Dessalinização uma análisetécnicae econômica. André Lermontov, D.Sc.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dessalinização uma análisetécnicae econômica. André Lermontov, D.Sc."

Transcrição

1 Dessalinização uma análisetécnicae econômica André Lermontov, D.Sc.

2 Curriculum Autor: André Lermontov Doutor e mestre em Engenharia Química pela UFRJ; Gerente de Tecnologias do Grupo Águas do Brasil responsável pelo desenvolvimento de novas tecnologias e inovação; 14 anos de experiência na área de saneamento.

3 TRATAMENTO É uma operação ou conjunto de operações unitárias que visam beneficiar algo. No nosso negócio, tratar água significa: Remover as impurezas e adicionar produtos tal que fique própria para o consumo. Tratar esgoto sanitário significa: Remover as impurezastal que fique adequado para o retorno ao meio ambiente. Impureza = Sólidos

4 SÓLIDOS Sal / Metal Dissolvidos Açúcar Inorgânicos Sólidos Orgânicos Argila Suspensos Proteínas / M.O.

5 TRATAMENTO CONVENCIONAL Manancial Coagulação Floculação Sedimentação Polímero Agente oxidante Correção de ph Fluoretação Desinfecção Filtração Alcalinizante Água final

6 TRATAMENTO CONVENCIONAL Manancial Coagulação Floculação Sedimentação Polímero Agente oxidante Correção de ph Fluoretação Desinfecção Filtração Alcalinizante Água final

7 FILTRAÇÃO Definição: Processo de separação sólido-líquido utilizado para promover a remoção dos sólidos presentes na fase líquida.

8 TIPOS DE FILTRAÇÃO Filtração em meio granular Filtração em membrana

9 FILTRAÇÃO EM MEIO GRANULAR Com relação ao meio filtrante Ascendente Ascendente Areia ou Antracito Descendente Antracito Descendente Antracito Areia Areia Granada Camada simples Dupla camada Tripla camada

10 TAMANHO RELATIVO DE ALGUNS MATERIAIS

11 SÓLIDOS Diâmetro de poro - mícron (1 micron = 0,001 mm = 0,0001 cm) Diâmetro do poro em filtros granulares convencionais: mícron

12 FAIXAS DE FILTRAÇÃO Micro Filtração 10 um 100 nm Ultra Filtração nm Nano Filtração 10-1 nm Osmose Reversa < 1 nm giardia crypto bacteria colóides virus cor dureza pesticidas sais colóides virus; cor dureza pesticidas sais; água cor,dureza pesticidas sais água sais água água

13 FAIXAS DE FILTRAÇÃO Micro Filtração 10 um 100 nm Ultra Filtração nm Nano Filtração 10-1 nm Osmose Reversa < 1 nm Pressão de Trabalho < 2 bar 1-10 bar 5-35 bar bar 1 bar = 10,2 m.c.a.

14 DESSALINIZAÇÃO No século 17, marinheiros Japoneses já ferviam água do mar, recuperando o destilado em canos de bambú, para produzir água potável nas suas embarcações. As primeiras unidades industriais colocadas em operação foram na Ilha de Malta em 1881 e em Jeddahna ArabiaSaudita em Esta tecnologia passou somente a partir de 1960 a ser utilizada em larga escala para produção de água potável. O Kwaitfoi o primeiro país a investir nesta tecnologia para produzir água potável em grande escala.

15 EVOLUÇÃO HISTÓRICA Atualmente, a capacidade instalada para gerar água potável através da tecnologia de dessalinização ao redor do mundo é de aproximadamente l/s espalhadas por mais de plantas.

16 TECNOLOGIAS EXISTENTES As tecnologias mais empregas são: Destilação Térmica e Osmose Reversa. Cenário Mundial Osmose Reversa Destilação Térmica Multiestágio Eletrodiálise Compressão por Vapor Destilação Multiplos Efeitos Outros EUA 70 % RO Oriente Médio 87 % MSF

17 DESTILAÇÃO TÉRMICA A tecnologia da Destilação Térmica Multiestágio se resume em ferver a água, condensar e recuperar os vapores desprendidos em vários estágios sucessivos. É a tecnologia adotada pelos paises detentores de grandes reservas de petróleo matriz energética para ferver a água a ser tratada (88 % da despesa de operação) Trata-se da tecnologia mais cara existente, pois a operação é diretamente dependente do preço do barril do petróleo. É aproximadamente 3 a 4 vezes mais onerosa do que a tecnologia de membranas.

18 OSMOSE REVERSA Osmose reversa consiste em forçar a passagem de um líquido concentrado através de uma membrana semi permeável, a qual vai segurar íons, sais, microrganismos, dependendo da permeabilidade da membrana, tendo como resultado um líquido puro.

19 CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS EM FUNÇÃO DOS SAIS CONAMA 357/05: Água doce: Salinidade 0,5 g/l de SDT Água salobra: Salinidade 0,5-30 g/l de SDT Água salgada: Salinidade 30 g/l de SDT SDT Sólidos Dissolvídos Totais

20 SALINIDADE DOS OCEANOS Salinidade dos Oceanos Oceano Pacífico Oceano Atlântico Mar Vermelho Golfo Pérsico Mar Morto g/l g/l g/l g/l 280 g/l

21 A MEMBRANA DE OSMOSE REVERSA A membrana é uma barreira semi permeável composta de polímeros de acetato de celulose ou poliamida

22 PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO Sólidos Dissolvidos Macromoléculas ÁGUA

23 SUPERFICIE DA MEMBRANA ALIMENTAÇÃO DESCARTE (Rejeito) Intl PERMEADO

24 VIDEO ILUSTRATIVO

25 PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO Alimentação Permeado Membrana Rejeito Permeado

26 MEMBRANA ESPIRAL Alimentação Tubo de coleta perfurado Suporte Permeado / Saída Escoamento transversal Suporte p/ permeado Tampa e espaçador do by pass Permeado escoa espiralmente de encontro ao tubo de coleta Concentrado Membranas Espaçador de canal

27 ELEMENTO FILTRANTE ESPELHO ADAPTADOR INTERCONECTOR PERMEADO ALIMENTACAO CARTUCHO COM MEMBRANA CONCENTRADO

28 SISTEMA DE OSMOSE REVERSA 75% de Recuperação 90% de Rejeição Alimentação Permeado 100 l/s 100 mg/l 75 l/s 10 mg/l 25 l/s 390 mg/l Rejeito

29 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

30 DIAGRAMA DE FLUXO PERMEADO ALIMENTAÇÃO 1 o Estágio 2 o Estágio CONCENTRADO (REJEITO)

31 DIAGRAMA DE FLUXO 50 l/s 75 l/s 100 l/s ALIMENTAÇÃO 50 l/s 25 l/s PERMEADO 75% RECUPERAÇÃO 1 o Estágio 2 o Estágio 25 l/s CONCENTRADO (REJEITO)

32 DIAGRAMA DE FLUXO 50 l/s 75 l/s 13 mg/l 100 l/s 100 mg/l ALIMENTAÇÃO 50 l/s 10 mg/l 200 mg/l 25 l/s PERMEADO 20 mg/l 75% RECUPERAÇÃO 1 o Estágio 2 o Estágio 400 mg/l 25 l/s CONCENTRADO (REJEITO)

33 PADRÃO DAS CORRENTES Parâmetros Alimentação (mg/l) Concentrado (mg/l) Permeado (mg/l) NH K Na Mg Ca Sr Ba CO HCO Cl F SO SiO B CO TDS ph

34 FLUXO COMPLETO

35 FLUXO COMPLETO

36 FLUXO COMPLETO

37 INVESTIMENTOS l/s l/s l/s

38 CUSTOS DE OPERAÇÃO UPC Custo de Produção Unitário ($/m³) = Soma do custo de capital amortizado (20 anos) e do custos de operação

39 FLUXO COMPLETO

40 FLUXO COMPLETO

41 RATEIO DAS DESPESAS

42 SIMULAÇÃO REAL

43 SIMULAÇÃO REAL Detalhes do sistema de O.I.para a vazão de permeado de L/s

44 SIMULAÇÃO REAL Demandas de área de membrana e potência total para as diferentes capacidades avaliadas Capacidade (L/s) Número de módulos Vasos de pressão Potência total requerida (kwh)

45 SIMULAÇÃO REAL Custos unitários dos vasos de pressão e módulos instalados no sistema de O.R. 1 US$ = 1,771 R$ Item Custo instalado (US$) Custo no país (R$) Módulos (SW40HR) 580, ,00 Vaso de pressão (7 elementos) 1.500, ,00

46 SIMULAÇÃO REAL Custos totais dos vasos de pressão e módulos no sistema de O.R. Capacidade (L/s) Número de módulos Número de vasos de pressão Custo total dos módulos (R$) Custo total dos vasos de pressão (R$) , , , , , , , , , , , , , ,00

47 SIMULAÇÃO REAL

48 SIMULAÇÃO REAL Contribuição dos diversos componentes no custo de investimento total em uma planta de dessalinização (Fonte: DesalData.com) Item Capacidade (L/s) Captação 11% 11% 11% 11% 12% 12% 12% 12% Bombas 8% 8% 8% 8% 9% 9% 9% 9% Projeto e pessoal 11% 11% 9% 9% 9% 9% 9% 9% Tubulações 12% 12% 13% 13% 11% 11% 11% 11% Vasos de pressão 1% 1% 1% 1% 1% 1% 1% 1% Instalação e serviços 7% 7% 7% 7% 7% 7% 7% 7% Membranas 5% 5% 5% 5% 4% 4% 4% 4% Construção civil 14% 14% 15% 15% 16% 16% 16% 16% Equipamentos e materiais 20% 20% 20% 20% 19% 19% 19% 19% Jurídico e pessoal 2% 2% 2% 2% 2% 2% 2% 2% Pré-tratamento (MF/UF) 9% 9% 9% 9% 9% 9% 9% 9%

49 SIMULAÇÃO REAL Estimativa da área requerida para a planta de dessalinização e custo do terreno considerando R$ 200,00 por m². Capacidade (L/s) Área para toda a planta (m 2 ) Área para o sistema de O.I. (m 2 ) Custo do terreno (R$) , , , , , , ,15

50 SIMULAÇÃO REAL

51 SIMULAÇÃO REAL Custo da Energia em função da capacidade da planta de dessalinização. Para esta estimativa, os valores calculados para o sistema de O.R.(2,41 kwh/m3) foram utilizados. Considerou-se que a demanda de energia no sistema de osmose corresponde a 60% de toda a energia consumida na planta, equivalente a 4,0 kwh/m3. Desta forma, utilizado o custo da energia em R$ 0,34/kWh, pode-se estimar o custo total da energia. Considerou-se 365 dias e 24 horas por dia. Capacidade (L/s) Potencia total (kwh) Custo total com energia (R$/ano) , , , , , , ,00

52 SIMULAÇÃO REAL Custo com pessoal para a operação da planta de dessalinização. Capacidade (L/s) Custo mensal (R$) Custo pessoal (R$/ano) , , , , , , , , , , , , , ,72

53 SIMULAÇÃO REAL Custo de reposição das membranas. Capacidade (L/s) Reposição de membranas de O.I. (R$) Reposição de membranas de MF/UF (R$) Custo total para reposição de membranas (R$/ano) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,20

54 SIMULAÇÃO REAL Custo operacional da água produzida L R$/ano , , , , , , ,84 m³/ano R$/m³ 1,75 1,70 1,68 1,67 1,69 1,68 1,67

55 André Lermontov, D.Sc.

Tratamento de Água Osmose Reversa

Tratamento de Água Osmose Reversa Tratamento de Água Osmose Reversa O que é osmose? Tendência natural dos líquidos (p.ex., água) a se deslocarem do lado menos concentrado (em soluto) para o lado mais concentrado (em soluto) de uma membrana

Leia mais

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA

RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA RESULTADOS PRÁTICOS DA APLICAÇÃO DE NOVO BIOCIDA PARA SISTEMAS DE OSMOSE REVERSA Autores*: Antonio R. P. Carvalho Pedro H. B. Moreira Trabalho premiado ABTCP 2014 RESUMO O presente trabalho busca divulgar

Leia mais

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06 Sumário Apresentação 04 O que é um dessalinizador 04 Como funciona o sistema de dessalinização 05 Descrição dos componentes 06 Processo de osmose reversa 07 Instrumentação 07 Verificações importantes antes

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP: I 115 Página 1 de 6 1. Objetivo Estabelecer a sistemática para a produção de água reagente para o abastecimento do equipamento Architecti2000 (Abbott), dos demais equipamentos que utilizam esta água

Leia mais

Tratamento de efluentes

Tratamento de efluentes Tratamento de efluentes Aguas residuais não devem ser rejeitadas antes de tratamento adequado industriais / urbanas / agrícolas ETAR - estação de tratamento de águas residuais Objectivo: eliminação de

Leia mais

Todos Vivemos a Jusante. We All Live Downstream...

Todos Vivemos a Jusante. We All Live Downstream... Todos Vivemos a Jusante. We All Live Downstream... Tratamento terciário para produção de água de reuso. Sistema modular de ultra-filtração, em containers, com membranas cerâmicas de carbeto de silício.

Leia mais

DESSALINIZAÇÃO DE ÁGUA DESSALINIZADORES

DESSALINIZAÇÃO DE ÁGUA DESSALINIZADORES DESSALINIZAÇÃO DE ÁGUA DESSALINIZADORES FÓRUM RECURSOS HÍDRICOS & ADVERSIDADES CLIMÁTICAS CEDAGRO/CREA-ES VITÓRIA MAIO DE 2015 Luiz Carlos Baldicero Molion Professor e Pesquisador Aposentado INPE/MCTI

Leia mais

FONTES DE ENERGIA. Energia. [Do gr. energéia, pelo lat. energia]. 1. Maneira como se

FONTES DE ENERGIA. Energia. [Do gr. energéia, pelo lat. energia]. 1. Maneira como se Energia. [Do gr. energéia, pelo lat. energia]. 1. Maneira como se exerce uma força. 2. Força moral; firmeza. 3. Vigor, força. 4. Filos. Segundo Aristóteles, o exercício mesmo da atividade, em oposição

Leia mais

AutoFilt Type RF3 Exemplos de aplicação.

AutoFilt Type RF3 Exemplos de aplicação. Filtro de retrolavagem automático AutoFilt RF3 para a tecnologia de processos Filtro de retrolavagem automático AutoFilt RF3 para a tecnologia de processos. Para a operação de filtração contínua sem manutenção

Leia mais

FILTRO DISCO CERÂMICO À VÁCUO (FDVC)

FILTRO DISCO CERÂMICO À VÁCUO (FDVC) APLICAÇÃO Mineração Indústria metalúrgica Desaguamento de concentrados de minérios ferrosos e não-ferrosos Desaguamento de rejeitos e lamas Filtragem de polpa fina de oxido de alumínio O uso do Filtro

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP A aposta em investimento em energias renovaveis em STP I. Apresentação da HET - Service Lda. II. Situação das energias renováveis III.Possibilidade de Investimentos em E.R. Privado Estatal IV.Barreiras

Leia mais

ANALISE ECONÔMICA DA DESSALINIZAÇÃO DE ÁGUA DO MAR POR OSMOSE INVERSA VISANDO ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ANALISE ECONÔMICA DA DESSALINIZAÇÃO DE ÁGUA DO MAR POR OSMOSE INVERSA VISANDO ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ANALISE ECONÔMICA DA DESSALINIZAÇÃO DE ÁGUA DO MAR POR OSMOSE INVERSA VISANDO ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO André Lermontov (1) Engenheiro Químico pela Escola de Química da UFRJ. Mestre

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO UTILIZANDO FILTRO DE AREIA GROSSA COM ESCOAMENTO ASCENDENTE COMO PRÉ-TRATAMENTO À FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE

TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO UTILIZANDO FILTRO DE AREIA GROSSA COM ESCOAMENTO ASCENDENTE COMO PRÉ-TRATAMENTO À FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO UTILIZANDO FILTRO DE AREIA GROSSA COM ESCOAMENTO ASCENDENTE COMO PRÉ-TRATAMENTO À FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE Donizeti De Paula: engenheiro civil, estudante de pós-graduação

Leia mais

CONTAMINAÇÕES MICROBIOLÓGICAS E QUÍMICAS DA ÁGUA (Enasa)

CONTAMINAÇÕES MICROBIOLÓGICAS E QUÍMICAS DA ÁGUA (Enasa) www.enasaeng.com.br enasaeng@enasaeng.com.br Tel: (011) 5585-9100 Fax: (011) 5589-6911 São Paulo - SP - Brasil CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA ÁGUA 1. COR 2. TURBIDEZ 3. SÓLIDOS EM ÁGUA 4. TEMPERATURA 5. SABOR

Leia mais

Membrana celular. Natália Paludetto

Membrana celular. Natália Paludetto Membrana celular tália Paludetto Membrana celular, o que é? Fino revestimento (7 a 10nm) que envolve a célula. Tem capacidade de se regenerar, é descontínua pois apresenta poros, conduz eletricidade e

Leia mais

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA O Que é Cogeração? SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA A cogeração a partir do gás natural é o processo que permite a produção de energia elétrica e térmica, de forma simultânea,

Leia mais

Filtração por Contato

Filtração por Contato Filtração por Contato A construção de grandes tanques de decantação com raspadores de geralmente resultam em investimentos de alto custo. A operação destes decantadores podem ser bastante irregulares,

Leia mais

j1111111,11111,1111 (21)PI0902102-7 A2 (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096)

j1111111,11111,1111 (21)PI0902102-7 A2 (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096) (21)PI0902102-7 A2 j1111111,11111,1111 1,1H FLIeraliva (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096) (51) InÉCL: CO2F 1/14 CO2F 9/12 (54) Título: SISTEMA DE DESSALINIZAÇÃO

Leia mais

Tratamento de Água para Abastecimento

Tratamento de Água para Abastecimento Tratamento de Água para Abastecimento Prof. Dr. Jean Carlo Alanis Usos da água As águas são usadas ou consumidas pelo homem de várias maneiras. As águas são classificadas em dois grupos: - consuntivo;

Leia mais

0.1 Introdução Conceitos básicos

0.1 Introdução Conceitos básicos Laboratório de Eletricidade S.J.Troise Exp. 0 - Laboratório de eletricidade 0.1 Introdução Conceitos básicos O modelo aceito modernamente para o átomo apresenta o aspecto de uma esfera central chamada

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

COMPONENTES PRINCIPAIS DO DESSALINIZADOR

COMPONENTES PRINCIPAIS DO DESSALINIZADOR COMPONENTES PRINCIPAIS DO DESSALINIZADOR 03 TUBOS DE ALTA PRESSÃO Nestes tubos estão instaladas as membranas, onde os espelhos de travamento, tubulações e mangueiras devem estar bem encaixados e sem vazamento.

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO Hibridação para cortes de tecidos preservados em parafina Materiais fornecidos: DNA marcado com moléculas fluorescentes (sonda). Buffer(tampão) de Hibridação Reativos para preparar

Leia mais

Determinação das Durezas Temporária, Permanente e Total de uma Água

Determinação das Durezas Temporária, Permanente e Total de uma Água Determinação das Durezas Temporária, Permanente e Total de uma Água Dureza: Parâmetro característico das águas de abastecimento industrial e doméstico. Em suma é a dificuldade de uma água não dissolver

Leia mais

Ref.: PROPOSTA PARA PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÃO COMPACTA PARA TRATAMENTO DE ESGOTOS POR LODOS ATIVADOS USO PISCINA PRESIDENTE FIGUEIREDO - AM.

Ref.: PROPOSTA PARA PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÃO COMPACTA PARA TRATAMENTO DE ESGOTOS POR LODOS ATIVADOS USO PISCINA PRESIDENTE FIGUEIREDO - AM. Manaus, 08 de maio de 2014. Proposta Nº 08051401. CLIENTE: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS AT.: Marcelino Cardoso de Aguiar E-MAIL: marcelino.aguiar@hotmail.com TELEFONE:

Leia mais

QUÍMICA (2ºBimestre 1ºano)

QUÍMICA (2ºBimestre 1ºano) QUÍMICA (2ºBimestre 1ºano) TABELA PERIÓDICA ATUAL Exemplo: Se o K (potássio) encontra-se no 4º período ele possui 4 camadas. Nº atômico = Z 19 K-2; L-8, M-8; N-1 Propriedades gerais dos elementos Metais:

Leia mais

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 1 - Vazões e Cargas de Dimensionamento População = Vazão média = Q k1 = Q k1k2 = CO = So = 49974 hab 133.17 L/s 156.31

Leia mais

VALIDAÇÃO DE UM MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE WETLANDS DE MACRÓFITAS AÉREAS PARA SEPARAÇÃO ÁGUA-ÓLEO

VALIDAÇÃO DE UM MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE WETLANDS DE MACRÓFITAS AÉREAS PARA SEPARAÇÃO ÁGUA-ÓLEO VALIDAÇÃO DE UM MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE WETLANDS DE MACRÓFITAS AÉREAS PARA SEPARAÇÃO ÁGUA-ÓLEO L.A. NASCIMENTO 1 ; A. E. de MOURA 1 ; L.A. SARUBBO 2 ; V. A. dos SANTOS 2. 1 CGTI - Centro de Gestão

Leia mais

QUÍMICA TAISSA LUKJANENKO

QUÍMICA TAISSA LUKJANENKO QUÍMICA TAISSA LUKJANENKO SUBSTÂNCIA PURA MISTURA ESTUDO DAS SUBSTÂNCIAS E MISTURAS SUBSTÂNCIA: material formado por moléculas quimicamente iguais. Substância simples: é constituída de uma molécula formada

Leia mais

SISTEMAS DE FILTRAÇÃO

SISTEMAS DE FILTRAÇÃO SISTEMAS DE FILTRAÇÃO CONCEITO DE FILTRAÇÃO Filtração é o processo de remoção de partículas sólidas de um meio líquido que passa através de um meio poroso. Desta forma, os materiais sólidos presentes no

Leia mais

Aplicação de Reúso na Indústria Têxtil

Aplicação de Reúso na Indústria Têxtil Aplicação de Reúso na Indústria Têxtil 1. Indústria Têxtil Uma Abordagem Geral: Indústria têxtil tem como objetivo a transformação de fibras em fios, de fios em tecidos e de tecidos em peças de vestuário,

Leia mais

Experiências no uso de águas residuais em irrigação em Israel

Experiências no uso de águas residuais em irrigação em Israel Experiências no uso de águas residuais em irrigação em Israel WORK SHOP- REUSO DE ÁGUAS Eng Agr Ayrton Freddi Jr Fortaleza Ce: 07 e 08 de Outubro de 2013 Linha do tempo 1937 1970 2001 2007 2012 Naan Irrigation

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

Fontes de energia. A hidroeletricidade no Brasil

Fontes de energia. A hidroeletricidade no Brasil Fontes de energia A hidroeletricidade no Brasil O marco da energia elétrica no Brasil aconteceu em 1889, com a inauguração da usina hidrelétrica denominada Marmelos, no Rio Paraibuna, Município de Juiz

Leia mais

Novas Tecnologias no Tratamento. Franco Hamilton Harada Larissa Matos Scarpelini

Novas Tecnologias no Tratamento. Franco Hamilton Harada Larissa Matos Scarpelini Novas Tecnologias no Tratamento Terciário i de Água Industrial Franco Hamilton Harada Fernando Palomares Capeloza Larissa Matos Scarpelini Tópicos a serem abordados d Tratamento terciário de águas: Troca

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET

TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET Maick Sousa Almeida (1); Anderson Oliveira de Sousa (1); Ana Paula Araújo Almeida (2) (1) Universidade Estadual da Paraíba;

Leia mais

» FILTROS TRATAMENTO DE ÁGUA

» FILTROS TRATAMENTO DE ÁGUA » FILTROS TRATAMENTO DE ÁGUA www.luisgoncalves.pt FILTRO ÁGUA 3P MEDIUM FL.010.004 5" - 3/4" 1 17,80 FL.010.006 5" - 1" 1 18,60 Caracteristicas: Filtro de uso doméstico em polipropileno reforçado Presssão

Leia mais

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO)

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 0424, de 24 de fevereiro

Leia mais

A QUESTÃO DA ÁGUA. (A) O que é a água que se bebe? R. H 2 O + (+/-) 200 ppm. de sais solúveis. (B) A água no planeta Terra é escassa?

A QUESTÃO DA ÁGUA. (A) O que é a água que se bebe? R. H 2 O + (+/-) 200 ppm. de sais solúveis. (B) A água no planeta Terra é escassa? A QUESTÃO DA ÁGUA (A) O que é a água que se bebe? R. H 2 O + (+/-) 200 ppm. de sais solúveis. (B) A água no planeta Terra é escassa? O planeta Terra; o planeta azul; o planeta água; é um sistema fechado

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000.

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Estabelece que as concessionárias de Serviços públicos de Distribuição, Transmissão ou Geração de energia elétrica, devem aplicar, anualmente, um percentual mínimo

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA DA EDIFICAÇÃO EM FUNÇÃO DOS MATERIAIS DE FACHADA - ESTUDO DE CASO NO RIO DE JANEIRO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA DA EDIFICAÇÃO EM FUNÇÃO DOS MATERIAIS DE FACHADA - ESTUDO DE CASO NO RIO DE JANEIRO AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA DA EDIFICAÇÃO EM FUNÇÃO DOS MATERIAIS DE FACHADA - ESTUDO DE CASO NO RIO DE JANEIRO SOUZA, Cristina G. (1); GRIMME, Friedrich W. (2); LAAR, M. (3) (1) Arquiteta, M.Sc. em

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento

Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento Empresa: Usina Açucareira Passos S/A Usina Itaiquara Endereço: Fazenda

Leia mais

Melhorias na Estação de Tratamento de Água e Esgoto para combate ao stress hídrico

Melhorias na Estação de Tratamento de Água e Esgoto para combate ao stress hídrico Melhorias na Estação de Tratamento de Água e Esgoto para combate ao stress hídrico Sr. Sylvio Andraus Vice- Presidente SINDESAM Agosto/2015 Índice ABIMAQ / SINDESAM Exemplos de Melhoria em Plantas de Água

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

Controle da população microbiana

Controle da população microbiana Controle da população microbiana Microbiologia Prof a. Vânia Taxa de Morte Microbiana Quando as populações bacterianas são aquecidas ou tratadas com substâncias químicas antimicrobianas, elas normalmente

Leia mais

Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina

Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina Bibliografia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Prentice Hall, 007. Equação da Energia em Regime Permanente com

Leia mais

Cálculo do Acidente Postulado de Perda de Refrigerante por uma Ruptura na Linha de Surto do Pressurizador da Central Nuclear Angra 2

Cálculo do Acidente Postulado de Perda de Refrigerante por uma Ruptura na Linha de Surto do Pressurizador da Central Nuclear Angra 2 25 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 25 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 25 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-1-5 Cálculo do Acidente Postulado

Leia mais

ESTUDO DE MUDANÇA DE CONCEPÇÃO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ITUIUTABA (MG)

ESTUDO DE MUDANÇA DE CONCEPÇÃO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ITUIUTABA (MG) ESTUDO DE MUDANÇA DE CONCEPÇÃO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ITUIUTABA (MG) Autor: LEONARDO BORGES CASTRO Engenheiro Civil, graduado pela Universidade Federal de Uberlândia (MG), Especialista

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água

Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água Antes de falarmos sobre Osmose Reversa, precisamos entender o que é Osmose. Osmose é o nome dado ao movimento da água entre meios com concentrações

Leia mais

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte, 24 de abril de 2014 Associadas da ABRAGE Usinas das associadas da ABRAGE Hidrelétricas

Leia mais

14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG)

14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG) 14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG) Empresa: Anglo American Trabalho premiado: Utilização de biomassa no lugar de combustível fóssil no processamento de níquel Categoria: Processo Autores: Juliana Rehfeld

Leia mais

Sondagem rotativa. Elementos de prospecção geotécnica. Apresentação dos resultados. Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.

Sondagem rotativa. Elementos de prospecção geotécnica. Apresentação dos resultados. Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail. Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Elementos de prospecção geotécnica Elementos de prospecção geotécnica Profa.

Leia mais

Filtros Industriais. Para utilização em vapor, líquidos e gases

Filtros Industriais. Para utilização em vapor, líquidos e gases Filtros Industriais Para utilização em vapor, líquidos e gases Filtros Y Spirax Sarco Há mais de 60 anos, a Spirax Sarco vem fornecendo tecnologia em filtragem para qualificação de fluidos e proteção de

Leia mais

OPERAÇÕES UNITÁRIAS 1I. Sólidos SÓLIDOS PARTICULADOS 1: Particulados - PROPRIEDADES DOS SÓLIDOS PARTICULADOS - PENEIRAÇÃO

OPERAÇÕES UNITÁRIAS 1I. Sólidos SÓLIDOS PARTICULADOS 1: Particulados - PROPRIEDADES DOS SÓLIDOS PARTICULADOS - PENEIRAÇÃO OPERAÇÕES UNITÁRIAS 1I Sólidos SÓLIDOS PARTICULADOS 1: Particulados - PROPRIEDADES DOS SÓLIDOS PARTICULADOS - PENEIRAÇÃO Prof. Dr. Félix Monteiro Pereira PROF. DR. FÉLIX MONTEIRO PEREIRA 1 O que é um sólido

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas Técnicas de filtragem para irrigação Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP IV SIMPÓSIO DE CITRICULTURA IRRIGADA Bebedouro, 06 de julho de 2006 O que é filtragem? Processo de

Leia mais

PANORAMA DO PROGRAMA LUZ PARA TODOS E A UNIVERSALIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

PANORAMA DO PROGRAMA LUZ PARA TODOS E A UNIVERSALIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PANORAMA DO PROGRAMA LUZ PARA TODOS E A UNIVERSALIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA 8º CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E ENERGIA NO MEIO RURAL Campinas, 15 de dezembro de 2010

Leia mais

Tratamento de resíduos com ESTUDO DE VIABILIDADE E SUSTENTABILIDADE

Tratamento de resíduos com ESTUDO DE VIABILIDADE E SUSTENTABILIDADE ECOPARQUE PORTO ALEGRE ESTUDO DE VIABILIDADE E SUSTENTABILIDADE Histórico Em novembro de 2003 foi assinado o termo de cooperação técnica entre CGTEE, ELETROBRÁS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre através

Leia mais

7º Seminário de Meio Ambiente 22 de junho de 2004 / São Paulo - SP

7º Seminário de Meio Ambiente 22 de junho de 2004 / São Paulo - SP 7º Seminário de Meio Ambiente 22 de junho de 2004 / São Paulo - SP "SISTEMAS DE TRATAMENTO- MEMBRANAS DE ULTRA-FILTRAÇÃO: A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NO PRÉ- TRATAMENTO DE OSMOSE REVERSA E NO TRATAMENTO DE

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

www.professormazzei.com - PROPRIEDADES COLIGATIVAS 01 Folha 01 João Roberto Mazzei

www.professormazzei.com - PROPRIEDADES COLIGATIVAS 01 Folha 01 João Roberto Mazzei 01. (UFRS 2008) O sal é utilizado para provocar o derretimento de neve e gelo nas estradas dos países frios e também para conservar a carne, como no processamento do charque. A utilização de sal nessas

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia)

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia) Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia) 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Indique o consumo médio mensal

Leia mais

Relatório da atividade nº 2 do módulo de Minas. Laboratório de Ciências do Ambiente I (modulo de Minas) Catarina Espregueira up201303364@fe.up.

Relatório da atividade nº 2 do módulo de Minas. Laboratório de Ciências do Ambiente I (modulo de Minas) Catarina Espregueira up201303364@fe.up. Relatório da atividade nº 2 do módulo de Minas DETERMINAÇÃO GRANULOMÉTRICA DE UM SOLO UTILIZANDO UM CYCLOSIZER Laboratório de Ciências do Ambiente I (modulo de Minas) Catarina Espregueira up201303364@fe.up.pt

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras);

É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras); É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras); - 97,5% é água salgada - 2,5% apenas é água doce Distribuição:

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Planta Produção de Tijolos em Terra Crua

Planta Produção de Tijolos em Terra Crua Planta Produção de Tijolos em Terra Crua Terra em material de construção do futuro Vincitech srl 2013 info@vincitech.it 1 O TIJOLO NA TERRA CRU Em muitos países da terra crua em desenvolvimento éo material

Leia mais

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte Dr. Cristiano Kenji Iwai Belo Horizonte Março/2013 Introdução Condições da disposição de resíduos no Brasil

Leia mais

Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí.

Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí. 1 Objetivo Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí. 2 Abrangência Este procedimento se aplica a todas as áreas e colaboradores enquadrados no perímetro de abrangência

Leia mais

GE Power & Water Water & Process Technologies. Use. Recupere. Recicle. Soluções inovadoras em equipamentos

GE Power & Water Water & Process Technologies. Use. Recupere. Recicle. Soluções inovadoras em equipamentos GE Power & Water Water & Process Technologies Use. Recupere. Recicle. Soluções inovadoras em equipamentos Oferecendo soluções que forneçam água para praticamente qualquer aplicação, quantidade ou qualidade.

Leia mais

Recursos energéticos e os desafios ambientais

Recursos energéticos e os desafios ambientais Recursos energéticos e os desafios ambientais Recursos naturais Tudo que o homem retira da natureza que lhe tem proveito. Classificação Renováveis São recursos que podem ser repostos. Classificação Não-renováveis

Leia mais

Plano Safra para a Cadeia de Flores e Plantas Ornamentais do Brasil

Plano Safra para a Cadeia de Flores e Plantas Ornamentais do Brasil Plano Safra para a Cadeia de Flores e Plantas Ornamentais do Brasil Excelentíssima Senhora KÁTIA ABREU Presidente da CNA Confederação Nacional da Agricultura HOLAMBRA ABRIL DE 2013 1 INTRODUÇÃO No Brasil,

Leia mais

Matrizes de Transferência de Forças e Deslocamentos para Seções Intermediárias de Elementos de Barra

Matrizes de Transferência de Forças e Deslocamentos para Seções Intermediárias de Elementos de Barra Matrizes de Transferência de Forças e Deslocamentos para Seções Intermediárias de Elementos de Barra Walter Francisco HurtaresOrrala 1 Sílvio de Souza Lima 2 Resumo A determinação automatizada de diagramas

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA PROF. DR. JOSÉ LEOMAR FERNANDES JÚNIOR Departamento de Transportes - STT Escola de Engenharia de São Carlos - USP 1 Resíduos

Leia mais

Sistema de tratamento e aproveitamento de resíduos gerados em estação de tratamento de água

Sistema de tratamento e aproveitamento de resíduos gerados em estação de tratamento de água Sistema de tratamento e aproveitamento de resíduos gerados em estação de tratamento de água Dalton C. Bracarense Jordanna B. Lustosa Fabio Moreira S De Castro 26º Encontro Técnico AESABESP São Paulo, 6

Leia mais

CURSINHO TRIU QUÍMICA FRENTE B

CURSINHO TRIU QUÍMICA FRENTE B CURSINHO TRIU QUÍMICA FRENTE B AULA 3 EXPRESSÕES DE CONCENTRAÇÃO (CONT.) E PROPRIEDADES COLIGATIVAS DATA: 01/09/2014 1) EXPRESSÕES DE CONCENTRAÇÃO (CONTINUAÇÃO) a. FRAÇÃO EM MOL Fração em mols ou fração

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 2

MEMORIAL DESCRITIVO 2 R:\Senador Canedo\Produtos 2007\Projeto SAA\PROJETO BÁSICO ÁGUA\HIDRÁULICO\RELATÓRIO\0.doc MEMORIAL DESCRITIVO 2 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 18 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação

Leia mais

Nailsondas Perfurações de Solo Ltda

Nailsondas Perfurações de Solo Ltda APRESENTAÇÃO A Nailsondas Perfurações de Solo Ltda. é uma empresa que vem atuando no mercado desde 2002, prestando serviços em todo território nacional. Executando com excelência vários projetos por ano,

Leia mais

PRO-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO- PROPLAN Pró-Reitor de Planejamento e Orçamento Prof. Dr. Antonio Cezar Bornia

PRO-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO- PROPLAN Pró-Reitor de Planejamento e Orçamento Prof. Dr. Antonio Cezar Bornia Contribuição ao Uso Sustentável de Água e de Energia nos Laboratórios da UFSC: Proposta de Substituição de Destiladores de Água por Purificadores com Osmose Reversa PRO-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO-

Leia mais

T R A T A M E N T O D E Á G U A

T R A T A M E N T O D E Á G U A T R A T A M E N T O D E Á G U A Estações de Tratamento de Água ( ETA ): Têm pôr objetivo transformar água bruta, imprópria para consumo humano, em água potável, própria para este fim. O tratamento da água

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Não existem regras ou leis para gestão; Não existem países pobres ou ricos, mas simplesmente países mal e bem administrados, que sabem extrair o máximo dos recursos

Leia mais

Rebaixamento de lençol freático

Rebaixamento de lençol freático Rebaixamento de lençol freático Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Necessidade do Controle da Água Subterrânea Interceptação da água percolada que emerge nos taludes e fundo de escavações Aumentar a estabilidade

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA

DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA 1 - Estrutura de Chegada de Água Bruta Q dimensionamento = 50 L/s É proposta estrutura de chegada do tipo canal com calha Parshall. Dimensões padrão para garganta de largura

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Água Subterrânea Parte 2 de 2

Água Subterrânea Parte 2 de 2 Universidade de São Paulo PHA 2307 Hidrologia Aplicada Escola Politécnica Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Água Subterrânea Parte 2 de 2 Aula 25-2015 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof. Dr.

Leia mais

Filtros para aplicações de processos

Filtros para aplicações de processos Filtros para aplicações de processos Filtros HYDAC para a técnica de processos Filtros para a técnica de processos asseguram com sua qualidade o funcionamento aumentando a vida útil de componentes, sistemas

Leia mais

Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica

Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica Audiência Pública na Câmara dos Deputados Comissão Especial sobre a Crise Hídrica Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae

Leia mais