Objetivo Metodologia Figura 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Objetivo Metodologia Figura 1"

Transcrição

1 TRILHA INTERPRETATIVA ELABORADA PELO PET- FLORESTA COMO FERRAMENTA PARA ATIVIDADES EXTENSIONISTAS E DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO INSTITUTO DE FLORESTAS (IF/UFRRJ) ALMEIDA, R.B.¹, BARROS, L.A.,¹ CHAGAS, M.C.¹, CONTO, T.¹, SANTANA, M.F.¹, SANTOS, F.R.¹, SANTOS, J.F.C.¹, SILVA, C.E.S.¹, CARVALHO, A.M.² (1) Bolsista do grupo PET-Floresta/UFRRJ, (2) Tutor do grupo PET-Floresta/UFRRJ, Introdução As trilhas interpretativas guiadas ou auto-guiadas são recomendadas e utilizadas em interpretação ambiental por oferecerem oportunidades de um contato direto com o ambiente natural, direcionado ao aprendizado e à sensibilização. Atualmente estão muito presentes em programas educativos para uso público, permitindo o desenvolvimento de atividades de educação ambiental em âmbito formal e informal, deste modo vem possibilitando ótimas oportunidades de inclusão de alunos e da comunidade. Visando contribuir para o maior conhecimento da fauna e flora do município onde fica localizado o maior campus da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (Seropédica/RJ), o grupo PET-Floresta, formado em 2010, e vinculado ao curso de Engenharia Florestal, elaborou no final do ano de 2011 uma trilha que atravessa o fragmento de floresta do campus, mas precisamente no Instituto de Florestas. A implantação de trilhas contribui para um melhor relacionamento da população local com os recursos naturais da sua região tomando conhecimento de sua importância através de programas de educação ambiental. Segundo Vasconcelos (1997), cada vez mais trilhas interpretativas vem sendo utilizadas em educação ambiental, pois sensibiliza e proporciona novos conhecimentos cognitivos relacionados ao meio ambiente que podem formar novos valores e promover mudanças de comportamento.

2 Objetivo A confecção da trilha teve como objetivo integrar alunos da própria universidade e de colégios municipais da redondeza para a realização de atividades de educação ambiental mais dinâmicas, permitindo uma maior aproximação destes com os elementos da natureza e com temáticas relacionadas ao curso de Engenharia Florestal. Além de buscar também a constituição de uma base suficientemente sólida relacionando pesquisa, ensino e extensão para o eficiente desenvolvimento da dimensão educativa inclusiva, pretendendo articular a experiência adquirida em pesquisas e estudos com um planejamento sócio-político que tenha relação com as necessidades do local onde se encontra. Metodologia O presente trabalho foi desenvolvido num fragmento florestal situado no Instituto de Florestas na UFRRJ, Campus de Seropédica. A trilha foi elaborada e montada através da cooperação de membros do PET-Floresta com alunos da graduação em Engenharia Florestal com experiência na área de dendrologia. A trilha foi delimitada utilizando trena e demarcada com os próprios resíduos do fragmento (troncos e ramos). Algumas árvores que mais se destacavam no fragmento foram caracterizadas e identificadas com placas (Figura 1). Além das árvores, um perfil de solo existente no local foi analisado e incorporado à trilha. No dia 9 de Janeiro de 2013, alunos ingressos no curso de Engenharia Florestal participaram da trilha interpretativa onde dois integrantes do PET- Floresta discursaram sobre as espécies arbóreas identificadas, sobre as questões ecológicas e uma introdução aos aspectos pedológicos através da avaliação do perfil do solo.

3 Figura 1. Identificação de espécies florestais como meio de interação com os visitantes da trilha. Resultados e discussão Dentro deste contexto caracterizou-se a trilha interpretativa do IF visando colaborar na abordagem e vivência de conceitos ambientais para comunidade. Os resultados encontrados são compatíveis com os objetivos propostos para implantação de trilhas interpretativas, que devem possuir elementos que despertem a atenção do usuário (HAN, 1992). Com os trabalhos desenvolvidos por meio das trilhas ecológicas interpretativas percebeu-se uma maior interação dos alunos com a natureza (Figura 2), por meio da percepção de detalhes não vistos e abordados em ações normais de visitas à floresta, motivando o participante a usar sua criatividade e provocar atitudes capazes de, na prática, desenvolver uma consciência mais voltada à conservação do ambiente.

4 Figura 2. Início da trilha com os alunos de Engenharia Florestal da UFRRJ. Conclusão A função principal da confecção da trilha foi desenvolver nos alunos as noções básicas da educação ambiental, sendo possível assim fornecer aos alunos a possibilidade de adquirir consciência do seu meio ambiente e adquirirem conhecimentos, valores, habilidades, experiências e determinação que possam torna-lós aptos a agir e resolver problemas ambientais, presentes e futuros. Deve-se primar pela formação de pessoas conscientes de seu papel e de sua relação com o meio ambiente, entenderem aspectos da sustentabilidade, através do uso racional dos recursos naturais, para que tanto esta quanto às futuras gerações possam, também, deles usufruir.

5 Referências HAM, S. H. Interpretacion Ambiental: Uma Guia Practica para Gente com Grandes Ideas y Pressupuestos Pequenos. North. Am. Press; Colorado USA p. CARVALHO, J.; BÓÇON, R.; Planejamento do Traçado de uma Trilha Interpretativa Através da Caracterização Florística. Revista Floresta. Volume 34: 23 24, VASCONCELOS, J. Trilhas interpretativas: Aliado Educação e Recreação. I Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. Anais , 1997.

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Arquitetura e Urbanismo Campus: Niterói Missão Formar o arquiteto e urbanista capaz de atuar no planejamento de espaços internos e externos, traduzindo as necessidades

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A FOTOGRAFIA E A PERCEPÇÃO AMBIENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PIBID/CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Relato de Experiência

A RELAÇÃO ENTRE A FOTOGRAFIA E A PERCEPÇÃO AMBIENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PIBID/CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Relato de Experiência A RELAÇÃO ENTRE A FOTOGRAFIA E A PERCEPÇÃO AMBIENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PIBID/CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Relato de Experiência Fernando Lourenço Pereira Cristiane Monteiro dos Santos 2 Ana Carolina

Leia mais

ÁREA: Turismo e meio ambiente

ÁREA: Turismo e meio ambiente ÁREA: Turismo e meio ambiente EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PROPOSTA PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO SUSTENTÁVEL NO PARQUE SALTO DA PEDREIRA LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE RIO AZUL PR COELHO, Mariely de Andrade

Leia mais

COORDENADORIA DE EXTENSÃO

COORDENADORIA DE EXTENSÃO COORDENADORIA DE EXTENSÃO PROJETO DE EXTENSÃO A questão dos resíduos sólidos e da conservação da água na visão de estudantes do ensino médio: a percepção ambiental como subsídio para a elaboração de um

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL - 2014 Disciplina: SHS 0382 Sustentabilidade e Gestão Ambiental TEXTO DE APOIO DIDÁTICO [material restrito da disciplina] Prof. Tadeu Fabrício Malheiros Monitora: Alejandra

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio Supervisionado de que trata este regulamento refere-se à formação de

Leia mais

Curso de Engenharia Florestal

Curso de Engenharia Florestal Curso de Engenharia Florestal Dados Gerais sobre o curso Local: Campus Universitário de Gurupi Formação: Barechal Criação: Resolução CONSEPE/UFT N Implantação: 2 Sem./2007 05/2006, de 24/05/2006. Reconhecimento:

Leia mais

CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA

CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA O Centro de Extensão e Pesquisa, além de contribuir para a formação integral do aluno, tem como objetivo geral desenvolver projetos de pesquisa e extensão e como objetivos

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU Albieri, Rafael 1 ; Firmino, Felipe 2 ; Ribeiro, Ariel 2 1 Colégio Técnico da Universidade Federal Rural

Leia mais

PINTANDO COM SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CARTILHA INSTRUCIONAL DO PROFESSOR. ¹

PINTANDO COM SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CARTILHA INSTRUCIONAL DO PROFESSOR. ¹ PINTANDO COM SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CARTILHA INSTRUCIONAL DO PROFESSOR. ¹ HENRIQUE, Helen de Oliveira²; BIZERRA, Adais Alves³; SILVA, Laiana Luiza da⁴; LIMA, Lorrany

Leia mais

Licenciandos; 3 Coordenador. I Encontro de Sensibilização Ambiental do Lourdes Guilherme. Tema: Revitalização do espaço escolar e qualidade de vida

Licenciandos; 3 Coordenador. I Encontro de Sensibilização Ambiental do Lourdes Guilherme. Tema: Revitalização do espaço escolar e qualidade de vida MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) Subprojeto Biologia Carla Tatiane 1 ; Evanoel Nunes 2 ; Ivaneide Alves

Leia mais

PRIMEIRA OFICINA DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA REGIÃO DO SERTÃO

PRIMEIRA OFICINA DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA REGIÃO DO SERTÃO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS PRIMEIRA OFICINA DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA REGIÃO DO SERTÃO SUMÁRIO INFORMAÇÃOES

Leia mais

PARTE I - IDENTIFICAÇÃO

PARTE I - IDENTIFICAÇÃO Serviço Público Federal Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo FORMULÁRIO-SÍNTESE DA PROPOSTA - SIGProj

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA NA REDE PÚBLICA: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA

ENSINO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA NA REDE PÚBLICA: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA ENSINO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA NA REDE PÚBLICA: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA SOUSA¹, Monike; SAUERESSIG², Lílian; FIGUEIREDO², Luciano; COUTO², Rovany; SOUSA³, Eliane M.D. ¹ UFPB, Discente

Leia mais

OS BENEFÍCIOS E AS DIFICULDADES DE PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO NA ÁREA DA QUÍMICA NO NÍVEL MÉDIO TÉCNICO

OS BENEFÍCIOS E AS DIFICULDADES DE PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO NA ÁREA DA QUÍMICA NO NÍVEL MÉDIO TÉCNICO OS BENEFÍCIOS E AS DIFICULDADES DE PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO NA ÁREA DA QUÍMICA NO NÍVEL MÉDIO TÉCNICO Taís Lima Sousa (1); Magna Macêdo Fernandes (1); Rodson Regi de Sousa Correia (2) Instituto

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola Disciplina de Oferta de Escola 7º e 8º anos do 3º ciclo do Ensino Básico Domínios temáticos, Conceitos, de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades José Carlos Morais Educação Ambiental para

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL - 2014 Disciplina: SHS 0382 Sustentabilidade e Gestão Ambiental TEXTO DE APOIO DIDÁTICO [material restrito da disciplina] Prof. Tadeu Fabrício Malheiros Monitora: Alejandra

Leia mais

CONHEÇA OS CURSOS OFERECIDOS:

CONHEÇA OS CURSOS OFERECIDOS: CONHEÇA OS CURSOS OFERECIDOS: Agricultura Habilita estudantes a observar, organizar e planejar a forma de manejo do solo, bem como traçar medidas de otimização da produção agrícola. Assim, o profissional

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Campus de Crateús

Universidade Federal do Ceará Campus de Crateús Universidade Federal do Ceará Campus de Crateús Edital 03/2016 - Campus da UFC em Crateús Encontros Universitários 2016 A Direção do Campus da Universidade Federal do Ceará em Crateús, por intermédio da

Leia mais

ECO LEITURA: ABORDANDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL POR MEIO DE LIVROS INFANTO-JUVENIS

ECO LEITURA: ABORDANDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL POR MEIO DE LIVROS INFANTO-JUVENIS ECO LEITURA: ABORDANDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL POR MEIO DE LIVROS INFANTO-JUVENIS Suelly Mary da Silva Lima 1, Rosaliny de Castro Lourencio 2, Elânia Soares de Sena 3, Brenna Karelly Almeida Lopes 4, Maria

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 160 aprovado pela portaria Cetec nº 138 de 04 / 10 /2012 Etec Professora Ermelinda Giannini Teixeira Código: 187 Município: Santana de Parnaíba

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB Autor Ginaldo Ribeiro da Silva Graduando de Lic. Computação e Informática IFPB Campus Cajazeiras/PB

Leia mais

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições:

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições: PRORROGAÇÃO DO EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 24 de Novembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto

Leia mais

Manual do Aluno Engenharia Insper i

Manual do Aluno Engenharia Insper i Manual do Aluno Engenharia Insper i Capítulo 1 A visão do Insper para a Engenharia A missão dos cursos de engenharia do Insper é: Desenvolver jovens engenheiros que estarão preparados para reconhecer as

Leia mais

MONITOR AMBIENTAL RESUMO

MONITOR AMBIENTAL RESUMO MONITOR AMBIENTAL Andrei Goldbach* RESUMO O projeto de Extensão de Educação Ambiental nas escolas de Ensino Fundamental do meio Oeste Catarinense é fruto de uma parceria do curso de Engenharia Sanitária

Leia mais

AS PARCERIAS NO PROGRAMA ECO-ESCOLA

AS PARCERIAS NO PROGRAMA ECO-ESCOLA AS PARCERIAS NO PROGRAMA ECO-ESCOLA ESCOLA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO NORDESTE Lília Bergantim [1], Lúcia Carreiro [2] & Natália de Abreu [3] [1] lilia.bergantim@gmail.com [2] lucia_mr_carreiro@hotmail.com

Leia mais

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC )

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC ) Ciências do Ambiente Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL - 1995) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC - 2002) Ciências Ambientais Estudo sistemático tico da natureza

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Centro de Desenvolvimento do Ensino Superior em Saúde - CEDESS

Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Centro de Desenvolvimento do Ensino Superior em Saúde - CEDESS Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Centro de Desenvolvimento do Ensino Superior em Saúde - CEDESS TÍTULO DA TESE: A APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

O PROEXT A SERVIÇO DA EJA

O PROEXT A SERVIÇO DA EJA O PROEXT A SERVIÇO DA EJA Thamiriz Martins Teixeira, IF Sudeste de MG Campus Rio Pomba Paula Reis de Miranda, IF Sudeste de MG Campus Rio Pomba RESUMO O presente trabalho apresenta atividades desenvolvidas

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL Carmen Leite Ribeiro Bueno* A Avaliação Profissional tem como objetivo geral auxiliar o indivíduo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, utilizando sistematicamente

Leia mais

O DESPERTAR PARA UM TRÂNSITO MAIS SEGURO

O DESPERTAR PARA UM TRÂNSITO MAIS SEGURO O DESPERTAR PARA UM TRÂNSITO MAIS SEGURO 2016 1. JUSTIFICATIVA O Projeto de Educação no Trânsito O despertar para um trânsito mais seguro, vem conscientizar que é possível ser reduzido o número de acidentes

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA POLÍTICA AMBIENTAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA POLÍTICA AMBIENTAL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA POLÍTICA AMBIENTAL Porto Alegre 2014 CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA Reitor e Pró-Reitor de Graduação Roberto Pontes da Fonseca Coordenadora de Graduação Luciane Torezan

Leia mais

Manual Técnico de Pedologia

Manual Técnico de Pedologia Manual Técnico de Pedologia 3 a Edição - 2015 Equipe de Pedologia - Fundação IBGE Gerencia de Levantamento de Recursos Naturais Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais Diretoria de Geociências

Leia mais

BLOG DA SAÚDE. Autores: Grazieli Ferreira da Rosa 1 ; Alessandra Domingues Malheiro 2 ; Ana Paula Saccol 3 ; Anderson de Souza 4 INTRODUCÃO

BLOG DA SAÚDE. Autores: Grazieli Ferreira da Rosa 1 ; Alessandra Domingues Malheiro 2 ; Ana Paula Saccol 3 ; Anderson de Souza 4 INTRODUCÃO BLOG DA SAÚDE Autores: Grazieli Ferreira da Rosa 1 ; Alessandra Domingues Malheiro 2 ; Ana Paula Saccol 3 ; Anderson de Souza 4 INTRODUCÃO Tendo o IFC a missão de proporcionar educação profissional comprometida

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

do Autor Principal: RESUMO

do Autor Principal: RESUMO CARACTERIZAÇÃO DAS PRÁTICAS AMBIENTAIS DA COMUNIDADE DE TRÊS CÂMPUS DO IFRS, LOCALIZADOS NA CAPITAL, LITORAL E NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL Bianca de Oliveira Cecato* Instituto Federal

Leia mais

I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO

I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO O conceito de Plano de Manejo, segundo a definição da Lei n 9.985, de 18 de julho de 2000 (institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza),

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ DALGLISH GOMES REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ DALGLISH GOMES REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ DALGLISH GOMES REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET RESUMO Atualmente o uso do PET ainda é muito aplicado em garrafas de refrigerantes e também em reciclagens

Leia mais

I A Importância da Formação de Professores de Sociologia para a Educação Básica.

I A Importância da Formação de Professores de Sociologia para a Educação Básica. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E INTEGRAÇÃO SOCIAL DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA PROFESSOR: ROGERIO MENDES DE

Leia mais

RESUMO Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina.

