FATOR INFLUENTE NA PRODUTIVIDADE DE BLOCOS DE CONCRETO: ALVENARIA MODULAR NO PROCESSO CONSTRUTIVO ALVENARIA ESTRUTURAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FATOR INFLUENTE NA PRODUTIVIDADE DE BLOCOS DE CONCRETO: ALVENARIA MODULAR NO PROCESSO CONSTRUTIVO ALVENARIA ESTRUTURAL"

Transcrição

1 I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO julho 2004, São Paulo. ISBN FATOR INFLUENTE NA PRODUTIVIDADE DE BLOCOS DE CONCRETO: ALVENARIA MODULAR NO PROCESSO CONSTRUTIVO ALVENARIA ESTRUTURAL Arnaldo da Silva Ramos (1), Débora de Gois Santos (2), Tatiana Gondim do Amaral (3), Luiz Fernando M. Heineck (4), Humberto Ramos Roman (5) (1) Eng. Civil, Mestre em Engenharia Civil UFSC. (2) Eng. Civil, Msc. Eng. Civil, Doutoranda em Engenharia de Produção UFSC, (3) Eng. Civil, Msc. Eng. Civil, Doutoranda em Engenharia de Civil UFSC, (4) Eng. Civil, Prof. do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção UFSC, (5) Eng. Civil, Prof. do Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil UFSC, RESUMO O artigo apresenta as discussões e resultados de uma dissertação desenvolvida no grupo de Alvenaria Estrutural da Universidade Federal de Santa Catarina/Brasil. Neste se analisa a produtividade da alvenaria, por ser o serviço mais abundante no processo construtivo e que possui maior influência sobre o produto final, quer seja em termos estruturais, arquitetônicos ou gerenciais. Para tanto, investiga-se e avalia-se a influência da modulação adotada como fator interferente na produtividade do assentador de blocos. O objetivo foi determinar, por intermédio desta influência, as relações diretas destes fatores com a estimativa e controle de custos e gerenciamento dos recursos de produção. Analisaram-se então as modulações de 30 e 40 cm, por serem as mais utilizadas no mercado pesquisado, e pela sua disponibilidade. Estes fatores foram monitorados para as modulações por meio do acompanhamento da produtividade dos operários envolvidos, com relação ao detalhamento de projeto, treinamento dos operários, layout da obra, modulação e densidade de alvenaria. Pesquisaramse oito obras, quatro de cada modulação, no período de janeiro de 1995 a setembro de 2000, e constatou-se que As tipologias de edificações construídas na modulação de 30 cm apresentaram melhores índices que as de 40 cm. Palavras-chaves: produtividade, modulação, treinamento dos operários. 1. INTRODUÇÃO A alvenaria estrutural foi introduzida no Brasil nos anos 60, logo esta é de aplicação recente. Desta forma, o artigo se propõe a estudar os fatores intervenientes da produtividade para esta tecnologia construtiva, uma vez que os registros no país são incipientes. Os dados de produtividade existentes no Brasil são obtidos das formas mais diversas, tornando-se difícil à comparação entre autores. Assim como, os dados de produtividade internacionais apresentam considerações de coleta diferenciadas. Sendo assim, adotou-se a comparação entre modulações diferentes para avaliar o desempenho de obras em blocos de concreto. Deve-se ressaltar que para as modulações escolhidas existem soluções e particularidades próprias a cada empreendimento. Dentre estes fatores influentes pode-se citar o treinamento dos operários, devido à introdução de inovações tecnológicas, que requer capacitação dos operários para seu manuseio, pois a produtividade na construção também tem sido tradicionalmente um fator de preocupação por parte do setor produtivo, pelos baixos índices de eficiência de mão-de-obra (RODRIGUEZ, 1992). Pois, a mão-de-obra necessita dominar as técnicas referentes ao assentamento de blocos de concreto, como forma de contribuir para a melhoria da produtividade e também para consolidar a alvenaria estrutural como um sistema eficiente de construção predial.

2 A pesquisa foi realizada nas cidades de Florianópolis, São José, Barra Velha e Balneário Camboriú, localizadas na região sul do Brasil, estado de Santa Catarina. Estudou-se uma única empresa de fornecimento de mão-de-obra, como forma de homogeneizar os dados de produtividade coletados. 2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2.1. Produtividade A produtividade é um indicador de desempenho da construção. Deste modo, sua medida determina o quão próximo da racionalização produtiva encontra-se um empreendimento. Segundo Oliveira et al. (1998), quando se fala em índices de produtividade está referindo-se ao número de produtos produzidos em um determinado tempo por um operário. Como exemplo, tem-se a medição do número de metros quadrados de alvenaria executada por um pedreiro em um determinado período. Conforme Marchiori (1998), a maior dificuldade ao se estudar a produtividade é entender o contexto no qual ela foi obtida. As variabilidades nas taxas de produtividade são barreiras para entender o desempenho da mão-de-obra e principalmente para prever desempenhos futuros, ao mesmo tempo em que estas variabilidades retratam com fidelidade as turbulências da produção. No item seguinte tem-se uma explanação dos fatores que interferem na produtividade da construção civil. Neste contexto, vale ressaltar que o fato de se trabalhar com uma única empresa elimina uma restrição ao índice, pois os operários envolvidos passam a ter o mesmo nível de treinamento Fatores intervenientes na produtividade De acordo com Thomas e Smith (1990 apud ARAÚJO; SOUZA, 2000), existem dois grupos de fatores principais que afetam a produtividade. Um destes se refere ao trabalho que precisa ser feito, estando relacionado aos componentes físicos do trabalho, especificações exigidas, detalhes de projeto entre outros; estes se relacionam ao conteúdo do trabalho. O outro grupo de fatores está ligado ao ambiente de trabalho e como este é organizado e gerenciado. Como referenciado anteriormente, os fatores que afetam a produtividade apresentam dificuldades operacionais para a sua apropriação ou medição, isto procura ser solucionado pelo controle e gerenciamento destes, como forma de controlar os índices de produtividade. Pode-se destacar, então, os fatores: gerenciais; de trabalho e ambiente; de projeto; e relacionados aos recursos (PICCHI, 1993) Componentes físicos Este item corresponde às modulações de 30 e 40 cm acompanhadas neste trabalho. Para a modulação de 40 cm o módulo básico considerado na elaboração de projetos é de 20 cm, ou seja, relaciona-se ao comprimento das paredes, aberturas e vãos que deverão ser múltiplos desta medida. Seus principais elementos componentes encontram-se na figura 1.

