DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA"

Transcrição

1 DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA VOLUME I

2

3 DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA VOLUME I DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Março de 214

4

5 Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Divisão de Epidemiologia e Estatística Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Editor Direção-Geral da Saúde Alameda D. Afonso Henriques, Lisboa Tel.: Fax: /1 Autores Cátia Sousa Pinto (Coordenação) Matilde Valente Rosa Marina de Lurdes Pires Ramos do Nascimento Alexandra Bordalo

6

7 CIONAL DE SAÚDE Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Índice Índice de Quadros... 9 Índice de Figuras Notas introdutórias Metodologia Casos notificados de doenças de declaração obrigatória em Portugal no período Dados globais Botulismo Brucelose Carbúnculo Cólera Difteria Doença de Creutzfeldt-Jakob Doença de Hansen - Lepra Doença de Lyme Doença dos legionários Equinococose Febre amarela Febre escaro-nodular Febre Q Febre tifóide e paratifóide Hepatite A Infecção e meningite meningocócica Infeção e meningite por Haemophilus influenza Infeções gonocócicas Leishmaniase visceral Leptospirose Malária Parotidite epidémica Peste Poliomielite aguda Raiva Página 7

8 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Rubéola Rubéola Congénita Salmoneloses Sarampo Shigelose Sífilis congénita Sífilis precoce Tétano, Tétano Neonatal e Obstétrico Tosse convulsa Triquiníase Página 8

9 Índice de Quadros Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I QUADRO 1 CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA, POR DOENÇA, * QUADRO 2 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE BOTULISMO, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 3 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE BOTULISMO, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 4 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE BRUCELOSE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 5 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE BRUCELOSE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 6 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE CARBÚNCULO, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 7 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE CARBÚNCULO, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 8 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE CÓLERA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 9 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE CÓLERA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 1 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DIFTERIA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 11 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DIFTERIA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 12 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE CREUTZFELDT-JAKOB, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 13 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE CREUTZFELDT-JAKOB, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 14 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE HANSEN - LEPRA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 15 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE HANSEN - LEPRA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 16 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE LYME, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 17 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE LYME, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 18 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 19 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 2 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE EQUINOCOCOSE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 21 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE EQUINOCOCOSE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 22 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE AMARELA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 23 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE AMARELA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 24 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE ESCARO-NODULAR, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 25 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE ESCARO-NODULAR, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 26 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE Q, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 27 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE Q, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 28 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE TIFÓIDE E PARATIFÓIDE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 29 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE TIFÓIDE E PARATIFÓIDE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, Página 9

10 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I QUADRO 3 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE HEPATITE A, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 31 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE HEPATITE A, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 32 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFECÇÃO E MENINGITE MENINGOCÓCICA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 33 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFECÇÃO E MENINGITE MENINGOCÓCICA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 34 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÃO E MENINGITE POR HAEMOPHILUS INFLUENZA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 35 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÃO E MENINGITE POR HAEMOPHILUS INFLUENZA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 36 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÕES GONOCÓCICAS, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 37 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÕES GONOCÓCICAS, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 38 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEISHMANIASE VISCERAL, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 39 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEISHMANIASE VISCERAL, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 4 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEPTOSPIROSE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 41 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEPTOSPIROSE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 42 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE MALÁRIA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 43 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE MALÁRIA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 44 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE PAROTIDITE EPIDÉMICA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 45 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE PAROTIDITE EPIDÉMICA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 46 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE PESTE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 47 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE PESTE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 48 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE POLIOMIELITE AGUDA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 49 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE POLIOMIELITE AGUDA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 5 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RAIVA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 51 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RAIVA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 52 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RUBÉOLA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 53 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RUBÉOLA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 54 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RUBÉOLA CONGÉNITA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 55 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RUBÉOLA CONGÉNITA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 56 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SALMONELOSES, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 57 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SALMONELOSES, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 58 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SARAMPO, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 59 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SARAMPO, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, Página 1

11 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I QUADRO 6 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SHIGELOSE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 61 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SHIGELOSE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 62 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SÍFILIS CONGÉNITA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 63 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SÍFILIS CONGÉNITA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 64 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SÍFILIS PRECOCE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 65 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SÍFILIS PRECOCE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 66 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TÉTANO, TÉTANO NEONATAL E OBSTÉTRICO, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 67 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TÉTANO, TÉTANO NEONATAL E OBSTÉTRICO, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 68 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TOSSE CONVULSA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 69 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TOSSE CONVULSA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 7 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TRIQUINÍASE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 71 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TRIQUINÍASE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, Índice de Figuras FIGURA 1 NÚMERO ABSOLUTO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA, PORTUGAL, * FIGURA 2 PROPORÇÃO DE CASOS NOTIFICADOS POR DOENÇA RELATIVAMENTE AO TOTAL DE NOTIFICAÇÕES EFETUADAS, PORTUGAL, 212 (15 DOENÇAS COM MAIOR REPRESENTAÇÃO) FIGURA 3 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE BOTULISMO, PORTUGAL, FIGURA 4 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE BRUCELOSE, PORTUGAL, FIGURA 5 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE CARBÚNCULO, PORTUGAL, FIGURA 6 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE CÓLERA, PORTUGAL, FIGURA 7 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DIFTERIA, PORTUGAL, FIGURA 8 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE CREUTZFELDT-JAKOB, PORTUGAL, FIGURA 9 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE HANSEN - LEPRA, PORTUGAL, FIGURA 1 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE LYME, PORTUGAL, FIGURA 11 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS, PORTUGAL, FIGURA 12 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE EQUINOCOCOSE, PORTUGAL, FIGURA 13 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE ESCARO-NODULAR, PORTUGAL, FIGURA 14 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE Q, PORTUGAL, FIGURA 15 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE TIFÓIDE E PARATIFÓIDE, PORTUGAL, FIGURA 16 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE HEPATITE A, PORTUGAL, FIGURA 17 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFECÇÃO E MENINGITE MENINGOCÓCICA, PORTUGAL, FIGURA 18 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÃO E MENINGITE POR HAEMOPHILUS INFLUENZA, PORTUGAL, FIGURA 19 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÕES GONOCÓCICAS, PORTUGAL, FIGURA 2 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEISHMANIASE VISCERAL, PORTUGAL, FIGURA 21 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEPTOSPIROSE, PORTUGAL, FIGURA 22 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE MALÁRIA, PORTUGAL, Página 11

12 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I FIGURA 23 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE PAROTIDITE EPIDÉMICA, PORTUGAL, FIGURA 24 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE POLIOMIELITE AGUDA, PORTUGAL, FIGURA 25 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RAIVA, PORTUGAL, FIGURA 26 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RUBÉOLA, PORTUGAL, FIGURA 27 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RUBÉOLA CONGÉNITA, PORTUGAL, FIGURA 28 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SALMONELOSES, PORTUGAL, FIGURA 29 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SARAMPO, PORTUGAL, FIGURA 3 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SHIGELOSE, PORTUGAL, FIGURA 31 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SÍFILIS CONGÉNITA, PORTUGAL, FIGURA 32 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SÍFILIS PRECOCE, PORTUGAL, FIGURA 33 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TÉTANO, TÉTANO NEONATAL E OBSTÉTRICO, PORTUGAL, FIGURA 34 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TOSSE CONVULSA, PORTUGAL, FIGURA 35 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TRIQUINÍASE, PORTUGAL, Página 12

13 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I 1. Notas introdutórias Doenças de Declaração Obrigatória Volume I e Volume II descrevem a ocorrência reportada das doenças alvo de notificação obrigatória em Portugal (Portaria nº 171/98 de 31 de Dezembro). No Volume I apresenta-se a informação relativa a Portugal (Continente e Regiões autónomas) e no Volume II os dados desagregados por regiões do país, permitindo maior flexibilidade na sua consulta pelos vários utlizadores. Uma doença de declaração obrigatória é aquela para a qual informação frequente, regular e temporalmente adequada relativamente aos casos de doença individuais é considerada necessária para a sua prevenção e controlo. O Sistema de Vigilância de Doenças de Declaração Obrigatória é um sistema de vigilância de saúde pública multifacetado destinado a fornecer às autoridades de saúde locais, regionais e nacionais a capacidade de monitorizar a ocorrência e disseminação de doenças transmissíveis, fornecendo a base para o planeamento e intervenção na sua prevenção e controlo. A notificação da doença, a nível local, protege a saúde da população assegurando a identificação e seguimento dos casos, identificação de contactos, investigação e contenção de surtos de doença e limitar o risco ambiental. Permite, em paralelo, recolher, analisar, interpretar e disseminar dados para as doenças transmissíveis sujeitas a declaração obrigatória, identificar as suas tendências a nível regional e nacional e monitorizar a necessidade e impacto dos programas nacionais de prevenção e controlo. A nível nacional, este sistema, permite responder a vários requerimentos internacionais, como a comunicação para a Organização Mundial de Saúde e para o Centro Europeu para a Prevenção e Controlo de Doenças fornecendo a base para o trabalho com a comunidade internacional para a prevenção e controlo de surtos. A qualidade e abrangência dos dados compilados através do Sistema de Vigilância das Doenças de Declaração Obrigatória é influenciada por vários fatores, pelo qua a sua interpretação deve ser cuidadosa. Os casos notificados representam apenas uma proporção ( fração notificada ) da incidência total, e aquela varia com a doença, a localização geográfica e ao longo do tempo. Os programas de vigilância, a prática de notificação, os recursos de saúde pública, a importância social e as prioridades estabelecidas apresentam variações Página 13

14 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I entre os diferentes países e regiões do mesmo país e estes fatores afetam a proporção de notificações. Finalmente, fatores como a alteração dos métodos de vigilância em saúde pública, introdução de novos testes diagnósticos, descoberta de novas doenças podem também causar alteração na notificação de doenças independente da sua verdadeira incidência. Os dados aqui apresentados permitem sobretudo analisar tendências e determinar o peso relativo das doenças. Página 14

15 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I 2. Metodologia Na elaboração deste relatório procedeu-se à revisão da base de dados do Programa de Vigilância de Doenças de Declaração Obrigatória no período e à recolha de informação sobre os casos notificados nos anos anteriores, sendo a informação apresentada a partir da data de inclusão da respetiva doença na lista de Doenças de Declaração Obrigatória, de forma a apresentar a respetiva série temporal. Foi efetuada uma análise descritiva dos casos notificados de acordo com as variáveis demográficas sexo, idade e localização geográfica. Para produção de estatísticas foi utilizado o ano de notificação, mantendo a coerência e consistência com os dados apresentados nos relatórios anteriores. As definições de caso utilizadas nos anos são as constantes na Decisão de Execução da Comissão, de 28 de Abril de 28, que altera a Decisão 22/253/CE, da Comissão, de 19 de março de 22, que estabelece definições de casos para a notificação de doenças transmissíveis à rede comunitária ao abrigo da Decisão n.º 2119/98/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, excepto para a Sífilis precoce e sífilis congénita para as quais foi considerada uma definição de caso distinta da constante na referida Decisão. Os dados de infeção e Meningite Meningocócica apresentados para o período entre 29 e 212, bem como os dados de Infeção e Meningite por Haemophilus influenza a partir do ano de 211 (inclusive) incluem informação integrada clínica e laboratorial, tal como comunicada ao Centro Europeu de Controlo de Doenças. Foram ainda excluídos deste relatório os casos de Infeção VIH/SIDA, Tuberculose, Hepatites agudas B e C, hepatites virais não especificadas e outras hepatites virais agudas uma vez que são alvo de vigilância específica no âmbito dos respetivos programas e a sua monitorização é efetuada com recurso a outros sistemas de informação. Página 15

16 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I 3. Casos notificados de doenças de declaração obrigatória em Portugal no período Dados globais Total de notificações, Figura 1 Número absoluto de casos notificados de doenças de declaração obrigatória, Portugal, * de notificação Proporção de casos notificados por doença, % 16% 16% 14% 12% 1% 8% 6% 4% 2% 14% 12% 1% 9% 9% 7% 5% 4% 3% 3% 2% 1% 1% 1% % Figura 2 Proporção de casos notificados por doença relativamente ao total de notificações efetuadas, Portugal, 212 (15 doenças com maior representação) *Exclui os casos notificados de tuberculose, VIH/SIDA, hepatites agudas B e C, hepatites virais não especificadas e outras hepatites virais agudas Página 16

17 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 1 Casos notificados de doenças de declaração obrigatória, por doença, * DDO CID Total Botulismo A Brucelose A Carbúnculo A22 Cólera A Difteria A36 Doença de Creutzfeldt-Jakob A Doença de Hansen - Lepra A Doença de Lyme A Doença dos legionários A Equinococose B Febre amarela A95 Febre escaro-nodular A Febre Q A Febre tifóide e paratifóide A Hepatite A B Infecção e meningite meningocócica A39 e A Infecção e meningite por Haemophilus Influenza A492 e G Infecções gonocócicas A Leishmaniase visceral B Leptospirose A Malária B5-B Parotidite epidémica B Peste A2 Poliomielite aguda A8 Raiva A Rubéola B Rubéola congénita P Salmoneloses A Sarampo B Shigelose A Sífilis congénita A Sífilis precoce A Tétano, tétano neonatal e obstétrico A33 a A Tosse convulsa A Triquiníase B75 Total *Exclui os casos notificados de tuberculose, VIH/SIDA, hepatites agudas B e C, hepatites virais não especificadas e outras hepatites virais agudas Página 17

18 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I 3.2. Botulismo Quadro 2 Número de casos notificados de Botulismo, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 3 Número de casos notificados de Botulismo, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos 75 ou+ anos Ignorado Total Botulismo, de notificação Figura 3 Número de casos notificados de Botulismo, Portugal, Página 18

19 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I 3.3. Brucelose Quadro 4 Número de casos notificados de Brucelose, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 5 Número de casos notificados de Brucelose, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Página 19

20 Brucelose, Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Figura 4 Número de casos notificados de Brucelose, Portugal, de notificação Página 2

21 3.4. Carbúnculo Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 6 Número de casos notificados de Carbúnculo, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 7 Número de casos notificados de Carbúnculo, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos 75 ou+ anos Ignorado Total Página 21

22 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I 28 Carbúnculo, Figura 5 Número de casos notificados de Carbúnculo, Portugal, de notificação Página 22

23 3.5. Cólera Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 8 Número de casos notificados de Cólera, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 9 Número de casos notificados de Cólera, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos 75 ou+ anos Ignorado Total Cólera, de notificação Figura 6 Número de casos notificados de Cólera, Portugal, *caso importado Página 23

24 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I 3.6. Difteria Quadro 1 Número de casos notificados de Difteria, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 11 Número de casos notificados de Difteria, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos 75 ou+ anos Ignorado Total Página 24

25 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I 36 Difteria, de notificação Figura 7 Número de casos notificados de Difteria, Portugal, Página 25

26 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I 3.7. Doença de Creutzfeldt-Jakob* Quadro 12 Número de casos notificados de Doença de Creutzfeldt-Jakob, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 13 Número de casos notificados de Doença de Creutzfeldt-Jakob, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Doença de Creutzfeldt-Jakob, Figura 8 Número de casos notificados de Doença de Creutzfeldt-Jakob, Portugal, de notificação *Inclui as formas de doença esporádica, familiar e variante. Esta última corresponde a 2 casos no total do período em análise (25 e 27) 12 Página 26

27 3.8. Doença de Hansen - Lepra Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 14 Número de casos notificados de Doença de Hansen - Lepra, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total 29* * * * 2 2 Total Quadro 15 Número de casos notificados de Doença de Hansen - Lepra, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo 29* 21* 211* 212* Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total *Casos importados Página 27

28 Doença de Hansen - Lepra, Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I de notificação Figura 9 Número de casos notificados de Doença de Hansen - Lepra, Portugal, * Período entre1976 e 1981 sem casos apresentados, por falta de informação. Página 28

29 3.9. Doença de Lyme Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 16 Número de casos notificados de Doença de Lyme, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 17 Número de casos notificados de Doença de Lyme, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Doença de Lyme, de notificação Figura 1 Número de casos notificados de Doença de Lyme, Portugal, Página 29

30 3.1. Doença dos legionários Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 18 Número de casos notificados de Doença dos legionários, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 19 Número de casos notificados de Doença dos legionários, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Doença dos legionários, Figura 11 Número de casos notificados de Doença dos legionários, Portugal, * 24* de notificação *Início do Programa de Vigilância da Doença dos legionários Página 3

31 Equinococose Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 2 Número de casos notificados de Equinococose, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 21 Número de casos notificados de Equinococose, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Equinococose, Figura 12 Número de casos notificados de Equinococose, Portugal, Página 31

32 3.12. Febre amarela Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 22 Número de casos notificados de Febre amarela, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 23 Número de casos notificados de Febre amarela, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos 75 ou+ anos Ignorado Total Página 32

33 3.13. Febre escaro-nodular Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 24 Número de casos notificados de Febre escaro-nodular, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 25 Número de casos notificados de Febre escaro-nodular, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Página 33

34 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Febre escaro-nodular, de notificação Figura 13 Número de casos notificados de Febre escaro-nodular, Portugal, Página 34

35 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Febre Q Quadro 26 Número de casos notificados de Febre Q, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 27 Número de casos notificados de Febre Q, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Febre Q, de notificação Figura 14 Número de casos notificados de Febre Q, Portugal, Página 35

36 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Febre tifóide e paratifóide Quadro 28 Número de casos notificados de Febre tifóide e paratifóide, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 29 Número de casos notificados de Febre tifóide e paratifóide, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Página 36

37 Febre tifóide e paratifóide, Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I de notificação Figura 15 Número de casos notificados de Febre tifóide e paratifóide, Portugal, Página 37

38 Hepatite A Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 3 Número de casos notificados de Hepatite A, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 31 Número de casos notificados de Hepatite A, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Hepatite A, de notificação Figura 16 Número de casos notificados de Hepatite A, Portugal, Página 38

39 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Infecção e meningite meningocócica Quadro 32 Número de casos notificados de Infecção e meningite meningocócica, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 33 Número de casos notificados de Infecção e meningite meningocócica, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M Desc. HM H M Desc. HM H M Desc. HM H M Desc. HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Página 39

40 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I 1 Infecção e meningite meningocócica, de notificação Figura 17 Número de casos notificados de Infecção e meningite meningocócica, Portugal, *Inclui dados do Programa de Vigilância Integrada da Doença Meningocócica desde 22 Página 4

41 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Infeção e meningite por Haemophilus influenza Quadro 34 Número de casos notificados de Infeção e meningite por Haemophilus influenza, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Desconhecido Total Total Quadro 35 Número de casos notificados de Infeção e meningite por Haemophilus influenza, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Infecção e Meningite por Haemophilus influenza, * 212* de notificação Figura 18 Número de casos notificados de Infeção e meningite por Haemophilus influenza, Portugal, *Inclui dados de Vigilância Integradas clínica e laboratorialmente a partir de 211 Página 41

42 3.19. Infeções gonocócicas Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 36 Número de casos notificados de Infeções gonocócicas, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 37 Número de casos notificados de Infeções gonocócicas, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Página 42

43 Infecções gonocócicas, Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Figura 19 Número de casos notificados de Infeções gonocócicas, Portugal, de notificação Página 43

44 3.2. Leishmaniase visceral Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 38 Número de casos notificados de Leishmaniase visceral, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 39 Número de casos notificados de Leishmaniase visceral, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos 75 ou+ anos Ignorado Total Página 44

45 Leishmaniase visceral, Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I de notificação Figura 2 Número de casos notificados de Leishmaniase visceral, Portugal, Página 45

46 3.21. Leptospirose Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 4 Número de casos notificados de Leptospirose, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 41 Número de casos notificados de Leptospirose, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Página 46

47 Leptospirose, Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Figura 21 Número de casos notificados de Leptospirose, Portugal, de notificação Página 47

48 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Malária* Quadro 42 Número de casos notificados de Malária, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 43 Número de casos notificados de Malária, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total *Casos importados Página 48

49 Malária, Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I de notificação Figura 22 Número de casos notificados de Malária, Portugal, Página 49

50 Parotidite epidémica Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 44 Número de casos notificados de Parotidite epidémica, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 45 Número de casos notificados de Parotidite epidémica, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Parotidite epidémica, de notificação Figura 23 Número de casos notificados de Parotidite epidémica, Portugal, Página 5

51 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Peste Quadro 46 Número de casos notificados de Peste, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 47 Número de casos notificados de Peste, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos 75 ou+ anos Ignorado Total Página 51

52 3.25. Poliomielite aguda Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 48 Número de casos notificados de Poliomielite aguda, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 49 Número de casos notificados de Poliomielite aguda, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos 75 ou+ anos Ignorado Total Página 52

53 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I 14 Poliomielite aguda, Figura 24 Número de casos notificados de Poliomielite aguda, Portugal, de notificação Página 53

54 * 212 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Raiva Quadro 5 Número de casos notificados de Raiva, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total * Total 1 1 Quadro 51 Número de casos notificados de Raiva, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos 75 ou+ anos Ignorado Total Raiva, Figura 25 Número de casos notificados de Raiva, Portugal, *Caso importado Página 54

55 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Rubéola Quadro 52 Número de casos notificados de Rubéola, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total 6 6 Quadro 53 Número de casos notificados de Rubéola, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano 1-4 anos anos anos anos anos anos anos anos 75 ou+ anos Ignorado Total Rubéola, de notificação Figura 26 Número de casos notificados de Rubéola, Portugal, Página 55

56 Rubéola Congénita Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 54 Número de casos notificados de Rubéola Congénita, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total 2 2 Quadro 55 Número de casos notificados de Rubéola Congénita, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos 5-14 anos anos anos anos anos anos anos 75 ou+ anos Ignorado Total Rubéola congénita, de notificação Figura 27 Número de casos notificados de Rubéola Congénita, Portugal, Página 56

57 Salmoneloses Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 56 Número de casos notificados de Salmoneloses, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 57 Número de casos notificados de Salmoneloses, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Salmoneloses, de notificação Figura 28 Número de casos notificados de Salmoneloses, Portugal, Página 57

58 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I 3.3. Sarampo Quadro 58 Número de casos notificados de Sarampo, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 59 Número de casos notificados de Sarampo, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos 75 ou+ anos Ignorado Total Sarampo, de notificação Figura 29 Número de casos notificados de Sarampo, Portugal, Página 58

6. DOENÇAS INFECCIOSAS

6. DOENÇAS INFECCIOSAS 6. DOENÇAS INFECCIOSAS 6.1. Introdução As doenças infecciosas têm vindo a reassumir relevância crescente a nível europeu e mundial. O aparecimento de novas doenças transmissíveis e a re-emergência de

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE)

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Notificação obrigatória de doenças transmissíveis: Notificação laboratorial Cátia Sousa Pinto, MD Divisão de Epidemiologia e Vigilância 2016 1 SINAVE

Leia mais

Nota Informativa 06/10/2015

Nota Informativa 06/10/2015 Secretaria Municipal de Saúde - Diretoria de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Prezados Colegas. Considerando a Portaria MS/GM nº 1.271, de 6 de junho de 2014, que define a Lista

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT Autores: Eduardo Magalhães Manuela Lucas Colaboração de Carlos Orta Gomes Leonor Murjal Maria do Carmo Santos CRSP: ESTUDO E PLANEAMENTO DA SAÚDE Novembro de 2006

Leia mais

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Vigilância Epidemiológica Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar 70.058-900 Brasília-DF Tel. 3315 2755/2812 NOTA TÉCNICA

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

Coimbra. Síndroma Respiratória Aguda. Forum Nacional no Contexto de uma Nova Estratégia para as Doenças Transmissíveis

Coimbra. Síndroma Respiratória Aguda. Forum Nacional no Contexto de uma Nova Estratégia para as Doenças Transmissíveis Coimbra Síndroma Respiratória Aguda Forum Nacional no Contexto de uma Nova Estratégia para as Doenças Transmissíveis Nova Estratégia Doenças Transmissíveis: Evolução recente, contexto actual e perspectivas

Leia mais

Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais

Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais Secretaria de Estado de Saúde Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais Gilson Jácome dos Reis Coordenador do CIEVS-RJ PRESSUPOSTOS: Cenário epidemiológico Transição demográfica e epidemiológica Diminuição

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO NACIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA (SINAVE)

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO NACIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA (SINAVE) RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO NACIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA (SINAVE) 2016 Portugal. Direção-Geral da Saúde Direção de Serviços de Informação e Análise Divisão de Epidemiologia

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Serviço de Epidemiologia Hospitalar HC - UFPR Estratégia Núcleos de Epidemiologia Hospitalar Captação oportuna de formas moderadas e graves de eventos

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS Prefeitura Municipal de Corumbá Paulo Roberto Duarte Secretária Municipal de Saúde Dinaci Vieira Ranzi Gerência de Vigilância em Saúde Viviane Campos Ametlla Coordenação

Leia mais

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Quais são os principais agentes da meningite? Etiologia meningites Brasil 2007-2010 (fonte: SINAN) Etiologia

Leia mais

Quadro 1 Coberturas Vacinais do Calendário Básico de Vacinação da Criança < 1 ano de idade, ,Porto Alegre, RS.

Quadro 1 Coberturas Vacinais do Calendário Básico de Vacinação da Criança < 1 ano de idade, ,Porto Alegre, RS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Equipe de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre. ANO XIV NÚMERO 47 FEVEREIRO DE 2012 Editorial

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho;

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1 Caso suspeito ou confirmado de: 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; 2. Acidente de Trabalho

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

Introdução da segunda dose da vacina contra o sarampo aos 15 meses de idade.

Introdução da segunda dose da vacina contra o sarampo aos 15 meses de idade. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Divisão de Imunização Calendário de Vacinação no Estado de São Paulo Parte da história

Leia mais

Semana Europeia da Vacinação (24 Abril 1 Maio 2010)

Semana Europeia da Vacinação (24 Abril 1 Maio 2010) Semana Europeia da Vacinação (24 Abril 1 Maio 21) Press Kit, 23/4/21 Introdução A vacinação é considerada, entre todas as medidas de saúde pública, a que melhor relação custo-efectividade tem evidenciado.

Leia mais

Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais

Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade

Leia mais

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho Controlo da qualidade e supervisão laboratorial Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho A importância do diagnóstico precoce PHOTO CAPTION A realização dos testes de rastreio vão permitir

Leia mais

Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos

Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos Centros de Controle e Prevenção de Doenças Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos Marc Fischer, MD, MPH Arboviral Diseases Branch 8 de junho de 2016 Objetivos Atualizar a epidemiologia

Leia mais

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Bauru, SP - 2014 Série: Documentos Estatísticos Bauru, SP, agosto de 2014 EXPEDIENTE Departamento de Saúde Coletiva Divisão de Vigilância

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS 10.03.002 1/09 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e disciplinar o processo para realização de exames laboratoriais no Hospital de Clínicas - HC. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades do HC, em

Leia mais

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids História da vigilância do HIV e Aids Pré 2004 Múltiplas definições de caso de AIDS (1984-98). A notificação de HIV não era uma recomendação

Leia mais

Desafios, gargalos e perspectivas em vacinas e vacinações no Brasil

Desafios, gargalos e perspectivas em vacinas e vacinações no Brasil Desafios, gargalos e perspectivas em vacinas e vacinações no Brasil Carla Magda A. S. Domingues Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Leia mais

Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013

Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Prefeito Municipal Marcio Lacerda Secretário Municipal de Saúde Marcelo Gouvêa Teixeira Secretário Municipal Adjunto

Leia mais

Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1

Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1 Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1 I. Directivas relativas às doenças transmissíveis colectivas crèches 1. Critérios de notificação crèche Quando as crianças

Leia mais

Homo sapiens CLASSIFICAÇÃO BIOLÓGICA, VÍRUS E BACTÉRIAS 23/02/2016 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO. Unidade do sistema de classificação

Homo sapiens CLASSIFICAÇÃO BIOLÓGICA, VÍRUS E BACTÉRIAS 23/02/2016 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO. Unidade do sistema de classificação CLASSIFICAÇÃO BIOLÓGICA, VÍRUS E BACTÉRIAS IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO SISTEMATIZAÇÃO: A classificação organiza os seres vivos conforme critérios que resumem as principais características dos organismos.

Leia mais

RESPOSTA AOS RECURSOS

RESPOSTA AOS RECURSOS RESPOSTA AOS RECURSOS CARGO: CARGOS DE NÍVEL FUNDAMENTAL QUESTÃO: 02 JUSTIFICATIVA: A banca analisou o requerimento do candidato com o pedido de revisão da questão 02 e fundamentada no seguinte livro:

Leia mais

Doenças Infecciosas / Transmissíveis

Doenças Infecciosas / Transmissíveis Doenças Infecciosas / Transmissíveis Uma doença causada por um agente infeccioso, ou pelos seus produtos tóxicos, que surge num hospedeiro susceptível, devido à transmissão desse agente ou dos seus produtos,

Leia mais

VACINAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SAÚDE JOSÉ GERALDO LEITE RIBEIRO SES//FCM/FASEH-MG

VACINAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SAÚDE JOSÉ GERALDO LEITE RIBEIRO SES//FCM/FASEH-MG VACINAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SAÚDE JOSÉ GERALDO LEITE RIBEIRO SES//FCM/FASEH-MG VACINAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS MAIOR EXPOSIÇÃO AOS AGENTES CONTATO COM PACIENTES DE RISCO REVISÃO

Leia mais

Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio

Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a 2005 Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio INTRODUÇÃO As doenças respiratórias estão entre as principais

Leia mais

TERCEIRA RETIFICAÇÃO ANEXO III CONTEUDO PROGRAMÁTICO

TERCEIRA RETIFICAÇÃO ANEXO III CONTEUDO PROGRAMÁTICO TERCEIRA RETIFICAÇÃO A Prefeitura Municipal de Monte Azul Paulista Estado de São Paulo, usando de suas atribuições legais nos termos do artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal, sob a organização

Leia mais

Região Administrativa Especial de Macau. /2004 (proposta de lei) Lei de prevenção, controlo e tratamento de doenças transmissíveis

Região Administrativa Especial de Macau. /2004 (proposta de lei) Lei de prevenção, controlo e tratamento de doenças transmissíveis Região Administrativa Especial de Macau Lei n. o /2004 (proposta de lei) Lei de prevenção, controlo e tratamento de doenças transmissíveis A Assembleia Legislativa decreta, nos termos da alínea 1) do artigo

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016 Grupo alvo Idade BCG Hepatite B (1) VIP e VOP (10) Pentavalente Pneumo 10 Rotavírus (2) Meningo C Hepatite A Febre Amarela (3) Tríplice Viral (4) Tetraviral (5) HPV dtpa (8) Influenza (gripe) (9) Dupla

Leia mais

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 A vigilância da Influenza é realizada por meio de notificação e investigação de casos de internações hospitalares por Síndrome

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Profa. Rachel Sindeaux

Vigilância Epidemiológica. Profa. Rachel Sindeaux Vigilância Epidemiológica Profa. Rachel Sindeaux Vigilância Atividade contínua, permanente e sistemática; Foco para resultados inespecíficos para obtenção de metas; Utilização de dados relacionados com

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Vigilância da Influenza ALERTA PARA A OCORRÊNCIA DA INFLUENZA E ORIENTAÇÃO PARA INTENSIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE E PREVENÇÃO

NOTA TÉCNICA. Vigilância da Influenza ALERTA PARA A OCORRÊNCIA DA INFLUENZA E ORIENTAÇÃO PARA INTENSIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE E PREVENÇÃO 12 de abril de 2016 Página 1/5 VIGILÂNCIA DA INFLUENZA A vigilância da influenza no Ceará é composta pela vigilância sentinela da SG e vigilância universal da SRAG, além da vigilância de surtos de SG.

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

Automatos celulares. Em Modelação de Doenças Transmissíveis

Automatos celulares. Em Modelação de Doenças Transmissíveis Automatos celulares Em Modelação de Doenças Transmissíveis Portugal 2004 & 2008 Doenças de Notificação Obrigatória (8 a 10 mil casos/ano) Número de notificações por ano Varicela: 100 120 mil casos / ano?

Leia mais

Informe Técnico. Assunto: Informe sobre a situação do sarampo e ações desenvolvidas - Brasil, 2013.

Informe Técnico. Assunto: Informe sobre a situação do sarampo e ações desenvolvidas - Brasil, 2013. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS COORDENAÇÃO-GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS SCS, Quadra 04, Edifício Principal, 4º andar CEP:

Leia mais

Vacinação na Saúde do Trabalhador Portuário

Vacinação na Saúde do Trabalhador Portuário II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança na Área Portuário Brasília/DF Vacinação na Saúde do Trabalhador Portuário Cristiane Pereira de Barros Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunizações

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de Vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Vacinas do Calendário de Imunização do Estado de São Paulo 2011 Vaccines included in the Immunization Schedule for the State of São Paulo 2011

Vacinas do Calendário de Imunização do Estado de São Paulo 2011 Vaccines included in the Immunization Schedule for the State of São Paulo 2011 Bepa 0;8(8):9- Informe técnico 0 Vaccines included in the Immunization Schedule for the State of São Paulo 0 Comissão Permanente de Assessoramento em Imunizações. Secretaria de Estado da Saúde. São Paulo,

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO - 2016 IDADE VACINAS A PARTIR DO NASCIMENTO BCG 1 2 3 2 MESES ROTAVÍRUS 4 3 MESES MENINGOCÓCICA C 3 4 MESES ROTAVÍRUS 5 5 MESES MENINGOCÓCICA C 6 MESES

Leia mais

OFICINA INTEGRADA VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS TÉTANO. Salvador, agosto de 2012

OFICINA INTEGRADA VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS TÉTANO. Salvador, agosto de 2012 OFICINA INTEGRADA VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS TÉTANO Salvador, agosto de 2012 Vigilância em Saúde Tétano LINHA DE AÇÃO Vigilância de riscos para à saúde individual e coletiva. COMPROMISSO Ampliar

Leia mais

Epidemiologia Hospitalar

Epidemiologia Hospitalar Epidemiologia Hospitalar Construindo um novo pensar na Vigilância Epidemiológica... Secretaria da Saúde A implantação dos NHE Márcia Sampaio Sá SESAB/SUVISA/DIVEP Setembro-2009 I Encontro Nacional de Vigilância

Leia mais

Epidemiológico. Informe. Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 13 de 2016

Epidemiológico. Informe. Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 13 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a 13 de 216 A vigilância da influenza no é composta pela vigilância sentinela de Síndrome Gripal

Leia mais

Afastamento de pacientes com Doenças Infecto-Contagiosas

Afastamento de pacientes com Doenças Infecto-Contagiosas . INTRODUÇÃO As orientações abaixo visam minimizar contágio das doenças e devem ser fornecidas aos pacientes avaliados. A orientação de permanência em domicílio para repouso fica a critério do médico que

Leia mais

CALENDÁRIO VACINAL Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio

CALENDÁRIO VACINAL Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio CALENDÁRIO VACINAL 2016 Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio CALENDÁRIO VACINAL 2016 Historicamente, diversos calendários de vacinação foram propostos em função

Leia mais

Vigilância Epidemiológica Carnaval de Torres Vedras

Vigilância Epidemiológica Carnaval de Torres Vedras Vigilância Epidemiológica Carnaval de Torres Vedras Relatório Final 2015 Autores: Nuno Rodrigues, Unidade Saúde Pública Moinhos, ACES Oeste Sul Ricardo Mexia, Dep. Epidemiologia, Instituto Nacional de

Leia mais

Boletim Informativo INFLUENZA

Boletim Informativo INFLUENZA CRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Porto Alegre, 22 de Julho de 16. Boletim Informativo INFLUENZA Até a Semana Epidemiológica () 29 (3//16 a *23/7/16) foram investigados 1841 casos suspeitos de Síndrome Respiratória

Leia mais

Vigilância de sarampo e rubéola

Vigilância de sarampo e rubéola Vigilância de sarampo e rubéola Períodos na investigação de doenças em eliminação 1. Período de exposição / incubação; 2. Período de transmissibilidade ; 3. Período de aparecimento de casos secundários;

Leia mais

Registo Oncológico Pediátrico Português. 1º Seminário de Oncologia Pediátrica Lisboa,1 Novembro de 2014

Registo Oncológico Pediátrico Português. 1º Seminário de Oncologia Pediátrica Lisboa,1 Novembro de 2014 Registo Oncológico Pediátrico Português 1º Seminário de Oncologia Pediátrica Lisboa,1 Novembro de 2014 CANCRO Importante problema de saúde pública no mundo 1ª ou 2ª causa de morte na maioria dos países

Leia mais

6.1.1 Para se inscrever, o candidato pagará a taxa de inscrição fixada de acordo com o quadro abaixo:

6.1.1 Para se inscrever, o candidato pagará a taxa de inscrição fixada de acordo com o quadro abaixo: A Comissão Executiva do Concurso informa, por meio deste, que ficam RETIFICADOS, os seguintes itens do Edital, que passam a contar com a seguinte redação: 6.1.1 Para se inscrever, o candidato pagará a

Leia mais

Atualizado em 14 de janeiro de SEPIH - Serviço de Epidemiologia Hospitalar

Atualizado em 14 de janeiro de SEPIH - Serviço de Epidemiologia Hospitalar 8 SEPIH - Serviço de Epidemiologia Hospitalar O Serviço de Epidemiologia Hospitalar (SEPIH) foi implantado em outubro de 2003, com inauguração formal em março de 2004 Inicialmente estava subordinado a

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde Considerando a confirmação de um caso de sarampo e quatro fortemente suspeitos no Ceará; Considerando a confirmação de surto de sarampo em Pernambuco e casos confirmados relacionados à importação, nos

Leia mais

REDE VITAL PARA O BRASIL

REDE VITAL PARA O BRASIL REDE VITAL PARA O BRASIL REDE NACIONAL DE INFORMAÇÃO, DIÁLOGO E COOPERAÇÃO ACERCA DOS ANIMAIS PEÇONHENTOS Niterói, 16 e 17 de novembro de 2010 Sistemas de Informação que tratam dos acidentes com animais

Leia mais

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 2016

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 216 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

ANEXO I. Lista de Notificação Compulsória

ANEXO I. Lista de Notificação Compulsória 1. Acidentes por animais peçonhentos; 2. Atendimento antirrábico; 3. Botulismo; 4. Carbúnculo ou Antraz; 5. Cólera; 6. Coqueluche; 7. Dengue; 8. Difteria; 9. Doença de Creutzfeldt-Jakob; ANEXO I Lista

Leia mais

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância epidemiológica no Brasil 1990: Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 2007 SINAN Net - http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE 2013 IDADE VACINA A PARTIR DO NASCIMENTO 2 MESES BCG 1 HEPATITE B 2 VACINA VIP 3 PENTAVALENTE 7 ROTAVÍRUS

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Vigilância em Saúde Gerência Técnica do SINAN FLUXO DE RETORNO

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

Coordenação do Internato Complementar de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE SAÚDE PÚBLICA

Coordenação do Internato Complementar de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Complementar de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Complementar de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE SAÚDE

Leia mais

Palavras-chave: mortalidade perinatal, risco atribuível, peso e evitabilidade.

Palavras-chave: mortalidade perinatal, risco atribuível, peso e evitabilidade. Mortalidade perinatal e evitabilidade risco atribuível aos óbitos com peso acima de 2,5kg na Cidade do Rio de Janeiro, segundo áreas de planejamento, 1995 a 2014. Palavras-chave: mortalidade perinatal,

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA SAÚDE

ESTATÍSTICAS DA SAÚDE ESTATÍSTICAS DA SAÚDE 2006 Estatísticas oficiais ESTATÍSTICAS DA SAÚDE 2006 Esta publicação inclui, também, informação sobre os Estabelecimentos de Saúde Particulares e os Postos Médicos. ESTATÍSTICAS

Leia mais

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde Claudia Witzel CONCEITOS DE SAÚDE E DOENÇA Saúde pode ser definida como ausência de doença Doença ausência de saúde... Saúde é um

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS

VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS Superintendência de Vigilância em Saúde Centro de Informações Estratégicas e Respostas às Emergências em Saúde Pública Setembro /2013 Evolução do conceito de vigilância em

Leia mais

BENTO GONÇALVES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES

BENTO GONÇALVES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES BENTO GONÇALVES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES Serviço de Vigilância em Saúde (SVS) A partir da criação do SVS, em junho de 2003, todas as ações

Leia mais

Calendário de Vacinação da Criança

Calendário de Vacinação da Criança Calendário de Vacinação da Criança Calendário Nacional de Vacinação da Criança (PNI) - 2016 (1) BCG - ID Administrar dose única, o mais precocemente possível, preferencialmente nas primeiras 12 horas após

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE 22 de março de 2016 Página 1/6 DEFINIÇÃO DE CASO CONFIRMADO Todo indivíduo com diagnóstico bacteriológico (baciloscopia ou cultura para BK ou teste rápido molecular para tuberculose) E indivíduos com diagnóstico

Leia mais

Ministério da Saúde Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza

Ministério da Saúde Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza Ministério da Saúde Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza Jarbas Barbosa da Silva Jr Secretário de Vigilância em Saúde Rio de Janeiro, novembro de 2005 Cenário Mundial da Influenza

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 88

PROVA ESPECÍFICA Cargo 88 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 88 QUESTÃO 26 Em um processo de transição demográfica, é CORRETO afirmar: a) A taxa de natalidade aumenta. b) O envelhecimento da população diminui. c) A mortalidade de crianças

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 001/2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 001/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR VETORES E ZOONOSES -

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SOBRE A SITUAÇÃO DA INFLUENZA NO RS 24/06/11

CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SOBRE A SITUAÇÃO DA INFLUENZA NO RS 24/06/11 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SOBRE A SITUAÇÃO DA INFLUENZA NO RS 24/06/11 Em 2009, o mundo enfrentou pandemia de Influenza por um novo subtipo viral, com grande repercussão na saúde das pessoas e sobrecarga

Leia mais

Dra. Tatiana C. Lawrence PEDIATRIA, ALERGIA E IMUNOLOGIA

Dra. Tatiana C. Lawrence PEDIATRIA, ALERGIA E IMUNOLOGIA Vacinação As vacinas são as ferramentas mais poderosas e inofensivas que temos para combater as doenças. Protegem milhões de crianças e adultos das doenças que ameaçam nossas vidas, como poliomielite (paralisia

Leia mais

Questões éticas e deontológicas na infecção HIV/SIDA

Questões éticas e deontológicas na infecção HIV/SIDA Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Curso de Mestrado Integrado em Medicina Ética e Deontologia Médicas Questões éticas e deontológicas na infecção HIV/SIDA Ana Filipa Miranda, Gustavo Silva,

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Assunto: Atualização dos casos notificados de microcefalia no estado da Bahia.

Assunto: Atualização dos casos notificados de microcefalia no estado da Bahia. NOTA INFORMATIVA Nº 01/2015 - DIVEP//SUVISA/SESAB Assunto: Atualização dos casos notificados de microcefalia no estado da Bahia. Situação epidemiológica atual Na Bahia, até 1º de dezembro de 2015, foram

Leia mais

Epidemiologia de Doenças Transmissíveis. Introdução à teoria matemática

Epidemiologia de Doenças Transmissíveis. Introdução à teoria matemática Epidemiologia de Doenças Transmissíveis Introdução à teoria matemática 14 milhões de mortes por DTs (1999) CAUSAS Africa Americas Médio Orien Europa SE Asia Total Doenças não transmissíveis 2300057 4255439

Leia mais

PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, I.P. DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS REGIÃO NORTE 2007-2008 MAIO 2009 Fátima Basto (fbasto@arsnorte.min-saude.pt)

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde.

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. Vigilância: (1) Observação de pessoas (2) Observação de doenças ou danos à saúde - VE Com vistas

Leia mais

5_-_Doenças_infecciosas_e_parasitárias. Lista das doenças profissionais 5 - Doenças infecciosas e parasitárias

5_-_Doenças_infecciosas_e_parasitárias. Lista das doenças profissionais 5 - Doenças infecciosas e parasitárias Lista das doenças profissionais 5 - Doenças infecciosas e parasitárias Código Factores de risco Doenças ou outras manifestações clínicas 51.01 Bacilo tetânico Tétano (nos casos em que não for considerado

Leia mais

Calendário. ideal para Adolecentes

Calendário. ideal para Adolecentes Calendário SBP - So c i e d a d e Br a s i l e i r a d e Pediatria ideal para Adolecentes D e p a r t a m e n t o d e In f e c t o l o g i a d a SBP Calendário de Vacinação para Crianças - 2008 Idade Vacina

Leia mais

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DEFINIÇÃO São doenças cuja gravidade, magnitude, transcendência, capacidade de disseminação do agente causador e potencial de causar surtos e epidemias exigem medidas

Leia mais

Figura 1. Casos notificados de sarampo, segundo classificação final e ano de ocorrência, Ceará, 2013 a 2015*.

Figura 1. Casos notificados de sarampo, segundo classificação final e ano de ocorrência, Ceará, 2013 a 2015*. 1. Descrição do Surto de Sarampo no Ceará, 2013 a 2015. No Estado do Ceará foram notificados 4.094 casos suspeitos de sarampo entre 25/12/2013 e 12/09/2015. Desses, 22% (916/4094) foram confirmados e 78%

Leia mais

Emprego. População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011

Emprego. População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011 População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011 População Empregada, por Sexo Total Masculino Feminino 2001 2011 2001 2011 2001 2011 Portugal 4 650 947 4 361 187 2 599 088 2 275 974 2 051 859 2 085 213

Leia mais

ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva

ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva TURMA A01 2016.1 Profª Me. Karla Prado de Souza Cruvinel kpradocruvinel@gmail.com 2016/1 CRONOGRAMAS TEORIA/PRELEÇÃO - TURMA

Leia mais

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública Prevenção e tratamento do VIH/SIDA nos migrantes e não migrantes: alguns aspectos económicos Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública (com a colaboração de Alexandre Carvalho e Helena Vaz, Coordenação

Leia mais

Análise dos Informes Epidemiológicos e Notificações de Doenças de Suínos

Análise dos Informes Epidemiológicos e Notificações de Doenças de Suínos AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ GERÊNCIA DE SAÚDE ANIMAL Análise dos Informes Epidemiológicos e Notificações de Doenças de Suínos Curitiba, 3 outubro de 215 idiferenciação entre Médico Veterinários

Leia mais

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA HNSC/HCC A Portaria do Ministério da Saúde Nº 1.271, de 06 de Junho de 2014 atualizou a Portaria Nº 104, de 25

Leia mais

ESTATÍSTICAS SOBRE CORRUPÇÃO ( )

ESTATÍSTICAS SOBRE CORRUPÇÃO ( ) Dezembro de 214 Número 32 BOLETIM ESTATÍSTICO TEMÁTICO ESTATÍSTICAS SOBRE CORRUPÇÃO (27-213) O PRESENTE DOCUMENTO PRETENDE RETRATAR, DE FORMA INTEGRADA E TRANSVERSAL, OS DADOS ESTATÍSTICOS REFERENTES AO

Leia mais

O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde

O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde Sandra Paulo Laboratório de Microbiologia Serviço de Patologia Clínica - CHCB Infeções associadas

Leia mais

4. Que outros dados epidemiológicos seriam importantes para o caso?

4. Que outros dados epidemiológicos seriam importantes para o caso? Caso Clínico 1 Identificação - R.E.M.O, 42 anos, feminino, professora, natural dee São Paulo, residente em Belém há vários anos. História da Doença Atual - Procurou atendimento médico emm 15/5/2006, relatando

Leia mais

IMUNIZAÇÃO NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE

IMUNIZAÇÃO NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE IMUNIZAÇÃO NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE Profª Dra. Alice Yamashita Prearo Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP MARÇO 2015 Vacinação e a Escola Plano de aula Conhecer o PNI

Leia mais