Gestão Esportiva no Primeiro Setor

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão Esportiva no Primeiro Setor"

Transcrição

1 Gestão Esportiva no Primeiro Setor 1 S E T O R P Ú B L I C O Claudio Rocha

2 Objetivos da aula 2 1. A N A L I S A R O S S E T O R E S D A S O C I E D A D E O N D E A G E S T Ã O E S P P O D E S E R C O N T E M P L A D A 2. D I S C U T I R A F U N Ç Ã O D O E S T A D O N O F O M E N T O À P R Á T I C A E S P O R T I V A 3. D I S C U T I R P O L Í T I C A S P Ú B L I C A S Q U E R E L A C I O N E M O E S P O R T E À E D U C A Ç Ã O E À S A Ú D E 4. D I S C U T I R P O L Í T I C A S P Ú B L I C A S P A R A O E S P O R T E D E A L T O R E N D I M E N T O Claudio Rocha

3 Gestão Esportiva ORGANIZAÇÕES ESPORTIVAS podem estar no... 3 Primeiro Setor Segundo Setor Terceiro Setor 1. Analisar os setores da sociedade

4 Qual a função do Estado enquanto administrador do esporte? 4 Constituição Federal Artigo 217: É dever do Estado fomentar práticas desportivas formais e não-formais como direito de cada um. 2. Discutir a função do Estado

5 Como o Estado fomenta práticas esportivas? Através de POLÍTICAS PÚBLICAS. 5 Com que finalidade o Estado fomenta práticas esportivas? Para promover Para promover Para promover 2. Discutir a função do Estado

6 6 O que é política pública? Curso de ação (ou de não ação) tomado por entidades governamentais com relação a uma questão em particular ou um conjunto de questões (Kraft & Furlong, 2009). É o que quer que o governo decida fazer ou não fazer (Dye, 2001). O que direciona as políticas públicas? Leis e programas 2. Discutir a função do Estado

7 Claudio Rocha Gestão Esportiva no Setor Público Lei 9.615/98 Capítulo 3 Da natureza e das finalidades do desporto 7 2. Discutir a função do Estado

8 8 A- Políticas públicas para promoção da educação Constituição Federal Art. 205 A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, Relacionar esporte, educação e saúde

9 Ministério da Educação Programa Escola Aberta Programa Mais Educação Secretaria da Educação do Estado de SP Programa Escola da Família Claudio Rocha 9 3. Relacionar esporte, educação e saúde

10 10 Claudio Rocha B- Políticas públicas para promoção da saúde Constituição Federal - Art. 196 A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença Relacionar esporte, educação e saúde

11 Ministério da Saúde Atividade física é uma ação específica dentro da Política Nacional de Promoção da Saúde Contudo, não existe nenhum programa específico deste ministério para isto Foco no prevenção de doenças crônicas e tratamento de doenças infecciosas Secretaria de Saúde do Estado de SP Agita São Paulo Claudio Rocha Relacionar esporte, educação e saúde

12 C- Políticas públicas para promoção de educação e saúde através do esporte Ministério do Esporte Programa Segundo Tempo Programa Esporte e Lazer da Cidade Secretaria de Esporte, Lazer e Turismo do Estado de SP Programa Bola da Vez Programa Esporte Social Claudio Rocha Relacionar esporte, educação e saúde

13 13 Claudio Rocha

14 D- Políticas públicas para o esporte de rendimento 14 O Sistema Brasileiro do Desporto compreende (Lei 9.615/98, art. 4o.): I o Ministério do Esporte; II o Conselho Nacional do Esporte (CNE); e III o Sistema Nacional do Desporto e os sistemas de desporto dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios 4. Políticas públicas para o esporte de rendimento

15 Ministério do Esporte Órgão administrativo máximo 15 Três secretarias técnicas (+ secretária executiva) Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento Secretaria Nacional de Esporte Educacional. Lazer e Inclusão Social Secretaria Nacional de Futebol e Defesa dos Direitos do torcedor Ver site 4. Políticas públicas para o esporte de rendimento

16 Conselho Nacional do Esporte (CNE) 16 Órgão colegiado de deliberação, normatização e assessoramento do Ministério do Esporte Objetivo: oferecer subsídios técnicos à elaboração do Plano Nacional de Esporte 4. Políticas públicas para o esporte de rendimento

17 Sistema Nacional do Desporto Promover as práticas esportivas de rendimento I - COB II - CPB III - entidades nacionais de administração do desporto IV - as entidades regionais de administração do desporto V - as ligas regionais e nacionais VI - as entidades de prática desportiva filiadas ou não àquelas referidas nos incisos anteriores Sistemas de desporto dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios Políticas públicas para o esporte de rendimento

18 LEIS Gestão Esportiva no Setor Público Lei Pelé (9.615/98) Lei Piva (10.264/01) Lei de Incentivo ao Esporte (11.438/06) Políticas públicas para o esporte de rendimento

19 Administração Esportiva no Setor Público Lei Piva (10.264/01) 2% do total arrecadado com as loterias federais COB (85%) e CPB (15%) R$ 288 milhões no último ciclo olímpico 19 Clubes formadores de atletas olímpicos 4. Políticas públicas para o esporte de rendimento

20 Administração Esportiva no Setor Público Lei de Incentivo ao Esporte (11.438/06) Pessoas jurídicas sem fins lucrativos de direito público e privado Pessoa física Pessoa jurídica Projetos esportivos reforma ou ampliação de instalações esportivas implantação de programas de atividade física regular custeio de participação em competições promoção de festivais, campeonatos NÃO pode pagar salários de atletas/técnicos Políticas públicas para o esporte de rendimento

21 Programas Gestão Esportiva no Setor Público 21 Bolsa Atleta - Ver Pré-Requisitos Filiação a federações/confederações Valor das bolsas 4. Políticas públicas para o esporte de rendimento

22 Em nível estadual Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo 22 Lei Paulista de Incentivo ao Esporte (13.918/09 e Decreto /10) Empresas pagadoras de ICMS podem destinar de a % do imposto devido a projetos esportivos 4. Políticas públicas para o esporte de rendimento

23 Conclusões 23 A gestão esportiva no setor público se preocupa em usar o esporte como instrumento para melhorar a educação e a saúde do povo Nestas linhas, a gestão esportiva no primeiro setor carece de objetividade e efetividade A gestão esportiva pública também se preocupa com o esporte de rendimento e com a participação do Brasil em competições internacionais O fomento via primeiro setor do esporte de rendimento acontence através da Lei Piva e de leis estaduais e federais de incentivo ao esporte Claudio Rocha

24 Referências Ball, D. W.; Loi, J. W. (1975). Sport and Social Order. Massachusetts: Addison-Wesley Publishing Co. Barbanti, V. J. (2003). Dicionário de Educação Física e Esporte. 2ª ed. Barueri SP: Manole. Bateman, T. S., & Snell, S. (1996). Management : building competitive advantage (3rd ed.). Chicago: Irwin. Bedeian, A. G., & Zammuto, R. F. (1991). Organizations : theory and design. Chicago: Dryden Press. Chelladurai, P. (1992). A classification of sport and physical activity services: Implications for Sport Management. Journal of Sport Management, 6(1), Mariz de Oliveira, J.G.; Betti, M.; Mariz de Oliveira, W. (1988). Educação física e o ensino de 1º grau: uma abordagem crítica. São Paulo: EDUSP. Mullin, B J; Hardy, S; Sutton, W A (2000) Sport Marketing (2nd ed). Champaign, IL: Human Kinetics. Newell, K. M. (1990). Physical Education in Higher Education: Chaos out of order. Quest, 42 (3), Salamon, L M; Anheier, H K. (1997) Defining the nonprofit sector: A crossnational analysis. Manchester: Manchester University Press, Claudio Rocha 24

1. Conceituar indústria e discutir a segmentação das indústrias 2. Definir o objeto da indústria do esporte 3. Definir indústria do esporte 4.

1. Conceituar indústria e discutir a segmentação das indústrias 2. Definir o objeto da indústria do esporte 3. Definir indústria do esporte 4. 1. Conceituar indústria e discutir a segmentação das indústrias 2. Definir o objeto da indústria do esporte 3. Definir indústria do esporte 4. Explorar os segmentos da indústria do esporte 5. Ilustrar

Leia mais

A C T A N. º I V /

A C T A N. º I V / 1 A C T A N. º I V / 2 0 0 9 - - - - - - A o s d e z a s s e t e d i a s d o m ê s d e F e v e r e i r o d o a n o d e d o i s m i l e n o v e, n e s t a V i l a d e M o n c h i q u e, n o e d i f í c

Leia mais

M a n h ã... p r e s e n t e! L u g a r... p r e s e n t e! Q u e m... p r e s e n t e! N e n h u m... p r e s e n t e! C u í c a... p r e s e n t e!

M a n h ã... p r e s e n t e! L u g a r... p r e s e n t e! Q u e m... p r e s e n t e! N e n h u m... p r e s e n t e! C u í c a... p r e s e n t e! C a r o l i n a M a n h ã......................................................................... p r e s e n t e! L u g a r.......................................................................... p

Leia mais

Gestão Esportiva: Definindo a área

Gestão Esportiva: Definindo a área Gestão Esportiva: Definindo a área Objetivos da aula 1. Diferenciar os termos gestão e administração 2. Definir gestão esportiva 3. Diferenciar gestão e marketing 4. Discutir o atual status profissional

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E

U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E E S T U D O D O S P R O B L E M A S D A E C O N O M I A B R A S I L

Leia mais

Á Ç ó á ç

Á Ç ó á ç Á Ç ó á ç É í é çã ô ã â ã á ç õ é á õ é ê ã ê çã õ ê ú õ ê ó ó ó ó ã é à çã ê é ê í é ã ó ã á ç í á é ã ó é á ó ó á ó á ã ó ã ã çã ó ê ó ê á ô ô ã ã çã ô çã ô í ê ó á ó ê çõ ê é á ê á á ç ó í çã ó ã é

Leia mais

P a l a v r a s - c h a v e s : l i n g u í s t i c a, l i n g u a g e m, s o c i a b i l i d a d e.

P a l a v r a s - c h a v e s : l i n g u í s t i c a, l i n g u a g e m, s o c i a b i l i d a d e. A V A R I E D A D E L I N G U Í S T I C A D E N T R O D A S O C I E D A D E C A M P O - G R A N D E N S E N O Â M B I T O D O M E R C A D Ã O M U N I C I P A L E F E I R A C E N T R A L D E C A M P O G

Leia mais

O processo eleitoral brasileiro. A n tonio Paim I n s t i t u t o d e H u m a n i d a d e s, S ã o P a u l o

O processo eleitoral brasileiro. A n tonio Paim I n s t i t u t o d e H u m a n i d a d e s, S ã o P a u l o O processo eleitoral brasileiro A n tonio Paim I n s t i t u t o d e H u m a n i d a d e s, S ã o P a u l o A p a i m 0 9 @ u o l. c o m. b r A j u l g a r p e l o s s i n a i s e x t e r i o r e s, o

Leia mais

A T A N º 4 /2014. S e s s ã o o r d i n á r i a 30 d e j u n h o d e M a r g a r i d a M a s s e n a 1 d e 50

A T A N º 4 /2014. S e s s ã o o r d i n á r i a 30 d e j u n h o d e M a r g a r i d a M a s s e n a 1 d e 50 A T A N º 4 /2014 A o s t r i n t a d i a s d o m ê s d e j u n h o d o a n o d e d o i s m i l e c a t o r z e, p e l a s v i n t e h o r a s e t r i n t a m i n u t o s r e u n i u e m s e s s ã o o

Leia mais

A S S E M B L E I A D E F R E G U E S I A D A U N I Ã O D E F R E G U E S I A S D O C A C É M E S Ã O M A R C O S R

A S S E M B L E I A D E F R E G U E S I A D A U N I Ã O D E F R E G U E S I A S D O C A C É M E S Ã O M A R C O S R A T A N º 2 /2013 A o s t r i n t a d i a s d o m ê s d e d e z e m b r o d o a n o d e d o i s m i l e t r e z e, p e l a s v i n t e e u m a h o r a s e q u i n z e m i n u t o s r e u n i u e m s e

Leia mais

A C O N T R A R E F O R M A E A R E F O R M A C A T Ó L I C A N O S P R I N C Í P I O S D A I D A D E M O D E R N A 2

A C O N T R A R E F O R M A E A R E F O R M A C A T Ó L I C A N O S P R I N C Í P I O S D A I D A D E M O D E R N A 2 1 Í N D I C E A C O N T R A R E F O R M A E A R E F O R M A C A T Ó L I C A N O S P R I N C Í P I O S D A I D A D E M O D E R N A 2 A P R E S E N T A Ç Ã O : A L G U M AS N O T A S E P A L A V R A S 2

Leia mais

EBI DA BOA ÁGUA EB1 N.º 2 DA QUINTA DO CONDE EB1/JI DO PINHAL DO GENERAL JI DO PINHAL DO GENERAL

EBI DA BOA ÁGUA EB1 N.º 2 DA QUINTA DO CONDE EB1/JI DO PINHAL DO GENERAL JI DO PINHAL DO GENERAL L I S T A D E C A N D I D A T U R A S A O C O N C U R S O D E A S S I S T E N T E O P E R A C I O N A L P U B L I C A D O N O D I Á R I O D A R E P Ú B L I C A N º 1 5 8 D E 1 4 / 8 / 2 0 1 5 A V I S O

Leia mais

P R O F E S S O R V I N I C I U S S I L V A CAP II DESIGN D E E M B A L A G E N S

P R O F E S S O R V I N I C I U S S I L V A CAP II DESIGN D E E M B A L A G E N S CAP II DESIGN D E E M B A L A G E N S LINGUAGEM V I S U A L E S T E M O M E N T O P R I M O R D I A L, O N D E A I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O D U T O E R A F E I T A P E L A F O R M A D E S E U

Leia mais

Reasons for the lack of sports performance of Comercial F.C

Reasons for the lack of sports performance of Comercial F.C RAZÕES PARA A FALTA DE RENDIMENTO ESPORTIVO DO COMERCIAL F.C. Reasons for the lack of sports performance of Comercial F.C V W X W Y Z [ \ ] ^ _ ` a _ a ] ` ] b X W Z c \ ] ` _ ` a _ a ] ` ` 5 & ', " d

Leia mais

MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESPORTE E DE LAZER. Programa Esporte e Lazer da Cidade - PELC

MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESPORTE E DE LAZER. Programa Esporte e Lazer da Cidade - PELC MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESPORTE E DE LAZER Programa Esporte e Lazer da Cidade - PELC 2010 Estrutura Ministério do Esporte Secretaria Executiva Secretaria Nacional

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS

CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS Estado do Rio de Janeiro CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS Gabinete do Vereador Hélio Severino de Azevedo C.M.A.R. Proc. nº_2428/2016_ Folha 01 Rubrica PROJETO DE LEI N.º 054/2016 Projeto de Lei que institui

Leia mais

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z ÇÃ ódigo escrição nid. ódigo escrição nid. Ç 1001.01 Ç 13 16 (1/4 5/16) Ç 1001.02 Ç 19 25 (1/2 3/4) Ç 1001.03 Ç 1/2 / Ç 1001.04 Ç Ã 1/2 / Ç Á 1002.01 Á Ç 1002.02 Á Ç 1002.03 Á Ç 1003.01 / Ê Ç 1003.02 /

Leia mais

PLANO DE VISIBILIDADE

PLANO DE VISIBILIDADE PLANO DE VISIBILIDADE Projeto: Jogos Estudantis Municipais 2017 Número de Beneficiários: 2.000 Participantes Valor Aprovado: R$ 149.628,40 LPIE nº 406/2016 Aprovação Publicada no D.O.E de 01/06/2016 Lei

Leia mais

Ricardo Georges Affonso Miguel

Ricardo Georges Affonso Miguel Atleta mirim: Natureza jurídica da sua condição e a contribuição para o futebol. Ricardo Georges Affonso Miguel ricardo.miguel@trt1.jus.br O problema. A dificuldade econômica das famílias tem sido a principal

Leia mais

Processo Nº / São Carlos Clube do Atletismo

Processo Nº / São Carlos Clube do Atletismo Processo Nº 58701001573/2009-80 SÃO CARLOS CLUBE O São Carlos Clube é um dos clubes mais tradicionais do interior do estado de São Paulo fundado em 1944. A história do clube e da cidade é bastante conhecida

