ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA À RESPOSTA A DESASTRES NATURAIS SOCIAL NETWORK ANALYSIS APPLIED TO NATURAL DISASTERS RESPONSE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA À RESPOSTA A DESASTRES NATURAIS SOCIAL NETWORK ANALYSIS APPLIED TO NATURAL DISASTERS RESPONSE"

Transcrição

1 1539 ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA À RESPOSTA A DESASTRES NATURAIS SOCIAL NETWORK ANALYSIS APPLIED TO NATURAL DISASTERS RESPONSE Júlia Bellia Margoto Jorge Henrique Cabral Fernandes Resumo: Os desastres naturais vêm aumentando significativamente e provocando inúmeras perdas materiais e humanas ao redor do mundo. Tem havido um aumento também nos impactos gerados às populações, causando danos e prejuízos cada vez maiores. A pesquisa tem como objetivo principal analisar a atuação das redes sociais nas ações de resposta a desastres naturais no Brasil. Para tanto será realizado um estudo de caso, com enfoque nas enchentes ocorridas no Estado do Espírito Santo em dezembro de Na ocasião, o governo estadual decretou estado de emergência em 55 do total de 78 municípios. Mais de pessoas ficaram desabrigadas ou desalojadas e ocorreram 24 mortes. Ações em rede desencadeadas por meio de mídias sociais deram forma a um movimento de arrecadação de donativos para as vítimas, ainda sem precedentes na história do Estado. Trata-se de um estudo exploratório em que serão utilizadas análise documental, entrevistas e extração de dados de mídias sociais, como formas de coleta de dados. O método de análise de redes sociais será aplicado aos dados, a partir da utilização de softwares específicos. Espera-se que um maior conhecimento da topografia das redes envolvidas na resposta a desastres naturais possa contribuir para a definição de melhores formas de comunicação visando a tomadas de decisão mais assertivas, e à redução de perdas materiais e humanas nestes contextos. Palavras-chave: Análise de redes sociais. Capital Social. Desastres Naturais. Complexidade Abstract: Natural disasters are increasing significantly and causing numerous human and material losses around the world. There has been an increase also in their impacts on the populations, causing damage and increasing losses. The research aims to analyze the role of social networks in the actions in response to natural disasters in Brazil. For this purpose, a case study will be conducted, focusing on floods occurred in the state of Espirito Santo in December At the time, the state government declared a state of emergency in 55 of the total of 78 municipalities. Over 60,000 people were left homeless or displaced and 24 deaths occurred. Actions triggered by social media network formed a movement to collect donations for victims with no precedents in the history of that state. This is an exploratory study in which document analysis, interviews and extraction of data from social media, will be used to collect data. The method of social network analysis will be applied to data using specific software. It is hoped that knowing more about the topography of the networks involved in disaster response may contribute to the definition of better forms of communication for assertive decision-making, and reduction of human and material losses in these contexts. Keywords: Social network analysis. Social Capital. Natural Disasters. Complexity. 1 INTRODUÇÃO Profundas mudanças estão em curso na organização da sociedade e da economia, levando à percepção do surgimento de um novo paradigma técnico-econômico. Trata-se de um fenômeno de natureza global, possuidor de alta capacidade de modificação das atividades sociais e econômicas, considerando-se que em grande medida, a estrutura e a dinâmica dessas

2 1540 atividades estão sendo afetadas pela infraestrutura de informações disponível (TAKAHASHI, 2000). Além de possuir a informação como seu principal fio condutor, a chamada sociedade da informação caracteriza-se predominantemente pela materialização da lógica das redes, que, graças ao aporte tecnológico disponível, pode ser cada vez mais facilmente reconhecida nos mais diferentes processos (CASTELLS, 1999; WERTHEIN, 2000). Para a Ciência da Informação, as potencialidades e limitações tecnológicas relativas a este novo paradigma ampliam sua importância na mesma proporção em que vão afetando as relações sociais envolvidas (VICKERY; VICKERY, 2005). Assim, as redes sociais apresentam-se como um fenômeno de considerável importância no cenário caracterizado pela chamada sociedade da informação, onde novos dispositivos de comunicação e programas de computador configuram-se como objetos materiais em torno dos quais existem grupos humanos em uma ação coletiva complexa (LÉVY, 1999). Neste sentido, a análise de redes sociais - ARS torna-se uma perspectiva importante e diferenciada dentro do campo das ciências sociais e comportamentais. Seu arcabouço compreende uma série de teorias, modelos e aplicações que são expressos em termos de conceitos e processos relacionais. As relações definidas como ligações entre diferentes unidades denominadas atores são seus componentes fundamentais (CARRINGTON et.al., 2009). Dentre outras importantes aplicações, a ARS vem também sendo apontada e discutida como uma opção importante para melhorar a resiliência das comunidades em situações de desastres naturais. A utilização da perspectiva da ARS poderia ser capaz de revolucionar não só a forma de funcionamento geral de organizações e de comunidades, como também a maneira com que se preparam e respondem a desastres, especificamente (NATIONAL RESEARCH COUNCIL, 2009). A partir deste contexto, apresenta-se a seguinte questão principal de pesquisa: Como ocorre a atuação de redes sociais na resposta a desastres naturais, no Brasil? 1.1 Objetivos O objetivo geral da pesquisa é analisar a atuação das redes sociais nas ações de resposta a desastres naturais. Os objetivos específicos são os seguintes: analisar as relações, os atores envolvidos, bem como seus respectivos papeis nas redes sociais atuantes na resposta a desastres naturais no Brasil; descrever o fluxo de informações existente entre os atores destas redes sociais; apresentar exemplos da atuação de redes sociais nos processos de resposta a

3 1541 desastres naturais; descrever o atual cenário brasileiro de resposta a desastres naturais; e investigar modelos explicativos da ação de redes sociais na resposta a desastres naturais. 1.2 Justificativa Entre 1991 e 2010, foram mais de 96 milhões de pessoas afetadas por desastres naturais no Brasil, sendo (27%) na década de 90 e (73%) na década de (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA, 2012). No ano de 2011, o Brasil esteve entre as nações mais afetadas por desastres naturais em todo o mundo. Em um ranking liderado pela Tailândia, seguida pelo Cambodja e Paquistão e composto pelos dez países mais afetados naquele ano, o Brasil ocupou o sexto lugar (ONU, 2012). No Brasil, no que tange à pesquisa científica sobre o uso das redes sociais na resposta a desastres naturais, foi possível até o momento identificar apenas um artigo científico apresentado no Congresso Brasileiro de Desastres Naturais de O artigo trata da definição de um modelo para utilização de redes sociais em situações de desastres naturais, adaptado à realidade brasileira (LIMA et.al., 2012). Não foram identificados trabalhos acadêmicos em outros níveis de aprofundamento como dissertações de mestrado ou teses de doutorado que tratassem especificamente sobre o tema. 2 A PERSPECTIVA DAS REDES Uma das principais bases do paradigma tecnológico da sociedade da informação é a lógica das redes, que passa a se estruturar, em grande medida, por meio das novas tecnologias da informação e comunicação - TIC s. A característica extremamente complexa das novas interações parece fazer da estruturação em rede o formato ideal para este novo contexto de interconexões cada vez mais dinâmicas e imprevisíveis. As redes são capazes de ao mesmo tempo conferir estrutura e manter a flexibilidade tão necessária aos processos criativos e inovadores em curso (CASTELLS, 1999). Redes estão sendo atualmente estudadas a partir de um contexto bastante amplo que envolve as chamadas ciências da complexidade, as quais evoluem constantemente no sentido de desvendar a natureza e as características dos sistemas complexos (BORGATTI NETO, 2008). Os estudos acerca da configuração de sistemas complexos estão presentes em diferentes áreas da ciência. Ramos como a biologia, a física, a matemática, além das ciências sociais tem buscado explorar e melhor explicar a dinâmica de sua auto-organização e de seu desenvolvimento (JOHNSON, 2003). O comportamento complexo pode ser reconhecido a partir de determinadas características distintivas como a não linearidade, a dinâmica evolutiva, a auto-organização e

