PORTUGUÊS ANÁLISE SINTÁTICA. Para iniciarmos nosso estudo, faz-se necessário que diferenciemos Análise Sintática de Análise Morfológica.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTUGUÊS ANÁLISE SINTÁTICA. Para iniciarmos nosso estudo, faz-se necessário que diferenciemos Análise Sintática de Análise Morfológica."

Transcrição

1 PORTUGUÊS Prof. Valladares ANÁLISE SINTÁTICA A Gramática normalmente nos é apresentada em três divisões que são: Fonologia; Morfologia; Sintaxe. Para iniciarmos nosso estudo, faz-se necessário que diferenciemos Análise Sintática de Análise Morfológica. Só existe Análise Sintática se uma palavra aparece ligada a outra. Ex: LIVRO A Análise sintática da palavra "livro" não existe, pois ela não está ligada a nenhuma outra palavra. A análise que poderíamos fazer desta palavra seria a Análise Morfológica, ou seja, classificá-la entre as dez classes de palavras (adjetivo, advérbio, verbo, preposição, substantivo, etc.). Porém para a estrutura "livro-de-bolso, caberia, além da Análise Morfológica, também, a Análise Sintática. Logo: "livro-de-bolso" - substantivo composto. "de-bolso" - Adjunto adnominal. Percebe-se então que,enquanto a análise morfológica é uma análise isolada,a análise sintática é uma análise condicionada. DIFERENÇA ENTRE FRASE ORAÇÃO PERÍODO Frase - Unidade do discurso suficiente para estabelecer comunicação. Pode a frase ter ou não verbo. Ex: Bom dia! Oi! Oração É a frase formada em torno de um verbo. Ex: "Bate outra vez de esperanças o meu coração". Período - É o enunciado constituído por duas ou mais orações. Ex: O pai autorizou que o filho saísse. Termos essenciais da oração Sujeito Predicado Termos integrantes da oração Complementos verbais Complemento nominal Agente da voz passiva Termos acessórios da oração Adjunto adnominal, Adjunto adverbial, Aposto SUJEITO Ser ou objeto a respeito do qual, por meio de um verbo, fazemos uma afirmação ou uma negação. Logo: para que exista sujeito, deve existir também um verbo, porém o fato de existir um verbo não implica existência de sujeito.

2 Ex: Os políticos comentaram o episódio. A afirmação que está sendo feita, por meio do verbo comentar, é a respeito de os políticos (sujeito). À tarde, choveu muito. Nesse exemplo, apesar da existência do verbo (logo existe uma afirmação) não existe sujeito, pois a afirmação é que choveu e não há ser ou objeto que possa funcionar como referência desta afirmação. INFORMAÇÕES SOBRE O SUJEITO É a única coisa que leva o verbo para o plural. Não existe sujeito preposicionado. Concluímos, a partir desta informação, que preposicionados não podem exercer a função de sujeito. vocábulos CLASSIFICAÇÃO DO SUJEITO Sujeito simples: apresenta apenas um núcleo. Ex. : O velho voltou à igreja. Sujeito simples: O velho. Sujeito composto: apresenta dois ou mais núcleos. Ex. : O velho e o garoto voltaram à igreja. Sujeito composto: O velho e o garoto. Sujeito indeterminado: Ocorre quando existe a afirmação, negação, porém não conseguimos detectar por quantos núcleos é formado o sujeito, ou seja, não é possível a contagem de núcleos. Há,em português, duas maneiras de indeterminar o sujeito. 1ª Usando-se a 3ª pessoa do plural sem antecedente. Ex: Falaram de você. Nesta oração, o sujeito é indeterminado, pois, apesar de o verbo estar no plural, a referência desse verbo pode ser apenas um ser. Para que possamos entender o 2º caso, é necessário que façamos a diferença entre SE (partícula apassivadora) e SE (índice de indeterminação do sujeito), logo deveremos entender como se constrói a voz passiva. Classificação das vozes verbais Voz Ativa - ocorre quando o sujeito pratica a ação verbal. Voz Passiva -ocorre quando o sujeito sofre a ação verbal. Voz reflexiva- ocorre quando o sujeito pratica e sofre a ação verbal. Logo, a classificação da voz verbal só pode ser feita depois da identificação do sujeito.de forma simplória, pode-se afirmar que quem tem voz é o sujeito. No exemplo: Choveu ontem, não há voz alguma, pois, para classificarmos a voz em ativa ou passiva, há necessidade da existência do sujeito. Como formar, então, voz passiva? Precisamos de voz ativa; Como na voz passiva o sujeito sofre a ação verbal, a ativa correspondente deve trazer consigo algo que esteja sofrendo a ação verbal..é, também, importante lembrar que o ser ou objeto que está sofrendo a ação verbal não poderá vir acompanhado de preposição (OBJETO DIRETO). Isto se dá, pois ele se transformará em sujeito. Ex: Os políticos pressionaram o governo. Sujeito ativo OD

3 O Governo foi pressionado pelos políticos. Sujeito passivo AVP Ex: O ar campestre é saudável. Para esta oração não temos voz passiva.isso se dá, pois não temos nada sofrendo a ação verbal, até mesmo porque o verbo não é de ação. Estrutura da voz Passiva Ex: Milhares de abelhas invadiram a cidade. Temos, nesta oração, voz ativa, pois o sujeito está praticando a ação verbal. Percebemos que esta ativa pode ser transformada em passiva, isto, pois temos algo que sofre a ação verbal e não traz consigo preposição(objeto DIRETO), logo pode ser transformado em sujeito. A cidade foi invadida por milhares de abelha Sujeito particípio agente da voz passiva Essa estrutura não muda nunca, na passagem para a voz passiva analítica o objeto direto se transforma em sujeito, e o sujeito se transforma em agente da voz passiva. Obs 1: OBJETO DIRETO: pré-requisito para voz passiva. Obs 2: a principal mudança que ocorre na passagem da ativa para a passiva é a mudança de sujeito. Classificação da voz Passiva Voz passiva analítica - Nesta voz passiva temos sempre uma locução verbal. Voz passiva sintética - Nesta voz passiva temos sempre uma partícula apassivadora(se), Divulgou-se o plano. (estrutura reversível) Concordou-se com o plano(estrutura irreversível) PA sujeito IIS Nota: Para diferenciarmos SE (PA) de SE (IIS), basta observarmos a referência do verbo, se ela trouxer, preposição o SE é IIS (neste caso obrigatoriamente o verbo deverá ficar no singular).caso a referência verbal não traga preposição, o SE é PA (neste caso se o SE for PA, irá funcionar como partícula apassivadora e teremos então voz passiva, ou seja,sujeito sofrendo a ação verbal, e o verbo de tal oração deverá concordas com esse sujeito). Logo a passagem da ativa para a passiva está condicionada à analise da predicação verbal : VerbosTransitivos Diretos(VTD s) e Verbos Transitivos Indiretos(VTDI s) geram voz passiva, já Verbos Intransitivos (VI s), Verbos de ligação (VL s) e Verbos Transitivos Indiretos (VTI s) não geram, pois como vimos anteriormente o pré-requisito para voz passiva é o objeto direto. Resumo: Partícula apassivadora a) estrutura reversível. b) sujeito determinado. c) verbo no singular ou plural(depende do sujeito). Ex.: Analisou-se a proposta. Reversão: A proposta foi analisada. Índice de indeterminação do sujeito: a) estrutura irreversível. b) sujeito indeterminado. c) verbo sempre na terceira pessoa do singular. Ex.: Necessita-se de bons médicos. Sujeito inexistente ou Oração sem sujeito: ocorre quando apesar do verbo (há uma afirmação), porém tal afirmação não faz referência a nenhum ser ou a nenhum objeto. Os verbos que não possuem sujeito são classificados como: VERBOS IMPESSOAIS Os principais verbos impessoais são: FAZER e ESTAR indicando tempo decorrido e clima, temperatura: Faz alguns meses que estive no dentista. Ontem fez três anos que me formei. Apenas ontem, fez frio e calor nesta nossa cidade.

4 Nesse momento, faz trinta graus em nossa redação. Está quente demais; vai chover. HAVER no sentido de: 1. existir: Havia muitos outros livros na mala desaparecida. OD Adj. Adv. Lugar Existiam muitos outros livros na mala desaparecida. Sujeito Adj. Adv. Lugar 2. acontecer: Houve outros fatos curiosos durante a festa. OD Adj. Adv. Tempo Aconteceram outros fatos curiosos durante a festa. Sujeito Adj. Adv. Tempo 3. fazer (tempo) Havia duas semanas que ele viajara. Fazia duas semanas que ele viajara. Observações: 1. Os verbos existir e acontecer são pessoais, isto é, têm sujeitos, e com estes concordam; já o verbo fazer, indicando tempo decorrido, também é impessoal. 2. Muito empregado coloquialmente, é empregado na língua culta o verbo ter nas três acepções acima. Tem Há (Existe) gente que não desconfia... Vai ter haver (ocorrer) confusão nesse jogo. Já tem há (faz) muito tempo que essa buzina disparou. CHOVER, TROVEJAR, VENTAR, etc. (fenômenos da natureza): Ontem e hoje choveu muito na serra. Ventou pouco; vai chover. Amanheceu frio, hoje. (amanheceu = A manhã nasceu) Observações: Em sentido figurado, esses verbos terão sujeito: EXERCÍCIOS Se possível, faça a transformação para a voz passiva e classifique o verbo quanto à predicação: 1. "Garrafas dançam na prateleira". 2. Os anjos não compreendem os homens". 3. Gosto muito de você, leãozinho. 4. O amor dera-me esta coragem de leão. 5. Tenho falado a verdade. EXERCÍCIOS 1. Está correta a concordância verbal na sentença: a) As discussões que se travam sobre a questão do endividamento externo serão o tema central do encontro. b) Durante o seminário, apresentou-se três propostas diferentes de revisão da lei salarial. c) Incluiu-se no parecer do relator as alterações aceitas de comum acordo por todos os partidos. d) É ingênuo pensar que as restrições ao projeto decorre apenas de idiossincrasias pessoais. e) Falta dois dias para o evento.

5 2. Há erro de concordância verbal na sentença: a) Devemos imaginar que possam haver verdadeiros patriotas entre nós. b) Hão de existir sempre preconceitos contra os quais não se pode lutar. c) Haverão os mortos de retornar e retomar o que lhes pertencia de direito? d) Os acordos havidos entre as partes serão respeitados. e) Cuidemos para que não haja injustiças na distribuição dos cargos. 3. Assinale o período que apresenta concordância verbal INCORRETA: a) Nesta segunda-feira, quando o interventor designado pela Receita Othon de Souza, diretor da Faculdade de Tecnologia iniciar seu trabalho, começará a aparecerem, no próprio Departamento de Ciências, as origens da crise. b) Cerca de mil aposentados e pensionistas, segundo o advogado Milton Peixoto, deverão ingressar na justiça, esta semana, para salvaguardar direitos adquiridos. c) A liquidação extrajudicial era uma das poucas medidas disponíveis aos ministros econômicos que solucionaria o rombo do grupo financeiro. d) Quando é necessário, não se reconhecem os erros. e) O fato, porém, é que pouco se necessita de pessoas que agem desta forma. 4. Assinale a alternativa correta quando à concordância: a) Além das questões gerais de política, levanta-se, nesta edição de Dirigente Rural, outras de âmbito mais restrito, mas não menos expressivas, que ocupam a cena agrícola atual. b) Diante da hegemonia da soja no grupo das culturas produtoras de óleos, perguntam-se sobre as possibilidades de crescimento das demais espécies. c) Para discutir os diversos aspectos relativos à cultura do amendoim, realizou-se um seminário, em meados de setembro, no qual procurou-se evidenciar as vantagens da rotação de culturas. d) Tem havido algum consenso, no Brasil sobre a conveniência de se desenvolver linhagens comerciais de aves, mas quando a questão de quem e como fazê-lo as opiniões passam a divergir. e) Colhidos os frutos caídos, devem-se observar se os locais estão secos e bem ventilados. 5. Assinale a alternativa que completa corretamente a lacunas: Já 8 horas quando se os debates sobre cinema e literatura. a) seria iniciou brasileira b) seria iniciaram- brasileira c) seria iniciou brasileira d) seriam iniciaram brasileira e) seriam iniciou brasileiro. 6. Assinale a alternativa, cuja seqüência substitua, corretamente, o verbo existir pelo verbo haver: I. Existiam verdadeiros jardins, outrora. verdadeiros jardins, outrora. II. Existiram manhãs negras em minha vida. manhãs negras em minha vida. III. Nisso tudo existe um grande perigo. Nisso tudo um grande perigo. IV. Em todas as notícias existem sempre duas versões. Em todas as notícias sempre duas versões. V. Talvez existam provas de inocência do réu. Talvez provas de inocência do réu. a) Havia houveram há há haja b) Haviam houveram há hão hajam c) Haviam houve há há haja d) Havia houve há há haja e) Haviam houveram há há hajam 7. cuidadosamente os cálculos: ainda de novos empréstimos, pois cem mil reais para obra tão vasta. a) Fizeram-se / necessitavam-se / é pouco. b) Fizeram-se / necessitavam-se / são pouco. c) Fez-se / necessitavam-se / são pouco. d) Fez-se / necessitava-se / são pouco. e) Fizeram-se / necessitava-se / é pouco. 8. Assinale a alternativa que complete adequadamente as lacunas: Aprendi que resolver problemas quando qualidades de caráter e inteligência. a) são impossíveis / faltam d) são impossíveis de / falta b) é impossível / faltam e) é impossíveis de / falta c) é impossível / falta

6 9. Em providências necessárias ao saneamento do setor, a lacuna será corretamente preenchida pela expressão da alternativa. a) Haverá de ser tomado b) Haverão de ser tomadas c) Haverá de serem tomadas d) Haverão de serem tomadas e) Haverá de ser tomadas 10. Não se fez corretamente a concordância verbal em: a) Para onde iam aquelas flores? b) Nasciam ervas em torno das sepulturas pobres. c) Deitava-se de cara para o céu, olhando as nuvens que formava desenhos esquisitos. d) Não existem mais dificuldades de rima nem de concordância. e) Não deve haver mais dificuldades de rima nem de concordância. 11. Em qual das orações abaixo o sujeito é inexistente? a) Tristonha, escondia o rosto com as mãos. b) Durante todo o dia, caminhamos sob um sol ardente. c) Precisa-se de operários nesta obra. d) Contaram-se coisas muito estranhas. e) Nesta Terra, faz muito frio. 12. Quando me procurar o desencanto, ou a morte, eu direi, sereno e confiante, que minha vida não foi de todo inútil." sujeito de procurar é: a) indeterminado. b) eu (oculto) c) desencanto d) me. 13. Só num caso a oração é sem sujeito. Assinale-o: a) Faltavam três dias para o batismo. b) Houve por improcedente a reclamação do aluno. c) Havia tempo suficiente para as comemorações. 14. Assinale a oração que não possui sujeito: a) A noite caiu repentinamente sobre a cidade. b) Neste mês,vai fazer um ano de sua partida. c) Só me resta uma esperança. d) O menino vai fazer um ano neste mês. e) O dia amanheceu bastante límpido. f) Choveram tomates sobre o orador. TERMOS ASSOCIADOS AO VERBO Antes de iniciarmos este estudo, é importante perceber que, em uma oração, qualquer palavra que ocorra na frase: ou vem associada a um nome; ou vem associada a um verbo. Os pequenos animais da floresta não perceberam a presença do homem. Sujeito verbo A partir deste esquema, podemos dizer que: Se um termo vem associado a um verbo, pode ele desempenhar uma das quatro funções abaixo: Objeto direto Objeto indireto Adjunto adverbial Agente da voz passiva Caso venha associado a um nome, pode ele desempenhar uma das quatro funções abaixo: Adjunto adnominal Complemento nominal Predicativo Aposto Obs.: Para que possamos compreender a função dos nomes ligados a verbo, faz-se necessário a definição de transitividade e intransitividade verbal.

7 Verbo Transitivo: Para este tipo de verbo percebemos que a ação transita de um agente para um paciente ou destinatário. Ex: A chuva danificou os automóveis. Agente ação paciente Logo, os verbos transitivos pressupõem dois pólos: agente de um lado - paciente ou destinatário do outro. VERBO INTRANSITIVO Com estes verbos, fica anulada a oposição entre agente e paciente. Ex: A manga despencou. Agente - ação intransitiva - não existe paciente ou destinatário. DEFINIÇÕES: Objeto Direto: Vem sempre associado a um verbo transitivo. Sempre é alvo ou destinatário da ação verbal. Ex: A prefeitura exigiu o pagamento das despesas. V.T.D O.D. O Objeto Direto pode, excepcionalmente, ser preposicionado nas seguintes circunstâncias: 1. Para enfatizar o objeto, com verbos que exprimem sentimento (a preposição é facultativa): Ele odeia a todos, só ama mesmo àquele filho doente. 2. Para evitar ambiguidade: Àquele velho datilógrafo, o delegado não consegue enganar. 3. Representado por pronome oblíquo tônico ou pelo relativo quem (a preposição é obrigatória, exigida pelo pronome): Eis um indivíduo a quem eu sempre respeitei. Ele não ofenderia uma formiga, muito menos a ti. 4. Com a preposição de, para traduzir idéia partitiva: Eu jamais beberia dessa mistura que ela lhe ofereceu. OBJETO DIRETO PLEONÁSTICO: É um pronome que reforça um termo anteriormente expresso: Não, nunca! Aqueles tios, Mariana jamais os enganaria, ela não seria capaz. A nós, ele já não nos ama como antigamente. Obs.: Em certas construções, ocorre o Objeto Direto Interno (já contido no sentido do verbo): Havia vários anos que ele vivia uma vida muito tranqüila ali, não queria mudar. Então, feliz, ele sorriu aquele sorriso das pessoas vencedoras. OBJETO INDIRETO: O OBJETO INDIRETO é um termo de natureza substantiva (substantivo, pronome, numeral ou oração substantiva, correspondente ao recebedor ou destinatário da ação verbal. Difere do OD por vir obrigatoriamente preposicionado, com preposição exigida pelo verbo, chamado Verbo Transitivo Indireto (VTI). Não haverá preposição apenas se o OI for representado por pronome átono (me, nos, lhe...). Hoje ele já não acredita em nada, duvida até da própria mãe. Não lhe escreva, não envie a ela a prova de sua infidelidade. Embora o sítio pertença aos três, ela sempre se esquece de que também deve cuidar dele. Também o Objeto Indireto pode ser pleonástico: A nós, talvez ele não nos perdoe nunca. Àquela filha, sim, o banqueiro sempre lhe dá as melhores jóias. Vem sempre associado a um verbo transitivo. Liga-se a verbo através de preposição. Indica o paciente ou destinatário da ação verbal. Ex: Os políticos discordaram do plano. Ação transitiva O.I (paciente da ação verbal)

8 OBJETO DIRETO X OBJETO INDIRETO Sabe-se que o pronome lhe(s) nunca funciona como Objeto Direto e que o pronome o (a) (s) nunca funciona como Objeto indireto. Os demais pronomes oblíquos os átonos e os tônicos podem exercer ambas as funções; sua classificação dependerá da regência do verbo a que se ligarem. Para distingui-los, pode-se usar o recurso de substituir o pronome por um termo substantivo masculino (meu irmão, por exemplo) e verificar se este precisa ser preposicionado: caso o verbo exija preposição, a expressão meu irmão (e o pronome) será objeto indireto; caso contrario, objeto direto. Me, mim Te, ti = meu irmão - OD Se, si,ele(a) Nos, nós Vos, vós Se, si,eles (as) = a meu irmão - OI (Preposição obrigatória) Ele poderia ver-nos, por isso fugimos. Ele poderia ver meu irmão, por isso... (o verbo ver não exige preposição.) Portanto, nós (assim como meu irmão) é, aí, Objeto direto. Ele poderia escrever-nos, mas não quis. Ele poderia escrever a meu irmão, mas... (Observe que a preposição a é obrigatória.) Portanto, nesse caso, nos é Objetivo Indireto. Agente da Voz Passiva: Vem sempre associado a um verbo transitivo na voz passiva. Liga-se ao verbo através de preposição (por, per). Indica o elemento que executa a ação verbal. Ex: O réu foi considerado culpado pelo júri. V.T.V.P A.V.P. Obs.: A diferença entre sujeito ativo e AVP é que, apesar de ambos executarem a ação verbal, o AVP sempre é preposicionado, já o sujeito nunca aparecerá preposicionado. Adjunto adverbial é um termo determinante do verbo, mas pode também determinar um adjetivo ou um advérbio. verbo Você sempre morou aqui? Adjunto adverbial adjetivo Meu pai anda muito cabisbaixo... advérbio Vou ficar mais longe, mas... Veja as classificações dos adjuntos adverbiais sublinhados no exemplo abaixo: Ele, hoje, ainda fala muito bem da aviação, mas já não é tão entusiasmado como antes. ainda: adj. adverbial de tempo do verbo fala muito: adj. adverbial de intensidade do advérbio bem bem: adj. adverbial de modo do verbo fala da aviação: adj. adverbial de assunto do verbo fala já: adj. adverbial de tempo do verbo é (ou de todo o predicado)

9 não: tão: como antes: 1. O adjunto adverbial pode ser representado por: b.1) advérbio: Ele hoje ainda fala muito bem. adj. adverbial de negação do verbo é adj. adverbial de intensidade do adjetivo entusiasmado adj. adverbial de comparação de entusiasmado (ou de todo o predicado) b.2) locução ou expressão adverbial: À noite, ele sairá de novo para a farra. De repente, na parede da sala aparece a imagem do desaparecido. b.3) oração adverbial: Desde que teu cão não seja bravo demais, podes trazê-lo quando quiseres. 2. Tipos de adjuntos adverbiais: O adjunto adverbial pode indicar intensidade do verbo, de um adjetivo ou de um advérbio, ou pode indicar uma das circunstâncias abaixo (dentre outras), vinculadas ao verbo (ou ao predicado). a. De afirmação: Ele sairá sim, com certeza. b. De assunto: Ela sempre fala de seus namoros na adolescência. c. De causa: Devido à chuva, interromperemos os trabalhos. d. De companhia: Ele morava no Rio, com dois irmãos. e. De comparação: Ele canta certamente muito melhor do que o vocalista anterior. f. De concessão: Apesar do forte calor, os dois times estão correndo bastante. g. De condição: Sem dinheiro, será impossível montar essa feira. h. De conformidade: A montagem foi toda feita conforme o projeto. i. De consequência: Ela falava tanto e tão bem do primo que o namorado ficou com ciúme. j. De dúvida: Talvez precisemos regravar este capítulo. k. De finalidade: Vamos mudar-nos para um hotel, para reformarmos o apartamento. l. De instrumento: Não consegui abrir a garrafa com este saca-rolhas. m. De lugar: Vim do interior e moro em Belo Horizonte há quinze anos. n. De matéria: Construiu esse muro com muito cimento e bastante dor no coração. o. De medida: O tecido da cortina deve medir de oito a dez metros. p. De meio: É impossível falar com você por esse telefone. q. De modo: Sairei calmamente, para não espantar os pássaros. r. De negação: O avião jamais chegaria ao destino. s. De preço ou valor: A camisa custou trinta reais; a calça, mais caro. t. De proporção: Quanto mais você insistir, mais ele lhe negará o convite. u. De tempo: Ontem, logo que acordei, ele me deu essa má notícia. 3. Adjunto adverbial x Objeto indireto: Como vimos, o ADJUNTO ADVERBIAL pode ser representado por locução adverbial, que é um conjunto preposicionado, o que o faz parecido com o OBJETO INDIRETO. Distingue-se um do outro pelo sentido: O OBJETO INDIRETO corresponde ao alvo (ao recebedor, destinatário) da ação verbal; O ADJUNTO ADVERBIAL indica uma circunstância da ação verbal. Você não escreveria a lápis um ofício ao juiz!... a lápis é adj. adverbial de instrumento; ao juiz é objeto indireto (alvo, destinatário) TERMOS ASSOCIADO AO NOME Adjunto Adnominal - Predicativo - Complemento Nominal - Aposto Desses termos, o único que nos traz alguma dificuldade é o adjunto adnominal.isso se dá, pois, em determinada construção, ele se confunde com o predicativo, e;em outras, com o complemento nominal. Devido a isso vamos fazer esse estudo, primeiramente, estabelecendo diferenças entre adj.adnominal e predicativo e depois diferenças entre adj. Adnominal e complemento nominal. Não há necessidade de confrontarmos predicativo com complemento nominal, já que estes termos nunca se confundem. Diferenças entre Adj. Adnominal e Predicativo: Obs.: O único momento em que confundimos adj. Adnominal com o predicativo é no momento em que estamos diante de um adjetivo. Logo a análise sintática de um adjetivo só pode ser adj. Adnominal ou predicativo.

10 Adjunto adnominal. Qualidade fixa, ou seja, não depende do verbo. verbo. Predicativo Qualidade não fixa, ou seja depende do Obs.: O predicativo, como o próprio nome revela, nada mais é que um pedaço do predicado. Ex. O professor nervoso chegou. (1) O professor chegou nervoso. (2) A.Adnominal Predicativo (qualidade fixa) (qualidade não fixa) Para sabermos se a qualidade é fixa ou não, basta trocarmos o tempo verbal, se a qualidade, por um momento, deixar de existir ela será não fixa (predicativo). Na oração 1, se alterarmos o tempo verbal, por exemplo, para o futuro: O professor nervoso chegará. Percebemos que o adjetivo nervoso não deixa de existir, pois ele é uma qualidade fixa (Adj. Adnominal) Na oração 2, se alterarmos o tempo verbal, por exemplo para o futuro : O professor chegará nervoso. Percebemos que o adjetivo nervoso deixa de existir, pois ele não é qualidade fixa, ou seja, depende do verbo para a sua existência. Logo concluímos que para se criar um adjunto adnominal basta que liguemos um adjetivo a nome qualquer, porém sem a mediação do verbo. Ex. Carro vermelho. Se quisermos transformar este adj. AdnominaI em um predicativo, basta que coloquemos um verbo entre o nome e o adjetivo.(verbo de ligação). Ex. Carro foi vermelho. O carro continua vermelho. O Carro era vermelho. O carro é vermelho. Diferenças entre Adjunto Adnominal e Complemento Nominal. Adjuntos adnominais Somente se ligam a uma classe de palavras substantivo e possuem valor ativo Complementos nominais Se ligam a advérbios, adjetivos e substantivos abstratos. Possuem valor passivo Exemplo: O telefone É Útil a todos. Predicativo C.N (adjetivo) Paramos Próximo ao cinema. Adj. Adverbial C.N. (advérbio) Os turistas compraram uma linda casa. A. Adnominal Subst. Concreto Podemos, então, visualizar tais diferenças a partir do esquema: Adj. Adnominal Complemento Nominal Subst. Concreto Subst. Abstrato Adjetivo Advérbio

11 Adjunto Adnominal... - Substantivo Concreto Complemento Nominal... - Adjetivo e Advérbio Ad. Adnominal e Complemento Nominal... - Subst. Abstrato Percebemos, porém, que, se a dúvida for entre Adjunto Adnominal e Complemento Nominal e estivermos diante de um nome ligado a um Substantivo Concreto, esse nome só poderá ser um Adj. Adnominal, já que o Complemento Nominal não se liga a Substantivo Concreto. Porém, se um nome aparece ligado a um adjetivo ou a um advérbio, esse nome só poderá ser um Complemento Nominal, já que o Adj. Adnominal não se liga a essas classes de palavras. A única dúvida seria no momento em que estivéssemos diante de palavra ligada a um Substantivo Abstrato. Isto ocorre porque tanto o Adj. Adnominal quanto o Complemento Nominal se ligam a Substantivos Abstratos. O recurso prático para dirimir tal dúvida é: o Adjunto Adnominal possui valor ativo, enquanto o Complemento Nominal possui valor passivo. Ex: Por Amor à vida, parou de fumar. Subst. Abstrato C.N. (sofre a ação de ser amada) O canto da juriti é triste. Subst. Abstrato A. Adn. (pratica a ação) A explicação do professor aos alunos tinha fundamento. A. Adnominal C.N. Nas questões que seguem, marque: a) Se o termo vier associado a um nome; b) Se o termo destacado vier associado a um verbo. EXERCÍCIOS 1. " Eu preparo uma canção. " 2. " A couve mineira tem gosto de bife inglês. " 3. " Remédio do céu é sempre mais barato. " 4. " Nossos encontros eram cada vez mais decepcionantes. " 5. Observe a passagem que segue..."e só de olhar para cima perdia o fôlego. Em qual das opções o termo destacado tem a mesma função que a do termo acima? a) ( ) Eu disse isso ao homem. b) ( )...eu estava era imitando os outros. c) ( )...e jogou para mim. 6. Analise os termos destacados das frases que seguem de acordo com o código: a) objeto direto b) objeto indireto a) Marcela compreendeu a causa do meu silêncio. b) "Jorge e seu pai serviam bebida a todos. c) O marido infiel levou a mulher para casa." d) As multinacionais acreditam no Brasil. 7. Resolva as questões, de acordo com o seguinte código: a) Predicativo: b) Adjunto Adnominal. ( )O poeta ficou bêbado. ( )O poeta bêbado caminhou pela praça. ( )O poeta caminhou bêbedo pela praça. ( )Os alunos desconfiados deixaram o colégio. ( )Os alunos deixaram o colégio desconfiados. 8. Responda de acordo com o seguinte código: a) adjunto adnominal; b) complemento nominal. ( ) A marcha dos soldados impressionou bem ao público. ( ) A marcha sobre Berlim já tinha sido prevista pelos estrategistas. ( ) O ministro se mostrou avesso à idéia. ( ) ( ) A invenção do avião contribuiu para o progresso da humanidade.

12 9. Explique a diferença de sentido entre as frases que seguem: As críticas ao técnico foram infundadas. As críticas do técnico foram infundadas. 10. Os termos destacados estão corretamente classificados, exceto em: a) Ficaram encantados com sua gentileza. (objeto indireto) b) Com as mãos no rosto, parecia petrificado. (predicativo do sujeito) c) Procurava alivio para os seus sofrimentos. (complemento nominal) d) A mim, pobre infeliz, todos abandonam. (aposto) Escreva nos parênteses: EXERCÍCIOS: 1. para objeto indireto (indica o alvo da ação) (preposição sem sentido e vinculada ao verbo) 2. para adjunto adverbial 3. Objeto Direto Preposicionado (preposição vazia de sentido e não exigida pelo verbo) Obs.: para adjunto adverbial, na lacuna escreva a circunstância ( ) Aquela menina só dança com o irmão. ( ) Eu não briguei com você, acredite. ( ) ( ) Vou viajar com minha família para o Sul. ( ) ( ) Você parece ter-se esquecido da promessa de nunca enganar aos seus. ( ) Curiosamente, eu nunca sonho com minha família. ( ) ( ) Por este canal, ele canta para todo o Sul. ( ) ( ) Não pense naqueles momentos desagradáveis. Mas nas festas. ( ) ( ) Sem paciência, ele não convencerá a ninguém. ( ) ( ) Em sonho, sim, me vejo naquelas praias, mas não vivo pensando nelas. ( ) ( ) Você se refere ao Rio com tanta saudade! ( ) ( ) ( ) Converse com meus pais sobre eu ir ao Rio com você. ( ) ( ) ( ) A mim você ofenderá, se preferir beber da água e não do vinho. EXERCÍCIOS 1. Seguindo o modelo, ligue com setas os determinantes sublinhados a seus determinados: A ANATEL trocou o velho e bom interurbano pela americanizada locução chamada de longa distância. a) O uso desnecessário, abusivo ou enganoso de palavra ou expressão estrangeira será considerado como lesivo ao patrimônio cultural brasileiro. b) Estamos assistindo a uma verdadeira descaracterização da língua portuguesa, tal a invasão indiscriminada e desnecessária de estrangeirismos. c) Muitas pessoas dizem de seus adversários: Eu lhes perdôo, enquanto, interiormente, experimentam um secreto prazer do mal que lhes acontece, dizendo para si mesmas que eles não têm senão o que merecem. 2. Em todas as alternativas, o termo destacado é um determinante do verbo, EXCETO em: a) Na Rússia dos anos 50, uma mãe solteira conhece, num trem, um oficial do Exército soviético. b) Mairaux, autor de A Esperança, participou ativamente na luta contra o facismo na Espanha. c) A julgar pela bilheteria, a garotada aprovou, entusiasmada, essa mistura de inteligência e besteirol. d) Mesmo os pais mais ricos têm ouvido os médicos e evitado esses óculos em seus bebês. e) O Ministério da Saúde enviou o relatório final da pesquisa a todas as Secretarias Estaduais. 3. Há objeto direto em todas as alternativas abaixo, EXCETO em: a) O povo brasileiro não tem a obrigação de conhecer palavras ou idiomas estrangeiros. b) A Polícia Civil do Rio de Janeiro não merece uma boa nota por sua atuação. c) Os cidadãos brasileiros sabem mais coisas sobre atores e atrizes da TV do que sobre seus políticos. d) Segundo ACM, a DUDAM constitui, hoje, o maior covil de ladrões. e) No Nordeste, vai faltar farinha e carne-seca.

13 4. Em todas as alternativas, o termo sublinhado é um objeto direto preposicionado, EXCETO em: a) Não há dúvida de que esse moleque odeia a seu irmão. b) A um bom marido ela e todas as mulheres deste país sonhe encontrar. c) Desculpe-nos, mas esse homem não representa nem a mim nem a ninguém de minha família. d) Você não deveria chamar seu filho de marginal. e) Expulsou, então, o pai ao filho mais novo, que nada fizera. 5. Em todas as alternativas, o termo sublinhado funciona como objeto indireto, EXCETO em: a) Toda semana, eu respondo, pela Internet, a um questionário qualquer. b) Tome cuidado para não beber, por engano, da água deste pote. c) Ela jamais entregaria ao marido aquela carta de convocação para a guerra. d) É impressionante como esse cachorro obedece a todos da casa. e) Pegue o que quiser e pague a qualquer dos nossos funcionários. 6. O pronome oblíquo está corretamente classificado em todas as alternativas, EXCETO em: a) A História nos ensina que uma das formas de dominação se dá pela imposição da língua. (OD) b) Quero falar-vos hoje, de um doce e fraternal sentimento: a indulgência. (OI) c) Não te pedi palavras nem gestos, pois sei o quanto te custaria isso. (OI) d) A coragem e a franqueza de Covas tem impressionado a todos nós, mesmo os adversários. (ODP) e) Outro personagem deste mundo que me encanta é esse sociólogo de vocês, o Betinho. (OD) 7. Em todas as alternativas, o termo sublinhado é um adjunto adverbial, EXCETO em: a) Nós pedimos tanto, que nosso avô acabou falando na prisão tudo que o incomodava. b) Nunca tinha visto uma pessoa apegar-se tanto a uma causa quanto seu pai. c) O Estado o castigará pelo prejuízo causado à população. d) A parábola é uma espécie literária, mas não deve sair dos limites do verossímil. e) Penetrava no reino das palavras com a paz e a tranqüilidade das pessoas íntimas. APOSTO Chama-se de APOSTO ao termo de natureza substantiva que determina outro substantivo ou equivalente, que o precede. Esse substantivo determinado pode esta exercendo qualquer função sintática na oração. Eis os principais tipos de aposto: a) Explicativo ( aparece entre virgula, parênteses ou travessões ou após dois-pontos): Os Lusíadas, o maior obra lusitana do Renascimento, quase se perdeu num naufrágio. b) Enumerado: Três línguas ele precisa aprender: inglês, espanhol e... português. c) Resumido ( tudo,nada,todos,ninguém, qualquer pessoa, etc.): Ele se exibe numa rua, numa avenida, numa praça, em qualquer lugar. d) Distribuidor (cada um ou cada qual): Uso, no meu oficio, caneta, lápis e pincel, cada um, é claro, com uma finalidade. e) Especificador ( nomeia, individualizando, um substantivo anterior, sem pausa): Conheci o poeta Escobar na praça da Bandeira. Obs.: 1. O aposto pode referir-se a uma oração inteira: Ele jamais pedia perdão, o que revoltava o pai. ( o = isso = ele jamais pedir perdão) 2. O aposto pode ser representado por oração ( oração substantiva apositiva): Só podes fazer uma coisa: ir lá agora e explicar tua atitude. 3. Não se confunda o aposto com o predicativo ( este pode ser deslocado): Turíbio, nervoso, procurava esconder os papeis e os documentos. (adjetivo predicativo) Turíbio, homem nervoso, não era de levar desaforo para casa. (substantivo aposto):

14 4. Normalmente, aposto aparece após o seu fundamental, mas pode precedê-lo: Individuo de péssima índole, Zé do Morro não era boa companhia para ninguém. EXERCÍCIOS 1. Todas as expressões sublinhadas são determinantes de nome, EXCETO em: a) A lei penal brasileira deve ser aplicada aos fatos puníveis praticados aqui. b) O uso da língua portuguesa é obrigatório nas relações jurídicas e nos meios de comunicação. c) Os meninos guerrilheiros da Tailândia entregaram suas armas e prometeram freqüentar a escola. d) O que os comerciantes vêem é um recorde de vendas que os deixa em situação confortável. e) Os soldados chegaram à Capital esgotados, com o moral baixíssimo e ameaçados de morte. 2. As palavras e expressões sublinhadas abaixo funcionam como Adjunto Adnominal, EXCETO em: a) Essa é uma importante tarefa de profissionais de saúde especializados na área de atendimento. b) Na falta de uma palavra ou expressão em nossa língua, será aceito o termo estrangeiro aportuguesado. c) O descumprimento de qualquer disposição desta norma sujeita o infrator a sanção administrativa. d) O poder Executivo a regulamentará no prazo máximo de um ano, a contar da data de sua publicação. e) A criação de neologismos regionais será evitada, para se conservar a unidade lingüística do país. 3. O termo sublinhado em cada alternativa abaixo só não funciona como Predicativo em: a) Ele considera importante qualquer questão que possa ajudar-nos na preparação. b) Os redatores de alguns jornais não contam com a ajuda preciosa de um bom revisor. c) Há, em nossa vida, bastantes coisas que consideramos inatingíveis, e por isso não as buscamos. d) O obstáculo maior que ele enfrenta é degradante. e) Esses jogadores, mesmo após tudo o que vocês noticiaram, continuam beberrões e desobedientes. 4. Assinale a alternativa em que se sublinharam um Adjunto Adnominal e um Predicativo. a) Se estivesse vivo, professor, Santos Dumont teria feito cem anos em b) O sono, prenúncio da morte, tomara conta daquele pobre doente. c) Caso não se comprove nada contra o acusado, ele voltara a ser funcionário do Estado. d) Seu irmão mais velho era o agente do banco quando ocorreu o assalto? e) O complemento nominal é um termo que se assemelha muito ao adjunto adnominal. 5. Em todas alternativas, o termo sublinhado funciona como Aposto, EXCETO em a) O ídolo nunca se preocupava com sua segurança, o que chateava a esposa. b) A noz, o burro, o sino e o preguiçoso, sem pancadas, nenhum faz seu ofício. c) Apolo entregava diariamente a seu pai um quilo de carne, dois maços de cigarros e dez cruzeiros. d) Quem poderia imaginar que o coelho, animalzinho tão delicado, fosse capaz de tal estrago. e) Durante muito tempo, o planeta Marte foi o depositário de todas as nossas fantasias interplanetárias. 6. Assinale a alternativa em que se classificaram incorretamente os termos sublinhados. a) O desmatamento dessa área só será permitido caso haja reposição de todas as arvores. (CN-CN) b) Nos dias atuais, a redação de cartas, quando há, dá-se quase unicamente via internet. (AA-CN) c) O indivíduo medíocre critica porque muitas coisas não estão ao alcance de sua mão. (AA-AA) d) A explicação do professor não convenceu os pais dos alunos.(aa-aa) e) A conservação dos dentes sempre bem limpos é essencial para a saúde geral do corpo. (AA-CN) 7. O sono é a infância da morte (1): um repouso transitório (2). Tem um túmulo, o leito (3);tem um verme : o pesadelo. Em compensação, como a morte, propicia um bálsamo (4): o esquecimento (5). Os termos sublinhados acima estão corretamente classificados, EXCETO em: a) (1): predicativo b) (2): adjunto adnominal c) (3): predicativo d) (4): objeto direto e) (5): aposto 8. A função sintática do termo em destaque está incorretamente indicada na alternativa. a) Todas essas festas e as roupas de que ele está falando são da época de D. Manuel. (CN) b) A explicação do problema coube ao pai de um colega meu (CN) c) O casamento faz dois tipos de mulheres: a que arruma a casa e a que se arruma. (Aposto) d) Os que acreditam na mão do destino a comandar suas vidas abrem mão de viver. (AA) e) Cresceu muito durante a década de oitenta a maior cidade do Vale, G. Valadares. (Aposto)

15 9. Em A sobrevivência de uma espécie depende, muitas vezes, da capacidade de comunicação de seus membros, os termos destacados funcionam, respectivamente, como a) Compl. Nominal Adj. Adverbial Compl. Nominal b) Aposto-Compl.Nominal- Adj. Adnominal c) Adj.adnominal- Obj. Indireto- Comp.Nominal d) Adj.adnominal- Obj. Indireto- Adj. Adnominal e) Compl.Nominal- Adj.Adverbial- Compl.Nominal 10. O prédio da Escelsa fica mais próximo da Assembléia do que da Praça Costa Pereira. Os termos sublinhados acima funcionam, respectivamente como a) Aposto Adj. Adverbial-Aposto b) Compl.Nominal- Adj.Adverbial Aposto c) Adj.Adnominal Compl.Nominal Aposto d) Adjunto Adnominal Compl. Nominal Adj.Adnominal e) Aposto Adjunto Adverbial Compl. Nominal 11. Em todas as alternativas, o pronome destacado tem valor semântico semelhante, EXCETO em: a) O fazendeiro encontrou-me na estrada da fazenda e não me deixou mais. b) Ele nunca terá a coragem de me olhar na cara e me chamar de ladrão. c) O prefeito certamente cortar-lhe-ia ao meio o salário, se soubesse de suas intenções. d) Ele nunca poderá tirar-nos as terras ou o gado, pois temos recibo e registro de tudo. e) Que mais você quer de seus tios? Eles já lhe garantem o sustento, não é verdade? 12. Assinale a opção em que o pronome átono apresenta o mesmo valor significativo que possui em: uma espécie de riso sardônico e feroz contraia-lhe as negras mandíbulas. a) Tudo nos era indiferente. b) Acontecer-te-á uma desgraça. c) A mãe apalpava-lhe o coração. d) Ao inimigo, não lhe rogo perdão. e) Ainda não te contei o susto por que passei. 13. Em Ouvindo o rufar da catraca, as crianças saem das casas, apressadas, algumas meio desvestidas, ansiosas para entrarem no carro de ferro do circo, os termos destacados funcionam, respectivamente, como: a) Adjunto adnominal e adjunto adverbial de matéria b) Adjunto adverbial de modo e Complemento Nominal c) Predicativo e Adjunto Adverbial de Matéria d) Adjunto Adverbial de modo e Adjunto Adnominal e) Predicativo e Adjunto Adnominal 14. Em Depois de dois dias de nada garimpar, Xande começou a pensar que garimpo não era mesmo tão fácil como diziam; aquilo era, sim, fácil de fazer um louco, isso era, o termo destacado funciona como: a) indireto b) complemento nominal c) objeto predicativo do sujeito d) objeto direto e) adjunto adverbial de modo 15. Nas frases Meire me tinha respeito e Ele respeitava-me as cãs, os pronomes funcionam respectivamente, como: a) objeto direto e objeto indireto b) objeto indireto e objeto direto c) adjunto adnominal e objeto indireto d) complemento nominal e adjunto adnominal e) complemento nominal e objeto direto VOCATIVO O vocativo é a palavra ou expressão de chamamento, que não determina um elemento da oração. Relaciona-se ou refere-se ao ser com quem se fala, aquele a quem o emissor se dirige. Jesuína, saia dessa chuva, minha filha! Seu filho não está atrasado para aula, Pedro? Ó formas vagas que torturam minha mente, quando terei paz?

16 A confusão entre o vocativo e o aposto deve-se, geralmente, ao fato de ambos costumarem vir isolados por vírgula (s), o que, na verdade, não é exclusividade deles: outros termos ( o adjunto adverbial, o predicativo do sujeito, etc.) podem isolar-se por virgulas. (Lembre-se de que o vocativo corresponde á pessoa com quem o locutor da frase fala.) As crianças de hoje questionam os pais em quaisquer situações, fato impensável outrora. aposto Qualquer ato do prisioneiro contra Diretoria, na sala ou no pátio, será punido. adj. adverbial Seu filho, ninguém tem coragem de contestá-lo ou dele discordar. OD OD. Pleonástico Aos índios desta aldeia, Senhor Presidente, só lhes resta um pouco de dignidade... e a gripe. OI VOCATIVO OI pleonástico A OAB, entidade máxima do advogado, jamais, Excelência, em todos esses anos, deixou de aposto vocativo adj. adverbial questionar um ato que ferisse a Constituição. Vossos pais, ridículas crianças, saberão o que estão falando sobre a família, Célula-mãe da sociedade. Vocativo aposto EXERCÍCIOS 1. Em todas as alternativas, o termo sublinhado exerce a função de sujeito, EXCETO em: a) Restara, provavelmente, alguma esperança na alma daquela mulher, mas ela não demonstrava. b) Muita discussão e briga houve, antes que se decidisse pela aceitação da proposta. c) Constavam, nas anotações do dono da venda, algumas coisinhas que ele não comprara, mas... d) Já se vê no céu, lá longe, um ponto escuro, que, certamente, é nossa liberdade. e) Uma parte significativa dos contribuintes paga o imposto diretamente na fonte. 2. Escreva nos parênteses o numero correspondente ao tipo de sujeito do verbo(s) destacado (s). 1. sujeito simples 2. sujeito composto 3. sujeito indeterminado 4. sujeito oracional 5. oração sem sujeito a) ( ) a boca do brasileiro acaba destruída pela cárie e pelo preço do dentista. b) ( ) ( ) ( ) Já faz muito tempo que acabou o inverno, mas o frio ainda está aí. c) ( ) ( ) É verdade que na reunião de pais do colégio só havia mães. d) ( ) ( ) Morre-se um pouco a cada dia neste mundo louco a que chamam capital. e) ( ) ( ) ( ) Poucos teriam a coragem que João e Maria tiveram ao enfrentarem a bruxa. f) ( ) ( ) De madrugada, só se ouve um ronco, um raspar de garganta... O mundo parece morto. g) ( ) ( ) Falam muito em Cristo, mas só se vêem cifrões em seus olhos; não nos enganemos. 3. Em todas as alternativas, há verbo impessoal, isto é, oração sem sujeito, EXCETO em: a) Confira lá, pois houve muitas confusões. b) Amanhã, vai fazer três meses que ela perdeu seu emprego. c) Não me importa se ele concordou ou deixou de concordar; vamos em frente. d) Se continuar ventando dessa maneira, nosso telhado não vai resistir Zeca. e) Mande seus soldados correrem; pode haver sérios atritos entre os grupos quando se encontrarem. 4. É de ligação o verbo sublinhado na alternativa a) Meu tio tem um medo enorme de que ela venha a saber. b) Vocês não podem, infelizmente, permanecer nas proximidades do salão de sinuca. c) A única cárie ficava no último dente, o mais complicado de tratar. d) Ao que tudo indica, elas vão continuar solteiras, não é? e) Essas camisas não custaram barato, mas eu não me arrependo.

17 5. As poesias te fornecem exemplos, te ilustram, te emocionam, te inspiram, te curam. A respeito dos verbos acima destacados, é CORRETO afirmar que, em suas orações, a) quatro deles tem a mesma classificação; o outro tem classificação diferente. b) dois deles tem uma mesma classificação; os outros três outros classificação. c) dois tem um classificação, dois outros tem uma segunda classificação, e o quinto, uma terceira. d) dois deles recebem a mesma classificação; cada um dos outros três tem uma classificação diferente. e) cada um deles tem uma classificação diferente. 6. Existem jornais tão mal escritos e superficiais,que nada me acrescentariam se os lesse diariamente. As classificações dos verbos acima estão respectivamente corretas em a) Transitivo direto, transitivo indireto, transitivo direto e indireto. b) Intransitivo; transitivo indireto; transitivo direto. c) Transitivo direto; transitivo direto e indireto; transitivo direto e indireto. d) Intransitivo; transitivo direto e indireto; transitivo direto. 7. Você não descobrira jamais se estou mentido ou falando a verdade. As classificações dos verbos abaixo estão respectivamente corretas na alternativa a) Transitivo direto; Intransitivo; transitivo direto. b) Transitivo; transitivo; transitivo direto. c) Transitivo direto e indireto; transitivo direto; transitivo direto. d) Transitivo; transitivo direto; transitivo direto. e) Transitivo direto; transitivo direto; transitivo direto. 8. Todas as seguintes frases apresentam construções com posposição de sujeito, EXCETO a) Causava admiração a facilidade com que ele executava os repiques. b) Diz que lá existe um besouro dourado que o persegue. c) Narra também histórias de contatos com seres invisíveis. d) Soaram, naquele momento, as doze badaladas da meia-noite. e) Jamais faltaram em sua mesa as frutas próprias da época. 9. Todas as locuções verbais abaixo são transitivas, EXCETO a) Ela jamais poderia herdar o que seus pais não possuíam, obviamente. b) Acabe de escrever logo essa carta, que eu já estou indo pra cidade. c) Você não vai querer receber do governo toda essa quantia, ou vai? d) Assim que eu começar a falar com ele, você pode me chamar e fingir que passa mal. e) Ele podia parecer um preguiçoso, mas estava sempre disposto a ajudar. 10. Em todas as alternativas, o pronome destacado exerce a mesma função sintática, EXCETO em a) A leitura exercita a mente e nos torna mais criativos. b) Alguns dos livros que mais me agradaram também os mandaram para a Biblioteca Pública. c) Você não vai querer me enganar, logo a mim que posso ser seu pai. d) Ele além de tudo, ainda era grosseiro com a mãe, o que eu não admito. e) Pelo que sei, seu irmão sempre te ajudou, depois que perdeste o emprego. 11. Falar correto significa falar o que espera a comunidade, e errar é fugir a essa norma. Os termos destacados estão corretamente classificados abaixo, EXCETO em a) falar correto sujeito b) o objeto direto c) a comunidade objeto direto d) errar sujeito GABARITO: 1-B 2 A)1-1,B)5,C)4-5,D)3-3,E) F) 1-1 G) C 4-D 5-A 6-B 7-A 8-C 9-E 10-D 11-C TIPOS DE PREDICADO Predicado é o termo da oração através do qual se faz alguma atribuição ao sujeito. Predicado será verbal, quando a informação importante, contida neste, for um verbo. Ex. Os jogadores caminham pelo gramado. Como a informação importante é um verbo este predicado é verbal. Predicado será nominal, quando a informação importante, contida no predicado,for um nome. Ex. Os jogadores estão cansados. Como a informação importante é um nome, o predicado é nominal. Obs.: Quando o predicado for nominal, encontraremos um predicativo.

18 Ex: Predicado será verbo-nominal, quando a informação importante, contida no predicado, for um verbo e um nome. Os jogadores caminham cansados pelo gramado. EXERCÍCIOS: 1. Assinale a opção em que o predicado é verbal = (assinale a opção em que não haja predicativo): a) João morreu. b) A mulata sambava alegre. c) O dia parece bom para o passeio. d) João saiu alegre da festa. e) Consideraram o mestre ignorante. 2. Assinale a opção em que o predicado é nominal = (assinale a opção em que haja predicativo): a) Elevei a minha voz no sossego da noite. b) E até estava aborrecido. c) Todos os poetas cantam. d) Mas eu estava cantando no meu quarto fechado. e) Eu só sentia o cheiro dos remédios. 3. Classifique os predicados destacados abaixo e, em seguida, marque a alternativa correta. I A família considerou infeliz e, até mesmo, injurioso o depoimento do Coronel. II Penso que, assim eu posso desenvolver mais rapidamente meu senso crítico. III A gramática normativa sempre foi, como o próprio nome indica, de natureza prescritiva. a) Verbal; verbal; verbo-nominal. b) Verbo-nominal; nominal; verbo-nominal. c) Nominal; verbo-nominal; verbal. d) Verbal; verbal; nominal. e) Verbo-nominal; verbal; nominal. 4. Assinale a alternativa que apresenta um predicado verbo-nominal: a) Nos últimos tempos, ele já não tem tido disposição para nosso jogo dominical. b) Com aquela carinha de santa, ela acabava fazendo toda a família de boba. c) Seu pai já não parece ser aquele homem poderoso que nós acostumamos a admirar. d) Os signos das obras de arte permitem, na maioria das vezes, interpretações plurívocas. e) A coerência e a unidade estão tão intimamente ligadas que, faltando uma, a outra fica comprometida GABARITO: 1-A 2-B 3-E 4-B A partir desta lição vamos analisar o PERÍODO COMPOSTO. CLASSIFICAÇÃO DO PERÍODO Período simples: Aquele que consta de uma só oração. A oração que constitui o período simples classifica-se como oração absoluta. Ex. As regiões produtoras de café sofreram com as Geadas. Período simples /oração absoluta Período Composto: Aquele que consta de duas ou mais orações. Ex: Paulo chegou, acendeu a vela, e começou a procurar os sapatos. Oração1 Oração2 Oração3 No período composto podem ocorrer três tipos básicos de oração: Principal; subordinada; coordenada. TIPOS DE ORAÇÕES SUBORDINADAS: Substantivas: aquelas que desempenham função sintática própria de substantivo. Adjetivas: aquelas que desempenham função sintática própria de adjetivo. Adverbiais: aquelas que desempenham função própria de advérbio.

19 Oração Subordinada Substantiva: para que possamos compreender tal assunto é necessário saber quais são as funções que são próprias de substantivos. sujeito; objeto direto; objeto indireto; predicativo; complemento nominal; aposto. Ex. A prefeitura exigiu o pagamento das despesas (a) Objeto direto (substantivo) A prefeitura exigiu que as despesas fossem pagas. (b) Oração 1 Oração 2 Na oração "a", quanto na oração "b" não há alteração semântica, sendo que a diferença de "a" para "b" é que em "a" o período é simples em "b" o período é composto, ou seja, temos uma diferença estrutural. Na oração "a" o núcleo do objeto direto é a palavra pagamento (substantivo). Quando passamos de "a" para "b", o que se está fazendo é permutando um substantivo por uma oração. Assim como esse substantivo (objeto direto) mantinha uma relação sintática com verbo, esta oração que o está substituindo também manterá essa relação. Logo: A prefeitura exigiu que as pessoas fossem pagas. Podemos classificar a oração acima grifada em: Subordinada: pois está encaixada em outra, funcionando como um termo desta; Substantiva: pois está desempenhando uma função (objeto direto) própria do substantivo. Obs.: A oração subordinada substantiva acima está sendo iniciada por um "que", o fato desta oração ser uma substantiva nos garante que esse "que" é uma conjunção integrante. Como recurso prático, para sabermos se uma oração é subordinada substantiva basta que consigamos permutar tal oração pelo pronome isso ou pelo pronome disso. Ex. A prefeitura exigiu que as despesas fossem pagas. A prefeitura exigiu isso. Como foi possível a permuta podemos definir a oração como subordinada substantiva e logo o "que" que a inicia é uma conjunção integrante. Se quisermos fazer a análise sintática da subordinada substantiva, basta que façamos a análise sintática do pronome isso, nisso ou disso pelos qual a permutamos, a análise que couber para o pronome será a análise que caberá para a oração. Exemplo: A prefeitura exigiu isso. A prefeitura exigiu que as despesas fossem pagas. O.D. O.S.S.O.S A oração foi classificada como oração Subordinada Substantiva Objetiva direta,pois mantêm o mesmo valor sintático do objeto direto. CLASSIFICAÇÃO DA ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA Caso apareçam ligadas ao verbo da oração principal, podem funcionar como: Sujeito... substantiva subjetiva Objeto direto... substantiva direta Objeto indireto... substantiva indireta. 1) Oração subordinada substantiva subjetiva. Ex: É evidente que ele não sabe: Obs.: Quando a oração for substantiva subjetiva, o verbo da oração principal só poderá aparecer na terceira pessoa do singular. 2) Oração subordinada substantiva objetiva direta. Ex. Estamos sugerindo aos nossos fregueses que façam este pequeno sacrifício: As orações subordinadas substantivas objetivas diretas, assim como o objeto direto, aparecem ligadas a um verbo e também indicam o alvo sobre o qual recai a ação verbal. 3) Oração subordinada substantiva objetiva indireta. Ex. Certamente não suspeita de que um desconhecido o vê. As orações subordinadas substantivas objetivas indiretas, assim como o objeto indireto, aparecem ligadas a um verbo e também indicam o alvo ou destinatário da ação verbal. Orações subordinadas substantivas ligadas ao nome da oração principal Se uma oração subordinada substantiva vem ligada a um nome da oração principal,pode funcionar como:

20 Predicativo do sujeito substantiva predicativa Complemento nominal substantiva completiva nominal Aposto substantiva apositiva 1) Oração subordinada substantiva predicativa. Ex.: A verdade é que ela não amava a nenhum deles. As orações subordinadas substantivas predicativas sempre se ligam ao sujeito da oração principal. 2) Oração subordinada substantiva completiva nominal. Ex.: Tenho certeza de que é aqui o meu lugar. As orações subordinadas completivas nominais sempre se ligam a um nome da oração principal. 3) Oração subordinada substantiva apositiva. Ex.: Desejava realizar um grande sonho: que todos os homens vivessem pacificamente. As orações subordinadas substantivas apositivas sempre se ligam a um nome da oração principal, porém essa ligação e feita sem preposição e sem mediação de verbo de ligação. EXERCÍCIOS 1. Passe para o período composto: Detectamos facilmente a existência de um erro. Era urgente a aprovação do diretor. Algumas tribos temiam a chegada do inverno. Insistiam na participação do aluno 2. Passe para o período simples: Tínhamos interesse em que você colaborasse. A solução e que você desista. O vendedor dava uma garantia: que o produto valorizaria. Estávamos certos de que você se recuperaria. ORAÇÃO SUBORDINADA ADJETIVA. O tribunal desprezou as críticas que não tinham procedência. Como percebemos, esta oração não é subordinada substantiva, pois não é possível permutá-ia pelos pronomes isso nisso ou disso, logo o "que" que a inicia não é uma conjunção integrante. Como recurso prático, sempre que não conseguirmos permutar a oração pelos pronomes isso, nisso ou disso, deveremos então colocar no lugar deste "que " o nome que o antecede. Ex. As críticas não tinham procedência. A partir desta permuta, percebemos que o "que" está no lugar de um nome (críticas), logo ele é um pronome relativo, e a oração é subordinada adjetiva. Obs.: Também é de fácil percepção que, por se tratar de uma oração adjetiva, essa oração nada mais é do que uma qualidade do substantivo anteriormente citado, ou seja, essas não são quaisquer críticas, e sim aquelas que não tinham procedência Concluímos que a oração subordinada adjetiva sempre se liga a um nome da oração principal e vem introduzida por um pronome relativo.

21 EXERCÍCIOS: 1. Transforme os dois períodos em um só, usando pronome relativo: a) Você me aconselhou um livro. Este livro me agradou muito. b) Eu visitei a casa. Nessa casa você morou. c) Eu visitei a casa. Você comprou essa casa. d) Eu visitei a casa. A essa casa você se referiu. e) Essa é a marca. Você confia nela. Classificação das orações subordinadas Adjetivas: As orações subordinadas Adjetivas podem ser explicativas ou restritivas. Adjetivas restritivas: são aquelas que restringem e extensão do nome, isto é, particularizam um subconjunto dentro de um conjunto. Ex. O técnico prefere jogadores que obedecem a seus esquemas. Esses não são quaisquer jogadores, mas sim aqueles que obedecem aos esquemas do técnico. Adjetivas explicativas: não restringem a extensão do nome, isto é, não particularizam um subconjunto dentro de um conjunto. Ex. A terra, que é um planeta, está muito poluída. Obs. As orações subordinadas adjetivas explicativas vêm sempre isoladas por vírgulas. EXERCÍCIOS: 1. Nas questões abaixo, transforme o adjunto adnominal em oração subordinada adjetiva: Recusaram-se os casos carentes de comprovação. Não se computaram os dados referentes ao mês de maio. 2. Transforme a segunda oração em subordinada adjetiva: Recebi todos os livros. Eles foram indicados pela crítica. Encontrei os amigos. Estava precisando deles. ORAÇÃO SUBORDINADA ADVERBIAL É aquela que funciona como adjunto adverbial. Classificação das orações subordinadas adverbiais Assim como os adjuntos adverbiais, as orações subordinadas adverbiais classificam-se de acordo com as circunstâncias que exprimem. 1) Oração subordinada adverbial causal Ex: A sessão foi suspensa porque faltou energia elétrica. Principais conjunções casuais: porque, visto que, que, já que, como(no início do período)... 2) Oração subordinada adverbial consecutiva Ex: Falaram tão mal do filme que ele nem entrou em cartaz. Principais conjunções consecutivas: que (normalmente precedido de tão, tal, tanto, tamanho... ) 3) Oração subordinada adverbial condicional Ex. Deixe um recado se você não me encontrar em casa. Principais conjunções condicionais: se, caso, desde que, contanto que, sem que (relacionado a uma negação)... Ex: Sem que estudes, não serás aprovado. 4) Oração subordinada adverbial concessiva Ex: Vencemos o inimigo embora ele fosse mais forte. Principais conjunções concessivas: embora, ainda que, se bem que, conquanto, mesmo que...

22 5) Oração subordinada adverbial conformativa Ex: Tudo ocorreu como estava previsto. Principais conjunções conformativas: conforme, como, segundo, consoante... 6) Oração subordinada adverbial comparativa Ex. Recebeu a todos como um anfitrião. Principais conjunções comparativas: como, que, do que... Obs: O verbo da subordinada adverbial comparativa freqüentemente fica subentendido. 7) Oração subordinada adverbial final Ex: Os índios tomaram das armas para Que não invadissem suas reservas. Principais conjunções finais: para que, a fim de que, que, porque. 8) Oração subordinada adverbial temporal Ex: Todos saíram quando ele chegou. Principais conjunções temporais: quando, enquanto, logo que, depois que, antes que... 9) Oração subordinada adverbial proporcional Ex: Aumenta a tensão à medida que o navio se aproxima. Principais conjunções proporcionais: à medida que, à proporção que, quanto mais... Obs: As subordinadas adverbiais possuem uma liberdade de colocação muito grande, podendo vir antes, no meio ou depois da oração principal. Ex: Embora seja possível. É pouco provável uma terceira guerra. É pouco provável, embora seja possível, uma terceira guerra. E pouco provável uma terceira guerra embora seja possível. EXERCÍCIOS 1. Dentre as orações destacadas, indique qual desempenha a mesma função que a da frase matriz: "Não há dúvida de que ele conseguiu um bom negócio. a) Lá pelas onze horas voltou a garantir que não conhecia o tal do mascate. b) Olhou em tomo, com receio de que alguém tivesse percebido a frase imprudente. 2. O vizinho Pires de Meio mandou saber se eu queria barganhar a pele de onça. a) Havia desconfiança de que Aurélia tinha um tutor. b) Nenhum dentista nega que a odontologia seja inacessível à maioria da população. 3. Responda de acordo com os seguintes códigos: a) se a oração for subjetiva; b) se a oração for objetiva direta; I) "É verdade que parte da imprensa aumentou muito o noticiário acerca da delinqüência. II) Sabia eu que não tinha mais trança de moça no detrás daquelas paredes. III) Pouco importa que nos avaliem pela casca. IV) "Já se disse que esta guerra de ser vista em duas perspectivas. V) "Estamos sugerindo aos nossos fregueses que façam este pequeno sacrifício". 4. Classifique as orações abaixo com os seguintes códigos: a) oração subordinada substantiva predicativa. b) oração subordinada substantiva completiva nominal. c) oração subordinada substantiva apositiva. d) oração subordinada substantiva indireta. I) "Desejava realizar um sonho: que todos os homens vivessem pacificamente. II) "Karl Marx acreditava em que a barbárie era a ausência de socialismo. III) "Ali pelo oitavo chope, chegamos à conclusão de que todos os problemas eram insolúveis. IV) A verdade é que ela não amava nenhum deles. V) "Estava convencido de que todos os habitantes da cidade eram ruins. 5. Classifique as orações: a) Como anoitecesse, recolhi-me pouco depois e deitei-me. b) Se soubessem que ele regressaria, ficariam felizes. c) Procederam segundo ordenava a lei. d) "Nunca chegará ao fim, por mais depressa que ande. e) "Fiz -lhe sinal que se calasse.

23 6. Abraçou-me com tal ímpeto, que não pude evitá-lo. Comece com: Não pude evitá-lo... a) Assim b) Quando c) à medida que d) então e) porque 7. Como não dispúnhamos de máquinas, fizemos as contas de cabeça. Comece com: fizemos as contas... a) ainda que b) logo c) à medida que d) embora e) visto que 8. Sem que você me forneça as instruções precisas, nada poderei fazer. Comece com: Nada poderei fazer... a) a não ser que b) por mais que c) por conseguinte d) embora e) visto que 9. Chovia, mas resolvi sair. Comece com: Resolvi sair... a) então b) já que c) ainda que d) portanto e) por isso

24 10. Na estrutura; Criminoso que seja, não deve ser maltratado, observa-se a) concessão b) causa c) condição d) consequência e) tempo GABARITO: 1-B 2-B 3-A;B;A;A;B 4-C;D;B;A; 5-a)OSA causal;b)osa Condicional; c)osa Conformativa;OSA Concessiva;OSA Final 6-E 7-E 8-A 9-C 10-A ORAÇÕES COORDENADAS CONCEITO - Chamam-se coordenadas duas orações que apresentam entre si uma relação lógicosemântica, mas nenhuma dependência sintática (uma não é termo da outra). CLASSIFICAÇÕES - As orações coordenadas classificam-se como: 1º) quanto à presença da conjunção coordenativa a introduzi-la: A) oração coordenada sindética se a conjunção coordenativa está clara, explícita: Ou nos satisfazemos com sugestões, ou não nos caberá mais nada, pois ele é quem manda. B) oração coordenada assindética se a conjunção está elíptica, oculta. Ele conhecia cada quarto, podia reconhecer um ranger de porta, mas não se sentia em casa. 2º) quanto ao relacionamento significativo entre as orações: (Embora a simples presença de uma conjunção não seja suficiente para definir a classificação de uma oração - que se define pela relação significativa entre as orações -, podemos listar as conjunções mais típicas:) CLASSIFICAÇÃO CONJUNÇÃO RELAÇÃO LÓGICO-SEMÂNTICA 1. ADITIVAS e; nem; não só... mas também. adição: Ele dá aulas e vende imóveis. sucessividade: Entrou, assentou-se e fez o pedido. simultaneidade: E chora, e ri, e canta ADVERSATIVAS mas; porém; todavia; entretanto; contudo; no entanto. contraste: Ele é o pai, porém não toma partido. compensação: Não comprou, mas deu gorjeta. 3. ALTERNATIVAS ou; ora... ora; quer... quer; seja... seja; já... já. alternância: Ora se fecha, ora brinca com todos... exclusão: Estude ou veja televisão. 4. CONCLUSIVAS por conseguinte; assim; logo; portanto; pois, etc. conclusão: Ele nada estudou; logo, deve perder. conseqüência: Já cheguei; deixe, pois, de choro EXPLICATIVAS pois, que, porque, porquanto. justificativa: Não grite, que ele pára de chorar. explicação: Mudei-me, pois ele precisava da casa. OBSERVAÇÕES: 1. Uma mesma conjunção pode admitir mais de uma classificação: Vesti minha roupa mais cara, e minha namorada nem notou. (adversativa) Uma questão errada, e minha classificação ficou prejudicada. (conclusiva) Você segura a escada e seu irmão troca a lâmpada. (aditiva) Aja com naturalidade, e ninguém notará. (explicativa) 2. A conjunção POIS explicativa sempre introduz sua oração; POIS conclusiva jamais introduz, mas se pospõe a um dos termos de sua oração: Faça uma boa redação, pois dela dependerá sua avaliação final. (oração explicativa) Preciso dessa roupa hoje; não posso, pois, mandá-la para a lavadeira. (oração conclusiva) 3. Dentre as conjunções adversativas, apenas MAS inicia obrigatoriamente sua oração; as demais porém, todavia, etc. podem iniciá-la ou vir após um de seus termos, assim como ocorre, também, com as conclusivas (portanto, por conseguinte,...): O menino está lá fora, mas o trânsito daqui está interrompido; não há perigo. O coronel Esteves estava na cidade, porém já não tinha a autoridade de outrora. O coronel Esteves estava na cidade; já não tinha, contudo, a autoridade de outrora. Você tem bastante tempo para a prova; não vá, portanto, apressar-se demais. ORAÇÕES REDUZIDAS As orações subordinadas reduzidas não se iniciam por conjunções subordinativas nem por pronome relativo e se apresentam numa das formas nominais do verbo: infinitivo, gerúndio ou particípio. Ex.: 1- O presidente prometeu acabar com a corrupção.(or.sub.subst.reduzida de infinitivo) O presidente prometeu que acabaria com a corrupção. (or. Subord.desenvolvida)

25 2- Querendo, tudo conseguirá. (or.sub.adv.cond.reduzida de gerúndio) Se quiser, tudo conseguirá. (or. Subord.desenvolvida) 3- Terminada a aula, viemos embora. (or.sub.adv.temp.reduzida de particípio) Quando a aula terminou, viemos embora. (or.subor.desenvolvida) EXERCÍCIOS 1. Em todas as alternativas, a oração sublinhada está corretamente classificada, EXCETO em a) Vinha-me a sensação de que não havia feito aquilo que esperavam. (subordinada) b) O presidente estava estranho, suava muito, atropelava as palavras. (coordenada assindética) c) Nunca pensei que fosse tão difícil parar de trabalhar. ( coordenada) d) O cachorro que me acompanhava sempre, meu grande amigo, tinha sido atropelado. (subordinada) e) Prescreveu-me um leve regime e mandou que eu caminhasse diariamente. ( coordenada sindética) 2. A divisão do período e sua classificação (entre parênteses) só NÃO está correta em a) O ortopedista/ que eu procurava/ era de absoluta confiança/ e me ajudou muito. (período composto por coordenação e subordinação) b) A vida para ele será sempre a eterna tortura/ entre o medo dos homens e a descrença em Deus. (período composto por coordenação) c) O ônibus parava a cada dois quilômetros/apanhava homens, mulheres, crianças e animais/ e ninguém reclamava;/ eram todos muito felizes. (período composto por coordenação) d) Agora eles sabem/ que a fome dá um direito/ que passa por cima de qualquer direito dos outros. ( período composto por subordinação) e) A mestra de letras apresentou aquele sorriso de moça nova/ e juro/ que senti seu bafo de flor na sala toda. (período composto por subordinação) 3. Todas as alternativas apresentam períodos compostos por coordenação, EXCETO a) O dinheiro tinha voado, embora não houvesse vento. b) Cheguei à mesa, bebi mais um trago de aguardente e tomei o caminho da rua. c) Certamente ninguém me proibiria de andar nos jardins, sentar-me, ver as mulheres. d) Desloquei as estacas pobres, puxei Merina para junto de mim, abracei-a, beijei-lhe a boca. e) A saia esticada exibia a coxa, mas a minha atenção se concentrava nos braços e nos dedos. 4. Em todas as alternativas há períodos composto por coordenação e subordinação, EXCETO em a) Deitou-se, enfiou a cabeça no lençol, e, apesar de ser muito forte, de seus olhos amarelos começaram a correr lágrimas de dor, de ânsia, de saudade dos seus. b) Como poderia dormir um senhor de engenho que não tinha a coragem de arrancar um negro de sua senzala das mãos de um ladrão de cavalos? c) O senhor de engenho da Santa Fé saíra de um negro fugido e não tivera forças para nada. d) Acendeu a lamparina sem saber como, veio-lhe uma vontade aguda de gritar, de gemer, de chorar alto. e) O capitão, nas tardes de domingo, quando não tinha nada que fazer, deitava-se no marquesão da sala de visitas e chamava o filho. 5. Assinale a alternativa em que a oração substantiva destacada está incorretamente classificada: a) Só não consta em seu depoimento como ele conseguiu fugir. (Subjetiva) b) O tempo não o convenceu de que as leis da natureza são inquestionáveis. (objetiva indireta) c) Fingiu desinteresse, com medo de que a proprietária subisse o preço. (objetivo indireto) d) Seria fácil para quem conhecia tão bem o prédio provocar um curto-circuito. (subjetiva) e) Sempre tivera vontade de responder grosseiramente aquele professor. (completiva nominal) QUESTÕES DE 06 A 08 Classifique as orações destacadas e, em seguida, escreva os parentes e a letra correspondente à ordem correta. a) D F F b) A D E c) C B A d) B F C e) D F E A coordenada sindética adversativa D subordinada substantiva B - coordenada sindética conclusiva E subordinada adjetiva C - coordenada sindética explicativa F subordinada adverbial 6. ( ) I Deixa em paz meu coração, que ele é um pote até aqui de mágoa. ( ) II É pouca minha experiência com mulheres, por isso a omiti das memórias. ( ) III Havia ali muitas galinhas; não via, contudo, o galo daquele terreiro.

26 7. ( ) I Eu não poderia supor que ela nunca teria visto um porco. ( ) II Ele não queria estudar nem trabalhar, de modo que precisou procurar outra casa. ( ) III Ela era tão competente ao piano o quanto fora sua mãe, vinte ano antes. 8. ( ) I Nós sabíamos que não nos veríamos mais, senão por acaso. ( ) II Agia agora com Clarice como o fizera antes com Joana, e não percebia. ( ) III Temia que Luiz fizesse o mesmo que fizera com o engenho de que o pai tanto gostava. 9. Em todos os períodos há oração subjetiva, EXCETO em a) Foi difícil para ele tomar aquela decisão. b) Não mais importava se ele voltaria ou não, o amor morrera. c) Parece que tudo se esclarecerá com a sua volta. d) Não se sabe ao certo quem deu o primeiro tiro. e) A vantagem é que Luisa conhecia o caminho. 10. Qual das orações destacadas abaixo NÃO é completiva nominal? a) Convenci-me, afinal, de que tudo aquilo era ciúmes tolos. b) A chácara esta bem cuidada, e estou certa de que não deixaras ficar mal. c) Todos estamos concordes em que a boa educação é essencial entre nós. d) Ninguém havia feito qualquer referência a que se procurassem outras provas. e) Tinham bastante medo de que os cangaceiros voltassem. 11. A classificação da oração substantiva só está correta em a) Meu desejo é que todos sejam felizes em sua nova profissão. (objetiva direta) b) Gostaria imensamente de que vocês se dessem bem. (completiva nominal) c) Só não entendi o mais importante: o que o levou a denunciar o pai? (objetiva direta) d) O evangelho só pode ser entendido por quem o lê com Deus no coração. (objetiva indireta) e) Sabia-se, agora, que a colheita já estava vendida, mas para quem? (subjetiva) 12. No período paredes caíram, animais enlouqueceram e a água sumira da torneira. Temos: a) Três orações subordinada substantivas. b) Três orações coordenadas. c) Uma oração principal e duas subordinadas. d) Duas orações coordenadas assindéticas e uma subordinada substantiva. 13. Assinale a uma alternativa em que uma oração adjetiva deveria estar entre vírgulas, por ser explicativa. a) A pedra que ele tinha lançado quebrara algo pelo caminho. b) Meu pai que era nervoso não sabia o que fazer. c) O político que não sabe ouvir seu eleitor está fadado a não ser reeleito. d) Os colegas nos quais ele não confiava assentavam-se todos no fundo da sala. 14. As orações adverbiais destacadas estão corretamente seguidas de seu valor semântico, EXCETO a) Tão interessantes são estes livros, que não consigo parar de lê-los. (conseqüência) b) Ele desenvolveu bastante o senso critico, de modo que diminuiu a chance de ser enganado. (proporcionalidade) c) Antes de começar a escrever, confira se aos dados necessários estão próximo. (temporalidade) d) Um texto é muito mais do que as somas das frases que o compõem. (comparação) e) Bem cedinho, ele subia a torre da igreja para tocar o sino e acordar a povoada. (finalidade) 15. Suas mulas andavam tão preguiçosas, que - embora ainda precisasse delas para ganhar dinheiro - decidiu que as venderia. Acerca do período acima, só NÃO é aceitável afirmar que. a) Há três orações adverbiais. b) Há uma oração objetiva direta. c) Há uma oração adjetiva explicativa. d) É um período composto por subordinação. 16. Em todas as frases, o conectivo introduz uma circunstância de causa, EXCETO em a) A seleção ganhou de 1 x 0, posto que tivesse com dois jogadores a mais no 2 tempo. b) A estudante lia livros, porquanto lhe faltara dinheiro para viagens. c) Visto que nada mais havia de ser votado, o congresso entrou em recesso. d) Como o interesse praticamente desapareceu, os concorrentes acabaram desistindo. e) O presidente pode esperá-lo sem preocupação, já que não tem compromisso para hoje.

27 17. Convém que, doravante, o diretor seja favorável a que se atualizem os dados que influem no cálculo da gratificação, afim de que seja decidido, a tempo, se haverá algum aumento. Nesse período há orações que desempenham as seguintes funções sintáticas, EXCETO a) Adjunto adnominal b) Adjunto adverbial c) Complemento nominal d) Sujeito e) Objetivo direto 18. Assinale a opção em que a oração reduzida está corretamente desenvolvida: Apresentando um bom trabalho, ficarás livre do exame. a) Embora apresentes um bom trabalho... b) À medida que apresentares um bom trabalho... c) Ainda que apresentes um bom trabalho... d) Se apresentares um bom trabalho... e) Para que apresentes um bom trabalho... GABARITO: 1-C 2-B 3-A 4-C 5-C 6-C 7-B 8-E 9-E 10-A 11-E 12-B 13-B 14-B 15-C 16-A 17-A 18-D PONTUAÇÃO A função da pontuação é procurar reproduzir, na língua escrita, a grande variedade de pausas e entoações de que a língua oral dispõe. Como a quantidade dessas pausas e entoações é extremamente ampla na língua oral, fica bastante difícil (e muitas vezes impossível) metodizar tais fatos da fala por meio dos sinais de pontuação. Por isso, é aconselhável que você exercite esse assunto utilizando o que da teoria for absolutamente indispensável, mas utilizando também seu bom senso e sua prática de manipulação da língua escrita. Dentre os sinais de pontuação, os três mais frequentes em questões de concursos são: a vírgula, o ponto-e-vírgula e os dois-pontos. Por isso, vamo-nos limitar a estudar somente esses três sinais. EMPREGO DA VÍRGULA Para facilitar o estudo desse sinal de pontuação, vamos dividir o seu emprego em duas partes: EMPREGO DA VÍRGULA ENTRE OS TERMOS DA ORAÇÃO No período simples, isto é, naquele constituído por uma única oração, a vírgula é empregada nos seguintes casos: Para separar termos coordenados: Termos coordenados são termos que têm a mesma função sintática (sujeito, objeto, predicativo etc).. Ele vende livros, jornais, fotos e disquetes. As vírgulas estão isolando núcleos do objeto direto. A riqueza, o poder, a saúde são transitórios. As vírgulas isolam núcleos do sujeito. Obs.: Quando dois termos coordenados vêm ligados por e, ou e nem, eles não devem ser separados por vírgula. Os torcedores, os diretores e o técnico criticam o juiz. Para separar o aposto: O Tejo, rio de Portugal, é muito bonito. Aposto Marcos, nosso sobrinho, voltou hoje. Aposto Para separar o vocativo: Continuem, jovens, a sua luta. vocativo A vitória será nossa, companheiros! vocativo Para separar adjuntos adverbiais deslocados:

28 A posição normal do adjunto adverbial é depois do verbo e do objeto. Quando ele não estiver nessa posição, deverá ficar isolado por vírgulas. Eles, no domingo, não entrarão aqui. adj. adv. deslocado Com muita rapidez, eles executaram o trabalho. adj. adv. deslocado Obs.: Quando o adjunto adverbial for curto, não será obrigatório o uso da vírgula. Cedo chegaram os viajantes. adj. adv. Para separar certas conjunções deslocadas Normalmente a conjunção inicia a oração. No entanto, as conjunções adversativas (porém todavia) e as conclusivas (logo, por isso, portanto) podem aparecer deslocadas, isto é, fora de sua posição normal na oração. Nesse caso, elas devem ficar isoladas por vírgulas. Tenho certeza: não darei, portanto, o braço a torcer. conj. deslocada O trabalho é árduo; ele, porém, não desiste. conj. deslocada Para indicar a elipse do verbo da oração Eu leio livros; você, jornais. A vírgula indica a elipse do verbo lê. Eu falo verdades; você, mentiras. A vírgula indica a elipse do verbo fala. Para separar expressões explicativas (isto é, a saber, ou melhor, por exemplo, etc) Nós viajaremos hoje, ou melhor, sábado. Nas datas Campinas, 9 de março de Obs.: No período simples, a vírgula é proibida: entre o sujeito e o verbo e entre o verbo e seu objeto: Os índios, acreditaram, nos invasores. entre o nome e seu adjunto adnominal ou seu complemento. Os pneus, do carro estavam vazios. A venda, de armas caiu. EMPREGO DA VÍRGULA ENTRE AS ORAÇÕES DE UM PERÍODO No período composto, isto é, naquele formado por duas ou mais orações, a vírgula é usada nos seguintes casos: Para separar orações subordinadas adverbiais Quando cheguei, todos dormiam. Todos dormiam, quando cheguei. Obs.: Pode-se dispensar a vírgula se a oração principal vier antes da oração subordinada adverbial. Todos dormiam quando cheguei. Para separar orações subordinadas adjetivas explicativas: Os políticos, que enganam, merecem desprezo. Obs.: As orações subordinadas adjetivas restritivas não devem ficar isoladas por vírgulas. Os políticos, que enganam, merecem desprezo. Para separar orações coordenadas: Parei, olhei, atravessei a rua. Obs.: As orações coordenadas iniciadas pela conjunção E não são separadas por vírgula. Parei, olhei, atravessei a rua. Se, no entanto, duas orações ligadas pelo E tiverem sujeitos diferentes, elas, devem ser separadas por vírgula. O Brasil venceu, e a Argentina perdeu. Para separar orações intercaladas: O tempo, disse Proust, é mágico.

