CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA POLÍTICA AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA POLÍTICA AMBIENTAL"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA POLÍTICA AMBIENTAL Porto Alegre 2014

2 CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA Reitor e Pró-Reitor de Graduação Roberto Pontes da Fonseca Coordenadora de Graduação Luciane Torezan Viegas Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação e Pró-Reitor de Extensão e Ação Comunitária Edgar Zanini Timm Coordenadora de Extensão e Ação Comunitária e Coordenadora de Pós-Graduação Lato Sensu Vera Elaine Marques Maciel Representante da Pastoral Universitária Pastor Roberval Lopes da Trindade Política Ambiental 1

3 Histórico de Revisões da Política Ambiental Revisão Ato Alteração Data 001 Resolução nº 535 Aprova PDI com vigência Alteração do texto correspondente à Visão do Centro Universitário Metodista IPA, com base na Resolução nº 535 que aprova o PDI com vigência /05/2014 Política Ambiental 2

4 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS EIXO NORTEADOR DA POLÍTICA AMBIENTAL EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PRINCÍPIOS E OBJETIVOS EIXOS TEMÁTICOS Conservação Ambiental e Consumo Consciente Diretriz Gestão de Resíduos Diretriz Gestão das Águas Diretriz Eficiência Energética Diretriz ESTRATÉGIA E PROCEDIMENTOS PARA SOLIDIFICAÇÃO DA POLÍTICA AMBIENTAL CONSIDERAÇÕES FINAIS ANEXO RESOLUÇÃO CONSUNI Política Ambiental 3

5 MISSÃO E VISÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA Missão Produzir, desenvolver, divulgar e preservar ciência, tecnologia e cultura visando ao desenvolvimento da consciência crítica e do compromisso com a transformação da sociedade segundo os princípios metodistas, fortalecendo os laços comunitários, expandindo a educação nas áreas desfavorecidas através de ações que promovam a vida. Visão Ser referência de Centro Universitário Metodista, eticamente engajado na inclusão social, que forma agentes de transformação por meio da articulação entre ensino, pesquisa e extensão, bem como consolidar a modalidade de Educação a Distância EAD como estratégia de inclusão social, trabalhando de forma indissociável a interdisciplinaridade e a multi-institucionalidade, na cidade de Porto Alegre, na Região Sul e no Brasil. Política Ambiental 4

6 1 INTRODUÇÃO O Centro Universitário Metodista IPA tem objetivos que representam a condição ou as condições futuras imaginadas para a implementação da missão, através da ação organizada pela comunidade acadêmica. Dentre os elencados em seus documentos institucionais está o de desenvolver atividades de responsabilidade social e ambiental. Nesse contexto, a educação tem papel como propulsora de mudanças em prol da sustentabilidade que se deve ter nos diversos níveis e modalidades de ensino, do básico ao superior. Especificamente no cenário do ensino superior brasileiro, a responsabilidade ambiental é tratada de forma explícita na Lei Nº , de 14 de abril de 2004, que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), a qual enfatiza em seu art. 3º, inciso III, que [...] a responsabilidade social da Instituição, considerada especialmente no que se refere à sua contribuição em relação à inclusão social, ao desenvolvimento econômico e social, à defesa do meio ambiente, da memória cultural, da produção artística e do patrimônio cultural. Sendo assim, é indiscutível o papel das Instituições de Ensino Superior (IES) como um dos agentes promotores de processos de melhoria e manutenção da qualidade ambiental. A atuação da instituição de ensino deve estar na formulação, implementação e multiplicação de políticas, programas e projetos ambientais articulados com as demandas da sociedade. Isto é, as IES possuem grande responsabilidade em influenciar positivamente a comunidade acadêmica e a sociedade em geral em prol da sustentabilidade ambiental. Sob esta ótica, o Centro Universitário Metodista IPA, ciente de seu compromisso, assume este papel no sentido de buscar promover diversas ações internas que vão ao encontro desta proposta. Ou seja, a criação da Política Ambiental é necessária para orientar os processos e projetos, com princípios éticos e de responsabilidade ambiental, promovendo a transforção da comunidade acadêmica e da sociedade. Política Ambiental 5

