7 Processos. 7.1 Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "7 Processos. 7.1 Introdução"

Transcrição

1 1 7 Processos 7.1 Introdução O conceito de processo é a base para a implementação de um sistema multiprogramável. O processador é projetado apenas para executar instruções, não se importando com qual programa esteja em execução ou qual o seu conteúdo. O sistema operacional por sua vez, é o responsável por gerenciar qual programa esta em execução e é, também, o responsável por controlar o uso concorrente do processador. A gerência de processos é uma das principais funções do sistema operacional. Através dos processos, um programa pode alocar recursos, compartilhar dados, trocar informações, etc. Nos sistemas multiprogramáveis, os processos são executados concorrentemente, compartilhando o uso do processador, da memória principal e os dispositivos de Entrada/Saída. Nos sistemas com múltiplos processadores ou com vários núcleos, além da execução de processos concorrentemente ocorre também a execução simultânea de processos nos diversos processadores do sistema. Figura 7.1 Gerenciador de Processos do Windows

2 2 7.2 Estrutura do Processo Um processo pode ser entendido como um programa que esta em execução. Em sistemas multiusuário, cada usuário é associado a um processo. O processador executa o programa do usuário em um determinado intervalo de tempo e, no instante seguinte, poderá executar outro programa, de outro usuário. Um processo também pode ser definido como o ambiente onde o programa é executado. Este ambiente, além das informações pertinentes a execução do programa, possui também informações relativas aos recursos que o programa pode utilizar como espaço de endereçamento, uso do processador, área em disco, etc. Se um programa necessitar utilizar uma área em disco superior ao seu limite estipulado, o sistema operacional interrompe a execução do programa por falta de recursos. Um processo é formado por três partes, conhecidas como contexto de hardware, contexto de software e espaço de endereçamento, que juntas mantêm as informações necessárias à execução de um programa. Figura 7.2 Contexto do processo

3 Contexto de Hardware O contexto de hardware armazena o conteúdo dos registradores gerais da CPU, além dos registradores de uso específico, como o program counter(pc), o stack point(sp) e o registrador de status. Quando um processo esta em execução, o seu contexto de hardware está armazenado nos registradores da CPU. No momento em que ocorre a troca de processo, o sistema salva as informações do contexto de hardware do processo. Para que a troca de programas ocorra sem problemas, é necessário que todas as informações do programa interrompido sejam armazenadas para que, quando o programa retorne a execução possa continuar exatamente de onde parou. A troca de um processo por outro, comandada pelo sistema operacional, é denominada mudança de contexto. A mudança de contexto consiste em salvar o conteúdo dos registradores do processo que esta deixando a CPU para carregá-los com os valores referentes ao do novo processo que será executado. Essa operação consiste em trocar um contexto de hardware de um processo por outro. Figura 7.3 Contexto de Hardware

4 Contexto de Software No contexto de software são especificados características e limites de recursos que podem ser alocados pelo processo, como o número máximo de arquivos abertos simultaneamente, prioridade de execução e tamanho do buffer. Muitas destas características são determinadas no momento da criação do processo, enquanto outras podem ser alteradas durante a execução. O contexto de software é composto por três grupos de informações sobre o processo: identificação, quotas e privilégios. - Identificação Cada processo criado pelo sistema recebe uma identificação única, chamada PID (Process Identification) que é representada por um número. Através deste número, o sistema operacional e outros processos podem fazer referência a qualquer processo em execução. Alguns sistemas identificam o processo por nome também. Os processos também possuem a identificação do usuário ou processo que o criou (owner ou proprietário/dono do processo). Cada usuário possui uma identificação chamada UID User Identificafion, que é única e é atribuída no momento da criação do usuário. Figura 7.4 Exemplo de PID ( comando TOP S.O. FreeBSD )

5 5 - Quota As quotas são os limites de cada recurso do sistema que um processo pode alocar. Caso o processo ultrapasse a quota estipulada ou essa quota seja insuficiente, a execução do processo pode se tornar lenta, ou mesmo ser interrompida ou ainda, nem chega a ser executado. Alguns exemplos de quota: - número máximo de arquivos abertos simultaneamente; - tamanho máximo de memória principal e secundária que o processo pode alocar; - tamanho máximo do buffer para operações de E/S; - número máximo de processos, subprocessos que podem ser criados. - Privilégios Os privilégios ou direitos definem as ações que um processo pode fazer em relação a ele mesmo, a outros processos e ao sistema operacional. Privilégios que afetam o próprio processo permitem que suas características possam ser alteradas, como prioridade de execução. Já os privilégios que afetam os demais processos permitem, além da alteração de suas próprias características, permitem alterar os outros processos. Privilégios que afetem o sistema são mais amplos e poderosos, pois estão relacionados à operação e gerencia do ambiente, como a desativação do sistema, criação de outros processos privilegiados. Os sistemas operacionais modernos têm uma conta de acesso que possui estes privilégios. Esta conta existe com o propósito de administrar o sistema. Nos sistemas Unix/Linux existe a conta de usuário root, nos sistemas da Microsoft Windows, a conta administrador (administrator, nos Windows em inglês) é usada para este propósito Espaço de Endereçamento O espaço de endereçamento é a área de memória pertencente ao processo onde as instruções e os dados do programa são armazenados para

6 6 execução. Cada processo possui seu próprio espaço de endereçamento, que deve ser devidamente protegido dos demais processos. Figura 7.5 Contexto do processo detalhado Bloco de Controle do Processo O processo é implementado pelo sistema operacional através de uma estrutura de dados chamada bloco de controle de processo (Process Control Block - PCB). A partir desta estrutura, o sistema operacional mantém todas as informações sobre o contexto de hardware, contexto de software e espaço de endereçamento.

7 7 Figura 7.6 PCB ( Process Control Block Bloco de Controle de Processo ) Os PCBs de todos os processos residem na memória principal em uma área exclusiva do sistema operacional. O tamanho desta área é limitado por um parâmetro do sistema operacional que especifica o número máximo de processos que o sistema suporta simultaneamente. Toda gerência de processos é feita através de system calls, que realizam operações como criação, alteração de características, visualização, eliminação de processos, etc. 7.3 Estados do Processo Em um sistema multiprogramável, os processos passam por diferentes estados ao longo do seu processamento, seja em função de eventos gerados pelo sistema operacional, seja pelo próprio processo. Um processo ativo pode ter três estados diferentes: - Execução (running) Um processo está no estado de execução quando está sendo processado efetivamente pela CPU, ou seja, utilizando o processador. Em sistemas com um único processador, somente um processo pode estar em estado de execução em um dado instante. Em sistemas com mais de uma CPU

8 8 ou com CPU com mais de um núcleo, o número de processos que pode estar em estado de execução ao mesmo tempo é igual ao número de processadores existentes. Neste tipo de sistema, também é possível que um mesmo processo esteja sendo executado em mais de um processador ao mesmo tempo. - Pronto (ready) Um processo está no estado de pronto quando aguarda para ser executado. O sistema operacional é o responsável por determinar a ordem e os critérios pelos quais os processos em estado de pronto devem fazer uso do processador. Podem existir diversos processos em estado de pronto aguardando para serem executados. Estes processos são organizados em uma lista encadeada e são ordenados pela sua importância, permitindo que os processos com prioridade mais alta sejam executados primeiro. - Espera (wait) Um processo no estado de espera aguarda por algum evento externo ou por algum recurso para continuar sua execução, como por exemplo, aguardando alguma operação de entrada/saída. Os processos no estado de espera também são organizados em uma lista encadeada e, assim que o evento esperado aconteça, o processo que aguardava o evento é então transferido para o estado de pronto.

9 9 7.4 Mudanças de Estado do Processo Figura 7.7 Mudança de estado do processo Um processo muda de estado durante a sua execução em função de eventos voluntários, que são gerados pelo próprio processo, ou por eventos involuntários, que são gerados pelo sistema operacional. Existem quatro mudanças de estado que podem ocorrer a um processo, são elas: - Pronto Execução Quando um processo é criado, o sistema operacional coloca o processo em uma lista de processos no estado de pronto, então o sistema operacional se encarrega de colocar o processo em estado de execução. - Execução Espera Um processo no estado de execução passa para o estado de espera por eventos gerados por ele próprio, como a gravação de um arquivo em disco, ou por eventos externos, quando o sistema operacional suspende a execução do processo para colocar outro no seu lugar.

