RAIMUNDO ANTONIO DA ROCHA LIMA: A PALAVRA-AÇÃO EM PUNHO DO GLADIADOR DO PENSAMENTO NA CIDADE DE FORTALEZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RAIMUNDO ANTONIO DA ROCHA LIMA: A PALAVRA-AÇÃO EM PUNHO DO GLADIADOR DO PENSAMENTO NA CIDADE DE FORTALEZA"

Transcrição

1 RAIMUNDO ANTONIO DA ROCHA LIMA: A PALAVRA-AÇÃO EM PUNHO DO GLADIADOR DO PENSAMENTO NA CIDADE DE FORTALEZA Ariane Bastos Gonçalves de Araujo * A vida de Raimundo Antonio da Rocha Lima não foi o que está escrito sobre ele, e nem o será nas escritas futuras. Acredito no que escrevo, por isso escrevo uma verdade sobre Rocha Lima. Como disse Certeau, A escrita da história traz de volta os mortos, reinscrevendo-os na vida a partir de sua transformação em matéria prima de uma narrativa (CERTEAU, 1982: ). A narrativa compreende um ato de exteriorização de eventos sucessivos. O universo da narrativa está rigorosamente delimitado pela existência de uma personagem e uma ação. Narrar é expor um acontecimento num tempo e lugar, marcado por uma intriga e ações secundárias que dão movimento à ação principal, ação que significa o acontecimento e valoriza a personagem, podendo ser um sujeito, ou um objeto, ou até um sentimento ou ideia 1. A narrativa possibilita o retorno do morto ao historiador, paradoxalmente o esconde entre o jogo das estratégias discursivas. O processo de interpretação exige intérpretes que: [...] são veículos de lógicas sociais e de estratégias individuais [ ] exprimemse através de modelos discursivos e fazem-se eco das crenças e valores (e respectivos combates) próprios do seu tempo [ ] apesar disso, a interpretação que produzem não se esgota necessariamente na interacção das lógicas com as temporalidades e as dinâmicas interpretativas. (MAURÍCIO, 2005: 12) A interpretação é um processo de revelar e esconder sentidos, de (re)criar sujeitos históricos. A escrita do historiador não é um inventário frio que relata os acontecimentos como objetos vazios de experiências e significados. A escrita é sempre escolha. Modos de elaboração, argumentação. Historiar um acontecimento é também organizar um discurso, uma narrativa, selecionando o que deve e o que não deve ser escrito. Essa narrativa é fundamentada numa estrutura explicativa, a qual significa o acontecimento e cria um efeito de verdade, uma representação do passado. Rocha Lima existiu. Cearense, nasceu em Fortaleza, 1855, filho póstumo de * Mestranda do Programa de Pós-graduação em História e Culturas (UECE) e bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). 1 História da doença, do beijo, das sensibilidades, das estruturas etc. 1

2 Raimundo Antonio da Rocha Lima e de Maria Amália de Albuquerque (NOBRE, 1965: 11-17). Cresceu entre três senhoras viúvas: D. Antônia Felismina, a avó; D. Maria Amália, a mãe; e D. Francisca Xavier de Albuquerque, a tia e preceptora, professora e dona da casa na Rua da Misericórdia defronte ao Passeio Público onde todos moravam e funcionava uma escola para meninas, na qual Rocha Lima iniciou seus estudos (ABREU, 1968: 71). Os estudos secundários foram feitos no Atheneu 2 e no Liceu, respectivamente, em 1865 e Em 1870 funda com João Lopes Ferreira Filho, Fausto Domingos da Silva e Manoel do Nascimento Castro e Silva a associação Fênix Estudantal sob o patrocínio de Luís de Gonzaga, e em 1871 à custa de muitos esforços e auxiliada pela província, sua mãe pôde mandá-lo para Pernambuco. Separado dos seus, Rocha Lima continuou ali o mesmo sistema de vida (ABREU, 1968: 72) de dedicar todo o seu tempo livre para leituras na biblioteca do Convento do Carmo, onde foi morar. Retornando à Fortaleza no mesmo ano, devido sua condição de saúde. Em 1872 inicia reuniões para leitura e debate de ideias e autores ora em sua casa, ora na de Pompeu Filho, denominadas de Academia Francesa passando à historiografia como um movimento lítero-filosófico ocorrido na cidade de Fortaleza entre os anos de 1873 e 1875, tendo como membros Raimundo Antonio da Rocha Lima, Capistrano de Abreu, Pompeu Filho, João Lopes Ferreira Filho, Dr. Melo, Xilderico de Farias, Araripe Júnior, Varela, Felino Barroso e França Leite. Inicia sua participação no editorial do jornal Fraternidade 3,, em 1873, depois de ser-lhe garantida a mais ampla liberdade de idéias e movimentos (ABREU, 1968: 76) e em 31 de maio de 1874 funda, juntamente com João Lopes Ferreira Filho, Joaquim Hermano de Castro e Silva e Joaquim Lino de Oliveira, a Escola Popular direcionada ao ensino gratuito de operários e desvalidos (CÂMARA, 1999). Em 2 de fevereiro de 1876, Rocha Lima chega ao Rio de Janeiro para assumir uma posição de lente no Colégio Aquino. Entretanto retorna à Fortaleza dois meses depois, devido à morte de sua tia D. Francisca Xavier de Albuquerque. Desde então, continuou seus afazeres de 2 Em todas as citações neste projeto respeitamos a ortografia original e não recorremos ao uso do sic por considerarmos que pela imensa quantidade prejudicariam a leitura. 3 O jornal maçom FRATERNIDADE circulava as terças feiras na cidade de Fortaleza. O primeiro exemplar circulou em 04 de novembro de 1873 e o último em 27 de abril de Os exemplares microfilmados da Biblioteca Pública Menezes Pimentel do Ceará informam serem seus redatores: Thomas Pompeu Filho, Araripe Júnior, João Lopes Ferreira Filho, Xilderico de Farias e João Brígido dos Santos; e colaboradores: Rocha Lima, Dr. Basson e o Pe. Senador Thomas Pompeu. 2

