UTILIZANDO MÉTODOS DIFERENCIADOS A FAVOR DO ENSINO DA MATEMÁTICA. GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UTILIZANDO MÉTODOS DIFERENCIADOS A FAVOR DO ENSINO DA MATEMÁTICA. GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior"

Transcrição

1 UTILIZANDO MÉTODOS DIFERENCIADOS A FAVOR DO ENSINO DA MATEMÁTICA GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Andressa Miranda Esteves Martinez, Unipampa, Andréa Vieira Montardo, Unipampa, Susana Machado Ferreira, Unipampa, Resumo: Este trabalho tem como objetivo compartilhar experiências vivenciadas por bolsistas durante o desenvolvimento do projeto PIBID da Unipampa, na subárea de matemática, em sala de aula com turmas de ensino médio da Escola Estadual de Ensino Médio Luiz Maria Ferraz do município de Bagé/RS. O início das atividades deu-se por meio da elaboração e aplicação de questionários com o propósito de um reconhecimento do ambiente escolar, fazendo-se assim uma avaliação socioeconômica e cultural, uma avaliação diagnóstica de conteúdos e também uma avaliação estrutural. Usando como base os resultados destas avaliações foram organizadas diferentes atividades e recursos didáticos usando os diversos métodos inovadores de ensino como novas tecnologias, resolução de problemas, jogos, história da matemática e atividades de investigação, proporcionando aos alunos uma aproximação da teoria com a prática, motivando-os assim a aprender de uma forma diferente e de fácil entendimento, muitas vezes ajudando os alunos a resgatar lacunas de aprendizagem do conteúdo de matemática em anos anteriores. As atividades foram distribuídas em diferentes modalidades e séries como oficinas, jogos, lista de exercícios com monitoria, aulas de reforço, utilização de softwares e observações em sala de aula com monitoria. Palavras-chave: experiências; atividades; matemática; escola A importância de utilizar métodos diferenciados Para muitos alunos a Matemática é uma matéria sem atrativos. Utilizar estes métodos diferenciados a favor do ensino da Matemática torna a matéria mais interessante e perto da realidade vivenciada no dia a dia. O fato de a maioria dos alunos terem dificuldades com conteúdos de ensino fundamental e serem conservadores e acomodados nos levou a construir aulas de reforço diversificadas conciliando métodos inovadores com o método tradicional. Este projeto visa elaborar atividades e recursos didáticos a partir dos diversos métodos inovadores de ensino como: novas tecnologias, resolução de problemas, jogos, história da matemática e atividades de investigação, proporcionando aos alunos uma

2 aproximação da teoria com a prática assim motivando-os a aprender de uma forma diferente e de fácil entendimento, muitas vezes ajudando os alunos a resgatar lacunas de aprendizagem do conteúdo de matemática em anos anteriores e apreciar a importância da matemática no desenvolvimento científico e tecnológico. Reconhecimento do ambiente escolar Em um primeiro momento foi feito um reconhecimento do ambiente escolar. Foram elaborados questionários com o propósito de conhecer a realidade socioeconômica e cultural do corpo discente, avaliação diagnóstica de conteúdo e também avaliação estrutural. Com a avaliação estrutural detectamos a realidade de recursos físicos e humanos da escola. Conhecemos o quadro de funcionários e professores, espaço físico, o que deveríamos levar em consideração na hora de elaborar atividades, por exemplo, atividades no pátio e atividades em laboratórios. Fig. I - Entrada da escola; Pátio da escola; Laboratório de informática A avaliação socioeconômico e cultural nos mostrou a composição do corpo discente da escola. Os alunos têm idades variando de 14 a 20 anos, alunos com mais de 20 anos idades aparecem nesta avaliação pelo fato das escolas oferecerem curso noturno. Essa avaliação serviu também para nos mostrar outras dificuldades que enfrentaríamos. O índice de reprovação na 1ª série do ensino médio é de aproximadamente 45%, ou seja, 88 dos 196 entrevistados reprovaram nesta série. Estimadamente, 54% dos

3 cento e noventa e seis cursaram o ensino fundamental em escolas municipais e mais de 54% já reprovaram em Matemática. Fig. II Gráfico das séries (anos) que mais ocorreram reprovações Na avaliação diagnóstica de conteúdos uma das maiores dificuldades encontrada foi a deficiência de conhecimento de conteúdos básicos do ensino fundamental e também de conteúdos abordados em séries anteriores. Tabela I Média da avaliação diagnóstica de conteúdos Série Média 1ª série 2,90 2ª série 3,40 3ª série 3,20 Média Geral 3,20 Os conteúdos que mais apresentaram dificuldades foram: divisão, operações com números decimais, porcentagem, sistema linear, produto notável, geometria plana, equação do segundo grau, interpretação, potenciação e radiciação, lógica, estatística, conjunto, funções, matrizes, análise combinatória, trigonometria, PA e PG.

4 Atividades diferenciadas Os diagnósticos nos ajudaram a planejar as aulas e atividades diferenciadas para suprir as necessidades apresentadas pelos alunos nessa escola. As atividades, distribuídas em diferentes modalidades e séries, foram oficinas, com a construção de materiais concretos e experiências, lista de exercícios com monitoria, estas contendo exercícios de fixação, questões do ENEM e questões de vestibulares, observações em sala de aula com monitoria, aulas de reforço, onde a partir de exercícios trabalhados previamente em sala de aula foi feito uma revitalização de conhecimentos com intenção de esclarecer algumas dúvidas sobre o conteúdo, utilização do laboratório de informática e softwares, jogos que foram criados pelos bolsistas e alguns confeccionados pelos alunos cujos objetivos eram trabalhar esses conceitos básicos e conteúdos dados em aula ao mesmo tempo. Foram feitas observações em sala de aula e à medida que fosse necessário e solicitado, auxiliávamos os alunos e também as professoras. Algumas atividades tiveram que ser aplicadas em horário de aula devido a pouca procura no inicio do projeto. As outras foram oferecidas no turno oposto ao das aulas, neste caso a tarde, em dias da semana e horários que melhor atendesse os alunos, podendo estes solicitar horários diferenciados de acordo com sua disponibilidade, pois muitos trabalham. Dependendo da época do ano e da situação de cada turma e aluno, a procura pelas atividades do projeto em turno inverso variou muito, pois algumas vezes as salas lotavam, principalmente em véspera de avaliações, e em algumas ocasiões, ninguém comparecia. Fig. III Experiência com bolas de gude Funções (1ª série) Fig. IV Construção de teodolito Trigonometria (2ª série)

5 Fig. V - Construção de sólidos Fig. VI Listas de exercícios. Geometria (3ª série) Confecção de materiais para melhor compreensão e resolução de exercícios Fig. VII Aulas de reforço Fig. VIII Oficina (Trigonometria) Fig. IX Atividade no laboratório de informática Fig. X Jogo trilha das funções

6 Nossas dificuldades, resultados e expectativas Um dos obstáculos encontrados foi à dificuldade apresentada pelos alunos em conceitos básicos de Matemática como: regra de sinais, potenciação, raiz quadrada, operação com números decimais, entre outros. O outro empecilho é o desinteresse da maioria dos alunos e que nos faz acreditar que eles preferem o método tradicional. Quando oferecíamos atividades diferenciadas, em turno inverso, constatávamos que a eles somente interessava o mínimo de conhecimento necessário para passar de ano. Nas atividades realizadas em aula, no turno de aula, os resultados foram melhores. Neste período obtivemos alguns resultados positivos. Houve uma melhora no entrosamento entre alunos e bolsistas, entre alunos e professores, os próprios alunos se entrosaram mais, devido às atividades em grupo. O reconhecimento por parte deles das oportunidades que estão lhe sendo oferecidas sendo comprovadas em suas notas. Umas das atividades que teve maior aceitação dos alunos na escola foi à aula no Laboratório de Informática, o contato deles com o software Winplot foi bem interessante, onde a participação e a interação ocorreu todo o tempo. Conversando com eles sobre o que eles acharam da aula, obtivemos respostas como: Achamos a aula muito interessante, bem construtiva e diferente das aulas convencionais, dá mais vontade de aprender, falaram que adoraram e que tinha que ser repetida mais vezes. De acordo com a recepção que tivemos inicialmente e com o desenvolvimento das atividades, percebemos a dificuldade em melhorar o ensino na escola citada anteriormente, devido à maioria das vezes, ao desinteresse dos alunos. Nossa expectativa para este ano é que haja maior procura dos alunos, pois iniciaremos os trabalhos diretamente com os alunos já no começo do ano letivo e aplicando atividades diferenciadas no turno de aula, juntamente com os professores regentes das turmas, diferente do ano anterior que tivemos que fazer o diagnóstico primeiro, o que tomou certo tempo. Além disso, o entrosamento entre alunos, bolsistas e toda a equipe escolar já é bem maior em relação ao ano anterior, o que nos dá boas expectativas em relação aos resultados do projeto.

7 Referências BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares Para o Ensino Médio. Volume 2: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Mec, BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: Mec, 2000.

PIBID - UM DESAFIO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

PIBID - UM DESAFIO NO ENSINO DE MATEMÁTICA PIBID - UM DESAFIO NO ENSINO DE MATEMÁTICA Andressa Miranda Esteves Martinez, bolsista Bruno Moreira Teixeira Luiz, bolsista João Volmar Machado da Silva, bolsista Lidiane Schimitz Lopes, bolsista Maria

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIAS REALIZADAS PELO PIBID/MATEMÁTICA/UFCG. Milton Ricardo G. de Lima RESUMO

RELATO DE EXPERIÊNCIAS REALIZADAS PELO PIBID/MATEMÁTICA/UFCG. Milton Ricardo G. de Lima RESUMO RELATO DE EXPERIÊNCIAS REALIZADAS PELO PIBID/MATEMÁTICA/UFCG CAMPINA GRANDE-PB Jacqueline Tavares Lúcio Milton Ricardo G. de Lima RESUMO O PIBID/UFCG/MATEMÁTICA-Campina Grande, atua em duas escolas, sendo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

PROJETO PIBID COMO SUPORTE PARA MUDANÇAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA. GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior

PROJETO PIBID COMO SUPORTE PARA MUDANÇAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA. GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior PROJETO PIBID COMO SUPORTE PARA MUDANÇAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Karlla Silveira Morales, Unipampa, karllalm@gmail.com Talita da Cunha Gonçalves,

Leia mais

O GEOGEBRA COMO FERRAMENTA DE SUPORTE NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM ENVOLVENDO CONCEITOS E CÁLCULOS DE ARÉA DE FIGURAS PLANAS

O GEOGEBRA COMO FERRAMENTA DE SUPORTE NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM ENVOLVENDO CONCEITOS E CÁLCULOS DE ARÉA DE FIGURAS PLANAS O GEOGEBRA COMO FERRAMENTA DE SUPORTE NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM ENVOLVENDO CONCEITOS E CÁLCULOS DE ARÉA DE FIGURAS PLANAS Marianne Ferreira Gomesl 1 ; Andriele de Melo Barbosa Oliveira 2 ; Nilcyneia

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº 213 aprovado pela portaria Cetec nº 134 de 04/10/2014 Etec: ERMELINDA GIANNINI TEIXEIRA Código: 0187 Município: SANTANA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 2ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES. Palavras-chave: Matemática; Agropecuária; Interdisciplinaridade; Caderno Temático.

MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES. Palavras-chave: Matemática; Agropecuária; Interdisciplinaridade; Caderno Temático. MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES Josislei de Passos Vieira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Rio Pomba. josisleipassos@gmail.com

Leia mais

6º ano 1 o TRIMESTRE

6º ano 1 o TRIMESTRE ESCOLA ESTADUAL DE BOA VISTA E.F. Disciplina: Matemática Curso: Ensino Fundamental Anos: 6º, 7º, 8º e 9º anos Professores: Eliane R. Vicente Ano Letivo: 2012 II JUSTIFICATIVA PLANO DE TRABALHO DOCENTE

Leia mais

Ata de Reunião Local Data/Hora MAT-08/13 Lab. Ensino de Matem. 28/11/ h00. Reunião do Colegiado de Matemática Prof.

Ata de Reunião Local Data/Hora MAT-08/13 Lab. Ensino de Matem. 28/11/ h00. Reunião do Colegiado de Matemática Prof. Ata de Reunião Local Data/Hora MAT-08/13 Lab. Ensino de Matem. 28/11/2013 18h00 Objetivo Relator Reunião do Colegiado de Prof. Participantes Assinatura Prof. Prof. H. Prof. Prof. Aristóteles da Silva Prof.

Leia mais

TRABALHANDO AS QUATRO OPERAÇÕES E A GEOMETRIA ATRAVÉS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

TRABALHANDO AS QUATRO OPERAÇÕES E A GEOMETRIA ATRAVÉS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES TRABALHANDO AS QUATRO OPERAÇÕES E A GEOMETRIA ATRAVÉS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Maria Jéssica Ximenes Sousa Discente do Curso de Matemática da Universidade Estadual Vale do Acaraú jessica.ximenes25@hotmail.com

Leia mais

O JOGO DAS TRÊS PISTAS COMO PROPOSTA DIDÁTICA NO ENSINO DE ZOOLOGIA PARA O ENSINO MÉDIO

O JOGO DAS TRÊS PISTAS COMO PROPOSTA DIDÁTICA NO ENSINO DE ZOOLOGIA PARA O ENSINO MÉDIO O JOGO DAS TRÊS PISTAS COMO PROPOSTA DIDÁTICA NO ENSINO DE ZOOLOGIA PARA O ENSINO MÉDIO Francisco Ageu Ribeiro do Nascimento (Bolsista PIBID/ IFCE) Amaurício Lopes Rocha Brandão (Instituto Federal do Ceará)

Leia mais

A INSERÇÃO DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL NAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE SOMBRIO

A INSERÇÃO DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL NAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE SOMBRIO A INSERÇÃO DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL NAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE SOMBRIO 1 BASSANI, Joel de Oliveira; 2 ANDRADE, Elisiane Cardoso de; 3 ROCHO, Valdirene da Rosa; 4 BRASIL, Carla Sofia

Leia mais

UNINDO O LÚDICO E A APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA CONSTRUÇÕES DE MATERIAIS DIDÁTICOS

UNINDO O LÚDICO E A APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA CONSTRUÇÕES DE MATERIAIS DIDÁTICOS UNINDO O LÚDICO E A APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA CONSTRUÇÕES DE MATERIAIS DIDÁTICOS Anderson Daniel Stochero, aluno do IF Farroupilha Campus Santo Ângelo, curso Tecnológico em Sistemas para Internet, anderson_stochero@yahoo.com.br

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE SÓLIDOS: APLICAÇÕES COM CANUDOS, PAPEL CARTÃO E GEOGEBRA

PLANIFICAÇÃO DE SÓLIDOS: APLICAÇÕES COM CANUDOS, PAPEL CARTÃO E GEOGEBRA PLANIFICAÇÃO DE SÓLIDOS: APLICAÇÕES COM CANUDOS, PAPEL CARTÃO E GEOGEBRA Júlio Giordan Lucena da Silva 1 1. Introdução O presente artigo tem como objetivo trabalhar área, volume e planificação de sólidos,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS PARA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS PARA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO A UTILIZAÇÃO DE JOGOS PARA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO Cláudia Martins de Oliveira Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA claudia.moliveira@yahoo.com.br Caroline Lima de Oliveira

Leia mais

PLANEJAMENTOS ANUAIS

PLANEJAMENTOS ANUAIS ESTADO DO MARANHÃO UNIDADE REGIONAL DE SÃO JOÃO DOS PATOS CENTRO DE ENSINO GOV. JOÃO CASTELO-PASTOS BONS PLANEJAMENTOS ANUAIS ANO LETIVO: 2016 DISCIPLINAS: TURNO(S): TURMAS: PROFESSOR: PLANO ANUAL DE ENSINO

Leia mais

Cuidado! Use com responsabilidade.

Cuidado! Use com responsabilidade. Aula Inicial 2017 Aluno ou Estudante? Cuidado! Use com responsabilidade. Ensino Médio Formação Profissional ou Trampolim para a Universidade Ou ambos. Plano de Ensino Matemática 1º ano 1º ano - Matemática

Leia mais

O PIBID-FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PAULO ZIMMERMANN

O PIBID-FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PAULO ZIMMERMANN O PIBID-FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PAULO ZIMMERMANN Larissa Esser 1, Bruna Tholl 2, Rodrigo José Rosa 3, Iraci Symczacka 4, Otávio Bocheco 5 RESUMO Diante das dificuldades

Leia mais

O PROEXT A SERVIÇO DA EJA

O PROEXT A SERVIÇO DA EJA O PROEXT A SERVIÇO DA EJA Thamiriz Martins Teixeira, IF Sudeste de MG Campus Rio Pomba Paula Reis de Miranda, IF Sudeste de MG Campus Rio Pomba RESUMO O presente trabalho apresenta atividades desenvolvidas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Projeto elaborado pelos bolsistas dopibid Subprojeto Matemática a serem desenvolvidos no Instituto Estadual de Educação Dinarte Ribeiro Jocilene Soares, Leriana Afonso, Maria

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente - 2017 Ensino Técnico Etec Sylvio de Mattos Carvalho Plano de Curso nº 224 aprovado pela portaria Cetec nº 168 de 07/05/2013 Código: Município: Matão Eixo Tecnológico: Gestão

Leia mais

Projeto: Acompanhamento Didático em Matemática de alunos dos anos finais do Ensino Fundamental da Escola Durvalino Grion

Projeto: Acompanhamento Didático em Matemática de alunos dos anos finais do Ensino Fundamental da Escola Durvalino Grion Projeto: Acompanhamento Didático em Matemática de alunos dos anos finais do Ensino Fundamental da Escola Durvalino Grion 1. Introdução Ao longo do tempo a matemática vem conquistando o posto de a disciplina

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I: ANALISANDO AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I: ANALISANDO AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Revista da Educação Matemática da UFOP, Vol I, 2011 - XI Semana da Matemática e III Semana da Estatística, 2011 ISSN 2237-809X CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I: ANALISANDO AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DE

Leia mais

Prática de ensino de matemática no Ensino Médio

Prática de ensino de matemática no Ensino Médio Disciplina: Prática de ensino de matemática no Ensino Médio Carga Horária: 195 horas/aula Período: 2014/1 Curso: Licenciatura em Matemática Professor: Michelsch João da Silva michelsch.silva@caxias.ifrs.edu.br

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio PLANO DE ENSINO Curso Disciplina/Carga horária Professor Responsável Licenciatura em Matemática ESTG 04- Estágio Supervisionado IV (150h.a) Nome: Marleide Coan Cardoso email:marleide@ifc-sombrio.edu.br

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA-Ensino Médio Componente Curricular: Matemática

MATRIZ DE REFERÊNCIA-Ensino Médio Componente Curricular: Matemática MATRIZ DE REFERÊNCIA-Ensino Médio Componente Curricular: Matemática Conteúdos I - Conjuntos:. Representação e relação de pertinência;. Tipos de conjuntos;. Subconjuntos;. Inclusão;. Operações com conjuntos;.

Leia mais

O ESTUDO DA FUNÇÃO DO 1º GRAU ATRAVÉS DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA

O ESTUDO DA FUNÇÃO DO 1º GRAU ATRAVÉS DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA O ESTUDO DA FUNÇÃO DO 1º GRAU ATRAVÉS DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA Franciclaudio de Meireles Silveira; Jéssica de Fátima Pontes de Oliveira; Danielle Apolinário da Silva;Francinaldo de Meireles

Leia mais

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno)

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno) ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

PROJETO: OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS

PROJETO: OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) ESCOLA MUNICIPAL HERMANN GMEINNER Bolsistas: Jacqueline Cristina de Medeiros Supervisora: Patrícia

Leia mais

Palavras-chave: Competências; habilidades; resolução de problemas.

Palavras-chave: Competências; habilidades; resolução de problemas. AVALIAÇÃO POR COMPETÊNCIA: TEORIA E PRÁTICA NO CONTEXTO DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Camilla da Rosa Leandro (Bolsista PUIC) 1 Diva Marília Flemming (Profa. Orientadora) 2 INTRODUÇÃO Na Educação é frequente,

Leia mais

MATEMÁTICA PARA A COMUNIDADE

MATEMÁTICA PARA A COMUNIDADE 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MATEMÁTICA PARA A COMUNIDADE SANTOS, Welington 1 SANSANA,

Leia mais

RESOLUÇÃO 04/2016. I Tipo de alteração: INCLUSÃO DE DISCIPLINAS NOME CRÉDITOS 4 SÚMULA ETAPA ACONSELHADA NOME CRÉDITOS 3 SÚMULA ETAPA ACONSELHADA NOME

RESOLUÇÃO 04/2016. I Tipo de alteração: INCLUSÃO DE DISCIPLINAS NOME CRÉDITOS 4 SÚMULA ETAPA ACONSELHADA NOME CRÉDITOS 3 SÚMULA ETAPA ACONSELHADA NOME UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA Av. Bento Gonçalves 9500 - Agronomia - 91509-900 Porto Alegre - RS - BRASIL Tel: (051)3308-6189/3308-6186

Leia mais

VIVENCIADO A GEOMETRIA COM OS SÓLIDOS DE PLATÃO

VIVENCIADO A GEOMETRIA COM OS SÓLIDOS DE PLATÃO VIVENCIADO A GEOMETRIA COM OS SÓLIDOS DE PLATÃO MANTOVANI, Alessandra Lima de Moraes (alelimamantovani@hotmail.com); SOUZA, Jessica Martins de (jessicams_almeida@hotmail.com ). Bolsista de Iniciação à

Leia mais

PARTE I - IDENTIFICAÇÃO

PARTE I - IDENTIFICAÇÃO Serviço Público Federal Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo FORMULÁRIO-SÍNTESE DA PROPOSTA - SIGProj

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE A MATEMÁTICA ESCOLAR E A MATEMÁTICA DO COTIDIANO PROFISSIONAL

RELAÇÕES ENTRE A MATEMÁTICA ESCOLAR E A MATEMÁTICA DO COTIDIANO PROFISSIONAL RELAÇÕES ENTRE A MATEMÁTICA ESCOLAR E A MATEMÁTICA DO COTIDIANO PROFISSIONAL 08932243409 Eixo temático: Etnomatemática e as relações entre tendências em educação Matemática. RESUMO: Este trabalho visa

Leia mais

USO DE ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NAS AULAS DE FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA PARA O ESTUDO DA GRAVITAÇÃO

USO DE ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NAS AULAS DE FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA PARA O ESTUDO DA GRAVITAÇÃO USO DE ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NAS AULAS DE FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA PARA O ESTUDO DA GRAVITAÇÃO Maria Betania Guedes Cândido 1 ; Alessandro Frederico da Silveira 2 1 Escola Estadual de Ensino

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: MATEMÁTICA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( X ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

REGULAMENTO DA BRINQUETOTECA

REGULAMENTO DA BRINQUETOTECA REGULAMENTO DA BRINQUETOTECA Governador Valadares 2015 REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA Regulamenta o funcionamento da Brinquedoteca no âmbito da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Governador Valadares

Leia mais

EXPLORANDO OS POLINÔMIOS E OS GRÁFICOS DAS FUNÇÕES POLINOMIAIS

EXPLORANDO OS POLINÔMIOS E OS GRÁFICOS DAS FUNÇÕES POLINOMIAIS EXPLORANDO OS POLINÔMIOS E OS GRÁFICOS DAS FUNÇÕES POLINOMIAIS Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (Emaiefem) GT 10 Marcelino Jose de CARVALHO Universidade Federal

Leia mais

O USO DE JOGOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: TRABALHANDO COM AS OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS E INTEIROS

O USO DE JOGOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: TRABALHANDO COM AS OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS E INTEIROS na Contemporaneidade: desafios e possibilidades O USO DE JOGOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: TRABALHANDO COM AS OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS E INTEIROS José Márcio da Silva Ramos Diniz Universidade Estadual

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR 2012/1 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE/SÉRIE: 1ºsem/2012 TURMA: 101 TURNO: Noturno C/H: 80 horas

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR 2012/1 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE/SÉRIE: 1ºsem/2012 TURMA: 101 TURNO: Noturno C/H: 80 horas PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR 2012/1 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO CAMPUS: Alegrete CURSO: Licenciatura em Matemática NÍVEL: Superior COMPONENTE CURRICULAR: Matemática Básica I SEMESTRE/SÉRIE: 1ºsem/2012

Leia mais

APRENDENDO GEOMETRIA ATRAVÉS DE ATIVIDADES LÚDICAS

APRENDENDO GEOMETRIA ATRAVÉS DE ATIVIDADES LÚDICAS 27 a 30 de agosto de 2014. APRENDENDO GEOMETRIA ATRAVÉS DE ATIVIDADES LÚDICAS CALABREZ, Mayara Caetano Instituto Federal do Espírito Santo - Cachoeiro mayaracalabrez@hotmail.com MOREIRA, Michelli Rodrigues

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO DEPARTAMENTOS DE PEDAGOGIAA PLANO DE ENSINO DE MATEMÁTICA 2017

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO DEPARTAMENTOS DE PEDAGOGIAA PLANO DE ENSINO DE MATEMÁTICA 2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO DEPARTAMENTOS DE PEDAGOGIAA PLANO DE ENSINO DE MATEMÁTICA 2017 Disciplina: Matemática Nível: Ensino Fundamental Série: 2º Ano

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA: UMA AÇÃO DO PIBID/MATEMÁTICA/CCT/UFCG

O ENSINO DE MATEMÁTICA COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA: UMA AÇÃO DO PIBID/MATEMÁTICA/CCT/UFCG O ENSINO DE MATEMÁTICA COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA: UMA AÇÃO DO PIBID/MATEMÁTICA/CCT/UFCG Érica Vicente de Souza (UFCG); Késia de Melo Hermenegildo (UFCG); Poliana Franque de Oliveira (UFCG); Severino

Leia mais

EMENTA ESCOLAR I Trimestre Ano 2016

EMENTA ESCOLAR I Trimestre Ano 2016 EMENTA ESCOLAR I Trimestre Ano 2016 Disciplina: Matemática Professor: Flávio Calônico Júnior Turma: 3 ano do Ensino Médio Datas 15/fevereiro 17/fevereiro 13/fevereiro 22/fevereiro 24/fevereiro Conteúdos

Leia mais

PROJETO BRINCANDO SE APRENDE

PROJETO BRINCANDO SE APRENDE PROJETO BRINCANDO SE APRENDE COLÉGIO ESTADUAL PROFESSOR EDGARD SANTOS APRESENTAÇÃO A Matemática e a Língua Portuguesa são vistas como disciplinas de difícil aprendizagem, muitas vezes até rejeitada pelos

Leia mais

PIBID DE MATEMÁTICA EM ARRAIAS (TO) UMA EXPERIÊNCIA DIFERENTE

PIBID DE MATEMÁTICA EM ARRAIAS (TO) UMA EXPERIÊNCIA DIFERENTE PIBID DE MATEMÁTICA EM ARRAIAS (TO) UMA EXPERIÊNCIA DIFERENTE Aricléia Damasceno Rodrigues aricleia2009@uft.edu.br Luciana Tavares de Sousa LUADAIL@uft.edu.br Kaled Sulaiman Khidir kaled@uft.edu.br Severino

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO ROQUE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO ROQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO ROQUE Rodovia Prefeito Quintino de Lima, 2100, Paisagem Colonial - CEP 18136-540 São Roque SP Fone (11)

Leia mais

DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 6º ANO NA RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PROBLEMATIZADAS ENVOLVENDO ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO COMO NÚMEROS NATURAIS: COMO PODEMOS INTERVIR?

DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 6º ANO NA RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PROBLEMATIZADAS ENVOLVENDO ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO COMO NÚMEROS NATURAIS: COMO PODEMOS INTERVIR? DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 6º ANO NA RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PROBLEMATIZADAS ENVOLVENDO ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO COMO NÚMEROS NATURAIS: COMO PODEMOS INTERVIR? Introdução Renata Karla da Silva Oliveira Universidade

Leia mais

EDITAL N.º 1/2016/DE-DET-CFG-CCN-IFAL-PIN. 2. O número de vagas previsto neste edital são 4 (quatro), sendo:

EDITAL N.º 1/2016/DE-DET-CFG-CCN-IFAL-PIN. 2. O número de vagas previsto neste edital são 4 (quatro), sendo: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS - CAMPUS PALMEIRA DOS INDIOS DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO TÉCNICO COORDENAÇÃO DE FORMAÇÃO GERAL COORDENAÇÃO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA EDITAL

Leia mais

JOGOS E ATIVIDADES LÚDICAS: PROPOSTA DE APLICAÇÂO PARA OTIMIZAÇÂO DO ENSINO DE QUÌMICA NO CONTEÚDO DE SOLUÇÕES

JOGOS E ATIVIDADES LÚDICAS: PROPOSTA DE APLICAÇÂO PARA OTIMIZAÇÂO DO ENSINO DE QUÌMICA NO CONTEÚDO DE SOLUÇÕES JOGOS E ATIVIDADES LÚDICAS: PROPOSTA DE APLICAÇÂO PARA OTIMIZAÇÂO DO ENSINO DE QUÌMICA NO CONTEÚDO DE SOLUÇÕES Priscila Macena de Oliveira 1, priscilaprel@hotmail.com Rodolfo André dos Santos 2, rodolfo-castor@hotmail.com

Leia mais

NÚMEROS E ÁLGEBRA FUNÇÕES

NÚMEROS E ÁLGEBRA FUNÇÕES Professores: Josiane Caroline Protti Disciplina: Matemática Ano: 1º ano E Período: 1º Bimestre - Atividades com os alunos para - Atividades dos livros didáticos e - Correção das atividades na lousa e individual.

Leia mais

GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE. Fase 1 Carga horária total: 360h

GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE. Fase 1 Carga horária total: 360h Ciência da Computação CÂMPUS LAGES Instrumentos Regulatórios (Resolução CEPE e CONSUP ou Portaria de reconhecimento do curso pelo MEC) RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 39, DE 13 DE AGOSTO DE 2014. RESOLUÇÃO CONSUP/IFSC

Leia mais

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos PLANO DE ENSINO Disciplina Fundamentos de Matemática Código Docente Daniela Macêdo Damaceno Pinheiro Semestre I/2013.1 Carga horária 80h 1 EMENTA Frações Produtos notáveis Funções, equações e inequações

Leia mais

Projeto do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência 2

Projeto do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência 2 PROPOSTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM PARA ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO COM AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 TEACHING AND LEARNING PROPOSAL FOR FIRST YEAR HIGH SCHOOL STUDENTS WITH THE HELP OF GEOGEBRA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias. Componente

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: FÌSICA FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( X) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( X) Presencial

Leia mais

QUESTÕES DO ENEM EM ATIVIDADES DO PIBID: um relato de experiência.

QUESTÕES DO ENEM EM ATIVIDADES DO PIBID: um relato de experiência. QUESTÕES DO ENEM EM ATIVIDADES DO PIBID: um relato de experiência. Edilson Cézar Rodrigues Dantas 1 Jonas Bertino de Paula 2 José Jefferson da Silva 3 Jonh Cleidson da Silva 4 Cristiane de Arimatéa Rocha

Leia mais

Plano de Trabalho Docente

Plano de Trabalho Docente Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente - 2017 Ensino Técnico Plano de Curso no. 206 aprovado pela Portaria Cetec 733, de 10-9-2015, publicada no Diário Oficial de 11-9-2015

Leia mais

NOVAS METODOLOGIAS DE ENSINO: UMA PESQUISA SOBRE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA NO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

NOVAS METODOLOGIAS DE ENSINO: UMA PESQUISA SOBRE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA NO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO NOVAS METODOLOGIAS DE ENSINO: UMA PESQUISA SOBRE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA NO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Maria Francisca Duarte Jatobá; Bruno Lopes Oliveira da Silva. Instituto Federal de Ciência e

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM E DE INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL

A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM E DE INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM E DE INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL GONÇALVES, Raquel Pereira Universidade Estadual de Goiás, Câmpus de Iporá raquelpg.letras@gmail.com MOURA,

Leia mais

Reuniões Semanais e Mensais

Reuniões Semanais e Mensais Reuniões Semanais e Mensais Objetivos: Apresentar os bolsistas aos professores supervisores e distribuílos por escolas; Mostrar as atribuições de cada bolsista ou supervisor, as ações e metas do projeto.

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO DAS QUATRO OPERAÇÕES POR MEIO DE JOGOS E NOVAS TECNOLOGIAS

UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO DAS QUATRO OPERAÇÕES POR MEIO DE JOGOS E NOVAS TECNOLOGIAS SILVA, C. R.; BALIEIRO FILHO, I. F. Uma Experiência de Ensino das Quatro Paulista de Educação Matemática: XI EPEM. São José do Rio Preto: SBEM/SBEM-SP, 2012, pp.1-5. (ISBN N. 978-85-98092-14-0) Eixo Temático:

Leia mais

Projeto Jogos. A importância de conhecer a história dos Jogos

Projeto Jogos. A importância de conhecer a história dos Jogos Projeto Jogos A importância de conhecer a história dos Jogos Introdução Este projeto consiste em um desenvolvimento de comunicação entre jogos e computadores voltado para entretenimento e aprendizagem.

Leia mais

Juliana Andreza Figueirôa 1 ; Claudiana Maria da Silva 2 ; Maria Aparecida Nazário Cassiano 3 ; Samara Souza Sá 4 ; Ana Patrícia Vargas Borges 5 ;

Juliana Andreza Figueirôa 1 ; Claudiana Maria da Silva 2 ; Maria Aparecida Nazário Cassiano 3 ; Samara Souza Sá 4 ; Ana Patrícia Vargas Borges 5 ; UMA ANÁLISE SOBRE A EVASÃO DO CURSO SUPERIOR DE LICENCIATURA EM QUÍMICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO CAMPUS FLORESTA Juliana Andreza Figueirôa 1 ; Claudiana

Leia mais

O REFORÇO COMO DIREITO DE APRENDER OU COMO AÇÃO PALIATIVA DA ESCOLA FRENTE À SUA DIFICULDADE EM LIDAR COM AS DIFERENÇAS DE APRENDIZAGEM

O REFORÇO COMO DIREITO DE APRENDER OU COMO AÇÃO PALIATIVA DA ESCOLA FRENTE À SUA DIFICULDADE EM LIDAR COM AS DIFERENÇAS DE APRENDIZAGEM O REFORÇO COMO DIREITO DE APRENDER OU COMO AÇÃO PALIATIVA DA ESCOLA FRENTE À SUA DIFICULDADE EM LIDAR COM AS DIFERENÇAS DE APRENDIZAGEM Lethicia Ormedo Leite Canhete1; Liliane Thomaz dos Santos2; Almerinda

Leia mais

OFICINA TEMÁTICA: A EXPERIMENTAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE

OFICINA TEMÁTICA: A EXPERIMENTAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE OFICINA TEMÁTICA: A EXPERIMENTAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE Vanessa Fernandes Soares; Chryslane Barbosa da Silva; Kelly Barbosa da Silva; Viviane Patrícia Pereira Félix. RESUMO Graduanda em Ciências Biológicas

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta

Aprovação do curso e Autorização da oferta MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

ATLAS ESCOLAR FÍSICO DO LITORAL SUL DA BAHIA

ATLAS ESCOLAR FÍSICO DO LITORAL SUL DA BAHIA ATLAS ESCOLAR FÍSICO DO LITORAL SUL DA BAHIA Heibe Santana Da Silva Discente do Curso de Licenciatura em Geografia e bolsista - FAPESB E-mail: heibe.geouesc@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Profa.

Leia mais

Palavras-chave: Geografia, Ensino; Fotografia Aérea com Pipa; Cidade; Urbano.

Palavras-chave: Geografia, Ensino; Fotografia Aérea com Pipa; Cidade; Urbano. A FOTOGRAFIA AÉREA NO AUXÍLIO AO APRENDIZADO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL DOUTOR NAPOLEÃO SALLES: UMA APROXIMAÇÃO TEÓRICA À PRÁTICA DO ENSINO DE GEOGRAFIA MICHELE FERNANDA MARCELINO RENZO Aluna e Bolsista

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. I profissional, que justificam o desenvolvimento das competências previstas nesse

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. I profissional, que justificam o desenvolvimento das competências previstas nesse PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Operações Financeiras Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Módulo:

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 7º ano Ano Letivo: Professor(s): Eni e Patrícia

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 7º ano Ano Letivo: Professor(s): Eni e Patrícia Planejamento Anual Componente Curricular: Matemática Ano: 7º ano Ano Letivo: 2016 Professor(s): Eni e Patrícia OBJETIVO GERAL Desenvolver e aprimorar estruturas cognitivas de interpretação, análise, síntese,

Leia mais

O PROFESSOR DE FÍSICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PA

O PROFESSOR DE FÍSICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PA O PROFESSOR DE FÍSICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PA Márcia Cristina Palheta Albuquerque (1); Laely Vieira (2); Walmir Benedito Tavares (1); Marcos Lázaro

Leia mais

Estrutura Curricular. Grupo A [Saberes Docentes]

Estrutura Curricular. Grupo A [Saberes Docentes] Estrutura Curricular O currículo do Mestrado Profissional em Educação Matemática é constituído por disciplinas obrigatórias e eletivas. O mestrando deverá concluir um total de 28 créditos em disciplinas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 238 aprovado pela portaria Cetec nº 172 de 13/09/2013. Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código:103 Município: Matão-SP Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado Educação Pré-Escolar e Professor do 1.º Ciclo do Ensino Básico

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado Educação Pré-Escolar e Professor do 1.º Ciclo do Ensino Básico Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança Mestrado Educação Pré-Escolar e Professor do 1.º Ciclo do Ensino Básico Unidade Curricular Didáctica da Matemática Algumas Tarefas 2008 / 2009

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática Paebes 2013 Paebes 2013 Conhecendo o outro.. Expectativas... Paebes 2013 OBJETIVOS DA OFICINA Objetivo geral: Analisar e interpretar resultados da avaliação

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MAPLE NO ENSINO DA GEOMETRIA ANALÍTICA

O USO DO SOFTWARE MAPLE NO ENSINO DA GEOMETRIA ANALÍTICA O USO DO SOFTWARE MAPLE NO ENSINO DA GEOMETRIA ANALÍTICA Salécia do Nascimento Corrêa 1 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo apresentar o software matemático MAPLE como uma estratégia de ensino

Leia mais

1- Prof. Me. Dep. Química/UERN; 2- Alunos de Licenciatura em Química, Matemática e Física.

1- Prof. Me. Dep. Química/UERN; 2- Alunos de Licenciatura em Química, Matemática e Física. PIBID- O Ensino na Área de Ciências Exatas e Naturais com Alunos 1 ano A e 2 ano D do Ensino Médio no Centro de Educação Integrada Professor Eliseu Viana (CEIPEV) Mossoró/RN. Gama, K. K. S. 2 ; Leite,

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 2013/2014. Planificação a Longo Prazo. Matemática 9º ano

ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 2013/2014. Planificação a Longo Prazo. Matemática 9º ano ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 203/204 Planificação a Longo Prazo Matemática 9º ano Finalidades, avaliação e organização temporal Grupo Disciplinar 500 Departamento de Matemática e

Leia mais

EDITAL Nº 01/ SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA

EDITAL Nº 01/ SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE CÂMPUS VENÂNCIO AIRES EDITAL Nº 01/2016 - SELEÇÃO PARA O PROGRAMA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Etec Monsenhor Antonio Magliano Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO SEMESTRALIZADO 10 SEMESTRES

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO SEMESTRALIZADO 10 SEMESTRES CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO SEMESTRALIZADO 10 SEMESTRES Situação Legal: Reconhecido Integralização: Mínimo 5 anos / Máximo 8 anos Carga Horária: 2.820h (188 créditos)

Leia mais

O uso do Cordel no ensino de Geografia

O uso do Cordel no ensino de Geografia O uso do Cordel no ensino de Geografia Universidade Luterana do Brasil - Ulbra Thais Cardoso Dias (thais.cardosodias@hotmail.com) Jessica Luiz Vieira (jessicaluizvieira@outlook.com) Jussara Alves Pinheiro

Leia mais

PROJETOS COM OBJETIVOS QUE INTEGRAM ENSINO. Claudianny Amorim Noronha

PROJETOS COM OBJETIVOS QUE INTEGRAM ENSINO. Claudianny Amorim Noronha PROJETOS COM OBJETIVOS QUE INTEGRAM ENSINO Claudianny Amorim Noronha A PERSPECTIVA DE ENSINO NO EDITAL DE AÇÕES INTEGRADAS Melhoria do processo de ensino e aprendizagem dos cursos de graduação e pós-graduação,

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA AÇÃO DO PIBID/MATEMÁTICA/CCT/UFCC

PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA AÇÃO DO PIBID/MATEMÁTICA/CCT/UFCC PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA AÇÃO DO PIBID/MATEMÁTICA/CCT/UFCC Dhiego Vieira do Amaral (UFCG); Késia de Mélo Hermenegildo (UFCG); Severino Horácio da Silva

Leia mais

Programa Anual MATEMÁTICA EXTENSIVO

Programa Anual MATEMÁTICA EXTENSIVO Programa Anual MATEMÁTICA EXTENSIVO Os conteúdos conceituais de Matemática estão distribuídos em 5 frentes. A) Equações do 1º e 2º graus; Estudo das funções; Polinômios; Números complexos; Equações algébricas.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 160 aprovado pela portaria Cetec nº 138 04/10/2012 Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Informação

Leia mais

O ENSINO E APRENDIZADO DE NÚMEROS DECIMAIS SIMULANDO UM MERCADO

O ENSINO E APRENDIZADO DE NÚMEROS DECIMAIS SIMULANDO UM MERCADO O ENSINO E APRENDIZADO DE NÚMEROS DECIMAIS SIMULANDO UM MERCADO Instituição de Ensino Bolsistas ID Supervisor Coordenador Colégio Estadual Padre Cláudio Morelli Amanda Ferreira Procek Eduarda de Almeida

Leia mais

JOGOS COMO FERRAMENTAS NO ENSINO DA GEOMETRIA ESPACIAL

JOGOS COMO FERRAMENTAS NO ENSINO DA GEOMETRIA ESPACIAL JOGOS COMO FERRAMENTAS NO ENSINO DA GEOMETRIA ESPACIAL Evanildo Franco de Jesus evanildofj@yahoo.com.br Daniela Lannes da Silva dani.annes@hotmail.com Noé Franco de Jesus noefrancode@gmail.com Ranaí Gonçalves

Leia mais

EXPLORANDO CONCEITOS GEOMÉTRICOS A PARTIR DA ANÁLISE E CONSTRUÇÃO DE MOSAICOS 1 ;

EXPLORANDO CONCEITOS GEOMÉTRICOS A PARTIR DA ANÁLISE E CONSTRUÇÃO DE MOSAICOS 1 ; EXPLORANDO CONCEITOS GEOMÉTRICOS A PARTIR DA ANÁLISE E CONSTRUÇÃO DE MOSAICOS 1 ; BATISTA, Nathália Cabral Rodrigues 2 ; SILVA, Kairusa Ribes 3 ; OLIVEIRA, Cristiano Peres 4 RESUMO: O presente trabalho

Leia mais

A MATEMÁTICA DO ABSTRATO AO CONCRETO ATRAVÉS DO LÚDICO

A MATEMÁTICA DO ABSTRATO AO CONCRETO ATRAVÉS DO LÚDICO A MATEMÁTICA DO ABSTRATO AO CONCRETO ATRAVÉS DO LÚDICO Carliane Barbosa de Lima Universidade Regional do Cariri carliane.barbosamanu@gmail.com Samya de Oliveira Lima Universidade Estadual da Paraíba samyasol@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras chaves: PIBID, Ensino de Matemática, Material Concreto.

Palavras chaves: PIBID, Ensino de Matemática, Material Concreto. MATERIAL CONCRETO NAS AULAS DO PIBID NO COLÉGIO ESTADUAL PROFESSOR AGOSTINHO PEREIRA Vanice Inês Folgiarini Perin 1 Luani Cristini Farvesani 2 Santos Richard Wieller Sanguino Bejarano 3 Resumo Este artigo

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA PLANO DE ENSINO

COORDENAÇÃO DE ENSINO EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA PLANO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE ENSINO EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA PLANO DE ENSINO 1 - IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico Subsequente em Informática DISCIPLINA/ COMPONENTE CURRICULAR: Fundamentos Matemáticos para Informática ANO/

Leia mais

CONSTRUÇÕES COM RÉGUA E COMPASSO NÚMEROS CONSTRUTÍVEIS. Público alvo: Público em geral. Pré-requisito: elementos da geometria plana.

CONSTRUÇÕES COM RÉGUA E COMPASSO NÚMEROS CONSTRUTÍVEIS. Público alvo: Público em geral. Pré-requisito: elementos da geometria plana. 1 CONSTRUÇÕES COM RÉGUA E COMPASSO NÚMEROS CONSTRUTÍVEIS Angélica Felix * angelicacqd@gmail.com Roberta Novais * roberta.novais@hotmail.com João Paulo dos Santos j.p.santos@mat.unb.br Universidade de Brasília

Leia mais

Uma Investigação a Disciplina Informática (ou correlatas) em Educação Matemática nos Cursos de Licenciatura.

Uma Investigação a Disciplina Informática (ou correlatas) em Educação Matemática nos Cursos de Licenciatura. Uma Investigação a Disciplina Informática (ou correlatas) em Educação Matemática nos Cursos de Licenciatura. Clécio Rodrigues de Souza Ubiratan D Ambrosio Mestrado Profissional em Educação Matemática PUC

Leia mais

O PIBID DE QUÍMICA E PESQUISA NO COTIDIANO ESCOLAR: DIÁLOGO ENTRE UNIVERSIDADE, O PROFESSOR E A ESCOLA

O PIBID DE QUÍMICA E PESQUISA NO COTIDIANO ESCOLAR: DIÁLOGO ENTRE UNIVERSIDADE, O PROFESSOR E A ESCOLA 02994 O PIBID DE QUÍMICA E PESQUISA NO COTIDIANO ESCOLAR: DIÁLOGO ENTRE UNIVERSIDADE, O PROFESSOR E A ESCOLA Maria José Houly Almeida de Oliveira UNEAL Nos últimos anos observa-se um aumento na implementação

Leia mais

E.M.E.F. NOVA ESPERANÇA

E.M.E.F. NOVA ESPERANÇA A APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS ATRAVÉS DO USO DAS TIC NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES DO 1º GRAU ÁDISSON ALVES PEREIRA JOSIRENE MARIA REUTERS FISCHER DE CAMARGO E.M.E.F. NOVA ESPERANÇA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 206 aprovado pela portaria Cetec nº 133 de 04/10/2012 Etec: Professora Maria Cristina Medeiros Código: 141 Município: Ribeirão Pires Eixo

Leia mais