Adriano Caetano da Silva Rogerio Marques Marcio da Costa Jardim. Empresa Bandeirante de Energia S/A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adriano Caetano da Silva Rogerio Marques Marcio da Costa Jardim. Empresa Bandeirante de Energia S/A"

Transcrição

1 XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Adriano Caetano da Silva Rogerio Marques Marcio da Costa Jardim EDP Bandeirante Empresa Bandeirante de Energia S/A EDP Bandeirante Esquema de Corte para Alívio de Carga (ECAM) Palavras-chave Automação COS Carga Corte ECAM PCMC Resumo No caso de subfrequência sustentada em instalações específicas de fronteira/suprimento da Rede Básica com as cargas atendidas localmente causada por déficit de geração disponível, existe a necessidade de um reequilíbrio da razão geração x carga para que a frequência de da rede retorne aos patamares normais de operação. Está estipulado pelo ONS através da RO-GC.BR.01 e da IO-GC.BR.01 que todos os Agentes devem implantar e manter operacional seu próprio PCMC - Plano de Corte manual de Carga, disponibilizando até 35% da carga da região atendida em patamares de até 5% de forma a aliviar o carregamento do ponto de fronteira em contingência, quando o mesmo for solicitado pelo CNOS - Centro Nacional de Operação do Sistema do ONS. Para o aumento da confiabilidade do controle dos carregamentos, a EDP Bandeirante desenvolveu o ECAM Esquema de Corte para Alívio Manual em seu sistema supervisório (SCADA) permitindo o controle de suas cargas em instalações da Rede Básica, permitindo o corte, monitoramento, recomposição e emissão de relatórios de forma mais eficaz. 1/6

2 1. Introdução Antes da solicitação do corte efetivo das cargas atendidas, o CNOS irá explorar os recursos de elevação de geração e controle do intercâmbio de energia entre regiões e caso a frequência do sistema permaneça com frequência igual ou inferior a 59,5Hz com perspectiva de redução, o CNOS solicitará, por meio dos Centros Regionais de Operação, o corte manual de carga nas regiões com déficit de potência até a estabilização da frequência em no mínimo 59,7Hz. A RO-GC.BR.01 possibilita que o Agente determine o critério e método do alívio de carga a ser realizado, que poderá ser através de: - Remanejamento de carga entre as instalações da Rede de Operação; - Corte indireto de carga, pela redução intencional do nível de tensão na Rede de Operação e na Distribuição; - Corte direto de carga (manual ou automático). Porém como a IO-GC.BR.01 determina que a redução de carregamento da instalação em contingência se dê em até 5 minutos, a EDP Bandeirante optou por não utilizar o método de corte por redução de tensão. Portanto visando preservar as cargas e causar o menor impacto social possível, a primeira opção é se verificar a possibilidade de transferência de blocos de carga para outra instalação da Rede de Operação que não esteja em contingência e que tenha disponibilidade de receber esse montante de carga sem causar mais riscos para as instalações e para a Rede de Operação e, no caso da não possibilidade de transferência de carga ou transferência insuficiente, o procedimento interno remete ao corte efetivo de cargas. O corte das cargas solicitadas pode ser realizado manualmente através do sistema supervisório (SCADA) de nosso COS, desligando-se estações, transformadores ou alimentadores e também através do desligamento de linhas de subtransmissão, porém sendo necessário para esse tipo de corte a coordenação com o Centro de Operação da Transmissão COT da CTEEP, que é a transmissora local que atende a EDP Bandeirante. Mas, visando uma maior eficácia do PCMC - Plano de Corte Manual de Carga da EDP Bandeirante estabelecido pelo ONS, foi implantado no COS da EDP Bandeirante o ECAM - Esquema de Corte para Alívio de Carga, que através do nosso sistema de supervisão e controle (Sistema SCADA) faz todo o gerenciamento do corte e emissão de relatórios das cargas cortadas. Esse esquema traz uma maior agilidade e facilidade no monitoramento das cargas a serem cortadas, propiciando uma maior eficácia na redução do carregamento da(s) instalação(ções) em contingência, contribuindo para um retorno mais rápido das condições normais de operação e maior confiabilidade da Rede de Operação. 2. Desenvolvimento 2.1. Plano de Corte Para o corte individual, existe na sala de controle do COS uma planilha onde, ao se selecionar o ponto de fronteira de onde se deseja efetuar o corte, é apresentada uma listagem dos alimentadores disponíveis e seu carregamento típico. A partir do montante desejado para corte, através da planilha faz-se uma pré-seleção dos alimentadores ou transformadores a serem desligados e, a partir daí pelo sistema SCADA, efetua-se a abertura dos disjuntores atendendo 2/6