4 1542 a emergência de padrões não planejados. Pela natureza da dinâmica existente na maioria das redes, estas podem ser consideradas sistemas complexos e, portanto, carregam em si, tais características (JOHNSON, 2003; BORGATTI NETO, 2008; BARABÁSI, 2009). A perspectiva das redes tem se mostrado bastante frutífera para as ciências sociais especialmente no que se refere ao reconhecimento da importância das relações estabelecidas entre diferentes atores em contextos diversos, como: resolução de problemas em grupo, difusão e adoção de inovações, consenso e influência social, formação de coalizões, dentre outros. (WASSERMAN; FAUST, 2009). No contexto prático da resposta a desastres naturais a lógica das redes sociais pode se fazer presente em diversas fases. A comunidade pode participar do processo com informações importantes como a localização de áreas de risco, de sobreviventes e de pontos onde se faz necessário o resgate de pessoas e/ou o envio de suprimentos. Isso permite, entre outras coisas, a construção coletiva de mapas, a partir do uso de tecnologias espaciais e do aproveitamento de imagens de satélite, que são capazes de apontar claramente onde estão as demandas a serem atendidas por cada uma das frentes e instituições envolvidas (MULLINS, 2010). No momento em que redes sociais emergem online em torno de interesses mútuos, mediadas por ferramentas digitais como o Facebook, Twitter, Flickr e Youtube, ocorre também o surgimento de novas formas de capital social. Capital social é o nome dado aos acordos sociais e às redes de comunicação que tornam possíveis às pessoas a consecução de atividades em grupo sem a intervenção do estado ou de instituições estritamente econômicas. Assim, novos conhecimentos acerca das redes sociais são de essencial importância, pois os dados digitais e a comunicação humana online derrubam barreiras e aumentam as possibilidades para uso da sociabilidade humana (RHEINGOLD, 2012). 3 DESASTRES NATURAIS Um desastre natural pode ser entendido como a consequência da ação de um evento natural extremo sobre um sistema social, causando sérios danos e prejuízos que normalmente excedem a capacidade da população afetada em conviver com o seu impacto (TOBIN; MONTZ, 1997). A suscetibilidade e a vulnerabilidade são os dois termos essenciais para se compreender o conceito de risco, potencializadas pela probabilidade dos eventos climáticos. Assim, considera-se que uma população encontra-se em condição de risco quando se instala em um terreno suscetível a desastres, em função da condição geológica e/ou geotécnica típica, e ainda, de forma frágil, tendo em vista as características construtivas das moradias, tornando-

5 1543 se, portanto, vulnerável. As variações no clima e a ocupação desordenada do solo têm sido os principais responsáveis pelo aumento da frequência de desastres naturais no Brasil (BERTONE; MARINHO, 2013). Os eventos que provocam o maior número de impactos na população, considerando número de pessoas afetadas e óbitos são as inundações, enxurradas e deslizamentos. Nos últimos anos, o país tem sido testemunha de inúmeras tragédias desta natureza (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA, 2012). 4 PLANEJAMENTO E MÉTODOS A pesquisa possui natureza exploratória. Será realizado um estudo de caso sobre as enchentes ocorridas no Estado do Espírito em dezembro de As chuvas excessivas na região levaram à decretação de estado de emergência em 55 do total de 78 municípios do Estado. Mais de pessoas ficaram desabrigadas ou desalojadas e ocorreram 24 mortes. Na ocasião, ações em rede desencadeadas em mídias sociais originaram um movimento de arrecadação de donativos para as vítimas, ainda sem precedentes na história do Estado. Toneladas de alimentos, roupas, brinquedos entre outros itens foram arrecadados, separados, organizados e encaminhados aos municípios afetados em um movimento que contou com a participação de milhares de voluntários (APOIADORES, acesso em 13 fev. 2014). Será utilizado o método da análise de redes sociais que se sustenta em um arcabouço matemático e estatístico aplicado ao mapeamento das configurações sociais capazes de evidenciar as conexões e relações existentes entre indivíduos e/ou organizações. Em sua utilização, as abordagens quantitativa e qualitativa são entendidas como interdependentes. Neste sentido não devem ser visualizadas em oposição uma à outra, mas sim, de forma complementar (MARTELETO; TOMAÉL, 2005). Como procedimentos de coleta de dados serão utilizadas a análise documental, as entrevistas com indivíduos chave, além da extração de dados a partir de mídias sociais. 5 RESULTADOS ESPERADOS O principal resultado esperado a partir da pesquisa é o mapeamento da topografia das redes sociais envolvidas na resposta a desastres naturais com vistas a permitir uma melhor compreensão deste fenômeno. É preciso considerar que situações de resposta a desastres são sempre atípicas, exigindo decisões rápidas em um ambiente extremamente dinâmico e mutável, onde transitam inúmeras informações muitas vezes confusas, incompletas ou, até mesmo, inverídicas. Trata-se, portanto, de um enorme desafio para os seus responsáveis.

6 1544 Assim, num contexto dinâmico e mutável como o pós-desastre, é necessário criar mecanismos para subsidiar os tomadores de decisão, com informações rápidas, atualizadas e precisas. A utilização da perspectiva da ARS nestes contextos poderia proporcionar melhores formas de comunicação e o reconhecimento mais assertivo das intervenções necessárias. REFERÊNCIAS APOIADORES. Rede de apoio social às vítimas da chuva no Espírito Santo. Disponível em: https://www.facebook.com/pages/apoiadores-rede-de-apoio-social-%c3%a0s- V%C3%ADtimas-das-Chuvas-no-Esp%C3%ADrito-Santo/5. Acesso em 22 dez BARABÁSI,A. L. Linked: a nova ciência dos networks. São Paulo: Editora Leopardo, BERTONE, P.; MARINHO, C. Gestão de riscos e resposta a desastres naturais: a visão do planejamento. In: VI Congresso CONSAD de Gestão Pública, Brasília. Anais...Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Estado de Administração, Disponível em: <http://www.escoladegoverno.pr.gov.br/arquivos/file/2013/v_consad/vi_consad/069. pdf >Acesso em: 20 ago BORGATTI NETO, Ricardo. Perspesctivas da complexidade aplicadas à gestão de empresas Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3136/tde />. Acesso em: 26 mai CARRINGTON, P. J.et.al. Models and methods in social network analysis. New York: Cambridge University Press, CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, JOHNSON, S. Emergência: a dinâmica de rede em formigas, cérebros, cidades e softwares. Rio de Janeiro: Zahar, LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, LIMA, M.et.al. Proposta de um modelo estruturado e de ferramentas de software livre para uso de redes sociais digitais em situações de desastres no Brasil Disponível em: Redes-sociais-em-desastres.pdf. Acesso em: 15 fev MARTELETO, R.M.; TOMAÉL, M. I. A Metodologia de Análise de Redes Sociais. In: VALENTIM, M.L.P. Métodos Qualitativos de Pesquisa em Ciência da Informação. São Paulo: Polis, MULLINS, J. How crowdsourcing has helped in Haiti. New Scientist, v. 205, n. 2745, p. 8 9, NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Aplications of social network analysis for building community disaster resilience. Workshop Summary. Washington, D. C: The National Academies Press, 2009.

7 1545 ONU BRASIL. Brasil entre os mais afetados pelos desastres climáticos em 2011, alerta ONU Disponível em: Acesso em: 20 abr RHEINGOLD, H. Net Smart: how to thrive online. Cambridge: Mit Press, TAKAHASHI, T. (Org.). Livro verde da Sociedade da Informação no Brasil. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, Disponível em: Acesso em: 18 abr TOBIN, G.A; MONTZ, B. E. Natural hazards: explanation and integration. New York: The Gilford Press, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Centro de Estudos e Pesquisas em Desastres Naturais - CEPED. Atlas brasileiro de desastres naturais: 1991 a Florianópolis, Disponível em: Rev.pdf. Acesso em: 18 jul VICKERY, B.; VICKERY, A. Information Science in theory and practice. Berlin, Boston: K. G. Saur, WASSERMAN, S.; FAUST, K. Social network analysis: methods and aplications. New York: Cambridge University Press, WERTHEIN, J. A sociedade da informação e seus desafios. Ciência da Informação, v. 29, n. 2, p , Disponível em: Acesso em: 24 jun.2013.

II Congresso Internacional TIC e Educação

II Congresso Internacional TIC e Educação ITIC: UM PROJETO PARA CONTRIBUIR PARA O APERFEIÇOAMENTO E EMBASAMENTO DO CORPO DE PROFESSORES DO PROGRAMA APRENDIZAGEM DO SENAC NO DOMÍNIO DA UTILIZAÇÃO DAS TIC Claudia Machado, Maria João Gomes Universidade

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT3 - Mediação, Circulação e Apropriação da Informação.

XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT3 - Mediação, Circulação e Apropriação da Informação. XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT3 - Mediação, Circulação e Apropriação da Informação Pôster DISPERSÃO DA INFORMAÇÃO CIENTÍFICA EM REDES SOCIAIS Sibele Fausto

Leia mais

COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES

COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES Lucí Hidalgo Nunes luci@ige.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Instituto de Geociências Departamento

Leia mais

Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais

Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais Social networks are fundamental influences on human behavior and conduits for the diffusion of ideas and practices, yet their roles are

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação E-ISSN: 1518-2924 bibli@ced.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Bellia Margoto, Julia; Cabral Fernandes,

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

Uma análise sobre redes metropolitanas municipais e cidades digitais

Uma análise sobre redes metropolitanas municipais e cidades digitais Uma análise sobre redes metropolitanas municipais e cidades digitais Arthur A. Artoni 1, Bruno B. Zarpelão 2 1 Departmento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) megadets@hotmail.com,brunozarpelao@gmail.com

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência

Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência Resolução Imagens de satélite No seu quarto relatório (2007), o IPCC

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

RESOLVIDO 1º SIMULADO DISCURSIVO PROVA 02. GEOGRAFIA Horário: das 9h às 12h Dia: 01 de julho.

