Oficina de Formação de multiplicadsores Formulação da Política e Elaboração do Plano Municipal de Saneamento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oficina de Formação de multiplicadsores Formulação da Política e Elaboração do Plano Municipal de Saneamento"

Transcrição

1 Oficina de Formação de multiplicadsores Formulação da Política e Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Americana/SP, 13 e 14 de Abril Ministério de 2010 Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental das Cidades Conselho das Cidades

2 Objetivos da Oficina Sensibilizar e capacitar técnicos e especialistas para a condução de atividades de mobilização e orientação técnica dos municípios, prestadores de serviços e da sociedade Contribuir para a formação de equipe de multiplicadores Favorecer e potencializar o processo de articulação, mobilização e orientação de atores estaduais e municipais

3 Programação da Oficina 1º Dia Manhã 1. Política de Saneamento Básico 2. Gestão do Saneamento Básico 3. Funções de Gestão 4. Princípios da Política Pública de Saneamento Básico 5. Dinâmica de grupo Tarde 5. Formulação da Política Pública de Saneamento Básico 6. Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB 7. Fases da Elaboração do PMSB 8. Diagnóstico 2º Dia Manhã e Tarde 1.Planejamento do Processo de Elaboração do PMSB 2.Diagnóstico 3.Formatação do PMSB e formulação da Política Pública Municipal de Saneamento Básico

4 Antecedentes - Política Pública de Saneamento Básico Definições, atuação intersetorial, importância e efeitos das ações de saneamento.

5 Lei / 2007 Estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico e para a política federal de saneamento básico, produto de amplos debates ao longo das duas últimas décadas, inaugura uma nova e desafiadora fase na história da área de saneamento no Brasil: a exigência legal da ação de planejamento. (Borja, 2005) Art. 9º - O titular dos serviços formulará a respectiva política pública de saneamento básico, devendo para tanto: I - elaborar os planos de saneamento básico, nos termos dessa lei; Art São condições de validade dos contratos que tenham por objeto a prestação de serviços públicos de saneamento básico: I - a existência de plano de saneamento básico

6 Saneamento Saneamento, etimologicamente, vem do latim sanu, e pode designar vários sentidos: 1. tornar são, habitável ou respirável; 2. curar, sarar, sanar; 3. remediar, reparar; 4. restituir ao estado normal, tranqüilizar; 5. pôr ou estabelecer em princípios morais estritos; 6. pôr cabo a, desfazer; 7. perdoar, desculpar-se; e reconciliar-se, congraçar-se. (FERREIRA, 1986). Controle de todos os fatores do meio físico do homem, que exercem ou podem exercer efeitos deletérios sobre seu bem estar físico, mental ou social (OMS)

7 Saneamento Ambiental Os municípios, titulares dos serviços de saneamento, quando da elaboração de seus planos, têm autonomia para, a partir do conceito definido na Lei , incorporar, além dos 4 componentes citados na própria lei, outros aspectos pertinentes à realidade sócio-ambiental local, entre outros: Disposição sanitária de resíduos líquidos, sólidos e gasosos Promoção da disciplina sanitária do uso e ocupação do solo Controle de vetores e reservatórios de doenças transmissíveis Controle da poluição da água, do solo e do ar Controle do excesso de ruídos Melhorias sanitárias domiciliares (Instalações Hidrossanitárias) Educação Sanitária e Ambiental

8 Saneamento Básico A Lei /07 - Art. 3 o considera Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas e instalações operacionais de: a) abastecimento de água potável; b) esgotamento sanitário; c) limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos; d) drenagem e manejo das águas pluviais urbanas;

9 SANEAMENTO BÁSICO A NECESSIDADE DE UMA VISÃO E UMA ATUAÇÃO INTERSETORIAL Diferentes ações de saneamento ambiental podem levar a diferentes efeitos sobre a saúde e o ambiente. (Heller, )***

10 SANEAMENTO BÁSICO A necessidade de uma visão / atuação intersetorial A compreensão das relações entre saneamento, saúde pública e meio ambiente pressuposto fundamental para o planejamento de sistemas de saneamento em centros urbanos A relação saúde-saneamento envolve, além das variáveis sanitárias, aspectos culturais, sociais e econômicos. Necessidade de metodologias apropriadas para a identificação das realidades mais vulneráveis e mais passíveis de serem beneficiadas. Utilidade da vigilância das doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado (DRSAI) para o planejamento e avaliação das ações de saneamento.

11 Fonte:Cavalcanti e outros, 2008.

12 A Importância do Saneamento Valorização, proteção e gestão equilibrada dos recursos ambientais Avaliando o saneamento como serviço destinado às populações e os recursos hídricos a partir de uma perspectiva ambiental, pode-se pensar que as ações de saneamento atuam, nessa relação, ora como demandas ora como impactos nos recursos hídricos. (PNRH - Caderno Setorial de Recursos Hídricos: Saneamento)

13 A Importância do Saneamento Saneamento como direito social básico e dever do Estado A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer e o acesso aos bens e serviços essenciais. Os níveis de saúde da população expressam a organização social e econômica do País. (Lei 8080/90 Art. 3º); As ações e serviços de saneamento básico, além de serem, fundamentalmente, de saúde pública e de proteção ambiental, são também essenciais a vida, direito social básico e dever do Estado; Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações (CF/88 Art. 225º);

14 Saneamento como Direito Público e Social Saneamento Básico Medida de Promoção à Saúde Pública Medida de Proteção Ambiental Medida de Infra-Estrutura Urbana Medida de Cidadania As ações de saneamento ambiental se constituem em uma meta social, diante de sua essencialidade à vida humana e à proteção ambiental (BORJA, 2005)

15 Valorização, proteção e gestão equilibrada dos recursos ambientais Princípios do Direito Ambiental e as ações de saneamento Princípio da Precaução: sempre que existam riscos de efeitos adversos graves ou irreversíveis para o ambiente, em geral, e para os recursos hídricos, em particular, não deverá ser utilizado o argumento de existência de lacunas científicas ou de conhecimentos para justificar o adiamento das medidas eficazes para evitar as degradações ambientais. Princípio da Prevenção: será sempre preferível adotar medidas preventivas, que impeçam a ocorrência de efeitos ambientais adversos ou irreversíveis, do que recorrer, mais tarde, a medidas corretivas desses mesmos efeitos. Elevado nível de proteção: uma política de saneamento, em geral, não deve ser balizada pelos níveis mínimos aceitáveis de proteção dos recursos.

16 Efeitos da implementação de sistemas de água e esgoto Conselho das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades

17 Fonte: Relações entre saneamento, saúde pública e meio ambiente: elementos para formulação de um modelo de planejamento em saneamento - Sérgio R. A. Soares, Ricardo S. Bernardes e Oscar de M. Cordeiro Netto

18 Política Pública de Saneamento Básico Formulação da Política Pública

19 Política Pública é um processo, que envolve decisões por parte de corpos e autoridades governamentais, e ações, realizadas por um ator ou um conjunto de atores, e é composto por metas e os meios para alcançá-las. (HELLER, 2007);

20 Política Pública de Saneamento Níveis da atividade política do saneamento Nível da Política Pública: - Marco Legal - Marco Institucional - Políticas e Programas Nível da Gestão (ou do gerenciamento) dos serviços - Planejamento - Organização administrativa - Avaliação - Participação e controle social

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA - LEI 11.445/07 - ÁGUA 1 ESGOTO LIXO 2 CHUVA Lei nº 11.445/07, de 5/1/07 Água potável Esgoto sanitário Tratamento do lixo Drenagem da chuva 3 Lei 8.080/90 (promoção, proteção e recuperação da saúde) Art.

Leia mais

Saneamento Ambiental. Jamille Valéria Piovesan Paulo Henrique M. de L. Martins

Saneamento Ambiental. Jamille Valéria Piovesan Paulo Henrique M. de L. Martins Saneamento Ambiental Jamille Valéria Piovesan Paulo Henrique M. de L. Martins Constituição Federal Art. 225 Todos tem direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental 1o. SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL A Lei 11.445/07 e suas implicações na gestão do Saneamento Básico do Brasil. Alexandre

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA POLÍTICA DE SANEAMENTO BÁSICO E DE RECURSOS HÍDRICOS

ASPECTOS LEGAIS DA POLÍTICA DE SANEAMENTO BÁSICO E DE RECURSOS HÍDRICOS AILTON FRANCISCO DA ROCHA Superintendente de Recursos Hídricos Secretaria de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Sergipe 09 DE DEZEMBRO DE 2015 POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS (LEI Nº 9.433/1997):

Leia mais

As Leis /2007, /2005 e /2008 e a Universalização

As Leis /2007, /2005 e /2008 e a Universalização I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental Mesa Redonda 1 Universalização do Saneamento e Sustentabilidade As Leis 11.445/2007, 11.107/2005 e 11.172/2008 e a Universalização 12 de julho de

Leia mais

Controle Social no Plano Municipal de SaneamentoBásico

Controle Social no Plano Municipal de SaneamentoBásico Controle Social no Plano Municipal de SaneamentoBásico Seminário Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia - 2015 Maria Consuelo Bomfim Brandão Funasa/Suest-BA Saneamento básico -controle social

Leia mais

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos 74 a Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia Recursos Hídricos A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E QUALIDADE AMBIENTAL

Leia mais

IV CONGRESSO MINEIRO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

IV CONGRESSO MINEIRO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO IV CONGRESSO MINEIRO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO REGULAÇÃO NO SETOR DE SANEAMENTO: A BUSCA PELA EFICIÊNCIA E UNIVERSALIZAÇÃO Edilson Eduardo Werneck Machado Engenheiro Divisão de Engenharia

Leia mais

Projeto Akvolernigi (Parceria UNICAMP/SABESP intermediado pela ABES-SP)

Projeto Akvolernigi (Parceria UNICAMP/SABESP intermediado pela ABES-SP) AKVO = Água I - Projeto Akvolernigi (Material preparado para o Curso) LERNIGI = Ensinar, I - Aspectos Legislativos e Instrumentos de Gestão Aprender e Fazer a) Princípios Gerais do Direito Ambiental b)

Leia mais

AS POLÍTICAS E OS PLANOS NACIONAL, ESTADUAL E MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO: A REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE SANEAMENTO BÁSICO

AS POLÍTICAS E OS PLANOS NACIONAL, ESTADUAL E MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO: A REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE SANEAMENTO BÁSICO I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental AS POLÍTICAS E OS PLANOS NACIONAL, ESTADUAL E MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO: A REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE SANEAMENTO BÁSICO

Leia mais

Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável A Educação Ambiental no Saneamento CONCEITO E BASE LEGAL EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SANEAMENTO Educação Ambiental Art. 1 Entendem-se por educação ambiental

Leia mais

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano 2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan 2010 Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas 16/março/2010 Foz

Leia mais

Saneamento básico e uma habitação adequada são condições fundamentais para a cidadania.

Saneamento básico e uma habitação adequada são condições fundamentais para a cidadania. IMRS - Saneamento Básico e Habitação Saneamento básico e uma habitação adequada são condições fundamentais para a cidadania. O saneamento básico é um dos componentes elementares da saúde ambiental e seu

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA AULA 3: Controle Social em Saúde Ambiental: Os direitos humanos na garantia da saúde ambiental, controle social para a construção de políticas de saúde ambiental,

Leia mais

Gestão Pública Sustentável

Gestão Pública Sustentável Gestão Pública Sustentável Florianópolis/SC outubro/2014 Ministério do Meio Ambiente Sustentabilidade e Setor Público Art. 225 CF/88 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem

Leia mais

Secretaria de Habitação e Saneamento Departamento de Saneamento - DESAN

Secretaria de Habitação e Saneamento Departamento de Saneamento - DESAN II Diálogos do Saneamento "Plano Estadual de Saneamento como ferramenta de gestão, os desafios na sua implementação e sua contribuição para a universalização dos serviços." Pedro Dall Acqua Rafael Zaneti

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÇARRA

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÇARRA LEI MUNICIPAL N.183/2013. Institui o Plano Manicipal de Saneamento Básico do Município de Piçarra, instrumento da Política Municipal de Saneamento Básico e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Gestão do Uso do Solo e suas implicações na Drenagem Urbana

Gestão do Uso do Solo e suas implicações na Drenagem Urbana Painel: Drenagem Urbana Gestão do Uso do Solo e suas implicações na Drenagem Urbana Nanci Begnini Giugno - Eng. Civil nanci.giugno@gmail.com Urbanização Do ponto de vista ambiental, a urbanização pode

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 Aprova o Plano de Aplicação Plurianual - PAP dos recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio São Francisco, referente

Leia mais

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012.

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. INSTITUI O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO, INSTRUMENTO DA POLITICA MUNICIPAL DE

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA CONTABILIDADE EM EMERGIA

CONTRIBUIÇÕES DA CONTABILIDADE EM EMERGIA Vendrametto, Lilian P. Agustini, Carlos A. Di Projeto de Lei 1.991/2007-5.564564 municípios - Milhões de empresas - Milhões de pessoas Gerador Projeto de Lei 1.991/2007 Das 27 cidades-capital no Brasil,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua Ao final do regime militar, a política de saúde no Brasil tinha como características: a) um duplo comando, fragmentado entre o Ministério da

Leia mais

Perspectivas da promoção da saúde: políticas e gestão U N I V E R S I D A D E COMUNITÁ R I A DA REGIÃO DE CHAPECÓ ( U N O C H A P E C Ó )

Perspectivas da promoção da saúde: políticas e gestão U N I V E R S I D A D E COMUNITÁ R I A DA REGIÃO DE CHAPECÓ ( U N O C H A P E C Ó ) Perspectivas da promoção da saúde: políticas e gestão MARIA ELISABETH KLEBA U N I V E R S I D A D E COMUNITÁ R I A DA REGIÃO DE CHAPECÓ ( U N O C H A P E C Ó ) Pontos para refletir Sobre saúde e o Sistema

Leia mais

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com)

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) PREVENÇÃO I CONTEXTO II A PRÁTICA III DESAFIOS I CONTEXTO I CONTEXTO 1. LEI Nº 9.433/1997 - Política Nacional de Recursos Hídricos - PNR Art. 1º Fundamentos... Bacia hidrográfica unidade territorial para

Leia mais

Carta de Poços de Caldas

Carta de Poços de Caldas Carta de Poços de Caldas 1. A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento Assemae, entidade sem fins lucrativos com 31 anos de atuação, realizou, no período de 24 a 29 de maio de 2015, em

Leia mais

I CONGRESSO BAIANO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL

I CONGRESSO BAIANO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL I CONGRESSO BAIANO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL EDUARDO LINHARES LOUREIRO ALINE LINHARES LOUREIRO A FALTA DE PLANEJAMENTO NOS GRANDES CENTROS URBANOS E SUA IMPLICAÇÃO NO QUE SE REFERE AO MANEJO

Leia mais

O Plano Municipal de Saneamento, segundo a Lei /07. Bernardo Arantes do Nascimento Teixeira

O Plano Municipal de Saneamento, segundo a Lei /07. Bernardo Arantes do Nascimento Teixeira O Plano Municipal de Saneamento, segundo a Lei 11.445/07 Bernardo Arantes do Nascimento Teixeira Contexto - 1988 Constituição Federal: tendência à descentralização e ao fortalecimento municipal; Municípios

Leia mais

Proposta de Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB

Proposta de Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB 1º. Seminário Franco-Brasileiro Sobre Saúde Ambiental Água, Saúde e Desenvolvimento Proposta de Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB Ernani Ciríaco de Miranda Gerente de Projetos Especialista em

Leia mais

Cenário Atual do Saneamento

Cenário Atual do Saneamento Cenário Atual do Saneamento Conhecimento ainda é privilégio de poucos 31% da população desconhece o que é Saneamento, somente 3% o relacionam à Saúde e 41% não pagaria para ter seu domicílio ligado à rede

Leia mais

AMBIENTAL: INSTRUMENTO DE PARTICIPATIVA - A EXPERIÊNCIA DE ALAGOINHAS, BAHIA, BRASIL.

AMBIENTAL: INSTRUMENTO DE PARTICIPATIVA - A EXPERIÊNCIA DE ALAGOINHAS, BAHIA, BRASIL. PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL: INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO PARTICIPATIVA - A EXPERIÊNCIA DE ALAGOINHAS, BAHIA, BRASIL. Luis Roberto Santos Moraes Maria das Graças de Castro Reis Viviana

Leia mais

Os desafios para a implantação do Plano Nacional de Saneamento.

Os desafios para a implantação do Plano Nacional de Saneamento. POLITICA FEDERAL DE SANEAMENTO Os desafios para a implantação do Plano Nacional de Saneamento. Engº civil Gilson Queiroz Maio de 2014 Desafios e Cenários adversos 2 PERFIL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS www.funasa.gov.br

Leia mais

PLANOS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Alceu Galvão Analista de Regulação da ARCE Fortaleza, 11 de maio de 2015

PLANOS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Alceu Galvão Analista de Regulação da ARCE Fortaleza, 11 de maio de 2015 PLANOS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Alceu Galvão Analista de Regulação da ARCE Fortaleza, 11 de maio de 2015 SIMPLICIDADE elaboração e implementação dos PMGIRS BAIXO CUSTO GRADATIVIDADE ESTRUTURA

Leia mais

REGULAÇÃO NO BRASIL EM SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

REGULAÇÃO NO BRASIL EM SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO REGULAÇÃO NO BRASIL EM SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO II AÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOBRE SANEAMENTO AMBIENTAL E TRATAMENTO DA ÁGUA FUNDAÇÃO - 08/04/1.999 ASSOCIADAS - 52 agências 17

Leia mais

Questões Ambientais e Aspectos Legais

Questões Ambientais e Aspectos Legais 1 Questões Ambientais e Aspectos Legais 2 Questões Ambientais Constituição Federal Brasileira Art. 225: "Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

A INTERFACE ENTRE OS PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO E OS RECURSOS HÍDRICOS

A INTERFACE ENTRE OS PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO E OS RECURSOS HÍDRICOS A INTERFACE ENTRE OS PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO E OS RECURSOS HÍDRICOS Preparatório da Engenharia e da Agronomia para o 8º Fórum Mundial da Água Campinas/SP 22 de Março de 2017 Lei 11.445 de

Leia mais

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989);

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); Essa reunião mundial (CNUMAD - 92) foi organizada para elaborar a estratégia para deter e reverter

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Coordenadoria de Relações Institucionais CESAN Terezinha de Jesus S. R. Vanzo LEI 11.445 de 05/01/07 Lei De Regulamentação do Setor de Saneamento Básico Introdução

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A LEI E A SUA EFETIVIDADE Ailton Francisco da Rocha. 05 de novembro de 2014

REFLEXÕES SOBRE A LEI E A SUA EFETIVIDADE Ailton Francisco da Rocha. 05 de novembro de 2014 05 de novembro de 2014 POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS Antes da edição da Lei 9.433/ 97 a legislação sobre os recursos hídricos se dava, não raro de modo tímido, através das seguintes leis: Código

Leia mais

Arranjo Normativo e Institucional para o Setor de Saneamento Básico em Regiões Metropolitanas. São Paulo, 08 de Outubro de 2013.

Arranjo Normativo e Institucional para o Setor de Saneamento Básico em Regiões Metropolitanas. São Paulo, 08 de Outubro de 2013. Arranjo Normativo e Institucional para o Setor de Saneamento Básico em Regiões Metropolitanas São Paulo, 08 de Outubro de 2013. A ASSEMAE Fundada em 1984, no Triângulo Mineiro, a Assemae surgiu da necessidade

Leia mais

Gestão de Inundações urbanas. Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS

Gestão de Inundações urbanas. Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS Gestão de Inundações urbanas Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS tucci@rhama.net Tipos de inundações Inundações ribeirinhas: inundações naturais resultado da flutuação dos rios durante

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA Colegiado dos Cursos de Graduação em Arquitetura e Urbanismo Fone: (31) 3409-8840 Fax: (31) 3409-8818 E-mail: colgrad@arq.ufmg.br CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA:

Leia mais

(Publicada no D.O.U de 26/02/2013)

(Publicada no D.O.U de 26/02/2013) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO CNRH N o 145, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 (Publicada no D.O.U de 26/02/2013) Estabelece diretrizes para a elaboração de Planos

Leia mais

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE 2009 PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE GESTORES AMBIENTAIS PNC/PR Elias Araujo Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Texto de apoio

Leia mais

WORKSHOP RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFiOS PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAÚDE E LIMPEZA PÚBLICA

WORKSHOP RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFiOS PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAÚDE E LIMPEZA PÚBLICA WORKSHOP RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFiOS PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAÚDE E LIMPEZA PÚBLICA 2 CONDICIONANTES E DETERMINANTES DE SAÚDE: Conceito de Saúde para a Organização Mundial de Saúde, a OMS: Saúde é

Leia mais

Saneamento Básico e Contrato de Programa

Saneamento Básico e Contrato de Programa GESTÃO DE CONTRATOS Planos de Saneamento Básico e Contrato de Programa PROJETO REGUL@ÇÃO A EVOLUÇÃO DO MARCO LEGAL NO BRASIL Decreto Decreto Lei Lei nº nº 949/69 949/69 Institui Institui o o Planasa Planasa

Leia mais

SANEAMENTO NA ÁREA RURAL

SANEAMENTO NA ÁREA RURAL SANEAMENTO NA ÁREA RURAL Anelise Nardi Hüffner Engenheira Ambiental, MSc. em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental Contextualização Área Urbana Área Rural Densidade demográfica, diferenciação e mudança

Leia mais

SÉRIE ISO SÉRIE ISO SÉRIE ISO GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

SÉRIE ISO SÉRIE ISO SÉRIE ISO GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

O PAPEL DA REGULAÇÃO NA EXCELÊNCIA DA GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO XV ASSEMBLEIA DA ASSEMAE

O PAPEL DA REGULAÇÃO NA EXCELÊNCIA DA GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO XV ASSEMBLEIA DA ASSEMAE O PAPEL DA REGULAÇÃO NA EXCELÊNCIA DA GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO XV ASSEMBLEIA DA ASSEMAE Regulação do Saneamento Art. 9º O titular dos serviços formulará a respectiva política pública de saneamento

Leia mais

Anexo 7 - Despesa por Projeto e Atividade - Detalhado

Anexo 7 - Despesa por Projeto e Atividade - Detalhado Folha N. 1 01 LEGISLATIVA 120.000,00 4.543.000,00 4.848.000,00 01.031 AÇÃO LEGISLATIVA 120.000,00 4.543.000,00 4.848.000,00 01.031.0001 PROCESSO LEGISLATIVO 4.543.000,00 4.728.000,00 01.031.0001.0125 INATIVOS

Leia mais

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU Introdução A ABRELPE Treinamento para Operação de Aterros Sanitários Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e desde 1996

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Disciplina Saúde Ambiental

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Disciplina Saúde Ambiental Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Disciplina Saúde Ambiental Profª. Dra. Susana Segura Muñoz CONTEÚDO Data Apresentação da Disciplina Aula dialogada: Introdução à Saúde Ambiental

Leia mais

A PNSB e o Saneamento Rural

A PNSB e o Saneamento Rural A PNSB e o Saneamento Rural Antônio Tadeu Ribeiro de Oliveira Gerente de Estudos e Pesquisas Sociais VI Seminário Nacional de Saneamento Rural João Pessoa, 07.11.2012 A PNSB Pesquisa Nacional de Saneamento

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ)

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) MARCOS LEGAIS CONSÓRCIO PÚBLICO - CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 241 - Emenda nº 19/1998) - LEI FEDERAL

Leia mais

Gestão Ambiental e Saneamento Conflitos com a Urbanização

Gestão Ambiental e Saneamento Conflitos com a Urbanização ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos SEMINÁRIO Gestão Ambiental e Saneamento Conflitos com a Urbanização

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS SÃO AÇÕES INTEGRADAS DAS TRÊS ESFERAS DE PODER: GOVERNOS: FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL EM CONJUNTO COM A SOCIEDADE CIVIL GERANDO ESFORÇOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Diretriz SNCC nº 3 Saneamento Básico

Diretriz SNCC nº 3 Saneamento Básico Diretriz SNCC nº 3 Saneamento Básico 1 Referências Normativas - Lei 12.305/2010 e Decreto 7.404/2010 - Lei 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 - Lei 8080/1990 Fica estabelecida a Diretriz SNCC nº 3/2016,

Leia mais

12 de dezembro de 2016

12 de dezembro de 2016 PNSR Programa Nacional de Saneamento Rural Panorama delimitado pela pesquisa qualitativa os trabalhos de campo 12 de dezembro de 2016 Política Federal de Saneamento Básico / PLANSAB / PNSR O CONCEITO DE

Leia mais

Programa de Trabalho por Função/SubFunção/Programa

Programa de Trabalho por Função/SubFunção/Programa Programa de Trabalho por //Programa 03 ESSENCIAL À JUSTIÇA 1.023.996,68 1.023.996,68 03 092 REPRESENTAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL 1.023.996,68 1.023.996,68 03 092 0406 Gestão Administrativa 1.023.996,68

Leia mais

SANEAMENTO. O Desafio dos Nossos Tempos

SANEAMENTO. O Desafio dos Nossos Tempos SANEAMENTO O Desafio dos Nossos Tempos Política Estadual de Saneamento Básico PESB ABES A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, é uma organização não governamental de caráter nacional,

Leia mais

Proprietário Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento da Região Sul de Mato Grosso do Sul Plano Municipal de Saneamento Básico

Proprietário Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento da Região Sul de Mato Grosso do Sul Plano Municipal de Saneamento Básico PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico Naviraí /MS Versão 6 14/01/2016 Proprietário RAZÃO SOCIAL: ATIVIDADE: MUNICÍPIO: Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento da Região Sul de Mato Grosso do Sul

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DOS AFLUENTES MINEIROS DO BAIXO PARANAÍBA PN3

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DOS AFLUENTES MINEIROS DO BAIXO PARANAÍBA PN3 COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DOS AFLUENTES MINEIROS DO BAIXO PARANAÍBA PN3 Presidente: Cristina Garvil CBH-PN3 Criado em 30 de abril de 2004, através do Decreto nº 43.797. CBH-PN3 possui 64 membros entre

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I DIAGNÓSTICO TÉCNICO-PARTICIPATIVO

Leia mais

Perspectivas do Setor Usuários

Perspectivas do Setor Usuários Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araguari (CBH Araguari) 1ª Assembleia Geral Extraordinária de 2015 Perspectivas do Setor Usuários Cléber Frederico Ribeiro 1º Secretário Nacional da Assemae e Assessor

Leia mais

RELATÓRIO DO SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES O SANEAMENTO BÁSICO COMO POLÍTICA PÚBLICA MONITORAMENTO E CONTROLE SOCIAL

RELATÓRIO DO SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES O SANEAMENTO BÁSICO COMO POLÍTICA PÚBLICA MONITORAMENTO E CONTROLE SOCIAL RELATÓRIO DO SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES O SANEAMENTO BÁSICO COMO POLÍTICA PÚBLICA MONITORAMENTO E CONTROLE SOCIAL Venda Nova do Imigrante - ES 2016 i EQUIPE DE PROFESSORES Prof. Dr.

Leia mais

Programa de Fomento às Ações de Educação em Saúde Ambiental.

Programa de Fomento às Ações de Educação em Saúde Ambiental. Fundação Nacional de Saúde Superintendência Estadual de Minas Gerais SUEST/MG. Serviço de Saúde Ambiental Tema: Tema: Programa de Fomento às Ações de Educação em Saúde Ambiental. MARIANA, MG, 16 de Outubro

Leia mais

Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp. 2º Congresso de Saneamento do Nordeste

Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp. 2º Congresso de Saneamento do Nordeste Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp 2º Congresso de Saneamento do Nordeste O protagonismo dos municípios na gestão do saneamento. Eng. Leonardo Rodrigues

Leia mais

Perspectivas da Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos a partir da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Perspectivas da Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos a partir da Política Nacional de Resíduos Sólidos SEMINÁRIO Rotas tecnológicas para a gestão e tratamento de resíduos sólidos e a reciclagem diante da PNRS Perspectivas da Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos a partir da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

Regulação de Serviços de Água e Esgotos. Marisa de Oliveira Guimarães ABES São Paulo

Regulação de Serviços de Água e Esgotos. Marisa de Oliveira Guimarães ABES São Paulo Regulação de Serviços de Água e Esgotos Marisa de Oliveira Guimarães ABES São Paulo Câmara Técnica de Recursos Hídricos ABES-SP Junho de 2016 A Evolução do marco legal no Brasil Planasa/71 Modelo tarifário

Leia mais

RESÍDUOS: CLASSIFICAÇÃO E LEGISLAÇÃO. Proibida a reprodução Pré elaborado por Michelle Barcellos

RESÍDUOS: CLASSIFICAÇÃO E LEGISLAÇÃO. Proibida a reprodução Pré elaborado por Michelle Barcellos 34 ESTADUAL - SANTA CATARINA Lei 407, de 2009 Dispõe sobre a coleta dos resíduos sólidos inorgânicos nas áreas rurais. Lei 11.347, de 17/01/2000 Dispõe sobre a coleta, o recolhimento e o destino final

Leia mais

XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES

XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES Mesa Redonda 2 LEI Nº 12.305/2010, DESAFIOS E PERSPECTIVAS: Logística Reversa e Responsabilidade Compartilhada 30 DE OUTUBRO DE 2011 SÉRGIO LUIS DA SILVA COTRIM ESPECIALISTA

Leia mais

RESUMO DO RELATORIO FINAL DA 1 a.cnsa CONFERENCIA NACIONAL DE SAUDE AMBIENTAL do Estado do Paraná.

RESUMO DO RELATORIO FINAL DA 1 a.cnsa CONFERENCIA NACIONAL DE SAUDE AMBIENTAL do Estado do Paraná. RESUMO DO RELATORIO FINAL DA 1 a.cnsa CONFERENCIA NACIONAL DE SAUDE AMBIENTAL do Estado do Paraná. A 1ª Conferência Nacional de Saúde Ambiental (CNSA) é uma iniciativa dos Conselhos Nacionais de Saúde,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

IRRIGAÇÃO E SEUS FUTUROS IMPACTOS NA QUALIDADE DA ÁGUA E DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA SAÚDE E NO MEIO AMBIENTE

IRRIGAÇÃO E SEUS FUTUROS IMPACTOS NA QUALIDADE DA ÁGUA E DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA SAÚDE E NO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE IRRIGAÇÃO E SEUS FUTUROS IMPACTOS NA QUALIDADE DA ÁGUA E DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA SAÚDE E NO MEIO AMBIENTE Guilherme Franco Netto Diretor do Departamento

Leia mais

Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Educação em Saúde Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto CONTEÚDO PROGRAMÁTICO -Estatuto da Criança e do Adolescente (LEI N.º 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990). -Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional. -

Leia mais

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO COMITÊ TÉCNICO DE SANEAMENTO AMBIENTAL E OS TEMAS

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO COMITÊ TÉCNICO DE SANEAMENTO AMBIENTAL E OS TEMAS Painel 6: A efetividade do Controle Social nas Políticas Públicas de Saneamento. Estudo de caso: A PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO COMITÊ TÉCNICO DE SANEAMENTO AMBIENTAL E OS TEMAS DA LEGISLAÇÃO Alexandre Araujo

Leia mais

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2º Seminário Regional Sudeste sobre Resíduos Sólidos Desafios das Políticas para uma Gestão Integrada de Resíduos Sólidos A experiência do

Leia mais

Campinas, 10 de dezembro de twitter.com/funasa

Campinas, 10 de dezembro de twitter.com/funasa Campinas, 10 de dezembro de 2015 FUNASA Missão Institucional Missão Promover a saúde pública e a inclusão social por meio de ações de saneamento e saúde ambiental. Visão de Futuro Até 2030, a Funasa, integrante

Leia mais

DISTRITOS SANITÁRIOS

DISTRITOS SANITÁRIOS DISTRITOS SANITÁRIOS CONCEITO: É unidade mais periférica de administração sanitária, que detém responsabilidades e poder decisório ante a política local de saúde, tendo como objetivo chegar a uma integração

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA GABINETE DO VEREADOR PAULO DIÓGENES LÍDER DO PSD INDICAÇÃO N1. Exmo. Sr. PltESIDENTE DA CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA.

CÂMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA GABINETE DO VEREADOR PAULO DIÓGENES LÍDER DO PSD INDICAÇÃO N1. Exmo. Sr. PltESIDENTE DA CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA. CÂMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA GABINETE DO VEREADOR PAULO DIÓGENES LÍDER DO PSD INDICAÇÃO N1 06/2015 /2015 AUTORIZA O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (PMSB) DE FORTALEZA, A CONCEDER DESCONTO NAS TARIFAS

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL SIMPLIFICADO n. 03

RELATÓRIO MENSAL SIMPLIFICADO n. 03 RELATÓRIO MENSAL SIMPLIFICADO n. 03 ABASTECIMENTO DE ÁGUA ESGOTAMENTO SANITÁRIO DRENAGEM URBANA MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Equipe Técnica: Jesse Rodrigues de Arruda Barros Eng. Sanitarista e Ambiental

Leia mais

A Ecologia Industrial no Contexto das Políticas Públicas de Meio Ambiente

A Ecologia Industrial no Contexto das Políticas Públicas de Meio Ambiente A Ecologia Industrial no Contexto das Políticas Públicas de Meio Ambiente - Uma discussão preliminar sobre as oportunidades e limites da incorporação da ecologia industrial à gestão pública do meio ambiente

Leia mais

O ACOMPANHAMENTO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PELA A EMPRESA MUNICIPAL DE SANEAMENTO

O ACOMPANHAMENTO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PELA A EMPRESA MUNICIPAL DE SANEAMENTO O ACOMPANHAMENTO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PELA A EMPRESA MUNICIPAL DE SANEAMENTO Gustavo Arthur Mechlin Prado (1) Engenheiro Civil formado pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP),

Leia mais

O direito humano à água

O direito humano à água Seminário: Democratização da política de serviços de saneamento básico por meio de inovações sociotécnicas. Lições para enfrentar os desafios O direito humano à água Francisco Lopes Secretário Executivo

Leia mais

Seminário As soluções para o Saneamento Básico e os Recursos Hídricos no Brasil

Seminário As soluções para o Saneamento Básico e os Recursos Hídricos no Brasil Seminário As soluções para o Saneamento Básico e os Recursos Hídricos no Brasil Os pressupostos para a viabilização de investimentos alternativas de participação da iniciativa privada Secretaria Nacional

Leia mais

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Política Nacional de Recursos Hídricos Lei Federal Nº 9.433/97 A partir da década de 1990: a legislação propõe substituir um sistema centralizador e setorial por outro

Leia mais

I - criação e manutenção de um diagnóstico atualizado da situação alimentar dos estudantes;

I - criação e manutenção de um diagnóstico atualizado da situação alimentar dos estudantes; COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 1.699, DE 2003 Institui a Política de Prevenção e Controle dos Distúrbios Nutricionais e das Doenças Associadas à Alimentação e Nutrição no Sistema

Leia mais

CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS LEI N.º 1.423/16 De 19 maio de 2016 Institui o Plano Municipal de Saneamento Básico do município de Vale do Sol. O PREFEITO MUNICIPAL DE VALE DO SOL, no uso de suas atribuições legais, faz saber, em cumprimento

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 09 Aspectos legais e institucionais Meio Ambiente Profª Heloise G. Knapik 1 Por quê precisamos de legislação ambiental? Controle

Leia mais

Programa de Trabalho por Função/SubFunção/Programa

Programa de Trabalho por Função/SubFunção/Programa Programa de Trabalho por //Programa 03 ESSENCIAL À JUSTIÇA 0,00 574.708,77 0,00 574.708,77 03 092 REPRESENTAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL 0,00 574.708,77 0,00 574.708,77 03 092 0406 GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

A população mundial está crescendo a uma taxa exponencial de 1,2% ao ano. Gera crescimento e Desenvolvimento Econômico

A população mundial está crescendo a uma taxa exponencial de 1,2% ao ano. Gera crescimento e Desenvolvimento Econômico A população mundial está crescendo a uma taxa exponencial de 1,2% ao ano. Gera crescimento e Desenvolvimento Econômico O que é sustentabilidade? Um caminho para a sustentabilidade: Recursos Naturais Degradação

Leia mais

10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO TOTAL ( PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL)

10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO TOTAL ( PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL) 0. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO TOTAL ( PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL) Produto : Definição do processo de elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Produto 2: Diagnóstico da Situação do Saneamento Básico

Leia mais

Um olhar sobre o saneamento básico em nossas comunidades

Um olhar sobre o saneamento básico em nossas comunidades Cartilha - Saneamento Básico 1 Um olhar sobre o saneamento básico em nossas comunidades 2 Cartilha - Saneamento Básico A Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2016 tem como tema Casa Comum, nossa responsabilidade

Leia mais

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA CONTEÚDO 1. A REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

O que vêm à sua mente?

O que vêm à sua mente? Controle Social O que vêm à sua mente? Controle Social Controle da sociedade Algo controla a sociedade X Controle da sociedade A sociedade controla algo Quando o Algo controlou a sociedade Breve resgate

Leia mais

O MODELO FPSEEA/OMS NA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL

O MODELO FPSEEA/OMS NA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL O MODELO FPSEEA/OMS NA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL Modelo FPSEEA/OMS Forcas Motrizes Marco conceitual FPSEEA Efeito Pressão Situação Exposição Ambiente Saude Ações preventivas Ações curativas

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PLANO PLURIANUAL PARA

CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PLANO PLURIANUAL PARA CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PLANO PLURIANUAL PARA 2004-2007 (Projeto de Lei nº 41/2005-CN) PARECER DA COMISSÃO SUBSTITUTIVO

Leia mais