3 assim a redução de carregamento solicitada. A ordem de prioridade dos alimentadores foi elaborada através do cadastro de clientes prioritários da EDP Bandeirante e é atualizada anualmente, portanto os primeiros alimentadores passíveis de corte são os que possuem o menor número possível desses clientes e, para os alimentadores que não possuem clientes prioritários, é adotado o critério de impacto social. Esse critério leva em conta o montante de carga típico do alimentador pelo número de clientes que serão interrompidos. Esse processo atende a necessidade de corte estipulada para estabilização da frequência do sistema, porém seu controle, monitoramento e recomposição pode-se tornar trabalhosos, com oportunidade de melhoria da precisão e no tempo de atuação ECAM Foi desenvolvido na plataforma do sistema supervisório (SCADA) de nosso Centro de Operação do Sistema, a automação para o gerenciamento do corte de carga a ser realizado. Esse esquema possibilita a visualização geral dos alimentadores disponibilizados para corte por ordem de prioridade, juntamente com seu carregamento, em MW, que está passível para corte. Abaixo tem-se a tela principal do ECAM: 3/6

4 Figura 1 - Tela do ECAM O ECAM implantado oferece as seguintes vantagens: - desnecessária a consulta de planilhas externas de corte; - elaboração automática de relatórios dos cortes efetuados; - automação da recomposição das cargas cortadas; - visualização em tempo real das cargas individuais e totais disponíveis para corte e efetivamente cortadas; - informação visual global dos alimentadores e eventuais falhas no sistema; - maior agilidade nas operações Corte de Carga Na tela do ECAM pode-se efetuar ainda o comando manual centralizado sem a necessidade de se acessar os controles 4/6

5 das estações individualmente, facilitando a execução de cortes de menor monta ou complementares. Devido às características de distribuição da carga da EDP Bandeirante e ao histórico de solicitações pelo ONS, a área de concessão foi dividida em duas subáreas, o Alto Tietê e o Vale do Paraíba. Como essas áreas comportam-se como duas regiões de carga para o SIN, na tela do ECAM implantado se pode selecionar a região desejada para corte (Alto Tietê, Vale do Paraíba ou Bandeirante Total) e o montante solicitado de corte. Ao se selecionar o botão para efetuar o corte, o mesmo é feito automaticamente obedecendo-se a sequência de corte pré-estabelecida até se atingir o montante desejado. Abaixo um exemplo de relatório de corte efetuado: Figura 2 - Relatório de Corte 5/6

6 2.4. Recomposição Após a autorização dada pelo ONS, as cargas liberadas para recomposição podem ser religadas individualmente através da tela do ECAM e, analogamente ao processo de corte, pode-se também efetuar a recomposição das cargas selecionando-se a região dessas cargas e o montante a ser recomposto. Percebe-se que alguns dos alimentadores poderiam, antes da ocorrência, estar com seu religamento bloqueado para realização de serviços por equipes em campo e essa condição de segurança é mantida quando da recomposição desses alimentadores. 3. Conclusões A solução implantada trouxe grande agilidade para a efetivação dos cortes solicitados, acompanhamento de cargas disponíveis, recomposição, emissão dos relatórios do corte efetuado e, além disso, a tela do ECAM monitora em tempo real as cargas disponíveis, frequência do SIN e estado real dos disjuntores, disponibilizando essas informações de forma simples e rápida. O ECAM desenvolvido trouxe grandes vantagens para o COS da Bandeirante pois entre suas principais vantagens está o fato de não impedir a realização manual de cortes, inclusive para cargas não relacionadas inicialmente no ECAM. Além de disponibilizar a leitura real da carga disponível para corte e agilizar essas informações em tempo real para o ONS. 4. Referências bibliográficas ONS. PROCEDIMENTOS DE REDE - Módulo 10 - Submódulo RO-GC.BR.01 - Elaboração do Plano de Corte Manual de Carga no Sistema Interligado Nacional, revisão 03, Brasília, 2015 ONS. PROCEDIMENTOS DE REDE - Módulo 10 - Submódulo IO-GC.BR.01 - Gerenciamento da Carga Para Controle de Frequência no Sistema, revisão 07, Brasília, /6

Empresa Bandeirante de Energia Empresa Bandeirante de Energia S/A

Empresa Bandeirante de Energia Empresa Bandeirante de Energia S/A XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Nilton de Oliveira Branco Rogerio Marques Empresa Bandeirante de Energia Empresa Bandeirante

Leia mais

Evandro Luis de Moraes. Operador de Sistema. ISA-CTEEP Brasil. Trabalho: Automatismo do TR-1 138/13,8 kv da SE MOM-II

Evandro Luis de Moraes. Operador de Sistema. ISA-CTEEP Brasil. Trabalho: Automatismo do TR-1 138/13,8 kv da SE MOM-II Evandro Luis de Moraes Operador de Sistema ISA-CTEEP Brasil Trabalho: Automatismo do TR-1 138/13,8 kv da SE MOM-II Automatismo do TR-1 138/13,8 kv da SE MOM-II Objetivo Descrever o funcionamento operacional

Leia mais

Submódulo Controle da transmissão em operação normal

Submódulo Controle da transmissão em operação normal Submódulo 10.7 Controle da transmissão em operação normal Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovaçã o pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.1 0.2 0.3 1.0 1.1 Este documento foi motivado

Leia mais

Submódulo Operação das instalações da Rede de Operação

Submódulo Operação das instalações da Rede de Operação Submódulo 10.12 Operação das instalações da Rede de Operação Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Adequação ao artigo nº 20 da Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente

Leia mais

XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Alessandro Pinto Lourenço André Mauricio Ballin Copel Distribuição S.A. Copel Distribuição

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil WOLNEY SILVA NETTO Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia wsnetto@coelba.com.br

Leia mais

OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA. TEE Aula 12 Prof. Vitor Hugo Ferreira

OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA. TEE Aula 12 Prof. Vitor Hugo Ferreira Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA TEE-04091 Aula 12 Prof. Vitor Hugo Ferreira Operação em tempo real e planejamento

Leia mais

Permanente Programável Rotina Computacional

Permanente Programável Rotina Computacional Número do SEP 1.13.01 Categoria do esquema Alívio de carga. Empresa responsável CPFL Status Habilitado Nome Emissão: 06/07/2004 Esquemas de Alívio de Carregamento da Transformação 345/138 kv 5x150 MVA

Leia mais

Submódulo 21.7 Estudos de reserva de potência operativa

Submódulo 21.7 Estudos de reserva de potência operativa Submódulo 21.7 Estudos de reserva de potência operativa Rev. Nº. 1.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 049/2008, submetida para aprovação em caráter definitivo pela ANEEL.

Leia mais

COS-ABENGOA EXPERIÊNCIA DA ABENGOA NA IMPLANTAÇÃO DE UM CENTRO DE OPERAÇÃO DE SISTEMA

COS-ABENGOA EXPERIÊNCIA DA ABENGOA NA IMPLANTAÇÃO DE UM CENTRO DE OPERAÇÃO DE SISTEMA 1 Abílio José da Rocha Cardoso Alex de Lima e Silva Francisco de Assis Pereira Marcelo Vargas Rêdes Ricardo Pereira Grumbach Vanessa Alves dos Santos M. Maria ATE Transmissora de Energia S.A. 2 Concessionárias

Leia mais

Submódulo 2.1. Requisitos mínimos para instalações de transmissão e gerenciamento de indicadores de desempenho: visão geral

Submódulo 2.1. Requisitos mínimos para instalações de transmissão e gerenciamento de indicadores de desempenho: visão geral Submódulo 2.1 Requisitos mínimos para instalações de transmissão e gerenciamento de indicadores de desempenho: visão geral Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 1.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

Submódulo Norma de Operação - Relacionamento Operacional

Submódulo Norma de Operação - Relacionamento Operacional Submódulo 10.5 Norma de Operação - Relacionamento Operacional Rev. N.º Motivo da Revisão 1 Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. 2 Esta revisão tem como motivo

Leia mais

Submódulo Norma de operação - Controle da Transmissão em Operação Normal

Submódulo Norma de operação - Controle da Transmissão em Operação Normal Submódulo 10.9 Norma de operação - Controle da Transmissão em Operação Normal Rev. N.º Motivo da Revisão 1 Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. 2 Esta revisão

Leia mais

Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência

Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução Normativa

Leia mais

Submódulo Relacionamento operacional

Submódulo Relacionamento operacional Submódulo 10.3 Relacionamento operacional Rev. Nº. 1.1 20XX.XX Motivo da revisão Adequação ao artigo nº 20 da Resolução Normativa ANEEL n o 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente da Audiência

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA INTEGRADA AOS CENTROS DE OPERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO (COS E COD) DA RIO GRANDE ENERGIA (RGE)

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA INTEGRADA AOS CENTROS DE OPERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO (COS E COD) DA RIO GRANDE ENERGIA (RGE) DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA INTEGRADA AOS CENTROS DE OPERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO (COS E COD) DA RIO GRANDE ENERGIA (RGE) Este case apresenta a aplicação da solução Elipse E3 na RGE, a partir dos requisitos

Leia mais

Definição de Soluções na Construção do Plano de Obras do SDMT - Planejamento Integrado do Sistema Elétrico de Distribuição da Cemig D

Definição de Soluções na Construção do Plano de Obras do SDMT - Planejamento Integrado do Sistema Elétrico de Distribuição da Cemig D XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil BERTONI DOS SANTOS JUNIOR Cicéli Martins Luiz CEMIG Distribuição S.A. CEMIG Distribuição

Leia mais

Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos

Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

Empresa Bandeirante de Energia S/A. Empresa Bandeirante de Energia S/A

Empresa Bandeirante de Energia S/A. Empresa Bandeirante de Energia S/A XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil James D. Silva Junior Fabricio Expedito Viana Mauricio Cristiano Ferreira Empresa Bandeirante

Leia mais

Submódulo Acompanhamento de manutenção de equipamentos e linhas de transmissão

Submódulo Acompanhamento de manutenção de equipamentos e linhas de transmissão Submódulo 16.2 Acompanhamento de manutenção de equipamentos e linhas de transmissão Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga:

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga: A diversidade de comportamento dos consumidores de energia elétrica é uma característica que ameniza variações bruscas na curva de carga do sistema. Mas o que pode acontecer se, em todo o país, todos os

Leia mais

4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 6. DESCRIÇÃO DA LÓGICA DE FUNCIONAMENTO:

4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 6. DESCRIÇÃO DA LÓGICA DE FUNCIONAMENTO: 1. ECE Nº 5.34.01 2. Esquema de Corte de Carga por sobrecarga nos Transformadores 230/69 kv 2X100MVA da SE Pici II. 3. EMPRESA RESPONSÁVEL. 4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 5. FINALIDADE: Para

Leia mais

10ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA 21 a 24 de setembro de 2004

10ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA 21 a 24 de setembro de 2004 10ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA 21 a 24 de setembro de 2004 AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES: PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CARGA EM SUBESTAÇÕES RETIFICADORAS DE SISTEMAS DE TRANSPORTE

Leia mais

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à

Leia mais

Submódulo 5.1. Consolidação da previsão de carga: visão geral

Submódulo 5.1. Consolidação da previsão de carga: visão geral Submódulo 5.1 Consolidação da previsão de carga: visão geral Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente da Audiência

Leia mais

Submódulo 5.5. Consolidação da previsão de carga para o planejamento anual da operação energética

Submódulo 5.5. Consolidação da previsão de carga para o planejamento anual da operação energética Submódulo 5.5 Consolidação da previsão de carga para o planejamento anual da operação energética Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto

Leia mais

PEA5918 Redes Elétricas Inteligentes e Microrredes (Smart Grids e Microgrids)

PEA5918 Redes Elétricas Inteligentes e Microrredes (Smart Grids e Microgrids) PEA5918 Redes Elétricas Inteligentes e Microrredes (Smart Grids e Microgrids) Métodos Avançados de Controle Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica

Leia mais

Automação Inteligente de Redes - Guarujá

Automação Inteligente de Redes - Guarujá XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Felipe Rover felipe.rover@elektro.com.br Daniel Nascimento daniel.nascimento@elektro.com.br

Leia mais

EXPLORAÇÃO DE RECURSOS DE AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES

EXPLORAÇÃO DE RECURSOS DE AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES EXPLORAÇÃO DE RECURSOS DE AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES COELBA SÉRGIO EDUARDO LESSA E SILVA INTRODUÇÃO A automação de subestações tem permitido a Coelba operação mais adequada do sistema elétrico, sem aporte

Leia mais

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº. 2.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 002/2011. Versão decorrente da Audiência Pública nº 020/2015.

Leia mais

Submódulo Estudos de comissionamento de instalações da rede de operação

Submódulo Estudos de comissionamento de instalações da rede de operação Submódulo 21.3 Estudos de comissionamento de instalações da rede de operação Rev. N.º 0.0 0.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento

Leia mais

Submódulo Relacionamento operacional

Submódulo Relacionamento operacional Submódulo 10.3 Relacionamento operacional Rev. Nº. 0.1 0.2 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Esta revisão tem como motivo a adequação

Leia mais

SOLUÇÃO SELF-HEALING DA ELIPSE SOFTWARE AGILIZA A RECOMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DA CEMAR

SOLUÇÃO SELF-HEALING DA ELIPSE SOFTWARE AGILIZA A RECOMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DA CEMAR SOLUÇÃO SELF-HEALING DA ELIPSE SOFTWARE AGILIZA A RECOMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DA CEMAR Em fevereiro deste ano (2015), a tecnologia permitiu recuperar, em apenas 10 segundos, 9.463 clientes de um

Leia mais

Submódulo 5.6. Consolidação da previsão de carga para a elaboração do Programa Mensal da Operação Energética

Submódulo 5.6. Consolidação da previsão de carga para a elaboração do Programa Mensal da Operação Energética Submódulo 5.6 Consolidação da previsão de carga para a elaboração do Programa Mensal da Operação Energética Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de

Leia mais

Submódulo 6.1. Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral

Submódulo 6.1. Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral Submódulo 6.1 Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

Croqui Digital e cadastramento automático de clientes ao sistema Georeferenciado

Croqui Digital e cadastramento automático de clientes ao sistema Georeferenciado XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Fábio José de Carvalho fabio.carvalho@cemig.com.br Lisandro Cunha de Souza lisandro.souza@cemig.com.br

Leia mais

Mario Augusto Zermiani AES Eletropaulo Metropolitana - Eletr. de São Paulo S.A.

Mario Augusto Zermiani AES Eletropaulo Metropolitana - Eletr. de São Paulo S.A. XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Mario Augusto Zermiani AES Eletropaulo Metropolitana - Eletr. de São Paulo S.A. mario.zermiani@aes.com

Leia mais

Melhorias na IHM dos Centros de Operação de Furnas. Eng. ELDER C. DINIZ CAMPOS

Melhorias na IHM dos Centros de Operação de Furnas. Eng. ELDER C. DINIZ CAMPOS Melhorias na IHM dos Centros de Operação de Furnas Eng. ELDER C. DINIZ CAMPOS Tópicos CENÁRIO OBJETIVOS DESTE TRABALHO; ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO; MELHORIAS IMPLANTADAS; COMPARAÇÃO TELAS ANTIGAS X NOVAS;

Leia mais

Gestão sobre deslocamentos improcedentes

Gestão sobre deslocamentos improcedentes XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Márcia Emi Miyashita Marques Christian Vitor Vilas Boas EDP Bandeirante EDP Bandeirante marcia.marques@datametrica.com.br

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC UTILIZAÇÃO DE PROTEÇÃO MÓVEL PARA LINHAS DE TRANSMISSÃO

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC UTILIZAÇÃO DE PROTEÇÃO MÓVEL PARA LINHAS DE TRANSMISSÃO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC - 06 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos

Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos Rev. Nº. 0.0 0.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

Submódulo Análise técnica dos serviços ancilares

Submódulo Análise técnica dos serviços ancilares Submódulo 21.9 Análise técnica dos serviços ancilares Rev. Nº. 0.0 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado em atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 115, de 29 de novembro de 2004. Versão

Leia mais

Submódulo Acompanhamento de manutenção: visão geral

Submódulo Acompanhamento de manutenção: visão geral Submódulo 16.1 Acompanhamento de manutenção: visão geral Rev. Nº. Motivo da revisão 1.0 Versão decorrente da Audiência Pública nº 049/2008, submetida para aprovação em caráter definitivo pela ANEEL. 2016.12

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 1 Estrutura da apresentação O SIN - Sistema Interligado Nacional Robustez do SIN Ações em curso para aprimorar

Leia mais

Implementação de chaves disjuntoras de 3 vias e TP s submersíveis para a redução de indisponibilidade dos sistemas subterrâneos reticulados e

Implementação de chaves disjuntoras de 3 vias e TP s submersíveis para a redução de indisponibilidade dos sistemas subterrâneos reticulados e Implementação de chaves disjuntoras de 3 vias e TP s submersíveis para a redução de indisponibilidade dos sistemas subterrâneos reticulados e seletivos Objetivo Demonstrar a aplicação de chaves disjuntoras

Leia mais

Nº do BISE: Emissão: (x) Rede de Operação ( ) Fora da Rede de Operação

Nº do BISE: Emissão: (x) Rede de Operação ( ) Fora da Rede de Operação Nº do BISE: Emissão: (x) Rede de Operação ONS 040/2017 05/09/2017 às 16h30 ( ) Fora da Rede de Operação Data e hora da ocorrência: GIE no SIN (N/NE): Classificação: 29/08/2017 à 15h48 4,00 Perturbação

Leia mais

Mariana Carneiro Fernandes Copel Distribuição S.A.

Mariana Carneiro Fernandes Copel Distribuição S.A. XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Mariana Carneiro Fernandes Copel Distribuição S.A. mariana.fernandes@copel.com O Uso da Proteção

Leia mais

Evolução nas Cabines Blindadas com a Nova Regulamentação da Light para ligações de Clientes em Média Tensão. Eng. Alexandre Morais

Evolução nas Cabines Blindadas com a Nova Regulamentação da Light para ligações de Clientes em Média Tensão. Eng. Alexandre Morais Evolução nas Cabines Blindadas com a Nova Regulamentação da Light para ligações de Clientes em Média Tensão Eng. Alexandre Morais Padrão de Cabine Primária para Entrada e Medição em Média Tensão no Rio

Leia mais

Submódulo 11.5 Diagnóstico dos Sistemas de Proteção e Controle das Instalações

Submódulo 11.5 Diagnóstico dos Sistemas de Proteção e Controle das Instalações Submódulo 11.5 Diagnóstico dos Sistemas de Proteção e Controle das Instalações Rev. N.º Motivo da Revisão 0 Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico 1 Adequação

Leia mais

César Maldonado Rodrigues Augusto César dos Passos e Silva

César Maldonado Rodrigues Augusto César dos Passos e Silva XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil César Maldonado Rodrigues Augusto César dos Passos e Silva CPFL PIRATININGA cmaldonado@cpfl.com.br

Leia mais

Submódulo Gestão de indicadores para avaliação de desempenho de equipamentos e linhas de transmissão na perspectiva da manutenção

Submódulo Gestão de indicadores para avaliação de desempenho de equipamentos e linhas de transmissão na perspectiva da manutenção Submódulo 16.3 Gestão de indicadores para avaliação de desempenho de equipamentos e linhas de transmissão na perspectiva da manutenção Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado

Leia mais

Submódulo 9.2. Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional

Submódulo 9.2. Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional Submódulo 9.2 Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional Rev. Nº. 0.0 0.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional

Leia mais

Submódulo 1.2. Guia de Elaboração dos Procedimentos de Rede

Submódulo 1.2. Guia de Elaboração dos Procedimentos de Rede Submódulo 1.2 Guia de Elaboração dos Procedimentos de Rede Rev. N.º Motivo da Revisão 0 Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Data de Aprovação pelo CA Data

Leia mais

Submódulo Coleta de dados de medição para faturamento

Submódulo Coleta de dados de medição para faturamento Submódulo 12.4 Coleta de dados de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 0.1 0.2 Este documento foi motivado pela

Leia mais

Submódulo Análise técnica dos serviços ancilares de suporte de reativos, controle secundário de frequência e autorrestabelecimento integral

Submódulo Análise técnica dos serviços ancilares de suporte de reativos, controle secundário de frequência e autorrestabelecimento integral Submódulo 21.9 Análise técnica dos serviços ancilares de suporte de reativos, controle secundário de frequência e autorrestabelecimento integral Rev. Nº. 1.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO USO DOS RECURSOS DE GERAÇÃO DISPONÍVEIS PARA O CAG CONTROLE AUTOMÁTICO DE GERAÇÃO

OTIMIZAÇÃO DO USO DOS RECURSOS DE GERAÇÃO DISPONÍVEIS PARA O CAG CONTROLE AUTOMÁTICO DE GERAÇÃO O CAG CONTROLE AUTOMÁTICO DE GERAÇÃO Autores: Roberto Gomes Peres Junior ONS Sérgio Luiz de Azevedo Sardinha ONS Ailton Andrade ONS 2 CONCEITUAÇÃO BÁSICA Margem de regulação: módulo da diferença entre

Leia mais

ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016

ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016 ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016 Revisões do relatório Minuta emitida em 22/09/2016 Seção páginas descrição Versão Final

Leia mais

Submódulo Elaboração do Relatório Preliminar de Ocorrências RPO

Submódulo Elaboração do Relatório Preliminar de Ocorrências RPO Submódulo 22.2 Elaboração do Relatório Preliminar de Ocorrências RPO Rev. N.º Motivo da Revisão 0 Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Data de Aprovação pelo

Leia mais

PROJ+ CÁLCULO ELÉTRICO

PROJ+ CÁLCULO ELÉTRICO PROJ+ CÁLCULO ELÉTRICO ELABORAÇÃO: Eng Fabrício Luis Silva Téc. Charles Pacheco Alves DT - Setor de Normatização Técnica Página 1 de 7 1 1. INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo orientar os usuários

Leia mais

Desafio da operação do SIN frente às tempestades severas X estado-da-arte das informações meteorológicas para essa tarefa

Desafio da operação do SIN frente às tempestades severas X estado-da-arte das informações meteorológicas para essa tarefa Desafio da operação do SIN frente às tempestades severas estado-da-arte das informações meteorológicas para essa tarefa Marco Antonio Rodrigues Jusevicius Desafio de operar uma infraestrutura como o SIN

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

Transferência Automática de carga da rede MT, via Sistema Supervisório. Adelson Vivaldi Alan Wiener Cassiano Maroquio Elias Freire de Azeredo

Transferência Automática de carga da rede MT, via Sistema Supervisório. Adelson Vivaldi Alan Wiener Cassiano Maroquio Elias Freire de Azeredo XIX eminário acional de Distribuição de Energia Elétrica EDI 2010 22 a 26 de novembro ão Paulo - P - Brasil Transferência Automática de carga da rede MT, via istema upervisório. Adelson Vivaldi Alan Wiener

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Software Computacional de Perdas Técnicas de Energia PERTEC

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Software Computacional de Perdas Técnicas de Energia PERTEC XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Software Computacional de Perdas Técnicas de Energia PERTEC Franco Pavan Ingrid Lourenço

Leia mais

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº. 0.0 0.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

Ferramentas e Estratégias para Garantir Performance e Segurança na Operação da AES Sul.

Ferramentas e Estratégias para Garantir Performance e Segurança na Operação da AES Sul. XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Ferramentas e Estratégias para Garantir Performance e Segurança na Operação da AES

Leia mais

SEP sistêmico para controle de sobrecargas

SEP sistêmico para controle de sobrecargas XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil André Katayama dos Santos Copel Distribuição S.A. andre.katayama@copel.com Anderson Teruya

Leia mais

Submódulo Recuperação de indicadores de desempenho em faixas de alerta ou insatisfatória na perspectiva da manutenção

Submódulo Recuperação de indicadores de desempenho em faixas de alerta ou insatisfatória na perspectiva da manutenção Submódulo 16.4 Recuperação de indicadores de desempenho em faixas de alerta ou insatisfatória na perspectiva da manutenção Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação

Leia mais

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 2009/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT- 016/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MANOBRA ENCADEADA PARA RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA CPFL

X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MANOBRA ENCADEADA PARA RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA CPFL X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MANOBRA ENCADEADA PARA RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA CPFL Fredner Leandro Cardoso CPFL Paulista Campinas SP RESUMO Manobra Encadeada é um sistema de manobras

Leia mais

Submódulo Revitalização das instalações do Sistema Interligado Nacional

Submódulo Revitalização das instalações do Sistema Interligado Nacional Submódulo 21.10 Revitalização das instalações do Sistema Interligado Nacional Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi motivado

Leia mais

ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIA POR CLP DA INTERLIGACÁO NORTE/SUDESTE CENTRO OESTE E SISTEMA DE 500 KV ASSOCIADO A UHE DE SERRA DA MESA

ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIA POR CLP DA INTERLIGACÁO NORTE/SUDESTE CENTRO OESTE E SISTEMA DE 500 KV ASSOCIADO A UHE DE SERRA DA MESA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT - 20 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT ESQUEMA

Leia mais

Submódulo 11.5 Diagnóstico dos sistemas de proteção e controle

Submódulo 11.5 Diagnóstico dos sistemas de proteção e controle Submódulo 11.5 Diagnóstico dos sistemas de proteção e controle Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

Cordilheira Sistema Contábil 2.85a Conciliação Contábil

Cordilheira Sistema Contábil 2.85a Conciliação Contábil LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2 (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando

Leia mais

CHAVE EVIA PEDESTAL USO EXTERNO ELOS 1- APRESENTAÇÃO. 2- OPERAÇÃO 2.1- chave seccionadora 2.2- chave fusível 2.3- chave disjuntora 3- CONFIGURAÇÕES

CHAVE EVIA PEDESTAL USO EXTERNO ELOS 1- APRESENTAÇÃO. 2- OPERAÇÃO 2.1- chave seccionadora 2.2- chave fusível 2.3- chave disjuntora 3- CONFIGURAÇÕES CHAVE EVIA PEDESTAL USO EXTERNO 1- APRESENTAÇÃO 2- OPERAÇÃO 2.1- chave seccionadora 2.2- chave fusível 2.3- chave disjuntora 3- CONFIGURAÇÕES 4- DIMENSIONAL 5- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS 6- ITENS OPCIONAIS

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO SEP. Usina hidrelétrica de Tucuruí no Pará - Fonte:www.skyscrapercity.com/showthread.php?t= ( h)

ORGANIZAÇÃO DO SEP. Usina hidrelétrica de Tucuruí no Pará - Fonte:www.skyscrapercity.com/showthread.php?t= ( h) ORGANIZAÇÃO DO SEP Usina hidrelétrica de Tucuruí no Pará - Fonte:www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=493397 (16-09-09 14h) O QUE É SEP? Sistema Elétrico de Potência (SEP): É conjunto das instalações

Leia mais

ELEKTRO - Eletricidade e ServIços S.A

ELEKTRO - Eletricidade e ServIços S.A XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Gustavo Ortenzi ELEKTRO - Eletricidade e ServIços S.A gustavo.ortenzi@elektro.com.br Marco

Leia mais

PROJETO DE REJEIÇÃO DE CARGA EM SISTEMA DE GERAÇÃO DE ENERGIA

PROJETO DE REJEIÇÃO DE CARGA EM SISTEMA DE GERAÇÃO DE ENERGIA PROJETO DE REJEIÇÃO DE CARGA EM SISTEMA DE GERAÇÃO DE ENERGIA SCURA, José Dirlei 1 1 Acadêmico do curso de graduação em Engenharia Elétrica da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva FAIT RESUMO

Leia mais

Gerenciamento de Desligamento e Religação por Falta de Pagamento - WGDL

Gerenciamento de Desligamento e Religação por Falta de Pagamento - WGDL 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Gerenciamento de Desligamento e Religação por Falta de Pagamento - WGDL Adm. João Alan Haddad CEMIG Distribuição S. A jahaddad@cemig.com.br Adm. João Baptista

Leia mais

Submódulo Indicadores para gestão do Operador Nacional do Sistema Elétrico

Submódulo Indicadores para gestão do Operador Nacional do Sistema Elétrico Submódulo 25.13 Indicadores para gestão do Operador Nacional do Sistema Elétrico Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Atendimento à Resolução

Leia mais

Submódulo 9.2. Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional

Submódulo 9.2. Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional Submódulo 9.2 Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador

Leia mais

SANTA MARIA Empresa Luz e Força Santa Maria S.A. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF)

SANTA MARIA Empresa Luz e Força Santa Maria S.A. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF) PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF) JUNHO/2016 SUMÁRIO 1- OBJETIVO 2- REFERÊNCIAS 3- PROCESSO DE MIGRAÇÃO 4- RESPONSABILIDADES DO CONSUMIDOR 5- RESPONSABILIDADES DA

Leia mais

MANUAL Pedidos On-Line

MANUAL Pedidos On-Line MANUAL Pedidos On-Line ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 O QUE É PEDIDOS ON-LINE... 3 QUEM PODE UTILIZAR... 3 COMO OBTER AUTORIZAÇÃO PARA ACESSO... 4 ACESSANDO O PEDIDOS ON-LINE... 5 COMO REGISTRAR UM PEDIDO... 7

Leia mais

Submódulo Estudos pré-operacionais de integração de instalações da Rede de Operação

Submódulo Estudos pré-operacionais de integração de instalações da Rede de Operação Submódulo 21.2 Estudos pré-operacionais de integração de instalações da Rede de Operação Rev. Nº. 1.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 049/2008, submetida para aprovação

Leia mais

Única distribuidora de energia do Maranhão. Aproximadamente 2 milhões de clientes em todo o Estado.

Única distribuidora de energia do Maranhão. Aproximadamente 2 milhões de clientes em todo o Estado. Única distribuidora de energia do Maranhão. Aproximadamente 2 milhões de clientes em todo o Estado. 88% dos clientes são residenciais, sendo que destes 70% são baixa renda. Consumo Médio Residencial: 93

Leia mais

Submódulo Requisitos de telecomunicações

Submódulo Requisitos de telecomunicações Submódulo 13.2 Requisitos de telecomunicações Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional

Leia mais

Submódulo 3.1. Acesso aos Sistemas de Transmissão Introdução e Conceituação

Submódulo 3.1. Acesso aos Sistemas de Transmissão Introdução e Conceituação Submódulo 3.1 Acesso aos Sistemas de Transmissão Introdução e Conceituação Rev. N.º Motivo da Revisão 0 Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. 1 Adequação à

Leia mais

Submódulo Acompanhamento da Execução dos Processos Operativos

Submódulo Acompanhamento da Execução dos Processos Operativos Submódulo 10.16 Acompanhamento da Execução dos Processos Operativos Rev. N.º Motivo da Revisão 1 Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. 2 Esta revisão tem como

Leia mais

SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR)

SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR) Nº Comité de Estudio: 11 Nº IV SESEP: CE.11.08e SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR) Irineu J. V. Finato ITAIPU BINACIONAL Ricardo Gonzalez Jacques ITAIPU BINACIONAL Edeltraut Eyng Thiel ITAIPU BINACIONAL

Leia mais

AES Eletropaulo Metropolitana Eletr. de São Paulo S.A.

AES Eletropaulo Metropolitana Eletr. de São Paulo S.A. XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Bruno Hideki Nakata Izabel Cristina Pires Mayra Sayumi Hoshina Sinapsis Inovação em Energia

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA

AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA 1 Introdução/recordação Sistemas de Potência Os sistemas de potência são divididos em três zonas funcionais para fins de planejamento, operação e análise: geração,

Leia mais

Análise do ilumina sobre o apagão de 10 de novembro de 2009

Análise do ilumina sobre o apagão de 10 de novembro de 2009 Análise do ilumina sobre o apagão de 10 de novembro de 2009 ILUMINA. Análise do ilumina sobre o apagão de 10 de novembro de 2009. Disponível em http://www.ilumina.org.br/zpublisher/materias/noticias_comentadas.asp?id=19494

Leia mais

A Experiência da CTEEP na Utilização de Simuladores de Operação de Sistemas de Energia Elétrica IRAN PEREIRA DE ABREU

A Experiência da CTEEP na Utilização de Simuladores de Operação de Sistemas de Energia Elétrica IRAN PEREIRA DE ABREU A Experiência da CTEEP na Utilização de Simuladores de Operação de Sistemas de Energia Elétrica IRAN PEREIRA DE ABREU O Simulador de Treinamento de Operadores da CTEEP 2 O Simulador de Treinamento de Operadores

Leia mais

XVI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI Código da Contribuição Técnica: 287 Brasília, Dezembro de 2004

XVI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI Código da Contribuição Técnica: 287 Brasília, Dezembro de 2004 XVI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI - 2004 Código da Contribuição Técnica: 287 Brasília, Dezembro de 2004 TÍTULO DO TRABALHO: CHAVE REVERSORA ESPECIAL 5.100. Porto Alegre,

Leia mais

SBQEE 97 - II Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica. Gestão Informatizada da Operação do Sistema ELETRONORTE

SBQEE 97 - II Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica. Gestão Informatizada da Operação do Sistema ELETRONORTE SBQEE 97 - II Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica Gestão Informatizada da Operação do Sistema ELETRONORTE João Odilon Freitas e Silva Ulisses Gomes Galvão Florisvaldo Martins Luís

Leia mais

SINACOR TESOURARIA PROCESSOS CLIENTES. Classificação das Informações. Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público 6/6/2016

SINACOR TESOURARIA PROCESSOS CLIENTES. Classificação das Informações. Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público 6/6/2016 SINACOR TESOURARIA PROCESSOS CLIENTES Classificação das Informações 6/6/2016 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 Conceitos... Erro! Indicador não definido. 2 Regras de utilização...

Leia mais

Apresentação Procedimentos iniciais Desdobrar... 3

Apresentação Procedimentos iniciais Desdobrar... 3 Sumário Apresentação... 1 1. Procedimentos iniciais... 1 2. Desdobrar... 3 Apresentação Esta rotina tem como objetivo permitir o desdobramento por agrupamento de vários títulos em apenas um, que tenham

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais

Tiago Luft 2. Aluno Especial Mestrado UFSM.

Tiago Luft 2. Aluno Especial Mestrado UFSM. AVALIAÇÃO DA CONFIABILIDADE DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM ALOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO E MANOBRA 1 EVALUATION OF DISTRIBUTION NETWORK RELIABILITY WITH ALLOCATION OF PROTECTION AND MANEUVERING EQUIPMENT

Leia mais

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN DURANTE O PERÍODO DO CARNAVAL 2010

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN DURANTE O PERÍODO DO CARNAVAL 2010 OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN DURANTE O PERÍODO DO CARNAVAL 2010 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax

Leia mais

Manual Grupo Módulos INTsys Crm. Atualização (Abril/2016)

Manual Grupo Módulos INTsys Crm. Atualização (Abril/2016) Manual Grupo Módulos INTsys Crm Atualização (Abril/2016) 2 Passo a Passo INTsys Crm ÍNDICE ACESSO AO SISTEMA...03 DASHBOARD...04 1.1 CLIENTES Usuários...04 1.2 CLIENTES Usuários x Acessos...06 2.1 FOLHA

Leia mais