EN-2416 Energia, meio ambiente e sociedade Necessidades humanas, estilos de vida e uso final da energia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EN-2416 Energia, meio ambiente e sociedade Necessidades humanas, estilos de vida e uso final da energia"

Transcrição

1 EN-2416 Energia, meio ambiente e sociedade Necessidades humanas, estilos de vida e uso final da energia João Moreira UFABC

2 Necessidades humanas e energia Existência humana - nas residências Movimento, necessidade de comida e bebida Cocção e saúde Na sociedade em geral Transporte Indústria Comércio Agricultura

3 Impacto da inovação 1800 Malthus Aumento da população levaria ao empobrecimento devido ao esgotamento dos recursos naturais e energia Até Inovação Inovação permite aumentar a produtividade Com tecnologia, os problemas seriam resolvidos Os recursos naturais seriam inesgotáveis A partir de 1950 a questão do esgotamento dos recursos naturais começa a ser considerada A partir de 1990 grande crescimento dos países emergentes A inovação tecnológica pode não ser capaz de resolver os problemas ambientais sustentabilidade?!

4 Consumismo na sociedade Sociedades pré-modernas Escassez de recursos para se conseguir bem estar dos indivíduos Indivíduos consomem produtos de forma ótima minimizando desperdícios e custos Sociedades modernas Consumo é importante para o crescimento econômico (mútua dependência) Criação de novos produtos de consumo é essencial para o crescimento econômico Indivíduos consomem estimulados pela sociedade e propaganda Altas taxas de consumo com impacto no meio ambiente

5 Redução do consumo de energia Aumento da eficiência energética Mudança da economia dos países De atividades de consumo elevado de energia para atividades de baixo consumo de energia Mudança no estilo de vida das pessoas Mudança de hábito Mudança de valores

6 Estilo de consumidores Estilos Esbanjadores de energia Consumidores médios Interessados pelas questões ecológicas (antenados) Entusiastas pelas questões ecológicas Poder aquisitivo Influencia a medida que cresce o poder aquisitivo da população aumenta a consciência ecológica!!??

7 Consumo de energia pela sociedade moderna e industrial Onde a energia é utilizada na sociedade? Residencial 20% Comercial 15% Distribuição representativa de um país industrializado Transporte 27% Industrial 38% Usos finais da energia

8 PIB (ppp) das maiores economias do mundo entre 1980 e 2017 Participação crescente dos países emergentes na economia mundial Maior consumo de energia pelos países emergentes Convergência entre países desenvolvidos e emergentes no consumo per capita de energia e bens e serviços

9 Processo de uso final de energia Obtenção pelo consumidor da energia de entrada Transformação desta energia em energia útil Tecnologia de uso final de energia Exemplo chuveiro elétrico Energia de entrada: eletricidade Energia útil: calor Tecnologia de uso final: chuveiro

10 Uso de energia para fins estacionários Uso de eletricidade ou calor para Indústria, comércio, residências, agricultura, etc Edifícios, plantas industriais, equipamentos Tipos e uso Força motriz (operação de equipamentos ) Aquecimento, Refrigeração, Iluminação

11 Força motriz Aproximadamente 2/3 da energia produzida no mundo vai para força motriz Apenas 5 a 10 % da energia primária se transforma em energia útil perdas em conversão eletromecânica No Brasil 50% da energia elétrica é usada para força motriz A força motriz utiliza cerca de 30 % da energia primária do Brasil

12 Força motriz Os motores elétricos são a fonte de trabalho produtivo da sociedade industrial Movimentam geladeiras, ar condicionado, bombas, ventiladores, compressores, etc Motores tem tido um avanço tecnológico mínimo comparado com outras áreas como informática ou telecomunicações Há progressos nas áreas de eletrônica de potência e de materiais magnéticos que aumentam a eficiência do uso da energia Há tambem força motriz utilizando petróleo, gás natural, etc. (bombeamento de água, moagem de grãos, etc)

13 Aquecimento Várias fontes de energia para produzir aquecimento ou calor Combustíveis fósseis - carvão, gás natural e petróleo Caldeiras, trocadores de calor Biomassa - lenha, palha, briquetes, etc Caldeiras, trocadores de calor Fogão para cozinhar (ainda 30 a 40 % da população mundial Eletrotermia - conversão de eletricidade em calor

14 Eletrotermia Aquecimento resistivo Aquecimento indutivo Aquecimento dielétrico Aquecimentopor arco Aquecimento por emissão de plasma Aquecimento por emissão de elétrons Aquecimento por emissão laser

15 Briquetes e pellets oriundas de reflorestamentos Lenha de reflorestamento Pellets e briquetes material vegetal em forma mais apropriada para o uso final

16 Aquecedores industriais Para fins industriais e para produção de energia elétrica

17 Uso de energia para iluminação Fonte de luz é o meio pelo qual energia elétrica se converte em energia luminosa Rendimento ou eficiência da lâmpada Iluminação consome cerca de 15 % da energia elétrica brasileira Iluminação por setor no Brasil em 2000 Residências - 25 % Comércio e serviços - 45 % Indústria - 2 %

18 Tecnologias de iluminação Lâmpadas incandescentes Lâmpadas fluorescentes tubular Lâmpadas de sódio Lâmpadas de mercúrio Lâmpadas de vapor metálico Lâmpadas fluorescentes Lâmpadas de LED, etc

19 Refrigeração Refrigeração é importante na No setor industrial (indústria alimentícia, farmacêutica, etc) Conforto no setor comercial e de serviços Conservação de alimentos Refrigeração é obtida por meio de máquina térmica que retira calor do ambiente a ser refrigerado e libera para o o ambiente exterior Fonte de energia Eletricidade, gás natural ou petróleo (diesel)

20 Refrigeração residencial Refrigeração residencial no Brasil geladeiras freezers No Brasil há 30 milhões de refrigeradores residenciais Consome cerca de 7 % da energia elétrica do Brasil

21 Comentários finais A sociedade evoluiu e passou a consumir grandes quantidades de energia Indústria, comércio, residências e transportes A inovação tecnológica permitiu se criar sistemas de geração de energia e de consumo de energia muito complexos Os estilos de vida determinam o uso de energia Convergência de estilos de vida entre todos os países Evitar o consumismo Buscar o bem estar social

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 2 Usos finais de eletricidade e Conservação slide 1 / 30 O Processo de Uso Final da EE (1) Eletricidade Motor Força motriz Entrada de energia Tecnologia

Leia mais

Gestão de energia : 2008/2009

Gestão de energia : 2008/2009 Gestão de energia : 2008/2009 Aula # T2 Transformação de energia Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt Objectivos da aula RESUMO TEMAS NÃO AGENDADOS: Resultados do inquérito OPEC documentation MATÉRIA

Leia mais

Lista de exercícios No. 4. EN Energia, meio ambiente e sociedade

Lista de exercícios No. 4. EN Energia, meio ambiente e sociedade Lista de exercícios No. 4 EN 2425 - Energia, meio ambiente e sociedade 4.1) a)explique o que é produto interno bruto e função de produção. Explique como as variáveis K, N e R afetam a função de produção.

Leia mais

USO EFICIENTE DA ENERGIA

USO EFICIENTE DA ENERGIA Matriz Energética Cenário Atual Uso da Energia Elétrica com Eficiência Dicas de Uso Eficiente e Seguro da Energia MATRIZ ENERGÉTICA Matriz Energética Brasileira Eólica 3,8% 5,5% Biomassa Termoelétrica

Leia mais

FORMAS DE ENERGIA E SUAS CONVERSÕES. Profa. Me Danielle Evangelista Cardoso

FORMAS DE ENERGIA E SUAS CONVERSÕES. Profa. Me Danielle Evangelista Cardoso FORMAS DE ENERGIA E SUAS CONVERSÕES Profa. Me Danielle Evangelista Cardoso danielle@profadaniell.com.br www.profadanielle.com.br Tipos de Energia Energia pode exisitr em inúmeras formas como: Energia Mecânica

Leia mais

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 4 Eficiência Energética e Uso Racional de Energia slide 1 / 22 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA & USO RACIONAL DE ENERGIA DEFINIÇÕES: Uso racional da energia:

Leia mais

ENERGIA, MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE. Prof. Dr. Lineu Belico dos Reis USOS FINAIS DA ENERGIA ELÉTRICA

ENERGIA, MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE. Prof. Dr. Lineu Belico dos Reis USOS FINAIS DA ENERGIA ELÉTRICA ENERGIA, MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Prof. Dr. Lineu Belico dos Reis USOS FINAIS DA ENERGIA ELÉTRICA 1 O Processo de Uso Final da Energia O propósito fundamental do uso da energia é assistir na satisfação

Leia mais

Fonte Características Vantagens Desvantagens

Fonte Características Vantagens Desvantagens Fonte Características Vantagens Desvantagens Hidrelétrica Uso da força dos rios para produção de energia elétrica Fonte não poluente e renovável Alto custo de implantação e grande impacto ambiental e econômico

Leia mais

Procel Selo. Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS;

Procel Selo. Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS; Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS; Apoio técnico à elaboração do PNEf. Vista superior do Lenhs da UFRGS Procel Selo Instituído

Leia mais

Programa de Eficiência Energética

Programa de Eficiência Energética INTRODUÇÃO Conforme dispõe a Lei 9.991 de 24 de julho de 2000, as Empresas concessionárias ou permissionárias de energia elétrica devem aplicar o percentual de 0,5% da sua receita operacional líquida anual

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE João Roberto Loureiro de Mattos joaol@pitágoras.com.br jrdemattos@oi.com.br 1ª ENGENIO - SEMANA DO NÚCLEO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO DA FACULDADE PITÁGORAS 10 de

Leia mais

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi Aula 5 Conservação de Energia: Aspectos técnicos e econômicos slide 1 / 19 ATÉ ONDE SE SABE A ENERGIA PODE

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ATENDIMENTO A COMUNIDADES DE BAIXO PODER AQUISITIVO

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ATENDIMENTO A COMUNIDADES DE BAIXO PODER AQUISITIVO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ATENDIMENTO A COMUNIDADES DE BAIXO PODER AQUISITIVO SUMÁRIO EXECUTIVO Tipo de projeto: Atendimento a Comunidade de Baixo Poder Aquisitivo. Objetivo: Promover a eficientização

Leia mais

Catálogo de Lâmpadas de LED Ano: 2012

Catálogo de Lâmpadas de LED Ano: 2012 Catálogo de Lâmpadas de LED V.2012.C06 Iluminação LED O mercado de iluminação está passando por mais uma revolução no que se refere à forma de emissão da luz elétrica, possibilitando novas aplicações e

Leia mais

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia MAPEAMENTO PARA PUBLIC-PRIVATE-PARTNERSHIPS NOS SETORES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENTRE O BRASIL E A ALEMANHA Raymundo Aragão Anima Projetos

Leia mais

Gestão de energia : 2009/2010

Gestão de energia : 2009/2010 Gestão de energia : 2009/2010 Aula # P2 Transformação de energia Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt Problema 1: Central térmica Considere que uma central térmica tem um rendimento de 40% e que

Leia mais

Carvoejamento, Carbonização e Pirólise

Carvoejamento, Carbonização e Pirólise I Seminário Madeira Energética MADEN 2008 ABC - RJ, 2 e 3 de setembro de 2008 Carvoejamento, Carbonização e Pirólise José Dilcio da Rocha Pesquisador da EMBRAPA - Agroenergia O que é Carvoejamento, Carbonização,

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009

2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009 2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009 Energia é Vida Use com Consciência Leonardo Resende Rivetti Rocha Atuação da Cemig no PEE /ANEEL Lei N 9.991

Leia mais

USINA TERMOELÉTRICA...

USINA TERMOELÉTRICA... USINA TERMOELÉTRICA... Usina Termoelétrica: A usina termoelétrica é uma alternativa para a produção de energia elétrica para uso em geral, é principalmente utilizada no setor industrial. O QUE É UMA TERMOELÉTRICA?

Leia mais

Energia da Biomassa Células a combustível

Energia da Biomassa Células a combustível PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula de Fontes Energia da Biomassa Células a combustível slide 1 / 19 BIOMASSA Oleoginosas (palma, canola, girassol, dendê, mamona, etc) Esmagamento Óleos

Leia mais

Conheça os diferentes tipos de lâmpadas e soluções em LED para inovar na iluminação com economia

Conheça os diferentes tipos de lâmpadas e soluções em LED para inovar na iluminação com economia Que as lâmpadas LED proporcionam uma iluminação eficiente, com o máximo de economia e durabilidade, todo mundo já sabe. Agora, a Correta apresenta os mais diversos modelos de lâmpadas e produtos para iluminação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE CONSUMO ENERGÉTICO EM REGIÕES ISOLADAS DE MOÇAMBIQUE

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE CONSUMO ENERGÉTICO EM REGIÕES ISOLADAS DE MOÇAMBIQUE Energia e Meio Ambiente 28 a 30 de maio de 2008 Salvador - BA CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE CONSUMO ENERGÉTICO EM REGIÕES ISOLADAS DE MOÇAMBIQUE Prof. Afonso Henriques Moreira Santos Eng. Ricardo A. Passos

Leia mais

ENERGIA movimentando a vida

ENERGIA movimentando a vida ENERGIA movimentando a vida Renováveis: é a energia que vem de recursos naturais como sol, vento, chuva e biomassa. Não-renováveis: é a energia que vem de recursos naturais, que, quando utilizados não

Leia mais

Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações

Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações Apresentação Eficiência energética em edificações Panorama internacional O caso Brasileiro PBE Edificação Custos nas instalações Eficiência energética

Leia mais

Planejamento e projeto das instalações elétricas

Planejamento e projeto das instalações elétricas Planejamento e projeto das instalações elétricas 1) A energia elétrica fornecida aos consumidores residenciais é resultado da conexão do consumidor com: a) Sistema elétrico de geração; b) Sistema de compatibilidade

Leia mais

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONFERÊNCIA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 21 de Abril de 2009 Consumo de Energia

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. 9/23/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 1

Instalações Elétricas Prediais. 9/23/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 1 Instalações Elétricas Prediais 9/23/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 1 Nesta seção os seguintes assuntos serão abordados: Cargas de iluminação Cargas de tomadas -TUG s Cargas de tomadas

Leia mais

Projeto Curvas de Carga

Projeto Curvas de Carga PEA3496 Sistemas Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais Projeto Curvas de Carga Integrantes do grupo: Rodrigo Rinaldi 8994647 Sillas dos Santos 8992176 Paulo Villar 8994605

Leia mais

Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP

Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP Arthur Cursino IEE/USP Setembro / 2014 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução: Conceitos Sistema de

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Missão Proporcionar soluções eficientes e de alta qualidade em iluminação, buscando a excelência no atendimento, inovação constante de nossos produtos, superando assim as expectativas

Leia mais

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL 1 PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica Criado em 1985 pelo Ministério das Minas e Energia e da Indústria e Comércio Sua função é promover a

Leia mais

Potência e Energia Elétrica

Potência e Energia Elétrica Potência e Energia Elétrica Para qualquer máquina, em particular, para os aparelhos elétricos, definimos potência como a taxa de transformação ou conversão de energia na forma de calor outra forma de energia,

Leia mais

USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO

USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO USINA TERMOELÉTRICA USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO O QUE É USINA TERMOELÉTRICA? Uma instalação industrial que serve para gerar energia através da queima de combustíveis fosseis.

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS DA NATUREZA FÍSICA - ENSINO MÉDIO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS DA NATUREZA FÍSICA - ENSINO MÉDIO Título do Podcast Área Segmento Duração SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS DA NATUREZA FÍSICA - ENSINO MÉDIO Energia e suas transformações Ciências da Natureza Física Ensino médio 6min45seg Habilidades

Leia mais

I Seminário de Iluminação Pública Eficiente - SEMIPE

I Seminário de Iluminação Pública Eficiente - SEMIPE I Seminário de Iluminação Pública Eficiente - SEMIPE Regulamento para Etiquetagem e Selo das Luminárias de Iluminação Pública Alexandre Paes Leme Inmetro Ribamar Vilela Velez Eletrobras/Procel Juiz de

Leia mais

Prof. Luís Fernando Pagotti

Prof. Luís Fernando Pagotti Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Prof. Luís Fernando Pagotti energia não pode ser criada nem destruída, só pode ser transformada! Como Converter Energia? Combustores;

Leia mais

Escola SENAI Comendador Santoro Mirone

Escola SENAI Comendador Santoro Mirone Escola SENAI Comendador Santoro Mirone NÚCLEO DE ENERGIA & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 16 ÁREAS INDUSTRIAIS 22 NÚCLEOS DE TECNOLOGIA ALIMENTOS & BEBIDAS ENERGIA AUTOMAÇÃO & ELETRÔNICA CERÂMICA CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL PESQUISA DE POSSE DE EQUIPAMENTOS E HÁBITOS DE USO - ANO BASE 2005 - CLASSE COMERCIAL ALTA TENSÃO RELATÓRIO SETORIAL: HOTÉIS / MOTÉIS SUMÁRIO 1.

Leia mais

Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria. Carlos Duarte

Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria. Carlos Duarte Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria Carlos Duarte 8 Maio 2017 O Hospital de Santa Maria Inicialmente com o nome de Hospital Escolar de Lisboa, o Hospital de Santa Maria foi projetado em 1938

Leia mais

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL Prof.º: Carlos D Boa - geofísica Introdução Biocombustíveis (Biodiesel, Etanol e Hidrogênio) Biogás Biomassa Energia Eólica Energia das Marés Energia Hidrelétrica Energia Solar

Leia mais

Sumário. Módulo Inicial. Das Fontes de Energia ao Utilizador 25/02/2015

Sumário. Módulo Inicial. Das Fontes de Energia ao Utilizador 25/02/2015 Sumário Situação energética mundial e degradação da energia Fontes de energia. Impacte ambiental. Transferências e transformações de energia. Degradação de energia. Rendimento. Energia está em tudo que

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS // ABRALISO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS // ABRALISO ABRALISO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS Estudo sobre o potencial de conservação de energia e redução das emissões de CO 2 em instalações industriais Emissões totais de

Leia mais

Energia. A sustentabilidade dos recursos essenciais

Energia. A sustentabilidade dos recursos essenciais Energia A sustentabilidade dos recursos essenciais Estudo de caso Crises de energia: Brasil e EUA i. Grandes centros urbanos: $ atrai investidores e mão de obra ii. Aumento da população iii. Esgotamento

Leia mais

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 14 e 15 Energia e Meio Ambiente: As Causas Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi slide 1 / 30 Recordar é viver Fontes convencionais Termoeletricidade

Leia mais

Aula 02 Fontes de energia primária, cadeia energética e hidrelétrica, eólica, nuclear e biomassa

Aula 02 Fontes de energia primária, cadeia energética e hidrelétrica, eólica, nuclear e biomassa BIJ-0207 Bases Conceituais da Energia Aula 02 Fontes de energia primária, cadeia energética e hidrelétrica, eólica, nuclear e biomassa Prof. João Moreira CECS - Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências

Leia mais

ENERGIA. origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação.

ENERGIA. origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação. ENERGIA origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação. A mais antiga forma de energia é a produzida pelos músculos

Leia mais

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética no Brasil e o impacto na geração Cilene Victor 1 Professora de Jornalismo e Relações Públicas e coordenadora do Centro Interdisciplinar de Pesquisa da

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA. Pedro C. R. Rossi UFABC

BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA. Pedro C. R. Rossi UFABC BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA Pedro C. R. Rossi (pedro.rossi@ufabc.edu.br) Fontes de energia Principais fontes de energia disponíveis para a sociedade Fontes de energia Energia primária, energia de uso

Leia mais

Luz amiga do ambiente A ausência de metais pesados, chumbo e mercúrio tornam a tecnologia LED especialmente amiga do ambiente.

Luz amiga do ambiente A ausência de metais pesados, chumbo e mercúrio tornam a tecnologia LED especialmente amiga do ambiente. Tecnologia LED Valores da tecnologia LED Luz que não aquece, mas emociona. O LED é uma fonte de luz que não emite calor (não produz radiação infravermelha) e oferece a capacidade de personalizar o fluxo

Leia mais

O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética

O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética Setembro/2010 AGENDA 1. Quem somos 2. Direcionadores Estratégicos do Grupo CPFL Energia 3. Eficiência Energética no Grupo CPFL Energia 2 O Grupo CPFL Energia

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES PROJETO PRELIMINAR GMG PROJETO PRELIMINAR Para dimensionar um GMG o primeiro passo é a determinação

Leia mais

Disciplina: Recursos Energéticos e Meio Ambiente. 2- Introdução. Professor: Sandro Donnini Mancini. Fevereiro, 2016

Disciplina: Recursos Energéticos e Meio Ambiente. 2- Introdução. Professor: Sandro Donnini Mancini. Fevereiro, 2016 Insituto de Ciência e Tecologia de Sorocaba Disciplina: Recursos Energéticos e Meio Ambiente Graduação em Engenharia Ambiental 2- Introdução Professor: Sandro Donnini Mancini Fevereiro, 2016 1 ENERGIA

Leia mais

Orientar sobre práticas de Economia de energia? Conta comigo!

Orientar sobre práticas de Economia de energia? Conta comigo! Orientar sobre práticas de Economia de energia? Conta comigo! Tudo o que você precisa saber sobre economia de energia! Quando se fala em energia elétrica em condomínios a missão é sempre a mesma: economizar.

Leia mais

Novos planos para a Conservação de Energia na Iluminação - Hamilton Pollis. X SIMPOLUX 05 de abril de 2006

Novos planos para a Conservação de Energia na Iluminação - Hamilton Pollis. X SIMPOLUX 05 de abril de 2006 Novos planos para a Conservação de Energia na Iluminação - Hamilton Pollis X SIMPOLUX 05 de abril de 2006 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Ministério de Minas e Energia - MME Petrobrás

Leia mais

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética;

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Energia e Ambiente Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Investigação de formas novas e renováveis de energia; Potenciar as

Leia mais

Promoção do uso sustentável da biomassa florestal para fins energéticos

Promoção do uso sustentável da biomassa florestal para fins energéticos Focus Group IV Sustentabilidade Energética na Agricultura e Florestas Promoção do uso sustentável da biomassa florestal para fins energéticos Ponte de Lima, 03 de outubro de 2013 2000 2003 Comissão de

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

Aquecimento de Água. Linha Bomba de Calor para Piscina. Linha Completa para o Conforto Térmico

Aquecimento de Água. Linha Bomba de Calor para Piscina. Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecimento de Água Linha Bomba de Calor para Piscina Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecedor de Água Apresentação Este modelo de bomba de calor para piscina é fabricado pela Rheem nos Estados

Leia mais

Caracterização do Uso de Energia no Setor de Comércio e Serviços Formulário Segmentos Comunicação, Locais Públicos, Serviços e Outros

Caracterização do Uso de Energia no Setor de Comércio e Serviços Formulário Segmentos Comunicação, Locais Públicos, Serviços e Outros Caracterização do Uso de Energia no Setor de Comércio e Serviços Formulário Segmentos Comunicação, Locais Públicos, Serviços e Outros Dados para supervisão 1. Empresa: 2. Entrevistado: 3. Cargo: 4. Fone

Leia mais

EN Energia, meio ambiente e sociedade

EN Energia, meio ambiente e sociedade EN-2425 Energia, meio ambiente e sociedade Impactos ambientais da energia João Moreira UFABC Sumário Principais impactos ambientais das fontes de energia Principais critérios de avaliação dos impactos

Leia mais

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Usinas termoelétricas ( U = 0) Convertem energia térmica em energia elétrica Vantagens de uma usina termoelétrica A curto prazo, pode fornecer energia

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Eficiência Natural Jefferson Monteiro Gás Natural Fenosa Sistema FIRJAN Encontro de Gestão

Leia mais

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC)

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Caracterização do PPEC Objetivos e promotores elegíveis O que é o PPEC O PPEC é estabelecido pela ERSE no Regulamento Tarifário do

Leia mais

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS 5. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS

Leia mais

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Wildson W de Aragão Físico Professor de Física de Escolas de Ensino Médio e Cursos Pré Vestibular da rede particular de Ensino

Leia mais

Tema 8 Calculando a energia elétrica Tópico 20 Potência

Tema 8 Calculando a energia elétrica Tópico 20 Potência CECIMIG-FaE/UF Secretaria de Estado da Educação - Tema 8 Calculando a energia elétrica Tópico 20 Potência Curso de Imersão Física 2007 Eixo III: Energia Aplicações Tema 8: Calculando a energia elétrica

Leia mais

Briquetagem e Peletização de Resíduos Agrícolas e Florestais

Briquetagem e Peletização de Resíduos Agrícolas e Florestais Briquetagem e Peletização de Resíduos Agrícolas e Florestais Daniela Collares Briquetagem e Peletização As tecnologias de briquetagem e de peletização são capazes de transformar a biomassa na sua forma

Leia mais

Gestão Pública Sustentável

Gestão Pública Sustentável Gestão Pública Sustentável Florianópolis/SC outubro/2014 Ministério do Meio Ambiente Sustentabilidade e Setor Público Art. 225 CF/88 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA... 1 1.1 Variáveis e Transformações Termodinâmicas... 1 1.2 Primeiro Princípio da Termodinâmica... 1 1.3 Segundo Princípio da Termodinâmica... 2 1.4 Expressões das Variáveis

Leia mais

Energy Management :: 2007/2008

Energy Management :: 2007/2008 :: 2007/2008 Class # T2 Energy Transformation Prof. João Parente joao.parente@dem.ist.utl.pt Formas de Energia Formas de Energia Os processos de transformação de energia são inúmeros, assim como são variadas

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento da tecnologia de cogeração

Leia mais

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Grupo Light Distribuição Geração Serviços de Energia Restrita a parte do estado do RJ (incluindo a Grande Rio) Light Energia Itaocara Paracambi

Leia mais

Trabalho da disciplina PEA 2200

Trabalho da disciplina PEA 2200 Trabalho da disciplina PEA 2200 EQUIPE DE PROFESSORES: ALBERTO BIANCHI TURMAS: 2 E 4 ELIANE FADIGAS TURMAS: 1 E 3 1º semestre de 2014 Título do trabalho Diagnóstico energético, eficiência energética, substituições

Leia mais

Professor: Gabriel Alves

Professor: Gabriel Alves Professor: Gabriel Alves Questão 01 - (IFPE/2016) Em muitas casas brasileiras, para um maior conforto, é comum ter instalado um chuveiro elétrico. Seu funcionamento se dá graças à resistência presente

Leia mais

Energia. consciente QUAIS SÃO AS AÇÕES QUE VOCÊ PODE TER PARA MELHORAR O MUNDO À SUA VOLTA?

Energia. consciente QUAIS SÃO AS AÇÕES QUE VOCÊ PODE TER PARA MELHORAR O MUNDO À SUA VOLTA? Energia consciente QUAIS SÃO AS AÇÕES QUE VOCÊ PODE TER PARA MELHORAR O MUNDO À SUA VOLTA? Confira, nas próximas páginas, dicas para uma utilização mais racional e consciente da energia. LUZ Durante o

Leia mais

Processamento da Energia de Biocombustíveis

Processamento da Energia de Biocombustíveis Processamento da Energia de Biocombustíveis Professor: Marcello Mezaroba Dr. Email: marcello.mezaroba@udesc.br Junho de 2016 Sumário I. Biomassa II. Cogeração de energia a partir de biocombustíveis III.

Leia mais

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Como gasta a UE o seu dinheiro? Orçamento da UE para 2010: 141,5 mil milhões de euros = 1,20% do Rendimento Nacional Bruto Acção da UE na

Leia mais

ACH1014 Fundamentos de Física. Usinas térmicas. Profa Dra Patricia Targon Campana

ACH1014 Fundamentos de Física. Usinas térmicas. Profa Dra Patricia Targon Campana ACH1014 Fundamentos de Física Usinas térmicas Profa Dra Patricia Targon Campana Pcampana@usp.br 2013 A Termodinâmica e o conceito de usina térmica Estudo das transformações e as relações existentes entre

Leia mais

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc)

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) Bases Conceituais da Energia Q1/2017 Professor: Sergio Brochsztain (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) capacidade que um corpo, uma substância ou um sistema físico têm de realizar trabalho Energia

Leia mais

Oportunidades do GLP no Brasil

Oportunidades do GLP no Brasil Oportunidades do GLP no Brasil GLP no Brasil: a indústria do GLP :: 100% do território nacional :: 95% residências :: 56 milhões de lares :: 33 milhões de botijões vendidos mensalmente :: 7,1 milhões de

Leia mais

GERADORES DE ENERGIA PISTON COMPRESSORS. Compresores de Piston

GERADORES DE ENERGIA PISTON COMPRESSORS. Compresores de Piston GERADORES DE ENERGIA PISTON COMPRESSORS Compresores de Piston Linha GERADORES DE ENERGIA Energia garantida para o seu serviço A linha de Geradores de Energia Schulz foi especialmente desenvolvida para

Leia mais

Recursos Energéticos e Ambiente. Aula 4. Organização da Aula. Energia Solar. Contextualização Parte 1. Instrumentalização. 1.

Recursos Energéticos e Ambiente. Aula 4. Organização da Aula. Energia Solar. Contextualização Parte 1. Instrumentalização. 1. Recursos Energéticos e Ambiente Organização da Aula Aula 4 1. Energia solar Profa. Vanessa Mafra Pio 2. Bioeletricidade e biogás História Energia Solar Contextualização Parte 1 1839 efeito fotovoltaico

Leia mais

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB MsC. Eng a. Lilian Silva de Oliveira (UnB/PRC/CICE) Prof. Dr. Marco Aurélio Gonçalves de Oliveira (UnB/FT/ENE) HISTÓRICO DE ATIVIDADES RELACIONADAS

Leia mais

Cerca de 30% do consumo eléctrico no Comércio e Serviços

Cerca de 30% do consumo eléctrico no Comércio e Serviços Os motores elétricos apresentam um papel fundamental nas empresas, o que se reflete igualmente num peso elevado nos custos energéticos associados ao seu funcionamento. Cerca de 70% do consumo eléctrico

Leia mais

CALDEIRAS. Radiadores e Acessórios.

CALDEIRAS. Radiadores e Acessórios. Radiadores e Acessórios. SOBRE A ENGEMAN Fundada em 2003, em Patos de Minas, MG, a Engeman atua em quatro áreas principais: fabricação de caldeiras flamotubulares, mistas e aquatubulares a biomassa; trocadores

Leia mais

Soluções de Eficiência PME. Iluminação Eficiente

Soluções de Eficiência PME. Iluminação Eficiente A iluminação apresenta uma elevada importância no consumo elétrico A iluminação é um elemento essencial na vida moderna, apresentando um peso relevante no consumo de energia elétrica a nível mundial. Também

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014 CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014 LED - Um avanço em iluminação Com a evolução tecnológica, o LED deixou de ser usado apenas como forma de luz indicadora em equipamentos, função restrita à década de 60, quando

Leia mais

RELAÇÃO DO CRESCIMENTO ECONÔMICO E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA 1

RELAÇÃO DO CRESCIMENTO ECONÔMICO E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 RELAÇÃO DO CRESCIMENTO ECONÔMICO E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 Alessandro Finkler 2, Douglas Rodrigo Finkler 3, Jorge Luís Da Silva Castro 4, Tafarel Franco Milke 5. 1 Projeto desenvolvido na disciplina

Leia mais

CALOR & FRIO ALFÉA & PANAMÁ POUPANÇA & CONFORTO

CALOR & FRIO ALFÉA & PANAMÁ POUPANÇA & CONFORTO CALOR & FRIO ALFÉA & PANAMÁ POUPANÇA & CONFORTO APRESENTAMOS UMA SOLUÇÃO IDEAL PARA DESFRUTAR DO MÁXIMO CONFORTO TODO O ANO. E COM UMA POUPANÇA MÁXIMA. ALFÉA & PANAMÁ A COMBINAÇÃO PERFEITA PARA DESFRUTAR

Leia mais

O G U I A P E R F E I T O P A R A A S U A I L U M I N A Ç Ã O TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA COMPRAR A LÂMPADA LED IDEAL.

O G U I A P E R F E I T O P A R A A S U A I L U M I N A Ç Ã O TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA COMPRAR A LÂMPADA LED IDEAL. e-book O G U I A P E R F E I T O P A R A A S U A I L U M I N A Ç Ã O TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA COMPRAR A LÂMPADA LED IDEAL. Sumário 1. 2. 3. 4. 5. Quais são os tipos de lâmpadas LED? Qual a importância

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos motores a vapor

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos motores a vapor Termodinâmica Ciclos motores a vapor 1 v. 1.1 Por que estudar ciclos? Pergunta: Quanto custa operar uma usina termelétrica de 1000 MW de potência elétrica, queimando combustível fóssil, operando segundo

Leia mais

Sustentabilidade: A Contribuição da Eficiência Energética

Sustentabilidade: A Contribuição da Eficiência Energética 18ª Audiência de Inovação Sustentabilidade: A Contribuição da Eficiência Energética Marco Antonio Saidel saidel@usp.br Grupo de Energia do Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas da

Leia mais

Máquinas Térmicas Turbinas a Gas. Jurandir Itizo Yanagihara

Máquinas Térmicas Turbinas a Gas. Jurandir Itizo Yanagihara Máquinas Térmicas Turbinas a Gas 1 Vantagens da Vantagens Turbinas a gás tendem a ser mais compactas, isto é, tem uma maior razão potência/peso (até 70% em relação a outros motores). Por isso, elas são

Leia mais

APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL

APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL POTENCIAL, ECONOMICIDADE E MERCADO DE MÉDIO E LONGO PRAZO Empresa de

Leia mais

A Construção Sustentável no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas

A Construção Sustentável no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas CREA MG Seminário de Mudanças Climáticas e Regimes Ambientais Internacionais A Construção Sustentável no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas Weber Coutinho Gerente de Planejamento

Leia mais

Fontes renováveis e não-renováveis de energia. Amanda Vieira dos Santos Giovanni Souza

Fontes renováveis e não-renováveis de energia. Amanda Vieira dos Santos Giovanni Souza Fontes renováveis e não-renováveis de energia Amanda Vieira dos Santos 8941710 Giovanni Souza - 9021003 Fontes renováveis e não-renováveis de energia Usos para a energia: Com o avanço tecnológico passamos

Leia mais

2 - Qual a potência em Watts de um motor de uma 3,50 hp?

2 - Qual a potência em Watts de um motor de uma 3,50 hp? INSTITUTO EDUCACIONAL SÃO JOÃO DA ESCÓCIA NOME: N o DATA: / /2016 CURSO: Eletrônica DISCIPLINA: Eletricidade Básica PROFESSOR: João Carlos Data da entrega: 03 de Maio de 2016 1 - Suponha que um determinado

Leia mais

BIOMASSA LENHA PELLETS

BIOMASSA LENHA PELLETS CALDEIRAS e ESTUFAS BIOMASSA LENHA PELLETS 2014 CALDEIRA A PELLETS PELLING Caldeira a s semiautomática concebida para o aquecimento de habitações familiares e/ou blocos de apartamentos. A Caldeira está

Leia mais