RECUPERAÇÃO DE ÁGUA INDUSTRIAL UTILIZANDO TECNOLOGIA DE MEMBRANAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECUPERAÇÃO DE ÁGUA INDUSTRIAL UTILIZANDO TECNOLOGIA DE MEMBRANAS"

Transcrição

1 RECUPERAÇÃO DE ÁGUA INDUSTRIAL UTILIZANDO TECNOLOGIA DE MEMBRANAS Margarida Ribau-Teixeira e Maria João Rosa Universidade do Algarve, Campus de Gambelas, 8000 Faro, PORTUGAL, SUMÁRIO São descritos resumidamente os fundamentos sobre membranas e processos de separação com membranas. As aplicações mais frequentes dos processos de separação com membranas no tratamento de água residual industrial são discutidos. O tratamento das águas industriais através da tecnologia de membranas permite a recuperação de produtos de elevado valor económico, para além de permitir a reutilização da água do processo. INTRODUÇÃO Até cerca de meados do século XX, a ciência das membranas teve um campo de aplicação na prática muito limitado. No entanto, durante os últimos 30 anos, as membranas e os processos de separação com membranas têm sido desenvolvidos desde uma ferramenta laboratorial a processos industriais de significativa importância técnica e comercial (Caetano, 1995 e Strathmann, 1992).

2 A situação mudou rapidamente quando cientistas e engenheiros descobriram que, com a utilização de osmose inversa, poderiam poupar energia no processo de dessalinização da água do mar. Os progressos feitos na dessalinização, seguido dos sucessos obtidos em processos de separação a grande escala, como o tratamento de água residual industrial, originaram que os processos de membrana sejam actualmente considerados como uma tecnologia muito promissora (Caetano, 1995). A utilização das membranas em aplicações industriais, designadamente como técnica de controlo da poluição resultante da actividade industrial tem ganho, nos últimos anos, maior atenção. A tecnologia de membranas pode permitir a recuperação de resíduos de elevado valor e de água, a qual pode ser reutilizada no processo ou noutras aplicações. No entanto, os processos de separação por membranas concentram, separação e removem, mas não destroem, sendo desta forma necessário prever o seu tratamento através de outros processos como por exemplo, a oxidação, incineração e tratamento biológico. Dentro dos processos de membranas mais utilizados no controlo da poluição destacam-se a electrodiálise, a osmose inversa e a ultrafiltração, os quais têm sido utilizados no tratamento de lixiviados dos aterros, na indústria têxtil, na indústria de tratamento de superfície, na indústria petrolífera e petroquímica, na industria alimentar e na indústria de produção de pasta de papel. FUNDAMENTOS SOBRE MEMBRANAS E PROCESSOS DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS DEFINIÇÃO DE MEMBRANA, SUA FUNÇÃO E ESTRUTURA Uma membrana é uma barreira que separa duas fases e que selectivamente transfere massa entre essas fases. Podem ser fabricadas através de produtos inorgânicos como vidros porosos, grafite, porcelanas e óxidos metálicos, de produtos naturais como diacetato e triacetato de celulose, propionato-acetato de celulose, butirato-acetato de celulose e metacrilato-acetato de celulose, e de produtos sintéticos como poliamida, poliacrilonitrilo, polissulfona, e polipropileno.

3 As membranas podem apresentar estruturas muito diversas. As mais simples, as microporosas, apresentam dimensões de poro que variam entre 0,02 e 20 µm, a distribuição do poro é larga e têm baixa porosidade. São produzidas pressionando ou sintetizando polímeros, cerâmica ou metal. As membranas homogéneas e assimétricas são mais complexas na sua produção, assim como na sua estrutura. A membranas homogéneas são constituídas pode filmes densos que permitem a separação de moléculas de dimensões semelhantes devido a concentrações ou solubilidades muito diferentes na matriz da membrana. As membranas assimétricas são constituídas por uma camada homogénea muito fina (camada activa ou pele ) cuja espessura pode variar entre 0,1 a 1 µm e por uma camada porosa com espessura de 100 a 200 µm. As aplicações mais importantes das membranas homogéneas são a permeação gasosa, pervaporação para membranas polimétricas e a electrodiálise. As membranas assimétricas são actualmente utilizadas na micro e ultrafiltração e ocupam um lugar de destaque na tecnologia de separação de membranas, uma vez que permitem grandes velocidades de transferência de massa de certos componentes e têm uma grande resistência mecânica. As membranas compostas são membranas assimétricas constituídas por duas ou mais camadas de materiais diferentes. As primeiras membranas compostas foram preparadas por justaposição de um filme homogéneo muito fino numa camada porosa. Actualmente uma grande variedade de membranas compostas são preparadas por enxerto de diferentes monómeros no filme homogéneo à superfície da camada porosa. PROCESSOS DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS: PRINCÍPIOS DE OPERAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES Nos processos de separação por membranas ocorrem diferenças significativas consoante as membranas utilizadas, a força motriz para o transporte da massa aplicada e as suas aplicações. Na Tabela 1 apresenta-se os processos de separação por membranas mais relevantes e as suas principais características.

4 Processo de Separação Microfiltração (MF) Ultrafiltração (UF) Nanofiltração (NF) Osmose Inversa (OI) Diálise Electrodiálise (ED) Permeação Gasosa (PG) Pervaporação (PV) Tabela 1. Processos de separação por membranas e suas principais características Tipo de Membrana Microporosa 0,1 10 µm Assimétrica Microporosa nm Assimétrica 1 10 nm Assimétrica Filme denso Microporosa 0,1 10 µm Permutadora de iões Homogéneas Simétricas e assimétricas Força Motriz Pressão 0,1 1 bar Pressão 0,5 5 bar Pressão bar Pressão bar Gradiente de concentração Gradiente de potencial eléctrico Gradiente de pressão e concentração Gradientes de concentração Método de Separação Exclusão Exclusão Exclusão/ Difusão Difusão Difusão Migração num campo eléctrico Solubilidade e difusão Solubilidade e difusão Aplicações Remoção de SS Esterilização Clarificação Separação de macromoléculas em solução Remoção de micro-solutos orgânicos, sais multivalentes, desmineralização parcial de sais monovalentes Remoção de sais e micro-solutos Separação de sais e micro-solutos de macromoléculas em solução Dessalinização de soluções iónicas Separação de mistura gasosas Concentração e separação de pequenos solutos orgânicos Nos processos de separação por membranas MF, UF, NF e OI a força motriz é a pressão. A corrente de alimentação é circulada sob pressão, tangencialmente a uma membrana através da qual passa a água e algumas espécies dissolvidas constituindo uma corrente, designada por permeado. A corrente de alimentação enriquecida nas espécies macromoleculares que não atravessam a membrana constitui a outra corrente de saída, designada por concentrado ou rejeitado (Figura 1). Alimentação, Ca membrana Rejeitado, Cr, Cp Figura 1. A capacidade de separação é avaliada por um coeficiente de rejeição, f, obtido a partir das concentrações de soluto na alimentação e no permeado, Ca e Cp respectivamente (eq.(1)). Ca Cp f = eq. (1) Ca

5 A electrodiálise é um processo de separação pelo qual membranas carregadas electricamente são usadas para separar iões de uma solução aquosa por uma força motriz que é um potencial eléctrico. A pervaporação é um processo de separação em que a mistura líquida a separar é posta em contacto directo com uma membrana sendo o permeado recolhidos, sob a forma de vapor, no lado oposto dessa membrana. Uma das características das membranas é a polarização da concentração. Esta situação decorre do estabelecimento de um perfil de concentrações adjacente à superfície da membrana, em resultado da acumulação do soluto retido na superfície de membrana. Em estado estacionário, o fluxo convectivo de soluto em direcção à membrana é equilibrado pelo fluxo de soluto através da membrana e pelo fluxo difusivo de soluto da superfície da membrana para o seio da alimentação. Como resultado da polarização da concentração, os fluxos de permeação diminuem devido à camada de polarização se traduzir numa resistência adicional ao transporte. Em termos de operação das membranas há que considerar o seu tempo de vida. Normalmente as membranas têm um tempo de vida superior a 2 anos, com alguma perda de eficiência de fluxo de permeado. No entanto, o tempo de vida da membrana pode ser muito reduzido se no caudal de alimentação existirem constituintes como fenóis, bactérias e fungos, assim como se forem sujeitas a elevadas temperaturas e altas ou baixas pressões. Na aplicação da tecnologia de membranas é necessário prever um pré-tratamento. Isto porque, actualmente, os limites de aplicação directa do caudal de alimentação às membranas não deve exceder os mg/l de SDT. A presença de constituintes como carbonato de cálcio, sulfato de cálcio, óxidos e hidróxidos de ferro, manganés, silício, bário, sulfatos de estrôncio, sulfato de zinco e fosfato de cálcio deve ser controlada, caso contrário será necessário a sua remoção posterior da membrana. Estes constituintes podem ser controlados por ajuste de ph, remoção química, precipitação, inibição e filtração. Os resíduos orgânicos e as bactérias podem ser controlados por filtração, carvão activado e cloragem. Os óleos e as gorduras devem também ser removidos para prevenir a colmatação das membranas.

6 CONFIGURAÇÕES MODULARES Embora o desenvolvimento de membranas assimétricas, altamente selectivas e simultaneamente com grandes capacidades de permeação tenha contribuído para o desenvolvimento industrial dos processos de separação por membranas, este só foi possível com o arranjo destas membranas em configurações com as seguintes características: grande área superficial de membrana por unidade de volume; capacidade de processamento de fluidos em condições hidrodinâmicas e de pressão adequadas; fácil limpeza e manutenção. Desta forma, sugiram diversas configurações para as membranas, designadamente módulos planos, módulos tubulares, módulos de fibras ocas e módulos enrolados em espiral, cujas características e aplicações sintetizam-se na Tabela 2. Tabela 2. Módulos de membranas: propriedades e aplicações Tipo de módulo Área de membrana por volume (m 2 m -3 ) Preço Controle da polarização de concentração Aplicação Tubular Muito elevado Muito bom Filtração tangencial de soluções com elevado teor de sólidos Pratos Elevado Razoável MF tangencial, PV, PG, OI planos Espiral Baixo Pobre UF, OI, PV, PG Fibras ocas Muito baixo Muito mau OI, PG Em todos os processos de separação com membranas é importante a selecção de prétratamentos dos fluidos a processar e a sua conjugação com a selecção de membranas e módulos. APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS RELEVANTES DAS MEMBRANAS As membranas têm actualmente numerosas aplicações que vão desde a medicina ao tratamento de água residual industrial. Neste capítulo sumarizam-se as algumas das aplicações das membranas, cuja força motriz é a pressão, nos processos industriais.

7 ULTRAFILTRAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTES DE LACTICÍNIOS Concentrado Pré-tratamento Tratamento do concentrado de proteina Queijo A tecnologia de membranas, em particular a ultrafiltração, tem sido aplicada no processo de tratamento de efluentes de lacticínios. As proteínas do soro do leite podem ser retidas por ultrafiltração, enquanto que a lactose e compostos de baixo peso molecular passam através da membrana, podendo ser, desta forma, reaproveitados. ULTRAFILTRAÇÃO NA RECUPERAÇÃO DE CONCENTRADOS DE ÓLEOS Tanque de alimentação Bomba Concentrado A ultrafiltração permite a remoção de óleos e gorduras de efluentes concentrados, por exemplo na indústria metalúrgica. A ultrafiltração destas emulsões água-óleo produz uma água limpa e um concentrado de óleo. A água poderá ser tratada ou descarregada directamente no sistema de drenagem. O concentrado de óleo poderá ser reintegrado no processo.

8 TECNOLOGIA DE MEMBRANAS NO TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE 1ª lavagem 2ª lavagem 3ª lavagem Tanque de pintura Lavagem Filtração Concentrado O tratamento de superfície gera efluentes muito concentrados. Depois da pintura no tanque, o excesso de tinta tem de ser retirado, através da lavagem. A tinta diluída não pode retornar directamente ao tanque devido à água que contem, permitindo a ultrafiltração a recuperação da água e da tinta para reutilização. Desta forma, a ultrafiltração reduz significativamente a utilização de água e, em condições óptimas, o processo não produz águas residuais. ULTRAFILTRAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTES DA LAVAGEM DE CARROS Tanque de permeado Lavagem de carros Concentrado Pré-filtração Sedimentação Tanque de alimentação A utilização de membranas nas estações de serviço, nos sistemas de lavagem de carros, permite a recirculação da água, reduzindo significativamente o consumo de água limpa.

9 COMBINAÇÃO DE UM BIORREACTOR E TECNOLOGIA DE MEMBRANAS Lamas em excesso Bioreactor Controlo final Água residual No tratamento biológico de águas residuais poderá ser utilizado um processo de membrana como alternativa à etapa de decantação e operar a maiores concentrações por forma a aumentar a razão volume/tempo. FILTRAÇÃO DE ÁGUA ATRAVÉS DE MEMBRANAS Floculação / Precipitação Filtração A tecnologia de membranas pode também ser utilizada para produzir água industrial ou água para consumo humano. A utilização de membranas permite a redução do tamanho da estação de tratamento, o baixo consumo de energia, a redução dos químicos adicionados e origina uma menor produção lamas.

PHA 3418 Tecnologia de Separação por Membranas para Tratamento de Água e Efluentes

PHA 3418 Tecnologia de Separação por Membranas para Tratamento de Água e Efluentes PHA 3418 Tecnologia de Separação por Membranas para Tratamento de Água e Efluentes AULA 2 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS Prof.: José Carlos Mierzwa Processos de Separação por Membranas

Leia mais

Operações Unitárias: nanofiltração, ultrafiltração, microfiltração e osmose reversa. Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão

Operações Unitárias: nanofiltração, ultrafiltração, microfiltração e osmose reversa. Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão Operações Unitárias: nanofiltração, ultrafiltração, microfiltração e osmose reversa Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão Introdução Definição Eliminar componentes indesejáveis Meio filtrante:

Leia mais

Figura 2.1: Representação esquemática de separação de sistema bifásico por uma membrana (adaptado de Mulder, 1991) [43].

Figura 2.1: Representação esquemática de separação de sistema bifásico por uma membrana (adaptado de Mulder, 1991) [43]. 2 Nanofiltração 2.1. Processos de Separação por Membranas (PSM) Há algumas décadas, em adição aos processos clássicos de separação como filtração, centrifugação, destilação, troca iônica e extração por

Leia mais

MEMBRANE SEPARATION PROCESSES. Maria Norberta de Pinho

MEMBRANE SEPARATION PROCESSES. Maria Norberta de Pinho MEMBRANE SEPARATION PROCESSES Maria Norberta de Pinho Instituto Superior Técnico/ICEMST 2012 Classificação de Processos com Membranas Processo de Separação Tipo de Membrana Força Motriz Método de Separação

Leia mais

Reutilização de águas residuais tratadas ASPECTOS TÉCNICOS DO DESENVOLVIMENTO DE SRART

Reutilização de águas residuais tratadas ASPECTOS TÉCNICOS DO DESENVOLVIMENTO DE SRART Reutilização de águas residuais tratadas ASPECTOS TÉCNICOS DO DESENVOLVIMENTO DE SRART 1 Remoção de teores residuais de sólidos em suspensão Teores reduzidos de SS (< 30 mg/l); Matéria orgânica recalcitrante,

Leia mais

Processo de ultrafiltração e a sua aplicação em águas residuais

Processo de ultrafiltração e a sua aplicação em águas residuais Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Processo de ultrafiltração e a sua aplicação em águas residuais Projeto FEUP 1ºano curricular Mestrado integrado de Engenharia do Ambiente Coordenador:João

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Ultrafiltração. Projeto FEUP 2014/ Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente:

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Ultrafiltração. Projeto FEUP 2014/ Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente: Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Ultrafiltração Projeto FEUP 2014/2015 - Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente: Coordenadores gerais: Armando Sousa e Manuel Firmino Coordenador de

Leia mais

Aula 11: Técnicas de Purificação

Aula 11: Técnicas de Purificação Aula 11: Técnicas de Purificação Felipe Curtolo, Fernanda Ribeiro Sumário Processos de separação por membrana Classificação e transporte por membranas Avaliação dos processos de separação por membrana

Leia mais

O DESAFIO DAS TECNOLOGIAS EMERGENTES NUMA PERSPECTIVA AMBIENTAL INTEGRADA

O DESAFIO DAS TECNOLOGIAS EMERGENTES NUMA PERSPECTIVA AMBIENTAL INTEGRADA O DESAFIO DAS TECNOLOGIAS EMERGENTES NUMA PERSPECTIVA AMBIENTAL INTEGRADA Maria Norberta de Pinho - marianpinho@ist.utl.pt ICEMS, Instituto Superior Técnico, Departamento de Engenharia Química, Universidade

Leia mais

AULA 4 Físico-Química Industrial. Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica

AULA 4 Físico-Química Industrial. Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica AULA 4 Físico-Química Industrial Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica Prof a Janaina Barros 2010 CLASSIFICAÇÃO Operações preliminares: São normalmente utilizadas antes de qualquer outra operação.

Leia mais

WORKSHOP SÃO JOSÉ DOS CAMPOS MESA REDONDA O DESAFIO DO TRATAMENTO DE EFLUENTES LIQUIDOS

WORKSHOP SÃO JOSÉ DOS CAMPOS MESA REDONDA O DESAFIO DO TRATAMENTO DE EFLUENTES LIQUIDOS WORKSHOP SÃO JOSÉ DOS CAMPOS MESA REDONDA O DESAFIO DO TRATAMENTO DE EFLUENTES LIQUIDOS Eng. Elso Vitoratto engenharia@novaeraambiental.com.br TABELA Variação da composição do lixiviado para 25 aterros

Leia mais

ULTRAFILTRAÇÃO Projeto FEUP. Resumo

ULTRAFILTRAÇÃO Projeto FEUP. Resumo Resumo Esta experiência laboratorial teve como principal objetivo separar dois componentes através de uma membrana semipermeável que retém um dos componentes. Utilizando diferentes pressões (3,2 e 1) fomos

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE MEMBRANAS (ULTRAFILTRAÇÃO E MICROFILTRAÇÃO) NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE MEMBRANAS (ULTRAFILTRAÇÃO E MICROFILTRAÇÃO) NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE MEMBRANAS (ULTRAFILTRAÇÃO E MICROFILTRAÇÃO) NA INDÚSTRIA

Leia mais

Introdução. Waterlinx

Introdução. Waterlinx Introdução Waterlinx A Sotecnisol, empresa fundada em 1970, e que opera desde então, de forma consistente nos setores da Construção, Ambiente e Energia, desenvolveu, em conjunto com os seus vários parceiros

Leia mais

SISTEMAS DISPERSOS SOLUÇÕES COLÓIDES SUSPENSÕES

SISTEMAS DISPERSOS SOLUÇÕES COLÓIDES SUSPENSÕES SISTEMAS DISPERSOS SOLUÇÕES COLÓIDES SUSPENSÕES SOLUÇÕES homogêneo COLÓIDES SUSPENSÕES heterogêneo Tamanho médio das partículas do disperso Homogeneidade do sistema Sedimentação das partículas Filtração

Leia mais

Introdução. Tratamento de Lixiviados

Introdução. Tratamento de Lixiviados Introdução Tratamento de Lixiviados Da deposição de resíduos em aterros sanitários resulta, inevitavelmente, a produção de lixiviados. A recolha, armazenamento e tratamento adequados dos lixiviados são

Leia mais

Tipos de filtros. Teoria da Filtração. Tipos de filtros. Tipos de filtros

Tipos de filtros. Teoria da Filtração. Tipos de filtros. Tipos de filtros Filtração é uma operação unitária que tem por objetivo a separação mecânica de um sólido de um fluido, seja este fluido um líquido ou gás. Suspensão Filtração Resíduo, torta ou bolo Meio Filtrante permeável

Leia mais

Módulo inicial Materiais: Diversidade e Constituição. Química 10.º ano Ano lectivo 2007/2008

Módulo inicial Materiais: Diversidade e Constituição. Química 10.º ano Ano lectivo 2007/2008 Química 10.º ano Ano lectivo 2007/2008 Escola Secundária José Saramago Marta Paulino e Ângela Patrício O que é um Material? É algo que tem massa e ocupa espaço. Classificação Materiais: Componentes Origem

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 105010 (51) Classificação Internacional: C02F 11/12 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2010.03.16 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

Experimentos de Química Orgânica

Experimentos de Química Orgânica Experimentos de Química Orgânica Conhecimento dos procedimentos experimentais Montagem dos equipamentos e execução da reação REAGENTES PRODUTO PRINCIPAL + PRODUTOS SECUNDÁRIOS SOLVENTES + CATALISADORES

Leia mais

Teramb, Empresa Municipal de Gestão e Valorização Ambiental, EEM

Teramb, Empresa Municipal de Gestão e Valorização Ambiental, EEM Governo dos Açores Direção Regional do Ambiente Operador de Gestão de Resíduos Teramb, Empresa Municipal de Gestão e Valorização Ambiental, EEM NIF 509620515 E-Mail teramb@gmail.com Instalação Aterro Intermunicipal

Leia mais

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA Milhões de m 3 /dia I. Introdução Sistemas de osmose reversa vêm sendo uma opção cada vez mais adotada pelo setor industrial

Leia mais

Tratamento de resíduos

Tratamento de resíduos Tratamento de resíduos Resíduo: Um resíduo é qualquer substância ou objecto de que o ser humano pretende desfazer-se por não lhe reconhecer utilidade. Prioridades a seguir no tratamento de resíduos sólidos:

Leia mais

Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água.

Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água. ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO ACETATO DE PRATA INTRODUÇÃO Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água. O

Leia mais

UNIDADE 2 NA ATMOSFERA DA TERRA: RADIAÇÃO, MATÉRIA E ESTRUTURA

UNIDADE 2 NA ATMOSFERA DA TERRA: RADIAÇÃO, MATÉRIA E ESTRUTURA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS Física e Química A 10º ano UNIDADE 2 NA ATMOSFERA DA TERRA: RADIAÇÃO, MATÉRIA E ESTRUTURA 1 TIPOS DE DISPERSÕES A atmosfera é uma solução gasosa com vários gases dispersos

Leia mais

PHA 3418 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES. Aula 8 Procedimentos de Limpeza química e Sanitização

PHA 3418 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES. Aula 8 Procedimentos de Limpeza química e Sanitização PHA 3418 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Aula 8 Procedimentos de Limpeza química e Sanitização Prof.: José Carlos Mierzwa mierzwa@usp.br Operações de limpeza e

Leia mais

Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água.

Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água. PRECIPITAÇÃO SELECTIVA INTRODUÇÃO Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água. O fenómeno de dissolução

Leia mais

HIDROMETALURGIA E ELETROMETALURGIA

HIDROMETALURGIA E ELETROMETALURGIA A melhoria das propriedades das resinas orgânicas incentivou a aplicação para o processo de troca iônica devido a sua estabilidade e elevada capacidade. As primeiras tentativas para aplicação da troca

Leia mais

EXTRAÇÃO, SEPARAÇÃO E PURIFICAÇÃO ENZIMÁTICA

EXTRAÇÃO, SEPARAÇÃO E PURIFICAÇÃO ENZIMÁTICA EXTRAÇÃO, SEPARAÇÃO E PURIFICAÇÃO ENZIMÁTICA EQB4383 _ Enzimologia Industrial Etapas de Extração, Separação e Purificação Enzimáticas remoção de material insolúvel separação dos produtos purificação e

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 15 Flotação e Filtração

Saneamento Ambiental I. Aula 15 Flotação e Filtração Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 15 Flotação e Filtração Profª Heloise G. Knapik 1 Conteúdo Módulo 2 Parâmetros de qualidade de água - Potabilização Coagulação

Leia mais

BIOMEMBRANAS. M Filomena Botelho

BIOMEMBRANAS. M Filomena Botelho BIOMEMBRANAS M Filomena Botelho Transporte de massa Transporte de moléculas neutras Transporte de iões Noções de bioelectricidade Biomembranas Transporte de massa Transporte de massa ou transferência de

Leia mais

Desenvolvimento e caracterização de membranas para aplicação no processo de produção de energia por Osmose Retardada por Pressão (PRO)

Desenvolvimento e caracterização de membranas para aplicação no processo de produção de energia por Osmose Retardada por Pressão (PRO) Desenvolvimento e caracterização de membranas para aplicação no processo de produção de energia por Osmose Retardada por Pressão (PRO) Daniel Pimentel da Silva Ribeiro Dissertação para obtenção do grau

Leia mais

Tratamento de efluentes

Tratamento de efluentes Tratamento de efluentes Aguas residuais não devem ser rejeitadas antes de tratamento adequado industriais / urbanas / agrícolas ETAR - estação de tratamento de águas residuais Objectivo: eliminação de

Leia mais

Site:www.wg2p.com.br

Site:www.wg2p.com.br Círculo de Sinner A eficiência do processo de higienização pode ser descrita de acordo com o modelo de Sinner s que descreve o processo ideal de limpeza com uma sinergia entre a ação mecânica, a ação química,

Leia mais

Saneamento Ambiental I

Saneamento Ambiental I Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 17 Processos de adsorção, membranas e tratamento da águas eutrofizadas e da fase sólida em ETAs Profª Heloise G. Knapik 1

Leia mais

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA Proceedings of the ABTCP 2014 The 47 th ABTCP International Pulp and Paper Congress, October, 7-9. 2014, Sao Paulo Brazil. 2014 ABTCP RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE

Leia mais

Polimerização por adição de radicais livres

Polimerização por adição de radicais livres Polimerização por adição de radicais livres Ciência de Polímeros I 1º semestre 2007/2008 18/10/2007 Maria da Conceição Paiva 1 Cinética da Polimerização radicalar A polimerização por adição é uma reacção

Leia mais

Capítulo II. Fenómenos de Transporte

Capítulo II. Fenómenos de Transporte Capítulo II Fenómenos de Transporte Fenómenos de transporte: aspectos gerais Movimento molecular De que depende o movimento aleatório das moléculas? TEMPERATURA Física Aplicada 2013/14 MICF FFUP 2 Fenómenos

Leia mais

G A N A I N D S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S

G A N A I N D S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S ETE - ESTAÇÕES DE TRATAMENTO PARA ESGOTO As Estações de tratamento para esgoto da Ganaind possuem alto padrão e rigorosidade na fabricação,

Leia mais

FILTRAÇÃO POR MEMBRANAS

FILTRAÇÃO POR MEMBRANAS Evento de Aniversário da Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública - ABLP 45 Anos - 30 de Novembro de 2015 Workshop sobre Processos de Tratamento de Lixiviados de Aterros Sanitários FILTRAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL DISCIPLINA Código: ENS 5160 Nome: Tratamento de Águas de Abastecimento Carga Horária: 108 horas/aula

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I Profa. Lívia Chaguri E-mail: lchaguri@usp.br Conteúdo Filtração Parte 1 - Mecanismos de filtração - Perda de carga relativa à

Leia mais

Faculdade de Engenharia Química (FEQUI) Operações Unitárias 2 4ª Lista de Exercícios (parte B Extração Líquido-Líquido)

Faculdade de Engenharia Química (FEQUI) Operações Unitárias 2 4ª Lista de Exercícios (parte B Extração Líquido-Líquido) Faculdade de Engenharia Química (FEQUI) Operações Unitárias 2 4ª Lista de Exercícios (parte B Extração Líquido-Líquido) Profº Carlos Henrique Ataíde (novembro de 2013) 1ª) Concurso Petrobras Químico (a)

Leia mais

Ciências dos Materiais

Ciências dos Materiais ASSOCIAÇÃO TERESINENSE DE ENSINO ATE FACULDADE SANTO AGOSTINHO FSA DIREÇÃO DE ENSINO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO NUAPE Ciências dos Materiais Profª Esp. Priscylla Mesquita Por que Estudar a Difusão? Materiais

Leia mais

Cinética da Polimerização radicalar

Cinética da Polimerização radicalar Cinética da Polimerização radicalar A polimerização por adição é uma reacção em cadeia que consiste numa sequência de 3 passos: iniciação, propagação e terminação Iniciação: Considera-se que envolve duas

Leia mais

Equilíbrio de solubilidade

Equilíbrio de solubilidade Equilíbrio de solubilidade Solubilidade É a quantidade máxima de soluto que se pode dissolver numa certa quantidade de solvente, a uma dada temperatura e pressão. Solubilidade se sais em água: Regra geral

Leia mais

PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL

PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL PROCEL PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL VANDERLEI SÉRGIO BERGAMASCHI E-mail: vsberga@ipen ipen.br PROCEL / IPEN-SP OUTUBRO / 2003 COMBUSTÍVEL PETRÓLEO: VANTAGENS: -LÍQUIDO DE FÁCIL

Leia mais

Tecnologias para Filtração de Água

Tecnologias para Filtração de Água Tecnologias para Filtração de Água Leandro Pitarello H2Life Brasil Graduação: Engenharia Química (FEI) Especialização: Gestão Integrada (SENAC) Conhecendo a H2Life A H2Life Brasil é uma empresa que atua

Leia mais

Difusão: Osmose Tônus Aplicação: Diálise T É C N I C A S B Á S I C A S D E L A B O R A T Ó R I O B I O M E D I C I N A U F R J M A I O

Difusão: Osmose Tônus Aplicação: Diálise T É C N I C A S B Á S I C A S D E L A B O R A T Ó R I O B I O M E D I C I N A U F R J M A I O Difusão: Osmose Tônus Aplicação: Diálise T É C N I C A S B Á S I C A S D E L A B O R A T Ó R I O B I O M E D I C I N A U F R J M A I O 2 0 1 0 Difusão Movimento de componentes de uma mistura qualquer,

Leia mais

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA UNIDADES DIDÁTICAS 1. Introdução ao estudo dos Processos Químicos Industriais. Relacionamento com a Indústria Química. 2. Derivados inorgânicos

Leia mais

Ultrafiltração de Concentrados de Soro de Leite de Mistura para Fabrico de Requeijão. Engenharia Química

Ultrafiltração de Concentrados de Soro de Leite de Mistura para Fabrico de Requeijão. Engenharia Química 1 Ultrafiltração de Concentrados de Soro de Leite de Mistura para Fabrico de Requeijão Beatriz Monjardino de Brito de Azevedo Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Química Orientadores:

Leia mais

Remediação para Postos de Serviço

Remediação para Postos de Serviço Remediação para Postos de Serviço MODULO 3 Gestores e Técnicos Ambientais Processos de Remediação Projeto de Remediação Conteúdo Programático MODULO III Outros aspectos que devem ser considerados: Condição

Leia mais

UNIDADES DIDÁTICAS PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I 05/03/2015 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

UNIDADES DIDÁTICAS PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I 05/03/2015 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA UNIDADES DIDÁTICAS PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA 1. Introdução ao estudo dos Processos Químicos Industriais. Relacionamento com a Indústria Química. 2. Derivados inorgânicos

Leia mais

Recuperação de uma corrente de água da unidade da CUF-QI por processos avançados de separação

Recuperação de uma corrente de água da unidade da CUF-QI por processos avançados de separação Mestrado Integrado em Engenharia Química Recuperação de uma corrente de água da unidade da CUF-QI por processos avançados de separação Tese de Mestrado Desenvolvida no âmbito da disciplina de Projecto

Leia mais

Objectivo: Separar uma proteína das restantes no extracto celular. Estratégia: Existem inúmeras técnicas de purificação disponíveis.

Objectivo: Separar uma proteína das restantes no extracto celular. Estratégia: Existem inúmeras técnicas de purificação disponíveis. Objectivo: Separar uma proteína das restantes no extracto celular Estratégia: Existem inúmeras técnicas de purificação disponíveis. O procedimento exacto e a ordem dos métodos a aplicar dependem do tipo

Leia mais

Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose. Celso Foelkel

Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose. Celso Foelkel Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose Celso Foelkel Celso Foelkel Características de fábricas modernas Alta capacidade de utilização da capacidade e com produção estável

Leia mais

Reações Químicas. Ex: 2H 2 + O 2 2 H 2 O

Reações Químicas. Ex: 2H 2 + O 2 2 H 2 O REAÇÕES QUÍMICAS Reações Químicas As substâncias podem combinar-se com outras substâncias transformando-se em novas substâncias. Para estas transformações damos o nome de Reações Químicas. Ex: 2H 2 + O

Leia mais

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto O meio extracelular e intracelular apresenta concentrações diferentes de eletrólitos; Líquido extracelular contém grande quantidade de sódio Na + ; Grande

Leia mais

Operações Unitárias Experimental II Filtração. Professora: Simone de Fátima Medeiros

Operações Unitárias Experimental II Filtração. Professora: Simone de Fátima Medeiros Operações Unitárias Experimental II Filtração Professora: Simone de Fátima Medeiros Lorena SP-2014 Conceito Separação sólido-fluido: Separação de partículas sólidas contidas em um fluido (líquido ou gás)

Leia mais

CONHEÇA AS PRINCIPAIS ETAPAS QUÍMICAS NA INDÚSTRIA DE CELULOSE. Processos Químicos Industriais II

CONHEÇA AS PRINCIPAIS ETAPAS QUÍMICAS NA INDÚSTRIA DE CELULOSE. Processos Químicos Industriais II CONHEÇA AS PRINCIPAIS ETAPAS QUÍMICAS NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL Processos Químicos Industriais II POLPAÇÃO QUÍMICA Os cavacos são cozidos em licores ou lixívias, isto é, em soluções aquosas contendo

Leia mais

E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA

E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA 1 Por que usar antirrespingo? A remoção de respingos de solda que aderem as superfícies de metal exige a utilização de soluções abrasivas,

Leia mais

ULTRAFILTRAÇÃO. M Filomena Botelho

ULTRAFILTRAÇÃO. M Filomena Botelho ULTRAFILTRAÇÃO M Filomena Botelho Ultrafiltração renal A ultrafiltração renal, é uma situação muito importante, dependente dos movimentos do solvente Processo de filtração glomerular no rim, com formação

Leia mais

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Introdução: Para se articular com a política de tratamento de resíduos sólidos Reciclagem

Leia mais

CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA ( CCD) Bruno Henrique Ferreira José Roberto Ambrósio Jr.

CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA ( CCD) Bruno Henrique Ferreira José Roberto Ambrósio Jr. CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA ( CCD) Bruno Henrique Ferreira José Roberto Ambrósio Jr. CROMATOGRAFIA Método usado para separar, identificar e quantificar componentes de uma mistura; Método físico-químico

Leia mais

Desenvolvimento de um processo de nanofiltração para remoção da acidez volátil em vinhos

Desenvolvimento de um processo de nanofiltração para remoção da acidez volátil em vinhos Desenvolvimento de um processo de nanofiltração para remoção da acidez volátil em vinhos Joana Rita Viais Temido Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Química Orientadores: Prof. Dr.

Leia mais

Frequentemente é necessário separar os componentes de uma mistura em frações individuais.

Frequentemente é necessário separar os componentes de uma mistura em frações individuais. Frequentemente é necessário separar os componentes de uma mistura em frações individuais. As frações podem diferenciar-se pelo tamanho de partículas, estado físico e composição química. Asoperaçõesdeseparaçãosãodeduasclasses:

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Tabela 1-1 Efeito de descargas de efluentes oleosos. [2]

1 INTRODUÇÃO Tabela 1-1 Efeito de descargas de efluentes oleosos. [2] - 15-1 INTRODUÇÃO Problemas ambientais que são gerados em toda a linha de processamento do óleo, desde o transporte até a obtenção do próprio óleo ocorrem devido a derrames e geração de efluentes. As maiores

Leia mais

Lamas do tratamento local de efluentes Outros resíduos não anteriormente especificados Materiais impróprios para consumo

Lamas do tratamento local de efluentes Outros resíduos não anteriormente especificados Materiais impróprios para consumo 01 01 01 Resíduos da extração de minérios metálicos 01 01 02 Resíduos da extração de minérios não metálico 01 03 06 Rejeitados não abrangidos em 01 03 04 e 01 03 05 01 03 08 Poeiras e pós não abrangidos

Leia mais

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO Em Sistemas Críticos de Alta Pureza TIPOS DE CONTAMINAÇÃO (FONTES) Contaminação Orgânica Sujidade oriunda de resíduos dos produtos, gorduras, proteínas, óleos, etc. Contaminação

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

Exercício. Questão 48 Engenheiro de Processamento Petrobras 02/2010

Exercício. Questão 48 Engenheiro de Processamento Petrobras 02/2010 Operações Unitárias Apresentação Grandezas Físicas Questão 48 Engenheiro de Processamento Petrobras 02/2010 O número de cavitação (Ca) é um número adimensional empregado na investigação da cavitação em

Leia mais

Purificação de Proteínas

Purificação de Proteínas Purificação de Proteínas Propriedades usadas na purificação de proteínas através de cromatografia líquida Na separação a amostra contendo a mistura de proteínas é preparada em solução aquosa, a solução

Leia mais

Catálise heterogênea. Catalisador sólido. Reação na interface sólido-fluido

Catálise heterogênea. Catalisador sólido. Reação na interface sólido-fluido Catálise heterogênea Catalisador sólido Reação na interface sólido-fluido Tipos de catalisadores Poroso: elevada área superficial Tipos de catalisadores Peneiras moleculares: capacidade de distinção entre

Leia mais

1. INTRODUÇÃO N. J-D. R. MERMIER 1, C. PIACSEK BORGES 2

1. INTRODUÇÃO N. J-D. R. MERMIER 1, C. PIACSEK BORGES 2 PROCESSO DE OSMOSE DIRETA PARA A GERAÇÃO DE ENERGIA POR GRADIENTE DE SALINIDE / INVESTIGAÇÃO DE UM PROTÓTIPO DE FO/PRO UTILIZANDO MÓDULOS DE FIBRAS OCAS N. J-D. R. MERMIER 1, C. PIACSEK BORGES 2 1 Programa

Leia mais

CHORUME DE ATERRO NÃO É ESGOTO PRECISA DE TRATAMENTO ADEQUADO

CHORUME DE ATERRO NÃO É ESGOTO PRECISA DE TRATAMENTO ADEQUADO CHORUME DE ATERRO NÃO É ESGOTO PRECISA DE TRATAMENTO ADEQUADO ambientelegal.com.br/chorume-de-aterro-nao-e-esgoto-precisa-de-tratamento-adequado/ Co-tratamento de chorume dos aterros sanitários em estações

Leia mais

8ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS Equilíbrio de Solubilidade

8ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS Equilíbrio de Solubilidade Pg. 1/6 1 a Questão De acordo com as equações abaixo, a 25 ºC, faça o que se pede. BaF 2 (s) Ba 2+ (aq) + 2F - (aq) K ps (BaF 2 ) = 1,7 x 10-6 BaSO 4 (s) Ba 2+ (aq) + SO 2-4 (aq) K ps (BaSO 4 ) = 1,0 x

Leia mais

Processamento de Cerâmicas I COLAGEM 20/6/17

Processamento de Cerâmicas I COLAGEM 20/6/17 Processamento de Cerâmicas I COLAGEM 20/6/17 Umidade (%) 100 0 Líquido Plástico Semi-Sólido Sólido Índice de Plasticidade - IP Limite de Liquidez - LL Limite de Plasticidade - LP Limite de Contração -

Leia mais

FILTROS DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO ( TFCAG )

FILTROS DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO ( TFCAG ) FILTROS DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO ( TFCAG ) TFCAG FILTRO DE CARVÃO ATIvado Os filtros de carvão ativado são projetados e fabricados conforme a norma ASME-SEÇÃO VIII - DIVISÃO I, bem como NR-13, garantindo

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA:Química SÉRIE: 3º. ALUNO(a): Lista de Exercícios P1 I Bimestre

GOIÂNIA, / / PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA:Química SÉRIE: 3º. ALUNO(a): Lista de Exercícios P1 I Bimestre GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSORA: Núbia de Andrade DISCIPLINA:Química SÉRIE: 3º ALUNO(a): Lista de Exercícios P1 I Bimestre No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente

Leia mais

ESTADOS EXCITADOS: fonões, electrões livres

ESTADOS EXCITADOS: fonões, electrões livres Capítulo III.1 DEFEITOS (IMPERFEIÇÕES) NOS SÓLIDOS CRISTALINOS ESTADOS EXCITADOS: fonões, electrões livres DEFEITOS TRANSIENTES: fotões, electrões, neutrões tõ IMPERFEIÇÕES ESTRUTURAIS IMPORTÂNCIA DEFEITOS

Leia mais

APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES

APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES 16º ENCONTRO TÉCNICO DE ALTO NÍVEL : REÚSO DE ÁGUA SÃO PAULO, SP - 7 e 8 de Novembro de 2016 Associação

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE INSUMOS E SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Processo de recuperação do Metanol e da Glicerina.

RECUPERAÇÃO DE INSUMOS E SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Processo de recuperação do Metanol e da Glicerina. RECUPERAÇÃO DE INSUMOS E SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL Processo de recuperação do Metanol e da Glicerina. O processo completo de produção de biodiesel partindo-se do óleo degomado é constituído

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA II

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA II INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA II ESTRUTURA DA MATÉRIA O termo matéria refere-se a todos os materiais

Leia mais

Alvará de Licença para a Realização de Operação de Gestão de Resíduos N.º 00029/2012 emitido pela CCDR-LVT.

Alvará de Licença para a Realização de Operação de Gestão de Resíduos N.º 00029/2012 emitido pela CCDR-LVT. Alvará de Licença para a Realização de Operação de Gestão de Resíduos N.º 00029/2012 emitido pela CCDR-LVT. Código LER Designação 01 - Resíduos da prospeção e exploração de minas e pedreiras, bem como

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Dispersão Definição: É colocar uma substância dentro de outra substância, onde a primeira substância se caracteriza por ser uma partícula, ou seja, a substância

Leia mais

1 Extração Líquido-Líquido

1 Extração Líquido-Líquido Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus de Curitiba Departamento de Química _ Extração Líquido-Líquido Disciplina: Práticas de Química Orgânica Materiais e Reagentes Mesa

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA EXPERIMENTAL

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA EXPERIMENTAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA EXPERIMENTAL ESTRUTURA DA MATÉRIA O termo matéria refere-se a todos os

Leia mais

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5 Sumário 1 Introdução................................ 1 2 Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica........ 5 2.1 POTENCIAIS ELETROQUÍMICOS............................ 5 2.2 PILHAS DE CORROSÃO...................................17

Leia mais

Eléctrodos de iões selectivos s de eléctrodos ISE Os eléctrodos Hanna de iões selectivos podem ser agrupados em três categorias gerais baseadas na sua

Eléctrodos de iões selectivos s de eléctrodos ISE Os eléctrodos Hanna de iões selectivos podem ser agrupados em três categorias gerais baseadas na sua Eléctrodos de iões selectivos s de eléctrodos ISE Os eléctrodos Hanna de iões selectivos podem ser agrupados em três categorias gerais baseadas na sua construção. Estado Sólido Membrana Líquida Sensor

Leia mais

Transporte de contaminantes GEOTECNIA AMBIENTAL

Transporte de contaminantes GEOTECNIA AMBIENTAL Transporte de contaminantes GEOTECNIA AMBIENTAL Fontes de poluição e sua migração Fontes de poluição CETESB, 2011) Fontes de poluição CETESB, 2011) Fontes de poluição CETESB, 2011) Classificação de líquidos

Leia mais

Decantador Lamelar ECODEPUR, modelo DEKTECH

Decantador Lamelar ECODEPUR, modelo DEKTECH 0 v1.2-300511 Decantador Lamelar ECODEPUR, modelo DEKTECH APRESENTAÇÃO Os Decantadores Lamelares ECODEPUR, Modelo DEKTECH são equipamentos destinados à separação das areias e lamas que são arrastadas pelo

Leia mais

Sistema Osmose Inversa

Sistema Osmose Inversa Sistema Osmose Inversa Manual do Utilizador 02 - Introdução 03 - O que é osmose inversa 04 - Componentes e opcionais 05 - Filtros de cartucho 06 - Identificação do sistema RO 07 - Diagrama de ligações

Leia mais

SISTEMA DE PURIFICAÇAO DE ÁGUA PARA APLICAÇÕES DE LABORATÓRIO TRANQUILIDADE, BAIXOS CUSTOS DE FUNCIONAMENTO, COMODIDADE DE USO

SISTEMA DE PURIFICAÇAO DE ÁGUA PARA APLICAÇÕES DE LABORATÓRIO TRANQUILIDADE, BAIXOS CUSTOS DE FUNCIONAMENTO, COMODIDADE DE USO FICHA TÉCNICA AQUELIX 5 TM SISTEMA DE PURIFICAÇAO DE ÁGUA PARA APLICAÇÕES DE LABORATÓRIO TRANQUILIDADE, BAIXOS CUSTOS DE FUNCIONAMENTO, COMODIDADE DE USO SISTEMA DE PURIFICAÇÃO DE ÁGUA PARA APLICAÇÕES

Leia mais

Tratamento da Água. João Karlos Locastro contato:

Tratamento da Água. João Karlos Locastro contato: 1 Tratamento da Água João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 2 Vazão 3 Informações pertinentes - A água bruta pode conter compostos como: partículas coloidais, substâncias húmicas e

Leia mais

ESTUDO SOBRE SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO DE LAVANDERIAS INDUSTRIAIS PARA FABRICAÇÃO DE BLOCOS CERÂMICOS ACÚSTICOS (RESSOADORES DE HELMHOLTZ)

ESTUDO SOBRE SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO DE LAVANDERIAS INDUSTRIAIS PARA FABRICAÇÃO DE BLOCOS CERÂMICOS ACÚSTICOS (RESSOADORES DE HELMHOLTZ) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO SOBRE SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO DE LAVANDERIAS INDUSTRIAIS PARA FABRICAÇÃO DE BLOCOS CERÂMICOS ACÚSTICOS (RESSOADORES DE HELMHOLTZ) Paulo

Leia mais

O Estado Coloidal. Química dos Colóides e Superfícies. M.Sc. Maron Stanley Silva O. Gomes Site: marongomes.wix.

O Estado Coloidal. Química dos Colóides e Superfícies. M.Sc. Maron Stanley Silva O. Gomes   Site: marongomes.wix. Química dos Colóides e Superfícies Profº Janilson Lima Souza E-mail: Prof. janilsonlima@ifma.edu.br M.Sc. Maron Stanley Silva O. Gomes E-mail: maron@ifma.edu.br Site: marongomes.wix.com/maron A Ciência

Leia mais

Osmose Inversa Aplicada no Reúso da Água do Rio Sarapuí em Processos Industriais

Osmose Inversa Aplicada no Reúso da Água do Rio Sarapuí em Processos Industriais Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro de Tecnologia e Ciências Instituto de Química Raphael da Rocha Sixel Osmose Inversa Aplicada no Reúso da Água do Rio Sarapuí em Processos Industriais Rio

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICOT Departamento de Engenharia Química e Biológica Separação e Purificação de Produtos Biológicos CENTRIFUGAÇÃO Centrifugação Velocidade de centrifugação vs diâmetro partícula Velocidade

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS CONTAMINADAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS CONTAMINADAS 4º SEMINÁRIO ESTADUAL ÁREAS CONTAMINADAS E SAÚDE: CONTAMINAÇÃO DO SOLO E RECURSOS HÍDRICOS TRATAMENTO DE ÁGUAS CONTAMINADAS Profª Drª Dione Mari Morita Escola Politécnica Universidade de São Paulo 4º SEMINÁRIO

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais