TERMINOLOGIA, DEFINIÇÕES, SIGLAS E CONCEITOS BÁSICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMINOLOGIA, DEFINIÇÕES, SIGLAS E CONCEITOS BÁSICOS"

Transcrição

1 TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de serviços de consultoria individual para coordenação do programa Desenvolvimento de um Modelo de Negócios Sustentável para a Melhoria de Micro, Pequenas e Médias Empresas no Brasil (Programa Valor em Cadeia). São Paulo,

2 Sumário TERMINOLOGIA, DEFINIÇÕES, SIGLAS E CONCEITOS BÁSICOS 2 INTRODUÇÃO 3 OBJETIVO 5 LOCALIZAÇÃO E ÁREA ABRANGIDA PELOS SERVIÇOS 5 ESCOPO DOS SERVIÇOS 6 RELATÓRIOS E PRODUTOS 6 QUADRO DE CUSTOS CONFORME ORÇAMENTO DO PROGRAMA 7 FORMA DE PAGAMENTO 7 SUBCONTRATAÇÃO 7 QUALIFICAÇÕES NECESSÁRIAS 7 COORDENADOR DO CONTRATANTE 8 ENDEREÇO DO CONTRATANTE 8 1

3 TERMINOLOGIA, DEFINIÇÕES, SIGLAS E CONCEITOS BÁSICOS BID MPMEs Projeto TDR Banco Interamericano de Desenvolvimento Micro, pequenas e médias empresas (faturamento anual até R$ 6 milhões); "Desenvolvimento de um modelo de negócio sustentável para o aprimoramento de micro, pequenas e médias empresas no Brasil" Termos de Referência 2

4 INTRODUÇÃO O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Uniethos desenharam o programa "Desenvolvimento de um modelo de negócio sustentável para o aprimoramento de micro, pequenas e médias empresas no Brasil (Programa Valor em Cadeia). O objetivo do projeto é melhorar o desempenho dos negócios, o bem-estar dos empregados e gestão ambiental das micro, pequenas e médias empresas (MPMEs). Além disso, o projeto busca fortalecer os vínculos entre as MPMEs e as empresas âncoras em dois setores (construção e vestuário). A indústria da construção tem uma grande importância social. O setor possuía 218 mil empresas que ocupavam mais de 3,3 milhões de pessoas em 2012, representando 6,3% do total das pessoas ocupadas no País1. Apesar dessa grande importância social, os impactos negativos do setor são, por outro lado, um grande desafio. Na lista suja de trabalho escravo, 7% dos registros são de empresas do setor da construção. No que diz respeito ao setor têxtil e confecção, o segundo maior empregador de mão de obra da indústria de transformação do Brasil, as condições de trabalho também estão entre os desafios do setor. Sabe-se que o mercado da moda vem passando por expressivas mudanças nos últimos anos. A principal mudança é a consolidação de novos modelos de negócios nas empresas de varejo, que se evidencia principalmente pela chamada democratização da moda, ou seja, empresas estão desenvolvendo produtos com conteúdo de moda a preços acessíveis para as classes C e D. Os modelos de negócios baseados em produtos de baixo custo para o consumo popular, tendem a contar com uma vasta rede de fornecedores e subfornecedores de vestuário, combinando produção nacional com produtos importados. Dentre os fornecedores, o perfil mais comum são empresas de pequeno e médio porte, com baixa densidade tecnológica e mão de obra pouco qualificada. Com baixo desempenho econômico, as empresas de confecção, principalmente os subcontratados de pequeno porte, enfrentam dificuldades de garantir condições adequadas de trabalho. O programa Desenvolvimento de um modelo de negócio sustentável para o aprimoramento de micro, pequenas e médias empresas no Brasil" tem os seguintes componentes: 1. Desenvolvimento e implementação de um modelo de negócio sustentável para MPMEs. Para subsidiar o desenvolvimento da metodologia para o aprimoramento das empresas e adoção de um modelo de negócios sustentável, neste componente serão desenvolvidos dois estudos setoriais, sendo um para o setor de vestuário e outro para o setor de construções. Além disso, serão realizados diagnósticos das cadeias de valor das empresas âncoras do projeto visando a avaliação das condições financeiras, comerciais, socioambientais e de gestão das empresas fornecedoras. Serão ainda realizados diagnósticos das empresas âncoras com especial atenção para a análise do modelo de negócio de cada uma das empresas, assim como serão desenvolvidas propostas de estratégias de gestão de suas respectivas cadeias de valor. Ainda como atividade deste componente estão o desenvolvimento e a execução da metodologia do programa que compreenderá a capacitação e consultoria em negócios, realizado de forma adequada às necessidades de cada empresa. Esta capacitação/consultoria deverá ser realizada 1 IBGE. Estatísticas do Cadastro Central de Empresas

5 considerando as especificidades do setor, da cadeia de valor da empresa âncora, do mercado e dos padrões sociais e ambientais. 2. Melhoria da gestão financeira das MPMEs A falta de planejamento na condução das atividades e de conhecimentos básicos de gestão estão entre as principais causas, apontadas por especialistas, para a alta taxa de mortalidade das micro e pequenas empresas no Brasil. As atividades planejadas neste componente têm o objetivo de orientar as MPMEs participantes do projeto no aperfeiçoamento de sua gestão financeira. Este componente será executado de forma integrada ao componente 1, através da capacitação e consultoria junto às empresas. 3. Gestão do conhecimento As atividades deste componente buscarão sistematizar, documentar e difundir a experiência e os conhecimentos produzidos durante a execução do programa, visando sua replicação e ampliação da escala. 4

6 OBJETIVO Prestação de serviços de consultoria individual para coordenação e execução do programa Desenvolvimento de um Modelo de Negócios Sustentável para a Melhoria de Micro, Pequenas e Médias Empresas no Brasil (Programa Valor em Cadeia). Especificamente, o (a) coordenador (a) deverá: 1) Gerenciamento da execução do programa de acordo com o escopo de trabalho préestabelecido e do cronograma de atividades, o que envolve: Planejar e controlar as atividades relacionadas ao cumprimento dos objetivos do Programa; Contratar serviços e aquisições de materiais para a execução do Programa de acordo com Normas e Procedimentos do BID e acompanhar a realização dos serviços, bem como analisar os produtos entregues, visando garantir a qualidade final dos produtos e informações que integrem a documentação do Programa; Fazer interface com as empresas âncoras para a validação de atividades e dos produtos, e da execução do Cronograma do Programa; Fazer a interface com o BID para garantir que as etapas e processos sejam realizados conforme diretrizes do FUMIN, em observação e cumprimento do Marco Lógico do Programa; Coordenar os processos junto às demais áreas de apoio do Uniethos; Articular com parceiros nacionais / internacionais para o desenvolvimento dos produtos e entregas do Programa; Sistematizar os resultados das atividades do Programa; Coordenar as atividades de prestadores de serviços; Divulgar o programa, seu andamento e seus resultados, por meio de estratégia de comunicação e seus produtos direcionados a cada público, colaborando assim com sua efetiva implementação. 2) Supervisão do administrativo-financeira do programa, o que envolve: Realizar planejamento e o acompanhamento financeiro do programa, responsabilizandose por manter a documentação organizada e disponível para revisões que o BID venha solicitar, visto a modalidade de Revisão ex-post do Programa. Preparar relatórios gerenciais; Garantir a entrega e a exatidão das prestações de contas para o BID de acordo com procedimentos do FUMIN. LOCALIZAÇÃO E ÁREA ABRANGIDA PELOS SERVIÇOS A consultoria realizará seus trabalhos majoritariamente na sede do Uniethos, podendo ocorrer nas sedes das empresas âncoras ou outras localidades, em sua maior parte, na cidade de São Paulo, São Paulo. 5

7 ESCOPO DOS SERVIÇOS Gerenciamento da execução, garantindo que seja realizada dentro do escopo e cronograma estabelecidos; Contratação e acompanhamento dos prestadores de serviços; Contratação das aquisições para a execução do Programa; Articulação entre as partes envolvidas; Prestação de contas; Desenvolvimento de relatórios mensais de status do Programa. A consultoria deverá se inteirar sobre o programa "Desenvolvimento de um modelo de negócio sustentável para o aprimoramento de micro, pequenas e médias empresas no Brasil", para desenvolver com qualidade as atividades abrangidas no escopo da contratação. Serão disponibilizados documentos sobre o programa e suas entregas. A consultoria deverá atuar de forma integrada com a diretoria do Uniethos para garantir que o resultado do trabalho contemple as necessidades futuras de desdobramento do projeto. Além das atividades acima mencionadas, a consultoria deverá: Participar das reuniões com a contratante, sempre que demandado, para socializar informações e definir questões relativas ao desenvolvimento das atividades; Manter a diretoria do Uniethos informada a respeito do andamento do trabalho; Executar os serviços adotando um alto padrão de competência e integridade ética e profissional, sob pena de rescisão contratual. RELATÓRIOS E PRODUTOS Atividade: Execução do Programa Elaborar e apresentar relatórios. Relatórios obrigatórios Produto Relatório do Acompanhamento Mensal das atividades e produtos entregues conforme Cronograma do Programa. Relatórios financeiros (formulários BID/FUMIN); Relatórios Semestrais de execução (PSR); Relatório Final de Execução. Prazo de execução O prazo de execução da consultoria é de abril/2016 a dezembro/2017. Discussão do Plano de Trabalho Será realizada uma reunião específica para a discussão do plano de trabalho para garantir o alinhamento antes do início dos trabalhos. Forma de Apresentação Os produtos deverão ser escritos em língua portuguesa e entregues em 01 (uma) via original, impressa em qualidade "Laser print" ou similar, em papel formato A4, em conformidade com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT (NBR 14724:2002). Os relatórios também deverão ser entregues em mídia digital (DVD-ROM, CD-ROM ou Pendrive) em formato Microsoft Office Word, em versão indicada pelo contratante, e também em formato pdf. 6

8 Direitos autorais Os conteúdos dos materiais produzidos não poderão ser divulgados a quaisquer terceiros sem a autorização prévia, expressa e por escrito da contratante. Todas as informações e materiais produzidos a partir deste Termo de Referência pertencerão à contratante e aos parceiros do projeto "Desenvolvimento de um modelo de negócio sustentável para o aprimoramento de micro, pequenas e médias empresas no Brasil". As informações e materiais produzidos a partir dos trabalhos objeto deste Termo de Referência poderão ser utilizados e reproduzidos total ou parcialmente pela contratante e os parceiros do projeto, inclusive em período posterior ao encerramento do contrato, respeitando-se e reconhecendo-se os direitos de propriedade intelectual estipulados em lei. Deverá ser solicitada a autorização da contratante para a publicação e reprodução de materiais bibliográficos na forma de artigos, trabalhos acadêmicos, para congressos e eventos científicos, entre outros, produzidos a partir de informações e materiais resultantes deste Termo de Referência. QUADRO DE CUSTOS CONFORME ORÇAMENTO DO PROGRAMA O orçamento para esta consultoria individual será determinado no ato da sua contratação. No valor mensal contratado, estarão incluídos todos os custos indiretos com os encargos sociais, impostos ou taxas que estarão sob responsabilidade direta do contratado. FORMA DE PAGAMENTO Produtos Relatório do Acompanhamento Mensal das atividades e produtos entregues conforme Cronograma do Programa. Forma Pagamento Mensal SUBCONTRATAÇÃO Após a assinatura do contrato, não será permitida subcontratação para nenhuma das atividades previstas neste Termo de Referência sem a autorização prévia do Uniethos. QUALIFICAÇÕES NECESSÁRIAS O consultor individual deverá apresentar comprovada experiência na coordenação de projetos ou programas de cooperação técnica internacional, preferencialmente junto ao BID e na temática do desenvolvimento de MPEs da cadeia de fornecimento de grandes empresas. Formação superior - preferencialmente em Administração de Empresas, Economia, Engenharia, Ciências Sociais ou áreas afins; Comprovada experiência com o setor privado de no mínimo 2 anos, preferencialmente em um ou nos dois setores: construção civil e varejo de moda; Experiência em relacionamento com clientes internos e externos; Comprovada experiência em gerenciamento de projetos de no mínimo 5 anos; Domínio das ferramentas básicas de informática (Internet, Word, PowerPoint); Domínio avançado do Excel; Fluência oral e escrita em inglês. 7

9 Os interessados deverão encaminhar currículo acompanhados de atestados técnicos recentes que comprove as experiências requisitadas para o até o dia 11/03/2016 às 12h. COORDENADOR DO CONTRATANTE A coordenação técnica e administrativa desta consultoria ficará a cargo do Uniethos, particularmente a cargo do Diretor Executivo que será responsável pelo acompanhamento, a fiscalização e o recebimento dos trabalhos por parte do Contratante. ENDEREÇO DO CONTRATANTE UNIETHOS Rua Dr.Fernandes Coelho, 85 10º andar Pinheiros São Paulo SP CEP Tel: (011)

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS. ( ):

NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS. ( ): NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 01/2015 DATA: ( 01/03/2014) COMPONENTE:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº Objetivo da contratação. 2. Antecedentes e contexto

TERMO DE REFERÊNCIA nº Objetivo da contratação. 2. Antecedentes e contexto TERMO DE REFERÊNCIA nº 2017.0202.00008-3 Responsável: Betânia Santos Fichino Setor: Departamento de Áreas Protegidas/MMA Brasília, 02 de fevereiro de 2017 1. Objetivo da contratação Contratação de serviços

Leia mais

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 6

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 6 PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 6 1. OBJETIVO Orientar a condução dos processos de de forma a garantir a uniformidade e eficiência dos procedimentos, ferramentas e técnicas utilizadas,

Leia mais

Cada um dos projetos executados pelo Funbio conta com uma Gerência de Projeto, cujas atribuições e responsabilidades são:

Cada um dos projetos executados pelo Funbio conta com uma Gerência de Projeto, cujas atribuições e responsabilidades são: TERMO DE REFERÊNCIA nº 011/2017 Contratação de pessoa física para a função de GERENTE DE PROJETOS da Superintendência de Programas para atendimento às demandas dos projetos apoiados pelo Fundo Brasileiro

Leia mais

Termo de Referência Solicitação de orçamento para consultoria técnica ao Guia Temático Fórum Clima de mudança do clima

Termo de Referência Solicitação de orçamento para consultoria técnica ao Guia Temático Fórum Clima de mudança do clima Termo de Referência Solicitação de orçamento para consultoria técnica ao Guia Temático Fórum Clima de mudança do clima 1. INTRODUÇÃO Este documento tem o propósito de estabelecer condições para a contratação

Leia mais

1. Número e Título do Projeto:

1. Número e Título do Projeto: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA FUNDO NACINAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS 1. Número e Título

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS (JULHO à DEZEMBRO DE 2017) I. Histórico e Contexto Em 2012, associações indígenas

Leia mais

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições:

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições: PRORROGAÇÃO DO EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 24 de Novembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETOIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETOIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETOIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/MEC/DTI

Leia mais

Contratação de Consultoria de Profissionais Para o Núcleo Experimental de Desenvolvimento Estratégico do Projeto

Contratação de Consultoria de Profissionais Para o Núcleo Experimental de Desenvolvimento Estratégico do Projeto TERMO DE REFERENCIA GA-016/2017 Contratação de Consultoria de Profissionais Para o Núcleo Experimental de Desenvolvimento Estratégico do Projeto Programa Expansão do Modelo Inserção Laboral de Jovens em

Leia mais

TDR PROGRAMA DE COACHING DE IDIOMA INGLES

TDR PROGRAMA DE COACHING DE IDIOMA INGLES 1 BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL TDR 2016.0728.00024-4 PROGRAMA DE COACHING DE IDIOMA INGLES JULHO / 2016 2 1. TERMINOLOGIA, DEFINIÇÕES, SIGLAS E CONCEITOS BÁSICOS ARPA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO 1. INTRODUÇÃO A Política de Treinamento tem por objetivo estabelecer critérios para o tratamento das solicitações de Capacitação, Desenvolvimento, Cursos Intensivos, Seminários, Palestras, Congressos,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Desempenhar atividades técnicas e de gestão para o desenvolvimento da cooperação técnica descentralizada, com vistas

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 2. Leia-se: A documentação relativa à qualificação técnica do LICITANTE limitar-se-á à comprovação de

SUPLEMENTO Nº 2. Leia-se: A documentação relativa à qualificação técnica do LICITANTE limitar-se-á à comprovação de CO.GCM.A.00006.2016 1/6 SUPLEMENTO Nº 2 FURNAS Centrais Elétricas S.A. torna públicas as seguintes alterações no edital referente ao processo licitatório CO.GCM.A.00006.2016: Alteração 1) 1.1) SEÇÃO II

Leia mais

O COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA (COLGRAD-FO), no uso de suas atribuições e considerando:

O COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA (COLGRAD-FO), no uso de suas atribuições e considerando: RESOLUÇÃO n 01/2016 COLGRAD- FOUFMG Reedita o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Curso de Graduação em Odontologia da da UFMG, alterando dispositivos da Resolução nº 02/2014 aprovada

Leia mais

A atuação do Consultor irá concentrar-se em 3 (três) funções principais e concomitantes, conforme descrição a seguir:

A atuação do Consultor irá concentrar-se em 3 (três) funções principais e concomitantes, conforme descrição a seguir: TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR DE INTELIGÊNCIA COMERCIAL/INDIVIDUAL PARA EXPANSÃO DA CAPACIDADE DE GERAÇÃO DE DADOS DA INDÚSTRIA DE VENTURE CAPITAL E PRIVATE EQUITY Abreviaturas: ABVCAP ANBIMA

Leia mais

Seleção de Serviços. https://docs.google.com/forms/d/1wimsrs5a6pxvmpspl59vkfx_zkvlcmgibvp_exbv5i4/viewfor m?edit_requested=true

Seleção de Serviços. https://docs.google.com/forms/d/1wimsrs5a6pxvmpspl59vkfx_zkvlcmgibvp_exbv5i4/viewfor m?edit_requested=true Seleção de Serviços Consultoria sobre a verificação dos mecanismos de controle interno e social da atividade de política comunitária nos territórios-alvo do Programa de Oportunidades e Direitos no Estado

Leia mais

D. (49) N, 2º

D. (49) N, 2º CONTROLLER (CÓDIGO 1896) Para empresa de médio porte Atividades a serem desenvolvidas: - Análise de produtividade da fábrica; - Elaborar e apresentar as análises de indicadores de resultados; - Análise

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 04/2016 SELEÇÃO DE PESQUISADORES

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 04/2016 SELEÇÃO DE PESQUISADORES CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 04/2016 SELEÇÃO DE PESQUISADORES PROJETO: PESQUISA APLICADA NA IMPLANTAÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COM OBJETIVO DE AMPLIAR A QUALIDADE, EFICIÊNCIA

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º 001/2017 VAGA CONSULTOR INDIVIDUAL PESSOA JURÍDICA

TERMO DE REFERÊNCIA N.º 001/2017 VAGA CONSULTOR INDIVIDUAL PESSOA JURÍDICA TERMO DE REFERÊNCIA N.º 001/2017 VAGA CONSULTOR INDIVIDUAL PESSOA JURÍDICA Universidade Federal do Rio Grande - FURG Fundação de Apoio à Universidade do Rio Grande FAURG Fundo Brasileiro da Biodiversidade

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 007/2017 Contratação para a Área de Escritório de Projetos - PMO Responsável: Mônica Ferreira Setor: Escritório de Projetos - PMO Rio de Janeiro, 23 de junho de 2017 1. Identificação

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 3/2007 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1. Objeto 3 2. Justificativa 3 3. Diretrizes 4 3.1.

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

NORMAS GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD INSTITUTO DO TRÓPICO SUBÚMIDO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL NORMAS GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA4007 EDITAL Nº 02/2010 1. Perfil: 1 3. Qualificação educacional: Pós-graduação em Turismo, Administração ou Marketing 4. Experiência profissional:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ESPORTE E LAZER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ESPORTE E LAZER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ESPORTE E LAZER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O PROGRAMA SEGUNDO TEMPO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO. Tropical Forest Conservation Act - TFCA TERMO DE REFERÊNCIA

FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO. Tropical Forest Conservation Act - TFCA TERMO DE REFERÊNCIA FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO Tropical Forest Conservation Act - TFCA TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVO: Contratação de serviços de consultoria para avaliação dos resultados alcançados pelo

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS 1 SUMÁRIO 3 DIRETRIZES PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO 3 DISPENSA DE ESTÁGIO 4 ATRIBUIÇÕES DO RESPONSÁVEL PELA ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIO 4 PERFIL DE CONCLUSÃO DE CURSO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - TOR/OEI/MEC/FNDE/DIPRO/

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

UNISUL - UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNISUL - UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNISUL - UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( TCC) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO -

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - CAPÍTULO I Da Natureza, das Finalidades e dos Objetivos Art.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO POR SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO POR SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO POR SERVIÇO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO CENTRO DE REFERÊNCIA PATRIMONIAL HISTÓRICA DE DUQUE DE CAXIAS (AA-CRPH) E REDE DE MUSEOLOGIA SOCIAL DO RIO DE JANEIRO (REMUS-RJ) Cotação

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA (SDP) Nº001/2015 SERVIÇOS DE CONSULTORIA

SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA (SDP) Nº001/2015 SERVIÇOS DE CONSULTORIA SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA (SDP) Nº001/2015 SERVIÇOS DE CONSULTORIA Brasil N o : ATN/ME-14644-BR (BR-M1119) Referência:1,2 iii Formulação da metodologia de aceleração Data: 24 de julho de 2015 O UNIETHOS

Leia mais

Execução do plano de trabalho cadastrado no SICONV, em acordo com os princípios da Museologia Social e a legislação vigente.

Execução do plano de trabalho cadastrado no SICONV, em acordo com os princípios da Museologia Social e a legislação vigente. TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO POR SERVIÇO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO CENTRO DE REFERÊNCIA PATRIMONIAL HISTÓRICA DE DUQUE DE CAXIAS (AA-CRPH) E REDE DE MUSEOLOGIA SOCIAL DO RIO DE JANEIRO (REMUS-RJ)

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA MODALIDADE: PRODUTO CARGO A

IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA MODALIDADE: PRODUTO CARGO A INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA MODALIDADE: PRODUTO CARGO A 01. OBJETO DA CONSULTORIA Contratar Consultoria por produto para desenvolver atividades

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº TERMO DE REFERÊNCIA Nº TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA PARA LEVANTAMENTO DE NEGOCIOS E ARRANJOS PRODUTIVOS NÃO PESQUEIROS NA RESERVA EXTRATIVISTA DE CANAVEIRAS/BA. Responsáveis

Leia mais

Edital Universidade Santa Úrsula - USU: 01/ Bolsa de Iniciação Científica

Edital Universidade Santa Úrsula - USU: 01/ Bolsa de Iniciação Científica Edital Universidade Santa Úrsula - USU: 01/2017 - Bolsa de Iniciação Científica A Universidade Santa Úrsula USU - do Rio de Janeiro, por intermédio da Pró- Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

Edital Universidade Santa Úrsula - USU: 02/ Programa de Iniciação Científica

Edital Universidade Santa Úrsula - USU: 02/ Programa de Iniciação Científica Edital Universidade Santa Úrsula - USU: 02/2017 - Programa de Iniciação Científica A Universidade Santa Úrsula USU - do Rio de Janeiro, por intermédio da Pró- Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Fixa as DIRETRIZES E NORMAS PARA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO do Curso de Engenharia de Produção da UNIPAMPA, Campus Bagé. 2011

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16.

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16. - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Esportes e Lazer Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.660/06, nº 12.979/06 e nº 16.385/15 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário Municipal

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Junho - 2014 SUMÁRIO 1 DIRETRIZES PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2 DISPENSA DE ESTÁGIO 3 ATRIBUIÇÕES DO RESPONSÁVEL PELA ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIO 4 PERFIL

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus.

Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus. Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus. CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Iniciação Científica PIC da Faculdade Processus, constitui-se em um conjunto de ações destinadas a propiciar

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO OS -002/ SR-3/ ASSUNTO: REGULAMENTA AS AÇÕES DE EXTENSÃO VIGÊNCIA: 25/01/2013 VERSÃO: 05

IDENTIFICAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO OS -002/ SR-3/ ASSUNTO: REGULAMENTA AS AÇÕES DE EXTENSÃO VIGÊNCIA: 25/01/2013 VERSÃO: 05 OS -002/ SR-3/ 2013 1 5 1 FINALIDADE A presente Ordem de Serviço tem como finalidade conceituar, organizar e disciplinar as ações que constituem a Extensão, na UERJ: Programa, Projetos, Cursos e Eventos.

Leia mais

Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS:

Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: Modalidade Produto Área de Ciências Humanas e Direitos Humanos SELECIONA CURRÍCULOS

Leia mais

COLETA DE PREÇOS nº 01/2014

COLETA DE PREÇOS nº 01/2014 COLETA DE PREÇOS nº 01/2014 1. PREÂMBULO 1.1. A ASSOCIAÇÃO MUSEU AFRO BRASIL, torna pública a realização de Seleção de Fornecedores na modalidade Coleta de Preços, pelo critério de menor preço, objetivando

Leia mais

Procedimento para Empréstimo de Documentos para as Empresas Projetistas. Controle de Revisão P-ER/SE-1. Título do Documento: Folha 1 de 12

Procedimento para Empréstimo de Documentos para as Empresas Projetistas. Controle de Revisão P-ER/SE-1. Título do Documento: Folha 1 de 12 Título do Documento: Procedimento para Empréstimo de Documentos para as Empresas Projetistas Controle de Revisão P-ER/SE-1 Nº Documento Folha 1 de 12 Revisão Data Item Descrição das Alterações a 05/12/2005

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 30/2016

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 30/2016 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 30/2016 A Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, considerando o deliberado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA 1. Número e Título do Projeto: OEI BRA09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS. Consultor de Cadastro de Museus

TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS. Consultor de Cadastro de Museus TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS OEI/BRA 09/005 - Desenvolvimento da Gestão Estratégica do IBRAM e dos Museus Brasileiros para o Fortalecimento Institucional na Formulação e Implantação

Leia mais

DIRETRIZES DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO

DIRETRIZES DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO Normas NR: NO 1 Pág: 1/8 DIRETRIZES DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO 1. Objetivo Determinar as diretrizes do Sistema Brasileiro de Acreditação desenvolvido sob a égide e orientação da Organização Nacional

Leia mais

PORTARIA REITORIA UESC Nº 772

PORTARIA REITORIA UESC Nº 772 PORTARIA REITORIA UESC Nº 772 A Reitora da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, RESOLVE Art. 1º - Retificar o Edital UESC nº 100/2016, que abriu inscrições para equipe

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010 26/02/2016 08:59:26 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010 Altera a Resolução CD/FNDE nº 36, de 13 de julho de 2009, que estabelece

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ ESCRITÓRIO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS EDITAL N. 001/ RETIFICADO ESCRITÓRIO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ ESCRITÓRIO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS EDITAL N. 001/ RETIFICADO ESCRITÓRIO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS EDITAL N. 001/2017 - RETIFICADO ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA CONCESSÃO DE BOLSA PARA PROFISSIONAL GRADUADO EM NÍVEL SUPERIOR DO PROGRAMA ESTRUTURAÇÃO DO UNESPAR (SETI/UGF) A Universidade Estadual do Paraná

Leia mais

Inventário Participativo do Museu Vivo de São Bento

Inventário Participativo do Museu Vivo de São Bento TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO POR SERVIÇO ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO CENTRO DE REFERÊNCIA PATRIMONIAL E HISTÓRICO DE DUQUE DE CAXIAS (AA- CRPH) E REDE DE MUSEOLOGIA SOCIAL DO RIO DE JANEIRO (REMUS-

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CAPÍTULO I DA NATUREZA REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O Projeto Pedagógico do Curso Turismo da UFPR prevê a realização de estágio nas modalidades de obrigatório

Leia mais

Regulamento para solicitação de verbas para projetos científicos

Regulamento para solicitação de verbas para projetos científicos Regulamento para solicitação de verbas para projetos científicos O presente documento tem por objetivo organizar e regulamentar a solicitação e distribuição de verba para as atividades, projetos e/ou programas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 18 DE 16 DE JUNHO DE 2010.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 18 DE 16 DE JUNHO DE 2010. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 18 DE 16 DE JUNHO DE 2010. Altera a Resolução CD/FNDE nº 36, de 13 de julho de 2009, que

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDICINA DA FCM - UFMT

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDICINA DA FCM - UFMT REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE MEDICINA DA FCM - UFMT Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares no âmbito da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Federal

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 73 (Edital RH088/08)

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 73 (Edital RH088/08) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 73 (Edital RH088/08) 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviço de consultoria pessoa física para fornecer suporte

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE APOIO PEDAGÓGICO - 44

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE APOIO PEDAGÓGICO - 44 TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE APOIO PEDAGÓGICO - 44 N.º e Título do Projeto: Projeto OEI/BRA 09/002, Desenvolvimento de Processos Gerenciais e Operacionais no Ministério

Leia mais

Edital nº 04 / 2015 ATIVIDADES DE ENSINO, EXTENSÃO E PESQUISA Programa POLOS de Cidadania

Edital nº 04 / 2015 ATIVIDADES DE ENSINO, EXTENSÃO E PESQUISA Programa POLOS de Cidadania Edital nº 04 / 2015 ATIVIDADES DE ENSINO, EXTENSÃO E PESQUISA Programa POLOS de Cidadania O Programa Polos de Cidadania da Faculdade de Direito da UFMG faz saber que entre os dias 27 de maio e 08 de junho

Leia mais

Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº )

Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº ) Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº 13.2010) REALIZAÇÃO DE OFICINAS TÉCNICAS PARA VALIDAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADES DA SOCIEDADE CIVIL E ELABORAÇÃO

Leia mais

Gerente de Mídias Sociais, com carga horária de 30h semanais.

Gerente de Mídias Sociais, com carga horária de 30h semanais. TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO POR SERVIÇO ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO CENTRO DE REFERÊNCIA PATRIMONIAL E HISTÓRICO DE DUQUE DE CAXIAS (AA- CRPH) E REDE DE MUSEOLOGIA SOCIAL DO RIO DE JANEIRO (REMUS-

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Centro de Ciências da Saúde CCS Departamento de Fonoaudiologia NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA

Leia mais

BOLSAS DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PCI/MCTI

BOLSAS DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PCI/MCTI Página 1 de 13 BOLSAS DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PCI/MCTI RN-041/2013 Estabelecer as normas gerais e específicas para as modalidades de bolsas de longa duração do Programa de Capacitação

Leia mais

COLEGIADO DE CURSOS FACULDADE UNA DE BETIM. Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016

COLEGIADO DE CURSOS FACULDADE UNA DE BETIM. Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016 COLEGIADO DE CURSOS Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016 Institui a Política de Extensão no âmbito da Faculdade Una de Betim e dá outras providências. A Presidente do Colegiado de Cursos da Faculdade

Leia mais

Caracterização e objetivos do PET

Caracterização e objetivos do PET UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE EDUCAÇÂO TUTORIAL - PET EDITAL DE SELEÇÃO PARA TUTOR(A) DO GRUPO PET CIVIL (2016) A PROGRAD divulga, pelo presente edital,

Leia mais

Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Bacharelado em Engenharia Mecânica

Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Bacharelado em Engenharia Mecânica Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Bacharelado em Engenharia Mecânica Organização: Colegiado do Curso de Engenharia Mecânica Coordenador: Eider Lúcio de Oliveira Goiânia, Fevereiro

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem do Centro Universitário do Cerrado - Patrocínio (UNICERP) fundamenta a ação pedagógica, a ser desenvolvida junto aos alunos, na

Leia mais

FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA. Instituído pela Lei N.º , de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001

FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA. Instituído pela Lei N.º , de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001 FUNDO DE INFRA-ESTRUTURA - CT-INFRA Instituído pela Lei N.º 10.197, de 14/02/2001 Regulamentado pelo Decreto 3.087, de 26/04/2001 Recursos: 20% dos recursos dos Fundos Setoriais, sendo pelo menos 30% destinados

Leia mais

Volta Redonda, março de 2009

Volta Redonda, março de 2009 Trabalho de Conclusão de Curso TCC Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Núcleo de Graduação Tecnológica Volta Redonda, março de 2009 Agenda Objetivos Alcance Coordenação Orientação O Aluno Pesquisador

Leia mais

Cotação prévia de preço Divulgação Eletrônica Tipo: Menor preço global

Cotação prévia de preço Divulgação Eletrônica Tipo: Menor preço global TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO POR SERVIÇO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO CENTRO DE REFERÊNCIA PATRIMONIAL HISTÓRICA DE DUQUE DE CAXIAS (AA-CRPH) E REDE DE MUSEOLOGIA SOCIAL DO RIO DE JANEIRO (REMUS-RJ)

Leia mais

PRH-49 / ANP PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS EM TECNOLOGIAS AVANÇADAS PARA RECUPERAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL EM CAMPOS MADUROS

PRH-49 / ANP PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS EM TECNOLOGIAS AVANÇADAS PARA RECUPERAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL EM CAMPOS MADUROS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Rua Professor Aristides Novis, nº 02 Federação EP/UFBA CEP 40.210-630 Salvador - Bahia Tel: 3203-9806,

Leia mais

POLÍTICA SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA SOCIOAMBIENTAL V02 17112016 Este documento é propriedade do, para uso exclusivo de seus Acionistas, Diretores e Colaboradores. Sua divulgação só é permitida internamente. Este documento, ou qualquer parte dele, não pode

Leia mais

3 - ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS:. 3.1 Gerenciar as metas e etapas previstas no Plano de Trabalho assim com sua execução operacional.

3 - ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS:. 3.1 Gerenciar as metas e etapas previstas no Plano de Trabalho assim com sua execução operacional. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 01/2012 TIPO: MELHOR QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN 3.1.6 - MCT 1 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviços de pessoa física para a elaboração de documento

Leia mais

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE IEL INSTITUTO EUVALDO LODI NÚCLEO REGIONAL DE MINAS GERAIS

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE IEL INSTITUTO EUVALDO LODI NÚCLEO REGIONAL DE MINAS GERAIS MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Página 1 de 5 IEL INSTITUTO EUVALDO LODI NÚCLEO REGIONAL DE MINAS GERAIS BRASIL PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DE APL S (ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS) DO ESTADO DE MINAS GERAIS.

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) RESIDUOS - DRS

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) RESIDUOS - DRS INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) RESIDUOS - DRS 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Serviços de consultoria para apoio técnico referente à realização dos produtos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 003/2016

EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 003/2016 EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 003/2016 Chamada para submissão de Projetos de Iniciação Científica e Tecnológica A Direção Geral da FACULDADE

Leia mais

REGIMENTO PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - BACHARELADO

REGIMENTO PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS BACHARELADO REGIMENTO PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - BACHARELADO Coordenador de Estágio:

Leia mais

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A. Acordo de Acionistas Regimento da Interno CPFL dos Energia Comitês S.A. de Assessoramento do Atual Denominação Social Conselho da de Draft Administração II Participações S.A. da CPFL Energia S.A. 1 Sumário

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Assessorar tecnicamente a gestão e promover a implementação e articulação interprogramática das atividades relacionadas

Leia mais

CAMPUS DO PANTANAL REGULAMENTO DISCIPLINA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Capítulo II. Da Natureza e objetivos do Trabalho de Conclusão de Curso

CAMPUS DO PANTANAL REGULAMENTO DISCIPLINA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Capítulo II. Da Natureza e objetivos do Trabalho de Conclusão de Curso CAMPUS DO PANTANAL REGULAMENTO DISCIPLINA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Capítulo I Da Natureza e objetivos do Trabalho de Conclusão de Curso Art.1º O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do curso de

Leia mais

Aumentar a participação de investidores internacionais em eventos no Brasil, com ênfase para os promovidos e/ou apoiados pela ABVCAP.

Aumentar a participação de investidores internacionais em eventos no Brasil, com ênfase para os promovidos e/ou apoiados pela ABVCAP. TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2014 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA GESTÃO DE PROJETO DE EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE PRIVATE EQUITY E VENTURE CAPITAL 1. OBJETO O presente Termo de Referência

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA E INFORMAÇÃO BIOMÉDICA. DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SBiB/ICB/USP

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA E INFORMAÇÃO BIOMÉDICA. DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SBiB/ICB/USP REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA E INFORMAÇÃO BIOMÉDICA Regimento SBiB/ICB/USP DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SBiB/ICB/USP CAPÍTULO 1 DAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º

Leia mais

SERVIÇOS DE CONSULTORIA

SERVIÇOS DE CONSULTORIA SERVIÇOS DE CONSULTORIA Apresentação Ao longo de 16 anos de atuação no mercado, viemos acompanhando a evolução das necessidades de evolução dos negócios de nossos clientes, e a evolução das necessidades

Leia mais

TDR PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DE PROJETOS

TDR PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DE PROJETOS BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL TDR 2016.0728.00021-0 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DE PROJETOS JULHO / 2016 Página 1 de 9 1. TERMINOLOGIA, DEFINIÇÕES, SIGLAS E CONCEITOS

Leia mais

5. Iniciação Científica Júnior - ICJ - Norma Específica Finalidade

5. Iniciação Científica Júnior - ICJ - Norma Específica Finalidade 5. Iniciação Científica Júnior - ICJ - Norma Específica 5.1 - Finalidade Anexo V da RN-017/2006 - Bolsas por Quota no País Despertar vocação científica e incentivar talentos potenciais entre estudantes

Leia mais

ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Capítulo I Dos Objetivos Art. 1º - O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS - CUR INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - ICHS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PACTO NACIONAL

Leia mais

Nº 3 - Informações Sobre Execução

Nº 3 - Informações Sobre Execução Nº 3 - Informações Sobre Execução 1 1. VALORES ESTABELECIDOS NO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº 1628/OC-BR, PARA LICITAÇÃO /AQUISIÇÃO DE BENS E LICITAÇÃO/CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS (QUE NÃO OS DE CONSULTORIA)

Leia mais

EDITAL INTERNO DA FACULDADE NOVO MILÊNIO-NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO Nº 01/2016 1

EDITAL INTERNO DA FACULDADE NOVO MILÊNIO-NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO Nº 01/2016 1 Vila Velha, 14 de março de 2016 EDITAL INTERNO DA FACULDADE NOVO MILÊNIO-NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO Nº 01/2016 1 SELEÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES PARA ATUAREM NO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO A

Leia mais

- Termos sem assinatura ou parcialmente preenchidos não serão considerados como válidos;

- Termos sem assinatura ou parcialmente preenchidos não serão considerados como válidos; INFORMAÇÕES: - O presente Termo será firmado entre o SINDINFOR e a empresa que aderir ao Projeto; - O presente Termo deve ser assinado pelo Representante Legal da empresa, carimbado e rubricado em todas

Leia mais

MANUAL de GOVERNANÇA CORPORATIVA

MANUAL de GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL de GOVERNANÇA CORPORATIVA I OBJETIVO... 3 II MISSÃO... 5 III PRINCÍPIOS BÁSICOS... 7 IV COMPROMISSO... 9 V CONTROLES INTERNOS... 11 VI COMPLIANCE... 13 VII AGENTES DE GOVERNANÇA... 15 VIII LEGISLAÇÃO

Leia mais