EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA E PARTICIPAÇÃO - AVALIAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA EEA/UEFS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA E PARTICIPAÇÃO - AVALIAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA EEA/UEFS"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA E PARTICIPAÇÃO - AVALIAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA EEA/UEFS Sandra Maria Furiam Dias (1) Engenheira Civil, Mestre em Recursos Hídricos e Saneamento. Professora Assistente do Departamento de Tecnologia da Universidade Estadual Feira de Santana, Ba. Coordenadora da Equipe de Educação Ambiental (EEA) e do Programa de Coleta Seletiva e Reaproveitamento do Lixo gerado no Campus - UEFS. Maria do Socorro Costa São Mateus Engenheira Civil, Mestre em Geotecnia. Professora Assistente do Departamento de Tecnologia da Universidade Estadual Feira de Santana, Ba. Coordenadora do Projeto Aterro Sanitário que integra o Programa de Coleta Seletiva e Reaproveitamento do Lixo gerado no Campus - UEFS. Endereço (1) : Rua Venezuela, 49 - Capuchinhos - Feira de Santana - BA - CEP: Brasil. - Tel: (075) Fax: (075) RESUMO A Equipe de Educação Ambiental da Universidade Estadual de Feira de Santana - Ba implantou, em outubro de 1992, o Projeto Coleta Seletiva e Reaproveitamento do Lixo gerado no Campus da UEFS. O objetivo principal do projeto foi tratar adequadamente o lixo produzido na UEFS (até então o lixo queimado à céu aberto). As ações norteadoras do projeto são a educação ambiental, a coleta seletiva, a reciclagem do papel e a compostagem. A equipe é formada por professores e alunos de diversos curso da UEFS que realizam atividades de pesquisa e extensão tendo como variável principal o lixo urbano. O presente trabalho descreve estas atividades e faz uma avaliação do projeto ao longo destes anos. PALAVRAS-CHAVE: Coleta Seletiva, Educação Ambiental, Compostagem. INTRODUÇÃO A Equipe de Educação Ambiental da Universidade Estadual de Feira de Santana, (EEA- UEFS), através do Projeto Coleta Seletiva e Reaproveitamento do Lixo gerado no Campus, tem como objetivo difundir técnicas de tratamento do lixo urbano, utilizando a Educação Ambiental como um elemento de sensibilização da comunidade universitária para a participação na coleta seletiva, bem como chamar a atenção da comunidade da região para os problemas ambientais e de saúde causados pelo lixo. As linhas de ação e os objetivos do projeto são: 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 2676

2 COLETA SELETIVA e EDUCAÇÃO AMBIENTAL - Coletar o lixo separadamente e buscar metodologias a serem usadas em Educação Ambiental, tendo como variável o lixo urbano. OFICINA ARTESANAL DE PAPEL - Reciclar o lixo papel produzido no campus, aprimorar as técnicas de reciclagem do papel e sua utilização como instrumento de educação ambiental. COMPOSTAGEM - Desenvolver técnicas de compostagem adaptadas às características da região e sua utilização como instrumento de educação ambiental. CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS - Verificar a sazonalidade da produção com variáveis interferentes, desenvolver estudos gravimétricos, bem como ser um instrumento de avaliação das ações em educação ambiental. ALTERNATIVAS PARA O DESTINO DO LIXO PLÁSTICO - Buscar alternativas para o lixo plástico gerado na UEFS (ser um centro reciclador de plástico na região e / ou funcionar como uma escola que qualifique as empresas que trabalham nesta área). ATERROS SANITÁRIOS - Execução e Monitoramento - Estudar o comportamento do lixo no aterro sanitário, relacionado aos problemas de recalque (deformações); estudar o comportamento do solo de fundação (base) desses aterros, quanto aos recalques sofridos e quanto à propagação dos agentes contaminantes no solo; vislumbrar técnicas que substituam a utilização de rolos compactadores, durante a execução dos aterros sanitários. Para atingir os objetivos expostos acima, a Equipe de Educação Ambiental (EEA) da UEFS procura trabalhar através de atividades de extensão, pesquisa e divulgação. A extensão contempla as seguintes atividades:? Cursos ministrados e/ou promovidos pela EEA. (oficinas de papel, oficinas de sucatas, gerenciamento de resíduos sólidos urbanos).? Palestras e Mesas Redondas.? Visitas, Seminários e Convênios de cooperação.? Exposição de materiais produzidos pela EEA? Visitas à Sede da Equipe de Educação Ambiental -UEFS? A pesquisa engloba:? Caracterização do Lixo.? Compostagem Aeróbica e Compostagem. Doméstica.? Reciclagem de Plástico.? Aterro Sanitário? Caracterização do lixo produzido pelas Clínicas Odontológicas da UEFS.? Com relação à divulgação, tem-se:? Apresentação e divulgação de pesquisas desenvolvidas pela EEA em Congressos e Seminários. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 2677

3 ? Materiais de divulgação do projeto Coleta Seletiva : adesivos para os acondicionadores, cartilha/folheto/folder sobre o Projeto.? Organização da Semana do Meio Ambiente em Feira de Santana, junto à Diretoria de Meio Ambiente.? Estratégias de Educação Ambiental: palestras para os novos alunos, exposição de materiais reciclados pela EEA, em eventos promovidos na universidade, oficina artesanal de papel realizada nas cantinas da universidade, treinamento de pessoal da limpeza do campus.? Planejamento e avaliação da coleta seletiva durante eventos realizados na UEFS. METODOLOGIA A metodologia adotada pela EEA-UEFS no desenvolvimento de suas atividades é apresentada no organograma da figura 1. O trabalho é realizado por uma equipe de professores de Engenharia Civil (áreas de Saneamento e Geotecnia), Engenharia Química e Geologia além de estudantes dos Cursos de Biologia, Pedagogia, História, Engenharia Civil, Enfermagem e de funcionários da universidade. Figura 1: Metodologia de gerenciamento do lixo produzido no campus UEFS. LIXO GERADO NA UEFS COLETA SELETIVA Metal Vidro Plástico Papel Orgânico Podas Aterro Baias de armazenamento Oficina de papel Área de Compostagem Policaçamba Comercializado, oficina de sucatas Folder, Embalagens Jardins, pesquisa e distribuição Aterro cidade EDUCAÇÃO AMBIENTAL 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 2678

4 AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Oficina Artesanal de Papel Foram produzidas na oficina de papel, durante o ano de 1996, folhas de papel reciclável. Estas folhas foram utilizadas na divulgação de trabalhos da EEA e de outros grupos de pesquisa da UEFS (posters), em eventos científicos, confecção de certificados, convites, folders solicitados pela comunidade universitária em geral. Foram confeccionadas também embalagens a partir do papel reciclado. A oficina artesanal tem cumprido seu objetivo principal de instrumento de Educação Ambiental. Sensibilização da Comunidade Universitária Os adesivos elaborados quando da implantação do projeto (outubro de 1992) foram sempre objeto de críticas da comunidade universitária. Uma das alegações para a não participação na coleta seletiva sempre foi em relação ao tamanho das letras dos adesivos e por serem eles pouco explicativos. Por este motivo e para ter uma nova estratégia de comunicação com a comunidade, foi proposto um novo visual para adesivos das lixeiras. Foi dada maior ênfase ao tipo de lixo a ser descartado, permanecendo com destaque menor o símbolo de cada lixo. Uma avaliação sobre essa nova estratégia de comunicação visual está sendo realizada. Vale ressaltar que nos anos de 1993/1994 foram colocados junto as lixeiras, com letras grandes, folhetos explicando o tipo de lixo a ser descartado e o resultado não foi positivo. Visitas à Sede de Educação Ambiental A visitação às dependências da EEA tiveram uma aumento significativo ao longo dos anos. O público foi de escolas de 1º e 2º graus, universidades, ONG s, representantes de órgãos públicos, entre outros. O gráfico das figura 1 demonstra esta evolução. Figura 2: Número de visitas ao Projeto Coleta Seletiva e Reaproveitamento do Lixo durante os anos de 1993 à EEA/UEFS no de visitantes o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 2679

5 Compostagem O processo de compostagem do lixo orgânico gerado no campus tem sido um instrumento de Educação Ambiental, pois permite a visualização in situ dos princípios básicos da ecologia: fluxo da energia e o ciclo da matéria, importantes para todas as formas de vida na Terra. Produção e Caracterização do Lixo A tabela 1 mostra a quantidade de lixo coletado na universidade durante o período de 1994 a A produção do lixo reciclável (papel, plástico, vidro, metal e orgânico) e a produção per/capita também pode ser nela observada. Tabela 1: Lixo coletado, lixo reciclável e produção per/capita durante os anos de 1994 a Ano Comunidade universitária (pessoas) Lixo total coletado (toneladas) Lixo ( t ) reciclável (%) Produção (g/pessoa/dia) , 27 16,78 55,42 26, ,62 17,25 47,04 30, ,00 24,72 50,45 39,01 A caracterização do lixo aterro é utilizada como quantificador das ações de Educação Ambiental aplicadas no campus da UEFS. A variação da quantidade de lixo reciclável no aterro (neste projeto, convencionou-se aterro como sendo o lixo que não é possível ser reciclado ou comercializado na região de Feira de Santana) reflete uma maior ou menor intensidade de ações de Educação Ambiental. Além disto a caracterização tem mostrado a evolução quantitativa e qualitativa do lixo gerado na Universidade, ver figura 3. Observa-se que houve uma diminuição da produção de lixo orgânico (não incluído a poda) devido a utilização, pelas cantinas, de polpa de frutas industrializadas. Na UEFS inexiste restaurante universitário. A produção de papel aumentou significativamente no último ano devido a informatização, bem como embalagens de equipamentos e mobiliários adquiridos neste ano. Plástico, metal e vidro sofreram pouca variação. Figura 3: Evolução da quantidade por tipo lixo produzido no campus durante os anos de 1994, 1995 e Em % Aterro Papel plástico vidro metal Orgânico * Tipo de lixo o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 2680

6 * Na fração orgânica não está incluído a poda Aterro Sanitário Piloto O aterro sanitário piloto foi implantado nas proximidades da residência universitária, pois o lixo gerado neste local, possui características semelhantes as do lixo urbano. A fase inicial de implantação do aterro piloto enfrentou algumas dificuldades, tais como: desconfiança, por parte da população na residência universitária, quanto às conseqüências da implantação, pois desconheciam a diferença entre lixão e aterro sanitário; falta de conscientização da necessidade de separar o lixo aterro. Esses aspectos foram contornados através de palestras, nas quais se observou a necessidade de intensificação das atividades de educação ambiental dentro do campus. CONCLUSÃO O Projeto Coleta Seletiva e Reaproveitamento do Lixo gerado no Campus da UEFS tem cumprido seus objetivos ao longo dos seus 05 (cinco) anos de implantação. O seu caráter extensionista é marcado pela interdisciplinaridade da equipe que através de um processo educativo busca a participação da comunidade universitária na coleta seletiva através de instrumentos de comunicação (cartazes, palestras, vídeos, cartilhas); o lixo é a variável nas questões ambientais. Durante o ano de 1996 as atividades de Educação Ambiental, foram reduzidas e com isto a coleta seletiva foi prejudicada; isto foi demonstrado através da caracterização do lixo aterro onde houve um crescente aumento dos recicláveis em seu conteúdo ao longo dos meses. As possibilidades do tratamento do lixo podem ser visualizadas in loco permitindo que estudantes e professores de escolas de 1º. e 2º. graus, universidades e prefeituras percebam que é possível na sua comunidade dar um tratamento adequado ao lixo urbano e com isto ter um ambiente limpo e saudável. Além do ensino do 1º. e do 2º. graus que tem se beneficiado com o projeto, muitas disciplinas ministradas na UEFS têm se utilizado das várias linhas de ação do projeto, tanto como ferramenta em sala de aula, quanto como tema de trabalhos. Estas disciplinas são: Botânica Criptogrâmica I, Ciências do Ambiente, Saneamento Ambiental, Metodologia do Trabalho Científico e Matemática. As demandas da sociedade são um alimentador para novas pesquisas, a exemplo das pesquisas iniciadas durante o ano de 1996: compostagem doméstica, aterro sanitário piloto, reciclagem do plástico. Através do projeto é possível observar a importância de ações integradas entre a Equipe e a Administração da UEFS. A Administração é responsável pelo manuseio do lixo aterro (lixo não 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 2681

7 reciclável) e algumas falhas tem ocorrido como: falta de fiscalização nas cantinas e no campus de forma geral e descuido com o local de armazenamento do lixo aterro. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 2682

8 Nos últimos três anos o total de lixo coletado foi de 115,89 toneladas sendo que deste total 58,75 toneladas foram reciclados na universidade através da oficina de papel ou pelo processo de compostagem ou encaminhados para reciclagem na indústria. A UEFS contribuiu significamente para a sustentabilidade ambiental. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. NUNESMAIA, M.F.; FURIAM DIAS, S.M.; HANAQUE, M.F.. Projeto Coleta Seletiva e Reaproveitamento do Lixo gerado no Campus, UEFS. Feira de Santana o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 2683

III OS CAMINHOS DO LIXO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA - BAHIA

III OS CAMINHOS DO LIXO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA - BAHIA III-079 - OS CAMINHOS DO LIXO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA - BAHIA Sandra Maria Furiam Dias (1) Engenheira Civil. Mestre em Recursos Hídricos e Saneamento, IPH/UFRGS. Doutoranda em Saúde

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: UMA ETAPA PELIMINAR NO GERENCIAMENTO DO LIXO.

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: UMA ETAPA PELIMINAR NO GERENCIAMENTO DO LIXO. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: UMA ETAPA PELIMINAR NO GERENCIAMENTO DO LIXO. Sandra Maria Furiam Dias (*) Universidade Estadual de Feira de Santana Mestre em Engenharia Civil. Professora

Leia mais

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito.

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. 1. Definição Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. Para se adaptar à Coleta Seletiva, é essencial que o material

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2012

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2012 Pedagogia: Aut. Dec. nº 93110 de 13/08/86 / Reconhecido Port. Nº 717 de 21/12/89/ Renovação Rec. Port. nº 3.648 de 17/10/2005 Educação Física: Aut. Port. nº 766 de 31/05/00 / Rec. Port. nº 3.755 de 24/10/05

Leia mais

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Projeto Coleta Seletiva Sumário 1. Objetivo: Descrição completa do objeto a ser executado --------------------------------- 3 2. Meta desejada: Descrição das Metas desejadas

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

A RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA

A RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA A RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA FERNANDES 1, Angelica; INGRYD 1, Suênia; LIMA 1, Tamires; SILVA 1, Cleidiane; SOUZA 1, Thais; LIMA 2, Micheline; MELO

Leia mais

ANÁLISE DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS RESULTANTES DA COLETA SELETIVA DESENVOLVIDA PELA UEPG

ANÁLISE DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS RESULTANTES DA COLETA SELETIVA DESENVOLVIDA PELA UEPG ANÁLISE DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS RESULTANTES DA COLETA SELETIVA DESENVOLVIDA PELA UEPG 30 Introdução: BERTONI, Aline Cristina CAMPOS, Sandro Xavier de CRUZ, Gilson Campos Ferreira da As Universidades

Leia mais

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Ambiente diferenciado do meio empresarial Campus Santo Amaro - Centro Universitário rio SENAC 120 mil m2 de terreno 21 cursos de graduação e 7

Leia mais

Profª. Klícia Regateiro. O lixo

Profª. Klícia Regateiro. O lixo Profª. Klícia Regateiro O lixo Tipos de lixo O Definem-se resíduos sólidos como o conjunto dos produtos não aproveitados das atividades humanas: O domésticas, comerciais, industriais, de serviços de saúde

Leia mais

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOSS MÓDULO 2 Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOS S - DEFINIÇÃO... aqueles nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica,

Leia mais

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear Premissas Ecossistemas naturais Produção de bens e serviços Sociedade: uso e descarte Modelo Linear O modelo de produção e gestão de resíduos pode ser definido como linear, onde extraímos os recursos naturais

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM GRANDES ESTABELECIMENTOS DE ENSINO - DO PENSAR AO FAZER

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM GRANDES ESTABELECIMENTOS DE ENSINO - DO PENSAR AO FAZER GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM GRANDES ESTABELECIMENTOS DE ENSINO - DO PENSAR AO FAZER Régia Lúcia Lopes (1) Engenheira Civil pela UFRN. Mestre em Engenharia Química pela UFRN. Professora da Área

Leia mais

Relatório Descritivo das principais ações decorrentes da implantação do programa de separação de resíduos sólidos descartáveis no Campus Maués/IFAM

Relatório Descritivo das principais ações decorrentes da implantação do programa de separação de resíduos sólidos descartáveis no Campus Maués/IFAM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONASCAMPUS MAUÉS DEPE - DEPARTAMENTO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. Estrada dos Moraes s/n. Senador José

Leia mais

HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA:

HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA: HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA: Reciclagem e Compostagem de resíduos sólidos em unidade de saúde - como fazemos PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: Ieda Azevedo Nogueira TEL: 21 996259476 E-MAIL: iedazevedonogueira@gmail.com

Leia mais

Gestão Socioambiental na Administração Pública de Minas Gerais Programa AmbientAÇÃO

Gestão Socioambiental na Administração Pública de Minas Gerais Programa AmbientAÇÃO Gestão Socioambiental na Administração Pública de Minas Gerais Programa AmbientAÇÃO Mirian Cristina Dias Baggio 2016 Programa AmbientAÇÃO O QUE É O AMBIENTAÇÃO? É um programa de comunicação e educação

Leia mais

Falta de vontade política, de capacidade técnica e de recursos financeiros impede a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Falta de vontade política, de capacidade técnica e de recursos financeiros impede a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos ABES- Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Falta de vontade política, de capacidade técnica e de recursos financeiros impede a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

Balanço da Gestão de Resíduos Certificação AQUA

Balanço da Gestão de Resíduos Certificação AQUA Balanço da Gestão de Resíduos Certificação AQUA Obra ADEMI Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal. 1. APRESENTAÇÃO O presente relatório tem como objetivo apresentar a as principais

Leia mais

SUSTENTABILIDADE APLICADA

SUSTENTABILIDADE APLICADA SUSTENTABILIDADE APLICADA América do Norte 2002 Florham Park, Wyandotte, Beachwood Europa 1998 Ludwigshafen América Latina 2005 São Paulo Ásia-Pacífico 2012 Hong Kong Matéria-Prima Químicos de base

Leia mais

Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde. Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima

Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde. Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima O que é lixo? Latim Lix : cinza ; Europa : resíduos domésticos

Leia mais

TALENTO PROFISSIONAL SENAC SENAC CHAPECÓ TÉCNICO EM CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL

TALENTO PROFISSIONAL SENAC SENAC CHAPECÓ TÉCNICO EM CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL TALENTO PROFISSIONAL SENAC SENAC CHAPECÓ TÉCNICO EM CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL MONITORAMENTO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS E NÃO RECICLÁVEIS GERADOS NA EFAPI 2009 CRISTIANE M. E. PRANTE ELIZANGELA BISON

Leia mais

nº 09/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: GESTÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS

nº 09/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: GESTÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS nº 09/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: GESTÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS POLÍTICA INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE POLÍTICA INTEGRADA Disponíveis nos murais e no site da empresa

Leia mais

III-101 ELABORAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UM PORTO INDUSTRIAL

III-101 ELABORAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UM PORTO INDUSTRIAL III-101 ELABORAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UM PORTO INDUSTRIAL José Mariano de Sá Aragão (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Mestre em Hidráulica

Leia mais

AÇÃO INTEGRADA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO SÃO SEBASTIÃO

AÇÃO INTEGRADA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO SÃO SEBASTIÃO AÇÃO INTEGRADA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO SÃO SEBASTIÃO Amanda Laurentino Torquato (*), George Antonio Belmino da Silva,

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA - CEPIC INICIAÇÃO CIENTÍFICA

RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA - CEPIC INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE SANTA RITA - FASAR CENTRO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA - CEPIC PROJETOS DE PESQUISA RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA - CEPIC INICIAÇÃO CIENTÍFICA Ano: 2014 Semestre: 1º P R O J E T O D

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O

FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O 2007 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO:...3 2. OBJETIVOS:...4 3. JUSTIFICATIVA:...5 4. ATIVIDADES:...7 5. CRONOGRAMA DE AÇÃO:...8 6. AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS...9

Leia mais

Bióloga pelo Instituto Isabela Hendrix. Assessora de Educação e Extensão Ambiental da

Bióloga pelo Instituto Isabela Hendrix. Assessora de Educação e Extensão Ambiental da 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-086 JOGANDO E APRENDENDO SOBRE O LIXO José Cláudio Junqueira Ribeiro(1) Engenheiro

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DE ALUNOS SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS E COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS EM DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DE ALUNOS SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS E COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS EM DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DE ALUNOS SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS E COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS EM DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL Paulo Robinson da Silva Samuel (1) Coordenadoria de Gestão

Leia mais

COMPOSTAGEM AERÓBICA: TRATAMENTO DADO AO LIXO GERADO NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

COMPOSTAGEM AERÓBICA: TRATAMENTO DADO AO LIXO GERADO NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA COMPOSTAGEM AERÓBICA: TRATAMENTO DADO AO LIXO GERADO NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Sandra Maria Furiam Dias (1) Engenheira Civil, Mestre em Recursos Hídrico e Saneamento (IPH/UFRGS).

Leia mais

7 ERROS. A Turminha da OJI está brincando. Mas, observe as duas cenas e descubra os 7 erros.

7 ERROS. A Turminha da OJI está brincando. Mas, observe as duas cenas e descubra os 7 erros. EDIÇÃO 28 7 ERROS A Turminha da OJI está brincando. Mas, observe as duas cenas e descubra os 7 erros. CORUJITA GODOFREDO BANGO BOLINHA COGUMELO ÁRVORE COQUEIRO ARBUSTOS CÁCTOS Vamos logo, pessoal. Hoje

Leia mais

INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA

INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA TÍTULO: COLETA SELETIVA: UMA ALTERNATIVA DE PRESERVAÇÃO PARA O MEIO AMBIENTE AUTORES: Ana Virgínia R. de A. Guimarães, Itamara Farias Leite E-mail: erana@uol.com.br INSTITUIÇÃO: UFPB ÁREA TEMÁTICA: Meio

Leia mais

CONSUMO URBANO E O DESCARTE FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

CONSUMO URBANO E O DESCARTE FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS CONSUMO URBANO E O DESCARTE FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Patrícia da Cruz Oliveira 1 1 INTRODUÇÃO O acelerado crescimento urbano das últimas décadas do século passado e início deste, traz algumas questões

Leia mais

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013.

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013. Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-003-01-13 Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Dezembro de 2013 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

RELATÓRIO I ANO 2014

RELATÓRIO I ANO 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA RELATÓRIO I ANO 2014 MOSSORÓ-RN, JULHO DE 2014. COMISSÃO DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA Cristina Baudalf (presidente) Docente

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI:

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI: LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE FIGUEIREDO-AM. O PREFEITO MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO,

Leia mais

Aula 2 Resíduos Sólidos

Aula 2 Resíduos Sólidos RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 2 Resíduos Sólidos Coleta seletiva no Brasil Contaminação/ Origem/ Química/ Física/ Biológica Quanto a Contaminação: (NBR 10.004/04 e CONAMA nº23/96) Classe I ou Perigosos: Apresentam

Leia mais

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS]

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] ATERROS SANITÁRIOS [DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] 2013 O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? É O LIXO QUE PRODUZIMOS. NOSSO LIXO DE TODOS OS DIAS. E ESSES RESÍDUOS OU LIXO PODEM SER CLASSIFICADOS COMO:

Leia mais

O Encontro de gestão integrada de resíduos Da Geração ao Descarte acontece em 2016 e tem por objetivo levantar questões a respeito de todo o

O Encontro de gestão integrada de resíduos Da Geração ao Descarte acontece em 2016 e tem por objetivo levantar questões a respeito de todo o APRESENTAÇÃO O PROJETO O Encontro de gestão integrada de resíduos Da Geração ao Descarte acontece em 2016 e tem por objetivo levantar questões a respeito de todo o desenvolvimento da cadeia logística do

Leia mais

Processo de Participação Popular de Projeto:

Processo de Participação Popular de Projeto: Processo de Participação Popular de 2005 Projeto: Aproveitamento dos resíduos sólidos com vistas à identificação de Oportunidades de Micro e Pequenos Negócios no Vale do Rio dos Sinos Informações SECRETARIA

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA NACIONAL DE GESTÃO MUNICIPAL DO SANEAMENTO BÁSICO GMSB BLOCO 02 IDENTIFICAÇÃO DA PREFEITURA

SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA NACIONAL DE GESTÃO MUNICIPAL DO SANEAMENTO BÁSICO GMSB BLOCO 02 IDENTIFICAÇÃO DA PREFEITURA Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS PESQUISA NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - 008 GESTÃO MUNICIPAL DO SANEAMENTO BÁSICO GMSB BLOCO 0 IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO

Leia mais

III-008 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E VALOR ECONÔMICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EXCLUSIVAMENTE DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA ALTA EM JOÃO PESSOA

III-008 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E VALOR ECONÔMICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EXCLUSIVAMENTE DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA ALTA EM JOÃO PESSOA III-008 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E VALOR ECONÔMICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EXCLUSIVAMENTE DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA ALTA EM JOÃO PESSOA Marcela Gomes Seixas Graduanda em Engenharia Civil pela

Leia mais

BARRA DO PIRAÍ/RJ. FUNDAÇÃO: 10 de março de 1890

BARRA DO PIRAÍ/RJ. FUNDAÇÃO: 10 de março de 1890 A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS POLÍTICAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ BARRA DO PIRAÍ/RJ BARRA DO PIRAÍ/RJ FUNDAÇÃO: 10 de março de 1890 LOCALIZAÇÃO: região do Médio Paraíba (Sul Fluminense)

Leia mais

07 - O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA. ESTUDO DE CASO: PEDRAS DE FOGO/PARAÍBA/BRASIL

07 - O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA. ESTUDO DE CASO: PEDRAS DE FOGO/PARAÍBA/BRASIL 07 - O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA. ESTUDO DE CASO: PEDRAS DE FOGO/PARAÍBA/BRASIL Sabrina Lívia de Medeiros Pereira (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal da Paraíba/UFPB

Leia mais

Sabão Ecológico - Espuma & Brilho

Sabão Ecológico - Espuma & Brilho Sabão Ecológico - Espuma & Brilho EE Profª Ernesta Xavier Rabelo Orsi Professor(es) Apresentador(es): Ronaldo Vieira Pinto Realização: Foco do Projeto Nessa eletiva os alunos serão protagonista em suas

Leia mais

[1] O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da Faculdade 7.56% 3.57% 32.67% 35.81% 20.40%

[1] O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da Faculdade 7.56% 3.57% 32.67% 35.81% 20.40% GERAL Save as PDF Dimensão 1.1 - MISSÃO E PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL (PDI) [1] O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da Faculdade 7.56% 3.57% 32.67% 35.81% 20.40% [2] A missão da Instituição

Leia mais

TÍTULO: DIAGNÓSTICO AVALIATIVO E QUANTITATIVO DO DESCARTE E DESTINAÇÃO REGULAR DOS PNEUMÁTICOS DE GUARULHOS

TÍTULO: DIAGNÓSTICO AVALIATIVO E QUANTITATIVO DO DESCARTE E DESTINAÇÃO REGULAR DOS PNEUMÁTICOS DE GUARULHOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DIAGNÓSTICO AVALIATIVO E QUANTITATIVO DO DESCARTE E DESTINAÇÃO REGULAR DOS PNEUMÁTICOS DE GUARULHOS

Leia mais

PRODUZINDO SUSTENTABILIDADE! MELHORIA DO PROCESSO DE RECICLA- GEM DE LIXO NA COOPERATIVA AÇÃO RECICLAR DE POÇOS DE CALDAS RESUMO

PRODUZINDO SUSTENTABILIDADE! MELHORIA DO PROCESSO DE RECICLA- GEM DE LIXO NA COOPERATIVA AÇÃO RECICLAR DE POÇOS DE CALDAS RESUMO PRODUZINDO SUSTENTABILIDADE! MELHORIA DO PROCESSO DE RECICLA- GEM DE LIXO NA COOPERATIVA AÇÃO RECICLAR DE POÇOS DE CALDAS RESUMO O presente trabalho relata as ações extensionistas desenvolvidas em uma

Leia mais

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo A Lei nº 15.374 de 2011 proíbe a disponibilização de sacolas plásticas descartáveis nos estabelecimentos comerciais do município de São Paulo.

Leia mais

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE OBRA METROVIÁRIA Katia Harue Kamimura Fabíola Pagliarani Lucas Campaner Alves Flavia Rodrigues 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

Leia mais

Líder: Ana Carolina Freire RA: Organizador: Vanessa Rocha RA:

Líder: Ana Carolina Freire RA: Organizador: Vanessa Rocha RA: Líder: Ana Carolina Freire RA: 010522010 Organizador: Vanessa Rocha RA:007762013 Programador:Carlos Eduardo RA:027409 Construtor: Felipe Avilez RA:121908 Produtor:Carlos Eduardo RA:027409 O nosso objetivo

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL NO IFRN: PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO

GESTÃO AMBIENTAL NO IFRN: PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO GESTÃO AMBIENTAL NO IFRN: PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO PROJETO CAMPUS VERDE INTRODUÇÃO Atualmente a questão ambiental tem sido constantemente discutida em virtude do aumento da degradação do meio ambiente e

Leia mais

Agradecimentos... Prefácio...

Agradecimentos... Prefácio... Sumário Agradecimentos........................ Prefácio................................ Apresentação..... CAPÍTULO I O GERENCIAMENTO INTEGRADO DO LIXO MUNICIPAL loque é gerenciar o lixo municipal de forma

Leia mais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais O município de Visconde do Rio Branco tem uma população total de

Leia mais

PROJETO DE GEOGRAFIA

PROJETO DE GEOGRAFIA PROJETO DE GEOGRAFIA 1.1 Titulo do Projeto: Escola Limpa é Escola Legal e Reciclar é Fundamental 1.2 Nome da escola: Escola Estadual Jorge Amado 1.3 Professor (Coordenador (a) do projeto: Silvia Maria

Leia mais

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE POÇO VERDE/SE: DESAFIO PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE POÇO VERDE/SE: DESAFIO PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE POÇO VERDE/SE: DESAFIO PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL Alison Araujo Santos Acadêmico da Faculdade AGES. Bacharelado em Engenharia

Leia mais

do Autor Principal:

do Autor Principal: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SELEÇÃO DE RESÍDUOS DE PAPÉIS NA FONTE GERADORA E INSERÇÃO DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS; UMA CONTRIBUIÇÃO À COLETA SELETIVA EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR, CAMPINA GRANDE-PB.

Leia mais

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA RECICLAGEM: UM ESTUDO PARA O RIO DE JANEIRO LUIZ CARLOS S. RIBEIRO (DEE/UFS)

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA RECICLAGEM: UM ESTUDO PARA O RIO DE JANEIRO LUIZ CARLOS S. RIBEIRO (DEE/UFS) I Encontro de Gestão de Resíduos: mecanismo para alcance do Desenvolvimento Sustentável e empresarial no Campus da Universidade Estadual do Ceará ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA RECICLAGEM: UM

Leia mais

Seminário de Resíduos Sólidos Universidade Feevale Programa Cata Vida e a Cooperativa Coolabore

Seminário de Resíduos Sólidos Universidade Feevale Programa Cata Vida e a Cooperativa Coolabore Seminário de Resíduos Sólidos Universidade Feevale Programa Cata Vida e a Cooperativa Coolabore Objetivo: Desenvolver ações integradas, com base nas dimensões que abrangem a sustentabilidade social, econômica

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO RELATÓRIO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO AÇÕES COMPROBATÓRIAS DAS ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PERÍODO DE 2011/ 2014 2011 13/06/2011 13/06/2011 SEMANA DE MEIO AMBIENTE, EXPOSIÇÃO DE BRINQUEDOS COM MATERIAIS

Leia mais

Planejando a Coleta seletiva no IFPB campus de Princesa Isabel: Caracterização dos resíduos sólidos e percepção dos discentes

Planejando a Coleta seletiva no IFPB campus de Princesa Isabel: Caracterização dos resíduos sólidos e percepção dos discentes Planejando a Coleta seletiva no IFPB campus de Princesa Isabel: Caracterização dos resíduos sólidos e percepção dos discentes Leonardo Adriano Domingos 1, Queliane Alves da Silva 1, Ana Lígia Chaves Silva

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013

ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013 ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013 LIXO 2º ENCONTRO OBJETIVO: Relatar a composição química do lixo e os prováveis danos causados, além de discutir principais

Leia mais

PROJETO COLETA SELETIVA. Arnon Tavares; Clécio Francisco; Gilson Freitas; Sheila Mariano; Sulamita Rodrigues; Taiana Corrêa e Valmir Pimentel.

PROJETO COLETA SELETIVA. Arnon Tavares; Clécio Francisco; Gilson Freitas; Sheila Mariano; Sulamita Rodrigues; Taiana Corrêa e Valmir Pimentel. PROJETO COLETA SELETIVA Arnon Tavares; Clécio Francisco; Gilson Freitas; Sheila Mariano; Sulamita Rodrigues; Taiana Corrêa e Valmir Pimentel. 2 PROJETO COLETA SELETIVA Arnon Tavares; Clécio Francisco;

Leia mais

O uso de recursos da natureza. Profª. Ms. Fabiana Chinalia FACULDADES COC 10 e 11 de novembro

O uso de recursos da natureza. Profª. Ms. Fabiana Chinalia FACULDADES COC 10 e 11 de novembro O uso de recursos da natureza Profª. Ms. Fabiana Chinalia FACULDADES COC 10 e 11 de novembro IMPACTO E REFLEXOS DO LIXO Na sociedade má qualidade de vida e saúde perdas materiais e humanas ; atrai insetos

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR

II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR DESAFIOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA ROTA TECNOLÓGICA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NOS MUNICÍPIOS DA

Leia mais

Valorização dos Resíduos Plásticos

Valorização dos Resíduos Plásticos Valorização dos Resíduos Plásticos CENÁRIO CENÁRIO Consumimos 50% a mais do que o planeta é capaz de produzir, absorver e regenerar 16% da população mundial consome 78% dos recursos 2/3 da população não

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: PERCEPÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO DE MORADORES NO BAIRRO DO CATOLÉ, NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE-PB.

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: PERCEPÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO DE MORADORES NO BAIRRO DO CATOLÉ, NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE-PB. RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: PERCEPÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO DE MORADORES NO BAIRRO DO CATOLÉ, NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE-PB. Josué Souza Martins¹ - Aluno do Curso de Ciências Naturais. Universidade Federal

Leia mais

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Fotos: Projeto: Transformar e Cultivar Organização: Centro Municipal Escola do Mar Página: 1/1 PÁGINA 1: Informações cadastrais: Q1: Título do projeto ambiental

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-202 - RESOLUÇÃO CONAMA N o 307/2002: ESTUDO DE CASO DA IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS GERADOS EM CANTEIROS DE OBRA DE PEQUENO PORTE Márcio Santos Klauczek (1) Engenheiro Civil pela

Leia mais

Percentual dos materiais encontrados no lixo brasileiro. Fonte: site da Editora Moderna

Percentual dos materiais encontrados no lixo brasileiro. Fonte: site da Editora Moderna Resíduos Sólidos Resíduo: todo e qualquer produto ou material, provenientes de um processo, que ainda pode ter serventia, podendo ser reaproveitado para ser reutilizado ou reciclado. Percentual dos materiais

Leia mais

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima menu NISAM20 04 menu inic ial Gerenciamento de resíduos químicos de laboratório Leny Borghesan Albertini Alberguini Maria Olímpia de O. Rezende próxima Gerenciamento de Resíduos Químicos de Laboratório

Leia mais

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Ituiutaba Centralina Canápolis Araporã Gurinhatã Monte Alegre de Minas

Leia mais

IX EXPOSIÇÃO EM EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO 37º Assembléia Nacional da ASSEMAE 15 a 28 de julho de 2007

IX EXPOSIÇÃO EM EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO 37º Assembléia Nacional da ASSEMAE 15 a 28 de julho de 2007 IX EXPOSIÇÃO EM EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO 37º Assembléia Nacional da ASSEMAE 15 a 28 de julho de 2007 TEMA III Projeto Coleta Seletiva Compartilhada no Município de São Leopoldo-RS NASCIMENTO,

Leia mais

Tecnologia em Gestão Ambiental, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus João Pessoa,

Tecnologia em Gestão Ambiental, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus João Pessoa, PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS AULAS DE QUÍMICA NO CONTEXTO DA EJA Apresentação: Pôster Francisco Juvito de Sousa 1 ; Hevelyne Figueirêdo Pereira 2 ; Ana Gabriela da Silva 3 ; Pedro Nogueira da Silva

Leia mais

Daisy Borges Luiz Moraes

Daisy Borges Luiz Moraes I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM ÁREAS PERIURBANAS Daisy Borges Luiz Moraes INTRODUÇÃO A forma de manejar os resíduos sólidos urbanos

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp.

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp. Sistemas de Gestão Ambiental Aula 5 Gestão de Resíduos Prof. Esp. Felipe Luiz Vídeo Contextualização Lixão no Oceano Pacífico. Disponível em:

Leia mais

FATEC Tatuapé Victor Civita

FATEC Tatuapé Victor Civita FATEC Tatuapé Victor Civita www.fatectatuape.edu.br/revista Revista InSIET: Revista In Sustentabilidade, Inovação & Empreendedorismo Tecnológico, São Paulo, V2, janeiro/julho de 2015 REFERÊNCIAS SOBRE

Leia mais

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901.

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901. ITAÚNA Emancipação: 16 de setembro de 1901. Localização: Centro-Oeste Mineiro. Distância da capital: 76 km População: 90.084 mil habitantes (Fonte: IBGE) Área: 500 km² Vista parcial de Itaúna Vista parcial

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA DE LIXO REALIZADO NOS BAIRROS VILA DA AMIZADE, OLARIA NORTE E SÃO LUIZ I, NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PA

DIAGNÓSTICO DA COLETA DE LIXO REALIZADO NOS BAIRROS VILA DA AMIZADE, OLARIA NORTE E SÃO LUIZ I, NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PA Salvador/BA 25 a 28/11/2013 DIAGNÓSTICO DA COLETA DE LIXO REALIZADO NOS BAIRROS VILA DA AMIZADE, OLARIA NORTE E SÃO LUIZ I, NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PA Wilker Jose Caminha dos Santos, Ramynngly

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL PROJETO Reciclar E.M.E.F. PRESIDENTE JOÃO GOULART Coordenadores Analía del Valle Garnero e Ronaldo Erichsen Supervisora: Stefânia Guedes de Godoi Bolsista

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE PROJETO PILOTO DE ECONOMIA CIRCULAR DE EMBALAGEM

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE PROJETO PILOTO DE ECONOMIA CIRCULAR DE EMBALAGEM PROJETO PILOTO DE ECONOMIA CIRCULAR DE EMBALAGEM TERMO DE COMPROMISSO DEPARTAMENTO FABRICANTE OU IMPORTADOR DE EMBALAGENS Embalagem FABRICANTE OU IMPORTADOR DE PRODUTOS COMERCIALIZADOS EM EMBALAGENS Produto

Leia mais

PROJETO DE COMPOSTAGEM NO IFBA CAMPUS SEABRA PARA A PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E AGROECOLOGIA

PROJETO DE COMPOSTAGEM NO IFBA CAMPUS SEABRA PARA A PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E AGROECOLOGIA PROJETO DE COMPOSTAGEM NO IFBA CAMPUS SEABRA PARA A PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E AGROECOLOGIA Francisco Ramon Alves do Nascimento (1) Engenheiro Ambiental, Mestre em Engenharia Industrial, Doutorando

Leia mais

Associação das Pioneiras Sociais. Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação

Associação das Pioneiras Sociais. Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação Associação das Pioneiras Sociais Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação REDE SARAH DE HOSPITAIS UNIDADE BELO HORIZONTE 13 ANOS DE PRGSS REDE SARAH DE HOSPITAIS DE REABILITAÇÃO SARAH BELO HORIZONTE Dados

Leia mais

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE 283 RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE Sandro Patrício S. Pereira¹, Fernando Filho¹, André Bitencourt¹, Marcelo Libaneo² Resumo: Este trabalho teve como objetivo avaliar

Leia mais

Ecologia da informação: bibliotecas verdes

Ecologia da informação: bibliotecas verdes Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Ecologia da informação: bibliotecas verdes Clemilda Santana dos Reis (UEFS) - clemildasantana@yahoo.com.br Rejane Maria Rosa Ribeiro (UEFS) - rribeiro@uefs.br Maria do

Leia mais

III-192 RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE A EVOLUÇÃO NO MUNICÍPIO DE NATAL

III-192 RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE A EVOLUÇÃO NO MUNICÍPIO DE NATAL III-192 RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE A EVOLUÇÃO NO MUNICÍPIO DE NATAL João Rafael Lins Guimarães Engenheiro Civil, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte; Mestre em Engenharia Sanitária,

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

Prof. Eugênio Batista Leite eugeniobl@pucminas.br 031 99735761

Prof. Eugênio Batista Leite eugeniobl@pucminas.br 031 99735761 XI Congresso de Ecologia do Brasil e IV Seminário de Sustentabilidade na Universidade - A incorporação da sustentabilidade socioambiental na gestão e planejamento territorial do campus universitário. PUC

Leia mais

Manual Coleta Seletiva DGA. Diretoria de Gestão Ambiental

Manual Coleta Seletiva DGA. Diretoria de Gestão Ambiental Manual Coleta Seletiva DGA Diretoria de Gestão Ambiental Universidade Federal de Pernambuco Superintendência de Infraestrutura Diretoria de Gestão Ambiental Diretora Maria de Fátima Morais Xavier Gerência

Leia mais

Resíduos sólidos no município de Campos dos Goytacazes/RJ

Resíduos sólidos no município de Campos dos Goytacazes/RJ Resíduos sólidos no município de Campos dos Goytacazes/RJ Leziane Machado de Oliveira Elza Maria Senra de Oliveira No presente relatório, intitulado Educação no Processo de Gestão Ambiental no Cefet Campos

Leia mais

Ações práticas da igreja local

Ações práticas da igreja local Ações práticas da igreja local DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO PONTO DE VISTA CRISTÃO IGREJA BATISTA DE TAUÁ Ilha do Governador RJ Pr. Josué Valandro de Oliveira Tema: Vida plena e meio ambiente Na esperança

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS MUNICIPAIS

RESÍDUOS SÓLIDOS MUNICIPAIS RESÍDUOS SÓLIDOS MUNICIPAIS Educação Ambiental: Resíduos Sólidos Municipais Ano I, número 1 Editor: Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT Redação Mônica de Abreu Azevedo André Santos

Leia mais

Cuiabá-MT. Referência Nacional em Sustentabilidade para pequenos negócios

Cuiabá-MT. Referência Nacional em Sustentabilidade para pequenos negócios Luanna Duarte Cuiabá-MT Referência Nacional em Sustentabilidade para pequenos negócios DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Ambiental Social Econômico A Sustentabilidade sustentabilidade é uma não forma precisa

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS Setembro/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS DA POLÍTICA AMBIENTAL - SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: ESTUDO DE CASO EM SANTA ROSA/RS

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: ESTUDO DE CASO EM SANTA ROSA/RS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: ESTUDO DE CASO EM SANTA ROSA/RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL A PUMA TAMBORES, com o objetivo de divulgar a sua política ambiental e conscientizar seus fornecedores e prestadores de serviços quanto aos aspectos ambientais, elaborou este Manual de Requisitos Ambientais

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM Fernando R. da Matta Baptista Irene T. Rabello Laignier Vitória, 2005 Introdução JUSTIFICATIVA DO TRABALHO A contabilidade das

Leia mais

Plano de Intervenção

Plano de Intervenção INTERVENÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONVERSANDO SOBRE RECICLAGEM Autor: Josana Maria Tiburcio CONTEXTUALIZAÇÃO Plano de Intervenção As atividades relacionadas à urbanização e à industrialização causam grandes

Leia mais