3 Figura 1: Elementos componentes da modulação de 40 cm. Nesta modulação existem blocos com largura de 20 cm e comprimento de 40 cm, racionalizando a modulação no encontro de paredes. Entretanto, estes elementos possuem custo elevado, sendo utilizados somente para atender necessidades estruturais. Neste caso, adota-se soluções como a observada na figura 2. Figura 2: Soluções para o encontro de paredes com grampos nos blocos grauteados. Na modulação de 30 cm o modulo básico é de 15 cm, ou seja, neste caso o comprimento das paredes, as aberturas e os vãos deverão ser múltiplos desta medida. Seus elementos componentes podem ser observados na figura 3.

4 Figura 3: Elementos componentes da modulação de 30 cm. Neste caso, tem-se 5 mm de espaçamento entre cada elemento estrutural. Pela concepção desta modulação não se utiliza argamassa de assentamento nas juntas verticais. Esta prática é polêmica e discutida por muitos autores, alguns são favoráveis e outros não (RAMOS, 2001) Ferramentas e componentes auxiliares Conforme Ramos (2001), no conjunto de ferramentas e componentes, que contribuem para a melhoria do processo produtivo, podem-se destacar: vergas pré-moldadas, escadas pré-moldadas, contramarcos em argamassa armada, escantilhões metálicos, carrinhos de transporte de blocos, suporte metálico para argamasseira, ferramentas para assentamento de argamassa, nível alemão e nível a laser, régua de prumo e nível, andaime metálico, esquadro metálico e carrinho porta pallet Mão-de-obra Conforme Picchi (1993), a especialização da mão-de-obra é fator primordial para a obtenção de índices satisfatórios de produtividade e qualidade final do produto. Porém, no setor da construção civil estes operários apresentam alta rotatividade, elevado índice de acidentes do trabalho e insatisfação no desempenho de suas funções. Estas atitudes levam o autor a concluir que existe, de maneira geral, um desenvolvimento da função de recursos humanos bem aquém das necessidades do subsetor. Mutti (1995), diante desta realidade, relata que existe no setor escassez de mão-de-obra especializada (qualificada), resultando em produtos de baixa qualidade. Esta situação ocorre devido a retrabalhos para consertar defeitos de construção que, muitas vezes, não chegam a ser diretamente observados no produto final, mas causam grande desperdício de material de construção e pouca eficiência no emprego da mão-de-obra ao longo do processo construtivo. Desta forma, para minimizar o problema as empresas devem insistir no treinamento da mão-de-obra, como principal caminho para se atingir maior produtividade e qualidade. Neste contexto, Maia (1994) afirma que em se tratando de qualidade, a educação e o treinamento são a base para proporcionar o crescimento do ser humano. O primeiro é utilizado basicamente para sensibilizar os trabalhadores a respeito dos desperdícios, da necessidade de melhorar a qualidade e aumentar a produtividade e mostrar os benefícios para eles e para a empresa; e o segundo para fornecer técnicas, ferramentas, enfim subsídios, para que se reduzam os desperdícios, melhore a qualidade, aumente a produtividade e obtenham-se os benefícios desejados. Como solução para o aumento da produtividade, Heineck (1991) sugere que este é obtido a partir de esforços simultâneos em nível de efeito aprendizagem, continuidade e concentração. Estes efeitos partem do princípio de que se o trabalho for apenas apresentado em grandes quantidades, de forma repetitiva, e não houver interrupção na sua execução, naturalmente obtém-se maiores produtividades pelo treinamento do trabalhador, desenvolvimento de máquinas e ferramentas de apoio e pela possibilidade de ganhos elevados. Se existir em paralelo algum sistema de retribuição do esforço do trabalhador, estes ganhos de produtividade podem situar-se na ordem de 50%.

5 Junto ao treinamento da mão-de-obra, para o desempenho de suas funções com qualidade, faz-se necessário a atenção às relações humanas em canteiro e a motivação para o trabalho. Conforme Scardoelli et al. (1994), existe uma forte relação entre a produtividade e a qualidade, assim como entre a qualidade dos processos e a motivação e habilidade dos operários. Por esta razão, as ações voltadas para a melhoria das condições do trabalho, valorização do trabalhador e engajamento dos mesmos nas metas da organização, têm uma importância fundamental para a melhoria do desempenho do setor. Para motivar o operário pode-se utilizar a administração participativa. Esta resulta em melhor organização das tarefas, condições mais humanas de trabalho e uma crescente satisfação no serviço. Uma outra possibilidade seria procurar motivar os operários por meio de cursos ou palestras. Neste caso, deve-se procurar sempre uma pessoa fora da empresa para agir como agente motivador, pois os operários vão sentir-se mais à vontade e seguros para expressar suas necessidades (NEVES, 1996) Layout da obra Um outro fator que influencia a produtividade é o layout da obra que, segundo Moore (1962 apud OLIVEIRA; LEÃO, 1997), quando a obra apresenta um projeto de layout ótimo há uma máxima satisfação para todas as partes envolvidas, atingindo os seguintes objetivos: simplificação total, minimização dos custos de movimentação de materiais, implementação de alta rotatividade do trabalho em processo, provisão da efetiva utilização do espaço, provisão da satisfação e segurança do trabalhador, evita o uso de investimentos desnecessários de capital, além de estímulo da efetiva utilização da mão-de-obra Projeto Este item trata do projeto executivo, como fator interveniente, onde, segundo Parkinson e Curtin (1990 apud MEDEIROS, 1993), é preferível ter-se um número grande de informações no projeto, mesmo que repetidas, do que informações resumidas e incompletas, ainda que a precisão e a qualidade dos detalhes sejam condições fundamentais para garantir a qualidade da mão-de-obra na execução da tarefa Retrabalho Este fator é oriundo de movimentações indesejáveis em uma obra. Conforme Piggot (1974), este pode ocorrer devido: à natureza da operação, às implicações de projeto, à falta de material, aos retrabalhos e à organização do trabalho insatisfatória. Ele se refere aos estoques e problemas relacionados com o projeto. No trabalho do autor indica-se que estes causaram menos de 10% do número total de interrupções e ainda que os retrabalhos e problemas operacionais foram responsáveis por mais de 88% do número total de interrupções. Quando o retrabalho ocorre causa interrupções no fluxo do trabalho e, segundo Heineck (1991), causa um desaprendizado, um retorno a um patamar de produtividade inferior. Com a identificação destes fatores inibidores da produtividade, relacionados anteriormente, procedeuse a elaboração da metodologia para a coleta de dados em obra. 3. METODOLOGIA Devido ao fato das condições incertas de um projeto de construção resultar em queda de produtividade, optou-se por trabalhar com uma única empresa, possibilitando que as obras estudadas possuíssem características semelhantes no sistema construtivo adotado, permitindo, desta forma, o estudo comparativo das mesmas. Conforme Halligan et al. (1994), dentre estas condições incertas pode-se destacar o tempo adverso, as horas extras e a falta de material. Ao optar por uma única empresa foi possível garantir o equilíbrio dos fatores intervenientes do processo construtivo; ou seja, a similaridade entre as obras estendia-se às características físicas dos canteiros de obra, às equipes pelo grau de treinamento, aos equipamentos disponíveis, à forma de pagamento dos operários, bem como ao fato das equipes terem oportunidade de trabalhar com ambas as modulações estudadas.

6 Para a coleta dos dados foram escolhidas quatro obras realizadas com a modulação de 40 cm e outras quatro com a de 30 cm, conforme tabela 1. Tabela 1: Caracterização das obras pesquisadas. Obra Local Área construída (m 2 ) Área de alvenaria/ pav. (m 2 ) Pavimentos tipo 40/01 São José 3.858,00 933, /02 São José 1.800,00 956, /03 40/04 Florianópol is Florianópol is 2.300,00 661,35 4 Observações Obra adaptada para alvenaria estrutural; com pilotis em concreto armado; possui paredes a 45 0 e juntas verticais para variação de espessura. Obra adaptada para alvenaria estrutural; possui paredes a 45 0 e juntas verticais para variação de espessura. Possui subsolo e térreo em estrutura convencional; obra adaptada para alvenaria estrutural; e possui juntas verticais para variação de espessura , ,00 6 Possui pilotis no térreo. 30/01 São José 1.396,99 468,18 4 Possui pilotis no térreo. 30/02 30/03 30/04 Barra Velha Balneário Camboriú Florianópol is 2.350,00 656,23 4 São dois blocos ,00 375,73 6 Possui pilotis ,00 875,08 4 Possui subsolo e térreo em estrutural convencional. As equipes pesquisadas eram homogêneas em seu treinamento. No caso da necessidade de aumento do grupo de trabalho procurava-se mesclar funcionários treinados com operários em treinamento. Desta forma, a familiarização do profissional era mais rápida e a qualidade do serviço não sofria alterações (RAMOS, 2001). Ainda, segundo o autor, a empresa permitia que serventes fossem gradativamente se familiarizando com o assentamento de blocos, ao ajudar os pedreiros. Deste modo, os operários que se destacaram foram treinados para trabalhar como assentadores de bloco. Esta prática motivava os serventes que almejavam profissionalizar-se. Para a coleta de dados foram utilizadas planilhas de acompanhamento, com dados técnicos para a realização do serviço; registros de filmagens e de fotografias; e registros em diários de obras. O trabalho foi realizado de forma a evitar que os operários ficassem temerosos ou se sentissem pressionados. Desta forma, o levantamento era realizado como procedimento de rotina. Os índices obtidos não eram informados durante o andamento dos serviços. Deve-se destacar que o tempo gasto com retrabalho não era descontado do tempo utilizado para cálculo dos índices de produtividade. Com relação às planilhas de acompanhamento, considerou-se apenas a equipe direta, ou seja, os pedreiros diretamente envolvidos com a colocação dos blocos de concreto, desprezando-se o tempo relativo à equipe de apoio. Os tempos improdutivos considerados na coleta estavam relacionados à chuva, à falta de materiais e de definição executiva e a alterações de projeto; todos estes tempos foram descontados no total de horas gastas. Considerou-se, ainda, a existência em canteiro de: locais de armazenagem para ferramentas, facilidade para estocagem de insumos, facilidade de transporte de materiais, distâncias de transporte, limpeza do

7 local de trabalho e segurança do canteiro. Para a avaliação do índice calculou-se a produtividade média da equipe durante a execução da alvenaria de um pavimento tipo. Cada índice foi avaliado, verificando-se os fatores que poderiam interferir positiva ou negativamente no desempenho. Feitas às considerações para a coleta de dados têm-se no item seguinte a apresentação dos resultados para os empreendimentos pesquisados. 4. RESULTADOS 4.1. Análise geral dos dados Segundo Ramos (2001), foram observadas particularidades no projeto de modulação da alvenaria, que influenciaram no ritmo de execução dos trabalhos. Destas pode-se destacar: Para a modulação de 40 cm: - Existência de paredes a 45 0 : as obras com essa modulação apresentaram esta característica, por possuírem projetos mais antigos. Neste caso, não havia a opção de utilizar blocos especiais para paredes a 45 0 ; - Juntas verticais diferenciadas: novamente para as obras com essa modulação ocorreu que as espessuras das juntas verticais tiveram que ser alteradas para atender às medidas do projeto; - Utilização de grampos nos encontros de paredes: isto aconteceu quando a modulação não fechava em todos os pontos do projeto; - Corte de blocos: esta prática não condiz com os princípios básicos de alvenaria estrutural. Porém, casualmente, este procedimento foi adotado para propiciar a passagem de prumadas hidráulicas ou elétricas; - Utilização de bolachas: essas peças complementares, de pequeno tamanho quando comparadas a um bloco, foram utilizadas em paredes onde as diferenças dimensionais da modulação eram muito grandes para serem absorvidas pelas juntas verticais. Para a modulação de 30cm: - Inexistência de adaptações: esta situação ocorreu para as obras com modulação de 30 cm, onde a escolha do sistema construtivo deu-se antes da elaboração do projeto arquitetônico. Neste caso trabalhou-se sem adaptação; - Peças pré-moldadas: a utilização de peças pré-moldadas possibilitou a redução de uma série de serviços que seriam necessários para atingir o mesmo resultado. Para ambas modulações: - Mudança de resistência dos blocos: para ambas modulações não ocorreram nas edificações pesquisadas mudanças na resistência dos blocos. Tal mudança seria registrada na forma de alterações na resistência dos blocos no decorrer da obra, no caso deveria ter maior cuidado no fornecimento e gerenciamento dos materiais envolvidos. O gabarito mais elevado de obra ocorreu para a obra 40/01 que possuía sete pavimentos, mas não foi necessário mudanças na resistência. Ainda segundo o autor, a empresa analisada possuía uma forma de pagamento em função da produção das equipes de trabalho. Os profissionais que possuíam faltas, no período da atividade alvenaria, eram punidos financeiramente, tendo sua participação reduzida no montante dos ganhos. Esse procedimento reduzia o absenteísmo no decorrer da elevação das paredes de alvenaria, sendo adotado em todas as obras analisadas. De acordo com Ramos (2001), observou-se durante os trabalhos que a produtividade da equipe era influenciada negativamente quando os profissionais passavam a trabalhar em altura com andaimes; devido à fadiga dos operários na jornada de trabalho, pelo peso dos blocos; como também pelos fatores climáticos como calor, vento e chuvas.

8 4.2. Índice de produtividade em obra Procedeu-se a comparação entre os valores das obras pesquisadas, com relação à influência da modulação na produtividade. Deve-se lembrar que tal fato foi possível devido ao controle nos demais fatores intervenientes do desempenho, mantendo-os o mais constante possível. Na tabela 2 têm-se os valores de produtividade média para as obras pesquisadas, bem como a relação de densidade de alvenaria para cada uma destas. Obra Tabela 2: Índice médio de produtividade por obra e de densidade de alvenaria. Modulação de 40 cm m 2 de alvenaria/m 2 de laje Modulação de 30 cm m 2 /HH Obra m 2 de alvenaria/m 2 de laje m 2 /HH 40/01 2,1325 1, /01 1,8709 1, /02 2,2590 1, /02 2,3278 1, /03 2,0440 1, /03 2,3202 1, /04 2,5374 1, /04 1,8759 1,5891 Média 2,2432 1,4381 Média 2,0987 1, Verificação dos fatores intervenientes na produtividade Para as obras pesquisadas foram duas as empresas fornecedoras de blocos. Nestas a qualidade do material apresentado era similar e a escolha do fornecedor era determinada em função de fatores financeiros. Os recursos dos construtores eram suficientes para que nenhum serviço fosse paralisado. Nestas obras não houve a necessidade de uso de blocos com resistências diferençadas. Conforme Ramos (2001), as obras adaptadas possuíam projetos menos elaborados (modulação de 40 cm). Nestas as informações eram prejudicadas devido à ocorrência de soluções alternativas para manutenção das características do projeto inicial. A tabela 3 apresenta exemplos da situação dos fatores que contribuem para a elevação da produtividade nas modulações pesquisadas. Tabela 3: Fatores que contribuem para a elevação da produtividade, exemplos. Modulação (cm) Classificação (%) BOM REGULAR FRACO Observações 30 Projeto Treinamento dos operários Treinamento dos operários Nestas obras não foram encontradas paredes a 45 0, corte de blocos ou utilização de grampos entre paredes. Segundo Ramos (2001), apesar das obras serem realizadas pela mesma empresa esta atuava apenas como fornecera de mão-de-obra, em que a definição de layout do canteiro de obras era feita pelo cliente, que muitas vezes restringia as instalações para redução de custos. Deste modo, os canteiros, cuja obra apresentava modulação de 30 cm, possuíam um layout pior quando comparado aos empreendimentos com modulação de 40 cm. Atualmente, existe maior preocupação com a qualidade dos canteiros de obra.

9 Análise da produtividade com relação às modulações Para as obras com modulação de 40 cm, verificou-se que a utilização de juntas verticais no assentamento de blocos de concreto aumentou o número de movimentos que o profissional realizava para concluir a colocação dos blocos. Deste modo, teve-se um aumento do trabalho realizado, logo houve aumento do tempo necessário para finalizar a tarefa. Estas obras apresentavam variação na espessura da junta vertical em 76% dos casos, acarretando mais trabalho para a equipe. Por sua vez, as obras com modulação de 30 cm não realizaram junta vertical, pois neste caso o espaçamento entre os blocos era sempre constante. De acordo com Ramos (2001), em obras adaptadas, com juntas verticais, torna-se mais difícil a adaptação do pedreiro, pois o operário procura distribuir a diferença de espessura das juntas ao longo da parede que está sendo executada. Isto colabora para a redução da produtividade, podendo ainda incorrer em erros na finalização da tarefa. A tarefa é interrompida também quando o encontro de paredes não está especificado anteriormente, neste caso o profissional tem que interromper sua tarefa principal, que é o assentamento de alvenaria, para fixar os grampos e preencher com graute os blocos. Este procedimento é desfavorável à produtividade. Deve-se destacar que, nas obras analisadas não foi constatado ganho de produtividade em função do aumento da face do bloco. Pelo contrário, o bloco de 30 cm resultou em uma maior produtividade quando comparado ao de 40 cm, mesmo com este possuindo 32% a mais de área de face do bloco. Isso pode ser explicado porque este aumento na face do bloco está relacionado ao aumento de peso. Pois o elemento básico de 40 cm tem 12,80 Kg. Enquanto que o de 30 cm pesa 9,80 Kg. Logo, ocorre um aumento de 30,60% no peso do elemento estrutural analisado. Esta diferença contribui para a fadiga enfrentada pelo profissional, que repete numerosas vezes o mesmo movimento para concluir seu trabalho. A obra que apresentou melhores resultados no índice de produtividade foi a 30/02, principalmente devido à continuidade dos trabalhos. Nas demais obras foi executado um prédio de cada vez. Nestas os pedreiros trabalhavam na alvenaria e depois paralisavam os serviços até a conclusão das lajes, para em seguida iniciar a alvenaria do pavimento seguinte. Na obra 30/02 foram executados dois prédios simultaneamente, propiciando que os pedreiros realizassem as tarefas ininterruptamente (RAMOS, 2001). 5. CONCLUSÕES De Ramos (2001) pode-se extrair conclusões a cerca da influência da alvenaria modulada no índice de produtividade de uma edificação. Deste modo, as edificações com modulação de 30 cm foram as que apresentaram melhores resultados, como, por exemplo, seus projetos proporcionaram maior racionalização, permitindo maior agilidade do profissional. Para este caso o intertravamento entre paredes foi executado seguindo a disposição dos blocos, tornando-se, portanto, mais eficaz que a utilização de grampos, ou blocos auxiliares, situação comum nas edificações da modulação de 40 cm. Outro exemplo é a ausência de juntas verticais, que reduz o número de operações do pedreiro para elevar a alvenaria. É conveniente salientar que as diferenças de produtividade são atribuídas às tipologias adotadas para as edificações com modulação de 30cm e de 40cm, reforçadas pela interação dessas tipologias com a distribuição dos blocos modulares, não existência de juntas verticais (modulação de 30cm) e dificuldades de execução do projeto (modulação de 40cm). Conforme Ramos (2001), a qualidade da mão-de-obra e o grau de treinamento da equipe são fatores preponderantes para o bom resultado dos trabalhos. De acordo com os profissionais que participaram da elevação da alvenaria, com as duas modulações, a modulação de 30 cm foi a que apresentou execução mais estável, exigindo menos da equipe em termos de raciocínio e de desgaste físico. Ainda segundo este autor, a média mais elevada dos índices de produtividade verificada foi para a modulação de 30 cm, com 1,7256 m 2 /hh, e a mais baixa, para esta modulação, foi de 1,4652. Verificou-se, porém, que a maior média atingida para a modulação de 40 cm foi de 1,5712, valor este superior a média mais baixa da modulação de 30 cm. Deste modo, pode-se interpretar que há outros

10 fatores interferindo na produtividade de modo substancial. Pode-se destacar, então, como causa o layout de uma das obras de modulação de 30 cm, neste caso a produtividade da equipe ficou muito abaixo da média. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIAS ARAÚJO, L. O. C.; SOUZA, U. E. L. Fatores que influenciam a produtividade da alvenaria: detecção e quantificação. In: Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, 8., 2000, Salvador. Anais... Salvador, CD. HALLIGAN, D. et al. Action-response model and loss of productivity in construction. Journal of Construction Engineering and Management, v. 120, n. 1, HEINECK, L. F. M. Efeito aprendizagem, efeito continuidade e efeito concentração no aumento de produtividade das alvenarias. In: Simpósio de Desempenho de Materiais de Construção Civil, 3., 1991, Florianópolis. Anais... Florianópolis, 1991, p MAIA, M. A M. Metodologia de intervenção para padronização na execução de edifícios com participação dos operários. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina MARCHIORI, F. F. Estudo da produtividade e da descontinuidade no processo produtivo da construção civil: um estudo de caso para edifícios altos. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós- Graduação em Engenharia Civil. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina MEDEIROS, J. S. Alvenaria estrutural não armada de blocos de concreto: produção de componentes e parâmetros de projeto. Dissertação de Mestrado. Escola politécnica de São Paulo, São Paulo MUTTI, C. N. Treinamento de mão de obra na construção civil: um estudo de caso. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina NEVES, R. M. Programa de melhoria e treinamentos implantados na construção civil: um estudo de caso. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina OLIVEIRA, M. E. R.; LEÃO, S. M. C. Planejamento das instalações de canteiros de obras: aspectos que interferem na produtividade. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 17., 1997, Gramado. Anais... Gramado, 1997, CD. OLIVEIRA, R. R., et al. Estudo dos fatores que afetam a produtividade. In: Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, 7., 1998, Florianópolis. Anais... Florianópolis, PICCHI, F. A. Sistema de qualidade: uso em empresas de construção de edifícios. Vol. 1 e 2. Tese de Doutorado. Escola Politécnica de São Paulo, São Paulo, 1993, 462p. PIGGOT, P. T. A productivity study of house building. Dublin, The National Institute for Physical Planning and Construction Research, RAMOS, A. S. Influência da dimensão modular da unidade na produtividade em alvenarias estruturais de blocos de concreto. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. 2001, 90p. RODRIGUEZ, M. A. A. Gerenciamento da qualidade e produtividade na execução de serviços na construção civil: um estudo de caso na pré-fabricação e montagem de unidades residenciais. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Departamento de Engenharia Civil. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, p. SCARDOELLI, L. S. Iniciativa de melhorias voltadas à qualidade e à produtividade desenvolvidas por empresas de construção de edificações. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Departamento de Engenharia Civil. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1994.