7 2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL Orientar a gestão administrativa e acadêmica, do Centro Universitário Metodista IPA, de forma que os diferentes setores e processos da Instituição sejam planejados e implantados com base em princípios de sustentabilidade ambiental, tendo como eixo norteador a educação ambiental, realizada em práticas educacionais, balizadas pelos pressupostos e concepções metodológicas de cada projeto pedagógico de curso da instituição. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS a) Promover a conservação ambiental e o consumo consciente; b) Disseminar a educação ambiental na comunidade acadêmica; c) Gerenciar os resíduos sólidos e a água gerados nos diversos setores administrativos e acadêmicos da instituição; d) Incentivar o uso racional de energia nas suas diversas unidades educacionais; e) Incentivar projetos, parcerias e ações voluntárias que promovam a responsabilidade socioambiental. Política Ambiental 6

8 3 EIXO NORTEADOR DA POLÍTICA AMBIENTAL O Centro Universitário Metodista IPA, visando à sustentabilidade ambiental, propõe-se a desenvolver suas atividades administrativas, de ensino, pesquisa e extensão, orientadas por uma política ambiental. A política ambiental atende basicamente às diretrizes institucionais para ampliação da consciência ambiental, ética, valores e atitudes, técnicas e comportamentos em defesa do meio ambiente. Ao compreender a educação ambiental como um processo educacional que permite o conhecimento integral dos problemas atinentes ao meio ambiente, para poder conservar e melhorá-lo, bem como para implantar mudanças de comportamento (individual e social), o Centro Universitário Metodista IPA aspira desenvolvê-la como prática educativa integrada, contínua e permanente, em consonância com a Lei N.º 9.795, art. 1º, que define a educação ambiental, como: [...] os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade. Nesse sentido, a educação ambiental, nos cursos do Centro Universitário Metodista IPA, deve ser tratada de forma transversal, buscando promover a melhoria da qualidade de vida, bem como garantir um meio ambiente saudável e disponível para as gerações futuras, por meio de ações que visem, dentre outras, à redução de desperdícios de energia, geração de resíduos e consumo de água. Política Ambiental 7

9 4 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O Centro Universitário Metodista IPA está focado em cinco princípios básicos que regem a implantação da política ambiental, fundamentada na educação ambiental, como eixo norteador: PRINCÍPIOS a) o enfoque humanista, holístico, democrático e participativo; b) o pluralismo de ideias e concepções pedagógicas, na perspectiva da inter, multi e transdisciplinaridade; c) a vinculação entre a ética, a educação, o trabalho e as práticas sociais; d) a permanente avaliação crítica do processo educativo, como forma de melhoria da qualidade de vida; e) a abordagem articulada das questões ambientais locais, regionais, nacionais e globais. São objetivos fundamentais da Educação Ambiental: OBJETIVOS a) desenvolver a compreensão integrada do meio ambiente em suas múltiplas e complexas relações, envolvendo aspectos ecológicos, psicológicos, legais, políticos, sociais, econômicos, científicos, culturais e éticos; b) garantir a democratização das informações ambientais; c) estimular o fortalecimento de uma consciência crítica sobre a problemática ambiental e social; d) incentivar a participação individual e coletiva, permanente e responsável, na preservação do equilíbrio do meio ambiente, entendendo-se à defesa da qualidade ambiental como um valor inseparável do exercício da cidadania. A Educação Ambiental, sob forma de eixo transversal, no contexto dos projetos pedagógicos de cada curso, possibilita a discussão e a análise do tema meio ambiente em diferentes áreas do conhecimento. Implica, para tanto, a adoção de uma visão ao mesmo tempo sistêmica e holística, possibilitando discussões e práticas que congreguem diferentes saberes, transcendendo as noções de disciplina, matéria e área, fazendo parte da cultura da Instituição através de práticas, projetos e estudos que permitam integrar os diversos saberes, pressupondo um trabalho coordenado e articulado. Política Ambiental 8

10 4.1 EIXOS TEMÁTICOS A política ambiental, tendo como foco a educação ambiental do Centro Universitário Metodista IPA, está direcionada aos seguintes eixos temáticos: a) Conservação Ambiental e Consumo Consciente; b) Gestão de Resíduos; c) Gestão das Águas; d) Eficiência Energética Conservação Ambiental e Consumo Consciente Diretriz A gestão deverá ser orientada de forma que os diferentes setores e processos acadêmicos da instituição sejam planejados e implementados com base em princípios que garantam a conservação ambiental e o consumo consciente. As práticas pedagógicas devem estar atentas a esta diretriz mediante estratégias que garantam o menor consumo de recursos naturais e a menor geração de resíduos possíveis. Propondo a inclusão, de maneira formal, de premissas de conservação ambiental e consumo consciente na proposta pedagógica dos diferentes cursos de graduação que lidam direta ou indiretamente com recursos naturais Gestão de Resíduos Diretriz Os resíduos gerados nas atividades e setores deverão ser adequadamente tratados, contribuindo com o uso racional de recursos naturais e materiais, visando reduzir e prevenir a poluição e preservar ou melhorar a qualidade do meio ambiente, de acordo com as normas e legislação vigentes. Os resíduos deverão ser diagnosticados, reduzidos, reaproveitados e adequadamente destinados em todos os setores administrativos e acadêmicos. Política Ambiental 9

11 4.1.3 Gestão das Águas Diretriz A gestão deverá ser orientada para um consumo adequado no uso da água, reduzindo desperdícios e mantendo a qualidade necessária para sua utilização em diversos ambientes administrativos e específicos dos cursos, como laboratórios, oficinas e salas especiais que utilizem este recurso natural Eficiência Energética Diretriz Deverá ser promovido o uso eficiente e o combate ao desperdício da energia elétrica na comunidade interna do Centro Universitário Metodista IPA, otimizando o uso de energia através de campanhas e práticas sustentáveis. Política Ambiental 10

12 5 ESTRATÉGIA E PROCEDIMENTOS PARA SOLIDIFICAÇÃO DA POLÍTICA AMBIENTAL Várias são as estratégias e procedimentos que podem consolidar a política ambiental institucional, tendo como balizadora a educação ambiental: a) capacitação de professores/as e funcionários/as; b) implantação dos processos de redução, reutilização e reciclagem de resíduos nos diversos setores institucionais; c) incentivo a projetos e atividades integradas relacionadas à educação ambiental; d) campanhas internas de conscientização e redução do uso de recursos naturais; e) redução de desperdícios, esgotamento de recursos e poluição ambiental; f) promoção de ações de sensibilização ambiental junto aos funcionários e à comunidade; g) formação de comitê multidisciplinar e integrado para gestão ambiental, visando ao acompanhamento da implantação da política ambiental nos diversos setores da Instituição. Política Ambiental 11

13 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Considerando a necessidade de ações proativas relacionadas à preservação do meio ambiente, educação e ao bem-estar da sociedade, a Instituição se propõe ao estabelecimento de metas compatíveis com o desenvolvimento sustentável, preservando, para as gerações futuras, recursos ambientais. Nesse contexto, reitera os objetivos desta política, no sentido de promover a mudança de comportamento das pessoas, adotando estratégias que visem ao comprometimento individual e coletivo, de modo a garantir um meio ambiente saudável e disponível para as gerações futuras, por meio da reutilização, ao máximo, de materiais, adiando sua reciclagem ou disposição final, reduzindo, continuamente, desperdícios de energia e recursos naturais. Política Ambiental 12

14 ANEXO RESOLUÇÃO CONSUNI Política Ambiental 13

Etec Monsenhor Antonio Magliano. Projeto Interdisciplinar Ações de defesa e proteção ao Ambiente- 2012

Etec Monsenhor Antonio Magliano. Projeto Interdisciplinar Ações de defesa e proteção ao Ambiente- 2012 Etec Monsenhor Antonio Magliano Projeto Interdisciplinar Ações de defesa e proteção ao Ambiente- 2012 Professor Responsável: TASSIANA DE CASTRO LA TERZA Equipe de Professores Responsáveis: Professores

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional data Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - 2016-2020 Prof. Esper Cavalheiro Pró-Reitor de Planejamento - PROPLAN Profa. Cíntia Möller Araujo Coordenadora de Desenvolvimento Institucional e Estudos

Leia mais

Para a Unimed, sustentabilidade significa o equilíbrio entre SAÚDE AMBIENTAL, SAÚDE SOCIAL e SAÚDE ECONÔMICA.

Para a Unimed, sustentabilidade significa o equilíbrio entre SAÚDE AMBIENTAL, SAÚDE SOCIAL e SAÚDE ECONÔMICA. SUSTENTABILIDADE Para a Unimed, sustentabilidade significa o equilíbrio entre SAÚDE AMBIENTAL, SAÚDE SOCIAL e SAÚDE ECONÔMICA. Na busca deste equilíbrio, propõe-se a reduzir resíduos e emissões, estimular

Leia mais

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES

Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES PERGUNTAS NORTEADORAS: 1) O que significa ambientalizar a universidade e o que se espera com isso? Ambientalização da universidade é a inserção

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 POLÍTICA NACIONAL DA BIODIVERSIDADE Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 Os princípios estabelecidos na PNBio (20 ao todo) derivam, basicamente, daqueles estabelecidos na Convenção sobre Diversidade Biológica

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE GOVERNO

RESUMO DO PLANO DE GOVERNO RESUMO DO PLANO DE GOVERNO GOVERNANÇA 1. Fortalecer os processos de decisão com a promoção dos instrumentos da democracia participativa. 1.1 Continuar a desenvolver uma perspectiva comum e de longo prazo

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF REGULAMENTO N. 007 /2015 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUEMA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF GARÇA/SP Vanessa Zappa, Diretora da FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional PDI -

Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - Diretrizes para Elaboração Eixos Temáticos Essenciais do PDI Perfil Institucional Avaliação e Acompanhamento do Desenvolvimento Institucional Gestão Institucional

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL - 2014 Disciplina: SHS 0382 Sustentabilidade e Gestão Ambiental TEXTO DE APOIO DIDÁTICO [material restrito da disciplina] Prof. Tadeu Fabrício Malheiros Monitora: Alejandra

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 LEI Nº 3.833, DE 27 DE MARÇO DE 2006 (Autoria do Projeto: Deputado Chico Floresta) Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política de Educação Ambiental do Distrito Federal, cria o Programa de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental. Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck

Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental. Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck Situação socioeconômica das décadas 60 e 70 no mundo Divisão de blocos econômicos ( países desenvolvidos x não

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo A Federação Espírita do Espírito Santo, fundada em 1921, é constituída pelo Conselho Estadual e

Leia mais

M4: Trabalho realizado por: Vanessa Cardoso Nrº ºH Disciplina: Área de Integração Professora: João Mesquita

M4: Trabalho realizado por: Vanessa Cardoso Nrº ºH Disciplina: Área de Integração Professora: João Mesquita EB1 JI Fundo de Vila Ano letivo de 2012/2013 EB1 JI Parque AGRUPAMENTO DE ESCOLAS M4: 3.3 Homem-Natureza: uma relação sustentável? 6.2 O desenvolvimento de novas atitudes no trabalho e no emprego: o empreendedorismo

Leia mais

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola Disciplina de Oferta de Escola 7º e 8º anos do 3º ciclo do Ensino Básico Domínios temáticos, Conceitos, de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades José Carlos Morais Educação Ambiental para

Leia mais

POLITICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Vigência: 01/07/2015 a 30/06/2016 Abrangência: CORPORATIVO Macroprocesso/ Processo:

POLITICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Vigência: 01/07/2015 a 30/06/2016 Abrangência: CORPORATIVO Macroprocesso/ Processo: POLITICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Vigência: 01/07/2015 a 30/06/2016 Abrangência: CORPORATIVO Macroprocesso/ Processo: Executivo /Gerir a Comunicação. MANUAIS VINCULADOS CÓD./ORG.

Leia mais

PDI Plano de Desenvolvimento Institucional AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PDI

PDI Plano de Desenvolvimento Institucional AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PDI PDI Plano de Desenvolvimento Institucional 2005-2009 6 AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PDI 6. AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Coordenação: Maria Helena Krüger Diretora de Desenvolvimento

Leia mais

CONSTRUINDO O FUTURO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Diamantina, agosto de 2009.

CONSTRUINDO O FUTURO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Diamantina, agosto de 2009. CONSTRUINDO O FUTURO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Diamantina, agosto de 2009. Até 2013 UFVJM estará entre as melhores instituições de ensino superior do Brasil... B SITUAÇÃO

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO O Ministério de Educação, nos últimos três anos, vem construindo uma concepção educacional tendo em vista a articulação dos níveis e modalidades de ensino,

Leia mais

RESUMO DO RELATORIO FINAL DA 1 a.cnsa CONFERENCIA NACIONAL DE SAUDE AMBIENTAL do Estado do Paraná.

RESUMO DO RELATORIO FINAL DA 1 a.cnsa CONFERENCIA NACIONAL DE SAUDE AMBIENTAL do Estado do Paraná. RESUMO DO RELATORIO FINAL DA 1 a.cnsa CONFERENCIA NACIONAL DE SAUDE AMBIENTAL do Estado do Paraná. A 1ª Conferência Nacional de Saúde Ambiental (CNSA) é uma iniciativa dos Conselhos Nacionais de Saúde,

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art 1º. A Extensão Acadêmica se constitui em uma prática permanente de interação universidade-sociedade, articulada ao ensino

Leia mais

PROPLAD Plano de Desenvolvimento Institucional PDI UFOP

PROPLAD Plano de Desenvolvimento Institucional PDI UFOP PROPLAD Plano de Desenvolvimento Institucional PDI UFOP 2016-2025 Reunião de trabalho da Comissão e dos Coordenadores dos GTs, 15 Fev 2016 Pauta #1. Acompanhamento das atividades dos GTs; #2. Definição

Leia mais

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.311, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Altera a Portaria nº 2.866/GM/MS, de 2 de

Leia mais

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições:

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições: PRORROGAÇÃO DO EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 24 de Novembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa 2016 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de autopeças.

Leia mais

Avaliação da Educação Superior

Avaliação da Educação Superior CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA Avaliação da Educação Superior Profa. Dra. Luciane Torezan Viegas luciane.viegas@metodistadosul.edu.br AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO EXTERNA: Coordenadoria de Avaliação

Leia mais

Política Nacional de Educação Ambiental Lei 9.795/99 Decreto 4.281/2002

Política Nacional de Educação Ambiental Lei 9.795/99 Decreto 4.281/2002 * Política Nacional de Educação Ambiental Lei 9.795/99 Decreto 4.281/2002 Conceitos oficiais: "Entendem-se por educação ambiental os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 1 ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA PROGRAMA Nº 02/2014 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri. 4ª edição, revisão e

Leia mais

D E C R E T A. a) dos cursos de licenciaturas; b) das residências pedagógicas; c) das práticas pedagógicas curriculares;

D E C R E T A. a) dos cursos de licenciaturas; b) das residências pedagógicas; c) das práticas pedagógicas curriculares; Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 16.718 DE 11 DE MAIO DE 2016 Dispõe sobre a instituição e organização dos Complexos Integrados de Educação, no âmbito

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O

FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O 2007 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO:...3 2. OBJETIVOS:...4 3. JUSTIFICATIVA:...5 4. ATIVIDADES:...7 5. CRONOGRAMA DE AÇÃO:...8 6. AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS...9

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PERCEPÇÃO AMBIENTAL: UMA ABORDAGEM FORMAL EM ESCOLAS PÚBLICA DE MOSSORÓ/RN. Noelia Ferreira da Silva

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PERCEPÇÃO AMBIENTAL: UMA ABORDAGEM FORMAL EM ESCOLAS PÚBLICA DE MOSSORÓ/RN. Noelia Ferreira da Silva EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PERCEPÇÃO AMBIENTAL: UMA ABORDAGEM FORMAL EM ESCOLAS PÚBLICA DE MOSSORÓ/RN Noelia Ferreira da Silva RESUMO: Uma das principais funções da Educação Ambiental é a formação de cidadãos

Leia mais

NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - A presente norma dispõe sobre as regras de governança do Complexo Histórico

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO E DECISÃO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO E DECISÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO E DECISÃO ALBUQUERQUE, Rosa 1 NEGREIROS, Gláucia 2 VASCONCELOS, Maria Auxiliadora Marques 3 Introdução No ano de 2004 o Governo Federal

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO A 2018

PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO A 2018 PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO - 2016 A 2018 NOVA ANDRADINA MS SETEMBRO/2015 ABMAEL ROCHA JUNIOR ROSIMEIRE DA SILVA OLIVEIRA E. E. PROFESSORA FÁTIMA GAIOTTO SAMPAIO PROJETO GESTÃO ESCOLAR PLEITO 2016 A

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE ESTÍMULO À PRODUÇÃO INTELECTUAL

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE ESTÍMULO À PRODUÇÃO INTELECTUAL CONSEPE 2005-12 de 09/06/2005 CONSU 2011-02 de 24/03/2011 CONSU 2014-13 de 26/06/2014 POLÍTICA INSTITUCIONAL DE ESTÍMULO À PRODUÇÃO INTELECTUAL O processo de produção do conhecimento em todas as suas manifestações,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

De acordo ao PDI do IFSP, no que se refere às Políticas de Pesquisa, os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia são verdadeiros

De acordo ao PDI do IFSP, no que se refere às Políticas de Pesquisa, os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia são verdadeiros De acordo ao PDI do IFSP, no que se refere às Políticas de Pesquisa, os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia são verdadeiros fomentadores do diálogo dentro de seu território, cabe provocar

Leia mais

BASES PARA AS NOSSAS AÇÕES

BASES PARA AS NOSSAS AÇÕES QUEM SOMOS Uma Instituição sem fins econômicos, voltada para o estudo, pesquisa e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos que digam respeito à busca de respostas e soluções economicamente

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL - 2014 Disciplina: SHS 0382 Sustentabilidade e Gestão Ambiental TEXTO DE APOIO DIDÁTICO [material restrito da disciplina] Prof. Tadeu Fabrício Malheiros Monitora: Alejandra

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA Agenda 21 local : da teoria à prática Gina Rizpah Besen Psicóloga Mestre em Saúde Pública FSP-USP consultora em Gestão Ambiental rizpah@usp.br Desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO

PROGRAMA DE TRABALHO PROGRAMA DE TRABALHO (Proposta de Gestão 2014-2018) Chapa: SAÚDE NO OESTE DO PARÁ Candidatos: Prof. Dr. WALDINEY PIRES MORAES (DIRETOR) Prof. Dr. WILSON SABINO (VICE-DIRETOR) Santarém 2014 1 ÍNDICE 1.APRESENTAÇÃO...3

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CPA GESTÃO 2011

PLANO DE TRABALHO CPA GESTÃO 2011 Faculdades Integradas Einstein de Limeira LANO DE TABALHO CA GESTÃO 2011 Comissão rópria de Avaliação CA Faculdades Integradas Einstein de Limeira FIEL Associação Limeirense de Educação e Cultura - ASLEC

Leia mais

REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá

REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá Dispõe sobre a constituição e funcionamento do Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá. CAPÍTULO I DO CENTRO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade:

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade: Resolução n 225, de 21 de junho 2016. Aprova emendas ao Regimento Geral da Universidade, cria setores e dá outras providências. O Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade do Planalto Catarinense

Leia mais

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta:

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta: DOCUMENTO DE REFERÊNCIA DA POLÍTICA NACIONAL DE PREVENÇÃO E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS Esta proposta preliminar é resultado de um esforço coletivo do Grupo de Trabalho de Conflitos Fundiários

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DA LOJAS RENNER E SUAS CONTROLADAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DA LOJAS RENNER E SUAS CONTROLADAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DA LOJAS RENNER E SUAS CONTROLADAS 1 INTRODUÇÃO A Lojas Renner acredita que para alcançar a sua meta de ser a maior e melhor loja de departamentos das Américas precisa ir além

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 06 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 06 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 06 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais RESOLVE ad referendum: integrante desta Resolução; I) Aprovar a POLITICA AMBIENTAL

Leia mais

Grupo de Pesquisa. Pesquisa em Sustentabilidade

Grupo de Pesquisa. Pesquisa em Sustentabilidade Centro Universitário SENAC Diretoria de Graduação e Pesquisa Coordenação Institucional de Pesquisa Identificação Grupo de Pesquisa Grupo Pesquisa em Sustentabilidade Linhas de Pesquisa Técnicas e tecnologias

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTE AZUL PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTE AZUL PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO CÂMARA MUNICIPAL DE MONTE AZUL PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO LEI ORDINÁRIA Nº 2079, DE 20 DE SETEMBRO DE 2016 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental do Município de Monte Azul Paulista.

Leia mais

A extensão e ação comunitária é o canal aberto para a interação do ensino e da pesquisa com a sociedade, estimulando a formação profissional cidadã.

A extensão e ação comunitária é o canal aberto para a interação do ensino e da pesquisa com a sociedade, estimulando a formação profissional cidadã. EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO E DE AÇÃO COMUNITÁRIA PARA 2010 A UNIVERSIDADE POTIGUAR, mantida pela APEC - Sociedade Potiguar de Educação e Cultura S.A., com sede em Natal/RN,

Leia mais

UNIFLOR E PREFEITURA DE MATUPÁ: JUNTOS NUMA JORNADA DE CIDADANIA

UNIFLOR E PREFEITURA DE MATUPÁ: JUNTOS NUMA JORNADA DE CIDADANIA UNIFLOR E PREFEITURA DE MATUPÁ: JUNTOS NUMA JORNADA DE CIDADANIA Guarantã do Norte 2013 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO IES: Faculdade de Ciências Sociais de Guarantã do Norte PARCERIA: Prefeitura Municipal de

Leia mais

DE PÓS-GRADUAÇÃO

DE PÓS-GRADUAÇÃO 6.2.2. DE PÓS-GRADUAÇÃO As áreas de abrangência da UFOB têm experimentado importante crescimento econômico e populacional nos últimos 30 anos, fato que tem ampliado significativamente a demanda por profissionais

Leia mais

PROGRAMA QUALIDADE DE VIDA E BEM ESTAR DO FUNCIONÁRIO DA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

PROGRAMA QUALIDADE DE VIDA E BEM ESTAR DO FUNCIONÁRIO DA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE UNIVERSIDADE DE RIO VERDE PRÓ-REITORIA DE ETENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS PROGRAMA QUALIDADE DE VIDA E BEM ESTAR DO FUNCIONÁRIO DA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE 2013/1 FORMULÁRIO PARA PROJETOS DAS AÇÕES

Leia mais

ÁREA: Turismo e meio ambiente

ÁREA: Turismo e meio ambiente ÁREA: Turismo e meio ambiente EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PROPOSTA PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO SUSTENTÁVEL NO PARQUE SALTO DA PEDREIRA LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE RIO AZUL PR COELHO, Mariely de Andrade

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM NA ATENÇÃO BÁSICA/SAÚDE DA FAMÍLIA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM NA ATENÇÃO BÁSICA/SAÚDE DA FAMÍLIA 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM NA ATENÇÃO BÁSICA/SAÚDE DA FAMÍLIA Universidade Federal de São João del-rei Campus Centro Oeste Dona Lindu DIVINÓPOLIS-MG 2014 2 Pós-Graduação Lato Sensu

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO - IFPE

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO - IFPE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS

Leia mais

PLANO PLURIANUAL R$ 1,00 INFORMAÇÕES SOBRE AS AÇÕES ESTRATÉGICAS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - FUESPI

PLANO PLURIANUAL R$ 1,00 INFORMAÇÕES SOBRE AS AÇÕES ESTRATÉGICAS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - FUESPI 90 - GESTÃO E MANUTENÇÃO DO PODER EXECUTIVO COORDENAÇÃO GERAL DA FUESPI PROMOVER POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DO SERVIDOR DOCENTE E ADMINISTRATIVO, INCLUINDO O PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA. AMPLIAR O QUADRO

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL O CONHECIMENTO CHEGANDO PELAS ONDAS. Palavras-chave: Comunicação; conscientização; meio ambiente; vida

EDUCAÇÃO AMBIENTAL O CONHECIMENTO CHEGANDO PELAS ONDAS. Palavras-chave: Comunicação; conscientização; meio ambiente; vida EDUCAÇÃO AMBIENTAL O CONHECIMENTO CHEGANDO PELAS ONDAS FIUZA, Denise Almeida Fonseca 1 ; HERCOS, Emylciane Costa 2 ; ARAÚJO, Valdinéia Nogueira da Silva 3 Palavras-chave: Comunicação; conscientização;

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO PLANOS ESTRATÉGICOS DE DESENVOLVIMENTO URBANO AVISO DE CONCURSO Nº ALT20 06 2016 18 ALT20 16 2016 19 ALT20 43 2016 20 DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA

Leia mais

E I X O S

E I X O S 0011 0010 1010 1101 0001 0100 1011 5 E I X O S 10 dimensões 5 eixos 8- Planejamento e Avaliação. 1- Missão e Plano de Desenvolvimento Institucional. 0011 3- Responsabilidade 0010 1010 1101 Social 0001

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista Faculdade da Alta Paulista Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Faculdade de Direito da Alta Paulista Faculdade da Alta Paulista Comissão Própria de Avaliação (CPA) PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FAP 2016 1. Introdução Desde 2004, a avaliação interna da Instituição Dom Bosco de Ensino e Cultura Ltda. está sob as normas do Sistema Nacional de Avaliação dos

Leia mais

O Sistema de Avaliação da Educação Superior no Brasil

O Sistema de Avaliação da Educação Superior no Brasil O Sistema de Avaliação da Educação Superior no Brasil Jacqueline Moreno Theodoro Silva Outubro/2016 Avaliação Educacional Avaliar é o ato de atribuir valor ou mérito a alguma coisa. Avaliação educacional:

Leia mais

do país. Esse resultado nos faz acreditar que estamos no caminho certo: promovendo o aperfeiçoamento dos programas acadêmicos, investindo na

do país. Esse resultado nos faz acreditar que estamos no caminho certo: promovendo o aperfeiçoamento dos programas acadêmicos, investindo na Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade: estratégias no processo de ensino e aprendizagem em aulas de educação física Programa de preparação para a aposentadoria com ênfase na autonomia pessoal

Leia mais

IVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA

IVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA Normatiza as Atividades Formativas previsto na Reforma Curricular do Curso de Odontologia Processo N o 23075.64471/05-92 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento tem o propósito de normatizar as

Leia mais

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013.

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013. DECRETO Nº 44.159 DE 15 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO RIO CRIATIVO - PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA CRIATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Missão Atuar nos mercados de energia de forma integrada rentável e sustentável. Visão Em

Leia mais

DIRETOR GERAL DO CAMPUS FEIRA DE SANTANA

DIRETOR GERAL DO CAMPUS FEIRA DE SANTANA Nome do candidato ao cargo de Diretor Geral do Campus Feira de Santana: Juliano Marques de Aguilar Cargo efetivo: Professor EBTT Matrícula Siape: 0268289 Data de admissão no IFBA: 03 de Julho de 1972 Campus

Leia mais

EDITAL N.º 17/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica

EDITAL N.º 17/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP

I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP NOVEMBRO 2010 Propostas de MISSÃO para a Gestão de Pessoas da USP Criar condições para o engajamento pessoal e profissional dos servidores

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE 2009 PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE GESTORES AMBIENTAIS PNC/PR Elias Araujo Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Texto de apoio

Leia mais

MINUTA EM CONSTRUÇÃO

MINUTA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO MINUTA EM CONSTRUÇÃO RESOLUÇÃO POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS E PROMOÇÃO DA IGUALDADE ÉTNICO-RACIAL Institui a Política de Ações Afirmativas

Leia mais

Programa FIC+Feliz. Maio/2016 Belo Horizonte - MG. Maria Lúcia Rezende Milhorato

Programa FIC+Feliz. Maio/2016 Belo Horizonte - MG. Maria Lúcia Rezende Milhorato Programa FIC+Feliz Maio/2016 Belo Horizonte - MG Maria Lúcia Rezende Milhorato CONTEXTO A Credicom foi piloto no projeto do Índice de Felicidade Interna do Cooperativismo FIC, promovido pelo SESCOOP Nacional

Leia mais

Faculdade de Balsas REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL

Faculdade de Balsas REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL Faculdade de Balsas REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL (Aprovado pela Resolução COP nº 06/2011 de 10 de setembro de 2011) Mantenedora: Unibalsas Educacional Ltda Balsas MA 2011

Leia mais

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO Página 1 PROGRAMA: ATENÇÃO A SAÚDE DA POPULAÇÃO OBJETIVO: Promover o acesso universal da população aos serviços ambulatoriais, emergenciais e hospitalares nos postos de saúde e hospitais localizados no

Leia mais

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do OBJETIVO Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental no âmbito do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC DOCUMENTOS DE

Leia mais

Carlos Hoyos, Paisaje Cultural Cafetero, Colombia Iniciativa Regional da Paisagem: proposta ou estratégia que serve de origem, nesse caso, para promover o reconhecimento, a valorização, a proteção, o planejamento

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO OUI Aprovado pala Assembleia geral da OUI

PLANO ESTRATÉGICO OUI Aprovado pala Assembleia geral da OUI PLANO ESTRATÉGICO OUI 2017 2022 Aprovado pala Assembleia geral da OUI 25 de novembro de 2016 INSPIRAÇÃO OUI "Desejo estabelecer, além e livre de toda fronteira, seja esta política, geográfica, econômica,

Leia mais

Profa. Dra. Najla Veloso Consultora Internacional da FAO para fortalecimento de Programas de Alimentação Escolar Sustentáveis na ALC

Profa. Dra. Najla Veloso Consultora Internacional da FAO para fortalecimento de Programas de Alimentação Escolar Sustentáveis na ALC Profa. Dra. Najla Veloso Consultora Internacional da FAO para fortalecimento de Programas de Alimentação Escolar Sustentáveis na ALC Governo Governo Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO

SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA O PLANO DE SANEAMENTO RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍOIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA GOIÁS Respostas aos Questionamentos e Sugestões Nome: Lara

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 79, DE 28 DE AGOSTO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 79, DE 28 DE AGOSTO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 79, DE 28 DE AGOSTO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 56ª Reunião Ordinária, realizada no dia 28 de agosto de 2014, no uso das atribuições que lhe são

Leia mais

PLANO DE GOVERNO PRESSUPOSTOS E VALORES BÁSICOS

PLANO DE GOVERNO PRESSUPOSTOS E VALORES BÁSICOS PLANO DE GOVERNO PRESSUPOSTOS E VALORES BÁSICOS O Plano de Ação Governamental do Município de Itinga assume os seguintes pressupostos ou valores básicos: Métodos democráticos e participativos de gestão;

Leia mais

2º ENCONTRO CAIXA/FORNECEDORES

2º ENCONTRO CAIXA/FORNECEDORES 2º ENCONTRO CAIXA/FORNECEDORES PIB Sustentabilidade na Prática Empresarial Jean Rodrigues Benevides GN de Meio Ambiente SN de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Situação Atual Estratégia

Leia mais

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis Organização Pan Americana da Saúde Oficina Regional da Organização Mundial da Saúde Municípios e Comunidades Saudáveis Guia dos prefeitos e outras autoridades locais Promovendo a qualidade de vida através

Leia mais