DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA"

Transcrição

1 DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA VOLUME I - Portugal

2 DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA VOLUME I - PORTUGAL DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA 2015

3 Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Divisão de Epidemiologia e Vigilância Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I - Portugal Editor Direção-Geral da Saúde Alameda D. Afonso Henriques, Lisboa Tel.: Fax: /1 Autores Cátia Sousa Pinto (Coordenação) Alexandra Bordalo José Antunes Marina de Lurdes Pires Ramos do Nascimento Paula Olivença Vicêncio

4 Errata Doença dee Creutzfeldt-Jakob Na publicação das Doenças de Declaração Obrigatória Volume I, na página 24, quadro 12, no ano de 2013, onde se lê: Quadro 12 Número de casos notificados dee Doença de Creutzfeldt-Jakob, por classificação de caso, Portugal, o Confirmado Provável Possível Total Total Deve ler se: Quadro 12 Número de casos notificados dee Doença de Creutzfeldt-Jakob, por classificação de caso, Portugal, o Confirmado Provável Possível Total Total

5 Lislfsnjkashndfajha Lista de siglas e abreviaturas ARS Administração Regional de Saúde ARSLVT - Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo CID 10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas relacionados com a Saúde Décima Revisão DDO Doença de Declaração Obrigatória H Nº casos notificados em indivíduos do sexo masculino M Nº casos notificados em indivíduos do sexo feminino HM - Nº casos notificados em individuos do sexo masculino e do sexo feminino NUTS - Nomenclatura de Unidades Territoriais para Fins Estatísticos RA Região Autónoma LVT Lisboa e Vale do Tejo SINAVE Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica Página 4

6 DEAÚ Índice Índice de Quadros... 7 Índice de Figuras Nota Prévia Resumo Introdução Metodologia Casos notificados de doenças de declaração obrigatória em Portugal no período Dados globais Botulismo Brucelose Carbúnculo Cólera Difteria Doença de Creutzfeldt-Jakob Doença de Hansen - Lepra Doença de Lyme Doença dos Legionários Equinococose Febre Amarela Febre Escaro-Nodular Febre Q Febre Tifóide e Paratifóide Hepatite A Infeção e Meningite Meningocócica Infeção e Meningite por Haemophilus influenza Infeções Gonocócicas Leishmaniase Visceral Leptospirose Malária Parotidite Epidémica Peste Poliomielite Aguda Raiva Rubéola Página 5

7 4.28. Rubéola Congénita Salmoneloses Sarampo Shigelose Sífilis Congénita Sífilis Precoce Tétano, Tétano Neonatal e Obstétrico Tosse Convulsa Triquiníase Página 6

8 Índice de Quadros QUADRO 1 CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA, POR DOENÇA, QUADRO 2 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE BOTULISMO, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 3 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE BOTULISMO, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 4 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE BRUCELOSE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 5 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE BRUCELOSE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 6 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE CARBÚNCULO, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 7 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE CARBÚNCULO, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 8 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE CÓLERA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 9 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE CÓLERA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 10 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DIFTERIA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 11 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DIFTERIA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 12 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE CREUTZFELDT-JAKOB, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 13 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE CREUTZFELDT-JAKOB, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 14 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE HANSEN - LEPRA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 15 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE HANSEN - LEPRA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 16 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE LYME, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 17 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE LYME, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 18 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 19 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 20 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE EQUINOCOCOSE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 21 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE EQUINOCOCOSE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 22 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE AMARELA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 23 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE AMARELA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 24 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE ESCARO-NODULAR, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 25 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE ESCARO-NODULAR, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 26 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE Q, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 27 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE Q, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 28 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE TIFÓIDE E PARATIFÓIDE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, Página 7

9 QUADRO 29 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE TIFÓIDE E PARATIFÓIDE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 30 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE HEPATITE A, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 31 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE HEPATITE A, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 32 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÃO E MENINGITE MENINGOCÓCICA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 33 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÃO E MENINGITE MENINGOCÓCICA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 34 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÃO E MENINGITE POR HAEMOPHILUS INFLUENZA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 35 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÃO E MENINGITE POR HAEMOPHILUS INFLUENZA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 36 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÕES GONOCÓCICAS, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 37 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÕES GONOCÓCICAS, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 38 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEISHMANIASE VISCERAL, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 39 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEISHMANIASE VISCERAL, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 40 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEPTOSPIROSE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 41 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEPTOSPIROSE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 42 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE MALÁRIA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 43 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE MALÁRIA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 44 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE PAROTIDITE EPIDÉMICA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 45 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE PAROTIDITE EPIDÉMICA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 46 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE PESTE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 47 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE PESTE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 48 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE POLIOMIELITE AGUDA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 49 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE POLIOMIELITE AGUDA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 50 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RAIVA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 51 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RAIVA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 52 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RUBÉOLA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 53 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RUBÉOLA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 54 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RUBÉOLA CONGÉNITA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 55 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RUBÉOLA CONGÉNITA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 56 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SALMONELOSES, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 57 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SALMONELOSES, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 58 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SARAMPO, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, Página 8

10 QUADRO 59 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SARAMPO, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 60 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SHIGELOSE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 61 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SHIGELOSE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 62 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SÍFILIS CONGÉNITA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 63 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SÍFILIS CONGÉNITA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 64 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SÍFILIS PRECOCE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 65 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SÍFILIS PRECOCE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 66 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TÉTANO, TÉTANO NEONATAL E OBSTÉTRICO, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 67 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TÉTANO, TÉTANO NEONATAL E OBSTÉTRICO, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 68 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TOSSE CONVULSA, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 69 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TOSSE CONVULSA, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, QUADRO 70 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TRIQUINÍASE, POR CLASSIFICAÇÃO DE CASO, PORTUGAL, QUADRO 71 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TRIQUINÍASE, POR GRUPO ETÁRIO, SEXO E ANO DE NOTIFICAÇÃO, PORTUGAL, Página 9

11 Índice de Figuras FIGURA 1 NÚMERO ABSOLUTO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA, PORTUGAL, FIGURA 2 PROPORÇÃO DE CASOS NOTIFICADOS POR DOENÇA RELATIVAMENTE AO TOTAL DE NOTIFICAÇÕES EFETUADAS, PORTUGAL, 2013 (16 DOENÇAS COM MAIOR REPRESENTAÇÃO) FIGURA 3 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE BOTULISMO, PORTUGAL, FIGURA 4 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE BRUCELOSE, PORTUGAL, FIGURA 5 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE CARBÚNCULO, PORTUGAL, FIGURA 6 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE CÓLERA, PORTUGAL, FIGURA 7 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DIFTERIA, PORTUGAL, FIGURA 8 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE CREUTZFELDT-JAKOB, PORTUGAL, FIGURA 9 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE HANSEN - LEPRA, PORTUGAL, FIGURA 10 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DE LYME, PORTUGAL, FIGURA 11 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS, PORTUGAL, FIGURA 12 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE EQUINOCOCOSE, PORTUGAL, FIGURA 13 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE ESCARO-NODULAR, PORTUGAL, FIGURA 14 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE Q, PORTUGAL, FIGURA 15 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE FEBRE TIFÓIDE E PARATIFÓIDE, PORTUGAL, FIGURA 16 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE HEPATITE A, PORTUGAL, FIGURA 17 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÃO E MENINGITE MENINGOCÓCICA, PORTUGAL, FIGURA 18 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÃO E MENINGITE POR HAEMOPHILUS INFLUENZA, PORTUGAL, FIGURA 19 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE INFEÇÕES GONOCÓCICAS, PORTUGAL, FIGURA 20 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEISHMANIASE VISCERAL, PORTUGAL, FIGURA 21 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEPTOSPIROSE, PORTUGAL, FIGURA 22 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE MALÁRIA, PORTUGAL, FIGURA 23 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE PAROTIDITE EPIDÉMICA, PORTUGAL, FIGURA 24 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE POLIOMIELITE AGUDA, PORTUGAL, FIGURA 25 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RAIVA, PORTUGAL, FIGURA 26 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RUBÉOLA, PORTUGAL, FIGURA 27 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE RUBÉOLA CONGÉNITA, PORTUGAL, FIGURA 28 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SALMONELOSES, PORTUGAL, FIGURA 29 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SARAMPO, PORTUGAL, FIGURA 30 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SHIGELOSE, PORTUGAL, FIGURA 31 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SÍFILIS CONGÉNITA, PORTUGAL, FIGURA 32 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE SÍFILIS PRECOCE, PORTUGAL, FIGURA 33 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TÉTANO, TÉTANO NEONATAL E OBSTÉTRICO, PORTUGAL, FIGURA 34 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TOSSE CONVULSA, PORTUGAL, FIGURA 35 NÚMERO DE CASOS NOTIFICADOS DE TRIQUINÍASE, PORTUGAL, Página 10

12 Nota Prévia Os editores realçam que os dados ora apresentados têm por base notificações efetuadas através do sistema antigo em suporte de papel, pelo que não poderão ser utilizados para efeito de comparação com as próximas edições, que serão reflexo do Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE), através de registos eletrónicos em plataforma Web especialmente concebida para o efeito. Página 11

13 1. Resumo Doenças de Declaração Obrigatória (Volume I e Volume II) descreve a ocorrência reportada de doenças alvo de notificação obrigatória em Portugal (Portaria nº 1071/98 de 31 de dezembro). No Volume I apresenta-se a informação relativa a Portugal (Continente e Regiões autónomas) e no Volume II os dados desagregados por regiões do país, permitindo maior flexibilidade na sua consulta pelos vários utilizadores. No ano de 2013 foram notificados 1416 casos de doenças de declaração obrigatória. Exclui-se desta publicação os casos de Infeção VIH/SIDA, Tuberculose, Hepatites agudas B e C, Hepatites virais não especificadas e outras Hepatites virais agudas uma vez que são alvo de vigilância específica no âmbito dos respetivos programas. As cinco doenças com maior incidência de casos notificados foram a: Sífilis Precoce, Salmoneloses, Febre Escaro-Nodular, Parotidite Epidémica e Malária. No período entre 2010 e 2013, no conjunto dos casos notificados, verificou-se: Aumento gradual de casos de Malária, embora na sua totalidade se tratem de casos importados. Aumento significativo de casos de Tosse Convulsa, devido a um surto desta doença, com expressão em todo o país, em 2012 e início de Estabilização de incidência de notificações de casos de Infeções Gonocócicas, Sífilis Precoce, Salmoneloses, Febre Escaro-Nodular e Infeção e Meningite por Haemophilus influenza. Diminuição de casos de Brucelose e da Infeção e Meningite Meningocócica. Dimunição de casos de Parotidite Epidémica em todo o país, com exceção limitada a alguns concelhos da Região Centro, onde o aumento que se registou foi devido a um surto desta doença entre os anos Pouca expressão de casos de Botulismo, Equinococose, Shigelose e Tétano. Não foram notificados casos de Cólera, Difteria, Febre Amarela, Peste, Poliomielite Aguda e Triquiníase. Página 12

14 2. Introdução Doenças de Declaração Obrigatória (Volume I e Volume II) descreve a ocorrência reportada de doenças alvo de notificação obrigatória em Portugal (Portaria nº 1071/98 de 31 de dezembro). No Volume I apresenta-se a informação relativa a Portugal (Continente e Regiões autónomas) e no Volume II os dados com maior desagregação geográfica, por regiões do país. Uma doença de declaração obrigatória é aquela para a qual informação frequente, regular e temporalmente adequada, relativamente aos casos de doença individuais, é considerada necessária para a sua prevenção e controlo. O Sistema de Vigilância de Doenças de Declaração Obrigatória é um sistema de vigilância de saúde pública multifacetado, destinado a fornecer às autoridades de saúde locais, regionais e nacionais a capacidade de monitorizar a ocorrência e disseminação de doenças transmissíveis, fornecendo a base para o planeamento e intervenção na sua prevenção e controlo. Permite, em paralelo, recolher, analisar, interpretar e disseminar dados sobre as doenças transmissíveis sujeitas a declaração obrigatória, identificar as suas tendências a nível regional e nacional e monitorizar a necessidade e impacto dos programas nacionais de prevenção e controlo. A nível nacional, este sistema, permite ainda responder a vários requerimentos internacionais, como a comunicação à Organização Mundial de Saúde e ao Centro Europeu para a Prevenção e Controlo de Doenças fornecendo a base do trabalho com a comunidade internacional para a prevenção e controlo de surtos. A notificação da doença, a nível local, protege a saúde da população assegurando a identificação e seguimento dos casos, identificação de contactos, investigação e contenção de surtos de doença e limitar o risco ambiental. A qualidade e abrangência dos dados compilados através do Sistema de Vigilância das Doenças de Declaração Obrigatória é influenciada por vários fatores, pelo que a sua interpretação deve ser cuidadosa. Os casos notificados representam apenas uma proporção ( fração notificada ) da incidência total, e esta varia com a doença, a localização geográfica e ao longo do tempo. Os programas de vigilância, os hábitos e práticas de notificação, os recursos de saúde pública, a importância social da doença e as prioridades estabelecidas, apresentam variações entre os diferentes países e regiões do mesmo país e estes fatores afetam a proporção de casos notificados. Finalmente, fatores como a alteração dos métodos de vigilância em saúde pública, introdução de novos testes de diagnóstico, descoberta de novas doenças, podem também causar alteração na notificação de doenças independente da sua verdadeira incidência. Os dados aqui apresentados permitem sobretudo analisar tendências e determinar o peso relativo das doenças. Página 13

15 3. Metodologia Na elaboração deste relatório procedeu-se à revisão da base de dados do Programa de Vigilância de Doenças de Declaração Obrigatória no período e à recolha de informação sobre os casos notificados nos anos anteriores, sendo a informação apresentada a partir da data de inclusão da respetiva doença na lista de Doenças de Declaração Obrigatória, de forma a apresentar a respetiva série temporal. Foi efetuada uma análise descritiva dos casos notificados de acordo com as variáveis demográficas sexo, idade e localização geográfica. Para produção de estatísticas foi utilizado o ano de notificação, mantendo a coerência e consistência com os dados apresentados nos relatórios anteriores. As definições de caso utilizadas são as constantes na Decisão de Execução da Comissão, de 28 de abril de 2008, que altera a Decisão 2002/253/CE, da Comissão, de 19 de março de 2002, que estabelece definições de casos para a notificação de doenças transmissíveis à rede comunitária ao abrigo da Decisão n.º 2119/98/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, exceto para a Sífilis Precoce e Sífilis Congénita para as quais foi considerada uma definição de caso distinta da constante na referida Decisão. Os dados de Infeção e Meningite Meningocócica apresentados para o período entre 2010 e 2013, bem como os dados de Infeção e Meningite por Haemophilus influenza a partir do ano de 2011 (inclusivé) incluem informação integrada clínica e laboratorial, garantindo a consistência com a comunicação ao Centro Europeu de Controlo de Doenças. Foram ainda excluídos deste relatório os casos de Infeção VIH/SIDA, Tuberculose, Hepatites Agudas B e C, Hepatites virais não especificadas e outras Hepatites virais agudas uma vez que são alvo de vigilância específica no âmbito dos respetivos programas e a sua monitorização é efetuada com recurso adicional a outros sistemas de informação. Página 14

16 4. Casos notificados de doenças de declaração obrigatória em Portugal no período Dados globais Total de notificações, Figura 1 Número absoluto de casos notificados de doenças de declaração obrigatória, Portugal, Proporção de casos notificados por doença, % 14% 12% 13% 12% 11% 11% 10% 8% 9% 8% 8% 7% 6% 5% 4% 2% 3% 3% 2% 2% 1% 1% 1% 0% Figura 2 Proporção de casos notificados por doença relativamente ao total de notificações efetuadas, Portugal, 2013 (16 doenças com maior representação) Nota: Exclui os casos notificados de Tuberculose, VIH/SIDA, Hepatites agudas B e C, Hepatites virais não especificadas e outras Hepatites virais agudas. Página 15

17 Quadro 1 Casos notificados de doenças de declaração obrigatória, por doença, DDO CID Total Botulismo A Brucelose A Carbúnculo A Cólera A Difteria A Doença de Creutzfeldt-Jakob A Doença de Hansen - Lepra A Doença de Lyme A Doença dos Legionários A Equinococose B Febre amarela A Febre Escaro-Nodular A Febre Q A Febre Tifóide e Paratifóide A Hepatite A B Infeção e Meningite Meningocócica A39 e A Infeção e Meningite por Haemophilus influenza A492 e G Infeções Gonocócicas A Leishmaniase Visceral B Leptospirose A Malária B50-B Parotidite Epidémica B Peste A Poliomielite Aguda A Raiva A Rubéola B Rubéola Congénita P Salmoneloses A Sarampo B Shigelose A Sífilis Congénita A Sífilis Precoce A Tétano, Tétano Neonatal e Obstétrico A33 a A Tosse Convulsa A Triquiníase B TOTAL Nota: Exclui os casos notificados de Tuberculose, VIH/SIDA, Hepatites agudas B e C, Hepatites virais não especificadas e outras Hepatites virais agudas Página 16

18 4.2. Botulismo Quadro 2 Número de casos notificados de Botulismo, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 3 Número de casos notificados de Botulismo, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Botulismo, de notificação Figura 3 Número de casos notificados de Botulismo, Portugal, Página 17

19 4.3. Brucelose Quadro 4 Número de casos notificados de Brucelose, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 5 Número de casos notificados de Brucelose, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Página 18

20 Figura 4 Número de casos notificados de Brucelose, Portugal, Página 19

21 4.4. Carbúnculo Quadro 6 Número de casos notificados de Carbúnculo, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 7 Número de casos notificados de Carbúnculo, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Página 20

22 Figura 5 Número de casos notificados de Carbúnculo, Portugal, Página 21

23 4.5. Cólera Quadro 8 Número de casos notificados de Cólera, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 9 Número de casos notificados de Cólera, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Cólera, de notificação Figura 6 Número de casos notificados de Cólera, Portugal, Nota: O caso notificado em 2005 foi importado Página 22

24 4.6. Difteria Quadro 10 Número de casos notificados de Difteria, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 11 Número de casos notificados de Difteria, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Página 23

25 Figura 7 Número de casos notificados de Difteria, Portugal, Página 24

26 4.7. Doença de Creutzfeldt-Jakob Quadro 12 Número de casos notificados de Doença de Creutzfeldt-Jakob, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 13 Número de casos notificados de Doença de Creutzfeldt-Jakob, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Doença de Creutzfeldt-Jakob de notificação Figura 8 Número de casos notificados de Doença de Creutzfeldt-Jakob, Portugal, Nota: Inclui as formas de doença esporádica, familiar e variante. Página 25

27 4.8. Doença de Hansen - Lepra Quadro 14 Número de casos notificados de Doença de Hansen - Lepra, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Nota: Os casos notificados entre 2010 e 2013 foram importados Quadro 15 Número de casos notificados de Doença de Hansen - Lepra, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Nota: Os casos notificados entre 2010 e 2013 foram importados Página 26

28 Figura 9 Número de casos notificados de Doença de Hansen - Lepra, Portugal, Nota: Período entre 1976 e 1981 sem casos apresentados, por falta de informação Página 27

29 4.9. Doença de Lyme Quadro 16 Número de casos notificados de Doença de Lyme, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 17 Número de casos notificados de Doença de Lyme, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total 120 Doença de Lyme, de notificação Figura 10 Número de casos notificados de Doença de Lyme, Portugal, Página 28

30 4.10. Doença dos Legionários Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Quadro 18 Número de casos notificados de Doença dos Legionários, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 19 Número de casos notificados de Doença dos Legionários, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos Total anos anos anos ou+ anos Total Doença dos Legionários, de notificação Figura 11 Número de casos notificados de Doença dos Legionários, Portugal, Nota: O Programa de Vigilância de Doença dos Legionários teve inicio no ano de 2003 Página 29

31 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Equinococose Quadro 20 Número de casos notificados de Equinococose, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 21 Número de casos notificados de Equinococose, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total 160 Equinococose, de notificação Figura 12 Número de casos notificados de Equinococose, Portugal, Página 30

32 4.12. Febre Amarela Quadro 22 Número de casos notificados de Febre Amarela, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 23 Número de casos notificados de Febre Amarela, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Página 31

33 4.13. Febre Escaro-Nodular Quadro 24 Número de casos notificados de Febre Escaro-Nodular, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 25 Número de casos notificados de Febre Escaro-Nodular, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos Total 5-14 anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Página 32

34 Febre Escaro-Nodular, Figura 13 Número de casos notificados de Febre Escaro-Nodular, Portugal, Página 33

35 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Febre Q Quadro 26 Número de casos notificados de Febre Q, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 27 Número de casos notificados de Febre Q, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total 100 Febre Q, de notificação Figura 14 Número de casos notificados de Febre Q, Portugal, Página 34

36 4.15. Febre Tifóide e Paratifóide Quadro 28 Número de casos notificados de Febre Tifóide e Paratifóide, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 29 Número de casos notificados de Febre Tifóide e Paratifóide, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Página 35

37 Figura 15 Número de casos notificados de Febre Tifóide e Paratifóide, Portugal, Página 36

38 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Hepatite A Quadro 30 Número de casos notificados de Hepatite A, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 31 Número de casos notificados de Hepatite A, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Hepatite A, de notificação Figura 16 Número de casos notificados de Hepatite A, Portugal, Página 37

39 4.17. Infeção e Meningite Meningocócica Quadro 32 Número de casos notificados de Infeção e Meningite Meningocócica, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 33 Número de casos notificados de Infeção e Meningite Meningocócica, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M Desc HM H M Desc HM H M Desc HM H M Desc HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Ignorado Total Total Página 38

40 Infeção e Meningite Meningocócia, Figura 17 Número de casos notificados de Infeção e Meningite Meningocócica, Portugal, Nota: Inclui dados do Programa de Vigilância Integrada da Doença Meningocócica desde o ano de 2002 Página 39

41 4.18. Infeção e Meningite por Haemophilus influenza Quadro 34 Número de casos notificados de Infeção e Meningite por Haemophilus influenza, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Desconhecido Total Total Quadro 35 Número de casos notificados de Infeção e Meningite por Haemophilus influenza, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Infeção e Meningite por Haemophilus influenza, de notificação Figura 18 Número de casos notificados de Infeção e meningite por Haemophilus influenza, Portugal, Nota: Inclui dados de Vigilância Integrada clínica e laboratorial desde 2011 Página 40

42 4.19. Infeções Gonocócicas Quadro 36 Número de casos notificados de Infeções Gonocócicas, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 37 Número de casos notificados de Infeções Gonocócicas, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos Total anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Página 41

43 Infeções Gonocócicas, Figura 19 Número de casos notificados de Infeções Gonocócicas, Portugal, Página 42

44 4.20. Leishmaniase Visceral Quadro 38 Número de casos notificados de Leishmaniase Visceral, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 39 Número de casos notificados de Leishmaniase Visceral, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Página 43

45 Figura 20 Número de casos notificados de Leishmaniase Visceral, Portugal, Página 44

46 4.21. Leptospirose Quadro 40 Número de casos notificados de Leptospirose, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 41 Número de casos notificados de Leptospirose, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Página 45

47 Figura 21 Número de casos notificados de Leptospirose, Portugal, Página 46

48 4.22. Malária Quadro 42 Número de casos notificados de Malária, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Nota: Os casos notificados entre 2010 e 2013 são casos importados Quadro 43 Número de casos notificados de Malária, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Nota: Os casos notificados entre 2010 e 2013 são casos importados Página 47

49 Figura 22 Número de casos notificados de Malária, Portugal, Página 48

50 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Parotidite Epidémica Quadro 44 Número de casos notificados de Parotidite Epidémica, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 45 Número de casos notificados de Parotidite Epidémica, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano Total 1-4 anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Parotidite Epidémica, de notificação Figura 23 Número de casos notificados de Parotidite Epidémica, Portugal, Página 49

51 4.24. Peste Quadro 46 Número de casos notificados de Peste, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 47 Número de casos notificados de Peste, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Página 50

52 4.25. Poliomielite Aguda Quadro 48 Número de casos notificados de Poliomielite Aguda, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 49 Número de casos notificados de Poliomielite Aguda, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Página 51

53 Figura 24 Número de casos notificados de Poliomielite Aguda, Portugal, Página 52

54 4.26. Raiva Quadro 50 Número de casos notificados de Raiva, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 51 Número de casos notificados de Raiva, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Raiva, de notificação Figura 25 Número de casos notificados de Raiva, Portugal, Nota: O caso identificado em 2011 foi um caso importado. Página 53

55 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Rubéola Quadro 52 Número de casos notificados de Rubéola, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 53 Número de casos notificados de Rubéola, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Rubéola, de notificação Figura 26 Número de casos notificados de Rubéola, Portugal, Página 54

56 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Rubéola Congénita Quadro 54 Número de casos notificados de Rubéola Congénita, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 55 Número de casos notificados de Rubéola Congénita, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo Total H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Rubéola Congénita, de notificação Figura 27 Número de casos notificados de Rubéola Congénita, Portugal, Página 55

57 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Salmoneloses Quadro 56 Número de casos notificados de Salmoneloses, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 57 Número de casos notificados de Salmoneloses, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM Total <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Salmoneloses, Figura 28 Número de casos notificados de Salmoneloses, Portugal, Nota: Inclui Salmoneloses não Typhi e não Paratyphi de notificação Página 56

58 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Sarampo Quadro 58 Número de casos notificados de Sarampo, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 59 Número de casos notificados de Sarampo, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Sarampo, de notificação Figura 29 Número de casos notificados de Sarampo, Portugal, Página 57

59 Doenças de Declaração Obrigatória VOLUME I Shigelose Quadro 60 Número de casos notificados de Shigelose, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 61 Número de casos notificados de Shigelose, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Shigelose, de notificação Figura 30 Número de casos notificados de Shigelose, Portugal, Página 58

60 4.32. Sífilis Congénita Quadro 62 Número de casos notificados de Sífilis Congénita, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 63 Número de casos notificados de Sífilis Congénita, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total 100 Sífilis Congénita, de notificação Figura 31 Número de casos notificados de Sífilis Congénita, Portugal, Página 59

61 4.33. Sífilis Precoce Quadro 64 Número de casos notificados de Sífilis Precoce, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 65 Número de casos notificados de Sífilis Precoce, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos Total anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Página 60

62 Sífilis Precoce, Figura 32 Número de casos notificados de Sífilis Precoce, Portugal, Página 61

63 4.34. Tétano, Tétano Neonatal e Obstétrico Quadro 66 Número de casos notificados de Tétano, Tétano Neonatal e Obstétrico, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 67 Número de casos notificados de Tétano, Tétano Neonatal e Obstétrico, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Total Página 62

64 Figura 33 Número de casos notificados de Tétano, Tétano Neonatal e Obstétrico, Portugal, Página 63

65 4.35. Tosse Convulsa Quadro 68 Número de casos notificados de Tosse Convulsa, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 69 Número de casos notificados de Tosse Convulsa, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM Total <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Página 64

66 Figura 34 Número de casos notificados de Tosse Convulsa, Portugal, Página 65

67 4.36. Triquiníase Quadro 70 Número de casos notificados de Triquiníase, por classificação de caso, Portugal, Confirmado Provável Possível Total Total Quadro 71 Número de casos notificados de Triquiníase, por grupo etário, sexo e ano de notificação, Portugal, e sexo H M HM H M HM H M HM H M HM Total <1 ano anos anos anos anos anos anos anos anos ou+ anos Total Triquiníase, de notificação Figura 35 Número de casos notificados de Triquiníase, Portugal, Página 66

68

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 29-212 VOLUME I DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 29-212 29-212 VOLUME I DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Março de 214 Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 2011-2014 VOLUME I - Portugal DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 2011-2014 2011-2014 VOLUME I - PORTUGAL DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA 2015 Portugal. Direção-Geral da Saúde

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 2011-2014 VOLUME II Regiões DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 2011-2014 2011-2014 VOLUME II Regiões DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA 2015 Portugal. Direção-Geral da Saúde

Leia mais

6. DOENÇAS INFECCIOSAS

6. DOENÇAS INFECCIOSAS 6. DOENÇAS INFECCIOSAS 6.1. Introdução As doenças infecciosas têm vindo a reassumir relevância crescente a nível europeu e mundial. O aparecimento de novas doenças transmissíveis e a re-emergência de

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE)

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Notificação obrigatória de doenças transmissíveis: Notificação laboratorial Cátia Sousa Pinto, MD Divisão de Epidemiologia e Vigilância 2016 1 SINAVE

Leia mais

Doenças de Declaração Obrigatória

Doenças de Declaração Obrigatória Doenças de Declaração Obrigatória 1996-2000 Regiões e Sub-Regiões de Saúde no Continente Regiões Autónomas Direcção de Serviços de Informação e Análise Divisão de Epidemiologia Direcção-Geral da Saúde

Leia mais

PORTARIA Nº. 5, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006.

PORTARIA Nº. 5, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006. PORTARIA Nº. 5, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006. Inclui doenças na relação nacional de notificação compulsória, define doenças de notificação imediata, relação dos resultados laboratoriais que devem ser notificados

Leia mais

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos Diagnóstico Social de Oeiras 2013 Anexos Fevereiro de 2014 SAÚDE POPULAÇÃO Anexo 1 INDICADORES Densidade populacional (hab./km 2 ) 3766,6 População residente, segundo os grandes grupos etários e sexo (nº):

Leia mais

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA CONJUNTA Nº 20, DE 25 DE MAIO DE 2005.

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA CONJUNTA Nº 20, DE 25 DE MAIO DE 2005. Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA CONJUNTA Nº 20, DE 25 DE MAIO DE 2005. O Secretário de Atenção à Saúde e o Secretário de Vigilância em Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT Autores: Eduardo Magalhães Manuela Lucas Colaboração de Carlos Orta Gomes Leonor Murjal Maria do Carmo Santos CRSP: ESTUDO E PLANEAMENTO DA SAÚDE Novembro de 2006

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO NACIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA (SINAVE)

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO NACIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA (SINAVE) RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO NACIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA (SINAVE) 2016 Portugal. Direção-Geral da Saúde Direção de Serviços de Informação e Análise Divisão de Epidemiologia

Leia mais

Nota Informativa 06/10/2015

Nota Informativa 06/10/2015 Secretaria Municipal de Saúde - Diretoria de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Prezados Colegas. Considerando a Portaria MS/GM nº 1.271, de 6 de junho de 2014, que define a Lista

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica. Manual do Utilizador: Departamento de Saúde Pública Regional

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica. Manual do Utilizador: Departamento de Saúde Pública Regional Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica Manual do Utilizador: Departamento de Saúde Pública Regional Versão: Abril 2014 Índice 1. Glossário... 4 2. Entrar e sair do SINAVE... 7 2.1 Entrar no sistema

Leia mais

SCIH NOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS COMPULSÓRIAS

SCIH NOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS COMPULSÓRIAS M-N05 1 de 6 Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB; MT 1 INTRODUÇÃO A notificação compulsória consiste na comunicação da ocorrência

Leia mais

E I P D I EM E IO I L O OG O I G A

E I P D I EM E IO I L O OG O I G A EPIDEMIOLOGIA Parte - 02 PROFa. MSc. MARISE RAMOS DE SOUZA 1 - COLETA DE DADOS Coleta de Dados A VE desencadeia suas atividades a partir da ocorrência de um evento sanitário caso(s) suspeito(s) ou confirmado(s)

Leia mais

Alteração da tipologia do indicador passando a ser específico para municípios (o Sistema SISPACTO terá procedimentos ambulatoriais de média

Alteração da tipologia do indicador passando a ser específico para municípios (o Sistema SISPACTO terá procedimentos ambulatoriais de média Alterações das Fichas de Qualificação dos Indicadores a serem incorporados na 2ª Edição do Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015 Quadro/Indicador Campo da Ficha de Qualificação

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica. Manual do Utilizador: Delegado de Saúde Pública da Unidade Saúde Pública

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica. Manual do Utilizador: Delegado de Saúde Pública da Unidade Saúde Pública Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica Manual do Utilizador: Delegado de Saúde Pública da Unidade Saúde Pública Versão: Abril 2014 Índice 1. Glossário... 5 2. Entrar e sair do SINAVE... 8 2.1 Entrar

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Gerência de Epidemiologia e Informação Secretaria Municipal de Saúde

VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Gerência de Epidemiologia e Informação Secretaria Municipal de Saúde VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Epidemiologia e Informação Secretaria Municipal de Saúde Gerência de Vigilância em Saúde e Informação 1) Gerência de Epidemiologia e Informação 2) Gerência de Saúde do Trabalhador

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

ABORDAGEM DOS CONTEÚDOS SOBRE INFECÇÃO HOSPITALAR NO CURSO DE ENFERMAGEM: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE AS IES DO PARANÁ E DA UNIOESTE 1

ABORDAGEM DOS CONTEÚDOS SOBRE INFECÇÃO HOSPITALAR NO CURSO DE ENFERMAGEM: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE AS IES DO PARANÁ E DA UNIOESTE 1 1 ABORDAGEM DOS CONTEÚDOS SOBRE INFECÇÃO HOSPITALAR NO CURSO DE ENFERMAGEM: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE AS IES DO PARANÁ E DA UNIOESTE 1 Débora Cristina Ignácio Alves 2 INTRODUÇÃO: O Curso de Enfermagem

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

Coimbra. Síndroma Respiratória Aguda. Forum Nacional no Contexto de uma Nova Estratégia para as Doenças Transmissíveis

Coimbra. Síndroma Respiratória Aguda. Forum Nacional no Contexto de uma Nova Estratégia para as Doenças Transmissíveis Coimbra Síndroma Respiratória Aguda Forum Nacional no Contexto de uma Nova Estratégia para as Doenças Transmissíveis Nova Estratégia Doenças Transmissíveis: Evolução recente, contexto actual e perspectivas

Leia mais

PLANILHAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA DE DOENÇAS ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL

PLANILHAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA DE DOENÇAS ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 50/99 PLANILHAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA DE DOENÇAS ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução Nº 91/93 do

Leia mais

Programa Nacional de Vacinação (PNV) Avaliação 2013

Programa Nacional de Vacinação (PNV) Avaliação 2013 Programa Nacional de Vacinação (PNV) O Programa Nacional de Vacinação (PNV) é um programa universal, gratuito e acessível a todas as pessoas presentes em Portugal que é gerido, a nível nacional, pela Direcção-Geral

Leia mais

séries Informação e análise

séries Informação e análise séries Informação e análise ano I nº 1 fevereiro 217 ATUALIZAÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO: PNV 217 editorial ficha técnica Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e

Leia mais

PORTARIA Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 1 de 5 26/6/2014 09:23 prev next Destaque: Médicos alertam para perigo do uso da testosterona como "elixir da Ajuda Home Notícias Legislações Infobusca Normas Mensais Home Legislações GM PORTARIA Nº 1.271,

Leia mais

Fonte de Publicação: Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 1 set Seção I, p

Fonte de Publicação: Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 1 set Seção I, p Relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória - Portaria MS nº. 2472 de 31 de agosto de 2010 Órgão: Ministério da Saúde / Gabinete do Ministro Número: 2472 Data Emissão:

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DA FASE LETIVA DOS CURSOS DE MESTRADO EM DIREITO

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DA FASE LETIVA DOS CURSOS DE MESTRADO EM DIREITO REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DA FASE LETIVA DOS CURSOS DE MESTRADO EM DIREITO Aprovado por deliberação do Conselho Científico da Escola do Porto da Faculdade de Direito em 7 de fevereiro de

Leia mais

Avaliação do Programa Regional de Vacinação a 31/12/2016

Avaliação do Programa Regional de Vacinação a 31/12/2016 Avaliação do Programa Regional de Vacinação a 31/12/2016 1. Introdução e Metodologia A avaliação do cumprimento do Programa Regional de Vacinação (PRV) realiza-se com uma periodicidade semestral e anual,

Leia mais

Audiência na Comissão de Saúde

Audiência na Comissão de Saúde Audiência na Comissão de Saúde Balanço e perspetivas para o futuro Lisboa, 08 de Junho de 2016 Comissão Saúde e a questão VIH e SIDA: um balanço - Criação do Grupo de Trabalho VIH (2009, reconstituído

Leia mais

VACINAÇÃO CONTRA A HEPATITE B: ESTADO VACINAL DOS PROFISSIONAIS DOS CUIDADOS AMBULATÓRIOS DA SUB-REGIÃO DE SAÚDE DE SETÚBAL, DEZEMBRO DE 1998

VACINAÇÃO CONTRA A HEPATITE B: ESTADO VACINAL DOS PROFISSIONAIS DOS CUIDADOS AMBULATÓRIOS DA SUB-REGIÃO DE SAÚDE DE SETÚBAL, DEZEMBRO DE 1998 SUMÁRIO VACINAÇÃO CONTRA A HEPATITE B: ESTADO VACINAL DOS PROFISSIONAIS DOS CUIDADOS AMBULATÓRIOS DA SUB-REGIÃO DE SAÚDE DE SETÚBAL, DEZEMBRO DE 1998 3 MORTALIDADE, EM PORTUGAL, POR INFECÇÃO PELO VIH 5

Leia mais

Vigilância Epidemiológica

Vigilância Epidemiológica Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia Vigilância

Leia mais

Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais

Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais Secretaria de Estado de Saúde Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais Gilson Jácome dos Reis Coordenador do CIEVS-RJ PRESSUPOSTOS: Cenário epidemiológico Transição demográfica e epidemiológica Diminuição

Leia mais

Quadro 1 Coberturas Vacinais do Calendário Básico de Vacinação da Criança < 1 ano de idade, ,Porto Alegre, RS.

Quadro 1 Coberturas Vacinais do Calendário Básico de Vacinação da Criança < 1 ano de idade, ,Porto Alegre, RS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Equipe de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre. ANO XIV NÚMERO 47 FEVEREIRO DE 2012 Editorial

Leia mais

Doença meningocócica pelo serogrupo C e estratégia vacinal

Doença meningocócica pelo serogrupo C e estratégia vacinal NÚMERO: 004/2012 DATA: 03/02/2012 ATUALIZAÇÃO: 21/02/2012 ASSUNTO: Programa Nacional de Vacinação - PNV 2012 Doença meningocócica pelo serogrupo C e estratégia vacinal PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS:

Leia mais

REGISTO NACIONAL DE AN MALIAS CONGÉNITAS O RENAC Resumo

REGISTO NACIONAL DE AN MALIAS CONGÉNITAS O RENAC Resumo REGISTO NACIONAL DE AN MALIAS CONGÉNITAS O RENAC 2-21 Resumo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Lisboa, 28 de novembro de 214 O REGISTO NACIONAL DE ANOMALIAS CONGÉNITAS MATERIAIS E MÉTODOS

Leia mais

A Saúde do Viajante... para além do obrigatório

A Saúde do Viajante... para além do obrigatório A preocupação com a saúde deverá ser a última coisa que um viajante pode ter nas suas férias. Para isso existem profissionais na àrea da Medicina do Viajante que o ajudam a evitar problemas quando se está

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Serviço de Epidemiologia Hospitalar HC - UFPR Estratégia Núcleos de Epidemiologia Hospitalar Captação oportuna de formas moderadas e graves de eventos

Leia mais

Portaria nº de 03 de novembro de 2016

Portaria nº de 03 de novembro de 2016 Portaria nº 1.411 de 03 de novembro de 2016 Define a Lista Estadual de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: NÚMERO: 003/2016 DATA: 21/07/2016 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: SINAVElab: Registo de laboratórios para notificação laboratorial SINAVE; SINAVElab; Doenças de Declaração Obrigatória; Notificação

Leia mais

Epidemiologia de Doenças Transmissíveis. Manuel Carmo Gomes

Epidemiologia de Doenças Transmissíveis. Manuel Carmo Gomes Epidemiologia de Doenças Transmissíveis Manuel Carmo Gomes mcgomes@fc.ul.pt Humanos: um recurso a explorar Parasitismo e doenças associadas, desde que existe vida na Terra Agentes etiológicos dos humanos

Leia mais

Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Um ponto de situação. Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha

Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Um ponto de situação. Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha 25.02.2010 Plano da sessão Objectivo: Efectuar um ponto de situação relativamente àelaboração

Leia mais

A Epidemiologia Descritiva

A Epidemiologia Descritiva A Epidemiologia Descritiva A Epidemiologia no seu processo descritivo estuda a distribuição de frequências das doenças e dos agravos à saúde coletiva em função das variáveis ligadas ao tempo, ao espaço

Leia mais

Trabalho Final Atividades Integradoras IV. Aline dos Santos Novaes Martins

Trabalho Final Atividades Integradoras IV. Aline dos Santos Novaes Martins Trabalho Final Atividades Integradoras IV Aline dos Santos Novaes Martins Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo CVE/SP Missão A missão do Centro de Vigilância Epidemiológica Alexandre

Leia mais

Surto de Doença dos Legionários de Vila Franca de Xira, Portugal, 2014

Surto de Doença dos Legionários de Vila Franca de Xira, Portugal, 2014 Surto de Doença dos Legionários de Vila Franca de Xira, Portugal, 2014 Cátia Sousa Pinto, MD Divisão de Epidemiologia e Vigilância Direção-geral da Saúde 2015 Identificação do surto 7 Novembro2014: 18

Leia mais

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1 COMPONENTE 1 Não consta, como propósito basilar da Portaria 1395/1999, do Ministério da Saúde, que aprova a Política Nacional do Idoso: A) a promoção do envelhecimento saudável. B) a manutenção e a melhoria,

Leia mais

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1 COMPONENTE 1 Não consta, como propósito basilar da Portaria 1395/1999, do Ministério da Saúde, que aprova a Política Nacional do Idoso: A) a promoção do envelhecimento saudável. B) a manutenção e a melhoria,

Leia mais

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS Prefeitura Municipal de Corumbá Paulo Roberto Duarte Secretária Municipal de Saúde Dinaci Vieira Ranzi Gerência de Vigilância em Saúde Viviane Campos Ametlla Coordenação

Leia mais

I N S T I T U T O N A C I O N A L D E S A Ú D E D O U T O R R I C A R D O J O R G E MÉDICOS-SENTINELA. O que se fez em 1998

I N S T I T U T O N A C I O N A L D E S A Ú D E D O U T O R R I C A R D O J O R G E MÉDICOS-SENTINELA. O que se fez em 1998 I N S T I T U T O N A C I O N A L D E S A Ú D E D O U T O R R I C A R D O J O R G E MÉDICOS-SENTINELA O que se fez em 1998 12 Lisboa Setembro de 2014 D e p a r t a m e n t o d e E p i d e m i o l o g i

Leia mais

RELATÓRIO DE VIGILÂNCIA

RELATÓRIO DE VIGILÂNCIA RELATÓRIO DE VIGILÂNCIA Relatório epidemiológico anual 2012 Síntese Este relatório apresenta uma análise dos dados de vigilância comunicados em relação a 2010 pelos 27 Estados-Membros da UE e os três países

Leia mais

Estatísticas Demográficas 2014

Estatísticas Demográficas 2014 Estatísticas Demográficas 214 3 de outubro de 215 Saldos natural e migratório negativos atenuam-se face ao ano anterior Em 214 verificou-se uma diminuição da população residente, mantendo a tendência observada

Leia mais

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão.

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. 1 Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. SÍNDROMES OU CONDIÇÃO CLÍNICA PATÓGENOS POTENCIAIS PRECAUÇÕES EMPIRICAS Diarréia: Aguda, por provável

Leia mais

ANEXO I PLANO DE AVALIAÇÃO REGIÃO CENTRO

ANEXO I PLANO DE AVALIAÇÃO REGIÃO CENTRO PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO ANEXO I PLANO DE AVALIAÇÃO REGIÃO CENTRO SUPORTES DE RECOLHA DE DADOS PROGRAMA VACINAÇÃO - Projecto A excelência na vacinação - 2.ª actualização - 2007 ANEXO I SUPORTES DE

Leia mais

Vigilância epidemiológica

Vigilância epidemiológica Curso de Graduação em Saúde Coletiva Disciplina: Bases Conceituais de Vigilância em Saúde Vigilância epidemiológica Prof. Dr. Antonio José Leal Costa IESC/UFRJ 2011 Vigilância epidemiológica Histórico

Leia mais

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Vigilância Epidemiológica Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar 70.058-900 Brasília-DF Tel. 3315 2755/2812 NOTA TÉCNICA

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Programa Nacional de Saúde Ocupacional Assunto: Saúde do Trabalho/ Saúde Ocupacional nas Unidades de Saúde Pública DATA: Dezembro 2012 Contacto: Coordenador do Programa Nacional de Saúde Ocupacional 1.

Leia mais

Antonio Carlos Frias. Coeficientes

Antonio Carlos Frias. Coeficientes INSTRUMENTOS EPIDEMIOLÓGICOS Antonio Carlos Frias A epidemiologia vem se tornando um instrumento indispensável para o processo de implantação, construção e consolidação do SUS, nas três esferas de governos:

Leia mais

Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde

Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade Departamento de Epidemiologia e Bioestatística Epidemiologia

Leia mais

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Bauru, SP - 2014 Série: Documentos Estatísticos Bauru, SP, agosto de 2014 EXPEDIENTE Departamento de Saúde Coletiva Divisão de Vigilância

Leia mais

Vacinação nos Locais de Trabalho

Vacinação nos Locais de Trabalho Vacinação nos Locais de Trabalho Fátima Ramalho Equipa de Coordenação do Programa Nacional de Saúde Ocupacional Divisão de Saúde Ambiental e Ocupacional da Direção-Geral da Saúde Encontro Nacional de Saúde

Leia mais

CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA. Código: MORBILIDADE 448 POR HIV/SIDA (casos notificados/diagnosticados)

CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA. Código: MORBILIDADE 448 POR HIV/SIDA (casos notificados/diagnosticados) INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA Código: MORBILIDADE 448 POR HIV/SIDA (casos notificados/diagnosticados) CASOS

Leia mais

MORBILIDADE POR HIV/SIDA (casos notificados/diagnosticados) Operação Estatística: Código: 447. Versão: 1.0

MORBILIDADE POR HIV/SIDA (casos notificados/diagnosticados) Operação Estatística: Código: 447. Versão: 1.0 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS Operação Estatística: MORBILIDADE POR HIV/SIDA (casos notificados/diagnosticados) Código: 447 Versão: 1.0 Maio de 2006 1 DOCUMENTO

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA

EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Ciências Agrárias e Biológicas EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA Prof. Macks Wendhell Gonçalves Msc Epidemiologia Descritiva Devem tentar responder 5 questões

Leia mais

Pagina WEB: Nesta página vocês encontrarão as atualizações semanais, boletins, portarias, manuais...

Pagina WEB:  Nesta página vocês encontrarão as atualizações semanais, boletins, portarias, manuais... 8. SEPIH - Serviço de Epidemiologia Hospitalar O Serviço de Epidemiologia Hospitalar foi implantado em outubro de 2003, com inauguração formal em março de 2004. Inicialmente estava subordinado a Gerencia

Leia mais

Água. Vigilância, Desafios e Oportunidades. Eng.º Paulo Diegues (DGS) Eng.ª Lúcia Melo (DGS) Dr. Vitor Martins (DGS)

Água. Vigilância, Desafios e Oportunidades. Eng.º Paulo Diegues (DGS) Eng.ª Lúcia Melo (DGS) Dr. Vitor Martins (DGS) Água Vigilância, Desafios e Oportunidades Eng.º Paulo Diegues (DGS) Eng.ª Lúcia Melo (DGS) Dr. Vitor Martins (DGS) Situação actual Segundo o relatório da OMS e da UNICEF 1,1 mil milhões de pessoas no planeta

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 35/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 34/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

Semana Europeia da Vacinação (24 Abril 1 Maio 2010)

Semana Europeia da Vacinação (24 Abril 1 Maio 2010) Semana Europeia da Vacinação (24 Abril 1 Maio 21) Press Kit, 23/4/21 Introdução A vacinação é considerada, entre todas as medidas de saúde pública, a que melhor relação custo-efectividade tem evidenciado.

Leia mais

2.ª ACTUALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO, IP. Ministério da Saúde. PROGRAMA VACINAÇÃO - Projecto A excelência na vacinação

2.ª ACTUALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO, IP. Ministério da Saúde. PROGRAMA VACINAÇÃO - Projecto A excelência na vacinação Ministério da Saúde DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA E PLANEAMENTO 2.ª ACTUALIZAÇÃO - 2007 PROGRAMA VACINAÇÃO - Projecto A excelência na vacinação EXCELÊNCIA NA VACINAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO NOTA PRÉVIA

Leia mais

RESPOSTA AOS RECURSOS

RESPOSTA AOS RECURSOS RESPOSTA AOS RECURSOS CARGO: CARGOS DE NÍVEL FUNDAMENTAL QUESTÃO: 02 JUSTIFICATIVA: A banca analisou o requerimento do candidato com o pedido de revisão da questão 02 e fundamentada no seguinte livro:

Leia mais

Programa Nacional para a infeção VIH/SIDA e Tuberculose

Programa Nacional para a infeção VIH/SIDA e Tuberculose Programa Nacional para a infeção VIH/SIDA e Tuberculose Dia Mundial da tuberculose 24 de março de 2015 Programa Nacional para a Tuberculose Sumário Abertura Dados nacionais provisórios (10 de março de

Leia mais

Noções de Epidemiologia

Noções de Epidemiologia Noções de Epidemiologia Conceito "Epidemiologia é o estudo da freqüência, da distribuição e dos determinantes dos estados ou eventos relacionados à saúde em específicas populações e a aplicação desses

Leia mais

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se!

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se! CARTILHA DE VACINAÇÃO Prevenção não tem idade. Vacine-se! A saúde é o nosso bem mais precioso, e a vacinação é um meio acessível, seguro e efetivo de protegê-la! A vacinação protege não apenas aqueles

Leia mais

EMIGRAÇÃO EM PORTUGAL (2003): MAIORITARIAMENTE TEMPORÁRIA

EMIGRAÇÃO EM PORTUGAL (2003): MAIORITARIAMENTE TEMPORÁRIA Estatísticas Migratórias - Emigração 2003 11 de Junho de 2004 EMIGRAÇÃO EM PORTUGAL (2003): MAIORITARIAMENTE TEMPORÁRIA Não tendo as características e o volume de outros tempos, a emigração portuguesa

Leia mais

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Quais são os principais agentes da meningite? Etiologia meningites Brasil 2007-2010 (fonte: SINAN) Etiologia

Leia mais

Assunto: VIGILÂNCIA E CONTROLO DAS TOXINFECÇÕES ALIMENTARES COLECTIVAS. I. Introdução. II. Norma. Para: Médicos do Ministério da Saúde

Assunto: VIGILÂNCIA E CONTROLO DAS TOXINFECÇÕES ALIMENTARES COLECTIVAS. I. Introdução. II. Norma. Para: Médicos do Ministério da Saúde Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: VIGILÂNCIA E CONTROLO DAS TOXINFECÇÕES ALIMENTARES COLECTIVAS Nº 14/DT Data: 09/10/2001 Para: Médicos do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

Vigilância Epidemiológica Carnaval de Torres Vedras

Vigilância Epidemiológica Carnaval de Torres Vedras Vigilância Epidemiológica Carnaval de Torres Vedras Relatório Final 2015 Autores: Nuno Rodrigues, Unidade Saúde Pública Moinhos, ACES Oeste Sul Ricardo Mexia, Dep. Epidemiologia, Instituto Nacional de

Leia mais

Introdução aos modelos de transmissão de doenças infecciosas

Introdução aos modelos de transmissão de doenças infecciosas Introdução aos modelos de transmissão de doenças infecciosas LNCC, Curso de Verão Janeiro, 2008 Modelos matemáticos de dinâmica de populações População é uma coleção de pessoas ou indivíduos de uma espécie

Leia mais

INFORME EPIDEMIOLÓGICO 002/2017

INFORME EPIDEMIOLÓGICO 002/2017 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COOERDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFORME EPIDEMIOLÓGICO 2/217 Gerência

Leia mais

Informe Técnico. Assunto: Informe sobre a situação do sarampo e ações desenvolvidas - Brasil, 2013.

Informe Técnico. Assunto: Informe sobre a situação do sarampo e ações desenvolvidas - Brasil, 2013. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS COORDENAÇÃO-GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS SCS, Quadra 04, Edifício Principal, 4º andar CEP:

Leia mais

Sistema de Vigilância das Zoonoses e das Doenças Transmitidas pelos Alimentos

Sistema de Vigilância das Zoonoses e das Doenças Transmitidas pelos Alimentos IV Ciclo de Conferências de Saúde Pública Veterinária Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar Universidade do Porto Porto, 12 de Junho 2010 Sistema de Vigilância das Zoonoses e das Doenças Transmitidas

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO

ATUALIZAÇÃO DO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO ATUALIZAÇÃO DO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO 2017 Seis vacinas terão seu público-alvo ampliado em 2017 Hepatite A: crianças Tetra Viral (sarampo, rubéola, caxumba e varicela): crianças Meningocócica C: crianças

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas ( )

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas ( ) 187 188 228 1562 1499 2181 193 1967 236 2754 2487 2643 4637 412 3547 5389 5226 4348 Abril de 213 Trimestre 8 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência

Leia mais

SAÚDE. 436 Diário da República, 1.ª série N.º de fevereiro de 2016

SAÚDE. 436 Diário da República, 1.ª série N.º de fevereiro de 2016 436 Diário da República, 1.ª série N.º 28 10 de fevereiro de 2016 SAÚDE Portaria n.º 22/2016 de 10 de fevereiro A Portaria n.º 248/2013, de 5 de agosto, aprovou o Regulamento de Notificação Obrigatória

Leia mais

Quando utilizar a pesquisa quantitativa?

Quando utilizar a pesquisa quantitativa? Quando utilizar a pesquisa quantitativa? Utilizar pesquisa quantitativa Existem dados numéricos assecíveis e que possam ser medidos; Quando os dados numéricos parecem ser a resposta correta e óbvia; Há

Leia mais

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro. Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro. Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Observatório do Ordenamento do Território e Urbanismo Conhecer

Leia mais

Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel

Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel Definição Os fenômenos estudados pela epidemiologia pertencem ao âmbito coletivo e, portanto, devem remeter ao social. Faz sentido pensar em algum processo

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35. Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35. Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35 QUESTÃO 17 Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando: a) apresenta uma variação sazonal bem definida. b) ocorre em grande número de países

Leia mais

Introdução da segunda dose da vacina contra o sarampo aos 15 meses de idade.

Introdução da segunda dose da vacina contra o sarampo aos 15 meses de idade. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Divisão de Imunização Calendário de Vacinação no Estado de São Paulo Parte da história

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Vigilância em Saúde Gerência Técnica do SINAN FLUXO DE RETORNO

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 97/3

Jornal Oficial da União Europeia L 97/3 12.4.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 97/3 REGULAMENTO (UE) N. o 349/2011 DA COMISSÃO de 11 de Abril de 2011 de aplicação do Regulamento (CE) n. o 1338/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho relativo

Leia mais

Número de nados-vivos aumentou mas saldo natural manteve-se negativo

Número de nados-vivos aumentou mas saldo natural manteve-se negativo Estatísticas Vitais 215 28 de abril de 216 Número de nados-vivos aumentou mas saldo natural manteve-se negativo Em 215, nasceram com vida (nados-vivos) 85 5 crianças, de mães residentes em Portugal. Este

Leia mais

Atualizado em 14 de janeiro de SEPIH - Serviço de Epidemiologia Hospitalar

Atualizado em 14 de janeiro de SEPIH - Serviço de Epidemiologia Hospitalar 8 SEPIH - Serviço de Epidemiologia Hospitalar O Serviço de Epidemiologia Hospitalar (SEPIH) foi implantado em outubro de 2003, com inauguração formal em março de 2004 Inicialmente estava subordinado a

Leia mais

Hepatite A. Género Hepatovírus, Família dos Picornaviridae

Hepatite A. Género Hepatovírus, Família dos Picornaviridae Hepatite A Género Hepatovírus, Família dos Picornaviridae 160 casos de Hepatite A foram notificados de 1 de janeiro a 7 de abril 50% dos quais foram internados Do total de doentes, 93% eram adultos jovens

Leia mais

Processo Endêmico e Epidêmico

Processo Endêmico e Epidêmico Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Ciências Agrárias e Biológicas Processo Endêmico e Epidêmico Prof. Macks Wendhell Gonçalves Msc. Base Histórica Século VI a.c. - Hipócrates Conceitos

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente Dez-14 Jan-15 Fev-15 Mar-15 Abr-15 Mai-15 Jun-15 Jul-15 Ago-15 Set-15 Out-15 Nov-15 Dez-15 Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2015 25 de janeiro de 2016 Valor médio de avaliação bancária acentuou

Leia mais