3 amanuense com horas extras a cumprir na Biblioteca Pública até 1878, quando faleceu vítima de beribéri em Maranguape. Seus restos mortais jazem no cemitério João Batista, em Fortaleza. Fim da Academia Francesa enquanto ideal. A Academia Francesa não foi uma instituição formal com registros documentais de sua formação e funções a cumprir. Foi muito mais um símbolo a unir jovens letrados num ideal de transformar e construir um projeto de sociedade num período de fortes confrontos de ideais na cidade de Fortaleza, o que para história legitimou-se como a moderna geração de 1870, década marcada na historiografia principalmente pelos confrontos entre liberais e conservadores católicos (CORDEIRO, 1997), pela revoada de ideias novas que chegavam do velho continente europeu construindo um repertório de leituras, condicionando um tipo de intelectual (OLIVEIRA, 2002), pelas sociabilidades maçônicas (ABREU, 2009) e de oposição entre os velhos e os modernos (CORDEIRO, 1997) assim como a moda e os costumes considerados civilizados. Preocupações com salubridade e principalmente a segurança devido às grandes levas de retirantes que a partir da grande seca de 1877 chegavam à Fortaleza. Neste ambiente social e cultural evocamos o morto Raimundo Antonio da Rocha Lima, apontado como centro convergente das ações da Academia Francesa, para compreender a partir de sua escrita e outros vestígios de sua trajetória de vida, o ideal de construir a Acrópole Ideal e formar o cidadão a viver nesta cidade. Sendo a cidade, por excelência, o lugar do homem (PESAVENTO, 1999: 9), a Acrópole Ideal seria o lugar desejado por Rocha Lima. Nem barro, nem pedra ou o areal, ou os anseios da modernidade que despertavam na cidade de Fortaleza em fins do século XIX, movimentavam sua metaforização do social ( ). Ou seja, as representações da cidade tendem a assumir uma forma metafórica de expressão, com apelo a palavras e coisas que, associadas ao conceito de cidade, lhe atribuem um outro sentido (PESAVENTO, Id.). O sentido colocado por Rocha Lima (de)marcava um lugar de ações humanas solidárias em prol de realizar, o febril sonho do éden perdido pela culpa de Adão (ROCHA LIMA, 1968: 339), a construção da cidade ideal, um paraíso terreno no tempo presente para toda a sociedade. Concretizada por uma legião de anjos revoltados ( ) em um Estado que seja o templo da justiça, erguido em uma sociedade que seja a Jerusalém da ordem e da liberdade (ROCHA LIMA, 1968: Id.). Sua cidade era social e política, nascida das relações sociais e da participação de seus 3

4 habitantes. Para tanto, era preciso fornecer o instrumento necessário para a formação do cidadão ideal: o conhecimento, produto da inteligência humana. A palavra dorme quieta, pelo olhar ela desperta 4. O historiador desperta mortos, transformando-os em matéria-prima de sua narrativa histórica. Rocha Lima existiu. Seu retorno é possível pela escrita da história que aqui é tomada como uma presença física do ausente, um campo narrativo que produz sentidos, entretanto é incapaz de apreender o sujeito em todas as suas manifestações. O passado chega ao olhar do historiador deformado, sua leitura é distorcida pela distância entre o que observa e o que é observado. Cabe ao historiador criar um lugar e um sentido que justifique o retorno do morto. A operação historiográfica concretiza esse retorno ao possibilitar uma certa prática, um procedimento científico, um fazer histórico. Optamos por trazer Rocha Lima através da análise de sua escrita, de compreender os sentidos, os rastros deixados por ele em seus discursos, críticas e textos. Por compreendemos a escrita enquanto uma prática social, um produto cultural, portadora de uma poética cultural, ou seja, de marcas sócio-culturais: ideias, imagens, imaginários, costumes que circulam em determinada época histórica. A perspectiva do estudo da Cultura Escrita permite-nos uma aproximação e compreensão não apenas do que um escritor/autor quis dizer ou disse, como também compreender quais as condições sociais e culturais possibilitaram e influenciaram a sua escrita; as relações entre seus escritos e o meio social em que atuava. Permite-nos ainda representar práticas de leitura e escrita, modos de perceber e expressar o mundo num dado espaço e momento. Nossa pesquisa intitulada Raimundo Antonio da Rocha Lima: a palavra-ação em punho do Gladiador do Pensamento na cidade de Fortaleza objetiva analisar os escritos de Rocha Lima para compreender seu pensamento e seu ideal de constituição da Acrópole Ideal. Eis o âmago do pensamento e das ações de Rocha Lima, a Acrópole Ideal sintetiza, a nosso ver, o seu ideal de civilização. Na qual, as sociedades humanas seriam movidas por sentimentos e ações solidárias em busca da felicidade e do bem comum. Ponto problematizador das leituras feitas por Rocha Lima, e de como essas leituras foram apropriadas e utilizadas em sua escrita. Os conceitos de palavra-ação e gladiador do pensamento contemplam reflexões 4 Inspirado no poema No Livro de Maria da Graça Landell de Moura. 4

5 do próprio Rocha Lima em seus escritos. Trabalhamos o recorte temporal de 1874 a 1878 por ser o período de produção escrita de Rocha Lima, referentes a discursos, estudos e críticas à autores e livros publicados nos jornais: Constituição 5, Cearense 6 e Fraternidade 7, sendo postumamente reunidos na obra Crítica e Literatura 8. Uma vez que, esses escritos nos possibilitam mapear, analisar e compreender o pensamento e o ideal de Rocha Lima. Mesmo os textos classificados como de análise literária, são fundamentais porque serve de pano de fundo para Rocha Lima estar discutindo a sociedade e o indivíduo; o cidadão, o Estado e a política; a ciência, a moral, o conhecimento e o papel do pensador; enfim, todos os conceitos que fundamentam sua análise e os métodos possíveis para a construção da Acrópole Ideal. Djacir Menezes percebeu esta característica de escrita em Rocha Lima: a intuição filosófica predomina de tal maneira nas críticas de Rocha Lima que os autores criticados são muitas vezes pretextos para a explanação de suas idéias (MENEZES, 1968: 51-52). Acompanhemos seu discurso pronunciado perante o Gabinete Cearense de Leitura, na sessão solene do 2º aniversário, a 2 (dois) de dezembro de 1877 sobre as ações humanas de construir uma civilização: ( ) a [ação] que fazemos hoje, começou no dia da primeira interrogação desassombrada do pensamento ao problema do universo, e só terminará com o último lampejo do cérebro, com o último alento dos músculos, com o derradeiro clarão do sentimento. Na turma dos seus operários encontra-se o pensador com a síntese e o artífice com a ferramenta, o sábio com a experiência e o artista com a inspiração, o filósofo com o método e o escritor com o estilo, ao lado da mulher com o amor, e da criança com a inocência. E tôda essa legião de anjos revoltados contra a imperfeição de sua natureza, a invadir as escolas, as oficinas, os museus, as bibliotecas, os laboratórios, a refundir nesses crisóis o ouro de suas idéias e sentimentos, para com êle firmar o trono de sua divina majestade, em um Estado que seja o templo da justiça, erguido em uma 5 Jornal Constituição ( ), órgão conservador adiantando, em oposição às ideias pregadas pelo jornal Pedro II, também conservador, oriundo do rompimento de Domingos Jaguaribe e Joaquim da Cunha Freire do jornal Pedro II. Cf. FERNANDES, Ana Carla Sabino. A Imprensa em pauta: jornais Pedro II, Cearense e Constituição. Fortaleza: Museu do Ceará/SECULT, 2006: Jornal Cearense ( ), órgão liberal, fruto do jornal Vinte e Três de Julho, de 1840, órgão político fundado para comemorar a ascensão liberal à presidência cearense, com a posse do senador Alencar. A partir de 1846, com a cisão do partido Liberal cearense, passa a ser chamado de Cearense. Id. Ibid. p O semanário Fraternidade circulava as terças feiras na cidade de Fortaleza. O primeiro exemplar circulou em 04 de novembro de 1873 e o último em 27 de abril de Trazia na abertura de sua página: "Fraternidade, Fortaleza, Ceará, Organ dedicado a causa da Humanidade, propriedade da Aug Loj Frat Cearense. ORLO AB CAHAO. Typografia Brazileira", Impresso por Francisco Perdigão. 8 Publicada no Maranhão em

6 sociedade que seja a Jerusalém da ordem e da liberdade: - eis a cidade do futuro, onde cada habitante terá no cérebro um foco de luz, no coração um lago de amor! Nessa acrópole ideal, a dominar todos os espíritos, sob a hegemonia da verdade e da justiça realizaremos, nós o febril sonho do éden perdido pela culpa de Adão, segundo a lenda bíblica, e que as religiões prometem além do túmulo, à custa de martírios sofridos neste mundo. (ROCHA LIMA, 1968: ) Dentre os anjos revoltados evocados em seu discurso, acreditamos que Rocha Lima considerava-se o filósofo com o método, responsável pela palavra-ação: o pensar reflexivo e o como fazer. Com uma linguagem argumentativa e poética, expôs em seus artigos os seus ideais de moral, ciência, política, sociedade, progresso, civilização, verdade e amor. Seus discursos giravam em torno do uso da inteligência como guia da conduta social do cidadão, da construção da acrópole ideal, baseada na liberdade, igualdade e fraternidade. Os escritos de Rocha Lima são fragmentos de um texto maior, o seu ideal, que em conjunto formam um plano de ação. O fim é a felicidade humana neste mundo, compartilhada na Acrópole Ideal. Os meios são efetivados pela inteligência e pela vontade, marcadas por uma sociedade solidária e participativa. Observa-se que as palavras inteligência e vontade funcionam como pontos irradiadores que interligam as ideias defendidas por Rocha Lima, assim como pontos de conexão entre todos os seus escritos. As compreendemos enquanto palavra-ação, ou seja, expressão do pensamento-ação. Por exemplo: inteligência, enquanto palavra-ação, tem o papel de movimentar/modificar as práticas sociais, pois para Rocha Lima a inteligência possibilita a construção de uma moral baseada na razão e na experiência social, liberta da ignorância, do medo e da inércia. Vós, Srs. do Gabinete, empreendeis destruir o obstáculo ( ) da ignorância. Aniquilando-o, aniquilareis todos os males, pois a ignorância protege a inércia nos músculos, o vício na consciência, o crime na sociedade, como a treva protege as feras nas cavernas e os salteadores nas estradas. (...) Examinai, portanto, essas vantagens para poderdes concertar o vosso plano de ataque. Vêde-a: a ignorância possui o exército imenso dos ociosos: seus soldados alimentam-se de preconceitos, fardam-se de arrogância, vivem escondidos na trincheira da inércia para só saírem a batalhar no campo da rotina, tendo por armas a indiferença e por tática a intolerância. Ainda com tôdas essas superioridades vós podeis vencê-la. (ROCHA LIMA, 1968: ) Rocha Lima, um gladiador do pensamento, buscou através dos círculos que congregou em torno de si: Fênix Estudantal, Academia Francesa e Escola Popular os 6

7 meios de realizar seu plano de vida, que tem como início o ano de Capistrano de Abreu afirma que neste ano ocorreu um fato, o mais importante da vida de Rocha Lima, no retiro do Jacarecanga, onde ao chegar de Recife fora convalescer, diante da esfinge da morte constituiu o seu plano: Sob os cajueirais hoje mirrados como uma caravana de múmias, naqueles areais brancos ( ) antolhou-se o problema da vida em tôda a sua eloqüência. A visão aterrorizou-o, mas êle não procurou fechar os olhos à esfinge nem afugentá-la com esconjuros e exorcismos: ao contrário olhou-a em face e jurou vencê-la. Data daqui o seu plano de vida, êste plano a que sempre foi fiel, mais fiel à medida que mais fortes se tornavam as tentações. Uma vez disse-me: quando fui para Jacarecanga tinha 16 anos, quando voltei tinha cinqüenta. (ABREU: 72-73) A Academia Francesa é um ponto-chave para compreensão da atuação de Rocha Lima, a consideramos como símbolo e materialização do seu plano de vida. Consideramos que o ano de 1871 também marca o início da Academia Francesa, e o ano de 1878, o seu fim com a morte de Rocha Lima. Desta forma, tencionamos as balizas da historiografia e a história literária que consideram o período de atuação entre 1873 e 1875, coincidindo e justificando seu término com o fim da Questão Religiosa e da circulação do jornal maçom Fraternidade. Capistrano de Abreu informa sobre o fim de uma existência em comum do grupo, mas não sobre o fim a Academia Francesa: Era na casa de Rocha Lima que reuniam-se os membros do que chamávamos Academia Francesa. Quanta ilusão! Quanta fôrça, quanta mocidade! ( ) Essa existência em comum durou até princípios de Então uns retiraram-se da província; outros entraram em carreiras e ocupações contraditórias com a essência da Academia, outros acharam que a comédia se prolongara por demais, e lançaram para longe a máscara a que deviam a introdução no santuário. O isolamento a que Rocha Lima desde esta época se condenou foi um sofrimento bem doloroso para a sua alma sonhadora e meiga. (ROCHA LIMA: 78-79) Refletir sobre o lugar social do Rocha Lima, assim como, a sua formação e a convivência com os amigos dos círculos formados por ele permitem compreender a ação da Academia Francesa, o seu pensamento e o seu sentimento de ataraxia devorante que o tomou, citado por Capistrano de Abreu ao expor o momento de isolamento e sofrimento de Rocha Lima a partir de 1875: O círculo da família em que era tão amado não lhe bastava. Os estudos a que se entregava com avidez cada dia maior não podiam satisfazê-lo, e preocupações positivas chamavam-no a uma realidade torpe, que feria todos os seus instintos. 7

8 Possuía-o, pois, um desengano gélido, uma ataraxia devorante que escondia estoicamente, mas que por mais de uma vez irrompe em suas cartas e confidências. Julgou que o estado cessaria com a mudança para o Rio de Janeiro. Eis como se exprime em uma carta: creio em sua fé e redenção, nos seus milagres e profecias. Pretendia fazer para ti o jornal de minhas crenças psíquicas, porém vejo ser uma inutilidade: desde tua partida só analiso uma idéia, só palpito por um sentimento, só me alimento de uma esperança, só sonho com um ideal! (ABREU, 1968:79-80) Eis a frase que (de)marcou o início de nossa busca: só sonho com um ideal!. Compreender os escritos de Rocha Lima significa aproximarmos do seu mundo, de suas experiências de vida, da cidade de Fortaleza vista, percebida e imaginada (PESAVENTO, 2007) por ele. Sua escrita possibilita, problematiza e tensiona as certezas historiográficas de um Rocha Lima positivista, intelectual determinado e justificado pela sua época. Entendendo a construção biográfica como um jogo de estratégias narrativas, uma metabiografia (MAURÍCIO, 2005), no lugar de fabricar uma coerência biográfica, buscamos compreender as experiências vividas por Rocha Lima, assim como seu pensamento, suas práticas sociais e seu ideal de construção da Acrópole Ideal através do estudo de seus escritos e nos demais vestígios. Nosso olhar indiciário busca desviar momentaneamente da explicação das grandes estruturas sociais e culturais, e lançar luzes nas razões práticas e simbólicas de um sujeito histórico articulado as diversas dinâmicas sociais. Ressaltando a visão de que podemos nos aproximar da realidade vivida por Rocha Lima, considerando que os sujeitos falam de um lugar social, coletivo e histórico, negociando o que pode e deve ser dito. Somente nesse lugar constituinte, o discurso/a leitura/a escrita vai ter um dado efeito de sentido e verdade. Ainda não conseguimos reproduzir na escrita, o que se consegue na música: harmonizar diferentes notas musicais, sem perder suas características individuais. Reconhecer nossa fragilidade em reger as várias vozes do passado e do presente, e as teorias que as (re)significam é o primeiro passo ao diálogo franco e aberto. É aceitar o fato de que somos atingidos de modos diferentes pelas ideias e pensamentos, mas não devemos negar, silenciar o que nos contradiz, o que nos ameaça, enquanto "fazedores" de uma verdade histórica. 8

9 Referências Bibliográficas ABREU, Berenice. Intrépidos Romeiros do Progresso: maçons cearenses no império. Fortaleza: Museu do Ceará/Secult, ABREU, João H. Capistrano de. Raimundo Antonio da Rocha Lima. In: ROCHA LIMA, R. A. da. Crítica e Literatura. 3ªed. Fortaleza: UFC, ARAUJO, Ariane Bastos G. de. Itinerários Historiográficos: análise da constituição de narrativas historiográficas sobre a Academia Francesa. Monografia. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará, AZEVEDO, Sânzio. A Academia Francesa do Ceará ( ). Fortaleza: Casa José de Alencar/ Imprensa Universitária, CÂMARA, J. A. Saraiva. Capistrano de Abreu: uma tentativa biobibliográfica. 2ª ed. Fortaleza: Casa José de Alencar, UFC, CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, CORDEIRO, Celeste. Antigos e modernos no Ceará Provincial. São Paulo: Annablume, GONÇALVES, Adelaide. Muitos Tipos na Educação para os Pobres: imprensa e instrução no Ceará de fins do século XIX aos anos In: Documentos. Revista do Arquivo Público do Ceará: história e educação n2. Fortaleza: Arquivo Público do Estado do Ceará, MAURÍCIO, Carlos. A Invenção de Oliveira Martins: Política, Historiografia e Identidade Nacional no Portugal Contemporâneo ( ). Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, MENEZES, Djacir. Rocha Lima e a ideologia cearense de In: ROCHA LIMA, R.A. da. Crítica e Literatura. 3 ed. Prefácio de Capistrano de Abreu. Introdução e notas de Djacir Menezes. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, NOBRE, Geraldo. Rocha Lima (desfazendo equívocos). Revista do Instituto do Ceará. Fortaleza: RIC, OLIVEIRA, Almir Leal de. Universo Letrado em Fortaleza na década de In: SOUZA, Simone e NEVES, Frederico de Castro(orgs). Intelectuais. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha,

10 PESAVENTO, Sandra Jatahy. O imaginário da cidade: visões literárias do urbano Paris, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Porto Alegre: ED. Universidade/UFRGS, Cidades visíveis, cidades sensíveis, cidades imaginárias. Revista Brasileira de História, vol. 27, nº 53. Jun, RAMOS, José Tinhorão. A província e o Naturalismo. Edição fac-similar de Fortaleza: NUDOC-UFC, ROCHA LIMA, R. A. da. Crítica e Literatura. Prefácio de Capistrano de Abreu. Introdução e notas de Djacir Menezes. 3ªed. Fortaleza: UFC, SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais. In: RÉMOND, René (org.) Por uma história política. Rio de Janeiro: Editora UFRJ,

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Dados de identificação: Curso: Ensino Fundamental II Série: 9 Ano Professora: Denise dos Santos Silva Rocha Disciplina: Ensino Religioso Ano: 2016. Plano de curso 1-Objetivo

Leia mais

Planificação Anual Departamento CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

Planificação Anual Departamento CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Ano 5º Ano letivo 2013 / 2014 Disciplina EMRC Turmas A, B, C, D, E, F, G, H, I, J Professores:

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Dados de identificação: Curso: Ensino Fundamental II Série: 6 Ano Professora: Denise dos Santos Silva Rocha Disciplina: Ensino Religioso Ano: 2016. Plano de curso 1-Objetivo

Leia mais

UNIÃO ESTE BRASILEIRA. Associação Ministerial

UNIÃO ESTE BRASILEIRA. Associação Ministerial UNIÃO ESTE BRASILEIRA Associação Ministerial Comentários sobre a Música Comentários sobre a Música Pr. Graciliano Martins Percepção Humana da Música A música é percebida pelo tálamo, estação de transmissão

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Projeto Dia dos Pais

Projeto Dia dos Pais Projeto Dia dos Pais Tema: Meu pai, meu querido amigo Desenvolvido pela Orientadora dessa Instituição. Valdineia Maria Luiz Moreira. Culminância do projeto Festa dos pais Justificativa Como resultado da

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

PLANEJAMENTO Disciplina: Ensino Religioso Série: 7º ano Prof.:Cristiano Souza 1ª UNIDADE EIXOS COGNITIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES

PLANEJAMENTO Disciplina: Ensino Religioso Série: 7º ano Prof.:Cristiano Souza 1ª UNIDADE EIXOS COGNITIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES Disciplina: Ensino Religioso Série: 7º ano Prof.:Cristiano Souza 1ª UNIDADE EIXOS COGNITIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES O homem e sua relação com o Transcendente LIDERANÇA CHAMADOS PARA FORMAR UMA NAÇÃO Favorecer

Leia mais

Metas/Objetivos Descritores de Desempenho/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

Metas/Objetivos Descritores de Desempenho/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação Domínio Religião e experiência religiosa Cultura cristã e visão cristã da vida Ética e moral cristã DEPARTAMENTO DE PASTORAL DISCIPLINA: EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA PLANIFICAÇÃO DE 5º ANO Calendarização:

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

Análise de discursos textuais: questões

Análise de discursos textuais: questões Análise de discursos textuais: questões Com base no texto a seguir, responda às questões (1) e (2): Os Poemas Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês. Quando fechas

Leia mais

Calendário das Atividades Escolares

Calendário das Atividades Escolares Calendário das Atividades Escolares - 2015 Para o apostolado do ensino, é preciso o espírito de Jesus Cristo, a coragem, a estima das almas. 02 - Encontro com os Professores e Funcionários: 8h. 03 - Início

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE DE IMAGEM ICONOLOGIA. Profa. Dra. Ana Luisa Fayet Sallas (UFPR)

MÉTODO DE ANÁLISE DE IMAGEM ICONOLOGIA. Profa. Dra. Ana Luisa Fayet Sallas (UFPR) MÉTODO DE ANÁLISE DE IMAGEM ICONOLOGIA Profa. Dra. Ana Luisa Fayet Sallas (UFPR) analuisa@ufpr.br Escopo Conceitual Estudos de Iconologia Erwin Panofsky. Editorial Estampa, Lisboa, 1986, p.19-37 - Introdução.

Leia mais

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA Ficha de inscrição 17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA 2014/2015 Categoria Artigo Jornalístico Nível superior Tema: A importância dos museus na formação cultural do país Aluna: Janaina Bárbara Bolonezi

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA DISCIPLINA: Tópicos Avançados em Análise de discursos: processos de subjetivação e formas de resistência

Leia mais

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS ARTES CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE PASTORAL DISCIPLINA: EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA PLANIFICAÇÃO DE 7º ANO

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE PASTORAL DISCIPLINA: EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA PLANIFICAÇÃO DE 7º ANO 1º PERÍODO UL1 - As origens ÉTICA E MORAL Calendarização - 26 aulas A. Construir uma chave de leitura religiosa Os dados da ciência sobre a origem do Diálogo com os alunos, relacionado da pessoa, da vida

Leia mais

Foto Carga Horária: 15h presenciais. Facilitador: Sandro Barros. Objetivo:

Foto Carga Horária: 15h presenciais. Facilitador: Sandro Barros. Objetivo: Foto Calabor@tiva Carga Horária: 15h presenciais Facilitador: Sandro Barros Objetivo: O objetivo é estimular crianças e jovens a utilizar a linguagem fotográfica como elemento alternativo e visual, despertando

Leia mais

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto Como pode a escola católica promover o desenvolvimento da inteligência espiritual? O A educação deve

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA 04-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Porque é que o Filho de Deus se fez homem? para nossa salvação,

Leia mais

Eis aqui a serva do Senhor. Faça -se em mim segundo a tua palavra (Lc 1,38)

Eis aqui a serva do Senhor. Faça -se em mim segundo a tua palavra (Lc 1,38) Síntese Informativo Mensal do Movimento Pólen Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra (Lc Janeiro de 2012 / Ano MMXII 1 EDITORIAL Queridos Amigos, Jesus nasceu, um ano novo começou!

Leia mais

ARTE: Conceito, Origem e Função

ARTE: Conceito, Origem e Função ARTE: Conceito, Origem e Função Irama Sonary de Oliveira Ferreira Lívia Freire de Oliveira INTRODUÇÃO Arte é conhecimento, e partindo deste princípio, pode-se dizer que é uma das primeiras manifestações

Leia mais

A formação do educador de jovens e adultos na perspectiva da escolarização desafios e as possibilidades

A formação do educador de jovens e adultos na perspectiva da escolarização desafios e as possibilidades A formação do educador de jovens e adultos na perspectiva da escolarização desafios e as possibilidades Márcia Pereira Melo Coordenadora Fórum Goiano de EJA FORMAÇÃO PARA ESCOLARIZAÇÃO A formação de educadores

Leia mais

Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica

Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de 14.07.11, DOU de 19.07.11. Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica Código: CTB-190 Pré-requisito: ----------

Leia mais

ATIVIDADE AVALIATIVA DE RECUPERAÇÃO

ATIVIDADE AVALIATIVA DE RECUPERAÇÃO ATIVIDADE AVALIATIVA DE RECUPERAÇÃO Nome: Nº DA CHAMADA: Tempo estipulado pelo professor para a aplicação da Avaliação: h/a º TRIMESTRE/ 0 º ANO Componente Curricular: Redação Ano/ Série e Turma: Data:

Leia mais

A construção de valores morais

A construção de valores morais TEMA DO TRABALHO: A construção de valores morais NOME COMPLETO E LEGÍVEL: EMPRESA QUE TRABALHA: FAÇA UM X DIA DA SUA SIMULTANEIDADE: 2ª feira ( ) 3ª feira ( ) 4ª feira ( ) 5ª feira ( ) 6ª feira ( ) sábado

Leia mais

Maria e o mistério de Cristo. Prof. Thiago Onofre

Maria e o mistério de Cristo. Prof. Thiago Onofre Maria e o mistério de Cristo Prof. Thiago Onofre A realidade da Encarnação A Encarnação do Verbo de Deus é obra do Espírito Santo; Não é vontade humana, mas divina; São Lucas apresenta Maria como mediação

Leia mais

OFERTA DE DISCIPLINAS ALUNOS REGULARES

OFERTA DE DISCIPLINAS ALUNOS REGULARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO OFERTA DE DISCIPLINAS 2015.1 ALUNOS REGULARES DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS (ALUNOS REGULARES): MESTRADO

Leia mais

Observe a imagem e leia o texto abaixo para fazer as lições de Língua Portuguesa:

Observe a imagem e leia o texto abaixo para fazer as lições de Língua Portuguesa: COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do livro LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA / 4º ano 4º A 4º B 4º C semana de 25 a 29 de maio sexta-feira terça-feira quinta-feira Observe a imagem e leia o texto abaixo

Leia mais

Exemplo de registro. O que é o diário de Bordo?

Exemplo de registro. O que é o diário de Bordo? Você já teve a chance de contemplar um lindo jardim? Aposto que nesse jardim em que você está pensando há flores de várias cores, tamanhos e formas, não é? Não consigo pensar em um lindo jardim que não

Leia mais

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E ENSINO. Zaqueu Vieira Oliveira

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E ENSINO. Zaqueu Vieira Oliveira HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E ENSINO Zaqueu Vieira Oliveira História da Matemática História da Ciência História e Filosofia da Ciência: Alguns Debates que Impactam no Ensino Discussões metodológicas O conhecimento

Leia mais

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Definição de Patrimônio l Patrimônio cultural é um conjunto de bens materiais e imateriais representativos da cultura de um grupo ou de uma sociedade. Problematização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE DISCIPLINA: Análise do Discurso CARGA HORÁRIA: 45 horas PROFESSORA: Dra. Laura Maria Silva Araújo

Leia mais

Treinamento de Instrutores Bíblicos. Como Ensinar Doutrinas Básicas Adventistas

Treinamento de Instrutores Bíblicos. Como Ensinar Doutrinas Básicas Adventistas North A meric an Divisio n Portuguese Mi nistry Treinamento de Instrutores Bíblicos Como Ensinar Doutrinas Básicas Adventistas Como Ensinar Doutrinas Básicas Adventistas Objetivo Uma compreensão clara

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM Quinta-feira da 33ª Semana do Tempo Comum 1) Oração Senhor

Leia mais

A suficiência da Bíblia

A suficiência da Bíblia A suficiência da Bíblia Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente

Leia mais

AULA 30.1 Conteúdo: O Parnasianismo e o Simbolismo no Amazonas. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 30.1 Conteúdo: O Parnasianismo e o Simbolismo no Amazonas. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 30.1 Conteúdo: O Parnasianismo e o Simbolismo no Amazonas. 2 29.2 Habilidade: Reconhecer e valorizar a literatura simbolista produzida no Amazonas. 3 REVISÃO Simbolismo no Brasil: contexto histórico. Simbolismo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Departamento da Educação Pré-Escolar Planificação Mensal Ano Letivo 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Departamento da Educação Pré-Escolar Planificação Mensal Ano Letivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Departamento da Educação Pré-Escolar Planificação Mensal Ano Letivo 2015/2016 MÊS: maio Área de Conteúdo Domínio Objetivos Estratégias Formação Pessoal e Social

Leia mais

Conceito da Ética Destacando as teorias da formação dos conceitos, o objeto e o objetivo da Ética

Conceito da Ética Destacando as teorias da formação dos conceitos, o objeto e o objetivo da Ética Conceito da Ética Destacando as teorias da formação dos conceitos, o objeto e o objetivo da Ética. Definições e Conceitos O termo ética deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

SOCIALISMO E ESPIRITISMO. Debate em 10/03/2012

SOCIALISMO E ESPIRITISMO. Debate em 10/03/2012 SOCIALISMO E ESPIRITISMO Debate em 10/03/2012 http://www.gede.net.br OBJETIVO Perceber a importância dos valores apregoados pela doutrina espírita para a construção de uma sociedade igualitária e humanizada.

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN Método Dialético Profª: Kátia Paulino Dialética No dicionário Aurélio, encontramos dialética como sendo: "[Do gr. dialektiké (téchne), pelo lat. dialectica.]

Leia mais

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo.

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. FILOSOFIA MODERNA Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. Período histórico: Idade Moderna (século XV a XVIII). Transformações que podemos destacar: A passagem do feudalismo para o capitalismo

Leia mais

ENTREtanto Teatro 40ª Produção

ENTREtanto Teatro 40ª Produção ENTREtanto Teatro 40ª Produção Espectáculo criado para palcos tradicionais, cafés-teatro e outros espaços alternativos. As pessoas fazem a História, mas raramente se dão conta do que estão a fazer. Christopher

Leia mais

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Prof. Thiago Robson Aletro As Trovas Medievais Contexto histórico-cultural Idade Média (Séc XII) Feudalismo/vassalage m Nobreza Teocentrismo Cruzadas Galego-Português

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO SOCIAL 5ª UNIDADE REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL PLANO DE ENSINO

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO SOCIAL 5ª UNIDADE REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL PLANO DE ENSINO GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO SOCIAL 5ª UNIDADE REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DISCIPLINA: Filosofia CURSO: Ensino Médio SÉRIE/ANO:3ª/ PLANO DE ENSINO CARGA

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

Calendário Escolar Educação Infantil

Calendário Escolar Educação Infantil Calendário Escolar 2017 Educação Infantil Macapá - AP Outubro/2016 1 APRESENTAÇÃO O Colégio Santa Bartolomea Capitanio apresenta o seu calendário escolar para o ano letivo de 2017. O Calendário Escolar

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira Antecedentes Históricos da Administração Professor Maurício Teixeira Abordagens Mostrar a história Incipiente preocupação com a Administração na antiguidade Influencias da Administração Filosóficas Da

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DO ENEM PROFESSOR DANILO BORGES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DO ENEM PROFESSOR DANILO BORGES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DO ENEM PROFESSOR DANILO BORGES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II ENEM QUESTÃO 2010 Quando Édipo nasceu, seus pais, Laio e Jocasta, os reis de Tebas, foram informados de uma profecia na

Leia mais

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão B Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.Dizer que a filosofia é uma atividade reflexiva é afirmar que: a) A filosofia é um saber puramente racional. b) A filosofia é um método puramente

Leia mais

O Jovem e a sociedade

O Jovem e a sociedade Subsídio da AJS O Jovem e a sociedade Ambientação: panos coloridos, bandeira da AJS, imagens que representam a juventude dentro de uma caixa, imagem dos meios de inserção da juventude (sociedade, igreja,

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: Série: 1ª Ensino Médio Professora: Erika Vilas Boas Atividades para Estudos Autônomos Data: 5 / 9 / 2016 Aluno(a): N o : Turma: INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 2º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 5 º Ano

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 2º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 5 º Ano Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas º Ciclo ENSINO BÁSICO Planificação Anual de EMRC 5 º Ano º Periodo Unidade Letiva - Viver juntos Competências chave Metas Curriculares B. Construir

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS TERMO DE REFERÊNCIA OEI/BR08-006/SEDH/PR ATUALIZAÇÃO DE PROCESSOS POLÍTICOS E INSTITUCIONAIS PARA A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Assinalar a importancia da proximidade do académico do estudo da filosofía do direito;

Assinalar a importancia da proximidade do académico do estudo da filosofía do direito; 1 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: II CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: FILOSOFIA JURÍDICA NOME DO CURSO: DIREITO 2 EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Filosofia, Direito

Leia mais

OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA. Resumo

OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA. Resumo OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA Resumo Os grandes matemáticos surgiram antes e depois de Cristo, inventando novas fórmulas, soluções e cálculos. A inteligência do homem era algo tão magnífico, que a matemática

Leia mais

Planificação Anual. Disciplina de Português

Planificação Anual. Disciplina de Português Planificação Anual Disciplina de Português N.º e nome Módulo Horas Tempos (45 ) Conteúdos de cada módulo 1. Poesia trovadoresca - Contextualização histórico-literária - Espaços medievais, protagonistas

Leia mais

As varetas e as estacas. TU. SEXUALIDADE E AFETIVIDADE

As varetas e as estacas. TU. SEXUALIDADE E AFETIVIDADE UNIDADE 2: As varetas e as estacas. TU. SEXUALIDADE E AFETIVIDADE 1ºESO 2ºESO Quem é você? Reconhecer minha sexualidade e meus afetos me ajuda a conhecer. Na igualdade e a diferença. No amor. 4. Meus primeiros

Leia mais

EDUCAÇÃO E NACIONALISMO EM TEMPOS DE GUERRA: REPRESENTAÇÕES DA IMPRENSA PARAIBANA DURANTE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL (1939-1945)

EDUCAÇÃO E NACIONALISMO EM TEMPOS DE GUERRA: REPRESENTAÇÕES DA IMPRENSA PARAIBANA DURANTE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL (1939-1945) EDUCAÇÃO E NACIONALISMO EM TEMPOS DE GUERRA: REPRESENTAÇÕES DA IMPRENSA PARAIBANA DURANTE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL (1939-1945) Daviana Granjeiro da Silva 1 Universidade Federal da Paraíba (UFPB) E-mail:

Leia mais

Os Livros dos Macabeus

Os Livros dos Macabeus Os Livros dos Macabeus O nome dos Livros surgiu do apelido de Macabeus (martelo) dado a Judas, filho mais famoso de Matatias. O texto foi escrito em Hebraico no início do 1º século a.c. Os livros descrevem

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM Segunda-feira da 12ª Semana do Tempo Comum 1) Oração Senhor,

Leia mais

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Fabiana Chinalia Professora de Metodologia para o Ensino de Ciências Naturais e Meio Ambiente Data: 05 e 06/04/2011 Descobertas sociocientíficas

Leia mais

paul ramírez jonas domínio público

paul ramírez jonas domínio público paul ramírez jonas No desenho que organiza as diversas atividades do espaço urbano, sua circulação e formas de ocupação, os monumentos representam uma pontuação, a demarcação de um território coletivo

Leia mais

Quem é Marcos? Marcos, autor do primeiro Evangelho, vivia em Jerusalém. A mãe se chamava Maria. Em sua casa reuniam-se os cristãos da cidade.

Quem é Marcos? Marcos, autor do primeiro Evangelho, vivia em Jerusalém. A mãe se chamava Maria. Em sua casa reuniam-se os cristãos da cidade. Atenção O Catequista, coordenador, responsável pela reunião ou encontro, quando usar esse material, tem toda liberdade de organizar sua exposição e uso do mesmo. Poderá interromper e dialogar com o grupo;

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

Palavras-chave: patrimônio cultural, inclusão, currículo, Pedagogia, UEG

Palavras-chave: patrimônio cultural, inclusão, currículo, Pedagogia, UEG UM OLHAR SOBRE O PATRIMÔNIO CULTURAL: PROPOSTA DA INCLUSÃO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NO CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Autor: Vágnar Gonçalves da Silva Orientador: Dr.

Leia mais

3º Bimestre Consumo consciente AULA: 140 Conteúdos:

3º Bimestre Consumo consciente AULA: 140 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Consumo consciente AULA: 140 Conteúdos: Ortografia: x com som de s, ss, cs. Medidas de valor das células

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Filosofia da Educação Código da Disciplina: EDU 408 CURSO: Pedagogia Semestre de oferta: 2016/2 Faculdade Responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir de: 2016

Leia mais

VISÃO DE MUNDO E CTS

VISÃO DE MUNDO E CTS VISÃO DE MUNDO E CTS Visão de mundo A visão de mundo caracteriza-se como um conjunto pré-estabelecido de suposições que dá suporte para a formação da visão da realidade (CORBEN, 1991,1996) e constitui

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Sociologia Série: 2º Eixo Tecnológico:

Leia mais

Acesso ao Jesus da História ROSSI & KLINGBEIL

Acesso ao Jesus da História ROSSI & KLINGBEIL Acesso ao Jesus da História 2 O Acesso ao Jesus da História A preocupação central da cristologia é o acesso ao Jesus da história. Se as cristologias do NT não são biografias, que acesso temos, então, ao

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

Eletiva A volta ao mundo através dos jogos

Eletiva A volta ao mundo através dos jogos Eletiva A volta ao mundo através dos jogos E.E. Princesa Isabel Sala 14 / 2ª. Sessão Professor(es) Apresentador(es): Cristina Viecelli Costa do Nascimento Jairo Augusto Fernandes Realização: Foco Por meio

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE OPINIÃO PÚBLICA PELA MÍDIA IMPRESSA - ESTUDO DE CASO DO JORNAL DIÁRIO DA MANHÃ: ANÁLISE DO PERFIL DOS LEITORES 1

CONSTRUÇÃO DE OPINIÃO PÚBLICA PELA MÍDIA IMPRESSA - ESTUDO DE CASO DO JORNAL DIÁRIO DA MANHÃ: ANÁLISE DO PERFIL DOS LEITORES 1 CONSTRUÇÃO DE OPINIÃO PÚBLICA PELA MÍDIA IMPRESSA - ESTUDO DE CASO DO JORNAL DIÁRIO DA MANHÃ: ANÁLISE DO PERFIL DOS LEITORES 1 TUZZO, Simone Antoniaci 2 ; FIGUEIREDO, Lívia Marques Ferrari de 3 Palavras-chave:

Leia mais

O HOMEM AGENTE CULTURAL

O HOMEM AGENTE CULTURAL CAPÍTULO 10 O HOMEM AGENTE CULTURAL Fonte: www.afam.com.br/img/jpg/livros-cultural.jpg "O homo culturalis representa a dimensão cultural do próprio homem em sua produção geral, ou seja, a cultura implica

Leia mais

DATA: / / 2012 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7.º ANO/EF

DATA: / / 2012 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: / / 0 UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7.º ANO/EF PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO:

Leia mais

CADERNO DE ENCENAÇÃO. Publicação do Curso de Graduação em Teatro Escola de Belas Artes/ UFMG

CADERNO DE ENCENAÇÃO. Publicação do Curso de Graduação em Teatro Escola de Belas Artes/ UFMG CADERNO DE ENCENAÇÃO Publicação do Curso de Graduação em Teatro Escola de Belas Artes/ UFMG Volume 2 - número 9 2009 CADERNO DE ENCENAÇÃO / publicação do Curso de Graduação em Teatro. - v. 2, n. 9 ( set.

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

A MÚSICA NA SÉ DE CASTELO BRANCO APONTAMENTO HISTÓRICO E CATÁLOGO DOS FUNDOS MUSICAIS

A MÚSICA NA SÉ DE CASTELO BRANCO APONTAMENTO HISTÓRICO E CATÁLOGO DOS FUNDOS MUSICAIS MARIA LUÍSA FARIA DE SOUSA CERQUEIRA CORREIA CASTILHO A MÚSICA NA SÉ DE CASTELO BRANCO APONTAMENTO HISTÓRICO E CATÁLOGO DOS FUNDOS MUSICAIS FACULDADEDE LETRAS COIMBRA, 1992 ÍNDICE Pag. Nota introdutória........

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 3ª Etapa 2012 Disciplina: ENSINO RELIGIOSO Ano: 2012 Professor (a): PATRÍCIA Turma: 7º ANO Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de

Leia mais

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO Relacionamentos intrapessoal e interpessoal Prof. Msc Rita de Cassia Moser Alcaraz Comprometido Envolvimento: ato ou efeito de envolver-se, envoltura 2 relacionamento,

Leia mais

Resultado Final do Eixo 03 -Currículo e educação infantil, ensino fundamental e Nº TÍTULO CPF

Resultado Final do Eixo 03 -Currículo e educação infantil, ensino fundamental e Nº TÍTULO CPF Resultado Final do Eixo 03 -Currículo e educação infantil, ensino fundamental e Nº TÍTULO CPF 1 2 3 4 5 AS POLÍTICAS CURRICULARES PARA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS TÉCNICOS

Leia mais

Imagem 1 disponível em: Imagem 2 disponível em: HTTP.www.folha.uol.com.br. Acesso em 07/02/2014.

Imagem 1 disponível em:  Imagem 2 disponível em: HTTP.www.folha.uol.com.br. Acesso em 07/02/2014. 6º Fabiana Unidade I História Leia a letra da música de Lulu Santos: Como uma onda. Após a leitura dedicada, utilize a letra da música como ponto de reflexão para responder as questões 01 e 02. Pontuação

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

Índice. agradecimentos Hemeroteca Municipal de Lisboa Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra. Apresentação 9 Introdução 11

Índice. agradecimentos Hemeroteca Municipal de Lisboa Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra. Apresentação 9 Introdução 11 agradecimentos Hemeroteca Municipal de Lisboa Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra Índice Apresentação 9 Introdução 11 capítulo primeiro Máquinas sobre o Século 31 Indústrias patrióticas 48 Manifestos,

Leia mais

O Sonho. Intervenção pela Arte. Educação para todos. Realização de espectáculos nacionais e internacionais. Associação/ Cooperativa

O Sonho. Intervenção pela Arte. Educação para todos. Realização de espectáculos nacionais e internacionais. Associação/ Cooperativa O Sonho Intervenção pela Arte Educação para todos Realização de espectáculos nacionais e internacionais Associação/ Cooperativa Estado de Arte O que tem acontecido em Portugal ao nível do serviço educativo?

Leia mais

Dia de Todos os Santos

Dia de Todos os Santos 1 «Vinde a Mim, vós todos os que andais cansados e oprimidos e Eu vos aliviarei, diz o Breve comentário: As Bem-aventuranças revelam a realidade misteriosa da vida em Deus, iniciada no Baptismo. Aos olhos

Leia mais

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance.

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Ensino Médio 1º ano O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características,

Leia mais

Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos

Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos Sugestões pedagógicas para orientar a leitura dos livros da Biblioteca Digital Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos Atividades para trabalhar os temas: Tolerância intercultural

Leia mais

COLÉGIO GURI SÊNIOR 45 anos de Aprendizagem e Ensinamento

COLÉGIO GURI SÊNIOR 45 anos de Aprendizagem e Ensinamento COLÉGIO GURI SÊNIOR 45 anos de Aprendizagem e Ensinamento CALENDÁRIO DAS AVALIAÇÕES GLOBAIS 2016 5º ANO B e C/MANHÃ / TARDE 1ª E T A P A CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA 1ª ETAPA 5º ANO Dia 01/04/2015 - (Sexta-feira)

Leia mais

Aproveitamos também para agradecer a participação das famílias em nossa primeira reunião de pais e educadores, no último dia 05 de março.

Aproveitamos também para agradecer a participação das famílias em nossa primeira reunião de pais e educadores, no último dia 05 de março. AUXILIADORA RECIFE Recife, 08 de março de 2016. Na Cruz de Cristo, está todo o amor de Deus, a sua imensa misericórdia. E este é um amor em que podemos confiar, em que podemos crer. Não há cruz, pequena

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

Ano Letivo 2016/ Lista de manuais escolares adotados

Ano Letivo 2016/ Lista de manuais escolares adotados 5.º Ano Ciências Naturais Novo CSI 5-978-989-767-106-7 Adriana Ramos, Vítor Areal Editores, SA 19.02 50 Ciências Sob Lima Investigação Educação Física Mais 978-989-23-3268-0 Avelino Azevedo, Lúcia Asa

Leia mais

Domingo de Páscoa em Santa Luzia, MG

Domingo de Páscoa em Santa Luzia, MG Domingo de Páscoa em Santa Luzia, MG Texto e fotos de Sebastião Breguêz A tradição religiosa de fé católica existe em Minas Gerais desde o Brasil Colônia, introduzida pelos portugueses, e continua muito

Leia mais