Leia mais

PROJETO INCENTIVADO - ICMS CENTRO DE TREINAMENTO DE REMO ADAPTÁVEL. Este é um Projeto Aprovado pela Lei Estadual de Incentivo ao Esporte KMC

PROJETO INCENTIVADO - ICMS CENTRO DE TREINAMENTO DE REMO ADAPTÁVEL. Este é um Projeto Aprovado pela Lei Estadual de Incentivo ao Esporte KMC PROJETO INCENTIVADO - ICMS CENTRO DE TREINAMENTO Este é um Projeto Aprovado pela Lei Estadual de Incentivo ao Esporte Realização Apoio Sobre a Lei Foi sancionada em dezembro de 2009 a Lei Estadual nº 1.137/2009,

Leia mais

FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO DISTRITO FEDERAL FDA/DF

FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO DISTRITO FEDERAL FDA/DF Critérios indicativos à Bolsa Atleta de Natação conforme Reunião da Diretoria da FDA/DF e técnicos filiados, realizada no dia 03 de fevereiro de 2016. I BOLSA ATLETA OLÍMPICA 1.1- O atleta de natação só

Leia mais

Prof. Jefferson Monteiro

Prof. Jefferson Monteiro Prof. Jefferson Monteiro Histórico O Programa Segundo Tempo é uma política pública de esporte educacional idealizado e criado em 2003 pelo Ministério do Esporte, destinado a democratizar o acesso à prática

Leia mais

SUGESTÃO DE ITENS PARA PROPOSTA DE EVENTO. Disciplina: Organização e Administração Desportiva Professor: Edson Farret

SUGESTÃO DE ITENS PARA PROPOSTA DE EVENTO. Disciplina: Organização e Administração Desportiva Professor: Edson Farret SUGESTÃO DE ITENS PARA PROPOSTA DE EVENTO Disciplina: Organização e Administração Desportiva Professor: Edson Farret EVENTOS Por categoria Institucional ou promocional; Por área de interesse: esportivo,

Leia mais

Patrocínio Esportivo 2.6 revisão aula 1.6 Negócio Esporte

Patrocínio Esportivo 2.6 revisão aula 1.6 Negócio Esporte Patrocínio Esportivo 2.6 revisão aula 1.6 Negócio Esporte Patrocínio Esportivo 2.6 revisão aula 1.6 - visão sistêmica marketing esportivo - PRODUTO CANAIS comunicação alto rendimento educacional MERCADO

Leia mais

Orçamento Anual FPPM 2012 (PROVISÓRIO) ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IDP

Orçamento Anual FPPM 2012 (PROVISÓRIO) ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IDP Orçamento Anual FPPM 2012 (PROVISÓRIO) ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IDP DESCRIÇÃO 2012 Valor Euros 0 RECEITAS 230.469 1.1 Próprias 1.1.1 Quotizações Anuais 1.2 Entidades Oficiais 227.469

Leia mais

T A B E L A D E P R E Ç O S A B R I L

T A B E L A D E P R E Ç O S A B R I L T A B E L A D E S A B R I L 1 7 P U L S E 1 4 9, 9 9 1 2 1, 9 4 8 U M P A R D E P U L S E - L E D ( 1 X P U L S E M A S T E R + 1 X P U L S E S A T E L L I T E ) C O M 6 0 0 L Ú M E N, 2 7 0 0 K ( B R

Leia mais

Produtos Bancários CAIXA. Item 3- Loterias

Produtos Bancários CAIXA. Item 3- Loterias Produtos Bancários CAIXA Item 3- Loterias Produtos Bancários CAIXA Item 3- Loterias Loterias Federais: Item 3- Loterias Administração das LOTERIAS FEDERAIS Delegada à CAIXA desde 1962 Loterias Federais:

Leia mais

A T A N º 7 /

A T A N º 7 / A T A N º 7 / 2 0 1 4 A o s d e z a s s e i s dias d o m ê s d e d e z e m b r o d o a n o d e d o i s m i l e c a t o r z e, p e l a s v i n t e h o r a s e c i n q u e n t a m i n u t o s r e u n i u

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 44/09

PROJETO DE LEI N.º 44/09 PROJETO DE LEI N.º 44/09 Dispõe sobre a Política Municipal de Esporte e Lazer de Santa Bárbara d Oeste". A Câmara Municipal Santa Bárbara d Oeste decreta: CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º. - A Política

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16.

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16. - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Esportes e Lazer Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.660/06, nº 12.979/06 e nº 16.385/15 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2002

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2002 RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2002 De 17 de janeiro de 2002 Autoriza a criação do Centro de Treinamento Olímpico - CTO, como Órgão Complementar vinculado à Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia

Leia mais

Fundamentos do TE 27/11/2012

Fundamentos do TE 27/11/2012 Unidade I Fundamentos do Esportivo Conceito de Conceito de Esportivo Processo Conceito de É um processo pelo qual se submete alguém à busca de melhoria de alguma coisa. Visa a melhoria pois envolve diversas

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO EMENTAS º PERÍODO CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: BIOQUÍMICA CELULAR Componentes responsáveis pelo funcionamento bioquímico dos seres vivos, em especial o ser humano, manifestos

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2014

PROJETO DE LEI N o, DE 2014 PROJETO DE LEI N o, DE 2014 Dispõe sobre seguro de vida e contra acidentes pessoais de atletas olímpicos e paralímpicos. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei tem por objetivo dispor sobre medidas

Leia mais

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO 1 DIMENSÃO 8 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO 1 O plano de desenvolvimento do instituto PDI ( http://www.ufopa.edu.br/arquivo/portarias/2015/pdi20122016.pdf/view ) faz referência a todos os processos internos

Leia mais

Orçamento Anual FPPM 2013 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2013 ANTERIOR Á DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ

Orçamento Anual FPPM 2013 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2013 ANTERIOR Á DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ Orçamento Anual FPPM 2013 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2013 ANTERIOR Á DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ DESCRIÇÃO 2013 Valor Euros 0 RECEITAS 373.620 1.1 Próprias 1.1.1 Quotizações Anuais 1.2 Entidades

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Objetivos da Aula: 1. Conceituar gestão de recursos humanos 2. Diferenciar gestão de RH em Educação Física e Esporte 3. Discutir gestão de RH na

Leia mais

S e s s ã o e x t r a o r d i n á r i a 1 3 d e m a r ç o d e A T A N º 1 /

S e s s ã o e x t r a o r d i n á r i a 1 3 d e m a r ç o d e A T A N º 1 / A T A N º 1 / 2 0 1 4 A o s t r e z e d i a s d o m ê s d e m a r ç o d o a n o d e d o i s m i l e c a t o r z e, p e l a s v i n t e e u m a h o r a s e d e z m i n u t o s r e u n i u e m s e s s ã

Leia mais

Marketing esportivo. I Seminário DESCOR de Pesquisa. Agenda 14/11/2016. Prof. Dr. André F. A. Fagundes. FAGEN/UFU

Marketing esportivo. I Seminário DESCOR de Pesquisa. Agenda 14/11/2016. Prof. Dr. André F. A. Fagundes. FAGEN/UFU I Seminário DESCOR de Pesquisa Marketing esportivo Prof. Dr. André F. A. Fagundes FAGEN/UFU andre.fagundes@ufu.br Prof. Dr. André F. A. Fagundes 1 Agenda A indústria do esporte. Consumidor esportivo. Marketing

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

Anexo 7 - Despesa por Projeto e Atividade - Detalhado

Anexo 7 - Despesa por Projeto e Atividade - Detalhado Folha N. 1 01 LEGISLATIVA 120.000,00 4.543.000,00 4.848.000,00 01.031 AÇÃO LEGISLATIVA 120.000,00 4.543.000,00 4.848.000,00 01.031.0001 PROCESSO LEGISLATIVO 4.543.000,00 4.728.000,00 01.031.0001.0125 INATIVOS

Leia mais

2016 Fernanda Monturil

2016 Fernanda Monturil 2016 Fernanda Monturil Mundial de Planadores A Federação Brasileira de Voo a Vela é uma entidade de fins não econômicos e de caráter desportivo, criada em 15 de janeiro de 1954, e vinculada ao Comitê Olímpico

Leia mais

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL APRENDIZAGEM PROFISSIONAL A importância da Aprendizagem para o Esporte Aprendizagem Profissional a LEI promove o Trabalho Decente para a Juventude Departamento de Políticas Públicas de Trabalho, Emprego

Leia mais

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Qualidade de vida e políticas públicas internacionais Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estimativas e projeções Doenças crônicas não transmissíveis causam 60% das mortes no mundo. Estima-se que

Leia mais

Não-Me-Toque, 31 de janeiro de Charles Manolo de Morais Vereador do PP

Não-Me-Toque, 31 de janeiro de Charles Manolo de Morais Vereador do PP PEDIDO DE INDICAÇÃO Nº 007/2017 O vereador, Charles Manolo de Morais, com que esta subscreve requer na forma regimental (art. 156) que seja encaminhado ao Prefeito Municipal, Sr. Armando Carlos Roos, este

Leia mais

Uma grande oportunidade

Uma grande oportunidade OBJETIVOS Uma grande oportunidade Números da Indústria Esportiva Brasileira PIB Brasil X PIB Esporte Variação 2008-2012 Números da Indústria Esportiva Brasileira Esporte no PIB - 2010 Esporte no PIB 2016

Leia mais

I g r e j a P a r o q u i a l d o C a c é m, n o C a c é m, s o b a P r e s i d ê n c i a d e C r i s t i n a S o f i a

I g r e j a P a r o q u i a l d o C a c é m, n o C a c é m, s o b a P r e s i d ê n c i a d e C r i s t i n a S o f i a A T A Nº 6 /2014 A o s v i n t e e o i t o dias d o m ê s d e n o v e m b r o do ano de dois mil e catorze, pelas v i n t e h o r a s e c i n q u e n t a m i n u t o s r e u n i u e m s e s s ã o e x t

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA PLANO DE ATIVIDADES 2012 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DESPORTIVA ALTO RENDIMENTO E SELEÇÕES NACIONAIS FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS MARKETING, COMUNICAÇÃO & IMAGEM 1.-

Leia mais

Institui a bolsa-atleta. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Institui a bolsa-atleta. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Institui a bolsa-atleta. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1 o Fica instituída a Bolsa-Atleta, destinada aos atletas praticantes do

Leia mais

DECRETO Nº DE 26 DE JANEIRO DE 1989

DECRETO Nº DE 26 DE JANEIRO DE 1989 DECRETO Nº 8.356 DE 26 DE JANEIRO DE 1989 Dispõe sobre a Estrutura Organizacional da Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

GEPAE. Grupo de Estudos e Pesquisa em Administração Esportiva / Gestão do Esporte. Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo

GEPAE. Grupo de Estudos e Pesquisa em Administração Esportiva / Gestão do Esporte. Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo GEPAE Grupo de Estudos e Pesquisa em Administração Esportiva / Gestão do Esporte Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo GEPAE: UMA DÉCADA Ata 1ª reunião: GEPAE - 2003 Nesta última

Leia mais

Plano de Governo. Club de Regatas Vasco da Gama Novembro de 2016

Plano de Governo. Club de Regatas Vasco da Gama Novembro de 2016 Plano de Governo Club de Regatas Vasco da Gama 2018-2020 Novembro de 2016 1 Histórico A Cruzada Vascaína foi criada em 2008, fruto da indignação com a possibilidade de rebaixamento que se aproximava. Desde

Leia mais

GRUPO 2 - ESPORTE, CULTURA e LAZER

GRUPO 2 - ESPORTE, CULTURA e LAZER GRUPO 2 - ESPORTE, CULTURA e LAZER Nº PROPOSTA UF e nº Original da Proposta 01 Implantar e implementar, nas três esferas, Políticas Públicas de Esporte, Cultura, Lazer e AL/06; Turismo para as pessoas

Leia mais

Projeto de Alto Rendimento

Projeto de Alto Rendimento Projeto de Alto Rendimento - Associação Paulista de Esporte Cultura e Educação. A Apece é uma entidade sem fins lucrativos e de caráter esportivo,como histórico de seu trabalho, ela já realizou os seguintes

Leia mais

FESTIVAL SESI MIRIM DE VOLEIBOL

FESTIVAL SESI MIRIM DE VOLEIBOL FESTIVAL SESI MIRIM DE VOLEIBOL - 2015 REGULAMENTO DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO ARTIGO 1º - FESTIVAL MIRIM DE VOLEIBOL é o nome fantasia oficial da XX COPA SESI MIRIM DE VOLEIBOL, competição máxima do calendário

Leia mais

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos negócios Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos Negócios Agenda Um pouco do do Bradesco Sustentabilidade e o Bradesco Planejamento

Leia mais

Demonstrativo da Despesa por Funcoes, Programas e Subprogramas. Prefeitura Municipal de Jarinu. Unidade Gestora : CONSOLIDADO

Demonstrativo da Despesa por Funcoes, Programas e Subprogramas. Prefeitura Municipal de Jarinu. Unidade Gestora : CONSOLIDADO 01.000.0000 Legislativa 2.840.000,00 2.840.000,00 01.031.0000 Acao Legislativa 2.840.000,00 2.840.000,00 01.031.0001 Prover a Camara Municipal dos recursos 2.840.000,00 2.840.000,00 humanos e materiais

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA, ESPORTE E LAZER

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA, ESPORTE E LAZER CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA, ESPORTE E LAZER Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira, Esporte e Lazer, do 1º Encontro Regional do Programa Nacional

Leia mais

PATROCÍNIO ESPORTIVO. Prof. Msdo Eduardo de Oliveira Cruz Carlassara

PATROCÍNIO ESPORTIVO. Prof. Msdo Eduardo de Oliveira Cruz Carlassara PATROCÍNIO ESPORTIVO Prof. Msdo Eduardo de Oliveira Cruz Carlassara Agenda O consumidor esportivo Fases do comportamento de consumo Tipos de marketing esportivo Patrocínio esportivo ( objetivo, seleção,

Leia mais

Patrocínio Esportivo 4.6 Prospecção de Patrocinadores

Patrocínio Esportivo 4.6 Prospecção de Patrocinadores Patrocínio Esportivo 4.6 Prospecção de Patrocinadores Patrocínio Esportivo 4.6 Projeto Final Prospecção de Patrocinadores Desenvolvimento do Projeto Esportivo e Plano Comercial (aula 3) Definição de novos

Leia mais

Projeto de Lei nº 410 /2011 Poder Executivo CAPÍTULO I DO SISTEMA ESTADUAL DE APOIO E INCENTIVO A POLÍTICAS ESTRATÉGICAS

Projeto de Lei nº 410 /2011 Poder Executivo CAPÍTULO I DO SISTEMA ESTADUAL DE APOIO E INCENTIVO A POLÍTICAS ESTRATÉGICAS Projeto de Lei nº 410 /2011 Poder Executivo Institui o Sistema Estadual de Apoio e Incentivo a Políticas Estratégicas do Estado do Rio Grande do Sul - SISAIPE/RS -, e dá outras providências. CAPÍTULO I

Leia mais

Técnicas Expandidas no Repertório de Percussão

Técnicas Expandidas no Repertório de Percussão D e p a r t a m e n t o d e M ú s i c a M e s t r a d o e m M ú s i c a - I n t e r p r e t a ç ã o A r t í s t i c a Saulo Giovannini Musique Concrète In stru mentale Técnicas Expandidas no Repertório

Leia mais

B e n e f í c i o s. Gestão da Saúde

B e n e f í c i o s. Gestão da Saúde B e n e f í c i o s Gestão da Saúde O GRUPO NUNES & GROSSI Atuamos no mercado de benefícios, oferecendo produtos de qualidade e criados sob medida para você, sua família ou empresa. Através da nossa Administradora

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO Formular e implementar estratégias de gestão com participação, transparência, compromisso, responsabilidade e efetividade, potencializando a administração pública

Leia mais

Instituto Olímpico Brasileiro

Instituto Olímpico Brasileiro Instituto Olímpico Brasileiro Departamento de educação do COB - Linha do tempo 2007/2008 Projetos / SOI 2010 Área funcional 2011 Superintendência 1995 Universidade do Esporte 2009 Lançamento oficial do

Leia mais

COMISSÃO DE TURISMO E DESPORTO

COMISSÃO DE TURISMO E DESPORTO COMISSÃO DE TURISMO E DESPORTO PROJETO DE LEI Nº 2.225, DE 2007. Cria o Fundo de Apoio ao Esporte Não Olímpico - FNO. Autora: Deputada GORETE PEREIRA (PR-CE) Relator: Deputado ARNON BEZERRA PTB - CE) I

Leia mais

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES Marcio Turini, Marta Gomes, Ana Miragaya e Lamartine DaCosta YOUTH OLYMPIC GAMES JOGOS OLÍMPICOS DA

Leia mais

CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL FEMININO

CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL FEMININO CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL FEMININO - 2015 ASSOCIAÇÕES PARTICIPANTES GRUPO 01 AMÉRICA FUTEBOL CLUBE ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA FRANCANA ESPORTE CLUBE XV DE NOVEMBRO FERROVIÁRIA FUTEBOL S/A GRÊMIO OSASCO AUDAX

Leia mais

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO Página 1 ATENÇÃO A SAÚDE DA POPULAÇÃO Promover o acesso universal da população aos serviços ambulatoriais, emergenciais e hospitalares nos postos de saúde e hospital localizados no Município. População

Leia mais

CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL FEMININO

CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL FEMININO CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL FEMININO - 2017 ASSOCIAÇÕES PARTICIPANTES GRUPO 01 ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA FRANCANA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA PONTE PRETA BOTAFOGO FUTEBOL CLUBE ESPORTE CLUBE XV DE NOVEMBRO FERROVIÁRIA

Leia mais

Sistema CECAM (Página: 1 / 5) Empenho Processo CPF/CNPJ Fornecedor Descrição Mod. Lic. Licitação Valor Empenhado Valor Liquidado Valor Pago

Sistema CECAM (Página: 1 / 5) Empenho Processo CPF/CNPJ Fornecedor Descrição Mod. Lic. Licitação Valor Empenhado Valor Liquidado Valor Pago (Página: 1 / 5) Movimentação do dia 31 de Julho de 2014 01.00.00 - PODER EXECUTIVO 01.01.00 - SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO 01.01.04 - ASSESSORIA DE GOVERNO 01.01.04.04.000 - Administração 01.01.04.04.122

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 - PROGRAMA DE AUXÍLIO PSICOSOCIAL - Atendimento de psicoterapia social à seis (6) alunos encaminhados pela Coordenadora Vânia do EMEF Leão Machado - BALLET - Atendemos no ano

Leia mais

2nd FAPESP PIPE-High-Tech

2nd FAPESP PIPE-High-Tech 2nd FAPESP PIPE-High-Tech Entrepreneurial Training Program October / November / December, 2016 TIME ONE SPORTS Fernando Endo Cofounder - CTO Paulo Camargo Cofounder - CEO Claudio Bacci Pesquisador Alexandre

Leia mais

CURSO BÁSICO DE FORMAÇÃO DE DIRIGENTES

CURSO BÁSICO DE FORMAÇÃO DE DIRIGENTES CURSO BÁSICO DE FORMAÇÃO DE DIRIGENTES DEFINIÇÃO DO CURSO A Portugal Football School (PFS) faz parte da Unidade de investigação e desenvolvimento da Federação Portuguesa de Futebol onde fica concentrada

Leia mais

PODER LEGISLATIVO DE ESTRELA Rua Dr. Tostes, 51 Centro Estrela/RS Fone: (51)

PODER LEGISLATIVO DE ESTRELA Rua Dr. Tostes, 51 Centro Estrela/RS Fone: (51) MENSAGEM JUSTIFICATIVA PROJETO DE LEI Nº 10/2016. PODER LEGISLATIVO DE ESTRELA Senhor Presidente Senhores Vereadores É com satisfação que me dirijo a Vossas Excelências, e ao mesmo tempo estou apresentando

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CALENDÁRIO ESPORTIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CALENDÁRIO ESPORTIVO PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CALENDÁRIO ESPORTIVO 2016 Carlos Eduardo Esporte é vida. Para a Prefeitura Municipal do Natal, estas palavras formam mais que uma máxima

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Nº 249, quarta-feira, 30 de dezembro de 2015 1 ISSN 1677-7042 159. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 117, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2015 Aprova o orçamento

Leia mais

UM TETO PARA MEU PAÍS - BRASIL

UM TETO PARA MEU PAÍS - BRASIL RELATÓRIO SOBRE O EXAME DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e administradores Um Teto Para Meu

Leia mais

Como funciona? Habilitação. Aprovação. Captação. Execução e Controle. Prestação de Contas

Como funciona? Habilitação. Aprovação. Captação. Execução e Controle. Prestação de Contas O que é a LIE A Lei nº 11.438/06 (Lei de Incentivo ao Esporte), sancionada em 29 de dezembro de 2006 e regulamentada em 3 de agosto de 2007 pelo Decreto nº 6.180/07, possibilita que pessoas físicas e pessoas

Leia mais

Contratualização de Resultados com o Terceiro Setor - OSCIP Desafios e Potencialidades: A Experiência de Minas Gerais

Contratualização de Resultados com o Terceiro Setor - OSCIP Desafios e Potencialidades: A Experiência de Minas Gerais Contratualização de Resultados com o Terceiro Setor - OSCIP Desafios e Potencialidades: A Experiência de Minas Gerais Renata Anício Bernardo Felipe Antônio Rocha Silva Frederico de Morais Andrade Coutinho

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Código Unidade 040 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso Etapa Sem. / Ano EDUCAÇÃO FISICA 4ª. ETAPA

Leia mais

Unidade 3 P TERRENOS ADQUIRIDOS Construção de parque infantil na cidade. unidade 1 P. Unidade 1 P CONTRIBUIÇÃO

Unidade 3 P TERRENOS ADQUIRIDOS Construção de parque infantil na cidade. unidade 1 P. Unidade 1 P CONTRIBUIÇÃO METAS DA ADMINISTR PÚBLICA-art. 165, parag.2º da Const.Federal Aquisisão de Terreno para Construção de Parque Infantil TERRNO ADQUIRIDO Capacitação de servidores para atendimento na Biblioteca e Mini Centro

Leia mais

Graduado em Educação Física - Universidade Estadual de Londrina

Graduado em Educação Física - Universidade Estadual de Londrina Graduado em Educação Física - Universidade Estadual de Londrina Especialista em Gestão de Pessoas Especialista em Gestão e Organização Pública Especialista em Qualidade e Produtividade no Setor Público

Leia mais

Faculdade de Balsas REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CULTURA, ESPORTE E LAZER

Faculdade de Balsas REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CULTURA, ESPORTE E LAZER Faculdade de Balsas REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CULTURA, ESPORTE E LAZER (Aprovado pela Resolução COP nº 05/2011 de 10 de setembro de 2011) Mantenedora: Unibalsas Educacional Ltda Balsas MA 2011 1 CAPÍTULO

Leia mais

CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL FEMININO

CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL FEMININO CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL FEMININO - 2010 ASSOCIAÇÕES PARTICIPANTES GRUPO 01 ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA FRANCANA ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA JAGUARIÚNA BOTUCATU FUTEBOL CLUBE ESPORTE CLUBE SÃO BENTO ESPORTE CLUBE

Leia mais

MODELOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE NO BRASIL

MODELOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE NO BRASIL MODELOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE NO BRASIL Fernando Aith São Paulo, 17 de maio de 2011 Centro de Estudos e Pesquisas em Direito Sanitário - CEPEDISA APRESENTAÇÃO 1. Saúde: Direito de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS NORMAS FUNCIONAMENTO DA PISTA DE ATLETISMO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS NORMAS FUNCIONAMENTO DA PISTA DE ATLETISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS NORMAS FUNCIONAMENTO DA PISTA DE ATLETISMO Art. 1º - A pista de atletismo localizada no Centro de Educação Física e Desportos

Leia mais

D e p a r t a m e n t o d e P s i c o l o g i a d a U n i v e r s i d a d e L u s ó f o n a

D e p a r t a m e n t o d e P s i c o l o g i a d a U n i v e r s i d a d e L u s ó f o n a O M e d o, a A n s i e d a d e e a s s u a s P e r t u r b a ç õ e s A m é r i c o B a p t i s t a, M a r i n a C a r v a l h o & F á t i m a L o r y C e n t r o d e E s t u d o s d e P s i c o l o g i

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Planejamento e Organização de Eventos Professor: Gilson Pereira Souza E-mail: professorgilsonpereira@gmail.com

Leia mais

Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea. Carlos Henrique Paganetto Roma Junior

Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea. Carlos Henrique Paganetto Roma Junior Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea Carlos Henrique Paganetto Roma Junior SUSTENTABILIDADE NA SOCIEDADE Problemas centrais Uso insustentável e predatório dos recursos

Leia mais

RECURSOS PREVISTOS PARA OS PROGRAMAS, INICIATIVAS E AÇÕES POR CATEGORIA DA DESPESA SEGUNDO ORGÃO E UNIDADE

RECURSOS PREVISTOS PARA OS PROGRAMAS, INICIATIVAS E AÇÕES POR CATEGORIA DA DESPESA SEGUNDO ORGÃO E UNIDADE GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E GESTÃO PPA - Exercício - RECURSOS PREVISTOS PARA OS PROGRAMAS, INICIATIVAS E AÇÕES POR CATEGORIA DA DESPESA SEGUNDO ORGÃO E UNIDADE Órgão

Leia mais

Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;

Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I DA EDUCAÇÃO Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade,

Leia mais

PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube. Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte

PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube. Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte Lei de Incentivo ao Esporte PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS TRIBUTADAS PELO

Leia mais

22/05/2016 (domingo) Sport Club Corinthians Paulista

22/05/2016 (domingo) Sport Club Corinthians Paulista SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA IV TORNEIO TIMÃO DE NATAÇÃO TROFÉU MARIO XAVIER 1ª Etapa -2016 DATA LOCAL 22/05/2016 (domingo) Sport Club Corinthians Paulista INSCRIÇÕES Inscrições até o dia 01/05/2016

Leia mais

ANEXO I. Estado do Tocantins Prefeitura Municipal de Cariri do Tocantins PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS LEGISLATIVOS

ANEXO I. Estado do Tocantins Prefeitura Municipal de Cariri do Tocantins PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS LEGISLATIVOS DAS METAS E PRIORIDADES DA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL 01 LEGISLATIVA PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS LEGISLATIVOS * Manter os serviços de suas atividades internas em conformidade com a legislação em vigor Órgão

Leia mais

TAX & BUSINESS I. I N T R O D U Ç Ã O

TAX & BUSINESS I. I N T R O D U Ç Ã O i INFORMAÇÃO FISCAL Nº 8 A b r il 2013 A F I S C A L I Z A Ç Ã O C O N S T I T U C I O N A L S U C E S S I V A D O O. E. 2 0 1 3 ( A c ó r d ã o n. º 1 8 7 / 2 0 1 3, d e 5 d e A b r i l, d o T r i b u

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

Inteligência Esportiva

Inteligência Esportiva Inteligência Esportiva Objetivo Geral Produzir, aglutinar, sistematizar, analisar e difundir informações sobre o esporte de alto rendimento no Brasil e no mundo. Objetivos Específicos: Definir variáveis

Leia mais