Gerenciamento de Processos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento de Processos"

Transcrição

1 - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é um Sistema Preemptivo, isto que dizer que um processo entra e sai do modo de execução a qualquer momento. - O Agendado de Tarefas ou Scheduler de Sistema Operacionais modernas geralmente possuem três estados: Pronto, Em Execução e Em Espera (Bloqueado).

2 - Ao se Executar um Programa, este entra na Fila (queue ) de execução. Cada Processo possue uma fatia (slice) de tempo para ser executado, terminada esta ele adormece volta para fila de processo e aguarda sua vez. - O Processo pode bloquear (em espera) caso faça acesso a algum dispositivo de I/O (E/S). - Ao se terminar a execução de um processo ele é retirado da fila de execução e todo os recursos alocados a ele são liberados.

3 Imagem Retirada em:

4 - Um processo pode criar filhos. Um processo que cria filhos é chamado processo pai e os filhos são threads ou processo filhos. - Threads são linhas de execução do processo pai, e estas compartilham com o processo pai arquivos e memória. - O Linux trata processos e threads como iguais, o thread é considerado um processo que compartilha recursos com o processo que o criou. - Processos filhos são mortos quando o processo pai é morto. Processos filhos que não finalizam quando o processo pai é finalizado são chamados de processos zombie.

5 - Podemos Iniciar, Pausar, Retomar, Recarregar, parar, matar priorizar, sinalizar, consultar e jogar em segundo plano um processo. - Para conversar com um Processo nos sinalizamos o processo. - Cada Processo possue um número identificador único chamado PID (Process ID). - Para visualizar todos os processos em execução podemos utilizar por exemplo o comandos 'ps aux' - O kernel cria um diretório para cada processo sobre o diretório virtual /proc. Verifique listando todos os arquivos do diretório /proc.

6 Principais Comandos para Gerenciamento de Processos. Consulta - ps, pstree, top, fuser, pidof e lsof Sinalização - kill e killall. Prioridade - nice e renice Segundo Plano - fg, bg e jobs (plano de execução)

7 - Para gerenciar processos geralmente listamos e consultamos seu PID e então executamos alguma ação sobre ele através de sinalização. - Cada Processo criado possue um diretório no /proc com informações a respeito dos recursos alocados para este processo. - O processo de PID 1 é o primeiro processo de inicialização, geralmente é o comando init. - init é o pai de todos os processos do sistema. Um PID é atribiuido dinamicamente a um processo e é único durante a vida do sistema.

8 - ps Lista os processos do sistema trazendo informações sobre seu estado (PID, tempo de execução, estado, nome do usuário owner, consumo de CPU e memória. Ex.: ps aux todos os processos ps l outras informações ps f arvore de processos ps -o pid,user,comm ps -C nome_de_um_comando_a_ser_monitorado ps user root lista processo de um usuário

9 Estados dos Processos (stats) (ps a) S Em Espera (Sleeping) D Lista processos blocked R Fila de execução T - Parado W - Paginando X - Morto Z Zumbi

10 Prática Alterne o console corrente (alt+f2), logue no sistema com uma conta que não seja o root, execute o editor vi/vim (vi) e volte para o console anterior (alt+f1). - Liste todos os processos e encontre nesta listagem o Processo do usuário que executou o vi. - Liste apenas o processo vi. - Liste todos os processos apenas do usuário que iniciou o vi. - Liste apenas o PID de todos processos. - Liste apenas o login do usuário e o comando completo dos processos.