29 Obs.: No período composto a vírgula é proibida: entre a oração principal e a subordinada substantiva (subjetiva, objetiva direta etc.) Sei, que todos vencerão. entre a oração principal e a subordinada adjetiva restritiva. É bom o carro, que comprei. EMPREGO DO PONTO-E-VÍRGULA O ponto-e-vírgula é um sinal de pontuação que tem por função indicar, na escrita, uma pausa um pouco mais longa que a indicada pela vírgula, porém um pouco mais curta que a indicada pelo ponto. Basicamente usado: Para separar duas orações coordenadas, quando elas são um tanto longas: Reler dedicatórias; abrir ao acaso livros de poetas que preferimos e que infelizmente não são os mais modernos nem os mais célebres; copiar meia estrofe por onde corre um arrepio verbal; separar volumes que não nos falam mais nada (...) (Drummond) Para separar orações coordenadas que, em seu interior, já estão separadas por vírgula: Uns trabalham, lutam, sonham; outros dormem, matam o tempo. EMPREGO DOS DOIS-PONTOS Esse sinal de pontuação é empregado principalmente: Para introduzir uma citação: (fala de outra pessoa): À hora do almoço o diretor disse: Após as 13 horas não haverá expediente. Para iniciar uma enumeração: Eis, honestamente, o seu acervo: 2 batons; 1 lápis para cílios; 1 escovinha idem; 1 espelhinho (...) Drummond). Para indicar um esclarecimento ou uma conclusão de algo que já dito: Teve uma ideia brilhante: assaltaria o caminhão de doces e distribuiria o produto da façanha às crianças da rua. Comprou, no primeiro dia, tudo que viu nas lojas. Resultado: ficou sem um centavo no bolso. FUNÇÕES DA PALAVRA SE A palavra SE pode exercer diversas funções dentro da língua portuguesa. Tais funções são as seguintes: a) Pronome apassivador (PA) Usado para indicar que o sujeito da oração recebe a ação verbal. Na prática, a frase pode ser transposta para a voz passiva analítica (com dois verbos). Elaborou-se a prova. A prova foi elaborada. Obs.: Essa função da palavra SE pode também aparecer com o nome de partícula apassivadora. b) Índice de indeterminação do sujeito (IIS) Como o nome já diz, quando exerce essa função, a palavra SE indetermina o sujeito da oração. Esse tipo de oração não admite a passagem para a voz passiva analítica e o verbo estará sempre na 3ª pessoa do singular. Vive-se bem naquele país. Precisava-se de novas fontes de riquezas. Não se é feliz nas grandes cidades. c) Pronome reflexivo Usado para indicar que a ação praticada pelo sujeito recai sobre o próprio sujeito. É substituível por: a si mesmo, a si próprio etc. O lenhador machucou-se com a foice. (= machucou a si mesmo). d) Pronome reflexivo recíproco Usado para indicar que a ação praticada por um dos elementos do sujeito recai sobre o outro elemento do sujeito e vice-versa. Na prática, é substituível por: um ao outro, uns aos outros etc. Pai e filho abraçaram-se emocionados. (= abraçaram um ao outro).

30 e) Parte integrante do verbo Quando aparece associada a verbos pronominais. Verbos pronominais são verbos que só se usam com pronomes oblíquos. Os principais são: queixar-se, arrepender-se, dignar-se, orgulhar-se, suicidar-se, esquecer-se. Os candidatos queixaram-se do tratamento recebido. f) Partícula expletiva (ou de realce) Sua presença na frase não é necessária, sendo usada apenas para enfatizar a ação verbal. Aparece, basicamente, com os verbos intransitivos: ir-se, sorrir-se, morrer-se, etc. Lá se vai mais um verão de verduras. g) Conjunção subordinativa integrante Inicia oração subordinada substantiva (subjetiva, objetiva direta, etc.) Não sei se eles chegaram tarde h) Conjunção subordinativa condicional Inicia oração subordinada adverbial condicional. Se chover, não sairemos. FUNÇÕES DA PALAVRA QUE A palavra QUE pode ser: Pronome: a) Relativo: quando introduz a Oração Subordinada Adjetiva, retomando um termo da oração antecedente e projetando-o na oração consequente. Nesse caso equivalerá a O QUAL e suas flexões, exercendo função sintática. Os alunos que nos procuraram foram orientados. b) Indefinido: normalmente é usado em frases exclamativas e aparece acompanhado de substantivo, exercendo a função sintática de adjunto adnominal. Que vida maravilhosa! c) Interrogativo: usa-se nas frases interrogativas, com ou sem substantivo, e exerce função sintática. Que livros tu leste para o concurso? Que disseste? Obs.: alguns autores referem-se ao QUE, nesse caso, como indefinido interrogativo. Conjunção: a) Subordinativa Integrante: introduz Oração Subordinada Substantiva. Sei que passarás na prova. Ele tem a consciência de que está bem preparado. b) Subordinativa Comparativa: introduz Oração Subordinada Adverbial Comparativa, normalmente na correlação mais... que ou menos... que. c) Subordinativa Consecutiva: introduz Oração Subordinada Adverbial Consecutiva. Pode combinar-se com tal, tanto ou tão. Estudou que ficou cansado. Ela era tão ágil, que nos impressionou. d) Subordinativa Concessiva: nesse caso, equivale a EMBORA e introduz Oração Subordinada Adverbial Concessiva. Poeta que fosse, não cativava as mulheres. e) Subordinativa Final: nesse caso, é equivalente a PARA QUE e introduz Oração Subordinada Adverbial Final Fiz sinal que (= para que) esperassem um pouco. f) Subordinativa Causal: nesse caso, equivale a PORQUE e introduz Oração Subordinada Adverbial Causal. Vou estudar que (= porque) a prova será difícil. g) Coordenativa Explicativa: equivale a POIS e introduz Oração Coordenada Sindética Explicativa. Acorda, que (= pois) o dia já raiou. h) Coordenativa Adversativa: nesse caso, equivale a MAS e introduz Oração Coordenativa Sintética Adversativa. Entregue o livro a ela, que (= mas) não a nós.

31 i) Coordenativa Aditiva: normalmente, nesse caso, aparece entre dois verbos. Pouco usado nessa acepção, segundo o Houaiss, que nos dá o seguinte exemplo. Luta que luta com tenacidade admirável. j) Coordenativa Alternativa: indica alternância e equivale a OU, introduzindo Oração Coordenada Alternativa. Pouco usado nessa acepção, segundo o Houaiss, que nos dá o seguinte exemplo: Chova que faça sol, compareçam! Obs.: como conjunção a palavra que não exerce função sintática. Substantivo: vem, nesse caso, sempre determinado e acentuado, além de exercer função sintática. Aquela garota tem um quê de ternura. Advérbio: modifica adjetivo ou advérbio, é equivalente a QUÃO e exerce a função sintática de adjunto adverbial de intensidade. Que alegre era aquele rapaz. Que longe ficava a fazenda do meu avô. Preposição: normalmente, vem ligando dois verbos de uma locução verbal e equivale à preposição DE. Todos têm que (= de) fazer os exercícios. Interjeição: Nesse caso, exprime espanto, admiração ou surpresa. Será acentuada e seguida de ponto de exclamação. Quê! A prova do concurso foi adiada? Partícula Expletiva ou de Realce: pode, nesse caso, ser retirada da frase sem prejuízo semântico ou sintático. Pode aparecer também na expressão É QUE. Ele quase (que) ficou sem voz. Os brasileiros (é que) merecem dias melhores. PREÂMBULO Vogal Base: É assim chamada por que se pronuncia com mais intensidade. Ex.: caixa, réu. Semivogal: É assim chamada porque tem pronúncia mais fraca, menos intensa. Ex.: faixa, réu, céu 1. ENCONTROS VOCÁLICOS 1) Hiato: É a sucessão de duas vogais pronunciadas em duas emissões diferentes. Ex.: juiz. 2) Ditongo: É o encontro de uma vogal com uma semivogal na mesma sílaba. Ditongo Crescente: a semivogal antecede a vogal. Ex.: Vitória. Ditongo Decrescente: a vogal vem antes da semivogal. Ex.: lei. Ditongo Oral: Quando pronunciado o ar sai totalmente pela boca. Ex.: vaidade. Ditongo Nasal: Quando pronunciado o ar sai pela boca e parte pelo nariz. Ex.: usucapião. 3) Tritongo: É o encontro formado por semivogal + vogal + semivogal. Tritongo Oral: averigüei. Tritongo Nasal: enxáguam. 2. CLASSIFICAÇÃO DOS VOCÁBULOS QUANTO AO ACENTO TÔNICO Oxítonos Quando a sílaba tônica for a última. Ex:ruim, sutil, hangar, Nobel. Paroxítonos Quando a sílaba tônica for a penúltima. Ex:látex, ibero, maquinaria, gratuito, estratégia, decano, boêmia, avaro, batavo, cartomancia, pudico, rubrica.

32 Proparoxítonos Quando a sílaba tônica for a antepenúltima. Ex.: andrógino, arquétipo, bávaro, crisântemo, hieróglifo, ínterim, ômega, símile. 3. NORMAS VIGENTES DE ACENTUAÇÃO GRÁFICA. Monossílabos Tônicos Os terminados em A, E e O seguidos ou não de S levam acento agudo ou circunflexo. Ex.: má, gás, pé, ré, vê, vês, pó, nós, sós. 3.2 Oxítonos São acentuados os terminados em: A, E e O, seguidos ou não de S: Ex.: quiçá, aliás, ananás, você, rapé, através, freguês, jiló, dominós, compôs, carijós. EM, ENS: Ex.: alguém, porém, parabéns, armazéns. 3.3 Paroxítonos São acentuados os terminados em: R, L, X, N e PS: Ex.: cadáver, ímpar, têxtil, túnel, cóccix, ônix, abdômen, sêmen, bíceps, fórceps. I (S), US: Ex.: júri, cáqui, beribéri, oásis, miosótis, íris, tênis, vírus, lótus, Vênus. Ã, ÃS: Ex.: ímã, órfã, ímãs, órfãs,. UM, UNS: Ex.: álbum, álbuns, médium, médiuns. ÃO (S): Ex.: órgão (s), sótão (s). OM Ex.: rádom, iândom. ON, ON(S): Ex.: próton, elétrons, íons. DITONGOS: Ex.: jóqueis, lígneos, argênteo, ânsia, vitória, cárie, série, estádio, colégios, nódoa, amêndoas, contígua, espáduas, bilíngüe, tênues, vácuo, árduos. 3.4 Proparoxítonos Todos são acentuados: Ex.: cálido, sólido, cômodo, úmido, tímido, pêndulo, pêssego. 3.5 HIATOS Acentuam-se o I e o U, 2ª vogal tônica do hiato, quando formam sílabas sozinhos ou com S e não sejam seguidos de NH. Ex.: ca-ir, ca-í-ra, sa-í-ra, Pa-ul, Sa-ul, A-ta-ul-fo, Ca-im, ca-in-do, re-ú-ne, ca-fe-í-na, ra-iz, ju-í-zes, ra-i-nha, ba-i-nha. Obs.: em consonância com o novo acordo ortográfico da língua portuguesa, as palavras paroxítonas cujo hiato do i e do u se der com ditongo anterior não deverão mais receber acento gráfico. Ex.: baiuca, boiuno, cauila, cauira, feiura, meiuca etc. ÔO(S) Ex.: abençôo, vôos. Ê EM das formas verbais: Ex.: Eles crêem. Eles vêem. Eles lêem. Eles dêem. Obs.: em consonância com o novo acordo ortográfico da língua portuguesa, as palavras que contêm esses hiatos não mais deverão receber acento gráfico. Ex.: voo, voos, enjoo,leem, deem, creem descreem e veem. 3.6 DITONGOS Devem ser acentuadas as vogais E, O, tônicas e abertas, dos ditongos ÉI, ÉU e ÓI, seguidos ou não de S. Ex.: papéis, atéia, estréia, epopéia, coronéis, véu, troféu, chapéus, povaréu, xexéu, jibóia, jóia, ovóide, lençóis, fogaréu.

33 Observação: Quando forem fechados não se acentuam. Ex.: aldeia, baleia, rei, meu, judeu, o apoio, joio. ATENÇÃO: em consonância com o novo acordo ortográfico da língua portuguesa, se o ditongo oral aberto e tônico estiver na posição paroxítona, não deverá mais ser acentuado. Ex.: assembleia, ateia, epopeia, jiboia, joia etc. 3.7 TREMA Recebe trema o U dos grupos güe, güi, qüe, qüi, quando pronunciado e átono. Ex.: lingüeta, lingüiça, seqüestro, tranqüilo. Se o U dos grupos gue, gui, que, qui for pronunciado e tônico, deve receber acento agudo. Ex.: argúi, argúis, averigúe, obliqúe. ATENÇÃO: em consonância com o novo acordo ortográfico da língua portuguesa, o trema e o acento agudo não mais deverão ser usados nos grupos gue, gui, que e qui. Ex.: lingueta, linguiça, sequestro, tranquilo, argui, arguis, averigue, oblique etc. 4. ACENTO DIFERENCIAL pôde (pretérito) pode (pres.) pôr (verbo) por (prep.) pêlo (subst.) pélo (verbo) pelo (prep.) péla (verbo) pela (prep.) pêra (subst.) péra pera (prep.) pólo, pôlo (subst.) polo (prep. arcaica) côa (verbo) coa (com + a) pára (verbo) para (prep.) ATENÇÃO: em consonância com o novo acordo ortográfico da língua portuguesa, os acentos diferenciais foram extintos, remanescendo, de forma obrigatória em pôde (pretérito) e pôr (verbo), para diferençá-los de pode (presente) e por (preposição). Os acentos podem ser usados, ainda, de forma facultativa em dêmos (1a pessoa do plural do presente do conjuntivo), para se distinguir da correspondente forma do pretérito perfeito do indicativo (demos); fôrma (substantivo), distinta de forma (substantivo; 3a pessoa do singular do presente do indicativo ou 2a pessoa do singular do imperativo do verbo formar). Observações: O u não deve ser pronunciado: adquirir equilíbrio inquérito aniquilar equinócio líquen equitação quesito inquirir aqueduto exangue perquirir aquilino extinguir distinguir extorquir O u deve ser pronunciado: ambigüidade lingüiça eqüidade argüição lingüística freqüência bilíngüe lingüista freqüentar qüindecágono cinqüenta freqüente consangüíneo lingüeta seqüência qüingentésimo qüinqüenal seqüencial grandiloqüência delinqüência qüinqüênio conseqüência delinqüente qüinqüídio qüinquagenário seqüestrar delinqüir conseqüente qüiprocó seqüestro eloqüência redargüir tranqüilidade eqüestre sagüi(m) tranqüilo eqüevo seqüela

34 É indiferente o trema e a pronúncia do u : Antiguidade ou Antigüidade Anhanguera ou Anhangüera Equidistância ou Eqüidistância Equidistante ou Eqüidistante Equilátero ou Eqüilátero Equiparar ou Eqüiparar Equitativo ou Eqüitativo Equivalência ou Eqüivalência Equivalente ou Eqüivalente Equivaler ou Eqüivaler Equívoco ou Eqüívoco Languidez ou Langüidez Lânguido ou Lângüido Liquefação ou Liqüefação Liquefeito ou Liqüefeito Liquidação ou Liqüidação Liquidar ou Liqüidar Liquidificador ou Liqüidificador Líquido ou Líqüido Questão ou Qüestão Questionar ou Qüestionar Questionário ou Qüestionário Questionável ou Qüestionável Questiúncula ou Qüestiúncula Questor ou Qüestor Quíntuplo ou Qüíntuplo Retorquir ou Retorqüir Sanguinário ou Sangüinário Sanguíneo ou Sangüíneo Séquito ou séqüito Obs.: O trema é usado nas duas listas acima para facilitar a pronúncia. Pronunciar com [E] aberto. Austero duelo obeso* Caterva elmo servo Cervo indefesso Tejo *A ABL já admite a pronúncia fechada. Pronunciar com [e] fechado. Ginete indefeso Adrede e mais os verbos Alameda aparelhar, espelhar, Cerebelo e fechar em todas as Destra suas formas Escaravelho conjugadas Observação: É indiferente a pronúncia do e aberto ou fechado. Acervo [e] ou acervo [E] Colmeia [e] ou colméia [E] Efebo [e] ou efebo [E] Grumete [e] ou grumete [E] Ileso [e] ou ileso [E] Pronunciar com [O] aberto. Canoro hissope Coldre* inodoro Dolo manopla Fórum (com acento gráfico) probo * Caldas Aulete defendia a pronúncia fechada. Pronunciar com [o] fechado. Algoz boda(s) crosta teor Ápodo choldra filantropo torpe 5. PROSÓDIA É a correta pronúncia da palavra, atentando para a posição da sílaba tônica. São palavras oxítonas:

35 condor ureter cateter masseter mister nobel novel piloti(s) recém (prefixo) ruim São palavras paroxítonas: algaravia (confusão) ambrosia (manjar dos deuses) ambrósia (gênero de planta) ardósia (flor) assecla avaro aziago bafio (cheiro de mofo) barbaria (ato de bárbaro; multidão de bárbaros) barbárie (estado ou condição de bárbaro) batavo (da Batávia, antigo nome da Holanda) beribéri (doença) blasfemo boêmia (boemia é brasileirismo considerado menos correto) ciclope cômpar (igual, semelhante) congérie (acervo, acumulação) cupido (deus do amor) decano díspar (diferente) edito (lei, decreto) efebo (adolescente) filantropo (humanitário) débil (fraco) fotolito (fotolitografia) hecatombe (sacrifício de numerosas vitimas) ibero iene (moeda japonesa) impio (cruel) ímpio (sem fé) látex luzidio (brilhante, luzente) mândria (estado ou qualidade do mandrião, vadiagem) maquinaria (conjunto de máquinas) meteorito misantropo (o que tem aversão ao convívio social) mistagogo (antigo sacerdote que iniciava os neófitos) necropsia (exame médico de um cadáver) ônix oximoro / oximóron (paradoxismo) postigo (portinhola) psique pudico quiromancia refrega (luta, peleja, lida, rubrica) sicofanta (pessoa mentirosa, caluniadora) sílex timbale tórax valido (protegido, favorito) São palavras proparoxítonas: ádvena (forasteiro, estrangeiro) aeródromo aerólito álacre (alegre) amílase (tipo de enzima) anátema azáfama azêmola (besta de carga) bávaro bétula (tipo do arvore: vidoeiro) chávena cinéfilo crisântemo cúpido (cobiçoso) édito (ordem judicial) éolo (vento forte) estrógeno habitat hílari (hilariante) ínterim lídimo (legítimo) máxime (principalmente) megálito (pedra monumental dos tempos préhistóricos) monólito móvito (parto prematuro, aborto) ômega (última letra do alfabeto grego) páramo (firmamento) prosélito sáfaro (inculto, agreste) sátrapa (governador de uma província (satrapia) na pérsia antiga) trânsfuga (desertor) zênite Dupla prosódia acróbata / acrobata alópata / alopata anídrido / anidrido autócrata/ autocrata Dário/ Dario geodésia / geodesia hieróglifo / hieroglifo homília / homilia nefelíbata / nefelibata Oceânia / Oceania ortoépia / ortoepia projétil / projetil réptil / reptil resístor / resistor sóror/ soror transístor / transistor xérox / xerox zângão / zangão CUIDADO! CERTO ERRADO abóbada abóboda aborígine aborígene adivinhar advinhar advogado adevogado aeroplano aereoplano aleijado alejado apropriar apropiar areópago aerópago

36 arrepio arripio asterisco asterístico barafunda barrafunda barganha berganha beneficente beneficiente braguilha barguilha bugiganga buginganga bússola bússula calvície calvice carestia caristia companhia compania cumprir comprir depredar depedrar desmazelo desmanzelo despender dispender discrição discreção elucubração elocubração embutido imbutido empecilho impecilio enxerido inxerido estupro estrupo etimologia etmologia feminina femenina figadal fidagal fragrância fragância fratricídio fraticídio frustrar frustar imbuído embuído infligir inflingir infringir infrigir irascível irrascível irrequieto irriquieto lagartixa largatixa lagarto largato mendigo mendingo meritíssimo meretíssimo mexerica mexirica mortadela mortandela perscrutar prescutar privilégio previlégio prostrado prostado pujança punjança pujante punjante reiterar reinterar reivindicar revindicar repercussão repecursão requisito requesito retrógrado retrógado sobrancelha sombrancelha subjugar subjulgar supérfluo supérfulo tabuleta taboleta truculência trunculência usufruir usufluir EXERCÍCIOS FONÉTICA 1. Assinale a opção em que o fonema /s/ ocorre em todas as palavras: a) exatoria reconhecimento diversificado b) máximo explícita precursor c) acionar - sucesso invisível d) manuseável conceder auxílio e) essencial - êxito - patrício 2. Existem dígrafos nas quatro palavras da alternativa: a) carro, ressaca, descer, sublime b) chave, ninho, quente, milho c) palha, foguete, excesso, apto d) jarro, disciplina, opção, rapto 3. Na estrofe abaixo, ocorrem: "A catedral ebúrnea do meu sonho/ Aparece, na paz do céu tristonho, / Toda branca de luar." a) dois ditongos e quatro encontros consonantais. b) três ditongos e cinco encontros consonantais. c) três ditongos e sete encontros consonantais. d) quatro ditongos e quatro encontros consonantais. e) n. d. a. 4. Assinale a alternativa que apresenta tritongo, hiato, ditongo crescente e dígrafo: a) quais, saúde, perdoe, álcool; b) cruéis, mauzinho, quais, psique; c) quão, mais, mandiú, quieto; d) agüei, caos, mágoa, chato; e) jóia, juiz, pônei, carroça.

37 5. No fragmento "Quanto ao morro do Curvelo, o meu apartamento, no andar mais alto de um velho casarão em ruína..." temos: a) 4 ditongos decrescentes, 2 ditongos crescentes, 1 hiato. b) 6 ditongos decrescentes, 2 ditongos crescentes, 2 hiatos. c) 5 ditongos decrescentes, 1 ditongo crescente, 1 hiato. d) 6 ditongos decrescentes, 2 ditongos crescentes, 1 hiato. e) 5 ditongos decrescentes, 2 ditongos crescentes, 1 hiato. 6. Aponte a falsa correlação entre a cadeia sonora e o respectivo número de fonemas. a) Passasse de súbito (14) b) Frota carregada (13) c) Homem de Sabará (12) d) Sonho generoso (12) e) Terrível queda (13) 7. Indique a opção cujo vocábulo destacado não contém ditongo. a) A paciência é amarga, mas seus frutos são doces. b) O maior defeito é não ter consciência de nenhum defeito. c) Todo homem é culpado do bem que não fez. d) O coração tem razões que a razão não conhece. e) A prosperidade faz amigos, a adversidade os põe à prova. 8. Assinale a alternativa em que, nas três palavras, há um ditongo decrescente. a) água, série, memória. b) balaio, veraneio, ciência. c) coração, razão, paciência. d) apoio, gratuito, fluido. e) jóia, véu, área. 9. (ESAF) Aponte a dupla em que a letra x representa o mesmo fonema. a) enxame inexaurível; c) intoxicado exceto; b) defluxado taxar; d) têxtil êxtase; e) tóxico taxativo. 10. (IDR) Em relação à fonética da Língua Portuguesa, a afirmativa verdadeira é: a) Denominam-se semivogais os /i/ e /u/, quando estão juntos com fonema vogal na mesma sílaba. b) Encontro consonantal e dígrafo são fenômenos lingüísticos idênticos. c) Podem ocorrer dois ou três fonemas vogais numa mesma sílaba. d) O encontro consonantal ocorre apenas na mesma sílaba. e) N.d.a. ACENTUAÇÃO GRÁFICA 01. Assinale a alternativa com todos os vocábulos acentuados corretamente, segundo a regra das oxítonas. a) cajá - jacaré - caju - sapotí. b) vatapá - rodapé - angu - juriti. c) através - seridó - dendê - trisavô. d) maçã - você - canguru - ipê. e) detêm - argúi - recaí - herói. 02. Assinale a opção em que o trema foi empregado corretamente em todas as palavras. a) qüente freqüente - qüitanda - consegüinte. b) seqüência - qüilombo - qüilômetro - qüestão. c) agüentar - argüição - eloqüente - tranqüilo. d) líqüido - qüinqüênio - seqüestro - distingüir. e) séqüito - qüérulo - sangüinoso - adqüirir. 03. Obedecendo às regras, coloque, se necessário, acento nas palavras em destaque: depois, respectivamente, marque a alternativa correta. O juiz inflexivel foi a ruina de Estevão, o qual não atendia aos reclamos dos orfãos. a) não há, agudo, agudo, circunflexo, não há. b) agudo, agudo, agudo, não há, não há. c) não há, agudo, agudo, circunflexo, agudo. d) agudo, agudo, não há, não há, agudo. e) não há, agudo, não há, circunflexo, agudo.

38 04. Assinale a alternativa em que pelo menos um elemento não se classifica, quanto à tonicidade, como os demais. a) daí - ancião - ninguém - sofá - perceber. b) página - fotógrafo - lágrimas - pálida. c) avoenga - tetraneta - história - cavanhaque. d) luto - escuta -juramentos - soalho - neve. e) por - da - que - um - fez. 05. Com relação ao acento gráfico, indique a alternativa em que todas as palavras estão corretas. a) chácara - maquinario - Zazá - cardápio - própria - ítem - experiência. b) xícara - saudável - siri - saúde - maquinario -necrópsia. c) cabeleireiro - nóbel - caju - gasoso - heróicamente - água. d) caracteres - vadiice - hieroglifo - polens - pêra -pára. e) uréter - púdico - rubrica - interim transistor côco. 06. A acentuação do vocábulo país é justificada. a) porque é paroxítono terminado em ditongo. b) é acentuado para distinguir-se de pais. c) apresenta "i" tônico que não forma ditongo com a vogal anterior. d) apresenta acento agudo por ser oxítona. e) ditongo decrescente no final do vocábulo. 07. Assinale o item incorreto em relação aos elementos do texto a seguir. "O atentado no metrô de Tóquio parece ter aberto um novo capítulo na história do terrorismo: a possibilidade do uso de armas de destruição em massa nas metrópoles." (Isto É/95) a) O acento gráfico das palavras Tóquio e história obedece à mesma regra de acentuação. b) As palavras capítulo e metrópoles são acentuadas por serem proparoxítonas. c) A palavra metrô é exemplo de abreviação vocabular, tal como foto, moto e pneu. d) As palavras terrorismo, destruição e possibilidade são formadas por sufixos nominais, a partir de base verbal. e) A palavra metrópole designa cidade grande e importante que exerce influência sobre outras. 08. No que se refere à acentuação gráfica, é correto afirmar que a) três, terá, e será recebem acento gráfico por serem palavras oxitonas, terminadas respectivamente, em es e a. b) comunitário, imprudência e homicídio seguem a mesma regra de acentuação gráfica. c) código e trânsito seguem a regra de acentuação gráfica das palavras trissílabas terminadas em o. d) o acento gráfico da forma verbal "está" justifica-se pela existência do pronome demonstrativo "esta". 09.(UnB) Leia o texto abaixo, cuja acentuação foi omitida. Marcas registradas do cerrado, os cupinzeiros são encontrados na forma de montes de terra e tambem no topo de arvores. Estes exemplares arboreos apresentam como traço marcante uma solida galeria coberta, que percorre o tronco e conduz os insetos ao chão em segurança. Um belo traçado sobrepõe nova coloração a cor do tronco original. Assinale a opção correta. a) Na linha 1, deve ser colocado um acento agudo. b) Na linha 2, devem ser colocados dois acentos agudos e um circunflexo. c) Na linha 3, devem ser colocados dois acentos agudos. d) Na linha 4, deve ser colocado um acento circunflexo. e) Na linha 5, deve ser colocado um acento circunflexo. 10.(ESAF) Assinale a alternativa em que as palavras são acentuadas pela mesma regra. a) Caí baú ninguém refém toró; b) Tecnológico pássaro máquina gráfico lêvedo; c) Álbum revólver móvel ágeis idéia; d) Nenúfar oásis sótão série jóia; e) Traríeis acessível fácil líquenes tábua; 11.(IDR) Assinale o item em que ambas as formas verbais estão grafadas corretamente. a) Eles lêem elas vêm (v. vir); b) Eles crêem vocês mantém (v. manter); c) Eles sustém eles provêm (v. provir); d) Isto convém eles vêm (v. ver); e) Ele contém elas provêm (v. prover).

39 12.(SENADO FEDERAL) As silabadas ou erros de prosódia são freqüentes no uso da língua. Assinale o item em que não ocorre silabada: a) Eis aí um prototipo de rubrica de um homem vaidoso; b) Para mim a humanidade está dividida em duas metades: a dos filântropos e a dos misântropos; c) Os arquétipos de iberos são mais pudicos do que se pensa; d) Nesse interim chegou o médico com a contagem dos leucócitos e o resultado da cultura de lêvedos; e) Ávaro de informações, segui todas as pegadas do éfebo. 13.(INFRAERO) Assinale a opção em que há uma palavra que não deve receber acento gráfico. a) Heloisa, ruido, juizes; b) Caido, destroi, trajetoria; c) Foruns, nivel, torax; d) Perdoo, forceps, coco; e) Perola, fenix, biquini. 14.(TCU-AFC) Aponte o trecho com acentuação gráfica totalmente correta: a) No âmbito dos produtos agrícolas, sobressai, dentre as essências plantadas, o eucalípto, que tem na vinculação com a indústria de celulose seu maior sustentáculo econômico. b) O documento propõe, de início, que, além da Música e da Ginástica, o Desenho seja ensinado em todas as séries, do curso de bacharelado propedeutico às carreiras profissionalizantes. c) Não cabe aos administradores públicos discutir se a legislação em vigor é boa ou ruim; devem cumprí-la e honrá-la. d) A viuva de Chico Mendes não acompanhou a caravana de políticos à visita ao túmulo do líder dos seringueiros, assassinado em e) Os educadores não têm grandes divergências quanto a reconhecer a ineficiência da escola brasileira, principalmente nas últimas décadas, em oferecer educação às crianças das classes populares. 15.(TST-CESPE) Assinale a opção em que ocorre erro na acentuação da forma verbal acompanhada de pronome. a) Ferí-lo-íamos; b) Cantá-la-íeis; c) Compô-la; d) Vendê-lo; e) Retribuí-lo. 16. Assinale a alternativa correta, quanto à acentuação: a) Essa tradição provêm de uma antiqüíssima lenda, recolhida do folclore amazônico. b) É imprescindível que todos dêem sua opinião em matéria tão polêmica. c) O ônibus para naquele ponto, todos os dias, às três horas, e recolhe variadíssimos espécimes da fauna humana. d) Os pêlos dos animáis retêm sempre algumas partículas de poeira. 17. Marque a alternativa correta, quanto à acentuação gráfica: a) Os pólos agrícolas do Sul são férteis e prósperos. b) O parlamentar pôde participar de assembleia anterior e vai emitir agora um juízo sobre o tema. c) Louvaríamos a iniciativa se tivéssemos participado democráticamente de sua formulação. d) O Pais tem muitos contribuintes e, portanto, muita renda, mas é preciso distribuí-la. ORTOGRAFIA Ortografia (do grego orthós = reto, direito + gráphein = escrever, descrever) é a parte da Gramática que trata da maneira de se escreverem corretamente as palavras. Para reproduzirmos na escrita os sons da fala, dispomos de uma série de sinais gráficos denominados letras. O conjunto das letras recebe o nome de alfabeto. O nosso alfabeto consta fundamentalmente de 23 letras: A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - X Z As letras k, w e y devem ser utilizadas apenas nos seguintes casos especiais: a) nas abreviaturas e símbolos, bem como em palavras estrangeiras de uso internacional. k (potássio), kg (quilograma), kw (quilowat), York. b) nos derivados portugueses de nomes próprios estrangeiros. kantismo, darwinismo, byroniano. Uso do h O h não representa fonema algum; é apenas uma letra que se mantém em algumas palavras em decorrência da etimologia ou da tradição escrita do nosso idioma. Quanto ao seu emprego, observam-se as seguintes regras:

40 1. Emprega-se o h no final de algumas interjeições. Ah! Oh! 2. Emprega-se o h quando a etimologia ou a tradição escrita do nosso idioma assim determina. hábil hálito herança hiato hífen hoje honra habitação haver herói híbrido higiene homem hora hábito hélice hesitar hidrogênio hipoteca honesto 3. Se a etimologia não o justifica, evidentemente não se emprega o h. ombro, ontem, úmido, erva, etc. 4. No interior dos vocábulos não se usa o h, exceto: a) quando ele faz parte dos dígrafos ch, lh, nh. archote, malha, ninho. b) nos compostos em que o segundo elemento com h etimológico se une ao primeiro por hífen. pré-história, anti-higiênico, super-homem. exceção: Bahia DICAS ORTOGRÁFICAS USO DO S (OU SS) S (e não C ou Ç) Usa - se S nos nomes relacionados a verbos cujos radicais terminem em ND, RG, RT, PEL, CORR e SENT: Exemplos: pretender = pretensão impelir = impulsivo expandir = expansão compelir = compulsório ascender = ascensão repelir = repulsa aspergir = aspersão recorrer = recurso submergir = submerso discorrer = discurso inverter = inverso sentir = sensível divertir = diversão consentir = consensual S ( e não Z ) 1 - Nos sufixos - ês, -esa, - esia, - isa, quando o radical é substantivo, ou em gentílicos e títulos nobiliárquicos. Exemplos: burguês, burguesa, burguesia (burgo); maresia (mar); poetisa (poeta). Francês, francesa; chinês, chinesa. Baronesa, princesa, duquesa, marquês. 2 - Nos sufixos gregos - ase, - ese, - ise, - ose. Exemplos : diocese, ascese, hemoptise, osmose. 3 - Nos nomes relacionados a verbos cujos radicais terminem em (N)D. Exemplos : dividir = divisão; decidir = decisivo; empreender = empresa; confundir = confusão. 4 - Nas formas verbais de PÔR e QUERER. Exemplos : pus, pôs, compuseram dispuseste, quis, quisera, quiseste. 5 - Em diminutivos cujo radical termine em S. Exemplos: Luisinho (Luís); Teresinha (Teresa); Rosinha, Rosita (Rosa). 6 - Após ditongos. Exemplos : pouso, coisa, lousa, pausa, gêiser, maisena, Sousa, Neusa, Moisés, faisão. 7 - Em verbos derivados de nomes cujos radicais terminem em - is, - isa, - ise, - iso. Aqui se acrescenta a desinência verbal - ar. Exemplos: a - lis ( o ) - ar = alisar; anális ( e ) - ar = analisar; bis - ar = bisar;improvis ( o ) - ar = improvisar; pesquis ( a ) - ar = pesquisar.

41 SS ( e não C ou Ç ) 1 - Em nomes relacionados com verbos cujos radicais terminem em GRED, CED, PRIM, MIT, MET ou CUT. Exemplos : agredir = agressivo; regredir = regressão; ceder = cessão; exceder = excesso; imprimir = impresso; oprimir = opressão; admitir = admissão; percutir = percussão; submeter = submisso; comprometer = compromisso; discutir = discussão. 2 - Dobra-se o s ( SS ), quando a uma palavra iniciada por s se junta um prefixo terminado por vogal. Exemplos : a - sistemático = assistemático; re - surgir = ressurgir. 3 - No imperfeito do subjuntivo ( -SSE ). Exemplos : fizesse - sonhasse. USO DO Z Z ( e não S ) 1 - Nos sufixos - EZ, - EZA das palavras derivadas de adjetivos. Exemplos: altivez (altivo); sensato (sensatez); lúcido (lucidez); belo (beleza); surdez (surdo). 2 - Nos sufixos - IZAR. Exemplos : ameno (amenizar); social (socializar); real (realizar); civil (civilizar). 3 - Como consoante de ligação, ligando a palavra ao sufixo. Exemplos : pá - ada = pazada; pé - inho = pezinho; café - al = cafezal; caqui - eiro = caquizeiro; anel - inho = anelzinho; pai - inho = paizinho; mãe - inha = mãezinha. OBSERVAÇÕES: a) Quando o radical termina em S, o Z não é usado. Exemplos : lápis = lapisinho; mês = mesada; siso = sisudo. b) Quanto ao plural, só conservarão o S os vocábulos diminutivos que já o possuíam no seu radical. Exemplos : chinesinhos (chinês); adeusinhos (adeus); lapisinhos (lápis). Do contrário, o S, como marca de plural, desaparece no meio da palavra, dando lugar apenas ao Z. Exemplos: caracolzinho = ( caracol - caracóis ) = caracoizinhos; coraçãozinho = ( coração corações) = coraçõezinhos. 4 - Nas terminações -AZ, - EZ, - IZ, - OZ, - UZ, correspondentes a formas latinas. Exemplos : sagaz, capaz, dez, atriz, feroz, luz. 5 - Nos vocábulos árabes e de línguas exóticas. Exemplos : alazão, algazarra, azar, xadrez, azenha, alcaçuz, azeite, vizir, Azambuja. Escrevem-se com s Escrevem-se com z aliás crise alisar despesa análise deusa após empresa asa fase atrás fusão atraso gás através gasolina aviso groselha bisar inclusive brasa invés casulo jus catalisar lisonjeiro cisão lisura colisão mês cós mosaico crase nasal obus pêsames revés síntese sinusite surpresa tosar três uso usina visar abalizar algoz amizade aprazível aprendiz arroz

42 assaz atriz atroz azar azia baliza bazar buzina cafuzo capaz cartaz chafariz coriza cruz deslize desprezo feroz fugaz giz jaez jazigo lazer luz magazine meretriz prazer prazo profetizar rapaz rodízio sagaz talvez tenaz tez vazio veloz verniz voraz xadrez USO DO C ( ou Ç) C ou Ç ( e não S ou SS ) 1 - Na correlação T - C ( Ç ) Exemplos : ato = ação; infrator = infração; Marte = marciano; absorto = absorção; executar = execução; isento = isenção; redentor = redenção; intento = intenção. 2 - Vocábulos de origem árabe. Exemplos : cetim, açucena, açúcar, açafrão, muçulmano. 3 - Vocábulos de origem tupi, africana ou exótica. Exemplos : paçoca, caiçara, cipó, Iguaçu, Juçara, miçanga, caçula, cacimba, cachaça, cacique. 4 - Nos sufixos - AÇA, - AÇO, - AÇÃO, - ÇAR, - ECER, - IÇA, - IÇO, - NÇA, UÇA, UÇO. Exemplos : barcaça, ricaço, armação, aguçar, embranquecer, carniça, caniço, esperança, carapuça, dentuço. 5 - Em nomes relacionados com verbos terminados em TER. abster = abstenção; deter = detenção; ater = atenção; reter = retenção; conter = contenção. 6 - Após ditongos. Louça, coice, eleição, traição, fauce, Jóice. Escrevem-se com c ou ç acetinar alçar alcance alcançar almaço açúcar açude buço açucena cetim caçula dança dançar incentivo exceção muçulmano Paraguaçu Juçara Suíça necessário necessidade soçobrar camurça dançarino disfarçar USO DO G G ( e não J ) Usa - se G nos seguintes casos : 1 - Palavras de origem latina, grega ou árabe. Exemplos : falange, tigela, álgebra, girafa. 2 - Estrangeirismos aportuguesados que já têm essa letra na língua originária. Exemplos : sargento ( fr. ), gelosia ( it. ), gitano (esp.), gim (ingl. ). 3 - Terminações - AGEM, - IGEM, - UGEM, - EGE, - OGE. Exemplos : passagem, vertigem, penugem, frege, paragoge, clonagem, fuligem. Observação : existem algumas exceções à regra. Exemplo : pajem, lambujem. 4 - Terminações - ÁGIO, - ÉGIO, - ÍGIO, - ÓGIO, - ÚGIO. Exemplos : sufrágio, sacrilégio, colégio, adágio, subterfúgio.

43 5 - Verbos em - EGER E - GIR. Exemplos : reger, corrigir, fugir, fingir. 6 - Depois de R ( desde que não haja J no radical ). Exemplos : ressurgir, divergir, surgir. Observação : existem algumas exceções à regra. Exemplo : perjuro. 7 - Depois do A inicial, desde que não haja J no radical. Exemplos : agitado, agiota, agência. Observação: poucas exceções à regra. USO DO J J ( e não G ) Usa - se J nos seguintes casos: 1 - Palavras de origem latina que, na língua originária, eram escritas com I ( J ), Bi, Di, Hi, Si, Vi. Exemplos : jeito, majestade,hoje. 2 - Palavras de origem árabe, tupi, africana ou exótica. Exemplos : alforje, jerivá, jibóia, caçanje, manjerona, jiu - jítsu. 3 - Terminações - AJE. Exemplos : laje, Ultraje. USO DO X X ( e não CH ) Usa - se X no seguintes casos : 1 - Palavras de origem tupi, africana ou exótica. Exemplos : xavante, abacaxi, muxoxo, xingar, xucro. 2 - Palavras de origem inglesa ( SH ) e espanhola (J). Exemplos : xampu, xelim, xerez, lagartixa. 3 - Depois de ditongo. Exemplos : faixa, trouxa, ameixa. 4 - Depois de EN. Exemplos : enxame, enxoval, enxada, enxovia, enxuta. OBSERVAÇÃO : en + cheio > encher en + charco > encharcar. 5 - Depois da inicial ME. Exemplos : mexer, mexicano, mexilhão. Observação : algumas exceções à regra. Exemplos : mecha e derivados. USO DO CH CH ( e não X ) Usa - se CH nos seguintes casos : Palavras de origem latina ( cl, fl, pl ), francesa ( ch ), espanhola ( ch ), italiana ( ci, cci ), alemã (sch), inglesa (ch) e árabe ( j ). Exemplos: chave, cheirar, chumbo, chassi, chuchu, chiripá, mochila, espadachim, salsicha, chope, checar, sanduíche, azeviche. Escrevem-se com x Escrevem-se com ch bexiga xereta bruxa xerife caxumba xícara laxativo xingar maxixe xucro mexer broche paxá charque puxar chiste quixotesco chimarrão rixa chuchu xarope churrasco cochichar estrebuchar ficha flecha inchar pechincha penacho piche rinchar salsicha

44 Escrevem-se com g Escrevem-se com j gengibre sargento gengiva viagem(s.) geringonça vagem ginete tigela gir berinjela gíria canjica monge jenipapo ogiva jibóia LEMBRETES IMPORTANTES: Escrevem-se com s Escrevem-se com x contestar estender escavar justapor esgotar misto esplêndido teste esplendor contexto espontâneo contextura estranhar expelir estrangeiro expender jiló jirau majestade majestoso pajé sarjeta ultraje viajem(v.) explanar expletivo extensão extinto extremoso pretexto texto textual Escrevem-se com e destilar destilaria destilação disentería empecilho Escrevem-se com i criar criador criação cabriúva crânio Escrevem-se com o capoeira êmbolo focinho fosquinha Escrevem-se com u bueiro buliçoso bulir chuvisco Escrevem-se com sc abscissa abscesso adolescente ascensão ascensorista consciência descendente cumeeira candeeiro arrepiar quase côdea hilaridade meritíssimo privilégio inigualável Ifigênia goela mágoa molambo óbolo embutir íngua ao léu jabuti descer descentralizar discente disciplina discípulo isósceles nascer sequer campeão efetue entronizar encarnar Filipe pátio impingem terebintina pinicar poleiro polenta polia polir jabuticaba míngua tábua tabuada obsceno oscilação piscina renascença rescisão ressuscitar USO DO HÍFEN O hífen é usado: 1. nos substantivos compostos que constituem uma unidade semântica: pão-de-ló, guarda-chuva. 2. nos adjetivos compostos: à-toa.

45 3. para ligar pronomes enclíticos e mesoclíticos a formas verbais, à palavra eis e aos pronomes nos e vos. Ex.: vê-lo-ás, no-lo, ei-la. 4. para separar os sufixos -açu, -guaraçu, -mirim, quando o elemento anterior termina em vogal acentuada (andá-açu) ou quando a pronúncia o exige (capim-açu). 5. para separar os prefixos: auto, contra, extra, infra, intra, neo, proto, pseudo, semi, supra, ultra de palavras iniciadas por vogal, h, r e s. Ex.: auto-ônibus, contra-regra, semi-selvagem. exceção: extraordinário 6. para separar os prefixos ante, anti, arqui, sobre de palavras iniciadas por h, r, s. Ex.: ante-história, sobre-humano. exceções: sobressair, sobressalto. 7. para separar os prefixos hiper, inter e super de palavras iniciadas por h e r. Ex.: super-homem, hiper-realista, exceção: interregno. 8. para separar o prefixo ab, ad, ob, sob, sub, de palavras iniciadas por r. Ex.: ab-rogar, sub-reino. Observação: o prefixo sub também se separa com hífen das palavras iniciadas por b. Ex.: sub-base. 9. para separar os prefixos circum, pan e mal de palavras iniciadas por vogal ou h. Ex.: circum-adjacente, pan-helênico, mal-humorado. 10. para separar o prefixo bem de palavras que têm vida autônoma ou quando a pronúncia requer. Ex.: bem-aventurado. 11. para separar os prefixos: aquém, além, recém, sem, pré, pró, pós, nuper, ex, co, pára, soto, sota, vice, grão, grã, bel. Ex.: sem-vergonha, pré-escola, vice-reitor, pós-graduação, etc. ATENÇÃO: em consonância com o novo acordo ortográfico da língua portuguesa, o uso do hífen sofreu importantes mudanças. MAIÚSCULAS E MINÚSCULAS Emprega-se a inicial maiúscula: a) nas citações diretas: Como disse Djavan: O amor é um grande laço... : b) nos substantivos próprios e siglas: Maria, Espírito Santo, ONU... c) em nomes de vias e lugares públicos: Avenida Vitória, Reta da Penha, Praça Costa Pereira. Rodovia do Sol... d) nos altos conceitos religiosos, políticos ou nacionalistas: a Igreja, o Estado, a Nação, a República, o Senado... e) nos nomes de artes, ciências e disciplinas: a Música, a Matemática, a Pintura, o Português... f) nos nomes de obras: Os Lusíadas, Os Sertões, a Nona Sinfonia, a Divina Comédia... (ver se o artigo faz parte do nome). g) nos nomes de altos cargos, dignidades ou postos: Papa, Presidente, Governador, Ministro... h) nos nomes de expressões de tratamento: Senhor, Vossa Excelência, Meritíssimo Senhor... i) nos nomes de épocas e fatos históricos: a Revolução Francesa, a Renascença, o Fico, Descobrimento do Brasil, a Idade Média... j) nos nomes de atos de autoridades públicas: o Decreto-Lei nº 200, a Lei nº 9.099, o Aviso nº Emprega-se a inicial minúscula a) nos nomes de povos: gaúchos, cariocas, chilenos, aimorés, capixabas, porto-alegrense, potiguar... b) nos nomes dos meses e dias da semana: janeiro, fevereiro, março... segunda-feira, domingo... c) nas partículas átonas no interior de locuções, ou expressões com iniciais maiúsculas: A Revolução dos Bichos, Vestido de Noiva... d) nos nomes comuns que acompanham os geográficos: o rio Doce, o oceano Pacífico, a baía de Vitória, o canal de Suez... e) nos nomes de festas pagãs ou populares: o carnaval, a vaquejada, o rodeio... f) nos nomes próprios formando compostos: agrião-do-brasil, deus-nos-acuda...

46 DIFICULDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA 1. HÁ ou A HÁ (verbo HAVER) refere-se a tempo decorrido, passado: Não nos vemos há pelo menos quinze dias. (= FAZ) Há dois dias, o advogado me telefonou. (= FAZ) Quando a idéia for de tempo futuro, deve-se usar a preposição A : A competição interclasses será daqui a um mês. Obs.: Quando a idéia for de distância, também se deve usar a preposição A : More a cinqüenta metros da praia. Significando EXISTE(M), usa-se há. Há (= existem) várias pessoas na sala. 2. A CERCA DE, HÁ CERCA DE ou ACERCA DE? a) A CERCA DE = A (preposição) + CERCA DE (perto de, aproximadamente): Estamos a cerca de dez dias da prova. Moro a cerca de cinqüenta metros da praia. b) HÁ CERCA DE = HÁ (verbo) + CERCA DE (perto de aproximadamente): "Não nós vemos há cerca de dez anos. Há cerca de dez pessoas na sala de embarque. c) ACERCA DE = a respeito de, sobre: Ele falou acerca de controle da natalidade. 3. ABAIXO ou A BAIXO? a) ABAIXO = embaixo, sob: Sua classificação foi abaixo da nossa. b) A BAIXO = para baixo, até embaixo: Ela me olhou de alto a baixo. 4. ABAIXO-ASSINADO ou ABAIXO ASSINADO? a) O documento que se assina é um ABAIXO-ASSINADO: O diretor recebeu o abaixo-assinado. b) Quem assina o documento é um ABAIXO ASSINADO: O abaixo assinado vem mui respeitosamente AFIM OU A FIM? a) Quem tem afinidades são pessoas AFINS: As duas têm pensamento afins. b) A FIM DE = para, com o propósito de: Veio a fim de trabalhar. 6. A PAR ou AO PAR? a) A PAR = estar ciente: Ele está a par de tudo. b) AO PAR = título ou moeda de valor idêntico: O câmbio está ao par. 7. AO ENCONTRO DE ou DE ENCONTRO A? a) AO ENCONTRO DE = a favor; favorável: Estamos satisfeitos porque sua decisão vai ao encontro das nossas reivindicações. b) DE ENCONTRO A = contra, idéia de oposição: Ficamos insatisfeitos porque a sua proposta vai de encontro aos nossos desejos. 8. À TOA ou À-TOA? a) À TOA = sem fazer nada (locução adverbial de modo): Estava à toa na vida. b) À-TOA = desocupado, sem valor (adjetivo): Não passava de um sujeitinho à-toa. 9. BEM-VINDO ou BENVINDO? a) BEM-VINDO (= bem recebido): Seja bem-vindo. b) BENVINDO é nome próprio de pessoas: Meu primo chama-se Benvindo.

47 10. EM NÍVEL ou A NÍVEL DE? a) A NÍVEL DE não existe. É um modismo. Deve-se evitá-lo: A nível de relatório, o trabalho está muito bom. O certo é: Quanto ao relatório... ou Com referência ao relatório... b) EM NÍVEL só pode ser usado em situações em que existam níveis : Em nível de pós-graduação, o estudo é mais acurado. 11. EM PRINCÍPIO ou A PRINCÍPIO? a) A PRINCÍPIO = inicialmente, no começo: A princípio éramos seis, mas o tempo nos afastou. b) EM PRINCÍPIO = em tese, em teoria: Em princípio, o político deve defender a coisa pública e não a particular. 13. EM VEZ DE ou AO INVÉS DE? a) AO INVÉS DE = ao contrário de, oposição: Disse sim ao invés de dizer não. b) EM VEZ DE = em lugar de: Estudou física em vez de estudar matemática. 14. MAIS, MAS ou MÁS? a) MAIS = opõe-se a MENOS: Hoje estou mais maduro. (oposto a menos maduro) b) MAS = porém: Não foram convidados, mas vieram à festa. (= porém) c) MÁS = plural MÁ; opõe-se a BOAS: As pessoas más sofrem muito. (oposto a as pessoas boas). 15. MAL ou MAU? a) MAU é adjetivo e se opõe a BOM: Era um mau jogador. (oposto a bom jogador) b) MAL pode ser: 1. advérbio (= opõe-se a BEM): O Flamengo jogou mal. (oposto a jogou bem) 2. conjunção (= logo que, assim que, quando): Mal saí de casa, a chuva começou. 3. substantivo (= doença, defeito, problema): Ele está com um mal incurável. (= doença); O seu mal é não saber perder. (= defeito). 16. PORQUE, POR QUE, PORQUÊ ou POR QUÊ? a) PORQUE é conjunção causal ou explicativa: Ele viajou porque foi chamada para assinar contrato. Ele não foi porque estava doente. Abra a janela porque o calor está insuportável. Ele deve estar em casa, porque a luz está acesa. b) PORQUÊ é a forma substantivada (= antecedida de artigo o ou um ): Quero saber o porquê da sua decisão. A professora quer um porquê para tudo isso. c) POR QUÊ = só no fim de frase. Parou por quê? Ele não viajou por quê? Se ele mentiu, eu queria saber por quê. Eu não sei por quê, mas a verdade é que eles se separaram. d) POR QUE 1. em frases interrogativas diretas ou indiretas: Por que você não foi? (= pergunta direta) Gostaria de saber por que você não foi. (= pergunta indireta) 2. quando for substituível por POR QUAL, PELO QUAL, PELA QUAL, PELOS QUAIS, PELAS QUAIS.

48 Por que rua vieste? (= por qual) Só eu sei as esquinas por que passei. (= pelas quais) É um drama por que muitos estão passando. (= pelo qual) 3. quando houver a palavra MOTIVO antes, depois ou subentendida: Desconheço os motivos por que a viagem foi adiada. (= pelos quais) Não sei por que motivo ele não veio. (= por qual) Não sei por que ele não veio. (= por que motivo por qual motivo) 17. SENÃO ou SE NÃO? a) SE NÃO = se (conjunção condicional = caso) + não (advérbio de negação): Se não chover, haverá jogo. (= Caso não chova) b) Usa-se SENÃO em quatro situações: 1. SENÃO = de outro modo, do contrário: Resolva agora, senão estamos perdidos. (= do contrário estamos perdidos); 2. SENÃO = mas sim, porém Não era caso de expulsão, senão de repreensão. (= mas sim de repreensão); 3. SENÃO = apenas, somente: Não se viam senão os pássaros. (= somente os pássaros eram vistos); 4. SENÃO = defeito, falha: Não houve um senão em sua apresentação. (= não houve nenhuma falha, nenhum defeito). 18. SOB ou SOBRE? a) SOB = embaixo, submisso: Estamos sob uma velha marquise. Ficou tudo sob controle. b) SOBRE = em cima de, assunto: A lágrima corria sobre a face. Falei sobre você na reunião. 19. TAMPOUCO ou TÃO POUCO? a) TAMPOUCO = nem: Não trabalha tampouco estuda. (= nem estuda) b) TÃO POUCO = muito pouco: Estudou tão pouco, que foi reprovado. 20. TODO ou TODO O? a) TODO = qualquer: Toda mulher merece carinho. (= qualquer das mulheres) Todo país tem seus problemas. (= qualquer país, todos os países) b) TODO O = inteiro Ele realizou todo o trabalho. (= o trabalho inteiro) Haverá vacinação em todo o país. (= no país inteiro) EXERCICIOS ORTOGRAFIA 01. "É de assinalar que, apesar de feitos pela fusão de matrizes tão, os brasileiros são, hoje, um dos povos mais lingüística e culturalmente e também um dos mais integrados socialmente da Terra. Falam uma mesma língua, sem dialetos. Não abrigam nenhum contingente de autonomia, nem se apegam a nenhum passado. Estamos abertos é para o futuro." a) diferenciadas, homogêneos, reinvindicativo. b) diferenciada, homogêneos, reindicativo. c) diferenciado, homogênio, reivindicativo. d) diferenciados, omogêneos, reinvindicativo. e) diferenciadas,homogêneos, reivindicativo.

49 02. "O Brasil é já a maior das nações neolatinas, pela populacional, e começa a sê-lo também por sua criatividade artística e cultural. Precisa agora sê-lo no domínio da tecnologia da futura civilização, para fazer uma potência econômica, de progresso. Estamos nos construindo na luta para amanhã como uma nova civilização, mestiça e tropical, orgulhosa de si mesma." a) magnitude, auto-sustentada, florescermos. b) maguinitude, autossustentada, florecermos. c) magnitude, auto-sustentados, florecer. d) magnitude, auto-sustentado, florescer. e) magnitudes, autossustentado, florescer. 03. Assinale a alternativa correta, quanto à ortografia. a) A cultura não prezume, não pode almejar, nem à uniformisaçâo, nem à unidade sem diversidade. b) A linguagem administrativa e legal, em qualquer sociedade organizada, apresenta um hiato em relação aos usos correntes da língua. c) O fenômeno de inteleção da linguagem jurídica apresenta uma série de problemas ao cidadão leigo. d) É necessário consiliar a tecnisidade dos textos legais com a comunicação do povo, que é o principal destinatário da lei. 04. Assinale a frase que apresenta palavra grafada incorretamente. a) Por ser uma atividade beneficente, todos demonstraram receptividade quanto à arrecadação de valores. b) Os maus presságios concorreram para que eles não aderissem à paralisação prevista para o dia 13. c) Concorreu à eleição com hombridade e determinação, fazendo jus ao abalizado voto dos correligionários. d) Por não ter decifrado, imediatamente, a adivinhação e a charada, ficou perturbada. e) As proezas do malabarista demonstraram a perspicácia e a segurança com que o circense executa as tarefas. 04. Assinale o item que corresponde à palavra do texto incorretamente grafada. "O problema que um natal assim poderia criar para o governo era um estouro dos preços, mas a equipe econômica arroxou (1) os crediários, taxou (2) os importados e enxugou (3) o dinheiro na praça. Passado o natal, o crédito foi afrouxado (4) e houve um relaxamento nos crediáríos. Mas é normal que as listas de preços cheguem ao comércio com inchaço (5) no começo do ano."(veja, 18/12, com adaptação). a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 e) Assinale a alternativa com palavra grafada incorretamente. a) O deputado defendeu a descriminação da maconha. b) Sua ascensão à presidência da firma surpreendeu a todos. c) Todos o julgavam, com razão, pretencioso. d) Os deputados não queriam acabar com os próprios privilégios. e) A disputa entre os cônjuges só poderia ser resolvida nos tribunais. 07- Indique o item em que todas as palavras estão corretamente empregadas e grafadas. a) A pirâmide carcerária assegura um contexto em que o poder de infringir punições legais a cidadãos aparece livre de qualquer excesso e violência. b) Nos presídios, os chefes e subchefes não devem ser exatamente nem juízes, nem professores, nem contramestres, nem suboficiais, nem pais, porém avocam a si um pouco de tudo isso, num modo de intervenção específico. c) O carcerário, ao homogeinizar o poder legal de punir e o poder técnico de disciplinar, ilide o que possa haver de violento em um e de arbitrário no outro, atenuando os efeitos de revolta que ambos possam suscitar. d) No singular poder de punir, nada mais lembra o antigo poder do soberano iminente que vingava sua autoridade sobre o corpo dos supliciados. e) A existência de uma proibição legal cria em torno dela um campo de práticas ilegais, sob o qual se chega a exercer controle e aferir lucro ilícito, mas que se torna manejável por sua organização em delinquência. (Itens adaptados de Michel Foucault) 08- No texto abaixo foram introduzidos erros de grafia (alguns, inclusive, provocam inadequação vocabular) e de acentuação gráfica. Indique a opção correta. Em 5 de novembro último, um aluno foi fragrado com um revolver calibre 32 na sala de aula de uma escola no Distrito Federal. Chama atenção a áurea de invisibilidade que envolve tais ocorrências. Alunos portando armas passam completamente desapercebidos por professores e colegas. A outra face da invisibilidade são

50 as estatísticas policiais, que indicam o agravamento da violência escolar. É hora de enxergar o que está por tras delas e fazer com que o universo da cultura escolar e o da cultura jovem passem a interajir. (Baseado em Miriam Abramovay, Violência nas escolas, Correio Braziliense, 15/11/2003) O texto contém: a) cinco erros de grafia e dois de acentuação b) quatro erros de grafia e três de acentuação c) três erros de grafia e um de acentuação d) quatro erros de grafia e dois de acentuação e) cinco erros de grafia e três de acentuação 09. Assinale a única frase que contém erro de pontuação, ortografia ou concordância. a) Toda a discussão gira em torno de se saber se o senhor Fulano ou Beltrano, eleito, pode ou não colocar em risco esses bens supremos. Na primeira hipótese, ele é um perigoso comunista; na segunda, um admirável democrata. b) Claro: não importando quanto de dinheiro você tenha no bolso, a superioridade intelectual, mesmo pequena, tem sobre você uma força e uma autoridade intrínsicas. c) Hegemonia é pautar o discurso dos adversários, induzindo-os a formular seus pensamentos e seus desejos, segundo um quadro de categorias mentais pré-calculado, para amarrá-los com a própria corda. d) Que é que pode o pragmatismo grosso de quem mede o mundo pelo saldo de caixa, comparado ao complexo maquiavelismo da revolução cultural? e) O senhor pretende usar de discursos contra o poder unipolar para alinhar o Brasil com o pólo oriental e comunista cuja existência e crescimento essa retórica se destina a encobrir? (Excertos da revista Época, 26/8/2002, p. 22, com alterações) A ocorrência dos 500 anos da chegada de Pedro Álvares Cabral deu a inspiração para insistir na rejeição permanente da frase tola, segundo a qual essas coisas só acontecem no Brasil. Há que lembrar a crítica, vinda até de vozes autorizadas, vinculando essas coisas à colonização portuguesa. As críticas comparam o Brasil e os Estados Unidos da colonização inglesa, o Brasil de hoje e o Brasil holandez, de Maurício de Nassau, sem considerar as possessões de seu país na Ásia. A história mostra as diferenças. No sistema jurídico dos séculos 15 e 16, dois critérios de dominação territorial predominaram: o da descoberta, e o da conquista pelas armas, em que o direito nascia da força. A descoberta foi o meio que serviu para Portugal, no Brasil, e para a Espanha, a oeste das Tordesilhas, depois de dividirem o mundo em dois. A poderosa esquadra inglesa exemplifica a alternativa. Gerou colônias, dominadas pelas armas, das quais algumas ainda subsistem. A ordem jurídica vigente, nesses casos foi, e é, a do dominador. (Walter Ceneviva; com adaptações) Com relação à ortografia, há no texto : a) Nenhum erro. b) Um erro. c) Dois erros. d) Três erros. e) Mais de três erros. 10- Marque o item que não apresenta erro de ortografia. a) Mas porque essa mania de pirataria acontece com tanta freqüência no Brasil? Principalmente por causa da desparidade dos preços entre os programas originais e os pirateados. b) Mas quando o consumidor vê a possibilidade de ter o mesmo programa por um preço que as vezes custa um centésimo do original, não pensa duas vezes antes de adiquirir a cópia ilegal. c) As empresas de informática estão negociando com o governo uma forma de acabar com o mercado informal, responsável por 60% da movimentação financeira na área. d) De maneira ainda informal, diversas empresas de informática estão iniciando conversas com o governo no sentido de conseguir a isensão fiscal que serviria para aniquilhar o contrabando. e) Já se vê o resultado das sucessivas aprensões que a Associação Brasileira das Empresas de Softwares (ABES) vem fazendo: a dez anos o índice de pirataria era de 86%. (Trechos adaptados do Correio Braziliense, 1/5/2001) 11- Assinale o trecho que não contém erro de ortografia ou de emprego de vocabulário. a) A preocupação maior volta-se para os filmes violentos, para os eróticos ou pornográficos e mesmo para os programas que terminam como massa de manobra para aumento de audiência. O artigo 220 proíbe toda e qualquer censura de naturesa política, ideológica e artística.

51 b) Ora, a portaria ministerial estabelece que fica terminantemente vendada a exibição em horário diverso do permitido dos programas pelas emissoras de televisão. Cabe, pois, aos sensores estabelecer faixas de horário de exibição. c) Vejo aí uma inconstitucionalidade, que não resistirá à crítica do judiciário. É forma restritiva de direitos. Enfraquece os fins almejados pela boa intenção que os inspirou. d) O limite admitido pela Constituição se restrinje à natureza indicativa de normas legais ou administrativas. Poderão sempre dizer à sociedade que, nos horários compreendidos por elas, os menores de idade indicados não devem assistir aos programas. e) Se a emissora descomprir a faixa, nenhuma punição lhe poderá ser imputada. Os principais destinatários da decisão do Poder Executivo não são as emissoras, mas a sociedade em geral. Eventual punição só é adimissível em juízo, mediante requerimento do ofendido. (Trechos adaptados de W. Ceneviva, Limites da TV na Constituição) 12 - (C. Chagas) O hífen foi corretamente empregado em todas as palavras da alternativa: a ) Auto-confiança, contra-dança, infra-vermelho, ultra-violeta; b ) Super-quadra, super-mercado, sub-solo, neo-latino; c ) Supra-citado, ante-ontem, anti-aéreo, ante-ato; d ) Ad-renal, sub-reino, semi-reta, ante-história (IDR) Aponte a alternativa onde ocorre apenas um erro de ortografia. a) Retrós, algoz, atroz, ilhós; b) Pretencioso, êxodo, baliza, aziago; c) Embaixatriz, sacerdotiza, corisa, asa; d) Enxarcado, enxotar, enxova, enximento; e) Discussão, aversão, ajeitar, gorjear (ESAF) Assinale a alternativa que apresenta palavra incorretamente grafada. a) Exceção ascensão privilégio empecilho; b) Inserido intumescer rijeza atrasar; c) Pretensão discussão promissória beneficente; d) Reincindir escárnio colisão flagrante; e) Acessório assessor esplêndido misto (PGFN-DF) Das opções abaixo, somente uma está correta. Assinale-a: a) Possue, contribue, retribue, distribue; b) Continui, efetui, pontui, conclue; c) Irrequieto, pátio, umbilical, creolina; d) Bubina, buteco, curtiça, muringa; e) Cortume, entopir, pirolito, reboliço (TCE-GO) Assinale a frase em que há erro de grafia: a) Passou despercebido, para não ser um empecilho a mais. b) Mais uma vez queimou o fusível. c) Todos têm chegado atrasados, faz dias. d) Deu apenas dez reais ao cabelereiro. e) É necessário discriminar melhor as despesas (TJ-TO) Assinale a alternativa em que todas as palavras estejam corretamente grafadas: a) Tecer, vazar, aborígene, tecitura, maisena; b) Rigidez, garage, dissenção, rigeza, cafuzo; c) Minissaia, paralisar, extravasar, co-seno; d) Abcesso, rechaçar, indu, soçobrar, coalizão; e) Lambujem, advinhar, atarraxar, bússola, usufruto (ESAF-AFTN) Identifique o segmento com total adequação ortográfica: a) Opções paliativas têm lançado milhões de nordestinos ao êxodo, enxotando-os de seus lares e expulsando-os de seu chão de nascimento. b) A Codevasf tem atribuído a interrupção de obras à falta de recursos orçamentários, solicitados em tempo hábil, mas não atendidos com a imprecindível presteza pelos poderes competentes. c) Os recursos destinados ao Nordeste não podem continuar minguando, por conta de uma burocracia inciente, de administrações ineptas e de cortes orçamentários indiscriminados. d) O Nordeste brasileiro, flajelado por secas cíclicas, ostenta hoje um colossal canteiro de obras inacabadas, abandonadas ou interrompidas. e) Estima-se que quarenta projetos de irrigação estejam paralizados ou semiparalizados no sertão nordestino.

52 19 - (INSS) Assinalar a alternativa em que todas as palavras estejam corretamente grafadas: a) Atrasar; atrasado; atrás; trazer; trazeiro; transa; b) Xícara; enxotar; caixote; enxergar; explêndido; enxirido; c) Alto-falante; alcançar; autópsia; albumina; d) Magestade; herege; pagem; jiló; jibóia; gigolô; e) Abcesso; obsessão; acesso; ascensão; assunção; aceder. 20.Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do texto. "É muito cômodo, mas não deixa de ser, no fundo, uma hipocrisia, reclamar contra o uso dos dinheiros públicos para cuja formação não colaborado. Antes, é preciso pagar, até mesmo para que não faltem legitimidade e força moral às denúncias de." a) mal termos mal-versação b) mau tivéramos - mau versação c) mal tivemos - malversação d) mau teremos mal versação e) mau tenhamos - malversação 21. Aponte a alternativa com incorreção. a) Há necessidade de fiscalizar bem as provas. b) A obsessão é prejudicial ao discernimento. c) A pessoa obscecada nada enxerga. d) Exceto Paulo, todos participaram da organização. e) Súbito um rebuliço: a confusão era total. SEMÂNTICA SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS Conhecer o significado das palavras é um dos fatores essenciais para o domínio da língua, pois só assim o falante será capaz de selecionar a palavra adequada para elaborar a sua mensagem. Por isso é importante o conhecimento de fatos lingüísticos. SINONÍMIA É o fato de duas ou mais palavras possuírem significados iguais ou semelhantes sinônimas. Os insetos invadiram a plantação de arroz. Os insetos alastraram-se pela plantação de arroz. ANTONÍMIA É o fato de duas ou mais palavras possuírem significados opostos antônimas. O aluno foi bem na prova. O aluno foi mal na prova. HOMONÍMIA É o fato de duas ou mais palavras possuírem significados diferentes, mas serem iguais na pronúncia e/ou na grafia homônimas. Os supermercados sabem apreçar as mercadorias. (dar preço) Minha vizinha vivia a apressar a empregada. (tornar mais rápido) Dependendo da identidade apresentada, os homônimos podem ser: Homógrafos/Heterófonos Possuem a mesma grafia, mas sons diferentes. O começo da história agradou aos telespectadores. (som fechado substantivo) Eu começo a entender essa matéria. (som aberto verbo) Homófonos/Heterógrafos Possuem o mesmo som, mas grafias diferentes. Ele não sabia pregar uma tacha na parede. (prego pequeno) A população revoltou-se com o aumento da taxa bancária. (quantia cobrada por prestação de serviço público ou privado) Homônimos perfeitos Possuem a mesma grafia e o mesmo som.

53 Eu cedo o livro para a biblioteca da escola. (verbo) Levantou cedo para estudar. (verbo) PARONÍMIA É o fato de duas ou mais palavras possuírem significados diferentes, mas serem muito parecidas no som e na escrita parônimas. O Juiz discriminou o réu. (demonstrou preconceito) O Juiz descriminou o réu. (inocentou) O líder estudantil emigrou para a França. (mudou-se de seu pais de origem) No começo do século, os italianos imigraram para o Brasil. (entraram num pais estranho para nele viver) acender pôr fogo ascender subir acento sinal gráfico assento lugar de sentar-se aço metal asso (verbo) 1ª pessoa, singular, presente do indicativo banco assento banco estabelecimento cuja atividade consiste na guarda de dinheiro, empréstimos, etc. caçar pegar animais, perseguir cassar anular cela pequeno quarto sela arreio sela (verbo) 3ª pessoa, singular, pres. do indicat. censo recenseamento senso juízo cerrar fechar serrar cortar cessão ato de ceder seção ou secção divisão sessão reunião cesto balaio sexto numeral ordinal cheque ordem de pagamento xeque lance de jogo de xadrez concerto sessão musical absolver perdoar absorver sorver acostumar ter por hábito costumar ser por hábito acurado feito com cuidado apurado refinado, fino, em apuros afear tornar feio afiar amolar amoral - indiferente à moral imoral contra a moral, devasso apóstrofe figura de linguagem apóstrofo sinal gráfico aprender instruir-se apreender assimilar arrear pôr arreios arriar descer, abaixar cavaleiro aquele que anda a cavalo RELAÇÃO DE ALGUNS HOMÔNIMOS RELAÇÃO DE ALGUNS PARÔNIMOS conserto (substantivo) reparo conserto (verbo) 1ª pessoa, singular, presente do indicativo coser costurar cozer cozinhar espiar espionar, observar expiar sofrer castigo estático imóvel extático admirado estrato - tipo de nuvem, camada extrato resumo incerto não certo inserto incluído laço nó lasso gasto, cansado, frouxo manga fruto da mangueira manga parte do vestuário paço palácio passo passada ruço desbotado russo - da Rússia são saudável, com saúde são (verbo) 3ª pessoa, plural, pres. do indicativo são forma reduzida de santo sexta redução de sexta-feira, numeral ordinal cesta recipiente sesta hora em que se descansa após o almoço cavalheiro homem educado comprimento extensão cumprimento saudação deferir conceder, atender diferir adiar, diferenciar-se delatar denunciar dilatar alargar descrição ato de descrever discrição ser discreto, reservado descriminar inocentar discriminar distinguir, segregar despensa lugar onde se guardam mantimentos dispensa licença destratar insultar distratar desfazer emergir vir à tona imergir mergulhar

54 emigrar sair da pátria imigrar entrar num país estranho para nele morar eminente notável, célebre iminente prestes a acontecer estádio fase, período; praça de esportes estágio preparação flagrante evidente fragrante perfumado incidente episódio acidente desastre inflação desvalorização do dinheiro infração violação infligir aplicar castigo infringir não respeitar, violar ótico relativo ao ouvido óptico relativo à visão peão amansador de cavalos, condutor de tropa, peça no jogo de xadrez pião brinquedo pequenez relativo a pequeno pequinês originário de Pequim; raça de cães plaga região, país praga maldição pleito disputa eleitoral preito homenagem precedente antecedente procedente proveniente ratificar confirmar retificar corrigir EXERCÍCIOS SEMÂNTICA 1.Assinale a opção em que o vocábulo entre parênteses preenche corretamente a lacuna correspondente. a) Não se punem os malfeitores não se dispõe de um Código Penal atualizado? É nada! (porque) b) Essa questão requer indagar-se preliminarmente não se derrubou ainda a inflação, no Brasil. (porque) c) Pergunta-se, para começar o do barulho. (por quê) d) Não se fará mudança não foi votada uma nova Constituição? O que se quer é empurrar com a barriga. (por que) e) Todos sabem, aqui no Brasil, não se punem os bandidos graúdos. (porque) 2.Indique a opção com erro no emprego de mau e mal. a) Tudo para ele estava mau redigido. b) Esse é um mau exemplo para a juventude. c) Mal saiu o sol e já estavam na lavoura. d) Não há mal que sempre dure nem bem que não se acabe. e) Os remédios lhe fizeram muito mal. 3 - (UnB) Observe os períodos abaixo, depois, aponte a alternativa correta em relação a eles. I - Olavo Bilac é a figura proeminente do Parnasianismo. II - Um bom político não deve confundir o assessório com o fundamental. III - Qualquer guerra deixa heranças lutulentas às famílias. IV - Os monges medievais levavam vida ascética e esotérica. a) Apenas a I está correta. b) Apenas a II está correta. c) Apenas a III está correta. d) Apenas a IV está correta. e) Nenhuma está correta. 4 - (UnB) Assinale a opção em que a palavra completa corretamente a lacuna. a) A lei possibilitou que o prazo para o combate à inflação fosse. (delatado) b) A inflação tem graves danos ao povo brasileiro. (infringido) c) O efeito Denise Frossard não passou àqueles que esperam ver acabar a corrupção no país. (desapercebido) d) O bicho sempre destinou quantias a determinados grupos da nossa sociedade. (vultuosas) e) Os crimes sofisticados, sem violência explícita, não são menos danosos à sociedade. Devem, portanto, ser combatidos. (incontinenti) 5_ (ESAF) Assinale a opção em que a palavra sublinhada está empregada incorretamente. a) Durma cedo, senão acordará tarde amanhã. b) Mal começou a chover, o barranco deslizou. c) Disse que há cinco anos ganhou na loteria. d) Estava mau informado, por isso equivocou-se. e) De hoje a dois meses pedirei novo empréstimo.

55 6- (UnB) Complete as lacunas escolhendo um dos vocábulos indicados e numerados entre parênteses. I) o engano, assinou-se o contrato. (1)Ratificado (2)Retificado II) Os candidatos portaram-se com e educação diante do público. (3)discreção (4)discrição III) Era considerado pessoa e tradicional da sociedade. (5)iminente (6)eminente IV) Para diminuir a poluição nas cidades, seria necessário diminuir também o de veículos motorizados. (7)tráfego (8)tráfico V) Somente se evitará que o regulamento seja se forem aplicadas pesadas multas e outras sanções. (9)infringido (10)infligido a) 1,4,6,8,10 b) 2,3,5,7,10 c) 2,4,6,7,9 d) 1,4,5,8,9 e) 1,3,5,8,9 7- (UnB) Em qual das opções a lacuna deve ser preenchida pela primeira das palavras entre parênteses? a) De acordo com o último (senso/censo/senço), a população aumentou 15%. b) Ricardo da Inglaterra revelou-se, desde jovem, um guerreiro. (intemerato/intimorato) c) Acho que fomos enganados, nosso advogado irá impetrar (mandado/mandato) de segurança. d) Apresentamos nosso último (pleito/preito) de gratidão aos heróis. e) A cidade, que estava (despercebida/desapercebida), foi tomada facilmente pelos bandidos. ESTRUTURA E FORMAÇÃO DAS PALAVRAS: 1. Estrutura dos Vocábulos 1.1 Radical (ou Semantema): Elemento que contém a base de significação do vocábulo: CANTar, ALUNo, MENINo, MAR, SOL, etc 1.2 Desinências Elementos que indicam as flexões dos vocábulos. Dividem-se em: a) NOMINAIS: indicam, nos nomes, flexões de gênero e número: MeninO, MeninA. MeninoS, meninas, pequenos, pequenas, alunos, alunas. b) VERBAIS: indicam, nos verbos, flexões de modo, tempo, pessoa e número: cantávamos, entregássemos, etc. 1.3 Vogal Temática: Indica, nos verbos, a conjugação a que pertencem: 1ª conjugação: A lutar 2ª conjugação: E vender 3ª conjugação: I remir Observação: Nos nomes, ocorre vogal temática quando ela não indica oposição masculino/feminino: tribo, livro, etc 1.4 Vogal e Consoante de Ligação: São os elementos que se interpõem aos vocábulos por necessidade de eufonia: chaleira, gasômetro, cafezal, etc 1.5 Afixos: Elementos que se acrescentam antes ou depois do radical de uma palavra para a formação de uma nova. Dividem-se em: a)prefixo: afixo que se coloca antes do radical: ANTEver, DISpor, EMpobrecer, DESorganizar, etc b)sufixo: afixo que se coloca depois do radical: casamento, deslealdade, desorganizar, empobrecer, etc PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS. Há, em Português, dois grandes processos para a formação de novas palavras: COMPOSIÇÃO e DERIVAÇÃO. 1. COMPOSIÇÃO: Formação de uma palavra nova por meio da união de dois ou mais vocábulos primitivos. Há duas formas:

56 a) JUSTAPOSIÇÃO: formação de uma palavra composta sem que ocorra alteração da estrutura fonética das primitivas: guarda + chuva = guarda-chuva pé + de + moleque = pé-de-moleque passa + tempo = passatempo gira + sol = girassol b) AGLUTINAÇÃO: formação de uma palavra composta com alteração da estrutura fonética das primitivas: plano + alto = planalto em + boa + hora = embora filho + de + algo = fidalgo vossa + mercê = você 2. DERIVAÇÃO: Formação de uma nova palavra a partir de uma primitiva. Assim, temos: a) PREFIXAÇÃO (Derivação Prefixal): formação de uma palavra derivada com acréscimo de um prefixo ao radical da primitiva: ANTEver; CONter; INapto; Ilegal; DESleal; b) SUFIXAÇÃO (derivação sufixal); formação de uma palavra nova com acréscimo de um sufixo ao radical da primitiva: lealdade; laranjal; menininho; felizmente; c) PARASSÍNTESE (Derivação parassintética): formação de uma palavra derivada com acréscimo simultâneo de um prefixo e um sufixo ao radical da primitiva: exemplo: esverdear, repatriar. d) DERIVAÇÃO IMPRÓPRIA: alteração da função de uma palavra primitiva: O cantar do pássaro alegrava a todos: verbo usado com valor de substantivo. O sr. Coelho viajou: substantivo comum usado como próprio. Todos ficaram encantados com seu andar: verbo usado com valor de substantivo. e) DERIVAÇÃO REGRESSIVA: alteração da estrutura fonética de uma palavra primitiva para a formação de uma derivada. Ocorre, geralmente, de verbo para substantivo: vender - a venda; combater - o combate; chorar o choro. OBSERVAÇÃO: Incluem-se nesse processo os casos de falsa analogia ocorridos em algum momento da língua falada: sarampão: sarampo (falsa analogia com o aumentativo); aceiro: aço (falsa analogia com emprego de sufixo); 3. Outros Processos a) ABREVIAÇÃO: forma reduzida com que podem apresentar-se certas palavras: auto (automóvel); cinema (cinematógrafo); cine (cinema); foto (fotografia); moto (motocicleta); pneu (pneumático); b) SIGLA: emprego das iniciais de várias palavras formando uma que as represente: ONU (Organização das Nações Unidas); NGB (Nomenclatura Gramatical Brasileira); c) ONOMATOPÉIA: palavras formadas a partir da imitação de sons: tilintar; reco-reco; tique-taque; urrar; cacarejar; miar; d) HIBRIDISMO: palavras formadas da união de elementos pertencentes a línguas diferentes: automóvel (auto: grego; móvel: latim); lactômetro (lacto: latim; metro: grego); alcoômetro (álcool: árabe; metro: grego). PREFIXOS Os prefixos existentes em Língua Portuguesa são divididos em: Vernáculos, Latinos e Gregos. 1. Vernáculos: São os prefixos latinos que sofreram modificações ou foram aportuguesados: a, além, ante, aquém, bem, des, em, entre, mal, menos, sem, sob, sobre, soto. Pode-se notar o emprego desses prefixos em palavras como: avizinhar, abordar, além-mar, ante-diluviano, aquém-mar, bem-aventurado, desleal, engarrafar, maldição, menosprezar, semi-cerimônia, sopé, sobpor, sobre-humano, sota-vento, etc.

57 2. Latinos: Prefixos que conservam até hoje a sua forma latina original: a, ab, abs afastamento, aversão: apatia, abjurar, abster-se. a, ad aproximação, passagem para um estado; tendência: amontoar, adjunto, adotar. ambi dualidade: ambidestro, ambigüidade. bis, bin, bi dualidade: bisneto, binário, bípede. centum cem: centúnviro, centuplicar, centígrado, centopéia. Circum, circun, circu em volta de: circumpolar, circunstante, circuito. cis aquém de: cisalpino, cisgangético. com, con, co companhia, concomitância: compadre, confrade, colaborar. Contra oposição, posição inferior: contradizer, contramestre. de ação de tirar, separação, movimento de cima para baixo, intensidade: depenar, decaído, delambido. dis, di movimento para diversas partes, idéias contrárias: distrair, dimanar, dissimulação. entre situação intermediária, reciprocidade: entrelinha, entrevista. ex, es, e movimento de dentro para fora, intensidade, privação, situação cessante: exportar, espalmar, ex-professor, exausto. extra fora de, além de, intensidade: extravasar, extraordinário, extra-seco. im, in, i movimento para dentro, idéia contrária: importar, ingrato, ilegal. inter no meio de: intervocálico, intercalado. intra movimento para dentro: intravenoso, intrometer. justa perto de: justapor. multi pluralidade: multiforme. obs, o oposição: obstar, opor, obstáculo, objetar. pen(e) quase: penúltimo, península, penumbra. per movimento através de, acabamento de ação, idéia pejorativa: percorrer, perfeito, perjuro. post, pos posteridade:, postergar, pospor. pre anterioridade, superlatividade: predizer, preclaro. preter anterioridade, para além: preterir, preternatural. pro movimento para diante, a favor de, em vez de: prosseguir, procurador, pronome. re movimento para trás, ação reflexiva, intensidade, repetição: regressar, revirar, revolver, redizer. retro movimento para trás: retroceder. satis bastante: satisdar. sub, sob, so, sus inferioridade: subdelegado, sobraçar, sopé; suster. subter por baixo: subterfúgio. super acima, excesso: superpor, superfã. trans, tras, tra, tres para além de; excesso: transpor, transpassar, traduzir, tresloucado. tris, tres, tri três vezes: trisavô, tresdobro, trifólio. ultra para além de, intensidade: ultrapassar, ultrabelo. uni um: unânime, unicelular. 3. Gregos Os principais prefixos de origem grega empregados em Língua Portuguesa são: deca dez: decâmetro. dia através de, divisão: diáfono diálogo. dis dualidade, mau: dissílabo, dispepsia. en sobre, dentro: encéfalo. endo para dentro: endocarpo. epi por cima: epiderme, epígrafe. eu bom: eufonia, eugenia, eupepsia. hecto cem: hectômetro. hemi metade: hemiciclo, hemistíquio, hemisfério. hiper superioridade: hipertensão, hipérbole, hipertermia. hipo inferioridade: hipoglosso, hipótese, hipogeu, hipotermia. homo semelhança, identidade: homônimo, homogêneo. meta união, mudança, além de: metacarpo, metáfase, metafísica. miria dez mil: miriâmetro. mono um: monóculo, monoculista. neo novo: neologismo, neolatino. para aproximação, oposição: paráfrase, paradoxo, parassíntese. penta cinco: pentágono. peri em volta de: perímetro. poli muitos: polígono, polimorfo. pro antes de: prótese, prólogo, programa, profeta. proto primeiro: protozoário.

58 a, an, privação, negação: ápode, anarquia, anacoluto. ana inversão, parecença: anagrama, analogia. anfi duplicidade, de um e do outro lado: anfiteatro, ânfora, ampola. anti oposição: antipatia, antagonista. apo afastamento: apólogo, apogeu. arqui, arque, arce, arc superioridade: arquiduque, arquétipo, arcebispo, arcanjo. caco mau: cacofonia. cata de cima para baixo: cataclismo, catalepsia. SUFIXOS Os sufixos existentes em Língua Portuguesa podem ser: Nominais, Verbais e Adverbial. 1. Nominais a) Coletivos: -aria, -ada, -edo, -ai, -agem, -atro, -alha, -ama. b) Aumentativos e diminutivos: -ão, -rão, -zão, -arrão, -aço, -astro, -az. c) Agentes: -dor, -nte, -ário, -eiro, -ista. d) Lugar: -ário, -douro, -eiro, -ório. e) Estado: -eza, -idade, -ice, -ência, -ura, -ado, -ato. f) Pátrios: -ense, -ista, -ano, -eiro, -ino, -io, -eno, -enho, -aico. g) Origem, Procedência: -estre, -este, -esco. 2. Verbais a) Comuns: -ar, -er, -ir, b) Freqüentativos: -açar, -ejar, -escer, -tear, -itar. c) Incoativos: -escer, -ejar, -itar. d) Diminutivos: -inhar, -itar, -içar, -iscar. 3. Adverbial = há apenas um: MENTE: dolosamente, eternamente, etc RADICAIS LATINOS MAIS COMUNS Entre outros, funcionam como primeiro elemento da composição os seguintes latinos, de regra terminados em i: FORMA SENTIDO EXEMPLO agri- campo agricultura ambi- ambos ambidestro arbori- árvore arborícola avi- ave avifauna bis- duas vezes bisavô bi- bípede calori- calor calorífero cruci- cruz crucifixo curvi- curvo curvilíneo equi- igual eqüilátero ferri ferro ferrífero ferro ferrovia igni- fogo ignívomo loco- lugar locomotiva mortis- morte mortífero multi- muitos multiforme olei- azeite, óleo oleígeno óleo- oleoduto oni todo onipotente pedi- pé pedilúvio pisci- peixe piscicultor pluri- muitos,vários pluriforme quadri- quatro quadrimotor quadru- quadrúpede reti- reto retilíneo semi- metade semi-reta

59 sesqui- um e meio sesquicentenário tri- três tricolor uni- um uníssono vermi- verme vermífugo Como segundo elemento da composição, empregam-se: FORMA SENTIDO EXEMPLO Cida que mata regicida, suicida Cola que cultiva, ou vitícola, arborícola habita Cultura ato de cultivar apicultura, piscicultura Fero Que contém ou aurífero, mamífero produz Fico Que faz, ou produz benéfico, frigorífico Forme Que tem forma de cuneiforme, uniforme Fugo Que foge, ou faz contrífugo, febrífugo fugir Gero Que contém, ou armígero, belígero produz Paro Que produz multíparo, ovíparo Pede Pé palmípede, velocípede Sono Que soa horrísono, uníssono Vomo Que expele fumívomo, ignívomo Voro Que come carnívoro, herbívoro RADICAIS GREGOS Mais numerosos são os compostos eruditos formados de elementos gregos, fonte de quase todos os neologismos filosóficos, literários, técnicos e científicos. Entre os mais usados, podem-se indicar os seguintes, que servem geralmente de primeiro elemento da composição: FORMA SENTIDO EXEMPLOS aero ar aerofagia, aeronave anemo vento anemógrafo, anemômetro antropo homem antropófago, antropologia arqueo antigo arqueografia, arqueologia auto de si mesmo autobiografia, autógrafo biblio livro bibliografia, biblioteca bio vida biografia, biologia caco mau cacofonia, cacografia cali belo califasia, caligrafia FORMA SENTIDO EXEMPLOS cosmo mundo cosmógrafo, cosmologia cromo cor cromolitografia, cromossomos crono tempo cronologia, cronômetro da(c)tilo dedo dactilografia, dactiloscopia deca dez decaedro, decalitro demo povo democracia, demagogo di dois dipétalo, dissílabo ele(c)tro (âmbar) eletricidade eletroímã, electrospia enea nove eneágono, eneassílabo etno raça etnografia, etnologia farmaco medicamento farmacologia, farmacopéia filo amigo filologia, filomático fisio natureza fisiologia, fisionomia fono voz, som fonógrafo, fonologia foto fogo, luz fotômetro, fotosfera geo terra geografia, geologia hemo sangue hemoglobina, hemorragia hepta sete heptágono, heptassílabo hetero outro heterodoxo, heterogêneo hexa seis hexágono, hexâmetro

60 hidro água hidrogênio,hidrografia ictio peixe ictiófago, ictiologia iso igual isócrono, isóscele lito pedra litografia, litogravura macro grande, longo macróbio, macrodáctilo mega(lo) grande megatério, megalomaníaco melo canto melodia, melopéia meso meio mesóclise, Mesopotâmia micro pequeno micróbio, microscópio miso que odeia misógino, misantropo mito fábula mitologia, mitômano mono um só monarca, monótono necro morto necrópole, necrotério neo novo neolatino, neologismo octo oito octossílabo, octaedro odonto dente odontologia, odontalgia oftalmo olho oftalmologia, oftalmoscípio onomanto nome onomatologia, onomatopéia oro montanha orogenia, orografia orto reto, justo ortografia, ortodoxo oxi agudo, penetrante oxígono, oxítono paleo antigo paleografia, paleontologia pan todos, tudo panteísmo, pan-americano pato (sentimento)doença patogenético, patologia penta cinco pentágono, pentâmetro piro fogo pirosfera, pirotecnia pluto riqueza plutocrata, plutomania poli muitos poliglota, polígono potamo rio potamografia, potamologia proto primeiro protótipo, protozoário pseudo falso pseudônimo, pseudo-esfera psico alma, espírito psicologia, psicanálise quilo mil quilograma, quilômetro quiro mão quiromancia, quiróptero rino nariz rinoceronte, rinoplastia rizo raiz rizófilo, rizotônico tecno arte tecnografia, tecnologia tele longe telefone, telegrama termo quente termômetro, termoquímica tetra quatro tetrarca, tetraedro tipo figura, marca tipografia, tipologia topo lugar topografia, toponímia tri três tríade, trissílabo zoo animal zoógrafo, zoologia Funcionam, preferentemente, como segundo elemento da composição, entre outros, estes radicais gregos: Forma Sentido Exemplos Agogo que conduz demagogo, pedagogo Algia dor cefalalgia, neuralgia Arca que comanda heresiarca, monarca Arquia comando, governo autarquia, monarquia Astenia debilidade neurastenia, psicastenia Céfalo cabeça dolicocéfalo, microcéfalo Cracia poder democracia, plutocracia Doxo que opina heterodoxo, ortodoxo Dromo lugar para correr hipódromo, velódromo Edro base, face pentaedro, poliedro Fagia ato de comer aerofagia, antropofagia Fago que come antropófago, necrófago Filia amizade bibliofilia, lusofilia Fobia inimizade, ódio, fotofobia, hidrofobia temor Fobo que odeia, inimigo xenófobo, zoófobo Foro leva ou conduz electróforo, fósforo

61 Gamia casamento monogamia, poligamia Gamo que casa bígamo, polígamo Gêneo que gera heterogêneo, homogêneo Glota língua poliglota, monoglota Glossa isoglossa, glossário Gono ângulo pentágono, polígono Grafia escrita, descrição ortografia, geografia Grafo que escreve calígrafo, polígrafo Grama escrito, peso telegrama, quilograma Logia discurso, tratado, arqueologia, filologia ciência Logo que fala ou trata diálogo, teólogo Mancia adivinhação necromancia, quiromancia Mania loucura, tendência megalomania, mitomania Mano louco, inclinado bibliômano, mitômano Maquia combate logomaquia, tauromaquia Metria medida antropometria, biometria Metro que mede hidrômetro, pentâmetro Morfo que tem a forma antropomorfo, polimorfo Nomia lei, regra agronomia, astronomia Nomo que regula autônomo, metrônomo Péia ato de fazer melopéia, onomatopéia Polis Pole cidade Petrópolis, metrópole Ptero asa díptero, helicóptero Scopia ato de ver macroscopia, microscopia Scópio instrumento para ver microscópio, telescópio Sofia sabedoria filosofia, teosofia Stico verso dístico, monóstico Teca lugar onde biblioteca, discoteca se guarda Terapia cura fisioterapia, hidroterapia Tomia corte, divisão dicotomia, nevrotomia Tono tensão,tom barítono, monótono EXERCÍCIOS ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS 1. (PUC-SP) Nas palavras incomunicável e perturbável, temos, respectivamente, um processo de: a) Prefixação sufixação b) Sufixação sufixação c) Prefixação parassintetismo d) Parassintetismo justaposição e) Aglutinação prefixação 2. (CESCEA) ataque, por exemplo, é um termo derivado de atacar. Temos nesse exemplo um fenômeno de a) derivação sem afixo. b) derivação com prefixo e sufixo. c) derivação com sufixo. d) derivação com prefixo. e) derivação imprópria. 3- (UFCE) O prefixo de uma das palavras abaixo tem o sentido de quase. Marque-a. a) Península. b) Eufonia. c) Perímetro. d) Epiderme. 4- (FSS/RJ) Assinale abaixo o composto de elementos gregos que não se ajusta à definição apresentada. a) macróbia - estado de vida longa b) claustrofobia - aversão a lugares fechados c) misantropia - aversão à sociedade d) xilografía - arte de grafar em pedra e) etnologia - estudo das raças

62 5- Assinale a relação em que todos os vocábulos são cognatos. a) ópera/cooperar/obra b) locução / coloquial / interlocutor / loquaz c) remover/locomoção /imolação/demover d) incolor / descorar /corante/ colosso e) pedestre / pedestal/bípede /pedraria 6- (HUM - ABC) O vocábulo sociologia é formado por a) derivação. c) parassíntese. b) hibridismo. d) prefixação. e) sufixação. 7- Os vocábulos boquiaberto e passatempo apresentam, respectivamente, os processos: a) aglutinação e justaposição. b) aglutinação e aglutinação. c) justaposição e aglutinação. d) justaposição e justaposição. e) nda. 8- É inaceitável a entrega do material fora do prazo. As palavras grifadas são formadas respectivamente por: a) derivação prefixal e derivação regressiva. b) derivação parassintética e derivação regressiva. c) derivação prefixal + sufixal e derivação regressiva. d) derivação prefixal e derivação prefixal. 9- (MACK) Dentre as alternativas abaixo, assinale aquela em que ocorrem dois prefixos que dão idéia de negação. a) impune - acéfalo. b) pressupor - ambíguo. c) anarquia - decair. d) importar - soterrar. e) ilegal - refazer Aponte a alternativa em que não ocorre hibridismo. a) automóvel. b) televisão. c) sociologia. d) monóculo. e) aristocracia (PUC) Assinale a classificação errada do processo de formação indicado: a) o porquê - conversão ou derivação imprópria. b) desleal - derivação prefixal. c) impedimento - derivação parassintética. d) anoitecer - derivação parassintética. e) borboleta - primitivo A formação do vocábulo sublinhado na expressão o canto das sereias é a) composição por justaposição. b) derivação regressiva. c) derivação prefixal. d) palavra primitiva. e) derivação sufixal (UFPR) Qual a alternativa em que todas as palavras são formadas por derivação sufixal? a) duradouro, inativo, pára-quedas, preconcebido. b) cabecear, celeste, cooperar, objeto. c) movediço, mourisco, chuvinho, bebedeira. d) terreno, campal, injusto, conteúdo. e) hebreu, mineiro, doente, banana (PUC-PR) Assinale a alternativa em que todas as palavras são formadas apenas por derivação prefixal. a) contradizer, extra-oficial, pintura, papel. b) ilegal, prefácio, percorrer, progresso. c) exportar, justapor, díspado, glóbulo. d) internacional, anterior, areal, ruela. e) ultrapassar, refazer, advocacia, bronquite.

63 15-. (ACAFE-SC) Se a partir da palavra pobre formamos pobreza e empobrecer, essas duas últimas serão, quanto à formação, derivadas por a) prefixação e prefixação. b) sufixação e parassintetismo. c) sufixação e sufixação. d) prefixação e parassintetismo. e) parassintetismo e sufixação. 16- Some as alternativas que só têm palavras formadas por parassíntese. 01) indestrutível, envelhecido, destacado 02) matacavalos, remoçar, inconfundível 04) desalmado, emudecer, desmiolado 08) namora, incompreensível, gesticular 16) descrentes, ensurdecer, deslealdade 32) empalideceu, entristecer, avizinhar 17- Some as alternativas em que todas as palavras são formadas por aglutinação. 01) boquiaberto, cabisbaixo, pontiagudo 02) passatempo, mancheia, mandachuva 04) aguardente, fidalgo, guarda-roupa 08) pé-de-vento, terça-feira, sempre-viva 16) planalto, ganha-pão, vaivém 32) pernilongo, petróleo, embora 18- Some as opções em que todas as palavras foram formadas pelo mesmo processo de composição. 01) pé-de-cana, mal-humorada, embora 02) protocolar, embora, mal-assombrado 04) mal-assombrado, pé-de-cana, vaivém 08) falastrão, vaivém, mal-humorado 16) pé-de-cana, embora, vaivém 32) vinagre, manietar, aguardente 19- (MACKENZIE-SP) As palavras televisão, queima, petróleo e areia são, respectivamente. a) composta - derivada - composta -primitiva b) composta - primitiva - composta - composta c) derivada - derivada - derivada - derivada d) derivada -primitiva - derivada -primitiva e) composta - derivada - derivada - composta 20- (ESAF) Estão destacados abaixo os elementos constituintes das palavras e indicados os processos de formação. Assinale a alternativa incorreta. a) Engordar= en+gordo+ar> derivação prefixal e sufixal; b) Automóvel= auto (grego)+móvel (latino)> hibridismo; c) Planalto= plano+alto> composição por aglutinação; d) Malmequer= mal+me+quer> composição por justaposição; e) Prazerosamente= prazerosa+mente> derivação sufixal. 21- (UnB) Toda as opções apresentam duas palavras com sufixos indicadores de naturalidade, exceto: a) Forense e amanuense; c) Olindense e fluminense; b) Paulistano e madrilenho; d) Groenlandês e ituano. 22- (ESAF) Assinale a alternativa em que todas as palavras são cognatas. a) Obsceno obscuro obsedante obstruir; b) Transpor transportar transtornar transbordar; c) Auricular áureo auriforme aurifulgente; d) Bípede pedestre pé pedicuro; e) Pluvial dilúvio chuva diluir. 23- (ESAF) Assinale o item no qual os prefixos sublinhados não têm o mesmo sentido. Carta anônima homem incapaz; Hemisfério raiz semimorta; Rua paralela película translúcida; Perímetro urbano área circunvizinha.

64 CLASSES DE PALAVRAS As palavras costumam ser agrupadas em classes, de acordo com suas funções e formas. Palavras que se apresentam sempre com a mesma forma chamam-se invariáveis; são variáveis obviamente, as que apresentam flexão ou variação de forma. Variáveis: 1. Substantivo gênero, número e grau 2. Artigo gênero e número 3. Adjetivo - gênero, número e grau 4. Numeral gênero e número 5. Pronome - gênero, número e pessoa 6. Verbo modo, tempo, número, pessoa e voz 7. Advérbio grau Invariáveis: 8. Preposição 9. Conjunção 10. Interjeição Obs.: O advérbio só apresenta as flexões de grau em casos muito limitados, motivo por que se costuma incluí-lo entre as classes invariáveis. SUBSTANTIVO 1. DEFINIÇÃO É a palavra que nomeia o ser, seja ele animado (homem) ou inanimado (casa), real (sol) ou imaginário (sereia), concreto (automóvel) ou abstrato (pureza). 2. CLASSIFICAÇÃO 2.1 Concreto Nomeia o ser de natureza independente, real ou imaginário. Ex.: pedra, Deus, cadeira, fada. 2.2 Abstrato Nomeia ação (beijo), estado (vida), qualidade (beleza), sensação (calor) ou sentimento (amor) de um ser de natureza dependente. 2.3 Comum Nomeia o ser genericamente, como pertencente a determinada classe. Ex.: cachorro, homem, planeta, oceano, cidade. 2.4 Próprio Nomeia o ser particularmente, dentro de sua espécie. Ex.: Bilu, Pedro, Terra, Atlântico, Vitória. 2.5 Primitivo É o que está encabeçando uma série de palavras de mesma família etimológica; não é originado de nenhum outro nome. Ex.: pedra, pobre. 2.6 Derivado Origina-se de um primitivo. Ex.: pedreiro, pobreza. 2.7 Simples Apresenta apenas um radical. Ex.: pedreiro, pobreza. 2.8 Composto Apresenta mais de um radical. Ex.: pedra-sabão, guarda-roupa, passatempo, fidalgo. 2.9 Coletivo Embora na forma de singular, expressa uma pluralidade. Ex.: pedraria, enxame, cardume.

65 EIS ALGUNS SUBSTANTIVOS COLETIVOS: acervo de coisas em geral, de bens patrimoniais alameda de árvores (linha) alcatéia de lobos alfabeto de letras (em ordem) antologia de trechos literários arboreto de árvores cultivadas armada de navios de guerra arquipélago de ilhas arvoredo de árvores assembléia de sócios (em reunião), parlamentares assistência de espectadores associação de sócios atilho de espigas atlas de mapas bagagem de objetos auditório de ouvintes baixela de utensílios de mesa banca de examinadores banda de músicos (com instrumento) bando de aves, ciganos, crianças, malfeitores batalhão de soldados bateria de utensílios (de cozinha) biblioteca de livros biênio período de dois anos bimestre período de dois meses boiada de bois cabido de cônegos cacho de bananas, uvas, cabelos cáfila de camelos câmara de vereadores, parlamentares cambada de vadios, de gatos, garotos cancioneiro de canções caravana de viajantes, de peregrinos, turistas cardume de peixes em geral carreira de coisas (em fila) clero de padres (em geral) clientela de clientes, de fregueses código de leis comboio de carros (para o mesmo destino) concílio de bispos (em reunião) conclave de cardeais (para escolha do papa) confraria de pessoas religiosas, de bêbados, vadios congregação de professores (de faculdade), de religiosos congresso de deputados e senadores, de especialistas consolidação de leis constelação de estrelas cordilheira de montanhas coro de cantores, de anjos corpo de jurados corpo docente de professores discoteca de discos elenco de atores enxame de abelhas de roupas (de noiva, de recém- enxoval nascido) esquadra de navios de guerra esquadrão de soldados de cavalaria esquadrilha de aviões estância de versos estrofe de versos exército de soldados fato de cabras fauna de animais (de uma região) federação de estados feixe de lenha, capim, espigas, varas, canas filarmônica de músicos filmoteca de filmes flora de plantas (de uma região) folclores de tradições e crenças populares freguesia de clientes frota de navios galeria de estátuas, quadros girândola de foguetes guarnição lugar) hemeroteca de jornais, revistas horda de invasores, salteadores de soldados(que guarnecem um hoste de soldados (em ordem de marcha) iconoteca de gravuras irmandade de membros de associações religiosas e beneficentes junta de bois, de médicos (em conferência) legião de soldados, anjos, demônios leva de prisioneiros, recrutas malta de ladrões, malfeitores manada maquinaria de máquinas matilha de cães de caça miríade infinidade de estrelas, insetos mobília de móveis de bois, búfalos, elefantes molho (ó) de chaves multidão de pessoas ninhada de filhotes nuvem de gafanhotos, mosquitos orquestra de músicos penca de frutos, de bananas pente de balas de armas automáticas pinacoteca de quadros, telas piquete de grevistas, soldados montados plêiade de homens ou poetas célebres plumagem de penas pomar de árvores frutíferas população de habitantes praga de insetos provisão de mantimentos quadrilha de ladrões, bandidos ramalhete de flores rebanho de ovelhas récua de cavalgaduras renque de coisas em fila repertório de peças teatrais ou músicas república de estados (unidos em nação) resma quinhentas folhas de papel réstia de alhos, cebolas (com hastes entrelaçadas) revoada de aves voando romaria de peregrinos Ronda de soldados (que percorrem ruas para garantir a ordem)

66 serra de montanhas sortimento de coisas comerciáveis (em geral) súcia de velhacos, malandros talher conjunto de peças: garfo, colher e faca tertúlia de amigos (em assembléia), intelectuais (em assembléia) tribo de índios (nação) tríduo três dias triênio três anos trimestre três meses tripulação de tripulantes de navio e avião tropa de burros tropilha de cavalos turma de pessoas, trabalhadores, estudantes vara de porcos vestuário de roupas (de vestir exteriormente) xiloteca de amostras de espécies de madeira para estudo e pesquisa 3. FLEXÃO DO SUBSTANTIVO - GÊNERO Quanto ao gênero, o substantivo pode ser: Masculino: homem, menino Feminino: mulher, menina 3.1 Formação do Feminino a) Regular: terminação A. Ex.: menino menina gato gata b) Irregular: terminação variada. Ex.: homem mulher pai mãe frei sóror Obs.: femininos das palavras terminadas em ÃO 3.2 Substantivos Uniformes São aqueles que apresentam uma forma única para o masculino e o feminino. a) Epiceno: designa o sexo de certos animais com o auxílio dos adjetivos macho e fêmea. Ex.: cobra, jacaré. b) Comum de dois gêneros: é auxiliado pelo artigo, adjetivo ou pronome para distinguir o gênero. o rival a rival artista famoso artista famosa esse pianista essa pianista c) Sobrecomum: forma única para o masculino e o feminino. Ex.: a criança o cônjuge a testemunha Gênero e sentido Alguns substantivos são masculinos ou femininos, conforme o sentido em que se achem empregados: MASCULINO FEMININO o águia (notável, esperto) a águia (ave) o cabeça (chefe) a cabeça (parte de corpo) o capital (valores disponíveis) a capital (cidade principal) o cinza (cinzento) a cinza (combustão) o cisma (dissidência de opiniões) a cisma (ato de cismar) o coma (inconsciência mórbida) a coma (cabeleira vasta) o coral (animal celenterado) a coral (cobra avermelhada) o corneta (corneteiro) a corneta (trombeta) o crisma (óleo para crismar) a crisma (sacramento da confirmação) o cura (vigário) a cura (ato de curar) o estepe (pneu sobressalente) a estepe (tipo de vegetação) o grama (unidade de medida) a grama (relva) o guia (pessoa que guia) a guia (ato de guiar, documento) o lente (professor) a lente (corpo transparente limitado por duas superfícies refratoras) o língua (tradutor) a língua (órgão da cavidade bucal) o lotação (transporte) a lotação (cálculo da capacidade) o moral (ânimo) a moral (conjunto de regras de conduta) o nascente (o leste) a nascente (fonte de água) o pala (poncho) a pala (parte recortada de camisas, blusas etc.) o rádio (osso, aparelho receptor) a rádio (estação de rádio) o voga (remador) a voga (divulgação)

67 Gênero incerto Masculino o ágape (refeição de confraternização) o apêndice (parte anexa) o caudal (rio caudaloso) o champanha (vinho espumante) o eclipse (fenômeno astronômico) o estigma (sinal) o estratagema (ardil) o guaraná (bebida) o lança-perfume (recipiente cilíndrico que contém éter) o magma (massa natural fluída, ígnea) o praça (soldado de polícia, militar sem graduação) o preá (mamífero roedor) o telefonema (chamada telefônica) Feminino a abusão (abuso; ilusão) a aluvião (inundação) a cal (substância branca, resultante da calcinação de pedras calcárias) a cataplasma (papa medicamentosa) a cólera (ira) a comichão (coceira) a faringe (cavidade posterior às fossas nasais) a hélice (peça propulsora de navios, aviões) a libido (instinto ou desejo sexual) a omoplata (osso que forma a parte posterior do ombro) Masculino ou Feminino o diabetes ou diabete a diabetes ou diabete o laringe a laringe o personagem a personagem o usucapião a usucapião 4. FLEXÃO DO SUBSTANTIVO - NÚMERO 4.1 plural dos substantivos simples a) terminados em vogal (oral ou nasal) e ditongo oral:acréscimo de s. Ex.:casa casas fã fãs pai pais b) Terminados em ão. ão átono acréscimo de s. Ex.:órgão órgãos bênção bênçãos ão tônico acréscimo de s, ou substituição por ões ou ães. Ex.: cidadão cidadãos portão portões pão pães Obs.: Há, em muitos desses substantivos, oscilação na formação do plural, daí os plurais duplos ou triplos: aldeão aldeãos ancião anciãos aldeães anciães aldeões anciões vulcão vulcãos anão anãos vulcães anões vulcões corrimão corrimãos charlatão charlatãos corrimões charlatões guardião guardiães verão verãos guardiões verões faisão faisães zangão zangãos faisões zangões c) Terminados em L. terminação al, el, ol, ul; trocam L por IS Ex.: jornal jornais anel anéis anzol anzóis azul azuis ; átono: eis terminação il 9 tônico: is fóssil fósseis barril barris

68 d) terminados em R ou Z; acréscimo de ES. Ex.: amor amores giz gizes e) terminados em S. a) paroxítonos ou proparoxítonos: invariáveis b) oxítonos ou monossílabos tônicos: acréscimo de ES Ex.: pires pires ônibus ônibus gás gases inglês ingleses f) terminados em X normalmente são invariáveis. Ex.:o tórax tórax o sílex sílex 4.2 plural dos substantivos compostos A) Ambos os elementos variam: Quando forem palavras variáveis (sem ligação de subordinação entre elas). Ex.: amor-perfeito amores-perfeitos bom-dia bons-dias B) Apenas o primeiro elemento varia: 1) com preposição clara ou expressa Ex.: pé-de-moleque pés-de-moleque 2) com preposição subentendida Ex.: livro-caixa livros (de) caixa 3) se o 2º indica finalidade ou semelhança do 1º Ex.: navio-escola navios-escola peixe-boi peixes-boi C) Apenas o último elemento varia: 1) quando o 1º elemento for verbo Ex.: arranha-céu arranha-céus guarda-roupa guarda-roupas 2) quando o 1º elemento for palavra invariável ou prefixo Ex.: sempre-viva sempre-vivas ex-diretor ex-diretores 3) quando o 1º elemento é forma apocopada Ex.: grão-duque grão-duques grã-cruz grã-cruzes bel-prazer bel-prazeres 4) onomatopéias Ex.: reco-reco reco-recos pingue-pongue pingue-ponges 5) verbos repetidos Ex.: pisca-pisca pisca-piscas Obs.: ambos podem variar: Ex.: piscas-piscas D) Admitem mais de um plural: fruta-pão: fruta-pães, frutas-pão, frutas-pães; guarda-marinha: guardas-marinha, guardas-marinhas; padre-nosso: padres-nossos, padre-nossos; terra-nova: terras-novas, terra-novas; salvo-conduto:salvos-condutos; salvo-condutos; ruge-ruge: ruges-ruges, ruge-ruges. E) Casos especiais: o louva-a-deus os louva-a-deus o diz-que-diz os diz-que-diz o joão-ninguém os joões-ninguém o arco-íris os arco-íris

69 5. Flexão do substantivo grau Quanto ao grau, temos três possibilidades: normal: porta aumentativo: portão diminutivo: portinha Os graus aumentativo e diminutivo, além de idéia de aumento ou diminuição, podem traduzir desprezo crítica, afeição; chamam-se PEJORATIVOS (gentalha, livreco, jornaleco) ou AFETIVOS (paizinho, filhinho, Carlito). Há ainda os aumentativos fictícios, tais como: cartão, portão, calção. ARTIGO É a palavra que antecede os substantivos, designando-os de forma determinada (o, a, os, as) ou indeterminada (um, uma, uns, umas). CLASSIFICAÇÃO Os artigos classificam-se em: a) definidos: determinam o substantivo de modo preciso ou particular. Ex.: Chamei o médico. b) indefinidos: determinam o substantivo de modo vago ou geral. Ex.: Chamei um médico. ADJETIVO É a palavra modificadora de substantivo, indicando-lhe ou atribuindo-lhe uma qualidade. Ex.: IMENSAS noites de inverno, com FRIAS montanhas MUDAS, e o mar NEGRO, mais ETERNO, mais TERRÍVEL, mais PROFUNDO. LOCUÇÃO ADJETIVA É a expressão formada de preposição mais substantivo com valor e emprego de adjetivo. Ex.: Imensas noites DE INVERNO. Alguns adjetivos e locuções adjetivas ADJETIVO LOCUÇÃO ADJETIVA abdominal de abdômen etéreo de éter coreográfico de dança palustre de brejo apícola de abelha fabril de fábrica daltônico de daltonismo cefálico de cabeça sacarino de açúcar faraônico de faraó digital de dedo capilar de cabelo aquilino de águia farináceo de farinha cartesiano de descartes caprino de cabra anímico de alma ferino, feroz de fera diabólico de diabo agreste, rural de campo discente de aluno férreo de ferro adamantino de diamante canino de cão erótico de amor fecal de fezes pecuniário de dinheiro cardinalício de cardeal anular de anel hepático de fígado jurídico de Direito carolíngio de Carlos Magno aracnídeo de aranha filial de filho edênico de éden eqüino, cavalar de cavalo sideral de astro ígneo de fogo ébrio de embriagado hípico de cavalo ótico de audição pecuário de gado sulfúrico, sulfuroso de enxofre plúmbeo de chumbo biliar de bílis galináceo de galinha herbáceo de ervas pluvial de chuva episcopal de bispo gutural de garganta uxoriano de esposa bucal, oral de boca gástrico, estomacal de estômago urbano, citadino de cidade felino, felíneo de gato colubrino, ofídico de cobra hircino de bode glacial de gelo estelar de estrela cardíaco de coração bovino de boi gípseo de gesso

70 infantil, pueril de criança bélico de guerra viril de homem pétreo de pedra etário de idade písceo de peixe medieval da Idade Média cutâneo de cútis, pele eclesiástico da igreja peroneal de perônio insular de ilha pesqueiro, piscatório de pesca hibernal de inverno fraternal de irmão cervical de pescoço junino de junho platônico de Platão manual de mão plebeu de plebe lateral de lado columbino de pombo lacustre de lago suíno de porco lacrimal de lágrima argênteo, argentino de prata laríngeo de laringe docente de professor leonino de leão prosaico de prosa leporino de lebre pulmonar de pulmão lácteo, láctico de leite purulento de pus linear de linha ciático de quadris lupino de lobo vulpino de raposa lunar de lua murino de rato simiesco de macaco real de rei másculo de macho renal de rim materno de mãe fluvial de rio matutino, matinal de manhã romanesco de romance marítimo de mar rupestre de rocha ebúrneo, ebóreo de marfim saponáceo de sabão marmóreo de mármore filatélico de selo marginal de margem socrático de Sócrates mnemônico de memória solar de sol magistral de mestre telúrico de solo monetário, de moeda numismático de moeda onírico de sonho mosaico de Moisés meridional, austral do sul monástico de monge vespertino de tarde letal, mortífero de morte terrestre, terreno da terra glúteo de nádegas sísmico de terremoto nasal de nariz tirânico de tirano naval de navio torácico de tórax níveo de neve taurino de touro noturno de noite umbilical de umbigo setentrional, boreal do norte vascular de vaso (sangüíneo) ocular de olho venoso de veia auricular de orelha senil de velho ósseo de osso eólico, eólio de vento áureo de ouro estival de verão auditivo de ouvido vital de vida ovino de ovelha vítreo de vidro paterno de pai acético de vinagre papal de Papa óptico de visão paradisíaco de paraíso volitivo de vontade pascal de páscoa fônico, vocal de voz FLEXÃO DO ADJETIVO GÊNERO a) UNIFORMES: apresentam forma única para ambos os gêneros. Ex.: fato comum resposta comum Céu azul parede azul b) BIFORMES: apresentam duas formas: uma para o masculino, outra para o feminino. Ex.: menino mau menina má Camponês sandeu camponesa sandia Obs.: Nos adjetivos compostos, apenas o último elemento flexiona-se no feminino. Ex.: festa luso-hispano-americana; saia verde-escura.

71 FLEXÃO DO ADJETIVO NÚMERO a) Os adjetivos simples fazem o plural seguindo as mesmas regras dos substantivos simples: cartão igual cartões iguais livro útil livros úteis rapaz gentil rapazes gentis Observação: substantivo usado como adjetivo fica invariável em gênero e número. Ex.: paralisação monstro calças cinzas camisas rosas. b) Os adjetivos compostos fazem o plural com a flexão do último elemento. Ex.: tarde lítero-musical tardes lítero-musicais líquido doce-amargo líquidos doce-amargos Obs.: Havendo a idéia de cor no adjetivo composto, far-se-á o plural mediante a sua análise morfológica: 1. se o último elemento do adjetivo composto for adjetivo, haverá apenas a flexão desse último elemento: cabelo castanho-escuro cabelos castanho-escuros tecido verde-claro tecidos verde-claros 2. se o último elemento do adjetivo composto for substantivo não haverá flexão, ou seja, o adjetivo fica invariável: tapete verde-esmeralda tapetes verde-esmeralda terno amarelo-canário ternos amarelo-canário EXCEÇÕES: a) surdo-mudo (ambos os elementos variam) rapaz surdo-mudo rapazes surdos-mudos b) azul-marinho (é invariável) vestido azul-marinho vestidos azul-marinho c) infravermelho, ultravioleta, azul-celeste (invariáveis) FLEXÃO DO ADJETIVO GRAU O adjetivo apresenta dois graus: o comparativo (pelo qual se indica se o ser é superior, inferior ou igual na qualificação) e o superlativo (pelo qual uma qualidade é levada ao seu mais alto grau de intensidade). a) O grau comparativo Pedro é tão inteligente quanto José comparativo de igualdade. Pedro é mais inteligente (do) que José comparativo de igualdade. Pedro é maior (do) que José comparativo de superioridade sintético. Pedro é menos inteligente (do) que José comparativo de inferioridade. b) O grau superlativo Pedro é muito inteligente superlativo absoluto analítico. Pedro é inteligentíssimo superlativo absoluto sintético. Pedro é o mais inteligente da sala superlativo relativo de superioridade analítico. Pedro é o menor de todos superlativo relativo de superioridade. c) Adjetivos dignos de nota quanto ao grau ADJETIVO COMPARATIVO DE SUPERIORIDADE SUPERLATIVO ABSOLUTO ANALÍTICO SINTÉTICO ANALÍTICO SINTÉTICO BOM mais bom melhor muito bom ótimo MAU mais mau pior muito mau péssimo GRANDE mais grande maior muito grande máximo PEQUENO mais pequeno menor muito pequeno mínimo ALTO mais alto superior muito alto supremo BAIXO mais baixo inferior muito baixo ínfimo Obs.: No português do Brasil, só se empregam as formas analíticas mais bom, mais mau, mais grande, mais pequeno quando a comparação se processa no mesmo substantivo. Ex.: José é mais bom do que mau. Paulo é mais grande do que gordo.

72 SUPERLATIVOS ABSOLUTOS SINTÉTICOS ERUDITOS ADJETIVO SUPERLATIVO ADJETIVO SUPERLATIVO acre acérrimo humilde humílimo ágil agílimo inimigo inimicíssimo agradável agradabilíssimo livre libérrimo agudo acutíssimo magnífico magnificentíssimo alto sumo, supremo magro macérrimo amargo amaríssimo maléfico maleficentíssimo amável amabilíssimo malévolo malevolentíssimo amigo amicíssimo mau péssimo antigo antiqüíssimo miserável miserabilíssimo áspero aspérrimo mísero misérrimo atroz atrocíssimo negro nigérrimo audaz audacíssimo nobre nobilíssimo baixo ínfimo notável notabilíssimo bélico belicíssimo pequeno mínimo benéfico beneficentíssimo pessoal personalíssimo benévolo benevolentíssimo pobre paupérrimo bom ótimo provável probabilíssimo capaz capacíssimo público publicíssimo célebre celebérrimo pudico pudicíssimo comum comuníssimo respeitável respeitabilíssimo cristão cristianíssimo sábio sapientíssimo ADJETIVO SUPERLATIVO ADJETIVO SUPERLATIVO cruel crudelíssimo sagrado sacratíssimo difícil dificílimo salubre salubérrimo doce dulcíssimo são saníssimo dócil docílimo sensível sensibilíssimo eficaz eficacíssimo sério seriíssimo fácil facílimo simpático simpaticíssimo feliz felicíssimo simples simplicíssimo feroz ferocíssimo soberbo superbíssimo fiel fidelíssimo tenaz tenacíssimo frágil fragilíssimo terrível terribilíssimo frio frigidíssimo veloz velocíssimo geral generalíssimo visível visibilíssimo grande máximo voraz voracíssimo NUMERAL É a palavra que exprime quantidade, ordem, fração e multiplicação, em relação ao substantivo. Classificação: a) Numeral cardinal: indica quantidade Ex.: duas rosas cem alunos b) Numeral ordinal: indica ordem Ex.: segunda rosa centésimo aluno c) Numeral fracionário: indica fração Ex.: um quinto da rosa dois terços dos alunos d) Numeral multiplicativo: indica multiplicação Ex.: o dobro do preço o triplo de possibilidades. Alguns Cardinais, Acompanhados dos Ordinais Correspondentes: Um Dois Três Quatro Cinco Seis Sete CARDINAIS ORDINAIS Oito Nove Dez Onze Doze Treze Dezesseis Vinte Vinte e um Trinta Quarenta Cinqüenta Sessenta Setenta

73 Oitenta Noventa Cem Duzentos Trezentos Quatrocentos Quinhentos Seiscentos Setecentos Oitocentos Novecentos Mil Dois mil Milhão Dois milhões Bilhão Trilhão Primeiro Segundo Terceiro Quarto Quinto Sexto Sétimo Oitavo Nono Décimo Décimo primeiro/undécimo Décimo segundo/duodécimo Décimo terceiro Décimo sexto Vigésimo Vigésimo primeiro Trigésimo Quadragésimo Qüinquagésimo Sexagésimo Setuagésimo/septuagésimo Octogésimo Nonagésimo Centésimo Ducentésimo Trecentésimo Quadringentésimo/quadricentésim o Qüingentésimo Sexcentésimo/seiscentésimo Setingentésimo/septingentésimo Octingentésimo Noningentésimo/nongentésimo Milésimo Bimilésimo Milionésimo Bimilionésimo Bilionésimo Trilionésimo Alguns Multiplicativos 2) dobro ou duplo 8) óctuplo 3) triplo ou tríplice 9) nônuplo 4) quádruplo 10) décuplo 5) quíntuplo 11) undécuplo 6) sêxtuplo 12) duodécuplo 7) sétuplo 100) cêntuplo Obs1.: Ainda são considerados numerais a) ambos, ambas; b) coletivos que indicam uma quantidade determinada: par, casal, dezena, dúzia, vintena, grosa, milheiro, etc. Obs2: para muitos fracionários empregamos o cardinal seguido da palavra avos Ex.: onze avos treze avos quinze avos PRONOME Pronome é a palavra que denota os seres ou a eles se refere, considerando-os apenas como pessoas do discurso. O pronome pode acompanhar um substantivo: Aquele rapaz é bom (pronome adjetivo), ou substituí-lo: Aquilo é bom (pronome substantivo). Classifica-se em Pessoais, Possessivos, Demonstrativos, Relativos, Indefinidos, Interrogativos. PESSOAIS Os pronomes pessoais designam diretamente as pessoas do discurso. Podem ser: a) do Caso Reto (sujeito) EU TU ELE, ELA NÓS VÓS ELES, ELAS b) do Caso Oblíquo (complemento) ME, MIM, COMIGO TE, TI, CONTIGO SE, SI CONSIGO, O, A, LHE, ELE, ELA NOS, CONOSCO, NÓS VOS, CONVOSCO, NÓS SE, SI, CONSIGO, OS, AS LHES, ELES, ELAS c) de Tratamento (trato familiar, cortês, cerimonioso) Você tratamento familiar O Senhor, A Senhora tratamento cerimonioso

74 Vossa Alteza (V.A.) príncipe, duque Vossa Eminência (V.EMª) cardeais Vossa Excelência (V. EXª) altas autoridades Vossa Magnificência (V. Mag.ª) reitores de universidades Vossa Majestade (V.M.) reis Vossa Majestade Imperial (V.M.I.) imperadores Vossa Santidade (V.S.) papas Vossa Senhoria (V.Sª) tratamento geral cerimonioso Vossa Reverendíssima (V.REVma) sacerdotes Esses pronomes, embora usados no tratamento com o interlocutor (2ª pessoa), levam o verbo para a 3ª pessoa; apresentam-se também com a forma: Sua Senhoria (S.Sª), Sua Excelência (S. Exª), Sua Santidade (S.S.), etc. Exemplos: Esperamos, Sr. Ministro, que Vossa Excelência tenha apreciado o esforço da nossa equipe. 2ª pessoa (interlocutor) Sua Majestade, a rainha da Inglaterra, esteve no Brasil. 3ª pessoa (assunto) POSSESSIVOS Exprimem posse: singular 1ª pessoa: meu(s), minha(s) 2ª pessoa: teu(s), tua(s) 3ª pessoa:seu(s), sua(s) plural 1ª pessoa: nosso(s), nossa(s) 2ª pessoa: vosso(s), vossa(s), 3ª pessoa:seu(s), sua(s) DEMONSTRATIVOS Indicam posição 1ª pessoa: Este(s), Esta(s), Isto, Estoutro(a) (s). 2ª pessoa: Esse(s), Essa(s), Isso, Essoutro(a) (s) 3ª pessoa: Aquele(s), Aquela(s), Aquilo(s), Aqueloutro(a)(s). São considerados demonstrativos também os seguintes pronomes: o, a, os, as mesmo(s), mesma(s) próprio(s), própria(s) tal, tais semelhante(s) RELATIVOS Estabelecem relação com um antecedente: Que, o Qual, a Qual, os Quais, as Quais, Quem, Cujo, Cuja, Cujos, Onde e Quanto. Ex.: Os dias que passam não voltam mais. Não vi o colega a quem prometi o livro. Os tiranos, a cujo poder o povo se submetia, eram temidos e odiados. Visitei a casa onde nasci. Farei tudo quanto você pedir. INDEFINIDOS Referem-se, de modo vago, à 3ª pessoa: Todo(s), toda(s), tudo; Algum(-ns), alguma(s), alguém, algo; Nenhum(-ns), nenhuma(s), ninguém, nada; Outro(s), outra(s), outrem; Muito(s), muita(s); Pouco(s), pouca(s); Certo(s), certa(s); Cada, qualquer, quaisquer; Tanto(s), tanta(s); (os) Demais, (as) demais; Vários, várias; Locuções pronominais indefinidas: Cada qual, cada um, quem quer que seja, seja quem for... Exemplos: Alguém falava de flores. Cada um cuide de si.

75 INTERROGATIVOS São pronomes indefinidos em frase interrogativa direta ou indireta: Quem? Quê? O quê? Qual? Quais? Quanto(a) (s)? Exemplos: Quem disse isso? Ignoro quem disse isso. Que fizeste de tua vida? Não sei que fizeste de tua vida. Qual poeta viveu em Santos? Pergunto-te qual poeta viveu em Santos. OBSERVAÇÕES: a) Os pronomes pessoais do caso reto, ou subjetivos, são em regra, usados como sujeito do verbo. Por isso é errado dizer: Isto é para MIM comer ; deve-se dizer Isto é para eu EU comer. b) Os pronomes pessoais do caso oblíquo, ou complementares, devem ser usados como complementos do verbo. Por isso é errado dizer: Mande ELE aqui ; deve-se dizer: Mande-o aqui. c) Os pronomes eu e tu, quando regidos de qualquer preposição, devem passar para os oblíquos correspondentes mim e ti. Por isso é errado dizer: Fulano sentou-se entre Paulo e EU ; deve-se dizer: Fulano sentou-se entre Paulo e MIM. d) Os pronomes si e consigo são exclusivamente reflexivos (a pessoa gramatical do sujeito é agente e paciente). Por isso é errado falar dizer: Quero falar consigo ; deve-se dizer: Quero falar com você. e) Os pronomes oblíquos o, a, os, as funcionam como objeto direto e lhe, lhes como objeto indireto. Por isso é errado dizer: Espero encontrar-lhe na festa ; deve-se dizer: Espero encontrá-lo na festa. f) Os pronomes o, a, os, as sofrem o fenômeno da ASSIMILAÇÃO quando precedidos das formas verbais terminadas por r, s e z, havendo a transformação dessas consoantes. Exemplos: Vender + o = vendê-lo; Pus + a = pu-la; Fiz + os = fi-los. g) Os pronomes o, a, os, as adquirem as formas no, na, nos, nas diante de formas verbais terminadas por - am, -em, -ão, -õe. Exemplos: levaram + o = levaram-no; mantém + o = mantém-no; dão +as = dão-nas; põe + os = põe-nos. h) Empregam-se as formas com nós e com vós quando seguidos de próprios, todos, outros, mesmos. Por isso é errado dizer: Ele foi exigente CONOSCO TODOS ; deve-se dizer: Ele foi exigente COM NÓS TODOS. i) Os pronomes oblíquos me, te, lhe, lhes, nos, vos, na língua literária ou erudita, podem combinar-se com os pronomes o, a, os, as. Exemplos: me + o, a, os, as = mo, ma, mos, mas; te + o, a, os, as = to, ta, tos, tas; lhe, lhes + o, a, os, as = lho, lha, lhos, lhas; nos + o, a, os, as = no-lo, no-la, no-los, no-las; vos + o, a, os, as = vo-lo, vo-la, vo-los, vo-las; Ex.: Se dizeis isto pela moradia que me destes, tirai-ma, que não vo-la pedi eu. (Herculano) j) São pronomes reflexivos: me, te, se, nos, vos, se, refletindo a ação sobre o sujeito. Exemplos:

76 Eu ME barbeei. Tu TE barbeaste. Ele SE barbeou. Nós NOS barbeamos. Vós VOS barbeastes. Eles SE barbearam. Quando a ação é mútua, de uma pessoa para a outra, o pronome reflexivo é também recíproco. Ex.: Nós NOS cumprimentamos friamente. l) O pronome adjetivo possessivo concorda com a coisa possuída e não com o possuidor. Exemplos: O pai e suas filhas. A mãe e seus filhos. m) Nas redações, principalmente nas cartas, devem-se observar as correlações entre os pronomes pessoais e possessivos. Exemplo: Sendo hoje o dia de TEU aniversário, apresso-me em apresentar-te os meus sinceros parabéns e votos que faço a Deus pela TUA felicidade. Abraça-TE o TEU amigo que muito TE preza. n) Usam-se elegantemente certos pronomes oblíquos com o valor de pronomes possessivos. Exemplos: Louvo-TE o esforço = Louvo o TEU esforço. Admiro-LHES a inteligência = Admiro a SUA inteligência. o) O, a, os, as, quando seguidos do relativo que, equivalem a aquele, aquela, aqueles, aquelas, aquilo e, como estes, são também pronomes demonstrativos. Exemplos: O que veio era ele. A que veio era ela. As que vieram eram elas. Não sei o que dizes. p) O pronome neutro invariável o, quando equivale a isso, e estando em lugar de uma palavra ou de todo uma frase, também será pronome demonstrativo. Exemplos: És professor? Sou-o. Era uma bela manhã, mas poucos o notaram. q) Os artigos definidos o, a, os, as, quando estão desacompanhados dos respectivos substantivos, passam a ser pronomes demonstrativos; neste caso equivalem a aquele(s), aquela(s). Exemplos: De todos os climas, prefiro o do meu país. A minha casa é maior que a do vizinho. r) Emprega-se o qual, a qual, os quais, as quais em lugar de que quando o antecedente estiver muito distante ou resultar ambigüidade. Exemplos: A professora se dirigiu ao aluno mais estudioso da classe, o qual é excelente pessoa. s) A forma quanto é pronome relativo quando vem precedido do indefinido tudo. Exemplo: Disse tudo quanto sabia. t) O pronome adjetivo cujo (e suas flexões) equivale a de que, do qual, de quem. Assim supõe, portanto, obrigatoriamente, a preposição de e, por essa razão, nunca pode ser usado em função subjetiva, uma vez que não existe sujeito preposicionado. Exemplos: O livro de cujo autor te falei é interessante. O menino cujo pai é meu vizinho foi a Brasília. u) O pronome cujo não admite artigo nem antes nem depois de si. Assim, é errado dizer: Recebi tua carta, ao cujo assunto passo a responder. Li o livro de cujas as páginas tirei o assunto. v) Os indefinidos certo, certa, certos, certas, vários, várias precedem o substantivo; serão adjetivos quando pospostos ao substantivo. Exemplos: certo amigo amigo certo certo tempo tempo certo

77 vários assuntos assuntos vários. x) A forma nada é advérbio de intensidade desde que seja elemento modificador de um adjetivo. Exemplos: O trabalho não está nada bom. ADVÉRBIO Advérbio é a palavra modificadora do verbo, do adjetivo, de outro advérbio ou de toda uma oração. Exemplos: Ela canta BEM. (verbo) Ela canta MUITO bem. (advérbio) Ela é MUITO bonita. (adjetivo) REALMENTE, ela chegou. (oração) Locução Adverbial O advérbio também pode ser formado por mais de um vocábulo é a LOCUÇÃO ADVERBIAL; normalmente expressa por preposição + substantivo, com valor e emprego de advérbio. Exemplos: sem jeito sem temor sem silêncio às pressas por prazer com jeito sem dúvida de graça com carinho, etc. ADVÉRBIO E LOCUÇÃO CLASSIFICAÇÃO De acordo com as circunstâncias que exprimem, os advérbios e locuções podem ser: a) DE TEMPO: agora, hoje, amanhã, depois, já, ontem, sempre, nunca, jamais, antes, cedo, tarde, brevemente, raramente, etc. b) DE LUGAR: abaixo, acima, acolá, cá, lá, aqui, ali, além, aquém, algures, alhures, nenhures, atrás, dentro, perto, longe, etc. c) DE INTENSIDADE: muito, mui, pouco, bastante, mais, menos, tão, demasiado, meio, completamente, excessivamente, demais, etc. d) DE MODO: bem, mal, assim, depressa, calmamente, apressadamente, loucamente, etc. e) DE AFIRMAÇÃO: sim, certamente, deveras, realmente, efetivamente, etc. f) DE NEGAÇÃO: não. g) DE DÚVIDA: talvez, quiçá, provavelmente, etc. h) INTERROGATIVO: onde (aonde, donde), quando, como, por que (nas interrogativas diretas e indiretas). GRAUS DO ADVÉRBIO Certos advérbios de modo, tempo, lugar e intensidade podem, às vezes, à maneira dos adjetivos e substantivos, sofrer a flexão gradual, conforme se vê nos exemplos abaixo: A) Comparativo: 1. de igualdade: O rapaz falava tão baixo quanto o pai. 2. de superioridade: O rapaz falava mais alto (do) que o pai. 3. de inferioridade: O rapaz falava menos baixo (do que) o pai. B) Superlativo: 1. absoluto analítico: O rapaz falava muito baixo. 2. absoluto sintético: O rapaz falava baixíssimo. OBSERVAÇÕES: a) Na linguagem afetiva, certos advérbios se apresentam no DIMINUTIVO (com valor de superlativo). Exemplos: Andava devagarinho (= muito devagar). Acordava cedinho (= muito cedo). Mora pertinho daqui (= muito perto). b) Empregam-se as formas melhor, pior no lugar de mais bem e mais mal. Exemplo: Você me conhece melhor do que ela.

78 c) Junto a adjetivos, usam-se também mais bem e mais mal, quando há comparação. Exemplos: Ela era mais bem remunerada do que nós. d) É freqüente o emprego de adjetivo com valor de advérbio (derivação imprópria ou conversão). Exemplos: Vender caro; falar alto; comprar barato. PALAVRAS DENOTATIVAS A NGB classifica à parte certas palavras e locuções. Não podem ser consideradas advérbios por não se referirem a verbo, a adjetivo, a advérbio nem a uma oração. São palavras denotativas de: a) INCLUSÃO: também, até, mesmo, etc. Ex.: Todos vieram, até a avó das crianças... b) EXCLUSÃO: só, somente, apenas, menos, etc. Ex.: Todos partiram, menos Paulo. c) DESIGNAÇÃO: Eis. Ex.: Eis o livro que você pediu. d) REALCE: embora, é que, só, lá, que, etc Ex.: Vou embora! Você é que fará a festa. Veja só! Sei lá! Oh! Que saudade que eu tenho! e) EXPLICAÇÃO: isto é, a saber, por exemplo, etc. Ex.: Eram três dias, a saber: sábado, domingo e segunda-feira. f) RETIFICAÇÃO: aliás, ou melhor, a saber, etc. Ex.: Venha às duas, ou melhor, às três. g) SITUAÇÃO: mas que, afinal, pois não é que etc. Ex.: Mas que alegria! Pois não é que ele está estudando mesmo! PREPOSIÇÃO É a palavra que serve de conectivo de subordinação entre palavras e orações. Ex.: A casa de Pedro é grande. Ela saiu para fazer compras. LOCUÇÃO PREPOSITIVA Geralmente formada de advérbio + preposição, com valor e emprego de preposição: abaixo de, acima de, atrás de, através de, antes de, depois de, a par de, de acordo com, em face de, por causa de, devido a, para com, a fim de, etc. Ex.: O menino ficou atrás de você. O orfanato fica em frente de casa. CLASSIFICAÇÃO As preposições podem ser: a) ESSENCIAIS: guardam, na sua essência, o valor de preposição. São seguidas de pronome oblíquo tônico: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, por (per), sem, sob, sobre, trás. b) ACIDENTAIS: palavras essencialmente de outras classes gramaticais que, acidentalmente, funcionam como preposição. São seguidas de pronome reto: como, conforme, consoante, durante, exceto, feito, mediante, segundo, tirante etc. COMBINAÇÃO E CONTRAÇÃO As preposições a, de, por (per), em podem unir-se com outras palavras. Daí teremos: a) COMBINAÇÃO: sem alteração fônica: Ex.: ao (a + o), aonde (a + onde). b) CONTRAÇÃO: com alteração fônica: Ex.: à (a + a), àquela (a + aquela), do (de + o), donde (de + onde), no (em + o), naquele (em + aquele), pelo (per + o), coa (com + a).

79 CONJUNÇÃO É o conectivo de coordenação entre palavras e orações e o conectivo de subordinação entre orações. Exemplos: João e Maria saíram. Pedro entrou, mas Maria saiu. Todos viram que Maria saiu. As locuções com valor e emprego de conjunção (para que, a fim de que, à proporção que, logo que, depois que) são chamadas de LOCUÇÕES CONJUNTIVAS. As conjunções classificam-se em coordenativas e subordinativas. CONJUNÇÕES COORDENATIVAS As conjunções e locuções conjuntivas coordenativas ligam termos oracionais ou orações de igual valor ou função no período. Classificam-se em: a) ADITIVAS (adição): e, nem. Em correlação com não só, não somente, não apenas... mas também, mas ainda, senão, etc. Ex.: Sofremos e lutamos. Ele não ata nem desata. Eu não só estudo, mas também trabalho. b) ADVERSATIVAS (posição contrária): mas, porém, contudo, todavia, entretanto, no entanto, não obstante, etc. Ex.: Ela sofria, mas não se queixava. Os alunos estudaram, no entanto não conseguiram aprovação. c) ALTERNATIVAS (alternância): ou, ou...ou, ora...ora, quer...quer, já...já, etc. Ex.:Ou você vem agora ou perde lugar. Ora chovia ora fazia sol. d) CONCLUSIVAS (conclusão): logo, portanto, por conseguinte, pois (posposto ao verbo). Ex.: Penso, logo existo. O caminho é escuro; vá, pois, com cuidado! e) EXPLICATIVAS (explicação): que, porque, porquanto, pois (anteposto ao verbo). Ex.: Não leia no escuro, que faz mal à vista. Apressa-te, pois tenho urgência de sair. CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS As conjunções subordinativas ligam uma oração principal a uma oração subordinada com o verbo flexionado. Classificam-se em: a) INTEGRANTES (iniciam oração subordinada substantiva): que, se, como (= que). Ex.: Todos perceberam que você estava nervoso. Ninguém sabia se você estava nervoso. Aposto como você estava nervoso. b) TEMPORAIS (tempo): quando, enquanto, logo que, mal, apenas, sempre que, assim que, desde que, antes que, etc. Ex.: Logo que saíram, a festa acabou. Quando eu disse isso, ninguém acreditou. c) FINAIS (finalidade): para que, a fim de que, que (= para que), porque (= para que). Ex.: Lutar para que ela vencesse. d) PROPORCIONAIS (proporcionalidade): à proporção que, à medida que, quanto mais (em correlação com mais). Ex.: À medida que se vive, mais se aprende. Quanto mais se vive, mais se aprende. e) CAUSAIS (causa): porque, como, porquanto, visto que, já que, uma vez que, etc. Ex.: Como estivesse doente, não pôde sair. A memória dos velhos é menos pronta porque o seu arquivo é muito extenso. f) CONDICIONAIS (condição): se, caso, contanto que, desde que, salvo se, sem que (= se não), etc. Ex.: Comprarei o livro, desde que não esteja esgotado. Se chover, não iremos. Caso chova, não iremos. g) COMPARATIVAS (comparação): como, que, do que, quanto, que nem, etc. Ex.: O rapaz lutou como um leão. A luz é mais veloz (do) que o som.

80 h) CONFORMATIVAS (conformidade): como, conforme, segundo, consoante, etc. Ex.: As coisas não são como dizem. Farei tudo conforme você pediu. i) CONSECUTIVAS (consequência): que (precedido dos termos intensivos: tal, tão, tanto, de tal forma etc), de forma que etc. Ex.: O menino correu tanto, que chegou cansado. Ontem estive doente, de forme que não saí. j) CONCESSIVAS (concessão): embora, conquanto, ainda que, mesmo que, posto que, por mais que, se bem que, etc. Ex.: Todos saíram, embora estivesse chovendo. Por mais que gritasse, ninguém o socorreu. INTERJEIÇÃO É a palavra que exprime nossos estados emotivos. É uma verdadeira palavra-frase, pela qual o sujeito falante, impregnado de emoção, procura exprimir seu estado psíquico, num movimento súbito, em vez de se expressar por uma frase logicamente organizada. Ah! Ah! (admiração) Viva! (exaltação) Ah! Eh! (alívio) Coragem! Eia! (animação) Bravo! (aplauso) Ai! (dor) Bis! (repetição) Psiu! (silêncio) Cuidado! Atenção! Olhe lá! (advertência) Oxalá! Tomara! (desejo) Perdão! (desculpa) Adeus! (saudação) Chi! Irra! Arre! (desagrado, alívio) Claro! pudera! ótimo! (assentimento) LOCUÇÕES INTERJETIVAS Expressão formada por mais de um vocábulo, com valor e emprego de interjeição: Com os diabos! Ora bolas! Valha-me Deus! Raios te partam! Nossa Senhora! etc. EXERCÍCIOS CLASSES DE PALAVRAS 1. Assinale a classificação errada da palavra grifada. a) Não toque nesta fruta; coma a que está sobre a mesa. (pronome demonstrativo) b) Passo a vida a me lamentar. (artigo definido) c) Espero que você me compreenda. (conjunção integrante) d) O aluno a que ele se referiu está ausente. (pronome relativo) 2. Qual dos termos sublinhados tem a classe gramatical diferente dos demais? a) "as condições de uma vida mais humana." b) "certas coisas se apresentam até bastante positivas." c) "com tantas oportunidades que se oferecem." d) "as pessoas são mais facilmente condicionadas." e) "Fico feliz de ver você assim tão esperançoso." 3. Assinale o item em que se classificou erroneamente o vocábulo grifado. a) A fada do céu sentiu que não tinha tamanhos poderes, (advérbio de intensidade) b) Um pensamento quadrado entrou pelas grades. (adjetivo) c) Era um dia abafadiço e aborrecido. (artigo indefinido) d) Achei-o meio preocupado. (advérbio de intensidade) e) Não insista, que é inútil. (conjunção explicativa) 4. A classificação CORRETA das duas ocorrências de que na ordem em que aparecem em "Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna..." a) conjunção subordinativa integrante/pronome relativo. b) conjunção subordinativa integrante/conjunção subordinativa comparativa. c) pronome relativo / conjunção subordinativa integrante. d) pronome relativo / conjunção subordinativa comparativa. e) conjunção subordinativa comparativa/conjunção subordinativa comparativa.

81 5. Nas expressões "hálito perfumado" e "úmidos cabelos", a colocação do adjetivo, em relação ao substantivo, não altera a classe nem o sentido. Assinale a opção em que o deslocamento do adjetivo ACARRETA MUDANÇA de classe e de sentido. a) um cão enorme / um enorme cão b) um caloroso abraço / um abraço caloroso c) uma brisa suave / uma suave brisa d) uma saudade imensa /uma imensa saudade e) um amigo certo/um certo amigo 6. Assinale o pronome substantivo que se encontra sublinhado. a) "com aqueles seus cabelos em cachos" b) "todo o mundo reparava nesse pegadio constante" c) "a cheia cobrindo tudo d'água" d) "seus números de sucesso" e) "este menino fez arte" 7. Quanto à classe gramatical, assinale o item correspondente à resposta certa, obedecendo à seqüência das palavras marcadas. "De repente, não mais que de repente, fez-se de triste o que se fez amante e do sozinho o que se fez contente." a) pronome demonstrativo, conjunção integrante, advérbio b) artigo, conjunção integrante, substantivo c) artigo, pronome relativo, substantivo d) pronome demonstrativo, pronome relativo, substantivo e) pronome pessoal oblíquo, pronome relativo, adjetivo 8- (ÁLVARES PENTEADO) -Assinale a alternativa correta. a) Ao realizar uma prova, pensa bem nas respostas que darás, saia da sala somente depois de te certificares de que não esqueceste nada. b) Ao realizardes uma prova, pensai bem nas respostas que dareis, saia da sala somente depois de te certificares de que não esquecestes nada. c) Ao realizardes uma prova, pensai bem nas respostas que darás, sai da sala somente depois de vos certificardes de que não esquecestes nada. d) Ao realizar uma prova, pensa bem nas respostas que dará, saia somente depois de se certificar de que não esqueceu nada. e) Ao realizar uma prova, pense bem nas respostas que dará, saia somente depois de se certificar de que não esqueceu nada. A exposição de motivos do Código Civil, quando descreve a metodologia utilizada pela comissão redatora, afirma que não se compreende, nem se admite, em nossos dias, legislação que, em virtude da insuperável natureza abstrata das regras de direito, não abra prudente campo à ação construtiva da jurisprudência, ou deixe de prever, em sua aplicação, valores éticos, como os de boa-fé e eqüidade. Correio Braziliense (com adaptações) 9. Em relação ao texto acima, julgue os itens seguintes. a) Considerando as exigências da norma culta escrita, a substituição de A (l.1) por Na mantém a correção gramatical e as relações de sentido do texto. b) O trecho quando descreve (l. 1) pode ser substituído por ao descrever, sem prejuízo para a correção do período. c) O pronome se (l.3), nas duas ocorrências, indica voz reflexiva. d) A substituição de à (l.5) por para a manteria a correção gramatical e a coerência do período. e) Mantida entre vírgulas, a expressão em sua aplicação (l. 6-7) pode, sem prejuízo para a correção do período, ser deslocada para imediatamente após deixe (l. 6). A insegurança das relações contratuais causa problemas econômicos, repercute no custo Brasil e multiplica os riscos de negócios. Incumbe ao legislador traçar limites objetivos entre a prestação de serviço prevista pelo Código Civil (art. 593), outras modalidades de trabalho e o contrato de trabalho pela CLT, a fim de prevenir conflitos por divergências de entendimento em torno do que fora expressamente contratado. Correio Braziliense (com adaptações)

82 10. Julgue os itens que se seguem com relação às estruturas do texto acima. a) Nas relações de sentido, as formas verbais causa (l.1), repercute (l.2), multiplica (l.2) e Incumbe (l.3) têm um mesmo agente. b) Sem prejuízo para a correção do período, a oração Incumbe ao legislador (l.3) pode ser deslocada para depois do termo contratado (l.8), desde que feitas as devidas adaptações de pontuação e maiúsculas. c) Substituindo-se Incumbe (l.3) por É incumbência, sem outras transformações, mantém-se a correção gramatical do texto. d) No texto, a palavra objetivos (l.4) é substantivo e significa propósitos, intuitos, finalidades. e) Sem alteração do sentido original ou prejuízo para a correção gramatical do texto, a locução a fim de (l.6) pode ser substituída por qualquer uma das seguintes formas: para, com o objetivo de, com o intuito de, com o propósito de. f) A correção gramatical do período e as relações de sentido mantêm-se caso a expressão em torno do que (l.7) seja substituída por em torno daquilo que. Segundo a síntese dos indicadores sociais do IBGE, a família está mais moderna e menor, mas a sociedade brasileira continua apegada a antigos preconceitos. Ainda hoje, as mulheres ganham menos que os homens em todos os estados e em todos os níveis de escolaridade. No caso das trabalhadoras com ensino médio, a diferença de salários é imensa. Se os representantes do sexo masculino recebem R$ em uma empresa por um serviço, elas fazem o mesmo por R$ 571. Guaíra Índia Flor. A família encolheu. Brasil. In: Correio Braziliense, 13/6/2003, p. 10 (com adaptações) 11. Quanto às estruturas e idéias do texto acima, julgue os itens subsequentes. a) O trecho Segundo a (l.1) pode, sem alteração das informações originais do texto e sem prejuízo para a correção gramatical do período, ser substituído por qualquer um dos seguintes termos: De acordo com a, Conforme a, Em concordância à, Consoante à. b) O emprego do sinal indicativo de crase em apegada a antigos (l.3) é opcional. c) Em ganham menos que os homens (l.4), seria incorreto inserir do imediatamente após menos. d) A colocação da preposição de no lugar de das em No caso das trabalhadoras (l.6) mantém a correção gramatical do período. e) A substituição de em (l.8) por de mantém a correção gramatical e o sentido original do período. Condições melhores A origem da violência é antiqüíssima. Começou com Caim, primeiro homicida, e nunca deixou de fazer parte da História. Em nosso pais, a violência é catapultada pela medíocre distribuição de renda e Ingerência político-administrativa. Bastavam um pouco mais de justiça social, o melhor uso da máquina do Estado e um pouco mais de racionalidade nos gastos e teríamos a violência reduzida à má índole de cada indivíduo. Com um Estado fornecendo saúde e educação, por que um indivíduo roubaria ou mataria? A punição, no entanto, teria de ser readequada. Quando mais as condições gerais forem melhores, mais duras devem ser as penas para pequenos e grandes crimes. Agostinho Cavalcanti da Costa Júnior. Fórum de debates. In; O Estado de S. Paulo, 22/10/2000, p. A2 (com adaptações) 12. Considerando o emprego das classes de palavras no texto, assinale a opção incorreta. a) Na linha 1, os vocábulos origem e violência são substantivos abstratos b) O termo Caim (l. 1) está grafado com inicial maiúscula porque é substantivo próprio. c) Os vocábulos catapultada (l. 3), político-administrativa (l. 4-5), racionalidade (l. 7) e readequada (l. 10) são adjetivos derivados de substantivos. d) No texto, fazer (l. 2), reduzida (l. 7) e fornecendo (l. 8) são verbos empregados em formas nominais. e) As formas antiqüíssima (l. 1), melhor (l. 6) e melhores (l. 11) são decorrentes da flexão em grau dos seguintes adjetivos: a primeira, de antigo; as demais, de bom. Tudo parece ter começado a mudar nos últimos anos e as revisões profundas por que estão passando os discursos e as práticas identitárias deixam no ar a dúvida sobre se a concepçâo hegemônica da modernidade se equivocou na identificação das tendências dos processos sociais, ou se tais tendências se inverteram totalmente em tempos recentes, ou ainda sobre se se está perante uma inversão de tendências ou antes perante cruzamentos múltiplos de tendências opostas em que é muito difícil ser-se linear. Porque estamos em uma fase de revisão radical do paradigma epistemológico da ciência moderna, é bem possível que seja sobretudo o olhar que está mudando. Mas, por outro lado, não parece crível que essa mudança tivesse ocorrido sem nada ter mudado no objeto do olhar, ainda que, para maior complicação, seja discutível até que ponto tal objeto pode ser sequer pensado sem o olhar que o olha. Se o nosso olhar conceber o seu objeto como parte de um processo histórico de longa duração, é bem possível que as mudanças do presente não sejam mais que pequenos ajustamentos. Boaventura de Sousa Santos.Modernidade, identidade e a cultura de fronteira. In: Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, v. 5, n.os 1-2, nov./1994, p. 39 (com adaptações)

83 13. A respeito do emprego das estruturas lingüísticas do texto, julgue os itens subseqüentes. a) Apesar de ser uma conjunção aditiva, o e (l.1) também tem no texto a função de introduzir uma causa para a oração anterior. b) Na linha 2, o emprego da preposição por é obrigatório, exigido pela regência verbal de passando. c) Se a oração iniciada por Porque (l.10) fosse deslocada para o final do período sintático em que ocorre, as relações de causa e conseqüência expressas seriam mantidas, mas a ênfase nas idéias seria alterada. d) A substituição de não parece crível (l.13) por parece incrível preserva a ideia de negação, mas altera a ênfase das idéias. e) A expressão ainda que (l. 15) une orações pela noção de concessão, mas sua substituição por embora provocaria erro de natureza sintática no texto. f) Pelo desenvolvimento do texto, o emprego do advérbio sequer (l. 15) indica dúvida que pode ser também expressa por talvez. A sociedade brasileira clama por transformações e a esperança tornou-se palavra-chave desses novos tempos. A superação dos graves problemas que afligem o povo brasileiro, como a fome e a miséria, é o principal desafio do novo governo. Vencer as desigualdades faz parte de uma estratégia e de um novo modelo de desenvolvimento para o país, que pode dispor, para tanto, da imensa riqueza natural de nossa Nação. A construção de um novo momento histórico é um compromisso que deve estar pautado em todas as ações de governo. Nesse contexto é que afirmamos o direito da sociedade brasileira à informação e à educação. O caminho, portanto, é o da inclusão social, momento em que deve ser construída uma nova cultura embasada nos direitos fundamentais da vida humana, fortalecidos na concepçâo e na prática de uma nova política social e econômica para o país. 14. Acerca do texto II e do tema nele abordado, julgue os itens subsequentes. a) Nas linhas 1 e 2, a conjunção e liga transformações a esperança, para complementar a idéia de clamar. b) Nas linhas 3 e 4, o emprego de como indica que a fome e a miséria não são os únicos graves problemas que afligem o povo brasileiro. c) Pelas regras da norma culta, o uso da preposição em antecedendo que (l.14) é opcional; por isso, mantém-se a correção gramatical ao se retirar esse vocábulo do texto. d) Na linha 8, o pronome relativo que tem como referente desigualdades (l.6). e) A expressão para tanto (l.8) corresponde a para isso e refere-se ao trecho que a precede: Vencer (...) país (l.6-8). f) A expressão Nesse contexto (l.12) refere-se imediatamente ao período que inicia o terceiro parágrafo, mas também à totalidade das ideias do texto. O nome é um pouco esquisito, mas se trata de algo bastante conhecido: hoax é sinônimo de boato no mundo digital. Quem nunca recebeu mensagens difamando empresas ou noticiando o caso do garoto com câncer? Ou então a história de ter os rins retirados e acordar em uma banheira de gelo, que, no final, ainda pede para enviar o para os amigos? Nunca se sabe como os boatos surgem. Dizem os especialistas que o prazer de quem envia boatos por é receber as histórias escritas por eles mesmos depois de algum tempo. Se isso serve de consolo aos usuários que um dia já acreditaram em boatos internéticos, um grande jornal impresso paulista - não a Folha - chegou a noticiar um, como se fosse uma notícia verdadeira. Tratava-se de um e-maíl dizendo que as escolas norte-americanas ensinavam a suas crianças que a Amazônia não era de fato brasileira. Segundo a mensagem, essa área era de controle internacional. É claro que, depois de sua publicação, a falsa notícia ganhou contorno de realidade. Mas um boato internético é tão controlável quanto o boato convencional. A melhor proteção contra ele é nunca passar adiante mensagens com conteúdo duvidoso. Na dúvida, delete a mensagem. Mensagem circulada pela Internet, em dezembro de 2001 (com adaptações) 15. Com referência ao emprego das classes gramaticais no texto, julgue os itens a seguir. a) Infere-se do texto que hoax (l. 2) é um substantivo usado pelos internautas para designar notícia de fonte desconhecida, muitas vezes infundada. b) São formas verbais flexionadas as seguintes palavras: difamando (l. 4), receber (l. 10), consolo (l. 12), impresso (l. 14), contorno (l. 21) e delete (l. 25). c) Considerando que certos pronomes demonstrativos relacionam-se com passagens discursivas, o emprego de isso (l. 12) está inadequado: deveria ter sido usado o isto, uma vez que se está antecipando algo que vai ser referido. d) O adjetivo internéticos (l. 13) é um neologismo, composto por hibridismo do vocábulo internet com o sufixo latino éticos. e) Em cada uma das seguintes expressões, os constituintes nominais mantêm, entre si, quanto à classificação gramatical, a mesma seqüência: histórias escritas (l ), boatos internéticos (l. 13), notícia verdadeira (. 15), escolas norte-americanas (l ), controle internacional (l. 19), boato convencional (l ) e conteúdo duvidoso (l. 24).

84 O CPF é hoje um dos documentos mais utilizados no Brasil. Foi criado em 1965, com o objetivo de identificar o contribuinte - pessoa física - perante a Secretaria da Receita Federal e para que ela tivesse um maior controle dos contribuintes brasileiros. Com o passar do tempo, instituições financeiras e o comércio passaram a exigir o número do documento para fazer várias operações, como financiamentos, por exemplo. Enquanto o CPF é uma forma de identificação do contribuinte, a carteira de identidade tem a finalidade de identificar o cidadão por meio da Secretaria de Segurança Pública. (Correio Braziliense, 16/2/2002, com adaptações) 16. Assinale a opção correta a respeito do emprego das palavras e expressões no texto. a) A preposição com (l.3) agrega ao substantivo objetivo uma idéia de modo, como na expressão com vagar. b) A preposição para (l.5), na sentença em que ocorre, introduz um julgamento, uma opinião, c) O emprego do infinitivo flexionado, fazerem, no lugar de fazer (l.9) mantém a coerência textual e a correção gramatical. d) A preposição de, em controle dos contribuintes(i.6), estabelece entre os nomes que liga uma relação semântica correspondente a os contribuintes que controlam. e) O valor semântico do conectivo Enquanto (1.11) corresponde ao de uma conjunção alternativa. 17. (C. Chagas) Os plurais das palavras compostas abaixo estão errados apenas no grupo da alternativa: a) Banhos-marias, altos-relevos, beija-flores, pães-de-ló; b) Mestres-escolas, tenentes-coronéis, águas-fortes, barrigas-verdes; c) Guardas-pós, guardas-comidas, altos-falantes, ticos-ticos; d) Cartões-postais, cabeças-chaves, vira-latas, más-línguas; e) Xeques-mates, lugar-tenentes, salvos-condutos, peixes-espadas. 18. (IDR) Nos seguintes pares de formas masculinas e femininas, há um erro. Assinale-o. a) diácono diaconisa; b) ermitão ermitoa; c) hortelão hortelã; d) faisão faisoa; e) confrade confreira. 19. (C. Chagas) Assinale a relação que contém vocábulo que destoa do grupo a que pertence, quanto ao gênero. a) Diabete, eclipse, lança-perfume; b) Telefonema, anátema, estigma; c) Clarinete, estratagema, diagrama; d) Áspide, tapa, ágape; e) Mascote, dó, plasma. 20. (IDR) Assinale o item que preenche a lacuna estabelecendo relação de condição. Compete ao Centro de Documentação e Informática, por meio de suas unidades de trabalho: armazenar, selecionar e divulgar, sistematicamente, informações técnico-administrativas, esses estudos e análises sejam de interesse para os servidores e os serviços públicos. a) Se bem que; b) Ainda que; c) Desde que; d) Por menos que; e) Não obstante. 21. (BB) Escolha a opção que completa corretamente as lacunas do período abaixo. A polícia os grevistas e não apareceu quem. a) Detera os defendessem. b) Deteram os defendessem. c) Detivera defendessem eles. d) Detera lhes defendesse. e) Detivera os defendesse. 22. (UnB) Ao transformar o período de orações independentes em períodos compostos por subordinação, cometeu-se um erro de regência junto ao pronome relativo. Assinale o item em que houve tal erro. a) Gutenberg nasceu em Mogúncia, e deve-se a ele a invenção da imprensa. Gutenberg, a quem se deve a invenção da imprensa, nasceu em Mogúncia.

85 b) O ganso pertence às aves aquáticas, e com suas penas enchem-se travesseiros. O ganso, cujas pensa se enchem travesseiros, pertence às aves aquáticas. c) O livro é útil e agradável, e para sua leitura são necessários alguns dias. O livro, para cuja leitura são necessários alguns dias, é útil e agradável. d) O navio foi a pique, e os imigrantes partiram nele. O navio em que partiram os imigrantes foi a pique. e) A ponte era muita alta, e as embarcações passavam por baixo dos arcos. A ponte, por baixo de cujos arcos passavam as embarcações, era muito alta. 23. (IDR) Marque a opção em que houve substituição incorreta do termo sublinhado. a) Daria a eles uma resposta adequada. Dar-lhes-ia uma resposta adequada. b) Enviamos o presente aos nossos amigos. Enviamos-lhes o presente. c) Mandamos as crianças saírem. Mandamos-as saírem. d) Não pediria isso a você em hipótese alguma. Não lho pediria em hipótese alguma. 24. (CESP/RJ) Das alternativas abaixo, a que apresenta o termo grifado substituído incorretamente por um pronome pessoal é: a) Basta seguir o exemplo do Supremo Tribunal. Basta seguir-lhe. b) Lembremos o caso da nomeação de parentes... Lembremo-lo. c) Os juízes tentaram repor as perdas do plano Bresser. Os juízes tentaram repô-las. d) Os magistrados solicitaram recursos extras ao Tesouro. Os magistrados solicitaram-nos ao Tesouro. e) O julgamento do mérito da ação talvez acate a acusação do Procurador. O julgamento do mérito da ação talvez a acate. 25. (IDR) Assinale a opção correta no que diz respeito ao emprego do pronome relativo. a) Na Cidade do México, os veículos com placas de final par circulam às segundas, quartas e sextas-feiras; os automóveis que as placas têm final ímpar rodam às terças, quintas e sábados. b) Contadas todas as horas onde ficam enredados no tráfego, os brasileiros perdem quatro dias a cada ano; os americanos passam, no mínimo, dois meses por ano esperando o sinal abrir. c) A proposta do secretário, com a qual, lamentavelmente, o prefeito não concorda, poderia solucionar os graves problemas de congestionamento no tráfego da cidade. d) Na reunião do conselho diretor, durante o qual foram discutidas questões fundamentais para a reestruturação do anel viário da cidade, fechou-se um acordo com os políticos. e) Tendo em vista a falta de soluções de longo prazo, os técnicos em engenharia de trânsito, cujos trabalham para a prefeitura de São Paulo, estão apelando para operações de emergência. 26. (CÂMARA DO DEPUTADOS) Aponte a alternativa que contém erro: a) No choque quebrara-se-lhe a omoplata. b) A sentinela saiu da guarita e o enxotou sem nenhum dó. c) Reclinado à sombra de uma árvore, tomou sossegadamente seu champanha. d) Qual não foi a surpresa do noivo, quando, à pergunta do padre se queria casar-se, sua cônjuge respondeu solenemente que não! e) O pedreiro, sacolejando o balde, ia marcando com a cal derramada o seu caminho. 27. (TCE-GO) O plural dos nomes compostos está correto em todas as alternativas, exceto: a) As cartas-bilhetes foram trazidas pelo pombo-correio; b) Os vaivéns no navio deixaram-no tonto e enjoado. c) A polícia queimou os pápeis-moeda falsos. d) Os recém-nascidos receberam ajuda da comunidade religiosa. e) As couve-flores foram vendidas a preços exorbitantes. 28. (TJ-CE) Os adjetivos cônscio, seguro, contingente, capaz formam, respectivamente, os substantivos: a) Consciente, segurança, contingência, capacitado; b) Consciência, segurança, contingência, capacidade; c) Consciente, segurado, continente, capacitado; d) Consciencioso, segurado, continência, capacitivo; e) Conscrito, segurável, contíguo, capacitância.

86 29. (F. Objetivo-SP) Indique a alternativa que apresenta erro na formação do plural: a) Ele gosta de amores-perfeitos e cultiva-os. b) Os vice-diretores reunir-se-ão na próxima semana. c) As aulas serão dadas às segundas-feiras. d) Há muitos beijas-flores no meu quintal. e) A moda está voltando às saias-balão. 30. (TJ-SP) Indique a alternativa correta no que se refere ao plural dos substantivos compostos casagrande, flor-de-cuba, arco-íris e beija-flor; a) Casa-grandes, flor-de-cubas, os arco-íris, beijas-flor; b) Casas-grande, flores-de-cubas, arcos-íris, beija-flores; c) Casas-grande, as flor-de-cubas, arcos-íris, os beija-flor; d) Casas-grande, flores-de-cuba, arco-íris, beijas-flores; e) Casas-grandes, flores-de-cuba, os arco-íris, beija-flores. 31. (TALCRIM-SP) Os plurais dos vocábulos cônsul, júpiter, capataz, e ardil são, pela ordem: a) Cônsules, jupíteres, capatazes, ardiles; b) Cônsules, júpiteres, capatais, ardiles; c) Cônsuls, júpiteres, capatais, ardis; d) Cônsules, jupíteres, capatazes, ardis; e) Cônsuls, júpiteres, capataz, ardis; 32. (TCE-PE) Assinale a alternativa correta: a) Champanha, estigma e cal são palavras masculinas; b) Comichão, apêndice e cal são palavras femininas; c) Cal, hélice, omoplata são palavras femininas; d) Omoplata champanha e estigma são palavras masculinas; e) Cal, hélice e champanha são palavras masculinas. 33. (AMAN) Indique a opção que apresenta erro na forma do plural: a) Sol sóis; fusível fusíveis; anão anões; b) Peão peões; guardião guardiões; caráter caracteres; c) Órgão órgãos; corrimão corrimãos; mel méis; d) Sótão sótãos; álcool álcoois; cônsul cônsules; e) Faisão faisães; anil anis; capitão capitães. 34. (TCU-DF) A locução adjetiva não corresponde ao adjetivo na opção: a)água pluvial= água da chuva; b)exageros passionais= exageros da paixão; c)atitudes pueris= atitudes de criança; d)soro antiofídico= soro contra veneno de serpente; e)nariz aquial= nariz de águia. 35. (TSE) Assinale a alternativa em que o superlativo dos adjetivos nobre, pobre, doce, amável, sagrado estão grafados na forma erudita: a) Nobérrimo, paupérrimo, docíssimo, amabilíssimo, sagradíssimo; b) Nobilíssimo, paupérrimo, dulcíssimo, amabilíssimo,sacratíssimo; c) Nobilíssimo, pobríssimo, docíssimo, amavelíssimo, sagradíssimo; d) Nobérrimo, paupérrimo, paupérrimo, docérrimo, amabilíssimo, sagradíssimo; e) Nobilíssimo, pobríssimo, docíssimo, amavelíssimo, sagradíssimo. 36. (GDF-SEA-IDR) Assinale a alternativa errada quanto ao superlativo erudito: a) Amargo= amaríssimo; cruel= crudelíssimo; b) Pobre= paupérrimo; livre= libérrimo; c) Negro= negríssimo; doce= dulcíssimo; d) Sagrado= sacratíssimo; bom= boníssimo; e) Magro= macérrimo; nobre= nobilíssimo. 37. (MACK-SP) Aponte a alternativa incorreta quanto à correspondência entre a locução substantiva e o adjetivo: a) Era glacial (de gelo); fratura óssea (de osso). b) Amizade fraternal (de irmão); luar argênteo (de prata). c) Bolo farináceo (de farinha); cláusula pétrea (de pedra). d) Veneno viperino (de vespa); tecido ocular (do olho). e) Clarão adamantino (de diamante); pasta furfúrea (de farelo).

87 38. (TJ-BA) Assinale a alternativa em que a concordância nominal esteja correta: a) A garota calçava sapatos azuis-marinho; b) As capas de meus cadernos são azul-turquesas; c) Comprei duas pastas laranjas; d) Ele tinha olhos verde-claros; e) Já tive dois carros verde-abacates. 39. (BRB-DF) Marque, dentre as opções abaixo, aquela em que o uso do pronome possessivo não acarreta ambigüidade. a) O diretor comentou com a secretária que haviam recusado a sua proposta. b) Ele foi direto a ela e pediu a sua carteira. c) O chefe de seção anunciou à funcionária a sua demissão dela. d) Geraldo, hoje eu vi o João com sua namorada. e) Sabe da novidade? Luís aceitou a sua nomeação. 40. (CÂMARA DOS DEPUTADOS) Observe os versos de Cecília Meireles: Desejo uma fotografia/ como esta o senhor vê? Como esta:/ em que para sempre me ria/ com um vestido de eterna festa. O pronome esta, que ocorre repetido no texto, indica: a) Algo distante da pessoa que fala; b) Algo próximo à pessoa que fala; c) Algo distante da pessoa com quem se fala; d) Algo próximo à pessoa com quem se fala; e) Algo próximo à pessoa de quem se fala. 41. (TRT-PE) Assinale a alternativa em que a palavra um(a) não se classifica como artigo: a) Entro numa venda para comprar uns anzóis, quando chega um velho amigo. b) É uma pena! Mas amanhã já não a poderei ver mais. c) Você, minha filha, comprou duas canetas quando eu lhe pedi uma. d) Se as casas eram iguais, por que uma teve preço maior? e) Era um enorme cajueiro. O maior do mundo! 42. (TALCRIM-RJ) Assinale a alternativa correta quanto ao uso do artigo: a) O contrabandista veio de bordo e já está na terra. b) Encontrei-me com um certo indivíduo muito impertinente. c) Você viu o Paulinho? Quero falar com ele. d) Trouxemos para a Vossa Excelência os documentos solicitados. e) O Estados Unidos é um país do primeiro mundo. 43. (PUC-RS) Indique o item em que os numerais estão corretamente empregados: a) Ao Papa Paulo Seis sucedeu João Paulo Primeiro. b) Após o parágrafo nono, virá o parágrafo décimo. c) Depois do capítulo sexto, li o capítulo décimo primeiro. d) Antes do artigo dez, vem o artigo nono. e) O artigo vigésimo segundo foi revogado. 44. (IESP-ES) Ana tomava remédio todos os dias em doses quíntuplas. Marque a alternativa apropriada entre as seguintes: a) Quíntuplas é um numeral cardinal. b) Quíntuplas é um advérbio de quantidade. c) Quíntuplas é um numeral multiplicativo. d) Quíntuplas é um numeral fracionário. e) Quíntuplas é um numeral ordinal. 45. (TRE-CE) Assinale a alternativa correta quanto à distinção entre dois tipos de artigo, tomando como referência as frases: O guarda me multou e Um guarda me multou. a) A 1ª dá idéia de um guarda qualquer, sem referência anterior; b) A 2ª dá idéia de um guarda já conhecido, de quem se tratou anteriormente; c) Ambas dão idéia de um guarda qualquer, sem referência anterior; d) A 1ª dá idéia de um guarda já conhecido, de quem se tratou anteriormente; e) Ambas dão idéia de um guarda já conhecido, de quem se tratou anteriormente.

88 46. (AGENTE-BA) Assinale a alternativa incorreta: a) À custa de - locução prepositiva b) Às claras locução adverbial c) Em frente locução adverbial d) Em frente de - locução adverbial e) De acordo com locução prepositiva 47. (PRF) Indique dentre as palavras destacadas abaixo, aquela que pode, com inteira propriedade, ser classificada como advérbio. a) Não permaneceria ali muito tempo. b) Mas enfim cada qual tem lá o seu modo de matar pulgas. c) Todos, inclusive a mãe da noiva, imploraram ao noivo que fingisse ainda amá-la. d) Então, mete-se um homem na cadeia porque ele não sabe falar direito? e) Eu, que era branca e linda, eis-me medonha e escura. 48. (TRF-PE) Indique a alternativa gramaticalmente incorreta. a) A casa onde moro é excelente. b) Disseram-me por que chegaram tarde. c) Aonde está o livro? d) É bom o colégio donde saímos. e) O sítio aonde vais é pequeno. 49. (UFMG) Todas as frases, extraídas do uso popular e incorreto da língua, foram devidamente corrigidas, exceto: a) Falou-me de Robinson Crusoé, que eu já conhecia as aventuras./ Falou-me de Robinson Crusoé, cujas aventuras eu já conhecia. b) Estou namorando o rapaz que a irmã dele é minha colega./ Estou namorando o rapaz cuja irmã é minha colega. c) Lá vai o menino que você deu o brinquedo./ Lá vai o menino a quem você deu o brinquedo. d) É este o homem que estamos precisando de apoio./ É este o homem do qual apoio estamos precisando. e) Era exatamente a garota que você vive sonhando com ela./ Era exatamente a garota com quem você vive sonhando. 50. Assinale a opção em que a locução grifada tem valor adjetivo. a) "um drapejado disfarçando a barriga sem cinta." b) "depois de cumprimentar com a cara fechada aos da casa." c) "estava era posta à cabeceira." d) "olharam a aniversariante de modo mais oficial." e) "alguns abanaram a cabeça em admiração." 51.Assinale a alternativa em que a palavra meio tem valor de advérbio. a) Achei-o meio triste, com ar abatido. b) Não há meio mais fácil de estudar. c) Só preciso de meio metro dessa renda. d) Encarou-nos, esboçando um meio riso. e) Ela caiu bem no meio do jardim. 52. Em todas as alternativas, as palavras sublinhadas são pronomes, EXCETO em: a) A árvore fendeu-se desde o olho até a raiz em duas metades. b) Sim! Vós que sabeis compreender tudo que é nobre! c) Dize: há muito que não me pedes nada. d) Oh! eu a conservarei ainda: ela me ensinará a expiar a minha falta. e) Sim, amigo Rui, tinham-lhe deixado apenas as cascas; felizmente para nós. 53. Assinale a alternativa em que o numeral ordinal está inteiramente correto. a) Em que cidade Pelé fez o seu nogentésimo nonigésimo nono gol? b) Em que cidade Pelé fez o seu nonigentésimo nonigésimo nono gol? c) Em que cidade Pelé fez o seu nonagentésimo nonagésimo nono gol? d) Em que cidade Pelé fez o seu nongentésimo nonagésimo nono gol? e) Em que cidade Pelé fez o seu nonagentésimo nonigésimo nono gol?

89 54. Há erro na indicação do plural em a) capitão-mor, capitães-mores. b) guarda-mor, guardas-mores. c) alto-falante, altos-falantes. d) alto-relevo, altos-relevos. e) ave-maria, ave-marias. 55. Há erro na pluralização do adjetivo. Assinale. a) acordos sino-japoneses. b) reuniões político-religiosas. c) crianças surdo-mudas. d) vestidos azul-marinho. e) crianças recém-nascidas. 56. Há erro na pluralização do nome de cor. Assinale. a) olhos verdes-claro b) vestidos rosa c) blusas amarelo-escuras d) vestidos amarelo-canário e) fardas verde-oliva 57. Assinale a opção em que o pronome se tem o mesmo valor reflexivo que em - "Mário... imaginou que Alice ia precipitar-se." a) Já não se viam as estrelas. b) Nunca mais se falou dele na escola. c) O chefe reservou-se a escolha de seus auxiliares. d) Faz-se uma prova preliminar. e) Foi-se embora ao anoitecer. 58. Assinale a opção em que o pronome lhe apresenta o mesmo valor significativo que possui em - "uma espécie de riso sardônico e feroz contraía-lhe as negras mandíbulas." a) A mãe apalpava-lhe o coração. b) Aconteceu-lhe uma desgraça. c) Tudo lhe era indiferente. d) Ao inimigo não lhe nego perdão. e) Não lhe contei o susto por que passei. 59. Aponte a alternativa em que haja ERRO quanto à flexão do nome composto. a) vice-presidentes, amores-perfeitos, os bota-fora b) tico-ticos, salários-família, obras-primas c) reco-recos, sextas-feiras, sempre-vivas d) pseudo-esferas, chefes-de-seção, pães-de-ló e) pisca-piscas, cartões-postais, mulas-sem-cabeças 60. Assinale a opção em que os dois substantivos compostos formam o plural do mesmo modo que arranha-céu. a) abaixo-assinado / cabra-cega b) alto-falante /cirurgião-dentista c) bate-boca / quebra-mar d) beija-flor/ guarda-civil e) escola-modelo / sempre-viva 61. Assinale a opção na qual ONDE possa substituir EM QUE a) A partir do momento em que se tornou capital da colônia, esta função tornou-se ainda mais acentuada. b) As obras em que nos baseamos para realizar o trabalho pertencem ao acervo da Biblioteca. c) À saída do Museu havia um livro em que ficavam registradas as impressões dos visitantes. d) Não me lembro bem da época em que ocorrem tais fatos nem da repercussão que tiveram. e) Tenho saudades do tempo em que a cidade era mais tranqüila e se podia sair sem medo. 62. Em cada frase, a forma verbal sublinhada está classificada CORRETAMENTE, EXCETO em: a) Dize-me uma coisa, Isabel, por que é que tu não falas ao Sr. Álvaro? (Imperativo Afirmativo) b) Ah! achais lindo! Inda mais achareis quando souberdes quem o trouxe!... (Futuro do Subjuntivo) c) Sim, depois do que se passou, é justo que desconfies de nós. (Presente do Subjuntivo) d) Se tu morresses, a senhora havia de chorar; e Perí quer ver a senhora contente. (Pretérito Imperfeito do Subjuntivo) e) Hoje cairão todos como a árvore da floresta, para não se erguerem mais. (Futuro do Indicativo)

90 63. Assinale o único exemplo em que ocorre erro no emprego do pronome. a) Quando ele ordenava, todos o atendiam. b) Já houve envolvimentos entre ti e mim? c) Sempre lhe desobedeceu, embora lhe quisesse muito, porque não suportava que ninguém o orientasse. d) Aquele carro não era para mim, comprá-lo com que dinheiro? e) Vossas Excelências deverão comparecer com vossas famílias. 64.Se é para dizer o que penso, creio que a escolha se dará entre. a) mim /eu e tu b) mim / mim e ti c) eu/mim e tu d) eu /mim e ti e) eu/eu e ti VERBO 1. DEFINIÇÃO Verbo a palavra que, exprimindo ação ou apresentando estado ou mudança de um estado a outro, pode fazer indicação de pessoa, número, tempo, modo e voz. (Evanildo Bechara). Gritei é uma forma verbal, porque exprime a ação do gritar (referência a voz), exercida pela 1ª pessoa (referência à pessoa) do singular (referência ao número) do Pretérito Perfeito (referência ao tempo) do Indicativo (referência ao modo). 2.1 Conjugação São três: a) 1ª conjugação: AR (amar) b) 2ª conjugação: ER (vender) c) 3ª conjugação: IR (partir) 2. INTRODUÇÃO AOS VERBOS NOTA: O verbo pôr não constitui conjugação à parte, sendo considerado como verbo irregular da 2ª conjugação, pois no português arcaico era POER. 2.2 Número e Pessoas a) singular eu tu ele ou ela b) Plural nós vós eles ou elas TEMPOS São três: a) PRESENTE: Em referência a fatos que se passam no momento em que falamos: Eu estudo. b) PRETÉRITO: Em referência a fatos que se passam anteriormente ao momento em que falamos: Eu estudei (perfeito). Eu estudava (imperfeito). Eu estudara (mais que perfeito). c) FUTURO: Em referência a fatos que se situam posteriormente ao momento em que falamos: Eu estudarei (futuro do presente). Eu estudaria (futuro do pretérito). 2.4 Modos São três: a) INDICATIVO: É o modo do real, não havendo dúvida ou hipótese. Ex.: Eu estudei os verbos...

91 b) SUBJUNTIVO: É o modo do possível, do provável, da suposição, do desejo, etc. Ex.: Se eu estudasse os verbos... Espero que você aprenda os verbos! c) IMPERATIVO: É o modo da ordem, da súplica, do pedido, etc. Ex.: Aprenda os verbos Formas Nominais São três: a) gerúndio b) particípio c) infinitivo impessoal / pessoal As três formas acima (gerúndio, particípio e infinitivo), além de seu valor verbal, podem desempenhar função de nomes. Exemplos: a) O cantar do pássaro alegrava a mata. (= infinitivo com valor de substantivo). b) Homem sabido. (= particípio com valor de adjetivo). c) Amanhecendo, sairemos. (= gerúndio com valor de advérbio) Vozes do Verbo São três: a) VOZ ATIVA: Forma verbal que indica que o sujeito pratica a ação verbal (= sujeito agente). Ex.: O aluno faz a lição. Eu guardei a dinheiro. b) VOZ PASSIVA: Forma verbal que indica que o sujeito sofre a ação verbal (= sujeito paciente). Ex.: A lição é feita pelo aluno. O dinheiro foi guardado por mim. A voz passiva pode ser analítica (formada com um dos verbos: ser, estar, ficar) ou pronominal (formada com o verbo acompanhado do pronome se, que se chama, no caso, pronome apassivador): a) O dinheiro foi guardado (voz passiva analítica) b) Guardou-se o dinheiro (voz passiva pronominal) c) VOZ REFLEXIVA: Forma verbal que indica que o sujeito, ao mesmo tempo, age e recebe a ação verbal. (= sujeito agente e paciente). Ex.: Eu me lavei. Tu te feriste com a faca. NOTA: A voz reflexiva, no plural, pode assumir sentido de reciprocidade: Eles se cumprimentam friamente Elementos da Estrutura dos Verbos a) RADICAL: É o elemento do verbo que encerra a sua significação. É encontrado retirando-se as terminações ar, er, ir do infinitivo. Exemplos: LUTar VIVer SORRir b) DESINÊNCIAS: São formas mínimas que se juntam ao radical para constituir as flexões do verbo, indicando pessoa e número, tempo e modo. Exemplos: b1) VA caracteriza o Imperfeito do Indicativo da 1ª conjugação: ama - VA b2) SSE caracteriza o Imperfeito do Subjuntivo: ama - SSE vende - SSE parti - SSE b3) RA caracteriza o Mais que Perfeito do Indicativo:

92 ama - RA vende - RA parti - RA b4) MOS caracteriza a 1ª pessoa do plural. vive - MOS b5) O caracteriza a 1ª pessoa do singular do presente do indicativo. Fal O viv O c) VOGALTEMÁTICA: É aquela que indica a conjugação: 1ª A: am A r 2ª E: vend E r 3ª I: part I r d) TEMA: É a soma da vogal temática com o radical: AMA-r VENDE-r PARTI-r e) FORMAS RIZOTÔNICAS E ARRIZOTÔNICAS: e1) Forma Rizotônica: é a forma verbal em que a sílaba tônica se acha dentro do radical: am o vend o part o am as vend es part es am a vend e part e am am vend em part em e2) Forma Arrizotônica: é a forma verbal em que a sílaba tônica se acha fora do radical: am amos vend emos part imos am ais vend eis part is 2.8 CIassificação dos Verbos a) VERBO REGULAR: Não apresenta nenhuma modificação no radical ou na desinência. Exemplo: amar andar vender escorrer partir dividir b) VERBO IRREGULAR: É aquele que apresenta modificação no radical ou na flexão: b1) variação no radical: Ouvir ouço dizer digo perder perco b2) variação na flexão: estar estou ver vejo vir venho Obs: Os verbos irregulares se dividem em fracos e fortes. Fracos são aqueles em que o radical do infinitivo não se modifica no pretérito: Fingir eu fingi pedir eu pedi Fortes são aqueles em que o radical do infinitivo se modifica no pretérito perfeito: saber eu soube fazer eu fiz querer eu quis c) VERBO ANÔMALO: É o verbo irregular que apresenta, na sua conjugação, radicais primários diferentes: ser e ir. Exemplo: eu sou eu vou tu és eu ia eu era eu fui eu fui eu irei eu serei que vós vades d) VERBO DEFECTIVO: E aquele que, durante a sua conjugação, não apresenta todas as formas: Exemplo: colorir, demolir, precaver-se, reaver, etc.

93 e) VERBO ABUNDANTE: E aquele que apresenta duas ou três formas de igual valor e função: aceitar aceitado e aceito haver vós haveis e vós heis nascer nascido, nato e nado e1) Outros Verbos Abundantes: eu me comprazi/eu me comprouve; tu construis/tu constróis; ele requer/ele requere. entregar entregado e entregue expressar expressado e expresso findar findado e findo frigir frigido e frito tingir tingido e tinto NOTA: Emprega-se a forma regular (soltado, entregado), com as auxiliares TER e HAVER e a forma irregular (solto, entregue), com os verbos SER, ESTAR, FICAR: Eu havia soltado o pássaro. O pássaro foi solto por mim. f) VERBO AUXILIAR: E aquele que ajuda na conjugação dos tempos compostos. na formação da passiva e de outras locuções verbais: Eu tenho estudado. Eu havia escondido. Ele é amado. Eles ficaram cercados. Eu tenho de partir. Ela tornará a escrever. Ele deixou de sair. 3. CONJUGAÇÃO DOS VERBOS 3.1 1ª Etapa Presentes Do Presente do Indicativo (1ª pessoa do singular) retira-se o Presente do Subjuntivo da seguinte maneira: a) COM VERBOS DA 1ª CONJUGAÇÃO: troca-se O por E Exs.: eu amo que eu ame. b) COM VERBOS DA 2ª e 3ª CONJUGAÇÕES: troca-se O por A Exs.: eu vendo que eu venda eu parto que eu parta Daí teremos: a) PRESENTE DO INDICATIVO: amo, amas, ama, amamos, amais, amam O + E = b) PRESENTE DO SUBJUNTIVO: ame, ames, ame, amemos. ameis, amem c) PRESENTE DO INDICATIVO vendo vendes vende vendemos vendeis vendem parto partes parte partimos partis partem O + A = d) PRESENTE DO SUBJUNTIVO: venda vendas venda vendamos vendais vendam parta partas parta partamos partais partam NOTA: Poder-se-á fazer isso quando o verbo terminar por O na 1ª pessoa do singular do Presente do Indicativo. Fogem ao esquema acima: eu sou que eu seja eu estou que eu esteja eu vou que eu vá eu dou que eu dê eu hei que eu haja eu sei que eu saiba

94 3.2 2ª Etapa Imperativo a) IMPERATIVO AFIRMATIVO: É derivado dos dois presentes, da seguinte maneira: a) do Presente do Indicativo são retiradas as 2as pessoas (tu e vós) menos o S. b) do Presente do Subjuntivo são retiradas as demais pessoas (você nós, vocês), sem qualquer alteração. a) FORMAÇÃO DO IMPERATIVO AFIRMATIVO Pres. Indicativo Pres. Subjuntivo eu vou que eu vá tu vais que tu vás ele vai que ele vá nós vamos que nós vamos vós ides que vós vades eles vão que eles vão Imperativo Afirmativo vamos (nós) vai (tu) ide (vós) vá (você) vão (vocês) NOTA: o único verbo que constitui exceção para essa derivação, no Imperativo Afirmativo: SER. Sê tu (e não: é tu) Sede vós (e não: soi vós). b) IMPERATIVO NEGATIVO É retirado do Presente do Subjuntivo, sem qualquer alteração: Pres. do Subjuntivo Imp. Negativo que eu faça que tu faças não faças tu que ele faça não faça você que nós façamos não façamos nós que vós façais não façais vós que eles façam não façam vocês 3.3 3ª Etapa Pretérito Perfeito e seus Derivados a) PRETÉRITO PERFEITO: (3ª pessoa do plural) M = pret. + que perfeito AM = futuro do subjuntivo RAM imperf. do subjuntivo + SSE Exemplificando: Pretérito Perfeito eu vim tu vieste ELES VIERAM ele veio nós viemos vós vieste eles vieram b) M = PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO eu viera tu vieras ele viera nós viéramos vós viéreis eles vieram c) AM = FUTURO DO SUBJUNTIVO quando eu vier quando tu vieres quando ele vier quando nós viermos quando vós vierdes quando eles vierem

95 d) RAM + SSE = IMPERFEITO DO SUBJUNTIVO se eu viesse se tu viesses se ele viesse se nós viéssemos se vós viésseis se eles viessem 3.4 4ª Etapa Imperfeito do Indicativo amar AR + VA = amava vender ER + IA = vendia partir IR + IA = partia eu amava tu amavas ele amava nós amávamos vós amáveis eles amavam eu vendia tu vendias ele vendia nós vendíamos vós vendíeis eles vendiam eu partia tu partias ele partia nós partíamos vós partíeis eles partiam NOTA: fazem exceção: ser eu era ter eu tinha vir eu vinha pôr eu punha 3.5 5ª Etapa Futuros a) FUTURO DO PRESENTE: Infinitivo + Presente do Indicativo do verbo HAVER. VIR + (h) ei = virei (h) ás = virás (h) á = virá (hav) emos = viremos (hav) eis = vireis (h) ão = virão b) FUTURO DO PRETÉRITO: Infinitivo + Pretérito imperfeito do Indicativo do verbo HAVER. (h) ia = viria (h) ias = virias (h) ia = viria (h) íamos = viríamos (h) íeis = viríeis (h) iam = viriam NOTA: Os verbos: FAZER, DIZER,TRAZER, perdem o ZE no futuro do presente e do pretérito. FAZER eu farei, eu faria DIZER eu direi, eu diria TRAZER eu trarei, eu traria 3.6 6ª Etapa Formas Nominais a) GERÚNDIO: A M A R + ndo = amando V E N D E R + ndo = vendendo P A R T I R + ndo = partindo b) PARTICÍPIO: A M A R + ado = amado V E N D E R + ido = vendido P A R T I R + ido = partido c) INFINITIVO: a) Impessoal: amar, dar, vender, ler, partir, ir... b) Pessoal: amar eu amarmos nós amares tu amardes vós amar ele amarem eles

96 4. EXEMPLO DA CONJUGAÇÃO DE UM VERBO ATRAVÉS DAS SEIS ETAPAS Presente do Indicativo vejo vês vê vemos vedes vêem Presente do Subjuntivo veja vejas veja vejamos vejais vejam Imperativo Afirmativo vê tu veja você vejamos nós vede vós vejam vocês Imperativo Negativo não vejas tu não veja você não vejamos nós não vejais vós não vejam vocês Pretérito Perfeito vi viste viu vimos vistes viram Pretérito + que Perfeito vira viras vira víramos víreis viram Gerúndio: vendo Particípio: visto (irregular) Infinitivo Impessoal: ver Infinitivo Pessoal: ver eu veres tu ver ele vermos nós verdes vós verem eles 5.1 Esquema básico: TER / HAVER + PARTICÍPIO Perfeito auxiliar no Presente Mais-que-perfeito auxiliar no Imperfeito Futuro auxiliar no Futuro Infinitivo auxiliar no Infinitivo Gerúndio auxiliar no Gerúndio a) Pretérito Perfeito do Indicativo Composto tenho visto tens visto tem visto temos visto tendes visto têm visto b) Pret. mais-que-perfeito do Indic. Composto tinha visto tinhas visto tinha visto tínhamos visto tínheis visto tinham visto 5. CONJUGAÇÃO DOS TEMPOS COMPOSTOS c) Pretérito Perfeito do Subjuntivo Composto tenha visto tenhamos visto tenhas visto tenhais visto tenha visto tenham visto

97 d) Pret. mais que Perf. do Subj. Composto tivesse visto tivéssemos visto tivesses visto tivésseis visto tivesse visto tivessem visto e) Futuro do Presente Composto terei visto teremos visto terás visto tereis visto terá visto terão visto f) Futuro do Pretérito Composto teria visto teríamos visto terias visto teríeis visto teria visto teriam visto g) Futuro do Subjuntivo Composto tiver visto tivermos visto tiveres visto tiverdes visto tiver visto tiverem visto h) Infinitivo Composto ter visto i) Gerúndio Composto tendo visto 6. VERBOS DIGNOS DE NOTA 6.1 Terminados em EAR IAR a) EAR Recebem a intercalação de um I (entre e e ar) nas formas rizotônicas 1ª, 2ª, 3ª, do singular e 3ª do plural do Indicativo Presente, Subjuntivo Presente e Imperativo. Exemplo: NOMEAR: Indicat. pres.: nomeio, nomeias, nomeia, nomeamos, nomeais, nomeiam. Pret. imperf.: nomeava, nomeavas, etc. Pret. perfeito: nomeei, nomeaste, nomeou, etc. Mais-que-perfeito: nomeara, nomearas, etc. Subj. pres.: nomeie, nomeies, nomeie, nomeemos, nomeeis, nomeiem. Imperf. subj.: nomeasse, nomeasses, etc. Imperat. afirm.: nomeia, nomeie, nomeemos, nomeai, nomeiem. Imperat. negat.: não nomeies, não nomeie, não nomeemos, não nomeeis, não nomeiem. Assim se conjugam: apear, atear, cear, folhear, frear, bloquear, hastear, granjear, lisonjear, arrear, passear, semear, afear, recrear, enlear, etc. b) IAR Podem ser distribuídos em dois grupos: 1 ) os irregulares, que recebem a intercalação de um e nas formas rizotônicas. São apenas cinco: Mediar, Ansiar, Remediar, Incendiar, Odiar. Exemplo: a) ODIAR: Indicat. pres.: odeio, odeias, odeia, odiamos, odiais, odeiam. Pret. imperf.: odiava, odiavas, odiava, odiávamos, odiáveis, odiavam. Pret. perfeito: odiei, odiaste, odiou, etc. Mais-que-perfeito: odiara, odiaras, odiara, etc. Subj. pres.: odeie, odeies, odeie, odiemos, odieis, odeiem. Imperf. subj.: odiasse, odiasses, odiasse, etc. Imperat. afirm.: odeia, odeie, odiemos, odiai, odeiem. Imperat. neg.: não odeies, não odiemos, não odiei, não odieis, não odeiem, etc. Assim se conjugam os outros quatro acima. 2 ) os demais verbos terminados em IAR que são regulares. Exemplo: b) COPIAR: Indicat. pres.: copio, copias, copia, copiamos, copiais, copiam. Pret. imperf.: copiava, copiavas. Pret. perfeito: copiei, copiaste, copiou... Subj. pres.: copie, copies, copie, etc.

98 6.2. Aguar: (O primeiro a é tônico nas formas rizotônicas). Indicat. pres.: águo, águas, água, aguamos, aguais, águam. Pret. perf.: agüei, aguaste, aguou, etc. Subj.pres.: ágüe, águes, ágüe, agüemos, agueis, águem. Assim se conjugam: desaguar, enxaguar e minguar Averiguar (= Verificar) (u tônico nas formas rizotônicas) Indicat. pres.: averigua, averiguas, averigua, averiguamos, averiguais, averiguam. Perfeito: averigüei, averiguaste, averiguou. etc. Imperat. afirm.: averigua, averigúe, averigüemos. averiguai, averigúem. Subj. pres.: averigúe, averigúes. averigúe, averigüemos, averigüeis, averigúem. Assim serão conjugados apaniguar (= proteger) e apaziguar. 6.4 Mobiliar: Indic. pres.: mobília, mobílias, mobília, mobiliamos, mobiliais, mobíliam. Subj. pres.: mobílie, mobílies, mobílie, mobiliemos, mobilieis, mobíliem, etc. Verbo regular na escrita e irregular na pronuncia (o i grifado é tônico), pois dos verbos em iliar é o único que assim se pronuncia. Os outros têm a sílaba tônica li: auxilio, reconcilio, filio, retalio. Há ainda as variantes mobilhar e mobilar (esta última, forma lusitana), que fazem respectivamente mobilho, mobilhas, e mobilo, mobilas, etc. 6.5 Caber: Ind. Pres. Caibo, cabes, cabe, cabemos, cabeis, cabem. Perfeito: coube, coubeste, coube, coubemos, coubestes, couberam. Mais-que-perfeito: coubera, couberas, coubera, coubéramos, coubéreis, couberam. Subj. Pres.: caiba, caibas, caiba, caibamos, caibais, caibam. Imper.: coubesse, coubesses, coubesse, coubéssemos, coubésseis, coubessem. Futuro.: couber, couberes, couber, coubermos, couberdes, couberem. Ger.: cabendo. Part.: cabido. Não se usa no imperativo. 6.6 Crer: Indic. pres.: creio, crês, crê, cremos, credes, crêem. Pret. Perf. Cri, creste, creu, cremos, crestes, creram. Pres. do subj.: creia, creias, creia, creiamos, creiais, creiam. Imperf.: cresse, cresses, cresse, etc. Imperat. afirm. Crê, creia, creiamos, crede, creiam. Particípio: crido. Assim se conjuga o composto descrer. 6.7 Dizer: Indic. pres.: digo, dizes, diz, dizemos, dizeis, dizem. Pret. perf.: disse, disseste, disse, dissemos, dissestes, disseram. Pret. mais-que-perfeito: dissera, disseras, dissera, etc. Futuro do pres.: direi, dirás, dirá, etc. Imperat. afirm.: dize, diga, digamos, dizei, digam. Particípio: dito Assim se conjugam os compostos bendizer, condizer, contradizer, maldizer, predizer. 6.8 Pôr (antigo poer): Indic. pres.: ponho, pões, põe, pomos, pondes, põem, Pret. impert.: punha, punhas, punha, púnhamos, púnheis, punham. Pret. perf.: pus, puseste, pôs, pusemos, pusestes, puseram. Mais-que-perfeito: pusera, puseras, etc. Fut. do pres.: poria, porias, etc. Imperat. afirm.: põe, ponha, ponhamos, ponde, ponham. Subj. pres.:ponha, ponhas, ponha, ponhamos, ponhais, ponham. Imperf.: pusesse, pusesses, pusesse, etc. Fut.: puser, puseres, etc. Infinitivo pessoal.: pôr, pores, pôr, pormos, pordes, porem. Gerúndio: pondo. Particípio: posto 6.9 Prover Indic. pres.: provejo, provês, provê, provemos, provedes, provêem. Imperf.: provia, provias, etc. Perf.: provi, proveste, proveu, provemos provestes, proveram. Mais-que-perfeito: provera, proveras, etc. Fut. do pres.: proverei, proverás, etc. Fut. do pret.: proveria, proverias, etc. Imperat.: provê, proveja, provejamos, provede, provejam. Subj. pres.: proveja, provejas, etc. Imperf.: provesse, provesses, etc. Fut.: prover, proveres, prover, provermos, proverdes, proverem. Gerúndio: provendo. Particípio: provido. Este verbo, que significa abastecer, munir, providenciar, conjuga-se como ver nos dois presentes e nos dois imperativos. Nas demais formas é regular como vender Querer: Indic. pres.: quero, queres, quer, queremos, quereis, querem Imperf.: queria, querias, etc. Perf.: quis, quiseste, quis, quisemos, quisestes, quiseram. M.q.p.: quisera, quiseras, quisera, quiséramos, quiséreis, quiseram. Fut. pres.: quererei, quererás, quererá, etc. Fut. pret.: quereria, quererias, etc. Imperat. afirm.: queira você, queiram vocês, querei vós. Imperat. afirm.: queira você, queiram vocês, querei vós. Imperat. neg.: não queiram. Subj. pres.: queira, queiras, queira, queiramos, queirais, queiram. Imperf.: quisesse, quisesses, quisesse, quiséssemos, quisésseis. Fut.: quiser, quiseres, quiser, quisermos quiserdes, quiserem. Inf. Pessoal: querer, quereres, querer, querermos, quererdes, quererem. Gerúndio: querendo. Particípio: querido.

99 6.11 Valer: Indic. pres.: valho, vales, vale, valemos, valeis, valem. Subj. pres.: valha, valhas, valha, valhamos, valhais, valham. Nos outros tempos é regular. Assim se conjuga equivaler 6.12 Ver: Indic. pres.: vejo, vês, vê, vemos vedes, vêem. Perf.: vi, viste, viu vimos, vistes, viram.impert.: vê, veja, vejamos, vede, vejam. Imperf. Subj.: visse, visses, etc. Fut.: vir, vires, vir virmos, virdes, virem. Particípio: visto. Como ver se conjugam: prever, antever, entrever, rever Agredir Indic. pres.: agrido, agrides, agride agredimos, agredis, agridem. Subj. pres.: agrida, agridas, agrida, agridamos, agridais, agridam. Imper. Afirm.: agride, agrida, agridamos, agredi, agridam, etc. São conjugados assim: progredir, regredir, transgredir, denegrir, prevenir, cerzir Frigir: Indic. pres.: frijo, freges, frege, frigimos, frigis, fregem. Subj. pres.: frija, frijas, frija, etc. Imperat. afirm.: frege, frija, frijamos, frigi, frijam. Particípio: frito. Regular no resto Ir: Indic. pres.: vou, vais, vai, vamos, ides, vão. Pret. impert.: ia, ias, ia, íamos, íeis, iam. Pret. perf.: fui, foste, foi, fomos, fostes, foram. Mais-que-perfeito: fora, foras, fora, etc. Fut. pres.: irei, irás, irá, etc. Fut. pret.: iria, irias, iria, etc. Imperat. afirm.: vai, vá, vamos, ide, vão. Subj. pres.: vá, vás, vá, vamos, vades, vão. Imperf.: fosse, fosses, etc. Fut.: for, fores, for, formos, fordes, forem. Gerúndio: indo. Particípio: ido 6.16 Rir Indic. pres.: rio, ris, ri, rimos, rides, riem. Imperat. afirm.: ri, ria, riamos, ride, riam. Regular no resto da conjugação Vir: Indic. pres.: venho, vens, vem, vimos, vindes, vêm. Pret. perf.: vim, vieste, veio, viemos, viestes, vieram. Maisque-perfeito: viera, vieras, etc. Imperat. afirm.: vem, venha, venhamos, vinde, venham. Subj. pres.: venha, venhas, etc. Imperf.: viesse, viesses, etc. Fut.: vier, vieres, vier, etc. Gerúndio: vindo. Particípio: vindo. Seguem este modelo: contravir, convir, intervir, provir, sobrevir, avir-se, desavir-se, advir. 7. VERBOS DEFECTIVOS Defectivo é o verbo que não tem conjugação completa. Quase sempre faltam aos verbos defectivos as formas rizotônicas. Quando necessário, podemos suprir a lacuna de um verbo defectivo por outro que lhe é sinônimo: Eu me acautelo (para precaver-se); eu me redimo (para remir); etc. Para facilitar o estudo da conjugação dos verbos defectivos, vamos considerá-los em grupos: 7.1 Os que não se conjugam nas pessoas em que depois do radical aparecem A ou O (chamado grupo EI): ABOLIR, ATURDIR, BANIR, BRANDIR, BRAMIR, CARPIR, COLORIR, (colorar é regular), DELIR, DEMOLIR, DELINQUIR, ESCULPIR, ESPARGIR, EXPLODIR, EXTORQUIR, EXAURIR, FREMIR, (ou FREMER), FULGIR, FEDER, HAURIR, IMPINGIR, JUNGIR, RETORQUIR, RUIR, SOER, VIGER. Portanto, tais verbos não são empregados no subjuntivo presente, nem no imperativo negativo; apresentam no imperativo afirmativo as segundas pessoas do singular e plural, além das defectibilidades de certos tempos e modos. 7.2 Os que se conjugam unicamente nas formas em que depois do radical vem I: ADIR, AGUERRIR, COMBALIR, EMOLIR, EMPEDERNIR, ESBAFORIR, ESPAVORIR, EXANIR, FALIR, FLORIR, FORNIR, GARRIR, REMIR, (redimir é regular). RENHIR, RESSARCIR, RESSEQUIR, REVELIR, TRANSIR, VAGIR. 7.3 Outros Defectivos: a) ADEQUAR, ANTIQUAR conjugam-se: Indic. pres.: adequamos, adequais, Imperat. afirm.: adequai. Portanto, faltam-lhe, além das formas omitidas acima, o imperativo negativo e o presente do subjuntivo. No restante, conjugam-se normalmente B) GRASSAR é conjugado apenas na 3ª pessoa do singular e do plural c) PRECAVER-SE: - só é conjugado nas formas arrizotônicas e não tem subjuntivo presente.pode ser substituído pelos sinônimos ACAUTELAR-SE, PREVENIR-SE ou PRECATAR-SE.

100 Não é composto de ver nem de vir; são, portanto, errôneas as formas: precavejo, precaveja, precavejas, precavenho, precavenha, precavenhas, precavês, precavém, precavéns, etc. Usa-se mais freqüentemente como verbo pronominal. Veja sua conjugação. Indic. pres.: nós nos precavemos, vós vos precaveis. Pret. Imperf.: eu me precavia, tu te precavias, etc. Pret. perf.: eu me precavi, tu te precaveste, ele se precaveu, nós nos precavemos, vós vos precavestes, eles se precaveram. Imperat. afirm.: precavei-vos. Subj. pres.: não há. Imperf.: eu me precavesse, tu te precavesses, etc. Fut.: eu me precaver, tu te precaveres, ele se precaver, etc. Particípio: precavido. d) REAVER conjuga-se por haver, mas só possui as formas em que há a letra V: reavemos, reaveis, reouvesse, reouver, reavendo, reavido, etc. Cuidado com formas errôneas como: reavi, reaveste, reaviu, reaveu. Lembre-se de que é derivado de haver: logo, estas formas errôneas correspondem às corretas, reouve, reouveste, reouve. 8. VERBOS ABUNDANTES Abundantes são verbos que apresentam duas ou três formas de igual valor e função; constróis, ou construis nascido, nato e nado. Em geral, a abundância de formas ocorre no particípio. No português moderno, os principais verbos que assim se comportam são: 8.1 Comprazer e Descomprazer: Pret. perf. indic.: comprazeste, comprazeu, etc. ou comprouve, comprouveste, comprouve, etc. Mais-queperfeito: comprazera, comprazeras, comprazera, etc. ou comprouvera, comprouveras, comprouvera, etc. Imperf. Subj.: comprazesse, comprazesses, comprazesse, etc. ou comprouvesse, comprouvesses, comprouvesse, etc. Fut.: comprazer, comprazeres, comprazer, etc. ou comprouver, comprouveres, comprouver, etc. 8.2 Construir, reconstruir e destruir: Indic. pres.: construo, construis (ou constróis), construi (ou constrói), construímos, construís, construem (ou constroem). Impert. afirm.: construi tu (constrói). Obs.: instruir e obstruir só possuem a conjugação regular. 8.3 Entupir e Desentupir: Indic. pres.: entupo, entopes, (ou entupes), entope (ou entupe), entupimos, entupis, entopem (ou entupem). Imperat. afirm.: entope (ou entupe), entupi. 8.4 Haver: Indic. pres.: hei, hás, há, havemos, (ou hemos), haveis (ou heis), hão Querer e Requerer: Indic. pres.: quero, queres, quer, (ou quere), queremos, quereis, querem, requeiro, requeres, requer (ou requere), requeremos, requereis, requerem.. Obs.: Requerer é regular nas formas do pretérito e do futuro. 8.6 Verbos em Zer e Zir, no Imperativo: Têm dupla forma na 2ª pessoa do singular: faz ou faze tu; aduz ou aduze tu. 8.7 Relação de alguns verbos abundantes no particípio. INFINITO PARTICÍPIO REGULAR PARTICÍPIO IRREGULAR aceitar aceitado aceito, aceite assentar assentado assente entregar entregado entregue enxugar enxugado enxuto expressar expressado expresso expulsar expulsado expulso fartar fartado farto findar findado findo ganhar ganhado ganho gastar gastado gasto isentar isentado isento juntar juntado junto limpar limpado limpo matar matado morto pagar pagado pago

101 INFINITO PARTICÍPIO REGULAR PARTICÍPIO IRREGULAR salvar salvado salvo acender acendido aceso desenvolver desenvolvido desenvolto eleger elegido eleito envolver envolvido envolto prender prendido preso suspender suspendido suspenso erigir erigido ereto exprimir exprimido expresso extinguir extinguido extinto frigir frigido frito imprimir imprimido impresso inserir inserido inserto tingir tingido tinto OBSERVAÇÃO: As formas pagado, gastado e ganhado hoje estão em desuso. *Em geral emprega-se a forma regular, que fica invariável com os auxiliares TER e HAVER, na voz ativa, e a forma irregular, que se flexiona em gênero e número, com os auxiliares SER, ESTAR, FICAR, na voz passiva. Nós temos elegido políticos sérios. Políticos sérios têm sido eleitos por nós. 9. CONJUGAÇÃO DE UM VERBO COM OS PRONOMES OBLÍQUOS O, A, OS, AS Na conjugação de um verbo com os pronomes oblíquos: o, a, os, as, devem-se observar as seguintes alterações: a) Quando o verbo termina em vogal, associam-se-lhe os pronomes enclíticos o, a, os, as, sem nenhuma alteração. faço-o, denfendei-a, vende-os, deu-as. b) Quando a forma verbal termina em r, s ou z, desaparecem estas consoantes e os pronomes assumem as formas lo, la, los, las. multar + o: multá-lo dissestes + a: disseste-la fez + os: fê-los c) Se o verbo termina por uma sílaba nasal (am, em, ão, õe) os pronomes tomam as formas no, na, nos nas. Trazem-no, dão-na, faziam-nos, põe-nas. d) No futuro do indicativo os pronomes não podem ser pospostos ao verbo: vendê-lo-ei (ou o venderei) e jamais: venderei-o; vendê-la-ia (ou a venderia) e jamais: venderia-a. e) Nos tempos do subj. os pronomes átonos são em geral antepostos. f) Após particípio não se usam os pronomes átonos. Exemplo: Verbo fazer conjugado com o pronome oblíquo O. Indic. pres.: faço-o, faze-lo, fá-lo, fazemo-lo, fazei-lo, fazem-no. Imperf.: fazia-o, fazia-lo, fazia-o, fazíamo-lo, fazíei-lo, faziam-no, Perf.: fi-lo, fizeste-o, fê-lo, fizemo-lo, fizeste-lo, fizeram-no. Fut. pres.: fá-lo-ei, fa-lo-ás, fa-lo-á, fa-lo-emos, fa-lo-eis, fa-lo-ão. Fut. pret.: fá-lo-ia, fá-lo-ias, fá-lo-ia, fá-lo-íamos, fá-lo-íeis, fá-lo-iam. Imperat. afirm.: faze-o, faça-o, façamo-lo, fazei-o, façam-no. Imperat. neg.: não o faças, não o faça, não o façamos, não o façais, não o façam. Subj. pres.: que o faça, que o faças, que o faça, que o façamos, que o façais, que o façam. Imperf.: se o fizesse, se o fizesses, se o fizesse, se o fizéssemos, se o fizésseis, se o fizessem. Fut.: se o fizer, se o fizeres, se o fizer, se o fizermos, se o fizerdes, se o fizerem. Inf. Impessoal. Fazê-lo, Inf. Pessoal: fazê-lo, fazere-lo, fazê-lo, fazermo-lo, fazerde-lo, fazerem-no. Gerúndio: fazendo-o Tempos compostos: tenho-o feito, tinha-o feito, tê-lo-ei feito, tê-lo-ia feito, que o tenha feito, se o tivesse feito, se o tiver feito, tendo-o feito. 10. EMPREGO DO INFINTIVO O infinitivo pode ser pessoal empregado com sujeito ou impessoal, empregado sem sujeito. Quando a intenção do emissor está centrada exclusivamente no fato verbal, sem atribuí-la a qualquer sujeito, o infinitivo se diz impessoal.

102 Exs.: É proibido fumar. Viver é lutar. O infinitivo é pessoal quando o fato verbal é atribuído a um sujeito, o qual pode ser exclusivo ou comum a outro verbo que apareça no período. É bom resolveres (tu) o problema. Trabalhai (vós) para conseguirdes (vós) sucesso. Pode, porém, o infinitivo pessoal aparecer sem flexão. Nesse caso o seu sujeito será determinado através do contexto. Exs.: a) Luta, meu amigo, para venceres os obstáculos. b) Luta, meu amigo, para vencer os obstáculos. No exemplo a o sujeito tu de venceres é percebido através da desinência ES: trata-se de infinitivo pessoal com flexão. No exemplo b o sujeito tu de vencer é determinado através do contexto, tomando-se por base o primeiro verbo (luta): trata-se de infinitivo pessoal sem flexão. Para o emprego do infinitivo há muitas dificuldades, por não se conseguir sistematizar formas únicas, mas existem alguns critérios que podem ajudar a resolver o problema Infinitivo sem flexão: Usado nos seguintes casos: a) com verbos impessoais. É possível haver dificuldades. Chover demais prejudica as férias. b) com verbos empregados impessoalmente, ainda que normalmente pessoais. Recordar é viver. É necessário lutar. c) quando funciona no lugar do gerúndio. Neste caso aparece precedido de preposição A. Vi os torcedores a brigar. Vi os torcedores brigando. d) quando é verbo principal de uma locução verbal: Todos podiam resistir. Vão existir problemas. e) empregado com valor imperativo: Dobrar à esquerda! Meia-volta, volver! f) empregado como complemento nominal de um adjetivo. Tem valor passivo e aparece preposicionado de: Trabalhos difíceis de executar. Problemas impossíveis de resolver. g) quando funciona como oração objetiva direta tendo como sujeito um pronome pessoal átono. Aparece subordinado aos verbos: mandar, deixar, fazer, ver, ouvir, sentir. Deixei-os sair mais cedo. Senti-as estremecer diante do perigo Infinitivo com Flexão: Usado nos seguintes casos: a) OBRIGATORIAMENTE: Quando tem sujeito diferente do sujeito da oração principal. Ela afirmava-me serem belas as praias de Vitória. O sujeito de afirmava é ela, enquanto que o de serem é as praias de Vitória. b) A flexão é facultativa: quando, funcionando como oração objetiva direta subordinada aos verbos mandar, deixar, fazer, ver, ouvir e sentir, tem como sujeito um substantivo: Os jovens ouviram os mestres explicarem o problema. Os jovens ouviram os mestres explicar o problema. quando relacionados com parecer: esse verbo fica no singular e o infinitivo no plural ou vice-versa. Os olhos pareciam brilhar de alegria. Os olhos parecia brilharem de alegria.

103 VERBO EXERCÍCIOS 1. Não existe liberdade sem independência financeira. Ter um currículo turbinado ou uma rede de relacionamento em dia pode perder o valor se você não tiver também uma reserva financeira para sobreviver num momento de transição de emprego. Reescreva o trecho Se você não tiver também uma reserva financeira para sobreviver -, substituindo 1) o conectivo SE por: a) caso: b) a menos que: 2) o verbo ter pelo verbo DISPOR 2. Complete as frases seguintes com a forma apropriada do verbo entre parênteses: a) Os lusíadas indispensáveis a qualquer biblioteca. (ser) b) Cerca de dezesseis alunos á recuperação. (faltar) c) Você, seu amigo e eu bem cedo. (partir) d) Não muitas fazendas aqui. (deve existir) e) grandes festas neste salão no século passado. (acontecer) 3. (G1) Coloque a forma verbal nos parênteses: a) Quando eu ( ) o anão, ficarei tranqüilo. (ver fut. subj.) b) Se nós não ( ) acalma, cairemos no mar. (manter fut. subj.) c) Eu ( ) heróis, se valesse a pena. (ser fut. pret. ind.) d) Eles não ( ) a balsa no encaixe. (pôr pret. perf. ind.) e) Talvez todos ( ) nesta balsa. (caber pres. subj.) f) Cada um ( ) sua opinião sobre o naufrágio. (dizer fut. pres.ind.) g) este lugar; eu não ( ) nada. (ver pres. ind) h) ( ) a ele a responsabilidade de resgatar os amigos. (caber pret. mais que perf. ind.) i) Todos ( ) Alexandre nosso representando. (nomear - pres. ind) 4. (G1) complete com os verbos entre parênteses na forma solicitada: 1) Eu não a que vocês essas revistas. (OPOR-SE: presente do indicativo; LER: presente do subjuntivo) ACELERE, feminista! 2. Talvez a saída SEJA fazer como um amigo meu. 3. Na menor brecadinha, SERIA uma batida na certa deixe que todas PASSAGEM a conta inteira. Os verbos em maiúsculo estão, respectivamente, no: a) imperativo afirmativo; presente do subjuntivo; futuro do pretérito do indicativo; pretérito imperfeito do subjuntivo; b) imperativo afirmativo; imperativo afirmativo; futuro do presente do indicativo; presente do indicativo; c) presente do indicativo; presente do subjuntivo; futuro do pretérito do indicativo, pretérito imperfeito do subjuntivo; d) presente do subjuntivo; imperativo afirmativo; futuro do pretérito do indicativo; pretérito imperfeito do subjuntivo; e) imperativo afirmativo; presente do subjuntivo; futuro do pretérito do indicativo; presente do indicativo; 6. (RICARDO, Cassiano. Seleta em prosa e verso. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.) (UERJ 99) Tirai o índio do seu ninho e apresentai-o d improviso em Paris... (texto II ref.1) Se fosse reescrito este trecho substituindo apresentai-o por exibam-no, primeira forma verbal seria: a) Tirem b) Tiram c) Tirarem d) Tirassem

104 7. Assinale a alternativa em que os verbos derivados de por, ter e ver, em destaque nas frases acima, estão corretamente conjugados. a) Não aprovaríamos o orçamento, a menos que eles se dispusessem a negociar, que se detivessem na análise do assunto e revissem os custos. b) Quando se propuserem a ajudar-nos, não se ativerem a detalhes e reverem sua atitude, haverá acordo. c) Os que previram seu insucesso não se ateram ao potencial do rapaz; tampouco supuseram que ele resistiria. d) mantiveram a justiça porque recomporam os fatos e reviram as provas. e) O contrato será renovado se preverem problemas mas não se indisporem com os inquilinos e manterem calma. 8. Primeira tirinha Segunda tirinha (Estúdio Maurício de Sousa. Bidu Especial. São Paulo: Abril, 1973) (Estúdio Maurício de Sousa. Bidu Especial. São Paulo: Abril, 1973) Na frase Cada um tem o time que quiser, da segunda trilha, o verbo QUERER se apresenta conjugado: a) no infinitivo impessoal. b) no modo subjuntivo, tempo pretérito imperfeito, primeira pessoa do singular. c) no modo indicativo, tempo futuro do pretérito, terceira pessoa do singular. d) no modo subjuntivo, tempo futuro, terceira pessoa do singular. e) no infinitivo pessoal, terceira pessoa do singular. 9. (UNIFESP 2006) A expressão vide verso significa ver no verso. Se optasse pela forma verbal conjugada e mantivesse a forma de tratamento que dá ao doutor José Aparecido, o poeta escreveria a) Vê no verso meu endereço, aparece quando quiser. b) Vejas no verso meu endereço, aparece quando quiser. c) Vês no verso meu endereço, apareça quando quiser. d) Vejai no verso meu endereço, aparecei quando quiser. e) Veja no verso meu endereço, apareça quando quiser.

105 10. O Estado de S. Paulo, 14/4/2001. Observando os três primeiros quadrinhos, pode-se perceber que, no diálogo entre Calvin e sua mãe, uma das formas verbais não condiz com as demais. Trata-se de: a) Ides. b) Tenhais. c) Julgais. d) Pretendes. e) Segui. 11. Assinale a alternativa em que NÃO HAJA ERRO de conjugação de verbo. a) Em pouco mais de três meses, a lesão do jogador poderá estar curada, se ele manter adequadamente o tratamento. b) O moderador interviu assim que ficou a par dos problemas técnicos. c) Se a Patrícia previr tempo seco para o litoral, haveremos de descer a serra antes do sol nascer. d) Leocádia estava terrivelmente irritada. Tinha ganas de dizer a Alberto tudo o que ele merecia; mas se deteu, esperando oportunidade melhor. e) Quando o negociador propor uma saída honrosa, será o momento de todos o aplaudirmos. 12. O tratamento utilizado no diálogo a seguir corresponde à segunda pessoa do plural. As marcas desse tratamento aparecem destacadas. - VOSSO passado VOS condena. SAÍ daqui antes que eu VOS mate. - ESPERAI, que já VOS mostro. Não TENTEIS amedrontar-me!... Se utilizarmos o tratamento correspondente à segunda pessoa do singular, obteremos, respectivamente: a) SEU passado O condena. SAIA daqui antes que eu O mate./ ESPERE, que já LHE mostro. Não TENTE amedrontar-me!... b) TEU passado TE condena. SAI daqui antes que eu TE mate./ ESPERA, que já TE mostro. Não TENTE amedrontar-me! c) TEU passado TE condena. SAI daqui antes que eu TE mate./ ESPERA, que eu já TE mostro. Não TENTES amedrontar-me!... d) SEU passado LHE condena. SAIA daqui antes que eu O mate./ ESPERE, que já TE mostro. Não TENTE amedrontar-me. e) TEU passado O condena. SAÍ daqui antes que eu TE mate./ ESPERA, que já TE mostro. Não TENTES amedrontar-me. 13. (FGV) Examine o termo destacado nos períodos a seguir: - O frasco maior CONTÉM mais líquido, é evidente. - O relato da testemunha não CONDIZ com os fatos apontados pelos peritos. - Ele não INTERVIRÁ na questão entre árbitro e o atleta. Assinale a alternativa correta a respeito desses verbos, colocados no pretérito perfeito, mas mantida a pessoa gramatical. a) Conteve, condiria, interveio. b) Conteu, condizia, interveio. c) Conteve, condisse, interveio. d) Conteu, condisse, interviu. e) Continha, condizeu, interviu. 14. A flexão da forma verbal em destaque está correta na frase: a) Os advogados INTERPORAM novo recurso. b) não admito que as razões dele se SOBREPONHEM às minhas. c) O árbitro INTERVIU e acabou com as provocações. d) Se você o REVIR, será que o reconhecerá? e) Teríamos reclamado, se os guardas o DETESSEM.

Adjunto adnominal. Os dois primeiros colocados disputarão a medalha de ouro. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj: adn.

Adjunto adnominal. Os dois primeiros colocados disputarão a medalha de ouro. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj: adn. Professor Jailton Adjunto adnominal é o termo da oração que sempre se refere a um substantivo que funciona como núcleo de um termo, a fim de determiná-lo, indeterminá-lo ou caracterizá-lo. adj. adn. adj.

Leia mais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

c) O verbo ficará no singular ou no plural se o sujeito coletivo for especificado com substantivo no plural.

c) O verbo ficará no singular ou no plural se o sujeito coletivo for especificado com substantivo no plural. Concordância Verbal a) O verbo vai para a 3ª pessoa do plural caso o sujeito seja composto e anteposto ao verbo. Se o sujeito composto é posposto ao verbo, este irá para o plural ou concordará com o substantivo

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

Quanto à classificação das orações coordenadas, temos dois tipos: Coordenadas Assindéticas e Coordenadas Sindéticas.

Quanto à classificação das orações coordenadas, temos dois tipos: Coordenadas Assindéticas e Coordenadas Sindéticas. LISTA DE RECUPERAÇÃO FINAL 9º ANO - PORTUGUÊS Caro aluno, seguem abaixo os assuntos para a prova de exame. É só um lembrete, pois os mesmos estão nas apostilas do primeiro bimestre, segundo e terceiro

Leia mais

1. (FUVEST-SP) Em Queria que me ajudasses, o trecho destacado pode ser substituído por:

1. (FUVEST-SP) Em Queria que me ajudasses, o trecho destacado pode ser substituído por: COLÉGIO DE APLICAÇÃO DOM HÉLDER CÂMARA AVALIAÇÃO: EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES I DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR(A): ANA PAULA DA VEIGA CALDAS ALUNO(A) DATA: / / TURMA: M SÉRIE: 9º ANO DATA PARA ENTREGA:

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

Período composto por subordinação

Período composto por subordinação Período composto por subordinação GRAMÁTICA MAIO 2015 Na aula anterior Período composto por coordenação: conjunto de orações independentes Período composto por subordinação: conjunto no qual um oração

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Professora: Lícia Souza

Professora: Lícia Souza Professora: Lícia Souza Morfossintaxe: a seleção e a combinação de palavras Observe que, para combinar as palavras loucamente, louco e loucura com outras palavras nas frases de modo que fiquem de acordo

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

TERCEIRA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco

TERCEIRA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco TERCEIRA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET Professora: Sandra Franco Predicação Verbal e Complementos Verbais 1. Definição de Predicado. 2. Tipos de verbo no predicado: a) verbos transitivos; b) verbo intransitivo;

Leia mais

Termos integrantes da oração Objeto direto e indireto

Termos integrantes da oração Objeto direto e indireto Termos integrantes da oração Objeto direto e indireto Termos integrantes da oração Certos verbos ou nomes presentes numa oração não possuem sentido completo em si mesmos. Sua significação só se completa

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Equipe de Língua Portuguesa. Língua Portuguesa SÍNTESE DA GRAMÁTICA

Equipe de Língua Portuguesa. Língua Portuguesa SÍNTESE DA GRAMÁTICA Aluno (a): Série: 3ª TUTORIAL 3B Ensino Médio Data: Turma: Equipe de Língua Portuguesa Língua Portuguesa SÍNTESE DA GRAMÁTICA TERMOS INTEGRANTES = completam o sentido de determinados verbos e nomes. São

Leia mais

Período composto. Orações subordinadas adverbiais

Período composto. Orações subordinadas adverbiais Período composto Orações subordinadas adverbiais Orações subordinadas Orações que mantém relação de dependência sintática e semântica entre a oração subordinada e a oração principal. Ex.: Eu tenho dúvida

Leia mais

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das Um pouco de teoria... Observe: Estudo das classes de palavras Conjunções A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das I- João saiu, Maria chegou. II- João saiu, quando

Leia mais

Profª.: Elysângela Neves

Profª.: Elysângela Neves Profª.: Elysângela Neves Regência É a relação sintática que se estabelece entre um termo regente ou subordinante (que exige outro) e o termo regido ou subordinado (termo regido pelo primeiro) A regência

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto JANELA A U L A 7 Tal pai, tal filho Cenatexto Acabada a assembléia da comunidade de Júpiter da Serra, em que se discutiu a expansão da mineradora, dona Ana volta para casa com o Samuel, seu garotinho.

Leia mais

Concordância Nominal

Concordância Nominal Concordância Nominal Concordância Nominal Regra Geral O artigo, o pronome, o numeral e o adjetivo devem concordar em gênero e número com o substantivo ao qual se referem. Ex.: Os nossos dois brinquedos

Leia mais

CRASE. CONCEITO - É a fusão de duas vogais idênticas. Representa-se graficamente a crase pelo acento grave (`).

CRASE. CONCEITO - É a fusão de duas vogais idênticas. Representa-se graficamente a crase pelo acento grave (`). CRASE CONCEITO - É a fusão de duas vogais idênticas. Representa-se graficamente a crase pelo acento grave (`). A crase pode ocorrer entre: 1) Preposição A e os artigos A, AS Há limites a+a tolerância humana

Leia mais

NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco

NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET Professora: Sandra Franco Período Composto 1.Orações Subordinadas Adverbiais. 2. Apresentação das conjunções adverbiais mais comuns. 3. Orações Reduzidas. As orações subordinadas

Leia mais

Vestibular Comentado - UVA/2010.2

Vestibular Comentado - UVA/2010.2 LÍNGUA PORTUGUESA Comentários: Profs. Evaristo, Crerlânio, Vicente Júnior Texto 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Flor voltara a embalar-se

Leia mais

As palavras: QUE, SE e COMO.

As palavras: QUE, SE e COMO. As palavras: QUE, SE e COMO. Enfocaremos, nesse capítulo, algumas particularidades das referidas palavras. Professor Robson Moraes I A palavra QUE 1. Substantivo aparece precedida por artigo e exerce funções

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo São Paulo-SP, 20 de outubro de 2004 Meus queridos companheiros e minhas queridas companheiras

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

TIPO DE AVALIAÇÃO: Lista de Exercícios - Recuperação

TIPO DE AVALIAÇÃO: Lista de Exercícios - Recuperação TIPO DE AVALIAÇÃO: Lista de Exercícios - Recuperação Nome: Nº 8º ano / Ensino Fundamental Turma: Disciplina(s): Português Data: Professor(a): Érica Beatriz Nota: Leia o texto de Clarice Lispector e veja

Leia mais

208. Assinale a única frase correta quanto ao uso dos pronomes pessoais: 209. Assinale o exemplo que contém mau emprego de pronome pessoal:

208. Assinale a única frase correta quanto ao uso dos pronomes pessoais: 209. Assinale o exemplo que contém mau emprego de pronome pessoal: 207. Complete com eu ou mim : CLASSES DE PALAVRAS PRONOME: - eles chegaram antes de. - há algum trabalho para fazer? - há algum trabalho para? - ele pediu para elaborar alguns exercícios; - para, viajar

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Brasileiros esperam ganhar salário três vezes maior após fazer MBA

Brasileiros esperam ganhar salário três vezes maior após fazer MBA COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 6º Ano Profª: Margareth Rodrigues Dutra Disciplina: Língua Portuguesa Aluno(a): TRABALHO DE RECUPERAÇÃO Data de entrega: 18/12/14 Questão 1- Leia o texto a seguir. Brasileiros

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

FORTALECENDO SABERES LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 38.1 Conteúdos: Regência verbal

FORTALECENDO SABERES LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 38.1 Conteúdos: Regência verbal 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 38.1 Conteúdos: Regência verbal 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Distinguir a relação que se estabelece

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Sobre esta obra, você tem a liberdade de:

Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra. Sob as seguintes condições: Atribuição Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante

Leia mais

Sem o acento, uma frase como essa teria seu sentido alterado, pois, em "Saiu a francesa", "a francesa" é o sujeito da oração.

Sem o acento, uma frase como essa teria seu sentido alterado, pois, em Saiu a francesa, a francesa é o sujeito da oração. OBS.: A locução prepositiva "à moda de" tem uma peculiaridade: nela se costuma observar a elisão do substantivo feminino "moda", mas, mesmo nos casos em que isso ocorre, mantém-se o acento de crase. Ex.:

Leia mais

Análise Sintática AMOSTRA DA OBRA. Português é simples. 2ª edição. Eliane Vieira. www.editoraferreira.com.br

Análise Sintática AMOSTRA DA OBRA. Português é simples. 2ª edição. Eliane Vieira. www.editoraferreira.com.br AMOSTRA DA OBRA www.editoraferreira.com.br O sumário aqui apresentado é reprodução fiel do livro 2ª edição. Eliane Vieira Análise Sintática Português é simples 2ª edição Nota sobre a autora Sumário III

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa 7 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa Escola: Nome: Turma: n o : Sotaque mineiro: é ilegal, imoral ou engorda? Gente, simplificar é um pecado. Se a vida não fosse tão corrida, se não tivesse

Leia mais

CURSO: TRIBUNAL REGULAR ASSUNTOS: CONCORDÂNCIA NOMINAL / CONCORDÂNCIA VERBAL SUMÁRIO DE AULA DÉCIO SENA

CURSO: TRIBUNAL REGULAR ASSUNTOS: CONCORDÂNCIA NOMINAL / CONCORDÂNCIA VERBAL SUMÁRIO DE AULA DÉCIO SENA CURSO: TRIBUNAL REGULAR ASSUNTOS: CONCORDÂNCIA NOMINAL / CONCORDÂNCIA VERBAL SUMÁRIO DE AULA DÉCIO SENA PRIMEIRA PARTE: CONCORDÂNCIA NOMINAL I. Regra Geral II. Casos Particulares I) Regra Geral: Exemplo:

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Professor Jailton CONCORDÂNCIA VERBAL

Professor Jailton CONCORDÂNCIA VERBAL Professor Jailton CONCORDÂNCIA VERBAL CONCORDÂNCIA VERBAL Regra geral O verbo e seu sujeito deverão concordar em número e pessoa: Eu Tu Ele Os alunos sujeito cheguei. chegaste. chegou. chegaram. verbo

Leia mais

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas)

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Nome: Data: A Importa-se de responder a umas perguntas? Está bem. Obrigado. 1 Como é que se chama? 2 O que é que faz? 3 Vive aqui agora? 4 Há quanto tempo

Leia mais

AS MULHERES DE JACÓ Lição 16

AS MULHERES DE JACÓ Lição 16 AS MULHERES DE JACÓ Lição 16 1 1. Objetivos: Ensinar que Jacó fez trabalho duro para ganhar um prêmio Ensinar que se nós pedirmos ajuda de Deus, Ele vai nos ajudar a trabalhar com determinação para obter

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

Disciplina:Língua Portuguesa Professor (a): Cris Souto Ano: 8º Turmas: 8.1 e 8.2

Disciplina:Língua Portuguesa Professor (a): Cris Souto Ano: 8º Turmas: 8.1 e 8.2 Rede de Educação Missionárias Servas do Espírito Santo Colégio Nossa Senhora da Piedade Av. Amaro Cavalcanti, 2591 Encantado Rio de Janeiro / RJ CEP: 20735042 Tel: 2594-5043 Fax: 2269-3409 E-mail: cnsp@terra.com.br

Leia mais

01. (CESGRANRIO) Há concordância nominal inadequada em: a) clima e terras desconhecidas;

01. (CESGRANRIO) Há concordância nominal inadequada em: a) clima e terras desconhecidas; 01. (CESGRANRIO) Há concordância nominal inadequada em: a) clima e terras desconhecidas; b) clima e terra desconhecidos; c) terras e clima desconhecidas; d) terras e clima desconhecido; e) terras e clima

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA REGÊNCIA VERBAL CURSO ÁREA TRABALHISTA CALVET PROF. EDUARDO SABBAG 2011

AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA REGÊNCIA VERBAL CURSO ÁREA TRABALHISTA CALVET PROF. EDUARDO SABBAG 2011 AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA REGÊNCIA VERBAL CURSO ÁREA TRABALHISTA CALVET PROF. EDUARDO SABBAG 2011 CONCEITO. A Regência refere-se ao estudo da relação de dependência ou subordinação que se estabelece entre

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

O Açúcar. Leia este poema de Ferreira Gullar. Com que adoço meu café esta manhã em Ipanema.

O Açúcar. Leia este poema de Ferreira Gullar. Com que adoço meu café esta manhã em Ipanema. 8 Gramática -Revisão 8º ano DATA: /09/15: Unidade Centro Aluno (a) Professora: MARIA DO CARMO Leia este poema de Ferreira Gullar. O Açúcar O branco açúcar que adoçará meu café Nesta manhã de Ipanema Não

Leia mais

A PREENCHER PELO ALUNO

A PREENCHER PELO ALUNO Prova Final do 1.º e do 2.º Ciclos do Ensino Básico PLNM (A2) Prova 43 63/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Língua Portuguesa. O texto abaixo serve de base para as questões de 16 a 20. Leia-o atentamente. Depois, responda às perguntas.

Língua Portuguesa. O texto abaixo serve de base para as questões de 16 a 20. Leia-o atentamente. Depois, responda às perguntas. Língua Portuguesa O texto abaixo serve de base para as questões de 16 a 20. Leia-o atentamente. Depois, responda às perguntas. O rápido e grande avanço observado no ambiente da produção, por meio do surgimento

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O ENGANADOR

Bíblia para crianças. apresenta O ENGANADOR Bíblia para crianças apresenta JACÓ O ENGANADOR Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:M. Maillot; Lazarus Adaptado por: M Kerr; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido por: Bible for Children

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança.

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança. Radicais Kids Ministério Boa Semente Igreja em células Célula Especial : Dia Das mães Honrando a Mamãe! Principio da lição: Ensinar as crianças a honrar as suas mães. Base bíblica: Ef. 6:1-2 Texto chave:

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

Meu filho, não faça isso

Meu filho, não faça isso Meu filho, não faça isso Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. Vista a camisa do 0800 E SEJA UM VENCEDOR!!!

OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. Vista a camisa do 0800 E SEJA UM VENCEDOR!!! OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. OBJEÇÕES VILÃS OU OPORTUNIDADES? A VISÃO ORIENTAL SOBRE Um para CRISE PERIGO (JI) A VISÃO ORIENTAL

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." 2-Meditação da semana:

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também. 2-Meditação da semana: 10º Plano de aula 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." Provérbio Turco 2-Meditação da semana: Mestre conselheiro- 6:14 3-História da semana: AS três peneiras

Leia mais

O objeto direto preposicionado pode ocorrer quando: Estiver representando nomes próprios. Ex.: Sempre quis viajar a Fernando de Noronha.

O objeto direto preposicionado pode ocorrer quando: Estiver representando nomes próprios. Ex.: Sempre quis viajar a Fernando de Noronha. Em alguns casos, o objeto direto pode ser introduzido por preposição: é o chamado objeto direto preposicionado. Nesses casos, o verbo é sempre transitivo direto, e seu complemento é, obviamente, um objeto

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

GRAMÁTICA COMPLEMENTOS VERBAIS. DISPONÍVEIS NO SITE http://www.infoescola.com/portugues/analise-sintatica-e-analisemorfologica/exercicios/

GRAMÁTICA COMPLEMENTOS VERBAIS. DISPONÍVEIS NO SITE http://www.infoescola.com/portugues/analise-sintatica-e-analisemorfologica/exercicios/ GRAMÁTICA Profª. Gina Maciel COMPLEMENTOS VERBAIS DISPONÍVEIS NO SITE http://www.infoescola.com/portugues/analise-sintatica-e-analisemorfologica/exercicios/ 1. (UFMS 2010) Faça uma análise sintática da

Leia mais

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário epílogo O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário do rebuliço que batia em seu peito. Quase um ano havia se passado. O verão começava novamente hoje, ao pôr do sol, mas Line sabia que,

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número: este, esse, aquele. Existem três invariáveis:

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Odilei França Graduado em Letras pela Fafipar. Graduado em Teologia pela Faculdade Batista. Professor de Língua Portuguesa para concursos públicos há 22 anos. Sintaxe do período composto: parte II Período

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

03. Resposta: E. Página 552 02.

03. Resposta: E. Página 552 02. Orações coordenadas Página 550 a) O aquecimento excessivo do planeta é um fato incontestável [1], por isso muitos países já implantaram programas de redução de poluentes [2], mas / porém / no entanto o

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais