio a realizado no lado de baixa tensão? Quais as medidas

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº

COMUNICADO TÉCNICO Nº Página 1 / 14 COMUNICADO TÉCNICO Nº 08-2013 CRITÉRIOS DE ACESSO EM MÉDIA TENSÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO SA PARA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDAS ADERENTES AO REGIME DE COMPENSAÇÃO 1. OBJETIVO Esse

Leia mais

BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016

BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016 BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3444-9400 Fax (+21) 3444-9444 2016/ONS

Leia mais

Ferramentas e Estratégias para Garantir Performance e Segurança na Operação da AES Sul.

Ferramentas e Estratégias para Garantir Performance e Segurança na Operação da AES Sul. XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Ferramentas e Estratégias para Garantir Performance e Segurança na Operação da AES

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro Semana Operativa de 21/01/2017 a 27/01/2017 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 14 a 20/01/2017 ocorreu precipitação nas bacias dos

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GDS

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GDS XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GDS UTILIZAÇÃO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor Leonardo Gonsioroski Sistemas Elétricos Pode-se dizer que os sistemas elétricos são divididos em 4 grandes

Leia mais

Racionalizando Investimentos com Melhoria dos Índices de Confiabilidade da Rede

Racionalizando Investimentos com Melhoria dos Índices de Confiabilidade da Rede Racionalizando Investimentos com Melhoria dos Índices de Confiabilidade da Rede Um enfoque estatístico através de uma metodologia inovadora e da alocação ótima de investimentos Eng. Alexandre Vasconcellos

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS - GSE

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS - GSE SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSE 14 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS - GSE SUPERAÇÃO

Leia mais

Mario Augusto Zermiani AES Eletropaulo Metropolitana - Eletr. de São Paulo S.A.

Mario Augusto Zermiani AES Eletropaulo Metropolitana - Eletr. de São Paulo S.A. XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Mario Augusto Zermiani AES Eletropaulo Metropolitana - Eletr. de São Paulo S.A. mario.zermiani@aes.com

Leia mais

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 PORTAL DA OPERAÇÃO TROCA DE DOCUMENTAÇÃO OPERATIVA COM CLIENTES DO GRUPO A J. A. Carneiro* C. R. Campos** J. M. Barbosa* M. P. Cesconetto* *CPFL Companhia Paulista de Força e Luz **CPFL Companhia Piratininga

Leia mais

TÉRMINO DO HORÁRIO DE VERÃO 2013/2014

TÉRMINO DO HORÁRIO DE VERÃO 2013/2014 TÉRMINO DO HORÁRIO DE VERÃO 2013/2014 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3444-9400 Fax (+21) 3444-9444 2014/ONS Todos os direitos

Leia mais

X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO. RESTABELECIMENTO ALTERNATIVO DAS CARGAS DE 20 kv DA REGIÃO CENTRAL DE SÃO PAULO

X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO. RESTABELECIMENTO ALTERNATIVO DAS CARGAS DE 20 kv DA REGIÃO CENTRAL DE SÃO PAULO X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO RESTABELECIMENTO ALTERNATIVO DAS CARGAS DE 20 kv DA REGIÃO CENTRAL DE SÃO PAULO Iran Pereira de Abreu Marcelo Montini de Oliveira Nilton da Silva CTEEP

Leia mais

Chega! de acidentes de trabalho Consulte um especialista Kirk Tel.:

Chega! de acidentes de trabalho Consulte um especialista Kirk  Tel.: Chega! de acidentes de trabalho Consulte um especialista Kirk www.kirkkey.com.br Tel.: 11 236-3345 Sistema Kirk de Intertravamento Rua Paulo de Faria, 182 Sala 82 - Tucuruvi - CEP: 2267- - São Paulo Objetivo

Leia mais

1 Introdução Descrição do Problema

1 Introdução Descrição do Problema 1 Introdução 1.1. Descrição do Problema Stable operation of a power system depends on the ability to continuously match the electrical output of generation units to the electrical load on the system. Consequently,

Leia mais

Subestação. Conceito:

Subestação. Conceito: Sistema Eletrosul Conceito: Subestação Instalações elétricas que compreendem máquinas ou aparelhos, instalados em ambiente fechado ou ao ar livre, destinadas à transformação da tensão, distribuição da

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Trifásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

SISTEMA ESPECIALISTA DE ENSAIOS DE OSCILOGRAFAGEM EM DISJUNTORES MULTICÂMARAS DE ALTA TENSÃO. CTEEP - Companhia de Transmissão Paulista

SISTEMA ESPECIALISTA DE ENSAIOS DE OSCILOGRAFAGEM EM DISJUNTORES MULTICÂMARAS DE ALTA TENSÃO. CTEEP - Companhia de Transmissão Paulista SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSE - 09 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS GSE SISTEMA

Leia mais

INTERLIGAÇÃO NORTE/SUL MEDIDAS ESPECIAIS DE CONTROLE/PROTEÇÃO DEFINIDAS PARA O SISTEMA DE FURNAS, DE MODO A PERMITIR UMA OPERAÇÃO INTERLIGADA ADEQUADA

INTERLIGAÇÃO NORTE/SUL MEDIDAS ESPECIAIS DE CONTROLE/PROTEÇÃO DEFINIDAS PARA O SISTEMA DE FURNAS, DE MODO A PERMITIR UMA OPERAÇÃO INTERLIGADA ADEQUADA GOP / 13 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GPL) INTERLIGAÇÃO NORTE/SUL MEDIDAS ESPECIAIS DE CONTROLE/PROTEÇÃO DEFINIDAS

Leia mais

Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída

Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída Alisson Guedes Chagas e Antônio Carlos Zambroni de Souza Cemig Distribuição S.A.

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO ATERRAMENTO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO ATERRAMENTO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO 1/8 1. Objetivo Estabelecer critérios básicos para a instalação de sistemas de aterramento das instalações e equipamentos utilizados em redes aéreas de distribuição. 2. Aplicação Distribuição. 3. Documentos

Leia mais

4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão

4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão 4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão A representação de equipamentos elétricos através de simples combinações de resistências e reatâncias

Leia mais

BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2014/2015

BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2014/2015 BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2014/2015 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3444-9400 Fax (+21) 3444-9444 2015/ONS

Leia mais

Eletrotécnica básica Atividade prática

Eletrotécnica básica Atividade prática Eletrotécnica básica Atividade prática 1 SUMÁRIO Apresentação... 3 Identificação dos terminais de motor trifásico... 5 Chave de Partida direta automática (com contator)... 7 Comando com acionamento de

Leia mais

Simulado 1 (S1) * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos

Simulado 1 (S1) * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos 1 COMANDOS INDUSTRIAIS Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Simulado 1 (S1) QUESTÕES DE CONCURSOS / ENADE * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos

Leia mais