Gestão de Configurações II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de Configurações II"

Transcrição

1 Gestão de Configurações II

2 Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14

3 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações são úteis pois: Consideram como as pessoas trabalham para além dos mecanismos de como se constrói o código Envolvem processos de construção e os artefactos resultantes Pequenas alterações na forma como se faz a gestão de configurações pode melhorar em muito o processo... Gestão de Projecto 15

4 Padrões Gestão de Projecto 16

5 Padrões Sequência de código Sequência principal Sequência activa Política da sequência Versões privadas Sequência da entrega Sequência de preparação para entrega Ramo por tarefa Espaço de trabalho Espaço de trabalho privado Repositório Construção privada do sistema Construção de integração Sequência de terceiros Confirmação de nível tarefa Teste de despistagem Teste de unidade Teste de regressão Gestão de Projecto 17

6 Sequência Principal Denominada Main Line ou HEAD Contexto Desenvolvimento de software por várias pessoas em paralelo A ferramenta de controlo de versões suporta ramos e integrações Gestão de Projecto 18

7 Sequência Principal Problema Como manter o número de sequências de código activas em número pequeno de forma a facilitar a gestão, sem a árvore de versões do projecto ficar demasiado larga e densa? Como se minimiza o esforço adicional de fazer integrações? Gestão de Projecto 19

8 Sequência Principal Criar ramos é um mecanismo para isolarmos-nos de e/ou isolarmos alterações Integração pode ser difícil devido aos conflitos de alterações podendo exigir a presença de todos os intervenientes A dificuldade de integração aumenta com a duração entre integrações Gestão de Projecto 20

9 Sequência Principal Solução Simplificar o modelo de ramos Quando se está a desenvolver uma única versão do produto deve-se trabalhar numa sequência principal Uma sequência principal é a sequência onde é feito todo o desenvolvimento, excepto em circunstâncias especiais Quando se pretende criar um ramo deve-se pensar na estratégia global antes de o criar Se houver dúvidas, escolher o modelo mais simples Gestão de Projecto 21

10 Sequência Principal A sequência principal funciona como a base de ramos e integrações resultantes evitar modelos em escada O desenvolvimento na sequência principal tem as seguintes vantagens: Reduz integrações e sincronizações Permite que as alterações sejam imediatamente visíveis Gestão de Projecto 22

11 Sequência Principal Deve-se criar ramos quando: Versões para o cliente em que já se está a fazer depuração isolam a versão a entregar ao cliente de novas funcionalidades Tarefas de longa duração em que várias pessoas estão envolvidas Gestão de Projecto 23

12 Sequência Principal Aspectos por resolver Como manter a sequência principal usável quando muitas pessoas estão a trabalhar nela? Gestão de Projecto 24

13 Sequência Activa Contexto O desenvolvimento de uma nova versão do produto está a ser feito numa sequência principal O código está a ser alterado por muitas pessoas As alterações podem corromper o sistema e/ou podem ocorrer conflitos entre alterações Gestão de Projecto 25

14 Sequência Activa Problema Como manter uma sequência de código que evolui rapidamente num estado suficientemente estável para que seja útil? Gestão de Projecto 26

15 Sequência Activa Pretende-se que a equipa trabalhe em paralelo Uma sequência de código com erros atrasa o desenvolvimento Situações de impasse podem ocorrer se não forem criados pontos de sincronização Testes podem ser demorados e provocar atrasos Testes podem não ser conclusivos Gestão de Projecto 27

16 Sequência Activa Solução Estabelecer políticas que tornem a sequência de código principal suficientemente estável para o trabalho que é necessário Não procurar uma sequência de desenvolvimento activa perfeita, mas sim uma sequência principal que é usável e suficientemente activa para as necessidades Gestão de Projecto 28

17 Sequência Activa O que é difícil é perceber quão boa deve ser a sequência de código: Quem usa a sequência de código? Que percentagem do sistema está a evoluir? Qual é o ciclo de entrega? Que mecanismos de testes temos disponíveis? Qual é o preço de um ciclo em que a sequência de código fica corrompida? Gestão de Projecto 29

18 Sequência Activa Aspectos por resolver Uma política da sequência deve estabelecer como deve ser o processo de confirmação da sequência Os programadores devem usar um espaço de trabalho privado para isolar alterações e manter a sequência activa Uma sequência de preparação para entrega deve ser criada se se procura estabilidade Criar um ramo para tarefas de longa duração Gestão de Projecto 30

19 Padrões de Espaço de Trabalho Gestão de Projecto 31

20 Bibliografia A Visual Guide to Version Control Distributed Version Control 2010/03/17.html Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 32

21 Espaço de Trabalho Privado Contexto Está-se a trabalhar numa sequência activa Pretende-se trabalhar com o código mais actualizado Pretende-se controlar quando se começa a trabalhar com as alterações que os outros entretanto fizeram Gestão de Projecto 33

22 Espaço de Trabalho Privado Problema Como se manter actualizado com as alterações mais recentes do código mas sem sofrer alterações não controladas do ambiente de trabalho, de forma a poder progredir? Gestão de Projecto 34

23 Espaço de Trabalho Privado O desenvolvimento no contexto de uma equipa envolve os seguintes passos: Escrever e testar as nossas alterações ao código Integrar o nosso código com o trabalho das outras pessoas A integração pode ser: Contínua Diferida Gestão de Projecto 35

24 Espaço de Trabalho Privado Solução Fazer o trabalho num espaço privado onde se pode controlar as versões do código com que se está a trabalhar Gestão de Projecto 36

25 Espaço de Trabalho Privado Um espaço de trabalho contém o seguinte: Código que se está a editar Componentes construídos localmente Objectos de terceiros que não se pretende construir Configuração e dados necessários para executar e testar o sistema Scripts de construção do sistema neste espaço de trabalho Informação identificando as versões de todos os componentes do sistema Gestão de Projecto 37

26 Espaço de Trabalho Privado Um espaço de trabalho não deve conter o seguinte: Scripts privados genéricos de construção do sistema Ferramentas e compiladores que são os mesmos para todas as versões do produto Gestão de Projecto 38

27 Espaço de Trabalho Privado O seguinte procedimento deve ser seguido: 1. Obter os dados mais recentes da sequência activa 2. Fazer alterações 3. Fazer uma Construção Privada do Sistema 4. Testar as alterações com Testes de Unidade 5. Actualizar o espaço de trabalho com a versão mais recente dos componentes na sequência activa 6. Construir o sistema e executar Testes de Despistagem para garantir que não se corrompeu nada Gestão de Projecto 39

28 Espaço de Trabalho Privado Aspectos por resolver Uma Construção Privada do Sistema evita que se introduzam erros quando se fazem confirmações É necessário carregar o espaço de trabalho de um Repositório Componentes externos devem vir de uma Sequência de Terceiros Uma vez que o trabalho isolado está terminado é necessário integrar com o resto do sistema fazendo uma Construção de Integração Gestão de Projecto 40

29 Repositório Contexto Para criar um Espaço de Trabalho Privado ou para executar uma Construção de Integração é necessário obter os componentes certos Problema Como obter as versões correctas dos componentes certos num espaço de trabalho? Gestão de Projecto 41

30 Repositório Solução Ter um único ponto de acesso, ou repositório, para o código e outros artefactos relacionados Fazer com que criar um espaço de trabalho seja o mais simples e transparente possível Gestão de Projecto 42

31 Repositório Uma forma simples de implementar este padrão é colocar todo o código fonte, ficheiros de configuração, scripts de construção e componentes de terceiras partes no sistema de controlo de versões Aspectos por resolver Organizar o código de terceiras partes numa Sequência de Terceiros Gestão de Projecto 43

32 Construção Privada do Sistema Contexto As alterações feitas no Espaço de Trabalho Privado devem funcionar com o restante sistema Problema Como se verifica, antes de se confirmar as alterações, que as nossas alterações não vão corromper o sistema? Gestão de Projecto 44

33 Construção Privada do Sistema Fazer confirmação de alterações que podem corromper o sistema e fazem perder tempo A construção de pré confirmação pode funcionar bem mas a construção da noite falha A depuração feita a partir do nosso ambiente de desenvolvimento dá mais pistas do que a que é feita a partir do sistema em produção Gestão de Projecto 45

34 Construção Privada do Sistema Solução Antes de confirmar o código deve-se construir o sistema usando uma construção privada similar à construção da noite Gestão de Projecto 46

35 Construção Privada do Sistema A construção privada deve ter as seguintes características: Ser, tanto quanto possível, como a Construção de Integração e as construções do produto Incluir todas as dependências Incluir todos os componentes que dependem da alteração Gestão de Projecto 47

36 Construção Privada do Sistema Pode ser feita uma construção completa ou uma construção incremental Deve ser feita uma construção completa sempre que: Se estão a adicionar novos ficheiros ao sistema de controlo de versões devese começar com um espaço de trabalho vazio Houve alterações profundas de funcionalidade central Gestão de Projecto 48

37 Construção Privada do Sistema Aspectos por resolver Depois de se ter verificado que se consegue construir o sistema deve ser feito um Teste de Despistagem para verificar se a funcionalidade não ficou corrompida Se o sistema é muito grande pode não ser eficiente construir todos os componentes que usam os nossos componentes, sendo isso deixado para a Construção de Integração Gestão de Projecto 49

38 Construção de Integração Contexto Os programadores trabalham separadamente nos seus espaços de trabalho O trabalho deve ser integrado Problema Como garantir que a construção na sequência activa que resulta da integração dos espaços de trabalho é fiável? Gestão de Projecto 50

39 Construção de Integração Alterações em paralelo podem não ser compatíveis Uma construção completa e centralizada pode resolver o problema Solução Garantir que todas as alterações, e suas dependências, são construídas usando um processo de integração central. Deve ser: Reproduzível Similar à construção do produto final Automatizado ou requerendo pouca intervenção Mecanismos de notificação e história Gestão de Projecto 51

40 Construção de Integração Fazer a integração num espaço de trabalho que contenha os componentes a serem integrados Determinar a frequência das construções de integração baseado em: Quanto tempo demora a construir o sistema A frequência de alterações ao sistema Gestão de Projecto 52

41 Construção de Integração Aspectos a resolver Após a construção de integração fazer Teste de Despistagem Se a construção for publicada como uma base estável fazer Teste de Regressão Gestão de Projecto 53

42 Sequência de terceiros Contexto A sequência de código está associada a um conjunto de componentes externos que fazem parte do produto Alguns dos produtos externos podem ter de ser adaptados Pode ser necessário associar versões de componentes externos ao nosso produto Os componentes externos devem ser incluídos no espaço de trabalho Gestão de Projecto 54

43 Sequência de terceiros Problema Qual a estratégia mais eficaz de coordenar as versões de componentes externos com versões do código do produto? Gestão de Projecto 55

44 Sequência de terceiros Os ciclos de versões de entrega de um vendedor são diferentes dos ciclos de versões do nosso produto É necessário identificar que versões do componente externo fazem parte de cada versão do nosso produto Se forem feitas alterações ao componente externo é necessário que essas alterações sejam integradas com as versões futuras Gestão de Projecto 56

45 Sequência de terceiros Solução Criar uma sequência de código para código de terceiros Construir espaços de trabalho e procedimentos de instalação a partir desta sequência de código Gestão de Projecto 57

46 Sequência de terceiros Criar ramos separados para o código da terceiros e para as versões das adaptações a ele feitas Gestão de Projecto 58

47 Alteração de Nível Tarefa Contexto Uma construção de integração é fácil de depurar se soubermos o que podemos retirar até ela funcionar Problema Quanto trabalho deve ser feito entre submissões ao sistema de controlo de versões? Quanto tempo se deve esperar antes confirmar as alterações? Gestão de Projecto 59

48 Alteração de Nível Tarefa Codificar é uma sequência de depuração de erros, melhorias e novas funcionalidades que devem ser registadas Adicionar uma funcionalidade ou corrigir um erro pode levar a muitas alterações no código Deve ser possível recuperar para um estado anterior às alterações se elas corromperem o sistema Gestão de Projecto 60

49 Alteração de Nível Tarefa Quando uma construção de integração falha deve ser possível identificar a alteração que provocou a falha Uma história de alterações de grande granularidade reduz a sobrecarga de confirmações Uma história detalhada de alterações permite uma recuperação selectiva Gestão de Projecto 61

50 Alteração de Nível Tarefa Solução Fazer uma confirmação por cada tarefa consistente de pequena granularidade Cada alteração deve representar um estado coerente do sistema Gestão de Projecto 62

51 Confirmação de Nível Tarefa Aspectos por resolver As alterações que demoram muito tempo e são difíceis de alcançar devem ser feitas num Ramo por Tarefa A existência de testes de unidade, regressão e despistagem permitem motivar confirmações de pequena granularidade Gestão de Projecto 63

52 Teste de Despistagem Contexto A construção de integração e a construção privada do sistema são úteis para verificar aspectos de integração em tempo de construção É necessário verificar aspectos de tempo de execução Problema Como saber que o sistema continua a funcionar após se ter feito uma alteração? Gestão de Projecto 64

53 Teste de Despistagem Podem-se escrever testes que cobrem as partes mais críticas e sujeitas a falhas do sistema, mas é difícil de desenvolver testes completos Correr todos os testes disponíveis pode ser muito demorado Testes que demoram muito a executar levam a que o programador aumente o tempo entre integrações Gestão de Projecto 65

54 Teste de Despistagem Solução Sujeitar cada construção a um teste de despistagem que verifica que o sistema não se corrompeu de uma forma óbvia Os testes de despistagem devem ser automatizados Os testes de despistagem não substituem testes mais exaustivos Não são desculpa para não testar o seu próprio código Gestão de Projecto 66

55 Teste de Despistagem Um teste de despistagem deve: Rápido a executar Indicar automaticamente do seu sucesso ou insucesso Fornecer uma cobertura abrangente do sistema que é o nosso alvo Poder ser executado pelos programadores como parte do processo de garantia de qualidade Gestão de Projecto 67

56 Teste de Despistagem Aspectos por resolver Um teste de despistagem deixa muitos aspectos por testar que devem ser considerados num Teste de Regressão Os programadores devem fazer um Teste de Unidade por cada módulo que necessitam Utilizar Teste de Unidade para verificar que o módulo que se está a alterar continua a funcionar de forma adequada Gestão de Projecto 68

57 Teste de Unidade Contexto Um teste de despistagem não é suficiente para testar uma alteração em detalhe, especialmente quando se está a trabalhar num novo módulo Problema Como testar que um módulo continua a funcionar correctamente após ter sido alterado Gestão de Projecto 69

58 Teste de Unidade Quando um teste de despistagem falha desejamos saber que parte do sistema falhou Desejamos isolar os aspectos de integração das alterações locais Desejamos testar o contrato que cada módulo fornece localmente Gestão de Projecto 70

59 Teste de Unidade Solução Desenvolver e executar testes de unidade Os testes de unidade devem ter as seguintes características: São automáticos e auto avaliam-se Têm pequena granularidade São isolados Simples de executar Gestão de Projecto 71

60 Teste de Unidade Os testes de unidade devem ser executados quando: Se está a codificar Antes de confirmar uma alteração Para encontrar um problema com um teste de despistagem ou de regressão Os testes de unidade devem ser suportados por frameworks como o Junit, CxxUnit, PyUnit, etc Gestão de Projecto 72

61 Padrões de Sequência Gestão de Projecto 73

62 Política da Sequência Contexto Existem diversas sequências de código e os programadores necessitam de saber como trabalhar em cada uma delas Uma Sequência da Entrega deve ter regras muitos restritivas acerca de como e quando se pode alterar Numa Sequência Activa as regras devem ser menos restritivas Gestão de Projecto 74

63 Política da Sequência Problema Como é que os programadores sabem em que sequência de código confirmar o seu código, quando o fazer e que testes devem correr antes de o fazer? Gestão de Projecto 75

64 Política da Sequência Cada sequência de código tem objectivos diferentes Depuração Entrega Portar para outra plataforma Nova versão... Cada sequência tem requisitos de estabilidade diferentes É difícil garantir que os programadores sigam as políticas Gestão de Projecto 76

65 Política da Sequência Solução Para cada sequência de código estabelecer uma política que determina quando e como os programadores podem fazer alterações As políticas devem ser concisas 1 a 3 parágrafos, máximo 1 página auditáveis acessíveis Gestão de Projecto 77

66 Política da Sequência A descrição do objectivo da sequência (3 parágrafos) pode incluir: Tipo de trabalho desenvolvimento, manutenção, versão, função, subsistema Quando e como devem os elementos ser confirmados, checked out, criados ramos ou integrados Restrições de acesso por indivíduo, papel ou grupo Relações com outras sequências Duração do trabalho e quando a sequência deve terminar Carga esperada de actividade e frequência de integração Gestão de Projecto 78

67 Política da Sequência Algumas políticas de sequências Desenvolvimento alterações intermédias ao código devem ser confirmados e os componentes afectados devem ser construídos Entrega o sistema deve ser construído e passar testes de regressão antes da confirmação; as confirmações estão limitados à depuração de erros; não são introduzidas novas funcionalidades; após a confirmação a sequência não sofre alterações até que todo o ciclo de QA termina Principal todos os componentes devem compilar e passar testes de regressão, e novas funcionalidades completamente testadas podem ser confirmadas Gestão de Projecto 79

68 Política da Sequência Aspectos por resolver É necessário utilizar automatização e ter em consideração a cultura da equipa Usar o ANT para fazer cumprir a política Gestão de Projecto 80

69 Versões Privadas Contexto É necessário avaliar rapidamente uma alteração complexa que pode corromper o sistema que está a ser desenvolvido na sequência activa Problema Como se pode experimentar uma alteração complexa, tirando ao mesmo tempo partido do sistema de controlo de versões, sem tornar as alterações públicas? Gestão de Projecto 81

70 Versões Privadas As alterações, mesmo as complexas, são melhor feitas em pequenos passos que podem ser refeitos O processo de alteração pode consistir em experimentar diversas alternativas O sistema de controlo de versões permite criar pontos de recuperação (checkpoint) Trabalhando só no espaço de trabalho privado não permite ter versões Gestão de Projecto 82

71 Versões Privadas Solução Fornecer aos programadores um mecanismo de guardar as alterações a um nível de granularidade com que eles estejam confortáveis Utilizar uma área local de controlo de revisões Apenas o código estável é confirmado no repositório do projecto Gestão de Projecto 83

72 Versões Privadas A área local de controlo de versões pode ser um ramo Deve-se assegurar que os programadores que utilizam a versão privada migram as alterações para o sistema de controlo de versões partilhado em intervalos razoáveis Gestão de Projecto 84

73 Sequência da Entrega Contexto Está-se a fazer desenvolvimento sobre uma sequência activa Foram entregues versões que necessitam de manutenção e pequenas melhorias Pretende-se manter a versão entregue estável Problema Como fazer a manutenção de uma versão entregue sem interferir com o trabalho de desenvolvimento em curso? Gestão de Projecto 85

74 Sequência da Entrega É necessário reparar urgentemente um erro de uma versão em produção e a versão em desenvolvimento não vai estar pronta rapidamente Os utilizadores não querem fazer actualização para uma nova versão O esforço de manutenção da versão entregue pode ser incompatível com alguma da funcionalidade ou refactorização em curso na versão em desenvolvimento Gestão de Projecto 86

75 Sequência da Entrega Solução Separar a versão entregue e a nova versão em diferentes sequências de código Cada versão entregue é uma sequência (sequência da entrega) ramo da sequência principal Na sequência da entrega será feita a manutenção Gestão de Projecto 87

76 Sequência da Entrega Alterações na sequência de entrega são propagadas para a sequência activa com regularidade sempre antes da próxima entrega Correcções de erros na sequência principal devem ser propagados para a sequência de entrega se possível O código da sequência da entrega fica morto quando a versão deixa de ser suportada Gestão de Projecto 88

77 Sequência de Preparação para Entrega Contexto Está-se a terminar uma entrega e é necessário iniciar o desenvolvimento de uma nova versão Problema Como estabilizar o código que se está a preparar para um entrega permitindo contudo que novo trabalho continue na sequência activa Gestão de Projecto 89

78 Sequência de Preparação para Entrega Por vezes o processo de preparação de uma entrega pode-se prolongar devido a vários factores configurações, instalações, erros imprevistos,... Nem toda a equipa necessita de estar envolvida na actividade de preparar a entrega Gestão de Projecto 90

79 Sequência de Preparação para Entrega Solução Criar um ramo de engenharia da entrega quando o código começa a ter a qualidade necessária para a entrega Terminar de preparar a entrega neste ramo enquanto que na sequência activa continua o restante desenvolvimento O ramo torna-se no ramo da entrega O responsável pela sequência activa define a política sobre como e quando as alterações são propagadas da sequência de preparação para a sequência activa Gestão de Projecto 91

80 Sequência de Preparação para Entrega Aspectos por resolver Se poucas pessoas estão a trabalhar na nova versão cria-se um ramo por tarefa para a nova versão Gestão de Projecto 92

81 Ramo por Tarefa Contexto Algumas tarefas de desenvolvimento demoram muito tempo e os seus passos intermédios geram muita instabilidade Problema Como pode uma equipa fazer múltiplas alterações, e de longa duração, a uma sequência de código, sem comprometer a sua consistência e integridade Gestão de Projecto 93

82 Ramo por Tarefa Integrações frequentes são importantes para se ter estabilidade global Pretende-se colocar as alterações no sistema de controlo de versões para se ter rastreabilidade e recuperação Algumas alterações desestabilizam a sequência de código Gestão de Projecto 94

83 Ramo por Tarefa Solução Criar um ramo separado para cada actividade que traz alterações significativas a uma sequência de código Gestão de Projecto 95

84 Ramo por Tarefa Um ramo por tarefa é um mecanismo para isolar fisicamente actividades de risco do código base Deve-se integrar frequentemente as alterações da sequência activa com o ramo Gestão de Projecto 96

85 Estabilidade vs Progresso Qualidade é essencial e seguem-se os procedimentos, uma entrega de cada vez, reduzindo a produtividade e possivelmente deixando os programadores frustrados A rapidez de desenvolvimento é essencial e a qualidade e gestão de versões fica para depois Gestão de Projecto 97

Engenharia de Software. Enunciado da Quarta Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Quarta Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2013/2014 Enunciado da Quarta Parte do Projecto 1. Introdução Nesta parte final do projecto de ES e SD pretende-se: Estender a solução

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

EVOLUÇÃO DE SOFTWARE

EVOLUÇÃO DE SOFTWARE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE Dinâmica da evolução de programas Manutenção de software Processo de evolução Evolução de sistemas legados 1 Mudança de Software 2 Manutenção de software Mudança de software é inevitável

Leia mais

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas Gerenciamento de Gerenciamento de Configuração Novas versões de sistemas de software são criadas quando eles: Mudam para máquinas/os diferentes; Oferecem funcionalidade diferente; São configurados para

Leia mais

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 A Manutenção do Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA consiste numa infra-estrutura de disponibilidade

Leia mais

OurDocs. Sistemas Distribuídos Engenharia de Software. Sistema de gestão documental. ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt

OurDocs. Sistemas Distribuídos Engenharia de Software. Sistema de gestão documental. ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt Sistemas Distribuídos Engenharia de Software 2º Semestre, 2006/2007 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: OurDocs Sistema de gestão documental ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Testes de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Introdução Teste é um conjunto de atividades que pode ser planejado antecipadamente

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

5. Métodos ágeis de desenvolvimento de software

5. Métodos ágeis de desenvolvimento de software Engenharia de Software 5. Métodos ágeis de desenvolvimento de software Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Desenvolver e entregar software o mais rapidamente possível é hoje em dia um dos

Leia mais

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS. Circular n.º 029/2014 PORTAL FPT Abertura aos atletas

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS. Circular n.º 029/2014 PORTAL FPT Abertura aos atletas Circular n.º 029/2014 PORTAL FPT Abertura aos atletas Exmo. Sr. Presidente, Após muitos meses de desenvolvimento e melhorias contínuas na nova plataforma informática onde se inclui o amplamente divulgado

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 14 de Dezembro de 2013

Leia mais

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. As informações

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Introdução Projeto de Arquitetura (Cap 11 - Sommerville) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Até agora, estudamos: Os

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

ES06 Especialização em Engenharia de Software Prof.: Misael Santos (misael@gmail.com) Ago/2010

ES06 Especialização em Engenharia de Software Prof.: Misael Santos (misael@gmail.com) Ago/2010 Gestão de Configuração de Software - Conceitos Principais - ES06 Especialização em Engenharia de Software Prof.: Misael Santos (misael@gmail.com) Ago/2010 Agenda Configuração Itens de Configuração Versionamento

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

On Scalability of Software-Defined Networking

On Scalability of Software-Defined Networking On Scalability of Software-Defined Networking Bruno dos Santos Silva bruno.silva@ic.uff.br Instituto de Computação IC Universidade Federal Fluminense UFF 24 de Setembro de 2015 B. S. Silva (IC-UFF) On

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Engenharia de software A economia de todos os países desenvolvidos depende do software. O

Leia mais

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. Capítulo 25 Gerenciamento de Configuração slide 624 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Tópicos abordados Gerenciamento de mudanças Gerenciamento de versões Construção de sistemas

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Módulo 1 Atividades da Engenharia de GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br 2003 DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO SOFTWARE PRODUTO MANUTENÇÃO

Leia mais

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC PERGUNTAS VIA WEB CAST: Dado que vamos ter necessariamente durante o período de transição que efectuar lançamentos manuais na contabilidade,

Leia mais

Rock In Rio - Lisboa

Rock In Rio - Lisboa Curso de Engenharia Informática Industrial Rock In Rio - Lisboa Elaborado por: Ano Lectivo: 2004/05 Tiago Costa N.º 4917 Turma: C Gustavo Graça Patrício N.º 4757 Turma: C Docente: Professora Maria Estalagem

Leia mais

J820. Integração Contínua. com CVS, CruiseControl, Cruise Control. argonavis.com.br. AntHill Gump e Helder da Rocha (helder@acm.

J820. Integração Contínua. com CVS, CruiseControl, Cruise Control. argonavis.com.br. AntHill Gump e Helder da Rocha (helder@acm. J820 Integração Contínua com CVS, CruiseControl, Cruise Control AntHill Gump e Helder da Rocha (helder@acm.org) Integração contínua Um dos requisitos para implementar a integração contínua é ter um sistema

Leia mais

Migrar para o Access 2010

Migrar para o Access 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Access 2010 é muito diferente do Access 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as

Leia mais

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Acidentes são eventos raros em sistemas críticos e pode ser impossível simulá-los durante testes de um sistema. Requisitos

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 01 Processo de Desenvolvimento de Software Edirlei Soares de Lima Processo de Software O processo de software consiste em um conjunto estruturado

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Índice Introdução... 2 A solução... 2 Plataforma Integrada (principais características)... 4 Eliminar limitações à execução de testes

Leia mais

Prof. Júlio Valente Agosto/2015. CV Resumido

Prof. Júlio Valente Agosto/2015. CV Resumido Gerenciamento de Configuração e Aquisição de Software Prof. Júlio Valente Agosto/2015 CV Resumido Autor do livro Prática de Análise e Projeto de Sistemas. Gerente do projeto de Totalização e Divulgação

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Notas de Lançamento Lançamento Aconex 15.1.20 Publicado dia 6 de Fevereiro de 2015, para cobrir o periodo de lançamentos entre dia 15 de Fevereiro e

Notas de Lançamento Lançamento Aconex 15.1.20 Publicado dia 6 de Fevereiro de 2015, para cobrir o periodo de lançamentos entre dia 15 de Fevereiro e Notas de Lançamento Lançamento Aconex 15.1.20 Publicado dia 6 de Fevereiro de 2015, para cobrir o periodo de lançamentos entre dia 15 de Fevereiro e 15 de Março Sumário Este lançamento inclui melhorias

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 FEARSe Requisitos para a 1 a entrega 18 de Março de 2010 1 Introdução O projecto conjunto das disciplinas de Engenharia de Software

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Plano de projeto. Cronograma e Controle

Plano de projeto. Cronograma e Controle Plano de projeto Cronograma e Controle Razões para atrasar um projeto Um deadline não realístico estabelecido por alguém fora do grupo de engenharia de software Câmbios nos requerimentos do software não

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010 COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE FCCN - Dezembro 2010 Rui Ribeiro colibri@fccn.pt Módulo COLIBRI Concebido por: José Coelho Universidade Aberta Apoiado por: Rui Ribeiro FCCN Vitor

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE DEVELOPMENT PLAN. Periver_SoftwareDevelopmentPlan_2008-04-22-v1.0.doc. Versão v1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE DEVELOPMENT PLAN. Periver_SoftwareDevelopmentPlan_2008-04-22-v1.0.doc. Versão v1.0 PERIVER PLATAFORMA Periver_SoftwareDevelopmentPlan_2008-04-22-v1.0.doc Versão v1.0 22 de Abril de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data v0.1r Luís Gomes e André Ligeiro

Leia mais

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI)

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) 4. Montagem do Computador Disco rígido limpeza; Disco rígido verificação de erros (modo gráfico); Disco rígido verificação de erros (linha de comandos;

Leia mais

Actualização para a IPBrick v6.0. 12 de Setembro de 2014

Actualização para a IPBrick v6.0. 12 de Setembro de 2014 Actualização para a IPBrick v6.0 12 de Setembro de 2014 1 1 Introdução Este documento aborda a processo de migração para a nova IPBrick v6.0. Não é possível fazer o upgrade de uma IPBrick 4.x ou v5.x para

Leia mais

GRUPO PSICO ENGENHARIA DE SOFTWARE II 2005/06 TOP 10 RISK LIST

GRUPO PSICO ENGENHARIA DE SOFTWARE II 2005/06 TOP 10 RISK LIST GRUPO PSICO ENGENHARIA DE SOFTWARE II 2005/06 Psico_Top10RiskList_2006-03-06_v0.1.doc Versão 0.1 8 de Março de 2006 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data V0.1 Bruno Fernandes

Leia mais

Principais correcções efectuadas

Principais correcções efectuadas GIAE Versão 2.0.5 Setembro de 2010 Com o objectivo de unificar a versão em todos os módulos do GIAE, incluindo o GestorGIAE, alguns módulos passam directamente da versão 2.0.x para a versão 2.0.5. Muito

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

Portal da Imprensa Regional. Actualizações e Correcções

Portal da Imprensa Regional. Actualizações e Correcções Portal da Imprensa Regional Actualizações e Correcções Índice Versão: 3.1.3... 3... 3 BackOffice... 3 Versão: 3.0.1... 3... 3 BackOffice... 3 Versão: 3.0.0... 4... 4 BackOffice... 4 Histórico de Versões...

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e integração contínua. nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Objetivos Fornecer uma visão geral da área de testes de software, com ênfase em

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

Módulo de Administração MANUAL DO UTILIZADOR

Módulo de Administração MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.5 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA 3 3. INÍCIO DA UTILIZAÇÃO 4 4. IDENTIFICAÇÃO DO OPERADOR 5 4.1 MUDAR SENHA DE ACESSO 5 5. GESTÃO DE UTILIZADORES 6 5.1 PERMISSÕES

Leia mais

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2 Testes de Software Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

Testes de Software. Andrew Diniz da Costa andrew@les.inf.puc-rio.br

Testes de Software. Andrew Diniz da Costa andrew@les.inf.puc-rio.br Testes de Software Andrew Diniz da Costa andrew@les.inf.puc-rio.br Agenda Conceitos gerais Principais Tipos de Teste Testes Unitários Testes Funcionais O que são testes de software? Atividades realizadas

Leia mais

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS CIRCULAR Nº 026/2013. Nova Plataforma Informática FPT

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS CIRCULAR Nº 026/2013. Nova Plataforma Informática FPT CIRCULAR Nº 026/2013 Nova Plataforma Informática FPT Exmo. Sr. Presidente, Relativamente á implementação do novo sistema Informático da FPT e na sequência dos esclarecimentos efectuados durante a Assembleia

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento Desenvolvimento Iterativo Esta abordagem ao desenvolvimento assegura que o sistema cresce de forma incremental assegura que a complexidade se mantém controlada permite ainda obter rápido feedback de várias

Leia mais

Informática II Cap. 3

Informática II Cap. 3 Cap. 3 1 Tradicionalmente, programar significava apenas a escrita de um programa, que resolvesse o problema pretendido de uma forma aparentemente correcta. Problema Problema Programa Programa Desvantagens:

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia

Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia 1 Tradicionalmente, programar significava apenas a escrita de um programa, que resolvesse o problema pretendido de uma forma aparentemente correcta. Problema Problema Programa Programa Desvantagens: Programas

Leia mais

Gerência de Configuração de Software

Gerência de Configuração de Software Gerência de Configuração de Software Desenvolvendo software de forma eficiente e disciplinada O Cristine Dantas É bacharel em Informática pela UFRJ e mestre em Engenharia de Sistemas e Computação pela

Leia mais

Guia "Web Connect" Versão 0 POR

Guia Web Connect Versão 0 POR Guia "Web Connect" Versão 0 POR Modelos aplicáveis Este Manual do Utilizador aplica-se aos seguintes modelos: ADS-2500W e ADS-2600W Definições de notas Ao longo deste Manual do Utilizador, é utilizado

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Agenda da Aula. Resumo dos Padrões (Aula 4) Padrões Arquiteturais. Arquitetura Cliente-Servidor. Arquitetura Cliente-Servidor

Agenda da Aula. Resumo dos Padrões (Aula 4) Padrões Arquiteturais. Arquitetura Cliente-Servidor. Arquitetura Cliente-Servidor Reuso de Software Aula 05 Agenda da Aula Linha de Produtos de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo reuso.software@gmail.com 19 Março 2012 Padrões arquiteturais Cliente-Servidor

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012 NND 03.10 Normas Nacionais de Desminagem Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82

Leia mais

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Gerência de Configuração Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Introdução Mudanças durante o desenvolvimento de software são inevitáveis: os interesses

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1 r Indice Introdução.......................................... 1 Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos 1- Características da Gestão de Projectos 11 1.1 Definição de Projecto 11 1.2 Projectos e Estratégia

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Sistema de Produção KJewel

Sistema de Produção KJewel Sistema de Produção KJewel O sistema de Produção do Kjewel foi inicialmente desenhado para atender as necessidades de uma indústria joalheira. Todavia, como as características da indústria de jóias são

Leia mais

Um compilador é um programa que lê um programa escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num programa equivalente

Um compilador é um programa que lê um programa escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num programa equivalente Capítulo 1 Introdução Um compilador é um que lê um escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num equivalente numa outra linguagem, a linguagem destino Como parte importante neste

Leia mais

Engenharia de Software. Enunciado da Primeira Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Primeira Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2014/2015 Enunciado da Primeira Parte do Projecto 1. Primeira Parte do Projecto ES Este enunciado descreve o trabalho a realizar

Leia mais

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0 Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia de Viseu Engenharia de Sistemas e Informática Sistemas Operativos - 2005/2006 Trabalho Prático v1.0 Introdução O presente trabalho prático visa

Leia mais

Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas

Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas Análise de dados através de tabelas dinâmicas. Conceitos teóricos As Tabelas Dinâmicas são tabelas interactivas que resumem elevadas quantidades de dados, usando estrutura

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

FOUR Soluções. Projeto Integrador Documento Visão. Versão <1.0>

FOUR Soluções. Projeto Integrador Documento Visão. Versão <1.0> FOUR Soluções Projeto Integrador Documento Visão Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 24/11/2014 001 Reunião para discussão e divisão do trabalho Eudes Pina 24/11/2014 002 Apresentação

Leia mais

CATÁLOGO DE CUSTOMIZAÇÕES Apontamento Web

CATÁLOGO DE CUSTOMIZAÇÕES Apontamento Web CATÁLOGO DE CUSTOMIZAÇÕES Apontamento Web Índice CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 3 DADOS DO PROJETO... 4 OBJETIVO(S) DO PROJETO... 4 ESCOPO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. PREMISSAS... 17 LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES...

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Teste de Software I Conceitos e Estratégias

Teste de Software I Conceitos e Estratégias Tema da Aula Teste de I Conceitos e Estratégias Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Conceitos Teste e Garantia de Qualidade Importância do Teste, segundo Deutsch: O desenvolvimento de

Leia mais

CSF FasTest SOLUÇÕES DE OUTPUT DE PAGAMENTO

CSF FasTest SOLUÇÕES DE OUTPUT DE PAGAMENTO CSF FasTest SOLUÇÕES DE OUTPUT DE PAGAMENTO CSF FasTest Reduzindo o esforço empregado nos testes Os testes são a faca de dois gumes da composição de documentos: durante o ciclo de vida de seu documento,

Leia mais

Professor: Curso: Disciplina:

Professor: Curso: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Aula 1 Turma: Esp. Marcos Morais de Sousa Sistemas de informação Engenharia de Software I Dinâmica da disciplina, plano de curso e avaliação 03º semestre Prof. Esp. Marcos

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Construção 2 VISÃO GERAL Fase Construção. Visão Geral 3

Leia mais

Hardware & Software. SOS Digital: Tópico 2

Hardware & Software. SOS Digital: Tópico 2 Hardware & Software SOS Digital: Tópico 2 Os objetos digitais são acessíveis somente através de combinações específicas de componentes de hardware a parte física do computador software programas para operar

Leia mais

Termos e Condições da One.com v.09 Os seguintes termos são aplicáveis na One.com a partir de 1 de Setembro de 2015. 1. Subscrição:

Termos e Condições da One.com v.09 Os seguintes termos são aplicáveis na One.com a partir de 1 de Setembro de 2015. 1. Subscrição: Termos e Condições da One.com v.09 Os seguintes termos são aplicáveis na One.com a partir de 1 de Setembro de 2015. 1. Subscrição: Uma subscrição de um espaço web da One.com oferece acesso aos servidores

Leia mais

Ajuda: Pesquisa Web na base de dados Digitarq

Ajuda: Pesquisa Web na base de dados Digitarq Ajuda: Pesquisa Web na base de dados Digitarq A pesquisa Web nos oferece duas principais possibilidades, a saber: 1) Pesquisa simples e 2) Pesquisa avançada 1) Pesquisa simples O interface da pesquisa

Leia mais