SÓCRATES E O MÉTODO MAIÊUTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÓCRATES E O MÉTODO MAIÊUTICO"

Transcrição

1 SÓCRATES E O MÉTODO MAIÊUTICO TADA, Elton V. Cesumar i CAZAVECHIA, William R. - Cesumar ii Resumo Sócrates, antigo filósofo grego, mesmo sem nada escrever, nos deixou um interessante legado filosófico. Mediante a pesquisa bibliográfica e leitura de textos da obra platônica (Teeteto) procuramos estabelecer o que Sócrates chamou de Maiêutica. Podemos datar a vida de Sócrates de 470 a.c. à 399 a.c., período no qual se deram diversas mudanças no seu modo de pensar e a construção de sua filosofia. Será no final de sua vida que focaremos nosso trabalho. Visto sem novas perspectivas de pensamento afirmativo, Sócrates mostra sua nova fase, que tem como finalidade o parir do saber, a maiêutica, ou a arte da velha parteira. Sócrates narra a Teeteto que as velhas parteiras que um dia engendraram, foram ativas na sua juventude e capazes de parir. Quando velhas, a única coisa que a mulher pode fazer é ajudar outras que, estando ainda jovens, podem engendrar. Sócrates se considera um parteiro, no entanto, não alguém que fizesse o parto do corpo, mas sim da alma. Podemos perceber nesse momento, que Sócrates cria um método de ensino, o qual se dá de forma a buscar retirar da própria pessoa que está aprendendo, a resposta para seus questionamentos. Dessa forma, o antigo filósofo não ensina como fruto de exaustiva pesquisa e trabalho. Antes, ele mesmo não transmite conhecimento, e sim gera o mesmo. Sócrates não se posiciona diante seus discípulos como o detentor do conhecimento, mas como um facilitador que proporcionava a eles alcançar o conhecimento que, segundo ele, já estava no seu interior. Portanto, vemos na maiêutica socrática um método de ensino no qual o educador não é visto como a fonte a ser bebida pelo aluno, pelo contrário, ele é aquele que ajuda o aluno a gerar sua autonomia enquanto homem, cidadão e discente. Palavras-chaves: Sócrates Maiêutica Método Pedagógico

2 2443 Introdução Através dessa pesquisa, objetivamos entender a maiêutica socrática como exemplo de educação e de relacionamento entre educador e aluno. Ao fazermos isso, não estamos, desprevenidamente, lendo a filosofia socrática de modo descontextualizada, pois sabemos qual era seu contexto histórico e como se configurava esse processo pedagógico narrado nesse trabalho. Sócrates, já no final de sua vida, chega a conclusão que ele não deve ser mais que facilitador, um intermediário, que ajuda com que as idéias concernentes aos aluno venham à tona. Ele valoriza o aluno e sua capacidade, no entanto, não o faz por conhecer o potencial de seus seguidores, antes, por respeitar a dignidade e capacidade do ser humano. Entretanto, há muito que se cuidar nesse processo, que não é de modo algum simples, e que será melhor detalhado posteriormente. Para entendermos a maiêutica socrática, ou seja, o método de ensino que Sócrates se utilizava, é estritamente necessário que saibamos um pouco sobre sua história, para que não façamos, de modo precipitado, uma leitura incorreta do mesmo. Além disso, a teoria maiêutica de Sócrates é como que um resultado das diversas experiências que ele viveu, e, por isso, se torna essencial conhecermos sua vida. De fato, Sócrates passa por diversas mudanças em sua vida, desde sua juventude até sua morte, e o desenvolvimento de suas idéias se dá de modo contínuo, e muito ligado com fatos da vida do filósofo, como encontros e desencontros, que geram a diferenciação e desenvolvimento das teorias que o tornaram respeitado. A vida de Sócrates Podemos datar a vida de Sócrates de 470 a.c. a 399 a.c., período conhecido como o século de ouro na cidade de Atenas (VICENTINO, 2001, p.57), fato tal que faz muito sentido com relação a como se deu a vida desse grande filósofo. Podemos compreender nesse momento de democracia ateniense, a base para a dialética socrática, pois, justamente nesse período deu-se a valorização do diálogo, da opinião do outro, ou seja, foi justamente nesse período que surgiram os grandes oradores e a exaltação da retórica, o que fez com que Sócrates e sua dialética estivessem bem localizados (CHAUÍ, 2002, p.136 ss.).

3 2444 Sócrates teve berço pobre, e assim se manteve durante toda sua vida, nunca aceitou dinheiro de seus seguidores e admiradores e era extremamente simples quanto ao viver e vestir. Andava pelas ruas de Atenas descalço, tanto no frio quanto no calor (BENOIT, 2006, p.21). Sócrates teve três filhos, a saber, Lamprocles, Menexeno e Sofronisco. Inicialmente foi casado com a indócil Xantipa, mas posteriormente foi casado também com Mirto, e isso se comprova no diálogo Fédon no qual ele se despede de suas mulheres (gunaikas) (CHAUÍ, 2002, p.178). Segundo Benoit (2006, p.22) Sócrates foi um cidadão exemplar, mesmo com suas severas queixas quanto às leis que regiam a democracia ateniense. Como prova disso, podemos citar sua brilhante participação nas campanhas bélicas atenienses, nas quais ele ficou muito conhecido por sua destreza e lealdade. De fato, para nós é de complicado teor a análise de Sócrates pela ausência de obras de sua autoria, Sócrates nada escreveu. Quanto a isso, devemos a três personagens, inicialmente, a validade do estudo de Sócrates, a saber, Aristófanes, Xenofonte e Platão. Aristófanes era escritor de comédia, e representou Sócrates na sua obra as nuvens que data de 423 a.c., e trata, comicamente, de Sócrates como um falso sábio seguido por muitos. Como logo se percebe, o teor da narração de Aristófanes é semelhante às acusações daqueles que julgavam a Sócrates em 399 a.c.. Por isso, considerar Sócrates pela visão de Aristófanes é como conhecer sua história através daqueles que o condenaram à morte. Através de Xenofonte podemos conhecer um Sócrates totalmente diferente. Primeiramente Xenofonte foi discípulo e admirador de Sócrates e não escrevia nem com intenções filosóficas, como fez platão, nem com intenções sarcásticas, como fez Aristófanes. Antes se resguardava a contar histórias sobre Sócrates, e ressaltava a integridade de sua vida como cidadão e sua moral exemplar. Xenofonte narra isso em vários de seus trabalhos, e o faz de maneira simples, sem entrar em pormenores quanto às teorias Socráticas. De Xenofonte podemos extrair um Sócrates histórico e bom, com boas ações e bons ideais. Todavia, Xenofonte não acompanhou os últimos dias de Sócrates e por isso fica uma lacuna importante em sua obra (CHAUÍ, 2002, p.183). Finalmente podemos ver como foi a visão platônica de Sócrates. Platão, sem dúvidas, foi o maior apologéta de Sócrates. Platão considerava Sócrates como sendo o homem mais justo que ele conhecera. Ele escreveu muito sobre Sócrates. Dos 29 diálogos de Platão 27 falam de Sócrates e em quase todos ele é o personagem condutor da discussão. Portanto, é a partir de Platão que chegaremos ao nosso conceito de Sócrates, pois é nele que podemos ver os relatos mais fiéis sobre o antigo filósofo (BENOIT, 2006, p. 32).

