OS MANUAIS ESCOLARES DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E A INTER-RELAÇÃO DADOS-EVIDÊNCIAS-CONCLUSÕES O CASO DE A IMPORTÂNCIA DO AR PARA OS SERES VIVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS MANUAIS ESCOLARES DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E A INTER-RELAÇÃO DADOS-EVIDÊNCIAS-CONCLUSÕES O CASO DE A IMPORTÂNCIA DO AR PARA OS SERES VIVOS"

Transcrição

1 OS MANUAIS ESCOLARES DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E A INTER-RELAÇÃO DADOS-EVIDÊNCIAS-CONCLUSÕES O CASO DE A IMPORTÂNCIA DO AR PARA OS SERES VIVOS Laurinda Leite, Universidade do Minho, Portugal, Alcina Figueiroa, Escola EB1 Quinta dos Castelos V.N.Gaia, Portugal ENSINO DAS CIÊNCIAS, MANUAIS ESCOLARES E ACTIVIDADES LABORATORIAIS As reformas educativas que, desde início da década de 90, têm sido levadas a cabo em Portugal têm vindo a colocar, embora de diferentes formas, uma ênfase crescente na utilização de actividades laboratoriais no ensino das ciências. O 2º ciclo (10-11 anos) não tem sido excepção, de tal modo que, tanto no programa de Ciências da Natureza como nas orientações curriculares como ainda nas competências essenciais para a área das Ciências Físicas e Naturais 2º ciclo, se encontram não só argumentos a favor da utilização do laboratório no ensino desta disciplina mas também sugestões acerca dos objectivos com que e do modo como as actividades laboratoriais devem ser usadas nas aulas de ciências. De uma forma sintética, podemos resumir tais sugestões da seguinte forma: considera-se fundamental realizar actividade experimental que decorra de problemas que se pretendem investigar, que vise a compreensão das estruturas explicativas da ciência e dos procedimentos da investigação científica e reconhecendo-se que isto requer, entre outros, a análise, a interpretação e a avaliação de evidências recolhidas em contexto laboratorial. Em Portugal, os professores têm sido obrigados a escolher, de entre os diversos manuais escolares existentes no mercado para cada ano de escolaridade, um manual a adoptar na sua escola por um período de três anos, o qual constitui o principal elemento de estudo dos alunos dessa escola, e é reconhecido como tal tanto pela Lei de Bases do Sistema Educativo português como por documentos reguladores do processo de selecção de manuais, emanados do Ministério da Educação. Esta função do manual escolar seria, só por si, suficiente para o tornar num factor importante do sucesso educativo. Contudo, a sua importância é aumentada pelo facto de o manual escolar ser

2 também um elemento de apoio da actividade didáctica dos professores (Stinner, 1992), sobrepondo-se, por vezes, ao próprio currículo (Chiappetta et al., 1991; Yore, 1991), assumindo mesmo o papel de principal determinante das actividades realizadas nas aulas (D all Alba et al., 1993; Tobin, Tippins & Gallard, 1994). No que respeita às actividades laboratoriais, investigações centradas em manuais escolares portugueses mostram que eles dificilmente são concordantes com as orientações programáticas e com os resultados da investigação sobre utilização do laboratório no ensino das ciências, na medida em que incluem actividades fechadas (Duarte, 1999; Figueiroa, 2001), apresentadas com o objectivo de conduzir à descoberta (Figueiroa, 2001) ou à confirmação (Leite, 1999) de conhecimentos, e que, por vezes, lidam inadequadamente com a inter-relação dados-evidências-conclusões, obrigando o aluno a efectuar observações que ele não tem condições para observar e a tirar conclusões para as quais ele não dispõe de suporte empírico (Leite, 2002). ACTIVIDADES LABORATORIAIS E INTER-RELAÇÃO DADOS- EVIDÊNCIAS-CONCLUSÕES Hodson tem afirmado repetidas vezes que e educação em ciências inclui três dimensões: aprender ciência, fazer ciência e aprender acerca da ciência. Este autor (Hodson, 1990) considera que as actividades laboratoriais podem dar uma contribuição particularmente importante para a consecução das duas primeiras dimensões. No entanto, o papel desempenhado pelas actividades laboratoriais nesses dois casos é bem diferente, devido à diferença que, segundo Ogborn et al. (1997), existe entre explicar algo (o que fazem, por exemplo, os cientistas) e explicar algo a alguém (o que fazem, por exemplo, os professores). De facto, no primeiro caso - aprender ciência - as actividades laboratoriais devem fornecer evidências que suportem as explicações construídas e aceites pelos cientistas para os fenómenos físicos e naturais e que façam sentir ao aluno a plausibilidade destas e a sua maior utilidade, quando comparadas com as explicações prévias perfilhadas pelo aluno. No segundo caso - fazer ciência - as actividades laboratoriais devem fornecer dados que, depois de analisados e interpretados, conduzam à explicação de algo que até então não se sabia explicar (Ogborn et al. 1997) e/ou permitam suportar ou refutar as teorias submetidas a teste (Gott & Duggan, 1996). Assim, tanto na ciência como no ensino das cências, as

3 evidências são necessárias (Gott & Duggan, 1996), embora não suficientes (Millar, 1998), para o teste de teorias rivais. Na escola, ensinamos ciências para que os alunos aprendam as explicações que os cientistas construíram previamente mas pretendemos também que os alunos vão ganhando algum insight acerca do modo como os cientistas fazem ciência. Para que esta tarefa seja bem sucedida, é necessário que os alunos percebam a relação entre os dados que constituem evidência de um determinado fenómeno e que sustentam uma explicação específica mas é também necessário que eles sejam capazes de gerar dados, de seleccionar os que constituem evidências de um certo fenómeno e de interpretar essas evidências. Este processo tem exigências complexas, uma vez que nem todos os dados fornecidos por uma actividade laboratorial constituem evidências de uma determinada conclusão (Ball, 1999), que a obtenção das evidências necessárias para a obtenção de uma certa conclusão requer não só um domínio prévio dos conceitos relevantes mas também a identificação e a caracterização das variáveis envolvidas na actividade (Millar & Driver, 1987; Phelan & Reynolds, 2001) e que as evidências recolhidas a partir de uma actividade concreta (mesmo que esta tenha um desenho laboratorial adequado aos objectivos a atingir) não são, só por si, suficientes para que se estabeleça uma conclusão (Millar, 1998). Saliente-se que a complexidade dessas exigências é ainda maior quando a realidade não está acessível aos nossos sentidos e, consequentemente, a observação não pode ser directa (Phelan & Reynolds, 2001), exigindo, por exemplo, o recurso a instrumentos de medida, a medição indirecta de grandezas ou a utilização de testes químicos, para obtenção das evidências necessárias. O manual escolar de ciências, estando ao serviço do programa em vigor, deveria sugerir actividades laboratoriais capazes de veicular ao aluno o ponto de vista cientificamente aceite e adequadas para introduzir o estudante no processo de construção da ciência. Dito de outra forma, isto significa que o manual escolar deveria utilizar actividades laboratoriais que forneçam dados que constituam evidências das conclusões e explicações que se pretende que o aluno aprenda mas que deveria também colocar o aluno em situações de ter que decidir sobre os dados a recolher, que seleccionar de entre todos os dados recolhidos aqueles que constituem evidência do fenómeno/ideia em causa, e que usar os conhecimentos prévios, a criatividade e até mesmo o insight para explicar as evidências obtidas e, assim, tirar conclusões sobre o

4 fenómeno em questão ou avaliar a validade relativa de duas ou mais ideias. OBJECTIVO O objectivo deste trabalho é analisar o modo como os manuais escolares de Ciências da Natureza lidam com a inter-relação dados-evidências-conlusões. Devido às limitações impostas ao texto, a análise centra-se apenas numa unidade temática do 5º ano de escolaridade: A importância do ar para os seres vivos. METODOLOGIA Para a consecução do objectivo deste estudo, analisaram-se em doze manuais de Ciências da Natureza do 5º ano de escolaridade, editados (1ª edição) ou reeditados em 2000 e disponíveis no mercado livreiro português, os protocolos das actividades laboratoriais presentes nesses manuais, que tinham como objectivo a promoção da aprendizagem de conhecimento conceptual, e que estavam incluídos na unidade temática: Importância do ar para os seres vivos. A fim de obter informações que permitam verificar de que forma a inter-relação dados-evidências-conclusões é tratada nas propostas de actividades laboratoriais incluídas na unidade em questão, elaborou-se uma grelha de análise que inclui diferentes categorias para cada um dos seguintes aspectos, considerados nesta análise: relação dados-evidências e relação evidênciasconclusões. Para a definição das categorias, teve-se em conta que: - uma dada actividade pode fornecer um conjunto de dados igual ou superior às evidências necessárias para apoiar/refutar uma dada ideia; - o conjunto de dados a recolher pode ou não ser intencionalmente delimitado; - os dados são ou não acessíveis aos sentidos de quem realiza a actividade; - podem ou não existir evidências que suportem as conclusões. Assim, as categorias de análise definidas e utilizadas foram as seguintes: i) Relação dados-evidências: - A. Recolhem-se apenas os dados que constituem evidências das conclusões pretendidas; - B. Recolhem-se alguns dados que são evidências das conclusões pretendidas mas que são insuficientes para concluir o que se pretende; - C. Recolhem-se todos os dados que são evidências das conclusões desejadas e outros para além deles; - D. Recolhem-se dados correspondentes a algumas das evidências das conclusões desejadas e outros para além deles; - E. Recolhem-se dados que não constituem evidências das conclusões desejadas. ii) Relação evidências-conclusões:

5 - F. Elaboram-se conclusões com base nas evidências necessárias e suficientes incluídas nos dados; - G. Elaboram-se conclusões com base em evidências insuficientes incluídas nos dados; - H. Elaboram-se conclusões sem que os dados incluam evidências para tal. No caso da relação dados-evidências, desdobraram-se ainda as categorias relevantes, de modo a poder-se diferenciar a recolha de evidências directas e indirectas. Efectuou-se uma análise qualitativa do conteúdo de cada uma das actividades, com vista à sua classificação nas categorias consideradas para o efeito. Depois, procedeu-se a uma análise quantitativa desses resultados, identificando-se a representatividade de cada categoria. Todas as actividades foram analisadas por uma das autoras e algumas delas foram separadamente analisadas pela outra autora, tendose depois comparado e discutido os resultados da análise. Para aumentar a fiabilidade dos resultados, a análise foi repetida 15 dias mais tarde, tendo sido resolvidas por consenso as poucas diferenças detectadas entre as duas análises. APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS O quadro 1 regista os resultados obtidos na análise efectuada aos protocolos das actividades laboratoriais, no que respeita à relação dados/evidências e à relação evidências/conclusões. Quadro 1. Análise da inter-relação dados evidências conclusões nas actividades laboratoriais incluídas na unidade Importância do ar para os seres vivos Aspectos Relação Dados/ Evidências Relação Evidências/ Conclusões Categorias recolhemse elaboramse Manuais escolares analisados Total (n=63) A B C D E F G H I J L M f % A. apenas os dados que directas constituem evidências indirectas B. alguns dados que são evidências mas insuficientes C. todos os dados que são evidências e outros dados D. alguns dados que são evidências e outros dados E. dados que não são evidências F. com base nas evidências necessárias e suficientes G. com base em evidências insuficientes H. sem evidências para tal A análise efectuada aos protocolos das actividades laboratoriais no que respeita à relação dados/evidências permite constatar que as actividades analisadas foram incluídas apenas nas categoria A (embora divididas pelas duas sub-categorias) e E. No primeiro caso (categoria A), os protocolos contêm instruções que os alunos

6 devem seguir e que os conduzem a uma recolha de dados centrada apenas nas evidências necessárias e suficientes para se elaborarem as conclusões desejadas (51 actividades). Na maior parte destes casos (36) as evidências são directas, ou seja são acessíveis aos sentidos dos alunos. Refiram-se, como exemplo, as actividades que têm como finalidade demonstrar que o oxigénio é um gás comburente. O aluno, sabendo que um dado tubo de ensaio contém oxigénio (preparou-o previamente), ao introduzir um palito em brasa na boca do tubo, tem oportunidade de assistir directamente ao que acontece (avivar da chama), facto que constitui uma evidência de que o oxigénio é um gás comburente (conclusão pretendida). Nos restantes 15 casos, os alunos têm que recorrer a observações indirectas para obterem as evidências necessárias. A título de exemplo, podem mencionar-se as actividades que têm como objectivo verificar que o vapor de água é um gás constituinte do ar. Nestas actividades, o aluno pode observar a formação, numa superfície arrefecida, de gotas de uma substância incolor. Embora o aluno possa ser levado associar, por exclusão de partes, a origem dessas gotas ao ar, ele não pode observar qual é a substância que as constitui. Para identificar esta, o aluno tem que usar um teste químico - teste do sulfato de cobre anidro que lhe indicará (por mudança de cor) que a substância constituinte das gotas é água. Assim, o aluno não obtém as evidências necessárias para suportar a ideia de que o ar contém água, observando directamente o ar e/ou as gotas formadas. As evidências surgem apenas quando o aluno utiliza e interpreta o resultado do teste químico adequado, cujo funcionamento precisa conhecer antecipadamente. No segundo caso (categoria E), os protocolos dão indicações ao aluno para que recolha determinados dados ou para que efectue e registe todas as observações (e, portanto, recolha todos os dados possíveis, não limitando assim o conjunto de dados a recolher) mas o desenho laboratorial não permite que ele recolha os dados que efectivamente constituiriam evidência das conclusões desejadas. A maioria das 12 actividades incluídas nesta categoria correspondem a actividades cujo objectivo é demonstrar que o oxigénio é um dos constituintes do ar. Nestas actividade, o procedimento laboratorial utilizado centra-se na combustão de uma vela dentro de uma campânula fechada e invertida sobre uma tina com água (fig. 1). O aluno não possui nenhuma evidência que lhe permita concluir que um dos gases que está no recipiente é o oxigénio, quais são os outros gases ou qual é a concentração de cada um deles. Para

7 obter evidências de que existe oxigénio no ar e de que a combustão da vela provoca a sua diminuição, a montagem laboratorial teria que incluir um sensor de oxigénio que permitisse medir a variação da concentração deste gás (fig.2). Quanto à relação evidências/conclusões e conforme seria de esperar, os dados obtidos revelam-se concordantes com os obtidos na análise da relação anterior, ocorrendo duas situações na elaboração das conclusões das actividades: i) as conclusões são suportadas pelas evidências necessárias e suficientes que os dados fornecem (categoria F), conclusões estas que dizem respeito às 51 actividades cujas orientações para recolha de dados contemplavam as evidências necessárias e suficientes; ii) as conclusões são elaboradas sem se possuírem evidências para tal (categoria H), acontecendo isto nas 12 actividades em que foi efectuada uma recolha de dados que não contempla aqueles que constituiriam evidências das conclusões a elaborar. Fig. 1 Protocolo extraído de um dos manuais escolares Fig. 2 Montagem para medição da variação de oxigénio durante a combustão de uma vela CONCLUSÕES E IMPLICAÇÕES Os resultados deste estudo mostram que, apesar de a maioria das actividades analisadas sugerir e permitir a recolha dos dados que constituem evidência das conclusões que se pretendem retirar, há ainda uma percentagem considerável em que isso não acontece e que, portanto, não lida adequadamente com a inter-relação dados evidências-conclusões. Este problema é especialmente frequente em actividades cujas conclusões requerem o suporte de evidências recolhidas de forma indirecta, devido ao

8 facto de se lidar com entidades não visíveis a olho nu e de os protocolos ignorarem este aspecto, não prevendo formas alternativas de recolha dos dados necessários. Se esta falha não se verificasse, a não delimitação dos dados a recolher poderia ser positiva pois poderia contribuir para a consecução da recomendação programática relativa ao trabalho com evidências. Os resultados deste estudo, não sendo inesperados, complementam os dados já disponíveis sobre este assunto (Leite, 2002), dando-nos informação (quantitativa) sobre a dimensão do problema na unidade didáctica considerada. Por outro lado, enfatizam a necessidade de os autores de manuais escolares reflectirem sobre as actividades laboratoriais que incluem nos seus manuais mas também de os professores adoptarem uma atitude critica e reflexiva face ao manual escolar, uma vez que, apesar de ele ser um importante recurso didáctico, não é (nem nunca será) uma obra perfeita e tem que ser usado criticamente por todos os seus utilizadores, de modo a que as suas imperfeições não constituam obstáculos à aprendizagem da ciência. REFERÊNCIAS BALL, J. (1999). Evidence, theory and student voice: Interactional relationships in cooperative and traditional Chemistry lab structures. Comunicação apresentada no encontro anual da NARST, Boston. CHIAPPETTA, E., FILLMAN, D. & SETHNA, G. (1991). A method to quantify major themes of scientific literacy in science textbooks. Journal of Research in Science Teaching, Vol.28, nº 8, pp DALL ALBA, G. et al. (1993). Textbook treatments and students understanding of acceleration. Journal of Research in Science Teaching, Vol.30, nº 7, pp DUARTE, M. (1999). O Trabalho laboratorial em manuais escolares de Química portugueses do 8º e 9º anos de escolaridade. In Moreira, M. & Ostermann, F. (Org.). Actas do II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. São Paulo. FIGUEIROA, A. (2001). Actividades laboratoriais e educação em ciências: Um estudo com manuais escolares do 5º ano de escolaridade e respectivos autores. Dissertação de mestrado (não publicada), Universidade do Minho. GOTT, R. & DUGGAN, B. (1996). Practical work: Its role in the understanding of

9 evidence in science. International Journal of Science Education, Vol.18, nº 7, pp HODSON, D. (1990). A critical look at practical work in school science. School Science Review, Vol.70, nº 256, pp LEITE, L. (1999). O ensino Laboratorial de O Som e a Audição. Uma análise das propostas apresentadas por manuais escolares do 8º ano de escolaridade. In Castro, R. et al. (Org.). Manuais escolares: Estatuto, funções, história. Braga. Universidade do Minho, pp LEITE, L. (2002). A inter-relação dados-evidências-conclusões: Um estudo com actividades laboratoriais incluídas em manuais escolares. In Actas do II Congreso Internacional Didáctica de las Ciencias (CD-rom), Havana. MILLAR, R. & DRIVER, R. (1987). Beyond processes. Studies in Science Education, nº 14, pp MILLAR, R. (1998). Rhetoric and reality: What practical work in science is really for?. In Wellington, J. (Ed.). Practical work in school science: Which way now?. Londres. Routledge, pp PHELAN, P. & REYNOLDS, P. (2001). Argument and evidence: Critical analysis for the social sciences. Londres. Routledge. Ogborn, J. et al. (1997). Explaining science in the classroom. Buckingham: Open University Press. STINNER, A. (1992). Science textbooks and science teaching: From logic to evidence. Science Education, Vol. 76, pp TOBIN, K., TIPPINS, D. & GALLARD, A. (1994). Research on instructional strategies for teaching science. In Gabel, D. (Ed.). Handbook of research on science teaching and learning. Nova Iorque. Macmillan, pp YORE, L. (1991). Secondary science teachers attitudes towards and beliefs about science reading and science textbooks. Journal of Research in Science Teaching, Vol. 28, nº 1, pp

A INTER-RELAÇÃO DADOS-EVIDÊNCIAS-CONCLUSÕES Um estudo com actividades laboratoriais incluídas em manuais escolares

A INTER-RELAÇÃO DADOS-EVIDÊNCIAS-CONCLUSÕES Um estudo com actividades laboratoriais incluídas em manuais escolares A INTER-RELAÇÃO DADOS-EVIDÊNCIAS-CONCLUSÕES Um estudo com actividades laboratoriais incluídas em manuais escolares Laurinda Leite Instituto de Educação e Psicologia Universidade do Minho Braga, Portugal

Leia mais

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE OS CONCEITOS DE MÉTODO CIENTÍFICO E DE INVESTIGAÇÃO

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE OS CONCEITOS DE MÉTODO CIENTÍFICO E DE INVESTIGAÇÃO UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE OS CONCEITOS DE MÉTODO CIENTÍFICO E DE INVESTIGAÇÃO Luís Dourado, ldourado@ iep.uminho.pt Manuel Sequeira msequeira@iep.uminho.pt Instituto de Educação e Psicologia, Universidade

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

TRABALHO EXPERIMENTAL NO ENSINO DA GEOLOGIA: APLICAÇÕES DA INVESTIGAÇÃO NA SALA DE AULA

TRABALHO EXPERIMENTAL NO ENSINO DA GEOLOGIA: APLICAÇÕES DA INVESTIGAÇÃO NA SALA DE AULA TRABALHO EXPERIMENTAL NO ENSINO DA GEOLOGIA: APLICAÇÕES DA INVESTIGAÇÃO NA SALA DE AULA FONSECA 1, P.; BARREIRAS 2, S.; VASCONCELOS 3, C. 1 Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM SUPERVISÃO UNIVERSIDADE DOS AÇORES

CURSO DE MESTRADO EM SUPERVISÃO UNIVERSIDADE DOS AÇORES CURSO DE MESTRADO EM SUPERVISÃO UNIVERSIDADE DOS AÇORES Disciplina de Metodologia de Ensino das Ciências 2003/04 1º Semestre Docente Responsável: Nilza Costa (*) (nilza@dte.ua.pt) Colaboradores: Luís Marques

Leia mais

Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais. Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília

Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais. Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília Projectos de investigação Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais Coordenador: Isabel Barca Equipa de investigação Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília

Leia mais

Exemplo de Vê Epistemológico. O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1. Leonardo Sartori Porto

Exemplo de Vê Epistemológico. O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1. Leonardo Sartori Porto Exemplo de Vê Epistemológico O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1 Leonardo Sartori Porto Nosso projeto de pesquisa visa investigar se o uso de analogias no ensino de ciências pode facilitar

Leia mais

DE PAR EM PAR NA U. PORTO

DE PAR EM PAR NA U. PORTO J. P. Pêgo et al. 1 DE PAR EM PAR NA U. PORTO Um programa multidisciplinar de observação de aulas em parceria 1 João Pedro Pêgo, 1 José Manuel Martins Ferreira, 2 Amélia Lopes, 2 Ana Mouraz 1 Universidade

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012. Docente (s) Maria João Alvarez (docente responsável pela UC) e Alexandra Marques Pinto

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012. Docente (s) Maria João Alvarez (docente responsável pela UC) e Alexandra Marques Pinto FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012 Designação Temas de Desenvolvimento Pessoal e Social Docente (s) Maria João Alvarez (docente responsável pela UC) e Alexandra Marques Pinto Creditação (ECTS) 6 ECTS

Leia mais

TRAINING THE ESSENTIALS

TRAINING THE ESSENTIALS 1 st RESEARCH METHODOLOGY SCHOOL What needs to be done? Esta edição pretende ser uma proposta de formação metodológica avançada suplementar para estudantes de pós-graduação, investigadores e profissionais

Leia mais

FORMAÇÃO DE PORTUGUÊS ENSINO SECUNDÁRIO (PROGRAMA E METAS CURRICULARES) COMPLEXIDADE TEXTUAL. Helena Carvalhão Buescu e Maria Graciete Silva

FORMAÇÃO DE PORTUGUÊS ENSINO SECUNDÁRIO (PROGRAMA E METAS CURRICULARES) COMPLEXIDADE TEXTUAL. Helena Carvalhão Buescu e Maria Graciete Silva FORMAÇÃO DE PORTUGUÊS ENSINO SECUNDÁRIO (PROGRAMA E METAS CURRICULARES) COMPLEXIDADE TEXTUAL Helena Carvalhão Buescu e Maria Graciete Silva PISA 2006 Alguns tópicos: Terminada a escolaridade obrigatória,

Leia mais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais O objectivo deste artigo é disponibilizar uma síntese das questões-chave que

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova 1 Uma introdução Doug LEMOV (2011) estudou o comportamento

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

Trabalho Final Documento crítico do artigo: LMS em Contexto Escolar: estudo sobre o uso da Moodle pelos docentes de duas escolas do Norte de Portugal

Trabalho Final Documento crítico do artigo: LMS em Contexto Escolar: estudo sobre o uso da Moodle pelos docentes de duas escolas do Norte de Portugal UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO Trabalho Final Documento crítico do artigo: LMS em Contexto Escolar: estudo sobre o uso da Moodle pelos docentes de duas escolas do Norte de Portugal Autor

Leia mais

Formação inicial de Educadores de Infância e de Professores na Universidade do Minho: Das Licenciaturas aos Mestrados em Ensino

Formação inicial de Educadores de Infância e de Professores na Universidade do Minho: Das Licenciaturas aos Mestrados em Ensino Formação inicial de Educadores de Infância e de Professores na Universidade do Minho: Das Licenciaturas aos Mestrados em Ensino Laurinda Leite (Universidade do Minho - Instituto de Educação) 1. A Universidade

Leia mais

APRENDER MATEMÁTICA EM AMBIENTES ONLINE

APRENDER MATEMÁTICA EM AMBIENTES ONLINE APRENDER MATEMÁTICA EM AMBIENTES ONLINE Carlos Morais, CIFPEC - Universidade do Minho, ESE - Instituto Politécnico de Bragança, Portugal. Rosa Pereira, Agrupamento de Escolas de Alfena, Portugal. Luísa

Leia mais

Métodos de avaliação pedagógica ( [1] )

Métodos de avaliação pedagógica ( [1] ) Métodos de avaliação pedagógica ( [1] ) Margarida Fernandes ESE, Universidade do Algarve «Para conhecer a verdade acerca dum sistema educativo é necessário olhar para os seus métodos de avaliação. Que

Leia mais

PROBLEMAS, EDUCAÇÃO EM FÍSICA E EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

PROBLEMAS, EDUCAÇÃO EM FÍSICA E EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA PROBLEMAS, EDUCAÇÃO EM FÍSICA E EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. Introdução Esmeralda Esteves & Laurinda Leite Universidade do Minho, Portugal eazevedo@iep.uminho.pt & lleite@iep.uminho.pt As ciências integram

Leia mais

A ciência experimental no Jardim-de-Infância

A ciência experimental no Jardim-de-Infância A ciência experimental no Jardim-de-Infância Isabel Fialho Departamento de Pedagogia e Educação Universidade de Évora Introdução Na comunidade científica existe consenso na ideia de que o modo como os

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA O sistema educativo deve garantir a coordenação, a consistência e a coerência do ensino para o desenvolvimento da educação científica Critérios de qualidade O conhecimento dos alunos e das suas aptidões

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

INTER-RELAÇÕES CTS E CONCEPÇÕES ALTERNATIVAS. UM CASO EM QUÍMICA ESCOLAR

INTER-RELAÇÕES CTS E CONCEPÇÕES ALTERNATIVAS. UM CASO EM QUÍMICA ESCOLAR XII Congreso de Enciga 95 FÍSICA E QUÍMICA INTER-RELAÇÕES CTS E CONCEPÇÕES ALTERNATIVAS. UM CASO EM QUÍMICA ESCOLAR ARMINDA PEDROSA, M. HELENA DIAS, M. MARTINS, Isabel P. CONTEXTUALIZAÇÃO A constatação

Leia mais

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL Mário Talaia e Marta Andreia Silva Departamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193, Aveiro, Portugal Contacto: mart@fis.ua.pt RESUMO O presente artigo surge

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NA ABORDAGEM DA HIGIENE DO CORPO EM PORTUGAL (2009/10-2010/11): UMA PRIMEIRA ANÁLISE DE MANUAIS ESCOLARES DE ESTUDO DO MEIO

ESTUDO COMPARATIVO NA ABORDAGEM DA HIGIENE DO CORPO EM PORTUGAL (2009/10-2010/11): UMA PRIMEIRA ANÁLISE DE MANUAIS ESCOLARES DE ESTUDO DO MEIO ESTUDO COMPARATIVO NA ABORDAGEM DA HIGIENE DO CORPO EM PORTUGAL (2009/10-2010/11): UMA PRIMEIRA ANÁLISE DE MANUAIS ESCOLARES DE ESTUDO DO MEIO Marta Bigas, Braga, Portugal, mbigas@iol.pt Fernando Guimarães,

Leia mais

VESTIBULAR, MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEM DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: CONEXÕES POSSÍVEIS?

VESTIBULAR, MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEM DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: CONEXÕES POSSÍVEIS? resenhas e críticas VESTIBULAR, MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEM DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: CONEXÕES POSSÍVEIS? 1 2 1. A motivação 3-31 Neste trabalho os termos língua estrangeira e segunda língua serão

Leia mais

A discussão de controvérsias sócio-científicas a partir de documentários em vídeo

A discussão de controvérsias sócio-científicas a partir de documentários em vídeo A discussão de controvérsias sócio-científicas a partir de documentários em vídeo Elisabete Linhares 1 e Pedro Reis 2 1 Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém, Santarém, Portugal,

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA PERSPECTIVA CTS. AS PLANTAS NA MANUTENÇÃO DA VIDA

TRABALHO PRÁTICO E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA PERSPECTIVA CTS. AS PLANTAS NA MANUTENÇÃO DA VIDA TRABALHO PRÁTICO E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA PERSPECTIVA CTS. AS PLANTAS NA MANUTENÇÃO DA VIDA Sónia Balau Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Castelo Branco sonia_balau@mail.ese.ipcb.pt

Leia mais

Estudo de Caso. Edite Gonçalves Lurdes Sá Maria Caldeira. Mestrado em Educação - Supervisão e Orientação Pedagógica

Estudo de Caso. Edite Gonçalves Lurdes Sá Maria Caldeira. Mestrado em Educação - Supervisão e Orientação Pedagógica Estudo de Caso Edite Gonçalves Lurdes Sá Maria Caldeira Mestrado em Educação - Supervisão e Orientação Pedagógica DEFCUL Metodologia de Investigação 2004/2005 O que é um Estudo de Caso? É um processo específico

Leia mais

ESTUDO DAS ANALOGIAS UTILIZADAS EM COLEÇÕES DIDÁTICAS DE FÍSICA, QUÍMICA E BIOLOGIA

ESTUDO DAS ANALOGIAS UTILIZADAS EM COLEÇÕES DIDÁTICAS DE FÍSICA, QUÍMICA E BIOLOGIA ESTUDO DAS ANALOGIAS UTILIZADAS EM COLEÇÕES DIDÁTICAS DE FÍSICA, QUÍMICA E BIOLOGIA TERRAZZAN, EDUARDO A.; PIMENTEL, NAIDA L.; DA SILVA, LEANDRO L.; BUSKE, RODRIGO yamorim,mary ANGELA L. NEC/CE/Universidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR

Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR 0 Índice 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 4 3. Material/Equipamento... 5 3.1. Preparação das amostras... 5 3.2. Teste

Leia mais

Trabalho Prático na Perspectiva dos Novos Programas de Física e Química, Matemática e Biologia:

Trabalho Prático na Perspectiva dos Novos Programas de Física e Química, Matemática e Biologia: Oficina de Formação Trabalho Prático na Perspectiva dos Novos Programas de Física e Química, Matemática e Biologia: Uma abordagem à experimentação usando sensores Estudo da carga e descarga do condensador

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa . INÁCIO, Maria Joana SALEMA, Maria Helena Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa RESUMO Aprender a aprender constitui-se como uma das competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida,

Leia mais

Desde a última década, assistese

Desde a última década, assistese PESQUISA NO ENSINO DE QUÍMICA Imagens de Ciência em manuais de química portugueses Carlos Campos Antonio Cachapuz A seção Pesquisa no ensino de química relata investigações relacionadas a problemas no

Leia mais

Formação de professores: constrangimentos e potencialidades

Formação de professores: constrangimentos e potencialidades Universidade do Minho Formação de professores: constrangimentos e potencialidades Maria Assunção Flores aflores@ie.uminho.pt Formação inicial: relevância e diversidade Diversidade de modelos, de contextos

Leia mais

Modelos de Desenho Curricular

Modelos de Desenho Curricular Modelos de Desenho Curricular Introdução Quando se planificam aulas, parte-se, frequentemente, de uma concepção restrita de currículo que tende a preocupar-se apenas em definir o programa, isto é, em decidir

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

A Rotatividade dos Trabalhadores em Portugal. Pedro Silva Martins*

A Rotatividade dos Trabalhadores em Portugal. Pedro Silva Martins* A Rotatividade dos Trabalhadores em Portugal Pedro Silva Martins* A rotatividade dos trabalhadores nas empresas é uma realidade bem conhecida dos gestores de recursos humanos. Seja por iniciativa do empregador

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

O TEMPO GEOLÓGICO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS

O TEMPO GEOLÓGICO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS Comunicaciones del XVII Simposio sobre Enseñanza de la Geología O TEMPO GEOLÓGICO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS Geological time on geosciences teacher education Margarida Morgado (1); Dorinda

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS QUALITATIVOS Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS QUALITATIVOS Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular MÉTODOS QUALITATIVOS Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular MÉTODOS

Leia mais

Solução de problemas em Matemática

Solução de problemas em Matemática ADAPTADO DE: ALVES, ÉRICA VALERIA; BRITO, MÁRCIA REGINA FERREIRA. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A SOLUÇÃO DE PROBLEMAS. ANAIS DO VII EBRAPEM: ENCONTRO BRASILEIRO DE ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO ENSINO PRÉ-ESCOLAR O CONTRIBUTO DA FORMAÇÃO COMPLEMENTAR DE EDUCADORES

A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO ENSINO PRÉ-ESCOLAR O CONTRIBUTO DA FORMAÇÃO COMPLEMENTAR DE EDUCADORES A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO ENSINO PRÉ-ESCOLAR O CONTRIBUTO DA FORMAÇÃO COMPLEMENTAR DE EDUCADORES PEREIRA 1,SARA;TORRES 2,ANA ymartins, 3 ISABEL P. Departamento de Didáctica e Tecnologia Educativa - Universidade

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008)

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Centro de Formação Centro de Formação da Batalha Formando Selma

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Tânia Cristina Simões de Matos dos Santos Instituto Politécnico de Leiria 2012 Working paper nº 83/2012 globadvantage Center

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

João Paiva e Carla Morais

João Paiva e Carla Morais João Paiva e Carla Morais Generalidades sobre WebQuests WebQuest Definição A WebQuest is an inquiryoriented activity in which some or all of the information that learners interact with comes from resources

Leia mais

AL 1.3. Capacidade térmica mássica

AL 1.3. Capacidade térmica mássica 36 3. ACTIVIDADES PRÁTICO-LABORATORIAIS AL 1.3. Capacidade térmica mássica Fundamento teórico da experiência A quantidade de energia que se fornece a materiais diferentes, de modo a provocar-lhes a mesma

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM E A PROMOÇÃO DE CAPACIDADES DE PENSAMENTO CRÍTICO

ESTRATÉGIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM E A PROMOÇÃO DE CAPACIDADES DE PENSAMENTO CRÍTICO IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-2 de septiembre de 203 COMUNICACIÓN ESTRATÉGIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM E A PROMOÇÃO DE CAPACIDADES DE PENSAMENTO CRÍTICO

Leia mais

ASPECTOS DO CONHECIMENTO PEDAGÓGICO DO CONTEÚDO DURANTE A ABORDAGEM DE MODELOS CIENTÍFICOS POR PROFESSORES DE QUÍMICA

ASPECTOS DO CONHECIMENTO PEDAGÓGICO DO CONTEÚDO DURANTE A ABORDAGEM DE MODELOS CIENTÍFICOS POR PROFESSORES DE QUÍMICA ASPECTOS DO CONHECIMENTO PEDAGÓGICO DO CONTEÚDO DURANTE A ABORDAGEM DE MODELOS CIENTÍFICOS POR PROFESSORES DE QUÍMICA ASPECTS OF PEDAGOGICAL CONTENT KNOWLEDGE DURING CHEMISTRY TEACHERS APPROACHES TOWARDS

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

O or. Novas perspetivas. aprendizagem das Ciências Naturais EDUCAÇÃO 2012. Autoras do projeto Viva a Terra! Ciências Naturais, 7.

O or. Novas perspetivas. aprendizagem das Ciências Naturais EDUCAÇÃO 2012. Autoras do projeto Viva a Terra! Ciências Naturais, 7. O or EDUCAÇÃO 2012 Contamos consigo. Conte connosco. Novas perspetivas de ensino e de aprendizagem das Ciências Naturais Autoras do projeto Viva a Terra! Ciências Naturais, 7. ano Lucinda Motta e Maria

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA Kelly Christinne Maia de Paula* Márcia Regina Ferreira de Brito** RESUMO O desenvolvimento das habilidades matemáticas das crianças é interesse de professores

Leia mais

OS VASOS SANGUÍNEOS COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DA FÍSICA

OS VASOS SANGUÍNEOS COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DA FÍSICA OS VASOS SANGUÍNEOS COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DA FÍSICA Rosário Afonso e Mário Talaia Departamento de Física da Universidade de Aveiro 3810-193 Aveiro, Portugal E-mail de contacto mart@fis.ua.pt RESUMO

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA Questão: Como projectar um escorrega para um parque aquático, de um, de modo que os utentes possam cair em segurança numa determinada zona da piscina?

Leia mais

A DISCUSSÃO NUMA UNIDADE CURRICULAR DO ENSINO SUPERIOR: POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES. Introdução

A DISCUSSÃO NUMA UNIDADE CURRICULAR DO ENSINO SUPERIOR: POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES. Introdução A DISCUSSÃO NUMA UNIDADE CURRICULAR DO ENSINO SUPERIOR: POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES Elisabete Linhares Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém elisabete.linhares@ese.ipsantarem.pt

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

Atividades de interpretação de gráficos de barras e linhas: o que sabem os alunos do 5º ano?

Atividades de interpretação de gráficos de barras e linhas: o que sabem os alunos do 5º ano? Atividades de interpretação de gráficos de barras e linhas: o que sabem os alunos do 5º ano? Maria Betânia Evangelista UFPE EDUMATEC - Brasil Resumo Esse estudo teve como objetivo analisar o desempenho

Leia mais

Caracterização das condições ambientais de iluminação natural nos edifícios com base na avaliação in situ

Caracterização das condições ambientais de iluminação natural nos edifícios com base na avaliação in situ Caracterização das condições ambientais de iluminação natural nos edifícios com base na avaliação in situ SANTOS, António J. LNEC - Laboratório Nacional de Engenharia Civil. DED/NAI Av. Brasil, 101, 1700-066

Leia mais

A VISÃO DOS ALUNOS SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO VERDADE INCONVENIENTE

A VISÃO DOS ALUNOS SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO VERDADE INCONVENIENTE A VISÃO DOS ALUNOS SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO VERDADE INCONVENIENTE Érica C. A. Dell Asem & Silvia L. F. Trivelato Universidade de São Paulo/ Instituto de Física erica.asem@gmail.com

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO NOS ACTUAIS CURRICULA DE CIÊNCIAS DO ENSINO SECUNDÁRIO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES

TRABALHO PRÁTICO NOS ACTUAIS CURRICULA DE CIÊNCIAS DO ENSINO SECUNDÁRIO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES TRABALHO PRÁTICO NOS ACTUAIS CURRICULA DE CIÊNCIAS DO ENSINO SECUNDÁRIO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Gabriel, A. Sofia 1,2 ; Santos, M. Conceição 2 ; Pedrosa, M. Arminda 3 1 Escola Secundária D. Inês de Castro

Leia mais

UM MODELO DE PLANIFICAÇÃO DE PROJECTOS DE CIÊNCIAS PARA O SECUNDÁRIO

UM MODELO DE PLANIFICAÇÃO DE PROJECTOS DE CIÊNCIAS PARA O SECUNDÁRIO UM MODELO DE PLANIFICAÇÃO DE PROJECTOS DE CIÊNCIAS PARA O SECUNDÁRIO Ferreira, A. J. 1, Paixão, M. F. 2 1 Escola Secundária de Cantanhede 2 Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Castelo

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

O Som e a Audição Uma área que faz os professores?

O Som e a Audição Uma área que faz os professores? artigos o som e a audição O Som e a Audição Uma área que faz os professores? Ana Sofia Afonso * Laurinda Leite * Após uma ausência de mais de uma década, o som foi reintroduzido nos currículos portugueses

Leia mais

UMA CANTATA POR KIOTO: PROJECTO TRANSDISCIPLINAR NUMA ESCOLA VOCACIONAL DE MÚSICA. Carla Soares Barbosa Fernanda Mourão Martins

UMA CANTATA POR KIOTO: PROJECTO TRANSDISCIPLINAR NUMA ESCOLA VOCACIONAL DE MÚSICA. Carla Soares Barbosa Fernanda Mourão Martins UMA CANTATA POR KIOTO: PROJECTO TRANSDISCIPLINAR NUMA ESCOLA VOCACIONAL DE MÚSICA Carla Soares Barbosa Fernanda Mourão Martins Uma Cantata por Kioto é um trabalho de projecto desenvolvido numa escola vocacional

Leia mais

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO CONFLITOS CONCEITUAIS COM IMAGENS RELATIVAS A CONCEITOS COMUNS ENTRE A MATEMÁTICA ELEMENTAR E A AVANÇADA 1 VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br

Leia mais

COMO OS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS AVALIAM OS SEUS CUSTOS Tomás Patrocínio Universidade de Lisboa, Instituto de Educação

COMO OS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS AVALIAM OS SEUS CUSTOS Tomás Patrocínio Universidade de Lisboa, Instituto de Educação COMO OS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS AVALIAM OS SEUS CUSTOS Tomás Patrocínio Universidade de Lisboa, Instituto de Educação Resumo Como tem sido descrito na literatura (e.g., Johnstone, 1986;

Leia mais

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO Modalidade: Oficina de Formação Registo de Acreditação: CCPFC/ACC-79411/14 Duração: 25 horas presenciais + 25 horas não presenciais Destinatários:

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ARADO DE DISCOS EM MINIATURA PARA AUXÍLIO NO ENSINO DE SUAS REGULAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UM ARADO DE DISCOS EM MINIATURA PARA AUXÍLIO NO ENSINO DE SUAS REGULAGENS Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior - ABEAS - v.29, n.2, p.68-72, 2014. ISSN - 0101-756X - DOI: http://dx.doi.org/10.12722/0101-756x.v29n02a03 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

2. Ensino a distância

2. Ensino a distância Na bibliografia consultada temos encontrado diferentes terminologias para referirem o que chamamos vulgarmente de Ensino a Distância (EaD), embora nem sempre a ideia seja exactamente a mesma. Neste capítulo

Leia mais

Trabalho experimental de ciências em contexto de jardim-de-infância desenvolvimento de um Programa de Formação

Trabalho experimental de ciências em contexto de jardim-de-infância desenvolvimento de um Programa de Formação Trabalho experimental de ciências em contexto de jardim-de-infância desenvolvimento de um Programa de Formação Maria José Rodrigues [1] mrodrigues@ipb.pt; Rui Marques Vieira [2] rvieira@ua.pt Universidade

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Trabalho de Grupo. Escola Superior de Educação de Viseu Licenciatura: Educação Básica Unidade Curricular: TIC 1º Ano - 2º Semestre 2013/2014

Trabalho de Grupo. Escola Superior de Educação de Viseu Licenciatura: Educação Básica Unidade Curricular: TIC 1º Ano - 2º Semestre 2013/2014 1. ACTIVIDADE Esta actividade irá ser realizada pelas crianças e tem como objectivo a produção de um vídeo original com base na disciplina de Educação Musical. Para esta actividade irão ser utilizadas

Leia mais

ENSINO ORIENTADO PARA A APRENDIZAGEM BASEADA NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA LICENCIATURA EM ENSINO DE FÍSICA E QUÍMICA

ENSINO ORIENTADO PARA A APRENDIZAGEM BASEADA NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA LICENCIATURA EM ENSINO DE FÍSICA E QUÍMICA ENSINO ORIENTADO PARA A APRENDIZAGEM BASEADA NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA LICENCIATURA EM ENSINO DE FÍSICA E QUÍMICA Laurinda Leite Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho lleite@iep.uminho.pt

Leia mais

Projecto Vídeo: Internet Segura

Projecto Vídeo: Internet Segura Projecto Vídeo: Internet Segura Catarina Rocha Colégio Teresiano catarina_rocha@hotmail.com Clara Pereira Coutinho Universidade do Minho ccoutinho@iep.uminho.pt Resumo Este estudo pretende o apresentar

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Algarve A.1.a.

Leia mais

SELEÇÃO E UTILIZAÇÃO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS EM AULAS DE BIOLOGIA E FÍSICA DO ENSINO MÉDIO

SELEÇÃO E UTILIZAÇÃO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS EM AULAS DE BIOLOGIA E FÍSICA DO ENSINO MÉDIO SELEÇÃO E UTILIZAÇÃO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS EM AULAS DE BIOLOGIA E FÍSICA DO ENSINO MÉDIO Larissa Zancan Rodrigues UFSM Fernanda Sauzem Wesendonk UFSM Eduardo Adolfo Terrazzan UFSM Agência de financiamento:

Leia mais

Participação na Formação Contínua: Uma necessidade para uma empregabilidade sustentável na Região do Alentejo 1

Participação na Formação Contínua: Uma necessidade para uma empregabilidade sustentável na Região do Alentejo 1 Participação na Formação Contínua: Uma necessidade para uma empregabilidade sustentável na Região do Alentejo 1 Eduardo Figueira 2 Sandra Silva 3 e Liliana Rainha 4 1. Introdução A presente comunicação

Leia mais

Maria da Conceição Duarte 1. A História da Ciência como uma dimensão indispensável da educação em ciências

Maria da Conceição Duarte 1. A História da Ciência como uma dimensão indispensável da educação em ciências A HISTÓRIA DA CIÊNCIA NA PRÁTICA DE PROFESSO- RES PORTUGUESES: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS The History of Science in Portuguese teachers practice: implications for science teachers

Leia mais

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar a instalação, a conversão e a reparação de aparelhos de queima de gás e executar soldaduras

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422)

SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422) ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422) TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉCTRICOS EM REGIME FORÇADO

Leia mais

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2,

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Estratégias de Manutenção em Fachadas de Edifícios Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal RESUMO Uma política

Leia mais

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 António M. Fonseca Introdução No âmbito dos objectivos do Programa AVES Avaliação de escolas com ensino secundário, a vontade

Leia mais