11 - pstree Árvore de Processos visualizar relação de processos pai e filho. Opções: -p Mostra PID -a Linha de Comando Completa do Processo Ex.: pstree -p pstree -a

12 - top Monitoração interativa de processos. - Opções: -d define intervalo de atualização -u monitorar processos de um determinado usuário - Alguns comandos de Utilização: <Enter> - Atualiza Lista de Processos P Ordenar pelo Uso de CPU M Ordenar pelo uso de Memória d Alterar Intervalo de Atualização u Monitra processo de um usuário r Altera Prioridade (renice) k Mata Processo (kill)

13 Prática Liste todos os processos no formato de árvore e redirecione o resultado para o arquivo /tmp/lista_processos_arvore Com o top mostrar o status dos processos em um intervalo de 1s (um segundo) ordenado pelo uso do Processador. Iniciar o vi em outro Console (alt+f2) e verificar o PID deste, e matar (kill) este processo no primeiro console (alt+f1). Monitorar apenas os processos do usuário root. Ordenar a Lista de Processos por uso de CPU e logo depois pelo uso de memória.

14 - fuser Lista PID dos processos que estão acessando determinado arquivo ou socket. -a Mostra os arquivos -u Mostra o PID e o usuário -v Mostra formato ps -k Finaliza processo que usam o arquivo Ex.: fuser /bin/bash fuser -v /

15 Prática Usando o fuser todos os processos, no formato ps, que estão acessando os arquivos: /bin/bash, /dev/null, /root, /dev/psaux, /dev/tty1, /var/log/messages, /etc/inittab. Crie um Arquivo (usando o vi) com nome arquivo_de_teste e verifique (em outro console - alt+f2) os processos que estão acessando a este. Mate (kill) os processos que estão utilizando este determinado arquivo.

16 Modo de Acesso (fuser -v) c diretorio e sendo executado f arquivo aberto F aberto para escrita r diretorio de root m memoria compartilhada

17 - pidof Mostra o PID do processo correspendo (nome). -x Pesquisa também nomes de Shell scripts Ex.: pidof init pidof login pidof udevd pidof vi - lsof Lista arquivos abertos e os processos donos destes Ex.: lsof

18 - kill (sinalizador de processos) Sinaliza um Processo. Geralmente utilizado para matar um processo. O Sinal padrão do kill é o 15 (SIGTERM) que é uma forma educada de pedir ao processo que termine. O Extremo do kill é o kill -9, onde o processo é morto a queima roupa. O Processo é finalizado e não pode salvar arquivos que esta trabalhando Opções: -l lista todos os sinais Ex.: kill -l

19 - killall Envia Sinalização a um ou mais processos de mesmo nome. -i modo interativo -v mostra mensagens (verbose mode) -w esperar os processo finalizarem.

20 Alterne o console corrente (alt+f2), logue no sistema com uma conta que não seja o root, execute o editor vi e volte para o console anterior (alt+f1). - Liste todos os processos e encontre o Processo do usuário que executou o vi. - Sinalize para que o processo vi criado seja terminado educadamente). Utilize o comando kill. - repita a operação de executar o editor vi, busque seu PID e sinalize para que este seja morto a queima roupa. Utilize o comando kill. - utilize do comando killall para executar as mesmas tarefas acima descrita.

21 - nice Inicia o Programa com a Prioridade especificada. Um Programa com prioridade máxima possue mais tempo de processamento. Opções: -n Valor da prioridade Prioridade: -20 Prioridade Maxima -10 Prioridade Alta 0 Prioridade Normal 10 Prioridade Baixa 19 Prioridade minima Ex.: nice -n -19 vi

22 - renice Modificar a prioridade em tempo-real -p faixa de valor de PID -u processos de um usuario especifico Ex.: renice 20 PID DO PROCESSO

23 Prática - nice e renice Inicie o vi com prioridade minima em um outro console (alt+f2), usando o top verifique apenas a prioridade deste processo, modifique a prioridade deste para maxima e finalize este sinalizando com SIGTERM (15) utilizando o comando top ou kill. Inicie o vi com prioridade máxima em um outro console (alt+f2), usando o ps verifique apenas a prioridade deste processo.

24 - fg, bg e jobs Com os comandos fg e bg é possivel colocar um processo em segundo plano (plano de execućão) Para isto, inicie um programa e pare este com SIGSTOP (CTRL+Z), execute o bg para que o processo continue sua execućão em segundo plano. Para trazer este para primeiro plano utilize o fg. Experimente fazer isto com o comando nano Outra forma de Executar um comando em segundo plano é utilizar & Ex.: vi & ls /bin & Creative Commons

25 Prática - Liste todos os processos do usuário root mostrando apenas as informações de pid, usuário e comando. Direcione a saída para o arquivo /tmp/revisao2_processo. - Mostre todos os processos em formato de árvore. - Liste todos os processos que estão utilizando o arquivo /bin/bash e direcione (concatenando) o resultado para o arquivo /tmp/revisao2_processo. - Altere a Prioridade do Processo login ou init para Máxima e depois minima. - Usando o top visualize todos os processos em um taxa de atualização de 10s (dez segundos) e ordenado pelo uso de CPU. Altere a prioridade do processo que esta no topo desta lista para Máxima. Creative Commons

26 Gerenciamento de Serviços - Um serviço é um programa especial que provê determinadas funções ao sistema. - Serviços também são chamados de daemons e são executados em segundo plano (background). - Serviços em geral esperam por requisições em portas especificadas nas RFC. - Exemplos de Serviços são o Serviço de Mouse (GPM), Crontab (Agendamento de Tarefas, Servidores de FTP, Web (Apache), POP3 (Sendmail), Gerenciamento Log (syslog), Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (MySQL, PostgreSQL, Oracle e etc.). - Serviços podem ser dependentes ou indepedentes de um servidor de serviços (inetd).

27 Gerenciamento de Serviços - Cada serviço possue um script para sua gerencia (initscripts) e inicialização. - Estes initscripts geralmente residem no diretório /etc/init.d. (ex.: sh /etc/init.d/cron) - Existe um comando para facilitar a gerencia dos scripts em Distribuições Red Hat-Like como o CentOS e OpenSuse. O comando é o service. Ex.: service cron Ações Comuns: start stop status reload

28 Gerenciamento de Serviços - Ações sobre Serviços start inicia o serviço stop parar o serviço status reportar o status restart reinicia o serviço reload reinicia o serviço sem tirar-lo de execução Ex.: service cron status service cron stop service cron start service cron reload

29 Gerenciamento de Serviços Prática - Faça sobre o Serviço atd (Agendamento Tarefa) e acpid (Gerencia Energia) - Verificar os status destes serviços - Verificar se o processo esta ativo na lista de processos (ps) - Interromper estes serviço - Iniciar novamente estes serviços - Recarregue este serviço sem parar o mesmo.

30 Gerenciamento de Serviços - chkconfig Ferramenta em Linha de Comando para gerenciar a inicialização dos serviços durante a inicialização do sistema. Ex.: chkconfig --list chkconfig --list cron chkconfig cron off chkconfig cron on chkconfig cron 4

31 Gerenciamento de Serviços - Verifique se o serviço atd e gpm estão configurado para iniciar durante a inicialização. Caso negativo adicione estes serviços (atd e gpm) a lista de Inicialização do Sistema. - Re-inicie o sistema e liste os processos e verifique se o atd e gpm foram ativados. - Liste todos os Serviços que podem ser inicializando durante o boot do sistema, filtre a saida deste comando (grep) buscando a ocorrencia da palavra on e redirecione o resultado para o arquivo /tmp/resultadopraticaservico

32 Gerenciamento de Serviços - Verifique o estado (status) dos serviços: atd e xinetd e direcione a saída (concatenado) destas consultas no arquivo /tmp/revisao2_servico - Altere o serviço atd e gpm para que este inicialize no runlevel (nivel de execução) 4 (quatro). Liste os serviços em detalhe direcionado o resultado para /tmp/revisao2_servico Dica OpenSuse: yast2

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID PROCESSOS Um processo é um canal de comunicação entre os programas que estão sendo executados no sistema operacional e o usuário, ou seja um processo é um programa que está sendo executado. No Linux /

Leia mais

Processos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Processos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Processos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves 1 Conceito de Multiprogramação Se existirem vários programas carregados na memória ao mesmo tempo, a CPU pode

Leia mais

Laboratório de Sistemas Operacionais

Laboratório de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Módulo 1 Gerência de Memória e de Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Comandos para gerenciamento de processos: top, htop, ps, kill,

Leia mais

Gerenciamento de Boot

Gerenciamento de Boot - Gerenciamento de Boot é um meio de você configurar e trabalhar com diversos sistemas operacionais instalados. - Gerenciador de Boot é um pequeno software instalado no Master Boot Record (MBR) nas trilhas

Leia mais

Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira Lista de Exercícios 3

Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira <fred@madeira.eng.br> Lista de Exercícios 3 Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira Lista de Exercícios 3 1. Qual dos seguintes comandos linux não inclui a capacidade de listar o PID das aplicações que estão

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Comando free Gerência de Memória exibe a quantidade de memória livre e utilizada pelo sistema Usage: $ free

Leia mais

7 Processos. 7.1 Introdução

7 Processos. 7.1 Introdução 1 7 Processos 7.1 Introdução O conceito de processo é a base para a implementação de um sistema multiprogramável. O processador é projetado apenas para executar instruções, não se importando com qual programa

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com

Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com Equivalente a inicializar um computador ; Durante o bootstrapping, o kernel é carregado na memória principal e começa

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Yoshimi Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Apresentação Carga horária: 2 horas-aula/semana 2/11 Objetivos Possibilitar ao aluno: Entendimento

Leia mais

Sistemas de Inicialização. Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas

Sistemas de Inicialização. Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas RUNLEVEL NÍVEIS DE EXECUÇÃO 15/08/11 1 Profº André Luiz 15/08/11 2 Profº André Luiz Durante o boot o Linux executa diversos processos em uma ordem

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 7.2 Gerenciamento de Processos. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 7.2 Gerenciamento de Processos. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 7.2 Gerenciamento de Processos Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 PS... 3 Atributos de ps... 3 Exemplos de ps... 3 TOP... 4 Atributos... 5 KILL... 5 Exemplos

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Objetivos: Laboratório 1 1. Usar comandos básicos para visualização e manipulação de processos 2. Entender o escalonamento

Leia mais

Módulos...2 Shell...3

Módulos...2 Shell...3 Cesar Kállas cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 2 O Kernel...2 Módulos...2 Shell...3 Scripts...3 Bourne Shell sh...3 Bourne-Again Shell bash...3 Korn Shell

Leia mais

Lista de exercícios - P2

Lista de exercícios - P2 Lista de exercícios - P2 1 - Sabemos que o arquivo /etc/inittab possui algumas linhas que definem eventos capturados pelo sistema de inicialização. Pensando em um servidor de produção, estável e que não

Leia mais

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Objetivo: Instalar e configurar o sistema operacional Linux CentOS e efetuar suas configurações iniciais. 1- Abra o Virtuabox e clique em novo, e configure conforme

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA

SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA 5. Gerência de memória, processamento e hardware Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 1 SUMÁRIO 1. Comandos para gerência

Leia mais

838 - Linux - administração. Administração avançada do Linux

838 - Linux - administração. Administração avançada do Linux 838 - Linux - administração Administração avançada do Linux Processo INIT O processo init é o primeiro processo iniciado no Linux, após o carregamento do kernel do sistema. Quando é disparado, o init continua

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado / Luiz Paulo Maia Processo Profº Antonio Carlos dos S. Souza Estrutura do Processo Contexto de Software Contexto de Hardware Programa Espaço

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Gerenciamento de Memória no Linux O Linux é um sistema operacional com memória virtual paginada, isto quer dizer que

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Aula 27 - Agendamento de Tarefas (CRONTAB)

Aula 27 - Agendamento de Tarefas (CRONTAB) Aula 27 - Agendamento de Tarefas (CRONTAB) Juliana Camilo Inácio Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José juliana.camilo@ifsc.edu.br 14 de Outubro de 2013 Juliana (IFSC) Aula 27 - Agendamento

Leia mais

Objetivos Instalação Gerência de Pacotes UNIX Shell. Curso UNIX. Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira

Objetivos Instalação Gerência de Pacotes UNIX Shell. Curso UNIX. Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira Curso UNIX Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira Universidade Federal de Santa Catarina 25 de Setembro de 2010 CHAMADA Objetivos Instalação do sistema Ubuntu 10.04 Conhecer a origem do sistema

Leia mais

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais Aula 4 Comandos Básicos Linux Prof.: Roberto Franciscatto Prompt Ao iniciar o GNU/Linux, a primeira tarefa a ser executada é o login no sistema, o qual deve ser feito respondendo

Leia mais

Administração de Sistemas GNU/Linux

Administração de Sistemas GNU/Linux Administração de Sistemas GNU/Linux Sistema de Inicialização do Linux e os Runlevels GRACO - Gestores da Rede Acadêmica de Computação Instrutor: Ibirisol Fontes Ferreira Monitor:

Leia mais

Gerência de processos Requisitos fundamentais

Gerência de processos Requisitos fundamentais Requisitos fundamentais Implementar um modelo de processo. Implementar facilidades para criação e destruição de processos por usuários Alocar recursos a processos Intercalar a execução de um número de

Leia mais

Processos. Adão de Melo Neto

Processos. Adão de Melo Neto Processos Adão de Melo Neto 1 EXECUTE O SEGUINTE Baixa a aula dos dias 20 MAR 15 e 08 MAI 15 e salve no computador. Feche o browser Inicialize o vmware player e inicialize a máquina virtual ubuntu Inicialize

Leia mais

Administrando o sistema linux TCP/IP

Administrando o sistema linux TCP/IP TCP/IP Principais Ferramentas para Redes - ifconfig Configura Interfaces (ethernet, atm, tun, pppoe e etc.) Ex.: ifconfig eth0 192.168.0.10 netmask 255.255.255.0 ifconfig eth0 ifconfig eth0 up ifconfig

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06 Introdução Sistemas Embarcados Root File System Linux (kernel) é apenas uma parte de um sistema embarcado Preciso executa a inicialização do sistema e de aplicações Necessário montar o sistema de arquivos

Leia mais

Mini curso de GNU/Linux

Mini curso de GNU/Linux Rudson Ribeiro Alves Mestre em Física (Semi Condutores) Usuário Unix de 1991 1998 Usuário Slackware deste 1994 Professor da UVV deste 1998 Mini curso de GNU/Linux Noções básicas sobre GNU/Linux Plataforma

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

MANDRIVA CONECTIVA LINUX - ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E REDES

MANDRIVA CONECTIVA LINUX - ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E REDES www.lanuniversity.com.br MANDRIVA CONECTIVA LINUX - ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E REDES Preparatório para certificações Mandriva Systems Administrator, Mandriva Network Administrator, e exames do LPI Nível

Leia mais

Manual do System Monitor. Chris Schlaeger John Tapsell Chris Schlaeger Tobias Koenig Tradução: Marcus Gama

Manual do System Monitor. Chris Schlaeger John Tapsell Chris Schlaeger Tobias Koenig Tradução: Marcus Gama Chris Schlaeger John Tapsell Chris Schlaeger Tobias Koenig Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Usando o System Monitor 7 2.1 Iniciando........................................... 7 2.2 Tabela

Leia mais

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br O que é? Pra que serve? Onde se usa? Como funciona? O que é? Uma coleção de programas Inicia e usa do HW

Leia mais

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o Sistema Operacinal Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 2 Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 3 Criando um

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS COTAS DE DISCO. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS COTAS DE DISCO. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS Trabalhando com cotas Usando o Gerenciador de Recursos de Servidor de Arquivos para criar uma cota em um volume ou uma pasta, você pode limitar o espaço em disco

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Departamento de Ciência da Computação. Tópicos Especiais em Programação. 13/06/2012 Profª Valeria Menezes Bastos 1

UFRJ IM - DCC. Departamento de Ciência da Computação. Tópicos Especiais em Programação. 13/06/2012 Profª Valeria Menezes Bastos 1 UFRJ IM - DCC Departamento de Ciência da Computação Tópicos Especiais em Programação 13/06/2012 Profª Valeria Menezes Bastos 1 Utilizado na criação de cópias de segurança Backup (tar) Permite agrupar arquivos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 08 Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Introdução Conceitos já vistos em aulas anteriores: Definição de Sistemas Operacionais Funções: máquina virtual

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Objetivos: Laboratório 1 1. Entender o escalonamento de processos no Linux 2. Entender aspectos do uso de memória por processos

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

GNU/Linux Debian Servidor DNS

GNU/Linux Debian Servidor DNS GNU/Linux Debian Servidor DNS Neste tutorial, será apresentado a configuração do serviço de rede DNS (Domain Name System) utilizando o sistema operacional GNU/Linux, distribuição Debian 7.5. Antes de começamos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Módulo 1 - GERÊNCIA DE PROCESSOS Antes de abordarmos os temas específicos relacionados a Sistemas Operacionais Abertos é necessário revisarmos a teoria da disciplina Sistemas Operacionais, onde o Universitário

Leia mais

Instalação do Sistema. Treinamento OTRS Help Desk

Instalação do Sistema. Treinamento OTRS Help Desk Instalação do Sistema Treinamento OTRS Help Desk Sumário Instalação... 3 Recomendações...3 Requisitos de Instalação...5 Preparando a Instalação no CentOS 6.5 (64 bits)...5 Preparando a Instalação no Ubuntu

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

Procedimentos Operacionais Ambiente Microsoft Windows 2000 Server Máquina Smart02 ADM

Procedimentos Operacionais Ambiente Microsoft Windows 2000 Server Máquina Smart02 ADM Procedimentos Operacionais Ambiente Microsoft Windows 2000 Server Máquina Smart02 ADM Destinada para GSSOF A máquina Smart02 destina-se ao ambiente de produção do projeto SmartCard e garante a comunicação

Leia mais

Sumário. Introdução ao Universo Linux... 1. Parte I

Sumário. Introdução ao Universo Linux... 1. Parte I Sumário Introdução ao Universo Linux... 1 Conhecendo o Linux... 2 Sua História... 2 Conhecendo o Unix... 3 As Variações do Unix... 4 Parte I 1 O Manual de Referências... 9 1.1 Sintaxe do Manual On-line...11

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. George Gomes Cabral

SISTEMAS OPERACIONAIS. George Gomes Cabral SISTEMAS OPERACIONAIS George Gomes Cabral COMPONENTES GENÉRICOS DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL Hardware Recurso básicos (memória, dispositivos de E/S, CPU) Sistema operacional Controla e coordena o uso do

Leia mais

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA 1 - Em um determinado servidor Linux, a saída do comando "df" aponta 100% de uso no "/". Isso significa que a(o): a) rede atingiu sua capacidade máxima de recepção.

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows Documentação Symom de Monitoração na Plataforma Windows Windows Linux Windows Linux Plataforma Windows Instalação A instalação do de Monitoração do Symom para Windows é feita através do executável setup.exe

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

Manual de Comando Linux

Manual de Comando Linux Manual de Comando Linux 1 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Comandos Simples Linux... 3 Gerir Directórios e Ficheiros... 4 Gerir processos... 6 Estrutura de Diretórios do LINUX... 6 Executar comandos

Leia mais

OpenSSH WWW.LINUXCLASS.COM.BR

OpenSSH WWW.LINUXCLASS.COM.BR OpenSSH WWW.LINUXCLASS.COM.BR OpenSSH: Introdução: O projeto OpenSSH veio para substituir antigos métodos inseguros de comunicação e autenticação, podemos dizer que o OpenSSH é um substituto direto do

Leia mais

Máquina de estados UNIX O

Máquina de estados UNIX O Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Manual de instalação Priority HIPATH 1100 versão 7.0

Manual de instalação Priority HIPATH 1100 versão 7.0 Manual de instalação Priority HIPATH 1100 versão 7.0 2014 Innova Soluções Tecnológicas Este documento contém 28 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Novembro de 2014. Impresso

Leia mais

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Introdução O Agente Aranda para sistemas Linux se encarrega de coletar as seguintes informações em cada uma das estações de trabalho

Leia mais

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software Resumo até aqui Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma máquina estendida abstrações SO como um

Leia mais

GNU/Linux/Bash. Aula 2

GNU/Linux/Bash. Aula 2 GNU/Linux/Bash Aula 2 O que é? Ubuntu GNU Linux Ubuntu 12.04 Ubuntu é um sistema operacional baseado em Linux desenvolvido pela comunidade e é perfeito para notebooks, desktops e servidores. Ele contém

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais Não-Proprietários II

Administração de Sistemas Operacionais Não-Proprietários II Faculdade Senac Porto Alegre - FSPOA Administração de Sistemas Operacionais Não-Proprietários II UC: Administração de Redes Aula 01 1/15 Faculdade Senac Porto Alegre - FSPOA Revisão 2/15 Linux e Distribuições

Leia mais

Manual do KSystemLog. Nicolas Ternisien

Manual do KSystemLog. Nicolas Ternisien Nicolas Ternisien 2 Conteúdo 1 Usando o KSystemLog 5 1.1 Introdução.......................................... 5 1.1.1 O que é KSystemLog?............................... 5 1.1.2 Recursos.......................................

Leia mais

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Características do Software Urano Integra 2.2 Data: 12/05/2014

Leia mais

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.)

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.) Infra-Estrutura de Software Introdução (cont.) O que vimos Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como

Leia mais

Real Application Cluster (RAC)

Real Application Cluster (RAC) Real Application Cluster (RAC) Anderson Haertel Rodrigues OCE RAC 10g anderson.rodrigues@advancedit.com.br AdvancedIT S/A RAC? Oracle RAC é um banco de dados em cluster. Como assim? São vários servidores

Leia mais

Configure seu Linux pela Web! Instalação à partir de um.tar.gz. Autor: Carlos Eduardo Ribeiro de Melo Data: 05/10/2004

Configure seu Linux pela Web! Instalação à partir de um.tar.gz. Autor: Carlos Eduardo Ribeiro de Melo <eduardo at unisulma.edu.br> Data: 05/10/2004 1 de 6 27/3/2007 10:03 Configure seu Linux pela Web! Autor: Carlos Eduardo Ribeiro de Melo Data: 05/10/2004 Introdução O Webmin é um software de configuração de servidores

Leia mais

SOsim: Simulador para o Ensino de Sistemas Operacionais Guia de Utilização

SOsim: Simulador para o Ensino de Sistemas Operacionais Guia de Utilização SOsim: Simulador para o Ensino de Sistemas Operacionais Guia de Utilização Versão de janeiro de 2003 Luiz Paulo Maia 2 O objetivo deste documento é fornecer um guia de utilização prático e rápido do SOsim.

Leia mais

EAI Manual do Administrador

EAI Manual do Administrador EAI Manual do Administrador 1 Definição de Host Application O que é um Host Application? Significa Aplicativo Hospedeiro, é o nome dado ao ambiente EAI que estará executando no seu computador ou em um

Leia mais

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955 O que vimos Infraestrutura de Software Introdução (cont.) Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos Processos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Processos Programa em execução: processos do próprio sistema (SYSTEM no gerenciador de tarefas); processos do usuário; Sistemas multiprogramáveis: muitos

Leia mais

Monitoramento no Linux Avaliação de desempenho. Prof: Paulo Maciel

Monitoramento no Linux Avaliação de desempenho. Prof: Paulo Maciel <prmm@cin.ufpe.br Instrutor: Jamilson Dantas <jrd@cin.ufpe.br> Monitoramento no Linux Avaliação de desempenho Prof: Paulo Maciel

Leia mais

Sistemas Operacionais Conceitos Básicos

Sistemas Operacionais Conceitos Básicos 1. Sistema Computacional: HARDWARE + SOFTWARE. Sistemas Operacionais Conceitos Básicos Hardware: Principais elementos de hardware de um Sistema Computacional: Processador Memória principal Dispositivos

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Planeamento. Introdução ao Sistema Operativo UNIX. Java: Ferramentas, Entradas/Saídas, Excepções. Threads e Semáforos. Problemas de Sincronização

Planeamento. Introdução ao Sistema Operativo UNIX. Java: Ferramentas, Entradas/Saídas, Excepções. Threads e Semáforos. Problemas de Sincronização Planeamento Introdução ao Sistema Operativo UNIX Java: Ferramentas, Entradas/Saídas, Excepções Threads e Semáforos Problemas de Sincronização Jantar dos Filósofos, Leitores/Escritores,... Sockets Stream

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Computadores. Super Servidor (Xinetd) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes

Tópicos Especiais em Redes de Computadores. Super Servidor (Xinetd) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Tópicos Especiais em Redes de Computadores Super Servidor (Xinetd) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Roteiro Objetivos Instalação (projeto) Definições e Características Vantagens Possíveis Desconfortos

Leia mais

Gerenciamento do Processo de Inicialização do Linux

Gerenciamento do Processo de Inicialização do Linux Gerenciamento do Processo de Inicialização do Linux Material desenvolvido por Rafael Fernando Diorio Última revisão em 04/08/2013 www.diorio.com.br rafael@diorio.com.br Tópicos Inicialização do sistema

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Introdução Multiprogramação Permite a execução de diversos processos concorrentemente Maior

Leia mais

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL.

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL. Nome do Software: Gerenciador de Projetos Versão do Software: Gerenciador de Projetos 1.0.0 1. Visão Geral Este Manual de Utilização do Programa Gerenciador de Projetos via Web, tem por finalidade facilitar

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Gerência de processos Estudos de caso - BSD Unix

Gerência de processos Estudos de caso - BSD Unix Gerência de processos Estudos de caso - BSD Unix Escalonamento preemptivo com prioridades dinâmicas Prioridades entre 0 e 127 0 a 49 kernel 50 a 127 usuário 32 filas de pronto Processos executando em modo

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Para testar se as variáveis foram carregadas, utilize o comando #export

Para testar se as variáveis foram carregadas, utilize o comando #export Configurando Proxy Debian Abra o arquivo /etc/profile: #nano /etc/profile No final do arquivo, adicione as seguintes linhas: export http_proxy=http://172.16.3.1:3128 export https_proxy=http://172.16.3.1:3128

Leia mais

Instalação do PHP no Linux

Instalação do PHP no Linux Instalação do PHP no Linux O código PHP está embutido diretamente nos documentos XHTML, embora esses segmentos de script sejam interpretados pelo servidor antes de serem entregues para o cliente, o que

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

Padrão ix. Manual do Usuário Q-Ware Command Processor

Padrão ix. Manual do Usuário Q-Ware Command Processor Padrão ix Manual do Usuário Q-Ware Command Processor Copyright 2000-2008 Padrão ix Sistemas Abertos. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste manual estão sujeitas a alteração sem aviso

Leia mais