10 10 - Espera Pronto Um processo no estado de espera para passa para o estado de pronto quando a operação solicitada é atendida ou o recurso esperado é concedido. Um processo no estado de espera sempre terá que passar pelo estado de pronto antes de ir para o estado de execução. - Execução Pronto Um processo no estado de execução volta para o estado de pronto por eventos gerados pelo sistema operacional, como o término do seu time-slice. Neste caso, o processo não precisa ir para o estado de espera, e sim, volta direto para o estado de pronto, onde ele entra na lista para ser executado novamente. Um processo no estado de espera ou de pronto pode não estar na memória principal. Isto ocorre quando não há espaço suficiente para todos os processos na memória principal e parte do contexto do processo é gravada na memória secundária. Está técnica é chamada de swrapping, que consiste em retirar os processos da memória principal e coloca-los de volta seguindo os critérios de cada sistema operacional. Figura 7.8 Mudança de estado, residente para não-residente na memória

11 Criação e Eliminação de Processos Processos são criados e eliminados por motivos diversos. A criação de um processo ocorre a partir do momento em que o sistema operacional adiciona um novo PCB à sua estrutura e aloca um espaço de endereçamento na memória para uso. A partir da criação do PCB, o sistema operacional já reconhece a existência de um processo. No caso da eliminação de um processo, todos os recursos associados ao processo são desalocados e o PCB eliminado pelo sistema operacional. A maioria dos sistemas operacionais estabelece dois estados adicionais para os momentos de criação e eliminação de um processo. - Criação (new) Um processo é dito no estado de criação quando o sistema operacional já criou um novo PCB, porém ainda não pode colocá-lo na lista de processos no estado de pronto. A criação de processos pode ocorrer por diferentes razões: - logon: um processo é criado através de um estabelecimento de uma sessão de um usuário; - criação por outro processo: um processo já existente pode criar outros processos; - criação pelo sistema operacional: o sistema operacional pode criar novos processos com o intuito de oferecer algum tipo de serviço; - abertura de um aplicativo por parte do usuário. - Término (exit) Um processo no estado de termino não pode ter mais nenhum programa em execução no seu contexto, porém o sistema operacional ainda mantém suas informações de controle presentes na memória. Um processo neste estado não é mais considerado ativo, mas como o PCB ainda existe, o sistema

12 12 operacional pode recuperar informações referentes ao processo e após extrair estas informações o processo pode deixar de existir. O término do processo pode ocorrer por razões como: - término normal da execução; - eliminação por outro processo; - eliminação forçada; Figura 7.9 Criação e Eliminação de processo 7.6 Subprocessos Processos independentes, subprocessos e threads são maneiras diferentes de implementar a concorrência dentro de uma mesma aplicação. Neste caso, busca-se subdividir o código em partes para trabalharem de forma cooperativa. Subprocessos são processos criados dentro de uma estrutura hierárquica. Neste modo, o processo criador é chamado de processo pai e o subprocesso criado é chamado de processo filho. Os subprocessos podem criar novos subprocessos e assim por diante. Outra característica é a dependência existente entre o processo pai e o processo filho, quando o processo pai deixa de existir, todos os processos filhos também são eliminados automaticamente. Além desta característica, o processo pai pode compartilhar suas quotas com os processos filhos, assim, quando um subprocesso é criado, o processo pai cede parte de suas quotas para o processo filho.

13 13 Figura 7.11 Processos Pai e Filhos 7.7 Processos Foreground e Background Todo processo possui pelo menos dois canais, sendo um de entrada (input) e outro de saída (output). Estes canais podem ser teclados, mouse, monitor, impressora, etc. Um processo foreground é aquele que permite a comunicação direta entre o usuário e o processo durante o processamento. Os canais de entrada e saída estão associados a dispositivos interativos. Um processo background é aquele onde não existe a comunicação com o usuário durante o seu processamento. Neste caso, os canais de entrada/saída não estão associados a dispositivos interativos como teclado e monitor. Existe uma técnica onde é possível associar o canal de saída de um processo com o canal de entrada de outro, esta técnica é chamada pipe, e ela faz a ligação entre os processos.

