Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE)"

Transcrição

1 Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Notificação obrigatória de doenças transmissíveis: Notificação laboratorial Cátia Sousa Pinto, MD Divisão de Epidemiologia e Vigilância

2 SINAVE Sistema de vigilância de saúde pública com as seguintes finalidades: Identificar situações de risco para a saúde pública Identificar precocemente a entrada em território nacional de doenças transmissíveis Recolher, actualizar, analisar e divulgar os dados sobre doenças transmissíveis e outros riscos em saúde pública Preparar planos de contingência face a situações de emergência Lei nº 81/2009 de 21 de Agosto 2

3 SINAVE Entidades intervenientes Âmbito de aplicação Rede de âmbito nacional envolvendo os serviços de saúde pública, os laboratórios, as autoridades de saúde e outras entidades dos sectores público, privado e social, cujos participantes contribuem para um sistema nacional de informação de vigilância epidemiológica, denominado SINAVE. Lei nº 81/2009 de 21 de Agosto 3

4 SINAVE Enquadramento Notificação clínica electrónica desde 1 de Junho de 2014 Médicos assistentes notificam: Directamente através da aplicação informática SINAVE Através de mecanismo automatizado de interoperabilidade com aplicações clínicas Duplicação do número de notificações efectuadas Lei nº 81/2009 de 21 de Agosto 4

5 SINAVE Acesso direto à aplicação 5

6 Acesso através de aplicações clínicas - SClínico

7 Acesso MedtrixEP 7

8 Acesso First_ePM 8

9 Número de casos notificados Total de casos notificados meses de notificação eletrónica a Exclui as notificações de casos de tuberculose, HIV/SIDA, hepatite aguda B e C, hepatite viral não especificada e outras hepatites virais agudas

10 REFORÇO DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA: NOTIFICAÇÃO LABORATORIAL 10

11 SINAVE Portaria nº 22/2016 de 10 de fevereiro* Aprova o novo Regulamento de notificação obrigatória de doenças transmissíveis e outros riscos em saúde pública Notificação electrónica obrigatória de doenças transmissíveis, clínica e laboratorial O Regulamento aplica se a todos os serviços de saúde e laboratórios do sector público, privado ou social A data de início 1 de Setembro de 2016 (4 meses período de adaptação) * Altera a Portaria nº 248/2013 de 5 de agosto 11

12 REGULAMENTO DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS E OUTROS RISCOS EM SAÚDE PÚBLICA A notificação clínica é obrigatoriamente complementada pela notificação laboratorial dos resultados dos exames realizados para confirmação do caso, sempre que aplicável. A existência de notificação clínica não dispensa a obrigatoriedade de notificação laboratorial, nem a existência de notificação laboratorial dispensa a obrigatoriedade de notificação clínica. Portaria nº 22/2016 de 10 de Fevereiro 12

13 Doenças de Declaração Obrigatória Botulismo Giardíase Raiva Brucelose Gonorreia Rubéola Congénita Campilobacteriose Gripe Não Sazonal Rubéola, excluindo Rubéola Congénita Cólera Hepatite A Salmoneloses não Typhi e não Paratyphi Criptosporidiose Hepatite B Sarampo Dengue Hepatite C Shigelose Difteria Hepatite E Sífilis Congénita Doença de Creutzfelt-Jakob (DCJ) Infeção por Bacillus Anthracis Sífilis, excluindo Sífilis Congénita Doença de Hansen (Lepra) Infeção por Clamydia Trachomatis, excluindo Síndroma Respiratória Aguda - SARS Linfogranuloma Venéreo Doença de Lyme (Borreliose) Infeção por Clamydia Trachomatis - Linfogranuloma Tétano, excluindo Tétano Neonatal Venéreo Doença dos Legionários Infeção por Echerichia Coli produtora de Toxina Shiga ou Tétano Neonatal Vero (Stec/Vtec) Doença invasiva Meningocócica Infeção por vírus do Nilo Ocidental Tosse Convulsa Doença invasiva Pneumocócica Leishmaniose Visceral Toxoplasmose Congénita Doença Invasiva por Haemophilus Influenzae Leptospirose Triquinelose Ébola (2014) Listeriose Tuberculose Equinococose/Hidatidose Malária Tularémia Febre Amarela MERS-CoV (2015) Variante da Doença de Creutzfelt-Jacob (vdcj) Febre Escaro-Nodular (Rickettiose) Paralisia Flácida Aguda Varíola Febre Q Parotidite Epidémica VIH (Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana) e SIDA Febres Tifóide e Paratifóide Peste Yersiniose Febres Hemorrágicas Virais e Febres por Arbovírus Poliomielite Aguda Resistência aos antimicrobianos Fonte: Despacho 5681-A-2014 de 29 de abril, retificado pela Declaração de Retificação n.º 609-A/2014 de 16 de junho Nota: Após a publicação do despacho, foram introduzidas no SINAVE duas doenças, decorrentes da publicação de orientações da DGS: em 2014 Ébola (Orientação nº 012/2014 de 08/08/2014) e em 2015 Infeção pelo novo Coronavírus Middle East Respiratory Syndrome (MERS-CoV) (Orientação nº 008/2015 de 30/06/2015). 13

14 REGULAMENTO DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS E OUTROS RISCOS EM SAÚDE PÚBLICA A notificação, clínica e laboratorial, é efetuada mediante preenchimento de um formulário eletrónico disponível na aplicação informática de suporte ao SINAVE, podendo o preenchimento ser feito por mecanismos automáticos de interoperabilidade entre os respetivos sistemas informáticos e a aplicação informática de suporte ao SINAVE Portaria nº 22/2016 de 10 de Fevereiro 14

15 Laboratórios Como notificar? 1. Através de acesso direto ao site do SINAVE: 2. Através de interoperabilidade entre o SINAVE e as aplicações informáticas laboratoriais 15

16 Arquitetura funcional Fluxo de informação Médico assistente Laboratório Acompanha todo o sistema (DGS) Pesquisa ao RNU Enviar alerta (SMS / ) Autoridades de Saúde (AS) Sim Notificação Alerta? AS Local AS Regional DGS x Valida Caso Invalida Caso Valida Caso Invalida Caso Invalida Caso Valida Caso Descartar Notificação x Inquérito Epidemiológico Cria surto Atualiza estatísticas doença Comunica ao ECDC /OMS Legenda: Formulário SINAVE Webservice/Processo automático Decisão automatizada Decisão manual 16

17 Notificação laboratorial - prazos 1 - Doenças suscetíveis de constituir uma emergência em saúde pública imediatamente 2 Restantes doenças - prazo máximo de 24 horas contadas desde o diagnóstico Prazos fixados decorrem das obrigações de vigilância epidemiológica nacional e internacional Portaria nº 22/2016 de 5 de Agosto 17

18 SINAVE Período de transição 1 de Setembro de Dezembro 2016 Registo dos Laboratórios e profissionais Atribuição de Password de acesso e Nome de utilizador Disponível a partir de 1 de Junho de 2016 Devem testar e guardar passwords 1 Janeiro 2017 Notificação eletrónica obrigatória para todos os laboratórios 18

19 Auto-registo de laboratório

20 Vigilância epidemiológica em tempo real 20

21 Helpdesk de apoio Telefone (disponível entre as 09:00 e as 17:00) Helpdesk para apoio informático (24h): Telefone

22 Informação atualizada: espaço SINAVE (barra lateral esquerda) 22

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 2011-2014 VOLUME I - Portugal DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 2011-2014 2011-2014 VOLUME I - PORTUGAL DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA 2015 Portugal. Direção-Geral da Saúde

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 29-212 VOLUME I DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 29-212 29-212 VOLUME I DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Março de 214 Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 2011-2014 VOLUME II Regiões DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 2011-2014 2011-2014 VOLUME II Regiões DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA 2015 Portugal. Direção-Geral da Saúde

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 2010-2013 VOLUME I - Portugal DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 2010-2013 2010-2013 VOLUME I - PORTUGAL DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA 2015 Portugal. Direção-Geral da Saúde.

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO NACIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA (SINAVE)

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO NACIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA (SINAVE) RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO NACIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA (SINAVE) 2016 Portugal. Direção-Geral da Saúde Direção de Serviços de Informação e Análise Divisão de Epidemiologia

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica. Manual do Utilizador: Departamento de Saúde Pública Regional

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica. Manual do Utilizador: Departamento de Saúde Pública Regional Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica Manual do Utilizador: Departamento de Saúde Pública Regional Versão: Abril 2014 Índice 1. Glossário... 4 2. Entrar e sair do SINAVE... 7 2.1 Entrar no sistema

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

PORTARIA Nº. 5, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006.

PORTARIA Nº. 5, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006. PORTARIA Nº. 5, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006. Inclui doenças na relação nacional de notificação compulsória, define doenças de notificação imediata, relação dos resultados laboratoriais que devem ser notificados

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica. Manual do Utilizador: Delegado de Saúde Pública da Unidade Saúde Pública

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica. Manual do Utilizador: Delegado de Saúde Pública da Unidade Saúde Pública Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica Manual do Utilizador: Delegado de Saúde Pública da Unidade Saúde Pública Versão: Abril 2014 Índice 1. Glossário... 5 2. Entrar e sair do SINAVE... 8 2.1 Entrar

Leia mais

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA CONJUNTA Nº 20, DE 25 DE MAIO DE 2005.

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA CONJUNTA Nº 20, DE 25 DE MAIO DE 2005. Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA CONJUNTA Nº 20, DE 25 DE MAIO DE 2005. O Secretário de Atenção à Saúde e o Secretário de Vigilância em Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando

Leia mais

6. DOENÇAS INFECCIOSAS

6. DOENÇAS INFECCIOSAS 6. DOENÇAS INFECCIOSAS 6.1. Introdução As doenças infecciosas têm vindo a reassumir relevância crescente a nível europeu e mundial. O aparecimento de novas doenças transmissíveis e a re-emergência de

Leia mais

Nota Informativa 06/10/2015

Nota Informativa 06/10/2015 Secretaria Municipal de Saúde - Diretoria de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Prezados Colegas. Considerando a Portaria MS/GM nº 1.271, de 6 de junho de 2014, que define a Lista

Leia mais

SCIH NOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS COMPULSÓRIAS

SCIH NOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS COMPULSÓRIAS M-N05 1 de 6 Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB; MT 1 INTRODUÇÃO A notificação compulsória consiste na comunicação da ocorrência

Leia mais

PORTARIA Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 1 de 5 26/6/2014 09:23 prev next Destaque: Médicos alertam para perigo do uso da testosterona como "elixir da Ajuda Home Notícias Legislações Infobusca Normas Mensais Home Legislações GM PORTARIA Nº 1.271,

Leia mais

Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais

Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais Secretaria de Estado de Saúde Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais Gilson Jácome dos Reis Coordenador do CIEVS-RJ PRESSUPOSTOS: Cenário epidemiológico Transição demográfica e epidemiológica Diminuição

Leia mais

Coimbra. Síndroma Respiratória Aguda. Forum Nacional no Contexto de uma Nova Estratégia para as Doenças Transmissíveis

Coimbra. Síndroma Respiratória Aguda. Forum Nacional no Contexto de uma Nova Estratégia para as Doenças Transmissíveis Coimbra Síndroma Respiratória Aguda Forum Nacional no Contexto de uma Nova Estratégia para as Doenças Transmissíveis Nova Estratégia Doenças Transmissíveis: Evolução recente, contexto actual e perspectivas

Leia mais

SAÚDE. 436 Diário da República, 1.ª série N.º de fevereiro de 2016

SAÚDE. 436 Diário da República, 1.ª série N.º de fevereiro de 2016 436 Diário da República, 1.ª série N.º 28 10 de fevereiro de 2016 SAÚDE Portaria n.º 22/2016 de 10 de fevereiro A Portaria n.º 248/2013, de 5 de agosto, aprovou o Regulamento de Notificação Obrigatória

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: NÚMERO: 003/2016 DATA: 21/07/2016 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: SINAVElab: Registo de laboratórios para notificação laboratorial SINAVE; SINAVElab; Doenças de Declaração Obrigatória; Notificação

Leia mais

Doenças de Declaração Obrigatória

Doenças de Declaração Obrigatória Doenças de Declaração Obrigatória 1996-2000 Regiões e Sub-Regiões de Saúde no Continente Regiões Autónomas Direcção de Serviços de Informação e Análise Divisão de Epidemiologia Direcção-Geral da Saúde

Leia mais

E I P D I EM E IO I L O OG O I G A

E I P D I EM E IO I L O OG O I G A EPIDEMIOLOGIA Parte - 02 PROFa. MSc. MARISE RAMOS DE SOUZA 1 - COLETA DE DADOS Coleta de Dados A VE desencadeia suas atividades a partir da ocorrência de um evento sanitário caso(s) suspeito(s) ou confirmado(s)

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica. Manual do Utilizador: Médico Notificador

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica. Manual do Utilizador: Médico Notificador Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica Manual do Utilizador: Médico Notificador Versão: Abril 2014 Índice 1. Glossário... 4 2. Entrar e sair do SINAVE... 7 2.1. Entrar no sistema (Log in)... 7 2.2.

Leia mais

Portaria nº de 03 de novembro de 2016

Portaria nº de 03 de novembro de 2016 Portaria nº 1.411 de 03 de novembro de 2016 Define a Lista Estadual de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

RELATÓRIO DE VIGILÂNCIA

RELATÓRIO DE VIGILÂNCIA RELATÓRIO DE VIGILÂNCIA Relatório epidemiológico anual 2012 Síntese Este relatório apresenta uma análise dos dados de vigilância comunicados em relação a 2010 pelos 27 Estados-Membros da UE e os três países

Leia mais

Fonte de Publicação: Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 1 set Seção I, p

Fonte de Publicação: Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 1 set Seção I, p Relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória - Portaria MS nº. 2472 de 31 de agosto de 2010 Órgão: Ministério da Saúde / Gabinete do Ministro Número: 2472 Data Emissão:

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Gerência de Epidemiologia e Informação Secretaria Municipal de Saúde

VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Gerência de Epidemiologia e Informação Secretaria Municipal de Saúde VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Epidemiologia e Informação Secretaria Municipal de Saúde Gerência de Vigilância em Saúde e Informação 1) Gerência de Epidemiologia e Informação 2) Gerência de Saúde do Trabalhador

Leia mais

Atualizado em 14 de janeiro de SEPIH - Serviço de Epidemiologia Hospitalar

Atualizado em 14 de janeiro de SEPIH - Serviço de Epidemiologia Hospitalar 8 SEPIH - Serviço de Epidemiologia Hospitalar O Serviço de Epidemiologia Hospitalar (SEPIH) foi implantado em outubro de 2003, com inauguração formal em março de 2004 Inicialmente estava subordinado a

Leia mais

O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde

O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde Sandra Paulo Laboratório de Microbiologia Serviço de Patologia Clínica - CHCB Infeções associadas

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Serviço de Epidemiologia Hospitalar HC - UFPR Estratégia Núcleos de Epidemiologia Hospitalar Captação oportuna de formas moderadas e graves de eventos

Leia mais

Alteração da tipologia do indicador passando a ser específico para municípios (o Sistema SISPACTO terá procedimentos ambulatoriais de média

Alteração da tipologia do indicador passando a ser específico para municípios (o Sistema SISPACTO terá procedimentos ambulatoriais de média Alterações das Fichas de Qualificação dos Indicadores a serem incorporados na 2ª Edição do Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015 Quadro/Indicador Campo da Ficha de Qualificação

Leia mais

Epidemiologia de Doenças Transmissíveis. Manuel Carmo Gomes

Epidemiologia de Doenças Transmissíveis. Manuel Carmo Gomes Epidemiologia de Doenças Transmissíveis Manuel Carmo Gomes mcgomes@fc.ul.pt Humanos: um recurso a explorar Parasitismo e doenças associadas, desde que existe vida na Terra Agentes etiológicos dos humanos

Leia mais

séries Informação e análise

séries Informação e análise séries Informação e análise ano I nº 1 fevereiro 217 ATUALIZAÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO: PNV 217 editorial ficha técnica Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e

Leia mais

Vigilância Epidemiológica

Vigilância Epidemiológica Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia Vigilância

Leia mais

Pagina WEB: Nesta página vocês encontrarão as atualizações semanais, boletins, portarias, manuais...

Pagina WEB:  Nesta página vocês encontrarão as atualizações semanais, boletins, portarias, manuais... 8. SEPIH - Serviço de Epidemiologia Hospitalar O Serviço de Epidemiologia Hospitalar foi implantado em outubro de 2003, com inauguração formal em março de 2004. Inicialmente estava subordinado a Gerencia

Leia mais

PLANILHAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA DE DOENÇAS ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL

PLANILHAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA DE DOENÇAS ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 50/99 PLANILHAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA DE DOENÇAS ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução Nº 91/93 do

Leia mais

Vigilância epidemiológica

Vigilância epidemiológica Curso de Graduação em Saúde Coletiva Disciplina: Bases Conceituais de Vigilância em Saúde Vigilância epidemiológica Prof. Dr. Antonio José Leal Costa IESC/UFRJ 2011 Vigilância epidemiológica Histórico

Leia mais

Introdução aos modelos de transmissão de doenças infecciosas

Introdução aos modelos de transmissão de doenças infecciosas Introdução aos modelos de transmissão de doenças infecciosas LNCC, Curso de Verão Janeiro, 2008 Modelos matemáticos de dinâmica de populações População é uma coleção de pessoas ou indivíduos de uma espécie

Leia mais

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos Diagnóstico Social de Oeiras 2013 Anexos Fevereiro de 2014 SAÚDE POPULAÇÃO Anexo 1 INDICADORES Densidade populacional (hab./km 2 ) 3766,6 População residente, segundo os grandes grupos etários e sexo (nº):

Leia mais

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão.

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. 1 Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. SÍNDROMES OU CONDIÇÃO CLÍNICA PATÓGENOS POTENCIAIS PRECAUÇÕES EMPIRICAS Diarréia: Aguda, por provável

Leia mais

Avaliação do Programa Regional de Vacinação a 31/12/2016

Avaliação do Programa Regional de Vacinação a 31/12/2016 Avaliação do Programa Regional de Vacinação a 31/12/2016 1. Introdução e Metodologia A avaliação do cumprimento do Programa Regional de Vacinação (PRV) realiza-se com uma periodicidade semestral e anual,

Leia mais

Homo sapiens CLASSIFICAÇÃO BIOLÓGICA, VÍRUS E BACTÉRIAS 23/02/2016 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO. Unidade do sistema de classificação

Homo sapiens CLASSIFICAÇÃO BIOLÓGICA, VÍRUS E BACTÉRIAS 23/02/2016 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO. Unidade do sistema de classificação CLASSIFICAÇÃO BIOLÓGICA, VÍRUS E BACTÉRIAS IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO SISTEMATIZAÇÃO: A classificação organiza os seres vivos conforme critérios que resumem as principais características dos organismos.

Leia mais

Quadro 1 Coberturas Vacinais do Calendário Básico de Vacinação da Criança < 1 ano de idade, ,Porto Alegre, RS.

Quadro 1 Coberturas Vacinais do Calendário Básico de Vacinação da Criança < 1 ano de idade, ,Porto Alegre, RS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Equipe de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre. ANO XIV NÚMERO 47 FEVEREIRO DE 2012 Editorial

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA Ano/Semestre: 2006/1 CURSO: Medicina DEPARTAMENTO: Microbiologia e Parasitologia

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DA SAÚDE (2) Diário da República, 2.ª série N.º de abril de Direção-Geral da Saúde

PARTE C MINISTÉRIO DA SAÚDE (2) Diário da República, 2.ª série N.º de abril de Direção-Geral da Saúde 11374-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 82 29 de abril de 2014 PART C MINISTÉRIO DA SAÚD Direção-Geral da Saúde Despacho n.º 5681-A/2014 A Lei n.º 81/2009, de 21 de agosto, prevê que o diretor -geral

Leia mais

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se!

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se! CARTILHA DE VACINAÇÃO Prevenção não tem idade. Vacine-se! A saúde é o nosso bem mais precioso, e a vacinação é um meio acessível, seguro e efetivo de protegê-la! A vacinação protege não apenas aqueles

Leia mais

Programa Nacional de Vacinação (PNV) Avaliação 2013

Programa Nacional de Vacinação (PNV) Avaliação 2013 Programa Nacional de Vacinação (PNV) O Programa Nacional de Vacinação (PNV) é um programa universal, gratuito e acessível a todas as pessoas presentes em Portugal que é gerido, a nível nacional, pela Direcção-Geral

Leia mais

Vacinação em prematuros, crianças e adolescentes

Vacinação em prematuros, crianças e adolescentes Vacinação em prematuros, crianças e adolescentes O Centro de Inovação Unimed-BH publica as orientações sobre o Programa de Imunização para Prematuros, Crianças e Adolescentes, atualizado com as últimas

Leia mais

Medidas de vigilância e controlo no país Plano de Contingência

Medidas de vigilância e controlo no país Plano de Contingência SÍNDROMA RESPIRATÓRIA AGUDA Forum Nacional no contexto de uma nova estratégia para as Doenças Transmissíveis Medidas de vigilância e controlo no país Plano de Contingência Coimbra, 22 de Setembro de 200

Leia mais

Antonio Carlos Frias. Coeficientes

Antonio Carlos Frias. Coeficientes INSTRUMENTOS EPIDEMIOLÓGICOS Antonio Carlos Frias A epidemiologia vem se tornando um instrumento indispensável para o processo de implantação, construção e consolidação do SUS, nas três esferas de governos:

Leia mais

RESPOSTA AOS RECURSOS

RESPOSTA AOS RECURSOS RESPOSTA AOS RECURSOS CARGO: CARGOS DE NÍVEL FUNDAMENTAL QUESTÃO: 02 JUSTIFICATIVA: A banca analisou o requerimento do candidato com o pedido de revisão da questão 02 e fundamentada no seguinte livro:

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT Autores: Eduardo Magalhães Manuela Lucas Colaboração de Carlos Orta Gomes Leonor Murjal Maria do Carmo Santos CRSP: ESTUDO E PLANEAMENTO DA SAÚDE Novembro de 2006

Leia mais

Especialidade: Infectologia

Especialidade: Infectologia Profa. Dra. Walkyria Pereira Pinto Especialidade: Infectologia A Infectologia é uma Área de conhecimento que abrange as doenças causadas por microrganismos os mais diversos, como bactérias, vírus, protozoários

Leia mais

Dra. Tatiana C. Lawrence PEDIATRIA, ALERGIA E IMUNOLOGIA

Dra. Tatiana C. Lawrence PEDIATRIA, ALERGIA E IMUNOLOGIA Vacinação As vacinas são as ferramentas mais poderosas e inofensivas que temos para combater as doenças. Protegem milhões de crianças e adultos das doenças que ameaçam nossas vidas, como poliomielite (paralisia

Leia mais

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Bauru, SP - 2014 Série: Documentos Estatísticos Bauru, SP, agosto de 2014 EXPEDIENTE Departamento de Saúde Coletiva Divisão de Vigilância

Leia mais

Doenças Infecciosas / Transmissíveis

Doenças Infecciosas / Transmissíveis Doenças Infecciosas / Transmissíveis Uma doença causada por um agente infeccioso, ou pelos seus produtos tóxicos, que surge num hospedeiro susceptível, devido à transmissão desse agente ou dos seus produtos,

Leia mais

Água. Vigilância, Desafios e Oportunidades. Eng.º Paulo Diegues (DGS) Eng.ª Lúcia Melo (DGS) Dr. Vitor Martins (DGS)

Água. Vigilância, Desafios e Oportunidades. Eng.º Paulo Diegues (DGS) Eng.ª Lúcia Melo (DGS) Dr. Vitor Martins (DGS) Água Vigilância, Desafios e Oportunidades Eng.º Paulo Diegues (DGS) Eng.ª Lúcia Melo (DGS) Dr. Vitor Martins (DGS) Situação actual Segundo o relatório da OMS e da UNICEF 1,1 mil milhões de pessoas no planeta

Leia mais

Danielle Guedes, Talita Wodtke e Renata Ribeiro

Danielle Guedes, Talita Wodtke e Renata Ribeiro Lorena Drumond Danielle Guedes, Talita Wodtke e Renata Ribeiro Leia o texto...... e marque no balão, quantas vezes a palavra vacinas apareceu. Tomar vacinas previne muitas doenças. É importante tomar todas

Leia mais

Noções de Epidemiologia

Noções de Epidemiologia Noções de Epidemiologia Conceito "Epidemiologia é o estudo da freqüência, da distribuição e dos determinantes dos estados ou eventos relacionados à saúde em específicas populações e a aplicação desses

Leia mais

Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel

Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel Definição Os fenômenos estudados pela epidemiologia pertencem ao âmbito coletivo e, portanto, devem remeter ao social. Faz sentido pensar em algum processo

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DA FASE LETIVA DOS CURSOS DE MESTRADO EM DIREITO

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DA FASE LETIVA DOS CURSOS DE MESTRADO EM DIREITO REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DA FASE LETIVA DOS CURSOS DE MESTRADO EM DIREITO Aprovado por deliberação do Conselho Científico da Escola do Porto da Faculdade de Direito em 7 de fevereiro de

Leia mais

TERCEIRA RETIFICAÇÃO ANEXO III CONTEUDO PROGRAMÁTICO

TERCEIRA RETIFICAÇÃO ANEXO III CONTEUDO PROGRAMÁTICO TERCEIRA RETIFICAÇÃO A Prefeitura Municipal de Monte Azul Paulista Estado de São Paulo, usando de suas atribuições legais nos termos do artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal, sob a organização

Leia mais

Inquérito epidemiológico *

Inquérito epidemiológico * Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 5 - OMS Inquérito epidemiológico * A preencher pelo Delegado de Saúde designado pelo Delegado de Saúde Regional da área do Hospital de Referência

Leia mais

Curso de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis em Ambiente Hospitalar. Regulamento Sanitário Internacional RSI -2005

Curso de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis em Ambiente Hospitalar. Regulamento Sanitário Internacional RSI -2005 Curso de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis em Ambiente Hospitalar Regulamento Sanitário Internacional RSI -2005 O novo RSI e o desafio de fortalecer as capacidades de detecção e resposta.

Leia mais

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância epidemiológica no Brasil 1990: Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 2007 SINAN Net - http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

Leia mais

Modelos Epidemiológicos e Vacinação

Modelos Epidemiológicos e Vacinação Programa de Computação Científica - FIOCRUZ 8 de dezembro de 2004 Histórico Doenças Infecciosas Histórico Infecções presentes Agentes Infecciosos Qualidade de vida X Doenças Infecciosas (60s) Câncer e

Leia mais

SEGREDO MÉDICO....Penetrando no interior das Familias, meus olhos serão cegos e minha língua calará os segredos que me forem confiados...

SEGREDO MÉDICO....Penetrando no interior das Familias, meus olhos serão cegos e minha língua calará os segredos que me forem confiados... SEGREDO MÉDICO O segredo médico...penetrando no interior das Familias, meus olhos serão cegos e minha língua calará os segredos que me forem confiados... Hipócrates, 460 a.c. Objetivo da aula: Demonstrar

Leia mais

Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde

Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade Departamento de Epidemiologia e Bioestatística Epidemiologia

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

ESTUDOS DE MORBIDADE 12/4/2012. Paul Valéry: A saúde é o estado no qual as funções necessárias se cumprem insensivelmente ou com prazer

ESTUDOS DE MORBIDADE 12/4/2012. Paul Valéry: A saúde é o estado no qual as funções necessárias se cumprem insensivelmente ou com prazer Segundo Scadding ESTUDOS DE MORBIDADE "a busca de um conceito unificado de doença é uma perda de tempo. De fato, estou tentado a comparar os esforços dos que o buscam com a luta dos teólogos contra o problema

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016 Grupo alvo Idade BCG Hepatite B (1) VIP e VOP (10) Pentavalente Pneumo 10 Rotavírus (2) Meningo C Hepatite A Febre Amarela (3) Tríplice Viral (4) Tetraviral (5) HPV dtpa (8) Influenza (gripe) (9) Dupla

Leia mais

Semana Europeia da Vacinação (24 Abril 1 Maio 2010)

Semana Europeia da Vacinação (24 Abril 1 Maio 2010) Semana Europeia da Vacinação (24 Abril 1 Maio 21) Press Kit, 23/4/21 Introdução A vacinação é considerada, entre todas as medidas de saúde pública, a que melhor relação custo-efectividade tem evidenciado.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. 01/2011 EDITAL DE RETIFICAÇÃO O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E

Leia mais

ABORDAGEM DOS CONTEÚDOS SOBRE INFECÇÃO HOSPITALAR NO CURSO DE ENFERMAGEM: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE AS IES DO PARANÁ E DA UNIOESTE 1

ABORDAGEM DOS CONTEÚDOS SOBRE INFECÇÃO HOSPITALAR NO CURSO DE ENFERMAGEM: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE AS IES DO PARANÁ E DA UNIOESTE 1 1 ABORDAGEM DOS CONTEÚDOS SOBRE INFECÇÃO HOSPITALAR NO CURSO DE ENFERMAGEM: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE AS IES DO PARANÁ E DA UNIOESTE 1 Débora Cristina Ignácio Alves 2 INTRODUÇÃO: O Curso de Enfermagem

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA Universidade do Minho 2007 Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA RIA Fernando Costa Silva UOSP - Braga Definição Monitorizar Sistema dinâmico que permite

Leia mais

Vigilância Epidemiológica Hospitalar

Vigilância Epidemiológica Hospitalar Vigilância Epidemiológica Hospitalar Ana Freitas Ribeiro Instituto de Infectologia Emílio Ribas - SES - SP III Capacitação em Vigilância Epidemiológica Hospitalar SES/CEVS/DVE POA 24 a 26/11/2015 Definição

Leia mais

MORBILIDADE POR HIV/SIDA (casos notificados/diagnosticados) Operação Estatística: Código: 447. Versão: 1.0

MORBILIDADE POR HIV/SIDA (casos notificados/diagnosticados) Operação Estatística: Código: 447. Versão: 1.0 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS Operação Estatística: MORBILIDADE POR HIV/SIDA (casos notificados/diagnosticados) Código: 447 Versão: 1.0 Maio de 2006 1 DOCUMENTO

Leia mais

PARTE C SAÚDE (2) Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de Direção-Geral da Saúde

PARTE C SAÚDE (2) Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de Direção-Geral da Saúde 37142-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 243 21 de dezembro de 2016 PART C SAÚD Direção-Geral da Saúde Despacho n.º 15385-A/2016 A Lei n.º 81/2009, de 21 de agosto, prevê que o Diretor -Geral da Saúde

Leia mais

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS Prefeitura Municipal de Corumbá Paulo Roberto Duarte Secretária Municipal de Saúde Dinaci Vieira Ranzi Gerência de Vigilância em Saúde Viviane Campos Ametlla Coordenação

Leia mais

AULA 5 O processo epidêmico

AULA 5 O processo epidêmico Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto. Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II AULA 5 O processo epidêmico 2016-2 1 No período de outubro de 1980 até maio de 1981, 5 homens

Leia mais

Vacinas. Tem na Previnna? Ao nascer 1 mês. 24 meses 4 anos. 18 meses 2 anos/ 12 meses. 15 meses. 5 meses. 4 meses. 8 meses. 3 meses. 6 meses.

Vacinas. Tem na Previnna? Ao nascer 1 mês. 24 meses 4 anos. 18 meses 2 anos/ 12 meses. 15 meses. 5 meses. 4 meses. 8 meses. 3 meses. 6 meses. Dos 2 aos 1 1 BCG ID Dose única Hepatite B, TANTO A VACINA HEPATITE B QUANTO A VACINA HEXAVALENTE (DIFTERIA, TÉTANO, Tríplice Bacteriana (Difteria, Tétano e Coqueluche) Haemophilus influenzae b, TANTO

Leia mais

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1 COMPONENTE 1 Não consta, como propósito basilar da Portaria 1395/1999, do Ministério da Saúde, que aprova a Política Nacional do Idoso: A) a promoção do envelhecimento saudável. B) a manutenção e a melhoria,

Leia mais

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1 COMPONENTE 1 Não consta, como propósito basilar da Portaria 1395/1999, do Ministério da Saúde, que aprova a Política Nacional do Idoso: A) a promoção do envelhecimento saudável. B) a manutenção e a melhoria,

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE 2013 IDADE VACINA A PARTIR DO NASCIMENTO 2 MESES BCG 1 HEPATITE B 2 VACINA VIP 3 PENTAVALENTE 7 ROTAVÍRUS

Leia mais

Trabalho Final Atividades Integradoras IV. Aline dos Santos Novaes Martins

Trabalho Final Atividades Integradoras IV. Aline dos Santos Novaes Martins Trabalho Final Atividades Integradoras IV Aline dos Santos Novaes Martins Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo CVE/SP Missão A missão do Centro de Vigilância Epidemiológica Alexandre

Leia mais

5_-_Doenças_infecciosas_e_parasitárias. Lista das doenças profissionais 5 - Doenças infecciosas e parasitárias

5_-_Doenças_infecciosas_e_parasitárias. Lista das doenças profissionais 5 - Doenças infecciosas e parasitárias Lista das doenças profissionais 5 - Doenças infecciosas e parasitárias Código Factores de risco Doenças ou outras manifestações clínicas 51.01 Bacilo tetânico Tétano (nos casos em que não for considerado

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de Vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

ECDC VIGILÂNCIA. Relatório epidemiológico anual 2011. Infeções do trato respiratório. Resumo

ECDC VIGILÂNCIA. Relatório epidemiológico anual 2011. Infeções do trato respiratório. Resumo ECDC VIGILÂNCIA Relatório epidemiológico anual 2011 Resumo Este relatório apresenta uma análise dos dados de vigilância comunicados em relação a 2009 pelos 27 Estados- Membros da UE e os três países do

Leia mais

MÓDULO 3. Por hospedeiro entende-se ser o homem ou animal vivo que oferece condições para o agente se alojar, por exemplo, aves, artrópodes...

MÓDULO 3. Por hospedeiro entende-se ser o homem ou animal vivo que oferece condições para o agente se alojar, por exemplo, aves, artrópodes... MÓDULO 3 1. DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS: CLASSIFICAÇÃO E CONCEITOS. 2. EPIDEMIOLOGIA E PREVENÇÃO DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS. 3. SISTEMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. 4. EPIDEMIOLOGIA HOSPITALAR. 1. DOENÇAS

Leia mais

Sistema de Vigilância das Zoonoses e das Doenças Transmitidas pelos Alimentos

Sistema de Vigilância das Zoonoses e das Doenças Transmitidas pelos Alimentos IV Ciclo de Conferências de Saúde Pública Veterinária Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar Universidade do Porto Porto, 12 de Junho 2010 Sistema de Vigilância das Zoonoses e das Doenças Transmitidas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde Considerando a confirmação de um caso de sarampo e quatro fortemente suspeitos no Ceará; Considerando a confirmação de surto de sarampo em Pernambuco e casos confirmados relacionados à importação, nos

Leia mais

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Saúde PARTE C. Segunda-feira, 16 de junho de 2014 Número 113

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Saúde PARTE C. Segunda-feira, 16 de junho de 2014 Número 113 II SÉRI Segunda-feira, 16 de junho de 2014 Número 113 ÍNDIC SUPLMNTO PART C Ministério da Saúde Direção-Geral da Saúde: Declaração de retificação n.º 609-A/2014: Retifica o despacho n.º 5681-A/2014, de

Leia mais

2.ª ACTUALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO, IP. Ministério da Saúde. PROGRAMA VACINAÇÃO - Projecto A excelência na vacinação

2.ª ACTUALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO, IP. Ministério da Saúde. PROGRAMA VACINAÇÃO - Projecto A excelência na vacinação Ministério da Saúde DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA E PLANEAMENTO 2.ª ACTUALIZAÇÃO - 2007 PROGRAMA VACINAÇÃO - Projecto A excelência na vacinação EXCELÊNCIA NA VACINAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO NOTA PRÉVIA

Leia mais

PORTARIA No- 204, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2016

PORTARIA No- 204, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PORTARIA No- 204, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2016 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

16/4/2010 NOTIFICAÇÃO SARAMPO NOTIFICAÇÃO RUBÉOLA

16/4/2010 NOTIFICAÇÃO SARAMPO NOTIFICAÇÃO RUBÉOLA Agravos Epidemiológicos Parte - 02 PROFa. MSc. MARISE RAMOS SARAMPO A notificação do sarampo é obrigatória e imediata. Deve ser realizada por telefone à secretaria municipal de saúde, dentro das primeiras

Leia mais

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Vigilância Epidemiológica Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar 70.058-900 Brasília-DF Tel. 3315 2755/2812 NOTA TÉCNICA

Leia mais

Aids em Pedia tria edia

Aids em Pedia tria edia Aids em Pediatria AGENDA Considerações epidemiológicas atuais Prevenção da transmissão vertical Diagnóstico em Pediatria Noções básicas de tratamento Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº

Leia mais

Direcção de Serviços de Saúde e Protecção Animal

Direcção de Serviços de Saúde e Protecção Animal REQUISITOS LEGAIS DE GESTÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLO NO DOMÍNIO DA SAÚDE ANIMAL DIIRECÇÃO GERA LL DE VETERIINÁRIIA DIIRREECCÇÃÃ OO DDEE SEERRVVII ÇÇOOSS DDE SAAÚÚDDEE EE PROOTTEECCÇÇÃÃOO A NNIIMAALL

Leia mais

SBP - Calendário ideal para a Criança SBP lança Calendário de Vacinação 2008

SBP - Calendário ideal para a Criança SBP lança Calendário de Vacinação 2008 SBP - Calendário ideal para a Criança 2008 SBP lança Calendário de Vacinação 2008 Nota s: 1. A vacina contra hepatite B deve ser aplicada nas primeiras 12 horas de vida. A segunda dose pode ser feita com

Leia mais