RESOLVIDO 1º SIMULADO DISCURSIVO PROVA 02. GEOGRAFIA Horário: das 9h às 12h Dia: 01 de julho. RESOLVIDO 2012 1º SIMULADO DISCURSIVO PROVA 02 GEOGRAFIA Horário: das 9h às 12h Dia: 01 de julho. GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO As figuras a seguir apresentam os mapas com a atuação das massas de ar no inverno

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira 15 INTELIGÊNCIA DE MERCADO: TRANSFORMANDO AS OLIMPÍADAS EM NEGÓCIOS 1 RESUMO Um dos grandes desafios das organizações hoje é a aplicabilidade assertiva das técnicas de análise e métodos utilizados em Inteligência

Leia mais

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Prof. Me. Wagner Antonio Junior Secretaria Municipal da Educação de Bauru e-mail: wag.antonio@gmail.com Pôster Pesquisa em andamento A

Leia mais

Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica. Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms

Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica. Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms Meire Ramalho de Oliveira, mestranda, UFSCar, mro_ufscar@yahoo.com.br

Leia mais

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história SANTA CATARINA O maior desastre de sua história As adversidades climáticas têm afetado significativamente o Estado de Santa Catarina ao longo de sua história. Essas adversidades, que podem ocasionar desastres

Leia mais

Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência

Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência TEMA IEN 3 1 DESCRIÇÃO. TEMA PROPOSTO: Desenvolvimento de Tecnologia para Sistemas Complexos ÁREA DE PESQUISA: Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência PROCESSO

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL

REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL PÔSTER REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL Jane Coelho Danuello, Jesús Pascual Mena-Chalco, Ely Francina Tannuri Oliveira Resumo: Esta pesquisa

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA ACADEMIA AO MERCADO DE TRABALHO Profª. Ms. Caroline Luvizotto O Cenário atual: busca pela inovação O Cenário atual: busca pela inovação Inovação:

Leia mais

Ordilei Aparecido Gaspar de Melo¹ Manoel Luiz dos Santos²

Ordilei Aparecido Gaspar de Melo¹ Manoel Luiz dos Santos² Ordilei Aparecido Gaspar de Melo¹ Manoel Luiz dos Santos² ¹UNIMEO/CTESOP UEM Professor da Faculdade UNIMEO/CTESOP-Assis Chateaubriand/PR Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia PGE-UEM ordmelo@hotmail.com

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

O modelo de financiamento coletivo crowdfunding e as suas possibilidades de sustentabilidade para a pesquisa científica

O modelo de financiamento coletivo crowdfunding e as suas possibilidades de sustentabilidade para a pesquisa científica O modelo de financiamento coletivo crowdfunding e as suas possibilidades de sustentabilidade para a pesquisa científica Samantha Sasha de Andrade Universidade Estadual Paulista UNESP e-mail: ssashadrade@gmail.com

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Andresa Léia de Andrade 1 e Daniela Pereira dos Reis de Almeida 2 1 Aluna do Curso de Arquivologia

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

INCORPORANDO AS NOVAS TECNOLOGIAS DE ENSINO/ APRENDIZAGEM: CRIAÇÃO DE ATLAS ONLINE DE PATOLOGIA GERAL *

INCORPORANDO AS NOVAS TECNOLOGIAS DE ENSINO/ APRENDIZAGEM: CRIAÇÃO DE ATLAS ONLINE DE PATOLOGIA GERAL * INCORPORANDO AS NOVAS TECNOLOGIAS DE ENSINO/ APRENDIZAGEM: CRIAÇÃO DE ATLAS ONLINE DE PATOLOGIA GERAL * DUARTE, Yara de Paula 1 ; VALADÃO, Danilo Ferreira 2 ; LINO-JÚNIOR, Ruy de Souza 3. Palavras-chave:

Leia mais

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO Mércia Cardoso da Costa Guimarães 1, Henrique Oliveira da Silva 2 1 Instituto Federal de Pernambuco

Leia mais

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Leonardo Mariano Gravina Fonseca 1, Myriam Maia Nobre 1, Denis Teixeira da Rocha 1, Elizabeth Nogueira

Leia mais

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Geóg. Maria Carolina Villaça Gomes Mestranda em Geografia Física - USP Os desastres

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO 1 REDES SOCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Eduardo Alves Silva Dalton Lopes Martins

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA

CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA 1 CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA Daniel Andrijic Malandrin Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC. Av. Mauro Ramos, 950 centro,

Leia mais

Investigação da biônica como técnica criativa para problemas em design de produtos

Investigação da biônica como técnica criativa para problemas em design de produtos Investigação da biônica como técnica criativa para problemas em design de produtos Bionic investigation as a creative technique for problems in product design Age, Mônica Juergens; Acadêmica do curso de

Leia mais

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS Elton Rabelo (Instituto de Ensino Superior e Pesquisa INESP, MG, Brasil) - eltonneolandia@yahoo.com.br Thiago Magela Rodrigues

Leia mais

Participação Critérios de participação - Elegibilidade Procedimento para participar da chamada: Número de propostas/aplicações

Participação Critérios de participação - Elegibilidade Procedimento para participar da chamada: Número de propostas/aplicações Campanha Mundial "Construindo Cidades Resilientes: Minha cidade está se preparando! Plataforma Temática sobre Risco Urbano nas Américas Chamada sobre boas práticas e inovação no uso de Sistemas de Informação

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

RELACIONAMENTOS EM REDE E CLUSTERIZATION DAS UNIDADES DO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - USP

RELACIONAMENTOS EM REDE E CLUSTERIZATION DAS UNIDADES DO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - USP 1 RELACIONAMENTOS EM REDE E CLUSTERIZATION DAS UNIDADES DO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - USP Sibele Fausto 1, Fátima A. Colombo Paletta 1, Marina M. Yamashita 1, Vânia

Leia mais

Os atores e as redes: construindo espaços para inovação

Os atores e as redes: construindo espaços para inovação Os atores e as redes: construindo espaços para inovação Flávia Charão Marques WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS FAMILIARES Pelotas, 31 de agosto de 2011 Av.

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO E A PROBLEMÁTICA DAS INUNDAÇÕES: ANÁLISE DA DINÂMICA DOS PROMOTORES IMOBILIÁRIOS EM ITAJAÍ/SC 1

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO E A PROBLEMÁTICA DAS INUNDAÇÕES: ANÁLISE DA DINÂMICA DOS PROMOTORES IMOBILIÁRIOS EM ITAJAÍ/SC 1 PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO E A PROBLEMÁTICA DAS INUNDAÇÕES: ANÁLISE DA DINÂMICA DOS PROMOTORES IMOBILIÁRIOS EM ITAJAÍ/SC 1 RESUMO CONCATTO, Suzane 2 MORAES, Sérgio Torres 3 A problemática das inundações

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Redes Sociais: entre a teoria e a prática

Gestão do Conhecimento e Redes Sociais: entre a teoria e a prática Gestão do Gestão do e Redes Sociais: entre a teoria e a prática Na Universidade, as redes sociais e o conhecimento como ativo intangível são focos de estudo de diversos campos. Já nas empresas, a Gestão

Leia mais

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA Resumo: Neste mini-curso os participantes terão a oportunidade de conhecer uma metodologia, bem como também construir e trabalhar com a mesma, na tentativa

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM VEM Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM Renato Novais, Thiago S. Mendes, Fernando Teles Instituto Federal da Bahia (IFBA) Salvador Bahia Brasil {renato,thiagosouto,fernandoteles}@ifba.edu.br Abstract.

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO.

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANALYSES OF TEN YEARS OF SCIENTIFIC PRODUCTION OF THE JOURNAL CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS

Leia mais

PROPOSTA DE ATIVIDADE

PROPOSTA DE ATIVIDADE PROPOSTA DE ATIVIDADE 1- Título: O Planeta Terra em Alerta, os principais problemas ambientais das grandes metrópoles 2- Autor: Marcia Andréia Veit 3- Aplicativo utilizado: Internet e Impress 4- Disciplina:

Leia mais

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR Wesley Humberto da Silva (Fundação Araucária), André Luis Andrade Menolli (Orientador) e-mail: wesleyhumberto11@mail.com

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE TI DE UM NÚCLEO DE APOIO PRESENCIAL DE EAD

PLANO DE AÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE TI DE UM NÚCLEO DE APOIO PRESENCIAL DE EAD PLANO DE AÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE TI DE UM NÚCLEO DE APOIO PRESENCIAL DE EAD Roberto Douglas da Costa 1, Fábio Alexandre G. Silva 2, Ana Cristina T. B. da Costa 3 1, 2, 3 IFRN Instituto

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL Vanessa da Silva Brum Bastos vsbrumb@gmail.com Graduanda do 4º ano do bacharelado em Geografia-

Leia mais

Prof. Maurício Ribeiro de Almeida Unisalesiano - mauricio928@uol.com.br

Prof. Maurício Ribeiro de Almeida Unisalesiano - mauricio928@uol.com.br AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS EM UMA INSTITUIÇÃO UNIVERSITÁRIA ACERCA DAS NOVAS CONFIGURAÇÕES DE ADOÇÃO THE SOCIAL REPRESENTATIONS IN AN UNIVERSITY INSTITUTION ABOUT THE NEW ADOPTION CONFIGURATIONS Eliseu

Leia mais

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso.

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso. III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães RISCO AMBIENTAL E VULNERABILIDADE: DISCUSSÃO CONCEITUAL A PARTIR DE TRABALHOS

Leia mais

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck INTRODUÇÃO A escolha das técnicas está condicionada ao Problema de Pesquisa. Três perguntas básicas devem ser respondidas

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA 1 DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Brasília - DF setembro 2014 Omitido para avaliação Instituição email Classe Investigação Científica Setor Educacional Educação Superior Classificação

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

Projeto de Monitoria para a Disciplina. Topografia Aplicada à Mineração. Plano de Trabalho 2012

Projeto de Monitoria para a Disciplina. Topografia Aplicada à Mineração. Plano de Trabalho 2012 Projeto de Monitoria para a Disciplina Topografia Aplicada à Mineração Plano de Trabalho 2012 Plano de Trabalho para composição do Projeto de Monitoria do CTRN, em cumprimento às exigências da Convocatória

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

HISTORIOGRAFIA LINGUÍSTICA: PRINCÍPIOS CONCEPÇÕES Cléria Maria Machado Marcondes¹, Ana Maria Barba de Lima¹

HISTORIOGRAFIA LINGUÍSTICA: PRINCÍPIOS CONCEPÇÕES Cléria Maria Machado Marcondes¹, Ana Maria Barba de Lima¹ Revista da Universidade Ibirapuera - - Universidade Ibirapuera São Paulo, v. 6, p. 52-56, jul/dez. 2013 HISTORIOGRAFIA LINGUÍSTICA: PRINCÍPIOS CONCEPÇÕES Cléria Maria Machado Marcondes¹, Ana Maria Barba

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Plano Nacional de Adaptação Couto Silva

Plano Nacional de Adaptação Couto Silva Plano Nacional de Adaptação Couto Silva Departamento de Licenciamento e Avaliação Ambiental Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental 11 Set 2013 Plano Nacional de Adaptação Couto Silva Departamento

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ATLÂNTICO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA São Luis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

REDES DE COLABORAÇÃO NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EM BIOLOGIA EVOLUTIVA: 2000-2012

REDES DE COLABORAÇÃO NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EM BIOLOGIA EVOLUTIVA: 2000-2012 REDES DE COLABORAÇÃO NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EM BIOLOGIA EVOLUTIVA: 2000-2012 Dirce Maria Santin (UFRGS) dirsantin@yahoo.com.br Samile Andrea de Souza Vanz (UFRGS) samilevanz@terra.com.br Ida

Leia mais

Autor(a): CAROLINA BARBOSA MONTENEGRO 1. Resumo. Abstract

Autor(a): CAROLINA BARBOSA MONTENEGRO 1. Resumo. Abstract Da Teoria à Prática: Projeto Pré-Consultores, Um Estudo Sobre a Perspectiva de Prática Profissional na Formação Acadêmica From Theory to Practice: Pre-Project Consultants, A Study about the Professional

Leia mais

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento 270 Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento LEVANTAMENTO DA TUBULAÇÃO DE CIMENTO-AMIANTO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PARAÍBA Maria Auxiliadora Freitas

Leia mais

PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO

PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO Antônio Marcos Mendonça 1, Alessandro Sarmento Cavalcanti 2, Antônio do Nascimento Oliveira 2, Fábio Hochleitner 2, Patrícia

Leia mais

SUBTOTALDOS SEMESTRES

SUBTOTALDOS SEMESTRES 1ª FASE Ord. Disciplina (Componente Curricular) Crédito(s) H/a Pré- Requisitos 01 Algoritmos e Programação 04 72-02 Sistemas de Informação 04 72-03 Fundamentos de Computação 04 72-04 Sistemas Operacionais

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 Deivana Eloisa Ferreira de ALMEIDA Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO, Guarapuava-PR Leandro Redin

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Disciplina Data Início Data fim Atividade acadêmica ENTRADA 1 10/03/2014 20/12/2014 17/03/2014 24/03/2014 Gestão criativa e inovadora nas instituições

Leia mais

AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO

AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO À INFORMAÇÃO EM SAÚDE: ACESSIBILIDADE DA BVS MS ÀS PESSOAS

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Secretaria de Estado da Defesa Civil

Secretaria de Estado da Defesa Civil HISTÓRICO DOS DESASTRES EM SANTA CATARINA E AÇÕES DA SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL Aldo Baptista Neto Major Bombeiro Militar Diretor de Resposta a Desastres Histórico dos Desastres no Estado 1974

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Desenvolvimento de serviços inovadores em bibliotecas PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA ELABORAÇÃO DE AVALIAÇÕES DE ENSINO UTILIZANDO NOVAS ABORDAGENS DE DESENVOLVIMENTO

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA ELABORAÇÃO DE AVALIAÇÕES DE ENSINO UTILIZANDO NOVAS ABORDAGENS DE DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA ELABORAÇÃO DE AVALIAÇÕES DE ENSINO UTILIZANDO NOVAS ABORDAGENS DE DESENVOLVIMENTO Danilo Damaceno Lima 1 NIPETI 2 - Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS),

Leia mais

Gestão de Risco de Desastres Naturais

Gestão de Risco de Desastres Naturais Gestão de Risco de Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (CEPEDES FIOCRUZ) GESTÃO Conjunto de decisões administrativas, de organização e de

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

ANÁLISE DE PRÉ-PROCESSAMENTO NO DESEMPENHO DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS FINANCEIRAS

ANÁLISE DE PRÉ-PROCESSAMENTO NO DESEMPENHO DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS FINANCEIRAS Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação ANÁLISE DE PRÉ-PROCESSAMENTO NO DESEMPENHO DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS FINANCEIRAS PROPOSTA DE TRABALHO DE

Leia mais

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS Carlos Eduardo Rocha dos Santos, UNIBAN, carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

Caracterização do banco de teses e dissertações da CAPES

Caracterização do banco de teses e dissertações da CAPES Caracterização do banco de teses e dissertações da CAPES Jesús P. Mena-Chalco 1, Vladimir Rocha 2 1 Centro de Matemática, Computação e Cognição - Universidade Federal do ABC 2 Escola Politécnica - Universidade

Leia mais

A PESQUISA APLICADA EM EDUCAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA DE SALVADOR/BA

A PESQUISA APLICADA EM EDUCAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA DE SALVADOR/BA A PESQUISA APLICADA EM EDUCAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA DE SALVADOR/BA INTRODUÇÃO Alice Fontes Ferreira 1 allicefontes@hotmail.com Gilvania Clemente Viana¹ gclementeviana@gmail.com

Leia mais

Pontuação: 125 probabilidade média de inadimplência na faixa de 101 a 150: 22,50%

Pontuação: 125 probabilidade média de inadimplência na faixa de 101 a 150: 22,50% Confidencial Para: J&R 28/03/2014 11:05 Versão 2.12.1 RELATO RELATÓRIO DE COMPORTAMENTO EM NEGÓCIOS DISPLAY COMERCIO E DISTRIBUIO EIRELI EPP CNPJ: 19.728.709/0001-36 VALORES EM REAIS 28/03/2014 11:05:22

Leia mais

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS Cleverson Nascimento de Mello¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica MONITORAMENTO DO TEMPO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO E USO DE DADOS METEOROLÓGICOS DA ESTAÇÃO AGROMETEOROLÓGICA DO CAV/UDESC LAGES, SC Célio Orli Cardoso, Centro de Ciências

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais Análise de Redes Sociais Isabela Dantas de Melo 1 Leonardo Augusto Lima Ferreira da Silva 2 Rodrigo Augusto Vasconcelos Sarmento 3 Victor Souza Fernandes 4 Resumo Este trabalho apresenta análises de redes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS

ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS André Luiz de Carvalho 1 José Leonaldo de Souza 2, Mônica Weber Tavares 3 1 Doutorando em Tecnologias Energéticas

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais