Kemp LoadMaster Guia Prático

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Kemp LoadMaster Guia Prático"

Transcrição

1 Kemp LoadMaster Guia Prático 2014 v1.1 Renato Pesca

2 1. Topologias One Armed Balancer Figura 1: Topologia single-armed. Esta topologia mostra que as máquinas reais fazem parte da mesma rede dos nós virtuais. Não faz sentido trabalhar com SNAT em configurações como esta, assim como não se aplica a configuração em DSR (visto adiante).

3 A transparência não funcionará com clientes localizados na mesma rede lógica do Load Balance em uma configuração DSR. Ela também não é suportada quando os clientes estão localizados na mesma rede lógica e o Load Balance em uma configuração de NAT. Two-Armed e Multi-Armed Balancer Figura 2: Topologia two-armed.

4 Figura 3: Topologia two-armed em HA. Direct Server Return (DSR)

5 Figura 4: Topologia single-armed para DSR. Neste caso, as seguintes etapas ocorrem: Requisição é recebida pelo Load Balance Requisição é roteada para o Server 1 (exemplo) Server 1 responde diretamente ao cliente, sem retornar pelo Load Balance Obs: esta característica só deve ser utilizada se o servidor real puder responder aos clientes diretamente, sem atravessar o Load Balance; a única opção de persistência suportada é aquela baseada no IP fonte da requisição ( Source IP Address ); DSR é uma opção de Layer 4, ou seja, não é possível balancear usando a camada de aplicação (Layer 7).

6 2. Acesso à Internet dos Real Servers Em topologias two-armed e multi-armed é interessante que os nós tenham acesso à Internet através do balancer. Usando SNAT o balancer mapeará todas as conexões originadas dos servidores reais fazendo-as parecer como tendo sido originadas nele através do IP configurado na interface eth0 ou do IP associado ao VIP. Obs: o uso de SNAT em configurações single-armed não é recomendado. Figura 5: Topologia two-armed.

7 3. Balanceamento de Servidores não-pertencentes às Subredes Configuradas no Appliance Balanceamento de serviços localizados em redes que não fazem parte das interfaces locais também é permitido. Para tal, em uma configuração de Virtual Service marque a caixa Force L7 Habilite balancing de servidores que não residem na mesma subrede do appliance em System Configuration > Miscellaneous Options > Network Options > Enable Non-Local Real Servers.

8 Figura 6: Topologia two-armed para servidores não pertencentes à sub-rede do Load Balance. 4. Algoritmos de Balanceamento Round Robin As requisições são distribuídas sequencialmente entre as máquinas disponíveis no pool. Atente-se de que os servidores devem suportar a demanda de forma equilibrada, caso contrário máquinas incapazes de atender a todas as requisições podem ser sobrecarregadas.

9 Weighted Round Robin Atribui pesos aos nós reais em Round Robin. Exemplo: para um servidor com peso 100 e outro com peso 50, antes que o segundo receba a primeira requisição, o primeiro já recebeu duas consecutivas. Least Connection As requisições são distribuídas com base nas conexões que cada servidor mantém até o momento. O servidor no cluster com menor número de conexões automaticamente recebe o próximo pedido. Weigthed Least Connection Se os servidores possuírem diferentes capacidades de carga a atribuição de pesos proporciona o consumo mais optimizado de recursos. Este algoritmo utiliza a taxa do número de conexões para definir o peso atribuído ao servidor. Agent Based Adaptative Balancing

10 Checa o estado dos servidores em intervalos regulares de tempo independentemente dos pesos configurados. O balancer periodicamente checa o load do sistema em todos os servidores, onde cada máquina deve fornecer um arquivo que contém um valor numérico entre 0 e 99 representando o load atual (o balancer requisita este arquivo através do método HTTP GET). Em período de baixo tráfego o balancer usa o algoritmo Weighted Round Robin, quando o load de todos os servidores alcança um valor definido pelo administrador; acima deste valor ele altera o algoritmo para Adaptative Balancing. Em períodos normais o algoritmo calcula os pesos baseado nos loads coletados de todos os servidores. Fixed Weighted Quanto maior o peso atribuído a um nó, maior prioridade ele terá no recebimento das próximas requisições. 5. Persistência Persistência consiste em requisições de um cliente individual enviadas para um mesmo servidor no pool de máquinas. Ela não é ativa por padrão, aparece como uma opção configurável para cada Virtual Service.

11 Sem persistência o LoadMaster direcionará o tráfego de acordo com o algoritmo de balanceamento utilizado. Figura 7: Acessos sem persistência.

12 Figura 8: Acessos com persistência. O ajuste é feito por Virtual Service, na tela de edição do Virtual Service sob o grupo Standard Options, menu drop-down que mostra todas as opções disponíveis para persistência. Para cada método de persistência há um parâmetro de timeout que pode ser configurado Métodos de Persistência Layer 4 Source IP Address Método mais simples de persistência, que considera o endereço IP de origem para diferenciar os usuários, operando com todos os protocolos TCP, inclusive aqueles que não são baseados em HTTP.

13 Source IP Netmask Determina quão preciso o LoadMaster será com o endereço IP origem para definir a persistência, baseado na máscara de rede. Figura 9: Configuração de persistência em Source IP Address. Desvantagens (drawback) Há situações para as quais o método Source IP Address não trabalha bem: muitos usuários conectando do mesmo IP origem um usuário trocando seu IP A persistência em Layer 7 resolveria estes problemas, porém somente para o protocolo HTTP (ou HTTPS quando a sessão é encerrada pelo LoadMaster) Métodos de Persistência em Layer 7 Source IP Address Usado com uma chave (key) para a persistência junto com a máscara de rede: netmask+k. Quando a máscara é (padrão), isso define uma persistência para cada endereço IP individual, caso contrário cada grupo de endereços IP será redirecionado para o mesmo servidor real.

14 Super HTTP O balancer checa os campos User-Agent e Authorization Header do protocolo HTTP, se presentes, onde conexões com a mesma combinação de headers são associadas com o mesmo servidor real. URL Hash Persistence O LoadMaster enviará as requisições com a mesma URL para o mesmo servidor real. HTTP Host Header O balancer enviará à mesma máquina real requisições com o campo HTTP Host configurado para ele. Hash of HTTP Query Item Todas as queries com o mesmo Query Item serão associadas ao mesmo servidor real. Obs: Query Item representa uma inspeção na URL (URL Query String) para um determinado valor. Selected Header O balancer checa os campos User-Agent e Authorization Header do protocolo HTTP, se presentes, onde conexões com a mesma combinação de headers são associadas com o mesmo servidor real. Considerações sobre HTTPS/SSL

15 Se a conexão SSL não é intermediada pelo LoadMaster as únicas opções disponíveis são Source IP Address e SSL Session ID Persistence, caso contrário (o LoadMaster intermedia as conexões) todas as opções de persistência podem ser utilizadas. 6. Criação de HTTP Virtual Services i Do menu principal, selecione Virtual Services. Em Virtual Services, clique no botão Add New. Para o campo Virtual Address, digite o IP e defina a porta 80. Clique no botão Add this Virtual Service para configurar Properties for x.y.z.w:80. Defina o Service Nickname, clicando no botão Set Nickname em seguida. Clique no botão Add New em Real Server para adicionar o primeiro nó real. Digite o IP para Real Server Address e clique no botão Add this Real Server. Clique na opção View/Modify sob a aba Virtual Services no menu principal. Verifique se o Virtual Service aparece com IP virtual e porta corretos, e o status dos real servers (Up ou Down). 7. Criação de HTTPS Virtual Services ii Do menu principal, selecione Virtual Services. Em Virtual Services, clique no botão Add New. Para o campo Virtual Address, digite o IP e defina a porta 443. Clique no botão Add this Virtual Service para configurar Properties for x.y.z.w:443.

16 Defina o Service Nickname, clicando no botão Set Nickname em seguida. Marque a caixa Enable para SSL Acceleration na seção Properties Caso apareca a mensagem There is no SSL certificate file currently available for Virtual Service x.y.z.w. A temporary certificate will be used until a valid certificate is installed, ignore-a. Clique no botão Add New em Real Server para adicionar o primeiro nó real. Digite o IP para Real Server Address e clique no botão Add this Real Server, e mantenha a porta 80. Clique na opção View/Modify sob a aba Virtual Services no menu principal. Verifique se o Virtual Service aparece com IP virtual e porta corretos, e o status dos real servers (Up ou Down). 8. Front-End Services Proporcionam melhor uso da banda e recursos dos servidores. Consiste em: Cache Poupa processamento e banda, pois reduz o número de requisições aos servidores reais. Pode ser ativado para HTTP Virtual Services e HTTPS Virtual Services em Advanced Properties do Virtual Service, habilitando a caixa Enable Caching. Obs: somente conteúdo estático será armazenado; requisições com header no-cache não sofrerão cache de

17 acordo com a RFC 2616; não há monitoração para mudanças nos arquivos, ou seja, ou você utiliza F5 para recarregar a página atualizada no seu navegador, ou então desabilita e habilita a caixa Enable Caching. A quantidade de memória para o cache pode ser configurada em Advanced Properties do Virtual Service em questão. Figura 10: Acessos com e sem cache. Figura 11: Configuração de cache. Compressão de Dados Figura 12: Ajuste de tamanho de cache.

18 Utiliza compressão gzip, reduzindo assim a quantidade de dados trafegada entre o LoadMaster e os navegadores e consequentemente o consumo da banda. Este recurso é suportado para todos os arquivos, porém o navegador deve suportar compressão. O recurso pode ser ativado em Advanced Properties do Virtual Service, ativando a caixa Enable Compression. 9. Considerações sobre SSL Figura 13: Acessos com e sem utilização de compressão. SSL Acceleration faz com que a sessão SSL seja estabelecida no LoadMaster. Isso permite que os servidores reais não usem SSL e que o LoadMaster efetue balanceamento na camada de aplicação (Layer 7 Balancing).

19 Sem isso os headers não podem ser lidos já que SSL implica encriptação de todos os dados de acesso. 10. Health Checking O LoadMaster utiliza Layer3, Layer4 e Layer7 para monitorar a disponibilidade dos servidores reais. Quando um servidor não responde em um intervalo de tempo um determinado número de vezes, é considerado indisponível e seu peso é ajustado para zero. Isso significa que ele é removido da lista de servidores reais do Virtual Service, retornando quando o health check considerar que ele está disponível novamente. Health checks baseados em serviços (Layer 7) impedem que uma máquina real seja removida do pool de todos os Virtual Services caso os health checks sejam diferentes. Segue abaixo uma tabela que mostra os tipos disponíveis e as camadas associadas a eles: Camada Tipo 3 ICMP 4 TCP 7 FTP 7 TELNET 7 SMTP 7 HTTP 7 HTTPS 7 POP3 7 NNTP 7 IMAP 7 DNS 7 RPD 11. Configurações via Interface Gráfica de Usuário

20 Login Figura 14: Acesso à Interface Gráfica de Configuração. Criação de Virtual Service Figura 15: Virtual Services.

21 Figura 16: Parâmetros de um Virtual Service. Adição de Real Server Figura 17: Parâmetros de um Real Server. Modificando um Virtual Service Existente

22 Figura 18: Configurações detalhadas de um Virtual Service. Compreendendo o status de Virtual Servers

23 No mínimo há um servidor real disponível. Não há servidores reais disponíveis. Todos os servidores reais estão down e o tráfego está sendo roteado por um servidor em separado. O servidor foi administrativamente desabilitado. Foi configurada uma resposta de redirecionamento. Foi configurada uma mensagem de erro.

24 O administrador desabilitou a checagem dos servidores reais.

25 i Este passo-a-passo pode ser utilizado para criar um Virtual Service que também sirva requisições HTTPS caso Layer 7 esteja ativo. Para isso, em Extra Ports configure a porta 443. ii Conexões intermediadas pelo LoadMaster, ou seja, haverá necessidade de instalar certificados digitais no appliance. Esta não é a forma mais utilizada na ALOG.

Balanceamento de carga em GNU/Linux

Balanceamento de carga em GNU/Linux Balanceamento de carga em GNU/Linux O que temos e o que falta? Fernanda G Weiden Google's mission To organize the world s information and make it universally accessible and useful Introdução Serviço no

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

Iniciando a configuração do BOT

Iniciando a configuração do BOT Iniciando a configuração do BOT Traduzido por: Antonio Edivaldo de O. Gaspar, edivaldo.gaspar(at)gmail(dot)com Texto original: http://www.blockouttraffic.de/gettingstarted.php Revisado em: 25/07/06 09:00

Leia mais

Cisco ASA Firewall Guia Prático

Cisco ASA Firewall Guia Prático Cisco ASA Firewall Guia Prático 2014 v1.0 Renato Pesca 1 Sumário 2 Topologia... 3 3 Preparação do Appliance... 3 3.1 Configurações de Rede... 7 3.2 Configurações de Rotas... 8 3.3 Root Básico... 9 3.4

Leia mais

Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3

Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3 Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3 http://www.dslink.com.br/ Índice Como conectar o modem DSLink 260E ao meu computador?... 3 Configurando o modem como

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway. Resumo

ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway. Resumo ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway Radamés Bett Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, outubro de 2010 Resumo

Leia mais

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede Entregar um relatório contendo introdução, desenvolvimento e conclusão. A seção desenvolvimento pode conter

Leia mais

AULA 6: SERVIDOR DNS EM WINDOWS SERVER

AULA 6: SERVIDOR DNS EM WINDOWS SERVER AULA 6: SERVIDOR DNS EM WINDOWS SERVER Objetivo: Instalar e detalhar o funcionamento de um Servidor de DNS (Domain Name System) no sistema operacional Microsoft Windows 2003 Server. Ferramentas: - ISO

Leia mais

O Servidor de impressão DP-301U atende a seguinte topologia: Com o DP-301U pode ser conectada uma impressora USB.

O Servidor de impressão DP-301U atende a seguinte topologia: Com o DP-301U pode ser conectada uma impressora USB. O Servidor de impressão DP-301U atende a seguinte topologia: Com o DP-301U pode ser conectada uma impressora USB. 1 1- Para realizar o procedimento de configuração o DP-301U deve ser conectado via cabo

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

O Servidor de impressão DP-300U atende a seguinte topologia: Podem ser conectadas 2 impressoras Paralelas e 1 USB.

O Servidor de impressão DP-300U atende a seguinte topologia: Podem ser conectadas 2 impressoras Paralelas e 1 USB. O Servidor de impressão DP-300U atende a seguinte topologia: Podem ser conectadas 2 impressoras Paralelas e 1 USB. 1 1- Para realizar o procedimento de configuração o DP-300U deve ser conectado via cabo

Leia mais

Como utilizar a central de gerenciamento VPN.

Como utilizar a central de gerenciamento VPN. Como utilizar a central de gerenciamento VPN. Construir conexões VPN entre vários roteadores pode ser uma tarefa demorada. Em cada um dos roteadores há diversos parâmetros que precisam ser sincronizados,

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Scripts para Bloquear Sites e Domínios no ISA Server

Scripts para Bloquear Sites e Domínios no ISA Server Scripts para Bloquear Sites e Domínios no ISA Server Introdução Este artigo tem como objetivo fornecer as instruções passo a passo para a criação de script s os quais irão adicionar no ISA Server uma lista

Leia mais

Balanceamento de carga: Conceitos básicos

Balanceamento de carga: Conceitos básicos Balanceamento de carga: Conceitos básicos Introdução A tecnologia de balanceamento de carga está viva e está bem; de fato, ela é a base sobre a qual operam os application delivery controller (ADCs). A

Leia mais

cio Roteamento Linux

cio Roteamento Linux Exercício cio Roteamento Linux Edgard Jamhour Exercícios práticos para configuração de roteamento usando Linux Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

O Protocolo SMTP. Configuração de servidor SMTP

O Protocolo SMTP. Configuração de servidor SMTP O Protocolo SMTP (Simple Mail Transfer Protocol, que se pode traduzir por Protocolo Simples de Transferência de Correio) é o protocolo standard que permite transferir o correio de um servidor a outro em

Leia mais

Configuração de High Availability (HA)

Configuração de High Availability (HA) Configuração de High Availability (HA) O recurso de Alta Disponibilidade, ou High Availability (HA), requer 2 unidades de Firewalls idênticas, com mesma versão de Hardware, Firmware e modelo, e está disponível

Leia mais

Curso: Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Sistemas Distribuídos Professor: Társio Ribeiro Cavalcante

Curso: Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Sistemas Distribuídos Professor: Társio Ribeiro Cavalcante Curso: Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Sistemas Distribuídos Professor: Társio Ribeiro Cavalcante Exercício Cluster Implementar um Cluster em ambiente Windows. Recursos:

Leia mais

Versão 1.3 Abril de 2009. Suplemento do IPv6: Definir Configurações IP e Filtro IP

Versão 1.3 Abril de 2009. Suplemento do IPv6: Definir Configurações IP e Filtro IP Versão 1.3 Abril de 2009 Suplemento do IPv6: Definir Configurações IP e Filtro IP 2009 Xerox Corporation. Todos os direitos reservados. Xerox e o desenho da esfera de conectividade são marcas da Xerox

Leia mais

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc. Endereços IP Endereços IP IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.) precisam ter endereços. Graças

Leia mais

Endereçamento Privado Proxy e NAT. 2008, Edgard Jamhour

Endereçamento Privado Proxy e NAT. 2008, Edgard Jamhour Endereçamento Privado Proxy e NAT Motivação para o Endereçamento IP Privado Crescimento do IPv4 07/2007 490 milhões de hosts 01/2008 542 milhões de hosts IPv4 permite endereçar 4 bilhões de hosts. PREVISÃO

Leia mais

III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Ibirisol Fontes Monitores: Jundaí Abdon.

III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Ibirisol Fontes Monitores: Jundaí Abdon. III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Ibirisol Fontes Monitores: Jundaí Abdon Prática 2 Cenário: Como na prática número 1, temos na figura

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

Escrito por Daniel Donda Ter, 17 de Fevereiro de 2009 18:32 - Última atualização Sáb, 03 de Julho de 2010 23:34

Escrito por Daniel Donda Ter, 17 de Fevereiro de 2009 18:32 - Última atualização Sáb, 03 de Julho de 2010 23:34 Conteúdo Introdução Configurando o Windows Server 2008 Server Core Instalando o Remote Server Administration Tools (RSAT) Configurando o Network Load Balancing (NLB) Adicionando Servidores ao Cluster Gerenciando

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

Certifique-se de que você possui todas as informações necessárias e equipamento em mãos antes de iniciar a instalação.

Certifique-se de que você possui todas as informações necessárias e equipamento em mãos antes de iniciar a instalação. Este produto pode ser configurado utilizando qualquer navegador web atual, como por ex. Internet Explorer 6 ou Netscape Navigator 7 ou superior. DSL-2730B Roteador ADSL Wireless Antes de começar Certifique-se

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

EAI Manual do Administrador

EAI Manual do Administrador EAI Manual do Administrador 1 Definição de Host Application O que é um Host Application? Significa Aplicativo Hospedeiro, é o nome dado ao ambiente EAI que estará executando no seu computador ou em um

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Aplicação. Camada de Aplicação

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Aplicação. Camada de Aplicação Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. A camada da aplicação serve como a janela na qual os utilizadores e processos da aplicação podem

Leia mais

Configuração do cliente de e-mail Outlook 2010 para usuários DAC

Configuração do cliente de e-mail Outlook 2010 para usuários DAC Configuração do cliente de e-mail Outlook 2010 para usuários DAC A. Configurando a autoridade certificadora ICPEdu no Outlook Os certificados utilizados nos serviços de e-mail pop, imap e smtp da DAC foram

Leia mais

III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Italo Valcy Monitor: Marcio Bouças

III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Italo Valcy Monitor: Marcio Bouças III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Italo Valcy Monitor: Marcio Bouças Cenário: A máquina curso-monitoramento possui os softwares de gerencia

Leia mais

Procedimento de Configuração OutLook 2007 para clientes Dentro da Rede Governo

Procedimento de Configuração OutLook 2007 para clientes Dentro da Rede Governo Procedimento de Configuração OutLook 2007 para clientes Dentro da Rede Governo Propriedade: GESUP-PRODEST/ES Data: 10/07/2013 Ver: Exchange Corp. CONFIGURAÇÃO COM OUTLOOK ANYWHERE O Outlook Anywhere proporciona

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

Veja passo a passo como configurar o servidor para entregar aplicações remotamente com o Remote Desktop Services. Neste tutorial você verá

Veja passo a passo como configurar o servidor para entregar aplicações remotamente com o Remote Desktop Services. Neste tutorial você verá Veja passo a passo como configurar o servidor para entregar aplicações remotamente com o Remote Desktop Services. Neste tutorial você verá - Instalação da Role Remote Desktop Services - Configurando Certificado

Leia mais

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com SERVIÇOS DE REDES DE COMPUTADORES Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com Modelo TCP/IP É o protocolo mais usado da atualidade

Leia mais

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep 1. Introdução Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações e sistemas é

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas O DIR 635 tem duas opções para liberação de portas: Virtual server: A opção Virtual Server permite que você defina uma única porta pública

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR

MANUAL DO ADMINISTRADOR WinShare Proxy admin MANUAL DO ADMINISTRADOR Instalação do WinShare Índice 1. Instalação 2. Licenciamento 3. Atribuindo uma senha de acesso ao sistema. 4. Configurações de rede 5. Configurações do SMTP

Leia mais

Acesso Remoto Placas de captura

Acesso Remoto Placas de captura Acesso Remoto Placas de captura 1 instalar o DVR Siga os passos de instalação informados na caixa do produto, após seu perfeito funcionamento vá para próximo passo. 2 Configurá-lo na rede Local O computador

Leia mais

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Manual do Nscontrol Principal Senha Admin Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Aqui, você poderá selecionar quais programas você quer que

Leia mais

Seu manual do usuário BLACKBERRY INTERNET SERVICE http://pt.yourpdfguides.com/dref/1117388

Seu manual do usuário BLACKBERRY INTERNET SERVICE http://pt.yourpdfguides.com/dref/1117388 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para BLACKBERRY INTERNET SERVICE. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a

Leia mais

1. DHCP a. Reserva de IP

1. DHCP a. Reserva de IP Configuração de recursos do roteador wireless Tenda 1. DHCP a. Reserva de IP Ao se conectar uma rede que possua servidor DHCP, o host recebe um IP dentro da faixa de distribuição. A cada conexão, o host

Leia mais

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL Documento: Tutorial Autor: Iuri Sonego Cardoso Data: 27/05/2005 E-mail: iuri@scripthome.cjb.net Home Page: http://www.scripthome.cjb.net ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

Leia mais

Guia de Utilização da IHM Touch Screen Rockwell. Realização:

Guia de Utilização da IHM Touch Screen Rockwell. Realização: Guia de Utilização da IHM Touch Screen Rockwell Realização: Thiago de Oliveira Felipe Guilherme Stein Joinville Santa Catarina Outubro de 2010 INTRODUÇÃO Analisando os processos de manufatura e o desenvolvimento

Leia mais

Online Help StruxureWare Data Center Expert

Online Help StruxureWare Data Center Expert Online Help StruxureWare Data Center Expert Version 7.2.7 Appliance virtual do StruxureWare Data Center Expert O servidor do StruxureWare Data Center Expert 7.2 está agora disponível como um appliance

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

GUIA DE CONFIGURAÇÃO CONEXÕES VPN SSL (CLIENT TO SERVER)

GUIA DE CONFIGURAÇÃO CONEXÕES VPN SSL (CLIENT TO SERVER) GUIA DE CONFIGURAÇÃO CONEXÕES VPN SSL (CLIENT TO SERVER) Conexões VPN SSL (Client to Server) 1- Introdução Uma VPN (Virtual Private Network, ou rede virtual privada) é, como o nome sugere, uma rede virtual,

Leia mais

MULTIPLOS LINKS DE INTERNET, BALANCEAMENTO DE TRÁFEGO E GERENCIAMENTO DE FALHAS

MULTIPLOS LINKS DE INTERNET, BALANCEAMENTO DE TRÁFEGO E GERENCIAMENTO DE FALHAS MULTIPLOS LINKS DE INTERNET, BALANCEAMENTO DE TRÁFEGO E GERENCIAMENTO DE FALHAS O objetivo deste documento é descrever a criação de um roteador para acessar uma rede que use várias conexões de Internet,

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração para Revendedores e Assinantes Virtual Server.

Manual de Instalação e Configuração para Revendedores e Assinantes Virtual Server. Manual de Instalação e Configuração para Revendedores e Assinantes Virtual Server. Parte I Cadastrando Sites no painel de controle Parte II Criando E-mail Parte III Configurando o Outlook do Cliente Última

Leia mais

Maker Planet www.makerplanet.com Manual do Usuário

Maker Planet www.makerplanet.com Manual do Usuário Maker Planet www.makerplanet.com Manual do Usuário Atenção: Este é o rascunho inicial deste documento, visite o Maker Planet.COM (HTTP://www.makerplanet.com/) para obter as atualizações deste documento.

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

Módulo e-rede Prestashop v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede Prestashop v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede Prestashop v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Instruções iniciais 4 4.2 Instalação

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Serviços de Servidor TCP/IP Fabricio Breve Internet Information Services (IIS) Conjunto de serviços baseados em TCP/IP executados em um mesmo

Leia mais

Passo 1: Abra seu navegador e digite http://www.no-ip.com. Passo 2: Na tela que surgir, clique em Get Started.

Passo 1: Abra seu navegador e digite http://www.no-ip.com. Passo 2: Na tela que surgir, clique em Get Started. 1 - Como obter seu DNS Dinâmico no No-IP O No-IP, é um sistema de DNS (Domain Name Server), que converte o seu endereço IP em um nome. O que o No-IP faz, é converter o nome do tipo minhacameraip.no-ip.org

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

Sumário 1. INTRODUÇÃO... 5 2. INSTALAÇÃO... 8 3. ASSISTENTE DE CONFIGURAÇÃO... 10 4. ADMINISTRADOR DO WINCONNECTION 6... 18

Sumário 1. INTRODUÇÃO... 5 2. INSTALAÇÃO... 8 3. ASSISTENTE DE CONFIGURAÇÃO... 10 4. ADMINISTRADOR DO WINCONNECTION 6... 18 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1. CARACTERÍSTICAS DO WINCONNECTION 6?... 5 2. INSTALAÇÃO... 8 2.1. REQUISITOS DE SOFTWARE... 8 2.2. REQUISITOS DE HARDWARE... 8 2.3. ANTES DE INSTALAR... 8 2.4. INSTALANDO

Leia mais

Esta nota apresenta como definir o SSL VPN no roteador Vigor.

Esta nota apresenta como definir o SSL VPN no roteador Vigor. Como configurar o SSL para VPN Esta nota apresenta como definir o SSL VPN no roteador Vigor. Dividiremos o tutorial em cinco partes: Parte A: Como criar uma conta de SSL. Parte B: Como configurar a segurança

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 - MANUAL

Leia mais

Iptables. Adailton Saraiva Sérgio Nery Simões

Iptables. Adailton Saraiva Sérgio Nery Simões Iptables Adailton Saraiva Sérgio Nery Simões Sumário Histórico Definições Tabelas Chains Opções do Iptables Tabela NAT Outros Módulos Histórico Histórico Ipfwadm Ferramenta padrão para o Kernel anterior

Leia mais

Ilustração 1: Componentes do controle de acesso IEEE 802.1x

Ilustração 1: Componentes do controle de acesso IEEE 802.1x Laboratório de RCO2 10 o experimento Objetivos: i) Configurar o controle de acesso IEEE 802.1x em uma LAN ii) Usar VLANs dinâmicas baseadas em usuário Introdução A norma IEEE 802.1x define o controle de

Leia mais

Proxy. Krishna Tateneni Tradução: Lisiane Sztoltz Tradução: Marcus Gama

Proxy. Krishna Tateneni Tradução: Lisiane Sztoltz Tradução: Marcus Gama Krishna Tateneni Tradução: Lisiane Sztoltz Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Proxies 4 1.1 Introdução.......................................... 4 1.2 Uso..............................................

Leia mais

Configuração de Conta - Passo a Passo Outlook Express

Configuração de Conta - Passo a Passo Outlook Express Configuração de Conta - Passo a Passo Outlook Express Explicação do 1º PASSO Na "Barra de menus" do Outlook Express clique em "Ferramentas", depois em "Contas..." Explicação do 2º PASSO Abrirá a janela

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

STK (Start Kit DARUMA) Conectando-se diretamente a sua aplicação via TS com o MT1000 Daruma

STK (Start Kit DARUMA) Conectando-se diretamente a sua aplicação via TS com o MT1000 Daruma STK (Start Kit DARUMA) Conectando-se diretamente a sua aplicação via TS com o MT1000 Daruma Neste STK apresentaremos como configurar seu servidor Windows 2008 R2 para abrir diretamente sua aplicação ao

Leia mais

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML...

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML... 1 Sumário 1 Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 3 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Índice. 1. Conexão do Hardware...03. 2. Configuração do computador...05. 2.1. Sistema Operacional Windows 2000 ou Windows XP...05

Índice. 1. Conexão do Hardware...03. 2. Configuração do computador...05. 2.1. Sistema Operacional Windows 2000 ou Windows XP...05 Índice 1. Conexão do Hardware...03 2. Configuração do computador...05 2.1. Sistema Operacional Windows 2000 ou Windows XP...05 2.2. Sistema Operacional Windows Vista ou Windows 7...07 3. Assistente de

Leia mais

Omega Tecnologia Manual Omega Hosting

Omega Tecnologia Manual Omega Hosting Omega Tecnologia Manual Omega Hosting 1 2 Índice Sobre o Omega Hosting... 3 1 Primeiro Acesso... 4 2 Tela Inicial...5 2.1 Área de menu... 5 2.2 Área de navegação... 7 3 Itens do painel de Controle... 8

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Manual de configuração de clientes de email para o novo serviço de email da Ufersa baseado na plataforma Google/Gmail

Manual de configuração de clientes de email para o novo serviço de email da Ufersa baseado na plataforma Google/Gmail Universidade Federal Rural do Semi-árido Superintendência de Tecnologia da Informação e comunicação Manual de configuração de clientes de email para o novo serviço de email da Ufersa baseado na plataforma

Leia mais

Backups Via FTP (File Transfer Protocol)

Backups Via FTP (File Transfer Protocol) O que é FTP? Backups Via FTP (File Transfer Protocol) FTP significa File Transfer Protocol (Protocolo de Transferência de Arquivos), e é uma forma bastante rápida e versátil de transferir arquivos, sendo

Leia mais

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Manual de utilização do sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Sistema integrado de controle médico Acesso... 3 Menu principal... 4 Cadastrar... 6 Cadastro de pacientes... 6 Convênios... 10

Leia mais

Módulo e-rede Magento v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede Magento v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede Magento v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Instruções iniciais 4 4.2 Instalação

Leia mais

Procedimento para configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimento para configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimento para configuração de Redirecionamento de Portas 1- Para realizar a configuração de redirecionamento de portas o computador deve estar conectado via cabo Ethernet em uma das portas LAN do

Leia mais

A Camada de Aplicação

A Camada de Aplicação A Camada de Aplicação Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Afinal, o que faz a camada de aplicação?... 2 Paradigma Cliente/Servidor [4]... 2 Endereçamento... 2 Tipo de Serviço... 2

Leia mais

Capítulo 11: NAT para IPv4

Capítulo 11: NAT para IPv4 Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 11: NAT para IPv4 Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1 Capítulo 11 11.0

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp.

Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp. Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp. Após ter criado um diretório virtual, quer seja de http ou de ftp, você pode configurar uma série de opções para este diretório. As configurações

Leia mais

S.S. Configuração da VPN em Windows 2000. Sérgio Sousa Documentação. Redes Informáticas. Doc s. S.S. Doc s Página 1 de 7

S.S. Configuração da VPN em Windows 2000. Sérgio Sousa Documentação. Redes Informáticas. Doc s. S.S. Doc s Página 1 de 7 S.S Sérgio Sousa Documentação Doc s Redes Informáticas Configuração da VPN em Windows 2000 S.S. Doc s Página 1 Configurando a VPN no Windows 2000 Para que um host de uma rede ou domínio se conecte em sua

Leia mais

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X A primeira coisa a analisarmos é onde ficará posicionado o servidor de Raio-x na rede do cliente, abaixo será colocado três situações básicas e comuns

Leia mais

Manual de Transferência de Arquivos

Manual de Transferência de Arquivos O Manual de Transferência de Arquivos apresenta a ferramenta WebEDI que será utilizada entre FGC/IMS e as Instituições Financeiras para troca de arquivos. Manual de Transferência de Arquivos WebEDI Versão

Leia mais

Configurando o Balanceamento de Carga em Concentradores VPN 3000

Configurando o Balanceamento de Carga em Concentradores VPN 3000 Configurando o Balanceamento de Carga em Concentradores VPN 3000 Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Principais definições Diagrama de Rede Endereços Restrições

Leia mais

Manual de Integração Magento TrayCheckout Transparente

Manual de Integração Magento TrayCheckout Transparente Manual de Integração Magento TrayCheckout Transparente Versão 1.0 CONTEÚDO 1. MÓDULO DE INTEGRAÇÃO MAGENTO E API TRAYCHECKOUT... 3 2. INSTALAÇÂO DO MÓDULO TRAYCHECKOUT... 3 2.1. Instalação do Método de

Leia mais

Smart Multi-Loja. Guia de Configuração. Software de Gerenciamento de Balanças. Versão 1.00. Smart Software de Gerenciamento de Balanças 1/10

Smart Multi-Loja. Guia de Configuração. Software de Gerenciamento de Balanças. Versão 1.00. Smart Software de Gerenciamento de Balanças 1/10 Smart Multi-Loja Software de Gerenciamento de Balanças Guia de Configuração Versão 1.00 1/10 Introdução O Smart - Multi Lojas tem o objetivo de centralizar a operação do software Smart instalado em cada

Leia mais

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR 1 - Integra Services Atenção: o Integra Services está disponível a partir da versão 2.0 do software Urano Integra. O Integra Services é um aplicativo que faz parte

Leia mais