II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO LINGUAGENS EDUCATIVAS: PERSPECTIVAS INTERDISCIPLINARES NA ATUALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO LINGUAGENS EDUCATIVAS: PERSPECTIVAS INTERDISCIPLINARES NA ATUALIDADE"

Transcrição

1 ILDA BASSO (Org.) JOSÉ CARLOS RODRIGUES ROCHA (Org.) MARILEIDE DIAS ESQUEDA (Org.) II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO LINGUAGENS EDUCATIVAS: PERSPECTIVAS INTERDISCIPLINARES NA ATUALIDADE BAURU 2008

2 S6126 Simpósio Internacional de Educação (2. : 2008 : Bauru, SP) Anais [recurso eletrônico] / 2. Simpósio Internacional de Educação / Ilda Basso, José Carlos Rodrigues Rocha, Marileide Dias Esqueda (organizadores). Bauru, SP : USC, Simpósio realizado na USC, no mês de junho de 2008, tendo como tema : Linguagens educativas perspectivas interdisciplinares na atualidade. ISBN Educação simpósios. 2. Linguagens educativas. I. Basso, Ilda. II. Rocha, José Carlos Rodrigues. III. Esqueda, Marileide Dias. VI. Título. CDD 370

3 AS ESTRATÉGIAS DE PERSUASÃO DO LIVRO DIDÁTICO Maria Aparecida Rocha SANTANA 1 Unimar SP. Resumo Sabemos que a escola propicia aos indivíduos categorias de pensamentos comuns, que tornam possível a comunicação, ajudando os alunos a serem inseridos na sociedade. Há, portanto, uma uniformidade de pensamento, que permite a todos associarem os mesmos sentidos às mesmas palavras, aos mesmos comportamentos, para compartilharem os direitos de cidadãos. Dessa forma, a Escola passa a ser a instituição específica para transmissão dessas formas de pensamento, reproduzindo, assim, as relações de poder, existentes na sociedade. Logo, os discursos que nela circulam possuem também essa mesma função de formar cidadãos. Entre todos os discursos está o do livro didático, que, desde as primeiras séries, traz em si certas formações ideológicas, que passam não só pela reprodução da estrutura social, mas também pela questão econômica de cada grupo social. A opção por determinados temas, a abordagem dada a eles e o funcionamento da linguagem para produção dos efeitos de sentido, são alguns fatores que demonstram como esse discurso expressa intenções e conseqüentemente tomada de posição pelo leitor, os modos de ligação entre elas, os subentendidos, que deixam ao leitor a responsabilidade de completar a leitura, podendo ser orientada pelo professor. O objetivo desse trabalho, portanto, será o de analisar uma das unidades de ensino de um livro didático das séries iniciais do ensino fundamental, a fim de discutir a neutralidade ou não desse tipo de material. Buscará observar como esse material trabalha a relação dialógica entre os interlocutores e de que maneira essa relação contribui para a formação ideológica que permeia esse material didático em sala de aula. Para tal finalidade utilizaremos à análise do discurso, que pode dar conta dessa problemática. Palavras-chave: livro didático; análise do discurso; discurso pedagógico. Abstract: We know that the school offers individual categories of common thoughts, which make possible communication, helping students to be included in society. There is therefore a uniformity of thought, to allow everyone to join them felt the same words, the same behaviour, to share the rights of citizens. Thus, the school becomes the specific institution for transmission of these ways of thinking, playing, then, the relations of power which exist in society. Therefore, the speeches that there are also circulating that function to form citizens. Among all the speeches is the speech of the textbook, since the first series, brings you into certain ideological backgrounds, bringing not only for the reproduction of social structure, but also the economic issue of each social group. Opting for certain topics, given the approach of them hangs the question that the author proposes, for the operation of language production of the effects of sense, are some factors that show how this speech expressed intentions of position and consequently the reader, modes of connection between them, subentendidos, which leave the reader a responsibility to complete the reading and can be guided by the teacher. The objective of this paper, therefore, will be to examine one of the teaching of a 1 Professora da Rede Estadual do Ensino de São Paulo, mestranda em Comunicação pela Universidade Marília.

4 textbook of the initial series of basic education in order to discuss the neutrality or not that type of material. This will seek how this material works dialogic the relationship between the way and that this relationship contributes to the ideological training that permeates the teaching material in the classroom. For this review use the analysis of the speech, which can give an account of this problem. Keywords: textbook; discourse analysis; pedagogical discourse. 1- Introdução A Escola é um espaço de reprodução social. Assim como qualquer instituição, ela traz em seu bojo certas formações ideológicas que buscam reproduzir as relações de poder. Bourdieu, se referindo a essa função da Escola, afirma que a sociedade elege determinados temas e objetos de estudo como os mais importantes, e cabe à escola transmitir os itinerários para a compreensão de certos programas de pensamento, que ele chama de cultura. Estabelece-se, assim, uma uniformidade de pensamento, permitindo a todos associarem os mesmos sentidos às mesmas palavras, aos mesmos comportamentos. (Bourdieu, 1974) É dessa forma que as formações ideológicas são estabelecidas. Isso não significa que nessa instituição todos pensem da mesma forma e possuam as mesmas idéias, mas sim que há temas comuns, preocupações comuns que orientam e organizam o pensamento de uma época, pensamento este, ligado aos interesses da classe dominante. Dessa forma, a Escola serve-se de seu prestígio de legitimidade a serviço da Ideologia, que funciona pela interpelação ou assujeitamento do indivíduo como sujeito ideológico (Brandão, 2002:38), isto é, faz com que ele seja levado a ocupar seu lugar em determinado grupo ou classe social, sem ter consciência disso, achando que é senhor da sua própria vontade. A Escola passa a ser uma das instituições utilizadas para transmissão dessas formas de pensamento, reproduzindo, assim, as relações de poder, existentes na sociedade. Logo, os discursos que nela circulam (discursos pedagógicos) possuem também essa mesma função. Entre eles está o discurso do livro didático, que desde as séries iniciais, traz em si certas formações ideológicas, que passam pela reprodução da estrutura social. O discurso pedagógico se dissimula como transmissor de informação, e faz isso caracterizando essa informação sob a rubrica da cientificidade (Orlandi, 1996:29). Portanto, este trabalho tem como objetivo observar como o discurso do livro didático funciona e como essas formações ideológicas se manifestam. Para tal análise, escolhemos um texto que se encontra na Coleção Arte e Manhas da Linguagem de Elisiani V. Tiepolo e

5 Sonia G. Medeiros, destinada a crianças das séries iniciais do Ensino Fundamental. A análise tomará como método a Análise do discurso de linha francesa, que oferece instrumentos necessários para nossa investigação. 2-Texto e Discurso Antes de iniciarmos nossa análise, seria importante fazermos a distinção entre texto e discurso. Orlandi, dentre suas várias explicações, nos apresenta um conceito que, por sua simplicidade, escolhemos. A autora caracteriza o texto como a unidade complexa de significação, que pode ser uma simples palavra até um conjunto de frases. O que o define não é a sua extensão mas o fato de que ele é uma unidade de significação em relação à situação (Orlandi, 1996:159) É através dele que se dá a interação entre o falante e o ouvinte, é nele que se estabelece a análise, ele é o local da materialidade do discurso. Já o discurso considera a linguagem em relação à sua condição de produção, isto é, no discurso considera-se a relação estabelecida entre os interlocutores e o contexto de produção como constitutivos da significação, dando assim à linguagem um caráter social. Ao se analisar o discurso deve-se considerar as relações de força (os lugares sociais assumidos pelos interlocutores), as relações de sentido (as várias vozes presentes no texto, intertextualidade) e a antecipação (a forma como o locutor enxerga seu interlocutor). O discurso, portanto, é um fenômeno social. Desta forma, o presente trabalho propõe abordar o discurso. Não busca apenas a informação inserida no texto, mas o modo de funcionamento da linguagem, os efeitos de sentido provocados por ele, os quais são produzidos por mecanismos que serão abordados posteriormente. Nossa análise visa a demonstrar que o discurso pedagógico não é neutro, mas possui formações ideológicas transmitidas como verdades absolutas, as quais são aceitas pelos interlocutores e corroboradas pela força da instituição. 3- O corpus O material didático selecionado para análise foi a Coleção Arte e Manhas da Linguagem - Elisiani V. Tiepolo e Sonia G. Medeiros - Editora positivo, A proposta didática pedagógica foi desenvolvida para o ensino da Língua Portuguesa e integra diferentes áreas do conhecimento com a finalidade dos alunos desenvolverem competências e habilidades, entre

6 elas a de ensinar a comparar, classificar, analisar, discutir, descrever, opinar, julgar, fazer generalizações, analogias, diagnósticos. Levando assim o foco não para o conteúdo e sim para o aprendizado que poderá proporcionar. Os Parâmetros Curriculares Nacionais PCN são referências para os Ensinos Fundamental e Médio de todo o país. O objetivo dos PCN é garantir a todas as crianças e jovens brasileiros, mesmo em locais com condições socioeconômicas desfavoráveis, o direito de usufruir do conjunto de conhecimentos reconhecidos como necessários para o exercício da cidadania. Não possuem caráter de obrigatoriedade e, portanto, pressupõe-se que serão adaptados às peculiaridades locais. A própria comunidade escolar de todo o país já está ciente de que os PCN não são uma coleção de regras que pretendem ditar o que os professores devem ou não fazer. São, isso sim, uma referência para a transformação de objetivos, conteúdos e didática do ensino. (LDBEN ART. 21 e 22) De acordo com os PCNs, o ensino de Língua Portuguesa deve assegurar a diversidade dos textos, que podem estar relacionados às ações efetivas do cotidiano, à transmissão e busca de informação, ao exercício da reflexão favorecendo a crítica imaginativa e pensamentos mais elaborados e abstratos na ação de sua vida social, permitindo-lhes reflexão e ação em sua vida social, ultrapassando os limites escolares. O público-alvo são alunos de escolas particulares, crianças que têm acesso a diversas atividades extras curriculares. O referido material apresenta textos que abrangem um contexto diário da vida do aluno, e a unidade em questão Amigos nas diferenças traz à discussão os temas como a inclusão, preconceito e solidariedade. As autoras da Coleção selecionaram textos que, de alguma forma, expressam seus pensamentos e ao mesmo tempo respeitam os temas transversais exigidos pela Secretaria da Educação, e por ser um tema transversal, a inclusão deve ser associada às outras disciplinas do currículo das quatro primeiras séries do ensino fundamental, preparando a criança para uma vida em sociedade, ensinando a tolerância para todos os que estão diretamente na escola e também para a comunidade. Esse fato por si só já demonstra que as escolhas não são arbitrárias, nem tampouco neutras. Estão sujeitas a certas determinações que induzem o discurso, definindo seu conteúdo, sua forma, seu sentido, sua finalidade. Não se trata, portanto, apenas da exposição de conteúdos, mas de determinar o ponto de vista de onde devem ser vistos e ditos. Algumas armadilhas, no entanto, são postas na escolha desses textos. Observamos que, apesar de, em sua materialidade, exporem idéias que aparentemente preguem a solidariedade e o não-preconceito, ao fazermos uma análise um pouco mais atenta, percebemos que o discurso difere, em alguns pontos, um pouco do texto, deixando escapar alguns pensamentos contraditórios à intenção das autoras da coleção. Esses pontos só poderão

7 ser percebidos através de uma leitura não superficial, que dê conta de perceber a forma como o discurso foi construído. Senão vejamos: O texto é retirado da Revista Zá, publicação dedicada a assuntos de Educação, o que dá autoridade ao livro didático em relação ao tema a ser tratado. Através desse dado, já podemos perceber como outras vozes são utilizadas para dar força ao que vai ser dito, caracterizando as relações de força presentes no discurso, o que é corroborado na próxima página, em que as autoras apresentam uma cópia da Constituição Federal garantindo a fidelidade da matéria. Fig.1 Em relação ao interlocutor do texto, as locutoras utilizam-se do mecanismo de antecipação... processo sobre o qual se funda a estratégia do discurso (Orlandi, 1996:126). De acordo com esse pensamento o interlocutor se coloca no lugar do ouvinte, de forma a perceber se este vai concordar ou não com seu discurso e daí decide sua estratégia: se vai influenciar, inculcar ou transformar. No caso do texto em questão, as autoras têm seus

8 interlocutores (os alunos) como cúmplices, pois seu discurso está inserido em texto legitimado pela Instituição (escola) e de acordo com todos os padrões aceitáveis de comportamento. Como forma de apresentação do tema, as autoras utilizam-se de uma epígrafe, em que colocam uma situação idealizada de solidariedade: Crianças que passam por cima de preconceitos de raça, cor ou nível social. Jovens que valorizam o ser em lugar do ter e que buscam soluções para melhorar a qualidade de vida de quem ainda não teve uma oportunidade, direcionando, assim, o olhar do leitor para uma situação ideal, porém não real. Segundo J.B.Thompson a ideologia pode operar de várias formas, entre elas, a legitimação, isto é, as relações de dominação podem ser estabelecidas e sustentadas quando são consideradas justas e dignas de apoio. (Thompson, 2000). A referida epígrafe, assim, para expressar essa legitimação, utiliza-se da estratégia da racionalização, ou seja, de forma simbólica, constrói uma cadeia de raciocínio que procura defender, ou justificar e assim persuadir o leitor de que é digno de apoio. Ninguém vai contestar que a solidariedade e o nãopreconceito são atitudes que devam ser pregadas e desenvolvidas. Indo para o texto propriamente dito, já sob forma da voz da Revista, observamos que se utiliza do discurso indireto, introduzindo a polifonia, isto é, outras vozes, com a aparente intenção de promover as referidas atitudes entre os alunos. Apresenta uma situação do cotidiano de uma escola particular, em que os alunos, com nome e sobrenome, testemunham sua experiência positiva com um deficiente físico. Em relação à forma de estruturar o discurso, podemos observar que há certos traços de intencionalidade a partir das escolhas feitas pelas autoras. Podemos observar duas posturas: a primeira, de forma geral o discurso tenta passar a idéia de defesa da solidariedade e do não-preconceito: a) No emprego de conjunção: Tem braços e pernas atrofiados, mas a personalidade que encanta e conquista. A oração adversativa enfatiza as características positivas do aluno portador de necessidades especiais. Aqui é importante ressaltar que... a diferença de construções tem sempre uma razão que não é a simples diferença de informação mas sim de efeitos de sentido. (Orlandi, 1996:119). O uso de uma paráfrase aqui poderia nos explicitar outros sentidos para a mesma proposição: A personalidade encanta e conquista, mas tem braços e pernas atrofiados. Temos neste caso uma escolha a favor de uma construção em detrimento de outra. b) No uso de expressões de conotação positiva - comparativos de superioridade: Ele é muito mais amigo do que os outros meninos - adjetivos: simpático Dudu

9 - superlativos: Ele é super-habilidoso para escrever como lápis preso à boca Contudo, há uma segunda postura, outras estruturas que sutilmente reforçam o preconceito existente na sociedade. Conforme Ducrot, o discurso é constituído não apenas pelo que é dito, mas também pelo não dito. Os subentendidos, os pressupostos não são silêncios, eles também falam. Segundo o autor, há uma diferenciação entre pressuposto e subentendido. Ao se utilizar os pressupostos, o locutor se responsabiliza pelo dito, ou tenta partilhar esta responsabilidade com o ouvinte, disfarçando o que diz sob a aparência de uma crença comum. (Ducrot, 1987:21). Já quando utiliza o recurso do subtendido, joga a responsabilidade para o interlocutor, que fará a leitura conforme sua visão de mundo, induzida, logicamente, pelo locutor. Se o posto é o que afirmo, enquanto locutor, se o subentendido é o que deixo meu ouvinte concluir, o pressuposto é o que apresento como pertencendo ao domínio comum das duas personagens do diálogo, como objeto de uma cumplicidade fundamental que liga os participantes do ato de comunicação. ( Ducrot, 1987:20) Essa estratégia é usada pelas autoras: a) o uso de determinadas expressões: Ela não compreendia por que ele se utilizava da boca para pegar os objetos e por que não podia sair andando como todo mundo. O autor deixa espaço para que o leitor subentenda que Dudu não é como todo mundo. Essa comparação não precisaria aparecer no texto, o que daria um caráter menos preconceituoso, pois o está excluindo das demais pessoas (todo mundo). A primeira parte da fala demonstra também que os alunos não estavam inseridos ou seja não foram preparados para receber o aluno na sala, cabendo à Escola o papel de integrá-los.... o simpático Dudu sempre vem armado de balas e de outras surpresas doces. O uso da palavra armado, como se estivesse se defendendo de algo, subentende-se que sempre tem que estar preparado para defender ou atacar a fim de ser aceito pelo grupo. A utilização dessa palavra não é arbitrária, traz em si uma carga semântica negativa no que refere a relação de Dudu e seus colegas. Dudu, por sua vez, sempre está pronto a retribuir a atenção recebida com boas dicas. O verbo retribuir implica resposta a algum favor, o advérbio sempre, utilizado como operador argumentativo, mostra que essa atitude de retribuição ao favor prestado é permanente. Dudu não é colocado na posição de possível doador. Por que não em vez de retribui não se usa

10 colabora com boas dicas? Esse fato é reforçado pelo comentário Dudu já me disse que dois dias longe de mim são como dois anos, mostrando a dependência de Dudu. Além desses subentendidos há outras omissões: o texto não apresenta as dificuldades no aprendizado, não demonstra se a criança acompanha ou não a turma. Deixa claro em diversos trechos, como já foi dito, que a turma não foi preparada para receber o aluno na sala... Estranhou o garoto// não compreendia// eu nunca tinha visto um deficiente... Após o texto, são colocadas algumas questões para reflexão dos alunos, as quais são embasadas em dois artigos da Constituição Federal, fato que dá ainda mais força para as idéias das autoras. Fig.2 Os questionamentos também têm a intenção de levar o leitor, no caso as crianças, a se sensibilizar com o tema em questão e mostrar a importância de preparar a turma para receber a inclusão em sala de aula, já que é uma lei que está sendo colocada em prática em todo Brasil, demonstrando, mais uma vez, que não existe neutralidade no material proposto. 5- Considerações Finais A breve reflexão que acabamos de fazer sobre o discurso pedagógico nos mostra que nele não há neutralidade. A opção por determinados temas, a abordagem dada a eles, o

11 funcionamento da linguagem para produção dos efeitos de sentido são alguns fatores que demonstram como esse discurso expressa intenções e conseqüentemente tomada de posição. Observamos que essa neutralidade é também desfeita na maneira como as palavras acontecem no texto, os modos de ligação entre elas, os subentendidos, que deixam ao leitor a responsabilidade de completar a leitura. O professor deve, então, estar atento aos discursos veiculados nos livros didáticos, e, além disso, trabalhar de forma a desvendar esses intrincados significados, capacitando o aluno a fazer uma leitura que vá além da simples decodificação ou retirada de informação. Assim, os professores, responsáveis pela escolha e manipulação desse material, devem estar atentos aos diversos pontos de vista dos autores. Tomando cuidado em analisar a forma como os livros didáticos são tratados, para então selecionarem aqueles que estejam mais adequados à liberdade de pensamento. Para isso devem levar em consideração para quem se destina o livro e atentar se este não procura reproduzir as diferenças sociais tão marcantes em nossa sociedade. 6- Bibliografia BRANDÃO, Helena H. Nagamine. Introdução à Análise do Discurso. Campinas: Ed. Unicamp, BOURDIEU, P. A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo: Perspectiva, DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, LDB, Leis de Diretrizes e Base da Educação Nacional. Lei nº 9394 de 20 de dezembro de Regidos Naturalmente pela Constituição da República Federativa do Brasil. acessado em 18/06/2007. ORLANDI, E. Puccinelli. A Linguagem e seu Funcionamento: As formas do discurso. Campinas:Pontes, PCNs, Parâmetro Curricular Nacional. acessado em 21/06/07. TIEPOLO, Elisiane, V. MEDEIROS, Sonia G. Coleção Arte e Manhas da Linguagem. São Paulo: Editora Positivo, 2002.

12 HOMPSON, J.B. Ideologia e Cultura Moderna: Teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 2000.

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

ADVÉRBIOS ASPECTUALIZADORES NO TEXTO DISSERTATIVO PRODUZIDO NA ESCOLA

ADVÉRBIOS ASPECTUALIZADORES NO TEXTO DISSERTATIVO PRODUZIDO NA ESCOLA JOSÉLIA RIBEIRO ADVÉRBIOS ASPECTUALIZADORES NO TEXTO DISSERTATIVO PRODUZIDO NA ESCOLA Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Língüística, Curso de Pósgraduação em

Leia mais

Palavras chave: trabalho colaborativo, desenvolvimento profissional, articulação curricular, tarefas de investigação e exploração.

Palavras chave: trabalho colaborativo, desenvolvimento profissional, articulação curricular, tarefas de investigação e exploração. RESUMO Esta investigação, tem como objectivo perceber como é que o trabalho colaborativo pode ajudar a melhorar as práticas lectivas dos professores, favorecendo a articulação curricular entre ciclos na

Leia mais

TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL

TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL Curso Gestão para Educação de Qualidade 1 TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL Sonia Balzano... a escola de qualidade é aquela que tem como valor fundamental a garantia dos direitos de aprendizagem

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E

Leia mais

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE 2010 Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE NATAL G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual Marly de Fátima Monitor de Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp Araraquara e-mail:

Leia mais

SUMÁRIO. Língua Portuguesa

SUMÁRIO. Língua Portuguesa Língua Portuguesa Compreensão e interpretação de textos de gêneros variados... 3 Domínio da ortografia oficial... 21 Reconhecimento de tipos e gêneros textuais... 9 Domínio da estrutura morfossintática

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO As diferentes unidades que compõem o conjunto de cadernos, visam desenvolver práticas de ensino de matemática que favoreçam as aprendizagens dos alunos. A

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Roteiro para análise do filme Escritores da. Liberdade

Roteiro para análise do filme Escritores da. Liberdade Roteiro para análise do filme Escritores da Liberdade É importante reforçar que toda a comunidade escolar é responsável e participante no processo educativo e que a ação dos funcionários na escola é, sobretudo,

Leia mais

O espaço das múltiplas leituras na preparação de professores de ensino religioso - o mundo dos mitos, contos e poesia

O espaço das múltiplas leituras na preparação de professores de ensino religioso - o mundo dos mitos, contos e poesia O espaço das múltiplas leituras na preparação de professores de ensino religioso - o mundo dos mitos, contos e poesia ARACELI SOBREIRA BENEVIDES Doutora em Educação pela UFRN. Professora de Literatura

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com Beatriz Viera de

Leia mais

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ ENADE 2011 Relatório da IES G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ O V E R N O F E D E R A L PAÍS RICO

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras ISSN METODOLOGIA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA POR DIANE LARSEN FREEMAN

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras ISSN METODOLOGIA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA POR DIANE LARSEN FREEMAN METODOLOGIA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA POR DIANE LARSEN FREEMAN Beatriz Ferrari Crivari (G UENP/campus Jac) beatrizfcrivari@uol.com.br Caroline Arlindo (G UENP/campus Jac.) carolarlindo@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Didática I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo) A Didática e os fundamentos educacionais

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

Bem público-valor público A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Margarida Filipe Ramos

Bem público-valor público A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Margarida Filipe Ramos Bem público-valor público A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL Margarida Filipe Ramos 30.01.13 Apresentação do Museu da Água da EPAL Reservatório da Mãe d Água das Amoreiras Reservatório

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Libras I 160h Não há Sujeito Surdo, Diferença,

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS/PORTUGUÊS Gêneros textuais como ferramenta para o ensino de Língua Portuguesa INTRODUÇÃO De acordo com os objetivos do programa, conforme portaria 096/2013 Capes, essa proposta de

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS Por Claudio Alves BENASSI omo vimos anteriormente, em relação ao uso que o sujeito com C surdez faz da modalidade escrita do surdo, o recurso didático Números Semânticos

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS º ANO A Ano Letivo: 204 / 205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Fundamentos e Metodologia em Educação Infantil II Código da Disciplina: EDU 334 Curso: Pedagogia Período de oferta da disciplina: 6º Faculdade responsável: PEDAGOGIA

Leia mais

Uma reflexão crítica

Uma reflexão crítica O USO DAS TICS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NO ENSINO FUNDAMENTAL Uma reflexão crítica Ana Cláudia G. Carvalho Ana Paula Fermin Gilmara R. Santos Patrícia Elaine B.R. Alecrim Telma Augusta da Cunha RESUMO Este

Leia mais

Conteúdos e Didática de História

Conteúdos e Didática de História Conteúdos e Didática de História Professora autora: Teresa Malatian Departamento de História da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais UNESP / Franca. Bloco 2 Disciplina 21 Didática dos Conteúdos Conteúdos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Sociologia Série: 2º Eixo Tecnológico:

Leia mais

Aula 6 Livro físico.

Aula 6 Livro físico. Conteúdos da aula 1. Material didático 2. Formatos 3. 2 1. Material didático Nessa aula, teremos como foco a apresentação do material didático da etb Material didático pode ser definido amplamente como

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS.

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. Luciana Barros Farias Lima Instituto Benjamin Constant Práticas Pedagógicas Inclusivas

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

TÍTULO: UM RELATO DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DAWN NA REDE REGULAR DE ENSINO CORAÇÃO DE JESUS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES.

TÍTULO: UM RELATO DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DAWN NA REDE REGULAR DE ENSINO CORAÇÃO DE JESUS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. 16 TÍTULO: UM RELATO DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DAWN NA REDE REGULAR DE ENSINO CORAÇÃO DE JESUS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

Leia mais

A c o m u n i c a ç ã o m a t e m á t i c a e m c r i a n ç a s c o m N E E. Dedicatória

A c o m u n i c a ç ã o m a t e m á t i c a e m c r i a n ç a s c o m N E E. Dedicatória Dedicatória Às minhas filhas, meus anjos de luz, e ao meu marido, por todo o apoio e compreensão indispensáveis para a elaboração deste trabalho, mas também para a realização deste meu sonho: Concluir

Leia mais

EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO.

EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO. EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO. SILVA, Gislene de Sousa Oliveira 1 Universidade Federal de Goiás Regional Catalão-GO. FIRMINO, Janaina Karla Pereira da S.

Leia mais

A ORALIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O USO DOS GÊNEROS ORAIS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

A ORALIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O USO DOS GÊNEROS ORAIS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORALIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O USO DOS GÊNEROS ORAIS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Marcela Guimarães Alves marcelaguimaraespb@hotmail.com UEPB Resumo: Ramon do Nascimento Oliveira

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO DESIGNER

A RELAÇÃO ENTRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO DESIGNER ARTIGO A RELAÇÃO ENTRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO DESIGNER MARINHO, A, L.; JANISSEK, P, R.; GODOI, R, H, M. Mestrado em Gestão Ambiental - Centro Universitário Positivo Unicenp ricardo.godoi@unicenp.edu.br

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

Estratégias para a Promoção e Melhoria da Competência Escrita em Língua Portuguesa e Espanhol Língua Estrangeira, por Alunos Portugueses

Estratégias para a Promoção e Melhoria da Competência Escrita em Língua Portuguesa e Espanhol Língua Estrangeira, por Alunos Portugueses Estratégias para a Promoção e Melhoria da Competência Escrita em Língua Portuguesa e Espanhol Língua Estrangeira, por Alunos Portugueses Maria Luiza do Vale Jerónimo Relatório de Estágio de Mestrado em

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESCOLAR: AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR

FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESCOLAR: AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESCOLAR: AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO A escola é a

Leia mais

Didática e a prática pedagógica na orientação da racionalidade técnica

Didática e a prática pedagógica na orientação da racionalidade técnica EDUCAÇÃO FÍSICA E A PRÁTICA DE ENSINO: POSSIBILIDADE DE UMA RELAÇÃO QUE SUPERE A DICOTOMIA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA SOARES JÚNIOR, Néri Emilio UEG GT-04: Didática Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO

OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO Professora Luciene Juliano Simões UFRGS Participação na Reunião Técnica de Abril de 2012, durante o lançamento da OLPEF para a região sul, em Curitiba

Leia mais

Projeto TRILHAS Evento de Lançamento

Projeto TRILHAS Evento de Lançamento Projeto TRILHAS Evento de Lançamento !"##"$"%&'()"$ Daqui a 15 anos Daqui a pouco tempo Daqui a um pouco mais de tempo *"+",$ Projeto TRILHAS: Material de apoio à prática dos educadores para promover a

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 aprovado pela portaria Cetec nº 774 de 24 / 09 / 2015. ETEC de Tiquatira Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

Arduíno makey makey como tecnologia assistiva para a comunicação alternativa

Arduíno makey makey como tecnologia assistiva para a comunicação alternativa Arduíno makey makey como tecnologia assistiva para a comunicação alternativa Resumo Jorge Charles Kamil Moojen 1, Roberto dos Santos Rabello 1 1 Iceg Universidade de Passo Fundo (UPF) BR 285, Bairro São

Leia mais

LETRAMENTO E GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: RELATÓRIO DE PROJETO DE LETRAMENTO

LETRAMENTO E GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: RELATÓRIO DE PROJETO DE LETRAMENTO LETRAMENTO E GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: RELATÓRIO DE PROJETO DE LETRAMENTO Charleni Araújo de Lima 1 Ilma Dias dos Santos Roseli Pereira de Almeida Neste projeto proposto sobre o letramento,

Leia mais

Professor ou Professor Pesquisador

Professor ou Professor Pesquisador Professor ou Professor Pesquisador Cláudio Luis Alves do Rego Cúneo 1 Resumo O perfil de professor pesquisador tem sido associado à oportunidade de prática reflexiva daquele professor que busca a pesquisa

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE AS FORMAS GEOMÉTRICAS EM NOSSO COTIDIANO. Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais

UM ESTUDO SOBRE AS FORMAS GEOMÉTRICAS EM NOSSO COTIDIANO. Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais UM ESTUDO SOBRE AS FORMAS GEOMÉTRICAS EM NOSSO COTIDIANO Fernanda Lima Ferreira Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais Introdução O presente relato de experiência se refere

Leia mais

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 GRUPO 5.4 MÓDULO 2 Índice 1. O Alfabetizador...3 1.1. Contribuições ao Educador-Alfabetizador... 4 1.2. Ações do professor alfabetizador... 4 2. Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 2 1. O ALFABETIZADOR

Leia mais

VISÃO GERAL DA DISCIPLINA

VISÃO GERAL DA DISCIPLINA VISÃO GERAL DA DISCIPLINA Antes eu não gostava de Matemática, mas agora a professora joga, conta história e deixa a gente falar né? Então é bem mais divertido, eu estou gostando mais. Pedro, 9 anos. Neste

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/Letras Escola Estadual Prof.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/Letras Escola Estadual Prof. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/Letras Escola Estadual Prof. José Fernandes Machado Professor Supervisor: Ladmires Carvalho Bolsistas:

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL DIDÁTICO COM VISTAS À INCLUSÃO

O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL DIDÁTICO COM VISTAS À INCLUSÃO O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL DIDÁTICO COM VISTAS À INCLUSÃO Ms. Márcia Valéria Azevedo de Almeida Ribeiro IFFluminense/ISECENSA/UCAM/CEJN mvaleria@censanet.com.br

Leia mais

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL No processo ensino-aprendizagem Rio de Janeiro 2005 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE DINÂMICA GRUPAL OBJETIVOS: Estudar

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INFANTIL

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INFANTIL CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INFANTIL Tatiana Moraes Tayla Mascarenhas Giovanna Fernandes Franciele Sousa RESUMO Faz-se uma abordagem acerca da importância da contação de história dentro do espaço escolar, visando

Leia mais

LETRAMENTO E RESGATE CULTURAL: RELATÓRIO DE APLICAÇÃO DE UM PROJETO DE LETRAMENTO

LETRAMENTO E RESGATE CULTURAL: RELATÓRIO DE APLICAÇÃO DE UM PROJETO DE LETRAMENTO LETRAMENTO E RESGATE CULTURAL: RELATÓRIO DE APLICAÇÃO DE UM PROJETO DE LETRAMENTO Laurita Rodrigues de Amorim 1 Nei de Lima Rocha O presente relatório de aplicação de um projeto de letramento foi realizado

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

Palavras-chave: Subprojeto PIBID da Licenciatura em Matemática, Laboratório de Educação Matemática, Formação de professores.

Palavras-chave: Subprojeto PIBID da Licenciatura em Matemática, Laboratório de Educação Matemática, Formação de professores. 00465 A IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA Regina Helena Munhoz Professora Adjunta Departamento de Matemática UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina RESUMO

Leia mais

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno)

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno) ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

BLOGS COMO APOIO A APRENDIZAGEM DE FÍSICA E QUÍMICA

BLOGS COMO APOIO A APRENDIZAGEM DE FÍSICA E QUÍMICA BLOGS COMO APOIO A APRENDIZAGEM DE FÍSICA E QUÍMICA Silvia Ferreto da Silva Moresco Patricia Alejandra Behar UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO NÚCLEO DE TECNOLOGIA APLICADA

Leia mais

ALIANDO A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE NO COTIDIANO DA ESCOLA ATRAVÉS DO PIBID

ALIANDO A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE NO COTIDIANO DA ESCOLA ATRAVÉS DO PIBID ALIANDO A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE NO COTIDIANO DA ESCOLA ATRAVÉS DO PIBID 2 ALIANDO A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE NO COTIDIANO DA ESCOLA ATRAVÉS DO PIBID BORGES Maria Jesus da Cunha 1 MORAES Adriana

Leia mais

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução A química estuda as substâncias e suas transformações químicas. Essas substâncias são formadas de átomos de elementos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL BILINGUE PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL BILINGUE PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL BILINGUE PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR Débora Rebeca da Silva Santos 1 Rennan Andrade dos Santos 2 Bárbara Amaral Martins 3 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Campus do

Leia mais

As pesquisas sobre o livro didático de História: temas e perspectivas

As pesquisas sobre o livro didático de História: temas e perspectivas As pesquisas sobre o livro didático de História: temas e perspectivas Raphaela de Almeida Santos RESUMO O texto analisa os trabalhos apresentados no Simpósio Internacional Livro Didático. Educação e História,

Leia mais

e educação de jovens e adultos

e educação de jovens e adultos Formação de neoleitores e educação de jovens e adultos Tancredo Maia Filho III Fórum do Plano Nacional do Livro e Leitura III Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias 20 de agosto

Leia mais

Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico

Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico Maria Inês Batista Campos maricamp@usp.br 24/09/2013 Universidade Estadual de Santa Cruz/UESC Ilhéus-Bahia Objetivos Compreender o livro didático

Leia mais

1.1 Os temas e as questões de pesquisa. Introdução

1.1 Os temas e as questões de pesquisa. Introdução 1 Introdução Um estudo de doutorado é, a meu ver, um caso de amor, e em minha vida sempre houve duas grandes paixões imagens e palavras. Escolhi iniciar minha tese com o poema apresentado na epígrafe porque

Leia mais

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik O ensino de ciências segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais O ensino de Ciências tem

Leia mais

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO Fernanda Félix da Costa Batista 1 INTRODUÇÃO O trabalho com gêneros textuais é um grande desafio que a escola tenta vencer, para isso os livros

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente..

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente.. GÊNEROS TEXTUAIS PROJETO DIDÁTICO Aula 10 META Apresentar a criação de um produto fi nal, a partir de atividades de leitura e escrita, como possibilidade de ressignifi cação da aprendizagem dos gêneros

Leia mais

Dossiê: Livro Didático e Ensino de História

Dossiê: Livro Didático e Ensino de História Dossiê: Livro Didático e Ensino de História Luciana Rossato* Vanderlei Machado** O número 1 do volume 23 da Revista Cadernos do Aplicação aborda o livro didático de História. Busca situar sua historicidade,

Leia mais

Sensibilizar para o Desperdício Alimentar

Sensibilizar para o Desperdício Alimentar Sensibilizar para o Desperdício Alimentar 1. Descrição Sensibilizar para o Desperdício Alimentar 2. Razões justificativas da ação: Problema/Necessidade de formação identificado A nível mundial, são muitas

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: LIBRAS Código da Disciplina: NDC139 Curso: Faculdade de Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 7 período Faculdade responsável: NDC Programa em vigência a partir

Leia mais

Uso de Metáforas em Poesia e Canção

Uso de Metáforas em Poesia e Canção Uso de Metáforas em Poesia e Canção Ângela Gonçalves Trevisol Tamara dos Santos A partir de observações em sala de aula para a disciplina de Seminário para o ensino de literatura brasileira percebemos

Leia mais

Manual do Professor. Orientação e Supervisão : M. Ligia C. Carvalhal, *Projeto Microtodos, a microbiologia a serviço da cidadania.

Manual do Professor. Orientação e Supervisão : M. Ligia C. Carvalhal, *Projeto Microtodos, a microbiologia a serviço da cidadania. MicroLigue - o jogo das associações - Manual do Professor Autores: Roseane de Souza, M. Marta Carvalhal e M. Ligia C. Carvalhal. Ilustração: Daniela C. Velázquez. Orientação e Supervisão : M. Ligia C.

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ABORDAGENS DA PROBLEMÁTICA ATUAL

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ABORDAGENS DA PROBLEMÁTICA ATUAL ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ABORDAGENS DA PROBLEMÁTICA ATUAL Autora: DINIZ, Ana Maria C. Almeida Universidade Estadual da Paraíba UEPB e-mail: ana_diniz_4@hotmail.com 1 RESUMO O presente artigo objetiva

Leia mais

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 200 REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES Elizete Beatriz Azambuja Doutoranda em Linguística UEG Unidade de São Luís de Montes

Leia mais

Autores: CHRISTIANE CABRAL E HUGO RODRIGUES

Autores: CHRISTIANE CABRAL E HUGO RODRIGUES DEVERES DA ESCOLA NA OFERTA DE EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, COM IGUALDADE DE CONDIÇÕES E OPORTUNIDADES PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: da convenção às orientações legais e pedagógicas para uma educação inclusiva.

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA -

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - Rio de Janeiro / 2014 0 SUMÁRIO Público-alvo p. 2 Justificativa p.2 Objetivos Gerais p. 3 Objetivos Específicos

Leia mais

Artigo de opinião. Este material foi compilado e adaptado de material didático criado pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco

Artigo de opinião. Este material foi compilado e adaptado de material didático criado pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco Artigo de opinião Este material foi compilado e adaptado de material didático criado pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco O TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO É UMA TIPOLOGIA TEXTUAL QUE VISA

Leia mais

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h:

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h: ARTES ENSINO FUNDAMENTAL Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Artes e educação, concepções teóricas. Histórico

Leia mais

Sociologia Geral e da Educação

Sociologia Geral e da Educação Sociologia Geral e da Educação Objetivo:Discutir a função social da escola Conteúdos: capítulos 7, 8 e 9 Metodologia: Aula expositiva dialogada Apresentação do vídeo Para que serve a escola Apresentação

Leia mais

Cultura norte-americana e consumismo em sala de aula: a cultura dominante sobre a cultura dominada

Cultura norte-americana e consumismo em sala de aula: a cultura dominante sobre a cultura dominada Cultura norte-americana e consumismo em sala de aula: a cultura dominante sobre a cultura dominada Paulo Henrique Padilha Pureza Vanessa Zaniol INTRODUÇÃO As aulas foram planejadas para serem desenvolvidas

Leia mais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais INTRODUÇÃO Para o ensino de Ciências Naturais é necessária a construção

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE INGLÊS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE INGLÊS - 9.º ANO DE INGLÊS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No final do 9.º ano, o aluno deve ser capaz de: compreender as questões principais, quando é usada uma linguagem clara e estandardizada e os assuntos

Leia mais

LITERATURA: UM INSTRUMENTO PARA O LETRAMENTO E PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES CRÍTICOS

LITERATURA: UM INSTRUMENTO PARA O LETRAMENTO E PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES CRÍTICOS LITERATURA: UM INSTRUMENTO PARA O LETRAMENTO E PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES CRÍTICOS Mariana Jantsch de Souza (UFPel) Gabriela Rocha Rodrigues (UFPel) Resumo: A presente comunicação aborda a literatura

Leia mais

Ciências Naturais 5º ano

Ciências Naturais 5º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B.,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 5º ano Planificação a Longo Prazo 013/014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Esta linha de pesquisa objetiva o exame dos processos de construção do conhecimento docente do professor de línguas, com ênfase no papel da linguagem

Leia mais

Workshops and games on linguistic variation

Workshops and games on linguistic variation Oficinas e jogos de variação linguística Workshops and games on linguistic variation Monique Débora Alves de Oliveira, mestranda, FAPERJ/UFRJ/SME, mnqdbr@gmail.com. Resumo Este trabalho tem a preocupação

Leia mais

PROJETO LIBRAS. 1. TÍTULO Curso de Formação Continuada em Língua Brasileira de Sinais:

PROJETO LIBRAS. 1. TÍTULO Curso de Formação Continuada em Língua Brasileira de Sinais: 3 PROJETO LIBRAS 1. TÍTULO Curso de Formação Continuada em Língua Brasileira de Sinais: 2. NATUREZA DO PROJETO Curso de Extensão 3. IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Professor Sérgio Vaz Mendes 4. ÁREA RESPONSÁVEL

Leia mais

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO ESCOLA 31 DE JANEIRO 2012/13 PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA TRANSVERSALIDADE NA CORREÇÃO DA ESCRITA E DA EXPRESSÃO ORAL DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS INTRODUÇÃO A língua

Leia mais

GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS

GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS SECRETÁRIO ADJUNTO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ANTÔNIO CARLOS RAMOS PEREIRA CHEFE DE GABINETE

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA

UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA 1 Danielle Thais Vital Gonçalves (UEM-CRV) RESUMO: O presente artigo apresenta resultados

Leia mais

Ensino fundamental. Ciclo 1. Balanços intermédios. do desenvolvimento das competências

Ensino fundamental. Ciclo 1. Balanços intermédios. do desenvolvimento das competências Ensino fundamental Ciclo 1 Balanços intermédios do desenvolvimento das competências Caros pais e encarregados de educação: O balanço intermédio que acabam de receber permite acompanhar o desenvolvimento

Leia mais