Introdução/Resumo Executivo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução/Resumo Executivo"

Transcrição

1 Introdução/Resumo Executivo O aumento de disponibilidade de banda-larga tem proporcionado um aumento na utilização de aplicações com requisitos de tempo-real, tais como a Voz sobre IP (VoIP) ou Streaming de vídeo e áudio. Este tipo de aplicações na Internet tem proporcionado novos modelos de negócio aos operadores tradicionais e entrantes, ofertas de novos serviços tais como a Voz sobre IP, IPTV, Video-on-demand, Push-to-talk, entre outros. Este tipo de serviços é normalmente disponibilizado directamente ao terminal do utilizador, via canal descendente. No caso das aplicações com requisitos de tempo real, o desafio está nas características e capacidade que o canal de downstream oferece. Nomeadamente, a capacidade de fornecer débitos elevados, perdas de pacotes reduzidas, e baixos valores de atraso e jitter são factores fundamentais para o correcto funcionamento de aplicações desta natureza. No caso concreto das aplicações de streaming de vídeo e áudio, são toleradas perdas de pacotes, mas são sensíveis ao atraso, e sobretudo à sua variação jitter. A perda esporádica de algumas frames de vídeo ou áudio, pode não degradar a experiência de utilização do cliente, mas um valor de atraso ou jitter demasiado altos podem dificultar a sincronização do vídeo e áudio, causar paragens constantes na transmissão, ou incapacitar a correcta construção de uma imagem completa, causando o aparecimento de artefactos visuais. A rede de acesso em análise é uma rede de terceira geração 3G CDMA 450 com acesso a Internet Móvel de banda larga, da operadora Radiomóvel Zapp. O objectivo deste relatório é apresentar resultados de testes efectuados, que visam concluir acerca da viabilidade de utilização de um sistema de streaming audio e vídeo com requisitos de tempo real, no sentido descendente. Os testes efectuados visam medir o desempenho da rede de acesso em termos de largura de banda disponível, atraso, variações de atraso, e perdas de pacotes em ambiente heterogéneo. Foram realizados entre Maio e Agosto de 2008, em diversos períodos do dia (manhã, tarde, noite), em regime estacionário. Os locais de teste foram as instalações da operadora Radiomóvel em Sintra e o campus do IST no TagusPark. São apresentados ao longo deste relatório os tipos de testes efectuados e respectivos

2 objectivos, a metodologia seguida, os principais resultados obtidos e elaboram-se conclusões. Em anexo remetem-se os dados recolhidos pelas ferramentas de teste, que foram alvo de análise neste estudo. Ambiente de Teste O ambiente de teste utilizado é demonstrado na figura seguinte: O Servidor de Streaming utilizado é o Darwin Streaming Server, instalado no core da rede Zapp, com o endereço público O cliente móvel utiliza um modem Zapp CDMA2000 modelo z010, a correr no sistema operativo Ubuntu 8.04, com o endereço público ou Os testes foram realizados utilizando ambos os modos 1x-RTT e EV-DO, alternadamente, e nunca no modo híbrido. Foram efectuados testes indoor nas instalações da Zapp em Sintra e no campus IST-Taguspark, ambos em horário de expediente. Em todas as situações o cliente encontra-se fixo.

3 Metodologia de Teste Tipos de Teste Foram efectuados os seguintes testes: Latência Jitter Largura de Banda em Downstream Qualidade Subjectiva de Vídeo/Aúdio Perdas de Pacotes Teste de Longa Duração Para caracterizar um serviço de video streaming é necessário ter em conta vários aspectos a nível da rede de acesso, que influenciam a qualidade perceptível ao utilizador. A latência é o atraso verificado entre um dado pedido é o ínicio da resposta a esse pedido, sendo um parametro fundamental num sistema de streaming, devido aos requisitos de tempo real de uma aplicação de vídeo e aúdio. Como tal, foram efectuados testes para medir este parametro sob várias condições. Para que o vídeo e aúdio sejam apresentados em tempo-real e sem degradação da qualidade perceptível no cliente, é necessário que os buffers dos descodificadores estejam constantemente preenchidos com os dados de aúdio e vídeo. Como tal o jitter é um parametro a avaliar, sendo que optimamente este deveria ser o mais baixo possível. Igualmente a perda de pacotes é um factor crítico para a descodificação de vídeo no cliente, pois a perda de pacotes RTP pode levar à perda de tramas de vídeo e aúdio fundamentais à correcta construcção da imagem, degradando a qualidade. A largura de banda requerida por aplicações multimédia é geralmente alta, por longos períodos de tempo. Quanto maior for a largura de banda disponível, maior é o nível de qualidade que se consegue oferecer ao cliente, tirando partido de uma menor ou maior compressão por parte do codificador. Ferramentas Para cada tipo de teste, foram utilizadas as seguintes ferramentas: Latência: Ferramenta ping do sistema operativo Jitter: Ferramenta ping do sistema operativo Largura de banda: Iperf Qualidade perceptível: Quicktime Pro e VLC Media Player e Perdas de pacotes: Wireshark , Iperf

4 O sistema operativo utilizado foi o Ubuntu O servidor de Streaming utilizado foi o Darwin Streaming Server Procedimentos Teste de Latência De modo a simular as condições de transporte dos pacotes de RTP de vídeo e aúdio, realizou-se o teste de ping a partir do cliente com os seguintes parametros: Pacotes de 128 bytes (120 payload + 8 header ICMP) Cadência: 100 ms # ping s 120 i 0.1 <IP interno> <IP interno> é um IP público da rede Zapp. A duração de cada teste foi de 10 minutos, entre as 15 e as 17h. Teste de Largura de Banda e Jitter Para testar a largura de banda em downstream, é gerado tráfego numa máquina no core da rede para um cliente com acesso rádio. O iperf permite igualmente medir o valor do jitter. Para tal, correu-se a ferramenta iperf em modo cliente no core e em modo servidor no dispositivo móvel. O comando para correr o iperf em modo servidor no cliente zapp é: # iperf s u i 0.5 p 6970 O comando a executado na máquina do core é: # iperf c x u t 600 i 0.5 b 2.4M p 6970 Este teste tem a duração de 600 segundos (10 minutos), transporte em UDP no porto 6970 com envio à saída do core de 2.4 Mbit/s. O output é gerado com granularidade de 500 ms. O teste foi realizado entre as 15 e as 17h. Teste de Perdas de Pacotes Para este teste efectuaram-se capturas de pacotes de streaming de vídeo (RTP), utilizando o Wireshark no cliente Zapp. A duração de cada teste foi de 10 minutos, entre as 15 e as 17h. Após a captura foram analisados os números de sequência dos pacotes recebidos, contando para tal

5 pacotes fora de ordem e perdidos. Teste de Qualidade Perceptível - QoE Neste teste utilizou-se o servidor Darwin para streaming de vídeo com parâmetros de codificação distintos (bitrate e framerate) com o codec MPEG4 - AVC (H264). A duração de cada teste foi de 15 minutos, em horários distintos. Através de um cliente Quicktime ou VLC Media Player, analisou-se a qualidade visual subjectiva e atribuíram-se pontos considerando diversos factores: Presença de artefactos visuais Falhas na imagem e/ou som Dessincronização entre aúdio e vídeo Pausas a meio da sessão Quebra total da sessão, etc Seguem-se alguns exemplos para ilustrar o método de classificação: Mau, Razoável, Bom/Muito Bom Níveis de classificação atribuídos: Mau: Imagem e som imperceptíveis. Impossibilidade de acompanhar a transmissão. Razoável: Imagem e som perceptíveis mas com falhas. Artefactos visuais e auditivos esporádicos que degradam a experiência de utilização. Pausas frequentes na visualização. Bom: Imagem e som bastante perceptíveis, com reduzidas falhas e artefactos visuais. Muito Bom: Total ausência de falhas ou artefactos. Qualidade óptima. Resultados Os resultados obtidos para cada tipo de teste efectuado são apresentados seguidamente. Teste de Latência Sistema EV-DO

6 Payload size RTT médio RTT mínimo RTT máximo Desvio Padrão Sistema 1xRTT

7 Payload size RTT médio RTT mínimo RTT máximo Desvio Padrão

8 Teste de Largura de Banda Sistema Analisado Débito Médio Goodput (Kbps) Débito máximo (Kbps) Débito mínimo (Kbps) Desvio Padrão (Kbps) 1xRTT EV-DO Sistema 1xRTT Sistema EV-DO

9 Teste de Jitter Sistema Analisado Jitter médio Jitter máximo Jitter mínimo Desvio Padrão 1xRTT EV-DO

10 Teste de Qualidade Perceptível QoE O teste foi efectuado com streaming a três níveis de qualidade distintos, correspondendo a bitrates de 50, 100 e 300 kbit/s. Foram efectuados testes nos dois modos de ligação do cliente, 1xRTT e EV-DO. Modo de Ligação Cliente Stream bitrate (kbit/s) Qualidade Observada (*) 1xRTT 50 Muito Bom 100 Razoável / Bom 300 n.a. EV-DO 50 Muito Bom 100 Muito Bom 300 Razoável / Bom (*) Os resultados observados são indicativos médios e variam consoante a localização, hora, indoor/outdoor

11 Teste de Perdas de Pacotes As perdas de pacotes correspondem a pacotes RTP de aúdio e vídeo transmitidos que não foram entregues ao cliente, ou que chegam fora de ordem sendo descartados pelo descodificador. O teste foi efectuado com streaming a três níveis de qualidade distintos, correspondendo a bitrates de 50, 100 e 300 kbit/s. Foram efectuados testes nos dois modos de ligação do cliente, 1xRTT e EV-DO. Modo de Ligação Cliente 1xRTT EV-DO Stream bitrate (kbit/s) Pacotes Enviados Pacotes Perdidos Pacotes Perdidos (%) O teste de perda de pacotes foi efectuado através da ferramenta ping, de modo a testar diversos valores de payload. Novamente, foram efectuados testes nos dois modos de ligação do cliente. Modo de Ligação Cliente 1xRTT EV-DO Payload (bytes) Pacotes Enviados Pacotes Perdidos Pacotes Perdidos (%)

12 Teste de Longa Duração O teste de longa duração visou testar o comportamento do sistema numa transmissão streaming longa, por exemplo, para um utilizador que visualiza um filme completo em ambiente estacionário, e durante 60 minutos. As condições que simulam esta situação são um bitrate médio de 500kbit/s, payload de 1470 bytes (aproximado ao MTU de 1500 bytes) em modo EV-DO, ou bitrate médio de 150kbit/s, payload de 1470 bytes (aproximado ao MTU de 1500 bytes) em modo 1xRTT. Modo de Ligação Cliente Payload aproximado (bytes) Pacotes Enviados Pacotes Perdidos Pacotes Perdidos (%) Ritmo binário médio (receptor) Jitter médio Dados Transmitidos (Mbyte) EV-DO Kbit/s xRTT Kbit/s Conclusões Referências Anexos

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório. DESEMPENHO E LIMITAÇÕES DE REDES SEM FIOS IEEE802.11 1- Introdução

REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório. DESEMPENHO E LIMITAÇÕES DE REDES SEM FIOS IEEE802.11 1- Introdução Mestrado em Engª de Redes de Comunicações REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório 3º ano, 1º semestre, 2010/11 Segunda-Feira, 16:30h Alunos Nome Número João Salada 57849 Marco Alves 57846

Leia mais

Mestrado em Engª de Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Móveis Trabalho de Laboratório (2007/2008)

Mestrado em Engª de Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Móveis Trabalho de Laboratório (2007/2008) Mestrado em Engª de Redes de Comunicações Redes de Comunicações Móveis Trabalho de Laboratório (2007/2008) 2007-10-18 Configuração, caracterização, desempenho e limitações de redes sem fios IEEE802 Objectivo

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Subunidade 6: publicação

Subunidade 6: publicação Disciplina de Aplicações Informáticas B Subunidade 6: publicação Professor: Miguel Candeias Aluno: Francisco Cubal, nº11 12ºA Ano lectivo 2010/2011 1. Divulgação de vídeos e som via rede 1.1. A Internet

Leia mais

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação 1 Intelbras GKM 2210T 1. Instalação 1º Conecte a fonte de alimentação na entrada PWR, o LED Power acenderá; 2º Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED

Leia mais

Introdução. Funcionalidades Principais. Protótipo: Fluxo de execução do Programa Cliente

Introdução. Funcionalidades Principais. Protótipo: Fluxo de execução do Programa Cliente Introdução O protótipo de cliente IPTV proposto diferencia-se pelo módulo de sinalização utilizado em VoD, tanto para estabelecimento como a nível do controlo da sessão. O modelo de sinalização proposto

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Multimédia Prof. António Casimiro / José Rufino Email: docentes rcp@listas.di.ciencias.ulisboa.pt 2015/2016 Multimédia e Qualidade de Serviço Aplicações multimédia: Áudio e vídeo

Leia mais

7. DIVULGAÇÃO DE VÍDEOS E SOM VIA REDE MÉTODO STREAMING

7. DIVULGAÇÃO DE VÍDEOS E SOM VIA REDE MÉTODO STREAMING 7. DIVULGAÇÃO DE VÍDEOS E SOM VIA REDE Internet meio por excelência para a divulgação de todo o tipo de informação. Na época da 2ª guerra mundial, os cientistas necessitavam de divulgar, trocar informações

Leia mais

SIMET Sistema de Medições de Tráfego IP. Fabrício Tamusiunas NIC.BR Milton Kaoru Kashiwakura NIC.BR

SIMET Sistema de Medições de Tráfego IP. Fabrício Tamusiunas NIC.BR Milton Kaoru Kashiwakura NIC.BR SIMET Sistema de Medições de Tráfego IP Fabrício Tamusiunas NIC.BR Milton Kaoru Kashiwakura NIC.BR Questões sobre conectividade Internet O que você realmente sabe sobre sua conectividade com o resto da

Leia mais

Relatório do Laboratório de Redes 5 Professor Valter Roesler. Diogo Costa 180188 Lucas Magrini Rigo 161064

Relatório do Laboratório de Redes 5 Professor Valter Roesler. Diogo Costa 180188 Lucas Magrini Rigo 161064 Relatório do Laboratório de Redes 5 Professor Valter Roesler Diogo Costa 180188 Lucas Magrini Rigo 161064 1) Instalar o software Polycom PVX e estabelecer uma chamada em duplas. Medir o atraso ida e volta

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

Cartilha Informativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão

Cartilha Informativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão Cartilha Informativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão Draft para avaliação 1 de 1 SOFTWARE DE MEDIÇÃO DA QUALIDADE DE CONEXÂO Em cumprimento às obrigações previstas no Regulamento de

Leia mais

Jones Bunilha Radtke. Tarefas:

Jones Bunilha Radtke. Tarefas: Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Tecnólogo em Redes de Computadores Qualidade de Serviços de Rede Prof. Eduardo Monks Camada de Transporte Parte 2 Jones Bunilha Radtke Tarefas: 1.1) O algoritmo Slow

Leia mais

Fluxos Multimédia Armazenados

Fluxos Multimédia Armazenados Fluxos Multimédia Armazenados Técnicas de transmissão de fluxos ao nível da camada de aplicação para obter os melhores resultados dos serviços melhor esforço: buffers no lado do cliente uso de UDP versus

Leia mais

http://www.locamega.com.br

http://www.locamega.com.br Manual W indow s Media Ao vivo Com o Codificador do Microsoft Windows Media (Windows Media Encoder), você poderá converter seu sinal de áudio e vídeo, seja ele ao vivo ou pré gravado, no formato Windows

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Número: Nome: Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Duração: 2,5 horas A prova é sem consulta A prova deve ser

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Intelbras TIP 100. 1. Instalação

Intelbras TIP 100. 1. Instalação 1 Intelbras TIP 100 1. Instalação É necessário que o TIP 100 e seu computador estejam conectados à Internet através de banda larga. A conexão pode ser feita com hub ou switch ligado ao modem roteador ou

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

Unidade Curricular Redes I Prof. Eduardo Maroñas Monks Roteiro de Laboratório Ethernet/Auto-negociação/Largura de Banda

Unidade Curricular Redes I Prof. Eduardo Maroñas Monks Roteiro de Laboratório Ethernet/Auto-negociação/Largura de Banda Unidade Curricular Redes I Prof. Eduardo Maroñas Monks Roteiro de Laboratório Ethernet/Auto-negociação/Largura de Banda Objetivos: Analisar o mecanismo de auto-negociação de conexão Ethernet. Analisar

Leia mais

Qualidade de Serviço de Vídeo em Redes de Dados. Instituto Superior Técnico Novembro de 2004

Qualidade de Serviço de Vídeo em Redes de Dados. Instituto Superior Técnico Novembro de 2004 Qualidade de Serviço de Vídeo em Redes de Dados Mário Serafim Nunes Mário Serafim Nunes Instituto Superior Técnico Novembro de 2004 QdS em serviços de Vídeo 1 Conceitos teóricos QdS em Vídeo Streaming

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA ESCOLA BÁSICA RAINHA SANTA ISABEL Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto Nº453/2004, de 27 de Julho)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA ESCOLA BÁSICA RAINHA SANTA ISABEL Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto Nº453/2004, de 27 de Julho) Nome: Nazmul Alam Nº: 11 Ficha de Trabalho 1. No texto que se segue são mencionados três tipos de rede. Indica quais são. Ao chegar a casa, o Miguel ligou o telemóvel ao PC. Transferiu por bluetooth as

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Cartilha Informativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão

Cartilha Informativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão Cartilha Informativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão Draft para avaliação 1 de 1 SOFTWARE DE MEDIÇÃO DA QUALIDADE DE CONEXÂO Em cumprimento às obrigações previstas no Regulamento de

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Número: Nome: Duração: 1 hora O teste é sem consulta O teste deve ser resolvido

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Internet Access Quality Monitor. Bruno Pires Ramos Prof. Vasco Soares Prof. Alexandre Fonte

Internet Access Quality Monitor. Bruno Pires Ramos Prof. Vasco Soares Prof. Alexandre Fonte Internet Access Quality Monitor Bruno Pires Ramos Prof. Vasco Soares Prof. Alexandre Fonte Escola Superior de Tecnologia - Maio 2008 2 Índice Objectivos Estado da Arte Sistema IAQM Tecnologias Utilizadas

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência Pregão Conjunto nº 27/2007 VIDEOCONFERÊNCIA ANEXO I Termo de Referência Índice 1. Objetivo...3 2. Requisitos técnicos e funcionais...3 2.1.

Leia mais

03.04 Streaming de Vídeo

03.04 Streaming de Vídeo 03.04 Streaming de Vídeo Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Streaming Dados multimédia que são consumidos à mesma velocidade que é enviado pela Internet ou outro tipo

Leia mais

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução.

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução. Sumário 6127. Redes comunicação de dados. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Permite a interação entre pessoas. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Ensino; Trabalho colaborativo; Manutenção

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

Projecto 5º Ano - Engenharia Informática. Orientadores. Prof. Doutor Sá Silva Prof. Mestre Sérgio Duarte

Projecto 5º Ano - Engenharia Informática. Orientadores. Prof. Doutor Sá Silva Prof. Mestre Sérgio Duarte Projecto 5º Ano - Engenharia Informática Orientadores Prof. Doutor Sá Silva Prof. Mestre Sérgio Duarte Sumário Etapas do projecto WhyCry Ponto de Partida Técnicas de Transmissão de vídeo Arquitectura Java

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Latência Tempo entre o início de um evento e o momento que ele se torna perceptível no destino Ex: filmar um relógio

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Vídeo Sob Demanda Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Agenda Introdução Definição do Serviço VoD Desafios do Serviço Tecnologia Necessária Estudo de

Leia mais

6 Redução do Overhead na Interface Aérea para os Pacotes de VoIP Transmitidos no Modo IMS

6 Redução do Overhead na Interface Aérea para os Pacotes de VoIP Transmitidos no Modo IMS 6 Redução do Overhead na Interface Aérea para os Pacotes de VoIP Transmitidos no Modo IMS Este Capítulo objetiva fornecer uma análise para a redução do número de bits a serem transmitidos na interface

Leia mais

Estudo do desempenho de VoIP na presença de tráfego best-effort

Estudo do desempenho de VoIP na presença de tráfego best-effort Estudo do desempenho de VoIP na presença de tráfego best-effort Vasco Pereira, Edmundo Monteiro, Fernando Barros Departamento de Engenharia Informática da Universidade de Coimbra {vasco, edmundo, barros}@dei.uc.pt

Leia mais

Documento publicado em atenção às determinações constantes da Resolução n.º 574/2011.

Documento publicado em atenção às determinações constantes da Resolução n.º 574/2011. Documento publicado em atenção às determinações constantes da Resolução n.º 574/2011. Cartilha Informativa acerca da Qualidade do SCM (Serviço de Comunicação Multimídia) Documento publicado em atenção

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador Viva o momento 3 4 5 5 6 6 7 8 9 12 12 14 16 17 18 19 20 21 22 22 23 23 24 24 24 25 26 27 Ligar o Router LEDs Configuração do Router Aceder à ferramenta de configuração

Leia mais

Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP

Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP Consumo de Banda Codec Taxa de Amostragem (ms) Payload de voice (bytes) Pacotes por segundo Largura de banda consumida G.711 20 160 50 80 kbps G.711

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto em Contexto Empresarial I VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha - Vila Nova de

Leia mais

Plataforma Interativa de Vídeo

Plataforma Interativa de Vídeo Plataforma Interativa de Vídeo Milonga DWM Soluções em Comunicação e Tecnologia Interativa, empresa do Grupo Ciclotron. Desenvolvemos soluções com foco na experiência do usuário, implantado um novo conceito

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1. Avaliação sumário da matéria do capítulo 1

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1. Avaliação sumário da matéria do capítulo 1 REDES DE COMPUTADORES I 007/008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1 Avaliação sumário da matéria do capítulo 1 Pergunta: 1 1. Que tipo de Elemento de Rede é um Cliente? 1 Sistema Terminal ou Host Servidor 3 Encaminhador

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX 19 de Dezembro de 2014 Carlos Leocádio - ee09313@fe.up.pt Tiago Ferreira - ee10085@fe.up.pt Departamento de Engenharia Electrotécnica

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

Manual do utilizador. Aplicação de agente

Manual do utilizador. Aplicação de agente Manual do utilizador Aplicação de agente Versão 8.0 - Otubro 2010 Aviso legal: A Alcatel, a Lucent, a Alcatel-Lucent e o logótipo Alcatel-Lucent são marcas comerciais da Alcatel-Lucent. Todas as outras

Leia mais

Transporte de dados multimédia em Redes de Sensores Sem Fios

Transporte de dados multimédia em Redes de Sensores Sem Fios Transporte de dados multimédia em Redes de Sensores Sem Fios 1 Título da apresentação 17-03-2 Estrutura da Apresentação Motivação, Requisitos e Objectivos Serviço Básico de transporte do DTSN Serviço de

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

IPTV. Anexo ao Manual de Operação do TSW800TP+

IPTV. Anexo ao Manual de Operação do TSW800TP+ Manual de Operação IPTV Anexo ao Manual de Operação do TSW800TP+ Versão: 2 Revisão: 4 Setembro/2010 Direitos de edição Este manual foi elaborado pela equipe da Wise Indústria de Telecomunicações. Nenhuma

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Iran Lima Gonçalves * / Fabrício Lira Figueiredo Álvaro A. M. de Medeiros Agenda O que são Redes Ad Hoc sem Fio?

Leia mais

Fabrício Tamusiunas. Aferição da Qualidade pelo Usuário e defesa de seus direitos. 5º Encontro de Telecomunicações respeito ao consumidor. NIC.

Fabrício Tamusiunas. Aferição da Qualidade pelo Usuário e defesa de seus direitos. 5º Encontro de Telecomunicações respeito ao consumidor. NIC. 5º Encontro de Telecomunicações respeito ao consumidor Aferição da Qualidade pelo Usuário e defesa de seus direitos Fabrício Tamusiunas NIC.br O que é Qualidade da Internet? Qualidade da Internet é muito

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 2. Avaliação sumária da matéria do Capítulo 2

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 2. Avaliação sumária da matéria do Capítulo 2 REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 2 Avaliação sumária da matéria do Capítulo 2 Pergunta: 1 A figura (ver Anexo) ilustra três diagramas de mensagens referentes a pedidos que clientes

Leia mais

Comunicação Inter-Processos. Prof. Adriano Fiorese. Conceitos Iniciais

Comunicação Inter-Processos. Prof. Adriano Fiorese. Conceitos Iniciais Comunicação Inter-Processos Conceitos Iniciais 1 Características para Comunicação Inter-Processos. Passagem de Mensagem pode ser suportada por duas operações de comunicação (send e receive). A comunicação

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

Tecnologia de Sistemas Distribuídos Capítulo 8: Sistemas de Ficheiros Distribuídos Paulo Guedes

Tecnologia de Sistemas Distribuídos Capítulo 8: Sistemas de Ficheiros Distribuídos Paulo Guedes Tecnologia de Sistemas Distribuídos Capítulo 8: Sistemas de Ficheiros Distribuídos Paulo Guedes Paulo.Guedes@inesc.pt Alves Marques jam@inesc.pt INESC/IST 1 Sistema de Ficheiros Distribuídos Permite a

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Equipe: Afonso Sousa, Jhonatan Cavalcante, Israel Bezerra, Wendel Marinho Professor: Fabio

Leia mais

Redes e Telecomunicações

Redes e Telecomunicações Redes e Telecomunicações Comunicação Processo pelo qual uma informação gerada num ponto (origem) é transferida para outro ponto (destino) Telecomunicações Telecomunicação do grego: tele = distância do

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores s de Computadores s de Computadores 2 1 Roteamento como visto cada gateway / host roteia mensagens não há coordenação com outras máquinas Funciona bem para sistemas estáveis e sem erros

Leia mais

Módulo 8 Ethernet Switching

Módulo 8 Ethernet Switching CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 8 Ethernet Switching Comutação Ethernet 2 Segmentação de Redes Numa Ethernet o meio de transmissão é compartilhado Só um nó pode transmitir de cada vez. O aumento

Leia mais

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte?

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte? Lista de Exercícios Camada de Transporte GBC-056 Arquitetura de Redes de Computadores Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia 6 de Julho de 2015 Exercício 1 Para que serve

Leia mais

Sony lança PCS-HG90, o novo modelo de videoconferência no mercado

Sony lança PCS-HG90, o novo modelo de videoconferência no mercado Sony lança PCS-HG90, o novo modelo de videoconferência no mercado Objectivo A Sony possui um leque muito variado de equipamentos de videoconferência que abrange praticamente todas as necessidades do Mercado.

Leia mais

Multimedia networked applications: standards, protocols and research trends

Multimedia networked applications: standards, protocols and research trends Multimedia networked applications: standards, protocols and research trends Maria Teresa Andrade FEUP / INESC Porto mandrade@fe.up.pt ; maria.andrade@inescporto.pt http://www.fe.up.pt/~mandrade/ ; http://www.inescporto.pt

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

TRANSMITINDO CONHECIMENTO ON-LINE

TRANSMITINDO CONHECIMENTO ON-LINE TRANSMITINDO CONHECIMENTO ON-LINE POR MEIO WEB-RÁDIO E WEB-TV 1 BORGES, Caio C. A.; DEUS JÚNIOR, Getúlio A. de; CASTRO, Marcelo S. Escola de Engenharia Elétrica e de Computação, Universidade Federal de

Leia mais

Desempenho. Prof. Thiago Nelson

Desempenho. Prof. Thiago Nelson Desempenho Prof. Thiago Nelson Utilização da Rede A utilização reflete o percentual da capacidade da rede utilizada em um dado instante de tempo. Exemplo: Um tráfego de 30% em um segmento Ethernet 10 Mbpsrepresenta

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP Departamento de Sistemas e Informática Licenciatura em Engenharia Informática Industrial Projecto ARC Ano Lectivo de 2006/2007 EDP Processamento das Leituras dos Contadores de Electricidade dos Consumidores

Leia mais

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL EXPERIMENTOS A realização de experimentos é essencial a qualquer plano de implementação de uma tecnologia. Para a implementação da tecnologia IP multicast foram realizados vários experimentos que abordaram

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 90 minutos * 24.05.2013 =VERSÃO A= 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São 70 perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2005 C(2005) 103/2 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia Parte 1 Principais condições de oferta grossista

Leia mais

QoS para VoIP II: Calculador VoIP de Largura de Banda e Atraso

QoS para VoIP II: Calculador VoIP de Largura de Banda e Atraso QoS para VoIP II: Calculador VoIP de Largura de Banda e Atraso Esta série de tutoriais sobre Qualidade de Serviço (QoS) para Voz sobre IP (VoIP) apresentará algumas particularidades relativas à Qualidade

Leia mais

Redes de Computadores. Problemas 2011/2012

Redes de Computadores. Problemas 2011/2012 Licenciatura em Engenharia Eletrónica (LEE) Licenciatura em Engenharia de Redes de Comunicações (LERC) Redes de Computadores Problemas Prof. Paulo Lobato Correia IST, Área Científica de Telecomunicações

Leia mais

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis Rádio Móvel Privado Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços

Leia mais

Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica

Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica DIRECÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LIGAÇÃO À REDE TELECOMUNICAÇÕES DE SEGURANÇA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica 2012-03-19 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. ESTRUTURA DO

Leia mais

VS-100. H.264 PoE Servidor Vídeo. H.264 Compressão. Comparação Taxa Compressão

VS-100. H.264 PoE Servidor Vídeo. H.264 Compressão. Comparação Taxa Compressão VS-100 H.264 PoE Servidor Vídeo AirLive VS-100 é um canal servidor de vídeo para facilmente actualizar a sua antiga camera CCTV numa camera IP com capacidade-rede e assim converter o seu sistema local

Leia mais

Trabalhos Relacionados 79

Trabalhos Relacionados 79 Trabalhos Relacionados 79 6 Avaliação e Testes Neste capítulo são apresentados alguns testes que foram realizados com o a solução de Gerenciamento de Mobilidade (API SIP User Agent) e com o sistema publish/subscribe

Leia mais