4 2445 Para iniciarmos nossa análise do Sócrates platônico devemos entender que, apesar da preponderância dos escritos platônicos tais obras foram recheadas com informações sensíveis, com ocasiões e fatos, portanto devemos seguir as palavras que de fato constroem os diálogos e não a tradição posterior de suas interpretações. Inicialmente, segundo o diálogo Fédon, Sócrates possuía um grande interesse em investigar a causa (aitia) iii, e assim se aproximava muito do fisiólogos iv. No entanto, entrou em crise ao saber que quanto mais estudava tais assuntos mais aumentavam suas dúvidas e as teorias da fisiologia não o satisfazia. Nesse período lhe chegou ao conhecimento a teoria de Anaxágoras, cujo, a inteligência ou o espírito (nous) teria sido o ordenador e causa de todas as coisas. A princípio, Sócrates se entusiasmou com tal teoria, no entanto, logo começou a ir contra a mesma, pois dizia que não podia ser um espírito exterior a causa de tudo. Depois dessa decepção e ainda muito jovem Sócrates inicia sua formulação da tese do mundo das idéias. No entanto, algo acontece que influi em toda sua vida futura, pois sempre se lembraria de tal feito. Por ocasião de visita à Atenas, Parmênides de Eléia e seu discípulo Zenão conhecem Sócrates, e o jovem de aproximadamente 20 anos apresenta aos experientes filósofos sua teoria. Nesse momento eles começam a interrogá-lo sobre diversas coisas, sobretudo sobre a impossibilidade da unificação da idéia do ser, o que iria contra a tese do mundo das idéias. No final do diálogo, Parmênides encurrala Sócrates que se reconhece incapaz de explicar todos os conceitos relacionados ao mundo das idéias (Parmênides, 131b-131e, in Diálogos). Depois de tão chocante experiência Sócrates não podia fazer nada além de silenciar, pois estava convencido que nada, de fato, sabia. Portanto, a partir daí surge um período no qual Sócrates vive sua aporia, durante dez anos não participa de diálogos e permanece em silêncio. Somente mais tarde durante a narração da Apologia por Platão é que se torna conhecido o que aconteceu nesse período. Chega a Sócrates a notícia de que um velho amigo, Querofonte, havia perguntado a Pythia (Pu[tia, sacerdotisa que falava pelos deuses), se havia algum homem mais sábio do que Sócrates e que sua resposta havia sido negativa. A partir de então aumentou para Sócrates a sua confusão, pois ele não entendia qual era o sentido da palavra da profetiza. Somente após longa reflexão conseguiu entender o que significavam aquelas palavras. O que acontecia era que nenhum outro homem sabia verdadeiramente de algo, no entanto se julgavam sábios, enquanto isso,sócrates, ao menos, tinha a convicção de que nada sabia, o que o tornava o homem mais sábio de todos. Desse modo, as revelações délficas tiraram Sócrates do porão silencioso que Parmênides havia o condenado.

5 2446 Com a descoberta do saber que não se sabe, Sócrates recomeça a falar, no entanto paulatinamente. O seu contato com a sacerdotisa Diotima vem ajudar no amadurecimento da seu discurso. Só a partir desse encontro Sócrates entende o conteúdo afirmativo do saber que não se sabe. Diotima fala a Sócrates revelações de Eros (o amor), e lhe ensina as coisas do amor. Mais do que isso, Diotima lhe diz que Eros, assim como o saber que não se sabe é um intermediário. Eros se apresenta como um intermediário entre o mundo divino e o mundo dos mortais. Assim, podemos entender que o saber que não se sabe é um intermediário entre o mundo tangível e o mundo das idéias, o que fez com que Sócrates tivesse nova vontade de dialogar e mostrar sua teoria do mundo das idéias. Nesse período, Sócrates tinha cerca de 36 anos e, na tentativa de vencer dentro de si o fantasma do velho Parmênides, recomeça a revelar seu saber. A partir de agora os diálogos de Sócrates não são mais como antes, quando ele se apresentava como um menino em busca de razões e causas. Agora Sócrates já sabe o que sabe e caminha na direção da disseminação dessa idéia e na busca de belos corpos. Iniciam-se os diálogos com os Sofistas e com os Jovens que o admiram por sua sabedoria e muitas vezes se apaixonam por ele (JERPHAGNON, 1992, p.23). Os sofistas ficaram desconcertados diante de tão complexa construção socrática e muito se contradiziam na tentativa de refutá-lo. Sócrates, que era considerado por muitos um sofista, foi de encontro aos mesmos criticando a superficialidade de sua retórica sem conteúdo, e com isso ganhou muitos inimigos (REALE, 1990, p.101). Só que para Sócrates destruir o pensamento daqueles que se diziam sábios e colocá-los contradições ele também abriu mão de seu conteúdo positivo, pois seus diálogos tinham intenção apenas de confrontar os sofistas. Essa fase também é marcada pela sedução de Sócrates. Ele procura corpos belos, os seduz e ensina os jovens algo sobre a sedução como no diálogo Lysis, que é como um manual de sedução (BENOIT, 2006, p.45). Um bom exemplo de jovem belo seduzido por Sócrates é Alcebíades, filho da aristocracia ateniense muito corajoso e talentoso. No diálogo com Alcebíades, que mais tarde se destacou na história grega, Sócrates introduz um novo elemento no seu discurso, a saber, o conhece-te a si mesmo (O primeiro Alcebíades, 132d-133c, in Diálogos). Sócrates julga necessário a busca pelo auto-conhecimento pois, a partir dessa busca o indivíduo culminará no conhecer sobre o que é de fato o ser em si do homem. Por isso, podemos

6 2447 chegar à compreensão de alma de Sócrates, que seria o homem fora de seus atributos acidentais e sua hombridade material. Mais adiante, após delongada analogia, Sócrates conclui que uma alma deve estar em contato com outra alma para que possa se conhecer, pois é necessário algo externo a si próprio para que reflita aquilo que é de fato o seu ser. Nesse momento podemos perceber um grande salto na filosofia socrática, pois há a inserção de um saber afirmativo em sua temática, e não apenas o saber que não se sabe. Podemos comprovar isso nos próximos diálogos de Sócrates como Górgias, provavelmente em 427 a.c., em podemos, nitidamente, notar um novo Sócrates, um Sócrates que não se importa mais apenas com a negação do saber externo a ele, agora ele compartilha de um saber afirmativo que lhe dá subsídios para diálogos que desconstroem uma idéia mas tratam de afirmar outra. Como outra conseqüência desse momento conheceremos um Sócrates intolerante com seus interlocutores, pois ele considera que tudo que não possui um um saber de si mesmo não tem razão de ser. Além disso, ele vai além, dizendo que a retórica é uma empeiria (empeiria), algo sem rigor, que não pode ser considerado nem episteme (episte/me) nem mesmo uma arte tékne (te[kne), na verdade ele considera a retórica como sendo uma adulação (kolakei?a). Agora nos resta uma dúvida. Não irá Sócrates criticar a política que era tão influenciada pela sofística e pela retórica? Podemos entender que era cedo ainda para um dever-ser político. Surge para Sócrates outro grande problema quando ele tenta buscar as verdades além do próprio saber-desi, e para tal explicação ele recorre a saberes míticos. Diz ele, que a alma é imortal e que o homem pode se recordar de fatos e saberes de outra vida, o que faz com que a verdade não se destrua e acabe no nada da morte. Essa é a teoria da reminiscência, que apesar do seu caráter mítico faz sentido no contexto (CHAUÍ, 2002, p. 195). Ainda outra questão faz-nos refletir muito sobre a ascensão do saber socrático. Poderiam outros homens participar desse saber? Com essa questão surgi uma nova crise para Sócrates que se sente sem testemunhas para o seu saber e tenta refletir sobre quais tem sido as conseqüências do mesmo. A alegoria da caverna narrada no diálogo A República vem de encontro com essa fase e nos leva a entendermos que Sócrates propõe ao filósofo uma ação participativa na elaboração de sua dialética objetivando a libertação daqueles que ainda não tiveram a compreensão do mundo das idéias. Pois, assim como narra o mito, aquele que teve o conhecimento de algo exterior deve proporcionar a quem não teve a oportunidade de conhece-lo por via dialética, o que é, a princípio

7 2448 uma trabalhosa investida, mas que tende a ser boa e aproveitável. Após tão bela reflexão Sócrates chega a propor um modelo de cidade padrão, que seria íntegra em moral e grandiosa em beleza e saber (Platão, A República in Pensadores). No entanto, ainda no livro A República podemos ver Glauco suplicando a Sócrates que lhe diga o que é de fato sua Idéia de Bem, e isso nos leva a entender uma nova frustração da parte de Sócrates que não consegue, ainda que com muito esforço, conceber tal idéia. Novamente, verificamos que apesar de toda evolução do pensamento socrático, ele volta a uma indeterminação. E essa indeterminação o acompanhará Sócrates em seus últimos dias. A Maiêutica Visto sem novas perspectivas de pensamento afirmativo, Sócrates mostra sua nova fase, que tem como finalidade o parir do saber, a maiêutica, ou a arte da velha parteira. Sobre a maiêutica, a arte de parir o saber, podemos ver a bela narração que Sócrates faz ao jovem Teeteto no famoso diálogo narrado por Platão, que é conhecido pelo nome do rapaz. Logo no começo do diálogo Teeteto Sócrates dá sua definição de maiêutica, e faz isso porque afirma que algo dentro da alma do jovem Teeteto está querendo vir à luz. Nesse momento Teeteto faz um gracejo, e diz a Sócrates que só pode dizer algo sobre aquilo que sente, afirmando assim não sentir nada em sua alma que pareça querer nascer. Sócrates começa então a explicar o que afirmava ele estar acontecendo com o jovem Teeteto. Segundo Sócrates, assim como sua mãe fora uma famosa parteira ele também praticava semelhante arte. A diferença principal que Sócrates expõe é que, sua mãe praticava o parir do corpo, ao passo que ele, o da alma. Não que ele queria dizer que havia um nascer constante de novas almas a partir de outras, longe disso, para o filósofo, os frutos da alma são o saber, e é isso que ele pretende fazer, ajudar jovens a parir o saber que sai de sua alma, pois, segundo Sócrates é na alma que reside todo o saber pertinente ao ser humano (REALE, 1990, p.99). Além disso, cabe dizer que, já tangendo o conceito do mundo das idéias socrático, podemos ver que, para ele, o saber que há no ser humano já existe em sua alma desde antes do seu nascimento, já lhe é certo e completo. Com isso, o parir do saber não é mais do que o relembrar, trazer a tona aquilo que já pertence ao indivíduo desde de sua vida extra corporal, ou seja, o saber já é pertencente ao homem, ele apenas vem a memória através da maiêutica (JERPHAGNOM, 1992, p.23). De modo

8 2449 nenhum, podemos afirmar Sócrates como sendo um místico, o que ele faz é colocar o homem em seu devido lugar. O homem não é Deus, e nem mesmo a medida de todas as coisas. Ou seja, segundo seu modo de pensar, o homem era apenas uma parte do todo, e era subordinado ao Deus que era a inteligência ordenadora (REALE, 1990, p. 92). Entretanto, voltando ao tema principal da maiêutica, reflitamos sobre o diálogo Teeteto. Para que o Jovem entendesse o que ele queria dizer, Sócrates explanou sobre a arte das parteiras. Sobre as parteiras, Sócrates disse que cabe às mulheres que um dia conceberam, e que, todavia hoje não mais possuem tal capacidade a arte de parir. Segundo ele, isso se dá sobre ordenança da deusa Ártemis, que ainda no momento de seu parto ajudou sua mãe a parir seu irmão, Apolo. Ártemis, que nunca havia parido, era quem concedia às mulheres a capacidade de executar a arte de parteira. Todavia, como o ser humano é muito fraco, segundo Sócrates nos narra, somente as mulheres que já haviam um dia parido poderiam ajudar no parto de outra, pois é necessário que quem esteja realizando o parto saiba mais sobre isso, ou melhor, seja mais experiente do que a grávida. Já nesse aspecto, podemos ver os primeiros pontos da analogia socrática, pois, o que ele quer dizer, é que, quem ajuda no parir do saber deve ter mais experiência do que quem está parindo, ou seja, é necessário que já tenha superado esta fase, para que, com certeza daquilo que já fez possa ajudar quem ainda está em tal atividade (BENOIT, 2006, p.75). As semelhanças entre a arte da velha parteira e do parir do saber não acabam por aí. Um próximo ponto importante da analogia Sócrates apresenta através de uma pergunta que possui resposta negativa de Teeteto. Sócrates pergunta se o rapaz sabe que as parteiras são famosas por serem também casamenteiras. Diante da ignorância do rapaz ele o ensina que são, e ainda acresce dizendo que o que elas se orgulham mais de fazer é arranjar o casório do que cortar o cordão umbilical. Isso se dá porque, segundo nos mostra o antigo filósofo, há apenas uma arte encarregada do plantar, cuidar e colher os frutos. Não há duas artes nas quais cabe a uma plantar e a outra colher. Por isso, Sócrates afirma que, se uma parteira colhe o fruto, que é a criança, se sente muito mais orgulhosa de tê-lo plantado. Isso também se compara com a alma e o saber. Se pode-se dizer que, através da maiêutica o filósofo colhia o fruto da alma de alguém, que era o saber de algo, quanto mais se sentiria ele honrado por ser responsável pela arte completa, ou seja, por ter também plantado a semente na alma fértil. Esse é, segundo o filósofo, uma das partes essenciais da arte que ele tenta explicar ao jovem, pois, com a experiência de quem já pariu pode se ter melhores possibilidades de procriação a partir de um casamento bem feito.

9 2450 Todavia, após todas as semelhanças, Sócrates aponta uma diferença notável entre a parteira e ele. Essa diferença faz com que ele afirme que a arte que ele exerce é em muito superior a da parteira. Nas palavras do próprio filósofo (Teeteto VII p.8 in Diálogos): Eis aí a função das parteiras; muito inferior à minha. Em verdade não acontece às mulheres parirem algumas vezes falsos filhos e outras vezes verdadeiros, de difícil distinção...porém, a grande superioridade da minha arte consiste na arte de conhecer de pronto se o que a alma dos jovens está na iminência de conceber é alguma quimera e falsidade ou fruto legítimo e verdadeiro. Essa diferença consiste no seguinte: a parteira não precisa distinguir se o fruto do parto é realmente uma criança, ou se é alguma outra coisa. Pelo contrário, o filósofo, tem que saber separar os conhecimentos verdadeiros dos falsos, daqueles que não são mais do que um engano. Sobre isso, Sócrates afirma que, muitas vezes jovens se frustraram com ele, diante do parir do seu saber ouve a desilusão e a repreensão do parteiro, que dizia que aquilo não passava de uma falsidade, uma ilusão, e não era verdadeiramente o fruto esperado da alma. Nesse saber separar entre o que é ou não o verdadeiro fruto da alma que Sócrates conclui estar à parte mais árdua do trabalho de sua arte, e por isso, ele afirma ser ela superior a arte de sua mãe. Diante dessa grande dificuldade da arte de parir o saber, logo afirma-se que, quem nunca engendrou, não pode também ajudar no parte de outras pessoas, pois, há muitas dificuldades e não poucos detalhes a serem vistos ante um parto, e por isso, segundo Sócrates um ser humano que nunca engendrou é ignorante demais para ajudar e presidir outros partos. Agora, outro saliente detalhe nos resta, que não pode ser de modo algum aqui omitido. Por que Sócrates afirma que apenas quem não pari mais tem a capacidade de presidir outros partos? Pelo simples fato de que: somente quem não engendra mais tem suas idéias fixas. Ou seja, enquanto você está na atividade de engendrar, ora você pode pensar algo e depois defini-lo de modo diferente, pois cada novo parto gera uma nova experiência e reflexão. Por isso, somente quem já encerrou suas atividades férteis é que pode ajudar outros em suas atividades, pois somente eles já terminaram sua experiência e já sabem o que fazer em determinada situação. Não que sua idéia seja completa e perfeita, todavia o seu conceito é terminado, e não permite que haja contradições em momentos cruciais do parto. Ou seja, as atitudes do homem que vive em sociedade devem ser ponderadas, e, especialmente nesse caso, é necessário a cautela de alguém que saiba muito para presidir o parto (JERPHAGNOM, 1992, p.24). A partir dessas breves diretrizes já traçadas, podemos entender como se deu o método de ensino socrático. Contextualizando-o, seria como que, o professor não tivesse papel maior do que o

10 2451 de ajudar o aluno na concepção do saber. Isso não pelo fato de ser o próprio professor o pai daquele saber, mas antes, por ele possuir a arte de casamenteiro, ou sejas, de dar as coordenadas corretas para que houvesse a concepção de algum saber. Mesmo não sendo o professor pai daquele saber ele exerce grande responsabilidade sobre o mesmo, pois foi ele quem o acompanhou desde a concepção até o parto. Além disso, o momento exato do parto do saber é importantíssimo, ao passo que, somente alguém muito bem qualificado pode exercê-lo. Por isso, ninguém ainda esteja em atividade reprodutiva, ou seja, ninguém que ainda esteja incerto sobre o que é de fato um parto, pode auxiliar o mesmo, de modo que, quem nunca construiu um saber dessa forma também não pode auxiliar outras pessoas. Não é suficiente o saber que se transmite nesse caso. É necessário que quem ajuda outra pessoa no engendrar do saber tenha vivido aquela experiência, pois, segundo Sócrates, o ser humano é fraco demais para fazer algo que não tenha vivido. Além do mais, para discernir aquilo que é de fato um saber positivo, e aquilo que não é mais do que falsidade, é necessária grande experiência, e é justamente nisso que deve consistir o papel elementar do educar ao modelo socrático. É evidente que essa relação Parteiro versus Partuinte não se dá apenas na relação Mestre versus Aluno. Todavia, Sócrates narra a Teeteto como se dá a maiêutica num caso bem definido: Teeteto está prestes a formular seu conceito de conhecimento. Devemos lembrar que Sócrates trabalhava com definições de essências, e esse é o momento específico do parir (MARÍAS, 1987, p.62). Exatamente por isso, essa relação assemelha-se mais com a relação mestre versus aluno do que com qualquer outro tipo de relação. Considerações finais A educação, refletida sob o olhar da maiêutica, faz-nos pensar principalmente sobre o real papel do educador. Não que desconsideremos a teoria do saber que Sócrates ensina ao jovem Teeteto, antes, julgamos mais interessante para esse trabalho entender o método utilizado para tanto. Sabemos que o ato de educar não pode se dar de maneira desnorteada, pelo contrário, deve obedecer a métodos que o auxiliem. Desse modo, o filósofo grego já nos legal tal contribuição há mais de vinte séculos.

11 2452 Portanto, vemos na maiêutica socrática um método de ensino no qual o educador não é visto como a fonte a ser bebida pelo aluno, pelo contrário, ele é aquele que ajuda o aluno a gerar sua autonomia enquanto homem, cidadão e discente. Derradeiramente podemos entender que as narrativas de Platão nos levam ao conhecimento de Sócrates, de sua história e de como se deu a construção de sua filosofia. Após a sua morte foram muito que lhe deram atenção e analisaram cuidadosamente sua filosofia, tanto para construí-la quanto para criticá-la. Aquilo que de fato Sócrates foi pode ser muito discutido. Talvez há quem ainda o considere um sofista. O que é certo é que a cada desconstrução através da dialética negativa podemos lembrar da bela filosofia Socrática e de sua morte como conseqüência da mesma, assim poderemos criticá-lo ou admirá-lo, mas sem dúvidas a história sempre será justa em lembrar de tão grandiosa personagem. Referências bibliográficas: CHAUÍ, Marilena. Introdução à história da filosofia. 2.ed. São Paulo: Companhia das letras, 2002 JERPHAGNON, Lucien. História das grandes filosofias.1.ed. São Paulo: Martins Fontes, MARIÁS, Julián. História da filosofia. 8.ed. Porto: Souza & Almeida, PLATÃO. Diálogos; seleção de texto de José Américo Motta Pessanha 5. ed. São Paulo: Nova cultural, (Os Pensadores) REALE, Geovane. História da filosofia antiga. São Paulo: Paulus, 1990 VERNANT, Jean Pierre. Mito e Pensamento entre os gregos. 2.ed. São Paulo: Paz e terra. VICENTINO, C.; DORIGO, G. História geral e do Brasil 1 ed. São Paulo: Scipione, i Acadêmico do segundo ano do curso de teologia do Cesumar e realiza pesquisa pelo programa de iniciação científica (ICC). ii Acadêmico do terceiro ano do curso de teologia no Cesumar e realiza pesquisa pelo programa de bolsa para iniciação científica (PROBIC) iii De acordo com Chauí (2002, p.493), causa pode ser entendida em quatro sentidos. A saber, o jurídico: ser causa é responder por alguma coisa ; sentido lógico: a razão ou explicação de alguma conseqüência ou de uma conclusão ; sentido físico: a origem a um efeito ; e, sentido ético/político: motivo pelo qual uma ação é realizada. iv Referimos-nos fisiólogos aos filósofos que pertenceram ao período chamado naturalista, caracterizado, pelo problema da physis, ou seja, pelo problema cosmo-ontológico (jônicos, pitagóricos, eleátas, pluralistas) (REALE, 1990, p.35).

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos)

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) 3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) Questão (1) - A filosofia se constitui, a partir das concepções de Sócrates, Platão e Aristóteles, como o pensamento que investiga: a) A questão da dívida externa.

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

Sócrates: uma filosofia voltada para consciência crítica. Professor Danilo Borges Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

Sócrates: uma filosofia voltada para consciência crítica. Professor Danilo Borges Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Sócrates: uma filosofia voltada para consciência crítica Professor Danilo Borges Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Sócrates 469 399 a.c. Divisor de águas na filosofia grega

Leia mais

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS Alan Rafael Valente (G-CCHE-UENP/CJ) Douglas Felipe Bianconi (G-CCHE-UENP/CJ) Gabriel Arcanjo Brianese (G-CCHE-UENP/CJ) Samantha Cristina Macedo Périco (G-CCHE-UENP/CJ)

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES 1. (Unicamp 2013) A sabedoria de Sócrates, filósofo ateniense que viveu no século V a.c., encontra o seu ponto de partida

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA Fábio de Araújo Aluno do Curso de Filosofia Universidade Mackenzie Introdução No decorrer da história da filosofia, muitos pensadores falaram e escreveram há cerca do tempo,

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

História da Educação. Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha

História da Educação. Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha História da Educação Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha Na educação clássica grega podemos reconhecer esboços de modelos teóricos, cognitivos, éticos e estéticos que dão origem a toda cultura oriental.

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE I Educação Matemática e Ensino HISTÓRIA DA ESCOLA Quando e como surgiram as escolas? ESCOLA, do grego SKHOLE que significa LAZER EDUCAR, do latim

Leia mais

TEMA 3 MÉTODO SOCRÁTICO E PLANEJAMENTO

TEMA 3 MÉTODO SOCRÁTICO E PLANEJAMENTO MÉTODO SOCRÁTICO E PLANEJAMENTO A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA A TEMA 3 44 A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA A Iniciando nosso diálogo Você está cursando o terceiro tema do curso

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

PAIDEÍA, EROS E A DIVERSIDADE CULTURAL NO BANQUETE DE PLATÃO: AS DIVERSAS FACES DE EROS

PAIDEÍA, EROS E A DIVERSIDADE CULTURAL NO BANQUETE DE PLATÃO: AS DIVERSAS FACES DE EROS PAIDEÍA, EROS E A DIVERSIDADE CULTURAL NO BANQUETE DE PLATÃO: AS DIVERSAS FACES DE EROS Erick Vinícius Santos Gomes Professor Ms. na Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN). erickvsg@gmail.com

Leia mais

DO MITO A RAZÃO: O NASCIMENTO DA FILOSOFIA

DO MITO A RAZÃO: O NASCIMENTO DA FILOSOFIA DO MITO A RAZÃO: O NASCIMENTO DA FILOSOFIA A palavra Filosofia é grega. É composta por duas outras: PHILO e SOPHIA. PHILO significa amizade, amor fraterno, respeito entre os iguais; SOPHIA, sabedoria,

Leia mais

SÓCRATES: O MESTRE GREGO E SEU SISTEMA PEDAGÓGICO REFLETINDO NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA

SÓCRATES: O MESTRE GREGO E SEU SISTEMA PEDAGÓGICO REFLETINDO NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA SÓCRATES: O MESTRE GREGO E SEU SISTEMA PEDAGÓGICO REFLETINDO NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA Luiz Fernando Bandeira de Melo lfbmelo@prove.ufu.br Vani Terezinha de Rezende Faculdade Católica de Uberlândia O método

Leia mais

Os períodos da Filosofia grega.

Os períodos da Filosofia grega. Os períodos da Filosofia grega. Marilena Chauí A Filosofia terá, no correr dos séculos, um conjunto de preocupações, indagações e interesses que lhe vieram de seu nascimento na Grécia. Assim, antes de

Leia mais

Unidade: Aspectos da filosofia Antiga e Medieval. Unidade I:

Unidade: Aspectos da filosofia Antiga e Medieval. Unidade I: Unidade: Aspectos da filosofia Antiga e Medieval Unidade I: 0 Unidade: Aspectos da filosofia Antiga e Medieval A Filosofia Grega A Civilização grega foi uma das civilizações mais marcantes da tradição

Leia mais

3ª. Apostila de Filosofia A origem e o nascimento da Filosofia e sua herança para o mundo ocidental.

3ª. Apostila de Filosofia A origem e o nascimento da Filosofia e sua herança para o mundo ocidental. 1 3ª. Apostila de Filosofia A origem e o nascimento da Filosofia e sua herança para o mundo ocidental. 1. A origem da palavra Filosofia é grega e composta por: Philo: amizade, amor fraterno Sophia: sabedoria

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito)

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) 1- EXPLIQUE o que argumenta a Teoria do Conflito Social. 2- Em que consiste as teses defendidas pelo interacionismo simbólico? 3- O que

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

Platão e a Filosofia da Educação Renato José de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro

Platão e a Filosofia da Educação Renato José de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Educador: João Nascimento Borges Filho Platão

Leia mais

HISTÓRIA DA FILOSOFIA

HISTÓRIA DA FILOSOFIA HISTÓRIA DA FILOSOFIA Períodos da história da filosofia Antiga Patrística Escolástica Renascimento Moderna Iluminismo Contemporânea Filosofia grega Períodos da filosofia grega Cosmológico Antropológico

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

marcelo@sombraealegria.com.br Aula 03 Filosofia 3 Colegial

marcelo@sombraealegria.com.br Aula 03 Filosofia 3 Colegial Aula 03 Filosofia 3 Colegial Os Primeiros Filósofos Busca por uma explicação racional do mundo Filósofos Físicos Explicação na própria natureza Substância básica que formariam todas as coisas: Arkhé A

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

Origem e definição de Filosofia

Origem e definição de Filosofia Filosofia Origem e definição de Filosofia Prof. João Epifânio Regis Lima Objetivo Explicitar a origem da filosofia e delimitar seu conceito a partir da distinção entre filosofia e sabedoria. Então vejamos...

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

Édipo responde à Esfinge Ingres.

Édipo responde à Esfinge Ingres. Mito CONCEITO É a narrativa da origem divina das coisas: Universo, Natureza, Homem, Sociedade, Objetos, Instituições. A linguagem mítica é uma das primeiras tentativas de compreensão humana da sua existência

Leia mais

PLATÃO. Consta-se que antes de ter sido discípulo de Sócrates, seguiu as lições de Crátilo.

PLATÃO. Consta-se que antes de ter sido discípulo de Sócrates, seguiu as lições de Crátilo. PLATÃO Platão, jovem aristocrata de Atenas foi familiar de Alcibíades e de Crítias tinha como nome verdadeiro Arístocles. O cognome deverá ter-se ficado a dever à envergadura dos seus ombros ou então à

Leia mais

2. Só sei que nada sei

2. Só sei que nada sei 12 2. Só sei que nada sei Estamos em 399 a.c. Vive-se na Grécia um período de inovação científica e cultural. Heródoto (c. 484-420 a.c.) introduzira na Europa, havia menos de um século, a história científica

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA?

O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA? O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA? Rodrigo Janoni Carvalho 1 A atitude filosófica se remete ao ato de pensar, questionar o óbvio, criticar, enfim, filosofar. Toda filosofia deve ser radical, não se contentando

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A justiça em Sócrates Marcelo de Oliveira* CONCEITO E VERDADE: SÓCRATES Preliminares Ao iniciar-se a pesquisa para apresentação deste trabalho, busca-se a primeira compreensão do

Leia mais

EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. RESUMO

EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. RESUMO EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. Albertino José da Silva 1 Anderson Alves da Silva 2 Faculdade Mauricio de Nassau 1 Universidade Estadual da Paraíba 2 RESUMO Analisaremos o ensino

Leia mais

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 História da Educação Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Aula 1 14 fev. 2011 Apresentação dos conteúdos, estratégias, ementa, avaliação

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 1.2 Conteúdo:

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 1.2 Conteúdo: Aula 1.2 Conteúdo: FILOSOFIA: Outras formas de pensar 1. Filosofia e Mitologia: O conhecimento tradicional indígena 2. Filosofia e Religião 3. Filosofia e senso comum 2 Habilidades: Perceber outros tipos

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia A Arte: (faculdade da imaginação) De modo mítico e fantástico mediante a intuição e a imaginação, tende a alcançar objetivos que também

Leia mais

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Filosofia Questão 01... a filosofia não é a revelação feita ao ignorante por quem sabe tudo, mas o diálogo entre iguais que se fazem cúmplices

Leia mais

CARTA VII: BASE PARA A LEITURA DOS DIÁLOGOS PLATÔNICOS 1

CARTA VII: BASE PARA A LEITURA DOS DIÁLOGOS PLATÔNICOS 1 CARTA VII: BASE PARA A LEITURA DOS DIÁLOGOS PLATÔNICOS 1 Emilia Maria Mendonça de Morais * Pensar e escrever sobre Platão faz sempre atual talvez a mais antiga e recorrente questão: que idéias propugnava

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

FILOSOFIA. a) Tales de Mileto; b) Anaximandro de Mileto; c) Pitágoras de Samos; d) Anaxímenes de Mileto; e) Zenão de Eléia

FILOSOFIA. a) Tales de Mileto; b) Anaximandro de Mileto; c) Pitágoras de Samos; d) Anaxímenes de Mileto; e) Zenão de Eléia FILOSOFIA 01 - Nem a água nem algum dos elementos, mas alguma substancia diferente, ilimitada e dela, nascem os céus e os mundos neles contidos. In Fundamentos da Filosofia. O texto acima se refere à busca

Leia mais

Sócrates e Platão. Prof. João Borba

Sócrates e Platão. Prof. João Borba Sócrates e Platão Prof. João Borba Sumário PARTE I SÓCRATES RESUMIDO...1 1. Sócrates nunca escreveu...3 2. Só sei que nada sei...4 3. A ironia...7 4. Conhece-te a ti mesmo...8 5. A maiêutica, ou parto

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

Como se estuda filosofia?

Como se estuda filosofia? Como se estuda filosofia? Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Filosofia 1. Introdução Estas breves notas visam ajudar os estudantes a estudar melhor. Muitas das indicações

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA 1 40 dias vivendo para Jesus 12/05/2013 At 1 4 Um dia, quando estava com os apóstolos, Jesus deu esta ordem: Fiquem em Jerusalém e esperem até que o Pai

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

Pré-socráticos - Questões de Vestibulares - Gabarito

Pré-socráticos - Questões de Vestibulares - Gabarito Pré-socráticos - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uncisal 2012) O período pré-socrático é o ponto inicial das reflexões filosóficas. Suas discussões se prendem a Cosmologia, sendo a determinação

Leia mais

Vamos compreender a História na linha do tempo...

Vamos compreender a História na linha do tempo... Vamos compreender a História na linha do tempo... Idade Idade Idade Idade Antiga Média Moderna Contemp L i n h a d o T e m p o 1. Antes da Idade Antiga, a Pré-História: antes dos registros escritos. 2.

Leia mais

A visão jurídica no contrato social de Rousseau

A visão jurídica no contrato social de Rousseau A visão jurídica no contrato social de Rousseau Jean-Jacques Rousseau, suíço nascido em Genebra, um dos mentores do iluminismo, escreveu esta obra em 1757. Na sua biografia encontramos relato da tentativa

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

ESCOLAS FILOSÓFICAS JÔNICA

ESCOLAS FILOSÓFICAS JÔNICA ESCOLAS FILOSÓFICAS Depois das reflexões iniciais sobre ética, moral e suas relações, vejamos resumidamente as escolas filosóficas. A melhor forma de se compreender a história do pensamento humano, é através

Leia mais

DE 06/01/82, DO FOUCAULT. Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège de France. 1981-1982. Paris:

DE 06/01/82, DO FOUCAULT. Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège de France. 1981-1982. Paris: 1 RESUMO DA DA 1ª. E 2ª. H. HORAS DA AULA DE DE 06/01/82, DO DO CURSO A HERMENÊUTICA DO SUJEITO, DE MICHEL FOUCAULT Resumo feito por: Fábio Belo Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège

Leia mais

1. A Experiência Filosófica Estranhamento ou Deslocamento. Experimenta uma quebra, uma interrupção no fluir normal de sua vida. Você para pra pensar.

1. A Experiência Filosófica Estranhamento ou Deslocamento. Experimenta uma quebra, uma interrupção no fluir normal de sua vida. Você para pra pensar. CURSO: ENSINO MÉDIO COMPONENTE CURRICULAR: FILOSOFIA CARGA HORÁRIA: 40 HORAS PERÍODO: 1 ANO / 2014 UNIDADE: I TRANSMISSÃO: 08/10/2014 Qurta Feira ESTÚDIO: 01 Responsável: Glaucia Produção:Adriano Arte:

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

------------------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------------------ POR QUE É QUE A GENTE É ASSIM? Eng. ------------------------------------------------------------------------------------ É batata! Toda vez que, numa conversa qualquer, o assunto "comportamento no mercado"

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE CAPÍTULO 11 LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE Justiça e direitos naturais Direito de propriedade. Roubo Caridade e amor ao próximo Amor maternal e filial JUSTIÇA E DIREITOS NATURAIS 873 O sentimento de justiça

Leia mais

Tales de Mileto. Tudo é água. Tales

Tales de Mileto. Tudo é água. Tales precisa. Afinal, nunca houve, na Antigüidade, um Estado grego unificado. O que chamamos de Grécia nada mais é que o conjunto de muitas cidades-estado gregas (pólis), independentes umas das outras, e muitas

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Em seu diálogo A República, Platão descreve na célebre Alegoria da Caverna a situação de homens aprisionados desde a infância no fundo de uma caverna e de tal

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

RESPOSTAS ESPERADAS E GABARITO

RESPOSTAS ESPERADAS E GABARITO 1 RESPOSTAS ESPERADAS E GABARITO PROVA DE FILOSOFIA 24/08/2015 SEGUNDAS SÉRIES DO ENSINO MÉDIO SEGUNDO TRIMESTRE/2015 A fim de facilitar o entendimento da nota atribuída à questão dissertativa da prova

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo.

MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo. ORIGEM DA FILOSOFIA Nasce no século VI a.c., em Mileto (cidade situada na Jônia, região de colônias gregas na Ásia menor). Filosofia representa a passagem do saber mítico (alegórico, fantástico, fantasioso)

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

Meu pai disse-me, à porta do Ateneu, que eu ia encontrar ( que eu encontraria ) o mundo e que (eu) tivesse coragem para a luta.

Meu pai disse-me, à porta do Ateneu, que eu ia encontrar ( que eu encontraria ) o mundo e que (eu) tivesse coragem para a luta. Tipos de Discurso (exercícios para fixação de conteúdo, bem como material de consulta e estudo). 1. Transforme a fala abaixo em um discurso indireto. Para tal, imagine que há, na cena, um narrador que

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

CATÁLOGO. APRESENTAÇÕES: IMAGEMS: Coruja:

CATÁLOGO. APRESENTAÇÕES: IMAGEMS: Coruja: CATÁLOGO ÁREA: Introdução à Filosofia. TEMA: Por que a Coruja é o símbolo da Filosofia? HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Antiga, moderna e contemporânea. INTERDISCIPLINARIDADE: Artes DURAÇÃO: 1 aula de 50 AUTORIA:

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

O Surgimento da filosofia

O Surgimento da filosofia O Surgimento da filosofia Prof. Victor Creti Bruzadelli Prof. Deivid O surgimento da filosofia Conceitos de Mito: O mito conta uma história sagrada; ele relata um acontecimento ocorrido no tempo primordial,

Leia mais

SIMULADO DE FILOSOFIA

SIMULADO DE FILOSOFIA NOME: DATA DE ENTREGA: / / SIMULADO DE FILOSOFIA 1) A Filosofia é uma disciplina, ou uma área de estudo que envolve: a) ( ) investigação, análise, discussão, formação e reflexão de idéias em uma situação

Leia mais

PAINEL: Alguns desafios atuais da autoavaliação.

PAINEL: Alguns desafios atuais da autoavaliação. Evento: III Encontro de Iniciação Científica da Faculdade Apogeu. Local: Dependências da Faculdade Apogeu. Dia: 16/05/2014. Prof. MSc. Heitor Pereira Silva. (Relatoria própria) PAINEL: Alguns desafios

Leia mais

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja.

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja. Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja. O primeiro passo para conquistar algo é acreditar que é possível. Se não, a pessoa

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DO SER: Reflexões sobre os pensamentos de Sócrates e Heidegger. Luiz Fernando Bandeira de Melo* Gilzane Silva Naves** Resumo

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DO SER: Reflexões sobre os pensamentos de Sócrates e Heidegger. Luiz Fernando Bandeira de Melo* Gilzane Silva Naves** Resumo ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DO SER: Reflexões sobre os pensamentos de Sócrates e Heidegger Luiz Fernando Bandeira de Melo* Gilzane Silva Naves** Resumo Este artigo visa apresentar um estudo comparativo entre

Leia mais

PROTOCOLO DA VERGONHA NA CARA

PROTOCOLO DA VERGONHA NA CARA PROTOCOLO DA VERGONHA NA CARA Luiz Antonio Batista da Rocha Eng. Civil Consultor em Recursos Hídricos Auditor Ambiental - rocha@outorga.com.br www.outorga.com.br Brilhantemente coordenado pelo secretário

Leia mais

Como fazer seu blog se destacar dos outros

Como fazer seu blog se destacar dos outros Como fazer seu blog se destacar dos outros Fama. Tráfego. Reconhecimento. Muito dinheiro no bolso. Esses itens certamente estão presentes na lista de desejos de quase todos os blogueiros. Afinal, ninguém

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

Aula 7: Métodos de raciocínio

Aula 7: Métodos de raciocínio Aula 7: Métodos de raciocínio São modelos conscientes de organização do pensamento Desde pequenos, ouvimos que a principal característica que diferencia os seres humanos dos animais é o fato de aqueles

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS

FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS Ursula Rosa da Silva 1 Resumo: Este trabalho vai ao encontro da proposta de temática deste seminário de pensar novas alternativas provenientes da

Leia mais