U S A N D O O C A R T Ì O P - T C O M O F E R R A M E N T A D E T R A B A L H O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "U S A N D O O C A R T Ì O P - T C O M O F E R R A M E N T A D E T R A B A L H O"

Transcrição

1 FORM EXP(P1) U S A N D O O C A R T Ì O P - T C O M O F E R R A M E N T A D E T R A B A L H O F abricantes de refrigerantes, controles e outros produtos distribuem no mercado milh es de cart es de press o e temperatura todos os anos, poržm Ž muito raro encontrar um tžcnico que use estes cart es sabendo exatamente como se beneficiar deste instrumento. S o poucos os tžcnicos que usam o cart o P-T para diagnosticar apropriadamente os problemas de um sistema de refrigera o, mesmo sendo estes cart es t o amplamente difundidos. O prop sito deste boletim n o Ž somente demonstrar o uso apropriado da rela o press o-temperatura, poržm pretende tambžm ilustrar como este instrumento pode ser utilizado para analisar detalhadamente um sistema de refrigera o ou ar condicionado.

2 P gina 2 / Form EXP(P1) O REFRIGERANTE NAS TRæS FORMAS : Antes de entrarmos propriamente no uso do cart o P-T vamos rever brevemente o sistema de refrigera o e examinar exatamente como a rela o press otemperatura pode ser aplicada O refrigerante num sistema de refrigera o estar em uma das seguintes formas: 1. Totalmente l quido 2. Totalmente vapor 3. Uma mistura de l quido e vapor Figura 1 EVAPORADOR Vapor L quido CONDENSADOR Mistura de L quido e Vapor COMPRESSOR TANQUE DE LIQUIDO Figura 1 ilustra a forma na qual o refrigerante Ž encontrado nos v rios pontos de um sistema de refrigera o operando normalmente. Note que o lado de alta contžm o refrigerante nas tr s formas listadas acima. A linha de descarga contžm vapor. No condensador, onde o vapor se torna l quido, h uma mistura de l quido e vapor. A linha entre o condensador e o tanque usualmente contžm l quido, embora n o seja dif cil encontrarse algum vapor misturado ao l quido. O tanque tem um n vel de l quido em algum ponto e fica claro que acima deste n vel h vapor, portanto h uma mistura de vapor e l quido no tanque. A linha de l quido entre o tanque e a v lvula de expans o termost tica dever conter somente l quido. Um visor de l quido Ž freqÿentemente instalado nesta linha para ajudar a determinar se esta linha est completamente livre de vapor. O lado de baixa normalmente conter o refrigerante em somente duas das tr s formas que foram listadas anteriormente. Ou seja, o lado de baixa conter vapor na linha de suc o e uma mistura de l quido e vapor da sa da da v lvula de expans o atž proximamente a sa da do evaporador.

3 Form EXP(P1) / P gina 3 SE A RELA ÌO P-T FOR VERDADEIRA O REFRIGERANTE ESTç ÒSATURADOÓ Uma coisa importante a lembrar Ž que a rela o press o-temperatura como mostrada no cart o P-T Ž somente v lida quando existir mistura de refrigerante na forma l quida e na forma de vapor. Portanto h somente tr s lugares num sistema de refrigera o em opera o normal onde a rela o P-T Ž certamente v lida. Estes lugares s o o evaporador, o condensador e o tanque de l quido onde se sabe, com certeza, que existe a mistura de l quido e vapor. Quando l quido e vapor se encontram juntos, esta condi o Ž conhecida como sendo "saturada". Isto significa que se formos capazes de determinar a press o de qualquer um destes pontos n s poderemos facilmente determinar a temperatura bastando somente se referir ˆ press o em um cart o P-T e ler a temperatura correspondente. De outra forma se pudermos medir a temperatura de forma precisa poderemos determinar a press o correspondente no cart o P-T. SE A RELA ÌO P-T NÌO FOR VERDADEIRA, VAMOS ENCONTRAR SUPERAQUECIMENTO OU SUBRESFRIAMENTO Nos pontos em que o sistema apresenta somente vapor, a temperatura real ser maior que a indicada na rela o P-T para a press o que estamos medindo. A temperatura do vapor pode atž ser a mesma da rela o P-T, poržm na pr tica ela Ž sempre maior. Neste caso, a diferen a entre a temperatura medida e a temperatura correspondente ˆ press o tomada no ponto em quest o resulta no superaquecimento. Quando se sabe que somente l quido est presente, tal como na linha de l quido, a medida da temperatura ser algo abaixo da temperatura correspondente ˆ press o tomada no ponto em quest o. Neste caso a diferen a entre a temperatura medida e a temperatura correspondente ˆ press o tomada no ponto Ž o subresfriamento. Novamente, Ž poss vel encontrar que a temperatura real medida seja igual ˆ da rela o P-T, neste caso considerase que o subresfriamento Ž igual a zero. ENCONTRANDO REFRIGERANTE SATURADO, SUPERAQUECIDO E SUBRESFRIADO EM UM SISTEMA REAL. A figura 2 mostra alguns pontos de medi o reais ao longo de um sistema operando normalmente e usando R-12 o que nos d uma vis o mais precisa da condi o do refrigerante nos v rios pontos do sistema. A temperatura medida na entrada do evaporador Ž -6 C. Um man metro instalado neste ponto indica a press o de 22 psi. 22 psi no cart o P-T indica a temperatura de -6 C - a mesma que foi medida. Isto Ž o que se esperava uma vez que l quido e vapor est o juntos e a rela o P-T Ž v lida. Um man metro instalado na linha de suc o mede 18 psi. Se neste ponto houvesse uma mistura de l quido e vapor a temperatura medida seria a mesma da rela o P-T, ou seja, -9 C. Contudo a medida real neste caso Ž -3 C. Portanto a quantidade de superaquecimento no vapor neste ponto Ž a diferen a entre a temperatura medida de -3 C e a temperatura indicada no cart o P-T de -9 C. O superaquecimento neste caso Ž de 6 C. Se tambžm medirmos 18 psi na entrada do compressor com uma temperatura medida de 8 C, nosso superaquecimento neste caso seria 17 C, calculado por subtra o da temperatura equivalente a 18 psi [-9 C] da temperatura realmente medida no ponto de 8 C. Vamos agora examinar o man metro que instalamos no meio do condensador o qual marca 146 psi. De acordo com o cart o P-T a temperatura ser de 46 C e esta Ž a temperatura que dever amos ser capazes

4 P gina 4 / Form EXP(P1) Figura 2 Temperatura Medida -3 C Equivalente P-T a 18 psi -9 C Superaquecimento = 6 C 18 Temperatura Medida -6 C Equivalente P-T a 22 psi -6 C Superaquecimento/Subresfriamiento= 0 C 22 Temperatura Medida 40 C Equivalente P-T a 131 psi 42 C 131 Subresfriamiento = 2 C EVAPORADOR Temperatura Medida 86 C Equivalente P-T a 146 psi 46 C Superaquecimento = 40 C Temperatura Medida 46 C Equivalente P-T a 146 psi 46 C Superaquecimento/Subresfriamiento= 0 C Vapor 146 COMPRESSOR 18 Temperatura Medida 8 C Equivalente P-T a 18 psi -9 C Superaquecimento = 17 C R CONDENSADOR Temperatura Medida 43 C Equivalente P-T a 135 psi 43 C Superaquecimento = 0 C 135 TANQUE DE LIQUIDO 135 L quido Liquid Mistura Mixture de of L quido vapor and e Vapor liquid Temperatura Medida 40 C Equivalente P-T a 135 psi 43 C Subresfriamiento = 3 C de medir se pudžssemos colocar um termopar no refrigerante neste mesmo ponto onde ele est se transformando de vapor em l quido. Em outras palavras, n o existe diferen a entre a temperatura medida e a lida no cart o P-T. Pode-se dizer que o superaquecimento Ž zero e que o subresfriamento Ž zero tambžm. A esta condi o tambžm nos referimos como sendo "saturada". No nosso exemplo n s tambžm medimos 146 psi na linha de descarga do compressor. A temperatura medida neste ponto Ž de 86 C. Calculando o superaquecimento da mesma maneira que foi feito na linha de suc o, (diferen a entre a temperatura medida e a obtida no cart o P-T) determina-se que o superaquecimento Ž de 40 C. Quando um sistema usa um tanque de l quido, pode n o haver subresfriamento na superf cie do l quido dentro do tanque. A raz o para isso Ž que quando h l quido e vapor juntos o refrigerante deve seguir a rela o P-T, ou seja, o refrigerante tem que estar "saturado". No nosso exemplo a press o medida no tanque Ž de 135 psi, portanto o refrigerante dentro do tanque tem que estar a 43 C. Uma vez que tenhamos uma coluna "s lida" de l quido, o subresfriamento pode ser obtido baixando a temperatura do l quido atravžs do uso de um intercambiador de calor, um "subcooler" ou do ar de um ambiente com temperatura mais baixa ao redor da tubula o da linha de l quido. Subresfriamento Ž uma temperatura mais baixa na rela o P-T. Na nossa ilustra o -Figura 2 - um subresfriamento de 2 C e de 3 C foram encontrados em dois pontos. ƒ importante manter o l quido subresfriado na linha de l quido para prevenir a forma o de "flash" de g s na linha de l quido e que este possa atingir a v lvula de expans o termost tica.

5 Form EXP(P1) / P gina 5 Com o uso do cart o P-T n s devemos ser capazes de determinar o estado do refrigerante em qualquer ponto do sistema medindo a temperatura e a press o e observando as seguintes regras: 1. L quido e vapor est o presentes em conjunto quando a temperatura medida corresponde ˆ rela o P-T (Ž teoricamente poss vel ter l quido saturado ou vapor saturado, poržm na pr tica num sistema em opera o deve-se assumir que "algum" l quido ou vapor est o presentes nestas condi es). 2. Encontra-se vapor superaquecido quando a tempe ratura medida est acima da temperatura correspondente ˆ rela o P-T. A "quantidade" de superaquecimento Ž indicada pela diferen a entre as temperaturas. 3. Encontra-se l quido subresfriado quando a tempera tura medida est abaixo da temperatura correspondente ˆ rela o P-T. A "quantidade" de subres friamento Ž indicada pela diferen a entre as temperaturas. LIMITA ÍES PRçTICAS Ë LOCALIZA ÌO DOS MANïMETROS Na nossa ilustra o n s colocamos man metros em pontos que nem sempre Ž poss vel ou pr tico colocar em sistemas reais. Por causa disso devemos, com muita freqÿ ncia, fazer dedu es e "chutes" quando trabalhamos com sistemas reais. de press o na linha de suc o e de ser absolutamente preciso na determina o do superaquecimento da v lvula de expans o um man metro tem que ser instalado na linha de suc o pr ximo ao local do bulbo sensor. Como exemplo, n s assumimos normalmente que 145 psi medidos no man metro instalado na descarga do compressor Ž tambžm a press o que existe no condensador. Ou seja, estamos assumindo que n o h perda de press o entre a descarga do compressor e o condensador. Por esta raz o Ž que chegamos a uma temperatura de condensa o de 46 C. Se a linha de descarga for subdimensionada ou possuir qualquer outra restri o n o poderemos assumir o que foi afirmado acima e outras tomadas de press o talvez sejam necess rias a fim de localizar pontos problem ticos. ƒ tambžm pr tica comum assumir que a press o medida na v lvula de suc o do compressor Ž a mesma press o que existe na sa da do evaporador no local onde se encontra o bulbo sensor da v lvula de expans o. Isto Ž verdade em sistemas de pequenas dimens es e quando se sabe que a linha de suc o tem o dimensionamento ideal. Assumindo esta aproxima o como correta podemos determinar o superaquecimento da v lvula de expans o sem instalar uma tomada de press o extra no local do bulbo. Contudo, para eliminar qualquer dœvida sobre o total de perda Deve-se tomar cuidado em rela o a perda de press o no sistema. Pode-se detectar perda de press o excessiva usando os princ pios da rela o P-T. Por exemplo, na figura 2 com os man metros instalados somente na suc o e descarga do compressor e lendo o que est indicado, uma perda de press o significativa atravžs do evaporador seria indicada pela alta temperatura de, digamos, 10 C medida na entrada do evaporador o que corresponderia a uma press o medida neste ponto de 47 psi para uma diferen a de press o de 29 psi da entrada do evaporador ˆ entrada do compressor (47 psi menos 18 psi). Enquanto isto seria considerado excessivo num evaporador de circuito simples, lembramos que em evaporadores de circuitos mœltiplos e com uso de distribuidor de l quido, que no caso do R-12, a perda de press o chega a ser de atž 25 psi somente no distribuidor. Isto significa que com o uso de distribuidor de l quido a temperatura medida entre a sa da da v lvula de expans o termost tica e a entrada do distribuidor de aproximadamente 10 C n o seria anormal no sistema ilustrado na figura 2. CHECANDO OS GASES NÌO CONDENSçVEIS O uso apropriado da rela o P-T pode ser œtil na descoberta da presen a de gases n o condens veis ou ar. Isto seria revelado pela medida de temperatura no condensador ou pela temperatura do fluido usado para condensa o sendo muito mais baixo do que o indicado pela rela o P-T

6 P gina 6 / Form EXP(P1) TESTE SEUS CONHECIMENTOS NA RELA ÌO P-T A figura 3 Ž um exerc cio para testar seus conhecimentos no uso do cart o (rela o) P-T. A press o e a temperatura s o mostradas em v rios pontos no sistema. Marque o quadrado que indica a condi o em que o refrigerante se encontra em cada ponto. No caso de vapor superaquecido e l quido subresfriado, indique a "quantidade" de cada nos espa os da figura. V cuo- Polegadas de HG It lico CARTÃO DE PRESSÃO E TEMPERATURA Press o manomžtrica - psig Negrito. TEMPE- RATURA C REFRIGERANTE (CîDIGO SPORLAN) REFRIGERANTE (CîDIGO SPORLAN) REFRIGERANTE (CîDIGO SPORLAN) TEMPE- RATURA C R-22(V) R-410(Z) R-407C(N) R- 410(Z) R-12(F) R-134a(J) R-22(V) R-407C(N) R-12(F) R-134a(J) R-22(V) R-410A(Z) R-407C(N) R-12(F) R-134a(J) Para determinar subresfriamiento para o refrigerante 407C use os valores de PONTO CRITICO (temperaturas acima 10 C - Fundo cinza); Para determinar superaquecimento para o refrigerante 407C use os valores de ESTADO SATURADO (temperaturas 10 C e abaixo) TEMPE- RATURA C

7 Form EXP(P1) / P gina 7 Figura 3 Temperatura Medida 9 C 67 Temperatura Medida 5 C Subresfriado C 70 EVAPORADOR Temperatura Medida 99 C Temperatura Medida 49 C Subresfriado C COMPRESSOR 67 Temperatura Medida 16 C R-22 CONDENSADOR Temperatura Medida 46 C 242 TANQUE DE LIQUIDO 225 Temperatura Medida 39 C Saturado Superaquecido C Subresfriado C Vapor L quido Liquid Mistura de L quido e Vapor 242 Temperatura Medida 43 C

8 ACAL Your Source For Quality Components AUSTRALIA OFFICE John Bennett 13 Boundary Road, Harkaway Victoria Australia 3806 Tel: (65) Fax:(65) ACAL plc HEAD OFFICE Peter Hogan Acal House ~ Guildford Road Lightwater ~ Surrey GU18 5SA United Kingdom Tel: (44) Fax:(44) International Sales Headquarters (excluding Europe & Japan) ACAL NEW YORK INC Helen Rosalia 10 Cutter Mill Road, Suite 203 Great Neck, New York Tel: (1) Fax:(1) BRAZIL OFFICE Hugo Dalla Zanna Rua Peru, 130CEP Sao Carlos, SP, Brazil Tel: (55) Fax:(55) CHINA OFFICE Zhu Gao De Rm.402, No.137, Mei Long Yi Cun Shanghai , P.R. of China Tel: (86) Fax:(86) INDIA OFFICE Joe Thomas 39/ Panampilly Nagar Cochin , India Tel: (91) Fax:(91) SINGAPORE OFFICE Tony Koh Tampines Central P.O. Box 400, Singapore Tel: (65) Fax:(65) FLORIDA OFFICE Mike Rivera N.W. 49th. Court Coral Springs, Florida Tel: (1) Fax:(1) FRANCE OFFICE ACAL S.A Eliane Emerit Zone d'activite des Marais 1 Avenue Louison Bobet BP Fontenay-Sous-Bois, Cedex, France Tel: (33) Fax:(33) European Sales Headquarters (excluding France, Germany, & Italy) ACAL AURIEMA LIMITED Angus Macintosh 442 Bath Road Slough, Berkshire SL1 6BB England Tel: (44) Fax:(44) ITALY OFFICE ACAL ITALIA SRL Alberto Buccianti Viale Milanofiori, Palazzo E Assago, (Milano), Italy Tel: (39) Fax:(39) GERMANY OFFICE ACAL GMBH Elke Villhauer Fischeracker Flein/Heilbronn, Germany Tel: (49) Fax:(49) /99

Página 1 / 110-136 CONTROLE DE OLEO EM SISTEMAS DE COMPRESSORES EM PARALELO PARA SUPERMERCADOS

Página 1 / 110-136 CONTROLE DE OLEO EM SISTEMAS DE COMPRESSORES EM PARALELO PARA SUPERMERCADOS Página 1 / 110-136 CONTROLE DE OLEO EM SISTEMAS DE COMPRESSORES EM PARALELO PARA SUPERMERCADOS Elaborado por : Steve Esslinger, Engenheiro de Aplica o Senior - Refrigera o de Supermercados da Sporlan Valve

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 21 Medição e Regulagem do Superaquecimento e Sub-resfriamento 03/05 Neste boletim vamos abordar os procedimentos de verificação e regulagem do Superaquecimento através da válvula

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 15 Instalação, operação e manutenção dos sistemas de refrigeração comercial 03/04 Introdução É bem provável que a maioria das deficiências de operação em sistemas de refrigeração

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 28 Compressores Octagon Aplicação Sub Crítica com Dióxido de Carbono CO 2 09/08 Nesse boletim vamos abordar as instruções de operação dos compressores Octagon aplicados com o Dióxido

Leia mais

WXSB 200 3-7 WXSB 200. Manual de instruções

WXSB 200 3-7 WXSB 200. Manual de instruções WXSB 200 3-7 LT LV EE SL SK HU PL CZ EN FR IT TR GR FI DK SV NL PT ES DE WXSB 200 Manual de instruções 4-7 WXSB 200 Índice 1 Sobre estas instruções... 4 2 Para sua segurança... 4 3 Fornecimento... 5 4

Leia mais

DuPont ISCEON. Diretrizes de Retrofit para Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON MO99 (R-438A) FLUIDOS REFRIGERANTES. Informação Técnica R-438A

DuPont ISCEON. Diretrizes de Retrofit para Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON MO99 (R-438A) FLUIDOS REFRIGERANTES. Informação Técnica R-438A DuPont ISCEON FLUIDOS REFRIGERANTES Informação Técnica R-438A Diretrizes de Retrofit para Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON MO99 (R-438A) Diretrizes de Retrofit para Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração CICLOS DE REFRIGERAÇÃO Os ciclos mais usados, na seqüência, são: Ciclo de refrigeração por compressão de vapor Ciclo de refrigeração por absorção O ciclo é constituído dos seguintes processos sucessivos:

Leia mais

Departamento Nacional do Meio Ambiente - ABRAVA SÉRIE: Você Sabia... BOAS PRÁTICAS DE MANUTENÇÃO EM SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO

Departamento Nacional do Meio Ambiente - ABRAVA SÉRIE: Você Sabia... BOAS PRÁTICAS DE MANUTENÇÃO EM SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO BOAS PRÁTICAS DE MANUTENÇÃO EM SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO 1.0 Introdução Conforme explanamos na primeira edição (módulo 1), abordaremos nesse material boas práticas de manutenção em sistemas

Leia mais

Como funciona um sistema de refrigeração composto de câmara de congelados e câmara de resfriados

Como funciona um sistema de refrigeração composto de câmara de congelados e câmara de resfriados Como funciona um sistema de refrigeração composto de câmara de congelados e câmara de resfriados O diagrama abaixo representa uma instalação de refrigeração comercial composta de um evaporador para câmara

Leia mais

Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON Série

Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON Série 9 DuPont ISCEON Série FLUIDOS REFRIGERANTES Informação Técnica 4 ART- 6 Diretrizes de Retrofit para 9 Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON Série DuPont ISCEON MO29 (R-422D) The miracles of science Diretrizes

Leia mais

Compressores Reciprocantes Herméticos tipos MT / MTZ e NTZ

Compressores Reciprocantes Herméticos tipos MT / MTZ e NTZ tipos MT / MTZ e NTZ Introdução Os compressores recíprocos foram desenhados para aplicações de baixas, médias e altas temperaturas de evaporação, como instalações de refrigeração e ar condicionado comercial.

Leia mais

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS FINALIDADE: Umatorre de resfriamentooutorre de arrefecimentoé um dispositivo de remoção

Leia mais

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração.

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. (A) O movimento de energia de frio dentro de um espaço onde ele é necessário. (B) A remoção de calor

Leia mais

Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON Série

Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON Série 9 DuPont ISCEON Série FLUIDOS REFRIGERANTES Informação Técnica 47 ART- Diretrizes de Retrofit para os 9 Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON Série DuPont ISCEON 39TC (R-423A) The miracles of science Diretrizes

Leia mais

CIRCULAR N¼ 3.086, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2002

CIRCULAR N¼ 3.086, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2002 CIRCULAR N¼ 3.086, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2002 Estabelece critžrios para registro e avalia o cont bil de t tulos e valores mobili rios e de instrumentos financeiros derivativos pelos fundos de investimento

Leia mais

Termodinâmica. Prof. Agostinho Gomes da Silva

Termodinâmica. Prof. Agostinho Gomes da Silva Termodinâmica Prof. Agostinho Gomes da Silva Substância pura Substância pura: Composição química invariável e homogênea Pode existir em mais de uma fase (mas todas fases têm a mesma composição química).

Leia mais

Refrigeração comercial Controles de temperatura

Refrigeração comercial Controles de temperatura Refrigeração comercial Controles de temperatura CONHECIMENTO DO PRODUTO UNI-LINE 2013. Todos os direitos reservados. Os nomes, logotipos e slogans que identificam os produtos e serviços da são marcas de

Leia mais

Um avançado tratamento do câncer começa aqui.

Um avançado tratamento do câncer começa aqui. Um avançado tratamento do câncer começa aqui. Acelerador Linear Clinac CX C L I N A C C X 2 Acelerador Linear Clinac CX Acesso Expansão Transformação Um alto nível de tratamento do câncer está ao seu alcance.

Leia mais

ISSN 1981-4232. Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Automação Refrigeração ea. engenharia arquitetura R$ 6,00 PÁTIO MALZONI BUSCA O LEED GOLD

ISSN 1981-4232. Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Automação Refrigeração ea. engenharia arquitetura R$ 6,00 PÁTIO MALZONI BUSCA O LEED GOLD + ISSN 1981-4232 Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Automação Refrigeração ea engenharia arquitetura R$ 6,00 C lim atização & Refrigeração Ano XI Nº 140 abril de 2012 PÁTIO MALZONI BUSCA O LEED GOLD

Leia mais

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado.

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. CAPÍTULO II 2 Ar condicionado automotivo. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. O condicionamento do ar é o processo que regula, artificialmente, a temperatura, o fluxo de ar, a

Leia mais

ERRO. Ao ligar e se deparar com o erro E4, devem ser feitos os testes abaixo indicados antes de trocar a placa da evaporadora:

ERRO. Ao ligar e se deparar com o erro E4, devem ser feitos os testes abaixo indicados antes de trocar a placa da evaporadora: ERRO E-4 O erro ocorre quando o sensor de imersão da serpentina da evaporadora informa à placa principal da própria evaporadora que a serpentina está numa temperatura anormal (ou muito fria ou muito quente

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Contabilidade e Administra o. Cap tulo I Princ pios Gerais. Artigo 2¼. (Natureza e mbito da aplica o)

Regulamento do Curso de Mestrado em Contabilidade e Administra o. Cap tulo I Princ pios Gerais. Artigo 2¼. (Natureza e mbito da aplica o) Regulamento do Curso de Mestrado em Contabilidade e Administra o Cap tulo I Princ pios Gerais Artigo 1¼ (Natureza e mbito da aplica o) 1. O presente Regulamento d cumprimento ao estabelecido no art¼ 35¼

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

Artemis7. Portfolio and Project Management Solutions. Better decisions. Better results

Artemis7. Portfolio and Project Management Solutions. Better decisions. Better results Artemis7 Portfolio and Project Management Solutions Better decisions. Better results ESCRITÓÓÓORIO BRASIL Av. Dr. Guilherme Dumont Villares, 1410 6o. andar - Morumbi - 05640-003 55 11 3773-9009 REGIONAL

Leia mais

ACOPLAMENTOS DISCFLEX VULKAN VANTAGENS

ACOPLAMENTOS DISCFLEX VULKAN VANTAGENS Discflex 04/2010 SELEÇÃO DETALHADA Verifique qual é o fator de serviço adequado à sua aplicação, na tabela abaixo. Calcule a potência a ser transmitida usando o fator de serviço, conforme ao lado: Escolha

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

Sexo fr gil? 1. Evid ncias sobre a inser o da mulher no mercado de trabalho brasileiro

Sexo fr gil? 1. Evid ncias sobre a inser o da mulher no mercado de trabalho brasileiro estudos_gelre_agosto 8/17/05 4:12 PM Page 1 Sexo fr gil? Evid ncias sobre a inser o da mulher no mercado de trabalho brasileiro Ana Fl via Machado Ana Maria Hermeto C. de Oliveira Simone Wajnman Sexo fr

Leia mais

Método de solução. 3.1. Introdução

Método de solução. 3.1. Introdução 72 3. Método de solução 3.1. Introdução O conjunto das equações descritas no capítulo 2 formam, em sua maioria, sistemas de equações algébricas lineares, com exceção de alguns casos isolados, como equações

Leia mais

TGM TURBINAS TECNOLOGIA E SOLUÇÕES PARA MELHOR EFICIÊNCIA NA GERAÇÃO DE ENERGIA CICLO A VAPOR COM AQUECIMENTO REGENERATIVO

TGM TURBINAS TECNOLOGIA E SOLUÇÕES PARA MELHOR EFICIÊNCIA NA GERAÇÃO DE ENERGIA CICLO A VAPOR COM AQUECIMENTO REGENERATIVO TGM TURBINAS TECNOLOGIA E SOLUÇÕES PARA MELHOR EFICIÊNCIA NA GERAÇÃO DE ENERGIA CICLO A VAPOR COM AQUECIMENTO REGENERATIVO Novembro de 2012 PROGRAMA Introdução Ciclo a Vapor Cálculo de Combustível Histórico,

Leia mais

PACKAGE CONDENSAÇÃO a AR. Condensação a Ar. Package RPP + RVQ. Catálogo Técnico ISO 9001:2000

PACKAGE CONDENSAÇÃO a AR. Condensação a Ar. Package RPP + RVQ. Catálogo Técnico ISO 9001:2000 Package Condensação a Ar PACKAGE CONDENSAÇÃO a AR RPP + RVQ ISO 9001:2000 Catálogo Técnico ÍNDICE A gradecemos a preferência por nosso produto e cumprimentamos pela aquisição de um equipamento HITACHI

Leia mais

smc PENTAX-D FA MACRO 100 mm F2.8 WR

smc PENTAX-D FA MACRO 100 mm F2.8 WR D FA macro 100mm.book Page 0 Friday, December 18, 2009 11:56 AM smc PENTAX-D FA MACRO 100 mm F2.8 WR MANUAL DE INSTRUÇÕES Agradecemos-lhe por ter comprado a objectiva smc PENTAX-D FA MACRO 100 mm F2.8

Leia mais

ANEXO II PLANILHAS PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E FOLHAS DE REGISTRO PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA

ANEXO II PLANILHAS PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E FOLHAS DE REGISTRO PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA ANEXO II PLANILHAS PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E FOLHAS DE REGISTRO PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA FINATEC - EDIFÍCIO SEDE ENDEREÇO: LOCALIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO: UNIDADE MOD.: Nº DE SÉRIE: CÓDIGO

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

Condicionador de Ar Portátil

Condicionador de Ar Portátil Condicionador de Ar Portátil Manual do Usuário GP8-12L GP8-22L GP10-12L GP10-22L 1 Untitled-5 1 2 Untitled-5 2 Índice Resumo...4 Príncipio de funcionamento...5 Especificação técnica...7 Estrutura...8 Esquema

Leia mais

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas.

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Ar Úmido Ar úmido significa uma mistura de ar seco (substância pura) mais vapor d água. É assumida que essa mistura comporta-se

Leia mais

Soluções. Resfriamento dedicado Uma ou Dupla Zona 0 a 90º C. Controle dedicado Precisão ± 0,1 C

Soluções. Resfriamento dedicado Uma ou Dupla Zona 0 a 90º C. Controle dedicado Precisão ± 0,1 C Micro Turbo Alto desempenho de resfriamento para o seu processo Este equipamento nos permite reduzir tempo de ciclo, melhorando nossa eficiência e nos possibilitando novas oportunidades que melhoram o

Leia mais

,DISPOSITIVOS DE EXPANSÃO

,DISPOSITIVOS DE EXPANSÃO ,DISPSITIVS DE EXPASÃ Dispositivos de expansão são os componentes do sistema de refrigeração que têm por finalidades provocar a perda de pressão do refrigerante, que é acompanhada de um decréscimo de temperatura,

Leia mais

EXAME TEÓRICO. EXAME TIPO e resolução. 1:30:00 início do exame. 0:00:00 fim do exame. Junho 2015 FORMAÇÃO AVANÇADA. marcador de questões a rever

EXAME TEÓRICO. EXAME TIPO e resolução. 1:30:00 início do exame. 0:00:00 fim do exame. Junho 2015 FORMAÇÃO AVANÇADA. marcador de questões a rever EXAME TIPO e resolução 1:30:00 início do exame 0:00:00 fim do exame marcador de questões a rever marcador de questões a rever, assinalado a verde, número de questões já respondidas Pág 1/21 1:28:10 1 /

Leia mais

Especialistas em Software e Controlo de Processos. Certificate Number 441757. Português

Especialistas em Software e Controlo de Processos. Certificate Number 441757. Português Especialistas em Software e Controlo de Processos Certificate Number 441757 Português Especialistas em Software e Controlo de Processos Vendas Início Simples Para uma solução simples para os seus requisitos

Leia mais

A composição padrão do ar atmosférico seco ao nível do mar é definida

A composição padrão do ar atmosférico seco ao nível do mar é definida Tecnologia do Calor Prof. Nisio C. Brum I- INTRODUÇÃO Atualmente por Condicionamento de Ar entende-se o processo de climatização artificial do ar interno a ambientes de uso público, coletivo ou destinado

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo II Aula 05 1. Introdução A mecânica dos gases é a parte da Mecânica que estuda as propriedades dos gases. Na Física existem três estados da matéria

Leia mais

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto 1.753.000.080 IM-D176-01 BR Rev.00 TR Tanque Flash Manual de Instalação e Manutenção 1. Termo de garantia 2. Informações gerais de segurança 3. Informações de segurança específicas do produto 4. Informações

Leia mais

1 Introdução simulação numérica termoacumulação

1 Introdução simulação numérica termoacumulação 22 1 Introdução Atualmente o custo da energia é um dos fatores mais importantes no projeto, administração e manutenção de sistemas energéticos. Sendo assim, a economia de energia está recebendo maior atenção

Leia mais

DuPont ISCEON Série. Diretrizes de Retrofit para Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON MO49Plus em Sistemas de Ar-Condicionado Automotivo

DuPont ISCEON Série. Diretrizes de Retrofit para Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON MO49Plus em Sistemas de Ar-Condicionado Automotivo TM 9 DuPont ISCEON Série FLUIDOS REFRIGERANTES Informação Técnica 43 ART- Diretrizes de Retrofit para Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON MO49Plus em Sistemas de Ar-Condicionado Automotivo The miracles

Leia mais

Equipamento de processamento. Bombas acionadas a ar para indústrias de processamento

Equipamento de processamento. Bombas acionadas a ar para indústrias de processamento Equipamento de processamento Bombas acionadas a ar para indústrias de processamento Tecnologia superior de bombeamento Diafragma duplo/ Evacuação do pistão Transferência e suprimento de tambor de 55 galões

Leia mais

Nível é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou líquido. Os três tipos básicos de medição de nível são: a) direto b) indireto

Nível é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou líquido. Os três tipos básicos de medição de nível são: a) direto b) indireto 4 NÍVEL Nível é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou líquido. Os três tipos básicos de medição de nível são: a) direto b) indireto 4.1 Medição Direta É a medição que tomamos como

Leia mais

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO Curso de Farmácia Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO 1 Introdução A destilação como opção de um processo unitário de separação, vem sendo utilizado pela humanidade

Leia mais

Springer - Carrier. Índice

Springer - Carrier. Índice Índice Página 1 - Diagnóstico de Defeitos em um Sistema de Refrigeração... 8 1.1 - Falha: Compressor faz ruído, tenta partir, porém não parte... 8 1.2 - Falha: Compressor funciona, porém não comprime...

Leia mais

Sistema de Grande Vaz o Terminator

Sistema de Grande Vaz o Terminator Sistema de Grande Vaz o Terminator DescriÁ o O Terminator IIô eleva os monitores port teis de alta capacidade a um novo nìvel de desempenho. Esta nova geraá o de monitores apresenta melhorias significativas

Leia mais

FIGURA 101 - ACESSÓRIOS DO CICLO DE REFRIGERAÇÃO

FIGURA 101 - ACESSÓRIOS DO CICLO DE REFRIGERAÇÃO 126 10 ACESSÓRIOS DO CICLO DE REFRIGERAÇÃO É um item ou dispositivo que aumenta a utilidade ou efetividade do sistema, porém não é essencial. A (fig. 101) ilustra a aplicação de muitos acessórios do equipamento

Leia mais

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional Bicos Automação Análise Técnica Sistemas Dinâmica de fluidos computacional (DFC) DCF é uma ciência da previsão: Vazão do

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Áreas de oportunidade para melhorar a eficiência na distribuição de frio Isolamento das tubulações

Leia mais

2. Subárea: Instalações e Equipamentos de Processos Industriais

2. Subárea: Instalações e Equipamentos de Processos Industriais SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 04, de

Leia mais

MAIOR QUE A SOMA DAS PARTES

MAIOR QUE A SOMA DAS PARTES MAIOR QUE A SOMA DAS PARTES Produtos de Pós-venda, Serviços e Treinamento. Soluções em Combustão e Meio Ambiente. Puro e Simples. QUEIMADORES FLARES INCINERADORES PEÇAS & SERVIÇOS Reposição de Ponteiras

Leia mais

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO. Fábio Ferraz

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO. Fábio Ferraz SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO Fábio Ferraz SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO Os principais sistemas de refrigeração são listados a seguir: Sistema de refrigeração por compressão; Sistema de refrigeração por absorção;

Leia mais

SOLUÇÕES PARA REFRIGERAÇÃO SOLUCIONES PARA REFRIGERACION

SOLUÇÕES PARA REFRIGERAÇÃO SOLUCIONES PARA REFRIGERACION SOLUÇÕES PARA REFRIGERAÇÃO SOLUCIONES PARA REFRIGERACION Distribuído por R 22 Refrigeração Comercial Impulsionada pela visão Embraco Ser em todos os mercados o fornecedor preferencial de soluções para

Leia mais

DuPont ISCEON Série. Diretrizes de Retrofit para. Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON MO49Plus TM FLUIDOS REFRIGERANTES. The miracles of science

DuPont ISCEON Série. Diretrizes de Retrofit para. Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON MO49Plus TM FLUIDOS REFRIGERANTES. The miracles of science 9 DuPont Série FLUIDOS REFRIGERANTES Informação Técnica 43 ART- Diretrizes de Retrofit para Fluidos Refrigerantes DuPont MO49Plus The miracles of science Diretrizes de Retrofit para Fluidos Refrigerantes

Leia mais

Sensores Remotos Eletrônicos Rosemount 3051S

Sensores Remotos Eletrônicos Rosemount 3051S Sensores Remotos Eletrônicos Rosemount 3051S Alcance novos patamares com sua instrumentação Uma nova resposta, para um velho problema Todos têm uma instalação que consome tempo e recursos, seja uma coluna

Leia mais

Comportamento dinâmico de processos submetidos a controle feedback. Sistema simulado no SIMULINK/MATLAB

Comportamento dinâmico de processos submetidos a controle feedback. Sistema simulado no SIMULINK/MATLAB Comportamento dinâmico de processos submetidos a controle feedback Sistema simulado no SIMULINK/MATLAB Processo Submetido a Controle P Processo Submetido a Controle P Percebe-se da Figura que o controle

Leia mais

MAKING MODERN LIVING POSSIBLE. Controlador AK-SC255 REFRIGERATION & AIR CONDITIONING DIVISION

MAKING MODERN LIVING POSSIBLE. Controlador AK-SC255 REFRIGERATION & AIR CONDITIONING DIVISION MAKING MODERN LIVING POSSIBLE Controlador AK-SC255 REFRIGERATION & AIR CONDITIONING DIVISION Controle além do limite. Um único controlador pode gerenciar refrigeração, ar condicionado, luzes e muito mais.

Leia mais

1» Parte Enquadramento, disposi es gerais e interpretativas

1» Parte Enquadramento, disposi es gerais e interpretativas êndice 1» Parte Enquadramento, disposi es gerais e interpretativas 07............... 07............... 07............... 09............... 09............... 10............... 10............... Cap tulo

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Condicionadores de Ar Self Contained 5 a 40 TR tipo ROOF-TOP ESPECIFICAÇÕES A linha SELF CONTAINED TOSI foi projetada visando obter a melhor relação custo-beneficio do mercado,

Leia mais

Refrigerating Specialties

Refrigerating Specialties Refrigerating Specialties Cuidando de suas necessidades em Refrigeração A Parker (R/S) é a principal fornecedora de componentes de refrigeração para as indústrias alimentícias e de bebidas. Líder mundial

Leia mais

IDE Boas práticas. August 2011. Abu Dhabi Beijing Berlin Brussels Dallas/Fort Worth Dubai Frankfurt Hong Kong Johannesburg

IDE Boas práticas. August 2011. Abu Dhabi Beijing Berlin Brussels Dallas/Fort Worth Dubai Frankfurt Hong Kong Johannesburg IDE Boas práticas August 2011 Abu Dhabi Beijing Berlin Brussels Dallas/Fort Worth Dubai Frankfurt Hong Kong Johannesburg London Milan Munich New York Paris San Francisco Stockholm Vienna Washington, D.C.

Leia mais

SV74 Válvula de Segurança em Aço Carbono

SV74 Válvula de Segurança em Aço Carbono Página 1 de 5 BR Rev.00 Descrição SV74 Válvula de Segurança em Aço Carbono A série SV74 de válvulas de segurança em aço carbono é construída em confirmidade com a Seção I e VIII da ASME Boiler and Pressure

Leia mais

Sem mágica. Apenas a natureza.

Sem mágica. Apenas a natureza. Cleanit LC para tratamento de água potável Sem mágica. Apenas a natureza. A forma verde de Remoção de cromo (VI) Remoção de arsênio Remoção de fluoreto 2 Tecnologia simples, acessível, flexível e 100%

Leia mais

CONTROLE DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO

CONTROLE DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO Ferramental EXXOTest Ferramental VALEO Exxoclim N OPR : 9776.EA Clim test 2 : 4372-T. Modo de utilização : Ver instruções da montadora Modo de utilização : Ver instruções da montadora E5AP2N4D E5AP2N5D

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos preparat rios) COMISS O

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos preparat rios) COMISS O C 280/6 PT II (Actos preparat rios) COMISS O Proposta de directiva do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Directiva 85/611/CEE, que coordena as disposiç es legislativas, regulamentares e administrativas

Leia mais

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno 1.0 Introdução Existe um crescimento enorme em termos de instalação

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA GRANDE SOLUÇÃO APLICANDO ANTIGOS CONHECIMENTOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA GRANDE SOLUÇÃO APLICANDO ANTIGOS CONHECIMENTOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA GRANDE SOLUÇÃO APLICANDO ANTIGOS CONHECIMENTOS 1- INTRODUÇÃO E CENÁRIO ATUAL Em frentes variadas da Ciência e da Tecnologia, cientistas e engenheiros, buscam soluções para o Planeta.

Leia mais

GOVERNMENT AND TRADE SERVICES VIATURAS USADAS - INFORMAÇÃO PARA IMPORTADORES PROGRAMA DE INSPECÇÃO PRÉ-EMBARQUE

GOVERNMENT AND TRADE SERVICES VIATURAS USADAS - INFORMAÇÃO PARA IMPORTADORES PROGRAMA DE INSPECÇÃO PRÉ-EMBARQUE GOVERNMENT AND TRADE SERVICES VIATURAS USADAS - INFORMAÇÃO PARA IMPORTADORES PROGRAMA DE INSPECÇÃO PRÉ-EMBARQUE Junho de 2015 1. Estou a importar uma viatura usada. Quais os passos que devo dar? Para poder

Leia mais

Válvulas de Pressão Constante

Válvulas de Pressão Constante Válvulas de Pressão Constante Catálogo 201VPC-1 - Agosto 2009 Válvulas de Expansão de Pressão Constante Séries AS e A7 Características Técnicas Construção Conexão para Soldagem Faixa de Ajuste do Ponto

Leia mais

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation Körting para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation No mercado de hoje em dia, o sistema de vácuo ICE Condensation Körting faz sentido! Como todos

Leia mais

Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores.

Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores. Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores. Processos Isentrópicos O termo isentrópico significa entropia constante. Eficiência de Dispositivos

Leia mais

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA 1 SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DE ENERGIA PUC-MINAS - 20 de Abril de 2007 AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0053 www.tuma.com.br

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

CONSTRUINDO UM MUNDO EM ALUMÍNIO CONECTANDO COM LOKRING NOVAS CONEXÕES DE ALUMÍNIO LOKRING

CONSTRUINDO UM MUNDO EM ALUMÍNIO CONECTANDO COM LOKRING NOVAS CONEXÕES DE ALUMÍNIO LOKRING CONSTRUINDO UM MUNDO EM ALUMÍNIO CONECTANDO COM LOKRING NOVAS CONEXÕES DE ALUMÍNIO LOKRING para l a e id A 0 1 R4 O USO DOS TUBOS DE ALUMÍNIO EM VEZ DOS TUBOS DE COBRE NA INSTALAÇÃO DOS SISTEMAS DE AR

Leia mais

BRASIL. 2º Trimestre 2015 Escritórios Corporativos Classe A e A+ Economia & Mercado

BRASIL. 2º Trimestre 2015 Escritórios Corporativos Classe A e A+ Economia & Mercado Evolução do Emprego Formal (%) Taxa de Vacância (%) 2º Trimestre 215 Economia & Mercado O aumento da desaprovação do governo pelos eleitores e a crise política continuam afetando a confiança dos empresários

Leia mais

Propriedades de uma Substância Pura

Propriedades de uma Substância Pura Propriedades de uma Substância Pura A substância pura Composição química invariável e homogênea. Pode existir em mais de uma fase, porém sua composição química é a mesma em todas as fases. Equilíbrio Vapor-líquido-sólido

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO DE ELIMINAÇÃO DOS HCFCs-PBH. Guia de Boas Práticas Características de Sistemas de Refrigeração em Condições Seladas

PROGRAMA BRASILEIRO DE ELIMINAÇÃO DOS HCFCs-PBH. Guia de Boas Práticas Características de Sistemas de Refrigeração em Condições Seladas 2 PROGRAMA BRASILEIRO DE ELIMINAÇÃO DOS HCFCs-PBH Guia de Boas Práticas Características de Sistemas de Refrigeração em Condições Seladas Presidência da República Dilma Rousseff Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

Tanque de Armazenagem LGE Tipo Diafragma Horizontal UL/FM

Tanque de Armazenagem LGE Tipo Diafragma Horizontal UL/FM Tanque de rmazenagem LGE Tipo Diafragma Horizontal UL/FM DescriÁ o O Sistema de Proporcionamento com Tanque Diafragma È um sistema de proporcionamento com press o balanceada que exige, para seu funcionamento,

Leia mais

O que ocorreu com a distribuição de renda e a pobreza na América Latina?

O que ocorreu com a distribuição de renda e a pobreza na América Latina? Colômbia Brasil Paraguai Chile Peru México Argentina Uruguai Macro Visão sexta-feira, 15 de agosto de 2014 O que ocorreu com a distribuição de renda e a pobreza na América Latina? Distribuição de renda

Leia mais

AR LIMPO É O NOSSO MUNDO. AC 6000 LTA Seu especialista para soluções de filtragem

AR LIMPO É O NOSSO MUNDO. AC 6000 LTA Seu especialista para soluções de filtragem AR LIMPO É O NOSSO MUNDO AC 6000 LTA Seu especialista para soluções de filtragem FILTRO DE AR LTA Ar limpo se compensa Com um amplo conceito e infinitas soluções individuais a LTA encontra a solução correta

Leia mais

Caldeiras Manoel O. A. Méndez

Caldeiras Manoel O. A. Méndez Caldeiras Manoel O. A. Méndez FEAU - Faculdade de Engenharia Arquitetura e Urbanismo 12 de agosto de 2015 Manoel Méndez Caldeiras 1/24 Sumário Introdução 1 Introdução 2 Descoberta do vapor Uso do vapor

Leia mais

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo.

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo. BOLETIM DE GARANTIA (N o 05 / 2013) Código de erro do Cassete e Piso-Teto No. TIPO DESCRIÇÃO Flash Blink Código Nota 1 Falha 2 Falha 3 Falha 4 Falha 5 Falha 6 Falha Placa acusa erro no sensor de temperatura

Leia mais

Unidade Compressor Alternativo

Unidade Compressor Alternativo Unidade Compressor Alternativo Confiabilidade e alto desempenho www.mayekawa.com.br UNIDADE COMPRESSOR Serie M UNIDADE COMPRESSOR ALTERNATIVO Série M Os compressores da série M são projetados para comprimir

Leia mais

O sistema de medição instantânea

O sistema de medição instantânea O sistema de medição instantânea FM 557119 - Sistema de medição 2D rápido e de alta precisão no campo de visão (FOV) - Funcionalidade de posicionar e pressionar - Não é necessário ajuste de foco ou posicionamento

Leia mais

PROTOCOLO - Utiliza o de Drosophila em GenŽtica: 1» Parte

PROTOCOLO - Utiliza o de Drosophila em GenŽtica: 1» Parte PROTOCOLO - Utiliza o de Drosophila em GenŽtica: 1» Parte Rui Artur P. L. Gomes Departamento de Biologia Vegetal Faculdade de Ci ncias da Universidade de Lisboa Edif cio. C2 - Piso 4, Campo Grande 1749-016

Leia mais

Catálogo de Seleção e Aplicação de Unidades Condensadoras.

Catálogo de Seleção e Aplicação de Unidades Condensadoras. Catálogo de Seleção e Aplicação de Unidades Condensadoras. 1 CILINDRO 2 CILINDROS 60 Hz R-22 / R-404A R-134a / HP81 (R-402B) Unidades Condensadoras Compact Line. CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO Unidades equipadas

Leia mais

Concurso Público Federal Edital 06/2015

Concurso Público Federal Edital 06/2015 PROVA Concurso Público Federal Edital 06/2015 Área: Refrigeração e Climatização QUESTÕES OBJETIVAS Conhecimentos Específicos 01 a 30 Nome do candidato: Nº de Inscrição: INSTRUÇÕES 1º) Verifique se este

Leia mais

SUA OPERAÇÃO, SOLUÇÕES CATERPILLAR

SUA OPERAÇÃO, SOLUÇÕES CATERPILLAR ENERGIA OFFSHORE SUA OPERAÇÃO, SOLUÇÕES CATERPILLAR Ouvimos os nossos clientes, investimos em pesquisa e desenvolvimento, e colocamos 80 anos de experiência na fabricação de motor para trabalhar. Nosso

Leia mais

MODELO Em linha WEENKEND PÁLIO 16 V STRADA IDEA PALIO PALIO UNO

MODELO Em linha WEENKEND PÁLIO 16 V STRADA IDEA PALIO PALIO UNO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Administração Superintendência de Serviços Administrativos Grupo de Trabalho Port.Conjunta SAEB/SEFAZ/SEPLAN/CASA CIVIL/PGE Nº01 DE 2009 TABELA TEMPÁRIA DE SERVIÇO

Leia mais

Máquinas de Gelo em Escama QF800-QC700. Instalação. Sistema Elétrico. Localização da Máquina de Gelo

Máquinas de Gelo em Escama QF800-QC700. Instalação. Sistema Elétrico. Localização da Máquina de Gelo Máquinas de Gelo em Escama QF800-QC700 Instalação Localização da Máquina de Gelo Sistema Elétrico O local selecionado para a máquina de gelo deve atender os critérios seguintes. Se algum desses critérios

Leia mais