14 14 Figura 7.11 Pipe Na figura a seguir vemos um exemplo de um pipe via linha de comando no sistema operacional FreeBSD. Figura 7.12 Exemplo de Pipe por linha de comando 7.8 Processos do Sistema Operacional Processos do sistema operacional são alguns processos especiais que tem como função básica oferecer alguns serviços, seja ao próprio sistema operacional ou a aplicações dos usuários. Alguns exemplos destes processos são:

15 15 - auditoria e segurança; - serviços de rede; - contabilização do uso de recursos; - gerencia de impressão; - gerencia de jobs; - comunicação de eventos; - interpretador de comandos (shell). Podemos ver na figura a seguir alguns exemplos de processos do sistema operacional tanto do Windows como Linux. No Windows, os mais comuns são o Explorer.exe, system, services.exe. No Linux, o processo init é o mais conhecido. Figura 7.13 Processos do sistema operacional 7.9 Processos CPU-Bound e I/O-Bound Os processos são classificados de acordo com o modo como utilizam o processador e os dispositivos de Entrada/Saída. Um processo é chamado de CPU-Bound quando passa a maior parte do tempo em estado de execução, ou seja, passa a maior parte do tempo utilizando o processador. Este tipo de processo realiza poucas operações de entrada/saída e é bastante encontrado em aplicações cientificas onde são realizados muitos cálculos.

16 16 Um processo é chamado de I/O-Bound quando passa a maior parte do tempo no estado de espera e realiza um grande número de operações de leitura/gravação. Este tipo de processo é encontrado em aplicações comerciais, como sistemas de gestão, que se baseiam em leitura, processamento e gravação. Figura 7.14 Processo CPU-bound x Processo I/O-bound 7.10 Sinais Sinais são mecanismos que permitem notificar processos de eventos gerados pelo sistema operacional ou por outros processos. O uso de sinais é fundamental para a gerência de processos, alem de possibilitar a comunicação e a sincronização entre processos. A maior parte dos eventos associados a sinais é gerada pelo sistema operacional ou pelo hardware, como a ocorrência de interrupções e exceções. Em outras situações, os eventos são gerados a partir de outros processos com o propósito de sincronizar suas execuções. A geração de um sinal ocorre quando o sistema operacional, a partir da ocorrência de algum evento, notifica o processo através de bits de sinalização, localizados no PCB. Um processo não responde instantaneamente a um sinal, ou seja, os sinais ficam pendentes até que o processo esteja em modo de execução. O tratamento dos sinais é semelhante ao mecanismo de tratamento de interrupções e exceções, deste modo, quando um sinal é gerado, o contexto do processo é salvo e a execução é desviada para um código de tratamento de sinal (signal handler), geralmente feito pelo kernel do sistema operacional.

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado / Luiz Paulo Maia Processo Profº Antonio Carlos dos S. Souza Estrutura do Processo Contexto de Software Contexto de Hardware Programa Espaço

Leia mais

Sistemas Operacionais Conceitos Básicos

Sistemas Operacionais Conceitos Básicos 1. Sistema Computacional: HARDWARE + SOFTWARE. Sistemas Operacionais Conceitos Básicos Hardware: Principais elementos de hardware de um Sistema Computacional: Processador Memória principal Dispositivos

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos Processos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Processos Programa em execução: processos do próprio sistema (SYSTEM no gerenciador de tarefas); processos do usuário; Sistemas multiprogramáveis: muitos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 08 Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Introdução Conceitos já vistos em aulas anteriores: Definição de Sistemas Operacionais Funções: máquina virtual

Leia mais

Processos. Adão de Melo Neto

Processos. Adão de Melo Neto Processos Adão de Melo Neto 1 EXECUTE O SEGUINTE Baixa a aula dos dias 20 MAR 15 e 08 MAI 15 e salve no computador. Feche o browser Inicialize o vmware player e inicialize a máquina virtual ubuntu Inicialize

Leia mais

TI Básico. Sistemas Operacionais. Professor: Ricardo Quintão e-mail: rgquintao@gmail.com Site: www.rgquintao.com.br

TI Básico. Sistemas Operacionais. Professor: Ricardo Quintão e-mail: rgquintao@gmail.com Site: www.rgquintao.com.br TI Básico Sistemas Operacionais Professor: Ricardo Quintão e-mail: rgquintao@gmail.com Site: www.rgquintao.com.br Objetivos dos Sistemas Operacionais Esconder a Complexidade do Hardware. Devido a grande

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Faculdade Pitágoras - Segundo semestre de 2012 Professor Ugo Caputo ugo.caputo@pitagoras.com.br Programa em execução - processos do próprio sistema (SYSTEM no gerenciador

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistemas Operacionais Conteúdo retirado de: SOsim: SIMULADOR PARA O ENSINO DE SISTEMAS OPERACIONAIS Luiz Paulo Maia

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Sabaris Carballo Pinto Gerencia de Processos 4.1 Introdução aos Processos Gerenciamento de Processos Processo -Definição: É uma abstração do sistema

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

PROCESSOS. Prof. Maicon A. Sartin mapsartin@gmail.com

PROCESSOS. Prof. Maicon A. Sartin mapsartin@gmail.com PROCESSOS Prof. Maicon A. Sartin mapsartin@gmail.com Cenários em Sistemas Multitarefas Um usuário pode executar diversas atividades simultâneas Música Editoração de texto Navegar na Internet Servidor pode

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/25 Roteiro Estrutura de um sistema operacional Interrupções Proteção do núcleo Níveis de privilégio Chamadas de sistema 2/25 Mono-processadores atuais seguem um

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Processos. Edeyson Andrade Gomes. edeyson@uol.com.br

Sistemas Operacionais. Processos. Edeyson Andrade Gomes. edeyson@uol.com.br Sistemas Operacionais Processos Edeyson Andrade Gomes edeyson@uol.com.br Roteiro da Aula Conceitos Estados do Processo Controle de Processo Escalonamento Criação e Término de Processos 2 Definição Processo

Leia mais

Tipos de sistemas operacionais

Tipos de sistemas operacionais Tipos de sistemas operacionais Sistemas Operacionais de Computadores de Grande Porte Sistemas Operacionais para Servidores Sistemas Operacionais de Multiprocessadores Sistemas Operacionais para Computadores

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Diagrama de Estados de Processos. Estados de Processo

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Diagrama de Estados de Processos. Estados de Processo Módulo 4: Processos Conceito de Processo Conceito de Processo Escalonamento de Processos Operações com Processos Processos Cooperativos Comunicação entre Processos Um sistema operacional executa uma variedade

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.1 Introdução Tipos de Sistemas Operacionais Sistemas Monoprogramáveis / Monotarefa Voltados tipicamente para a execução de um único programa.

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC Prof. Almeida Jr Processos Conceitos Básicos Nomes Tipos Batch: jobs CPU-bound T.Sharing: Tarefas/Processos

Leia mais

Ciclo de Vida de um Processo

Ciclo de Vida de um Processo Nas aulas anteriores Ciclo de Vida de um Processo Marcelo Johann Conceito de Processo Mecanismo de Programação em C/UNIX Continuando Interrupções TRAP Chaveamento de Contexto Chamadas de Sistema INF01142

Leia mais

P5 P3. interrupçãocorrespondente. Sistemas Operacionais 2008/1 Profa. Patricia D. CostaLPRM/DI/UFES 3 Sistemas Operacionais 2008/1

P5 P3. interrupçãocorrespondente. Sistemas Operacionais 2008/1 Profa. Patricia D. CostaLPRM/DI/UFES 3 Sistemas Operacionais 2008/1 Conceitos Processos Básicos (Aula 4) Profa. É Provoca Constitui Mecanismo Patricia informa evento controle, a multiprogramação. Ex: rotina um a base de Interrupção de um (1) sistema de D. CostaLPRM/DI/UFES

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Chamadas de Sistema e Processo

Chamadas de Sistema e Processo Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Chamadas de Sistema e Processo Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Modos de Acesso ao S.O.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 4 Tipos de SO Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Os Sistemas Operacionais podem ser assim classificados: SO - Prof. Edilberto Silva

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 04 - Concorrência Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC, 2007. Mono x Multiprogramação

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

Sistemas Operacionais. Estruturas de SO. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Operacionais. Estruturas de SO. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Operacionais Estruturas de SO Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Estrutura do SO Chamadas ao Sistema Sistemas Monolíticos Sistemas em Camadas Sistemas Cliente-Servidor 2

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Chamadas de Sistema e Processo

Chamadas de Sistema e Processo Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Chamadas de Sistema e Processo Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Modos de Acesso ao S.O.

Leia mais

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco AULA 04 - Estruturas Sistemas Computacionais Nosso objetivo é apenas revisar conceitos relacionados a estrutura geral um sistema computacional para pois explicarmos os talhes operação do sistema e como

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Sistema Operacional (S.O.) Aplicativos Formado por um conjunto de rotinas que oferecem serviços aos usuários, às aplicações

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID PROCESSOS Um processo é um canal de comunicação entre os programas que estão sendo executados no sistema operacional e o usuário, ou seja um processo é um programa que está sendo executado. No Linux /

Leia mais

Mecanismo de Interrupção

Mecanismo de Interrupção Mecanismo de Interrupção Paralelismo de Operação Num sistema multiprogramado a CPU está sempre apta a compartilhar o seu tempo entre os vários programas e os diferentes dispositivos periféricos que necessitam

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Tópico 4 Estrutura do Sistema Operacional Prof. Rafael Gross prof.rafaelgross@fatec.sp.gov.br FUNÇÕES DO NUCLEO As principais funções do núcleo encontradas na maioria dos sistemas

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

S.O.: Conceitos Básicos

S.O.: Conceitos Básicos S.O.: Conceitos Básicos Camada de software localizada entre o hardware e os programas que executam tarefas para o usuário; Acessa os periféricos Entrada e Saída Esconde os detalhes do hardware para o programador

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

Processos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Processos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Processos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves 1 Conceito de Multiprogramação Se existirem vários programas carregados na memória ao mesmo tempo, a CPU pode

Leia mais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais 2. Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? 1 Compilador 2 Editor de texto 3 Browser Aplicativos... Sistema Operacional (infraestrutura) Hardware n Quake No passado, a eficiência

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 03 Tipos de Sistemas Operacionais Maxwell Anderson Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Tipos de Sistemas Operacionais Os tipos de sistemas operacionais e a sua

Leia mais

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos Módulo 4: Processos Conceito de Processo Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos 4.1 Conceito de Processo Um Sistema Operacional executa uma

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille e da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Tipos de Sistemas Operacionais Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão relacionados diretamente com a evolução do hardware e das

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS GERÊNCIA DE TAREFAS

SISTEMAS OPERACIONAIS GERÊNCIA DE TAREFAS SISTEMAS OPERACIONAIS GERÊNCIA DE TAREFAS 2012 1/11 Conteúdo INTRODUÇÃO...3 OS CONCEITOS...3 ESTADOS E ESTÍMULOS DAS TAREFAS...4 O AGENDAMENTO DE TAREFAS...8 ALGORITMOS DE AGENDAMENTO...8 ALGORITMO FCFS

Leia mais

Sistemas Operacionais. Introdução

Sistemas Operacionais. Introdução Sistemas Operacionais Prof. Fernando Freitas Introdução O que é um sistema operacional História dos sistemas operacionais Tipos de sistemas operacionais Conceitos sobre sistemas operacionais Chamadas de

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software Resumo até aqui Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma máquina estendida abstrações SO como um

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

Máquina de estados UNIX O

Máquina de estados UNIX O Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais 3 a Edição Versão: 3. (Jan/) Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Soluções dos Exercícios - Autores LTC Soluções de Exercícios Autores Versão 3. (Jan/4) Capítulo

Leia mais

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br O que é? Pra que serve? Onde se usa? Como funciona? O que é? Uma coleção de programas Inicia e usa do HW

Leia mais

Sistemas Operacionais - Prof. Fabricio Alessi Steinmacher - email:fsteinmacher@gmail.com OBJETIVOS OPERACIONAIS. fsteinmacher@gmail.

Sistemas Operacionais - Prof. Fabricio Alessi Steinmacher - email:fsteinmacher@gmail.com OBJETIVOS OPERACIONAIS. fsteinmacher@gmail. SISTEMAS Introdução a Sistemas Operacionais Prof. Fabricio Alessi Steinmacher - email: OBJETIVOS Identificar as funções e os componentes de um Sistema Operacional; Diferenciar os tipos de Sistemas Operacionais

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais. Computador = hardware + software. Como é formado o meu computador? E como estes componentes se comunicam?

Introdução aos Sistemas Operacionais. Computador = hardware + software. Como é formado o meu computador? E como estes componentes se comunicam? Como é formado o meu computador? Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Mouse Teclado Monitor Placa de vídeo

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 5 Estrutura de Sistemas de Computação Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Introdução Multiprogramação Permite a execução de diversos processos concorrentemente Maior

Leia mais

SO: Gerenciamento de Processos

SO: Gerenciamento de Processos SO: Gerenciamento de Processos Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 10/8/2015 O que é um processo Um processo é um programa (código objeto armazenado em alguma mídia) em. O que é um processo Um processo

Leia mais

SO Sistemas Operacionais

SO Sistemas Operacionais GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO A ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA SO Sistemas Operacionais Curso de Informática ETE REPÚBLICA - Rua Clarimundo de Melo, 847, Quintino

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Módulo 1 - GERÊNCIA DE PROCESSOS Antes de abordarmos os temas específicos relacionados a Sistemas Operacionais Abertos é necessário revisarmos a teoria da disciplina Sistemas Operacionais, onde o Universitário

Leia mais

Sistemas Operacionais valnaide@dca.ufrn.br kliger@dca.ufrn.br affonso@dca.ufrn.br

Sistemas Operacionais valnaide@dca.ufrn.br kliger@dca.ufrn.br affonso@dca.ufrn.br Sistemas Operacionais valnaide@dca.ufrn.br kliger@dca.ufrn.br affonso@dca.ufrn.br INTRODUÇÃO O que é um sistema operacional? História dos sistemas operacionais Conceitos dos Sistemas Operacionais Estrutura

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin BÁSICO DE COMPUTAÇÃO EM TC

Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin BÁSICO DE COMPUTAÇÃO EM TC BÁSICO DE COMPUTAÇÃO EM TC Definições O computador digital é uma máquina capaz de receber informações, processá-las e devolver resultados. Estes resultados podem ser mostrados em um monitor, armazenados,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência do Processador

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência do Processador Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência do Processador A partir do momento em que diversos processos podem

Leia mais

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1 Entrada e Saída Interface entre periféricos, processador e memória Fonte: Minho - Portugal 1 Ligação Processador/Memória - Periférico Processador Memória Controlo Dados Controlador Fonte: Minho - Portugal

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais BCC264 Sistemas Operacionais Estruturas de Sistemas Computacionais Prof. Charles Garrocho Arquitetura geral de Sistemas de Computação atuais Operação de sistemas de computação CPU e dispositivos de E/S

Leia mais

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Sistemas Operacionais Carga horária total:

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.)

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.) Infra-Estrutura de Software Introdução (cont.) O que vimos Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955 O que vimos Infraestrutura de Software Introdução (cont.) Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma

Leia mais

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Mas afinal, para que serve um sistema operacional? Gerenciando o hardware (--

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Mas afinal, para que serve um sistema operacional? Gerenciando o hardware (-- O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores e Software Básico Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Tudo o que já vimos antes... Visão interna

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SINCRONIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 07, PÁGINA 101 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional sistemas multiprogramáveis Os sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais