A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO."

Transcrição

1 A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças de atitudes, ver o educando como um ser integral, em seu âmbito cognitivo, afetivo e social. Isso implica na doação de uma nova concepção no fazer, uma nova postura diante do conhecimento em busca da unidade de pensamento. Um dos grandes desafios no ensino de Química é buscar diferentes métodos para que os educandos adquiram as competências e habilidades necessárias à sua formação, num contexto social e tecnológico. Nesse aspecto, realizar experimentos de química envolvendo reagentes catalisadores e outros materiais de baixo custo, facilmente disponíveis é um desafio enfrentado por muitos professores, especialmente por aqueles que trabalham em instituições de ensino com recursos financeiros insuficientes ou então, localizadas em cidades onde não há comércio especializado em produtos químicos. Desta forma, este projeto tem por finalidade oferecer sugestões metodológicas de aulas práticas de química, úteis às necessidades de melhoria do processo ensino-aprendizagem, com objetivos claros, voltados para uma perspectiva social do aluno, envolvendo e evidenciando os problemas do seu cotidiano. Sendo que, estas aulas práticas possam ser desenvolvidas facilmente em qualquer instituição de ensino, mesmo naquelas desprovidas de laboratório, equipamentos, vidrarias e reagentes convencionalmente utilizados. O grande objetivo é contribuir para que estudantes, principalmente, do ensino médio descubram o gosto por estudar a Química e passem a conhecer melhor a natureza por meio dela, com o auxílio de aulas práticas que utilizem materiais alternativos de baixo custo e de fácil aquisição. Palavras Chaves:

2 JUSTIFICATIVA: Um dos grandes desafios no ensino de ciências é buscar diferentes métodos para que os educandos adquiram as competências e habilidades necessárias para a sua formação, num contexto social e tecnológico. Nesse aspecto, as atividades experimentais podem ser úteis às necessidades de melhoria do processo ensino aprendizagem, quando bem elaboradas e bem utilizadas com objetivos claros, voltados para uma perspectiva social do aluno envolvendo e evidenciando os problemas do seu cotidiano. Desta forma, a metodologia de experimentação passa a contribuir significativamente para o ensino das ciências. Contudo, ainda encontra-se muitas dificuldades de implementação dessas atividades práticas nas escolas. Um dos motivos agravantes para a não realização das atividades experimentais de ciências nas instituições educacionais é o alto custo dos materiais, instrumentos laboratoriais e também o fato de alguns educadores se utilizarem destas atividades de forma equivocada, não levando em consideração os importantes indicadores relacionados ao aluno, como o seu conhecimento pessoal dentro da sua perspectiva social e cultural. E por fim, terminam não contribuindo para uma aprendizagem significativa, mas sim, para uma mera transmissão de conteúdos. Do ponto de vista do Professor Vasco Moreto, 2007 (Mestre em didática das ciências naturais): os professores que trabalham com as Ciências Naturais, mostram-se pouco satisfeitos com as péssimas condições de infra-estrutura, principalmente nas instituições públicas. E usam deste motivo para justificar o não desenvolvimento das atividades experimentais. O ensino experimental é fundamental para promover a aprendizagem de ciências dos educandos. Assim, propõe-se enfatizar de maneira contextual, vários assuntos na área das Ciências, considerando aulas experimentais que utilizem materiais alternativos de baixo custo e de fácil aquisição, para serem realizadas nas próprias salas de aulas, ou mesmo em laboratórios, promovendo a superação das dificuldades infra-estruturais presentes na maioria das escolas (principalmente públicas). Além de poder proporcionar aos alunos, novos conhecimentos com bases consolidadas em atividades que permitam aos mesmos, desenvolverem habilidades autônomas em relação às tarefas de investigação e experimentação, bem como, análise crítica e avaliação de dados a cerca do tema em estudo, que visem uma

3 reflexão sobre a elucidação de situações-problemas voltados para o cotidiano dos mesmos. É também de total importância a adequação e colocação das experimentações em um contexto social, visando transcender a simples realização de observações e técnicas, características do ensino das ciências e dos métodos científicos. Dessa forma, é de grande valia e de total necessidade promover maior interação dos alunos com a Ciência, contribuindo para que os mesmos enriqueçam seus conhecimentos sobre o tema estudado, mas de maneira dinâmica e atrativa, favorecendo maior interesse e eficácia de um aprendizado significativo. Além da relação didático-pedagógico das aulas experimentais, busca-se desenvolver um caminho de incentivo e motivação dos professores, em atuar mais na área experimental do ensino de ciências, através de experimentos que busquem facilidades de elaboração e utilização de materiais do dia-a-dia. Contudo, em critérios estruturais e didáticos, foram escolhidos experimentos, que permitam uma relação imediata com o cotidiano dos alunos, sem desprezar os aspectos do conteúdo disciplinar. A escolha dos experimentos abordados dentro do conteúdo de Ciências demonstra que é possível propor aulas experimentais substituindo os materiais originais por outros considerados alternativos e, também possibilitar um dueto didático-pedagógico entre as aulas práticas realizadas em sala de aula, com a contextualização sugerida pelos novos parâmetros curriculares. Os experimentos escolhidos foram organizados para atingir os objetivos do trabalho, sendo que os materiais foram modificados a fim de tornarem-se mais acessíveis e dinâmicos aos alunos e professores. Esses experimentos abordam conceitos da área de química e os educadores têm a função de transformá-los em objetos de pesquisa pedagógica, para que através desta prática possa acontecer a construção significativa dos conceitos de ciências, visando a compreensão do mundo e seus fenômenos.

4 OBJETIVO GERAL: Capacitar o aluno do ensino fundamental à percepção dos fenômenos científicos tal como sua relação com fatos do cotidiano. OBJETIVO ESPECÍFICO: Desenvolver experimentos utilizando material alternativo e de baixo custo, motivando alunos e professores a prática de experimentos criativos e acessíveis que privilegiem atividades nos quais, relacionem a construção do conhecimento de ciências com o conteúdo das demais áreas.

5 METODOLOGIA O trabalho foi desenvolvido numa escola de educação básica da rede pública Estadual de Ensino do Pará, onde em parceria com os professores de Ciências da Escola foram desenvolvidas atividades práticas com o planejamento e execução de experimentos utilizando materiais alternativos de baixo custo pertencentes ao cotidiano do corpo discente. O presente trabalho desenvolveu-se nas seguintes etapas: 1. Elaboração de experimentos que utilizem para seu desenvolvimento materiais alternativos e de baixo custo; 2. Execução dos experimentos com a participação direta dos alunos envolvidos no projeto; 3. Avaliação do projeto através do envolvimento dos alunos e do grau de interesse despertado nos discentes buscando entender e explicar os fenômenos observados nos experimentos; 4. Debates sobre os experimentos em sala de aula. O professor poderá dividir a turma em pequenos grupos de três alunos, e cada equipe realizará todos os itens do procedimento. Ao final, todas as equipes poderão expor os resultados obtidos e discutidos em conjunto, com a participação do professor. O questionário poderá ser respondido individualmente, como atividade extra classe. - Materiais Utilizados: Copos e pratos descartáveis; Cotonetes; Madeira (caixa de fósforos); Leite tipo C (caixa); Corante de várias cores; Sabão líquido; Açúcar; Água. - Procedimentos: Procedimento 1:

6 Adicionou-se em um prato descartável, uma determinada quantidade de leite. Depois pingou-se algumas gotas de corante, em seguida com o auxílio de um cotonete adicionou-se gotas de sabão líquido sobre o leite. A partir daí, observou-se as mudanças corridas. Procedimento 2: Em um prato descartável foi adicionado água juntamente com pequenos pedaços de madeira advinda da caixa de fósforos. Em seguida, com um cotonete envolvido por sacarose (açúcar), adicionou-se à água contida no prato e observouse a ocorrência das mudanças. RESULTADOS E DISCUSSÕES Ao longo do trabalho foram executadas três práticas experimentais, nas quais se abordou de forma multidisciplinar, a relação da química com o cotidiano do aluno. Os experimentos desenvolvidos consistiam em: 1. Estudo da polaridade das moléculas; realizado utilizando prato descartável; cotonete; leite longa vida; corantes de cores diversas; sabão líquido. O experimento consiste em adicionar em um prato descartável uma determinada quantidade de leite, adicionando-se posteriormente gostas de corante e em seguida com o auxílio de um cotonete adicionar gosta de sabão líquido sobre o leite e observar as mudanças ocorridas. Nesse experimento espera-se que o aluno observe a diferença de afinidade química entre as moléculas dos materiais envolvidos. 2. Estudo da estrutura das moléculas; realizado utilizando copos e pratos descartáveis; cotonetes; caixa de fósforos; leite longa vida; corantes de cores diversas; açúcar e água. Nesse experimento adiciona-se água no prato descartável e pequenos pedaços de madeira da caixa de fósforos e em seguida adiciona-se um cotonete impregnado com sacarose à água contida no prato. Esse experimento tem por objetivo que o aluno observe a atração da madeira pela sacarose contida no cotonete e relacione com as propriedades físicas das moléculas.

7 CONCLUSÃO No entendimento de Vygostky (1993), o pensamento é gerado pela motivação, ou seja, pelos nossos desejos, necessidades, interesse e emoções. Então, cabe ao educador assumir uma postura centrada no processo de aprendizagem como uma dimensão que ultrapassa os limites pedagógicos e didáticos, mas que também encontra amparo na realidade concreta do educando. Quando nós professores começarmos a colocar o aluno no centro de nosso ensino, considerando suas iniciativas, conhecimentos, habilidades, estratégias e estilos de aprendizagem, poderemos nos dar conta que a hora, é de repensar o nosso estilo de ensinar, para que todos tenham a oportunidade de optar pelo seu estilo preferido de aprender. Quando propomos para nossos alunos uma metodologia, onde oportunizamos a realização de práticas experimentais, despertamos em cada aluno a curiosidade pelo novo, expectativa por resolver ou encontrar os resultados do que lhe for proposto, ou seja, despertamos em cada um, uma autonomia tanto no seu âmbito cognitivo, como também social. Percebeu-se então que ao final da execução do que foi proposto, nossos alunos conseguiram encontrar e identificar as habilidades necessárias para a concretização de um aprendizado significativo, como também relacionaram as experimentações com os conteúdos conceituais. Percebeu-se o meio e principalmente, incluindo-se como parte do mesmo. Segundo Vasco Moreto (2007), mestre em didática das ciências, em seu modelo pedagógico: fala que nós professores temos que ter cuidado com a questão da construção das habilidades de nossos alunos: Consideramos habilidades o saber fazer. Um cuidado: apenas saber fazer não constitui competência. Esta vai além: é preciso saber fazer e principalmente saber o que está fazendo. Assim, não basta o aluno decorar uma série de conceitos e reproduzi-los. Como também não basta verificar se o aluno sabe fazer (repetir mecanicamente). É preciso que o professor proponha situações novas e diferentes, mas que verifiquem se o aluno tem recursos para resolvê-las eficazmente. Dessa forma, vimos que nossos alunos conseguiram mostrar e utilizar estes recursos diante de uma situação complexa que lhes foram propostas, então percebemos que eles, enfim desenvolveram as competências necessárias a soluções ou elucidação do problema proposto e que realmente aconteceu um aprendizado significativo.

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS RUSSEL, John Blair. Química Geral; tradução e revisão técnica Márcia Guekezian... [et. al.] 2. ed. São Paulo: Makron Books, Volume 1. Orientações para Elaboração de Projetos. Disponível em: gov.br /editais/pdf/4_manual_projetos.pdf. Acessado em 20 de outubro de Polaridade Molecular. Disponível em: Acessado em 18 de outubro de Pequeno Manual para Elaboração de Projetos. Disponível em: rma.org.br/v3/template/downloads/captacao/material_apoio_captacao_recurso.pdf. Acessado em 20 de outubro de HESS, Sonia. Experiências de Química com Materiais Domésticos. São Paulo: Moderna, 1997.

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência 2 a Fase 1 o Ano 18/08/10 Material e Reagentes: Experiência Açúcar (sacarose) Bicarbonato de sódio Álcool etílico Recipiente com graduação (proveta ou seringa) Almofariz com pistilo Fósforo ou isqueiro

Leia mais

EXPERIÊNCIA 4 REAÇÕES E EQUAÇÕES QUÍMICAS

EXPERIÊNCIA 4 REAÇÕES E EQUAÇÕES QUÍMICAS CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT Departamento de Ciências Básicas e Sociais - DCBS Disciplina Química Experimental QEX Prof. Sivaldo Leite Correia EXPERIÊNCIA 4 REAÇÕES E EQUAÇÕES QUÍMICAS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS PRÁTICA 5: Oxigênio e Enxofre Objetivos Preparar o gás oxigênio, por método laboratorial e estudar algumas de suas propriedades. Estudar o enxofre nas suas variações alotrópicas e algumas de suas reações.

Leia mais

Unidades de Aprendizagem: refletindo sobre experimentação em sala de aula no ensino de Química

Unidades de Aprendizagem: refletindo sobre experimentação em sala de aula no ensino de Química Unidades de Aprendizagem: refletindo sobre experimentação em sala de aula no ensino de Química Caroline Pires Ruas 1 ; Viviane Conceição D. Madeira 2 Introdução Esse trabalho é o resultado de duas aplicações

Leia mais

ESTEQUIOMETRIA DE REAÇÕES QUÍMICAS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS

ESTEQUIOMETRIA DE REAÇÕES QUÍMICAS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS ESTEQUIOMETRIA DE REAÇÕES QUÍMICAS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS Aula 10 META Mostrar como se realizam cálculos estequiométricos de reações em que um dos reagentes encontra-se em excesso, além de calcular

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM QUIMICA

EMENTA CURSO TÉCNICO EM QUIMICA Descrição Geral O Curso Técnico em Química da é centrado na formação integral do profissional e cidadão, capaz de atuar nas mais diferentes situações, com iniciativa, controle emocional, capacidade de

Leia mais

AULAS PRÁTICAS DE QUÍMICA: REPOLHO ROXO COMO INDICADOR ÁCIDO-BASE

AULAS PRÁTICAS DE QUÍMICA: REPOLHO ROXO COMO INDICADOR ÁCIDO-BASE AULAS PRÁTICAS DE QUÍMICA: REPOLHO ROXO COMO INDICADOR ÁCIDO-BASE Gicelia Moreira RESUMO Universidade Federal de Campina Grande-UFCG, gicelia.moreira2009@gmail.com Diante muitas dificuldades encontradas

Leia mais

Al 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum

Al 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Al 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Nome: Turma: Nº Data: / / Questão - problema A publicidade anuncia adubos e produtos de limpeza amoniacais: o que terão de comum estes materiais?

Leia mais

LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA: UMA FERRAMENTA IMPRESCINDÍVEL PARA A APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA

LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA: UMA FERRAMENTA IMPRESCINDÍVEL PARA A APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA: UMA FERRAMENTA IMPRESCINDÍVEL PARA A APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA Rodolfo Moreira Cabral, Antonio Carlos Belarmino Segundo Universidade Estadual da Paraíba, rodolfomoreira.16@hotmail.com;

Leia mais

Ensino dos GASES sob uma abordagem contextualizada

Ensino dos GASES sob uma abordagem contextualizada Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza e Matemática Ensino dos GASES sob uma abordagem contextualizada J. M. Conda, J. M.; A.

Leia mais

Aula 9 OBTENÇÃO DOS HALOGÊNIOS E SUAS PROPRIEDADES. Eliana Midori Sussuchi Danilo Oliveira Santos. META Obter halogênios e avaliar suas propriedades

Aula 9 OBTENÇÃO DOS HALOGÊNIOS E SUAS PROPRIEDADES. Eliana Midori Sussuchi Danilo Oliveira Santos. META Obter halogênios e avaliar suas propriedades Aula 9 OBTENÇÃO DOS HALOGÊNIOS E SUAS PROPRIEDADES META Obter halogênios e avaliar suas propriedades OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Obter cloro por decomposição do cloreto de hidrogênio;

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 TINGIMENTO DE DIFERENTES TIPOS DE FIBRAS/TECIDOS COM CORANTES DE NATUREZAS DIVERSAS 1- INTRODUÇÃO

EXPERIÊNCIA 6 TINGIMENTO DE DIFERENTES TIPOS DE FIBRAS/TECIDOS COM CORANTES DE NATUREZAS DIVERSAS 1- INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA 6 TINGIMENTO DE DIFERENTES TIPOS DE FIBRAS/TECIDOS COM CORANTES DE NATUREZAS DIVERSAS 1- INTRODUÇÃO Com foco na realidade da comunidade blumenauense e partindo desta para a compreensão da realidade

Leia mais

Ciências Experimentais

Ciências Experimentais Planificação Actividades de Enriquecimento Curricular Ciências Experimentais Docente: Marta Sousa Ano Lectivo 2015/2016 Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e saberes que foram acumulando

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE NO MUNICÍPIO DE PAULISTA PB

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE NO MUNICÍPIO DE PAULISTA PB A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE NO MUNICÍPIO DE PAULISTA PB GT6 - FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO Andreza Magda da Silva Dantas Faculdades Integradas de Patos FIP andreza_magda@hotmail.com

Leia mais

A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014 A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA BARROSO, Poliana Polinabarroso@saocamilo-es.br BICALHO, Alessandro Erick alessandrobicalho@saocamilo-es.br

Leia mais

Experimento N 3 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA MASSA MOLAR DO GÁS BUTANO E DO MAGNÉSIO

Experimento N 3 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA MASSA MOLAR DO GÁS BUTANO E DO MAGNÉSIO Experimento N 3 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA MASSA MOLAR DO GÁS BUTANO E DO MAGNÉSIO 1) INTRODUÇÃO A maioria dos gases reais mostra um comportamento aproximado ao de um gás ideal, especialmente se a pressão

Leia mais

Ba 2+ (aq) + CrO 4. 2 (aq)

Ba 2+ (aq) + CrO 4. 2 (aq) Experiência 9: ESTUDO DO EQUILÍBRIO CROMATO-DICROMATO 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental espera-se que o aluno seja capaz de: - A partir da equação química de um sistema em equilíbrio escrever

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Engenharia Civil Cabo Frio SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólidos conhecimentos tecnológicos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Ensino de Física. Equipamentos Didáticos. Condução de Calor.

PALAVRAS-CHAVE Ensino de Física. Equipamentos Didáticos. Condução de Calor. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO

Leia mais

4. Articulação com outras disciplinas, contextos ou áreas do conhecimento:

4. Articulação com outras disciplinas, contextos ou áreas do conhecimento: Plano de Aula Desentupindo pias quimicamente Autoras: Karoline dos Santos Tarnowski, Nadine Inácio e Anne Gabrielle Meirinho Série: 3 ano do Ensino Médio Número de aulas: 3 de 40 min, 2 horas Origem: Trabalho

Leia mais

PROTOCOLO EXPERIMENTO ASSOCIAÇÃO DOS CAFEICUTORES DE ARAGUARI

PROTOCOLO EXPERIMENTO ASSOCIAÇÃO DOS CAFEICUTORES DE ARAGUARI PROTOCOLO EXPERIMENTO ASSOCIAÇÃO DOS CAFEICUTORES DE ARAGUARI Avaliação do STURDY no fornecimento de fósforo na Cultura do Cafeeiro Araguari / MG Junho 2012 DADOS GERAIS : Local : Fazenda Campo Experimental

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC : Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Estância Turística de Tupã - SP Eixo Tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional: : Técnica

Leia mais

PROPOSTA DE EXPERIMETANÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO: PREPARAÇÃO DE PERFUME

PROPOSTA DE EXPERIMETANÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO: PREPARAÇÃO DE PERFUME PROPOSTA DE EXPERIMETANÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO: PREPARAÇÃO DE PERFUME Christiane Marques Rodrigues (1); Wallison Fernando Bernardino da Silva (1); Jefferson Bonifácio Silva (2); Lenilson

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE A CONTEXTUALIZAÇÃO E A EXPERIMENTAÇÃO ACERCA DAS QUESTÕES DO ENEM EM QUÍMICA

RELAÇÃO ENTRE A CONTEXTUALIZAÇÃO E A EXPERIMENTAÇÃO ACERCA DAS QUESTÕES DO ENEM EM QUÍMICA RELAÇÃO ENTRE A CONTEXTUALIZAÇÃO E A EXPERIMENTAÇÃO ACERCA DAS QUESTÕES DO ENEM EM QUÍMICA José Geovane Jorge de Matos 1 ; Lillyane Raissa Barbosa da Silva 2 ; Magadã Marinho Rocha de Lira 3. 1 Bolsista

Leia mais

Experiência 7. PREPARO DE SOLUÇÃO A PARTIR DE SUBSTÂNCIAS SÓLIDAS, LIQUIDAS E DE SOLUÇÃO CONCENTRADA

Experiência 7. PREPARO DE SOLUÇÃO A PARTIR DE SUBSTÂNCIAS SÓLIDAS, LIQUIDAS E DE SOLUÇÃO CONCENTRADA Experiência 7. PREPARO DE SOLUÇÃO A PARTIR DE SUBSTÂNCIAS SÓLIDAS, LIQUIDAS E DE SOLUÇÃO CONCENTRADA 1. Objetivos Após a realização desta aula experimental, espera-se que o graduando do curso de Química

Leia mais

Estágio - Experimento Didático. Câmpus Camboriú

Estágio - Experimento Didático. Câmpus Camboriú Estágio - Experimento Didático Câmpus Camboriú O CURSO Formação encadeada Disciplinas planejadas Professores organizados Práticas Articuladas TERCEIRO SEMESTRE Tecnologias no Ensino da Matemática Primeiras

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 aprovado pela portaria Cetec nº 774 de 24 / 09 / 2015. ETEC de Tiquatira Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia via Ebuliometria

Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia via Ebuliometria UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS PÚBLICAS

USO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS PÚBLICAS USO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS PÚBLICAS Joaldo bezerra de Melo;Josandra Araújo Barreto de Melo Universidade Estadual da Paraíba bezerramelo@hotmail.com INTRODUÇÃO Nos

Leia mais

PRODUÇÃO DE SABÃO COM GORDURA RESIDUAL: CONTEXTUALIZANDO O ENSINO DE QUÍMICA NA EJA

PRODUÇÃO DE SABÃO COM GORDURA RESIDUAL: CONTEXTUALIZANDO O ENSINO DE QUÍMICA NA EJA PRODUÇÃO DE SABÃO COM GORDURA RESIDUAL: CONTEXTUALIZANDO O ENSINO DE QUÍMICA NA EJA Tatielle Pereira Silva 1*, Daniela Marques Alexandrino 1. 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Rodovia BR 415,

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 O QUE É CINÉTICA QUÍMICA? É a área da química que estuda a velocidade das reações

Leia mais

RECEITAS COM A VEIO DE MINAS

RECEITAS COM A VEIO DE MINAS RECEITAS COM A VEIO DE MINAS Faça deliciosas receitas com a Cachaça Veio de Minas RECEITA CLÁSSICA DE CAIPIRINHA - 1 limão - 4 cubos de gelo Coloque o limão e o açúcar em um copo especial para batidas,

Leia mais

O OLHAR DA QUÍMICA SOBRE A HISTÓRIA

O OLHAR DA QUÍMICA SOBRE A HISTÓRIA O OLHAR DA QUÍMICA SOBRE A HISTÓRIA GRANDES NAVEGAÇÕES Séculos XV e XVI Motivações econômicas: 1 - Obtenção de metais preciosos (ouro e prata) 2 - Expansão do comércio de especiarias (pimenta-do-reino,

Leia mais

Seminário de Gestão de Resíduos Industriais

Seminário de Gestão de Resíduos Industriais Seminário de Gestão de Resíduos Industriais "Sistema de Gestão de Resíduos do Instituto de Química da Universidade de São Paulo. Dra. PATRICIA BUSKO DI VITTA pabusko@iq.usp.br (11) 3091-3081 SERVIÇO DE

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 04 Termoquímica Aplicação do ciclo de Born-Harber

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 04 Termoquímica Aplicação do ciclo de Born-Harber UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 04 Termoquímica Aplicação

Leia mais

Ciências Experimentais

Ciências Experimentais Planificação Actividades de Enriquecimento Curricular Ciências Experimentais 2.º Período Docente: Marta Sousa Ano Lectivo 2015/2016 Objectivos a atingir: Adquirir e aprofundar conhecimentos sobre a temática

Leia mais

Experiência 02 - SOLUBILIDADE SOLUBILIDADE

Experiência 02 - SOLUBILIDADE SOLUBILIDADE 1. Objetivos SOLUBILIDADE No final dessa experiência, o aluno deverá ser capaz de: - Identificar algumas variáveis que afetam a solubilidade. - Utilizar técnicas simples de separação de misturas. 2. Introdução

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 7.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. Classifique as transformações

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Adjanny Vieira Brito de Araujo (UEPB) adjannyvieira@hotmail.com Alessandro Frederico da Silveira (UEPB) alessandrofred@yahoo.com.br Dhiego

Leia mais

Palavras-chave: Mapa Conceitual, Currículo, Gastronomia

Palavras-chave: Mapa Conceitual, Currículo, Gastronomia O CURRÍCULO DE GASTRONOMIA E SEU MAPA CONCEITUAL: A ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA PRESENTES NA FORMAÇÃO DO GASTRÔNOMO. G1 Currículo e formação de professores Rosana Fernandez Medina

Leia mais

ROBÓTICA PEDAGÓGICA LIVRE E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA FORMATIVA

ROBÓTICA PEDAGÓGICA LIVRE E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA FORMATIVA ROBÓTICA PEDAGÓGICA LIVRE E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA FORMATIVA Lorena Bárbara da R. Ribeiro [UNEB] Mary Valda Souza Sales [UNEB] Tarsis de Carvalho Santos [UNEB] O processo educativo cada

Leia mais

O OLHAR DOS FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE O PAPEL DO PIBID EM SUA FORMAÇÃO

O OLHAR DOS FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE O PAPEL DO PIBID EM SUA FORMAÇÃO O OLHAR DOS FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE O PAPEL DO PIBID EM SUA FORMAÇÃO Simone Marks Santos 1 Alessandro Frederico da Silveira 2 Resumo: O presente artigo apresenta o resultado de uma investigação

Leia mais

Química. Atividades com paradidáticos. Lixo e sustentabilidade

Química. Atividades com paradidáticos. Lixo e sustentabilidade Química Atividades com paradidáticos Lixo e sustentabilidade Michelle M. Shayer, Rosana Rios e Sônia Marina Muhringer Ática (Coleção De Olho na Ciência.) Este paradidático tem a vantagem de permitir que

Leia mais

Identificação de Polifenóis: Sequência Pedagógica para o Ensino Médio

Identificação de Polifenóis: Sequência Pedagógica para o Ensino Médio Identificação de Polifenóis: Sequência Pedagógica para o Ensino Médio Heloísa P. Dias; a,c Didley S. Paiva; b Wanderson Romão; a,c Denise C. Endringer a,b, * a Instituto Federal do Espírito Santo, Coordenação

Leia mais

BIODEGRADAÇÃO DE PECTINA

BIODEGRADAÇÃO DE PECTINA BIODEGRADAÇÃO DE PECTINA A PECTINA A pectina é um carboidrato vegetal complexo que forma parte da parede das células (lamela mediana que une células adjacentes) e, também, se encontra dentro delas (Figura

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MODELOS MOLECULARES COMO ESTRATÉGIA PARA O ENSINO QUÍMICA ORGÂNICA

CONSTRUÇÃO DE MODELOS MOLECULARES COMO ESTRATÉGIA PARA O ENSINO QUÍMICA ORGÂNICA CONSTRUÇÃO DE MODELOS MOLECULARES COMO ESTRATÉGIA PARA O ENSINO QUÍMICA ORGÂNICA Idaíris Andrade dos Santos (1), Camila Gonçalves Rodrigues do Nascimento (1), Wallison Fernando Bernardino da Silva (2);

Leia mais

Química Geral Experimental II. Experimento Nº2. Fatores que Favorecem uma Reação Química. Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S.

Química Geral Experimental II. Experimento Nº2. Fatores que Favorecem uma Reação Química. Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S. Química Geral Experimental II Experimento Nº2 Fatores que Favorecem uma Reação Química Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S. Fogaça Este material pode ser utilizado exclusivamente para fins

Leia mais

EXPERIÊNCIA 04: DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE LÍQUIDOS E SÓLIDOS

EXPERIÊNCIA 04: DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE LÍQUIDOS E SÓLIDOS 1 UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2015.1 EXPERIÊNCIA 04: DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE LÍQUIDOS E SÓLIDOS 1. Densidade Densidade (d) é uma grandeza expressa pela

Leia mais

INTERVENÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO. Eletrostática. Por: Alice Lemos

INTERVENÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO. Eletrostática. Por: Alice Lemos INTERVENÇÃO Eletrostática Por: Alice Lemos CONTEXTUALIZAÇÃO Toda a matéria que conhecemos é formada por moléculas. Esta, por sua vez, é formada por átomos, que são compostos por três tipos de partículas

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Disciplina: CRESCIMENTO

Leia mais

OXIDAÇÃO DE METAIS INTRODUÇÃO

OXIDAÇÃO DE METAIS INTRODUÇÃO OXIDAÇÃO DE METAIS INTRODUÇÃO Oxidação é uma palavra do âmbito da química que significa a perda de elétrons, mesmo que não seja causada pelo oxigênio. Indica também o processo de oxidar, ou seja, de combinar

Leia mais

Transformações físicas e químicas

Transformações físicas e químicas Gabaritos Professores: Alinne Borges Tiago Albuquerque Sandro Sobreira Josiane Reação química Pesquise Momento Sheldon Exercícios Transformações físicas e químicas Vídeos Leis de Lavoisier e Proust Transformações

Leia mais

CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Química Geral e Experimental

CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Química Geral e Experimental CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Química Geral e Experimental Código: ENGP -170 Pré-requisito: --------------- Período

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM PROFA. JAQUELINE SANTOS PICETTI

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM PROFA. JAQUELINE SANTOS PICETTI PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM PROFA. JAQUELINE SANTOS PICETTI APRENDIZAGEM NA PERSPECTIVA HUMANISTA CARL ROGERS Dá grande importância às experiências da pessoa, a seus sentimentos e valores.

Leia mais

Prática 01 Reações e equações químicas

Prática 01 Reações e equações químicas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 01 Reações e equações químicas 1. Introdução

Leia mais

Sequência didática REDE ANÍSIO TEIXEIRA

Sequência didática REDE ANÍSIO TEIXEIRA REDE ANÍSIO TEIXEIRA Sequência didática AUTOR: Ródnei Souza. 1. TEMA: Arte Cinética e Ciências 2. CONTEÚDOS CONCEITUAI(S): Arte Cinética Interações interpartículas (Forças de Van deer Waals, interações

Leia mais

Química Orgânica. Aula 5 - Propriedades da Carbonila - Adição Nucleofílica em substâncias Carboniladas - Equilíbrio Ceto-Enólico - Adição aldólica

Química Orgânica. Aula 5 - Propriedades da Carbonila - Adição Nucleofílica em substâncias Carboniladas - Equilíbrio Ceto-Enólico - Adição aldólica Química Orgânica Aula 5 - Propriedades da Carbonila - Adição Nucleofílica em substâncias Carboniladas - Equilíbrio Ceto-Enólico - Adição aldólica Prof. Davyson Moreira (davysonmoreira@hotmail.com) 1 Orbitais

Leia mais

Química Orgânica. Aula 5. Prof. Davyson Moreira

Química Orgânica. Aula 5. Prof. Davyson Moreira Química Orgânica Aula 5 - Propriedades da Carbonila - Adição Nucleofílica em substâncias Carboniladas - Equilíbrio Ceto-Enólico - Adição aldólica Prof. Davyson Moreira (davysonmoreira@hotmail.com) 1 Orbitais

Leia mais

OFICINAS DE VELAS AROMÁTICAS NO DIA DOS NAMORADOS DO PIBID QUÍMICA ESCOLA LUIZ MÉRCIO

OFICINAS DE VELAS AROMÁTICAS NO DIA DOS NAMORADOS DO PIBID QUÍMICA ESCOLA LUIZ MÉRCIO Oficinas OFICINAS DE VELAS AROMÁTICAS NO DIA DOS NAMORADOS DO PIBID QUÍMICA ESCOLA LUIZ MÉRCIO Objetivo: Propor uma atividade diferenciada para os alunos dos terceiros anos (EJJA) noturno da escola Luís

Leia mais

FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos

FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos 1. Conceitue colisão efetiva, colisão não-efetiva, energia de ativação e complexo

Leia mais

Guia Didático do Professor

Guia Didático do Professor Guia Didático do Professor Programa Vocação Química Eduardo Falabella Entrevista Química Ensino Médio CONTEÚDOS DIGITAIS MULTIMÍDIA Conteúdos Digitais Multimídia Guia Didático do Professor Coordenação

Leia mais

Departamento de Física e Química Laboratório de Física Experimental ll Velocidade do Som em Metais

Departamento de Física e Química Laboratório de Física Experimental ll Velocidade do Som em Metais Departamento de Física e Química Laboratório de Física Experimental ll Velocidade do Som em Metais 1. Introdução A propagação das ondas mecânicas através de um meio material se dá pela transmissão das

Leia mais

Acção de Formação: " Utilização e Organização dos Laboratórios Escolares "

Acção de Formação:  Utilização e Organização dos Laboratórios Escolares ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ RÉGIO DE VILA DO CONDE Acção de Formação: " Utilização e Organização dos Laboratórios Escolares " Formador: Prof. D tor Victor Duarte Teodoro Formando: Maria Marcelina Ramos Maia

Leia mais

Titulação Mínima. Terça-feira das 9h35 às 11h15 e Quarta-feira das 9h35 às 11h15. Terça-feira das 20h55 às 22h35 e Sexta-feira das 20h55 às 22h35

Titulação Mínima. Terça-feira das 9h35 às 11h15 e Quarta-feira das 9h35 às 11h15. Terça-feira das 20h55 às 22h35 e Sexta-feira das 20h55 às 22h35 Planilha atualizada em 27/01/2015 Vaga Curso Disciplina Ementa Horário CH semanal Titulação Mínima Pré-requisito Indispensável Consultor Responável Prazo para envio de currículos Campus 1 Pedagogia Literatura

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 2

Química Geral Experimental - Aula 2 Química Geral Experimental - Aula 2 Título da Prática: Estudos de Medidas e Erros Objetivos: Familiarizar o aluno com as vidrarias e seu uso. Mostrar ao aluno como se deve fazer a leitura e anotação de

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS FONTE: Tabela Periódica da IUPAC/versão 2005(adaptada). Acesso: http://www.iupac.org/reports/periodic_table/ 25 QUESTÃO 3 Analise este quadro, em que se

Leia mais

Aula 12 PRÁTICA 02 ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO MOLECULAR NO UV VIS: OPERAÇÃO E RESPOSTA DO ESPECTROFOTÔMETRO. Elisangela de Andrade Passos

Aula 12 PRÁTICA 02 ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO MOLECULAR NO UV VIS: OPERAÇÃO E RESPOSTA DO ESPECTROFOTÔMETRO. Elisangela de Andrade Passos Aula 12 PRÁTICA 02 ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO MOLECULAR NO UV VIS: OPERAÇÃO E RESPOSTA DO ESPECTROFOTÔMETRO META Proporcionar o contato do aluno com a instrumentação analítica empregada em análises

Leia mais

UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química

UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2015.1 1 EXPERIÊNCIA N 0 3: DETERMINAÇÃO DO CALOR DE REAÇÃO E CALOR DE SOLIDIFICAÇÃO 1. Introdução As transformações químicas

Leia mais

Índice de refracção e propriedades ópticas. Química 12º Ano. Unidade 3 Plásticos, vidros e novos materiais Actividades de Projecto Laboratorial

Índice de refracção e propriedades ópticas. Química 12º Ano. Unidade 3 Plásticos, vidros e novos materiais Actividades de Projecto Laboratorial Índice de refracção e propriedades ópticas Química 12º Ano Unidade 3 Plásticos, vidros e novos materiais Actividades de Projecto Laboratorial Dezembro 2005 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng. Cerâmica

Leia mais

Análise de Alimentos. Prof. Tânia Maria Leite da Silveira

Análise de Alimentos. Prof. Tânia Maria Leite da Silveira Análise de Alimentos Prof. Tânia Maria Leite da Silveira Análise de alimentos Indústria de alimentos: controle da qualidade, fabricação e armazenamento do produto acabado; Universidades e institutos de

Leia mais

Relatório: Proposta de Atividade Didática

Relatório: Proposta de Atividade Didática São Paulo, 9 de dezembro de 2008 QFL 5925 Prática de Ensino de Química e Bioquímica Relatório: Proposta de Atividade Didática Curso: QFL 2308 Introdução à Química Orgânica Aluna: Juliana Ribeiro Cordeiro

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 12 Caracterização de complexos via análise condutométrica

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 12 Caracterização de complexos via análise condutométrica UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 12 Caracterização de complexos

Leia mais

Prof. Alexandre D. Marquioreto

Prof. Alexandre D. Marquioreto Prof. Alexandre D. Marquioreto Introdução No início do século XX, a expectativa da explosão da primeira guerra mundial gerou uma desesperada necessidade por compostos a base de nitrogênio, como os nitratos

Leia mais

MEMO PERIÓDICO: UM JOGO DIDÁTICO NO CONTEÚDO DE TABELA PERIÓDICA Apresentação: Pôster

MEMO PERIÓDICO: UM JOGO DIDÁTICO NO CONTEÚDO DE TABELA PERIÓDICA Apresentação: Pôster MEMO PERIÓDICO: UM JOGO DIDÁTICO NO CONTEÚDO DE TABELA PERIÓDICA Apresentação: Pôster Lillyane Raissa Barbosa da Silva 1 ; José Geovane Jorge de Matos 2 ; Renata Joaquina de Oliveira Barboza 3 ; Fernando

Leia mais

Plano de Aula Condução Térmica

Plano de Aula Condução Térmica 1 Plano de Aula Condução Térmica Tema: Condução Térmica Disciplina: Física Série, Nível: 2º ano- Ensino Médio Números de aulas: 4 horas/aula Justificativa: O conceito de condução térmica em meios materiais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL PROJETO Montando e Desmontando Física (E. E. E. M. Dr. José Sampaio Marques Luz) Coordenadores Marcia Spies e Ronaldo Erichsen Colaboradora Berenice Bueno

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Autorizado pela Portaria MEC nº 276, de 30 de março de 2015

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Autorizado pela Portaria MEC nº 276, de 30 de março de 2015 CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Autorizado pela Portaria MEC nº 276, de 30 de março de 2015 Componente Curricular: QUÍMICA GERAL E EXPERIMENTAL Código: Pré-requisito: ------ Período Letivo: 2016.2 Professor:

Leia mais

Plano de Curso: 2009 Área: Curso Técnico: Química C. Horária: 60 Módulo/Disciplina: QUÍMICA GERAL Professor: Período: 1º Nº Aulas: 04

Plano de Curso: 2009 Área: Curso Técnico: Química C. Horária: 60 Módulo/Disciplina: QUÍMICA GERAL Professor: Período: 1º Nº Aulas: 04 Plano de Curso: 2009 Área: Curso Técnico: Química C. Horária: 0 Módulo/Disciplina: QUÍMICA GERAL Professor: Período: 1º Nº Aulas: 0 COMPETÊNCIAS HABILIDADES BASES TECNOLÓGICAS Nº aulas Introduzir uma visão

Leia mais

MAPA DE RISCOS AMBIENTAIS. Histórico

MAPA DE RISCOS AMBIENTAIS. Histórico MAPA DE RISCOS AMBIENTAIS Histórico HISTÓRICO CIPA 1921 - primeira CIPA foi formada no Brasil (LIGHT-RJ). 1945 - regulamentação da CIPA. 1964 participação cada vez maior do sindicato dos trabalhadores

Leia mais

A QUALIDADE E ENSINO DE GRADUAÇÃO E O COMPLEXO EXERCÍCIO DE PROPOR INDICADORES: É POSSÍVEL OBTER AVANÇOS?

A QUALIDADE E ENSINO DE GRADUAÇÃO E O COMPLEXO EXERCÍCIO DE PROPOR INDICADORES: É POSSÍVEL OBTER AVANÇOS? A QUALIDADE E ENSINO DE GRADUAÇÃO E O COMPLEXO EXERCÍCIO DE PROPOR INDICADORES: É POSSÍVEL OBTER AVANÇOS? A QUALIDADE E ENSINO DE GRADUAÇÃO E O COMPLEXO EXERCÍCIO DE PROPOR INDICADORES: É POSSÍVEL OBTER

Leia mais

APÊNDICES. Apêndice 1: Modelo e Orientações para a confecção do relatório individual de estágio

APÊNDICES. Apêndice 1: Modelo e Orientações para a confecção do relatório individual de estágio APÊNDICES Apêndice 1: Modelo e Orientações para a confecção do relatório individual de estágio UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Araraquara Curso de Química - Licenciatura

Leia mais

Oscilador em ponte de Wien

Oscilador em ponte de Wien UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Matemática e Engenharias Licenciatura em Engenharia de Telecomunicações e Redes (LETR) Licenciatura em Engenharia de Instrumentação e Electrónica (Ramo de Astronomia)

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS ENVOLVENDO TRANSFORMAÇÕES QUIMICAS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO.

ATIVIDADES PRÁTICAS ENVOLVENDO TRANSFORMAÇÕES QUIMICAS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. ATIVIDADES PRÁTICAS ENVOLVENDO TRANSFORMAÇÕES QUIMICAS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Karinna Andressa da Silva¹; Cleiciane Antunes Duque¹; Caroline Klesse Aguiar 1 ; Kelly Mayara Santos Araújo 1 ; Leandro

Leia mais

Reconhecer e resolver uma equação do 1º grau com uma incógnita dando significado à definição e às técnicas de resolução.

Reconhecer e resolver uma equação do 1º grau com uma incógnita dando significado à definição e às técnicas de resolução. EIXO TEMÁTICO II: ÁLGEBRA Tema 2: Equações algébricas Tópico 10: Equações do primeiro grau Objetivos: Reconhecer e resolver uma equação do 1º grau com uma incógnita dando significado à definição e às técnicas

Leia mais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais INTRODUÇÃO Para o ensino de Ciências Naturais é necessária a construção

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS DADOS DOS QUESTIONÁRIOS DA IGEC RELATÓRIO IGEC - TRABALHADORES DOCENTES I

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS DADOS DOS QUESTIONÁRIOS DA IGEC RELATÓRIO IGEC - TRABALHADORES DOCENTES I REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS DADOS DOS QUESTIONÁRIOS DA IGEC A - TRABALHADORES DOCENTES RELATÓRIO IGEC - TRABALHADORES DOCENTES I 1. O ensino nesta escola é exigente 17,3 19,6 58,3 2. A escola é aberta ao

Leia mais

O Projeto de Pesquisa (estrutura geral: exemplo)

O Projeto de Pesquisa (estrutura geral: exemplo) Métodos de Pesquisa em Ciência da Informação: O Projeto de Pesquisa Prof. Marcelo dos Santos 14.fev.2017 O Projeto de Pesquisa (estrutura geral: exemplo) CAPA (Título do Projeto; Autor, Nível; Área de

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Controle e Processos Industriais CURSO: Técnico em Química Integrado ao Ensino Médio FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO LIVRO UMA PROFESSORA MUITO MALUQUINHA COMO METODOLOGIA NA DISCIPLINA DE LEGISLAÇÃO DA EDUCAÇÃO.

A UTILIZAÇÃO DO LIVRO UMA PROFESSORA MUITO MALUQUINHA COMO METODOLOGIA NA DISCIPLINA DE LEGISLAÇÃO DA EDUCAÇÃO. A UTILIZAÇÃO DO LIVRO UMA PROFESSORA MUITO MALUQUINHA COMO METODOLOGIA NA DISCIPLINA DE LEGISLAÇÃO DA EDUCAÇÃO. Virna Pereira de Araújo ¹*; Eduardo da Silva Firmino 1 ; Jaqueline Barbosa Teixeira 1 ; Valdenira

Leia mais

PREPARAÇÃO DE PROJETOS, FORMAS DE REGISTRO E AVALIAÇÃO

PREPARAÇÃO DE PROJETOS, FORMAS DE REGISTRO E AVALIAÇÃO PREPARAÇÃO DE PROJETOS, FORMAS DE REGISTRO E AVALIAÇÃO Profª. Ms. Fabiana Chinalia FACULDADES COC 11 e 12 de maio http://verainfedu.files.wordpress.com/2008/10/legal1.gif Vamos conversar um pouco sobre

Leia mais

Atividades experimentais no campo das Ciências Exatas: problematizando uma aula prática envolvendo destilação com materiais alternativos

Atividades experimentais no campo das Ciências Exatas: problematizando uma aula prática envolvendo destilação com materiais alternativos Atividades experimentais no campo das Ciências Exatas: problematizando uma aula prática envolvendo destilação com materiais alternativos Simone Stülp stulp@univates.br Ieda Maria Giongo - igiongo@univates.br

Leia mais

Cadernos de Avaliação Institucional

Cadernos de Avaliação Institucional CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO - CPA Cadernos de Avaliação Institucional Administração Resultado da Avaliação do Curso Corpo

Leia mais

O Maior Tesouro da Humanidade

O Maior Tesouro da Humanidade elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) O Maior Tesouro da Humanidade escrito por ilustrado por Patrícia Engel Secco Fábio Sgroi 2 O prazer da leitura Ler é um exercício de voar sem sair

Leia mais

O aluno deverá elaborar resumos teóricos dos textos do livro e de outras fontes sobre os tópicos do conteúdo.

O aluno deverá elaborar resumos teóricos dos textos do livro e de outras fontes sobre os tópicos do conteúdo. Disciplina QUÍMICA Curso ENSINO MÉDIO Professor GUILHERME Série 1ª SÉRIE ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 1º SEMESTRE / 2012 Aluno (a): Número: 1 - Conteúdo: Ácidos e bases propriedades, conceito

Leia mais

sistematização dos eixos temáticos trabalhados na unidade escolar desde o início do Projeto Proeja-FIC/Pronatec

sistematização dos eixos temáticos trabalhados na unidade escolar desde o início do Projeto Proeja-FIC/Pronatec sistematização dos eixos temáticos trabalhados na unidade escolar desde o início do Projeto Proeja-FIC/Pronatec Escola Municipal Pedro Costa de Medeiros Maryanne Veloso maryanneveloso@gmail.com Quando

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: OBTENÇÃO DE GÁS HIDROGÊNIO COMO FONTE DE ENERGIA A PARTIR DA ELETRÓLISE DA ÁGUA. Resumo

PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: OBTENÇÃO DE GÁS HIDROGÊNIO COMO FONTE DE ENERGIA A PARTIR DA ELETRÓLISE DA ÁGUA. Resumo PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: OBTENÇÃO DE GÁS HIDROGÊNIO COMO FONTE DE ENERGIA A PARTIR DA ELETRÓLISE DA ÁGUA Leonardo Ribeiro Caetano 1 -IFF GE: Pesquisa e Educação Básica. Resumo A Química está relacionada

Leia mais

Pergunta Total Classificação

Pergunta Total Classificação 9 de Maio 2009 (Final) Pergunta 1 2 3 4 5 Total Classificação Escola:. Nome:. 1- Em cada uma das alíneas seguintes escolha a resposta que considera correcta. Se seleccionar mais que uma resposta na mesma

Leia mais

Todos os Cursos. Nome do curso Tipo de curso Carga horária Descrição

Todos os Cursos. Nome do curso Tipo de curso Carga horária Descrição Confeiteiro 240 horas Cozinheiro industrial 320 horas Profissional Confeiteiro você vai estudar sobre a fabricação de doces por meio do preparo de massas, coberturas e recheios. Também vai conhecer regras

Leia mais

EDITAL III Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão do Curso de Engenharia Ambiental Campus Itabira

EDITAL III Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão do Curso de Engenharia Ambiental Campus Itabira EDITAL III Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão do Curso de Engenharia Ambiental Campus Itabira Período: 01 a 10 de Dezembro de 2014 Apresentação do Evento A III Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais