Gestão Pública Sustentável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão Pública Sustentável"

Transcrição

1 Gestão Pública Sustentável Florianópolis/SC outubro/2014 Ministério do Meio Ambiente

2 Sustentabilidade e Setor Público Art. 225 CF/88 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. Planejamento Estímulo Regulação Liderança Indução Eficiência Inovação

3 Pensamento do Ciclo de Vida Enfoque abrangente dos processos produtivos e serviços prestados; Envolve os impactos sociais, ambientais e econômicos; Baseado nos 6 Rs: Repensar; Reduzir; Reutilizar; Reciclar; Recusar; Reparar.

4 Ciclo de Vida do Produto

5 O QUE É A A3P?

6 Agenda Ambiental Administração Pública Ministério do Meio Ambiente

7 O que é a A3P? Agenda para promoção da Responsabilidade Socioambiental - RSA; Ferramenta de gestão institucional que busca a inserção de critérios socioambientais na Administração Pública.

8 Objetivos Aumentar a eficiência da gestão e incorporar critérios de gestão socioambiental nas atividades públicas. Promover a economia de recursos naturais e redução de gastos institucionais; Reduzir o impacto socioambiental negativo decorrente das atividades públicas; Promover a produção e o consumo sustentável; Contribuir para a melhoria da qualidade de vida do servidor; Sensibilizar e capacitar os gestores públicos para as questões socioambientais

9 Eixos Temáticos

10 Por que implantar a A3P?

11 Consumo de Energia Consumo crescente nos últimos 10 anos (exceção 2009) Equipamentos: Ar condicionado; Iluminação; Equipamentos de informática; Elevadores; Outros equipamentos.

12 Consumo de Energia O Programa Nacional de Eficiência Energética em Edificações PROCEL EDIFICA (2003) - promove o uso racional da energia elétrica em edificações desde sua fundação. Incentiva a conservação e o uso eficiente dos recursos naturais (água, luz, ventilação etc.), reduzindo os desperdícios e os impactos sobre o meio ambiente. - Consumo de energia elétrica nas edificações = 45% do consumo faturado no país. - Potencial de redução -50% para novas edificações e de 30% para retrofit. IN SLTI/MPOG 02/ aquisição ou locação de máquinas e aparelhos consumidores de energia pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional, e uso da Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE) nos projetos e respectivas edificações públicas federais novas ou que recebam retrofit.

13 Consumo de Água Necessidade de Consumo: 20 a 50 litros/dia: beber, cozinhar, tomar banho e lavar roupas e utensílios; Valores ideais para prédios públicos: 26 litros/pessoa/dia. PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA OTIMIZA AO MÁXIMO A UTILIZAÇÃO DO RECURSO, DENTRO DOS CONCEITOS DE VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA E AMBIENTAL.

14 Consumo de Água

15 Consumo de Água

16 Consumo de Água

17 Gerenciamento de Resíduos Sólidos Ordem de prioridadade na gestão e no gerenciamento de resíduos sólidos: A essência da Política Nacional de Resíduos Sólidos

18 Gerenciamento de Resíduos Sólidos PLANO DE GERENCIAMENTO Art. 20. Sujeitos à elaboração deste plano aqueles que geram resíduos: de serviços públicos de saneamento básico (exceto os de limpeza urbana e domiciliares; industriais; de serviços de saúde; de mineração; perigosos; que, por sua natureza, composição ou volume, não sejam equiparados aos resíduos domiciliares pelo poder público municipal; da construção civil de serviços de transporte agrossilvopastoris, se exigido pelo órgão competente

19 Gerenciamento de Resíduos Sólidos

20 Contratações Públicas Sustentáveis São as que consideram critérios ambientais, econômicos e sociais em todos os estágios do processo de contratação, transformando o poder de compra do Estado em instrumento de proteção ao meio ambiente e de desenvolvimento econômico e social. Objetivos: contratação preferencial de bens e serviços ecologicamente sustentáveis ou de menor impacto ambiental; incentivo ao desenvolvimento de práticas de redução de impactos ambientais na produção e no consumo de bens e serviços contratados; e identificação de critérios e instrumentos que induzam e permitam dar preferência, nas contratações públicas, às empresas identificadas com a responsabilidade ambiental e social, dentre outros.

21 CPS - Motivação a) Custos ao longo de todo o ciclo de vida: É essencial ter em conta os custos de um produto ou serviço ao longo de toda a sua vida útil preço de compra, custos de utilização e manutenção, custos de eliminação. b) Eficiência: as compras e licitações sustentáveis permitem satisfazer as necessidades da administração pública mediante a utilização mais eficiente dos recursos e com menor impacto socioambiental. c) Compras compartilhadas: por meio da criação de centrais de compras é possível utilizar-se produtos inovadores e ambientalmente adequados sem aumentar-se os gastos públicos. d) Redução de impactos ambientais e problemas de saúde: grande parte dos problemas ambientais e de saúde a nível local é influenciada pela qualidade dos produtos consumidos e dos serviços que são prestados. e) Desenvolvimento e Inovação: o consumo de produtos mais sustentáveis pelo poder público pode estimular os mercados e fornecedores a desenvolverem abordagens inovadoras e a aumentarem a competitividade da indústria nacional e local

22 Consumo de Energia Os órgãos públicos são grandes compradores de lâmpadas fluorescentes e, com vistas a promover a sustentabilidade, devem dar preferência para a aquisição de lâmpadas de alto rendimento, com menor teor de mercúrio e cabos e fios de alta eficiência elétrica e com baixo teor de chumbo. Nas aquisições deve-se buscar a compra de equipamentos que possuam a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia ENCE. A etiqueta permite a verificação do atendimento a requisitos mínimos de desempenho e, em alguns casos, segurança, estabelecidos em normas e regulamentos técnicos. A ENCE classifica os equipamentos em faixas coloridas, em geral de A (mais eficiente) a "E" (menos eficiente). São exemplos de produtos que podem ser comprados mediante a apresentação da ENCE pelo fornecedor: condicionadores de ar, lâmpadas fluorescentes, refrigeradores, torneiras elétricas, ventiladores e televisores, dentre outros. Maiores informações podem ser obtidas no site do Inmetro. Ministério do Meio Ambiente

23 Como implantar a A3P?

24 Fórum e Prêmio A3P

25 Selos A3P

26 OBRIGADA Ana Carla L. de Almeida

CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS

CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Eng. Anderson F. Gomes Brasília-DF, Março de 2015 HISTÓRICO: 2001 2010 2012 2012 2014 Lei nº 10.295, de Eficiência

Leia mais

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL 1 PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica Criado em 1985 pelo Ministério das Minas e Energia e da Indústria e Comércio Sua função é promover a

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Produção e Consumo Sustentável DPCS Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística

Leia mais

Agenda Ambiental na Administração Pública

Agenda Ambiental na Administração Pública Agenda Ambiental na Administração Pública Brasília/DF agosto/2014 Agenda Ambiental Administração Pública Agenda para promoção da Responsabilidade Socioambiental - RSA; Ferramenta de gestão institucional

Leia mais

I Seminário de Iluminação Pública Eficiente - SEMIPE

I Seminário de Iluminação Pública Eficiente - SEMIPE I Seminário de Iluminação Pública Eficiente - SEMIPE Regulamento para Etiquetagem e Selo das Luminárias de Iluminação Pública Alexandre Paes Leme Inmetro Ribamar Vilela Velez Eletrobras/Procel Juiz de

Leia mais

Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência

Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência 25 de novembro de 2015 Centro de Formação, Capacitação e Treinamento - CEFOR da Câmara dos Deputados OBJETIVOS Geral:

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Eixo Licitações Sustentáveis da A3P Responsabilidade Socioambiental 1960 - Movimentos pela Responsabilidade Social (EUA) 1972 -Singer publica o primeiro balanço social do

Leia mais

Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento

Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento CASADAVILLAPOUSADA Cascavel / CE INFORMAÇÕES DO ESTABELECIMENTO Nome: CASADAVILLAPOUSADA Cnpj: 12.434.725/0001-77 Cadastur: 06.069894.20.0001-8

Leia mais

Consumo Sustentável e a Política Federal de Contratações

Consumo Sustentável e a Política Federal de Contratações Sustentabilidade nas Contratações Públicas Agosto de 2013 Consumo Sustentável e a Política Federal de Contratações Fernanda Capdeville Analista Ambiental, Especialista em Gestão Pública Departamento de

Leia mais

USO EFICIENTE DA ENERGIA

USO EFICIENTE DA ENERGIA Matriz Energética Cenário Atual Uso da Energia Elétrica com Eficiência Dicas de Uso Eficiente e Seguro da Energia MATRIZ ENERGÉTICA Matriz Energética Brasileira Eólica 3,8% 5,5% Biomassa Termoelétrica

Leia mais

Procel Selo. Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS;

Procel Selo. Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS; Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS; Apoio técnico à elaboração do PNEf. Vista superior do Lenhs da UFRGS Procel Selo Instituído

Leia mais

Oficina de Formação de multiplicadsores Formulação da Política e Elaboração do Plano Municipal de Saneamento

Oficina de Formação de multiplicadsores Formulação da Política e Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Oficina de Formação de multiplicadsores Formulação da Política e Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Americana/SP, 13 e 14 de Abril Ministério de 2010 Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim SEMINÁRIO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes Deputado Arnaldo Jardim 21.07.11 Política Nacional de Resíduos SólidosS Diretrizes Internalizar

Leia mais

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras. Palestrante Fernando Perrone

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras. Palestrante Fernando Perrone Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras Etiquetagem Eficiência Energética de Edificações Procel Edifica Palestrante Fernando Perrone

Leia mais

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Humberto Minéu IFTM/Câmpus Ituiutaba Doutorando em Geografia/UFU hmineu@gmail.com Ituiutaba, 08 de maio de 2014. EMMAV CAIC 2 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO Renatto Marcello de Araujo Pinto Comitê Gestor da PNRSJT Comissão de Responsabilidade Socioambiental DILEMAS DO DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES

Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES PERGUNTAS NORTEADORAS: 1) O que significa ambientalizar a universidade e o que se espera com isso? Ambientalização da universidade é a inserção

Leia mais

Compras Sustentáveis

Compras Sustentáveis OBJETIVO ESTRATÉGICO DO SGAC Alcançar o Nível de Maturidade de uma Empresa de Classe Mundial Evento com Fornecedores dos Correios AÇÃO ESTRATÉGICA Implantar o modelo de gestão ambiental da empresa de acordo

Leia mais

Relatório de avaliação da 1a Oficina do Projeto Esplanada Sustentável

Relatório de avaliação da 1a Oficina do Projeto Esplanada Sustentável Relatório de avaliação da 1a Oficina do Projeto Esplanada Sustentável 1. Introdução A 1ª Oficina do Projeto Esplanada Sustentável foi realizada na ESAF, entre os dias 06 e 09 de fevereiro de 2012, em caráter

Leia mais

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 4 Eficiência Energética e Uso Racional de Energia slide 1 / 22 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA & USO RACIONAL DE ENERGIA DEFINIÇÕES: Uso racional da energia:

Leia mais

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS HISTÓRICO Agenda 21 (Rio de Janeiro, 1992): A maior causa da deterioração continuada do meio ambiente global são os padrões insustentáveis de consumo e produção. Plano de

Leia mais

Questões Ambientais e Aspectos Legais

Questões Ambientais e Aspectos Legais 1 Questões Ambientais e Aspectos Legais 2 Questões Ambientais Constituição Federal Brasileira Art. 225: "Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

ações somam Campanha de Uso Racional Unimed Leste Fluminense que CARTILHA DA ECONOMIA

ações somam Campanha de Uso Racional Unimed Leste Fluminense que CARTILHA DA ECONOMIA CARTILHA DA ECONOMIA ações que somam Campanha de Uso Racional Unimed Leste Fluminense Nos dias de hoje, a energia é empregada intensivamente na sociedade em geral e em tudo o que se faz. Daí a necessidade

Leia mais

Programa de Eficiência Energética

Programa de Eficiência Energética Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Programa de Eficiência Energética Schaeffler Brasil Ltda. Programa de Eficiência Energética EnEffPro Guilherme Megda Mafra Engº Ambiental Aproximadamente

Leia mais

Para a Unimed, sustentabilidade significa o equilíbrio entre SAÚDE AMBIENTAL, SAÚDE SOCIAL e SAÚDE ECONÔMICA.

Para a Unimed, sustentabilidade significa o equilíbrio entre SAÚDE AMBIENTAL, SAÚDE SOCIAL e SAÚDE ECONÔMICA. SUSTENTABILIDADE Para a Unimed, sustentabilidade significa o equilíbrio entre SAÚDE AMBIENTAL, SAÚDE SOCIAL e SAÚDE ECONÔMICA. Na busca deste equilíbrio, propõe-se a reduzir resíduos e emissões, estimular

Leia mais

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de 2012 Rafael M. David Ministério das Minas e Energia 39.453 MW É A CAPACIDADE GERADORA DAS EMPRESAS ELETROBRAS, O QUE EQUIVALE A CERCA DE TRANSMISSÃO GERAÇÃO 37%

Leia mais

Soluções de Eficiência PME. Iluminação Eficiente

Soluções de Eficiência PME. Iluminação Eficiente A iluminação apresenta uma elevada importância no consumo elétrico A iluminação é um elemento essencial na vida moderna, apresentando um peso relevante no consumo de energia elétrica a nível mundial. Também

Leia mais

O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética

O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética Setembro/2010 AGENDA 1. Quem somos 2. Direcionadores Estratégicos do Grupo CPFL Energia 3. Eficiência Energética no Grupo CPFL Energia 2 O Grupo CPFL Energia

Leia mais

O GESTOR E AS COMPRAS PÚBLICAS PELA SUSTENTABILIDADE. Conceitos e arcabouço jurídico das compras públicas sustentáveis

O GESTOR E AS COMPRAS PÚBLICAS PELA SUSTENTABILIDADE. Conceitos e arcabouço jurídico das compras públicas sustentáveis O GESTOR E AS COMPRAS PÚBLICAS PELA SUSTENTABILIDADE Conceitos e arcabouço jurídico das compras públicas sustentáveis Cenário Século passado com 1,5 bilhões de pessoas atividade agrícola, voltada basicamente

Leia mais

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA Regulação dos serviços públicos de saneamento básico e aproveitamento energético do gás metano de aterros sanitários Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

PLANO DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL DA JUSTIÇA FEDERAL EM SERGIPE

PLANO DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL DA JUSTIÇA FEDERAL EM SERGIPE PLANO DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL DA JUSTIÇA FEDERAL EM SERGIPE Apresentação O intuito do presente Manual é promover a responsabilidade socioambiental e auxiliar a inserção de critérios de sustentabilidade

Leia mais

O PODER DAS COMPRAS COMPARTILHADAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

O PODER DAS COMPRAS COMPARTILHADAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O PODER DAS COMPRAS COMPARTILHADAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Madeline Rocha Furtado Brasília, 28 de maio de 2012. SEMINÁRIO DE COMPRAS PÚBLICOS SUSTENTÁVEIS STJ Competência da SLTI Planejar, coordenar,

Leia mais

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010 SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010 Dispõe sobre os critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens, contratação de serviços

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009

2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009 2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009 Energia é Vida Use com Consciência Leonardo Resende Rivetti Rocha Atuação da Cemig no PEE /ANEEL Lei N 9.991

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

Ventilador 60cm AT 127V ou 220V

Ventilador 60cm AT 127V ou 220V Ventilador 60cm AT 127V ou 220V -Menos consumo de Energia elétrica. - Maior eficiência Energética. - Mais facilidade na Montagem. - Maior durabilidade. O Ventilador de 60cm AT, vem para mudar a forma de

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA JOSE ARTHURO TEODORO

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA JOSE ARTHURO TEODORO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA JOSE ARTHURO TEODORO Eficiência Energética Conceito Otimização no consumo da energia elétrica; Motivação Desenvolvimento econômico, sustentabilidade; Métodos Avanços tecnológicos,

Leia mais

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 2 Usos finais de eletricidade e Conservação slide 1 / 30 O Processo de Uso Final da EE (1) Eletricidade Motor Força motriz Entrada de energia Tecnologia

Leia mais

A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis

A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis 06/11/12 A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis A importância desta certificação para as Compras Públicas Sustentáveis Seminário Internacional A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas

Leia mais

Selo Procel de Economia de Energia Manual de Identidade Visual

Selo Procel de Economia de Energia Manual de Identidade Visual Selo Procel de Economia de Energia Manual de Identidade Visual Selo Procel de Economia de Energia Manual de Identidade Visual Versão: Agosto 2016 Índice 1. Introdução 2. Por que associar a sua marca

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

Manual da economia no trabalho. Ariane Roma

Manual da economia no trabalho. Ariane Roma Manual da economia no trabalho Ariane Roma Curriculum Autora Ariane Roma Tecnóloga em Gestão Logística, formada em 2008 pela Universidade Metodista de São Paulo, Pós Graduada em Gestão Ambiental pelo Centro

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2011 CONCURSO PARA CRIAÇÃO DA LOGOMARCA DA AGENDA AMBIENTAL

EDITAL Nº. 01/2011 CONCURSO PARA CRIAÇÃO DA LOGOMARCA DA AGENDA AMBIENTAL EDITAL Nº. 01/2011 CONCURSO PARA CRIAÇÃO DA LOGOMARCA DA AGENDA AMBIENTAL PROACAD N O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima - IFRR através da Comissão da Agenda Ambiental de N.

Leia mais

PLANO DE IMPLANTAÇÃO DA A3P NA PROGESP

PLANO DE IMPLANTAÇÃO DA A3P NA PROGESP Agenda Ambiental na Administração Pública 1 PLANO DE IMPLANTAÇÃO DA A3P NA PROGESP 1. Introdução A Administração Pública precisa dar o exemplo das boas práticas nas atividades que lhe cabem. Com o intuito

Leia mais

Taboãoprev Projeto de Uso Racional de Água e Energia Elétrica

Taboãoprev Projeto de Uso Racional de Água e Energia Elétrica Taboãoprev Projeto de Uso Racional de Água e Energia Elétrica 1 Índice 1. Apresentação... 03 2. Conceitos de Projeto de Uso Racional de Água e Energia Elétrica... 04 3. Objetivos do Projeto de Uso Racional

Leia mais

Diretrizes Ambientais do Grupo Fiat

Diretrizes Ambientais do Grupo Fiat Diretrizes Ambientais do Grupo Fiat Preliminares Enquanto Grupo, estamos conscientes do impacto que as nossas atividades e os nossos produtos têm sobre a sociedade e sobre o meio ambiente, bem como nosso

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO.

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO. CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO Revisão I 04/10/2006 ELETROBRÁS/PROCEL DPS DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ESTUDOS

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A TELEVISORES CINESCÓPIO, LCD, LED, PLASMA E PROJEÇÃO

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A TELEVISORES CINESCÓPIO, LCD, LED, PLASMA E PROJEÇÃO CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A TELEVISORES CINESCÓPIO, LCD, LED, PLASMA E PROJEÇÃO (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO SÃO CARLOS, 03 de Julho de 2013 O Plano Diretor de Desenvolvimento Físico e Ambiental, como peça constituinte do

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDENCIAIS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Conselho Brasileiro de Construção

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EIXO 4 ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA VERSÃO PRELIMINAR Contexto O mundo vive atualmente o desafio de seguir com seu processo de desenvolvimento socioeconômico com recursos cada vez mais escassos.

Leia mais

XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES

XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES Mesa Redonda 2 LEI Nº 12.305/2010, DESAFIOS E PERSPECTIVAS: Logística Reversa e Responsabilidade Compartilhada 30 DE OUTUBRO DE 2011 SÉRGIO LUIS DA SILVA COTRIM ESPECIALISTA

Leia mais

10 DICAS PARA A SUA EMPRESA SER SUSTENTÁVEL

10 DICAS PARA A SUA EMPRESA SER SUSTENTÁVEL EXCLUSIVO PARA EMPRESAS QUE REDUZIR SEUS CUSTOS DE FORMA SUSTENTÁVEL 10 DICAS PARA A SUA EMPRESA SER SUSTENTÁVEL Prezado Empresário, O Grupo Quality preparou esse manual para ajudá-lo a implantar ações

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

Regulamento. Prémio Eu Reduzo

Regulamento. Prémio Eu Reduzo Regulamento Prémio Eu Reduzo Almada, Portugal 2016 PRÉMIO EU REDUZO Regulamento Artigo 1 (Projeto Missão Reduzir) a) Missão Reduzir é um projeto que visa sensibilizar, mobilizar e capacitar os munícipes

Leia mais

PNRS e a Logística Reversa. Free Powerpoint Templates Page 1

PNRS e a Logística Reversa. Free Powerpoint Templates Page 1 PNRS e a Logística Reversa Page 1 História Roma de Júlio Cesar e Augusto Page 2 História Geena Fogo eterno Page 3 História Cambridge 1338 São Paulo 1722 Rio de Janeiro 1850 Page 4 Novidades da PNRS Bloco

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL - 2014 Disciplina: SHS 0382 Sustentabilidade e Gestão Ambiental TEXTO DE APOIO DIDÁTICO [material restrito da disciplina] Prof. Tadeu Fabrício Malheiros Monitora: Alejandra

Leia mais

HOSPITAL SUSTENTÁVEL

HOSPITAL SUSTENTÁVEL HOSPITAL SUSTENTÁVEL QUEM SOMOS Ser uma instituição inovadora e resolutiva na assistência e promoção à saúde. Essa é a missão do Hospital Bandeirantes, que completa 70 anos em maio. Possui Centros de Referência

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA GESTÃO AMBIENTAL NA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL SETORIAL NO BRASIL: O CASO DO SETOR ELETRO- ELETRÔNICO

A INFLUÊNCIA DA GESTÃO AMBIENTAL NA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL SETORIAL NO BRASIL: O CASO DO SETOR ELETRO- ELETRÔNICO A INFLUÊNCIA DA GESTÃO AMBIENTAL NA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL SETORIAL NO BRASIL: O CASO DO SETOR ELETRO- ELETRÔNICO Michel Epelbaum Alexandre Aguiar V Simpósio de Gerenciamento Ambiental na Indústria

Leia mais

OPORTUNIDADES. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017.

OPORTUNIDADES. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017 O BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis tem como objetivo apoiar investimentos em geração e distribuição

Leia mais

Iniciativas da Eletrobras para Eficiência Energética no Setor industrial

Iniciativas da Eletrobras para Eficiência Energética no Setor industrial Iniciativas da Eletrobras para Eficiência Energética no Setor industrial São Paulo - SP 23/10/2012 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1 - INTRODUÇÃO 2 - MOTIVAÇÃO TÉCNICA 3 PROCEL INDÚSTRIA 4 - CONCLUSÕES 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2º Seminário Regional Sudeste sobre Resíduos Sólidos Desafios das Políticas para uma Gestão Integrada de Resíduos Sólidos A experiência do

Leia mais

Escola SENAI Comendador Santoro Mirone

Escola SENAI Comendador Santoro Mirone Escola SENAI Comendador Santoro Mirone NÚCLEO DE ENERGIA & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 16 ÁREAS INDUSTRIAIS 22 NÚCLEOS DE TECNOLOGIA ALIMENTOS & BEBIDAS ENERGIA AUTOMAÇÃO & ELETRÔNICA CERÂMICA CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

Trabalho da disciplina PEA 2200

Trabalho da disciplina PEA 2200 Trabalho da disciplina PEA 2200 EQUIPE DE PROFESSORES: ALBERTO BIANCHI TURMAS: 2 E 4 ELIANE FADIGAS TURMAS: 1 E 3 1º semestre de 2014 Título do trabalho Diagnóstico energético, eficiência energética, substituições

Leia mais

Compostagem em SP: marco legal e desafios. Patrícia Iglecias CERSOL Centro Multidisciplinar de Estudos em Resíduos Sólidos

Compostagem em SP: marco legal e desafios. Patrícia Iglecias CERSOL Centro Multidisciplinar de Estudos em Resíduos Sólidos Compostagem em SP: marco legal e desafios Patrícia Iglecias CERSOL Centro Multidisciplinar de Estudos em Resíduos Sólidos O ambiente e a economia têm vivido em tensão e até mesmo em antagonismo. Com efeito,

Leia mais

Impacto da Eficiência Energética na demanda Brasileira nas próximas décadas

Impacto da Eficiência Energética na demanda Brasileira nas próximas décadas Impacto da Eficiência Energética na demanda Brasileira nas próximas décadas 5º Seminário Nacional de Energias Renováveis e Eficiência Energética Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP - Morgana Pizzolato, Dr a.

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP - Morgana Pizzolato, Dr a. DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade CGEP - Morgana Pizzolato, Dr a. P + L O resíduo é inerente ao processo? NÃO, ele é um indicativo da ineficiência A identificação e análise do resíduo dão início

Leia mais

Concurso de Redação sobre o Meio Ambiente RESÍDUOS & CONSUMO APRESENTAÇÃO PARA DIRETORAS DAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE RIO DAS PEDRAS/SP

Concurso de Redação sobre o Meio Ambiente RESÍDUOS & CONSUMO APRESENTAÇÃO PARA DIRETORAS DAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE RIO DAS PEDRAS/SP Concurso de Redação sobre o Meio Ambiente RESÍDUOS & CONSUMO APRESENTAÇÃO PARA DIRETORAS DAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE RIO DAS PEDRAS/SP 1 Quem somos nós? Somos um grupo de empresas que trabalham

Leia mais

PIT PROJETO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A NORMALIZAÇÃO

PIT PROJETO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A NORMALIZAÇÃO De 09 a 11 de junho de 2010 - Maceió - Alagoas PIT PROJETO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A NORMALIZAÇÃO Carlos Alberto de Moraes Borges carlos,borges@tarjab.com.br 10/06/2010 ABNT Associação Brasileira de

Leia mais

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo 0 Contratos de Desempenho Energético Jorge Borges de Araújo 1 Agenda 1. APESE 2. Oportunidades de Eficiência Energética 3. Contratos de desempenho energético (Portugal) 2 1. APESE Associação Portuguesa

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente ENCADEAMENTO PRODUTIVO Luiz Barretto - Presidente MISSÃO DO SEBRAE Promover a competividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

ECONOMIA AMBIENTAL. Assunto: Recursos Naturais, falhas de mercado e direito de Propriedade. Jeferson Alberto de Lima

ECONOMIA AMBIENTAL. Assunto: Recursos Naturais, falhas de mercado e direito de Propriedade. Jeferson Alberto de Lima ECONOMIA AMBIENTAL Assunto: Recursos Naturais, falhas de mercado e direito de Propriedade Jeferson Alberto de Lima CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

PORTFÓLIO. Alimentos

PORTFÓLIO. Alimentos Alimentos QUEM SOMOS? Entidade privada que promove a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos de micro e pequeno porte aqueles com faturamento bruto anual de até R$ 3,6 milhões.

Leia mais

Práticas Socioambientais na Copel Distribuição

Práticas Socioambientais na Copel Distribuição Práticas Socioambientais na Copel Distribuição Ramo de atuação da empresa: Distribuição de Energia Elétrica Certificações da empresa: Não possui sistema de gestão ambiental certificado (ISO 14000). Sustentabilidade

Leia mais

A evolução das contratações públicas: a sustentabilidade. Ana Maria Vieira dos Santos Neto Diretora do Departamento de Logística

A evolução das contratações públicas: a sustentabilidade. Ana Maria Vieira dos Santos Neto Diretora do Departamento de Logística A evolução das contratações públicas: a sustentabilidade Ana Maria Vieira dos Santos Neto Diretora do Departamento de Logística Definição de CPS o processo mediante o qual as organizações satisfazem suas

Leia mais

Energia. consciente QUAIS SÃO AS AÇÕES QUE VOCÊ PODE TER PARA MELHORAR O MUNDO À SUA VOLTA?

Energia. consciente QUAIS SÃO AS AÇÕES QUE VOCÊ PODE TER PARA MELHORAR O MUNDO À SUA VOLTA? Energia consciente QUAIS SÃO AS AÇÕES QUE VOCÊ PODE TER PARA MELHORAR O MUNDO À SUA VOLTA? Confira, nas próximas páginas, dicas para uma utilização mais racional e consciente da energia. LUZ Durante o

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE MULTIPLICADORES. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade

CAPACITAÇÃO DE MULTIPLICADORES. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade CAPACITAÇÃO DE MULTIPLICADORES Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade 1 Agenda Apresentações Consumo consciente: do que se trata? Economize o Planeta: o que é? como usar? Ações para reduzir emissões:

Leia mais

A Nova Regulamentação de Eficiência Energética dos Edifícios. Ordem dos Engenheiros, 25 de Fevereiro de 2014

A Nova Regulamentação de Eficiência Energética dos Edifícios. Ordem dos Engenheiros, 25 de Fevereiro de 2014 A Nova Regulamentação de Eficiência Energética dos Edifícios Ordem dos Engenheiros, 25 de Fevereiro de 2014 Filiações Associação empresarial de âmbito nacional Cerca de 170 empresas 9.000 postos de trabalho

Leia mais

Processo de Participação Popular de Projeto:

Processo de Participação Popular de Projeto: Processo de Participação Popular de 2005 Projeto: Aproveitamento dos resíduos sólidos com vistas à identificação de Oportunidades de Micro e Pequenos Negócios no Vale do Rio dos Sinos Informações SECRETARIA

Leia mais

PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL Metas a serem alcançadas

PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL Metas a serem alcançadas Ações/Programas e Detalhamento PROGRAMA Unidades e áreas envolvidas e respectivos responsáveis Projeto de Boas práticas de gestão do serviço público: Redução dos gastos públicos e racionalização dos recursos

Leia mais

RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E LOGÍSTICA REVERSA: IMPLEMENTAÇÃO NO CONTEXTO BRASILEIRO

RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E LOGÍSTICA REVERSA: IMPLEMENTAÇÃO NO CONTEXTO BRASILEIRO Patrícia Iglecias SETEMBRO, 2013 RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E LOGÍSTICA REVERSA: IMPLEMENTAÇÃO NO CONTEXTO BRASILEIRO GESTÃO DE RESÍDUOS NA PNRS Não geração Redução Reutilização Reciclagem Tratamento

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

14º Encontro de Energia - FIESP

14º Encontro de Energia - FIESP 14º Encontro de Energia - FIESP Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética A contribuição da norma ISO 50001 para a Eficiência Energética São Paulo, 06 de agosto de 2013 Objetivo Promover a

Leia mais

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica. Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica. Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011 Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011 A eficiência energética está na agenda da EDP Distribuição Aumento do consumo O consumo de energia eléctrica

Leia mais

Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural

Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural Linhas de Financiamentos - BNDES 12 de julho de 2012. Nelson Granthon Barata Gerente Departamento de Fontes Alternativas de Energia Área de Infraestrutura

Leia mais

Sustentabilidade no TJRN: ações da COPEGAM-TJRN

Sustentabilidade no TJRN: ações da COPEGAM-TJRN SEMBRAGIRES - Seminário Brasileiro de Gestão de Resíduos Sólidos Universidade Federal do Rio Grande do Norte 11 a 14 de novembro de 2015 Sustentabilidade no TJRN: ações da COPEGAM-TJRN 1. Fátima Maria

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 118

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 118 PROGRAMA Nº - 118 Manutenção e Operacionalização da SMSP FUNÇÃO: 04 ADMINISTRAÇÃO SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover a Secretaria Municipal de Serviços Públicos dos recursos necessários ao bom

Leia mais

Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda

Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda 11 Municípios 1 Comunidade Intermunicipal 1 Projeto de Sustentabilidade A RUCI da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro, visa desenvolver uma estratégia

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Lei Nº / Decreto Nº 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Lei Nº / Decreto Nº 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei Nº 12.305/2010 - Decreto Nº 7.404/2010 OS DOIS COMITÊS COMITÊ INTERMINISTERIAL C I (DECRETO Nº 7.404/2010) COMITÊ INTERMINISTERIAL

Leia mais

PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS

PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS EMENTA O presente estudo tem por finalidade abordar o comportamento recente das pequenas empresas na

Leia mais

Inovação e Tecnologia na Gestão Sustentável na Construção de Edifícios. Prof. Dayana Bastos Costa (UFBA)

Inovação e Tecnologia na Gestão Sustentável na Construção de Edifícios. Prof. Dayana Bastos Costa (UFBA) Inovação e Tecnologia na Gestão Sustentável na Construção de Edifícios Prof. Dayana Bastos Costa (UFBA) Gestão Sustentável na Construção de Edifícios A gestão sustentável na construção de edifícios deve

Leia mais

Inmetro Padrões e Especificações para Bioenergia. Gustavo Kuster Diretoria da Qualidade Rio de Janeiro, 22 de março de 2013

Inmetro Padrões e Especificações para Bioenergia. Gustavo Kuster Diretoria da Qualidade Rio de Janeiro, 22 de março de 2013 Inmetro Padrões e Especificações para Bioenergia Gustavo Kuster Diretoria da Qualidade Rio de Janeiro, 22 de março de 2013 Missão: Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através

Leia mais

Em vigor. Aprovação - Operações. (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.

Em vigor. Aprovação - Operações. (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto. Versão 1.1 01/10/2013 Página: 1 de 9 Código do Documento RH-P0XX Política Institucional de Eficiência Autor Aprovação - Operações Karen Ribeiro Operações Gerente Planejamento Adm Aprovação - Jurídico Raimundo

Leia mais

Saneamento Ambiental. Jamille Valéria Piovesan Paulo Henrique M. de L. Martins

Saneamento Ambiental. Jamille Valéria Piovesan Paulo Henrique M. de L. Martins Saneamento Ambiental Jamille Valéria Piovesan Paulo Henrique M. de L. Martins Constituição Federal Art. 225 Todos tem direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

REGULAMENTO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA. Revisão I 26/09/2005

REGULAMENTO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA. Revisão I 26/09/2005 REGULAMENTO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA Revisão I 26/09/2005 ELETROBRÁS/PROCEL DPS DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ESTUDOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ÍNDICE 1. OBJETIVO DO SELO PROCEL... 3 2. CONCESSÃO

Leia mais

Lumina SEMINÁRIO A ILUMINAÇÃO PÚBLICA E O CIDADÃO. Capacitação em Iluminação Pública. Clara Rosa de Jesus Lacerda Ramalho

Lumina SEMINÁRIO A ILUMINAÇÃO PÚBLICA E O CIDADÃO. Capacitação em Iluminação Pública. Clara Rosa de Jesus Lacerda Ramalho SEMINÁRIO A ILUMINAÇÃO PÚBLICA E O CIDADÃO Capacitação em Iluminação Pública Clara Rosa de Jesus Lacerda Ramalho Apresentação Clara Lacerda: Engenheira Eletricista, pós graduada em Uso Racional da Energia

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa 2016 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de autopeças.

Leia mais