RESUMO Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina. RESUMO FRACASSO, Rafael Monari. Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina. 2015. 202 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal Área: Produção Florestal) Universidade do

Leia mais

ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO

ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO O esporte é uma via privilegiada para o desenvolvimento humano. Por meio do esporte, as crianças e jovens têm oportunidade de desenvolver valores, atitudes e competências

Leia mais

ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO Auta Paulina da Silva Oliveira; Milena Maria de Luna Francisco; Wesley Correia Francelino da Silva. Programa Institucional de Bolsas de iniciação

Leia mais

Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil

Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil 102 Resumos Expandidos: XI Mostra de Estagiários e Bolsistas... Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil Cezar Freitas Barros 1 João dos Santos Vila da Silva 2 Resumo: Busca-se

Leia mais

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos INDICADOR CLASSIFICAÇÃO ÍNDICE DE AVALIAÇÃO GERAL SATISFAÇÃO

Leia mais

COPA VERDE. Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social.

COPA VERDE. Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social. COPA VERDE Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social. COPA VERDE Inventário e neutralização das emissões de carbono das obras da Arena Pantanal Parceria: Instituto Ação Verde (convênio

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: VALORIZAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA CAATINGA NATASHA DA COSTA CAJAZEIRAS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: VALORIZAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA CAATINGA NATASHA DA COSTA CAJAZEIRAS EDUCAÇÃO AMBIENTAL: VALORIZAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA CAATINGA NATASHA DA COSTA CAJAZEIRAS ITAITUBA 2015 1. RESUMO Este projeto caracteriza-se por um trabalho bibliográfico com o objetivo de conhecer e preservar

Leia mais

Regulamento Maratona Universitária SEBRAE. Edição Feira do Empreendedor 2016 Caicó RN. O que é a Maratona?

Regulamento Maratona Universitária SEBRAE. Edição Feira do Empreendedor 2016 Caicó RN. O que é a Maratona? Regulamento Maratona Universitária SEBRAE Edição Feira do Empreendedor 2016 Caicó RN O que é a Maratona? A Maratona Universitária SEBRAE, é uma competição de ideias inovadoras, idealizada pelo Serviço

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE GEAM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE GEAM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE- GEAM PROJETO I ENCONTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA UFPA: OS DEZ ANOS DO GRUPO DE ESTUDOS

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: ENGENHARIA DE PETRÓLEO Campus: NITERÓI Missão O Curso de Engenharia de Petróleo da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnica

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Engenharia Civil Cabo Frio SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólidos conhecimentos tecnológicos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE FRANCISCA EDJANÁRIA PEREIRA SIMONE COSMA GALDINO DE OLIVEIRA VANIA GOMES VIEIRA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE FRANCISCA EDJANÁRIA PEREIRA SIMONE COSMA GALDINO DE OLIVEIRA VANIA GOMES VIEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE FRANCISCA EDJANÁRIA PEREIRA SIMONE COSMA GALDINO DE OLIVEIRA VANIA GOMES VIEIRA RESUMO O presente trabalho é requisito do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação

Leia mais

Sessão do Professor. Contrapontos - volume 3 - n. 1 - p Itajaí, jan./abr

Sessão do Professor. Contrapontos - volume 3 - n. 1 - p Itajaí, jan./abr Sessão do Professor Contrapontos - volume 3 - n. 1 - p. 165-167 - Itajaí, jan./abr. 2003 163 164 Atividades em Educação Ambiental Antonio Fernando Silveira Guerra ATIVID TIVIDADES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

PROGRAMA QUALIDADE DE VIDA E BEM ESTAR DO FUNCIONÁRIO DA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

PROGRAMA QUALIDADE DE VIDA E BEM ESTAR DO FUNCIONÁRIO DA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE UNIVERSIDADE DE RIO VERDE PRÓ-REITORIA DE ETENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS PROGRAMA QUALIDADE DE VIDA E BEM ESTAR DO FUNCIONÁRIO DA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE 2013/1 FORMULÁRIO PARA PROJETOS DAS AÇÕES

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA CIVIL

CURSO: ENGENHARIA CIVIL CURSO: ENGENHARIA CIVIL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar engenheiros civis com sólida base teórica-prática, através de um currículo dinâmico que proporcione uma moderna visão do exercício profissional

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA SETOR DE EXTENSÃO COMUNITÁRIA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PROJETO COMUNITÁRIO PROFESSORES(AS): FASE: Constituída a partir da conclusão de 30% DIVA SPEZIA

Leia mais

A MONITORIA COMO INSTRUMENTO FACILITADOR DE APRENDIZAGEM

A MONITORIA COMO INSTRUMENTO FACILITADOR DE APRENDIZAGEM A MONITORIA COMO INSTRUMENTO FACILITADOR DE APRENDIZAGEM Andre Reuel Vieira Gomes (Bolsista); Karla Katiuscia Nóbrega de Almeida (Professor Coordenador/Orientador) Centro de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do OBJETIVO Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental no âmbito do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC DOCUMENTOS DE

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO Saúde na Escola Unisul COORDENAÇÃO Coordenador: Ana Paula Ferreira

Leia mais

PROMOVENDO A SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL EM JOVENS ATRAVÉS DE JOGO LÚDICO

PROMOVENDO A SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL EM JOVENS ATRAVÉS DE JOGO LÚDICO PROMOVENDO A SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL EM JOVENS ATRAVÉS DE JOGO LÚDICO Juliana Q. Albarelli [1] Diego T. Santos [2] OLAM Ciência & Tecnologia, Rio Claro, SP, Brasil ISSN: 1982-7784 está licenciada sob

Leia mais

A experimentação e o ensinoaprendizagem

A experimentação e o ensinoaprendizagem Xxxxxxxxx xxxxxxx A experimentação e o ensinoaprendizagem de Física. Ministrante: Prof. Nelson Reyes Marques (IF Sul-Rio-Grandense) www.nelsonreyes.com.br Prof. Marco Antonio Lessa (UCPel) I Introdução

Leia mais

JOGOS NA APREENDIZAGEM DA QUÍMICA: VII MICTI ARAQUARI/2014

JOGOS NA APREENDIZAGEM DA QUÍMICA: VII MICTI ARAQUARI/2014 JOGOS NA APREENDIZAGEM DA QUÍMICA: VII MICTI ARAQUARI/01 Felício¹, Pedro; Baéssa², Victor; Barbosa³, Maria Aparecida Colégio Técnico da Universidade Rural, Seropédica/RJ INTRODUÇÃO Existem vários estudos

Leia mais

Usabilidade Facilidade de Uso, Produtividade, Satisfação

Usabilidade Facilidade de Uso, Produtividade, Satisfação 1 Usabilidade Facilidade de Uso, Produtividade, Satisfação 10/03/2014 www.inf.puc-rio.br/~inf1403 2 Roteiro da Aula Discussão do exercício de travessia dos golfos (auto estudo/aprendizado da aula anterior)

Leia mais

O Paradigma da Habitação Social

O Paradigma da Habitação Social O Paradigma da Habitação Social A HABISOLVIS E.M., criada em 2004 tem como objecto social principal: A gestão social, patrimonial e financeira da habitação social património do município de Viseu; A gestão

Leia mais

Acadêmico João Gabriel Rocha Orientador Prof. Dr. Oscar Dalfovo

Acadêmico João Gabriel Rocha Orientador Prof. Dr. Oscar Dalfovo Desenvolvimento do Sistema para Área Ambiental baseado em Pocket PC voltado para Jogos Educacionais Acadêmico João Gabriel Rocha Orientador Prof. Dr. Oscar Dalfovo Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

3º Encontro de Ciência e Tecnologia FARO/IJN. Edital Tema: CIÊNCIA ALIMENTANDO O BRASIL

3º Encontro de Ciência e Tecnologia FARO/IJN. Edital Tema: CIÊNCIA ALIMENTANDO O BRASIL 3º Encontro de Ciência e Tecnologia FARO/IJN Edital 2016 Tema: CIÊNCIA ALIMENTANDO O BRASIL A Direção da Faculdade de Rondônia FARO/IJN torna público, por meio deste edital, as informações para realização

Leia mais

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas 7 Conclusões Esta tese teve por objetivo propor e testar um modelo analítico que identificasse como os mecanismos de controle e as dimensões da confiança em relacionamentos interorganizacionais influenciam

Leia mais

MISSÃO DA MIND LAB. Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas.

MISSÃO DA MIND LAB. Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas. MIND LAB MISSÃO DA MIND LAB Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas. Ajudar os alunos se transformarem em indivíduos íntegros e realizados. SOBRE A MIND LAB Fundada em 1994.

Leia mais

APRENDENDO E ENSINANDO NO ESTAGIO SUPERVISIONADO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

APRENDENDO E ENSINANDO NO ESTAGIO SUPERVISIONADO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA APRENDENDO E ENSINANDO NO ESTAGIO SUPERVISIONADO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Antonia Rayara Pereira Lemos;¹* Neidimar Lopes Matias de Paula¹ 1. Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Ceará-IFCE.

Leia mais

PROEJETO ARBORIZAÇÃO, JARDINAGEM E HORTA COMUNIDADE BETEL: Contribuições Para a Formação Acadêmica

PROEJETO ARBORIZAÇÃO, JARDINAGEM E HORTA COMUNIDADE BETEL: Contribuições Para a Formação Acadêmica PROEJETO ARBORIZAÇÃO, JARDINAGEM E HORTA COMUNIDADE BETEL: Contribuições Para a Formação Acadêmica Fernanda S. Seger 1 Érika Lucatelli 2 RESUMO Este artigo propõe apresentar os resultados e discussões

Leia mais

764,16 km 2, maior município da região do Algarve; habitantes cerca de 15% população algarvia; Duas cidades: Loulé e Quarteira; 11 Freguesias

764,16 km 2, maior município da região do Algarve; habitantes cerca de 15% população algarvia; Duas cidades: Loulé e Quarteira; 11 Freguesias 30 de Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO NQUADRAMENTO / C / CARACTERIZAÇÃO DO CONCELHO DE LOULÉ CONCELHO DE LOULÉ 764,16 km 2, maior município da região do Algarve; 70 260 habitantes cerca de 15% população

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL PROJETO FENOFISICA E.E.E.M João Pedro Nunes Coordenadores: Analía Del Valle Garnero e Ronaldo Erichsen Colaboradora: Berenice Bueno Supervisora: Jaqueline

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL PROCESSO No: 00576/1998 O CURSO DE GRADUAÇÃO EM

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Pará, Servidora Pública do Estado:

Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Pará,   Servidora Pública do Estado: ANÁLISE DO CONHECIMENTO DE PROFESSORES E ALUNOS SOBRE A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. Pabllo Antonny Silva dos Santos; Maria Cristina Quaresma e Silva; Vanessa

Leia mais

Circuito Tela Verde na UFPel 2014

Circuito Tela Verde na UFPel 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE INTEGRAÇÃO DO MERCOSUL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL Circuito Tela Verde na UFPel 2014 Caros Professores, alunos, imprensa e participantes do Circuito Tela Verde na

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento Prof. Msc. Christien Lana Rachid Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia 2. Introdução a sistemas 3. Empresas e Sistemas

Leia mais

KINROSS BRASIL MINERAÇÃO

KINROSS BRASIL MINERAÇÃO SETEMBRO 2016 KINROSS BRASIL MINERAÇÃO CONSTRUINDO O COMPARTILHAMENTO DO TERRITÓRIO BRASIL MINERAL KINROSS NO MUNDO América do Norte Fort Knox Rússia Dvoinoye Kupol Kettle River Buckhorn Bound Mountain

Leia mais

Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2

Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2 Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Kátia Valéria C.T.Peressinotto Marilda Suzani Gonçalves Realização: Foco Desenvolver competências e habilidades

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

O Adventure CORP é espcializado em

O Adventure CORP é espcializado em O que é: Treinamentos Corporativos O Adventure CORP é espcializado em atender empresas. Através de uma análise das necessidades do cliente, é elaborado um projeto de educação experimental ao ar livre para

Leia mais

AGROECOLOGIA TECNÓLOGO Oferta por meio do SiSU 2º semestre

AGROECOLOGIA TECNÓLOGO Oferta por meio do SiSU 2º semestre AGROECOLOGIA TECNÓLOGO Oferta por meio do SiSU 2º semestre DESCRIÇÃO DO CURSO: O Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia forma profissionais para desenvolver, de modo pleno e inovador, as atividades

Leia mais

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Atual DE Denominação PÚBLICOS Social DE da Draft II Participações INTERESSE S.A. Sumário Introdução 3 Objetivo da Norma 4 Conceitos básicos

Leia mais

MODELO DE RESUMO EXPANDIDO

MODELO DE RESUMO EXPANDIDO MODELO DE RESUMO EXPANDIDO AMBIENTES CONTÍNUOS DE APRENDIZAGEM: CAPACITAÇÃO DOS PRODUTORES RURAIS E A COMUNIDADE INTERNA E EXTERNA DO IFC CAMPUS SANTA ROSA DO SUL ATRAVÉS DE UNIDADES EDUCATIVAS DE PRODUÇÃO

Leia mais

Unidade I APRENDIZADO ORGANIZACIONAL. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro

Unidade I APRENDIZADO ORGANIZACIONAL. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro Unidade I APRENDIZADO ORGANIZACIONAL Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro Itens de Estudo 1. O que significa aprender? 2. O tempo da aprendizagem 3. O Conhecimento formal 4. Aprender individual Questão

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Pedagogia Missão O Curso de Pedagogia tem por missão a formação de profissionais de educação autônomos e cooperativos, capazes de pensar, investigar, decidir, planejar,

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO E TERMO DE REFERÊNCIA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO E TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE CONTRATAÇÃO E TERMO DE REFERÊNCIA O Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB) torna público o termo de referência para a contratação de consultor especializado para produzir informações

Leia mais

Qual a Sua Gota de Contribuição? O Que Posso Fazer e Faço!

Qual a Sua Gota de Contribuição? O Que Posso Fazer e Faço! Qual a Sua Gota de Contribuição? O Que Posso Fazer e Faço! Promover reflexão sobre consumo consciente e as responsabilidades individuais e coletivas as ações humanas no meio ambiente. Orientar e sensibilizar

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O

FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O 2007 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO:...3 2. OBJETIVOS:...4 3. JUSTIFICATIVA:...5 4. ATIVIDADES:...7 5. CRONOGRAMA DE AÇÃO:...8 6. AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS...9

Leia mais

Gestão e Perícia Ambiental Aplicada a Portos, Ferrovias e Rodovias

Gestão e Perícia Ambiental Aplicada a Portos, Ferrovias e Rodovias Gestão e Perícia Ambiental Aplicada a Portos, Ferrovias e Rodovias contato@institutominere.com.br www.institutominere.com.br (31) 3657-5578 Gestão e Perícia Ambiental Aplicada a Portos, Ferrovias e Rodovias

Leia mais

DANÇA TRADICIONALISTA GAÚCHA: VALORIZAÇÃO DA CULTURA REGIONAL

DANÇA TRADICIONALISTA GAÚCHA: VALORIZAÇÃO DA CULTURA REGIONAL DANÇA TRADICIONALISTA GAÚCHA: VALORIZAÇÃO DA CULTURA REGIONAL Guzzi, Gustavo Andres 1 ; Rosetto, Wagner Jose 1 ; Bevilaqua, Cheila Aparecida 2 ; De Oliveira, Matias Marchesan²; Viecelli, Danieli²; Instituto

Leia mais

Ementário do Curso de Design de Moda - Matriz

Ementário do Curso de Design de Moda - Matriz Ementário do Curso de Design de Moda - Matriz 2011.1 Disciplina: INTRODUÇÃO AO DESIGN DE MODA (60h) Terminologias e conceitos da área. Descrição dos conceitos da área. Contextualização e processo de moda.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA E PARTICIPAÇÃO - AVALIAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA EEA/UEFS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA E PARTICIPAÇÃO - AVALIAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA EEA/UEFS EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA E PARTICIPAÇÃO - AVALIAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA EEA/UEFS Sandra Maria Furiam Dias (1) Engenheira Civil, Mestre em Recursos Hídricos e Saneamento.

Leia mais

Projeto Educação na Interdisciplinaridade. Sustentabilidade na Escola. Oficina de Garagem

Projeto Educação na Interdisciplinaridade. Sustentabilidade na Escola. Oficina de Garagem Projeto Educação na Interdisciplinaridade Sustentabilidade na Escola Oficina de Garagem São Paulo 2016 Educação não transforma o mundo. Educação muda as pessoas. Pessoas mudam o mundo Paulo Freire Apresentação

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: ERPI Porto, 2015 Introdução O presente Plano de Atividades tem como objetivo principal implementar um conjunto de ações

Leia mais

ENGENHARIA DE ALIMENTOS: COMPETÊNCIAS E DESAFIOS

ENGENHARIA DE ALIMENTOS: COMPETÊNCIAS E DESAFIOS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO ENGENHARIA DE ALIMENTOS: COMPETÊNCIAS E DESAFIOS GILGEN, Ana Carolina 1 OLIVEIRA, João Guilherme B. de 2 CHIQUETTO, Nelci Catarina

Leia mais

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA SISTEMA TERRA: DA CÉLULA À BIODIVERSIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação

Leia mais