Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento"

Transcrição

1 Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento CASADAVILLAPOUSADA Cascavel / CE

2 INFORMAÇÕES DO ESTABELECIMENTO Nome: CASADAVILLAPOUSADA Cnpj: / Cadastur: Ramo de Atividade: Meios de Hospedagem Responsável: Georgia Guerra Endereço: RUA OSÓRIO FERREIRA Nº.: 0 Complemento: Cidade/UF: Cascavel/CE CEP: Telefone: (85)

3 CONSUMO EFICIENTE DE ENERGIA Implantar um sistema de gestão visando o consumo eficiente de energia resultará em redução direta dos custos e ainda trará um posicionamento diferenciado e desejável aos olhos dos visitantes e turistas! Além disso estimulará que as mesmas atitudes se multipliquem na vida pessoal dos empregados e fornecedores, potencializando os resultados ambientais do processo. COMPROMISSO DE EVOLUÇÃO: Este estabelecimento não conseguirá efetivar nenhuma das reduções propostas para o próximo ano. ESTRATÉGIAS: 1. Dar preferência a equipamentos que possuem selo PROCEL. 2. Utilizar lâmpadas de baixo consumo 3. Estimular constantemente os funcionários a diminuir o uso de energia e a monitorar as áreas comuns para redução do consumo elétrico. 4. Divulgar aos clientes a campanha de redução de consumo através de comunicação oral. 5. Divulgar aos clientes a campanha de redução de consumo através de comunicação escrita

4

5 USO RACIONAL DA ÁGUA A água é um elemento vital para todos os seres humanos e seu meio ambiente. Porém, é finita e torna-se escassa para atender as necessidades das grandes metrópoles. Isso se deve ao crescimento da população e, também, ao seu mal uso. COMPROMISSO DE EVOLUÇÃO: Este estabelecimento não conseguirá efetivar nenhuma das reduções propostas para o próximo ano. ESTRATÉGIAS: 1. Utilizar chuveiros econômicos ou com regulagem de pressão 2. Utilizar descarga econômica 3. Estabelecer e implantar procedimentos de economia e informação para a troca de roupa de cama, banho, toalhas de mesa, entre outros 4. Utilizar aeradores, válvulas redutoras e/ou controladores do fluxo de agua nas torneiras, quer nas automatizadas, quer nas torneiras controladas por sensores 5. Implantar rotina de verificação e ajuste mensal de vazamentos. 6. Estabelecer e orientar funcionários sobre a quantidade mínima de material a ser lavado por ciclo de máquina de roupa ou de louças.

6 7. Compartilhar com os funcionários e clientes o monitoramento do consumo de água por meio de registro em planilha afixada em local visível. 8. Estabelecer junto aos funcionários procedimentos que não admitam o corrimento constante da água na lavagem de louças e dos salões

7 REDUÇÃO NO DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS Dados alarmantes indicam que 1/3 de todo o alimento produzido no mundo é jogado fora. Algumas práticas simples podem minimizar esse problema e, além de possibilitar que mais pessoas se alimentem, ainda pode aumentar a rentabilidade de hotéis e restaurantes. COMPROMISSO DE EVOLUÇÃO: Este estabelecimento se compromete em reduzir o desperdício anual de alimentos comparativamente ao dos últimos 12 meses em até 10%, o que representa uma redução no desperdício ao longo do período de 1 ano para até 13,5 Kg. ESTRATÉGIAS: 1. Identificar a porcentagem do lixo orgânico gerado que é resultado da má gestão no uso dos alimentos ou no controle do estoque (desperdício de alimentos DA). 2. Flexibilizar o tamanho das porções servidas 3. Implantar sistema de gestão de estoque 4. Promover programas de engajamento dos funcionários para orientar melhor os clientes em relação às características dos pratos servidos 5. Capacitar a equipe de cozinha através de cursos sobre

8 melhor aproveitamento dos alimentos 6. Aprimorar o sistema de compras, selecionando melhor fornecedores e prazos

9 GESTÃO EFICIENTE DOS RESÍDUOS A nova política nacional de resíduos sólidos (PNRS) contém importantes instrumentos para permitir o enfrentamento dos principais problemas ambientais, sociais e econômicos decorrentes do manejo inadequado do lixo. Entre outras coisas, institui a responsabilidade compartilhada dos geradores de residuos: fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, cidadãos, etc. Para além de uma causa ambiental, passa a ser uma obrigação legal! COMPROMISSO DE EVOLUÇÃO: Este estabelecimento não conseguirá efetivar nenhuma das reduções propostas para o próximo ano. ESTRATÉGIAS: 1. Identificar e monitorar a quantidade de resíduos gerados pelo estabelecimento (em kg). 2. Implantar sistema de separação de resíduos secos e molhados 3. Realizar campanhas de mobilização dos funcionários 4. Estabelecer parceria com Cooperativa ou Programa regional de reciclagem para recolhimento, transporte e destinação adequada 5. Disponibilizar depósitos para coleta seletiva para os

10 clientes. 6. Estabelecer junto aos funcionários procedimentos que não admitam o despejo de detritos e restos de comida, ou resíduos oleosos, na rede predial de aguas residuais (ex. na canalização). 7. Implantar caixas de gordura na canalização dos esgotos e sistema de monitoramento trimestral

11 RESPONSABILIDADE SOCIAL Ações de responsabilidade social permitem que a comunidade local se beneficie da presença de empresas na região não só a partir da possibilidade de emprego, mas também através da participação em atividades sociais, educativas e de cunho ambiental, organizadas e promovidas pelos empresários, funcionários e a própria sociedade. É um passo fundamental para o fortalecimento da cidadania. COMPROMISSO DE EVOLUÇÃO: Este estabelecimento se compromete em participar e atuar ativamente em projeto de responsabilidade social externo ao empreendimento. ESTRATÉGIAS: 1. Desenvolver ou participar de um programa de responsabilidade social 2. Divulgar dicas de comportamento sustentável e responsável em seu website e no estabelecimento 3. Priorizar a contratação de pessoas da comunidade local 4. Incluir pelo menos 2 produtos orgânicos no café da manhã (Hoteis) ou um prato do cardápio (para restaurantes), devidamente identificados. 5. Participar de conselhos locais, fóruns de discussão de

12 temas de sustentabilidade, entidades de classes. 6. Priorizar a contratação de fornecedores locais 7. Incluir em sua política de contratações a inserção de pessoas portadoras de necessidades especiais.

Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento

Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento Bagagem São Paulo / SP INFORMAÇÕES DO ESTABELECIMENTO Nome: Bagagem Cnpj: 07.125.666/0001-15 Cadastur: Ramo de Atividade: Restaurantes e Bares

Leia mais

Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento

Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento Pousada Almlan Itaguaí / RJ INFORMAÇÕES DO ESTABELECIMENTO Nome: Pousada Almlan Cnpj: 15.780.689/0001-91 Cadastur: Ramo de Atividade: Restaurantes

Leia mais

PNRS e a Logística Reversa. Free Powerpoint Templates Page 1

PNRS e a Logística Reversa. Free Powerpoint Templates Page 1 PNRS e a Logística Reversa Page 1 História Roma de Júlio Cesar e Augusto Page 2 História Geena Fogo eterno Page 3 História Cambridge 1338 São Paulo 1722 Rio de Janeiro 1850 Page 4 Novidades da PNRS Bloco

Leia mais

Gestão Pública Sustentável

Gestão Pública Sustentável Gestão Pública Sustentável Florianópolis/SC outubro/2014 Ministério do Meio Ambiente Sustentabilidade e Setor Público Art. 225 CF/88 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem

Leia mais

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Projeto Coleta Seletiva Sumário 1. Objetivo: Descrição completa do objeto a ser executado --------------------------------- 3 2. Meta desejada: Descrição das Metas desejadas

Leia mais

Gestão Socioambiental na Administração Pública de Minas Gerais Programa AmbientAÇÃO

Gestão Socioambiental na Administração Pública de Minas Gerais Programa AmbientAÇÃO Gestão Socioambiental na Administração Pública de Minas Gerais Programa AmbientAÇÃO Mirian Cristina Dias Baggio 2016 Programa AmbientAÇÃO O QUE É O AMBIENTAÇÃO? É um programa de comunicação e educação

Leia mais

Compras Sustentáveis

Compras Sustentáveis OBJETIVO ESTRATÉGICO DO SGAC Alcançar o Nível de Maturidade de uma Empresa de Classe Mundial Evento com Fornecedores dos Correios AÇÃO ESTRATÉGICA Implantar o modelo de gestão ambiental da empresa de acordo

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES

Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES PERGUNTAS NORTEADORAS: 1) O que significa ambientalizar a universidade e o que se espera com isso? Ambientalização da universidade é a inserção

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

Brasil terá que investir R$15,59 bi em tratamento de resíduos

Brasil terá que investir R$15,59 bi em tratamento de resíduos Brasil terá que investir R$15,59 bi em tratamento de resíduos Comunicação Ietec A sustentabilidade ambiental é um desafio mundial e, por isso, a produção, coleta e destinação dos resíduos tornaram-se tema

Leia mais

RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrosilvopastoris. >>Redação final: Pesquisa, desenvolvimento e inovação de tecnologias

Leia mais

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901.

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901. ITAÚNA Emancipação: 16 de setembro de 1901. Localização: Centro-Oeste Mineiro. Distância da capital: 76 km População: 90.084 mil habitantes (Fonte: IBGE) Área: 500 km² Vista parcial de Itaúna Vista parcial

Leia mais

BRYAN MARQUES MORAES RA Graduando em Geografia. Atividade de Educação Ambiental praticada na cidade de Paraty RJ, na disciplina BE597.

BRYAN MARQUES MORAES RA Graduando em Geografia. Atividade de Educação Ambiental praticada na cidade de Paraty RJ, na disciplina BE597. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS BRYAN MARQUES MORAES RA 157748 Graduando em Geografia. Atividade de Educação Ambiental praticada na cidade de Paraty RJ, na disciplina BE597.

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Acordo Setorial de Lâmpadas POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ACORDO SETORIAL DE LÂMPADAS 1 BASE LEGAL Lei Federal 12.305/2010 e Decreto 7.404/2010 O QUE SÃO RESÍDUOS

Leia mais

Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor

Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor Anexo Gráficos de resultados Perfil entrevistado Perfil por Região do Brasil Qual setor representa 30,0% 28,5% 26,6% 25,9% 25,0% 20,0%

Leia mais

ações somam Campanha de Uso Racional Unimed Leste Fluminense que CARTILHA DA ECONOMIA

ações somam Campanha de Uso Racional Unimed Leste Fluminense que CARTILHA DA ECONOMIA CARTILHA DA ECONOMIA ações que somam Campanha de Uso Racional Unimed Leste Fluminense Nos dias de hoje, a energia é empregada intensivamente na sociedade em geral e em tudo o que se faz. Daí a necessidade

Leia mais

2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009

2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009 2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009 Energia é Vida Use com Consciência Leonardo Resende Rivetti Rocha Atuação da Cemig no PEE /ANEEL Lei N 9.991

Leia mais

Seção III. Do Saneamento Básico

Seção III. Do Saneamento Básico Seção III Do Saneamento Básico Art. 1º - Saneamento básico é o conjunto de serviços que compreende o abastecimento de água potável, o esgoto sanitário, a limpeza urbana, o manejo de resíduos sólidos, drenagem

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA DE REDUÇÃO DO VOLUME E DESTINAÇÃO CORRETA DE RESÍDUOS PERIGOSOS GERADOS Programa Nº 04/2016 Sumário

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim SEMINÁRIO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes Deputado Arnaldo Jardim 21.07.11 Política Nacional de Resíduos SólidosS Diretrizes Internalizar

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL

III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel II: Resíduos Sólidos Urbanos Política Nacional, Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos. José Valverde Machado Filho 20.04.2012 Cenários e Evolução

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável dos Correios PLS - Relatório do 3º Trimestre

Plano de Gestão de Logística Sustentável dos Correios PLS - Relatório do 3º Trimestre EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS Plano de Gestão de Logística Sustentável dos Correios PLS - Relatório do 3º Trimestre 2015 Introdução O Plano de Gestão de Logística Sustentável dos Correios

Leia mais

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Humberto Minéu IFTM/Câmpus Ituiutaba Doutorando em Geografia/UFU hmineu@gmail.com Ituiutaba, 30 de abril de 2014. Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) - Lei 12.305/2010

Leia mais

Título: Consumo Reverso: Compostagem Caseira com Cultivo de Horta Urbana na Região Central de Porto Alegre, RS.

Título: Consumo Reverso: Compostagem Caseira com Cultivo de Horta Urbana na Região Central de Porto Alegre, RS. Título: Consumo Reverso: Compostagem Caseira com Cultivo de Horta Urbana na Região Central de Porto Alegre, RS. Autores: Marília Cerciná (1) & Gladys Falavigna (2) Filiação: Pós-graduação em Educação para

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DA LOJAS RENNER E SUAS CONTROLADAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DA LOJAS RENNER E SUAS CONTROLADAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DA LOJAS RENNER E SUAS CONTROLADAS 1 INTRODUÇÃO A Lojas Renner acredita que para alcançar a sua meta de ser a maior e melhor loja de departamentos das Américas precisa ir além

Leia mais

Desempenho Ambiental do Alojamento em Portugal Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Desempenho Ambiental do Alojamento em Portugal Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Desempenho Ambiental do Alojamento em ortugal 2015 Boas ráticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Utilização eficiente da energia Utilização

Leia mais

RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E LOGÍSTICA REVERSA: IMPLEMENTAÇÃO NO CONTEXTO BRASILEIRO

RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E LOGÍSTICA REVERSA: IMPLEMENTAÇÃO NO CONTEXTO BRASILEIRO Patrícia Iglecias SETEMBRO, 2013 RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E LOGÍSTICA REVERSA: IMPLEMENTAÇÃO NO CONTEXTO BRASILEIRO GESTÃO DE RESÍDUOS NA PNRS Não geração Redução Reutilização Reciclagem Tratamento

Leia mais

Situação Atual da... Maioria. Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha

Situação Atual da... Maioria. Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha RESÍDUOS NO BRASIL Situação Atual da... Maioria Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CARROCEIROS E CATADORES DE MATERIAIS RECICLAVEIS ANCAT

Leia mais

Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos

Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos REALIZAÇÃO: Implantação da Responsabilidade Pós-Consumo em São Paulo Ações, Resultados e Desafios Flávio de Miranda Ribeiro

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE, TURISMO SUSTENTÁVEL & ACESSIBILIDADE ADOTADAS PELO HILTON BARRA RIO DE JANEIRO

BOAS PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE, TURISMO SUSTENTÁVEL & ACESSIBILIDADE ADOTADAS PELO HILTON BARRA RIO DE JANEIRO BOAS PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE, TURISMO SUSTENTÁVEL & ACESSIBILIDADE ADOTADAS PELO HILTON BARRA RIO DE JANEIRO - Área de serviço com Luminárias de baixo consumo 13w, instaladas conforme projeto de iluminação

Leia mais

Criando valor através de resíduos sólidos. Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos

Criando valor através de resíduos sólidos. Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos Criando valor através de resíduos sólidos Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos 2 Promon Intelligens Promon Intelligens 2013 A preocupação com a destinação adequada dos resíduos sólidos urbanos

Leia mais

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Humberto Minéu IFTM/Câmpus Ituiutaba Doutorando em Geografia/UFU hmineu@gmail.com Ituiutaba, 08 de maio de 2014. EMMAV CAIC 2 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)

Leia mais

Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos

Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Cláudia Lins Consultora Ambiental Foi instituída pela Lei 12.305/10 e regulamentada pelo Decreto 7.404/10 A PNRS fixou obrigações para União, Estados e

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

MATERIAL DE CONSUMO. 1- conscientização de servidores e alunos acerca do uso consciente de papeis, cartuchos;

MATERIAL DE CONSUMO. 1- conscientização de servidores e alunos acerca do uso consciente de papeis, cartuchos; Pouso Alegre Totalmente Satisfatório Satisfatório Parcialmente Satisfatório Insatisfatório Pontos positivos Pontos Negativos Sugestões Responsável Ciência 1- conscientização de servidores e alunos acerca

Leia mais

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA Agenda 21 local : da teoria à prática Gina Rizpah Besen Psicóloga Mestre em Saúde Pública FSP-USP consultora em Gestão Ambiental rizpah@usp.br Desenvolvimento

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

Gestão De D Resídu d os

Gestão De D Resídu d os Gestão De Resíduos COLETA SELETIVA Projeto Gestão de Resíduos EcoMalzoni Como funcionava a coleta de resíduos antes do Projeto de Gestão de Resíduos? - 85% dos sacos retirados eram pretos, com

Leia mais

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE 283 RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE Sandro Patrício S. Pereira¹, Fernando Filho¹, André Bitencourt¹, Marcelo Libaneo² Resumo: Este trabalho teve como objetivo avaliar

Leia mais

MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL. Utilização Instalação Dados técnicos

MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL. Utilização Instalação Dados técnicos MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL Utilização Instalação Dados técnicos Importante Não instale e não use o seu Aquecedor Solar Soletrol antes de ler este manual. Edição 10/2002 APRESENTAÇÃO PARABÉNS!

Leia mais

Práticas Socioambientais na Copel Distribuição

Práticas Socioambientais na Copel Distribuição Práticas Socioambientais na Copel Distribuição Ramo de atuação da empresa: Distribuição de Energia Elétrica Certificações da empresa: Não possui sistema de gestão ambiental certificado (ISO 14000). Sustentabilidade

Leia mais

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL A PUMA TAMBORES, com o objetivo de divulgar a sua política ambiental e conscientizar seus fornecedores e prestadores de serviços quanto aos aspectos ambientais, elaborou este Manual de Requisitos Ambientais

Leia mais

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Ambiente diferenciado do meio empresarial Campus Santo Amaro - Centro Universitário rio SENAC 120 mil m2 de terreno 21 cursos de graduação e 7

Leia mais

Práticas Ambientais na Universidade Feevale

Práticas Ambientais na Universidade Feevale Práticas Ambientais na Universidade Feevale Engenheira de Gerenciamento Ambiental Sheila Maria Leuck Novembro/2014 Universidade Feevale Missão: Promover a produção do conhecimento, a formação dos indivíduos

Leia mais

SÍNTESE DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI , DE 02 DE AGOSTO DE 2010) NA PERSPECTIVA DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO BRASILEIRAS

SÍNTESE DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI , DE 02 DE AGOSTO DE 2010) NA PERSPECTIVA DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO BRASILEIRAS SÍNTESE DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI 12.305, DE 02 DE AGOSTO DE 2010) NA PERSPECTIVA DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO BRASILEIRAS O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? Art. 3º, item XVI - material,

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência

Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência 25 de novembro de 2015 Centro de Formação, Capacitação e Treinamento - CEFOR da Câmara dos Deputados OBJETIVOS Geral:

Leia mais

Resíduos eletro-eletrônicos. Identificação de Gargalos e Oportunidades na Gestão Adequada

Resíduos eletro-eletrônicos. Identificação de Gargalos e Oportunidades na Gestão Adequada Resíduos eletro-eletrônicos Identificação de Gargalos e Oportunidades na Gestão Adequada Junho de 2009 Alguns Modelos utilizados no mundo: Modelo Responsabilidade ampliada do Produtor - responsabiliza

Leia mais

Processo de Participação Popular de Projeto:

Processo de Participação Popular de Projeto: Processo de Participação Popular de 2005 Projeto: Aproveitamento dos resíduos sólidos com vistas à identificação de Oportunidades de Micro e Pequenos Negócios no Vale do Rio dos Sinos Informações SECRETARIA

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Produção e Consumo Sustentável DPCS Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística

Leia mais

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS WORKSHOP E VISITAS TÉCNICAS A INFRA ESTRUTURAS DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTUGAL 1ª Edição: 05/12 a 09/12/2016 2ª Edição: 06/02 a 10/02/2017 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Carlos R V Silva Filho ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Carlos R V Silva Filho ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Carlos R V Silva Filho ABRELPE maio/2010 Introdução A ABRELPE ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e a partir

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS Setembro/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS DA POLÍTICA AMBIENTAL - SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade

Leia mais

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO AÇÃO ADOTADA: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

Minuta Circular Normativa

Minuta Circular Normativa Minuta Circular Normativa 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo a) Estabelecer princípios e diretrizes para orientar as ações de natureza socioambiental nos negócios da Desenbahia e no seu relacionamento com clientes

Leia mais

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo A Lei nº 15.374 de 2011 proíbe a disponibilização de sacolas plásticas descartáveis nos estabelecimentos comerciais do município de São Paulo.

Leia mais

Para a Unimed, sustentabilidade significa o equilíbrio entre SAÚDE AMBIENTAL, SAÚDE SOCIAL e SAÚDE ECONÔMICA.

Para a Unimed, sustentabilidade significa o equilíbrio entre SAÚDE AMBIENTAL, SAÚDE SOCIAL e SAÚDE ECONÔMICA. SUSTENTABILIDADE Para a Unimed, sustentabilidade significa o equilíbrio entre SAÚDE AMBIENTAL, SAÚDE SOCIAL e SAÚDE ECONÔMICA. Na busca deste equilíbrio, propõe-se a reduzir resíduos e emissões, estimular

Leia mais

Título: Projeto Economia 10, Desperdiço 0 Redução de gastos dos sistemas utilitários do ICESP com garantia de qualidade e eficiência dos produtos.

Título: Projeto Economia 10, Desperdiço 0 Redução de gastos dos sistemas utilitários do ICESP com garantia de qualidade e eficiência dos produtos. Título: Projeto Economia 10, Desperdiço 0 Redução de gastos dos sistemas utilitários do ICESP com garantia de qualidade e eficiência dos produtos. Nome da Instituição envolvida: Instituto do Câncer do

Leia mais

A LO L GÍS Í T S I T C I A R EV E E V R E SA

A LO L GÍS Í T S I T C I A R EV E E V R E SA A LOGÍSTICA REVERSA NOS DIAS ATUAIS 21/11/2016 APRESENTAÇÃO Quais são os motivos que tornam a logística reversa um assunto tão relevante nos dias atuais? - a redução do ciclo de vida mercadológica dos

Leia mais

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO RIO 92 CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO O QUE É SUSTENTABILIDADE? TRATA-SE DE UM NOVO MODELO DE DESENVOLVIMENTO, QUE BUSCA COMPATIBILIZAR O ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES

Leia mais

A Construção Sustentável no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas

A Construção Sustentável no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas CREA MG Seminário de Mudanças Climáticas e Regimes Ambientais Internacionais A Construção Sustentável no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas Weber Coutinho Gerente de Planejamento

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO RELATÓRIO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO AÇÕES COMPROBATÓRIAS DAS ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PERÍODO DE 2011/ 2014 2011 13/06/2011 13/06/2011 SEMANA DE MEIO AMBIENTE, EXPOSIÇÃO DE BRINQUEDOS COM MATERIAIS

Leia mais

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear Premissas Ecossistemas naturais Produção de bens e serviços Sociedade: uso e descarte Modelo Linear O modelo de produção e gestão de resíduos pode ser definido como linear, onde extraímos os recursos naturais

Leia mais

Valorização dos Resíduos Plásticos

Valorização dos Resíduos Plásticos Valorização dos Resíduos Plásticos CENÁRIO CENÁRIO Consumimos 50% a mais do que o planeta é capaz de produzir, absorver e regenerar 16% da população mundial consome 78% dos recursos 2/3 da população não

Leia mais

Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa. Zilda M. F. Veloso 08abril2014

Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa. Zilda M. F. Veloso 08abril2014 Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa Zilda M. F. Veloso 08abril2014 I- CONSIDERAÇÕES GERAIS Objetivos POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERAÇÃO DE RESÍDUOS PANO DE FUNDO: Sem a PNRS, a geração

Leia mais

PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL Metas a serem alcançadas

PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL Metas a serem alcançadas Ações/Programas e Detalhamento PROGRAMA Unidades e áreas envolvidas e respectivos responsáveis Projeto de Boas práticas de gestão do serviço público: Redução dos gastos públicos e racionalização dos recursos

Leia mais

PRODUZINDO SUSTENTABILIDADE! MELHORIA DO PROCESSO DE RECICLA- GEM DE LIXO NA COOPERATIVA AÇÃO RECICLAR DE POÇOS DE CALDAS RESUMO

PRODUZINDO SUSTENTABILIDADE! MELHORIA DO PROCESSO DE RECICLA- GEM DE LIXO NA COOPERATIVA AÇÃO RECICLAR DE POÇOS DE CALDAS RESUMO PRODUZINDO SUSTENTABILIDADE! MELHORIA DO PROCESSO DE RECICLA- GEM DE LIXO NA COOPERATIVA AÇÃO RECICLAR DE POÇOS DE CALDAS RESUMO O presente trabalho relata as ações extensionistas desenvolvidas em uma

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos. Jeniffer Guedes

Plano de Gerenciamento de Resíduos. Jeniffer Guedes Jeniffer Guedes PLURAL Indústria Gráfica Ltda Parque gráfico da PLURAL com 33.500m 2. Fundada em 1996. Atualmente a PLURAL emprega 841 profissionais. Composição Acionária 51% 49% 90 anos de história Jornal

Leia mais

Questionário do Programa Bandeira Azul Brasil para Praias

Questionário do Programa Bandeira Azul Brasil para Praias Questionário do Programa Bandeira Azul Brasil para Praias 1. Informações sobre a praia candidata: 1.1 Nome da Praia 1.2 Região da Praia 1.3 Localização Geográfica Latitude: Longitude: 1.4 Nome do responsável

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS BASE LEGAL - AÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS AÇOES DE GESTÃO DE RESÍDUOS - BASE LEGAL Lei nº 11.107/2005 Consórcios Públicos Decreto nº 6017/2007

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável no Varejo

Desenvolvimento Sustentável no Varejo Desenvolvimento Sustentável no Varejo Daniela de Fiori Outubro de 2006 Desenvolvimento Sustentável As três dimensões Objetivos Econômicos Crescimento Valor para acionistas Eficiência Inovação Objetivos

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

Guia para um consumo sustentável

Guia para um consumo sustentável Guia para um consumo sustentável Contexto O consumo sustentável traduz-se na utilização adequada dos recursos naturais de forma a satisfazer as actuais necessidades de consumo sem comprometer as gerações

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA GABINETE DO PREFEITO GESTÃO 2013/2016

ESTADO DE RONDÔNIA MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA GABINETE DO PREFEITO GESTÃO 2013/2016 DECRETO N 1184/GP/2014. DESATIVA O LIXÃO MUNICIPAL E INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA/RO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Primavera

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO QUANTO CUSTA UM BANHO? Área Total = 170 mil m² Área Construída = 105 mil m² FREQUENCIA MÉDIA DE ASSOCIADOS (2015) Média Diária = 6.708 entradas Média Mensal = 201.251 entradas

Leia mais

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS]

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] ATERROS SANITÁRIOS [DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] 2013 O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? É O LIXO QUE PRODUZIMOS. NOSSO LIXO DE TODOS OS DIAS. E ESSES RESÍDUOS OU LIXO PODEM SER CLASSIFICADOS COMO:

Leia mais

Código PE-NOPD-8. Data: 29/04/2011

Código PE-NOPD-8. Data: 29/04/2011 1. Objetivo e campo de aplicação Este padrão tem como finalidade estabelecer a metodologia de descarte de resíduos e efluentes gerados no Laboratório de Macromoléculas e Colóides na Indústria de Petróleo

Leia mais

Relatório de avaliação da 1a Oficina do Projeto Esplanada Sustentável

Relatório de avaliação da 1a Oficina do Projeto Esplanada Sustentável Relatório de avaliação da 1a Oficina do Projeto Esplanada Sustentável 1. Introdução A 1ª Oficina do Projeto Esplanada Sustentável foi realizada na ESAF, entre os dias 06 e 09 de fevereiro de 2012, em caráter

Leia mais

Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES

Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES Seminário Soluções Ambientais para Resíduos Sólidos Industriais DESAFIOS PARA SUSTENTABILIDADE RESÍDUOS

Leia mais

CARTILHA DE SUSTENTABILIDADE

CARTILHA DE SUSTENTABILIDADE CARTILHA DE SUSTENTABILIDADE Hotel Transamérica São Paulo ÍNDICE 1. Hotel Transamérica São Paulo 2. Principais Conceitos 3. Ações Realizadas 1. Hotel Transamérica São Paulo Inaugurado em 1985, o Hotel

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O

FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O 2007 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO:...3 2. OBJETIVOS:...4 3. JUSTIFICATIVA:...5 4. ATIVIDADES:...7 5. CRONOGRAMA DE AÇÃO:...8 6. AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS...9

Leia mais

Carmencita Tonelini Pereira Bióloga e esp. em tratamento de resíduos sólidos e líquidos

Carmencita Tonelini Pereira Bióloga e esp. em tratamento de resíduos sólidos e líquidos + Carmencita Tonelini Pereira Bióloga e esp. em tratamento de resíduos sólidos e líquidos Email: 4elementos.bio@gmail.com Fones: (62) 9397-4574 (62) 8252-2502 + ÁGUA Sabemos consumi-la com responsabilidade?

Leia mais

Diretriz SNCC nº 3 Saneamento Básico

Diretriz SNCC nº 3 Saneamento Básico Diretriz SNCC nº 3 Saneamento Básico 1 Referências Normativas - Lei 12.305/2010 e Decreto 7.404/2010 - Lei 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 - Lei 8080/1990 Fica estabelecida a Diretriz SNCC nº 3/2016,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI:

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI: LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE FIGUEIREDO-AM. O PREFEITO MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Data: 30/03/2015 Rev.: 04. Ação Quem faz Por que faz Como faz Quanto ($) Prazo Status Comentário

PLANO DE AÇÃO - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Data: 30/03/2015 Rev.: 04. Ação Quem faz Por que faz Como faz Quanto ($) Prazo Status Comentário Data: 3/3/ Rev.: 4 1 Contratação de empresa realização de serviços limpeza de caixa SAO Para evitar transbordamento/cont aminação Contratação - licitação 2 de CFTV Monitoramento e vigilância Contratado

Leia mais

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 4 Eficiência Energética e Uso Racional de Energia slide 1 / 22 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA & USO RACIONAL DE ENERGIA DEFINIÇÕES: Uso racional da energia:

Leia mais

A Logística Reversa e a Política Estadual de Resíduos Sólidos

A Logística Reversa e a Política Estadual de Resíduos Sólidos Fórum Internacional Waste Expo Brasil 2016 sobre Gestão Integrada de Resíduos Sólidos A Logística Reversa e a Política Estadual de Resíduos Sólidos Flávio de Miranda Ribeiro CETESB Companhia Ambiental

Leia mais

10 DICAS PARA A SUA EMPRESA SER SUSTENTÁVEL

10 DICAS PARA A SUA EMPRESA SER SUSTENTÁVEL EXCLUSIVO PARA EMPRESAS QUE REDUZIR SEUS CUSTOS DE FORMA SUSTENTÁVEL 10 DICAS PARA A SUA EMPRESA SER SUSTENTÁVEL Prezado Empresário, O Grupo Quality preparou esse manual para ajudá-lo a implantar ações

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 15 Instalações Prediais de Esgoto Sanitário Profª Heloise G. Knapik 1 Instalações prediais de esgotamento

Leia mais

HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA:

HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA: HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA: Reciclagem e Compostagem de resíduos sólidos em unidade de saúde - como fazemos PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: Ieda Azevedo Nogueira TEL: 21 996259476 E-MAIL: iedazevedonogueira@gmail.com

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria 1 Há duas décadas, a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92) adotou um programa de

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Responsabilidade Compartilhada. Seguro Ambiental. José Valverde Machado Filho

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Responsabilidade Compartilhada. Seguro Ambiental. José Valverde Machado Filho Política Nacional de Resíduos Sólidos. Responsabilidade Compartilhada. Seguro Ambiental. José Valverde Machado Filho 27.05.2013 Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, com foco em: I -

Leia mais

Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas

Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas O GPA em números - Eleito uma das 10 empresas mais admiradas do Brasil e vencedor no setor Varejo Supermercados em estudo da revista Carta Capital. - Listada no ranking

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (PEA), POLITICA E GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (PEA), POLITICA E GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (PEA), POLITICA E GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS Montanha ES Abril / 2014 0 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...2

Leia mais

O QUE ORIENTA O PROGRAMA

O QUE ORIENTA O PROGRAMA O QUE ORIENTA O PROGRAMA A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres estabeleceu um diálogo permanente com as mulheres brasileiras por meio de conferências nacionais que constituíram um marco na

Leia mais

Ações de Sustentabilidade

Ações de Sustentabilidade Ações de Sustentabilidade Visão do GHC Ser reconhecido no Sistema Único de Saúde como modelo de atenção centrado nas pessoas, inovador na gestão e polo de produção de conhecimento, ensino e pesquisa, com

Leia mais