- Expedição ~cieiltuica,!\ooseveit-}\oildoil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Expedição ~cieiltuica,!\ooseveit-}\oildoil"

Transcrição

1 - Expedição ~cieiltuica,!\ooseveit-}\oildoil RELA TQRIQ APRESENTADO AO Sr,0 Goronol Ganmdo Mariano da SUva Rondon Chefe da Commissão Brasileira PELO Capitão Amilcar Armando Botelho de Magalhães Ajudante da Expedição RIO DE JANEIRO 1916

2 RELA TORIO

3 Expedição pcieil ririe&. 1\ooseileI r-1\cildril APHESF.:'fr ADO AO Sr. Coronel Candido Mariano da Silva Rondon Capitão Amilcar Armando Bo~~lho de Magalhãc~ '\iud~nle da E.petliç:\o..~ ~.. ~ BIO ne.'aneiho 1916 CA TALOGACION

4 INTRODUCÇAO Por proposta vossa apn:sentada ao Sr. Ministro da Cuerra, por intermedio do Sr. Ministro do Extc rior, aquella autoridade, em aviso de I4 de Outllbro de 1913 ordenou él minha passagem Ú disposição do Ministerio da Viação como ajudante da Commissào de Linhas TcIegraphicas Estrategicas de Matto- Crosso ao Amazonas, para () fim especial de tomar parte na expedi<;'ào que o Coverno o;-ganizaria, soo vossa chefia, com o objectivo de acompanhar o Sr. Theodore Rooscvelt através do sertão do Brasil. A 2 I desse mcsmo mez apresentei-me por tal motivo ao ('sni ptorio ccn trai daq ue IIa C omm issão, afim de aguardar vossas ordens. Dada a pressa ('om que era nccessario consegllir os c!ementos indispensaveis á projectada travessia c de accordo com as ordens tdegraphicas que transmittistes, quando em viagem ele :\1anÚos para o Rio de Janeiro, iniciei desde logo nesta ('apital as providencias mais urgentes em rela,'ào á ;}rquisi-,'ão da munição de borra, material de acampanlc'nto c instrumentos de engenharia, etc" estahelecendo as

5 6 l'ulldî<~ùes a que ckvia obedecer a respectiva emhalagem, visto que o official indicado para o servi<;o de intendencia achava-se em Matto-C;rosso, onde aguardava a passagem da expedi<;'ãu, sem tempo ahsolutamente de vir ao Rio de Janeiro. Assim é que em 25 de Novembro embarcavam nesta Capital alguns membros cia ('ommissào Brasileira e com elles seguiam 221 volume~ de carga pertencente á [~xpedi<;'ãu < ue ficara designada officialmente com o titulo de Expcdi<:ão Scientiti.ca Roosevelt-Rondon. O atrazo com que foi elltrt',~'uc parte do numerario destinado <is despesas da expedição, impedindo-vos de partir com os demais membros pelo ultimo paquete transatlantico que vos permittiria alcan\~ar Corumbá antes da chegada ali do Sr. Roo-,..,eve]t. determinou a viagem expressa por terra, do Rio de J ancirn ao rio Paraguay. utilisando-sc para l'sse fim das vias ferrèas Central do Brasil, Sorocabana e Noroeste, para cujo percurso era bem exiguo t, tempo disponivel. muito mais quando nesta ultima havia cerca de 40 Ieg:UélS de marcha a cavallo, além cc um grande tn'('ho apenas trafegado pplos trens de lastro. A. espc( tati\'a dessa viagem por terra dcixaval10s entrever c1araml'nte que nos 'iubmetteriamos a Ilma clura prm'a ell' resistencia sol> as vossas vistas immediatas, mas não havia ('orno fug-ir a uma tal situa~'ão (' prcpar;ímos o ('spirito para subjugar as deflcencias do vigor physico que em :'aso algum poderia emparelhar o ('om o \'OSSo. pur mais arrogante que fossl' a nossa vaidade pessoal. :\ssim desenhou-se a perspectiva do primeiro trillllto que l'u pa~'aria pela enorme distinc\,ão com

6 7 que fôra abalada a minha modestia ao ser cul1\'idado para tomar parte nessa Expedição. Cabe aqui meu sincero reconhecimento pela vossa lembrança do meu nome para auxiliar tão delicados trabalhos e podeis estar certo de que o meu desvanecimento na acccitação de tal convite só fôra possivcl porque de envolta levava n'alma a certeza de qllc a influencia da vossa direcção nürtearia a minha acção, não permittindo que cu sllccumhisse ;1 pressão das minhas proprias falhas. Sob a vossa C:\PITULO r chefia irnrnediata Em ] de Ikzt'mbro dessc mesmo anno, obede ccndo a tão honrosa indicaç'ão parti em vossa com panhia pelo nocturno de luxo; ás 2 I horas e 30 minutos do dia :; chegámos a S. Paulo com um atrazo dt, ::? horas l' 20 minutos l' ;1S 20 hor;ls (' 3 minutos partimos pela Estrada de Ferro Soroca-»;:l1a: Ús 10 horas e 30 minutos do dia 4 chegámos á cstal,'ào Balln' onde nos aguardava um trem especial posto ;i \"ljssa disposição; Ús I I hora's l~.10 minutos partimos de BallrLI e ;is 2 I horas dcsemharcámos em :\ral,:atllba, onde pernoitámos visto não ('star em certo trecho consolidada a linha de modo a permittir que sc' viajasse Ú TIoute. Em caminho para Araçatuba fo-se uma pequena parada na cstal;ão provisoria «Ileitor I,eg-ruc )J, onde os indios Kai-gang-s, esses I111'SmOSconsiderados ferozes e cllja pacificação foi teita pessoalmente por V('lS em epocha bem reccnte, \"ieram documentar \'ivamcnte a inju<;tj<:a deqw'

7 8 :',am vlctlmas, kstejando a nossa passagem pelas suas terras, A 's 3 hor;}s cio dia S partimos para tapura onde apenas demodmos 20 minutos; ;ís l) horas desembarcámos na esta~'ã() pr()\'isoria df' J upiá: A's 12 horas desa tracou o " fer- boot Il cond uzi ndo-nos para a margem direita do rio Paraná, o que vale dizer, transport~ndo-nos do Estado de S, Paulo para () de Matto-Crosso, Reorganizado () trem sobre os trilhos da outra margc'm, partimos ás 14 horas para Tres l,agôas onde almoçámos ás 14 horas c 30 minutos, A's I S horas e 30 minutos retomámos o trc'm C' ás 20 horas (',w minutos desc'mbarcámos na estal,'ão de Rio- Verde, ultima ('sta~'ão inaugurada nesse trccho (' na qual hzl'mos a nossa sc.g-unda f( fei<;ão, A's) horas de () partimos para a ponta dos trilhos: ;ls B horas s;,ltámos do «wagon Il e ás <) horas l' 30 minutos partimos montados da ponta dos trilhos com destino élo rio Pardo, onde apeámos ás I h horas c S minutos, Em Rio Pardo onde ás Il; horas fïzemos a unjca refeição desse dia ag-uardámos a chf'gada d;t tropa, <[uc só apparec('u ás 22 horas, r('c('bendo ordem vossa de pro~eguir viagem, substituindo-se alguns anin1aes cargueiros que davam mostras de (';~nsa~'o 1\'S 2 horas do dia ï iniciámos a nova marcha aprovf'itanclo él claridade d"s f'strcllas e :ís 10 horas ( S minutos apf';ímos junto ao corrc'g'() Campo..-\lcgrc onde tomámos a llnica rdci<:ão dess~' dia; ;ls le) horas e la minutos proseguimos viagem C' no di;.\ k :í.s 2 horas c 30 minutos apeámos em um sitio wrtencf'nte ao ('orone! Sehastião df' I.ima, a uma leg'ua de ('ampo-cranclc, ahi pernoitando.

8 9 A's X horas c 3~ minutos do mesmo dia dia X chq.;ámos á villa de Campo-Grande, onde aguardámos a vinda dos cargueiros que conduziam nossa bag-ag'cm, o que só se deu ás 13 horas. Nesse mesmo dia partimos ás 1 S horas c a 1 hora do dia () cheg{tmos ao acampamento da construcção do outro trecho da Estrada de Ferro Noroeste. Ainda a l), ;Is () horas e 1 ~ minutos partiu o trem especial posto <Í nos,:;~l disposição para vos conduzir él Porto- ~s )('ra nça. Adeante da villa de Aquidauana o trem parou alguns minutos, junto ;í. csta<,'ão provisoria " Visconde de Taunay ", onde um numeroso gtu[>o de indios " Terenas ", soltando foguetes e cantando na St:;~ ling'ua, dava mostras do (jllanto os alegrava él vossa pre~en\a ('I1tr(~ elles. N ão me posso furtar ao dc\'c:- dc' citar ('pisodios ('orno essc, visto envolver as~llmpt() de tão g-rande interesse para a nossa Patria, ferindo o g-randc problema das rda\,õcs do homem civilizado com o homem (jut' habita as selvas. E t curioso a~signalar, como not,,', probatoria do prestij.óo em que (. tida a vossa pessôa entre elles, o farto de trazcrem as mães os seus filhinhos rccem.. nascidos para re('(:lwrem o osclllo affectuoso que J!ws imprimieis, facto a que tambem se lig'a o sentimento affcctivo do indio, I )csemb;;rc;'lmos ;ls 22 horas, em Port,) Espc ranl.;a, passando-nos com as nossas bag-ag-ens para ordo do paquete Nyoac, onde afinal a urg-encia da marcha permittiu que fosse tom;: da uma rf'feil:ào l1(,s~c dia. A's 23 horas e 30 minutos partia () N\'lJ;}c rio Parug'uay abaixo com de'stino ;\. foz do rio Apa. ;\Jo

9 10 dia JO ás 4 horas parámos defronte ao nosso legendario forte de Coimbra, glorioso baluarte da honra nacional, theatro de um choque armado da bravu:-a p;lraguaya contra a br;,vura brasileira e onde St' immortalizaram Portocarrl'ro c o pequeno grupo de obscuros mas heroicos defensores da nossa Patria. A. 's S horas (' 30 minutos proseg'uimos viagem a hmdo elo :\I }'O<lC C no dia I I,ís.) horas c 30 minutos ;,rri;ímos ferros em fr('ntc a Porto Murti; ho, peqlleno!)()\();~do mattogrosscnse da man.;cm esquerda do rio Paraguay. De Porto :Vll1rtinho partimos ;is H horas c ~ minutos (' :ts 9 lwras (' 50 minutos cncontrúm(ls I'.avegando contra n(')5 o paljllcte «Brasil )) de CUjl) ljordo retidmos as nossas malas de fardamento fino, ('mbarcadas no Rio de Janeiro con junctamente com ;1 carga destinada ;Î r~xpl'dição, fazcnoo-!1os ao larg- J l10vamente ás 10 horas l' 30 minutos. Ancorámos ás 13 horas e 30 minutos do dia Il, ddronte á embocadura do rio Apa onde aguardá mos él chegada do Sr. Roosevelt, olhando simulta ih:amcnte as terras brasileira~ da sua margem direita e as terras paragllayas de ~ua margem esquerda. Nessa cspectativa passámos a noite do dia I I, esta }wlccendo o serviço de vigilancia e conservando-nos de «promptidão» segundo a technologia militar. Nr dia 12 ás 10 horas e 40 minutos foi assignalada, a jusante, a fumaça de um navio no extremo do cstirâo em que nos encontravamos c ;is I I horas e 10 minutos ancorava a bombordo a canhoneira paraguaya «Adolpho Rcquiclmc )), em que viajava () Sr. Roosevelt. Após os cumprimentos do estylo, levados a hordo da «Riquiclmc )), partimos ás 12

10 11 hura~ e 10 minutos comboiando com o Nyoa:..: aqudle navio de guerra, Durante o trajecto para CorumlJá, a mal~ ampla cordialidade orientou a nossa (l('(:ão rclativ,.! mente ao ex-presidente e sua comitiva, No dia I 3 á~ () horas e IS minutos, ancorámo:"> ao lado da canhoneira defronte ao forte Olympo, onde o.!:overno dl) Parag-uay mantem uma guarnição militar. Em retribuição á visita que vus foi kit a ('m nome do Sr. Coronel Crisostomo Machucas, commandante dessa guarnição, a este fui levar pessoa: mente os agradecimentos apresentando-lhe os vos sos cumprimentos cordialissimos, bem como os da C'ommissão Brasileira sob vossa chefia. A's 10 horas e 45 minutos continuámos a suijir o rio Paraguay, montando ás 13 huras e 55 minutos él pyramide de base quadrada <[ue, a p()uros metros da margem direita, assignala os limites do Brasil com a Bolivia,,\'s :; horas parámos junto ao porto de Coimbra. No dia 15 ás 12 horas e 50 minutos pas savamos pela povoação do l,adario e ás I:; horél~ estavamos junto ás altas barrancas de C:orumb;í. onde ás 16 horas desembarcámos acompanhando" Commissão Americana á terra. No dia I ï ás ï horas e 20 minutos partia L N yoac rio P aragua y abaixo com destino ao ne Taquary. em cuja bocea de jusante denominada " Riozinho II penetdmos atl~ o porto da fazenda rias Palmeiras, atracando no mesmo dia (is 9 horas c ahi pernoitando. No dia 18 ás ï horas c 10 minutos partia él. comitiva ('om destino á fazenda das Palmeiras, ah; <1pcando ás 12 horas e 40 minutos t' tendo eu ex:'

11 12,'utado ('umvos('o o kvantamcnto expedito da estrada percorrida, através do pantanal. Desde () d ia I~ até 23 de Dezembro esteve a Expedi\'ào acantonada na rderida fazenda, onde as ('ommissões americana e brasileira adquiriram varias pe(:as zóologicas para os museus respectivos de Ne\y-York e Rio de Janeiro, A 23, pelas Il horas (: T S minutos partiu a carreta conduzindo as bagagens ~' ;ís 14 horas t' 4S minutos partiu a comitiva da I'::':jl('di\ào através dos campos alag'ados. de reg'resso ao porto do Riozinho (bra(:o do rio Taquary) onde recmbarcou todo pes~oal no paquete i\yoac. que ahi aguardava essa cheg:ada. A 24, conforme ordem vo!:sa fiz tripular uma can<îa e iniciei ao cbrear do dia Il levantamento expedito do Riozinho desde o P~)rt(1 cm que estavamos atracados, até sua fl'lz no rio Par;,~'uay. tendo antes medido uma base de 600 :lletros ;Í margem direita e percorrendo-a tres ve%('s a favor da corrente, procurando :nanter quanto possi\'e! uma \'c!ocidade approximada da que emprc- :.:,'aria na descida, afim de avaliar convenientemente :I~rc!a\'õcs de tempo e distancia vencida. A's 8 horas alcancei o rio Paraguay, concluindo ahi o levanta- 'TIente e aguardando junto;í margem cs<juerda a descida do paquete N )'oac, para cujo bordo passei :í.s X horas e 20 minutos, continuando a subir o rio Paraguay. Quatro horas depois passavamos pela sq.(unda bucca do rio Taquar)', A's r 4 horas esta, vamos montando o Parag-uaymirim, ccle1lrt" pela pa!"sagem de tropas embarcadas, vindas d(' CuyabÚ, sob () commando do Ceneral JOS(~ Maria ('oclho e que, gré1<:é1sú ligação desse 1>ra(;o de rio ('Om o proprio 1,'urSO do Parag'lIay acima de ('orllmb;', ('onsc-

12 13 g"uiram, com tal movimento retomar csta cidade das mãos do inimigo, ao tempo da gucrra com o Para guay. A's 16 horas e IS minutos passámos Ladaril' e ;ís J ï horas atraca vamos a Corumb;í. Cumprindo vossas determinaçôc's saltei em terra acompanhando a pessôa do Sr. Corond Roosevelt, regressando Ús Il) horas para bordo. A's 22 horas o N yoac suspc'ndc'u ferro e sc'g-uimos cm dc'stino á fazc'nda de S. João, onde se encontrava S. Exa. o Sr. Presidente do Estado de Matto-Crosso com o fim df' aguardar ahi a chf'gada do Sr. Coronel Roosevelt. No dia 26 ás 4 horas começámos a viajar em aguas do rio S. I.ouren<;"o e ás 2 I horas c l.:'i min utos encf't;ímos él subida do rio Cuyabá. A's 20 horas c 30 minutos parúmos ddronte ao «Atcrradinho H, pequcna habita<;'ão;í margem esquerda do rio Cuyab;í, onde agllardámos o tempo sufticiente para quc a chegada da Expcc1i<;'ào á L zenda de S. João não se verificass(' durante a noite. i':' muito interessante assignalar que o terreno, justit1cando perfeitamente o nome dado él essc log'at, (~ahi constituido por camadas de aterro sulwrpostas provavelmentt' pelos primitivos habitantes indigcnas dessa zona. J ustif)('a as hypotheses a exccp<:ão de qual id adt, (' posição das terras ncsse pon to, como em outras semclhant<'m('nte constituidas artificialmente, assim como a descoherta dc' fragmentos ek objectos da <"('ramica c]ementar dos aborig'clws, fragmentos ('sses encontrados nas excavaçôt's loc;ws. A's h horas c 30 minutos dc' 2R partimos CI11 dint(:ão a S. João, onde chegámos ;ís X horas (' 3(: minutos. Ahi!)('rmanCCClI a Expedição até: o dia 30, clata em < \It' partimos él bordo do Nyo;[(' ('om destine'

13 14 élo rio S. Lourt"nço, CUJO curso começámos a subir ;ís 13 horas (' 30 minutos. afim de levar él eheito diversas caçadas em projecto. I~ffcctuadas estas, regressou c' Nyoac a 2 de Janeim de desccndo o rio ~. Lourenço c passando a subir li rio Paraguay ás JC) horas c 15 minu tos. em demanda de S. l.uis de Caceres, onde che- ~ámos ;'ts I ï hc)ras (' 30 minutos do dia S do mesmo me'!..-\"s J.') horas elo di;) h partiu o ~:');;C, rio Par;] ~'uay ;[(" ma,!)('n('trando ('m seg'uida pelo curso do ~er()tuha, (' no dia seguintr' ;ís 1.') horas c 4S minutos par;l\a junto ;'{ fazcnda do Porto do Campo, ollde pela primeira n~z [oram armadas as barracas d<' campanha. Da orckm do elia Il. J. d( ;, publicada por V(')S (m Porto do ('ampo, dando org-anização definitiva aos din'rsos scrvi(:os el; I~.\:p('di\ão, consta a minha )]om('a(:ào para ('xcntr o carg-o de secretario, na parte administrativa, assim como a incumbencia, na parle tc('hnic'a, dos ~('rvi\'os de meteorologia e topo- ~Taphia. Tenclo quc prosq.;uir no mesmo clia com ; maior part(' do c ontingcnte. CI seu respectivo commandante, assumi a ï cie Janeiro as funcçc)es de seu cargo em relação ao pessoal que ficou destacado nessa fazenda, como consta da ordem do dia n. I dac uella clata. Conforme as vossas ordens iniciei df>sde log-o os trahalhos de preparação do acampamento em uma faixa clo terreno de roo por 200 metrus, dimensões do rectangulo capinado para esse fim na vargem da fazenda. Foram assim armadas 14 barracas, duas de dupla cobertura, grandes, destinadas ao Sr. Corone} Roosevelt e a vós. occupando

14 15 (I centro do alinhamento euja ala direita era collsti tuida pela C:ommissão Americana, ficando a hrasi kira na ala esquerda, o qlle significa ;1 colloc<lc:ão daquella no logar de honra, de accordo com as disposis'ões dos nossos reg'ulamentos em relac:ão á pre ('('dencia militar, estahelecendo que se deve dar <,cmpre a direita ao superior hicrarchico. Em frente ;'IS duas harracas-chefe tremulavëlm r('~pcctivanwnte o pavilhão americano e () Pé vilhão í )rasileiro. Nesse l." ;ltampamcntl! I)('rmanecemos att', o dia 13. ci;)ta ('m que ás 1 I horas partimos na lanc:ha «Anjo da Ventura Il e em uma ('hata a n-hoque, afim de proseg'uir o ;}('cesso du Sepotuba, em demanda de Tapirapoan. onde desembarcúmos ;ís I I horas (. 30 minutos de 16 e acampámos pela seg-llncb VC7..,,\hi em Tapirapoan org'anizci, de ac('ordo ('om as vossas instrun:i)es as cargas que flélrtiriam com as tres tropas que se destinavam ;'1 l'xpediç?o do rio da Duvida e ao transporte de mercadorias (' hag-agcns das duas turmas em que r1ividistcs a (~xpcdição. Pelas I ~ horas de J g c pela marlrug-arla de It) sahi ram os quatro lotes de tropa do rio da Duvida, com :)4 bois carg-ueiros conduzindo 136 \"olllmes dos quaes 99 da Commissão Amcric:ana, <) de barracas de campanha, 11m com as tabolctas desig'nativas dos rios Roosevelt <.: Kermit c 28 com g-eneros destinados él alimentação do pessoal da tropa (' com SII;J.S r('spectivas bagagens. Convem dizer aqui, a proposito, duas palavras em relação a esses 99 volumes americ:anos : Quasi todos elles eram constituidos de substancias alimenticias, acondicionadas de modo que él

15 16 ('ada um dos dias da semana ('orrespondia um ('erto JII(,lllf, encerrado em pequenos caixotes dentro dos quat's estavam as conservas e petrec.hos divididos em duas caixas de zinco hermeticamente soldadas, Exteriormente viam-se inscriptos os ns, r a ï para assig"nalar os dias da semana de domingo a sabbado, respectivamente, Os caixotes continham assim almo\'ü e jantar para dous dias, cada lata representando as duas rcfei~'ões de um só dia para f) homens, l~cram calculadas de tal modo que a rcla<:ão de peso c de volume determinaria a sua ti uctuação se por a('aso cahissem n'ag'ua, No dia 21 pela manhã partiu a tropa ck :;4- Flrros que conduziria as cargas de I," tlirma soh él ('hefia de honra do Sr, ('( ronel Roosevelt. A's 13 horas partia o pessoal technico ci(~ \." turma ao qual ;lcompanhci até meia legua de distancia, retro('e" dendo então a Tapirapoan, depois de apresentar as minhas despedidas á ('ommissão Americana (- demais membros componcntes da primeira llirma Chefiando uma turma RegTcssando a Tapirapo,m comelti desde l g"o a activar os preparativos de oq.~"a!,iza<:ão da minha turma, desig"nada por lc sl',glinrla)) conforme fez publico a ordem do dia n, 2, de I () de J anl'iro de 1<}14. Mandei immcdiatamenlc ('hamar ;'1 Minha n'" Se H:a o cncarn'g"ado g"eral das tropas de minha turma

16 17 Antcnor Rodrigues Gonçalves, e os arrieiros de cada uma das tropas, Pedra Augusto de Figueircdo, da de bois e João da Cruz Gomes da de burros, transmittindo-ihcs ordcns terminantes para que tudo estivesse prompto no dia seguinte. Apesar, porém, dos meus esforços, só ás 16 horas de 22 partia o 1. lote de 10 bois rargueiws, sahindo o derradeiro lote de tropa ás d~ horas c.10 minutos. A tropa que servia ás necessidades da minha turma era constituida de' 97 animaes quando sani df' Tapirapoan, sendo: TROPA DF: Bors \nimaes carguciros (mansos) Il "para ; dpxtrar " adcstros para córte l\ l\ carreta. 23 S () 6 Total. TROPA DE MUARES Cavallo madrinha. Animaes cargueiros 40» para montada de offieiaes 12» "r.ampeio de gado 4 Total. 57 Pouco antes da partida do 1. lote de bois. partiram o tcnente Rcis (photographo e einematographista) e o Sr. Hoehne (botanieo) e pouco depois

17 18 os taxidermistas Blake e Reinisch e o addido Joaquim Horta _. todos com destino ao Salto. A's 12 horas e 20 minutos sahiu o 1. lotc de burros com I I animaes e um tocador montado; ás 16 e 2S minutos o 2. com outro tocador montado, ás 17 horas e 25 minutos partiu o 3 com I I animaes de cangalha c 2 tocadores montados e ás 17 horas e -+5 minutos o ultimo lote de muares com uma mula adestra; ás 19 horas sahiu finalmente a derradeira fracção da tropa o o 2. lote de bois cargueiros com ; 3 animaes, tocando-se quasi ao mesmo tempo os I ï hais adestras. Do que foi o inicio da minha marcha no dia 22 ; carta que vos dirigi em 25 do mesmo mez, fornece ideia aproximada (V. s?lfl}lrlll{,ll!o II [). Verificando pessoalmente a situação de todas as tropas e mandando descarreg'ar um lotc em meio do cerrado, para que os prejuizos fossem menores, retrocedi et.fapirapoan acompanhado do medico da turma Dr. Fernando Soledadc c do Tenente Vieira de ;\{ello, commandante do de5tacam{'nto,,~ombinando tudo de modo que ao clarear do dia seguinte pudessemos marchar com todas as tropes e concentrai-as em Salto da Felicidade, ponto naturalmente e!cito para primf'iro pouso (24 kilometros de Tapirapoan). Assim aconteceu; (ts :) horas e 30 minutos cio dia 23 estava sendo arriado o meu animal de montaria c em seguida partia eu acompanhado do Dr. So!cdade deixando em Tapirapoan o Tenente l\-1elloque fazia a rdag-uarda da columna para providenciar sobre o transporte, em carroça, de todas as cargas que fosse encontrando em caminho e que á heira da estrada seriam mandadas arrumar por mim.

18 19 Taes carg-as ahi collocadas indicariam não ter sido encontmdo o animal cargueiro quc as havia derrubado, na vespera, corcoveando, A's ï horas chegámos ao pouso do lot<.: de burros que na vespera fizera acampar no œrrado e ahi esperei que terminassem os tropeiros os preparativos de marcha, assistindo ainda carregar os animaes, emquanto o Or. Solcdade proseguía viagem para o SaIto da Felicidade. A's 7 horas e 30 minutos puz-mc em marcha escoltando o lote agora reduzido a ~ animal's, e is 7 horas c 45 minutos encontrei a rarga de um dos cargueiros desapparecidos, mandando desmontar um dos tocadores para utilizar él sua montada ('orno cargueiro c fazendo distribuir por alguns dôbros as difft'n'l1tes pe(,'as de ~éll arreamento. }\'s 13 horas alcancei (J «Salto» ('om as tropas d(~ bois (' de burros que vim arrebanhanrlo pelél estrada, comc(,'alldo pessoalmente a dirig-ir a passagem de toda" ellas (' as car,~-as respectivas para a outra margem (direita) do S('potuha, utilizando a balsa ahí existente. Durélnte esse tempo rhcg-ou de Tapir8.- )Joan o Tenente Tvr ello (' ;ís 16 horas e.~s minuto.'; tinhamos pas~ad() carg-as e animal's para o outre lado, dirigindo-nos então ao rancho em que acantonavam os demais membros superiores da 2." turm~,..'\0 encontrar ('om esses companheiros é que fui ler com attc'nção él carta que vos dirigiram, soiici tando suas exolwrações, documento ('sse que consti tue () sltppl{,!/l(,l1!o Il. 2 e que ag-iu sohre o meu espirito como a mais formidavcl das der:cpçõcs qlw póde ter um homem no cumprimento de seus deveres. A pedido dos demissionarios fiz seguir um esta

19 20 feta muntado levando um animal adestro, afim de conduzir a impatriotica e irritante missiva ao vosso acampamento que se encontrava a 57 kilometros além; o portador tinha ordem de regressar no dia immediato para o que viajaria dia e noite. A carta antipathica sq;uiu sem escolta de palavras minhas: nenhum commcntario bordei ás idéas que continha aquelje verdadeiro auto-libella, para não influir absolutamente sobre o vosso julgamento, como tarn- bem para não augmentar mais a aversão que despertaria em todos quantos viessem a ter conhecimento de seu conteudo. J ulg'o porém aqui chegada a hora de respigar friamente esse documento, com a mais imparcial justiça. Antes que tudo, nenhum commentario se deve accrescentar ao facto de ter assignado a carta I) Dr. Fernando Solcdade, medico da turma, bastanda para prof1ig-ar semelhante acta, simplesmente relatai-a, expol-o assim nu aos olhos de todos. De accorda com a vossa ordem do dia n. 2 lida por mim no circulo de officiaes, quando a expedição se encontrava em Tapirapoan, foi o Dr. Soledade induido na minha turma com as responsabilidades de medico, funcção essa de que se investiu, marchando em minha rompanhia de Tapirapoan ao Salto da Felicidade (24 kilometrns). Compunha-se a minha turma nessa o('(:asião de 56 fig'uras, sendo: PC'ssoaI te'chnir.o (' allxiliart's (supplemrnto n. 3), ï Contingente de praças do Exercito (supplementa n. 4), 16. Encarregado, arrieiros e tropeiros (supplemento ns. 5 e 6), 2 r.

20 21 Pessoal da tropa do rio da Duvida (supplcmento n. 7), 12. Teriamos que aggregar ao contingente mais um inferior e dez praças que se achavam em Aldeia Queimada; iriamos atravessar uma zona onde reinava o paludismo e estavamos tambcm sujeitos cvi dentemente a todos os accidentes que se pódcm produzir no sertão; não possuiamos nem pharmaceutico, nem um pratico que o substituisse; final mente, apesar da cxpedição disp()r de um outro medico que acompanhava a I." turma, partiramos de Tapirapoan na convicção de que não tinhamos necessidade d( pcdir-ihe explic<!(jjcs sobre é~ utili zaçãu dos medicamentos mais csscnciacs. Foi nestas condições que él 2: turma ficou pri vada de medico desde o segundo dia de marc:ha no sertão matogross('nsc, chamado pelos proprios demissionarios I( um dos mais aridos do Brasil )l. Quanto ao reg-rcsso dos demais memhros c discutindo a atitude dc]]e~~,em these, começaremos por analysar él primeira razão apresentada, pela qual se consideravam dispensados do encarf!;o de acompé) nhar a turma, por havcrdcs constituido rr uma 2.~ ('xpcdiç:ão )l com afim de facilitar a locomoção por pequenos w upnfi. A insinuação só teria cabi:ncnto se fosse 3pïescntada no momcnto mesmo cm C]1)e tiveram conhecimcnto dessa divisão cm turrnas, o que não fizeram nem cm seg-uida ;Í lcil1"'~ da respcrtiva crdcm do dia, nem com a min:ma objecção dc;1ois da cxpnsição verbal que lhes fizcstes, des envolvendo o assumpto, log-o após essa Jeitura, quando aind;, nos encontravamos em Tapiraporm. A alleg-ação de que ao primeiro dia de marcha

21 22 havia ficado em Tapirapoan parte ùos mantimentos c bagagens indispcnsaveis á subsistencia da turma - - não deixando perder de vista o considerando feito mais abaixo e pelo qual se affirma que cc ao mesmo tempo segue parallelamcnte uma commissão estrangeira melhor constituida de tropas e recursos)) -- deve ser traduzido do seguinte modo: a)- Mantimentos indispcnsaveis significa ahi, não o feijão, a farinha de mandioca, o arroz, a carne fresca, as farinhas de aveia, o leite condensado, o café, o assucar, o sal as cebolas, mas as conservas finas de peixe e fructas, os dores crystallisados da confeitaria Colombo, as latas de biscoutos da fabrica Jacob, o chocolate, as bolachas de agua e sal; b) - Bagagens indispensaveis deviam ser, na mesma proporção duplicatas de redt~s e mosquiteiros, sobresalcntcs de peças do vestuario, exagerada car~a de munições de guerra c cartuchos para caça, superfluidades proprias de quem, desconhecendo o sertão, propunha-se a atravessal-o em condições de conforto relativamente opulentas. Ao primeiro consic\l'rando referente ás necessiclac\l's de suhsistencia c locomo\~ão para o desempenho de suas diffcrrntes esp('cialidades, direi que semelhante affirmativa seria irrisoria se não fôra insidiosa, porquanto, os primf'iros animacs escalados para () serviço da turma () foram desig-nadamentc par;] attendcr ás exigencias da photographia. do taxidermista e do hotanico. na conformidade das requisições apresentadas por cada nm dos encarregados cie tacs sf'rviços, a meu pedido, feito embora com a razoahilissima rccommenda(:ão de que rf'duzissf'm ao minimo essa requisição. Quanto Ú sub-

22 23 sistencia, linhas atrás ficou cabalmente demonstrado a que proporções se reduz, quando não faltou á turma genero algum de primeira necessidade, desdl' sua partida até o termo de sua viagem, ap'-~sar de cu haver cedido, parte dos generos que conduzia, Ú l.' turma, por nos não fazerem falta. O caminhamento parallelo de uma ('ommissâo estrangeira (da qual fazia parte o Chefe da Commissão Brasileira, o medico brasileiro, o nosso geo logo nascido no Estado de Minas Geraes e mais dous officiaes do Exercito Brasileiro, em um total de 5 nacionaes para 8 norte-americanos) - Il melho, constituida de tropas e recursos», em primeiro logar deveria despertar da parte dos nossos compatriotas a lembrança das injuncções da hospitalidade, de comezinha obrigação moral para quem conhece os deveres de gentileza, sem falar nos deveres deco'."- rentes da organização official da expedição; em segundo logar, desprezada a mclhoria de l( recursos», em tudo eguaes aos que possuia a l.a turma, sem contar com a munição de algumas iguarias mais finas em conserva, como já foi dito e justificado, teremos ainda a oppôr alg'uns algarismos para bem avaliar em que consiste a superioridade das tropas. Sabido que a tropa do rio da Duvida foi constituida com () objectivo especial de conduzir de Tapirapoan ao rio da Duvida a carga de generas em conserva destinada á exploração projectada desse rio e confrontando o numero de animaes de que dispunha cada uma das turmas ao partir de Tapirapoan, teremos: I." turma a turma 79.

23 24 Donde resulta para aquella turma um excesso de 10 animaes, compensado pelo facto de ser de [4 pessoas () seu estado-maior (mais ï por conseguinte do quc as da 2. a turma) e pela necessidade de fornecer uma segunda montada ao Sr. Coronel Roosevelt e dotls animaes ainda, um para o ordenança do Sr. Roosevelt, outro para o elo Sr. Coro- Ilel Rondon. E note-se que a 1. a turma tinha de conduzir recursos de bocca para um pessoal assim accrescido do seu estado-maior e dispunha além disso de 2S praças c 20 tropeiros num total de 45 homens, contra um total de 37 de que na mesma occasião dispunha a 2. a turma. Da presumida superioridade das tropas só resta provar que nem em qualidade a tropa da 2. a turma t~ra inferior ~l da [.\ ('orno o não era em quantidadt. Or<1, de todos os animaes empregados ahi para (l transporte o mais resistente para essa zona é o bovino, em segundo logar () muar c em ultimo o cavallar; a 2." turma possuia 23 bois cargueiros c a I,ll nenhum; a 2. a turma dispunha de 56 muares cargueiros c de sella c a 1. dispunha parailclamenk rh- 66 animal's para o mesmo nm, sendü 5 cavallos_ Ainda quanto aos muares cargueiros c de sella. apesar de ser muito diffieil determinar. em condi- <J>es Œo disscmclhantcs, para que lado pendia essa 5upcrioridadc, os s21pplnl1r'll!os 8 e 9 comparados (om es pirita amplamente ncutral d(:'ixa1ticlaro flue lima tropa valia hem él outra. Finalm nte, p;;ra (>omplctar esta dissecação. ;Ibordemos o ultimo considerando agcitado a mar tdlo c a facão nessa peça heteroge!1ea. Comn ('m resistenr.ia ciels matni;ws se calcula

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

1º Todos os recrutas menores de dezesete annos assentarão praça nas Companhias de Aprendizes Marinheiros.

1º Todos os recrutas menores de dezesete annos assentarão praça nas Companhias de Aprendizes Marinheiros. INSTRUCÇÕES, A QUE SE REFERE O DECRETO DESTA DATA, SOBRE A ADMISSÃO, E ENSINO DOS RECRUTAS, PARA OS CORPOS DE IMPERIAES MARINHEIROS, E FUZILEIROS NAVAES Art. 1º Todos os recrutas, destinados a servir nos

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 MANTO QUE TRAZ DE VOLTA O QUE FOI PERDIDO. Orou Eliseu e disse: Jeová, abre os seus olhos, para que veja. Abriu Jeová os olhos do moço,

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde Salmos 127:2

Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde Salmos 127:2 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Joaquim Costa Jr 1 Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde 2 repouseis, Que comais o pão de dores: Aos seus amados ele o dá enquanto dormem.

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo Era uma vez a família Rebolo, muito simpática e feliz que vivia na Amadora. Essa família era constituída por quatro pessoas, os pais Miguel e Natália e os seus dois filhos Diana e Nuno. Estávamos nas férias

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Programa transmitido em 26 de fevereiro

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Iracema estava na brinquedoteca

Iracema estava na brinquedoteca Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães Iracema estava na brinquedoteca com toda a turma quando recebeu a notícia de que seu sonho se realizaria. Era felicidade que

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

Dinâmica e Animação de Grupo

Dinâmica e Animação de Grupo Dinâmica e Animação de Grupo Desenvolvimento de Competências Turma G3D Leandro Diogo da Silva Neves 4848 Índice 1. Introdução... 3 2. Planeamento de desenvolvimento individual... 4 2.1 Competências...

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 1

Ajuntai tesouros no céu - 1 "Ajuntai tesouros no céu" - 1 Mt 6:19-21 "Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a

Leia mais

MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37

MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37 MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37 1 1. Objetivos: Ensinar que quando Moisés aproximou-se de Deus, os israelitas estavam com medo. Ensinar que hoje em dia, por causa de Jesus, podemos nos sentir perto de Deus

Leia mais

1 de 9 09-12-2013 11:02

1 de 9 09-12-2013 11:02 1 de 9 09-12-2013 11:02 Fuga de Oleo 21 mensagens 5 de Setembro de 2013 às 18:45 Boa tarde Sr Hugo como está. Estou a contacta-lo porque estou com

Leia mais

Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz

Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz Viagem de lançamento do veleiro WEST - 6-9 junho 2015 Projeto A ponte entre a escola e a Ciência Azul Ricardo Estevens, ES 2/3 Anselmo de Andrade,

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Tributo aos Combatentes Africanos

Tributo aos Combatentes Africanos Tributo aos Combatentes Africanos Foto Google Zona Leste Sector L 3 ( a zona a sul do Rio Corubal foi abandonada em 6 de Fevereiro de 1969, durante a Operação Mabecos Bravios) Após terminado o 2º ciclo

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

LAUDO TÉCNICO. Respostas entre asteriscos indicam que o assunto perturba o depoente.

LAUDO TÉCNICO. Respostas entre asteriscos indicam que o assunto perturba o depoente. Porto Alegre, 21 de julho de 2010. LAUDO TÉCNICO No dia de hoje através de um áudio extraído da entrevista de Fernanda Gomes de Castro para o programa Mais Você de 21/07/2010, foi realizada uma analise

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas Fui expulso, mas tenho um filho menor a cargo a viver em Portugal. Podem recusar-me a entrada? Sim. A residência de filhos menores em Portugal é apenas

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

UNIDADE VI ESCREVENDO E-MAILS QUE GERAM RESULTADOS

UNIDADE VI ESCREVENDO E-MAILS QUE GERAM RESULTADOS UNIDADE VI ESCREVENDO E-MAILS QUE GERAM RESULTADOS Nessa unidade vou mostrar para você como escrever e-mails que geram resultados. Mas que resultados são esses? Quando você escreve um e-mail tem que saber

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

Para onde vou Senhor?

Para onde vou Senhor? Para onde vou Senhor? Ex 40:33-38 "Levantou também o pátio ao redor do tabernáculo e do altar e pendurou a coberta da porta do pátio. Assim, Moisés acabou a obra. Então a nuvem cobriu a tenda da congregação,

Leia mais

LIBERTANDO OS CATIVOS

LIBERTANDO OS CATIVOS LIBERTANDO OS CATIVOS Lucas 14 : 1 24 Parábola sobre uma grande ceia Jesus veio convidar àqueles que têm fome e sede para se ajuntarem a Ele. O Senhor não obriga que as pessoas O sirvam, mas os convida

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Áustria Viena. Foi uma grande surpresa o facto de todos os alunos andarem descalços ou de pantufas.

Áustria Viena. Foi uma grande surpresa o facto de todos os alunos andarem descalços ou de pantufas. Áustria Viena Foi uma grande surpresa o facto de todos os alunos andarem descalços ou de pantufas. Apenas fui assistir a uma aula, que acabou por não ser dada devido à presença dos alunos estrangeiros

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca PROGRAMA DO MUTIRÃO HABITACIONAL

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

Cinco ensinamentos da Páscoa para nossa vida pessoal

Cinco ensinamentos da Páscoa para nossa vida pessoal Cinco ensinamentos da Páscoa para nossa vida pessoal Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 12 de abril de 2009 igrejabatistaagape.org.br Cinco ensinamentos da Páscoa para nossa vida pessoal. A celebração

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Defesa do Consumidor alerta para casos práticos II

Defesa do Consumidor alerta para casos práticos II Defesa do Consumidor alerta para casos práticos II PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA TERÇA-FEIRA, 29 DE ABRIL DE 2013 POR JM As companhias aéreas não serão consideradas responsáveis se tiverem tomado todas

Leia mais

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai Histórias do Velho Testamento Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 7 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª SHEILA RODRIGUES PROF.ª SHIRLEY VASCONCELOS

LÍNGUA PORTUGUESA 7 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª SHEILA RODRIGUES PROF.ª SHIRLEY VASCONCELOS LÍNGUA PORTUGUESA 7 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª SHEILA RODRIGUES PROF.ª SHIRLEY VASCONCELOS CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Trabalho- A trajetória humana, suas produções e manifestações. 2 CONTEÚDOS

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

Draguim, Badão e companhia - Guia de leitura - Livro 1 Dragões, Duendes e Outros Bichos

Draguim, Badão e companhia - Guia de leitura - Livro 1 Dragões, Duendes e Outros Bichos Draguim, Badão e companhia - Guia de leitura - Livro 1 Dragões, Duendes e Outros Bichos Apresentação da obra Sempre me disseram que os dragões eram todos maus e que devíamos fugir deles a sete pés. Mas,

Leia mais

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A.

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Portugal ISBN 9789892311340 Reservados todos os direitos Edições

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca RIO DE JANEIRO, 22 DE JANEIRO DE

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Nos últimos tempos nesta questão enquanto uns progridem outros, com especial relevo para a ilha Graciosa, regridem.

Nos últimos tempos nesta questão enquanto uns progridem outros, com especial relevo para a ilha Graciosa, regridem. Intervenção do Senhor Deputado João Cunha na sessão plenária de 19 de Fevereiro de 2003 Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo TRANSPORTES Os

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo Tens uma tarefa importante para realizar: 1- Dirige-te a alguém da tua confiança. 2- Faz a pergunta: O que admiras mais em Jesus? 3- Regista a resposta nas linhas.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

História de Trancoso

História de Trancoso Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data: Leia o texto a seguir com atenção. História de Trancoso Joel Rufi no dos Santos Era uma vez um fazendeiro podre de rico, que viajava solitário. Ah, quem me dera

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 )

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) Tendo iniciado no presente ano lectivo 2005/2006 o funcionamento da plataforma Moodle na Universidade Aberta, considerou-se

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

Deus está implantando o Seu Reino aqui na Terra e Ele tem deixado bem claro qual é a visão dele para nós:

Deus está implantando o Seu Reino aqui na Terra e Ele tem deixado bem claro qual é a visão dele para nós: Visão do MDa Na visão do MDA, é possível à Igreja Local ganhar multidões para Jesus sem deixar de cuidar bem de cada cristão é o modelo de discipulado um a um em ação. O MDA abrange diversos fatores desenvolvidos

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA

CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA INTRODUÇÃO Irmãos! A bíblia nos ensina que Deus nos chama a realizar, a ser, a conhecer e a alcançar muitas coisas, tais como, realizar a obra de Deus, a ser santos,

Leia mais

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público Pedro, Tiago, João no barquinho Os três no barquinho no mar da Galiléia Jogaram a rede Mas não pegaram nada Tentaram outra vez E nada

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

Sumário. Introdução 7

Sumário. Introdução 7 Sumário Introdução 7 Faculdades em estudo 11 Faculdade nativa 23 Reminiscências de vidas passadas 33 Os arquivos da alma 57 Materializações 79 Testemunho 95 Amigo ignorado 111 Complexos psíquicos 125 Premonições

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo São Paulo-SP, 20 de outubro de 2004 Meus queridos companheiros e minhas queridas companheiras

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

Passos contados. Crônicas na mochila 3/6/2009

Passos contados. Crônicas na mochila 3/6/2009 Passos contados & Crônicas na mochila Acho as certezas muito perigosas, ainda que algumas sejam necessárias e, volta e meia, surpreenda-me por outras sendo algemada.se elas deixam nossos passos firmes,

Leia mais

-Olhe por onde anda, Peixe-Boi! -disse a Tartaruga do Mar-. Você trombou em mim.

-Olhe por onde anda, Peixe-Boi! -disse a Tartaruga do Mar-. Você trombou em mim. Pof! Manny o Peixe-Boi bateu com a cabeça. -Olhe por onde anda, Peixe-Boi! -disse a Tartaruga do Mar-. Você trombou em mim. -Como posso olhar por onde vou? -reclamou Manny-. Não posso ver nada nesta água

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

Etapas da maturidade de Eliseu

Etapas da maturidade de Eliseu Etapas da maturidade de Eliseu TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 2.5-11 5 - Então os filhos dos profetas que estavam em Jericó se chegaram a Eliseu, e lhe disseram: Sabes que o SENHOR hoje tomará o teu senhor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

Visão MDA. Sidnei Souza Hewlett-Packard 01/01/2014

Visão MDA. Sidnei Souza Hewlett-Packard 01/01/2014 2014 Visão MDA [Digite o subtítulo do documento] VI [Digite o resumo do documento aqui. Em geral, um resumo é um apanhado geral do conteúdo do documento. Digite o resumo do documento aqui. Em geral, um

Leia mais

Uma estrela subiu ao céu

Uma estrela subiu ao céu Compaixão 1 Compaixão Não desprezes aqueles a quem a vida desfavoreceu, mas ajuda-os no que estiver ao teu alcance. Cada pessoa tem em si algo de bom que é preciso fazer desabrochar. Uma estrela subiu

Leia mais

GS Educacional www.gseducacional.com.br

GS Educacional www.gseducacional.com.br Curso: Completo de Importação Henrique, boa noite. Nós que pensamos a Meritocracia e valoramos a quem Realiza, nos vimos na obrigação de dar feedbacks. Em pouco tempo de curso e sem nem receber ainda a

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

Mais um ano está começando... Tempo de pensar no que passou Avaliar. Tempo de pensar no que virá Planejar

Mais um ano está começando... Tempo de pensar no que passou Avaliar. Tempo de pensar no que virá Planejar Mais um ano está começando... Tempo de pensar no que passou Avaliar Tempo de pensar no que virá Planejar Hámomentos em nossa vida em que temos duas opções: Desistir Recomeçar Quando a VIDA decepciona João

Leia mais