11 AGRADECIMENTOS Os autores gostariam de agradecer às agências que financiaram esta pesquisa: CNPq e CAPES, bem como às empresas que colaboraram com a pesquisa, abrindo seus canteiros de obra.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL INFLUÊNCIA DA DIMENSÃO MODULAR DA UNIDADE NA PRODUTIVIDADE EM ALVENARIAS ESTRUTURAIS DE BLOCOS DE CONCRETO DISSERTAÇÃO

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Soluções Consultoria 22 5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Foi feito um projeto específico para o canteiro de obras, conforme anexo. O engenheiro da obra iniciou sua participação nesta fase do processo.

Leia mais

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA Sandra Maria Carneiro Leão Mestranda - Universidade Federal da Paraiba - Departamento de Engª de Produção Caixa Postal 5045 - CEP 58051-970 - João Pessoa

Leia mais

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS Você foi incumbido do planejamento da execução do edifício habitacional, constituído por um subsolo, um pavimento térreo e oito pavimentos tipo, com

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Depto. Eng. Construção Civil da EPUSP ARCO Assessoria em Racionalização Construtiva S/C ltda. arco@uol.com.br A busca de soluções para o aumento

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE ALVENARIA ESTRUTURAL: BLOCOS DE CONCRETO DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE O uso de alvenaria como sistema estrutural já vem sendo usado a centenas de anos, desde as grandes

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO ALVENARIA ESTRUTURAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA 2 SEGURANÇA COLETIVA 3 SEGURANÇA COLETIVA ANDAIME COM GUARDA

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Rafael Menezes Albuquerque São José dos Campos Novembro2005 Relatório de Estágio

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012.

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. Gisele Hiromi Matsumoto de Freitas¹; Ronan Yuzo Takeda Violin²;

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO Segurança Antes do início de qualquer serviço, verificar a existência e condições dos equipamentos de segurança

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício.

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. TRABALHO PRÁTICO Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. Grupos: grupos de TRÊS ou QUATRO participantes, necessariamente todos da mesma turma (Turma AC - manhã e Turma BD - tarde

Leia mais

O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil

O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil Suenne Andressa Correia Pinho (UPE) - suenne_correia@hotmail.com Alberto Casado Lordsleem Jr.

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

LOGÍSTICA DE OBRAS. Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE

LOGÍSTICA DE OBRAS. Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE LOGÍSTICA DE OBRAS Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE Integração Sistêmica GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO CONSTRUTIVO NA EMPRESA Parede Controles, Indicadores de desempenho Laje Organização lay-out, fluxo

Leia mais

Elaboração de indicadores da qualidade para a construção predial

Elaboração de indicadores da qualidade para a construção predial 1 Elaboração de indicadores da qualidade para a construção predial Marcela Quintanilha Borges da Rocha ¹ Cyro Alves Borges Junior ¹ Maria Elizabeth da Nóbrega Tavares ¹ José Glenio Medeiros de Barros ¹

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção 1 Por que planejamento é importante? Eliminação de problemas relacionados à incidência de perdas e baixa produtividade Aumento da transparência dos processos (possibilidade

Leia mais

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil Aula

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

Renato da Silva SOLANO

Renato da Silva SOLANO INDICADORES OPERACIONAIS DE PRODUTIVIDADE E QUALIDADE PARA EDIFICAÇÕES DE ALTO PADRÃO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DE LEVANTAMENTO NA FASE DE PROJETO E RELACIONAMENTO COM A FUNÇÃO

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

Produtividade da mão de obra do setor de construção no Brasil 100

Produtividade da mão de obra do setor de construção no Brasil 100 O QUE O EXECUTIVO DEVE PERSEGUIR NO SISTEMA CONSTRUTIVO INTERVENÇÕES PARA RESULTADOS DE CURTO PRAZO Produtividade da mão de obra do setor de construção no Brasil 1 32 EUA (Houston) BR (São Paulo) Fonte:Entrevistas,

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E MODERNIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E MODERNIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E MODERNIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL IVAN FRANCKLIN JUNIOR (FESP) francklin@passosuemg.br Tatiana Gondim do Amaral (UFU) tatiana_amaral@feciv.ufu.br Segundo Farah (1988),

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA Por que medir produtividade e perdas? Brasil vive descasamento

Leia mais

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? ALVENARIA ESTRUTURAL O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? ALVENARIA ESTRUTURAL O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? AULA 5 ALVENARIA ESTRUTURAL Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco PREDIO COM BLOCO DE VEDAÇÃO MACEIO

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA. São José dos Campos, 17/02/ 2012.

RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA. São José dos Campos, 17/02/ 2012. INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO São José dos Campos, 17/02/ 2012. Nome do Aluno: Gabriela Nobre Pedreira da Costa 1 INFORMAÇÕES GERAIS Estagiário

Leia mais

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

CALCULANDO O DESENVOLVIMENTO E A PRODUTIVIDADE DA MAO-DE-OBRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

CALCULANDO O DESENVOLVIMENTO E A PRODUTIVIDADE DA MAO-DE-OBRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL CALCULANDO O DESENVOLVIMENTO E A PRODUTIVIDADE DA MAO-DE-OBRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL MARTINEZ, Bruno De La Rua Estudante de Engenharia Civil, Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva FAIT. RESUMO

Leia mais

10 anos de atuação para oferecer blocos de concreto de qualidade ao mercado.

10 anos de atuação para oferecer blocos de concreto de qualidade ao mercado. : 10 anos de atuação para oferecer blocos de concreto de qualidade ao mercado. 1 , a associação a serviço da qualidade da construção 2 A Associação Brasileira da Indústria de Blocos de Concreto- foi fundada

Leia mais

APLICAÇÃO DO MAPEAMENTO DE FLUXO DE VALOR VERDE NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL

APLICAÇÃO DO MAPEAMENTO DE FLUXO DE VALOR VERDE NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL APLICAÇÃO DO MAPEAMENTO DE FLUXO DE VALOR VERDE NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL Caio Luciano Migliato Faculdade de Engenharia Ambiental e Sanitária CEATEC Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias

Leia mais

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO Patrícia Moschen (1); Roberto de Oliveira (2); Mayra Soares de Mesquita Mororó (2); Luiz Fernando Mählmann

Leia mais

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Histórico UFBA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Histórico UFBA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 5 ALVENARIA ESTRUTURAL: PROJETO E RACIONALIZAÇÃO Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? PREDIO COM

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ISSN 1984-9354 APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Danielle Meireles de Oliveira, Mariana Del Carlo Pereira (Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG)

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONCEITOS QUE INFLUENCIAM NA ELABORAÇÃO DO PROJETO ESTRUTURAL Marco Antônio Nunes de Melo 1 ; Carolina Oliveira Pinto n 1 Universidade de Uberaba marconunes_eng@outlook.com 1; carolina.pinto@uniube.br

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS

PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS Julio Cesar Sabadini de Souza Escola Politécnica da USP - Av. Prof. Almeida Prado, Trav. 2, nº 271 - PCC CEP

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

SUA ALTERNATIVA PARA TER NEGÓCIO PRÓPRIO CASAS POPULARES SÉRIE MICROEMPRESAS FORMAS, PLANTAS E INSTRUÇÕES PARA CONSTRUIR UMA CASA POR DIA

SUA ALTERNATIVA PARA TER NEGÓCIO PRÓPRIO CASAS POPULARES SÉRIE MICROEMPRESAS FORMAS, PLANTAS E INSTRUÇÕES PARA CONSTRUIR UMA CASA POR DIA SUA ALTERNATIVA PARA TER NEGÓCIO PRÓPRIO CASAS POPULARES SÉRIE MICROEMPRESAS FORMAS, PLANTAS E INSTRUÇÕES PARA CONSTRUIR UMA CASA POR DIA REVOLUCIONÁRIO E SIMPLES SISTEMA DE CONSTRUÇÃO 1 Um negócio bem

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

NOVO CONCEITO DA INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS DE

NOVO CONCEITO DA INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS DE NOVO CONCEITO DA INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO NOVO CONCEITO DA INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO! Capacitação dos empresários! Capacitação das empresas! O Produto CAPACITAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS Capacitação

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais

Concepção do Projeto Estrutural com Ênfase em Prédios Altos

Concepção do Projeto Estrutural com Ênfase em Prédios Altos Concepção do Projeto Estrutural com Ênfase em Prédios Altos Engº Cláudio Creazzo Puga CONCRETESHOW São Paulo, 27 a 29 de agosto de 2008 Por que se Constrói i em Alvenaria Estrutural? A busca pela redução

Leia mais

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto.

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. 1 Escolha do Sistema Construtivo Sistema construtivo com foco nas seguintes características: Alta produtividade Baixo custo de construção Redução

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

Execução de Alvenaria - Elevação

Execução de Alvenaria - Elevação PRÁTICA RECOMENDADA PR - 5 Execução de Alvenaria - Elevação A metodologia proposta para a execução da alvenaria alterou significativamente a seqüência do serviço na etapa de marcação das paredes. Nenhum

Leia mais

TCPO X REALIDADE: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE JOÃO PESSOA - PB

TCPO X REALIDADE: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE JOÃO PESSOA - PB ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& TCPO X REALIDADE: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza

Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza Alessandra Luize Fontes Sales (Engª. Civil) luize.sales@ig.com.br José de Paula

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA DE TRANSPORTE CONVENCIONAL E RACIONALIZADO DE BLOCOS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL

COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA DE TRANSPORTE CONVENCIONAL E RACIONALIZADO DE BLOCOS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL ENTECA 2003 205 COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA DE TRANSPORTE CONVENCIONAL E RACIONALIZADO DE BLOCOS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL Márcio Hissashi Komeno João Claudio G. F. Oliveira Rosa Maria

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL

PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL APRESENTAÇÃO REALIZAÇÃO A portoferraz... Ser referência no mercado imobiliário, desenvolvendo projetos que transformem a ocupação urbana, de maneira criativa

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para

Leia mais

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos INTRODUÇÃO A importância da manutenção em máquinas e equipamentos A manutenção de máquinas e equipamentos é importante para garantir a confiabilidade e segurança dos equipamentos, melhorar a qualidade

Leia mais

TÍTULO: PARÂMETROS PARA ESTIMATIVA DE CUSTO - PROJETOS DE INTERESSE SOCIAL

TÍTULO: PARÂMETROS PARA ESTIMATIVA DE CUSTO - PROJETOS DE INTERESSE SOCIAL TÍTULO: PARÂMETROS PARA ESTIMATIVA DE CUSTO - PROJETOS DE INTERESSE SOCIAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ

Leia mais

PROBLEMAS ENCONTRADOS EM OBRAS DEVIDO ÀS FALHAS NO PROCESSO DE PROJETO: VISÃO DO ENGENHEIRO DE OBRA.

PROBLEMAS ENCONTRADOS EM OBRAS DEVIDO ÀS FALHAS NO PROCESSO DE PROJETO: VISÃO DO ENGENHEIRO DE OBRA. PROBLEMAS ENCONTRADOS EM OBRAS DEVIDO ÀS FALHAS NO PROCESSO DE PROJETO: VISÃO DO ENGENHEIRO DE OBRA. Jacson Carlos da SILVEIRA Graduando de Engenharia Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Braz de

Leia mais

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações Plano de Manutenção e Conservação de Edificações PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União das Faculdades de Alta Floresta, mantenedora da Faculdade

Leia mais

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES Autor: Paulo André Brasil Barroso Eng. Civil. Pós-graduado em cálculo estrutural McGill University Montreal Canadá 1975/1977. Sócio de uma das maiores empresas fabricantes de estruturas metálicas do país

Leia mais

Análise de Construtibilidade

Análise de Construtibilidade IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO EM ENGENHARIA DE PLANEJAMENTO Turma 01 Análise de Construtibilidade Fernando Souza Cota Carvalho Melanie Deborah Cardoso de Souza Diniz Belo

Leia mais

$OYHQDULD(VWUXWXUD±SDVVRDSDVVR

$OYHQDULD(VWUXWXUD±SDVVRDSDVVR $OYHQDULD(VWUXWXUD±SDVVRDSDVVR Sair do discurso e implantar mudanças efetivas nos procedimentos habituais tem sido uma ação cada vez mais constante nas empresas que atuam no setor de construções. E, nos

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2).

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)thiago.guolo@outlook.com (2)marciovito@unesc.net

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Soraia

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT Página 1 de 8 ÍNDICE 1 SERVIÇOS GERAIS 3 1.1 SERVIÇOS TÉCNICOS 4 1.2 MÁQUINAS E FERRAMENTAS 4 1.3 LIMPEZA PERMANENTE

Leia mais

Implantação do Sistema de Projeção de Argamassa em empreendimentos supereconômicos Eng. Sédio Pires

Implantação do Sistema de Projeção de Argamassa em empreendimentos supereconômicos Eng. Sédio Pires Implantação do Sistema de Projeção de Argamassa em empreendimentos supereconômicos Eng. Sédio Pires Perfil da Empresa 32 anos de mercado Matriz em Contagem/MG Atua em Minas Gerais na região metropolitana

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins A INTEGRAÇÃO DO SESMT COM A ENGENHARIA CIVIL NA ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES VISANDO REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE CONSERVAÇÃO E LIMPEZA EXECUTADAS EM DIFERENÇA DE NÍVEL Autores Alex Antonio Costa Carlos Miguel

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo para estruturas de concreto desde a década de 70, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O Sistema SF de Fôrmas para

Leia mais

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Planejamento Integrado Gestão de Custos Prof. Dayana Bastos Costa Conteúdo

Leia mais

ESTUDO DE CASO: COMPARAÇÃO DE CUSTOS DIRETOS ENVOLVIDOS EM UMA OBRA DE MANUNTEÇÃO PREDIAL

ESTUDO DE CASO: COMPARAÇÃO DE CUSTOS DIRETOS ENVOLVIDOS EM UMA OBRA DE MANUNTEÇÃO PREDIAL ESTUDO DE CASO: COMPARAÇÃO DE CUSTOS DIRETOS ENVOLVIDOS EM UMA OBRA DE MANUNTEÇÃO PREDIAL Cristian Joaquim (1), Mônica Elizabeth Daré (2) RESUMO UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)cristianjoaquim@hotmail.com(2)m.dare@terra.com.br

Leia mais

6. VALIDAÇÃO DO MODELO

6. VALIDAÇÃO DO MODELO Cap. 6 Validação do modelo - 171 6. VALIDAÇÃO DO MODELO Definição da pesquisa Contextualização (Cap. 2) Metodologia (Cap. ) Revisão da Literatura (Cap. 3) Construção do Método (Cap. 5) Validação do método

Leia mais

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto Trabalho Final: Marcações e Execuções Racionalizadas em Estruturas de Concreto. COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas ÍNDICE: 1. Ferramentas 2. Equipamentos de Proteção Individual - EPI 3. Serviços Preliminares 4. Marcação da Alvenaria 5. Instalação dos Escantilhões 6. Nivelamento das Fiadas 7. Instalação dos gabaritos

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais LA-J ARTEFATOS DE CIMENTO LUCAS LTDA Av. Cônsul Assaf Trad 6977 Em frente ao Shopping Bosque dos Ipês / Campo Grande MS 0800 647 1121 www.lajlucas.com.br

Leia mais