ULTRAFILTRAÇÃO Projeto FEUP. Resumo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ULTRAFILTRAÇÃO Projeto FEUP. Resumo"

Transcrição

1 Resumo Esta experiência laboratorial teve como principal objetivo separar dois componentes através de uma membrana semipermeável que retém um dos componentes. Utilizando diferentes pressões (3,2 e 1) fomos capazes de perceber que a membrana de ultrafiltração funciona na perfeição, conseguindo separar a emulsão de água e óleo. Com o auxílio de uma proveta medimos o caudal filtrado, tendo em conta o intervalo de tempo da medição, e a temperatura da membrana. Efetuamos cerca de 5 ensaios experimentais para cada pressão. Efetuamos o mesmo procedimento para 3 valores de pressões diferentes e através de medições do caudal que era filtrado percebemos que a absorvância, medida no espectrofotómetro, ia diminuindo que era uns dos objetivos propostos. Para a elaboração do relatório efetuamos uma pesquisa sobre as aplicações das membranas, ou seja, os processos de separação por membranas dos quais destacamos a osmose inversa, a nanofiltração e a ultrafiltração. Será demonstrado ao longo do trabalho realizado, que apesar de serem processos semelhantes são utilizados em diferentes situações de acordo com o tamanho das partículas que pretendemos remover. É dado especial destaque à ultrafiltração uma vez que foi o processo utilizado na atividade experimental. P á g i n a 1 14

2 Palavras-chaves Nanofiltração Osmose inversa Aplicações Bactérias Partículas Processos Membranas Tratamento Ultrafiltração P á g i n a 2 14

3 Índice Introdução... 3 Osmose inversa... 4 Nanofiltração... 5 Ultrafiltração... 5 No tratamento de água potável e residual... 6 Vantagens e desvantagens da ultrafiltração no tratamento de água... 6 Problemas associados aos processos de separação... 7 Polarização... 7 Incrustações... 7 Métodos e materiais... 8 Resultados... 9 Discussão Conclusões Referências Bibliográficas P á g i n a 3 14

4 Introdução Ao longo dos últimos anos, as tecnologias por membrana têm sido muito desenvolvidas, assumindo um lugar importante no tratamento industrial de efluentes líquidos. Esta tecnologia é posta em prática por uma membrana que separa duas moléculas, podendo ser ambas líquidas, ambas gasosas ou uma líquida e uma gasosa. No processo apenas algumas partículas passam as membranas, acontecendo assim o processo de separação. O uso destas membranas permite a separação de micro e macro moléculas usando diferentes métodos, que variam consoante o tamanho do soluto que queremos separar, é o caso da osmose inversa, da nanofiltração e da ultrafiltração 1. São processos muito semelhantes que diferem principalmente no tamanho das partículas que são removidas. Assim sendo, a ultrafiltração é um procedimento que envolve a aplicação de uma pressão, para forçar a passagem de um solvente líquido através de uma membrana. A nanofiltração é um método de separação por membranas que utiliza, como o próprio nome indica, membranas com poros de tamanhos nanométricos. E por último, a osmose inversa consiste num processo onde um solvente é separado de um soluto, de baixa massa molecular, através de uma membrana permeável ao solvente e impermeável ao soluto. O grau de retenção de um soluto nos processos acima indicados, irá depender do seu peso molecular e do tamanho e características da membrana (tamanho dos poros). Dos três processos de separação referidos anteriormente, a ultrafiltração é considerada o método mais versátil. Este é muito usado na separação de solutos dissolvidos em água ou de materiais dispersos na água 2.Como tal, baseado na nossa experiência laboratorial, indicaremos quais as principais aplicações deste processo de separação. A experiência realizada teve como objectivo usar um processo de separação membranar que permitia separar o óleo da água, de uma emulsão inicial dos dois compostos, com a ajuda de uma membrana porosa. Obtivemos os resultados variando pressões que, posteriormente foram analisados com as variações de temperatura, caudal do permeado e tempo de recolha do mesmo. P á g i n a 4 14

5 Osmose inversa Osmose inversa é um processo é usado para remover da água uma grande variedade de sais, proporcionando água de elevada pureza. É um processo natural envolvendo um fluxo de fluido através de uma membrana semipermeável. Na osmose inversa a água é bombeada a alta pressão e passa através das membranas semipermeáveis separando os sais da água. No entanto, a água tem de ser pré tratada para remover partículas que possam colmatar as membranas. A quantidade de água produzida depende da permeabilidade das membranas. Aplicações da osmose inversa: Dessalinização: Através da osmose inversa, é possível tratar a água do mar de modo a que esta possa ser usada para consumo humano. Utilização Hospitalar e Farmacêutica: Para a produção de produtos químicos, os hospitais e os laboratórios farmacêuticos costumam utilizar os sistemas de tratamento por Osmose Inversa para garantir que os seus produtos têm um elevado grau de pureza. Nanofiltração Na nanofiltração são utilizadas umas membranas que contêm poros mais grossos do que na osmose inversa, e mais pequenos que na ultrafiltração. Desta forma não retém todos os sais mas apenas moléculas de dimensões superiores. Este processo é utilizado pri ipal e te a re oç o de su st ias org i as ora tes, itratos e iões. A nanofiltração tem a vantagem de ser capaz de processar grandes volumes e produzir continuamente fluidos no entanto é o método menos utilizado para a filtração por membrana na indústria visto que os tamanhos dos poros das membranas estão limitados ao nanómetros. Aplicações da nanofiltração: Medicina: Capaz de extrair aminoácidos e lípidos do sangue. Fracionamento dos extratos de crude. P á g i n a 5 14

6 Ultrafiltração A ultrafiltração é um procedimento que permite a clarificação e desinfeção de água através de uma membrana que atua como um filtro para todas as partículas como: bactérias, vírus e moléculas orgânicas, garantindo, desta forma, água de qualidade elevada, sem sabor ou odor. Assim sendo, o processo de ultrafiltração reduz o desperdício de tratamento e a necessidade de utilizar produtos químicos, enquanto conserva o equilíbrio mineral da água e devido a ter uma grande eficiência na separação de partículas, de determinados micro-organismos, esta tecnologia é utilizada no tratamento avançado de efluentes. No tratamento de água potável e residual A ultrafiltração é o último processo a ser realizado no tratamento de águas para consumo uma vez que inicialmente é necessário serem retiradas as partículas de maiores dimensões que as membranas utilizadas nesta técnica não conseguem remover. Este processo é, também mais utilizado no tratamento de águas potáveis, porque as bactérias a filtrar são mais pequenas em relação à água residual que contém um maior número de bactérias em maior tamanho o que faz com que as membranas utilizadas, devido às pequenas dimensões dos seus poros, não consigam reter todas as partículas presentes na água. Vantagens e desvantagens da ultrafiltração no tratamento de água Os processos de separação por membranas, nomeadamente a ultrafiltração, têm vindo a tornar-se, nos últimos anos, uma tecnologia cada vez mais atrativa como possível alternativa ao tratamento de águas para consumo humano. A filtração por membranas, comparada com o tratamento convencional, oferece uma série de vantagens: Qualidade superior da água tratada, através da remoção de macromoléculas, bactérias e vírus, designadamente de micro-organismos resistentes aos tratamentos químicos; Sistema facilmente adaptável às variações de qualidade e quantidade de água a tratar; Fácil controlo de operação e de manutenção; Menor utilização de químicos, que pode originar efeitos nefastos na saúde pública; Menor produção de lamas. No entanto, para além destas vantagens, a aplicação da técnica no tratamento de águas está limitada pelo declínio do fluxo verificado ao longo do tempo, originando uma menor produção de água tratada, maiores consumos de energia e necessidade P á g i n a 6 14

7 frequente de limpeza das membranas com químicos. O declínio parece estar relacionado com os problemas associados aos processos de separação que serão abordados posteriormente. Para uma maior eficácia é importante a seleção de um material adequado para as membranas e a otimização das condições de operação do sistema. Problemas associados aos processos de separação Mesmo tendo-se todos os cuidados necessários como por exemplo: a escolha do material e morfologia adequados para a confeção da membrana, é sempre observada uma queda de fluxo do permeado. Esta queda deve-se a 3 fatores: polarização, fouling e a formação de um gel, que diminuem a vida útil das membranas e eficácia dos processos. Polarização As membranas ao serem semi permeáveis permitem a passagem preferencial de alguns componentes em detrimento de outros, isto faz com que a concentração de soluto na superfície da membrana, seja diferente daquela no seio do fluido. Incrustações Designam-se por incrustações os depósitos que se formam no interior das membranas, devido à fixação de substâncias em suspensão e da precipitação de sólidos dissolvidos que se transformam em sólidos insolúveis devido ao aumento da concentração. Um tipo de incrustação é a formação de uma camada de gel. Estas, são um fator limitante do processo devido ao acúmulo de material na superfície ou nos poros das membranas. Diferentes processos de separação P á g i n a 7 14

8 Métodos e materiais Procedimento: 1. Inicialmente calibramos o espectrofotómetro de forma a poder quantificar a concentração de óleo na corrente de permeado. Para tal, introduzimos água destilada na célula, desligando as tubagens que a ligam à unidade laboratorial. Quando o comprimento de onda atingir os 734nm (indicado no espectrofotómetro), pressionamos a tecla Cal para definir o zero de absorvância. 2. Ligamos as tubagens à célula, abrimos o programa responsável pelo registo de resultados e finalmente ligamos a bomba, depois de nos termos assegurado de que a válvula V1 estava completamente aberta, de forma a permitir a passagem da solução. 3. De seguida regulamos a válvula V2 para a pressão desejada de 3 bar e começamos a gravar os resultados. 4. Após verificarmos que a absorvância apresenta um comportamento estável, procedemos às medições do caudal do permeado. Para isso, utilizamos uma proveta onde recolhemos aproximadamente 6ml de solução registando o tempo de recolha, nestas medições é fundamental ter o cuidado de colocar a extremidade da tubagem ao mesmo nível que estava anteriormente, caso contrário poderá afetar a medição. Estas medições foram efetuadas em intervalos de 5 minutos. 5. Depois de efetuadas três medições e após ser atingido o estado estacionário, regulamos a válvula V2 para as pressões relativas de 2 e 1 bar repetindo o procedimento descrito. 6. No final da atividade experimental, desligamos a bomba, o espectrofotómetro e o computador. P á g i n a 8 14

9 Figura 1 Esquema da instalação experimental Figura 2 - Instalação Figura 3 - Computador adstrito a este trabalho Resultados Ensaio 1 Pressão ~3 bar Tempo (s) Volume(ml) Caudal (ml/s) T média (ºC) Caudal (m3/s) 38,82 6,25 0,161 28,3 1,61E-07 31,27 5,7 0,182 32,3 1,82E-07 35,96 5,4 0,15 35,2 1,50E-07 * 31,1 5,9 0,19 37,6 1,90E-07 29,35 5,8 0,198 39,7 1,98E-07 Tabela 1 *Erro experimental com possível origem na remoção do tubo, o que por sua vez provocou o aumento do tempo de estabilização. Ensaio 2 Pressão ~2 bar Tempo (s) Volume(ml) Caudal (ml) T média (ºC) Caudal (m3/s) 43,06 5,8 0,135 43,2 1,35E-07 34,03 5 0,147 43,9 1,47E-07 36,55 5,4 0,148 44,95 1,48E-07 P á g i n a 9 14

10 Tabela 2 Ensaio 3 Pressão ~1 bar Tempo (s) Volume(ml) Caudal (ml) T média (ºC) Caudal (m3/s) 98 5,8 0,059 45,1 5,90E ,8 0,06 45,1 6,00E ,7 0,061 45,1 6,10E-08 Tabela 3 Figura 4 Gráfico dos Caudais obtidos Figura 5 Gráfico dos Caudais obtidos em função da pressão P á g i n a 10 14

11 Figura 6 - Gráfico dos Caudais obtidos em função da concentração Ensaio Q médio (ml/s) P médio(bar) Abs média C média(v/v) C média (mg/l) 1 18,058 2,90 6,09E-02 6,23E ,552 1,87 3,70E-02 3,78E , ,303 0,83 3,08E-02 3,15E Tabela 4 P á g i n a 11 14

12 Discussão No final da atividade experimental e depois do estudo dos resultados obtidos procedemos a um balanço de toda a experiência que passamos a expor. Desta forma, a análise de resultados permite-nos verificar que à medida que diminuímos a pressão, o tempo necessário para a recolha do líquido aumenta e desta forma o caudal diminui, o mesmo acontece à absorvância inicial de permeado obtida para a concentração de óleo na experiência que passa de valores próximos de 0.1 para 0.03, e assim sendo está a ocorrer uma diminuição de qualidade. Por último, ao observarmos a concentração do óleo na experiência verificamos que os valores são superiores ao limite imposto pela legislação que é de 15mg/L para descargas residuais de óleo o que nos permitiu concluir que os resultados não são totalmente satisfatórios. P á g i n a 12 14

13 Conclusões As técnicas de separação por membranas têm tido cada vez mais relevantes na sociedade atual, demonstrando-se ferramentas essenciais em estações de tratamentos de água, por exemplo. Com esta experiência laboratorial e com a pesquisa efetuada sobre o tema tivemos a oportunidade de descobrir o modo como se realizam os processos de separação por membranas (osmose inversa, nanofiltração e ultrafiltração), as suas variadíssimas aplicações e a importância que estas técnicas revelam no tratamento industrial de efluentes líquidos ou gasosos. Acreditamos que apesar de serem práticas que implicam custos elevados de manutenção e fornecimento é importante que se analisem as vantagens para que possa haver um desenvolvimento sustentável nesta área, que se mostra tão importante. Desta forma, concluímos que a elaboração desta atividade e de todo o trabalho desenvolvido no projeto feup foi importante para um conhecimento mais aprofundado do tema. P á g i n a 13 14

14 Referências Bibliográficas 1. Mulder, M. in Basic Principles of Membrane Technology (Springer Netherlands, 1996). 2. Chakrabarty, B., Ghoshal, A. K. & Purkait, M. K. Ultrafiltration of stable oil-in-water emulsion by polysulfone membrane. J. Membr. Sci. 325, (2008). Portugal, Decreto-Lei n.o236/98, de 1 de Agosto de 1998, DIÁRIO DA REPÚBLICA, Lisboa, n. 176, p. 3676, 1 de Agosto de Seção 1, Série A P á g i n a 14 14

Operações Unitárias: nanofiltração, ultrafiltração, microfiltração e osmose reversa. Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão

Operações Unitárias: nanofiltração, ultrafiltração, microfiltração e osmose reversa. Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão Operações Unitárias: nanofiltração, ultrafiltração, microfiltração e osmose reversa Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão Introdução Definição Eliminar componentes indesejáveis Meio filtrante:

Leia mais

PHA 3418 Tecnologia de Separação por Membranas para Tratamento de Água e Efluentes

PHA 3418 Tecnologia de Separação por Membranas para Tratamento de Água e Efluentes PHA 3418 Tecnologia de Separação por Membranas para Tratamento de Água e Efluentes AULA 2 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS Prof.: José Carlos Mierzwa Processos de Separação por Membranas

Leia mais

Processo de ultrafiltração e a sua aplicação em águas residuais

Processo de ultrafiltração e a sua aplicação em águas residuais Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Processo de ultrafiltração e a sua aplicação em águas residuais Projeto FEUP 1ºano curricular Mestrado integrado de Engenharia do Ambiente Coordenador:João

Leia mais

AULA 4 Físico-Química Industrial. Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica

AULA 4 Físico-Química Industrial. Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica AULA 4 Físico-Química Industrial Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica Prof a Janaina Barros 2010 CLASSIFICAÇÃO Operações preliminares: São normalmente utilizadas antes de qualquer outra operação.

Leia mais

Sistema Osmose Inversa

Sistema Osmose Inversa Sistema Osmose Inversa Manual do Utilizador 02 - Introdução 03 - O que é osmose inversa 04 - Componentes e opcionais 05 - Filtros de cartucho 06 - Identificação do sistema RO 07 - Diagrama de ligações

Leia mais

Propriedades Coligativas

Propriedades Coligativas Propriedades Coligativas Propriedades Coligativas São propriedades que se somam pela presença de um ou mais solutos e dependem única e exclusivamente do número de partículas (moléculas ou íons) que estão

Leia mais

Aula: Processo de Filtração

Aula: Processo de Filtração Aula: Processo de Filtração Definição: É uma operação unitária que tem por finalidade, a separação de um sólido insolúvel presente em um fluido (líquido ou gás), através da passagem desta mistura sólido-fluido

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Ultrafiltração. Projeto FEUP 2014/ Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente:

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Ultrafiltração. Projeto FEUP 2014/ Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente: Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Ultrafiltração Projeto FEUP 2014/2015 - Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente: Coordenadores gerais: Armando Sousa e Manuel Firmino Coordenador de

Leia mais

Experimentos de Química Orgânica

Experimentos de Química Orgânica Experimentos de Química Orgânica Conhecimento dos procedimentos experimentais Montagem dos equipamentos e execução da reação REAGENTES PRODUTO PRINCIPAL + PRODUTOS SECUNDÁRIOS SOLVENTES + CATALISADORES

Leia mais

Biofísica de Membranas

Biofísica de Membranas GUARANTÃ DO NORTE» AJES FACULDADE NORTE DE MATO GROSSO Biofísica de Membranas Prof. Me. Thiago Machado BIOFÍSICA DE MEMBRANAS Membrana celular Prof. Me. Thiago Machado Membrana celular Célula Internalizados

Leia mais

Equilíbrio de solubilidade

Equilíbrio de solubilidade Equilíbrio de solubilidade Solubilidade É a quantidade máxima de soluto que se pode dissolver numa certa quantidade de solvente, a uma dada temperatura e pressão. Solubilidade se sais em água: Regra geral

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. GESTÃO DA QUALIDADE DE FORNECEDORES ÁGUA REAGENTE Ana Paula Lima 2 Fornecedores O Sistema de Gestão da Qualidade do laboratório deve contemplar o fornecimento

Leia mais

Tratar os efluentes significa reduzir seu potencial poluidor através de processos físicos, químicos ou biológicos, adaptando-os aos padrões

Tratar os efluentes significa reduzir seu potencial poluidor através de processos físicos, químicos ou biológicos, adaptando-os aos padrões Tratamento de água e efluentes: do convencional ao sistema avançado O papel das membranas PARTE 1 TRATAMENTO FÍSICO QUÍMICO CONVENCIONAL Profa. Dr. ElisângelaMoraes 02 de dezembro de 2010 TRATAMENTO DE

Leia mais

Introdução. Tratamento de Lixiviados

Introdução. Tratamento de Lixiviados Introdução Tratamento de Lixiviados Da deposição de resíduos em aterros sanitários resulta, inevitavelmente, a produção de lixiviados. A recolha, armazenamento e tratamento adequados dos lixiviados são

Leia mais

Introdução. Waterlinx

Introdução. Waterlinx Introdução Waterlinx A Sotecnisol, empresa fundada em 1970, e que opera desde então, de forma consistente nos setores da Construção, Ambiente e Energia, desenvolveu, em conjunto com os seus vários parceiros

Leia mais

UNIDADE 2 NA ATMOSFERA DA TERRA: RADIAÇÃO, MATÉRIA E ESTRUTURA

UNIDADE 2 NA ATMOSFERA DA TERRA: RADIAÇÃO, MATÉRIA E ESTRUTURA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS Física e Química A 10º ano UNIDADE 2 NA ATMOSFERA DA TERRA: RADIAÇÃO, MATÉRIA E ESTRUTURA 1 TIPOS DE DISPERSÕES A atmosfera é uma solução gasosa com vários gases dispersos

Leia mais

Difusão: Osmose Tônus Aplicação: Diálise T É C N I C A S B Á S I C A S D E L A B O R A T Ó R I O B I O M E D I C I N A U F R J M A I O

Difusão: Osmose Tônus Aplicação: Diálise T É C N I C A S B Á S I C A S D E L A B O R A T Ó R I O B I O M E D I C I N A U F R J M A I O Difusão: Osmose Tônus Aplicação: Diálise T É C N I C A S B Á S I C A S D E L A B O R A T Ó R I O B I O M E D I C I N A U F R J M A I O 2 0 1 0 Difusão Movimento de componentes de uma mistura qualquer,

Leia mais

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA Milhões de m 3 /dia I. Introdução Sistemas de osmose reversa vêm sendo uma opção cada vez mais adotada pelo setor industrial

Leia mais

Destilação etanólica

Destilação etanólica Destilação etanólica Etanol - 5 a 10% (v) Líquida Água Outras substâncias (ácidos lático, succínico e acético, glicerol, furfural, alcoóis homólogos superiores (amílico, propílico, butílico), aldeído acético,

Leia mais

CÉLULAS QUAL CÉLULA É ANIMAL E QUAL É A VEGETAL?

CÉLULAS QUAL CÉLULA É ANIMAL E QUAL É A VEGETAL? CÉLULAS QUAL CÉLULA É ANIMAL E QUAL É A VEGETAL? CÉLULAS EUCARIÓTICAS E PROCARIÓTICAS Organismos constituídos por células procarióticas: Bactérias e cianobácterias. Organismos constituídos por células

Leia mais

16/03/2017. A difusão é um movimento de moléculas que depende de sua própria energia e que tende a deslocá-las de

16/03/2017. A difusão é um movimento de moléculas que depende de sua própria energia e que tende a deslocá-las de A difusão é um movimento de moléculas que depende de sua própria energia e que tende a deslocá-las de um local de MAIOR concentração para um de menor concentração (i.e. a favor do gradiente de concentração).

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁGUA INDUSTRIAL UTILIZANDO TECNOLOGIA DE MEMBRANAS

RECUPERAÇÃO DE ÁGUA INDUSTRIAL UTILIZANDO TECNOLOGIA DE MEMBRANAS RECUPERAÇÃO DE ÁGUA INDUSTRIAL UTILIZANDO TECNOLOGIA DE MEMBRANAS Margarida Ribau-Teixeira e Maria João Rosa Universidade do Algarve, Campus de Gambelas, 8000 Faro, PORTUGAL, e-mail: SUMÁRIO São descritos

Leia mais

Tipos de filtros. Teoria da Filtração. Tipos de filtros. Tipos de filtros

Tipos de filtros. Teoria da Filtração. Tipos de filtros. Tipos de filtros Filtração é uma operação unitária que tem por objetivo a separação mecânica de um sólido de um fluido, seja este fluido um líquido ou gás. Suspensão Filtração Resíduo, torta ou bolo Meio Filtrante permeável

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I Profa. Lívia Chaguri E-mail: lchaguri@usp.br Conteúdo Filtração Parte 1 - Mecanismos de filtração - Perda de carga relativa à

Leia mais

ULTRAFILTRAÇÃO. M Filomena Botelho

ULTRAFILTRAÇÃO. M Filomena Botelho ULTRAFILTRAÇÃO M Filomena Botelho Ultrafiltração renal A ultrafiltração renal, é uma situação muito importante, dependente dos movimentos do solvente Processo de filtração glomerular no rim, com formação

Leia mais

SISTEMAS DISPERSOS SOLUÇÕES COLÓIDES SUSPENSÕES

SISTEMAS DISPERSOS SOLUÇÕES COLÓIDES SUSPENSÕES SISTEMAS DISPERSOS SOLUÇÕES COLÓIDES SUSPENSÕES SOLUÇÕES homogêneo COLÓIDES SUSPENSÕES heterogêneo Tamanho médio das partículas do disperso Homogeneidade do sistema Sedimentação das partículas Filtração

Leia mais

Operações Unitárias Parte II

Operações Unitárias Parte II Operações Unitárias Parte II Apresentação Aula anterior: - Grandezas físicas; - Balanço de massa; - Balanço de energia; - Conversão; - Reciclo; - Rendimento; - Fração convertida; - Umidade relativa; -

Leia mais

Apostila de Química 21 Soluções

Apostila de Química 21 Soluções Apostila de Química 21 Soluções 1.0 Definições Suspensões: Partículas muito grandes (maiores que 1000 nm). Opacas. Sedimentam-se rapidamente. Separáveis por filtro. Colóides: Partículas grandes (entre

Leia mais

Relatório do 1º Trabalho de Química Orgânica

Relatório do 1º Trabalho de Química Orgânica Relatório do 1º Trabalho de Química Orgânica Isolamento e purificação do (+)-Limoneno a partir do óleo de laranja (2 sessões) 1ª sessão: Isolamento do (+)-Limoneno 2ª sessão: Purificação e caracterização

Leia mais

FICHA TÉCNICA SISTEMA DE PURIFICAÇÃO POR ULTRAFILTRAÇÃO COM MÓDULO DE ÁGUA PURIFICADA

FICHA TÉCNICA SISTEMA DE PURIFICAÇÃO POR ULTRAFILTRAÇÃO COM MÓDULO DE ÁGUA PURIFICADA FICHA TÉCNICA SISTEMA DE PURIFICAÇÃO POR ULTRAFILTRAÇÃO COM MÓDULO DE ÁGUA PURIFICADA 1. Características Gerais O sistema está desenhado para dispor a água filtrada (ou purificada) em múltiplos pontos

Leia mais

Maria do Anjo Albuquerque

Maria do Anjo Albuquerque ispersões na atmosfera Maria do Anjo Albuquerque Atmosfera A atmosfera é uma solução gasosa de vários gases (sobretudo oxigénio, dióxido de carbono e vapor de água) dispersos em azoto (componente maioritário);

Leia mais

Métodos de Separação de Misturas

Métodos de Separação de Misturas Métodos de Separação de Misturas O que é uma mistura? Mistura: associação de duas ou mais substâncias em porções arbitrárias, separáveis por meios mecânicos ou físicos e em que cada um dos componentes

Leia mais

Dessalinização uma análisetécnicae econômica. André Lermontov, D.Sc.

Dessalinização uma análisetécnicae econômica. André Lermontov, D.Sc. Dessalinização uma análisetécnicae econômica André Lermontov, D.Sc. Curriculum Autor: André Lermontov Doutor e mestre em Engenharia Química pela UFRJ; Gerente de Tecnologias do Grupo Águas do Brasil responsável

Leia mais

Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose. Celso Foelkel

Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose. Celso Foelkel Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose Celso Foelkel Celso Foelkel Características de fábricas modernas Alta capacidade de utilização da capacidade e com produção estável

Leia mais

III III III III ROfine

III III III III ROfine III III III III ROfine Osmose Inversa ALTAMENTE COMPETITIVO TECNOLOGIA DE CONFIANÇA Vantagens e Aplicações A remoção de sais dissolvidos, de metais e de outros contaminantes contribui para a integridade

Leia mais

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO. Jeosafá Lima

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO. Jeosafá Lima PROCESSOS DE SEPARAÇÃO Jeosafá Lima Misturas homogêneas e heterogêneas Uma mistura é constituída por duas ou mais substâncias, sejam elas simples ou compostas. https://www.youtube.com/watch?v=6jcxdhovkcm

Leia mais

PHA 5053 Processos de Separação por Membranas para Tratamento de Água e Efluentes

PHA 5053 Processos de Separação por Membranas para Tratamento de Água e Efluentes PHA 5053 Processos de Separação por Membranas para Tratamento de Água e Efluentes AULA 2 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS Prof.: José Carlos Mierzwa mierzwa@usp.br Classificação dos

Leia mais

Pneumática e Hidráulica

Pneumática e Hidráulica Pneumática e Hidráulica Nível III Exercícios adicionais Exercícios de Aplicação e Avaliação 1- Os Compressores pneumáticos: Transformam energia eléctrica em pneumática. Transformam energia mecânica em

Leia mais

Operações Unitárias Experimental II Filtração. Professora: Simone de Fátima Medeiros

Operações Unitárias Experimental II Filtração. Professora: Simone de Fátima Medeiros Operações Unitárias Experimental II Filtração Professora: Simone de Fátima Medeiros Lorena SP-2014 Conceito Separação sólido-fluido: Separação de partículas sólidas contidas em um fluido (líquido ou gás)

Leia mais

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO. Prof. Ms. George Verçoza

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO. Prof. Ms. George Verçoza PROCESSOS DE SEPARAÇÃO Prof. Ms. George Verçoza Separação magnética: Separa misturas do tipo sólido-sólido nas quais um dos componentes tem propriedades magnéticas e é atraído por um ímã. Ex: Ferro e areia.

Leia mais

COLÓIDES E SUSPENSÕES

COLÓIDES E SUSPENSÕES E SUSPENSÕES COMPETÊNCIAS VISADAS No fim deste capítulo, o aluno deve ser capaz de preparar colóides e suspensões; identificar material e equipamento de laboratório e explicar a sua utilização/função;

Leia mais

G A N A I N D S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S

G A N A I N D S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S ETE - ESTAÇÕES DE TRATAMENTO PARA ESGOTO As Estações de tratamento para esgoto da Ganaind possuem alto padrão e rigorosidade na fabricação,

Leia mais

INTRODUÇÃO A MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

INTRODUÇÃO A MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS INTRODUÇÃO A MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS 1 Histórico da cromatografia moderna Mikhail Tsweett (1872-1919) Botânico russo: usou uma coluna empacotada contendo carbonato de cálcio como fase estacionária para

Leia mais

EXTRAÇÃO, SEPARAÇÃO E PURIFICAÇÃO ENZIMÁTICA

EXTRAÇÃO, SEPARAÇÃO E PURIFICAÇÃO ENZIMÁTICA EXTRAÇÃO, SEPARAÇÃO E PURIFICAÇÃO ENZIMÁTICA EQB4383 _ Enzimologia Industrial Etapas de Extração, Separação e Purificação Enzimáticas remoção de material insolúvel separação dos produtos purificação e

Leia mais

METALSINTER IND. E COM. DE FILTROS E SINTERIZADOS LTDA.

METALSINTER IND. E COM. DE FILTROS E SINTERIZADOS LTDA. MANUAL DO FILTRO MS-TC Estagio$ em Metal_Server`(I:) / ISO 9001_2000/manuais 1 INTRODUÇÃO 1.1 FINALIDADE DESTE MANUAL Este manual proporciona informações de funcionamento, instalação, operação e manutenção

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 SOLUBILIDADE

EXPERIÊNCIA 5 SOLUBILIDADE EXPERIÊNCIA 5 SOLUBILIDADE 1. OBJETIVOS No final desta experiência, espera-se que o aluno seja capaz de: Identificar algumas variáveis que afetam a solubilidade. Utilizar técnicas simples de extração,

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA DA REGENERAÇÃO DE COAGULANTE POR VIA ÁCIDA A PARTIR DO LODO DA ETA DE UMA INDÚSTRIA DE CORANTES

VIABILIDADE TÉCNICA DA REGENERAÇÃO DE COAGULANTE POR VIA ÁCIDA A PARTIR DO LODO DA ETA DE UMA INDÚSTRIA DE CORANTES VIABILIDADE TÉCNICA DA REGENERAÇÃO DE COAGULANTE POR VIA ÁCIDA A PARTIR DO LODO DA ETA DE UMA INDÚSTRIA DE CORANTES A. B. SOUZA 1, R. MEIRELLES Jr 2, M.F. MENDES 3 e C.S.S. PEREIRA 4 1 Universidade Severino

Leia mais

FILTROS DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO ( TFCAG )

FILTROS DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO ( TFCAG ) FILTROS DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO ( TFCAG ) TFCAG FILTRO DE CARVÃO ATIvado Os filtros de carvão ativado são projetados e fabricados conforme a norma ASME-SEÇÃO VIII - DIVISÃO I, bem como NR-13, garantindo

Leia mais

Adsorção em coluna de enchimento

Adsorção em coluna de enchimento Adsorção em coluna de enchimento Aplicações do carvão ativado Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente 1ºAno Trabalho realizado por: Cristiana Cardoso; Hugo Monteiro; Octávia Vieira; Tiago Monteiro.

Leia mais

ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS

ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS ESCOLA SECUNDÁRIA /3 GARCIA DE ORTA Utilização e organização dos laboratórios escolares Oficina de Formação ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS ANA LUÍSA SANTOS ÍNDICE pág. ÍNDICE 2 GUIÃO FORNECIDO

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Tecnologias para Filtração de Água

Tecnologias para Filtração de Água Tecnologias para Filtração de Água Leandro Pitarello H2Life Brasil Graduação: Engenharia Química (FEI) Especialização: Gestão Integrada (SENAC) Conhecendo a H2Life A H2Life Brasil é uma empresa que atua

Leia mais

Proteção Ambiental Ltda. Rua Safira, 205 Arujá - SP Desenvolvendo Tecnologia desde 1990 Equipamentos Para Aquicultura

Proteção Ambiental Ltda. Rua Safira, 205 Arujá - SP Desenvolvendo Tecnologia desde 1990 Equipamentos Para Aquicultura Equipamentos Para Aquicultura 1.0 Filtro Rotativo Vantagens de Filtros Rotativos para aquicultura 1. Filtrar partículas de sedimentos na água com tamanhos acima de 2 décimos de milímetro (0,2mm), partículas

Leia mais

Programa FOCAR Propriedade Intelectual: Ferramenta para Competitividade. PAM Membranas Seletivas Ltda.

Programa FOCAR Propriedade Intelectual: Ferramenta para Competitividade. PAM Membranas Seletivas Ltda. Programa FOCAR Propriedade Intelectual: Ferramenta para Competitividade PAM Membranas Seletivas Ltda. Rio de Janeiro, Maio de 2005 Membranas Seletivas Membranas do Tipo Fibra Oca para Microfiltração Purificação

Leia mais

Transporte nas Plantas

Transporte nas Plantas Transporte nas Plantas Para sua sobrevivência, os seres vivos necessitam de substâncias (moléculas e iões) que têm de ser transportadas a cada uma das células que os constituem. Os seres vivos simples

Leia mais

PROCESSO DE TRATAMENTO

PROCESSO DE TRATAMENTO PROCESSO DE TRATAMENTO Consiste em separar a parte líquida da parte sólida do esgoto, e tratar cada uma delas separadamente, reduzindo ao máximo a carga poluidora, de forma que elas possam ser dispostas

Leia mais

Sistema tubular de desidratação de lamas

Sistema tubular de desidratação de lamas Sistema tubular de desidratação de lamas Conceito Desidratação de Lamas CONTENÇÃO LAMAS SÓLIDOS ÁGUA DESIDRATAÇÃO Após algum tempo CONSOLIDAÇÃO Drenagem da água para fora dos tubos Conceito Desidratação

Leia mais

DESTILAÇÃO Lei de Raoult

DESTILAÇÃO Lei de Raoult DESTILAÇÃO Operação que consiste na separação de líquidos de suas eventuais misturas, por passagem de vapor e posterior condensação com retorno ao estado líquido, com auxílio de calor e/ou por redução

Leia mais

Propriedades coligativas

Propriedades coligativas Propriedades coligativas 1 Tonoscopia Ebulioscopia Crioscopia Osmose Propriedades coligativas 2 Diagrama de fases Pressão de vapor Conhecer previamente Tonoscopia Ebulioscopia Crioscopia Osmose Propriedades

Leia mais

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO. Professor Cassio Pacheco

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO. Professor Cassio Pacheco PROCESSOS DE SEPARAÇÃO Professor Cassio Pacheco SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido Separação magnética: Separa misturas do tipo sólido-sólido

Leia mais

Recristalização da Acetanilida

Recristalização da Acetanilida Recristalização da Acetanilida Grupo 2 Maísa Sanchez Gomes Mariana Cutigi Recristalização Método para purificar sólidos ou para separar compostos que são solúveis à quente e insolúveis, ou pouco solúveis,

Leia mais

Faculdade Anhanguera de Campinas FAC 4

Faculdade Anhanguera de Campinas FAC 4 Faculdade Anhanguera de Campinas FAC 4 Curso de Graduação em Educação Física Profa. Dra. Amabile Vessoni Arias E-mail: Amabile.arias@anhanguera.com 2016-2 Membrana plasmática = plasmalema É uma película

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Dispersão Definição: É colocar uma substância dentro de outra substância, onde a primeira substância se caracteriza por ser uma partícula, ou seja, a substância

Leia mais

04/12/2012 SECAGEM. Patricia Moreira Azoubel

04/12/2012 SECAGEM. Patricia Moreira Azoubel SECAGEM Patricia Moreira Azoubel 1 Cronograma Terças e quartas- de 04/12/2012 a 15/01/2013; - Conceito, uso; - Psicrometria; - Processos do ar; - Métodos de secagem; - Equipamentos. Prova- 15/01/2013 Consiste

Leia mais

Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides

Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides Material de apoio do Extensivo 1. Considere o gráfico da pressão máxima de vapor em função da temperatura para um solvente puro e para uma solução desse

Leia mais

Inovações tecnológicas para tratamento e reúso de água: Enfrentando os desafios do Século XXI

Inovações tecnológicas para tratamento e reúso de água: Enfrentando os desafios do Século XXI Inovações tecnológicas para tratamento e reúso de água: Enfrentando os desafios do Século XXI José Carlos Mierzwa mierzwa@usp.br Aracajú, 09 de Dezembro de 2015 Resumo da apresentação Histórico dos problemas

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DA SEPARAÇÃO DO FLUIDO DE PERFURAÇÃO EM PENEIRAS VIBRATÓRIAS

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DA SEPARAÇÃO DO FLUIDO DE PERFURAÇÃO EM PENEIRAS VIBRATÓRIAS MODELAGEM E SIMULAÇÃO DA SEPARAÇÃO DO FLUIDO DE PERFURAÇÃO EM PENEIRAS VIBRATÓRIAS M. D. MARQUES 1 e V. V. MURATA 1 1 Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Química e-mail para contato:

Leia mais

Prof. José Valter SEPARAÇÃO DE MISTURAS

Prof. José Valter SEPARAÇÃO DE MISTURAS 1 Separação de misturas heterogêneas: LEVIGAÇÃO É usada para componentes de misturas de sólidos, quando um dos componentes é facilmente arrastado pelo líquido. Separação do ouro das areias auríferas Separação

Leia mais

SISTEMA DE PURIFICAÇAO DE ÁGUA PARA APLICAÇÕES DE LABORATÓRIO TRANQUILIDADE, BAIXOS CUSTOS DE FUNCIONAMENTO, COMODIDADE DE USO

SISTEMA DE PURIFICAÇAO DE ÁGUA PARA APLICAÇÕES DE LABORATÓRIO TRANQUILIDADE, BAIXOS CUSTOS DE FUNCIONAMENTO, COMODIDADE DE USO FICHA TÉCNICA AQUELIX 5 TM SISTEMA DE PURIFICAÇAO DE ÁGUA PARA APLICAÇÕES DE LABORATÓRIO TRANQUILIDADE, BAIXOS CUSTOS DE FUNCIONAMENTO, COMODIDADE DE USO SISTEMA DE PURIFICAÇÃO DE ÁGUA PARA APLICAÇÕES

Leia mais

DESTILAÇÃO POR ARRASTE DE VAPOR DE ÁGUA DO ÓLEO DE CRAVO E EXTRAÇÃO QUIMICAMENTE ATIVA DO EUGENOL

DESTILAÇÃO POR ARRASTE DE VAPOR DE ÁGUA DO ÓLEO DE CRAVO E EXTRAÇÃO QUIMICAMENTE ATIVA DO EUGENOL DESTILAÇÃO POR ARRASTE DE VAPOR DE ÁGUA DO ÓLEO DE CRAVO E EXTRAÇÃO QUIMICAMENTE ATIVA DO EUGENOL Principais componentes do óleo de cravo obtidos pelo arraste DESTILAÇÃO DE UMA MISTURA HETEROGÊNEA P =

Leia mais

DESTILAÇÃO POR ARRASTE DE VAPOR DE ÁGUA DO ÓLEO DE CRAVO E EXTRAÇÃO QUIMICAMENTE ATIVA DO EUGENOL

DESTILAÇÃO POR ARRASTE DE VAPOR DE ÁGUA DO ÓLEO DE CRAVO E EXTRAÇÃO QUIMICAMENTE ATIVA DO EUGENOL DESTILAÇÃO POR ARRASTE DE VAPOR DE ÁGUA DO ÓLEO DE CRAVO E EXTRAÇÃO QUIMICAMENTE ATIVA DO EUGENOL Principais componentes do óleo de cravo obtidos pelo arraste DESTILAÇÃO FRACIONADA DE UMA SOLUÇÃO evaporações

Leia mais

Figura 1: Ilustração do processo de dissolução do NaCl em água.

Figura 1: Ilustração do processo de dissolução do NaCl em água. Solubilidade 1. Introdução Na maioria das reações químicas, os reagentes e produtos são usados e obtidos na forma de misturas homogêneas, chamadas de solução. Uma solução contém uma quantidade relativamente

Leia mais

TAREFA DA 2ª SEMANA - 02 A 06 DE MARÇO QUÍMICA 3ª SÉRIE EM

TAREFA DA 2ª SEMANA - 02 A 06 DE MARÇO QUÍMICA 3ª SÉRIE EM TAREFA DA 2ª SEMANA - 02 A 06 DE MARÇO QUÍMICA 3ª SÉRIE EM 1. (Pucrj 2008) Considere: (i) a variação de entalpia ( H) na combustão de 1 mol de etanol é o calor de reação que ocorre em pressão constante

Leia mais

PHA 3418 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES. Aula 8 Procedimentos de Limpeza química e Sanitização

PHA 3418 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES. Aula 8 Procedimentos de Limpeza química e Sanitização PHA 3418 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Aula 8 Procedimentos de Limpeza química e Sanitização Prof.: José Carlos Mierzwa mierzwa@usp.br Operações de limpeza e

Leia mais

PURIFICAÇÃO DO ÉTER ETÍLICO PARTE 2. Instituição, alunos que irão proferir, curso, ano, professores e estagiários docentes

PURIFICAÇÃO DO ÉTER ETÍLICO PARTE 2. Instituição, alunos que irão proferir, curso, ano, professores e estagiários docentes PURIFICAÇÃO DO ÉTER ETÍLICO PARTE 2 Instituição, alunos que irão proferir, curso, ano, professores e estagiários docentes ASSUNTOS ABORDADOS: Filtração Fontes de aquecimento Ponto de Ebulição Destilação

Leia mais

Fluido térmico orgânico NSF HT1, para transferência de calor é uma opção vantajosa para indústria alimentícia.

Fluido térmico orgânico NSF HT1, para transferência de calor é uma opção vantajosa para indústria alimentícia. Fluido térmico orgânico NSF HT1, para transferência de calor é uma opção vantajosa para indústria alimentícia. Por Everton Kolosque Engenheiro Consultor de Mercado da Klüber Lubrication A evolução tecnológica

Leia mais

HIGH PERFORMANCE LIQUID CROMATOGRAPHY CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA PERFORMANCE CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTO DESEMPENHO

HIGH PERFORMANCE LIQUID CROMATOGRAPHY CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA PERFORMANCE CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTO DESEMPENHO HIGH PERFORMANCE LIQUID CROMATOGRAPHY CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA PERFORMANCE CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTO DESEMPENHO CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA (CLAE) 1 CONCEITOS E FUNDAMENTOS HPLC usa

Leia mais

PROMOVE- PROCESSOS DE SEPARAÇÃO. Extração

PROMOVE- PROCESSOS DE SEPARAÇÃO. Extração Extração Extração Deseja-se extrair ou remover líquidos que possuam o mesmo volatilidade relativa baixa( extração por solvente); Ou remover algum composto de sólidos(lavagem ou lixiviação); Extração por

Leia mais

MSK FILTRO COALESCENTE

MSK FILTRO COALESCENTE FILTRO COALESCENTE MSK 1 - INTRODUÇÃO 1.1. - FINALIDADE DESTE MANUAL Este manual proporciona informações de funcionamento, instalação, operação e manutenção dos filtros MS-série K. Leia este manual atentamente

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Mecânica de Fluidos II 007/008 Laboratório de Turbomáquinas INSTRUÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE ENSAIOS DE BOMBAS 1. INTRODUÇÃO O circuito hidráulico do banco de ensaio de bombas do

Leia mais

Coloides. Prof: Alex. quinta-feira, 20 de junho de 13

Coloides. Prof: Alex. quinta-feira, 20 de junho de 13 Coloides Prof: Alex Sistemas formados pela mistura de substâncias. A substância disseminada na mistura recebe o nome de disperso é a responsável pela disseminação de dispersante. Dispersante Dispersão

Leia mais

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto O meio extracelular e intracelular apresenta concentrações diferentes de eletrólitos; Líquido extracelular contém grande quantidade de sódio Na + ; Grande

Leia mais

Transporte através da Membrana Plasmática. CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira

Transporte através da Membrana Plasmática. CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira Transporte através da Membrana Plasmática CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira A membrana plasmática é formada por 2 camadas ( Bicamada ) de lipídios

Leia mais

Colégio São Paulo-Teresópolis/RJ. Disciplina: Ciências Data: /09/2014 Prof: Carolina série/ano: 6 o Ensino: Fundamental II. Exercícios ( ) Prova:( )

Colégio São Paulo-Teresópolis/RJ. Disciplina: Ciências Data: /09/2014 Prof: Carolina série/ano: 6 o Ensino: Fundamental II. Exercícios ( ) Prova:( ) Colégio São Paulo-Teresópolis/RJ Disciplina: Ciências Data: /09/2014 Prof: Carolina série/ano: 6 o Ensino: Fundamental II Nota Exercícios ( ) Prova:( ) GABARITO 1 Leia a definição e responda: ESTUDO DIRIGIDO

Leia mais

1 Extração Líquido-Líquido

1 Extração Líquido-Líquido Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus de Curitiba Departamento de Química _ Extração Líquido-Líquido Disciplina: Práticas de Química Orgânica Materiais e Reagentes Mesa

Leia mais

Tratamento de resíduos

Tratamento de resíduos Tratamento de resíduos Resíduo: Um resíduo é qualquer substância ou objecto de que o ser humano pretende desfazer-se por não lhe reconhecer utilidade. Prioridades a seguir no tratamento de resíduos sólidos:

Leia mais

Dureza da Água e Problemas de Lavagem

Dureza da Água e Problemas de Lavagem Dureza da Água e Problemas de Lavagem O que se pretende Classificar uma água quanto à sua dureza, como dura ou macia, a partir do seu comportamento em testes de lavagem. Para além disso, e a partir das

Leia mais

Gabarito: Resposta da questão 1: [A] [Resposta do ponto de vista da disciplina de Biologia]

Gabarito: Resposta da questão 1: [A] [Resposta do ponto de vista da disciplina de Biologia] Gabarito: Resposta da questão 1: [Resposta do ponto de vista da disciplina de Biologia] A dissolução do cloreto de sódio à água pura eleva o seu ponto de ebulição. O aquecimento do meio de cultura provocava

Leia mais

CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA ( CCD) Bruno Henrique Ferreira José Roberto Ambrósio Jr.

CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA ( CCD) Bruno Henrique Ferreira José Roberto Ambrósio Jr. CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA ( CCD) Bruno Henrique Ferreira José Roberto Ambrósio Jr. CROMATOGRAFIA Método usado para separar, identificar e quantificar componentes de uma mistura; Método físico-químico

Leia mais

10 Estações de Tratamento de Água. TH028 - Saneamento Ambiental I 1

10 Estações de Tratamento de Água. TH028 - Saneamento Ambiental I 1 10 Estações de Tratamento de Água TH028 - Saneamento Ambiental I 1 10.1 - Introdução Água potável à disposição dos consumidores: De forma contínua Quantidade adequada Pressão adequada Qualidade adequada

Leia mais

Ciências Físico-Químicas 7º ano Ficha de trabalho nº14 Separação dos componentes de uma mistura

Ciências Físico-Químicas 7º ano Ficha de trabalho nº14 Separação dos componentes de uma mistura Para separar os constituintes de uma mistura pode-se recorrer a diferentes processos de separação. Os processos de separação permitem separar diferentes substâncias que inicialmente foram juntas, mantendo

Leia mais

2.1 Breve história da termodinâmica

2.1 Breve história da termodinâmica 2.1 Breve história da termodinâmica TERMODINÂMICA calor força, movimento No início, estudava os processos que permitiam converter calor em trabalho (força e movimento). 2.1 Breve história da termodinâmica

Leia mais

OBTENÇÃO DE MATÉRIA PELOS SERES HETEROTRÓFICOS: - Estrutura da membrana celular - Mecanismos de transporte membranar

OBTENÇÃO DE MATÉRIA PELOS SERES HETEROTRÓFICOS: - Estrutura da membrana celular - Mecanismos de transporte membranar OBTENÇÃO DE MATÉRIA PELOS SERES HETEROTRÓFICOS: - Estrutura da membrana celular - Mecanismos de transporte membranar Natércia Charruadas Biologia e Geologia 10º ano SistemaGzar conhecimentos Metabolismo

Leia mais

Determinação cromatográfica de riboflavina em leite

Determinação cromatográfica de riboflavina em leite CROMATOGRAFIA Determinação cromatográfica de riboflavina em leite Marcela Segundo & Marcelo Osório FFUP MCQ MIA 2013/2014 Pág. 1 Introdução As vitaminas são nutrientes essenciais para a manutenção de uma

Leia mais

O Estado Coloidal. Química dos Colóides e Superfícies. M.Sc. Maron Stanley Silva O. Gomes Site: marongomes.wix.

O Estado Coloidal. Química dos Colóides e Superfícies. M.Sc. Maron Stanley Silva O. Gomes   Site: marongomes.wix. Química dos Colóides e Superfícies Profº Janilson Lima Souza E-mail: Prof. janilsonlima@ifma.edu.br M.Sc. Maron Stanley Silva O. Gomes E-mail: maron@ifma.edu.br Site: marongomes.wix.com/maron A Ciência

Leia mais

Catálise heterogênea. Catalisador sólido. Reação na interface sólido-fluido

Catálise heterogênea. Catalisador sólido. Reação na interface sólido-fluido Catálise heterogênea Catalisador sólido Reação na interface sólido-fluido Tipos de catalisadores Poroso: elevada área superficial Tipos de catalisadores Peneiras moleculares: capacidade de distinção entre

Leia mais

Video coagulação/floculação

Video coagulação/floculação Video coagulação/floculação Tratamento de Águas para Consumo Humano FILTRAÇÃO: Consiste na remoção de substâncias em suspensão, para as quais a sedimentação não foi eficaz através da passagem da água por

Leia mais

MBR PULSION TM Buscando Máxima Eficiência. 9 Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental 10/12/15 Isadora Nagaoka

MBR PULSION TM Buscando Máxima Eficiência. 9 Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental 10/12/15 Isadora Nagaoka MBR PULSION TM Buscando Máxima Eficiência 9 Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental 10/12/15 Isadora Nagaoka MBR PULSION PURON PSH PULSION TM MBR Parâmetros de design % Redução de consumo energético

Leia mais

FIME. Basicamente, uma instalação FiME é composta por alguma combinação entre a: a pré-filtração dinâmica, Pré filtração grosseira. a filtração lenta.

FIME. Basicamente, uma instalação FiME é composta por alguma combinação entre a: a pré-filtração dinâmica, Pré filtração grosseira. a filtração lenta. FIME Para o uso eficiente da filtração rápida, é necessário o pré-tratamento da água bruta com coagulação química, podendo ou não haver a floculação e decantação ou flotação, dependendo da qualidade da

Leia mais

A Diluição das Soluções:

A Diluição das Soluções: Aula n ọ 6 A Diluição das Soluções: Diluir uma solução significa diminuir sua concentração. Podemos diluir uma solução, conservando a quantidade de soluto, e aumentando o volume da solução acrescentando

Leia mais